SlideShare uma empresa Scribd logo

Literatura aula 21 - modernismo em portugal

Este documento descreve o Modernismo em Portugal, com foco em Fernando Pessoa e seus heterônimos. O Modernismo português teve início em 1915 com o lançamento da revista Orpheu. Fernando Pessoa criou vários heterônimos, como Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos, cada um com sua personalidade e estilo literário único. Mário de Sá-Carneiro também foi uma figura importante do Modernismo português.

1 de 11
Baixar para ler offline
AULA 21 – LITERATURA

                                   PROFª Edna Prado

    MODERNISMO EM PORTUGAL

I – CONTEXTO HISTÓRICO
      As primeiras manifestações modernistas começaram a surgir no
período compreendido entre as duas guerras mundiais, período marcado
por profundas transformações político-sociais em toda a Europa, não só
em Portugal.

     Didaticamente, o Modernismo português tem início em 1915,
com o lançamento do primeiro número da Revista Orpheu, revista
que, inspirada pelos movimentos da Vanguarda Européia, desejava
romper com o convencionalismo, com as idealizações românticas,
chocando a sociedade da época.

      Vários artistas participaram da elaboração da revista, entre eles
destacaram-se: Fernando Pessoa, Mário de Sá-Carneiro e Almada
Negreiros. Os escritores do Orfismo, como ficaram conhecidos,
queriam imprimir à literatura portuguesa as inovações européias.

      Anos depois, em 1927, outra importante revista passa a ser
divulgadora dos novos ideais modernistas – A Revista Presença, que
teve como maior representante, o escritor José Régio.

     Veja o principal representante do Modernismo português:
Ilustração de Costa Pinheiro

       Fernando Pessoa é a grande figura da produção modernista em Portugal. Mas
por que será que essa imagem tem o autor ao centro com três sombras ao redor?



      Pessoa criou vários heterônimos que apresentavam características
particulares e que por isso escreviam textos bem diversos. Mas o que é
um heterônimo? É um desdobramento da própria personalidade do
autor, é a criação de outras pessoas. Heterônimo é diferente de
pseudônimo, pois atinge uma maior complexidade, o pseudônimo é
apenas a criação de nomes fictícios para uma mesma pessoa,
heterônimo é mais que um nome diferente, é uma outra pessoa.

      Veja esquematicamente o que significa o fenômeno                       da
heteronímia:




                                               ORTÔNIMO – “Ele mesmo”

          FERNANDO PESSOA

                                                HETERÔNIMOS
                                                *Alberto Caeiro
                                                *Ricardo Reis
                                                *Álvaro de Campos




     Existem outros heterônimos menos conhecidos. Como disse o
próprio escritor, várias foram as personagens que o acompanharam
desde a infância. Segundo ele sua tendência, sua necessidade era
multiplicar-se:


      “Multipliquei-me, para me sentir,
      Para me sentir, precisei sentir tudo,
      Transbordei-me, não fiz senão extravasar-me”.

     Os heterônimos de Pessoa apresentavam uma biografia, ou seja,
tinham data e local de nascimento, profissão e diferentes visões de
mundo.

      Veja a imagem de um de seus heterônimos:




                         Ilustração de Almada Negreiros

      Alberto Caeiro nasceu em 1989 e morreu tuberculoso em 1915, era um
homem simples do campo. Sua estatura era mediana, loiro, de olhos azuis, órfão e
estudou pouco, até o primeiro ano.



       Seus textos são marcados pela ingenuidade e pela linguagem
simples, seus versos são livres e falam do amor à natureza e à
simplicidade da vida no campo. Recusa qualquer explicação filosófica
sobre a vida. Caeiro pensa com os sentidos, não com a razão, para ele a
felicidade reside em não pensar.

     Identifique as características de Alberto Caeiro no próximo
fragmento de um de seus textos:
O Guardador de Rebanhos

“Sou um guardador de rebanhos.
O rebanho é os meus pensamentos
E os meus pensamentos são todos sensações.
Penso com os olhos e com os ouvidos
E com as mãos e os pés
E com o nariz e a boca.

Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la
E comer um fruto é saber-lhe o sentido.

Por isso quando num dia de calor
Me sinto triste de gozá-lo tanto.
E me deito ao comprido na erva,
E fecho os olhos quentes,
Sinto todo o meu corpo deitado na realidade,
Sei a verdade e sou feliz”.

                      Alberto Caeiro

      Veja a imagem do próximo heterônimo:




                         Ilustração de Almada Negreiros

        Ricardo Reis nasceu em 1887, na cidade do Porto e era médico. Era baixo,
forte, moreno e um monarquista de formação.

     Seus textos caracterizam-se pelo estilo erudito e clássico.
Enquanto Alberto Caeiro era sinônimo de sensibilidade, Ricardo Reis é
extremamente racional. Sua linguagem é rebuscada e complexa. Usa
com muita freqüência a mitologia clássica, principalmente a máximas
horacianas do Carpe Diem (“aproveite o momento”). Tinha plena
consciência da brevidade da vida, o que lhe provocava muito
sofrimento.

     Identifique as características de Ricardo Reis no próximo
fragmento de um de seus textos:



                   Ode VI

“Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio.
Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos
Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas.
      (Enlacemos as mãos.)

Depois pensemos, crianças adultas, que a vida
Passa e não fica, nada deixa e nunca regressa,
Vai para um mar muito longe, para ao pé do Fado,
        Mais longe que os deuses.

Desenlacemos as mãos, porque não vale a pena cansarmo-nos.
Quer gozemos, quer não gozemos, passamos como o rio.
Mais vale saber passar silenciosamente
        E sem desassossegos grandes (...)”


                                Ricardo Reis

     Veja a imagem do próximo heterônimo:
Ilustração de Almada Negreiros

      Álvaro de Campos nasceu em outubro de 1890. Era engenheiro naval, alto,
magro, cabelos lisos e assemelhava-se a um judeu português.



      Álvaro de Campos era o poeta do futuro, da velocidade, das
máquinas, do tempo presente, identificado com a Vanguarda Européia.
Seus textos são contraditórios: ora marcados por uma grande energia,
ora revelando a crise dos valores espirituais e a angústia do homem de
seu tempo, inadaptado às condutas sociais Enquanto Alberto Caeiro
pensava com os sentidos e Ricardo Reis com a razão, Álvaro de
Campos, pensava com a emoção.

      Veja suas características no próximo texto:


Lisbon revisited

“Não: não quero nada.
Já disse que não quero nada.

Não me venham com conclusões!
A única conclusão é morrer.

Não me tragam estéticas!

Recomendados

Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly MendesLiteratura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly MendesNatália Malheiro
 
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando PessoaModernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoawhybells
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em PortugalThayne Moura
 
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioO Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioCeber Alves
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
O Modernismo
O ModernismoO Modernismo
O Modernismo
 
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoaModernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoa
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
A Geração de Orpheu
A Geração de OrpheuA Geração de Orpheu
A Geração de Orpheu
 
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
O modernismo em portugal
 
Modernismo em Portugal - características e revistas Orpheu e Presença
Modernismo em Portugal - características e revistas Orpheu e PresençaModernismo em Portugal - características e revistas Orpheu e Presença
Modernismo em Portugal - características e revistas Orpheu e Presença
 
Geração ‘Orpheu’
Geração  ‘Orpheu’Geração  ‘Orpheu’
Geração ‘Orpheu’
 
1 modernismo portugal 2012
1 modernismo portugal 20121 modernismo portugal 2012
1 modernismo portugal 2012
 
O Modernismo
O ModernismoO Modernismo
O Modernismo
 
Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
 
O Modernismo na pintura e na literatura
O Modernismo na pintura e na literaturaO Modernismo na pintura e na literatura
O Modernismo na pintura e na literatura
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Modernismo e Fernando Pessoa
Modernismo e Fernando PessoaModernismo e Fernando Pessoa
Modernismo e Fernando Pessoa
 
Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
 
Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
 
Geração 'Orpheu' (folheto)
Geração 'Orpheu' (folheto)Geração 'Orpheu' (folheto)
Geração 'Orpheu' (folheto)
 
Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
 
Modernismono brasil ii fase
Modernismono brasil ii faseModernismono brasil ii fase
Modernismono brasil ii fase
 
Modernismo Portugal
Modernismo PortugalModernismo Portugal
Modernismo Portugal
 

Semelhante a Literatura aula 21 - modernismo em portugal

Semelhante a Literatura aula 21 - modernismo em portugal (20)

Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxModernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
FPOH-CT12
FPOH-CT12FPOH-CT12
FPOH-CT12
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Fernando Pessoa Heterônimos.pptx
Fernando Pessoa Heterônimos.pptxFernando Pessoa Heterônimos.pptx
Fernando Pessoa Heterônimos.pptx
 
Mário de andrade
Mário de andradeMário de andrade
Mário de andrade
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Fernandopessoa1
Fernandopessoa1 Fernandopessoa1
Fernandopessoa1
 
Ricardo Reis.pptx
Ricardo Reis.pptxRicardo Reis.pptx
Ricardo Reis.pptx
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Principais poetas brasileiros
Principais poetas brasileirosPrincipais poetas brasileiros
Principais poetas brasileiros
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptx
Modernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptxModernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptx
Modernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptx
 
Fernando_Pessoa.pdf
Fernando_Pessoa.pdfFernando_Pessoa.pdf
Fernando_Pessoa.pdf
 
Fernando Pessoa Por Ele Mesmo
Fernando Pessoa Por Ele MesmoFernando Pessoa Por Ele Mesmo
Fernando Pessoa Por Ele Mesmo
 
Alvaro de campos
Alvaro de camposAlvaro de campos
Alvaro de campos
 
Fernando pessoa1
Fernando pessoa1Fernando pessoa1
Fernando pessoa1
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Heterónimos Fernadno Pessoa.pptx
Heterónimos Fernadno Pessoa.pptxHeterónimos Fernadno Pessoa.pptx
Heterónimos Fernadno Pessoa.pptx
 

Mais de Juliana Oliveira

Prticadeensinolnguainglesa planodeaula-090516200037-phpapp02
Prticadeensinolnguainglesa planodeaula-090516200037-phpapp02Prticadeensinolnguainglesa planodeaula-090516200037-phpapp02
Prticadeensinolnguainglesa planodeaula-090516200037-phpapp02Juliana Oliveira
 
Figura de linguagem conotativo x denotativo
Figura de linguagem conotativo x denotativoFigura de linguagem conotativo x denotativo
Figura de linguagem conotativo x denotativoJuliana Oliveira
 
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugalJuliana Oliveira
 
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
Literatura   aula 22 - modernismo no brasilLiteratura   aula 22 - modernismo no brasil
Literatura aula 22 - modernismo no brasilJuliana Oliveira
 
Literatura aula 20 - vanguarda européia
Literatura   aula 20 - vanguarda européiaLiteratura   aula 20 - vanguarda européia
Literatura aula 20 - vanguarda européiaJuliana Oliveira
 

Mais de Juliana Oliveira (11)

Interpretação de textos
Interpretação de textosInterpretação de textos
Interpretação de textos
 
Ppp 1
Ppp 1Ppp 1
Ppp 1
 
Ppp 1
Ppp 1Ppp 1
Ppp 1
 
1º momento
1º momento1º momento
1º momento
 
Trabalho De Inglês
Trabalho De InglêsTrabalho De Inglês
Trabalho De Inglês
 
O menino que
O menino queO menino que
O menino que
 
Prticadeensinolnguainglesa planodeaula-090516200037-phpapp02
Prticadeensinolnguainglesa planodeaula-090516200037-phpapp02Prticadeensinolnguainglesa planodeaula-090516200037-phpapp02
Prticadeensinolnguainglesa planodeaula-090516200037-phpapp02
 
