SlideShare uma empresa Scribd logo
ANO LETIVO 2013/2014
CURSO Vocacional – 1º ano

TURMA: CV13
Comércio – Módulo 4

Prof : Leonor Alves

REVISÕES - Gestão de stocks

Módulo 4 - Os stocks : 10 horas -14 aulas

Conceito de Gestão de Stocks
Definição de stock : é a quantida dde de Mercadoria em armazém. São reservas e ou provisões.

Gestão de stocks
Stock é um termo habitualmente utilizado, em economia,
para designar as matérias-primas ou os produtos
intermédios.
Diga, por palavras suas o que são stocks.
São reservas e provisões, ou seja, a quantidade de mercadorias que existem em
armazém

As empresas constituem stocks por diversos motivos:
1 - para conseguirem efetuar o seu processo produtivo
sem ruturas (e, portanto, sem parar de vender),
2 - para poderem comprar de forma mais económica
(constituem stocks porque, ao adquirirem lotes grandes,
cada produto fica unitariamente mais barato) e
3 -para obterem ganhos quando prevêem uma subida
nas cotações ou nos preços.
4 - Pode também suceder que a empresa trabalhe por encomenda. Nesse caso, não tem
necessidade de constituir stocks, uma vez que apenas produz como resposta a
encomendas específicas dos seus clientes.
Consoante a natureza do negócio de uma organização, nela poderemos encontrar
diferentes tipos de stocks:
 Stocks necessários para a fabricação, incluindo matérias-primas, matérias
subsidiárias, embalagens e materiais de embalagem.
 Stocks de conservação os quais respeitam às peças sobresselentes necessárias
1
para as máquinas, ferramentas e matérias consumíveis.
 Stocks em curso de fabrico, que correspondem a produtos não concluídos e que
já implicaram o consumo de recursos.
 Stocks de produtos acabados.
Porque é que as empresas fazem stocks de mercadorias?
Para não pararem de vender, para comprarem a preços mais económicos ou por causa
das encomendas
Quais os tipos de stocks que se podem constituir?
Stocks de conservação, stocks de produtos acabados ou stocks de matérias primas.

Gestão de stocks ou Administração de stocks é uma área crucial para a boa administração das
empresas, pois o desempenho nesta área tem reflexos imediatos nos resultados comerciais e
financeiros da empresa.
Vantagens na constituição de stocks
Factores mais relevantes que levam as organizações a constituir stock :
 Podem-se constituir stocks com uma finalidade especulativa, comprando-se os mesmos a baixos
preços para os vender a preços altos;
 Para assegurar o consumo regular de um produto em caso de a sua produção ser irregular;
 Geralmente, na compra de grandes quantidades
beneficia-se de uma redução do preço unitário;
 Não sendo prático o transporte de produtos em
pequenas quantidades, opta-se por encher os veículos
de transporte no intuito de economizar nos custos de
transporte, o que se traduz numa constituição de stock;

A existência de stock pode-se justificar apenas pela legítima preocupação em fazer face às variações
de consumo:
 Para prevenção contra atrasos nas entregas, provocados por avarias durante a produção, greves
laborais, problemas no transporte, etc;
 Armazenamento de produtos, se a produção for superior ao consumo, em alturas de crise poderá
contribuir para evitar tensões sociais;
 Beneficia-se da existência de stock, quando este evita o incómodo de se fazer entregas ou
compras demasiado frequentes.
Resuma as vantagens de constituição de stocks
Para prevenir atrasos nas entregas, para enfrentar crises económicas de falta de produtos ou para
poupar tempo, não andando sempre a comprar.
Desvantagens na constituição de stocks
Principais inconvenientes na constituição de stocks :
2
 Um dos inconvenientes diz respeito à própria fragilidade de certos produtos, que não possuem
condições de serem mantidos em stock ou poderão ser mantidos em períodos muito curtos;
 Outro problema, diz respeito ao custo de posse traduzido no facto de existir material não vendido
que vai acabar por imobilizar capital sem acrescentar valor;
 A ruptura apresenta-se como um enorme inconveniente, visto que a ocorrência desta irá provocar
vendas perdidas e em casos extremos poderá levar à perda de clientes.
Diga quais são as desvantagens da constituição de stocks.
Alguns produtos são frágeis e ou tem um tempo de vida curto. Outra desvantagem é o caso do
material estar parado e está a perder valor.
Custos da gestão de stocks são :
a) Custos de aprovisionamento
Corresponde ao custo de processamento da
encomenda, que poderá ser a compra feita a um
fornecedor, mas também aos custos associados à
inspecção e transferência do material, assim como os
custos relativos à produção.
b) Custos de posse
São os custos directamente relacionados com a
manutenção dos artigos em stock, poderão ser de
obsolescência, de deterioração, impostos, seguros, custo do armazém e sua manutenção e custos do
capital.
c) Custos de ruptura
Estes custos surgem quando não há material disponível para fazer face ao(s) pedido(s) do(s)
cliente(s). Com isso, não só são gastas mais horas e trabalho na elaboração de novos pedidos, como
em casos extremos poderá levar à perda do(s) cliente(s).
Diga, por palavras suas, quais são os 3 principais custos de stocks ( resumindo cada um deles )
Custos de aprovisionamento por causa das deslocações, custo de posse por ter o material e não ser
vendido e custo de ruptura, por não terem todos os materiais para os clientes.
Embora estes sejam considerados os três principais custos associados à gestão de stocks, refere
ainda um quarto grupo, designado por custo associado à capacidade, que são os custos relacionados
com questões laborais como horas extraordinárias, subcontratações, despedimentos,

