SlideShare uma empresa Scribd logo
Minimização de riscos vulcânicos
Professor : Filipe Marinho
Turma: 10º D
Vila Real, 12 de Dezembro de 2014
-previsão e prevenção
O conjunto de fenómenos relacionados com a atividade vulcânica, sobretudo
com o vulcanismo primário, constitui um risco natural para as populações
humanas.
Muitas erupções vulcânicas são verdadeiramente catastróficas. Causando
avultados prejuízos e por vezes milhares de mortes.
A utilização de métodos de previsão e o estabelecimento de medidas de
prevenção relativamente à atividade vulcânica permitem diminuir de forma
significativa os seus riscos.
2
Escoadasde
lava
Projeçõesde
piroclastos
Libertaçãode
gases
Sismos
Vulcânicos
Tsunamis
Lahares
3
Erupçõeshistóricas
Projeção de piroclastos e gases
4
Erupçõeshistóricas
Torrentes de lava e gases
5
Erupçõeshistóricas
Tsunami
6
Erupçõeshistóricas
Tsunami
6
Erupçõeshistóricas
Nuvem Ardente
7
Erupçõeshistóricas
Lahares
8
Erupçõeshistóricas
Sismos, Cinzas e gases
9
À semelhança do que acontece com a maioria dos fenómenos naturais, não é
possível determinar com exatidão a ocorrência de uma erupção vulcânica.
No entanto, existem formas de estimar o comportamento futuro de um
vulcão, nomeadamente o conhecimento da sua atividade passada
Um passo importante é verificar se o vulcão está ativo, adormecido ou extinto
10
Entrou em atividade
recentemente ou
num período em
que tenha havido
um registo histórico
dessa erupção
Vulcão Ativo
Não há registo de
erupções e o vulcão
não apresenta sinais
de atividade, não
estando, contudo,
completamente
erodido.
Vulcão Adormecido
Não possuem a
forma típica de um
vulcão e se
apresentam muito
erodidos, não
havendo registo de
erupções.
Vulcão Extinto
11
Caso se trate de um vulcão ativo, é necessário fazer a
reconstituição da sua história eruptiva. Esta reconstituição
baseia-se em diversos aspetos, dos quais se destacam:
• O estudo da
origem, evolução e
constituição dos
fluidos magmáticos;
• A determinação das
fases e dos
mecanismos
eruptivos;
• A interpretação dos
depósitos de
produtos vulcânicos;
• A avaliação da
estrutura morfológica
do aparelho vulcânico
e da sua evolução.
12
A previsão de erupções vulcânicas baseia-se na identificação de
alguns acontecimentos que são considerados sinais precursores
como a deteção de anomalias físicas e químicas como por
exemplo:
A
A
B
C
C
D
D E
E
13
B
Realização de Mapas de risco com base na história eruptiva e na
observação do vulcão.
Ilha de Montserrat(UK) -http://www.mvo.ms/ 14
Realização de Mapas de risco com base na história eruptiva e na
observação do vulcão.
14
A previsão da atividade vulcânica
é o principal meio de prevenção,
pois permite a evacuação da
zona em risco.
No entanto, uma erupção
vulcânica pode ocorrer de forma
imprevisível, pelo que é essencial
informar e sensibilizar a
população relativamente aos
meios de prevenção a adotar em
cada situação.
15
Prevenção de riscos associados a erupções efusivas De forma
a evitar a destruição causada pelas escoadas de lava, deve
começar-se por identificar os pontos de emissão de lava de
modo a poder condicionar o seu avanço. Para tal, pode
proceder-se à construção de barreiras, canais ou provocar o
arrefecimento da lava com água, controlando assim a sua
escorrência.
Prevenção de riscos associados a erupções explosivas Para
minimizar os estragos causados pelas projeções piroclásticas e
pela emissão de gases é importante o uso de capacete, óculos
e máscara de proteção. Quanto à ocorrência de sismos
vulcânicos, as construções antissísmicas permitem reduzir os
danos em infraestruturas e outros edifícios. Uma das medidas
mais eficazes para minimizar os efeitos dos tsunamis é
controlar a ocupação excessiva das zonas costeiras.
16
http://www.prociv.azores.gov.pt
17
18
19
Apesar dos desastres e destruição provocados por certas erupções vulcânicas,
o vulcanismo tem também aspetos positivos.
Em primeiro lugar, os fenómenos vulcânicos fornecem dados importantes
sobre a constituição e caraterísticas do interior da Terra.
Além disso, a atividade vulcânica pode ter contrapartidas económicas muito
vantajosas.
20
Utilização agrícola dos solos, que são muito férteis devido à deposição de cinzas
vulcânicas.
Cabo Verde – Vulcão do fogo
A população da zona cultiva
as suas vinhas de vinho Chã,
branco e tinto - um líquido
escasso e precioso, sem
adição de químico
21
Exploração de vários minérios, como enxofre, cobre, ferro, platina e diamantes.
Exploração de enxofre vulcânico
na Ilha de Java
Pingente com diamante na matriz de
Kimberlito, o diamante conservando
sua forma octogonal.
22
Interesse turístico, atraindo todos os anos centenas de milhares de visitantes, como
acontece com o Etna, o Vesúvio, o Havai, a Islândia e os Açores.
Vulcão Arenal (Costa Rica)
22
Aproveitamento de energia geotérmica.
"lagoa azul" (Bláa Lónið), Islândia
Central Geotérmica da Ribeira
Grande, São Miguel
23
24

