SlideShare uma empresa Scribd logo
GESTÃO DA PRODUÇÃO
FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS
EVOLUÇÃO HISTÓRICA
Nos primórdios da humanidade não havia produção,
povos nômades se alimentavam da natureza.
As mulheres mudaram a realidade, começando a
plantar, fixando os povos em locais onde havia sustento.
Há predomínio da agricultura até o século XVIII.
EVOLUÇÃO HISTÓRICA
O Cliente e o Processo
através dos tempos
O Início do Processo Produtivo
 O Homem primitivo - qualidade nos utensílios
fabricados para garantir a sobrevivência;
 A formação da sociedade, fez surgir a figura do
artesão; e
 A intensificação da atividade Comercial.
EVOLUÇÃO HISTÓRICA
A administração científica de Taylor trouxe
inovações:
Estudos para saber qual a melhor maneira para
executar as tarefas; estudo de tempos/movimentos e
plano de incentivos.
EVOLUÇÃO HISTÓRICA
 Inspeção
 A Revolução industrial - surgimento da Fase da Inspeção;
 Frederick Taylor e a Teoria da Administração Científica: “a
melhor maneira de fazer as coisas”; e
 Henry Ford e a linha de montagem.
 Controle da Qualidade
 Aprimoramento da técnica de inspeção. O controle
DA qualidade e não apenas um controle DE
qualidade;
 Técnicas estatísticas; e
 Controle Estatístico da Qualidade no Japão.
EVOLUÇÃO HISTÓRICA
EVOLUÇÃO HISTÓRICA
 Garantia da Qualidade
 os custos da qualidade;
 o Controle Total da Qualidade;
 Engenharia de Confiabilidade no desenvolvimento
da indústria espacial e de eletrônica; e
 o Programa Zero Defeitos da Martin Company.
“Fazer qualquer trabalho certo da primeira vez”.
EVOLUÇÃO HISTÓRICA
 Gestão da Qualidade
 As ações sobre a qualidade são desenvolvidas por
uma função organizacional.
 Gestão pela Qualidade Total
 As ações sobre a qualidade são desenvolvidas por
todas as pessoas da organização e são de
responsabilidade indelegável do número 01.
EVOLUÇÃO HISTÓRICA
Artesão trabalhava em casa, virou trabalhador foi para fábrica e
agora busca-se o home-office;
A remuneração era variável, ficou fixa, e voltou a ser variável
com incentivos;
E o trabalhador se aperfeiçoa e controla o robô;
as fábricas daqui fazem parte do produto para ali – mundo
globalizado; e
A crise de 2008 – novas perspectivas.
EVOLUÇÃO HISTÓRICA
Pré-história
Escambo
Artesães
Organização
Revolução
Industrial
1764 - Máquina
à Vapor
Fábricas
1790
Eli Whitney
Padronização de
Componentes
Função
Projeto
Fim do
século XIX
Taylor
Produtividade
1913
Henry Ford
Montagem
Seriada
Produção
em Massa
Engenharia
Industrial
1960
Produção
Enxuta
Produção
Customizada
MANUFATURA ONE BEST WAY PRODUÇÃO SISTEMA
ARTESANAL (TAYLOR) EM MASSA TOYOTA
OBJETIVO DA GESTÃO DA PRODUÇÃO
A função clássica da Gestão da Produção é ser eficaz no
planejamento e na organização da produção, de modo a
melhorar a qualidade dos bens produzidos, sejam eles
produtos ou serviços.
GESTÃO DA PRODUÇÃO
Os manuais acadêmicos sobre produção referiam-se ao chão de
fábrica ( termo usado para designar os trabalhadores ou os
processos relativos à fase de produção propriamente dita) e
abordavam temas relativos à fabricação de bens tangíveis: arranjo
físico, processos de fabricação, planejamento e controle da
produção, controle de qualidade, manutenção das instalações
fabris, manuseio e armazenamento de materiais.
Gerir todos esses elementos era denominado Administração da
Produção.
GESTÃO DA PRODUÇÃO
“É o termo usado pelas atividades, decisões e
responsabilidades dos gerentes de produção que
administram a produção e a entrega de produtos e
serviços”.
“É uma das funções centrais de qualquer negócio”
Nigel Slack, Stuart Chambers e Robert Johnston
GESTÃO DA PRODUÇÃO
É a gestão do processo de conversão que transforma
insumos, tais como matéria-prima e mão-de-obra, em
resultados na forma de produtos acabados e serviços.
GESTÃO DA PRODUÇÃO
“É a parte da administração que comanda o processo
produtivo, pela utilização de meios da produção e dos
processos administrativos, buscando elevação da
produtividade”.
Duílio Rocha
A LINHA DO TEMPO PARA ESTRATÉGIAS DA
PRODUÇÃO
Custos
Entrega
Flexibilidade
Atendimento
1950 1990
Qualidade
Minimização
de custos
1970
Maximizaçã
o de Valor
Tecnologia Baseada
na Manufatura
Tecnologia Baseada
na Informação
Paradigmas
Vantagem
competitiva
GESTÃO DA PRODUÇÃO – VISÃO TRADICIONAL
MÁXIMA EFICIÊNCIA
+ MENOR CUSTO
QUALIDADE
ENTREGA
FLEXIBILIDADE
SERVIÇOS
MEIO AMBIENTE
 HÁ VÁRIAS OUTRAS FORMAS DIFERENTES DE ORGANIZAR OS SISTEMAS
OPERACIONAIS DE UMA EMPRESA INDUSTRIAL OU DE SERVIÇOS; e
 TAIS FORMAS DEVEM SER CONCEBIDAS E SELECIONADAS EM TOTAL SINTONIA
COM A ESTRATÉGIA COMPETITIVA DA EMPRESA.
MUDANÇAS ASSUMIR RISCOS
. NOVAS ESTRATÉGIAS
. NOVAS FORMAS DE ORGANIZAÇÃO
. NOVAS TECNOLOGIAS, PRODUTOS E PROCESSOS
GESTÃO DA PRODUÇÃO
DESAFIOS DA PRODUÇÃO
 DESENVOLVER MÃO DE OBRA SÓLIDA E TREINADA;
 DESENVOLVER, GERENCIAR E USAR O CONHECIMENTO;