Custos associados à capacidade
O que são os custos associados á capacidade?
Estão relacionados com o numero de horas extraordinárias e ou contratações que se têm que fazer
para encomendas muito grandes.

Quantidade económica de encomenda
 A quantidade a encomendar que minimiza o custo
total é designada por quantidade económica de
encomenda.
3
O nível máximo de stock Q é atingido no momento em que se verifica a recepção de encomenda e o
nível mínimo no momento imediatamente anterior à sua recepção.
Quando o nível de stock atinge o ponto de encomenda s, uma nova encomenda de Q unidades é
colocada.
A política de gestão a adoptar é portanto a minimização do custo total anual (CT) (UM/ano) que é
dado por:
onde:
 Q = quantidade a encomendar (unidades)
 c = custo unitário (UM/unidade)
 D = procura anual do artigo (unidades/ano)
 Ic = custo de posse unitário anual por unidade (UM/unidade ano)
 Ca = custo associado à realização de uma encomenda (UM)
 L = prazo de aprovisionamento
 e o ponto de encomenda s traduz-se da seguinte forma: s = D * L
Quando é que se atinge o nível máximo de stocks?
Quando se recebe a encomenda.
Quando é que se atinge o nível mínimo de stocks?
É no dia anterior á recepção da encomenda.

4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão Material dos Stocks
Gestão Material dos StocksGestão Material dos Stocks
Gestão Material dos Stocks
Qemadonaaask
 
Gestão de Materiais e de Stocks
Gestão de Materiais e de StocksGestão de Materiais e de Stocks
Gestão de Materiais e de Stocks
CLT Valuebased Services
 
O aprovisionamento gestão de stocks final
O aprovisionamento gestão de stocks finalO aprovisionamento gestão de stocks final
O aprovisionamento gestão de stocks final
joaoprates
 
Gestão de stocks- 4º trabalho SM
Gestão de stocks- 4º trabalho SMGestão de stocks- 4º trabalho SM
Gestão de stocks- 4º trabalho SM
triudus
 
Gestão de stocks4º
Gestão de stocks4ºGestão de stocks4º
Gestão de stocks4º
João Barata
 
Custo de stocks
Custo de stocksCusto de stocks
Custo de stocks
Sabertoth613
 
Gestão de stocks
Gestão de stocks Gestão de stocks
Gestão de stocks
Bruno Andrade
 
2º trabalho jorge madeira
2º trabalho  jorge  madeira2º trabalho  jorge  madeira
2º trabalho jorge madeira
warier96
 
Aula 5 fornecimento
Aula 5   fornecimentoAula 5   fornecimento
Aula 5 fornecimento
Adilson Paradella
 
Gestao De Estoques
Gestao De EstoquesGestao De Estoques
Gestao De Estoques
ogerente
 
Ficha de trabalho nº9 mod2 - cv-v14- stocks
Ficha de trabalho nº9   mod2 - cv-v14- stocksFicha de trabalho nº9   mod2 - cv-v14- stocks
Ficha de trabalho nº9 mod2 - cv-v14- stocks
Leonor Alves
 
Controle
ControleControle
Controle
André Silva
 
Gestão de Stocks
 Gestão de Stocks  Gestão de Stocks
Gestão de Stocks
Tatianadizz99
 
Gestao de materiais para concurso
Gestao de materiais para concursoGestao de materiais para concurso
Gestao de materiais para concurso
leo850
 
Armazenagem3º trabalho
Armazenagem3º trabalhoArmazenagem3º trabalho
Armazenagem3º trabalho
jorgecs6
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
Adilson Paradella
 
Aula parte i gestão de materiais
Aula parte i gestão de materiaisAula parte i gestão de materiais
Aula parte i gestão de materiais
Rodrigoblek
 
ESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUE
ESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUEESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUE
ESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUE
Kamilla Lima
 
Armazenagem e Estoque
Armazenagem e EstoqueArmazenagem e Estoque
Armazenagem e Estoque
TamiresSerafim
 
Gestão de estoques aula 02
Gestão de estoques  aula 02Gestão de estoques  aula 02
Gestão de estoques aula 02
Sirlei Vieira
 

Mais procurados (20)

Gestão Material dos Stocks
Gestão Material dos StocksGestão Material dos Stocks
Gestão Material dos Stocks
 
