SlideShare uma empresa Scribd logo
Doenças autoimunes
      Professor: João Griné
    Trabalho realizado por :
       Carla Simões, nº3
   Margarida Rodrigues, nº18
    Marlene Rodrigues,nº20
     Ricardo Almeida,nº25
DOENÇAS AUTO-IMUNES
Fala-se em doença auto-imune cada vez que o sistema imunitário ataca
as suas próprias células, destruindo-as. Isto é, não reconhece os seus
antigénios. Pode afetar vários órgãos ( lupus) ou especificamente um
orgão ( diabetes) , bem como os tecidos. Não tem ,ainda, causa aparente
contudo pensa-se que estejam ligadas a fatores hereditários conjugados
com fatores ambientais e estilos de vida.

                                               Vamos abordar :
                                               Lupus
                                               Artrite reumatóide
                                               Diabetes
                                               Esclerose Múltipla
É uma doença auto imune
que afeta vários órgãos e
sistemas     do     corpo.   Os
anticorpos      que    deveriam
combater doenças, atacam as
próprias células do corpo mas
apesar    disso,     quando   o
indivíduo     é     devidamente
tratado, pode levar uma vida
normal.


Ocorre                  mais
frequentemente            em
mulheres do que em homens,
especialmente entre as idades
de 15 e 50 anos.
Um indivíduo com esta
doença        desenvolve
anticorpos que reagem
contra as suas células
normais, podendo afetar
a pele, as articulações,
os rins e outros órgãos.
Inflamação nos rins                        Febre

                      Sintomas




 Dores musculares                Manchas avermelhadas
Não existe um tratamento capaz de curar definitivamente este
    tipo de lúpus, contudo existem vários recursos terapêuticos
    que podem aliviar as manifestações agudas e até mesmo
    travar a evolução do problema.

     Por um lado, é essencial adotar uma série de precauções
    durante a vida quotidiana, nomeadamente manter um repouso
    adequado, evitar a exposição solar sem proteção e a
    administração de medicamentos que não tenham sido
    prescritos pelo médico, já que alguns medicamentos podem
    aumentar a intensidade dos sinais e sintomas da doença.
 Por    outro    lado   pode     recorrer-se a
  medicamentos para:
 reduzir a inflamação dos tecidos afetados;
 inibir anormalidades do sistema imunológico
  consideradas responsáveis pela inflamação.

 Ou então recorrer a anti-inflamatórios que
  aliviam   os    sintomas      da     inflamação
  responsáveis pela dor, febre, fadiga, artrite ou
                    pleurisia.
Lúpus Eritematoso Discoide


         É uma doença em
         que    o  sistema
         imunitário ataca
         somente a pele,
         resultando numa
         inflamação.
Sensação de cansaço

                      Sintomas




 Dores musculares                Manchas avermelhadas
Usar cremes nas
                            manchas, se a doença
O tratamento, se for         for diagnosticada
imediatamente iniciado,        precocemente
pode prevenir ou reduzir
a      gravidade     das
cicatrizes permanentes.

                            Evitar a luz solar e
                           os raios ultravioleta


   No caso da doença ser
   diagnosticada   mais
   tarde é necessário o
   uso de medicamentos
   por via oral.
Artrite Reumatoide
Kathleen Turner   Lucille Ball
É uma doença crónica que se
baseia na inflamação persistente
de articulações, podendo também
afetar certos órgãos.
      Apresenta maior incidência
nas       mulheres,   principalmente
entre os 30 e os 50 anos.
      A     artrite   pode    ainda
classificar-se consoante as áreas
que afeta.
Há uma predisposição genética,
porém ainda não se conhece as
causas, apesar de se acreditar que
certos estímulos desencadeiem, em
pessoas com defeitos no sistema
imunológico, inflamações.

Se após esta aparecer, não for
aplicado tratamento, com o tempo as
articulações    serão    destruídas,
desencadeando     consequentemente
limitações nos movimentos.
Onde aparece mais
 frequentemente?
 Articulações inchadas, quentes e dolorosas.
 Cansaço.
 Perda de peso, causada pela falta de
  apetite.
 Rigidez matinal.

Se não for tratada pode originar:
 Malformações      ósseas     derivadas a
  descolamentos de tendões.
Em ultimo caso: manifestações exta-
  articulares.
• Não   há    cura    para   esta
  doença.
• É aconselhado exercício físico
  regular e fisioterapia.
• Medicamentos:      analgésicos,
  anti-inflamatórios,
  cortiscoroides               e
  imunossupressores.
• Em último caso a colocação
  de próteses.
DIABETES
• A Diabetes é uma doença
  metabólica crónica.
• É      causada      pela
  destruição auto-imune
  das células do pâncreas
  que     segregam       a
  insulina.
• Caracteriza-se      pelo
  aumento dos níveis de
  açúcar no sangue.
Está relacionado com o estilo de vida e
  predisposição genética das pessoas .
O      objetivo   do
tratamento é manter o
açúcar   (glicose) no
sangue o mais próximo
possível dos valores
considerados normais ,
para que se sintam
bem e sem nenhum
sintoma da doença.

