SlideShare uma empresa Scribd logo
Manual: 8CienTic- Porto Editora
E3 E4
14 de Novembro de 2014
Professor Estagiário: Filipe Marinho
Turma: 8º D
Fatores Abióticos
1ª Parte
E3
E3
Pág. 60
Fig. 2.19
1ª Parte
As espécies com grande
afinidade para a água
denominam-se hidrófilas;
E3
As espécies xerófilas adaptaram-
se a ambientes com reduzida e
irregular disponibilidade de água.
Afinidade para a água
hidrófilas higrófilas mesófilas xerófilas
1ª Parte
E3E3
1ª Parte
Adaptações dos animais – A concentração de sais na água ou
salinidade é um fator determinante da presença de organismos
vivos nos ambientes aquáticos.
Revestimentos impermeáveis, hábitos noturnos ou perdas
mínimas de água através da urina e das fezes, são adaptações
frequentes em animais sujeitos a climas desérticos.
Adaptações dos animais
E3E3
1ª ParteAdaptações dos animais
Escaravelho-negro da Namíbia (Onymacris unguicularis)
E3E3 Adaptações dos animais
O dromedário pode viajar pelo
deserto escaldante durante oito dias
sem beber nem comer.
Obtém da gordura armazenada na
sua bossa a água de que necessita
para sobreviver.
Quando a água e a comida
estão disponíveis, recupera o
seu peso em dois ou três dias
e consegue beber, de uma só
vez, 150 litros de água.
1ª Parte
E3E3
Adaptações das plantas – Nos ambientes secos, as plantas
podem apresentar caules carnudos, que armazenam água,
folhas reduzidas a espinhos, que evitam perdas por transpiração,
e raízes extensas e pouco profundas, que permitem captar água
numa grande área superficial.
Adaptações das plantas 1ª Parte
E3E3
As folhas são revestidas
por uma camada serosa,
que impermeabiliza e
impede perdas
excessivas de água.
Cardo-marítimo
Tem folhas enroladas
para perder menos água
por evaporação
Polígono-da-praia
Tem folhas finas
para perder menos
água por evaporação
Madorneira
Tem as folhas carnudas
para armazenar água.
Funcho-marítimo
Folhas revestidas por pilosidades
para evitar perdas de água e
proteger do sol.
Luzerna-das-praias
Algumas adaptações das plantas das dunas à falta de água
Adaptações das plantas 1ª Parte
E3E3 Adaptações das plantas 1ª Parte
Nos catos
No cato, as raízes permitem absorver rapidamente, sempre que
chove, uma grande quantidade de água, pois espalham-se por uma
grande área de terreno.
E3E3 Adaptações das plantas 1ª Parte
Nos catos
E3E3
1ª Parte
Mapa de conceitos
Exercício
Tempo: 10 minutos
E3 Mapa de conceitos 1ª Parte
Água
Animais Plantas
Revestimentos
impermeáveis
Estivação Hábitos
Noturnos
Perdas Mínimas
de água na urina
e nas fezes
Caules carnudos Folhas Reduzidas Cutículas Raízes
Desenvolvidas
Espécies Xerófitas
Espécies Higrófilas
Espécies Mesófilas
Espécies Hidrófilas
Fatores Abióticos
2ª Parte
E4
E3E4
2ª Parte
Provém do
Sol
Fonte de
energia
primária para
os
ecossistemas
Intensidade e
duração
condicionam a
fotossíntese das
plantas e o
comportamento
dos animais.
E3E4
2ª Parte
Como são os animais influenciados pela luz?
Animais lucífilos: são atraídos pela luz.
Animais lucífugos: não suportam a luz.
E3E4
2ª Parte
A quantidade e distribuição
dos seres vivos no ambiente é
muito condicionada pela
quantidade de luz e pela
consequente disponibilidade de
alimento, como sucede nos
oceanos.
Fitoplâncton
Cavala
Alforreca
Tubarão
Lula
Peixe-lanterna
Zooplâncton
E3E4
2ª Parte
Fotoperíodo – A variação da duração do dia estimula,
frequentemente, os seres vivos a alterar os seus
comportamentos. O período de luz em cada 24 horas denomina-
se fotoperíodo.
E3E4
2ª ParteAdaptações dos animais- COMPORTAMENTAIS
O fotoperíodo condiciona a atividade de muitos animais que
apresentam, assim, hábitos diurnos, ou hábitos noturnos.
Alguns animais, de hábitos crepusculares, preferem o final do
dia para aumentarem a sua atividade.
E3E4 Adaptações dos animais- COMPORTAMENTAIS 2ª Parte
No inverno, os dias mais curtos funcionam como um mecanismo
de disparo que alerta os animais para o início das suas
migrações ou os prepara para a hibernação.
Na primavera, com o fotoperíodo a aumentar, muitos animais
iniciam os seus rituais de acasalamento e a sua reprodução para
garantir a existência de alimento para a sua prole.
Adaptações dos animais- físicas 2ª Parte
A exposição de alguns animais à luz induz a produção de
melaninas, pigmentos produzidos pela epiderme e que são
responsáveis pelo escurecimento da pele e pelagem dos
mamíferos ou da plumagem das aves.
E4
Adaptações dos animais 2ª Parte
Alguns organismos, como os pirilampos, conseguem produzir e
emitir luz, um fenómeno denominado bioluminescência.
E4
Adaptações dos animais 2ª Parte
E4
Medusa das profundezas
(Atolla sp)
Peixe-pescador
(Lophius piscatorius)
Dragonfish
peixe da família Stomiidae
Lula de rabo-cortado
(Euprymna scolopes)
E3E3 Adaptações das plantas 2ª Parte
Adaptações das plantas – A luz é indispensável à realização da
fotossíntese pelas plantas e outros seres fotossintéticos.
Qual a importância da luz nas plantas?
E4
E3E3 Adaptações das plantas 2ª Parte
O fotoperíodo também determina, em certas espécies, a altura da
floração, do crescimento, da maturação dos frutos e da
germinação das sementes.
Noite
Noite
Dia
Dia
Trevo Crisântemo
Trevo Crisântemo
E4
E3E3 Adaptações das plantas 2ª Parte
Como procuram as plantas maximizar a luz captada?
• Maior
desenvolvimento
foliar;
• Fototropismo
(movimento de
orientação em relação
à luz)
E4
E3E3 Adaptações das plantas 2ª Parte
E4
Plantas heliófilas: precisam
da luz direta e intensa do Sol
Plantas umbrófilas: vivem em
locais sombrios.
De acordo com a tolerância à luz as plantas podem classificar-
se como:
Adaptações das plantas 2ª Parte
Como é que a luz influencia a distribuição das plantas
nos ecossistemas?
• Nos ecossistemas
florestais é normal
verificar uma
distribuição das
plantas por estratos.
Estrato
arbóreo
Estrato
arbustivo
Estrato herbáceo
E4
Adaptações das plantas 2ª Parte
Exercício
Tempo: 10 minutos
E4
podem ser
_______
ou
_______
_______
ou
_______
Mapa de Conceitos
2ª Parte
Luz
Animais
Plantas
Migração
Cor de
pelagem
variável
Hibernação
Hábitos
diurnos ou
noturnos
Ciclos de reprodução
ajustados Floração Fotossíntese Maturação
dos frutos
Distribuição Germinação
das sementes
E4
Lucífilos
ou
Lucífugos
Heliófilas
ou
Umbrófilas
Podem ser
E3 E4 Sugestão de Sumário
Lição 31e 32 14-11-2014
Sumário
- Influência da água e da luz nos seres vivos.
-Adaptações dos seres vivos aos fatores abióticos em estudo.
-Resolução de exercícios.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuaçãoFatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuação
Luís Filipe Marinho
 