Gestão de Materiais e de Stocks
Gestão de Materiais e de StocksGestão de Materiais e de Stocks
Gestão de Materiais e de Stocks
 
O aprovisionamento gestão de stocks final
O aprovisionamento gestão de stocks finalO aprovisionamento gestão de stocks final
O aprovisionamento gestão de stocks final
 
Gestão de stocks- 4º trabalho SM
Gestão de stocks- 4º trabalho SMGestão de stocks- 4º trabalho SM
Gestão de stocks- 4º trabalho SM
 
Gestão de stocks4º
Gestão de stocks4ºGestão de stocks4º
Gestão de stocks4º
 
Custo de stocks
Custo de stocksCusto de stocks
Custo de stocks
 
Gestão de stocks
Gestão de stocks Gestão de stocks
Gestão de stocks
 
2º trabalho jorge madeira
2º trabalho  jorge  madeira2º trabalho  jorge  madeira
2º trabalho jorge madeira
 
Aula 5 fornecimento
Aula 5   fornecimentoAula 5   fornecimento
Aula 5 fornecimento
 
Gestao De Estoques
Gestao De EstoquesGestao De Estoques
Gestao De Estoques
 
Ficha de trabalho nº9 mod2 - cv-v14- stocks
Ficha de trabalho nº9   mod2 - cv-v14- stocksFicha de trabalho nº9   mod2 - cv-v14- stocks
Ficha de trabalho nº9 mod2 - cv-v14- stocks
 
Controle
ControleControle
Controle
 
Gestão de Stocks
 Gestão de Stocks  Gestão de Stocks
Gestão de Stocks
 
Gestao de materiais para concurso
Gestao de materiais para concursoGestao de materiais para concurso
Gestao de materiais para concurso
 
Armazenagem3º trabalho
Armazenagem3º trabalhoArmazenagem3º trabalho
Armazenagem3º trabalho
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
 
Aula parte i gestão de materiais
Aula parte i gestão de materiaisAula parte i gestão de materiais
Aula parte i gestão de materiais
 
ESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUE
ESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUEESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUE
ESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUE
 
Armazenagem e Estoque
Armazenagem e EstoqueArmazenagem e Estoque
Armazenagem e Estoque
 
Gestão de estoques aula 02
Gestão de estoques  aula 02Gestão de estoques  aula 02
Gestão de estoques aula 02
 

Destaque

Ftrabalho nº3 2ºanoteca-revisões
Ftrabalho nº3 2ºanoteca-revisõesFtrabalho nº3 2ºanoteca-revisões
Ftrabalho nº3 2ºanoteca-revisões
Leonor Alves
 
Teste ae 2º periodo
Teste ae  2º periodoTeste ae  2º periodo
Teste ae 2º periodo
Leonor Alves
 
Fichadetrabalhon9 1ano-comunicaoebarreiras-121116082810-phpapp02
Fichadetrabalhon9 1ano-comunicaoebarreiras-121116082810-phpapp02Fichadetrabalhon9 1ano-comunicaoebarreiras-121116082810-phpapp02
Fichadetrabalhon9 1ano-comunicaoebarreiras-121116082810-phpapp02
Leonor Alves
 
Avaliação 11ºig módulo 6 - janeiro 2012
Avaliação 11ºig   módulo 6 - janeiro 2012Avaliação 11ºig   módulo 6 - janeiro 2012
Avaliação 11ºig módulo 6 - janeiro 2012
Leonor Alves
 
Ficha de trabalho nº3 modulo 1 - cv133a final- requer pesquisa na net
Ficha de trabalho nº3  modulo 1 - cv133a final- requer pesquisa na netFicha de trabalho nº3  modulo 1 - cv133a final- requer pesquisa na net
Ficha de trabalho nº3 modulo 1 - cv133a final- requer pesquisa na net
Leonor Alves
 
Ficha de trabalho nº11 conceito de valor no marketing- m6
Ficha de trabalho nº11   conceito de valor no marketing- m6Ficha de trabalho nº11   conceito de valor no marketing- m6
Ficha de trabalho nº11 conceito de valor no marketing- m6
Leonor Alves
 
Ficha de trabalho nº10 areas de marketing- m6
Ficha de trabalho nº10   areas de marketing- m6Ficha de trabalho nº10   areas de marketing- m6
Ficha de trabalho nº10 areas de marketing- m6
Leonor Alves
 
Ficha de trabalho nº5 modulo 1
Ficha de trabalho nº5  modulo 1Ficha de trabalho nº5  modulo 1
Ficha de trabalho nº5 modulo 1
Leonor Alves
 
Ficha de trabalho nº13 finalizada
Ficha de trabalho nº13   finalizadaFicha de trabalho nº13   finalizada
Ficha de trabalho nº13 finalizada
Leonor Alves
 
Ficha de trabalho nº 8 atendimento e loja
Ficha de trabalho nº 8   atendimento e lojaFicha de trabalho nº 8   atendimento e loja
Ficha de trabalho nº 8 atendimento e loja
Leonor Alves
 
