Literatura Portuguesa – PIL Uma Casa na Escuridão
<ul><li>Nasceu em 1974 em Galveias, concelho de Ponte de Sor. Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, foi professor ...
<ul><li>Foram estes dois livros que, já traduzidos e publicados em quatro línguas e em negociação para várias outras, lhe ...
<ul><li>Editora:  Temas e Debates </li></ul><ul><li>Autor: José Luís Peixoto </li></ul><ul><li>Título:  Uma Casa na Escuri...
<ul><li>A casa vive um mês por ano na escuridão.  </li></ul><ul><li>O escritor está fechado na casa, no seu mundo. </li></...
<ul><li>O mundo fora da casa é um país que vive na impassibilidade das regras estabelecidas, arrastado pela inércia, depur...
<ul><li>Amputado na sua capacidade de escrever, sonhar e amar, o escritor é salvo da morte em vida apenas pela força amoro...
<ul><li>Escritor; </li></ul><ul><li>Mãe do escritor; </li></ul><ul><li>Escrava; </li></ul><ul><li>Príncipe de calicatri; <...
<ul><li>Pág.25 – “ O amor é o sangue do sol dentro do sol. A inocência repetida mil vezes na vontade sincera de desejar qu...
<ul><li>Pág.74 – “As nossas sombras caminhavam entre sombras. (…) Chegámos à sepultura dela. A partir daí, não foi preciso...
<ul><li>Pág.175 – “Num desses dias, no instante em que o lugar do meu braço começou a tremer, levantei a voz para pedir ao...
<ul><li>Em simultâneo com  Uma casa na Escuridão,  José Luís Peixoto publica  A Casa, a Escuridão,  livro de poemas que re...
<ul><li>Este livro tanto pode ser para quem precisa de uma coisa nova, revolucionária ou mesmo para quem se quer apenas de...
<ul><li>Uma Casa na Escuridão , José Luís Peixoto,  Temas e Debates, 2002 </li></ul><ul><li>http://images.portoeditora.pt/...
<ul><li>Neuza Candeias </li></ul><ul><li>Nº12 </li></ul><ul><li>10ºD </li></ul>
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Uma Casa na Escuridão

2.969 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.969
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
42
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Uma Casa na Escuridão

