SlideShare uma empresa Scribd logo
Índice
                             
 Poema
 Simbologia da noite na poesia pessoana
 Caracterização do estado de espírito do sujeito poético
 Identificação dos recursos mais expressivos
 Integração do poema nas temáticas do ortónimo
Poema: “Cansa sentir quando se
              pensa”
                                  
Cansa sentir quando se pensa.       Tudo isto me parece tudo.
No ar da noite a madrugar           E é uma noite a ter um fim
Há uma solidão imensa               Um negro astral silêncio surdo
Que tem por corpo o frio do ar.     E não poder viver assim.

Neste momento insone e triste       (Tudo isto me parece tudo.
Em que não sei quem hei de ser,     Mas noite, frio, negror sem fim,
Pesa-me o informe real que existe   Mundo mudo, silêncio mudo -
Na noite antes de amanhecer.        Ah, nada é isto, nada é assim!)
Simbologia da noite na
      poesia pessoana
                             
 Há uma insistência significativa no campo semântico de noite, e
  no de silêncio, através dos vocábulos: “noite”, “antes de
  amanhecer”, “negro astral”, “negror sem fim”, “silêncio
  surdo”, “Mundo mudo” e “silêncio mudo”, que simbolizam o
  movimento noturno e silencioso, demonstrando a incapacidade
  do sujeito poético de aceitar a sua condição humana, e a sua
  inquietação perante a ausência de respostas por parte da
  noite, como se esta fosse alguém que o conseguisse ajudar.
Caracterização do estado de espírito
        do sujeito poético
                            
 Tristeza: “Neste momento insone e triste”
 Incerteza: “Em que não sei quem hei de ser”
 Solidão : “Há uma solidão imensa /Que tem por corpo o
  frio do ar.”
 Dúvida: “Tudo isto me parece tudo”
 Incapacidade de viver a vida : “E não poder viver assim.”
 Confusão interior: “Ah, nada é isto, nada é assim!”
Identificação dos recursos mais
               expressivos
                          “Neste momento insone e
 Dupla Adjetivação e hipálage:
  triste”
 Perífrase: “No ar da noite a madrugar”
 Poliptoto: “negro” e “negror”
 Sugestão repetitiva do silêncio: “ silêncio surdo”, “Mundo
  mudo” e “silêncio mudo”
 Adjectivação e metáfora: “Há uma solidão imensa/Que tem
  por corpo o frio do ar”
 Enumeração: “Mas noite, frio, negror sem fim,/Mundo mudo,
  silêncio mudo –”
 Anáfora: “Mundo mudo, silêncio mudo –”
 Paradoxo: “Ah, nada é isto, nada é assim!”
Integração do poema
                                            nas temáticas do
Cansa sentir quando se pensa.
No ar da noite a madrugar                          ortónimo
Há uma solidão imensa
Que tem por corpo o frio do ar.       Dor de pensar e dicotomia
                                        sentir/pensar
                                       A solidão do ser interior
Neste momento insone e triste
Em que não sei quem hei de ser,        Enigma do ser e angústia
Pesa-me o informe real que              existencial
existe
Na noite antes de amanhecer.           A ilusão do real
                                       Necessidade de evasão da
Tudo isto me parece tudo.
E é uma noite a ter um fim              realidade (através da noite)
Um negro astral silêncio surdo         Incerteza, inquietação,
E não poder viver assim.                confusão e dúvida do sujeito
                                        poético
(Tudo isto me parece tudo.
Mas noite, frio, negror sem fim,       A incapacidade de viver a vida
Mundo mudo, silêncio mudo -
Ah, nada é isto, nada é assim!)
Trabalho realizado pelas alunas:
        Oxana Marian nº18
        Cristina Popescu nº7
                12ºM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
Paula Angelo
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
guest0f0d8
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
Dina Baptista
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
Dina Baptista
 
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando PessoaPoema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Dina Baptista
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
Raffaella Ergün
 
O Mostrengo
O MostrengoO Mostrengo
O Mostrengo
António Teixeira
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
quintaldasletras
 
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de CamposAnálise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Escola Secundária de Santa Maria da Feira
 
Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa
JulianaCarvalho265
 
"A um negrilho" de Miguel Torga
"A um negrilho" de Miguel Torga"A um negrilho" de Miguel Torga
"A um negrilho" de Miguel Torga
Mateus Ferraz
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
Dina Baptista
 
