SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
INFLUÊNCIA DOS FACTORES ABIÓTICOS NOS SERES VIVOS
Num ecossistema, cada ser vivo é permanentemente sujeito às condições do meio – factores
abióticos – e à acção dos outros seres vivos – factores bióticos. Estes factores influenciam o comportamento
e a fisiologia dos organismos, o crescimento das populações e a sua distribuição geográfica.
Os factores bióticos foram já estudados. A tabela da ficha de trabalho número 5 resume essas
relações.
Os factores abióticos são, como já se disse, os factores do meio que influenciam os organismos. A
temperatura, a luz, a humidade, a disponibilidade ou composição da água, as características físico-químicas do
solo e o vento são alguns exemplos de factores abióticos.
É difícil determinar a influência de cada dos factores abióticos isoladamente, uma vez que todos actuam
conjuntamente. Vamos apenas analisar alguns.

Influência da temperatura
Embora de formas diferentes, todos os seres vivos são influenciados pela temperatura, que condiciona
a sua distribuição e está na origem de diversas adaptações.

Actividade
Leia atentamente a informação que se apresenta abaixo e responda às questões, com base também na
imagem da página seguinte.

Informação:
- O pinguim imperador é dos poucos animais que passa o Inverno na Antártida. Os adultos podem atingir até
1,10m de altura e pesar até 30 kg.
- O pinguim de Magalhães vive em águas temperadas, habitando em zonas costeiras da Argentina, Chile e
ilhas Malvinas. Tem cerca de 70 cm de altura e 5 a 6 kg de peso.
- O pinguim das Galápagos corresponde à única espécie que vive junto do equador. Tem cerca de 50 cm de
altura e um peso de 1,5 a 2,5 kg.

Página 1
1 – Relacione a variação da latitude com o tamanho das espécies de pinguins.
2 – Relacione a variação da latitude com a variação da temperatura.
3 – Formule uma hipótese que explique a sua resposta em (1).
4 – Compare as características físicas da raposa africana e da raposa do Ártico.
4.1 – Qual a vantagem destas características para cada uma das raposas?
5 – Proponha uma vantagem para a mudança de cor da lebre americana.
6 – Procure encontrar uma justificação para o facto de o pinheiro possuir folhas aciculares (em forma
de agulha), escuras e com pouca seiva.
7 – Os pinheiros das regiões nórdicas, para além das características indicadas em (6) têm sempre uma
forma cónica, com os ramos inclinados para o solo. Qual a vantagem?

Página 2
Cada espécie apenas pode viver num determinado intervalo de temperatura – intervalo de tolerância.
Abaixo desses limites de temperatura, as suas funções vitais são seriamente comprometidas e os seres
morrem. Contudo, mesmo dentro do limite de tolerância, para cada espécie existe um valor de temperatura
para a qual o seu desenvolvimento é máximo – temperatura óptima.
Algumas espécies são capazes de resistir a grandes variações de temperatura – espécies
euritérmicas -, enquanto que outras têm intervalos de tolerância reduzidos – espécies estenotérmicas.

Actividade
Observe o gráfico seguinte, onde se encontram representadas as curvas que correspondem à variação
da actividade de duas espécies (A e B) em função da temperatura.
1 – Indique a temperatura óptima para a espécie A
2 – Refira as temperaturas mínima e máxima em que a espécie
B pode viver.
3 – Mencione o intervalo de temperaturas em que a espécie A
pode viver.
4 – Identifique a espécie que mais facilmente se pode adaptar a
uma maior diversidade de ambientes. Justifique a sua
resposta.
5 – Classifique como euritérmica ou estenotérmica cada uma das
espécies. Justifique.

Influência da temperatura nas plantas
A temperatura influencia o crescimento e o desenvolvimento de todas as plantas. A germinação,
floração e frutificação são processos que também são influenciados pela temperatura ambiental. Contudo, a
influência da temperatura nestes processos varia de espécie para espécie. Cada espécie tem uma temperatura
óptima para a germinação, floração e frutificação.

Página 3
Actividade
Colocaram-se em 3 caixas de Petri marcadas com as letras A, B e C, duas sementes de milho, duas sementes
de feijoeiro e duas sementes de centeio.
Colocou-se a caixa A no frigorífico, a caixa B numa estufa à temperatura de 30 ºC e a caixa C em cima de uma
bancada da sala de aula.

