SlideShare uma empresa Scribd logo
Geometria Plana

Princípios básicos de Geometria Plana.

Os estudos iniciais sobre Geometria Plana estão relacionados à Grécia Antiga, também
pode ser denominada Geometria Euclidiana em homenagem a Euclides de Alexandria
(360 a.C. - 295 a.C.), grande matemático educado na cidade de Atenas e frequentador
da escola fundamentada nos princípios de Platão.
Os princípios que levaram à elaboração da Geometria Euclidiana eram baseados nos
estudos do ponto, da reta e do plano. O ponto era considerado um elemento que não
tinha definição plausível, a reta era definida como uma sequência infinita de pontos e o
plano definido através da disposição de retas.
As definições teóricas da Geometria de Euclides estão baseadas em axiomas,
postulados, definições e teoremas que estruturam a construção de variadas formas
planas. Os polígonos são representações planas que possuem definições, propriedades e
elementos.
Podemos relacionar à Geometria plana os seguintes conteúdos programáticos:
Ponto, reta e plano
Posições relativas entre retas
Ângulos
Triângulos
Quadriláteros
Polígonos
Perímetro
Áreas de regiões planas

Ângulos
Denominamos ângulo a região do plano limitada por duas semirretas de mesma origem.
As semirretas recebem o nome de lados do ângulo e a origem delas, de vértice do
ângulo.

A unidade usual de medida de ângulo, de acordo com o sistema internacional de
medidas, é o grau, representado pelo símbolo º, e seus submúltiplos são o minuto ’ e o
segundo ”.
Temos que 1º (grau) equivale a 60’ (minutos) e 1’ equivale a 60”(segundos).
O objeto capaz de medir o valor de um ângulo é chamado de transferidor, podendo ele
ser de “meia volta” (180º) ou volta inteira (360º).

Classificação de ângulos
Os ângulos são classificados de acordo com suas medidas:
Agudo: ângulo com medida menor que 90º.
Reto: ângulo com medida igual a 90º.
Obtuso: ângulo com medida maior que 90º.
Raso: ângulo com medida igual a 0º ou 180º.

agudo

reto

obtuso

raso
Bissetriz de um ângulo
Bissetriz de um ângulo pode ser definida como a semirreta que se origina no vértice do
ângulo principal, dividindo-o em outros dois ângulos com medidas iguais.
Retas paralelas cortadas por uma transversal

Ângulos correspondentes: a e e, d e h, b e f, c e g
Ângulos colaterais externos: a e h, b e g
Ângulos colaterais internos: eed, c e f
Ângulos alternos externos: a e g, b e h
Ângulos alternos internos: d e f, c e e

Congruentes
Suplementares
Suplementares
Congruentes
Congruentes

Tipos de triângulos
Classificação segundo a medida relativa dos lados
Um triângulo pode ser classificado de acordo com as medidas relativas de seus lados:
Um triângulo equilátero possui todos os lados congruentes. Pode-se verificar
que um triângulo eqüilátero é também eqüiângulo, ou seja, possui todos os seus
ângulos internos congruentes (e com medida 60°). Por este motivo, este tipo de
triângulo é também um polígono regular.
Um triângulo isósceles possui pelo menos dois lados congruentes. Num
triângulo isósceles, o ângulo formado pelos lados congruentes é chamado
ângulo do vértice. Os demais ângulos denominam-se ângulos da base e, como
se pode verificar, são congruentes. Note que os triângulos equiláteros também
são isósceles.
Em um triângulo escaleno, as medidas dos três lados são diferentes. É possível
mostrar que os ângulos internos de um triângulo escaleno também possuem
medidas diferentes.
Denomina-se base o lado sobre qual apóia-se o triângulo. No triângulo isósceles,
considera-se base o lado de medida diferente.
A seguir é mostrada a classificação de alguns triângulos de acordo com o critério
anterior:
Exemplo de triângulo equilátero

Este triângulo é equilátero, pois possui os três lados congruentes. Em particular, como
seus lados são dois a dois congruentes, ele é um triângulo isósceles. Pode-se observar
que seus todos os seus ângulos internos medem 60°, e por isso ele é equiângulo.
Exemplo de triângulo isósceles que não é equilátero

Neste triângulo há somente dois lados congruentes: os que têm medida . Por este
motivo, o triângulo é isósceles, mas não é equilátero. Além disso, cada um destes dois
lados forma um ângulo de medida com a base do triângulo.
Exemplo de triângulo escaleno

Aqui, cada um dos lados tem um comprimento diferente dos demais. Assim, este é um
triângulo escaleno. Observe ainda que nenhum par de ângulos internos tem a mesma
medida.

Classificação de acordo com seus ângulos internos
Um triângulo também pode ser classificado de acordo com seus ângulos internos:
Um triângulo retângulo possui um ângulo reto. Num triângulo retângulo,
denomina-se hipotenusa o lado oposto ao ângulo reto. Os demais lados chamamse catetos. Os catetos de um triângulo retângulo são complementares.
Um triângulo obtusângulo possui um ângulo obtuso e dois ângulos agudos.
Em um triângulo acutângulo, todos os três ângulos são agudos.
Exemplo de triângulo retângulo

Um ângulo reto. Possui um ângulo de 90º.
Exemplo de triângulo obtusângulo

Um ângulo obtuso e dois ângulos agudos.
Exemplo de triângulo acutângulo

Todos os três ângulos são agudos. Ou seja, menor que 90º

Soma dos ângulos internos
Na geometria euclidiana, de acordo com o teorema angular de Tales, a soma dos
ângulos internos de qualquer triângulo é igual a dois ângulos retos (180° ou π radianos).
Isso permite a determinação da medida do terceiro ângulo, desde que sejam conhecidas
as medidas dos outros dois ângulos.

Soma dos ângulos externos
Existe também um corolário, que afirma que a medida de um ângulo externo de um
triângulo é igual à soma das medidas dos ângulos internos não-adjacentes.
Exemplo: Se os ângulos internos de um triângulo forem:
a resposta final
será assim: Resolução:
,
. Porque o ângulo externo é a
igual à soma dos ângulos internos duas vezes.
Relações de desigualdades entre lados e ângulos
1ª relação: Um ângulo externo de um triângulo é maior que qualquer um dos ângulos
internos não-adjacentes.
2ª relação: Se dois lados de um triângulo tem medidas diferentes, ao maior lado opõe-se
o maior ângulo e ao menor lado, opõe-se o menor ângulo.
3ª relação: Em todo triângulo, qualquer lado tem medida menor que a soma das
medidas dos outros dois.