Resumos 8 ano
Resumos 8 anoResumos 8 ano
Resumos 8 ano
Franc Knap Junior
 
II - FATORES ABIÓTICOS I
II - FATORES ABIÓTICOS III - FATORES ABIÓTICOS I
II - FATORES ABIÓTICOS I
sandranascimento
 
G5 influência da luz no comportamento dos animais apresentação
G5 influência da luz no comportamento dos animais   apresentaçãoG5 influência da luz no comportamento dos animais   apresentação
G5 influência da luz no comportamento dos animais apresentação
sepb
 
Fatores abioticos
Fatores abioticosFatores abioticos
Fatores abioticos
Patrícia Silva
 
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
Margarida Cardoso
 
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
Ana Castro
 
Influência da Luz
Influência da LuzInfluência da Luz
Dinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasDinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos Ecossistemas
Gabriela Bruno
 
Poluição da Água
Poluição da ÁguaPoluição da Água
Poluição da Água
Petedanis
 
Resumos de ciências - 8.º Ano
Resumos de ciências - 8.º AnoResumos de ciências - 8.º Ano
Resumos de ciências - 8.º Ano
Ana Beatriz Gonçalves
 
Factores Bióticos....
Factores Bióticos....Factores Bióticos....
Factores Bióticos....
Gabriela Bruno
 
1 a terra e os subsistemas terrestres
1   a terra e os subsistemas terrestres1   a terra e os subsistemas terrestres
1 a terra e os subsistemas terrestres
margaridabt
 
8ºano cadeias e teias alimentares
8ºano cadeias e teias alimentares8ºano cadeias e teias alimentares
8ºano cadeias e teias alimentares
Maria Rocha R
 
Paisagens geológicas
Paisagens geológicasPaisagens geológicas
Paisagens geológicas
Catir
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
colegiomb
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
Sónia Vieira
 
Relatório experimental modelo
Relatório experimental modeloRelatório experimental modelo
Relatório experimental modelo
Angela Boucinha
 
fósseis - 7º ano
fósseis - 7º anofósseis - 7º ano
fósseis - 7º ano
olgacacao
 
Factores abióticos
Factores abióticosFactores abióticos
Factores abióticos
Tânia Reis
 

Mais procurados (20)

Fatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuaçãoFatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuação
 