1 – Refira qual foi o factor abiótico que se fez variar nesta experiência.
2 – Quais os resultados esperados para a caixa A?
3 – Na caixa B, as sementes terão todas o mesmo grau de desenvolvimento?
Justifique.
4 – Quais as sementes que espera se tenham desenvolvido melhor na caixa
C? Justifique.

Temperatura de germinação de
algumas sementes

Algumas plantas estão bem adaptadas a temperaturas elevadas, como é o caso do cacto, enquanto
outras, como o musgo e algumas espécies de pinheiros são mais resistentes a temperaturas baixas.
Para resistir a temperaturas baixas, as plantas têm várias estratégias para resistir a baixas temperaturas.
Observe a figura que se segue, e procure sistematizar essas estratégias.

O milho resiste ao frio
passando o Inverno na
forma de sementes.

Página 4

A tulipa perde a parte
aérea, ficando reduzida a
bolbos nos meses frios.

O plátano perde as folhas,
reduzindo a actividade e a
energia desperdiçada.
Influência da temperatura nos animais
A influência da temperatura nos animais depende em grande parte da forma como estes regulam a sua
temperatura corporal. Assim, relativamente à regulação da temperatura corporal, existem dois tipos de animais:

Poiquilotérmicos – São animais cuja temperatura
do corpo acompanha as variações de temperatura
do meio externo. É o caso dos répteis e dos
peixes. São muitas vezes, erradamente, chamados
de animais de sangue frio

Homeotérmicos – São animais, como as aves e os
mamíferos, que mantêm a sua temperatura do corpo
constante, apesar das variações de temperatura do
meio externo. São também chamados, erradamente,
de animais de sangue quente.

O controlo da temperatura interna dá uma grande vantagem aos animais homeotérmicos, pois permitelhes sobreviver numa grande variedade de ambientes, pois independentemente das variações do meio o seu
corpo manterá a temperatura constante, enquanto que a influência da temperatura nos animais
poiquilotérmicos se fará sentir com muito mais intensidade.

Actividade
Os gráficos da figura que se segue traduzem a relação entre a temperatura corporal das iguanas
marinhas e o seu batimento cardíaco.

Página 5
1 – Determine o valor da temperatura corporal da iguana no momento em que sai e entra na água.
2 – Indique o valor do batimento cardíaco do animal no momento em que sai e entra da água.
3 – Relacione a variação da temperatura corporal com o batimento cardíaco da iguana.
4 – Explique a alteração da temperatura corporal:
4.1 – entre os 0 e 40 minutos
4.2 – entre os 40 e 50 minutos
5 – Para uma temperatura corporal de 30 ºC, indique o valor do ritmo cardíaco da iguana:
5.1 – na água
5.2 – na costa.

A temperatura influencia os animais quer no seu comportamento quer nas suas características físicas,
isto é, na sua morfologia.
Os animais das regiões frias apresentam adaptações morfológicas que lhes permite reduzir as perdas
de calor. Uma destas adaptações é possuírem extremidades corporais (orelhas, focinhos e cauda) mais
curtas do que as dos animais de espécies semelhantes que vivem em regiões mais quentes, reduzindo deste
modo as perdas de calor.

Raposa do Ártico
(Vulpes lagopus)

Raposa do deserto
(Fennecus zerda)

Raposa comum (raposa vermelha)
(Vulpes vulpes)

Muitos
animais
acumulam
espessas
camadas de gordura debaixo da pele. É o caso do
urso polar ou dos leões marinhos. Outros aumentam
o nível de pêlos e penas no Inverno.

Os leões marinhos acumulam grande
quantidade de gordura debaixo da pele, o
que ajuda a manter a temperatura corporal

Alguns animais, sobretudo as aves, migram, evitando assim o frio ou a escassez de alimentos.
No Inverno, alguns peixes, como a carpa, permanecem junto dos fundos e quase não se mexem,
diminuindo a sua actividade, o que lhes permite poupar energia. Outros produzem substâncias que evitam
que o seu corpo congele.

Página 6
Para suportar as condições adversas do Inverno,
alguns animais, como os morcegos, as salamandras ou os
ouriços-cacheiros, procuram locais de abrigo e reduzem as
suas actividades ao mínimo possível, permanecendo numa
espécie de sono profundo – hibernação.