 O tratamento com
  insulina   é   feito
  através de injecção
  na    gordura   por
  baixo da pele.
Os       avanços      na
engenharia genética tem
permitido as pessoas
diabéticas      melhores
condições    de     vida,
nomeadamente através
da técnica do DNA
recombinante
CLIVE BURR
ESCLEROSE
     MÚLTIPLA
A esclerose múltipla é
uma doença auto-imune
crónica que afeta o cérebro
e    a   medula    espinhal
(sistema nervoso central).
O principal alvo deste
“ataque” é a mielina, uma
camada      de     gordura
protectora    das    fibras
nervosas que auxilia na
transmissão de informação
ao    longo    do    corpo
humano.
I.  Os neurónios permitem que todo o
    corpo      esteja ligado     e  possa
    comunicar.
II. Os      impulsos      elétricos   são
    transmitidos ao longo dos neurónios,
    permitindo que o cérebro comunique
    com diferentes partes do nosso corpo.
    As fibras nervosas estão envolvidas
    por uma camada protetora a mielina,
    que acelera a transmissão dos sinais
    elétricos.
A esclerose vai ‘’atacar’’ a bainha de
mielina, o que vai afectar o modo de
transmissão das mensagens do sistema
nervoso




                                          A bainha de mielina é
                                          alterada     através    de
                                          processos inflamatórios. A
                                          inflamação ocorre quando
                                          as células autoimunes do
                                          corpo atacam o sistema
                                          nervoso.         Episódios
                                          repetidos de inflamação
                                          podem      ocorrer     em
                                          qualquer área do cérebro,
                                          nervo óptico ou da medula
                                          espinhal.
I.     Destruição da bainha de
                                                         mielina    das   células
                                                         nervosas-
                                                         desmielinização.
                                                  II.    Quando a inflamação se
                                                         reduz, os mecanismos de
                                                         reparação são activados,
                                                         resultando por vezes na
                                                         remielinização .


INFLAMAÇÃO       DESMIELINIZAÇÃO    REPARAÇÃO           REMIELINIZAÇÃO



↘Este ciclo de lesão e recuperação pode ocorrer vezes sem conta nos
neurónios do SNC, contudo se a inflamação ocorrer repetidamente no
mesmo local, os processos de reparação podem não ser capazes de manter
a restauração, resultando em lesão permanente nestes neurónios.
↘Onde quer que a camada protetora seja destruída, forma-se um tecido
parecido com uma cicatriz -daí o nome esclerose. E é múltipla, pois
atinge várias áreas do cérebro e da medula espinhal . A gravidade de cada
caso está relacionada com a área afetada.
TIPOS DE EM
A EM afecta em especial as pessoas de
                                          raça branca, na Europa, América do
               RAÇA                       Norte e Austrália .
  LATITUDE
                      VÍRUS               A frequência da EM varia nas
 PREDISPOSIÇÃO
   GENÉTICA                               diferentes regiões do mundo, sendo mais
                                          comum em áreas mais desenvolvidas
                                          economicamente. A EM tem uma maior
                                          frequência nas zonas temperadas e é
           Esclerose                      menos comum entre pessoas residentes
                                          em climas quentes, (aumenta com a
           Múltipla                       distância ao equador, tanto no
                                          hemisfério norte como no sul).

oUm      vírus   ou     um    antigénio   Muito provavelmente, a doença em si
desconhecido         poderam        ser   não é transmitida hereditariamente, mas
responsáveis que desencadeiam, de         existirá alguma predisposição nos genes.
algum      modo,      uma     anomalia    Quando estes indivíduos encontram
imunológica, que costuma aparecer         factores     ambientais    desconhecidos
numa idade precoce. Então o corpo, por    específicos, a EM pode ser desencadeada.
um motivo qualquer, produz anticorpos     Como já vimos a raça e a localização
contra a sua própria mielina;             geográfica.
Os sintomas aparecem, geralmente, entre os 20 e os
40 anos. Destacam-se :

• Alterações na mobilidade;

• Formigueiro;

• Perturbações visuais

•Alterações emocionais ou mentais;

•Espasmos musculares;

•Incontinência urinária;
TRATAMENTO



Apesar de não existir cura, há medicamentos que diminuem os
sintomas.
 Medicamentos que tratam os surtos da doença;
 Medicamentos que alteram o curso da doença

 Medicamentos corticosteroides : estes fármacos constituem o
 tratamento principal dos surtos de esclerose múltipla. Os
 corticosteroides parecem diminuir a duração dos surtos e podem
 acelerar a recuperação.