 UTILIZAR SISTEMAS AVANÇADOS DE MANUFATURA, PROCESSOS, EQUIPAMENTOS E
TECNOLOGIAS; e
 INTEGRAR AS DIVERSAS FONTES DE VANTAGEM COMPETITIVA DA EMPRESA.
CADEIA DE VALOR: ATIVIDADES VANTAGEM COMPETITIVA
É IMPOSSÍVEL SER BOM EM TUDO E PARA TODOS!
O DIFERENCIAL COMPETITIVO VEM DE FAZER MELHOR E DIFERENTE DO QUE OS OUTROS; É ESTA
A PRINCIPAL TAREFA DO GESTOR:
- ESCOLHER, DENTRE AS DIVERSAS ALTERNATIVAS DE ATIVIDADES, e
AS QUE TÊM MAIOR POTENCIAL PARA AGREGAR VALOR À EMPRESA.
REDE DE VALOR DE OPERAÇÕES - RVO
PRESSÃO DA CONCORRÊNCIA
PRODUÇÃO
SUPRIMENTO
SERVIÇOS
AGREGADOS
DISTRIBUIÇÃO
DESENVOLV. DE
PRODUTOS
EXIGÊNCIAS DO MERCADO
GESTÃO DA PRODUÇÃO/OPERAÇÕES
O setor de serviços hoje emprega mais pessoas que qualquer
outro e é responsável pela maior parcela do PIB dos maiores
países do mundo. Dessa forma, todas as técnicas utilizadas na
Administração Industrial tradicional foram transportadas para a
administração de serviços. Houve uma ampliação do conceito de
produção, que passou a incorporar os serviços. Hoje o termo
Operações é considerado amplo e compõe o conjunto de todas as
atividades da empresa relacionadas com a produção de bens e/ou
serviços. No Brasil os autores abordam esse conjunto de técnicas
como GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES.
DIFERENÇAS ENTRE BENS E SERVIÇOS
Bens - manufatura
• Tangíveis – produtos
físicos e duráveis
”capaz de ser definido ou determinado
com certeza ou precisão.”
• Podem ser estocados
• As “saídas” podem ser
inventariadas
• Nenhuma interação entre
cliente e processo
Serviços
• Intangíveis e perecíveis
• Não podem ser estocados
• As “saídas” não podem ser
inventariadas
• Interação direta entre cliente e
processo
SIMILARIDADES ENTRE BENS E SERVIÇOS
MANUFATURA SERVIÇO
•Ambas possuem processos.
•Ambas utilizam algum tipo de tecnologia.
•Todas estão preocupadas com a qualidade, a
produtividade e o tempo de resposta.
• Ambas fazem escolha sobre capacidade,
localização e “layout” dos recursos técnicos.
•Ambas negociam com fornecedores.
•Ambas fazem previsão de demanda.
•Ambas oferecem produtos (cada vez menos)
e serviços (cada vez mais).
•Ambas realizam o inventário das entradas
HIERARQUIA DO PLANEJAMENTO DA
PRODUÇÃO
Planejamento
Tático ou
gerencial
Planejamento
Estratégico
Planejamento
Operacional e
Controle
OS TRÊS NÍVEIS ESTRATÉGICOS
ESTRATÉGIA
CORPORATIVA ESTRATÉGIA
DE NEGÓCIOS ESTRATÉGIAS
FUNCIONAIS
A ESTRATÉGIA CORPORATIVA
-RELACIONA-SE COM O AMBIEMTE EM QUE O GRUPO EMPRESARIAL ATUA, SENDO
FUNDAMENTAL NA SUA DEFINIÇÃO O RECONHECIMENTO DE SUAS FORÇAS E FRAQUEZAS, E
DOS FATORES AMBIENTAIS QUE PODERÃO AFETAR O FUTURO DA EMPRESA: TECNOLOGIA,
ECOLOGIA, ASPECTOS ECONÔMICOS, SETOR DE ATUAÇÃO, SOCIEDADE E ASPECTOS
POLÍTICOS.
+++ UMA SÓ UNIDADE DE NEGÓCIO  EC = ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS
A ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS
- OS FATORES AMBIENTAIS, INTERAGINDO COM A UNIDADE DE NEGÓCIOS (A EMPRESA) CRIAM
O “CARÁTER” DA UNIDADE, QUE SÃO OS COMPROMISSOS INTERNOS ADVINDOS DA FORMA
COMO A ORAGMIZAÇÃO AGE NA RESPOSTA A ESSAS PRESSÕES, A QUAL DEFINE SUA
COMPETÊNCIA DISTINTIVA (O QUE ELA PODE FAZER PARTICULARMENTE BEM).
OS TRÊS NÍVEIS ESTRATÉGICOS
ESTRATÉGIA
CORPORATIVA ESTRATÉGIA
DE NEGÓCIOS ESTRATÉGIAS
FUNCIONAIS
A ESTRATÉGIA (FUNCIONAL) DE OPERAÇÕES
- DEVERÁ ESTAR ALINHADA À ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, CONTRIBUINDO PARA O ALCANCE DOS
OBJETIVOS E METAS DA EMPRESA, BUSCANDO TRANSFORMAR A OPERAÇÃO NUMA FONTE DE
VANTAGEM COMPETITIVA.
O PAPEL DA GESTÃO DA PRODUÇÃO NAS
ORGANIZAÇÕES
Estratégia
Corporativa
Mercado
Consumidor
Estratégia de
Marketing
Estratégia de
Produção
Estratégia de
Finanças
SISTEMA DE PRODUÇÃO
Processo de
Transformação
Insumos
(materiais)
Resultados
(bens e serviços)
ENTRADAS SAÍDAS
MODELO DE TRANSFORMAÇÃO
CADEIAS DE VALOR E FUNÇÕES DE APOIO
Fornecedores Clientes
Processo de
Transformação
Ambiente externo
A Empresa
Marketing
Recursos
Humanos
Finanças
Compras
Ambiente externo
CADEIA CLIENTE FORNECEDOR
F
F
F
F
F
I
I
I
P/S
P/S
P/S
C
C
C
C
C
Subprocesso 1
Subprocesso 2
Subprocesso 5 Subprocesso 6
Subpr 3
Subpr 4
F - Fornecedor I - Insumo
P/S - Produtos/Serviços
C - Cliente/Usuário/Consumidor
Processo
NOVOS PARADIGMAS
NOVAS TECNOLOGIAS DE OPERAÇÕES VIABILIZAM MAIOR FLEXIBILIDADE EM PROJETOS E MIX
DE PRODUTOS, RÁPIDAS RESPOSTAS ÀS MUDANÇAS DE MERCADO, MAIORES INFORMAÇÕES E
MAIS RÁPIDA PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO.
> ESSAS COMPETÊNCIAS EMERGENTES SE LOCALIZAM NA EFICIÊNCIA RELACIONADA COM
MAIOR VARIEDADE (ECONOMIAS DE ESCOPO) E NÃO EM MAIORES VOLUMES (ECONOMIAS DE
ESCALA).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão da produção aula 01
Gestão da produção   aula 01Gestão da produção   aula 01
Gestão da produção aula 01
Mauricio de Castro
 