Figura de linguagem conotativo x denotativo
Figura de linguagem conotativo x denotativoFigura de linguagem conotativo x denotativo
Figura de linguagem conotativo x denotativo
 
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
 
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
Literatura   aula 22 - modernismo no brasilLiteratura   aula 22 - modernismo no brasil
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
 
Literatura aula 20 - vanguarda européia
Literatura   aula 20 - vanguarda européiaLiteratura   aula 20 - vanguarda européia
Literatura aula 20 - vanguarda européia
 

Literatura aula 21 - modernismo em portugal

  • 1. AULA 21 – LITERATURA PROFª Edna Prado MODERNISMO EM PORTUGAL I – CONTEXTO HISTÓRICO As primeiras manifestações modernistas começaram a surgir no período compreendido entre as duas guerras mundiais, período marcado por profundas transformações político-sociais em toda a Europa, não só em Portugal. Didaticamente, o Modernismo português tem início em 1915, com o lançamento do primeiro número da Revista Orpheu, revista que, inspirada pelos movimentos da Vanguarda Européia, desejava romper com o convencionalismo, com as idealizações românticas, chocando a sociedade da época. Vários artistas participaram da elaboração da revista, entre eles destacaram-se: Fernando Pessoa, Mário de Sá-Carneiro e Almada Negreiros. Os escritores do Orfismo, como ficaram conhecidos, queriam imprimir à literatura portuguesa as inovações européias. Anos depois, em 1927, outra importante revista passa a ser divulgadora dos novos ideais modernistas – A Revista Presença, que teve como maior representante, o escritor José Régio. Veja o principal representante do Modernismo português:
  • 2. Ilustração de Costa Pinheiro Fernando Pessoa é a grande figura da produção modernista em Portugal. Mas por que será que essa imagem tem o autor ao centro com três sombras ao redor? Pessoa criou vários heterônimos que apresentavam características particulares e que por isso escreviam textos bem diversos. Mas o que é um heterônimo? É um desdobramento da própria personalidade do autor, é a criação de outras pessoas. Heterônimo é diferente de pseudônimo, pois atinge uma maior complexidade, o pseudônimo é apenas a criação de nomes fictícios para uma mesma pessoa, heterônimo é mais que um nome diferente, é uma outra pessoa. Veja esquematicamente o que significa o fenômeno da heteronímia: ORTÔNIMO – “Ele mesmo” FERNANDO PESSOA HETERÔNIMOS *Alberto Caeiro *Ricardo Reis *Álvaro de Campos Existem outros heterônimos menos conhecidos. Como disse o próprio escritor, várias foram as personagens que o acompanharam
  • 3. desde a infância. Segundo ele sua tendência, sua necessidade era multiplicar-se: “Multipliquei-me, para me sentir, Para me sentir, precisei sentir tudo, Transbordei-me, não fiz senão extravasar-me”. Os heterônimos de Pessoa apresentavam uma biografia, ou seja, tinham data e local de nascimento, profissão e diferentes visões de mundo. Veja a imagem de um de seus heterônimos: Ilustração de Almada Negreiros Alberto Caeiro nasceu em 1989 e morreu tuberculoso em 1915, era um homem simples do campo. Sua estatura era mediana, loiro, de olhos azuis, órfão e estudou pouco, até o primeiro ano. Seus textos são marcados pela ingenuidade e pela linguagem simples, seus versos são livres e falam do amor à natureza e à simplicidade da vida no campo. Recusa qualquer explicação filosófica sobre a vida. Caeiro pensa com os sentidos, não com a razão, para ele a felicidade reside em não pensar. Identifique as características de Alberto Caeiro no próximo fragmento de um de seus textos:
  • 4. O Guardador de Rebanhos “Sou um guardador de rebanhos. O rebanho é os meus pensamentos E os meus pensamentos são todos sensações. Penso com os olhos e com os ouvidos E com as mãos e os pés E com o nariz e a boca. Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la E comer um fruto é saber-lhe o sentido. Por isso quando num dia de calor Me sinto triste de gozá-lo tanto. E me deito ao comprido na erva, E fecho os olhos quentes, Sinto todo o meu corpo deitado na realidade, Sei a verdade e sou feliz”. Alberto Caeiro Veja a imagem do próximo heterônimo: Ilustração de Almada Negreiros Ricardo Reis nasceu em 1887, na cidade do Porto e era médico. Era baixo, forte, moreno e um monarquista de formação. Seus textos caracterizam-se pelo estilo erudito e clássico. Enquanto Alberto Caeiro era sinônimo de sensibilidade, Ricardo Reis é
  • 5. extremamente racional. Sua linguagem é rebuscada e complexa. Usa com muita freqüência a mitologia clássica, principalmente a máximas horacianas do Carpe Diem (“aproveite o momento”). Tinha plena consciência da brevidade da vida, o que lhe provocava muito sofrimento. Identifique as características de Ricardo Reis no próximo fragmento de um de seus textos: Ode VI “Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio. Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas. (Enlacemos as mãos.) Depois pensemos, crianças adultas, que a vida Passa e não fica, nada deixa e nunca regressa, Vai para um mar muito longe, para ao pé do Fado, Mais longe que os deuses. Desenlacemos as mãos, porque não vale a pena cansarmo-nos. Quer gozemos, quer não gozemos, passamos como o rio. Mais vale saber passar silenciosamente E sem desassossegos grandes (...)” Ricardo Reis Veja a imagem do próximo heterônimo:
  • 6. Ilustração de Almada Negreiros Álvaro de Campos nasceu em outubro de 1890. Era engenheiro naval, alto, magro, cabelos lisos e assemelhava-se a um judeu português. Álvaro de Campos era o poeta do futuro, da velocidade, das máquinas, do tempo presente, identificado com a Vanguarda Européia. Seus textos são contraditórios: ora marcados por uma grande energia, ora revelando a crise dos valores espirituais e a angústia do homem de seu tempo, inadaptado às condutas sociais Enquanto Alberto Caeiro pensava com os sentidos e Ricardo Reis com a razão, Álvaro de Campos, pensava com a emoção. Veja suas características no próximo texto: Lisbon revisited “Não: não quero nada. Já disse que não quero nada. Não me venham com conclusões! A única conclusão é morrer. Não me tragam estéticas!
  • 7. Não me falem em moral! Tirem-me daqui a metafísica! Não me apregoem sistemas completos, não me enfileirem conquistas Das ciências (das ciências, Deus meu, das ciências!) – Das ciências, das artes, da civilização moderna! Que mal fiz eu aos deuses todos? Se têm a verdade, guardem-na! Sou um técnico, mas tenho técnica só dentro da técnica. Fora disso sou doido, com todo o direito a sê-lo. Com todo direito a sê-lo, ouviram? Não me macem, por amor de Deus! (...)” Álvaro de Campos Veja agora a imagem de Fernando Pessoa “ele mesmo”: Ilustração de Almada Negreiros Fernando Pessoa foi um dos escritores mais complexos da literatura portuguesa. Começou a se destacar como escritor a partir de seus inúmeros artigos publicados sobre as novas tendências modernistas em Portugal. Mas foi graças a criação de seus heterônimos que ganhou notoriedade mundial.