   São substâncias relacionadas com as hormonas produzidas pelas
   glândulas supra-renais atuam na supressão do sistema imunitário.
   Tendo um efeito anti-inflamatório.
Interferão beta : este medicamento é utilizado principalmente para
tratar a esclerose múltipla recorrente-remitente. Os estudos
demonstraram que o interferão beta pode diminuir a frequência e a
gravidade dos surtos de esclerose múltipla, assim como o risco de
progressão da doença e de incapacidade.

   São proteínas libertadas pelas células infetadas quando há uma infeção
   . A função é diminuir a inflamação. Há três tipos de interferões alfa,
   beta e gama. ( só os alfa são usados).


                                      O principal tratamento
                                      passa por um estilo de vida
                                      saudável,     e    praticar
                                      desporto específico para
                                      desenvolver     as    áreas
                                      afetadas pela doença.
O Lúpus é uma doença auto-imune, em
  que o sistema imune, que normalmente
  protege o nosso corpo, se vira contra si
próprio e o ataca, provocando inflamação e                     Artrite reumatóide
  alteração da função do sistema afetado.
                                                        Os anticorpos, que deviam combater os agentes
 No caso do Lúpus Eritematoso Sistémico,                 patogénicos, agem de forma descontrolada e
   podem ser afetados diversos orgãos do               deterioram as articulações e atacam o tecido que
              sistema imune.                           serve de revestimento a órgãos como os pulmões.
 No caso do Lúpus Eritematoso Discoide,
          apenas a pele é afetada.




                     Diabetes                                      Esclerose Múltipla
     Muitos dos alimentos que ingerimos são
   transformados em glicose no nosso aparelho                  É uma doença crónica,
digestivo. Esta resulta da digestão e transformação       inflamatória e auto-imune que
  dos açúcares da nossa alimentação. Depois de
  absorvida, entra na circulação sanguínea e está          afeta o sistema nervoso pela
      disponível para as células a utilizarem.            desmielinização , tendo graves
Para que a glicose possa ser utilizada como fonte de
          energia, é necessária a insulina.                  consequências ao nível da
Se a glicose não for utilizada, acumula-se no sangue     transmissão das mensagens por
          sendo depois, expelida pela urina.                       todo o corpo.
WEBGRAFIA


          Lupus
http://cuidarartigos.blogspot.pt/2011/05/doenca
                                                        Diabetes
s-auto-imunes-lupus.html
http://lupus.no.sapo.pt/causas.htm
http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/    •http://portaldadiabetes.pt/index.php/pt/
11534
http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2012/03/s
aiba-o-que-sao-doencas-autoimunes-e-como-
tratar-lupus-e-psoriase.html



                                                          Esclerose Múltipla
   Artrite Reumatoide
                                                    •    http://imunes.no.sapo.pt/panfleto_em.pdf
                                                    •    http://imunes.no.sapo.pt/esclerose_multipla.htm
 •Http://www.abcdasaude.com.br/artigo.ph
                                                    •    http://tratamentocomcelulastronco.com/index.php/experiencias-dos-
 p?35                                                    pacientes-e-noticias/esclerose-
                                                         multipla.html?gclid=CI2GqMCMqrUCFczHtAodjy0Ahg
 •http://www.roche.pt/sites-                        •
                                                    •
                                                         http://xnightwitx.no.sapo.pt/em.htm
                                                         http://www.anem.org.pt/em/oquee.html
 tematicos/artrite-                                 •
                                                    •
                                                         http://www.minhavida.com.br/saude/temas/esclerose-multipla
                                                         http://esclerosemultipla.wordpress.com/2006/02/24/o-que-e-esclerose-
 reumatoide/index.cfm/o_que_e                       •
                                                         multipla/
                                                         http://www.einstein.br/einstein-saude/em-dia-com-a-
 •http://www.reumatologia.com.br/PDFs/C             •
                                                         saude/Paginas/entenda-a-esclerose-multipla.aspx
                                                         http://vsearch.nlm.nih.gov/vivisimo/cgi-bin/query-
                                                         meta?v%3Aproject=medlineplus&query=multiple+sclerosis
 artilha_artriteReumatoide.pdf                      •    http://www.spem.org/esclerose-multipla/etiologia--causas
                                                    •    http://www.mdsaude.com/2009/11/esclerose-
 •http://www.roche.pt/sites-                             multipla.html#.UTt5hNYvuAg

 tematicos/artrite-reumatoide/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
LABIMUNO UFBA
 
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
Slide 2   Aula 2 LeucóCitosSlide 2   Aula 2 LeucóCitos
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
samir12
 
Conceitos de Sistema Imune
Conceitos de Sistema ImuneConceitos de Sistema Imune
Conceitos de Sistema Imune
Lys Duarte
 
Sistema Imunológico
Sistema ImunológicoSistema Imunológico
Sistema Imunológico
JosianeBergund
 
Imunidade Adquirida - Humoral
Imunidade Adquirida - HumoralImunidade Adquirida - Humoral
Imunidade Adquirida - Humoral
Isabel Lopes
 