Sistema de produção
Sistema de produçãoSistema de produção
Sistema de produção
Luís Carlos Braz
 
Logística Empresarial
Logística EmpresarialLogística Empresarial
Logística Empresarial
Adeildo Caboclo
 
Arranjo físico layout
Arranjo físico   layoutArranjo físico   layout
Arranjo físico layout
Raylson Rabelo
 
Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)
Maritta Barbosa
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentação
Charles Rebouças
 
Planejamento e controle da capacidade
Planejamento e controle da capacidadePlanejamento e controle da capacidade
Planejamento e controle da capacidade
Caio Roberto de Souza Filho
 
Produção cap1 aula 1
Produção cap1   aula 1Produção cap1   aula 1
Produção cap1 aula 1
Diego José
 
01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística
Homero Alves de Lima
 
Introdução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e OperaçõesIntrodução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e Operações
douglas
 
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Mauro Enrique
 
Logistica
LogisticaLogistica
Logistica
Studiesfree
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
Adilson Paradella
 
Capacidade de produção
Capacidade de produçãoCapacidade de produção
Capacidade de produção
Mauro Enrique
 
Administração de produção 1
Administração de produção 1Administração de produção 1
Administração de produção 1
Romilson Cesar
 
Administração da producao
Administração da producaoAdministração da producao
Logística e distribuição
Logística e distribuiçãoLogística e distribuição
Logística e distribuição
Gilberto Freitas
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoques
Moises Ribeiro
 
AULA 20 organização de arquivos.pptx
AULA 20  organização de arquivos.pptxAULA 20  organização de arquivos.pptx
AULA 20 organização de arquivos.pptx
PalomaOliveira338538
 