Área do triângulo
Existem várias formas de se expressar a área A de um triângulo:

Dadas a base b e a altura h:
Dados dois lados a e b e o ângulo γ entre eles compreendido:
Dados os três lados a, b e c:
, onde p é o
semiperímetro (metade do perímetro). Essa fórmula é conhecida como fórmula
de Heron.
Se o triângulo for equilátero de lado L, sua área pode ser obtida pela fórmula:

Congruência
Critério LLL
Lado-Lado-Lado.

Critério LAL
Lado-Ângulo-Lado.

Critério ALA
Ângulo-Lado-Ângulo.

Critério LLAr
Lado-Lado-Ângulo reto.
Semelhança
Critério LLL
Segundo o critério LLL (lado-lado-lado), existe semelhança entre dois triângulos se os
três lados de um são proporcionais aos três lados correspondentes do outro.

Critério LAL
Segundo o critério LAL (lado-ângulo-lado), existe semelhança entre dois triângulos se
têm entre si dois pares de lados correspondentes proporcionais e se os ângulos por eles
formados forem iguais.

Critério AA
Segundo o critério AA (ângulo-ângulo), existe semelhança entre dois triângulos se eles
têm dois ângulos iguais.

Quadriláteros
Definição:
Quadrilátero é um polígono de quatro lados.

Propriedades:
A soma de todos os seus ângulos internos é igual a 360º.
Os quadriláteros são classificados da seguinte forma :

Figuras

Figuras Geométricas

Definições

Propriedades

Não Trapézios

Paralelogramo

Quadrado

Rectângulo

Paralelogramo é um
quadrilátero em que os
lados opostos são
paralelos.

Quadrado é uma figura
plana limitada por quatro
segmentos, de forma que
os seus lados sejam todos
iguais entre si
(AB.=BD=DC=CA).

Rectângulo é uma figura
plana limitada por quatro
segmentos, de forma a
que os seus lados sejam
iguais dois a dois (AC=BD
e AB=CD).

A soma de dois
ângulos
consecutivos é
de 180º;
As diagonais
cortam-se no
ponto médio;
Os lados opostos
são congruentes;
Os ângulos
opostos são
congruentes;
A área

Os ângulos deste
quadrilátero são
todos de 90º;
As suas
diagonais formam
entre si ângulos
de 90º;
Cada diagonal
forma um
triângulo
isósceles;
A área é o
quadrado do
comprimento do
lado (L x L)
O perímetro é a
soma de todos os
seus lados ( L+
L+ L + L)
Os lados opostos
de um rectângulo
são paralelos e
iguais entre si;
As diagonais de
um rectângulo
interceptam-se
formando pares
de ângulos
opostos e iguais
entre si;
A área é o
produto do seu
comprimento pela
a sua altura (C x
H)
O perímetro é a
soma de todos os
seus lados

Losango
ou
Rombo

Losango é um quadrilátero
com os lados opostos
paralelos (paralelogramo),
com os lados todos iguais
entre si.

Trapézio
Isósceles

Trapézio isósceles é um
quadrilátero que tem
apenas dois lados
paralelos e de
comprimentos diferentes.

Trapézio
Rectângulo

Trapézio rectângulo é um
quadrilátero que tem
apenas dois lados
paralelos e que tem um
ângulo recto

Trapézio
Escaleno

Trapézio escaleno é um
quadrilátero que tem
apenas dois lados
paralelos, cujos lados são
todos diferentes

As suas
diagonais são
perpendiculares;
As suas
diagonais são
bissectrizes dos
ângulos;
A área é igual à
área do
paralelogramo
O perímetro é a
soma de todos os
seus lados

Tem dois lados
iguais
Tem um eixo de
simetria

Tem um ângulo
recto
Não tem eixo de
simetria

Tem os lados
todos diferentes
Não tem eixo de
simetria
Cálculo de Áreas
Conhecer sobre área é conhecer sobre o espaço que podemos preencher em regiões
poligonais convexas – qualquer segmento de reta com extremidades na região só terá
pontos pertencentes a esta.

O cálculo de áreas tem muita aplicabilidade em diferentes momentos, seja em atividades
puramente cognitivas, ou até mesmo trabalhistas. Um exemplo de profissional que faz
uso dessa ferramenta para tornar possível o desempenho do seu trabalho é o pedreiro. É
através do conhecimento de área que é possível estimar a quantidade de cerâmica
necessária para pavimentar um determinado cômodo de uma casa, por exemplo.

O quadrado
O quadrado é uma figura geométrica plana regular em que todos os seus lados e ângulos
são iguais. Veja um exemplo de quadrado na figura a seguir:
Para calcular a área de um quadrado basta que se multipliquem dois dos seus lados l
entre si.

Exemplo 1

Para pavimentar a sala de sua casa D. Carmem comprou 26 m2 de piso.
Sabendo que a sala tem o formato quadrangular e que um dos lados mede 5 m, diga se o
piso comprado por D. Carmem será suficiente para pavimentar a sua sala.
A sala tem o formato quadrangular;
O seu lado mede 5 m;
A área do quadrado é A = l 2.
Com base nos dados acima temos:

Conclui-se então que o piso comprado por D. Carmem será suficiente para pavimentar
sua sala e ainda sobrará 1 m2.
Lembrete: a unidade de medida de área mais utilizada é o metro quadrado (m2),
porém em alguns casos usa-se o km2, cm2, etc.

O retângulo
O retângulo é uma figura geométrica plana cujos lados opostos são paralelos e iguais e
todos os ângulos medem 90º. Confiram o retângulo abaixo:
Para calcular a área do retângulo, basta que se multipliquem seu comprimento c pela
largura l.

Exemplo 2
Num campeonato de futebol a equipe organizadora do evento está providenciando o
gramado que será plantado em toda área do campo. Para comprar as gramas, a equipe
precisa saber a área do campo, pois a grama é vendida por metro quadrado. Sabendo
que o campo tem 115 m de comprimento por 75 m de largura e ainda que o campo tem
o formato retangular, ajude a equipe a solucionar o problema, diga quantos metros
quadrados de área tem o campo de futebol?

O triângulo
O triângulo é uma figura geométrica plana formada por três lados e três ângulos. A
soma dos seus ângulos internos é igual 180º.
Para calcular a área do triângulo multiplica-se a base b pela altura h e divide o resultado
por 2 (metade da área do retângulo).