ICSA17 - Hipersensibilidades
ICSA17 - HipersensibilidadesICSA17 - Hipersensibilidades
ICSA17 - Hipersensibilidades
Ricardo Portela
 
Hemograma
HemogramaHemograma
Hemograma
Fábio Falcão
 
Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]
Gildo Crispim
 
Cancer
CancerCancer
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
Safia Naser
 
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Guilherme Wendel
 
Imunidade Inata e Adaptativa
Imunidade Inata e AdaptativaImunidade Inata e Adaptativa
Imunidade Inata e Adaptativa
LABIMUNO UFBA
 
Imunodiagnóstico
ImunodiagnósticoImunodiagnóstico
Imunodiagnóstico
LABIMUNO UFBA
 
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em ImunologiaICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
Ricardo Portela
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Cláudia Sofia
 
Doenças Auto Imunes
Doenças Auto ImunesDoenças Auto Imunes
Doenças Auto Imunes
12anogolega
 
Doenças Causadas Por Bactérias
Doenças Causadas Por BactériasDoenças Causadas Por Bactérias
Doenças Causadas Por Bactérias
Simone Miranda
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
SMS - Petrópolis
 
Imunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passivaImunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passiva
Messias Miranda
 
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune HumoralICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
Ricardo Portela
 

Mais procurados (20)

Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
 
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
Slide 2   Aula 2 LeucóCitosSlide 2   Aula 2 LeucóCitos
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
 
Conceitos de Sistema Imune
Conceitos de Sistema ImuneConceitos de Sistema Imune
Conceitos de Sistema Imune
 
Sistema Imunológico
Sistema ImunológicoSistema Imunológico
Sistema Imunológico
 
Imunidade Adquirida - Humoral
Imunidade Adquirida - HumoralImunidade Adquirida - Humoral
Imunidade Adquirida - Humoral
 
ICSA17 - Hipersensibilidades
ICSA17 - HipersensibilidadesICSA17 - Hipersensibilidades
ICSA17 - Hipersensibilidades
 
Hemograma
HemogramaHemograma
Hemograma
 
Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]
 
Cancer
CancerCancer
Cancer
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
 
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
 
Imunidade Inata e Adaptativa
Imunidade Inata e AdaptativaImunidade Inata e Adaptativa
Imunidade Inata e Adaptativa
 
Imunodiagnóstico
ImunodiagnósticoImunodiagnóstico
Imunodiagnóstico
 
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em ImunologiaICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Doenças Auto Imunes
Doenças Auto ImunesDoenças Auto Imunes
Doenças Auto Imunes
 
Doenças Causadas Por Bactérias
Doenças Causadas Por BactériasDoenças Causadas Por Bactérias
Doenças Causadas Por Bactérias
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
Imunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passivaImunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passiva
 
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune HumoralICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
 

Semelhante a Doenças auto-imunes

Trabalho esclerose em placas
Trabalho esclerose em placasTrabalho esclerose em placas
Trabalho esclerose em placas
jp1ma2
 
Afecções imunológicas e reumáticas ainda cru
Afecções imunológicas e reumáticas ainda cruAfecções imunológicas e reumáticas ainda cru
Afecções imunológicas e reumáticas ainda cru
Cibelle Viero
 
Esclerose múltipla
Esclerose múltiplaEsclerose múltipla
Esclerose múltipla
Deogracias Petter
 
Esclerose multipla - escrito
Esclerose multipla - escritoEsclerose multipla - escrito
Esclerose multipla - escrito
12anogolega
 
Esclerose Múltipla
Esclerose MúltiplaEsclerose Múltipla
Esclerose Múltipla
guest30e4af
 
Esclerose Múltipla
Esclerose MúltiplaEsclerose Múltipla
Esclerose Múltipla
José Carlos Morais
 
20052013 ana carolina
20052013 ana carolina20052013 ana carolina
20052013 ana carolina
João Carlos
 
slide esclerose múltipla e lúpus.pptx
slide esclerose múltipla e lúpus.pptxslide esclerose múltipla e lúpus.pptx
slide esclerose múltipla e lúpus.pptx
KarenBellartOficial
 
Relação da Vitamina C com o Colágeno
Relação da Vitamina C com o ColágenoRelação da Vitamina C com o Colágeno
Relação da Vitamina C com o Colágeno
gizadgp
 
Neuroimunologia
NeuroimunologiaNeuroimunologia
Neuroimunologia
Dr. Rafael Higashi
 
Doencas demielinizantes
Doencas demielinizantesDoencas demielinizantes
Doencas demielinizantes
José Moraes
 
Lupus
LupusLupus
Lúpus
LúpusLúpus
Folheto II (Manual)
Folheto II (Manual)Folheto II (Manual)
Folheto II (Manual)
Debora_Marques
 