Empreendedorismo e o empreendedor
Empreendedorismo e o empreendedorEmpreendedorismo e o empreendedor
Empreendedorismo e o empreendedor
Felipe Pereira
 

Mais procurados (20)

Gestão da produção aula 01
Gestão da produção   aula 01Gestão da produção   aula 01
Gestão da produção aula 01
 
Sistema de produção
Sistema de produçãoSistema de produção
Sistema de produção
 
Logística Empresarial
Logística EmpresarialLogística Empresarial
Logística Empresarial
 
Arranjo físico layout
Arranjo físico   layoutArranjo físico   layout
Arranjo físico layout
 
Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentação
 
Planejamento e controle da capacidade
Planejamento e controle da capacidadePlanejamento e controle da capacidade
Planejamento e controle da capacidade
 
Produção cap1 aula 1
Produção cap1   aula 1Produção cap1   aula 1
Produção cap1 aula 1
 
01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística
 
Introdução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e OperaçõesIntrodução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e Operações
 
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
 
Logistica
LogisticaLogistica
Logistica
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
 
Capacidade de produção
Capacidade de produçãoCapacidade de produção
Capacidade de produção
 
Administração de produção 1
Administração de produção 1Administração de produção 1
Administração de produção 1
 
Administração da producao
Administração da producaoAdministração da producao
Administração da producao
 
Logística e distribuição
Logística e distribuiçãoLogística e distribuição
Logística e distribuição
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoques
 
AULA 20 organização de arquivos.pptx
AULA 20  organização de arquivos.pptxAULA 20  organização de arquivos.pptx
AULA 20 organização de arquivos.pptx
 
Empreendedorismo e o empreendedor
Empreendedorismo e o empreendedorEmpreendedorismo e o empreendedor
Empreendedorismo e o empreendedor
 

Destaque

Slide sobre artigo cientifico
Slide sobre artigo cientificoSlide sobre artigo cientifico
Slide sobre artigo cientifico
Carlos Eugenio Lima Silva
 
Slide referenciação bibliográfica segundo normas da abnt slide
Slide referenciação bibliográfica segundo normas da abnt slideSlide referenciação bibliográfica segundo normas da abnt slide
Slide referenciação bibliográfica segundo normas da abnt slide
Vera Moreira Matos
 
Apresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva Muñoz
Apresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva MuñozApresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva Muñoz
Apresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva Muñoz
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Slides artigo científico
Slides artigo científicoSlides artigo científico
Slides artigo científico
Tania Regina Leite
 
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicosNormas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
Patrícia Éderson Dias
 
Modelo portfólio unopar
Modelo portfólio unoparModelo portfólio unopar
Modelo portfólio unopar
Rogerio Sena
 
Modelo dos slides de apresentação da defesa
Modelo dos slides de apresentação da defesaModelo dos slides de apresentação da defesa
Modelo dos slides de apresentação da defesa
bebel2011
 
Apresentação unopar modelo 3
Apresentação unopar modelo 3Apresentação unopar modelo 3
Apresentação unopar modelo 3
Rogerio Sena
 
Apresentação unopar modelo 1
Apresentação unopar modelo 1Apresentação unopar modelo 1
Apresentação unopar modelo 1
Rogerio Sena
 
Apresentação unopar modelo 2
Apresentação unopar modelo 2Apresentação unopar modelo 2
Apresentação unopar modelo 2
Rogerio Sena
 

Destaque (10)

Slide sobre artigo cientifico
Slide sobre artigo cientificoSlide sobre artigo cientifico
Slide sobre artigo cientifico
 
Slide referenciação bibliográfica segundo normas da abnt slide
Slide referenciação bibliográfica segundo normas da abnt slideSlide referenciação bibliográfica segundo normas da abnt slide
Slide referenciação bibliográfica segundo normas da abnt slide
 
Apresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva Muñoz
Apresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva MuñozApresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva Muñoz
Apresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva Muñoz
 
Slides artigo científico
Slides artigo científicoSlides artigo científico
Slides artigo científico
 
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicosNormas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
 
Modelo portfólio unopar
Modelo portfólio unoparModelo portfólio unopar
Modelo portfólio unopar
 
Modelo dos slides de apresentação da defesa
Modelo dos slides de apresentação da defesaModelo dos slides de apresentação da defesa
Modelo dos slides de apresentação da defesa
 
Apresentação unopar modelo 3
Apresentação unopar modelo 3Apresentação unopar modelo 3
Apresentação unopar modelo 3
 
Apresentação unopar modelo 1
Apresentação unopar modelo 1Apresentação unopar modelo 1
Apresentação unopar modelo 1
 
Apresentação unopar modelo 2
Apresentação unopar modelo 2Apresentação unopar modelo 2
Apresentação unopar modelo 2
 

Semelhante a Gestão da produção

JSA_Gestão Produção
JSA_Gestão ProduçãoJSA_Gestão Produção
JSA_Gestão Produção
Salvador Abreu
 
Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I
Cristiano Ferreira Cesarino
 
59235542-Apostila-de-Administracao-da-Producao-Formato-para-os-alunos.pdf
59235542-Apostila-de-Administracao-da-Producao-Formato-para-os-alunos.pdf59235542-Apostila-de-Administracao-da-Producao-Formato-para-os-alunos.pdf
59235542-Apostila-de-Administracao-da-Producao-Formato-para-os-alunos.pdf
TatianaArcanjo3
 
Slide 01 - Apresentação e revolução insdutrial.pdf
Slide 01 - Apresentação e revolução insdutrial.pdfSlide 01 - Apresentação e revolução insdutrial.pdf
Slide 01 - Apresentação e revolução insdutrial.pdf
KarinyRocha4
 
APO - Aula 01
APO - Aula 01APO - Aula 01
APO - Aula 01
Maxime Parisot
 
ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO - Aula 01.pptx
ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO - Aula 01.pptxADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO - Aula 01.pptx
ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO - Aula 01.pptx
Ana Carolina de Avila
 
Aula de qualidade lean - unoesc videira
Aula de qualidade lean - unoesc videiraAula de qualidade lean - unoesc videira
Aula de qualidade lean - unoesc videira
Luiz Felipe Cherem
 
Mat 02 introducao adm. da prod. e operacoes
Mat 02   introducao adm. da prod. e operacoesMat 02   introducao adm. da prod. e operacoes
Mat 02 introducao adm. da prod. e operacoes
Nailson Moreira
 
Modelo apresentacao
Modelo apresentacaoModelo apresentacao
Modelo apresentacao
Tiago Fernandes
 
Modulo 1 teoria_inovacao_copyright_mba
Modulo 1 teoria_inovacao_copyright_mbaModulo 1 teoria_inovacao_copyright_mba
Modulo 1 teoria_inovacao_copyright_mba
PECE Programa de Educação Continuada em Engenharia
 
Gestão da Tecnologia da Inovação na Logística
Gestão da Tecnologia da Inovação na LogísticaGestão da Tecnologia da Inovação na Logística
Gestão da Tecnologia da Inovação na Logística
Adeildo Caboclo
 
Gestão da Produção
Gestão da ProduçãoGestão da Produção
Gestão da Produção
Alexandre Moura
 
Metalurgia i, segurança iii gestão e qualidade - 105 pag
Metalurgia i, segurança iii   gestão e qualidade - 105 pagMetalurgia i, segurança iii   gestão e qualidade - 105 pag
Metalurgia i, segurança iii gestão e qualidade - 105 pag
Fabricio Gabriel
 
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oesteAula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Luiz Felipe Cherem
 
0. PPT. Inovação e Empreendedorismo.pptx
0. PPT. Inovação e Empreendedorismo.pptx0. PPT. Inovação e Empreendedorismo.pptx
0. PPT. Inovação e Empreendedorismo.pptx
PauloFelipeMaximiano1
 
Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
INTEC CURSOS PROFISSIONALIZANTES
 
Aula 2 ucam ipa 2014.1 - epa - taylor e fayol
Aula 2   ucam ipa 2014.1 - epa - taylor e fayolAula 2   ucam ipa 2014.1 - epa - taylor e fayol
Aula 2 ucam ipa 2014.1 - epa - taylor e fayol
Angelo Peres
 
ProIndústria2018 - Sala Alfa - A08
ProIndústria2018 - Sala Alfa - A08ProIndústria2018 - Sala Alfa - A08
ProIndústria2018 - Sala Alfa - A08
Evandro Gama (Prof. Dr.)
 
Aula g processos 8 2014
Aula g processos 8 2014Aula g processos 8 2014
Aula g processos 8 2014
Celio Placer Almeida
 
U N I A P R Sustentabilidade Site 20 10 2009
U N I  A P R  Sustentabilidade Site 20 10 2009U N I  A P R  Sustentabilidade Site 20 10 2009
U N I A P R Sustentabilidade Site 20 10 2009
kleber.torres
 

Semelhante a Gestão da produção (20)

JSA_Gestão Produção
JSA_Gestão ProduçãoJSA_Gestão Produção
JSA_Gestão Produção
 
Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I
 
59235542-Apostila-de-Administracao-da-Producao-Formato-para-os-alunos.pdf
59235542-Apostila-de-Administracao-da-Producao-Formato-para-os-alunos.pdf59235542-Apostila-de-Administracao-da-Producao-Formato-para-os-alunos.pdf
59235542-Apostila-de-Administracao-da-Producao-Formato-para-os-alunos.pdf
 
Slide 01 - Apresentação e revolução insdutrial.pdf
Slide 01 - Apresentação e revolução insdutrial.pdfSlide 01 - Apresentação e revolução insdutrial.pdf
Slide 01 - Apresentação e revolução insdutrial.pdf
 
APO - Aula 01
APO - Aula 01APO - Aula 01
APO - Aula 01
 
ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO - Aula 01.pptx
ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO - Aula 01.pptxADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO - Aula 01.pptx
ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO - Aula 01.pptx
 