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupçõesMagma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
MINEDU
 
IX - ROCHAS MAGMÁTICAS
IX - ROCHAS MAGMÁTICASIX - ROCHAS MAGMÁTICAS
IX - ROCHAS MAGMÁTICAS
Sandra Nascimento
 
Subsistemas Terrestres - Geologia 10º Ano
Subsistemas Terrestres - Geologia 10º AnoSubsistemas Terrestres - Geologia 10º Ano
Subsistemas Terrestres - Geologia 10º Ano
_Nunomartins_
 
Vulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placasVulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placas
Luís Filipe Marinho
 
Atividade vulcânica
Atividade vulcânicaAtividade vulcânica
Atividade vulcânica
acatarina82
 
Vulcanismo em Portugal
Vulcanismo em PortugalVulcanismo em Portugal
Vulcanismo em Portugal
Luís Filipe Marinho
 
Vulcanismo Primário
Vulcanismo PrimárioVulcanismo Primário
Vulcanismo Primário
Catir
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológico
margaridabt
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios Estratigráficos
Gabriela Bruno
 
Vulcanismo Primário e Secundário
Vulcanismo Primário e SecundárioVulcanismo Primário e Secundário
Vulcanismo Primário e Secundário
Luís Reguengo
 
Geologia 10 vulcanismo
Geologia 10   vulcanismoGeologia 10   vulcanismo
Geologia 10 vulcanismo
Nuno Correia
 
Descontinuidades Internas
Descontinuidades InternasDescontinuidades Internas
Descontinuidades Internas
Tânia Reis
 
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
Resumo   10º ano - ciclo das rochasResumo   10º ano - ciclo das rochas
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
Hugo Martins
 
X - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARESX - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARES
Sandra Nascimento
 
Rochas sedimentares classificação detríticas
Rochas sedimentares  classificação detríticasRochas sedimentares  classificação detríticas
Rochas sedimentares classificação detríticas
Isabel Lopes
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
José Luís Alves
 
sistemática dos seres vivos
sistemática dos seres vivos sistemática dos seres vivos
sistemática dos seres vivos
Mariana Cordeiro
 
Resumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º AnoResumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º Ano
Vitor Perfeito
 
Catastrofes Naturais
Catastrofes NaturaisCatastrofes Naturais
Terra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudançaTerra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudança
Isabel Lopes
 

Mais procurados (20)

Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupçõesMagma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
 
IX - ROCHAS MAGMÁTICAS
IX - ROCHAS MAGMÁTICASIX - ROCHAS MAGMÁTICAS
IX - ROCHAS MAGMÁTICAS
 
Subsistemas Terrestres - Geologia 10º Ano
Subsistemas Terrestres - Geologia 10º AnoSubsistemas Terrestres - Geologia 10º Ano
Subsistemas Terrestres - Geologia 10º Ano
 
Vulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placasVulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placas
 
Atividade vulcânica
Atividade vulcânicaAtividade vulcânica
Atividade vulcânica
 
Vulcanismo em Portugal
Vulcanismo em PortugalVulcanismo em Portugal
Vulcanismo em Portugal
 