Ficha de trabalho nº3 assertividade e escuta ativa-1º ano
Ficha de trabalho nº3   assertividade e escuta ativa-1º anoFicha de trabalho nº3   assertividade e escuta ativa-1º ano
Ficha de trabalho nº3 assertividade e escuta ativa-1º ano
Leonor Alves
 
Marketing Mix
Marketing MixMarketing Mix
Marketing Mix
Tiago Reis
 
Marketing Estratégico - Nivea
Marketing Estratégico - NiveaMarketing Estratégico - Nivea
Marketing Estratégico - Nivea
Mª Luisa Pires
 
Os 4 p do marketing
Os 4 p do marketingOs 4 p do marketing
Os 4 p do marketing
MarcondesAnderson
 
El modelo educativo 2016 curriculum
El modelo educativo 2016 curriculumEl modelo educativo 2016 curriculum
El modelo educativo 2016 curriculum
mayra edith dominguez carm,ona
 
La semana del 25 de mayo
La semana del 25 de mayoLa semana del 25 de mayo
La semana del 25 de mayo
Nicolás Castro
 
Derechoshumanos
DerechoshumanosDerechoshumanos
Derechoshumanos
claudiaramos_
 
Logika algoritma dan pemograman
Logika algoritma dan pemogramanLogika algoritma dan pemograman
Logika algoritma dan pemograman
Ilham marduantha
 
72 tesis.ip011.s86
72 tesis.ip011.s8672 tesis.ip011.s86
72 tesis.ip011.s86
Eve Chacón
 

Destaque (20)

Ftrabalho nº3 2ºanoteca-revisões
Ftrabalho nº3 2ºanoteca-revisõesFtrabalho nº3 2ºanoteca-revisões
Ftrabalho nº3 2ºanoteca-revisões
 
Teste ae 2º periodo
Teste ae  2º periodoTeste ae  2º periodo
Teste ae 2º periodo
 
Fichadetrabalhon9 1ano-comunicaoebarreiras-121116082810-phpapp02
Fichadetrabalhon9 1ano-comunicaoebarreiras-121116082810-phpapp02Fichadetrabalhon9 1ano-comunicaoebarreiras-121116082810-phpapp02
Fichadetrabalhon9 1ano-comunicaoebarreiras-121116082810-phpapp02
 
Avaliação 11ºig módulo 6 - janeiro 2012
Avaliação 11ºig   módulo 6 - janeiro 2012Avaliação 11ºig   módulo 6 - janeiro 2012
Avaliação 11ºig módulo 6 - janeiro 2012
 
Ficha de trabalho nº3 modulo 1 - cv133a final- requer pesquisa na net
Ficha de trabalho nº3  modulo 1 - cv133a final- requer pesquisa na netFicha de trabalho nº3  modulo 1 - cv133a final- requer pesquisa na net
Ficha de trabalho nº3 modulo 1 - cv133a final- requer pesquisa na net
 
Ficha de trabalho nº11 conceito de valor no marketing- m6
Ficha de trabalho nº11   conceito de valor no marketing- m6Ficha de trabalho nº11   conceito de valor no marketing- m6
Ficha de trabalho nº11 conceito de valor no marketing- m6
 
Ficha de trabalho nº10 areas de marketing- m6
Ficha de trabalho nº10   areas de marketing- m6Ficha de trabalho nº10   areas de marketing- m6
Ficha de trabalho nº10 areas de marketing- m6
 
Ficha de trabalho nº5 modulo 1
Ficha de trabalho nº5  modulo 1Ficha de trabalho nº5  modulo 1
Ficha de trabalho nº5 modulo 1
 
Ficha de trabalho nº13 finalizada
Ficha de trabalho nº13   finalizadaFicha de trabalho nº13   finalizada
Ficha de trabalho nº13 finalizada
 
Ficha de trabalho nº 8 atendimento e loja
Ficha de trabalho nº 8   atendimento e lojaFicha de trabalho nº 8   atendimento e loja
Ficha de trabalho nº 8 atendimento e loja
 
Ficha de trabalho nº3 assertividade e escuta ativa-1º ano
Ficha de trabalho nº3   assertividade e escuta ativa-1º anoFicha de trabalho nº3   assertividade e escuta ativa-1º ano
Ficha de trabalho nº3 assertividade e escuta ativa-1º ano
 
Marketing Mix
Marketing MixMarketing Mix
Marketing Mix
 
Marketing Estratégico - Nivea
Marketing Estratégico - NiveaMarketing Estratégico - Nivea
Marketing Estratégico - Nivea
 
Os 4 p do marketing
Os 4 p do marketingOs 4 p do marketing
Os 4 p do marketing
 
El modelo educativo 2016 curriculum
El modelo educativo 2016 curriculumEl modelo educativo 2016 curriculum
El modelo educativo 2016 curriculum
 