Exemplo 3
Encontre a área de um triângulo cuja base mede 8,2 cm e a altura 3,6 cm.

O trapézio
O trapézio é uma figura plana com um par de lados paralelos (bases) e um par de lados
concorrentes.

Para calcular a área do trapézio adiciona-se a base maior c à base menor a, ao resultado
da soma multiplica-se a altura, e por fim, divide-se o resultado final por 2.
Exemplo 4
Um fazendeiro quer saber a área de um lote de terra que acabara de comprar. O lote tem
o formato de um trapézio. Sabendo que a frente mede 1020 m, o fundo, 815 m e a
distância da frente ao fundo é de 510 m. Determine a área do lote.

Conclusão
A necessidade geométrica perpassou o tempo e está impregnada em nossas vidas nos
dias atuais. O conhecimento da Geometria Plana (Euclidiana) é tão importante que não é
possível o caminhar separado da sua prática e do seu entendimento.
“Caminhemos sobre as curvas das formas e encontraremos um universo ainda não
desbravado”. Robison Sá.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Grandezas diretamente e inversamente proporcionais
Grandezas diretamente e inversamente proporcionaisGrandezas diretamente e inversamente proporcionais
Grandezas diretamente e inversamente proporcionais
Homailson Lopes
 
Circunferência
CircunferênciaCircunferência
Circunferência
marmorei
 
Circunferência e círculo
Circunferência e círculoCircunferência e círculo
Circunferência e círculo
Dean Costa Silva
 
Homotetia.pptx
Homotetia.pptxHomotetia.pptx
Triângulos
TriângulosTriângulos
Triângulos
joseduartem
 
7º aula pontos notáveis do triângulo-cevianas
7º aula   pontos notáveis do triângulo-cevianas7º aula   pontos notáveis do triângulo-cevianas
7º aula pontos notáveis do triângulo-cevianas
jatobaesem
 
Ângulos
ÂngulosÂngulos
Transformações geométricas
Transformações geométricasTransformações geométricas
Transformações geométricas
Maria Cristina Saavedra
 
Ângulos e poligonos
Ângulos e poligonosÂngulos e poligonos
Ângulos e poligonos
Eliane
 
Triângulos – 8°ano
Triângulos – 8°anoTriângulos – 8°ano
Triângulos – 8°ano
Manuela Avelar
 
Polígonos, conhecendo as figuras geométricas.
Polígonos, conhecendo as figuras geométricas.Polígonos, conhecendo as figuras geométricas.
Polígonos, conhecendo as figuras geométricas.
Andressa Novaes Jardim
 
Áreas de Figuras Planas
Áreas de Figuras PlanasÁreas de Figuras Planas
Áreas de Figuras Planas
Murilo Cretuchi de Oliveira
 
AULA DE TRIGONOMETRIA
AULA DE TRIGONOMETRIAAULA DE TRIGONOMETRIA
AULA DE TRIGONOMETRIA
CECIERJ
 
Trigonometria na circunferência
Trigonometria na circunferênciaTrigonometria na circunferência
Trigonometria na circunferência
Pedro Henrique Drehmer
 
2ª aula ângulos
2ª aula   ângulos2ª aula   ângulos
2ª aula ângulos
jatobaesem
 
Ponto, reta e plano
Ponto, reta e planoPonto, reta e plano
Ponto, reta e plano
rubensdiasjr07
 
Triângulos
TriângulosTriângulos
Triângulos
Rodrigo Carvalho
 
Aula 14 números irracionais
Aula 14   números irracionaisAula 14   números irracionais
Aula 14 números irracionais
Ronei Badaró
 
7º ano - 1 - Quiz - Simetria - Capítulo 1
7º ano - 1 - Quiz - Simetria - Capítulo 17º ano - 1 - Quiz - Simetria - Capítulo 1
7º ano - 1 - Quiz - Simetria - Capítulo 1
Prof. Materaldo
 
Apresentação geometria analítica
Apresentação geometria analíticaApresentação geometria analítica
Apresentação geometria analítica
profluizgustavo
 

Mais procurados (20)

Grandezas diretamente e inversamente proporcionais
Grandezas diretamente e inversamente proporcionaisGrandezas diretamente e inversamente proporcionais
Grandezas diretamente e inversamente proporcionais
 
Circunferência
CircunferênciaCircunferência
Circunferência
 
Circunferência e círculo
Circunferência e círculoCircunferência e círculo
Circunferência e círculo
 
Homotetia.pptx
Homotetia.pptxHomotetia.pptx
Homotetia.pptx
 
Triângulos
TriângulosTriângulos
Triângulos
 
7º aula pontos notáveis do triângulo-cevianas
7º aula   pontos notáveis do triângulo-cevianas7º aula   pontos notáveis do triângulo-cevianas
7º aula pontos notáveis do triângulo-cevianas
 
Ângulos
ÂngulosÂngulos
Ângulos
 
Transformações geométricas
Transformações geométricasTransformações geométricas
Transformações geométricas
 
Ângulos e poligonos
Ângulos e poligonosÂngulos e poligonos
Ângulos e poligonos
 
Triângulos – 8°ano
Triângulos – 8°anoTriângulos – 8°ano
Triângulos – 8°ano
 
Polígonos, conhecendo as figuras geométricas.
Polígonos, conhecendo as figuras geométricas.Polígonos, conhecendo as figuras geométricas.
Polígonos, conhecendo as figuras geométricas.
 
Áreas de Figuras Planas
Áreas de Figuras PlanasÁreas de Figuras Planas
Áreas de Figuras Planas
 
AULA DE TRIGONOMETRIA
AULA DE TRIGONOMETRIAAULA DE TRIGONOMETRIA
AULA DE TRIGONOMETRIA
 
Trigonometria na circunferência
Trigonometria na circunferênciaTrigonometria na circunferência
Trigonometria na circunferência
 
2ª aula ângulos
2ª aula   ângulos2ª aula   ângulos
2ª aula ângulos
 
Ponto, reta e plano
Ponto, reta e planoPonto, reta e plano
Ponto, reta e plano
 
Triângulos
TriângulosTriângulos
Triângulos
 
Aula 14 números irracionais
Aula 14   números irracionaisAula 14   números irracionais
Aula 14 números irracionais
 
7º ano - 1 - Quiz - Simetria - Capítulo 1
7º ano - 1 - Quiz - Simetria - Capítulo 17º ano - 1 - Quiz - Simetria - Capítulo 1
7º ano - 1 - Quiz - Simetria - Capítulo 1
 