Vulcanismo Primário
Vulcanismo PrimárioVulcanismo Primário
Vulcanismo Primário
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológico
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios Estratigráficos
 
Vulcanismo Primário e Secundário
Vulcanismo Primário e SecundárioVulcanismo Primário e Secundário
Vulcanismo Primário e Secundário
 
Geologia 10 vulcanismo
Geologia 10   vulcanismoGeologia 10   vulcanismo
Geologia 10 vulcanismo
 
Descontinuidades Internas
Descontinuidades InternasDescontinuidades Internas
Descontinuidades Internas
 
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
Resumo   10º ano - ciclo das rochasResumo   10º ano - ciclo das rochas
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
 
X - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARESX - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARES
 
Rochas sedimentares classificação detríticas
Rochas sedimentares  classificação detríticasRochas sedimentares  classificação detríticas
Rochas sedimentares classificação detríticas
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
sistemática dos seres vivos
sistemática dos seres vivos sistemática dos seres vivos
sistemática dos seres vivos
 
Resumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º AnoResumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º Ano
 
Catastrofes Naturais
Catastrofes NaturaisCatastrofes Naturais
Catastrofes Naturais
 
Terra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudançaTerra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudança
 

Semelhante a Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção

Vulcanismo riscos e benefícios
Vulcanismo   riscos e benefíciosVulcanismo   riscos e benefícios
Vulcanismo riscos e benefícios
Marília Pereira
 
Ppt 25 VigilâNcia VulcâNica
Ppt 25   VigilâNcia VulcâNicaPpt 25   VigilâNcia VulcâNica
Ppt 25 VigilâNcia VulcâNica
Nuno Correia
 
Geologia 10 prevenção e previsão vulcânica
Geologia 10   prevenção e previsão vulcânicaGeologia 10   prevenção e previsão vulcânica
Geologia 10 prevenção e previsão vulcânica
Nuno Correia
 
Geo Soc0506 Aula10
Geo Soc0506 Aula10Geo Soc0506 Aula10
Geo Soc0506 Aula10
Nuno Correia
 
Teoria risco
Teoria riscoTeoria risco
Teoria risco
Paulovera Gomes
 
Riscos e Catastrofes Naturais
Riscos e Catastrofes NaturaisRiscos e Catastrofes Naturais
Riscos e Catastrofes Naturais
marleneves
 
Zonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoral
Zonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoralZonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoral
Zonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoral
João Palmeiro
 
Geo 3 OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento Zonas De Vertente
Geo 3   OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento   Zonas De VertenteGeo 3   OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento   Zonas De Vertente
Geo 3 OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento Zonas De Vertente
Nuno Correia
 
Geo 3 ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertente
Geo 3   ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertenteGeo 3   ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertente
Geo 3 ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertente
Nuno Correia
 
Geo 4 ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertente
Geo 4   ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertenteGeo 4   ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertente
Geo 4 ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertente
Nuno Correia
 
Riscos naturais - conceitos básicos
Riscos naturais -  conceitos básicosRiscos naturais -  conceitos básicos
Riscos naturais - conceitos básicos
Célia Pereira
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
lidia76
 
Ciências naturais perturbações naturais dos ecossistemas - catástrofes natu...
Ciências naturais   perturbações naturais dos ecossistemas - catástrofes natu...Ciências naturais   perturbações naturais dos ecossistemas - catástrofes natu...
Ciências naturais perturbações naturais dos ecossistemas - catástrofes natu...
Nuno Correia
 
Pesquisa.vulcanismo1
Pesquisa.vulcanismo1Pesquisa.vulcanismo1
Pesquisa.vulcanismo1
Deolinda Silva
 
Livro administracao-de-desastres-2012-edicao-iii
Livro administracao-de-desastres-2012-edicao-iiiLivro administracao-de-desastres-2012-edicao-iii
Livro administracao-de-desastres-2012-edicao-iii
co100za
 
Administracao de desastres
Administracao de desastresAdministracao de desastres
Administracao de desastres
Jb Alves
 
Powerpoint 7 Vulcanologia (MinimizaçãO Do Risco VulcâNico)
Powerpoint 7   Vulcanologia (MinimizaçãO Do Risco VulcâNico)Powerpoint 7   Vulcanologia (MinimizaçãO Do Risco VulcâNico)
Powerpoint 7 Vulcanologia (MinimizaçãO Do Risco VulcâNico)
Nuno Correia
 