Resumos 8 ano
Resumos 8 anoResumos 8 ano
Resumos 8 ano
 
II - FATORES ABIÓTICOS I
II - FATORES ABIÓTICOS III - FATORES ABIÓTICOS I
II - FATORES ABIÓTICOS I
 
G5 influência da luz no comportamento dos animais apresentação
G5 influência da luz no comportamento dos animais   apresentaçãoG5 influência da luz no comportamento dos animais   apresentação
G5 influência da luz no comportamento dos animais apresentação
 
Fatores abioticos
Fatores abioticosFatores abioticos
Fatores abioticos
 
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
 
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
 
Influência da Luz
Influência da LuzInfluência da Luz
Influência da Luz
 
Dinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasDinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos Ecossistemas
 
Poluição da Água
Poluição da ÁguaPoluição da Água
Poluição da Água
 
Resumos de ciências - 8.º Ano
Resumos de ciências - 8.º AnoResumos de ciências - 8.º Ano
Resumos de ciências - 8.º Ano
 
Factores Bióticos....
Factores Bióticos....Factores Bióticos....
Factores Bióticos....
 
1 a terra e os subsistemas terrestres
1   a terra e os subsistemas terrestres1   a terra e os subsistemas terrestres
1 a terra e os subsistemas terrestres
 
8ºano cadeias e teias alimentares
8ºano cadeias e teias alimentares8ºano cadeias e teias alimentares
8ºano cadeias e teias alimentares
 
Paisagens geológicas
Paisagens geológicasPaisagens geológicas
Paisagens geológicas
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
 
Relatório experimental modelo
Relatório experimental modeloRelatório experimental modelo
Relatório experimental modelo
 
fósseis - 7º ano
fósseis - 7º anofósseis - 7º ano
fósseis - 7º ano
 
Factores abióticos
Factores abióticosFactores abióticos
Factores abióticos
 

Destaque

Influência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosInfluência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores Abióticos
Clara Abegão
 
00 factores abióticos_temperatura_tc_20102011
00 factores abióticos_temperatura_tc_2010201100 factores abióticos_temperatura_tc_20102011
00 factores abióticos_temperatura_tc_20102011
Teresa Monteiro
 
Caverna em risco
Caverna em riscoCaverna em risco
Caverna em risco
Fabio Magalhães
 
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039
Ana Reis
 
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_2010201103 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
Teresa Monteiro
 
Fator abiótico luz (animais e plantas)
Fator abiótico luz (animais e plantas)Fator abiótico luz (animais e plantas)
Fator abiótico luz (animais e plantas)
biogeopoetaalberto
 
Evolução biológica
Evolução biológicaEvolução biológica
Evolução biológica
Geverson Teixeira
 
Dinâmica dos ecossistemas - relações bióticas
Dinâmica dos ecossistemas - relações bióticas Dinâmica dos ecossistemas - relações bióticas
Dinâmica dos ecossistemas - relações bióticas
anaguerragarcia
 
Bilhete de identidade dos animais
Bilhete de identidade dos animaisBilhete de identidade dos animais
Bilhete de identidade dos animais
castrohelena
 
Influência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animal
Influência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animalInfluência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animal
Influência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animal
MariaJoão Agualuza
 
InfluêNcia Dos Factores Do Meio Nas Plantas
InfluêNcia Dos Factores Do Meio Nas PlantasInfluêNcia Dos Factores Do Meio Nas Plantas
InfluêNcia Dos Factores Do Meio Nas Plantas
Tânia Reis
 
Bioticos e abioticos: Interações.
Bioticos e abioticos: Interações.Bioticos e abioticos: Interações.
Bioticos e abioticos: Interações.
Mauricio De Oliveira Silva
 
5º - Tema I ambiente natural
5º - Tema I   ambiente natural5º - Tema I   ambiente natural
5º - Tema I ambiente natural
liedson
 
Biosfera e factores abióticos
Biosfera e factores abióticosBiosfera e factores abióticos
Biosfera e factores abióticos
Cristina Vitória
 
Influência dos fatores do meio no comportamento dos animais
Influência dos fatores do meio no comportamento dos animaisInfluência dos fatores do meio no comportamento dos animais
Influência dos fatores do meio no comportamento dos animais
MariaJoão Agualuza
 
Flor
FlorFlor
InfluêNcia Do Meio Nos Animais
InfluêNcia Do Meio Nos AnimaisInfluêNcia Do Meio Nos Animais
InfluêNcia Do Meio Nos Animais
Tânia Reis
 
Microscópio
MicroscópioMicroscópio
Microscópio
marcommendes
 
A raiz
A raizA raiz
A raiz
marcommendes
 
InfluêNcia Dos Factores Do Meio Nas Plantas
InfluêNcia Dos Factores Do Meio Nas PlantasInfluêNcia Dos Factores Do Meio Nas Plantas
InfluêNcia Dos Factores Do Meio Nas Plantas
visiense
 

Destaque (20)

Influência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosInfluência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores Abióticos
 
00 factores abióticos_temperatura_tc_20102011
00 factores abióticos_temperatura_tc_2010201100 factores abióticos_temperatura_tc_20102011
00 factores abióticos_temperatura_tc_20102011
 