Apresentação geometria analítica
Apresentação geometria analíticaApresentação geometria analítica
Apresentação geometria analítica
 

Destaque

Ângulos, triângulos e quadriláteros
Ângulos, triângulos e quadriláterosÂngulos, triângulos e quadriláteros
Ângulos, triângulos e quadriláteros
Antonio Magno Ferreira
 
Apostila de geometria plana exercícios resolvidos - crbrasil
Apostila de geometria plana   exercícios resolvidos - crbrasilApostila de geometria plana   exercícios resolvidos - crbrasil
Apostila de geometria plana exercícios resolvidos - crbrasil
Celso do Rozário Brasil Gonçalves
 
8 ano - Exercícios - Ângulos
8 ano - Exercícios - Ângulos8 ano - Exercícios - Ângulos
8 ano - Exercícios - Ângulos
Andréia Rodrigues
 
MATEMATICARLOS - NÚMEROS DECIMAIS PROVA ONLINE I - AULA EM SLIDES
MATEMATICARLOS - NÚMEROS DECIMAIS PROVA ONLINE I - AULA EM SLIDESMATEMATICARLOS - NÚMEROS DECIMAIS PROVA ONLINE I - AULA EM SLIDES
MATEMATICARLOS - NÚMEROS DECIMAIS PROVA ONLINE I - AULA EM SLIDES
CARLOS EDUARDO MORAES PIRES
 
Geometria plana I
Geometria plana IGeometria plana I
Geometria plana I
wfsousamatematica
 
Calcule a dízima periódica e diga se ela é simples ou composta
Calcule a dízima periódica e diga se ela é simples ou compostaCalcule a dízima periódica e diga se ela é simples ou composta
Calcule a dízima periódica e diga se ela é simples ou composta
Mafalda Queirós
 
Simulado 01 9º ano mat 1º Bimestre( prof )
Simulado 01 9º ano mat 1º Bimestre( prof ) Simulado 01 9º ano mat 1º Bimestre( prof )
Simulado 01 9º ano mat 1º Bimestre( prof )
Paulo Souto
 
Conceitos iniciais de geometria plana
Conceitos iniciais de geometria planaConceitos iniciais de geometria plana
Conceitos iniciais de geometria plana
Manoel Silva
 
Mat geometria plana 001
Mat geometria plana  001Mat geometria plana  001
Mat geometria plana 001
trigono_metrico
 
Trigonometria, geometria plana e espacial
Trigonometria, geometria plana e espacialTrigonometria, geometria plana e espacial
Trigonometria, geometria plana e espacial
marlyrauber
 
www.AulasDeFisicaApoio.com - Física – Exercícios Resolvidos de Tratamento Ve...
www.AulasDeFisicaApoio.com  - Física – Exercícios Resolvidos de Tratamento Ve...www.AulasDeFisicaApoio.com  - Física – Exercícios Resolvidos de Tratamento Ve...
www.AulasDeFisicaApoio.com - Física – Exercícios Resolvidos de Tratamento Ve...
Videoaulas De Física Apoio
 
geometriaplana exercciosresolvidos-crbrasil-140305081241-phpapp02
geometriaplana exercciosresolvidos-crbrasil-140305081241-phpapp02geometriaplana exercciosresolvidos-crbrasil-140305081241-phpapp02
geometriaplana exercciosresolvidos-crbrasil-140305081241-phpapp02
Madjard de Sousa
 
www.aulasdefisicaapoio.com - Física - Exercícios Resolvidos Movimento Vertic...
www.aulasdefisicaapoio.com - Física -  Exercícios Resolvidos Movimento Vertic...www.aulasdefisicaapoio.com - Física -  Exercícios Resolvidos Movimento Vertic...
www.aulasdefisicaapoio.com - Física - Exercícios Resolvidos Movimento Vertic...
Videoaulas De Física Apoio
 
Unidade de Medidas, Regras de Arredondamento e Estatística
Unidade de Medidas, Regras de Arredondamento e EstatísticaUnidade de Medidas, Regras de Arredondamento e Estatística
Unidade de Medidas, Regras de Arredondamento e Estatística
Klaus Elaija
 
2002ed d2 mat
2002ed d2 mat2002ed d2 mat
2002ed d2 mat
Marcio Cicchelli
 
Quadriláteros
QuadriláterosQuadriláteros
Quadriláteros
Elaine2424
 
Pergunta
PerguntaPergunta
Pergunta
Ludovina
 
Avaliação 8° ano 2° av
Avaliação 8° ano   2° avAvaliação 8° ano   2° av
Avaliação 8° ano 2° av
CLEAN LOURENÇO
 
08 eac proj vest mat módulo 2 geometria plana
08 eac proj vest mat módulo 2 geometria plana08 eac proj vest mat módulo 2 geometria plana
08 eac proj vest mat módulo 2 geometria plana
con_seguir
 

Destaque (20)

Ângulos, triângulos e quadriláteros
Ângulos, triângulos e quadriláterosÂngulos, triângulos e quadriláteros
Ângulos, triângulos e quadriláteros
 
Apostila de geometria plana exercícios resolvidos - crbrasil
Apostila de geometria plana   exercícios resolvidos - crbrasilApostila de geometria plana   exercícios resolvidos - crbrasil
Apostila de geometria plana exercícios resolvidos - crbrasil
 
8 ano - Exercícios - Ângulos
8 ano - Exercícios - Ângulos8 ano - Exercícios - Ângulos
8 ano - Exercícios - Ângulos
 
MATEMATICARLOS - NÚMEROS DECIMAIS PROVA ONLINE I - AULA EM SLIDES
MATEMATICARLOS - NÚMEROS DECIMAIS PROVA ONLINE I - AULA EM SLIDESMATEMATICARLOS - NÚMEROS DECIMAIS PROVA ONLINE I - AULA EM SLIDES
MATEMATICARLOS - NÚMEROS DECIMAIS PROVA ONLINE I - AULA EM SLIDES
 
Geometria plana I
Geometria plana IGeometria plana I
Geometria plana I
 
Calcule a dízima periódica e diga se ela é simples ou composta
Calcule a dízima periódica e diga se ela é simples ou compostaCalcule a dízima periódica e diga se ela é simples ou composta
Calcule a dízima periódica e diga se ela é simples ou composta
 