Aula de qualidade lean - unoesc videira
Aula de qualidade lean - unoesc videiraAula de qualidade lean - unoesc videira
Aula de qualidade lean - unoesc videira
 
Mat 02 introducao adm. da prod. e operacoes
Mat 02   introducao adm. da prod. e operacoesMat 02   introducao adm. da prod. e operacoes
Mat 02 introducao adm. da prod. e operacoes
 
Modelo apresentacao
Modelo apresentacaoModelo apresentacao
Modelo apresentacao
 
Modulo 1 teoria_inovacao_copyright_mba
Modulo 1 teoria_inovacao_copyright_mbaModulo 1 teoria_inovacao_copyright_mba
Modulo 1 teoria_inovacao_copyright_mba
 
Gestão da Tecnologia da Inovação na Logística
Gestão da Tecnologia da Inovação na LogísticaGestão da Tecnologia da Inovação na Logística
Gestão da Tecnologia da Inovação na Logística
 
Gestão da Produção
Gestão da ProduçãoGestão da Produção
Gestão da Produção
 
Metalurgia i, segurança iii gestão e qualidade - 105 pag
Metalurgia i, segurança iii   gestão e qualidade - 105 pagMetalurgia i, segurança iii   gestão e qualidade - 105 pag
Metalurgia i, segurança iii gestão e qualidade - 105 pag
 
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oesteAula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
 
0. PPT. Inovação e Empreendedorismo.pptx
0. PPT. Inovação e Empreendedorismo.pptx0. PPT. Inovação e Empreendedorismo.pptx
0. PPT. Inovação e Empreendedorismo.pptx
 
Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
 
Aula 2 ucam ipa 2014.1 - epa - taylor e fayol
Aula 2   ucam ipa 2014.1 - epa - taylor e fayolAula 2   ucam ipa 2014.1 - epa - taylor e fayol
Aula 2 ucam ipa 2014.1 - epa - taylor e fayol
 
ProIndústria2018 - Sala Alfa - A08
ProIndústria2018 - Sala Alfa - A08ProIndústria2018 - Sala Alfa - A08
ProIndústria2018 - Sala Alfa - A08
 
Aula g processos 8 2014
Aula g processos 8 2014Aula g processos 8 2014
Aula g processos 8 2014
 
U N I A P R Sustentabilidade Site 20 10 2009
U N I  A P R  Sustentabilidade Site 20 10 2009U N I  A P R  Sustentabilidade Site 20 10 2009
U N I A P R Sustentabilidade Site 20 10 2009
 

