SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Escola Secundária C/ 3ºCEB de Ponte de SorEscola Secundária C/ 3ºCEB de Ponte de Sor
PORTUGUÊSPORTUGUÊS
Modulo 9 – “Textos líricos: Poemas de Fernando PessoaModulo 9 – “Textos líricos: Poemas de Fernando Pessoa
- o ortónimo e os heterónimos”- o ortónimo e os heterónimos”
Professor: Alexandre GonçalvesProfessor: Alexandre Gonçalves
2010/20112010/2011
Trabalho elaborado por: Filipe Bragança nº4 Luís Silvestre nº10
Ponte de SorPonte de Sor
Data de entrega:Data de entrega:
12/10/201012/10/2010
12º H
Nome: Fernando António Nogueira Pessoa
Nascimento: 13 de Junho de 1888 - Lisboa
Falecimento: 30 de Novembro de 1935 (47 anos) - Lisboa
Nacionalidade: Português
Ocupação: Poeta e escritor
Movimento literário: Modernismo
Principais trabalhos: Mensagem, Livro do Desassossego
Profissão: Tradutor de correspondência comercial e Contabilista
13 de Junho de 1888 - Nasce em Lisboa, às 3
horas da tarde, Fernando António Nogueira Pessoa.
1896 - Parte para Durban, na África do Sul.
1905 - Regressa a Lisboa
1906 - Matricula-se no Curso Superior de Letras, em Lisboa
1907 - Abandona o curso.
1914 - Surge o mestre Alberto Caeiro. Fernando Pessoa passa
a escrever poemas dos três heterónimos.
1915 - Primeiro número da Revista "Orfeu". Pessoa "mata"
Alberto Caeiro.
1916 - Seu amigo Mário de Sá-Carneiro suicida-se.
1924 - Surge a Revista "Atena", dirigida por Fernando Pessoa e
Ruy Vaz.
1927 - Passa a colaborar com a Revista "Presença".
1934 - Aparece "Mensagem", seu único livro publicado.
30 de Novembro de 1935 - Morre em Lisboa, aos 47 anos.
Sim, sei bem
Que nunca serei alguém.
Sei de sobra
Que nunca terei uma obra.
Sei, enfim,
Que nunca saberei de mim.
Sim, mas agora,
Enquanto dura esta hora,
Este luar, estes ramos,
Esta paz em que estamos,
Deixem-me crer
O que nunca poderei ser. Nunca a alheia vontade, inda que grata,
Cumpras por própria. Manda no que fazes,
Nem de ti mesmo servo.Niguém te dá quem és. Nada te mude.
Teu íntimo destino involuntário
Cumpre alto. Sê teu filho.
Tudo o que faço ou medito
Fica sempre na metade.
Querendo, quero o infinito.
Fazendo, nada é verdade.
Que nojo de mim me fica
Ao olhar para o que faço!
Minha alma é lúcida e rica,
E eu sou um mar de sargaço.
 Alberto Caeiro (“O Mestre”)
 Ricardo Reis
 Álvaro de Campos
Características temáticas
 Objectivismo;
 Sensacionismo;
 Antimetafísico (recusa do conhecimento das coisas);
 Panteísmo naturalista (adoração pela natureza).
Características estilísticas
 Verso livre, métrica irregular;
 Despreocupação a nível fónico;
 Pobreza lexical ( linguagem simples, familiar);
 Adjectivação objectiva;
 Pontuação lógica;
 Predomínio do presente do indicativo;
 Frases simples;
 Predomínio da coordenação;
 Comparações simples e raras metáforas.
Características temáticas
 Epicurismo - procura do viver do prazer;
 Estoicismo - crença de que o Homem é insensível a todos os
males físicos e morais;
 Horacionismo - seguidor literário de Horácio;
 Paganismo - crença em vários deuses;
 Neoclacissismo - devido à educação clássica e estudos sobre
Roma e Grécia antigas;
Características estilísticas
 Submissão da expressão ao conteúdo: a uma ideia perfeita
corresponde uma expressão perfeita;
 Forma métrica: ode;
 Estrofes regulares em verso decassílabo alternadas ou não
com hexassílabo;
 Verso branco;
 Recurso frequente à assonância, à rima interior e à aliteração;
 Predomínio da subordinação;
 Uso frequente do hipérbato;
 Uso frequente do gerúndio e do imperativo;
 Metáforas, eufemismos, comparações;
Características temáticas
 Decadentismo – cansaço, tédio, busca de novas sensações ;
 Futurismo - corte com o passado, exprimindo em arte o
dinamismo da vida moderna. O vocabulário onomatopaico
pretende exaltar a modernidade;
 Sensacionismo - corrente literária que considera a sensação
como base de toda a arte;
 Pessimismo – última fase, vencidismo.
Características estilísticas
 Verso livre, em geral, muito longo;
 Assonâncias, onomatopeias (por vezes ousadas), aliterações
(por vezes ousadas);
 Grafismos expressivos;
 Mistura de níveis de língua;
 Enumerações excessivas, exclamações, interjeições,
pontuação emotiva;
 Desvios sintácticos;
 Estrangeirismos, neologismos;
 Subordinação de fonemas;
 Estática não aristotélica na fase futurista.
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Fernando_Pessoa - (Pesquisado 11/10/2010)
http://www.astormentas.com/biografia.aspx?t=autor&id=Fernando+Pessoa -
(Pesquisado 12/10/2010)
 http://www.astormentas.com/pessoa.htm - (Pesquisado 12/10/2010)
http://www.notapositiva.com/trab_estudantes/trab_estudantes/portugues/portu
gues_trabalhos/fernpessoa.htm - (Pesquisado 12/10/2010)
Fernando Pessoa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eugenio de andrade
Eugenio de andradeEugenio de andrade
Eugenio de andradeliofer21
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de camposAna Teresa
 