Simulado 01 9º ano mat 1º Bimestre( prof )
Simulado 01 9º ano mat 1º Bimestre( prof ) Simulado 01 9º ano mat 1º Bimestre( prof )
Simulado 01 9º ano mat 1º Bimestre( prof )
 
Conceitos iniciais de geometria plana
Conceitos iniciais de geometria planaConceitos iniciais de geometria plana
Conceitos iniciais de geometria plana
 
Mat geometria plana 001
Mat geometria plana  001Mat geometria plana  001
Mat geometria plana 001
 
Trigonometria, geometria plana e espacial
Trigonometria, geometria plana e espacialTrigonometria, geometria plana e espacial
Trigonometria, geometria plana e espacial
 
www.AulasDeFisicaApoio.com - Física – Exercícios Resolvidos de Tratamento Ve...
www.AulasDeFisicaApoio.com  - Física – Exercícios Resolvidos de Tratamento Ve...www.AulasDeFisicaApoio.com  - Física – Exercícios Resolvidos de Tratamento Ve...
www.AulasDeFisicaApoio.com - Física – Exercícios Resolvidos de Tratamento Ve...
 
geometriaplana exercciosresolvidos-crbrasil-140305081241-phpapp02
geometriaplana exercciosresolvidos-crbrasil-140305081241-phpapp02geometriaplana exercciosresolvidos-crbrasil-140305081241-phpapp02
geometriaplana exercciosresolvidos-crbrasil-140305081241-phpapp02
 
www.aulasdefisicaapoio.com - Física - Exercícios Resolvidos Movimento Vertic...
www.aulasdefisicaapoio.com - Física -  Exercícios Resolvidos Movimento Vertic...www.aulasdefisicaapoio.com - Física -  Exercícios Resolvidos Movimento Vertic...
www.aulasdefisicaapoio.com - Física - Exercícios Resolvidos Movimento Vertic...
 
Unidade de Medidas, Regras de Arredondamento e Estatística
Unidade de Medidas, Regras de Arredondamento e EstatísticaUnidade de Medidas, Regras de Arredondamento e Estatística
Unidade de Medidas, Regras de Arredondamento e Estatística
 
2002ed d2 mat
2002ed d2 mat2002ed d2 mat
2002ed d2 mat
 
Quadriláteros
QuadriláterosQuadriláteros
Quadriláteros
 
Pergunta
PerguntaPergunta
Pergunta
 
Rinogo
RinogoRinogo
Rinogo
 
Avaliação 8° ano 2° av
Avaliação 8° ano   2° avAvaliação 8° ano   2° av
Avaliação 8° ano 2° av
 
08 eac proj vest mat módulo 2 geometria plana
08 eac proj vest mat módulo 2 geometria plana08 eac proj vest mat módulo 2 geometria plana
08 eac proj vest mat módulo 2 geometria plana
 

Semelhante a Geometria plana ângulos, triângulos, quadriláteros, cálculo de áreas

Trigonometria
TrigonometriaTrigonometria
Trigonometria
IsabellyViana
 
isoladas-matematica-do-zero-na-fundatec-aula-15-dudan.pdf
isoladas-matematica-do-zero-na-fundatec-aula-15-dudan.pdfisoladas-matematica-do-zero-na-fundatec-aula-15-dudan.pdf
isoladas-matematica-do-zero-na-fundatec-aula-15-dudan.pdf
DanielaSilvaBraz1
 
Ângulos e Triângulos revisão 5ºano
Ângulos e Triângulos revisão 5ºanoÂngulos e Triângulos revisão 5ºano
Ângulos e Triângulos revisão 5ºano
marcommendes
 
Revisao geom plana pi
Revisao geom plana piRevisao geom plana pi
Revisao geom plana pi
simoneVieiradeSouza2
 
oi
oioi
Apostila matemática geometria plana
Apostila matemática   geometria planaApostila matemática   geometria plana
Apostila matemática geometria plana
perpetor
 
Geometria triângulos classificação
Geometria   triângulos classificaçãoGeometria   triângulos classificação
Geometria triângulos classificação
Antonio Carlos Luguetti
 
Geometria
GeometriaGeometria
Geometria
con_seguir
 
Congruencia e semelhanca de figuras planas
Congruencia e semelhanca de figuras planasCongruencia e semelhanca de figuras planas
Congruencia e semelhanca de figuras planas
jeanfree
 
Ficha informativa 1 (geometria revisões)
Ficha informativa 1 (geometria   revisões)Ficha informativa 1 (geometria   revisões)
Ficha informativa 1 (geometria revisões)
Paulo Soares
 
Geometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com CircunferenciaGeometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com Circunferencia
guest64411ea
 
Geometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com CircunferenciaGeometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com Circunferencia
guest6b0add41
 
Geometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com CircunferenciaGeometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com Circunferencia
guest64411ea
 
Geometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com CircunferenciaGeometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com Circunferencia
guest64411ea
 
Geometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com CircunferenciaGeometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com Circunferencia
guest64411ea
 
Geometria
GeometriaGeometria
Figuras geométricas no tangram
Figuras geométricas no tangramFiguras geométricas no tangram
Figuras geométricas no tangram
RamiroMarins
 
Trigonometria radianos graus
Trigonometria radianos grausTrigonometria radianos graus
Trigonometria radianos graus
trigono_metria
 
Angulos e triangulos
Angulos e triangulosAngulos e triangulos
Angulos e triangulos
Joao Ferreira
 
Elementos_de_Geometria.pdf
Elementos_de_Geometria.pdfElementos_de_Geometria.pdf
Elementos_de_Geometria.pdf
Cris Barcella
 

Semelhante a Geometria plana ângulos, triângulos, quadriláteros, cálculo de áreas (20)

Trigonometria
TrigonometriaTrigonometria
Trigonometria
 
isoladas-matematica-do-zero-na-fundatec-aula-15-dudan.pdf
isoladas-matematica-do-zero-na-fundatec-aula-15-dudan.pdfisoladas-matematica-do-zero-na-fundatec-aula-15-dudan.pdf
isoladas-matematica-do-zero-na-fundatec-aula-15-dudan.pdf
 
Ângulos e Triângulos revisão 5ºano
Ângulos e Triângulos revisão 5ºanoÂngulos e Triângulos revisão 5ºano
Ângulos e Triângulos revisão 5ºano
 