Apresentação miastenia
Apresentação miasteniaApresentação miastenia
Apresentação miastenia
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação miastenia
Apresentação miasteniaApresentação miastenia
Apresentação miastenia
Sérgio Franco - CDPI
 
Psicologia Lesões do snc.pptx (Neuroanat
Psicologia Lesões do snc.pptx (NeuroanatPsicologia Lesões do snc.pptx (Neuroanat
Psicologia Lesões do snc.pptx (Neuroanat
BeatrizVieira226546
 
ufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptx
ufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptxufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptx
ufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptx
lioMiltonPires1
 
Alzheimer
AlzheimerAlzheimer
Alzheimer
Simone Alvarenga
 
Doenças Desmielinizantes do SNC e do SNP
Doenças Desmielinizantes do SNC e do SNPDoenças Desmielinizantes do SNC e do SNP
Doenças Desmielinizantes do SNC e do SNP
hihdidushd
 

Semelhante a Doenças auto-imunes (20)

Trabalho esclerose em placas
Trabalho esclerose em placasTrabalho esclerose em placas
Trabalho esclerose em placas
 
Afecções imunológicas e reumáticas ainda cru
Afecções imunológicas e reumáticas ainda cruAfecções imunológicas e reumáticas ainda cru
Afecções imunológicas e reumáticas ainda cru
 
Esclerose múltipla
Esclerose múltiplaEsclerose múltipla
Esclerose múltipla
 
Esclerose multipla - escrito
Esclerose multipla - escritoEsclerose multipla - escrito
Esclerose multipla - escrito
 
Esclerose Múltipla
Esclerose MúltiplaEsclerose Múltipla
Esclerose Múltipla
 
Esclerose Múltipla
Esclerose MúltiplaEsclerose Múltipla
Esclerose Múltipla
 
20052013 ana carolina
20052013 ana carolina20052013 ana carolina
20052013 ana carolina
 
slide esclerose múltipla e lúpus.pptx
slide esclerose múltipla e lúpus.pptxslide esclerose múltipla e lúpus.pptx
slide esclerose múltipla e lúpus.pptx
 
Relação da Vitamina C com o Colágeno
Relação da Vitamina C com o ColágenoRelação da Vitamina C com o Colágeno
Relação da Vitamina C com o Colágeno
 
Neuroimunologia
NeuroimunologiaNeuroimunologia
Neuroimunologia
 
Doencas demielinizantes
Doencas demielinizantesDoencas demielinizantes
Doencas demielinizantes
 
Lupus
LupusLupus
Lupus
 
Lúpus
LúpusLúpus
Lúpus
 
Folheto II (Manual)
Folheto II (Manual)Folheto II (Manual)
Folheto II (Manual)
 
Apresentação miastenia
Apresentação miasteniaApresentação miastenia
Apresentação miastenia
 
Apresentação miastenia
Apresentação miasteniaApresentação miastenia
Apresentação miastenia
 
Psicologia Lesões do snc.pptx (Neuroanat
Psicologia Lesões do snc.pptx (NeuroanatPsicologia Lesões do snc.pptx (Neuroanat
Psicologia Lesões do snc.pptx (Neuroanat
 
ufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptx
ufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptxufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptx
ufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptx
 
Alzheimer
AlzheimerAlzheimer
Alzheimer
 
Doenças Desmielinizantes do SNC e do SNP
Doenças Desmielinizantes do SNC e do SNPDoenças Desmielinizantes do SNC e do SNP
Doenças Desmielinizantes do SNC e do SNP
 

Mais de Margarida Rodrigues

3D bioprinting
3D bioprinting3D bioprinting
3D bioprinting
Margarida Rodrigues
 
Microbial Production of 1,3-Propanediol
Microbial Production of 1,3-PropanediolMicrobial Production of 1,3-Propanediol
Microbial Production of 1,3-Propanediol
Margarida Rodrigues
 
DNA fingerprint
DNA fingerprintDNA fingerprint
DNA fingerprint
Margarida Rodrigues
 
Produção microbiana de óleos e gorduras
Produção microbiana de óleos e gordurasProdução microbiana de óleos e gorduras
Produção microbiana de óleos e gorduras
Margarida Rodrigues
 
Produção de óleos e gorduras via microbiana
Produção de óleos e gorduras via microbianaProdução de óleos e gorduras via microbiana
Produção de óleos e gorduras via microbiana
Margarida Rodrigues
 
Manipulação de DNA
Manipulação de DNAManipulação de DNA
Manipulação de DNA
Margarida Rodrigues
 
Educação Física
Educação FísicaEducação Física
Educação Física
Margarida Rodrigues
 
Os Lusíadas
Os Lusíadas Os Lusíadas
Os Lusíadas
Margarida Rodrigues
 
Fernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimosFernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimos
Margarida Rodrigues
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Margarida Rodrigues
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
Margarida Rodrigues
 
combustíveis fosséis
combustíveis fosséiscombustíveis fosséis
combustíveis fosséis
Margarida Rodrigues
 