Arganaz em hibernação. A redução do seu metabolismo
corporal permite-lhe poupar energia e sobreviver com
as reservas acumuladas antes da chegada do Inverno

Durante a hibernação, o ritmo da respiração e das batidas do
coração dos animais diminui e a sua temperatura corporal
baixa até ficar próxima da temperatura ambiente. Neste
estado, os organismos necessitam de muito pouca energia,
bastando-lhes apenas as reservas de gordura acumuladas
antes da chegada do Inverno.

Um fenómeno semelhante pode ocorrer durante o Verão, sendo neste caso chamado de estivação. Algumas
espécies de caracóis estivam durante a estação quente. Produzem uma película que protege a abertura da
concha para não dessecarem e reduzem a sua actividade ao máximo.
Actividade
Observe atentamente o gráfico seguinte, que representa a variação corporal do urso-castanho e da marmota,
ao longo do ano.

1 – Indique a temperatura corporal do urso e da marmota em Janeiro
2 – Compare a variação ao longo do ano da temperatura corporal dos dois animais
3 – Indique qual dos animais hiberna durante o Inverno.
4 – Explique qual a vantagem para a marmota da sua temperatura corporal diminuir nos meses de Inverno.

Alguns animais, como o urso-pardo, o texugo e vários répteis “dormem” durante o Inverno. Porém,
esse “sono hibernal” não é considerado uma verdadeira hibernação, uma vez que esses animais não só podem
acordar para comer, como também a diminuição da sua temperatura corporal é pouco acentuada.

Página 7
Influência da luz

Sem luz do sol não seria possível a vida na Terra. É a partir da energia luminosa que as plantas
produzem a matéria orgânica que constitui o seu corpo, bem como o oxigénio necessário a todos os animais.
Como as plantas servem de alimento a outros organismos, estes, indirectamente, dependem também da luz.
Os organismos são influenciados não só apenas pela intensidade luminosa, mas também pelo
fotoperíodo – número de horas de luz por dia.

Influência da luz nas plantas
Todas as plantas necessitam de luz para o seu crescimento. Dependem dela para fazer a fotossíntese,
por exemplo. No entanto, a quantidade de luz necessária varia de espécie para espécie:

Plantas como o girassol necessitam de muita luminosidade –
são plantas de luz ou heliófilas

Plantas como os fetos necessitam de pouca luminosidade –
são plantas de sombra ou umbrófilas.

A intensidade luminosa e o fotoperíodo influenciam, ainda, outros processos vitais das plantas, como por
exemplo:
•

A germinação das sementes: algumas plantas apenas germinam na ausência de luz, enquanto que
outras, como a semente da alface, necessitam de uma quantidade mínima de luz para germinar.

•

A floração: algumas plantas apenas florescem quando os dias são longos relativamente às noites –
plantas de dia longo. É o caso do trigo ou do girassol. Outras, pelo contrário, apenas florescem
quando o fotoperíodo é curto – plantas de dia curto. É o caso dos crisântemos ou da soja. Há ainda
plantas cuja floração não depende do número de horas de luz por dia – plantas indiferentes. É o caso
do tomateiro, por exemplo.

•

O crescimento e maturação dos frutos.

•

Os movimentos das plantas (fototropismo): em certos casos verifica-se que as plantas seguem os
movimentos do sol ao longo do dia, orientando-se para ele.

•

A abertura e fecho das flores.

Página 8
Actividade
Colocaram-se três plantas nas condições experimentais que a seguir se apresentam. Durante duas
semanas foram colocadas no mesmo sítio dentro da sala de aula e regadas com frequência.

1 – Qual o factor abiótico que se fez variar?
2 – Indique outros factores abióticos que se tenham mantido constantes.
3 – Que resultados espera para cada um dos vasos?
4 – Qual a conclusão que se pode tirar?

Influência da luz nos animais
A luz influencia o comportamento dos animais que, de acordo com a altura do dia em que estão mais activos,
se podem classificar em diurnos, crepusculares e nocturnos.