Ficha diagnóstico 10 d
Ficha diagnóstico 10 dFicha diagnóstico 10 d
Ficha diagnóstico 10 d
João Soares
 
Catastrofes naturais preve
Catastrofes naturais preveCatastrofes naturais preve
teste-de-avaliacao-de-geologia-10o-ano.pdf
teste-de-avaliacao-de-geologia-10o-ano.pdfteste-de-avaliacao-de-geologia-10o-ano.pdf
teste-de-avaliacao-de-geologia-10o-ano.pdf
LeonorCanedo
 

Semelhante a Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção (20)

Vulcanismo riscos e benefícios
Vulcanismo   riscos e benefíciosVulcanismo   riscos e benefícios
Vulcanismo riscos e benefícios
 
Ppt 25 VigilâNcia VulcâNica
Ppt 25   VigilâNcia VulcâNicaPpt 25   VigilâNcia VulcâNica
Ppt 25 VigilâNcia VulcâNica
 
Geologia 10 prevenção e previsão vulcânica
Geologia 10   prevenção e previsão vulcânicaGeologia 10   prevenção e previsão vulcânica
Geologia 10 prevenção e previsão vulcânica
 
Geo Soc0506 Aula10
Geo Soc0506 Aula10Geo Soc0506 Aula10
Geo Soc0506 Aula10
 
Teoria risco
Teoria riscoTeoria risco
Teoria risco
 
Riscos e Catastrofes Naturais
Riscos e Catastrofes NaturaisRiscos e Catastrofes Naturais
Riscos e Catastrofes Naturais
 
Zonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoral
Zonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoralZonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoral
Zonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoral
 
Geo 3 OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento Zonas De Vertente
Geo 3   OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento   Zonas De VertenteGeo 3   OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento   Zonas De Vertente
Geo 3 OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento Zonas De Vertente
 
Geo 3 ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertente
Geo 3   ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertenteGeo 3   ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertente
Geo 3 ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertente
 
Geo 4 ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertente
Geo 4   ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertenteGeo 4   ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertente
Geo 4 ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertente
 
Riscos naturais - conceitos básicos
Riscos naturais -  conceitos básicosRiscos naturais -  conceitos básicos
Riscos naturais - conceitos básicos
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
 
Ciências naturais perturbações naturais dos ecossistemas - catástrofes natu...
Ciências naturais   perturbações naturais dos ecossistemas - catástrofes natu...Ciências naturais   perturbações naturais dos ecossistemas - catástrofes natu...
Ciências naturais perturbações naturais dos ecossistemas - catástrofes natu...
 
Pesquisa.vulcanismo1
Pesquisa.vulcanismo1Pesquisa.vulcanismo1
Pesquisa.vulcanismo1
 
Livro administracao-de-desastres-2012-edicao-iii
Livro administracao-de-desastres-2012-edicao-iiiLivro administracao-de-desastres-2012-edicao-iii
Livro administracao-de-desastres-2012-edicao-iii
 
Administracao de desastres
Administracao de desastresAdministracao de desastres
Administracao de desastres
 
Powerpoint 7 Vulcanologia (MinimizaçãO Do Risco VulcâNico)
Powerpoint 7   Vulcanologia (MinimizaçãO Do Risco VulcâNico)Powerpoint 7   Vulcanologia (MinimizaçãO Do Risco VulcâNico)
Powerpoint 7 Vulcanologia (MinimizaçãO Do Risco VulcâNico)
 
Ficha diagnóstico 10 d
Ficha diagnóstico 10 dFicha diagnóstico 10 d
Ficha diagnóstico 10 d
 
Catastrofes naturais preve
Catastrofes naturais preveCatastrofes naturais preve
Catastrofes naturais preve
 
teste-de-avaliacao-de-geologia-10o-ano.pdf
teste-de-avaliacao-de-geologia-10o-ano.pdfteste-de-avaliacao-de-geologia-10o-ano.pdf
teste-de-avaliacao-de-geologia-10o-ano.pdf
 

Mais de Luís Filipe Marinho

Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Obtenção de matéria pelos seres heterotróficosObtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Luís Filipe Marinho
 
