SlideShare uma empresa Scribd logo
Neoclassicismo 
A nível formal, a poesia de Ricardo Reis revela um estilo trabalhado, rigoroso e 
clássico. A precisão verbal, o uso de expressões em latim, o uso de formas estróficas 
como a Ode (poesia própria para canto) e métricas como os versos decassilábicos, 
revelam um estilo rigoroso e denso, com preocupação de traduzir ideias através de 
uma expressão perfeita, sendo tudo isto marcas do neoclassicismo erudito de Reis. 
O neoclassicismo de reis, para além de ter um sentido amplo, onde os seus 
temas são constantes e universais, tem um sentido mais preciso, que aborda temas da 
literatura greco-latina, alimentada por conceitos de vida pagãos e ainda no recurso a 
processos linguísticos que evocam a poesia horaciana e a poesia neoclássica românica. 
Ao contrário de Pessoa ortónimo, que tende a subtrair-se às cadeias temporais, 
Ricardo Reis devido a ter um estilo antigo e antiquado, faz com que os seus poemas 
nos façam recuar a épocas determinadas, como a Antiguidade da Grécia Clássica, onde 
adopta o paganismo, pois tem nos gregos o modelo da sabedoria, pois estes souberam 
aceitar o destino e usufruir o bem da vida.
Neopaganismo 
No que diz respeito ao neopaganismo, Ricardo reis aceita a antiga crença nos 
deuses, pois estes são o ideal humano, enquanto disciplinadora das nossas emoções e 
sentimentos, e nas presenças quase divinas que habitam todas as coisas, recorrendo à 
mitologia greco-latina, e considera a brevidade, a fugacidade e a transitoriedade da 
vida, pois sabe que o tempo passa e tudo é efémero. O poeta considera que a 
verdadeira sabedoria de vida é viver de forma equilibrada e serena. 
As referências aos deuses são uma forma de referir a primazia do corpo, das 
formas, da natureza, dos aspectos exteriores, e da realidade, sem considerar a 
subjectividade ou a interioridade - ensinamentos de Caeiro, o mestre de todos os 
heterónimos. 
Em grande parte devido ao seu paganismo, aceita o destino com naturalidade, 
considerando que os deuses estão acima do homem por uma questão de grau, mas 
que acima dos deuses, apenas se encontra o Fado, que tudo submete (domina), tal 
como mostra o excerto do poema Só esta liberdade nos concedem do poeta: 
Nem outro jeito os deuses, sobre quem 
O eterno fado pesa, 
Usam para seu calmo e possuído 
Convencimento antigo 
De que é divina a sua vida. 
(ou seja, os deuses são submetidos a uma vontade superior a eles) 
(para além disso,)Reis sente que tem de viver em conformidade com as leis do 
destino, indiferente à dor e ao desprazer, numa verdadeira ilusão da felicidade. O 
poeta considera também que estando o destino acima dos próprios deuses, temos 
necessidade do autodomínio, de sermos donos de nós próprios, construindo o nosso 
"fado voluntário", ou seja, procurar construir um destino a que nos sujeitamos 
voluntariamente, o que acaba por ser uma ilusão de liberdade (pois o destino é 
inevitável).
Em suma, Reis é o heterónimo que projecta Pessoa para a Antiguidade da Grécia 
Clássica, refugiando-se na aparente felicidade pagã , onde procura alcançar a quietude 
e a perfeição dos deuses, indiferentes mas omnipresentes, que se confundem 
connosco sempre que os imitamos, pois estes não são mais que homens mais perfeitos 
ou aperfeiçoados.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Maias
Os MaiasOs Maias
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
Dina Baptista
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
ameliapadrao
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
Paula Oliveira Cruz
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
Sara Guerra
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Anabela Fernandes
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
Aline Araújo
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
guestde10d2
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
Ana Tapadas
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
Sara Afonso
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
Ana Isabel
 
"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise
Maria João Oliveira
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
Fátima Teixeira Kika
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
FilipaFonseca
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
Cátia Ramalhinho
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
nando_reis
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
Bruno Freitas
 

Mais procurados (20)

Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 

Semelhante a Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo

Heterónimos Fernadno Pessoa.pptx
Heterónimos Fernadno Pessoa.pptxHeterónimos Fernadno Pessoa.pptx
Heterónimos Fernadno Pessoa.pptx
AnaCatarinaGomesCard
 
fernando_pessoa_ricardo_reis.pdfhhbhbbhbb
fernando_pessoa_ricardo_reis.pdfhhbhbbhbbfernando_pessoa_ricardo_reis.pdfhhbhbbhbb
fernando_pessoa_ricardo_reis.pdfhhbhbbhbb
MatildeMatos10
 
Meninas 3a
Meninas 3aMeninas 3a
Meninas 3a
vivilittig
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
Renata Müller
 
Correção síntese fernando_pessoa
Correção síntese fernando_pessoaCorreção síntese fernando_pessoa
Correção síntese fernando_pessoa
Tiago Novais
 
A poesia no Olhar das Palavras
A poesia no Olhar das PalavrasA poesia no Olhar das Palavras
A poesia no Olhar das Palavras
José Mesquita
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
' Paan
 
Fernando pessoa e seus heterónimos
Fernando pessoa e seus heterónimosFernando pessoa e seus heterónimos
Fernando pessoa e seus heterónimos
Vanessa Pereira
 