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/NeopaganismoRicardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/NeopaganismoTelma Carvalho
 
Cesário+v.. (1)
Cesário+v.. (1)Cesário+v.. (1)
Cesário+v.. (1)1103sancho
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...FilipaFonseca
 
Análise do poema viajar Perder Países
Análise do poema viajar Perder PaísesAnálise do poema viajar Perder Países
Análise do poema viajar Perder PaísesRicardo Santos
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de CamposAna Isabel
 
Ricardo Reis - Heterónimo de Fernando Pessoa
Ricardo Reis - Heterónimo de Fernando Pessoa Ricardo Reis - Heterónimo de Fernando Pessoa
Ricardo Reis - Heterónimo de Fernando Pessoa suzana patricia
 
Dicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campoDicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campo1103sancho
 
2. textos de carácter intimista
2. textos de carácter intimista2. textos de carácter intimista
2. textos de carácter intimistaHelena Coutinho
 
Biografia De Fernando Pessoa
Biografia De Fernando PessoaBiografia De Fernando Pessoa
Biografia De Fernando Pessoaguest029d56
 
"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo
"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo
"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa OrtónimoOxana Marian
 
O ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reisO ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reisnatttaas
 
Alvaro de Campos
Alvaro de CamposAlvaro de Campos
Alvaro de Camposaramalho340
 

Mais procurados (20)

Eugenio de andrade
Eugenio de andradeEugenio de andrade
Eugenio de andrade
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/NeopaganismoRicardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
resumos
resumosresumos
resumos
 
Cesário+v.. (1)
Cesário+v.. (1)Cesário+v.. (1)
Cesário+v.. (1)
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Análise do poema viajar Perder Países
Análise do poema viajar Perder PaísesAnálise do poema viajar Perder Países
Análise do poema viajar Perder Países
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Ricardo Reis - Heterónimo de Fernando Pessoa
Ricardo Reis - Heterónimo de Fernando Pessoa Ricardo Reis - Heterónimo de Fernando Pessoa
Ricardo Reis - Heterónimo de Fernando Pessoa
 
Dicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campoDicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campo
 
2. textos de carácter intimista
2. textos de carácter intimista2. textos de carácter intimista
2. textos de carácter intimista
 
Biografia De Fernando Pessoa
Biografia De Fernando PessoaBiografia De Fernando Pessoa
Biografia De Fernando Pessoa
 
Sísifo miguel torga
Sísifo  miguel torgaSísifo  miguel torga
Sísifo miguel torga
 
"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo
"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo
"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo
 
O ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reisO ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reis
 