Caverna em risco
Caverna em riscoCaverna em risco
Caverna em risco
 
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039
 
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_2010201103 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
 
Fator abiótico luz (animais e plantas)
Fator abiótico luz (animais e plantas)Fator abiótico luz (animais e plantas)
Fator abiótico luz (animais e plantas)
 
Evolução biológica
Evolução biológicaEvolução biológica
Evolução biológica
 
Dinâmica dos ecossistemas - relações bióticas
Dinâmica dos ecossistemas - relações bióticas Dinâmica dos ecossistemas - relações bióticas
Dinâmica dos ecossistemas - relações bióticas
 
Bilhete de identidade dos animais
Bilhete de identidade dos animaisBilhete de identidade dos animais
Bilhete de identidade dos animais
 
Influência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animal
Influência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animalInfluência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animal
Influência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animal
 
InfluêNcia Dos Factores Do Meio Nas Plantas
InfluêNcia Dos Factores Do Meio Nas PlantasInfluêNcia Dos Factores Do Meio Nas Plantas
InfluêNcia Dos Factores Do Meio Nas Plantas
 
Bioticos e abioticos: Interações.
Bioticos e abioticos: Interações.Bioticos e abioticos: Interações.
Bioticos e abioticos: Interações.
 
5º - Tema I ambiente natural
5º - Tema I   ambiente natural5º - Tema I   ambiente natural
5º - Tema I ambiente natural
 
Biosfera e factores abióticos
Biosfera e factores abióticosBiosfera e factores abióticos
Biosfera e factores abióticos
 
Influência dos fatores do meio no comportamento dos animais
Influência dos fatores do meio no comportamento dos animaisInfluência dos fatores do meio no comportamento dos animais
Influência dos fatores do meio no comportamento dos animais
 
Flor
FlorFlor
Flor
 
InfluêNcia Do Meio Nos Animais
InfluêNcia Do Meio Nos AnimaisInfluêNcia Do Meio Nos Animais
InfluêNcia Do Meio Nos Animais
 
Microscópio
MicroscópioMicroscópio
Microscópio
 
A raiz
A raizA raiz
A raiz
 
InfluêNcia Dos Factores Do Meio Nas Plantas
InfluêNcia Dos Factores Do Meio Nas PlantasInfluêNcia Dos Factores Do Meio Nas Plantas
InfluêNcia Dos Factores Do Meio Nas Plantas
 

Semelhante a Fatores abióticos - água e luz

8º ano 5.2
8º ano 5.2 8º ano 5.2
8º ano 5.2
Nuno Coelho
 
ae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptx
ae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptxae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptx
ae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptx
mariagrave
 
04.fatores abióticos
04.fatores abióticos04.fatores abióticos
04.fatores abióticos
ruiricardobg
 
Influencia Factores Do Meio
Influencia Factores Do MeioInfluencia Factores Do Meio
Influencia Factores Do Meio
Rute Guilherme
 
Ambiente terrestre
Ambiente terrestre Ambiente terrestre
Ambiente terrestre
Alpha Colégio e Vestibulares
 
391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptx391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptx
mariagrave
 
Relacoes abioticas
Relacoes abioticasRelacoes abioticas
Relacoes abioticas
Flavio Mendes
 
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8anoDinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8ano
Jean Dos Santos Souza
 
Sarcopterygii: Conquista do meio terrestre amphibia
Sarcopterygii: Conquista do meio terrestre amphibiaSarcopterygii: Conquista do meio terrestre amphibia
Sarcopterygii: Conquista do meio terrestre amphibia
Guellity Marcel
 
Fatores_abioticos.pptx
Fatores_abioticos.pptxFatores_abioticos.pptx
Fatores_abioticos.pptx
Bruno Miguel Bordalo Lourenço
 
Factores AbióTicos
Factores AbióTicosFactores AbióTicos
Factores AbióTicos
catiacsantos
 
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteisAula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Andre Luiz Nascimento
 
Tubaraozoo
TubaraozooTubaraozoo
Especilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptxEspecilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptx
IsmaelMarinho4
 
Trabalho de mamiferos
Trabalho de mamiferosTrabalho de mamiferos
Trabalho de mamiferos
DANY VIEIRA
 
25308997 1201271912-cia-fact-meio
25308997 1201271912-cia-fact-meio25308997 1201271912-cia-fact-meio
25308997 1201271912-cia-fact-meio
Pelo Siro
 
1201271912 influencia fact_meio
1201271912 influencia fact_meio1201271912 influencia fact_meio
1201271912 influencia fact_meio
Pelo Siro
 
cadeia alimentar
cadeia alimentarcadeia alimentar
cadeia alimentar
guestd1c2e7
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
Carla Martins
 
Características da minhoca Epígea Eisenia foetida - Benefícios, característic...
Características da minhoca Epígea Eisenia foetida - Benefícios, característic...Características da minhoca Epígea Eisenia foetida - Benefícios, característic...
Características da minhoca Epígea Eisenia foetida - Benefícios, característic...
Futuramb
 

Semelhante a Fatores abióticos - água e luz (20)