Os animais diurnos são mais
activos durante o dia

Os animais nocturnos são mais
activos durante a noite

Os animais crepusculares são mais
activos na altura do pôr-do-sol

O fotoperíodo influencia nos animais alguns fenómenos como:
•

A reprodução – a luz actua directamente sobre o desenvolvimento dos ovos dos peixes; a falta de luz
retarda o desenvolvimento de larvas de certos insectos; alguns animais apenas se reproduzem quando
o fotoperíodo ultrapassa um determinado valor, outros apenas se reproduzem quando os dias são
curtos.

•

A formação de vitamina D ao nível da pele – os raios ultra-violeta são responsáveis pela produção de
vitamina D na pele dos vertebrados. No entanto, quando em excesso, esses mesmos raios podem ter
efeitos muito prejudiciais na saúde dos organismos.

•

O início das migrações e da mudança de pelagem e plumagem – animais como a lebre dos Alpes
ou a raposa do Ártico têm pelagem cinzenta ou acastanhada no Verão mas no Inverno são brancos
Página 9
Actividades
O gráfico que se segue apresenta a actividade de duas espécies animais (A e B) durante o dia.

1 – Indique em que período do dia cada uma das espécies é mais activa.
2 – Classifique cada uma das espécies quanto ao seu período de actividade
3 – Dê exemplos de animais que possam ser representados, respectivamente, pelas curvas A e B.
4 – Proponha algumas formas de avaliar a actividade dos animais.

A desova das trutas
Por forma a condicionar a desova das trutas foi efectuada em laboratório uma experiência. Recorrendo
à luz artificial aumentou-se a duração do período diurno (como acontece na Primavera), e depois, pretendendo
simular as condições próprias do Outono, provocou-se a diminuição do período diurno.

1 – Qual o objectivo desta actividade?
2 – Em que mês habitualmente ocorre a desova das trutas?
3 – Qual a influência do número de horas de luz na desova das trutas?
4 – Se os piscicultores pretendem que as trutas desovem mais cedo que método devem utilizar?

Página 10
O pêlo do arminho do Ártico
O arminho do Ártico apresenta pelagem de cor branca no inverno e castanha no Verão. Na tentativa de
descobrir qual o factor abiótico responsável por esta alteração de cor fizeram-se as seguintes experiências:

1 – Refira quais foram os factores abióticos investigados nesta experiência.
2 – De acordo com os resultados da investigação, indique qual dos factores abióticos é responsável pela
alteração da cor da pelagem do arminho do Ártico. Justifique a sua resposta.
3 – Qual a vantagem para os animais desta mudança de cor?

Influência da água

A água serve de habitat para muitos seres e é um dos principais constituintes dos organismos, sendo
indispensável a todas as suas funções vitais. Por isso, os organismos terrestres têm de ser capazes de
resolver dois problemas: a sua obtenção e a diminuição de possíveis perdas (através da respiração,
transpiração e excreção).
Apesar das necessidades variarem de espécie para espécie, todas as espécies precisam de água para
a sua vida. As sementes das plantas, por exemplo necessitam de uma determinada quantidade de água para
germinar, consoante a espécie. Se a quantidade de água for excessiva as sementes apodrecem, se for
insuficiente não se iniciam os processos metabólicos da germinação.
De acordo com a maior ou menor necessidade de água, os seres vivos podem ser classificados em
aquáticos, hidrófilos, mesofilos e xerófilos.
(ver página seguinte)

Página 11
Os seres aquáticos vivem
permanentemente na água.

Os seres mesófilos têm
necessidades moderadas de água

Os seres hidrófilos vivem em
lugares húmidos

Os seres xerófilos habitam locais
secos e resistentes à água.

Adaptações das plantas à falta de água
As plantas características das regiões secas apresentam
diversas adaptações para captarem água e para diminuírem a sua
perda. Por exemplo, os pinheiros que crescem em solos arenosos
têm raízes muito profundas, para poderem captar a água que se
infiltra para grandes profundidades.
Nos desertos, onde chove abundantemente durante
pouco tempo, algumas plantas possuem raízes pouco
profundas, que se estendem por uma grande área de modo
a que, quando chove, possam captar rapidamente a maior
quantidade de água possível. Outras ainda são capazes de
aproveitar água do orvalho.