Revisao geom plana pi
Revisao geom plana piRevisao geom plana pi
Revisao geom plana pi
 
oi
oioi
oi
 
Apostila matemática geometria plana
Apostila matemática   geometria planaApostila matemática   geometria plana
Apostila matemática geometria plana
 
Geometria triângulos classificação
Geometria   triângulos classificaçãoGeometria   triângulos classificação
Geometria triângulos classificação
 
Geometria
GeometriaGeometria
Geometria
 
Congruencia e semelhanca de figuras planas
Congruencia e semelhanca de figuras planasCongruencia e semelhanca de figuras planas
Congruencia e semelhanca de figuras planas
 
Ficha informativa 1 (geometria revisões)
Ficha informativa 1 (geometria   revisões)Ficha informativa 1 (geometria   revisões)
Ficha informativa 1 (geometria revisões)
 
Geometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com CircunferenciaGeometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com Circunferencia
 
Geometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com CircunferenciaGeometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com Circunferencia
 
Geometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com CircunferenciaGeometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com Circunferencia
 
Geometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com CircunferenciaGeometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com Circunferencia
 
Geometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com CircunferenciaGeometria No Plano Com Circunferencia
Geometria No Plano Com Circunferencia
 
Geometria
GeometriaGeometria
Geometria
 
Figuras geométricas no tangram
Figuras geométricas no tangramFiguras geométricas no tangram
Figuras geométricas no tangram
 
Trigonometria radianos graus
Trigonometria radianos grausTrigonometria radianos graus
Trigonometria radianos graus
 
Angulos e triangulos
Angulos e triangulosAngulos e triangulos
Angulos e triangulos
 
Elementos_de_Geometria.pdf
Elementos_de_Geometria.pdfElementos_de_Geometria.pdf
Elementos_de_Geometria.pdf
 

Mais de Camila Rodrigues

Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
Camila Rodrigues
 
Texto verbal e não verbal
Texto verbal e não verbalTexto verbal e não verbal
Texto verbal e não verbal
Camila Rodrigues
 
Tempo e modo verbal
Tempo e modo verbalTempo e modo verbal
Tempo e modo verbal
Camila Rodrigues
 
Sintaxe da oração e do período
Sintaxe da oração e do períodoSintaxe da oração e do período
Sintaxe da oração e do período
Camila Rodrigues
 
Significação contextual e literal de palavras
Significação contextual e literal de palavrasSignificação contextual e literal de palavras
Significação contextual e literal de palavras
Camila Rodrigues
 
Sequência lógica de frases
Sequência lógica de frasesSequência lógica de frases
Sequência lógica de frases
Camila Rodrigues
 
Regras de acentuação gráfica
Regras de acentuação gráficaRegras de acentuação gráfica
Regras de acentuação gráfica
Camila Rodrigues
 
Regência verbal e nominal
Regência verbal e nominalRegência verbal e nominal
Regência verbal e nominal
Camila Rodrigues
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
Camila Rodrigues
 
Emprego do z
Emprego do zEmprego do z
Emprego do z
Camila Rodrigues
 
Emprego do x
Emprego do xEmprego do x
Emprego do x
Camila Rodrigues
 
Emprego do ss
Emprego do ssEmprego do ss
Emprego do ss
Camila Rodrigues
 
Emprego do s
Emprego do sEmprego do s
Emprego do s
Camila Rodrigues
 
Emprego do j
Emprego do jEmprego do j
Emprego do j
Camila Rodrigues
 
Emprego do g
Emprego do gEmprego do g
Emprego do g
Camila Rodrigues
 
Emprego do ch
Emprego do chEmprego do ch
Emprego do ch
Camila Rodrigues
 
Emprego do ç
Emprego do çEmprego do ç
Emprego do ç
Camila Rodrigues
 
Crase (à)
Crase (à)Crase (à)
Crase (à)
Camila Rodrigues
 
Concordância nominal e verbal regras gerais
Concordância nominal e verbal   regras geraisConcordância nominal e verbal   regras gerais
Concordância nominal e verbal regras gerais
Camila Rodrigues
 
Coesão e coerência
Coesão e coerênciaCoesão e coerência
Coesão e coerência
Camila Rodrigues
 

Mais de Camila Rodrigues (20)

Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Texto verbal e não verbal
Texto verbal e não verbalTexto verbal e não verbal
Texto verbal e não verbal
 
Tempo e modo verbal
Tempo e modo verbalTempo e modo verbal
Tempo e modo verbal
 
Sintaxe da oração e do período
Sintaxe da oração e do períodoSintaxe da oração e do período
Sintaxe da oração e do período
 
Significação contextual e literal de palavras
Significação contextual e literal de palavrasSignificação contextual e literal de palavras
Significação contextual e literal de palavras
 
Sequência lógica de frases
Sequência lógica de frasesSequência lógica de frases
Sequência lógica de frases
 
Regras de acentuação gráfica
Regras de acentuação gráficaRegras de acentuação gráfica
Regras de acentuação gráfica
 
Regência verbal e nominal
Regência verbal e nominalRegência verbal e nominal
Regência verbal e nominal
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
 
Emprego do z
Emprego do zEmprego do z
Emprego do z
 
Emprego do x
Emprego do xEmprego do x
Emprego do x
 
Emprego do ss
Emprego do ssEmprego do ss
Emprego do ss
 
Emprego do s
Emprego do sEmprego do s
Emprego do s
 
Emprego do j
Emprego do jEmprego do j
Emprego do j
 
Emprego do g
Emprego do gEmprego do g
Emprego do g
 
Emprego do ch
Emprego do chEmprego do ch
Emprego do ch
 
Emprego do ç
Emprego do çEmprego do ç
Emprego do ç
 
Crase (à)
Crase (à)Crase (à)
Crase (à)
 
Concordância nominal e verbal regras gerais
Concordância nominal e verbal   regras geraisConcordância nominal e verbal   regras gerais
Concordância nominal e verbal regras gerais
 