Último

Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

Gestão da produção

  • 1. GESTÃO DA PRODUÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS
  • 2. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Nos primórdios da humanidade não havia produção, povos nômades se alimentavam da natureza. As mulheres mudaram a realidade, começando a plantar, fixando os povos em locais onde havia sustento. Há predomínio da agricultura até o século XVIII.
  • 3. EVOLUÇÃO HISTÓRICA O Cliente e o Processo através dos tempos O Início do Processo Produtivo  O Homem primitivo - qualidade nos utensílios fabricados para garantir a sobrevivência;  A formação da sociedade, fez surgir a figura do artesão; e  A intensificação da atividade Comercial.
  • 4. EVOLUÇÃO HISTÓRICA A administração científica de Taylor trouxe inovações: Estudos para saber qual a melhor maneira para executar as tarefas; estudo de tempos/movimentos e plano de incentivos.
  • 5. EVOLUÇÃO HISTÓRICA  Inspeção  A Revolução industrial - surgimento da Fase da Inspeção;  Frederick Taylor e a Teoria da Administração Científica: “a melhor maneira de fazer as coisas”; e  Henry Ford e a linha de montagem.
  • 6.  Controle da Qualidade  Aprimoramento da técnica de inspeção. O controle DA qualidade e não apenas um controle DE qualidade;  Técnicas estatísticas; e  Controle Estatístico da Qualidade no Japão. EVOLUÇÃO HISTÓRICA
  • 7. EVOLUÇÃO HISTÓRICA  Garantia da Qualidade  os custos da qualidade;  o Controle Total da Qualidade;  Engenharia de Confiabilidade no desenvolvimento da indústria espacial e de eletrônica; e  o Programa Zero Defeitos da Martin Company. “Fazer qualquer trabalho certo da primeira vez”.
  • 8. EVOLUÇÃO HISTÓRICA  Gestão da Qualidade  As ações sobre a qualidade são desenvolvidas por uma função organizacional.  Gestão pela Qualidade Total  As ações sobre a qualidade são desenvolvidas por todas as pessoas da organização e são de responsabilidade indelegável do número 01.
  • 9. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Artesão trabalhava em casa, virou trabalhador foi para fábrica e agora busca-se o home-office; A remuneração era variável, ficou fixa, e voltou a ser variável com incentivos; E o trabalhador se aperfeiçoa e controla o robô; as fábricas daqui fazem parte do produto para ali – mundo globalizado; e A crise de 2008 – novas perspectivas.
  • 10. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Pré-história Escambo Artesães Organização Revolução Industrial 1764 - Máquina à Vapor Fábricas 1790 Eli Whitney Padronização de Componentes Função Projeto Fim do século XIX Taylor Produtividade 1913 Henry Ford Montagem Seriada Produção em Massa Engenharia Industrial 1960 Produção Enxuta Produção Customizada MANUFATURA ONE BEST WAY PRODUÇÃO SISTEMA ARTESANAL (TAYLOR) EM MASSA TOYOTA
  • 11. OBJETIVO DA GESTÃO DA PRODUÇÃO A função clássica da Gestão da Produção é ser eficaz no planejamento e na organização da produção, de modo a melhorar a qualidade dos bens produzidos, sejam eles produtos ou serviços.
  • 12. GESTÃO DA PRODUÇÃO Os manuais acadêmicos sobre produção referiam-se ao chão de fábrica ( termo usado para designar os trabalhadores ou os processos relativos à fase de produção propriamente dita) e abordavam temas relativos à fabricação de bens tangíveis: arranjo físico, processos de fabricação, planejamento e controle da produção, controle de qualidade, manutenção das instalações fabris, manuseio e armazenamento de materiais. Gerir todos esses elementos era denominado Administração da Produção.
  • 13. GESTÃO DA PRODUÇÃO “É o termo usado pelas atividades, decisões e responsabilidades dos gerentes de produção que administram a produção e a entrega de produtos e serviços”. “É uma das funções centrais de qualquer negócio” Nigel Slack, Stuart Chambers e Robert Johnston
  • 14. GESTÃO DA PRODUÇÃO É a gestão do processo de conversão que transforma insumos, tais como matéria-prima e mão-de-obra, em resultados na forma de produtos acabados e serviços.
  • 15. GESTÃO DA PRODUÇÃO “É a parte da administração que comanda o processo produtivo, pela utilização de meios da produção e dos processos administrativos, buscando elevação da produtividade”. Duílio Rocha
  • 16. A LINHA DO TEMPO PARA ESTRATÉGIAS DA PRODUÇÃO Custos Entrega Flexibilidade Atendimento 1950 1990 Qualidade Minimização de custos 1970 Maximizaçã o de Valor Tecnologia Baseada na Manufatura Tecnologia Baseada na Informação Paradigmas Vantagem competitiva
  • 17. GESTÃO DA PRODUÇÃO – VISÃO TRADICIONAL MÁXIMA EFICIÊNCIA + MENOR CUSTO QUALIDADE ENTREGA FLEXIBILIDADE SERVIÇOS MEIO AMBIENTE  HÁ VÁRIAS OUTRAS FORMAS DIFERENTES DE ORGANIZAR OS SISTEMAS OPERACIONAIS DE UMA EMPRESA INDUSTRIAL OU DE SERVIÇOS; e  TAIS FORMAS DEVEM SER CONCEBIDAS E SELECIONADAS EM TOTAL SINTONIA COM A ESTRATÉGIA COMPETITIVA DA EMPRESA.