Alvaro de Campos-Exp12
Alvaro de Campos-Exp12Alvaro de Campos-Exp12
Alvaro de Campos-Exp12
 
Alvaro de Campos
Alvaro de CamposAlvaro de Campos
Alvaro de Campos
 

Destaque

Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoafromgaliza
 
Lenda de s.martinho
Lenda de s.martinhoLenda de s.martinho
Lenda de s.martinhoandresilva7a
 
Sao martinho vai adega e prova o vinho
Sao martinho vai adega e prova o vinhoSao martinho vai adega e prova o vinho
Sao martinho vai adega e prova o vinhoAna Arminda Moreira
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa HeterónimosESVieira do Minho
 

Destaque (6)

Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Lenda de s.martinho
Lenda de s.martinhoLenda de s.martinho
Lenda de s.martinho
 
Sao martinho vai adega e prova o vinho
Sao martinho vai adega e prova o vinhoSao martinho vai adega e prova o vinho
Sao martinho vai adega e prova o vinho
 
Livro do desassossego power point
Livro do desassossego power pointLivro do desassossego power point
Livro do desassossego power point
 
Bernardo soares
Bernardo soaresBernardo soares
Bernardo soares
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa Heterónimos
 

Semelhante a Fernando Pessoa

Síntese fp
Síntese fpSíntese fp
Síntese fplenaeira
 
Fernandopessoa1
Fernandopessoa1 Fernandopessoa1
Fernandopessoa1 satense
 
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoaModernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoaAndréia Peixoto
 
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioO Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioCeber Alves
 
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugalJuliana Oliveira
 
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugalJuliana Oliveira
 
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxModernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxLUCELIOFERREIRADASIL
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoAlexandra Canané
 
Esoterismo Por: Fernando Pessoa
Esoterismo Por: Fernando PessoaEsoterismo Por: Fernando Pessoa
Esoterismo Por: Fernando PessoaRODRIGO ORION
 
Unidade 1 - Fernando Pessoa, Poesia do ort¢nimo.docx
Unidade 1 - Fernando Pessoa, Poesia do ort¢nimo.docxUnidade 1 - Fernando Pessoa, Poesia do ort¢nimo.docx
Unidade 1 - Fernando Pessoa, Poesia do ort¢nimo.docxBeatrizBorges179576
 

Semelhante a Fernando Pessoa (20)

Síntese fp
Síntese fpSíntese fp
Síntese fp
 
FPOH-CT12
FPOH-CT12FPOH-CT12
FPOH-CT12
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Fernandopessoa1
Fernandopessoa1 Fernandopessoa1
Fernandopessoa1
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoaModernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoa
 
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioO Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
 
Pessoa
PessoaPessoa
Pessoa
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
 
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
 
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxModernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Alberto caeiro
Alberto caeiroAlberto caeiro
Alberto caeiro
 
Alberto caeiro
Alberto caeiroAlberto caeiro
Alberto caeiro
 
Amar, Verbo Intransitivo - 3ª Série A
Amar, Verbo Intransitivo -  3ª Série AAmar, Verbo Intransitivo -  3ª Série A
Amar, Verbo Intransitivo - 3ª Série A
 
Esoterismo Por: Fernando Pessoa
Esoterismo Por: Fernando PessoaEsoterismo Por: Fernando Pessoa
Esoterismo Por: Fernando Pessoa
 
Heterónimos Fernadno Pessoa.pptx
Heterónimos Fernadno Pessoa.pptxHeterónimos Fernadno Pessoa.pptx
Heterónimos Fernadno Pessoa.pptx
 
Unidade 1 - Fernando Pessoa, Poesia do ort¢nimo.docx
Unidade 1 - Fernando Pessoa, Poesia do ort¢nimo.docxUnidade 1 - Fernando Pessoa, Poesia do ort¢nimo.docx
Unidade 1 - Fernando Pessoa, Poesia do ort¢nimo.docx
 

Mais de Ana Tapadas

Otono en la_patagonia argentina
Otono en la_patagonia argentinaOtono en la_patagonia argentina
Otono en la_patagonia argentinaAna Tapadas
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há LuarAna Tapadas
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há LuarAna Tapadas
 