Ciência com consciencia
Ciência com conscienciaCiência com consciencia
Ciência com consciencia
Margarida Rodrigues
 
Conceito de base
Conceito de baseConceito de base
Conceito de base
Margarida Rodrigues
 
Processo de haber
Processo de haberProcesso de haber
Processo de haber
Margarida Rodrigues
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Margarida Rodrigues
 
Cenáculo
CenáculoCenáculo
Gymmmm
GymmmmGymmmm
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
Margarida Rodrigues
 
Camoes
CamoesCamoes

Mais de Margarida Rodrigues (20)

3D bioprinting
3D bioprinting3D bioprinting
3D bioprinting
 
Microbial Production of 1,3-Propanediol
Microbial Production of 1,3-PropanediolMicrobial Production of 1,3-Propanediol
Microbial Production of 1,3-Propanediol
 
DNA fingerprint
DNA fingerprintDNA fingerprint
DNA fingerprint
 
Produção microbiana de óleos e gorduras
Produção microbiana de óleos e gordurasProdução microbiana de óleos e gorduras
Produção microbiana de óleos e gorduras
 
Produção de óleos e gorduras via microbiana
Produção de óleos e gorduras via microbianaProdução de óleos e gorduras via microbiana
Produção de óleos e gorduras via microbiana
 
Manipulação de DNA
Manipulação de DNAManipulação de DNA
Manipulação de DNA
 
Educação Física
Educação FísicaEducação Física
Educação Física
 
Os Lusíadas
Os Lusíadas Os Lusíadas
Os Lusíadas
 
Fernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimosFernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimos
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
combustíveis fosséis
combustíveis fosséiscombustíveis fosséis
combustíveis fosséis
 
Ciência com consciencia
Ciência com conscienciaCiência com consciencia
Ciência com consciencia
 
Conceito de base
Conceito de baseConceito de base
Conceito de base
 
Processo de haber
Processo de haberProcesso de haber
Processo de haber
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Cenáculo
CenáculoCenáculo
Cenáculo
 
Gymmmm
GymmmmGymmmm
Gymmmm
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoes
 