  1. 1. Literatura Portuguesa – PIL Uma Casa na Escuridão
  2. 2. <ul><li>Nasceu em 1974 em Galveias, concelho de Ponte de Sor. Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, foi professor do ensino secundário e é colaborador regular de vários jornais e revistas como o Diário de Notícias e o Jornal das Letras , entre outros. Em 2000, publicou a ficção Morreste-me e, logo a seguir, o romance Nenhum Olha r, que fez agitar o panorama literário português e foi finalista dos prémios da APE e do PEN Clube, acabando por ganhar o Prémio José Saramago. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Foram estes dois livros que, já traduzidos e publicados em quatro línguas e em negociação para várias outras, lhe garantiram o lugar que hoje ocupa como um dos jovens romancistas de maior destaque na Europa. </li></ul><ul><li>O livro de poesia A Criança em Ruínas , lançado em 2001 e com edições sucessivas, constitui um novo êxito de publicação e de crítica. </li></ul><ul><li>Tendo representado Portugal em diversos eventos literários internacionais (Paris, Madrid, Frankfurt, Zagreb, entre outros), foi em 2002 o primeiro autor português a ser convidado para a residência de escritores Ledig House em Nova Iorque, encontrando-se já a preparar o seu terceiro romance. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Editora: Temas e Debates </li></ul><ul><li>Autor: José Luís Peixoto </li></ul><ul><li>Título: Uma Casa na Escuridão </li></ul><ul><li>Nº de páginas: 251 </li></ul><ul><li>Edição: 1ª edição – Outubro de 2002 </li></ul><ul><li>Categoria: romance </li></ul><ul><li>Ilustração da capa: Gaspar Friedrich, Friedhofseingang , 1826 </li></ul>
  5. 5. <ul><li>A casa vive um mês por ano na escuridão. </li></ul><ul><li>O escritor está fechado na casa, no seu mundo. </li></ul><ul><li>A escrita e a mulher amada brotam de um único lugar onírico, luminoso. Na casa vivem também uma mãe embrutecida pela dor, uma escrava silenciosa, uma multidão de gatos que se apropria do espaço e dos humanos que a habitam. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>O mundo fora da casa é um país que vive na impassibilidade das regras estabelecidas, arrastado pela inércia, depurado pelas prisões, embalado pela leitura. Mas eis que chegam os invasores e, com eles, a escuridão absurda da barbárie que aquela civilização já não sabe como encarar nem combater. A casa transforma-se então num asilo de seres mutilados, violados, brutalizados quotidianamente. Mas é também, ainda, um jardim: o jardim de infância dos filhos dos invasores. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Amputado na sua capacidade de escrever, sonhar e amar, o escritor é salvo da morte em vida apenas pela força amorosa das crianças, transportado para o absoluto pelo manto unificador da podridão que se abate sobre todos os humanos, invasores e invadidos. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Escritor; </li></ul><ul><li>Mãe do escritor; </li></ul><ul><li>Escrava; </li></ul><ul><li>Príncipe de calicatri; </li></ul><ul><li>Violinista; </li></ul><ul><li>Visconde de dedodida; </li></ul><ul><li>Ninguém; </li></ul><ul><li>Gatos. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Pág.25 – “ O amor é o sangue do sol dentro do sol. A inocência repetida mil vezes na vontade sincera de desejar que o céu compreenda. Levantam-se tempestades frágeis e delicadas na respiração vegetal do amor. Como uma planta a crescer da terra. (…) O amor é feito de tantas coisas opostas e verdadeiras. Nascem lugares para o amor e, nesses jardins etéreos, a salvação é uma brisa que cai sobre o rosto suavemente.” </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Pág.74 – “As nossas sombras caminhavam entre sombras. (…) Chegámos à sepultura dela. A partir daí, não foi preciso explicar nada ao senhor violonista para que ele percebesse. (…) O céu não tinha estrelas. O céu era toda a escuridão do cemitério, dos nossos olhares e de toda a escuridão que desenterrávamos do interior da terra. A minha força era do tamanho da minha esperança.” </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Pág.175 – “Num desses dias, no instante em que o lugar do meu braço começou a tremer, levantei a voz para pedir ao príncipe de calicatri que me levasse ao quarto. Encostou o guiador da bicicleta ao muro do jardim, atravessou o pátio, subiu as escadas e levantou-me de encontro ao seu peito. (…) Deixou-me no quarto, e os seus passos nas escadas de madeira.” </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Em simultâneo com Uma casa na Escuridão, José Luís Peixoto publica A Casa, a Escuridão, livro de poemas que relacionado com o universo e personagens deste romance. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Este livro tanto pode ser para quem precisa de uma coisa nova, revolucionária ou mesmo para quem se quer apenas debruçar sobre um livro realmente bom. </li></ul><ul><li>Este livro transporta-nos para lá da nossa imaginação, com uma imensidão de detalhes, conseguindo fazer com que “assistíssemos” igualmente a esses momentos ou cenas que de outra maneira não era possível visualizar tão detalhadamente. </li></ul><ul><li>Aconselho este livro! </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Uma Casa na Escuridão , José Luís Peixoto, Temas e Debates, 2002 </li></ul><ul><li>http://images.portoeditora.pt/getresourcesservlet/image?EBbDj3QnkSUjgBOkfaUbsI8xBp%2F033q5Xpv56y8baM6YPPVQL6pOEoh2ENLPghaF&width=150 </li></ul><ul><li>http://letrasebaquetas.wordpress.com/2008/12/22/letrado-da-semana-jose-luis-peixoto/&usg=__yDCNV2KT6D-socJVT3iPzzHAoxY=&h=639&w=440&sz=162&hl=pt-PT&start=1&tbnid=ShqSX4Gne-UjBM:&tbnh=137&tbnw=94&prev=/images%3Fq%3Djos%25C3%25A9%2Bluis%2Bpeixoto%26gbv%3D2%26hl%3Dpt-PT </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Neuza Candeias </li></ul><ul><li>Nº12 </li></ul><ul><li>10ºD </li></ul>

×