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
 
La semana del 25 de mayo
La semana del 25 de mayoLa semana del 25 de mayo
La semana del 25 de mayo
 
Derechoshumanos
DerechoshumanosDerechoshumanos
Derechoshumanos
 
Logika algoritma dan pemograman
Logika algoritma dan pemogramanLogika algoritma dan pemograman
Logika algoritma dan pemograman
 
72 tesis.ip011.s86
72 tesis.ip011.s8672 tesis.ip011.s86
72 tesis.ip011.s86
 

Semelhante a Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões

Gestão de stocks
Gestão de stocksGestão de stocks
Gestão de stocks
Soraia Cardozo
 
Gestão de stocks4º
Gestão de stocks4ºGestão de stocks4º
Gestão de stocks4º
João Barata
 
Controle de estoques (funcionalidades)
Controle de estoques (funcionalidades)Controle de estoques (funcionalidades)
Controle de estoques (funcionalidades)
Cristiano Ferreira Cesarino
 
Gestão de stocks fláá
Gestão de stocks   flááGestão de stocks   fláá
Gestão de stocks fláá
flaaviosoares
 
Gestao de stocks
Gestao de stocksGestao de stocks
Gestao de stocks
warier96
 
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giroO reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
Ricardo Pinheiro
 
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giroO reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
Ricardo Pinheiro
 
Controle dos Estoques e Logística: Receita de Sucesso
Controle dos Estoques e Logística: Receita de SucessoControle dos Estoques e Logística: Receita de Sucesso
Controle dos Estoques e Logística: Receita de Sucesso
Hytalo Rafael
 
Lote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio BoianiLote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio Boiani
fabioboiani
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Conceitos 1
Conceitos   1Conceitos   1
Conceitos 1
Hortênsia Morais
 
T&q
T&qT&q
Gerenciando seu empreendimento e7
Gerenciando seu empreendimento   e7Gerenciando seu empreendimento   e7
Gerenciando seu empreendimento e7
silviofsouza
 
Sistema de Avaliação de Estoques
Sistema de Avaliação de EstoquesSistema de Avaliação de Estoques
Sistema de Avaliação de Estoques
George Maia
 
Estoque
Estoque Estoque
Estoque
Laercio27
 
Noções de administração de material
Noções de administração de materialNoções de administração de material
Noções de administração de material
John Paul John Paul
 
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadistaCustos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
Agnaldo Cruz
 
Custos de Manutenção de Estoques
Custos de Manutenção de EstoquesCustos de Manutenção de Estoques
Custos de Manutenção de Estoques
vjoao
 
Gestão de Estoque.ppt
Gestão de Estoque.pptGestão de Estoque.ppt
Gestão de Estoque.ppt
MARIO SOARES
 
ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.ppt
ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.pptADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.ppt
ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.ppt
augustocosta82
 

Semelhante a Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões (20)

Gestão de stocks
Gestão de stocksGestão de stocks
Gestão de stocks
 
Gestão de stocks4º
Gestão de stocks4ºGestão de stocks4º
Gestão de stocks4º
 
Controle de estoques (funcionalidades)
Controle de estoques (funcionalidades)Controle de estoques (funcionalidades)
Controle de estoques (funcionalidades)
 
Gestão de stocks fláá
Gestão de stocks   flááGestão de stocks   fláá
Gestão de stocks fláá
 
Gestao de stocks
Gestao de stocksGestao de stocks
Gestao de stocks
 
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giroO reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
 
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giroO reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
 
Controle dos Estoques e Logística: Receita de Sucesso
Controle dos Estoques e Logística: Receita de SucessoControle dos Estoques e Logística: Receita de Sucesso
Controle dos Estoques e Logística: Receita de Sucesso
 
Lote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio BoianiLote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio Boiani
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Conceitos 1
Conceitos   1Conceitos   1
Conceitos 1
 
T&q
T&qT&q
T&q
 
Gerenciando seu empreendimento e7
Gerenciando seu empreendimento   e7Gerenciando seu empreendimento   e7
Gerenciando seu empreendimento e7
 
Sistema de Avaliação de Estoques
Sistema de Avaliação de EstoquesSistema de Avaliação de Estoques
Sistema de Avaliação de Estoques
 
Estoque
Estoque Estoque
Estoque
 
Noções de administração de material
Noções de administração de materialNoções de administração de material
Noções de administração de material
 
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadistaCustos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
 
Custos de Manutenção de Estoques
Custos de Manutenção de EstoquesCustos de Manutenção de Estoques
Custos de Manutenção de Estoques
 
Gestão de Estoque.ppt
Gestão de Estoque.pptGestão de Estoque.ppt
Gestão de Estoque.ppt
 
ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.ppt
ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.pptADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.ppt
ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.ppt
 

Mais de Leonor Alves

Ficha de trabalho cpv- m7
Ficha de trabalho   cpv- m7Ficha de trabalho   cpv- m7
Ficha de trabalho cpv- m7
Leonor Alves
 