Doenças auto-imunes

  • 1. Doenças autoimunes Professor: João Griné Trabalho realizado por : Carla Simões, nº3 Margarida Rodrigues, nº18 Marlene Rodrigues,nº20 Ricardo Almeida,nº25
  • 2. DOENÇAS AUTO-IMUNES Fala-se em doença auto-imune cada vez que o sistema imunitário ataca as suas próprias células, destruindo-as. Isto é, não reconhece os seus antigénios. Pode afetar vários órgãos ( lupus) ou especificamente um orgão ( diabetes) , bem como os tecidos. Não tem ,ainda, causa aparente contudo pensa-se que estejam ligadas a fatores hereditários conjugados com fatores ambientais e estilos de vida. Vamos abordar : Lupus Artrite reumatóide Diabetes Esclerose Múltipla
  • 3.
  • 4. É uma doença auto imune que afeta vários órgãos e sistemas do corpo. Os anticorpos que deveriam combater doenças, atacam as próprias células do corpo mas apesar disso, quando o indivíduo é devidamente tratado, pode levar uma vida normal. Ocorre mais frequentemente em mulheres do que em homens, especialmente entre as idades de 15 e 50 anos.
  • 5. Um indivíduo com esta doença desenvolve anticorpos que reagem contra as suas células normais, podendo afetar a pele, as articulações, os rins e outros órgãos.
  • 6. Inflamação nos rins Febre Sintomas Dores musculares Manchas avermelhadas
  • 7. Não existe um tratamento capaz de curar definitivamente este tipo de lúpus, contudo existem vários recursos terapêuticos que podem aliviar as manifestações agudas e até mesmo travar a evolução do problema.  Por um lado, é essencial adotar uma série de precauções durante a vida quotidiana, nomeadamente manter um repouso adequado, evitar a exposição solar sem proteção e a administração de medicamentos que não tenham sido prescritos pelo médico, já que alguns medicamentos podem aumentar a intensidade dos sinais e sintomas da doença.
  • 8.  Por outro lado pode recorrer-se a medicamentos para:  reduzir a inflamação dos tecidos afetados;  inibir anormalidades do sistema imunológico consideradas responsáveis pela inflamação.  Ou então recorrer a anti-inflamatórios que aliviam os sintomas da inflamação responsáveis pela dor, febre, fadiga, artrite ou pleurisia.
  • 9. Lúpus Eritematoso Discoide É uma doença em que o sistema imunitário ataca somente a pele, resultando numa inflamação.
  • 10. Sensação de cansaço Sintomas Dores musculares Manchas avermelhadas
  • 11. Usar cremes nas manchas, se a doença O tratamento, se for for diagnosticada imediatamente iniciado, precocemente pode prevenir ou reduzir a gravidade das cicatrizes permanentes. Evitar a luz solar e os raios ultravioleta No caso da doença ser diagnosticada mais tarde é necessário o uso de medicamentos por via oral.
  • 13. Kathleen Turner Lucille Ball
  • 14. É uma doença crónica que se baseia na inflamação persistente de articulações, podendo também afetar certos órgãos. Apresenta maior incidência nas mulheres, principalmente entre os 30 e os 50 anos. A artrite pode ainda classificar-se consoante as áreas que afeta.
  • 15. Há uma predisposição genética, porém ainda não se conhece as causas, apesar de se acreditar que certos estímulos desencadeiem, em pessoas com defeitos no sistema imunológico, inflamações. Se após esta aparecer, não for aplicado tratamento, com o tempo as articulações serão destruídas, desencadeando consequentemente limitações nos movimentos.
  • 16. Onde aparece mais frequentemente?
  • 17.
  • 18.  Articulações inchadas, quentes e dolorosas.  Cansaço.  Perda de peso, causada pela falta de apetite.  Rigidez matinal. Se não for tratada pode originar:  Malformações ósseas derivadas a descolamentos de tendões. Em ultimo caso: manifestações exta- articulares.
  • 19. • Não há cura para esta doença. • É aconselhado exercício físico regular e fisioterapia. • Medicamentos: analgésicos, anti-inflamatórios, cortiscoroides e imunossupressores. • Em último caso a colocação de próteses.
  • 21. • A Diabetes é uma doença metabólica crónica. • É causada pela destruição auto-imune das células do pâncreas que segregam a insulina. • Caracteriza-se pelo aumento dos níveis de açúcar no sangue.
  • 22.
  • 23. Está relacionado com o estilo de vida e predisposição genética das pessoas .
  • 24.
  • 25.
  • 26. O objetivo do tratamento é manter o açúcar (glicose) no sangue o mais próximo possível dos valores considerados normais , para que se sintam bem e sem nenhum sintoma da doença.  O tratamento com insulina é feito através de injecção na gordura por baixo da pele.
  • 27. Os avanços na engenharia genética tem permitido as pessoas diabéticas melhores condições de vida, nomeadamente através da técnica do DNA recombinante
  • 29. ESCLEROSE MÚLTIPLA A esclerose múltipla é uma doença auto-imune crónica que afeta o cérebro e a medula espinhal (sistema nervoso central). O principal alvo deste “ataque” é a mielina, uma camada de gordura protectora das fibras nervosas que auxilia na transmissão de informação ao longo do corpo humano.
  • 30. I. Os neurónios permitem que todo o corpo esteja ligado e possa comunicar. II. Os impulsos elétricos são transmitidos ao longo dos neurónios, permitindo que o cérebro comunique com diferentes partes do nosso corpo. As fibras nervosas estão envolvidas por uma camada protetora a mielina, que acelera a transmissão dos sinais elétricos.
  • 31. A esclerose vai ‘’atacar’’ a bainha de mielina, o que vai afectar o modo de transmissão das mensagens do sistema nervoso A bainha de mielina é alterada através de processos inflamatórios. A inflamação ocorre quando as células autoimunes do corpo atacam o sistema nervoso. Episódios repetidos de inflamação podem ocorrer em qualquer área do cérebro, nervo óptico ou da medula espinhal.