Coesão e coerência
Coesão e coerênciaCoesão e coerência
Coesão e coerência
 

Geometria plana ângulos, triângulos, quadriláteros, cálculo de áreas

  • 1. Geometria Plana Princípios básicos de Geometria Plana. Os estudos iniciais sobre Geometria Plana estão relacionados à Grécia Antiga, também pode ser denominada Geometria Euclidiana em homenagem a Euclides de Alexandria (360 a.C. - 295 a.C.), grande matemático educado na cidade de Atenas e frequentador da escola fundamentada nos princípios de Platão. Os princípios que levaram à elaboração da Geometria Euclidiana eram baseados nos estudos do ponto, da reta e do plano. O ponto era considerado um elemento que não tinha definição plausível, a reta era definida como uma sequência infinita de pontos e o plano definido através da disposição de retas. As definições teóricas da Geometria de Euclides estão baseadas em axiomas, postulados, definições e teoremas que estruturam a construção de variadas formas planas. Os polígonos são representações planas que possuem definições, propriedades e elementos. Podemos relacionar à Geometria plana os seguintes conteúdos programáticos: Ponto, reta e plano Posições relativas entre retas Ângulos Triângulos Quadriláteros Polígonos Perímetro Áreas de regiões planas Ângulos Denominamos ângulo a região do plano limitada por duas semirretas de mesma origem. As semirretas recebem o nome de lados do ângulo e a origem delas, de vértice do
  • 2. ângulo. A unidade usual de medida de ângulo, de acordo com o sistema internacional de medidas, é o grau, representado pelo símbolo º, e seus submúltiplos são o minuto ’ e o segundo ”. Temos que 1º (grau) equivale a 60’ (minutos) e 1’ equivale a 60”(segundos). O objeto capaz de medir o valor de um ângulo é chamado de transferidor, podendo ele ser de “meia volta” (180º) ou volta inteira (360º). Classificação de ângulos Os ângulos são classificados de acordo com suas medidas: Agudo: ângulo com medida menor que 90º. Reto: ângulo com medida igual a 90º. Obtuso: ângulo com medida maior que 90º. Raso: ângulo com medida igual a 0º ou 180º. agudo reto obtuso raso Bissetriz de um ângulo Bissetriz de um ângulo pode ser definida como a semirreta que se origina no vértice do ângulo principal, dividindo-o em outros dois ângulos com medidas iguais.
  • 3. Retas paralelas cortadas por uma transversal Ângulos correspondentes: a e e, d e h, b e f, c e g Ângulos colaterais externos: a e h, b e g Ângulos colaterais internos: eed, c e f Ângulos alternos externos: a e g, b e h Ângulos alternos internos: d e f, c e e Congruentes Suplementares Suplementares Congruentes Congruentes Tipos de triângulos Classificação segundo a medida relativa dos lados Um triângulo pode ser classificado de acordo com as medidas relativas de seus lados: Um triângulo equilátero possui todos os lados congruentes. Pode-se verificar que um triângulo eqüilátero é também eqüiângulo, ou seja, possui todos os seus ângulos internos congruentes (e com medida 60°). Por este motivo, este tipo de triângulo é também um polígono regular. Um triângulo isósceles possui pelo menos dois lados congruentes. Num triângulo isósceles, o ângulo formado pelos lados congruentes é chamado ângulo do vértice. Os demais ângulos denominam-se ângulos da base e, como se pode verificar, são congruentes. Note que os triângulos equiláteros também são isósceles. Em um triângulo escaleno, as medidas dos três lados são diferentes. É possível mostrar que os ângulos internos de um triângulo escaleno também possuem medidas diferentes. Denomina-se base o lado sobre qual apóia-se o triângulo. No triângulo isósceles, considera-se base o lado de medida diferente. A seguir é mostrada a classificação de alguns triângulos de acordo com o critério anterior:
  • 4. Exemplo de triângulo equilátero Este triângulo é equilátero, pois possui os três lados congruentes. Em particular, como seus lados são dois a dois congruentes, ele é um triângulo isósceles. Pode-se observar que seus todos os seus ângulos internos medem 60°, e por isso ele é equiângulo. Exemplo de triângulo isósceles que não é equilátero Neste triângulo há somente dois lados congruentes: os que têm medida . Por este motivo, o triângulo é isósceles, mas não é equilátero. Além disso, cada um destes dois lados forma um ângulo de medida com a base do triângulo. Exemplo de triângulo escaleno Aqui, cada um dos lados tem um comprimento diferente dos demais. Assim, este é um triângulo escaleno. Observe ainda que nenhum par de ângulos internos tem a mesma medida. Classificação de acordo com seus ângulos internos Um triângulo também pode ser classificado de acordo com seus ângulos internos: Um triângulo retângulo possui um ângulo reto. Num triângulo retângulo, denomina-se hipotenusa o lado oposto ao ângulo reto. Os demais lados chamamse catetos. Os catetos de um triângulo retângulo são complementares.
  • 5. Um triângulo obtusângulo possui um ângulo obtuso e dois ângulos agudos. Em um triângulo acutângulo, todos os três ângulos são agudos. Exemplo de triângulo retângulo Um ângulo reto. Possui um ângulo de 90º. Exemplo de triângulo obtusângulo Um ângulo obtuso e dois ângulos agudos. Exemplo de triângulo acutângulo Todos os três ângulos são agudos. Ou seja, menor que 90º Soma dos ângulos internos Na geometria euclidiana, de acordo com o teorema angular de Tales, a soma dos ângulos internos de qualquer triângulo é igual a dois ângulos retos (180° ou π radianos). Isso permite a determinação da medida do terceiro ângulo, desde que sejam conhecidas as medidas dos outros dois ângulos. Soma dos ângulos externos Existe também um corolário, que afirma que a medida de um ângulo externo de um triângulo é igual à soma das medidas dos ângulos internos não-adjacentes. Exemplo: Se os ângulos internos de um triângulo forem: a resposta final será assim: Resolução: , . Porque o ângulo externo é a igual à soma dos ângulos internos duas vezes.
  • 6. Relações de desigualdades entre lados e ângulos 1ª relação: Um ângulo externo de um triângulo é maior que qualquer um dos ângulos internos não-adjacentes. 2ª relação: Se dois lados de um triângulo tem medidas diferentes, ao maior lado opõe-se o maior ângulo e ao menor lado, opõe-se o menor ângulo. 3ª relação: Em todo triângulo, qualquer lado tem medida menor que a soma das medidas dos outros dois. Área do triângulo Existem várias formas de se expressar a área A de um triângulo: Dadas a base b e a altura h: Dados dois lados a e b e o ângulo γ entre eles compreendido: Dados os três lados a, b e c: , onde p é o semiperímetro (metade do perímetro). Essa fórmula é conhecida como fórmula de Heron. Se o triângulo for equilátero de lado L, sua área pode ser obtida pela fórmula: Congruência Critério LLL Lado-Lado-Lado. Critério LAL Lado-Ângulo-Lado. Critério ALA Ângulo-Lado-Ângulo. Critério LLAr Lado-Lado-Ângulo reto.