Aulas previstas totais ano letivo 18 19 (2) - principal
Aulas previstas totais ano letivo 18 19 (2) - principalAulas previstas totais ano letivo 18 19 (2) - principal
Aulas previstas totais ano letivo 18 19 (2) - principal
Leonor Alves
 
Ficha de trabalho m8- cv - atendimento
Ficha de trabalho m8- cv  -  atendimentoFicha de trabalho m8- cv  -  atendimento
Ficha de trabalho m8- cv - atendimento
Leonor Alves
 
As 7 etapas do processo de vendas
As 7 etapas do processo de vendasAs 7 etapas do processo de vendas
As 7 etapas do processo de vendas
Leonor Alves
 
Soc
SocSoc
Comida tipica portuguesa
Comida tipica portuguesaComida tipica portuguesa
Comida tipica portuguesa
Leonor Alves
 
Dia da europa 2018
Dia da europa 2018Dia da europa 2018
Dia da europa 2018
Leonor Alves
 
20 perguntas de sociologia
20 perguntas de sociologia20 perguntas de sociologia
20 perguntas de sociologia
Leonor Alves
 
Manual de primeiros socorros
Manual de primeiros socorrosManual de primeiros socorros
Manual de primeiros socorros
Leonor Alves
 
Ficha de trabalho nº 6(17 18)-segurança
Ficha de trabalho nº 6(17 18)-segurançaFicha de trabalho nº 6(17 18)-segurança
Ficha de trabalho nº 6(17 18)-segurança
Leonor Alves
 
Ficha de trabalho nº 5(17 18)- contaminação dos alimentos
Ficha de trabalho nº 5(17 18)- contaminação dos alimentosFicha de trabalho nº 5(17 18)- contaminação dos alimentos
Ficha de trabalho nº 5(17 18)- contaminação dos alimentos
Leonor Alves
 
Ficha de trabalho nº 4(17 18)- higiene alimentar
Ficha de trabalho nº 4(17 18)- higiene alimentarFicha de trabalho nº 4(17 18)- higiene alimentar
Ficha de trabalho nº 4(17 18)- higiene alimentar
Leonor Alves
 
Ficha de trabalho nº 3 tec.dist. porta-paletes
Ficha de trabalho nº 3 tec.dist.  porta-paletesFicha de trabalho nº 3 tec.dist.  porta-paletes
Ficha de trabalho nº 3 tec.dist. porta-paletes
Leonor Alves
 
Ficha de trabalho nº 2 tec.dist. - empilhadores
Ficha de trabalho nº 2   tec.dist. - empilhadoresFicha de trabalho nº 2   tec.dist. - empilhadores
Ficha de trabalho nº 2 tec.dist. - empilhadores
Leonor Alves
 
Ficha de trabalho nº 1 técnicas de distribuição -Equipamentos
Ficha de trabalho nº 1   técnicas de distribuição -EquipamentosFicha de trabalho nº 1   técnicas de distribuição -Equipamentos
Ficha de trabalho nº 1 técnicas de distribuição -Equipamentos
Leonor Alves
 
Artefacto 2 aprendizagem cooperativa e colaborativa
Artefacto 2  aprendizagem cooperativa e colaborativaArtefacto 2  aprendizagem cooperativa e colaborativa
Artefacto 2 aprendizagem cooperativa e colaborativa
Leonor Alves
 
Ficha de trabalho nº46 spv-destino dos rsu
Ficha de trabalho nº46 spv-destino dos rsuFicha de trabalho nº46 spv-destino dos rsu
Ficha de trabalho nº46 spv-destino dos rsu
Leonor Alves
 
Ficha de trabalho nº46 spv-agencia do ambiente
Ficha de trabalho nº46 spv-agencia do ambienteFicha de trabalho nº46 spv-agencia do ambiente
Ficha de trabalho nº46 spv-agencia do ambiente
Leonor Alves
 
Ficha de trabalho nº44 spv-gestão de residuos
Ficha de trabalho nº44 spv-gestão de residuosFicha de trabalho nº44 spv-gestão de residuos
Ficha de trabalho nº44 spv-gestão de residuos
Leonor Alves
 
Como elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escritoComo elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escrito
Leonor Alves
 

Mais de Leonor Alves (20)

Ficha de trabalho cpv- m7
Ficha de trabalho   cpv- m7Ficha de trabalho   cpv- m7
Ficha de trabalho cpv- m7
 
Aulas previstas totais ano letivo 18 19 (2) - principal
Aulas previstas totais ano letivo 18 19 (2) - principalAulas previstas totais ano letivo 18 19 (2) - principal
Aulas previstas totais ano letivo 18 19 (2) - principal
 
Ficha de trabalho m8- cv - atendimento
Ficha de trabalho m8- cv  -  atendimentoFicha de trabalho m8- cv  -  atendimento
Ficha de trabalho m8- cv - atendimento
 
As 7 etapas do processo de vendas
As 7 etapas do processo de vendasAs 7 etapas do processo de vendas
As 7 etapas do processo de vendas
 