  • 18. MUDANÇAS ASSUMIR RISCOS . NOVAS ESTRATÉGIAS . NOVAS FORMAS DE ORGANIZAÇÃO . NOVAS TECNOLOGIAS, PRODUTOS E PROCESSOS GESTÃO DA PRODUÇÃO DESAFIOS DA PRODUÇÃO  DESENVOLVER MÃO DE OBRA SÓLIDA E TREINADA;  DESENVOLVER, GERENCIAR E USAR O CONHECIMENTO;  UTILIZAR SISTEMAS AVANÇADOS DE MANUFATURA, PROCESSOS, EQUIPAMENTOS E TECNOLOGIAS; e  INTEGRAR AS DIVERSAS FONTES DE VANTAGEM COMPETITIVA DA EMPRESA. CADEIA DE VALOR: ATIVIDADES VANTAGEM COMPETITIVA É IMPOSSÍVEL SER BOM EM TUDO E PARA TODOS! O DIFERENCIAL COMPETITIVO VEM DE FAZER MELHOR E DIFERENTE DO QUE OS OUTROS; É ESTA A PRINCIPAL TAREFA DO GESTOR: - ESCOLHER, DENTRE AS DIVERSAS ALTERNATIVAS DE ATIVIDADES, e AS QUE TÊM MAIOR POTENCIAL PARA AGREGAR VALOR À EMPRESA.
  • 19. REDE DE VALOR DE OPERAÇÕES - RVO PRESSÃO DA CONCORRÊNCIA PRODUÇÃO SUPRIMENTO SERVIÇOS AGREGADOS DISTRIBUIÇÃO DESENVOLV. DE PRODUTOS EXIGÊNCIAS DO MERCADO
  • 20. GESTÃO DA PRODUÇÃO/OPERAÇÕES O setor de serviços hoje emprega mais pessoas que qualquer outro e é responsável pela maior parcela do PIB dos maiores países do mundo. Dessa forma, todas as técnicas utilizadas na Administração Industrial tradicional foram transportadas para a administração de serviços. Houve uma ampliação do conceito de produção, que passou a incorporar os serviços. Hoje o termo Operações é considerado amplo e compõe o conjunto de todas as atividades da empresa relacionadas com a produção de bens e/ou serviços. No Brasil os autores abordam esse conjunto de técnicas como GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES.
  • 21. DIFERENÇAS ENTRE BENS E SERVIÇOS Bens - manufatura • Tangíveis – produtos físicos e duráveis ”capaz de ser definido ou determinado com certeza ou precisão.” • Podem ser estocados • As “saídas” podem ser inventariadas • Nenhuma interação entre cliente e processo Serviços • Intangíveis e perecíveis • Não podem ser estocados • As “saídas” não podem ser inventariadas • Interação direta entre cliente e processo
  • 22. SIMILARIDADES ENTRE BENS E SERVIÇOS MANUFATURA SERVIÇO •Ambas possuem processos. •Ambas utilizam algum tipo de tecnologia. •Todas estão preocupadas com a qualidade, a produtividade e o tempo de resposta. • Ambas fazem escolha sobre capacidade, localização e “layout” dos recursos técnicos. •Ambas negociam com fornecedores. •Ambas fazem previsão de demanda. •Ambas oferecem produtos (cada vez menos) e serviços (cada vez mais). •Ambas realizam o inventário das entradas
  • 23. HIERARQUIA DO PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO Planejamento Tático ou gerencial Planejamento Estratégico Planejamento Operacional e Controle
  • 24. OS TRÊS NÍVEIS ESTRATÉGICOS ESTRATÉGIA CORPORATIVA ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS ESTRATÉGIAS FUNCIONAIS A ESTRATÉGIA CORPORATIVA -RELACIONA-SE COM O AMBIEMTE EM QUE O GRUPO EMPRESARIAL ATUA, SENDO FUNDAMENTAL NA SUA DEFINIÇÃO O RECONHECIMENTO DE SUAS FORÇAS E FRAQUEZAS, E DOS FATORES AMBIENTAIS QUE PODERÃO AFETAR O FUTURO DA EMPRESA: TECNOLOGIA, ECOLOGIA, ASPECTOS ECONÔMICOS, SETOR DE ATUAÇÃO, SOCIEDADE E ASPECTOS POLÍTICOS. +++ UMA SÓ UNIDADE DE NEGÓCIO  EC = ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS A ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS - OS FATORES AMBIENTAIS, INTERAGINDO COM A UNIDADE DE NEGÓCIOS (A EMPRESA) CRIAM O “CARÁTER” DA UNIDADE, QUE SÃO OS COMPROMISSOS INTERNOS ADVINDOS DA FORMA COMO A ORAGMIZAÇÃO AGE NA RESPOSTA A ESSAS PRESSÕES, A QUAL DEFINE SUA COMPETÊNCIA DISTINTIVA (O QUE ELA PODE FAZER PARTICULARMENTE BEM).
  • 25. OS TRÊS NÍVEIS ESTRATÉGICOS ESTRATÉGIA CORPORATIVA ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS ESTRATÉGIAS FUNCIONAIS A ESTRATÉGIA (FUNCIONAL) DE OPERAÇÕES - DEVERÁ ESTAR ALINHADA À ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, CONTRIBUINDO PARA O ALCANCE DOS OBJETIVOS E METAS DA EMPRESA, BUSCANDO TRANSFORMAR A OPERAÇÃO NUMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA.
  • 26. O PAPEL DA GESTÃO DA PRODUÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES Estratégia Corporativa Mercado Consumidor Estratégia de Marketing Estratégia de Produção Estratégia de Finanças
  • 27. SISTEMA DE PRODUÇÃO Processo de Transformação Insumos (materiais) Resultados (bens e serviços) ENTRADAS SAÍDAS
  • 29. CADEIAS DE VALOR E FUNÇÕES DE APOIO Fornecedores Clientes Processo de Transformação Ambiente externo A Empresa Marketing Recursos Humanos Finanças Compras Ambiente externo
  • 30. CADEIA CLIENTE FORNECEDOR F F F F F I I I P/S P/S P/S C C C C C Subprocesso 1 Subprocesso 2 Subprocesso 5 Subprocesso 6 Subpr 3 Subpr 4 F - Fornecedor I - Insumo P/S - Produtos/Serviços C - Cliente/Usuário/Consumidor Processo
  • 31. NOVOS PARADIGMAS NOVAS TECNOLOGIAS DE OPERAÇÕES VIABILIZAM MAIOR FLEXIBILIDADE EM PROJETOS E MIX DE PRODUTOS, RÁPIDAS RESPOSTAS ÀS MUDANÇAS DE MERCADO, MAIORES INFORMAÇÕES E MAIS RÁPIDA PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO. > ESSAS COMPETÊNCIAS EMERGENTES SE LOCALIZAM NA EFICIÊNCIA RELACIONADA COM MAIOR VARIEDADE (ECONOMIAS DE ESCOPO) E NÃO EM MAIORES VOLUMES (ECONOMIAS DE ESCALA).