  • 7. Semelhança Critério LLL Segundo o critério LLL (lado-lado-lado), existe semelhança entre dois triângulos se os três lados de um são proporcionais aos três lados correspondentes do outro. Critério LAL Segundo o critério LAL (lado-ângulo-lado), existe semelhança entre dois triângulos se têm entre si dois pares de lados correspondentes proporcionais e se os ângulos por eles formados forem iguais. Critério AA Segundo o critério AA (ângulo-ângulo), existe semelhança entre dois triângulos se eles têm dois ângulos iguais. Quadriláteros Definição: Quadrilátero é um polígono de quatro lados. Propriedades: A soma de todos os seus ângulos internos é igual a 360º.
  • 8. Os quadriláteros são classificados da seguinte forma : Figuras Figuras Geométricas Definições Propriedades Não Trapézios Paralelogramo Quadrado Rectângulo Paralelogramo é um quadrilátero em que os lados opostos são paralelos. Quadrado é uma figura plana limitada por quatro segmentos, de forma que os seus lados sejam todos iguais entre si (AB.=BD=DC=CA). Rectângulo é uma figura plana limitada por quatro segmentos, de forma a que os seus lados sejam iguais dois a dois (AC=BD e AB=CD). A soma de dois ângulos consecutivos é de 180º; As diagonais cortam-se no ponto médio; Os lados opostos são congruentes; Os ângulos opostos são congruentes; A área Os ângulos deste quadrilátero são todos de 90º; As suas diagonais formam entre si ângulos de 90º; Cada diagonal forma um triângulo isósceles; A área é o quadrado do comprimento do lado (L x L) O perímetro é a soma de todos os seus lados ( L+ L+ L + L) Os lados opostos de um rectângulo são paralelos e iguais entre si; As diagonais de um rectângulo interceptam-se formando pares de ângulos
  • 9. opostos e iguais entre si; A área é o produto do seu comprimento pela a sua altura (C x H) O perímetro é a soma de todos os seus lados Losango ou Rombo Losango é um quadrilátero com os lados opostos paralelos (paralelogramo), com os lados todos iguais entre si. Trapézio Isósceles Trapézio isósceles é um quadrilátero que tem apenas dois lados paralelos e de comprimentos diferentes. Trapézio Rectângulo Trapézio rectângulo é um quadrilátero que tem apenas dois lados paralelos e que tem um ângulo recto Trapézio Escaleno Trapézio escaleno é um quadrilátero que tem apenas dois lados paralelos, cujos lados são todos diferentes As suas diagonais são perpendiculares; As suas diagonais são bissectrizes dos ângulos; A área é igual à área do paralelogramo O perímetro é a soma de todos os seus lados Tem dois lados iguais Tem um eixo de simetria Tem um ângulo recto Não tem eixo de simetria Tem os lados todos diferentes Não tem eixo de simetria
  • 10. Cálculo de Áreas Conhecer sobre área é conhecer sobre o espaço que podemos preencher em regiões poligonais convexas – qualquer segmento de reta com extremidades na região só terá pontos pertencentes a esta. O cálculo de áreas tem muita aplicabilidade em diferentes momentos, seja em atividades puramente cognitivas, ou até mesmo trabalhistas. Um exemplo de profissional que faz uso dessa ferramenta para tornar possível o desempenho do seu trabalho é o pedreiro. É através do conhecimento de área que é possível estimar a quantidade de cerâmica necessária para pavimentar um determinado cômodo de uma casa, por exemplo. O quadrado O quadrado é uma figura geométrica plana regular em que todos os seus lados e ângulos são iguais. Veja um exemplo de quadrado na figura a seguir:
  • 11. Para calcular a área de um quadrado basta que se multipliquem dois dos seus lados l entre si. Exemplo 1 Para pavimentar a sala de sua casa D. Carmem comprou 26 m2 de piso. Sabendo que a sala tem o formato quadrangular e que um dos lados mede 5 m, diga se o piso comprado por D. Carmem será suficiente para pavimentar a sua sala. A sala tem o formato quadrangular; O seu lado mede 5 m; A área do quadrado é A = l 2. Com base nos dados acima temos: Conclui-se então que o piso comprado por D. Carmem será suficiente para pavimentar sua sala e ainda sobrará 1 m2. Lembrete: a unidade de medida de área mais utilizada é o metro quadrado (m2), porém em alguns casos usa-se o km2, cm2, etc. O retângulo O retângulo é uma figura geométrica plana cujos lados opostos são paralelos e iguais e todos os ângulos medem 90º. Confiram o retângulo abaixo:
  • 12. Para calcular a área do retângulo, basta que se multipliquem seu comprimento c pela largura l. Exemplo 2 Num campeonato de futebol a equipe organizadora do evento está providenciando o gramado que será plantado em toda área do campo. Para comprar as gramas, a equipe precisa saber a área do campo, pois a grama é vendida por metro quadrado. Sabendo que o campo tem 115 m de comprimento por 75 m de largura e ainda que o campo tem o formato retangular, ajude a equipe a solucionar o problema, diga quantos metros quadrados de área tem o campo de futebol? O triângulo O triângulo é uma figura geométrica plana formada por três lados e três ângulos. A soma dos seus ângulos internos é igual 180º.
  • 13. Para calcular a área do triângulo multiplica-se a base b pela altura h e divide o resultado por 2 (metade da área do retângulo). Exemplo 3 Encontre a área de um triângulo cuja base mede 8,2 cm e a altura 3,6 cm. O trapézio O trapézio é uma figura plana com um par de lados paralelos (bases) e um par de lados concorrentes. Para calcular a área do trapézio adiciona-se a base maior c à base menor a, ao resultado da soma multiplica-se a altura, e por fim, divide-se o resultado final por 2.
  • 14. Exemplo 4 Um fazendeiro quer saber a área de um lote de terra que acabara de comprar. O lote tem o formato de um trapézio. Sabendo que a frente mede 1020 m, o fundo, 815 m e a distância da frente ao fundo é de 510 m. Determine a área do lote. Conclusão A necessidade geométrica perpassou o tempo e está impregnada em nossas vidas nos dias atuais. O conhecimento da Geometria Plana (Euclidiana) é tão importante que não é possível o caminhar separado da sua prática e do seu entendimento. “Caminhemos sobre as curvas das formas e encontraremos um universo ainda não desbravado”. Robison Sá.