Para diminuírem a perda de água, algumas plantas
como os cactos possuem as folhas transformadas em
espinhos, o que diminui a área exposta e, consequentemente,
a perda de água por transpiração. Estas plantas têm ainda
caules carnudos, capazes de armazenar água

Página 12
Alguns cactos incham depois da chuva
porque as suas pregas se enchem com
água (A). Depois de alguns meses de
seca, as pregas perdem a maior parte
da água armazenada (B).

Outra adaptação das plantas à secura é o revestimento por ceras impermeáveis ou por pêlos, o que
diminui a transpiração.
Nos desertos, muitas espécies de plantas vivem a maior parte do tempo sob a forma de sementes,
que apenas germinam após a queda de chuva, desenvolvendo-se então muito rapidamente.

Adaptações dos animais à falta de água
Também os animais que habitam locais onde a água é escassa apresentam adaptações que lhes
permitem sobreviver.

O revestimento impermeável dos répteis impede a
saída de água do corpo por transpiração.

A gazela perde pouca água através das excreções,
produzindo uma urina muito concentrada.

O rato canguru não transpira, pois não tem glândulas
sudoríparas. Além disso apresenta hábitos nocturnos.

Animais como o camelo e o dromedário, utilizam a
gordura corporal para produzir água.

Página 14
Algumas estratégias comportamentais são extremamente eficazes no que toca à economia de água.
Um bom exemplo são os hábitos nocturnos, como acontece com o rato-canguru. Outras são mais invulgares.
Por exemplo, uma carocha-preta que existe no deserto da Namíbia, apresenta uma adaptação curiosa. Quando
há nevoeiro, a carocha desloca-se até à crista de uma duna e põe-se de cabeça para baixo com as asas e as
patas traseiras voltadas para a brisa. A água condensa e escorre pelo corpo inclinado do insecto até à sua
boca.
Outra forma de resistir à secura é a estivação. Esta estratégia é utilizada, por exemplo, por algumas
tartarugas e pelos caracóis.

Influência do solo

O solo é uma camada superficial da crosta terrestre, formada a
partir dos detritos originados, por um lado, pela alteração das rochas e,
por outro, pela decomposição dos seres vivos. É constituído por
matéria mineral, matéria orgânica, água e também apresenta seres
vivos, como mostra o diagrama de composição do solo.
Uma vez que é sobre ele que se desenvolve
toda a vida, as suas características, tais como a
porosidade e a composição química, influenciam o
modo de vida dos seres que nele se encontram.

Diagrama da
composição do solo.

A matéria orgânica do solo é originada a partir dos seres vivos que o habitam ou que dele dependem.
Por exemplo, os restos vegetais são matéria orgânica. O húmus é constituído por matéria orgânica em
decomposição.
A composição química e o teor em água são os factores que maior influência exercem sobre os
seres vivos que dependem do solo para a sua sobrevivência.

Actividade
No laboratório de uma escola realizou-se a actividade que a seguir se descreve:
1 - Em diversos copos puseram-se a germinar, em algodão húmido, diversos feijões e escolheram-se 3 feijões
com igual grau de desenvolvimento.
2 - De seguida, preparam-se duas soluções nutritivas:
•
•

Solução 1: 1l de água destilada e 0,5 gramas dos seguintes sais: nitrato de potássio; fósforo;
cálcio; sulfato de magnésio, de cálcio e de ferro; cloreto de sódio.
Solução 2: semelhante à solução 1 mas sem nitrato de potássio.

3 - Marcaram-se os 3 copos com as letras A, B e C.
4 - Mantiveram-se os algodões húmidos, regando o copo A com a solução 1, o copo B com a solução 2 e o
copo C com água destilada.
5 - Ao fim de uma semana verificou-se o desenvolvimento dos feijões, que se encontra representado na figura
seguinte.

Página 14
Questões:
1 – Compare os resultados obtidos em função das soluções utilizadas para regar as plantas.
2 – Explique porque motivo a planta do vaso C quase morreu.
3 – Explique a diferença no desenvolvimento das plantas dos vasos A e B.
4 – O que se pode concluir da actividade?

Na Natureza, a disponibilidade de água e a composição química dos solos é fundamental para a
distribuição da vegetação. Nem os solos muito pobres em água e/ou sais minerais, nem os solos em que a
quantidade de água ou de um determinado elemento seja muito elevada, são favoráveis ao desenvolvimento
das plantas.
Também a porosidade dos solos influencia a distribuição dos seres vivos. A maior parte das plantas
desenvolve-se em solos muito coesos e pouco permeáveis (isto é, que permitem reter água). Os animais
encontram-se em solos de porosidade muito diferente.