  • 8. A produção ortônima de Fernando Pessoa apresenta características bem diferentes das encontradas em seus heterônimos. Fernando Pessoa “ele-mesmo” expressa um profundo sentimento nacionalista e um apego à tradição portuguesa. Sua produção literária é comumente dividida em: lírica e épica. O livro Mensagem é um exemplo da sua obra épica. Nele Fernando Pessoa, numa clara aproximação com Camões, vai falar dos grandes feitos portugueses, dos reis e da época das grandes navegações. Veja um exemplo de sua obra lírica, através de um de seus poemas mais conhecidos: Autopsicografia O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. E os que lêem o que escreve, Na lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só a que eles não têm. E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razão, Esse comboio de corda Que se chama o coração. Fernando Pessoa Outra figura importante do Modernismo português é Mário de Sá- Carneiro, que como vimos, também fez parte do grupo de escritores responsáveis pela publicação da Revista Orpheu em 1915. Ele era o responsável pela parte financeira da revista, tanto que após o seu suicídio, em 1916, com apenas 26 anos, e revista não circulou mais. Seus textos são marcados por um forte sentimento de inadaptação ao mundo e por muito subjetivismo. Mário de Sá-Carneiro buscou compreender o porquê de sua existência, mas não o encontrou, acabando se perdendo nele mesmo.
  • 9. Veja o seu texto mais famoso: Dispersão “Perdi-me dentro de mim Porque eu era labirinto, E hoje, quando me sinto, É com saudades de mim. (...) Não sinto o espaço que encerro Nem as linhas que projeto: Se me olho a um espelho, erro – Não me acho no que projeto. Regresso dentro de mim Mas nada me fala, nada! Tenho a alma amortalhada, Sequinha, dentro de mim. (...) Eu tenho pena de mim, Pobre menino ideal... Que me faltou afinal? Um elo? Um rastro?... Ai de mim!... (...) Perdi a morte e a vida, E, louco, não enlouqueço... A hora foge vivida Eu sigo-a, mas permaneço...” Mário de Sá-Carneiro II – EXERCÍCIOS 1) (UM–SP) Assinale a alternativa correta a respeito das três afirmações abaixo.
  • 10. I – Os heterônimos de Fernando Pessoa nascem de um múltiplo desdobramento de sua personalidade. II – Alberto Caeiro é o poeta que se volta para o campo, procurando viver em simplicidade. III – Ricardo Reis é um poeta moderno, que do desespero extrai a própria razão de ser. a) Apenas a I e a II estão corretas. b) Todas estão corretas. c) Apenas a I e a II estão corretas. d) Nenhuma está correta. e) Apenas a II e a III estão corretas. R: a 2) (FUVEST) I. “O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente”. II. “Sonho que sou um cavaleiro andante Por desertos, pois sóis, por noite escura, Paladino do amor, busco anelante O palácio encantado da Ventura!” As estrofes acima são, respectivamente, dos poetas: a) Fernando Pessoa e Barbosa du Bocage b) Cesário Verde e Luís de Camões c) Guerra Junqueiro e Antero de Quental d) Sá-Carneiro e Luís de Camões e) Fernando Pessoa e Antero de Quental R: e 3) (VUNESP) O texto a seguir pode ser tomado como exemplo ilustrativo do estilo de um dos heterônimos de Fernando Pessoa: “Negue-me tudo a sorte, menos vê-la, Que eu, stóico sem dureza, Na sentença gravada do Destino Quero gozar as letras”. O heterônimo em questão é:
  • 11. a) Alberto Caeiro b) Ricardo Reis c) Bernardo Soares d) Álvaro de Campos e) Antônio Mora R: b 4) (UM–SP) A respeito de Fernando Pessoa, é incorreto afirmar que: a) não só assimilou o passado lírico de seu povo, como refletiu em si as grandes inquietações humanas do começo do século. b) os heterônimos são meios de conhecer a complexidade cósmica impossível para uma só pessoa. c) Ricardo Reis simboliza uma forma humanística de ver o mundo através do espírito da Antigüidade Clássica. d) junto com Mário de Sá-Carneiro, dirige a publicação do segundo número do Orpheu, em 1916. e) a “Tabacaria”, de Alberto Caeiro, mostra seu desejo de deixar o grande centro em busca da simplicidade do campo. R: e