  • 32. I. Destruição da bainha de mielina das células nervosas- desmielinização. II. Quando a inflamação se reduz, os mecanismos de reparação são activados, resultando por vezes na remielinização . INFLAMAÇÃO DESMIELINIZAÇÃO REPARAÇÃO REMIELINIZAÇÃO ↘Este ciclo de lesão e recuperação pode ocorrer vezes sem conta nos neurónios do SNC, contudo se a inflamação ocorrer repetidamente no mesmo local, os processos de reparação podem não ser capazes de manter a restauração, resultando em lesão permanente nestes neurónios. ↘Onde quer que a camada protetora seja destruída, forma-se um tecido parecido com uma cicatriz -daí o nome esclerose. E é múltipla, pois atinge várias áreas do cérebro e da medula espinhal . A gravidade de cada caso está relacionada com a área afetada.
  • 34.
  • 35. A EM afecta em especial as pessoas de raça branca, na Europa, América do RAÇA Norte e Austrália . LATITUDE VÍRUS A frequência da EM varia nas PREDISPOSIÇÃO GENÉTICA diferentes regiões do mundo, sendo mais comum em áreas mais desenvolvidas economicamente. A EM tem uma maior frequência nas zonas temperadas e é Esclerose menos comum entre pessoas residentes em climas quentes, (aumenta com a Múltipla distância ao equador, tanto no hemisfério norte como no sul). oUm vírus ou um antigénio Muito provavelmente, a doença em si desconhecido poderam ser não é transmitida hereditariamente, mas responsáveis que desencadeiam, de existirá alguma predisposição nos genes. algum modo, uma anomalia Quando estes indivíduos encontram imunológica, que costuma aparecer factores ambientais desconhecidos numa idade precoce. Então o corpo, por específicos, a EM pode ser desencadeada. um motivo qualquer, produz anticorpos Como já vimos a raça e a localização contra a sua própria mielina; geográfica.
  • 36. Os sintomas aparecem, geralmente, entre os 20 e os 40 anos. Destacam-se : • Alterações na mobilidade; • Formigueiro; • Perturbações visuais •Alterações emocionais ou mentais; •Espasmos musculares; •Incontinência urinária;
  • 37. TRATAMENTO Apesar de não existir cura, há medicamentos que diminuem os sintomas. Medicamentos que tratam os surtos da doença; Medicamentos que alteram o curso da doença Medicamentos corticosteroides : estes fármacos constituem o tratamento principal dos surtos de esclerose múltipla. Os corticosteroides parecem diminuir a duração dos surtos e podem acelerar a recuperação. São substâncias relacionadas com as hormonas produzidas pelas glândulas supra-renais atuam na supressão do sistema imunitário. Tendo um efeito anti-inflamatório.
  • 38. Interferão beta : este medicamento é utilizado principalmente para tratar a esclerose múltipla recorrente-remitente. Os estudos demonstraram que o interferão beta pode diminuir a frequência e a gravidade dos surtos de esclerose múltipla, assim como o risco de progressão da doença e de incapacidade. São proteínas libertadas pelas células infetadas quando há uma infeção . A função é diminuir a inflamação. Há três tipos de interferões alfa, beta e gama. ( só os alfa são usados). O principal tratamento passa por um estilo de vida saudável, e praticar desporto específico para desenvolver as áreas afetadas pela doença.
  • 39. O Lúpus é uma doença auto-imune, em que o sistema imune, que normalmente protege o nosso corpo, se vira contra si próprio e o ataca, provocando inflamação e Artrite reumatóide alteração da função do sistema afetado. Os anticorpos, que deviam combater os agentes No caso do Lúpus Eritematoso Sistémico, patogénicos, agem de forma descontrolada e podem ser afetados diversos orgãos do deterioram as articulações e atacam o tecido que sistema imune. serve de revestimento a órgãos como os pulmões. No caso do Lúpus Eritematoso Discoide, apenas a pele é afetada. Diabetes Esclerose Múltipla Muitos dos alimentos que ingerimos são transformados em glicose no nosso aparelho É uma doença crónica, digestivo. Esta resulta da digestão e transformação inflamatória e auto-imune que dos açúcares da nossa alimentação. Depois de absorvida, entra na circulação sanguínea e está afeta o sistema nervoso pela disponível para as células a utilizarem. desmielinização , tendo graves Para que a glicose possa ser utilizada como fonte de energia, é necessária a insulina. consequências ao nível da Se a glicose não for utilizada, acumula-se no sangue transmissão das mensagens por sendo depois, expelida pela urina. todo o corpo.
  • 40. WEBGRAFIA Lupus http://cuidarartigos.blogspot.pt/2011/05/doenca Diabetes s-auto-imunes-lupus.html http://lupus.no.sapo.pt/causas.htm http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/ •http://portaldadiabetes.pt/index.php/pt/ 11534 http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2012/03/s aiba-o-que-sao-doencas-autoimunes-e-como- tratar-lupus-e-psoriase.html Esclerose Múltipla Artrite Reumatoide • http://imunes.no.sapo.pt/panfleto_em.pdf • http://imunes.no.sapo.pt/esclerose_multipla.htm •Http://www.abcdasaude.com.br/artigo.ph • http://tratamentocomcelulastronco.com/index.php/experiencias-dos- p?35 pacientes-e-noticias/esclerose- multipla.html?gclid=CI2GqMCMqrUCFczHtAodjy0Ahg •http://www.roche.pt/sites- • • http://xnightwitx.no.sapo.pt/em.htm http://www.anem.org.pt/em/oquee.html tematicos/artrite- • • http://www.minhavida.com.br/saude/temas/esclerose-multipla http://esclerosemultipla.wordpress.com/2006/02/24/o-que-e-esclerose- reumatoide/index.cfm/o_que_e • multipla/ http://www.einstein.br/einstein-saude/em-dia-com-a- •http://www.reumatologia.com.br/PDFs/C • saude/Paginas/entenda-a-esclerose-multipla.aspx http://vsearch.nlm.nih.gov/vivisimo/cgi-bin/query- meta?v%3Aproject=medlineplus&query=multiple+sclerosis artilha_artriteReumatoide.pdf • http://www.spem.org/esclerose-multipla/etiologia--causas • http://www.mdsaude.com/2009/11/esclerose- •http://www.roche.pt/sites- multipla.html#.UTt5hNYvuAg tematicos/artrite-reumatoide/