Soc
SocSoc
Soc
 
Comida tipica portuguesa
Comida tipica portuguesaComida tipica portuguesa
Comida tipica portuguesa
 
Dia da europa 2018
Dia da europa 2018Dia da europa 2018
Dia da europa 2018
 
20 perguntas de sociologia
20 perguntas de sociologia20 perguntas de sociologia
20 perguntas de sociologia
 
Manual de primeiros socorros
Manual de primeiros socorrosManual de primeiros socorros
Manual de primeiros socorros
 
Ficha de trabalho nº 6(17 18)-segurança
Ficha de trabalho nº 6(17 18)-segurançaFicha de trabalho nº 6(17 18)-segurança
Ficha de trabalho nº 6(17 18)-segurança
 
Ficha de trabalho nº 5(17 18)- contaminação dos alimentos
Ficha de trabalho nº 5(17 18)- contaminação dos alimentosFicha de trabalho nº 5(17 18)- contaminação dos alimentos
Ficha de trabalho nº 5(17 18)- contaminação dos alimentos
 
Ficha de trabalho nº 4(17 18)- higiene alimentar
Ficha de trabalho nº 4(17 18)- higiene alimentarFicha de trabalho nº 4(17 18)- higiene alimentar
Ficha de trabalho nº 4(17 18)- higiene alimentar
 
Ficha de trabalho nº 3 tec.dist. porta-paletes
Ficha de trabalho nº 3 tec.dist.  porta-paletesFicha de trabalho nº 3 tec.dist.  porta-paletes
Ficha de trabalho nº 3 tec.dist. porta-paletes
 
Ficha de trabalho nº 2 tec.dist. - empilhadores
Ficha de trabalho nº 2   tec.dist. - empilhadoresFicha de trabalho nº 2   tec.dist. - empilhadores
Ficha de trabalho nº 2 tec.dist. - empilhadores
 
Ficha de trabalho nº 1 técnicas de distribuição -Equipamentos
Ficha de trabalho nº 1   técnicas de distribuição -EquipamentosFicha de trabalho nº 1   técnicas de distribuição -Equipamentos
Ficha de trabalho nº 1 técnicas de distribuição -Equipamentos
 
Artefacto 2 aprendizagem cooperativa e colaborativa
Artefacto 2  aprendizagem cooperativa e colaborativaArtefacto 2  aprendizagem cooperativa e colaborativa
Artefacto 2 aprendizagem cooperativa e colaborativa
 
Ficha de trabalho nº46 spv-destino dos rsu
Ficha de trabalho nº46 spv-destino dos rsuFicha de trabalho nº46 spv-destino dos rsu
Ficha de trabalho nº46 spv-destino dos rsu
 
Ficha de trabalho nº46 spv-agencia do ambiente
Ficha de trabalho nº46 spv-agencia do ambienteFicha de trabalho nº46 spv-agencia do ambiente
Ficha de trabalho nº46 spv-agencia do ambiente
 
Ficha de trabalho nº44 spv-gestão de residuos
Ficha de trabalho nº44 spv-gestão de residuosFicha de trabalho nº44 spv-gestão de residuos
Ficha de trabalho nº44 spv-gestão de residuos
 
Como elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escritoComo elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escrito
 

Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões

  • 1. ANO LETIVO 2013/2014 CURSO Vocacional – 1º ano TURMA: CV13 Comércio – Módulo 4 Prof : Leonor Alves REVISÕES - Gestão de stocks Módulo 4 - Os stocks : 10 horas -14 aulas Conceito de Gestão de Stocks Definição de stock : é a quantida dde de Mercadoria em armazém. São reservas e ou provisões. Gestão de stocks Stock é um termo habitualmente utilizado, em economia, para designar as matérias-primas ou os produtos intermédios. Diga, por palavras suas o que são stocks. São reservas e provisões, ou seja, a quantidade de mercadorias que existem em armazém As empresas constituem stocks por diversos motivos: 1 - para conseguirem efetuar o seu processo produtivo sem ruturas (e, portanto, sem parar de vender), 2 - para poderem comprar de forma mais económica (constituem stocks porque, ao adquirirem lotes grandes, cada produto fica unitariamente mais barato) e 3 -para obterem ganhos quando prevêem uma subida nas cotações ou nos preços. 4 - Pode também suceder que a empresa trabalhe por encomenda. Nesse caso, não tem necessidade de constituir stocks, uma vez que apenas produz como resposta a encomendas específicas dos seus clientes. Consoante a natureza do negócio de uma organização, nela poderemos encontrar diferentes tipos de stocks:  Stocks necessários para a fabricação, incluindo matérias-primas, matérias subsidiárias, embalagens e materiais de embalagem.  Stocks de conservação os quais respeitam às peças sobresselentes necessárias 1
  • 2. para as máquinas, ferramentas e matérias consumíveis.  Stocks em curso de fabrico, que correspondem a produtos não concluídos e que já implicaram o consumo de recursos.  Stocks de produtos acabados. Porque é que as empresas fazem stocks de mercadorias? Para não pararem de vender, para comprarem a preços mais económicos ou por causa das encomendas Quais os tipos de stocks que se podem constituir? Stocks de conservação, stocks de produtos acabados ou stocks de matérias primas. Gestão de stocks ou Administração de stocks é uma área crucial para a boa administração das empresas, pois o desempenho nesta área tem reflexos imediatos nos resultados comerciais e financeiros da empresa. Vantagens na constituição de stocks Factores mais relevantes que levam as organizações a constituir stock :  Podem-se constituir stocks com uma finalidade especulativa, comprando-se os mesmos a baixos preços para os vender a preços altos;  Para assegurar o consumo regular de um produto em caso de a sua produção ser irregular;  Geralmente, na compra de grandes quantidades beneficia-se de uma redução do preço unitário;  Não sendo prático o transporte de produtos em pequenas quantidades, opta-se por encher os veículos de transporte no intuito de economizar nos custos de transporte, o que se traduz numa constituição de stock; A existência de stock pode-se justificar apenas pela legítima preocupação em fazer face às variações de consumo:  Para prevenção contra atrasos nas entregas, provocados por avarias durante a produção, greves laborais, problemas no transporte, etc;  Armazenamento de produtos, se a produção for superior ao consumo, em alturas de crise poderá contribuir para evitar tensões sociais;  Beneficia-se da existência de stock, quando este evita o incómodo de se fazer entregas ou compras demasiado frequentes. Resuma as vantagens de constituição de stocks Para prevenir atrasos nas entregas, para enfrentar crises económicas de falta de produtos ou para poupar tempo, não andando sempre a comprar. Desvantagens na constituição de stocks Principais inconvenientes na constituição de stocks : 2
  • 3.  Um dos inconvenientes diz respeito à própria fragilidade de certos produtos, que não possuem condições de serem mantidos em stock ou poderão ser mantidos em períodos muito curtos;  Outro problema, diz respeito ao custo de posse traduzido no facto de existir material não vendido que vai acabar por imobilizar capital sem acrescentar valor;  A ruptura apresenta-se como um enorme inconveniente, visto que a ocorrência desta irá provocar vendas perdidas e em casos extremos poderá levar à perda de clientes. Diga quais são as desvantagens da constituição de stocks. Alguns produtos são frágeis e ou tem um tempo de vida curto. Outra desvantagem é o caso do material estar parado e está a perder valor. Custos da gestão de stocks são : a) Custos de aprovisionamento Corresponde ao custo de processamento da encomenda, que poderá ser a compra feita a um fornecedor, mas também aos custos associados à inspecção e transferência do material, assim como os custos relativos à produção. b) Custos de posse São os custos directamente relacionados com a manutenção dos artigos em stock, poderão ser de obsolescência, de deterioração, impostos, seguros, custo do armazém e sua manutenção e custos do capital. c) Custos de ruptura Estes custos surgem quando não há material disponível para fazer face ao(s) pedido(s) do(s) cliente(s). Com isso, não só são gastas mais horas e trabalho na elaboração de novos pedidos, como em casos extremos poderá levar à perda do(s) cliente(s). Diga, por palavras suas, quais são os 3 principais custos de stocks ( resumindo cada um deles ) Custos de aprovisionamento por causa das deslocações, custo de posse por ter o material e não ser vendido e custo de ruptura, por não terem todos os materiais para os clientes. Embora estes sejam considerados os três principais custos associados à gestão de stocks, refere ainda um quarto grupo, designado por custo associado à capacidade, que são os custos relacionados com questões laborais como horas extraordinárias, subcontratações, despedimentos, Custos associados à capacidade O que são os custos associados á capacidade? Estão relacionados com o numero de horas extraordinárias e ou contratações que se têm que fazer para encomendas muito grandes. Quantidade económica de encomenda  A quantidade a encomendar que minimiza o custo total é designada por quantidade económica de encomenda. 3
  • 4. O nível máximo de stock Q é atingido no momento em que se verifica a recepção de encomenda e o nível mínimo no momento imediatamente anterior à sua recepção. Quando o nível de stock atinge o ponto de encomenda s, uma nova encomenda de Q unidades é colocada. A política de gestão a adoptar é portanto a minimização do custo total anual (CT) (UM/ano) que é dado por: onde:  Q = quantidade a encomendar (unidades)  c = custo unitário (UM/unidade)  D = procura anual do artigo (unidades/ano)  Ic = custo de posse unitário anual por unidade (UM/unidade ano)  Ca = custo associado à realização de uma encomenda (UM)  L = prazo de aprovisionamento  e o ponto de encomenda s traduz-se da seguinte forma: s = D * L Quando é que se atinge o nível máximo de stocks? Quando se recebe a encomenda. Quando é que se atinge o nível mínimo de stocks? É no dia anterior á recepção da encomenda. 4