8º ano 5.2
8º ano 5.2 8º ano 5.2
8º ano 5.2
 
ae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptx
ae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptxae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptx
ae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptx
 
04.fatores abióticos
04.fatores abióticos04.fatores abióticos
04.fatores abióticos
 
Influencia Factores Do Meio
Influencia Factores Do MeioInfluencia Factores Do Meio
Influencia Factores Do Meio
 
Ambiente terrestre
Ambiente terrestre Ambiente terrestre
Ambiente terrestre
 
391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptx391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptx
 
Relacoes abioticas
Relacoes abioticasRelacoes abioticas
Relacoes abioticas
 
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8anoDinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8ano
 
Sarcopterygii: Conquista do meio terrestre amphibia
Sarcopterygii: Conquista do meio terrestre amphibiaSarcopterygii: Conquista do meio terrestre amphibia
Sarcopterygii: Conquista do meio terrestre amphibia
 
Fatores_abioticos.pptx
Fatores_abioticos.pptxFatores_abioticos.pptx
Fatores_abioticos.pptx
 
Factores AbióTicos
Factores AbióTicosFactores AbióTicos
Factores AbióTicos
 
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteisAula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
 
Tubaraozoo
TubaraozooTubaraozoo
Tubaraozoo
 
Especilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptxEspecilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptx
 
Trabalho de mamiferos
Trabalho de mamiferosTrabalho de mamiferos
Trabalho de mamiferos
 
25308997 1201271912-cia-fact-meio
25308997 1201271912-cia-fact-meio25308997 1201271912-cia-fact-meio
25308997 1201271912-cia-fact-meio
 
1201271912 influencia fact_meio
1201271912 influencia fact_meio1201271912 influencia fact_meio
1201271912 influencia fact_meio
 
cadeia alimentar
cadeia alimentarcadeia alimentar
cadeia alimentar
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
 
Características da minhoca Epígea Eisenia foetida - Benefícios, característic...
Características da minhoca Epígea Eisenia foetida - Benefícios, característic...Características da minhoca Epígea Eisenia foetida - Benefícios, característic...
Características da minhoca Epígea Eisenia foetida - Benefícios, característic...
 

Mais de Luís Filipe Marinho

Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Obtenção de matéria pelos seres heterotróficosObtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Luís Filipe Marinho
 
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Luís Filipe Marinho
 
Ingestão, digestão e absorção
Ingestão, digestão e absorçãoIngestão, digestão e absorção
Ingestão, digestão e absorção
Luís Filipe Marinho
 
Transportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambranaTransportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambrana
Luís Filipe Marinho
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celular
Luís Filipe Marinho
 
Ficha 1 membrana plasmasmática
Ficha 1   membrana plasmasmáticaFicha 1   membrana plasmasmática
Ficha 1 membrana plasmasmática
Luís Filipe Marinho
 
J2 serviço dos ecossistemas
J2   serviço dos ecossistemasJ2   serviço dos ecossistemas
J2 serviço dos ecossistemas
Luís Filipe Marinho
 
J1 gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
J1   gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentávelJ1   gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
J1 gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
Luís Filipe Marinho
 
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terraI2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
Luís Filipe Marinho
 
I1 sucessões ecológicas
I1   sucessões ecológicasI1   sucessões ecológicas
I1 sucessões ecológicas
Luís Filipe Marinho
 
Protocolo do trabalho prático - fatores abióticos luz e água
Protocolo do trabalho prático -  fatores abióticos luz e águaProtocolo do trabalho prático -  fatores abióticos luz e água
Protocolo do trabalho prático - fatores abióticos luz e água
Luís Filipe Marinho
 
Ficha 5 medidas de minimização
Ficha 5   medidas de minimizaçãoFicha 5   medidas de minimização
Ficha 5 medidas de minimização
Luís Filipe Marinho
 
Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Aula 5  minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevençãoAula 5  minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Luís Filipe Marinho
 
Vulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placasVulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placas
Luís Filipe Marinho
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Ficha 3 tipo de erupções
Ficha 3  tipo de erupçõesFicha 3  tipo de erupções
Ficha 3 tipo de erupções
Luís Filipe Marinho
 
Aula 3 tipos de erupções vulcãnicas
Aula 3  tipos de erupções vulcãnicasAula 3  tipos de erupções vulcãnicas
Aula 3 tipos de erupções vulcãnicas
Luís Filipe Marinho
 
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologiaFicha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Luís Filipe Marinho
 
introdução ao vulcanismo
introdução ao vulcanismointrodução ao vulcanismo
introdução ao vulcanismo
Luís Filipe Marinho
 
Ficha de trabalho Vulcanismo nos Açores
Ficha de trabalho Vulcanismo nos AçoresFicha de trabalho Vulcanismo nos Açores
Ficha de trabalho Vulcanismo nos Açores
Luís Filipe Marinho
 

Mais de Luís Filipe Marinho (20)

Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Obtenção de matéria pelos seres heterotróficosObtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
 
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
 
Ingestão, digestão e absorção
Ingestão, digestão e absorçãoIngestão, digestão e absorção
Ingestão, digestão e absorção
 
Transportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambranaTransportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambrana
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celular
 