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Luís Filipe Marinho
 
Ingestão, digestão e absorção
Ingestão, digestão e absorçãoIngestão, digestão e absorção
Ingestão, digestão e absorção
Luís Filipe Marinho
 
Transportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambranaTransportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambrana
Luís Filipe Marinho
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celular
Luís Filipe Marinho
 
Ficha 1 membrana plasmasmática
Ficha 1   membrana plasmasmáticaFicha 1   membrana plasmasmática
Ficha 1 membrana plasmasmática
Luís Filipe Marinho
 
J2 serviço dos ecossistemas
J2   serviço dos ecossistemasJ2   serviço dos ecossistemas
J2 serviço dos ecossistemas
Luís Filipe Marinho
 
J1 gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
J1   gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentávelJ1   gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
J1 gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
Luís Filipe Marinho
 
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terraI2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
Luís Filipe Marinho
 
I1 sucessões ecológicas
I1   sucessões ecológicasI1   sucessões ecológicas
I1 sucessões ecológicas
Luís Filipe Marinho
 
Protocolo do trabalho prático - fatores abióticos luz e água
Protocolo do trabalho prático -  fatores abióticos luz e águaProtocolo do trabalho prático -  fatores abióticos luz e água
Protocolo do trabalho prático - fatores abióticos luz e água
Luís Filipe Marinho
 
Fatores abióticos - solo e vento
Fatores abióticos - solo e ventoFatores abióticos - solo e vento
Fatores abióticos - solo e vento
Luís Filipe Marinho
 
Fatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuaçãoFatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuação
Luís Filipe Marinho
 
Fatores abióticos - água e luz
Fatores abióticos - água e luzFatores abióticos - água e luz
Fatores abióticos - água e luz
Luís Filipe Marinho
 
Ficha 5 medidas de minimização
Ficha 5   medidas de minimizaçãoFicha 5   medidas de minimização
Ficha 5 medidas de minimização
Luís Filipe Marinho
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Ficha 3 tipo de erupções
Ficha 3  tipo de erupçõesFicha 3  tipo de erupções
Ficha 3 tipo de erupções
Luís Filipe Marinho
 
Aula 3 tipos de erupções vulcãnicas
Aula 3  tipos de erupções vulcãnicasAula 3  tipos de erupções vulcãnicas
Aula 3 tipos de erupções vulcãnicas
Luís Filipe Marinho
 
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologiaFicha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Luís Filipe Marinho
 
introdução ao vulcanismo
introdução ao vulcanismointrodução ao vulcanismo
introdução ao vulcanismo
Luís Filipe Marinho
 

Mais de Luís Filipe Marinho (20)

Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Obtenção de matéria pelos seres heterotróficosObtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
 
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
 
Ingestão, digestão e absorção
Ingestão, digestão e absorçãoIngestão, digestão e absorção
Ingestão, digestão e absorção
 
Transportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambranaTransportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambrana
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celular
 
Ficha 1 membrana plasmasmática
Ficha 1   membrana plasmasmáticaFicha 1   membrana plasmasmática
Ficha 1 membrana plasmasmática
 
J2 serviço dos ecossistemas
J2   serviço dos ecossistemasJ2   serviço dos ecossistemas
J2 serviço dos ecossistemas
 
J1 gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
J1   gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentávelJ1   gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
J1 gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
 
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terraI2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
 
I1 sucessões ecológicas
I1   sucessões ecológicasI1   sucessões ecológicas
I1 sucessões ecológicas
 
Protocolo do trabalho prático - fatores abióticos luz e água
Protocolo do trabalho prático -  fatores abióticos luz e águaProtocolo do trabalho prático -  fatores abióticos luz e água
Protocolo do trabalho prático - fatores abióticos luz e água
 
Fatores abióticos - solo e vento
Fatores abióticos - solo e ventoFatores abióticos - solo e vento
Fatores abióticos - solo e vento
 
Fatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuaçãoFatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuação
 
Fatores abióticos - água e luz
Fatores abióticos - água e luzFatores abióticos - água e luz
Fatores abióticos - água e luz
 
Ficha 5 medidas de minimização
Ficha 5   medidas de minimizaçãoFicha 5   medidas de minimização
Ficha 5 medidas de minimização
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Ficha 3 tipo de erupções
Ficha 3  tipo de erupçõesFicha 3  tipo de erupções
Ficha 3 tipo de erupções
 