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De AndradeAmor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
catiasgs
 
Parnasianismo
Parnasianismo Parnasianismo
Parnasianismo
Isabel Muniz
 
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
Maria da Paz
 
Uma Viagem através da Luz
Uma Viagem através da LuzUma Viagem através da Luz
Uma Viagem através da Luz
José Mesquita
 
Síntese da subunidade.ppt
Síntese da subunidade.pptSíntese da subunidade.ppt
Síntese da subunidade.ppt
CecliaGomes25
 
Barroco
BarrocoBarroco

Semelhante a Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo (15)

Heterónimos Fernadno Pessoa.pptx
Heterónimos Fernadno Pessoa.pptxHeterónimos Fernadno Pessoa.pptx
Heterónimos Fernadno Pessoa.pptx
 
fernando_pessoa_ricardo_reis.pdfhhbhbbhbb
fernando_pessoa_ricardo_reis.pdfhhbhbbhbbfernando_pessoa_ricardo_reis.pdfhhbhbbhbb
fernando_pessoa_ricardo_reis.pdfhhbhbbhbb
 
Meninas 3a
Meninas 3aMeninas 3a
Meninas 3a
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
Correção síntese fernando_pessoa
Correção síntese fernando_pessoaCorreção síntese fernando_pessoa
Correção síntese fernando_pessoa
 
A poesia no Olhar das Palavras
A poesia no Olhar das PalavrasA poesia no Olhar das Palavras
A poesia no Olhar das Palavras
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Fernando pessoa e seus heterónimos
Fernando pessoa e seus heterónimosFernando pessoa e seus heterónimos
Fernando pessoa e seus heterónimos
 
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De AndradeAmor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
 
Parnasianismo
Parnasianismo Parnasianismo
Parnasianismo
 
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
Uma Viagem através da Luz
Uma Viagem através da LuzUma Viagem através da Luz
Uma Viagem através da Luz
 
Síntese da subunidade.ppt
Síntese da subunidade.pptSíntese da subunidade.ppt
Síntese da subunidade.ppt
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 

Último

livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 

Último (20)

livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 

Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo

  • 1. Neoclassicismo A nível formal, a poesia de Ricardo Reis revela um estilo trabalhado, rigoroso e clássico. A precisão verbal, o uso de expressões em latim, o uso de formas estróficas como a Ode (poesia própria para canto) e métricas como os versos decassilábicos, revelam um estilo rigoroso e denso, com preocupação de traduzir ideias através de uma expressão perfeita, sendo tudo isto marcas do neoclassicismo erudito de Reis. O neoclassicismo de reis, para além de ter um sentido amplo, onde os seus temas são constantes e universais, tem um sentido mais preciso, que aborda temas da literatura greco-latina, alimentada por conceitos de vida pagãos e ainda no recurso a processos linguísticos que evocam a poesia horaciana e a poesia neoclássica românica. Ao contrário de Pessoa ortónimo, que tende a subtrair-se às cadeias temporais, Ricardo Reis devido a ter um estilo antigo e antiquado, faz com que os seus poemas nos façam recuar a épocas determinadas, como a Antiguidade da Grécia Clássica, onde adopta o paganismo, pois tem nos gregos o modelo da sabedoria, pois estes souberam aceitar o destino e usufruir o bem da vida.
  • 2. Neopaganismo No que diz respeito ao neopaganismo, Ricardo reis aceita a antiga crença nos deuses, pois estes são o ideal humano, enquanto disciplinadora das nossas emoções e sentimentos, e nas presenças quase divinas que habitam todas as coisas, recorrendo à mitologia greco-latina, e considera a brevidade, a fugacidade e a transitoriedade da vida, pois sabe que o tempo passa e tudo é efémero. O poeta considera que a verdadeira sabedoria de vida é viver de forma equilibrada e serena. As referências aos deuses são uma forma de referir a primazia do corpo, das formas, da natureza, dos aspectos exteriores, e da realidade, sem considerar a subjectividade ou a interioridade - ensinamentos de Caeiro, o mestre de todos os heterónimos. Em grande parte devido ao seu paganismo, aceita o destino com naturalidade, considerando que os deuses estão acima do homem por uma questão de grau, mas que acima dos deuses, apenas se encontra o Fado, que tudo submete (domina), tal como mostra o excerto do poema Só esta liberdade nos concedem do poeta: Nem outro jeito os deuses, sobre quem O eterno fado pesa, Usam para seu calmo e possuído Convencimento antigo De que é divina a sua vida. (ou seja, os deuses são submetidos a uma vontade superior a eles) (para além disso,)Reis sente que tem de viver em conformidade com as leis do destino, indiferente à dor e ao desprazer, numa verdadeira ilusão da felicidade. O poeta considera também que estando o destino acima dos próprios deuses, temos necessidade do autodomínio, de sermos donos de nós próprios, construindo o nosso "fado voluntário", ou seja, procurar construir um destino a que nos sujeitamos voluntariamente, o que acaba por ser uma ilusão de liberdade (pois o destino é inevitável).
  • 3. Em suma, Reis é o heterónimo que projecta Pessoa para a Antiguidade da Grécia Clássica, refugiando-se na aparente felicidade pagã , onde procura alcançar a quietude e a perfeição dos deuses, indiferentes mas omnipresentes, que se confundem connosco sempre que os imitamos, pois estes não são mais que homens mais perfeitos ou aperfeiçoados.