Filipe luis personagem ausente gomes freire e o seu caracter simbolico
Filipe luis personagem ausente gomes freire e o seu caracter simbolicoFilipe luis personagem ausente gomes freire e o seu caracter simbolico
Filipe luis personagem ausente gomes freire e o seu caracter simbolicoAna Tapadas
 
Fernandoppppppp ..
Fernandoppppppp ..Fernandoppppppp ..
Fernandoppppppp ..Ana Tapadas
 
Florbela Espanca
Florbela EspancaFlorbela Espanca
Florbela EspancaAna Tapadas
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasAna Tapadas
 
Uma Casa na Escuridão
Uma Casa na EscuridãoUma Casa na Escuridão
Uma Casa na EscuridãoAna Tapadas
 
Os Cinco e os Gémeos Silenciosos
Os Cinco e os Gémeos SilenciososOs Cinco e os Gémeos Silenciosos
Os Cinco e os Gémeos SilenciososAna Tapadas
 

Mais de Ana Tapadas (20)

Otono en la_patagonia argentina
Otono en la_patagonia argentinaOtono en la_patagonia argentina
Otono en la_patagonia argentina
 
China
ChinaChina
China
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
 
Filipe luis personagem ausente gomes freire e o seu caracter simbolico
Filipe luis personagem ausente gomes freire e o seu caracter simbolicoFilipe luis personagem ausente gomes freire e o seu caracter simbolico
Filipe luis personagem ausente gomes freire e o seu caracter simbolico
 
Filipe e ..
Filipe e ..Filipe e ..
Filipe e ..
 
Guimarães Rosa
Guimarães RosaGuimarães Rosa
Guimarães Rosa
 
China lexiaguo
China   lexiaguoChina   lexiaguo
China lexiaguo
 
Fernandoppppppp ..
Fernandoppppppp ..Fernandoppppppp ..
Fernandoppppppp ..
 
F pessoa l..
F pessoa l..F pessoa l..
F pessoa l..
 
Florbela Espanca
Florbela EspancaFlorbela Espanca
Florbela Espanca
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
 
A Hora Do Nada
A Hora Do NadaA Hora Do Nada
A Hora Do Nada
 
Padre Ant..
Padre Ant..Padre Ant..
Padre Ant..
 
Escrevi M..
Escrevi M..Escrevi M..
Escrevi M..
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Cal,+José..
Cal,+José..Cal,+José..
Cal,+José..
 
Abandonada
AbandonadaAbandonada
Abandonada
 
Uma Casa na Escuridão
Uma Casa na EscuridãoUma Casa na Escuridão
Uma Casa na Escuridão
 
Os Cinco e os Gémeos Silenciosos
Os Cinco e os Gémeos SilenciososOs Cinco e os Gémeos Silenciosos
Os Cinco e os Gémeos Silenciosos
 