Aula 3 tipos de erupções vulcãnicas
Aula 3  tipos de erupções vulcãnicasAula 3  tipos de erupções vulcãnicas
Aula 3 tipos de erupções vulcãnicas
 
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologiaFicha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologia
 
introdução ao vulcanismo
introdução ao vulcanismointrodução ao vulcanismo
introdução ao vulcanismo
 

Último

A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 

Último (20)

A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 

Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção

  • 1. Minimização de riscos vulcânicos Professor : Filipe Marinho Turma: 10º D Vila Real, 12 de Dezembro de 2014 -previsão e prevenção
  • 2. O conjunto de fenómenos relacionados com a atividade vulcânica, sobretudo com o vulcanismo primário, constitui um risco natural para as populações humanas. Muitas erupções vulcânicas são verdadeiramente catastróficas. Causando avultados prejuízos e por vezes milhares de mortes. A utilização de métodos de previsão e o estabelecimento de medidas de prevenção relativamente à atividade vulcânica permitem diminuir de forma significativa os seus riscos. 2
  • 11. À semelhança do que acontece com a maioria dos fenómenos naturais, não é possível determinar com exatidão a ocorrência de uma erupção vulcânica. No entanto, existem formas de estimar o comportamento futuro de um vulcão, nomeadamente o conhecimento da sua atividade passada Um passo importante é verificar se o vulcão está ativo, adormecido ou extinto 10
  • 12. Entrou em atividade recentemente ou num período em que tenha havido um registo histórico dessa erupção Vulcão Ativo Não há registo de erupções e o vulcão não apresenta sinais de atividade, não estando, contudo, completamente erodido. Vulcão Adormecido Não possuem a forma típica de um vulcão e se apresentam muito erodidos, não havendo registo de erupções. Vulcão Extinto 11
  • 13. Caso se trate de um vulcão ativo, é necessário fazer a reconstituição da sua história eruptiva. Esta reconstituição baseia-se em diversos aspetos, dos quais se destacam: • O estudo da origem, evolução e constituição dos fluidos magmáticos; • A determinação das fases e dos mecanismos eruptivos; • A interpretação dos depósitos de produtos vulcânicos; • A avaliação da estrutura morfológica do aparelho vulcânico e da sua evolução. 12
  • 14. A previsão de erupções vulcânicas baseia-se na identificação de alguns acontecimentos que são considerados sinais precursores como a deteção de anomalias físicas e químicas como por exemplo: A A B C C D D E E 13 B
  • 15. Realização de Mapas de risco com base na história eruptiva e na observação do vulcão. Ilha de Montserrat(UK) -http://www.mvo.ms/ 14
  • 16. Realização de Mapas de risco com base na história eruptiva e na observação do vulcão. 14
  • 17. A previsão da atividade vulcânica é o principal meio de prevenção, pois permite a evacuação da zona em risco. No entanto, uma erupção vulcânica pode ocorrer de forma imprevisível, pelo que é essencial informar e sensibilizar a população relativamente aos meios de prevenção a adotar em cada situação. 15
  • 18. Prevenção de riscos associados a erupções efusivas De forma a evitar a destruição causada pelas escoadas de lava, deve começar-se por identificar os pontos de emissão de lava de modo a poder condicionar o seu avanço. Para tal, pode proceder-se à construção de barreiras, canais ou provocar o arrefecimento da lava com água, controlando assim a sua escorrência. Prevenção de riscos associados a erupções explosivas Para minimizar os estragos causados pelas projeções piroclásticas e pela emissão de gases é importante o uso de capacete, óculos e máscara de proteção. Quanto à ocorrência de sismos vulcânicos, as construções antissísmicas permitem reduzir os danos em infraestruturas e outros edifícios. Uma das medidas mais eficazes para minimizar os efeitos dos tsunamis é controlar a ocupação excessiva das zonas costeiras. 16
  • 20. 18
  • 21. 19 Apesar dos desastres e destruição provocados por certas erupções vulcânicas, o vulcanismo tem também aspetos positivos. Em primeiro lugar, os fenómenos vulcânicos fornecem dados importantes sobre a constituição e caraterísticas do interior da Terra. Além disso, a atividade vulcânica pode ter contrapartidas económicas muito vantajosas.
  • 22. 20 Utilização agrícola dos solos, que são muito férteis devido à deposição de cinzas vulcânicas. Cabo Verde – Vulcão do fogo A população da zona cultiva as suas vinhas de vinho Chã, branco e tinto - um líquido escasso e precioso, sem adição de químico
  • 23. 21 Exploração de vários minérios, como enxofre, cobre, ferro, platina e diamantes. Exploração de enxofre vulcânico na Ilha de Java Pingente com diamante na matriz de Kimberlito, o diamante conservando sua forma octogonal.
  • 24. 22 Interesse turístico, atraindo todos os anos centenas de milhares de visitantes, como acontece com o Etna, o Vesúvio, o Havai, a Islândia e os Açores. Vulcão Arenal (Costa Rica)
  • 25. 22 Aproveitamento de energia geotérmica. "lagoa azul" (Bláa Lónið), Islândia Central Geotérmica da Ribeira Grande, São Miguel
  • 26. 23
  • 27. 24