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análiseAlberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Anabela Fernandes
 
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa Prece
Samuel Neves
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
MariaVerde1995
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
Ana Isabel
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
Ualas Magalhães
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Raffaella Ergün
 

Mais procurados (20)

Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando PessoaPoema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
 
O Mostrengo
O MostrengoO Mostrengo
O Mostrengo
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
 
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de CamposAnálise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
 
Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa
 
"A um negrilho" de Miguel Torga
"A um negrilho" de Miguel Torga"A um negrilho" de Miguel Torga
"A um negrilho" de Miguel Torga
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análiseAlberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
 
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa Prece
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 

Semelhante a "Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo

Fernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e HeterónimosFernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e Heterónimos
Custódia Rebocho
 
Fernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimosFernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimos
Margarida Rodrigues
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
litegatuga
 
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
Paula Duarte
 
Fernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimoFernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimo
Conceicao Mousinho
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das MãesLivro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
Patricia Farias
 
resumos
resumosresumos
resumos
Diogo Tavares
 
Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)
FACETEG - UPE
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Margarida Rodrigues
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
luisprista
 
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdfMulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
MarceliEduardaGambat
 
Gato que brincas na rua
Gato que brincas na ruaGato que brincas na rua
Gato que brincas na rua
estado
 
SIMBOLISMO.pptx
SIMBOLISMO.pptxSIMBOLISMO.pptx
SIMBOLISMO.pptx
MatoseRodriguesAdvoc
 
Romantismo poesia - 2ª geração
Romantismo   poesia -  2ª geraçãoRomantismo   poesia -  2ª geração
Romantismo poesia - 2ª geração
Luciene Gomes
 
Pessoa heteronimos
Pessoa heteronimosPessoa heteronimos
Pessoa heteronimos
FernandoLima654843
 
Pessoa ortónimo e heterónimos
Pessoa   ortónimo e heterónimosPessoa   ortónimo e heterónimos
Pessoa ortónimo e heterónimos
António Fraga
 
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdfsimbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
MnicaOliveira567571
 
Fernando pessoa ortónimos e heterónimos
Fernando pessoa   ortónimos e heterónimosFernando pessoa   ortónimos e heterónimos
Fernando pessoa ortónimos e heterónimos
Mariana338866
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 

Semelhante a "Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo (20)

Fernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e HeterónimosFernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e Heterónimos
 
Fernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimosFernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimos
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
 
Fernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimoFernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das MãesLivro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
 
resumos
resumosresumos
resumos
 
Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
 
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdfMulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
 
Gato que brincas na rua
Gato que brincas na ruaGato que brincas na rua
Gato que brincas na rua
 
SIMBOLISMO.pptx
SIMBOLISMO.pptxSIMBOLISMO.pptx
SIMBOLISMO.pptx
 
Romantismo poesia - 2ª geração
Romantismo   poesia -  2ª geraçãoRomantismo   poesia -  2ª geração
Romantismo poesia - 2ª geração
 
Pessoa heteronimos
Pessoa heteronimosPessoa heteronimos
Pessoa heteronimos
 
Pessoa ortónimo e heterónimos
Pessoa   ortónimo e heterónimosPessoa   ortónimo e heterónimos
Pessoa ortónimo e heterónimos
 
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdfsimbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
 
Fernando pessoa ortónimos e heterónimos
Fernando pessoa   ortónimos e heterónimosFernando pessoa   ortónimos e heterónimos
Fernando pessoa ortónimos e heterónimos
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 

Mais de Oxana Marian

Estratégias de industrialização da América Latina
Estratégias de industrialização da América LatinaEstratégias de industrialização da América Latina
Estratégias de industrialização da América Latina
Oxana Marian
 
Jogos olímpicos
Jogos olímpicosJogos olímpicos
Jogos olímpicos
Oxana Marian
 
A gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoA gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimo
Oxana Marian
 
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e Jornal A Trade
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e  Jornal A TradeOs Maias - Episódio da Corneta do Diabo e  Jornal A Trade
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e Jornal A Trade
Oxana Marian
 
Agricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaAgricultura Transmontana
Agricultura Transmontana
Oxana Marian
 
Renascimento
Renascimento  Renascimento
Renascimento
Oxana Marian
 
Poema Apontamento de Álvaro de Campos
Poema Apontamento de Álvaro de CamposPoema Apontamento de Álvaro de Campos
Poema Apontamento de Álvaro de Campos
Oxana Marian
 