Ficha 1 membrana plasmasmática
Ficha 1   membrana plasmasmáticaFicha 1   membrana plasmasmática
Ficha 1 membrana plasmasmática
 
J2 serviço dos ecossistemas
J2   serviço dos ecossistemasJ2   serviço dos ecossistemas
J2 serviço dos ecossistemas
 
J1 gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
J1   gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentávelJ1   gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
J1 gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
 
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terraI2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
 
I1 sucessões ecológicas
I1   sucessões ecológicasI1   sucessões ecológicas
I1 sucessões ecológicas
 
Protocolo do trabalho prático - fatores abióticos luz e água
Protocolo do trabalho prático -  fatores abióticos luz e águaProtocolo do trabalho prático -  fatores abióticos luz e água
Protocolo do trabalho prático - fatores abióticos luz e água
 
Ficha 5 medidas de minimização
Ficha 5   medidas de minimizaçãoFicha 5   medidas de minimização
Ficha 5 medidas de minimização
 
Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Aula 5  minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevençãoAula 5  minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
 
Vulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placasVulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placas
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Ficha 3 tipo de erupções
Ficha 3  tipo de erupçõesFicha 3  tipo de erupções
Ficha 3 tipo de erupções
 
Aula 3 tipos de erupções vulcãnicas
Aula 3  tipos de erupções vulcãnicasAula 3  tipos de erupções vulcãnicas
Aula 3 tipos de erupções vulcãnicas
 
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologiaFicha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologia
 
introdução ao vulcanismo
introdução ao vulcanismointrodução ao vulcanismo
introdução ao vulcanismo
 
Ficha de trabalho Vulcanismo nos Açores
Ficha de trabalho Vulcanismo nos AçoresFicha de trabalho Vulcanismo nos Açores
Ficha de trabalho Vulcanismo nos Açores
 

Último

Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 

Último (20)

Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 

Fatores abióticos - água e luz

  • 1. Manual: 8CienTic- Porto Editora E3 E4 14 de Novembro de 2014 Professor Estagiário: Filipe Marinho Turma: 8º D
  • 4. As espécies com grande afinidade para a água denominam-se hidrófilas; E3 As espécies xerófilas adaptaram- se a ambientes com reduzida e irregular disponibilidade de água. Afinidade para a água hidrófilas higrófilas mesófilas xerófilas 1ª Parte
  • 5. E3E3 1ª Parte Adaptações dos animais – A concentração de sais na água ou salinidade é um fator determinante da presença de organismos vivos nos ambientes aquáticos. Revestimentos impermeáveis, hábitos noturnos ou perdas mínimas de água através da urina e das fezes, são adaptações frequentes em animais sujeitos a climas desérticos. Adaptações dos animais
  • 6. E3E3 1ª ParteAdaptações dos animais Escaravelho-negro da Namíbia (Onymacris unguicularis)
  • 7. E3E3 Adaptações dos animais O dromedário pode viajar pelo deserto escaldante durante oito dias sem beber nem comer. Obtém da gordura armazenada na sua bossa a água de que necessita para sobreviver. Quando a água e a comida estão disponíveis, recupera o seu peso em dois ou três dias e consegue beber, de uma só vez, 150 litros de água. 1ª Parte
  • 8. E3E3 Adaptações das plantas – Nos ambientes secos, as plantas podem apresentar caules carnudos, que armazenam água, folhas reduzidas a espinhos, que evitam perdas por transpiração, e raízes extensas e pouco profundas, que permitem captar água numa grande área superficial. Adaptações das plantas 1ª Parte
  • 9. E3E3 As folhas são revestidas por uma camada serosa, que impermeabiliza e impede perdas excessivas de água. Cardo-marítimo Tem folhas enroladas para perder menos água por evaporação Polígono-da-praia Tem folhas finas para perder menos água por evaporação Madorneira Tem as folhas carnudas para armazenar água. Funcho-marítimo Folhas revestidas por pilosidades para evitar perdas de água e proteger do sol. Luzerna-das-praias Algumas adaptações das plantas das dunas à falta de água Adaptações das plantas 1ª Parte
  • 10. E3E3 Adaptações das plantas 1ª Parte Nos catos No cato, as raízes permitem absorver rapidamente, sempre que chove, uma grande quantidade de água, pois espalham-se por uma grande área de terreno.
  • 11. E3E3 Adaptações das plantas 1ª Parte Nos catos
  • 12. E3E3 1ª Parte Mapa de conceitos Exercício Tempo: 10 minutos
  • 13. E3 Mapa de conceitos 1ª Parte Água Animais Plantas Revestimentos impermeáveis Estivação Hábitos Noturnos Perdas Mínimas de água na urina e nas fezes Caules carnudos Folhas Reduzidas Cutículas Raízes Desenvolvidas Espécies Xerófitas Espécies Higrófilas Espécies Mesófilas Espécies Hidrófilas
  • 15. E3E4 2ª Parte Provém do Sol Fonte de energia primária para os ecossistemas Intensidade e duração condicionam a fotossíntese das plantas e o comportamento dos animais.
  • 16. E3E4 2ª Parte Como são os animais influenciados pela luz? Animais lucífilos: são atraídos pela luz. Animais lucífugos: não suportam a luz.
  • 17. E3E4 2ª Parte A quantidade e distribuição dos seres vivos no ambiente é muito condicionada pela quantidade de luz e pela consequente disponibilidade de alimento, como sucede nos oceanos. Fitoplâncton Cavala Alforreca Tubarão Lula Peixe-lanterna Zooplâncton
  • 18. E3E4 2ª Parte Fotoperíodo – A variação da duração do dia estimula, frequentemente, os seres vivos a alterar os seus comportamentos. O período de luz em cada 24 horas denomina- se fotoperíodo.
  • 19. E3E4 2ª ParteAdaptações dos animais- COMPORTAMENTAIS O fotoperíodo condiciona a atividade de muitos animais que apresentam, assim, hábitos diurnos, ou hábitos noturnos. Alguns animais, de hábitos crepusculares, preferem o final do dia para aumentarem a sua atividade.
  • 20. E3E4 Adaptações dos animais- COMPORTAMENTAIS 2ª Parte No inverno, os dias mais curtos funcionam como um mecanismo de disparo que alerta os animais para o início das suas migrações ou os prepara para a hibernação. Na primavera, com o fotoperíodo a aumentar, muitos animais iniciam os seus rituais de acasalamento e a sua reprodução para garantir a existência de alimento para a sua prole.
  • 21. Adaptações dos animais- físicas 2ª Parte A exposição de alguns animais à luz induz a produção de melaninas, pigmentos produzidos pela epiderme e que são responsáveis pelo escurecimento da pele e pelagem dos mamíferos ou da plumagem das aves. E4
  • 22. Adaptações dos animais 2ª Parte Alguns organismos, como os pirilampos, conseguem produzir e emitir luz, um fenómeno denominado bioluminescência. E4
  • 23. Adaptações dos animais 2ª Parte E4 Medusa das profundezas (Atolla sp) Peixe-pescador (Lophius piscatorius) Dragonfish peixe da família Stomiidae Lula de rabo-cortado (Euprymna scolopes)
  • 24. E3E3 Adaptações das plantas 2ª Parte Adaptações das plantas – A luz é indispensável à realização da fotossíntese pelas plantas e outros seres fotossintéticos. Qual a importância da luz nas plantas? E4
  • 25. E3E3 Adaptações das plantas 2ª Parte O fotoperíodo também determina, em certas espécies, a altura da floração, do crescimento, da maturação dos frutos e da germinação das sementes. Noite Noite Dia Dia Trevo Crisântemo Trevo Crisântemo E4
  • 26. E3E3 Adaptações das plantas 2ª Parte Como procuram as plantas maximizar a luz captada? • Maior desenvolvimento foliar; • Fototropismo (movimento de orientação em relação à luz) E4
  • 27. E3E3 Adaptações das plantas 2ª Parte E4 Plantas heliófilas: precisam da luz direta e intensa do Sol Plantas umbrófilas: vivem em locais sombrios. De acordo com a tolerância à luz as plantas podem classificar- se como:
  • 28. Adaptações das plantas 2ª Parte Como é que a luz influencia a distribuição das plantas nos ecossistemas? • Nos ecossistemas florestais é normal verificar uma distribuição das plantas por estratos. Estrato arbóreo Estrato arbustivo Estrato herbáceo E4
  • 29. Adaptações das plantas 2ª Parte Exercício Tempo: 10 minutos E4 podem ser _______ ou _______ _______ ou _______
  • 30. Mapa de Conceitos 2ª Parte Luz Animais Plantas Migração Cor de pelagem variável Hibernação Hábitos diurnos ou noturnos Ciclos de reprodução ajustados Floração Fotossíntese Maturação dos frutos Distribuição Germinação das sementes E4 Lucífilos ou Lucífugos Heliófilas ou Umbrófilas Podem ser
  • 31. E3 E4 Sugestão de Sumário Lição 31e 32 14-11-2014 Sumário - Influência da água e da luz nos seres vivos. -Adaptações dos seres vivos aos fatores abióticos em estudo. -Resolução de exercícios.