Notas do Editor

  1. Riscos associados a erupções explosivas: projecções de piroclastos As erupções explosivas são bastante perigosas, pois produzem uma grande quantidade de piroclastos, originando estragos em infra-estruturas, problemas nos motores de veículos e aviões e problemas respiratórios. Os danos provocados pela acumulação de piroclastos podem ter efeitos imediatos (soterramento pelas cinzas e destruição de estruturas) ou a longo prazo, como variações climáticas, doenças e fome por destruição de colheitas e morte de animais
  2. Riscos associados a erupções efusivas: escoadas de lava As escoadas de lava chegam a atingir 10 km relativamente ao centro eruptivo, podendo existir situações em que a lava cerca completamente as populações. Noutros casos, o contacto da lava com água ou gelo desencadeia explosões que dificultam os trabalhos de evacuação. Além disso, as escoadas de lava são bastante prejudiciais ao meio ambiente já que destroem vias de comunicação, edifícios e outras infra-estruturas, terrenos agrícolas, etc. Poderão ainda provocar incêndios que contribuem para acentuar a devastação.
  3. Riscos associados a erupções explosivas: movimentos em massa O colapso do cone vulcânico, as avalanches de origem vulcânica junto ao litoral e erupções submarinas podem libertar grandes quantidades de energia. Pode, assim, desencadear-se a formação de um tsunami, que constitui uma forma de a água do mar dissipar a energia recebida. Um tsunami pode atingir 30 a 40 m de altura.
  4. Riscos associados a erupções explosivas: movimentos em massa O colapso do cone vulcânico, as avalanches de origem vulcânica junto ao litoral e erupções submarinas podem libertar grandes quantidades de energia. Pode, assim, desencadear-se a formação de um tsunami, que constitui uma forma de a água do mar dissipar a energia recebida. Um tsunami pode atingir 30 a 40 m de altura.
  5. Kimberlito é vulgarmente conhecido como a rocha que contêm diamantes. O magma kimberlítico durante sua ascensão do manto para a crosta, comumente, transporta fragmentos de rochas e minerais - também conhecidos como xenólitos e xenocristais (entre eles o diamante). O kimberlito pode trazer diamante até a superfície desde que tenha passado por regiões no manto/crosta que fossem ricas neste mineral e que sua velocidade de ascensão seja rápida o suficiente para não desestabilizar a estrutura do diamante
  6. Era considerado extinto até que em 29 de julho de 1968,entrou em erupção depois de 400 anos de inatividade.
  7. Existe também uma central de energia geotérmica em Svartsengi. Junto à central, existe uma piscina, que utiliza a água quente e mineralizada que desce da própria central. É conhecida como a "lagoa azul" (Bláa Lónið).  Geralmente, a existência de um recurso geotérmico pressupõe a conjugação de quatro pré-requisitos fundamentais: i] uma fonte de calor, que poderá ser um corpo magmático ou simplesmente rochas quentes; ii]  um fluido transportador do calor; iii]  uma sequência de rochas permeáveis funcionando como reservatório; iv]  uma formação geológica impermeável e isolante de cobertura [cap rock]. Neste caso é um recursos de alta entalpia, com temperaturas superiores a 120ºC, em que o calor pode ser convertido em electricidade