Mais de Oxana Marian (7)

Estratégias de industrialização da América Latina
Estratégias de industrialização da América LatinaEstratégias de industrialização da América Latina
Estratégias de industrialização da América Latina
 
Jogos olímpicos
Jogos olímpicosJogos olímpicos
Jogos olímpicos
 
A gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoA gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimo
 
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e Jornal A Trade
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e  Jornal A TradeOs Maias - Episódio da Corneta do Diabo e  Jornal A Trade
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e Jornal A Trade
 
Agricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaAgricultura Transmontana
Agricultura Transmontana
 
Renascimento
Renascimento  Renascimento
Renascimento
 
Poema Apontamento de Álvaro de Campos
Poema Apontamento de Álvaro de CamposPoema Apontamento de Álvaro de Campos
Poema Apontamento de Álvaro de Campos
 

"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo

  • 1.
  • 2. Índice   Poema  Simbologia da noite na poesia pessoana  Caracterização do estado de espírito do sujeito poético  Identificação dos recursos mais expressivos  Integração do poema nas temáticas do ortónimo
  • 3. Poema: “Cansa sentir quando se pensa”  Cansa sentir quando se pensa. Tudo isto me parece tudo. No ar da noite a madrugar E é uma noite a ter um fim Há uma solidão imensa Um negro astral silêncio surdo Que tem por corpo o frio do ar. E não poder viver assim. Neste momento insone e triste (Tudo isto me parece tudo. Em que não sei quem hei de ser, Mas noite, frio, negror sem fim, Pesa-me o informe real que existe Mundo mudo, silêncio mudo - Na noite antes de amanhecer. Ah, nada é isto, nada é assim!)
  • 4. Simbologia da noite na poesia pessoana   Há uma insistência significativa no campo semântico de noite, e no de silêncio, através dos vocábulos: “noite”, “antes de amanhecer”, “negro astral”, “negror sem fim”, “silêncio surdo”, “Mundo mudo” e “silêncio mudo”, que simbolizam o movimento noturno e silencioso, demonstrando a incapacidade do sujeito poético de aceitar a sua condição humana, e a sua inquietação perante a ausência de respostas por parte da noite, como se esta fosse alguém que o conseguisse ajudar.
  • 5. Caracterização do estado de espírito do sujeito poético   Tristeza: “Neste momento insone e triste”  Incerteza: “Em que não sei quem hei de ser”  Solidão : “Há uma solidão imensa /Que tem por corpo o frio do ar.”  Dúvida: “Tudo isto me parece tudo”  Incapacidade de viver a vida : “E não poder viver assim.”  Confusão interior: “Ah, nada é isto, nada é assim!”
  • 6. Identificação dos recursos mais expressivos “Neste momento insone e  Dupla Adjetivação e hipálage: triste”  Perífrase: “No ar da noite a madrugar”  Poliptoto: “negro” e “negror”  Sugestão repetitiva do silêncio: “ silêncio surdo”, “Mundo mudo” e “silêncio mudo”  Adjectivação e metáfora: “Há uma solidão imensa/Que tem por corpo o frio do ar”  Enumeração: “Mas noite, frio, negror sem fim,/Mundo mudo, silêncio mudo –”  Anáfora: “Mundo mudo, silêncio mudo –”  Paradoxo: “Ah, nada é isto, nada é assim!”
  • 7. Integração do poema nas temáticas do Cansa sentir quando se pensa. No ar da noite a madrugar ortónimo Há uma solidão imensa Que tem por corpo o frio do ar.   Dor de pensar e dicotomia sentir/pensar  A solidão do ser interior Neste momento insone e triste Em que não sei quem hei de ser,  Enigma do ser e angústia Pesa-me o informe real que existencial existe Na noite antes de amanhecer.  A ilusão do real  Necessidade de evasão da Tudo isto me parece tudo. E é uma noite a ter um fim realidade (através da noite) Um negro astral silêncio surdo  Incerteza, inquietação, E não poder viver assim. confusão e dúvida do sujeito poético (Tudo isto me parece tudo. Mas noite, frio, negror sem fim,  A incapacidade de viver a vida Mundo mudo, silêncio mudo - Ah, nada é isto, nada é assim!)
  • 8. Trabalho realizado pelas alunas: Oxana Marian nº18 Cristina Popescu nº7 12ºM