Notas do Editor

  1. Apresentar-me. Num ecossistema, cada ser vivo é permanentemente sujeito às condições do meio – factores abióticos – e à acção dos outros seres vivos – factores bióticos. Estes factores influenciam o comportamento e a fisiologia dos organismos, o crescimento das populações e a sua distribuição geográfica. Os factores abióticos são, como já se disse, os factores do meio que influenciam os organismos. A temperatura, a luz, a humidade, a disponibilidade ou composição da água, as características físico-químicas do solo e o vento são alguns exemplos de factores abióticos. É difícil determinar a influência de cada dos factores abióticos isoladamente, uma vez que todos actuam conjuntamente. Vamos apenas analisar alguns.
  2. A água serve de habitat para muitos seres e é um dos principais constituintes dos organismos, sendo indispensável a todas as suas funções vitais. Por isso, os organismos terrestres têm de ser capazes de resolver dois problemas: a sua obtenção e a diminuição de possíveis perdas (através da respiração, transpiração e excreção). Apesar das necessidades variarem de espécie para espécie, todas as espécies precisam de água para a sua vida. As sementes das plantas, por exemplo necessitam de uma determinada quantidade de água para germinar, consoante a espécie. Se a quantidade de água for excessiva as sementes apodrecem, se for insuficiente não se iniciam os processos metabólicos da germinação.
  3. Acham que a água é importante? Cacto_ capacidade enorme de armazenar água Lagarto de chifres_ usa o seu revestimento impermeável para minimizar perdas e água por transpiração Rato-canguru_ não bebe, não transpira e produz urina muito escassa e muito concentrada para reduzir as necessidades de água. Tem hábitos noturnos.
  4. Apesar das necessidades variarem de espécie para espécie, todas as espécies precisam de água para a sua vida. As sementes das plantas, por exemplo necessitam de uma determinada quantidade de água para germinar, consoante a espécie. Se a quantidade de água for excessiva as sementes apodrecem, se for insuficiente não se iniciam os processos metabólicos da germinação. Não é de estranhar na parte terrestre que as regiões húmidas apresentem maior biodiversidade enquanto que nas zonas secas tenha menos. É mais fácil adaptar-se á presença de água do que á ausência. Logo a importância está vista
  5. Algumas estratégias comportamentais são extremamente eficazes no que toca à economia de água. Um bom exemplo são os hábitos nocturnos, como acontece com o rato-canguru. Outra forma de resistir à secura é a estivação (é o estado de latência com redução sensível no metabolismo e na temperatura corporal durante o verão) . Esta estratégia é utilizada, por exemplo, por algumas tartarugas e pelos caracóis. Outras são mais invulgares
  6. Outras são mais invulgares. Por exemplo, uma carocha-preta que existe no deserto da Namíbia, apresenta uma adaptação curiosa. Quando há nevoeiro, a carocha desloca-se até à crista de uma duna e põe-se de cabeça para baixo com as asas e as patas traseiras voltadas para a brisa. A água condensa e escorre pelo corpo inclinado do insecto até à sua boca.
  7. Alguns catos incham depois da chuva porque as suas pregas se enchem com água (A). Depois de alguns meses de seca, as pregas perdem a maior parte da água armazenada (B).
  8. A inclinação do eixo de rotação da Terra, no seu movimento de translação, dá origem à sucessão de estações do ano. Condicionando a quantidade de calor e de luz que atinge a superfície do planeta num dado local. Este dois fatores abióticos são os mais difíceis de dissociar, apesar de todos os serem. Como já sabes, os seres vivos têm de se adaptar a estas mudanças sazonais para poderem sobreviver.
  9. De onde vem a luz? Qual é a fonte de energia dos ecossistemas? Afeta os seres vivos?
  10. A luz exerce um efeito de atracão sobre muitos seres vivos que, assim, se movimentam na sua direção ou se afastam.
  11. Exemplo da coruja que caça de noite. Altera o seu comportamento devido á luz
  12. A---Lagópode-branco modifica os tons da sua plumagem em função da estação; o mesmo sucede com mamíferos; B--- Raposa-ártica, armindo, A redução do fotoperíodo, durante o inverno, está associada à diminuição da produção de pigmentos e aos tons mais claros do revestimento destes animais.
  13. Nesta imagem é possível observar uma representação de diferentes trajetórias e frequências de emissão de luz por diferentes espécies de pirilampos
  14. Peixe demónio---O peixe-pescador , Têm modificados os ossos da barbatana dorsal na forma de uma espécie de isca para capturar outros peixes e crustáceos -O dragonfish tem uma longa barbo anexado ao seu queixo. Este barbo é derrubado com um órgão produtor de luz conhecido como um fotóforo. O dragonfish usa esse órgão como uma isca de pesca, a piscar e desligar e acenando para trás e para frente. lula rabo cortado---camuflagem, onde animal emite uma luz que corresponde a luz ambiente em da superfície. Nestes animais, os fotorreceptores controlam a iluminação de acordo com a luminosidade do fundo.  
  15. Fotoperíodo: número de horas de luz durante o dia. Plantas de dia longo: florescem quando a duração da noite é curta. Plantas de dia curto: florescem quando a noite é longa.
  16. As plantas também fazem movimentos em direção à luz –fototropismo positivo – ou em direção contrária – fototropismo negativo. Heliófilas---girassol Umbrófilas--- feto e musgo
  17. As espécies que atingem as camadas (estratos) mais elevadas – árvores – conseguem captar mais luz solar direta. As espécies dos estratos mais baixos captam uma menor intensidade luminosa, estando adaptadas a condições de menor luminosidade.
  18. As espécies que atingem as camadas (estratos) mais elevadas – árvores – conseguem captar mais luz solar direta. As espécies dos estratos mais baixos captam uma menor intensidade luminosa, estando adaptadas a condições de menor luminosidade.
  19. As espécies que atingem as camadas (estratos) mais elevadas – árvores – conseguem captar mais luz solar direta. As espécies dos estratos mais baixos captam uma menor intensidade luminosa, estando adaptadas a condições de menor luminosidade.