Fernando Pessoa

  • 1. Escola Secundária C/ 3ºCEB de Ponte de SorEscola Secundária C/ 3ºCEB de Ponte de Sor PORTUGUÊSPORTUGUÊS Modulo 9 – “Textos líricos: Poemas de Fernando PessoaModulo 9 – “Textos líricos: Poemas de Fernando Pessoa - o ortónimo e os heterónimos”- o ortónimo e os heterónimos” Professor: Alexandre GonçalvesProfessor: Alexandre Gonçalves 2010/20112010/2011 Trabalho elaborado por: Filipe Bragança nº4 Luís Silvestre nº10 Ponte de SorPonte de Sor Data de entrega:Data de entrega: 12/10/201012/10/2010 12º H
  • 2. Nome: Fernando António Nogueira Pessoa Nascimento: 13 de Junho de 1888 - Lisboa Falecimento: 30 de Novembro de 1935 (47 anos) - Lisboa Nacionalidade: Português Ocupação: Poeta e escritor Movimento literário: Modernismo Principais trabalhos: Mensagem, Livro do Desassossego Profissão: Tradutor de correspondência comercial e Contabilista
  • 3. 13 de Junho de 1888 - Nasce em Lisboa, às 3 horas da tarde, Fernando António Nogueira Pessoa. 1896 - Parte para Durban, na África do Sul. 1905 - Regressa a Lisboa 1906 - Matricula-se no Curso Superior de Letras, em Lisboa 1907 - Abandona o curso. 1914 - Surge o mestre Alberto Caeiro. Fernando Pessoa passa a escrever poemas dos três heterónimos.
  • 4. 1915 - Primeiro número da Revista "Orfeu". Pessoa "mata" Alberto Caeiro. 1916 - Seu amigo Mário de Sá-Carneiro suicida-se. 1924 - Surge a Revista "Atena", dirigida por Fernando Pessoa e Ruy Vaz. 1927 - Passa a colaborar com a Revista "Presença". 1934 - Aparece "Mensagem", seu único livro publicado. 30 de Novembro de 1935 - Morre em Lisboa, aos 47 anos.
  • 5.
  • 6. Sim, sei bem Que nunca serei alguém. Sei de sobra Que nunca terei uma obra. Sei, enfim, Que nunca saberei de mim. Sim, mas agora, Enquanto dura esta hora, Este luar, estes ramos, Esta paz em que estamos, Deixem-me crer O que nunca poderei ser. Nunca a alheia vontade, inda que grata, Cumpras por própria. Manda no que fazes, Nem de ti mesmo servo.Niguém te dá quem és. Nada te mude. Teu íntimo destino involuntário Cumpre alto. Sê teu filho. Tudo o que faço ou medito Fica sempre na metade. Querendo, quero o infinito. Fazendo, nada é verdade. Que nojo de mim me fica Ao olhar para o que faço! Minha alma é lúcida e rica, E eu sou um mar de sargaço.
  • 7.  Alberto Caeiro (“O Mestre”)  Ricardo Reis  Álvaro de Campos
  • 8. Características temáticas  Objectivismo;  Sensacionismo;  Antimetafísico (recusa do conhecimento das coisas);  Panteísmo naturalista (adoração pela natureza).
  • 9. Características estilísticas  Verso livre, métrica irregular;  Despreocupação a nível fónico;  Pobreza lexical ( linguagem simples, familiar);  Adjectivação objectiva;  Pontuação lógica;  Predomínio do presente do indicativo;  Frases simples;  Predomínio da coordenação;  Comparações simples e raras metáforas.
  • 10. Características temáticas  Epicurismo - procura do viver do prazer;  Estoicismo - crença de que o Homem é insensível a todos os males físicos e morais;  Horacionismo - seguidor literário de Horácio;  Paganismo - crença em vários deuses;  Neoclacissismo - devido à educação clássica e estudos sobre Roma e Grécia antigas;
  • 11. Características estilísticas  Submissão da expressão ao conteúdo: a uma ideia perfeita corresponde uma expressão perfeita;  Forma métrica: ode;  Estrofes regulares em verso decassílabo alternadas ou não com hexassílabo;  Verso branco;  Recurso frequente à assonância, à rima interior e à aliteração;  Predomínio da subordinação;  Uso frequente do hipérbato;  Uso frequente do gerúndio e do imperativo;  Metáforas, eufemismos, comparações;
  • 12. Características temáticas  Decadentismo – cansaço, tédio, busca de novas sensações ;  Futurismo - corte com o passado, exprimindo em arte o dinamismo da vida moderna. O vocabulário onomatopaico pretende exaltar a modernidade;  Sensacionismo - corrente literária que considera a sensação como base de toda a arte;  Pessimismo – última fase, vencidismo.
  • 13. Características estilísticas  Verso livre, em geral, muito longo;  Assonâncias, onomatopeias (por vezes ousadas), aliterações (por vezes ousadas);  Grafismos expressivos;  Mistura de níveis de língua;  Enumerações excessivas, exclamações, interjeições, pontuação emotiva;  Desvios sintácticos;  Estrangeirismos, neologismos;  Subordinação de fonemas;  Estática não aristotélica na fase futurista.
  • 14.  http://pt.wikipedia.org/wiki/Fernando_Pessoa - (Pesquisado 11/10/2010) http://www.astormentas.com/biografia.aspx?t=autor&id=Fernando+Pessoa - (Pesquisado 12/10/2010)  http://www.astormentas.com/pessoa.htm - (Pesquisado 12/10/2010) http://www.notapositiva.com/trab_estudantes/trab_estudantes/portugues/portu gues_trabalhos/fernpessoa.htm - (Pesquisado 12/10/2010)