SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
A EDUCAÇÃO
  n’OS MAIAS
Dois modelos de educação opostos:

  Educação tradicional   Educação à Inglesa
    (“À portuguesa”)

Pedro da Maia              Carlos da Maia

Eusebiozinho
 Educação   “à Portuguesa” valoriza:

 Primado   da cartilha:"(...) sobretudo a
 cartilha (...)“

A   memorização de conhecimentos;
A   moral do catecismo e da devoção
  religiosa com a concepção punitiva do
  pecado:
"(...) — Quantos são os inimigos da alma?
E o pequeno, mais dormente, lá ia
  murmurando:
— Três. Mundo, Diabo e Carne... (...)“
 Desvalorização   do contacto com a
 Natureza:"(...) tinha medo do vento e das
 árvores (...)“

 Estudo do Latim, considerada uma língua
 morta: "O Vasques ensinava-lhe as
 declinações latinas (...)"
 Educação   “à Inglesa” valoriza:

 “Mente   sã, em corpo são”;

O desenvolvimento da inteligência, graças ao
 conhecimento prático e experimental;

O “amor da virtude” e da “honra” que convém
 a um cavalheiro e a “um homem de bem”;
 Aprendizagem      de línguas vivas;

 Exercício   físico;

 Vida   ao ar livre, contacto com a Natureza.
Educação tradicional                  Educação à Inglesa

Quem aprova:                          Quem aprova:

Vilaça (pai)                          Afonso e o narrador

Padre Vasques                         Quem desaprova:

A gente da casa dos Maias e a gente   Vilaça (pai)
de Resende
                                      Padre Vasques
Quem desaprova:
                                      A gente da casa dos Maias e a gente
Afonso e o narrador                   de Resende
Pedro da Maia:
   Superprotecção materna;
   Refúgio no colo das criadas;
   Influência religiosa: Padre Vasquez;
   O estímulo do espírito boémio do romantismo;
   Sofre com a morte da mãe e com a traição de Maria.

                   Não encontra solução para a sua vida



                            FALHA NA VIDA
                               Suicídio
Eusebiozinho:
   Desde o berço que mostrava interesse pelo saber;
   Ainda gatinhava e já gostava de folhear livros e permanecer imóvel;
   Quando crescido, permanecia inactivo numa cadeira a desenhar
    letras;
   Recitava versos sem qualquer expressividade.

             Um casamento infeliz e uma vida de corrupção


                            FALHA NA VIDA
 Carlos   da Maia:

 Dormia  só antes dos cinco anos;
 Tomava banho em água fria todas as manhãs;
 Tinha um dieta alimentar rigorosa;
 Podia correr livremente, pular, cair, subir às
  árvores.
 NO ENTANTO, Carlos      da Maia:
 Educação inadequada     para o meio social em
  que irá mover-se, alta sociedade lisboeta;
 Romântico, apesar da educação “britânica”;
 Vida ociosa;
 Viola as leis morais ao praticar incesto
  voluntário com a irmã, Maria Eduarda


               FALHA NA VIDA
 Concluindo:


 Carlos
       fracassou não pela educação, mas
 apesar dela.

 Foia sociedade que o conduziu ao
 fracasso, pela ausência de motivações, e
 pela paixão romântica que o seduziu.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
vermar2010
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Vanda Sousa
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Lurdes Augusto
 

Mais procurados (20)

Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Os Maias - personagens
Os Maias - personagensOs Maias - personagens
Os Maias - personagens
 
O resumo de Os Maias
O resumo de Os MaiasO resumo de Os Maias
O resumo de Os Maias
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Os Maias - análise
Os Maias - análiseOs Maias - análise
Os Maias - análise
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os LusíadasOs Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
 

Destaque (6)

Ação "Os Maias"
Ação "Os Maias"Ação "Os Maias"
Ação "Os Maias"
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Frei luis de sousa
Frei luis de sousaFrei luis de sousa
Frei luis de sousa
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 

Semelhante a Educação n' os maias

A hereditariedade, a educação e o meio em os maias
A hereditariedade, a educação e o meio em os maiasA hereditariedade, a educação e o meio em os maias
A hereditariedade, a educação e o meio em os maias
Maria Rodrigues
 
Os maias a educação
Os maias   a educaçãoOs maias   a educação
Os maias a educação
luciamcp
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 115-116
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 115-116Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 115-116
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 115-116
luisprista
 
A missao do brasil celia urquiza
A missao do brasil   celia urquizaA missao do brasil   celia urquiza
A missao do brasil celia urquiza
Francisco de Morais
 
Yvonne Do Amaral Pereira
Yvonne Do Amaral PereiraYvonne Do Amaral Pereira
Yvonne Do Amaral Pereira
meebpeixotinho
 
Letramento nos primórdios do brasil
Letramento nos primórdios do brasilLetramento nos primórdios do brasil
Letramento nos primórdios do brasil
Lari Aveiro
 

Semelhante a Educação n' os maias (20)

A hereditariedade, a educação e o meio em os maias
A hereditariedade, a educação e o meio em os maiasA hereditariedade, a educação e o meio em os maias
A hereditariedade, a educação e o meio em os maias
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
 
ESDE 2 : VULTOS DO ESPIRITISMO VIANNA DE CARVALHO[1].pptx
ESDE 2 : VULTOS DO ESPIRITISMO VIANNA DE CARVALHO[1].pptxESDE 2 : VULTOS DO ESPIRITISMO VIANNA DE CARVALHO[1].pptx
ESDE 2 : VULTOS DO ESPIRITISMO VIANNA DE CARVALHO[1].pptx
 
Os maias a educação
Os maias   a educaçãoOs maias   a educação
Os maias a educação
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
 
Biografia de Yvonne do Amaral Pereira
Biografia de Yvonne do Amaral PereiraBiografia de Yvonne do Amaral Pereira
Biografia de Yvonne do Amaral Pereira
 
Os maias analise global
Os maias   analise globalOs maias   analise global
Os maias analise global
 
Edição n. 23 do CH Notícias - Maio /2017
Edição n. 23 do CH Notícias - Maio /2017Edição n. 23 do CH Notícias - Maio /2017
Edição n. 23 do CH Notícias - Maio /2017
 
50981331-OS-MAIAS-sintese (2).ppt
50981331-OS-MAIAS-sintese (2).ppt50981331-OS-MAIAS-sintese (2).ppt
50981331-OS-MAIAS-sintese (2).ppt
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 115-116
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 115-116Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 115-116
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 115-116
 
A missao do brasil celia urquiza
A missao do brasil   celia urquizaA missao do brasil   celia urquiza
A missao do brasil celia urquiza
 
Maias Modelos Educativos
Maias Modelos EducativosMaias Modelos Educativos
Maias Modelos Educativos
 
Yvonne Do Amaral Pereira
Yvonne Do Amaral PereiraYvonne Do Amaral Pereira
Yvonne Do Amaral Pereira
 
Grupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumido
Grupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumidoGrupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumido
Grupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumido
 
Letramento nos primórdios do brasil
Letramento nos primórdios do brasilLetramento nos primórdios do brasil
Letramento nos primórdios do brasil
 
Visão de Eurípedes
Visão de EurípedesVisão de Eurípedes
Visão de Eurípedes
 
Adivinha quem é (1)
Adivinha quem é (1)Adivinha quem é (1)
Adivinha quem é (1)
 
Powerpoint obras Yvonne Pereira
Powerpoint obras Yvonne PereiraPowerpoint obras Yvonne Pereira
Powerpoint obras Yvonne Pereira
 
Eurípedes Barsanulfo - o educador e médium
Eurípedes Barsanulfo -  o educador e médiumEurípedes Barsanulfo -  o educador e médium
Eurípedes Barsanulfo - o educador e médium
 
Janusz Korczak (sua história)
Janusz Korczak (sua história)Janusz Korczak (sua história)
Janusz Korczak (sua história)
 

Educação n' os maias

  • 1. A EDUCAÇÃO n’OS MAIAS
  • 2. Dois modelos de educação opostos: Educação tradicional Educação à Inglesa (“À portuguesa”) Pedro da Maia Carlos da Maia Eusebiozinho
  • 3.  Educação “à Portuguesa” valoriza:  Primado da cartilha:"(...) sobretudo a cartilha (...)“ A memorização de conhecimentos;
  • 4. A moral do catecismo e da devoção religiosa com a concepção punitiva do pecado: "(...) — Quantos são os inimigos da alma? E o pequeno, mais dormente, lá ia murmurando: — Três. Mundo, Diabo e Carne... (...)“
  • 5.  Desvalorização do contacto com a Natureza:"(...) tinha medo do vento e das árvores (...)“  Estudo do Latim, considerada uma língua morta: "O Vasques ensinava-lhe as declinações latinas (...)"
  • 6.  Educação “à Inglesa” valoriza:  “Mente sã, em corpo são”; O desenvolvimento da inteligência, graças ao conhecimento prático e experimental; O “amor da virtude” e da “honra” que convém a um cavalheiro e a “um homem de bem”;
  • 7.  Aprendizagem de línguas vivas;  Exercício físico;  Vida ao ar livre, contacto com a Natureza.
  • 8. Educação tradicional Educação à Inglesa Quem aprova: Quem aprova: Vilaça (pai) Afonso e o narrador Padre Vasques Quem desaprova: A gente da casa dos Maias e a gente Vilaça (pai) de Resende Padre Vasques Quem desaprova: A gente da casa dos Maias e a gente Afonso e o narrador de Resende
  • 9. Pedro da Maia:  Superprotecção materna;  Refúgio no colo das criadas;  Influência religiosa: Padre Vasquez;  O estímulo do espírito boémio do romantismo;  Sofre com a morte da mãe e com a traição de Maria.  Não encontra solução para a sua vida FALHA NA VIDA Suicídio
  • 10. Eusebiozinho:  Desde o berço que mostrava interesse pelo saber;  Ainda gatinhava e já gostava de folhear livros e permanecer imóvel;  Quando crescido, permanecia inactivo numa cadeira a desenhar letras;  Recitava versos sem qualquer expressividade. Um casamento infeliz e uma vida de corrupção FALHA NA VIDA
  • 11.  Carlos da Maia:  Dormia só antes dos cinco anos;  Tomava banho em água fria todas as manhãs;  Tinha um dieta alimentar rigorosa;  Podia correr livremente, pular, cair, subir às árvores.
  • 12.  NO ENTANTO, Carlos da Maia:  Educação inadequada para o meio social em que irá mover-se, alta sociedade lisboeta;  Romântico, apesar da educação “britânica”;  Vida ociosa;  Viola as leis morais ao praticar incesto voluntário com a irmã, Maria Eduarda FALHA NA VIDA
  • 13.  Concluindo:  Carlos fracassou não pela educação, mas apesar dela.  Foia sociedade que o conduziu ao fracasso, pela ausência de motivações, e pela paixão romântica que o seduziu.