As navalheiras são moluscos que se encontram em zonas onde o substracto arenoso é pouco
compacto, enquanto que outros bivalves preferem zonas onde o substracto é compacto.

Página 15

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ciências Naturais 8º Ficha de preparação para o segundo teste
Ciências Naturais 8º Ficha de preparação para o segundo testeCiências Naturais 8º Ficha de preparação para o segundo teste
Ciências Naturais 8º Ficha de preparação para o segundo testeEspaço Crescer Centro de Estudos
 
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochasciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochasCatarina Pereira
 
8ºano cn teste fatores abióticos
8ºano cn teste fatores abióticos8ºano cn teste fatores abióticos
8ºano cn teste fatores abióticossilvia_lfr
 
5º teste de cn ar e agua
5º teste de cn   ar e agua5º teste de cn   ar e agua
5º teste de cn ar e aguaMaria Andrade
 
FT4 - Morfologia dos Fundos Oceânicos
FT4 - Morfologia dos Fundos OceânicosFT4 - Morfologia dos Fundos Oceânicos
FT4 - Morfologia dos Fundos OceânicosGabriela Bruno
 
2 ficha av cn7 16 17 (1)
2 ficha av cn7 16 17 (1)2 ficha av cn7 16 17 (1)
2 ficha av cn7 16 17 (1)MINEDU
 
Vulcanismo e sismologia 7º ano
Vulcanismo e sismologia   7º anoVulcanismo e sismologia   7º ano
Vulcanismo e sismologia 7º anoMINEDU
 
Teste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtoras
Teste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtorasTeste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtoras
Teste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtorasPatrícia Morais
 
8ºano ciencias naturais-teste 1-
8ºano ciencias naturais-teste 1-8ºano ciencias naturais-teste 1-
8ºano ciencias naturais-teste 1-silvia_lfr
 
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - EcossistemasResumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - EcossistemasInês Mota
 
Ficha trabalho climas quentes
Ficha trabalho climas quentesFicha trabalho climas quentes
Ficha trabalho climas quentesAlexandra Duarte
 
Ficha 5 - Minerais e Rochas Magmáticas
Ficha 5 - Minerais e Rochas MagmáticasFicha 5 - Minerais e Rochas Magmáticas
Ficha 5 - Minerais e Rochas MagmáticasCristinaVianaPedro
 
Resumos de ciências 5º ano 1º teste 1º período
Resumos de ciências 5º ano 1º teste 1º períodoResumos de ciências 5º ano 1º teste 1º período
Resumos de ciências 5º ano 1º teste 1º períodoAcima da Média
 
Física e Química 7º Ano - Resumo
Física e Química 7º Ano - ResumoFísica e Química 7º Ano - Resumo
Física e Química 7º Ano - Resumoricardodavidtt
 
Resumos de história 5º ano peninsula iberica
Resumos de história 5º ano peninsula ibericaResumos de história 5º ano peninsula iberica
Resumos de história 5º ano peninsula ibericapereiraepereira1
 
100% música livro de testes
100% música   livro de testes100% música   livro de testes
100% música livro de testesTeresa Rosário
 
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕESFicha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕESensinovirtual3ciclo
 

Mais procurados (20)

Ciências Naturais 8º Ficha de preparação para o segundo teste
Ciências Naturais 8º Ficha de preparação para o segundo testeCiências Naturais 8º Ficha de preparação para o segundo teste
Ciências Naturais 8º Ficha de preparação para o segundo teste
 
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochasciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
 
8ºano cn teste fatores abióticos
8ºano cn teste fatores abióticos8ºano cn teste fatores abióticos
8ºano cn teste fatores abióticos
 
Vt5 teste 1
Vt5  teste 1Vt5  teste 1
Vt5 teste 1
 
Teste romanos
Teste romanosTeste romanos
Teste romanos
 
5º teste de cn ar e agua
5º teste de cn   ar e agua5º teste de cn   ar e agua
5º teste de cn ar e agua
 
FT4 - Morfologia dos Fundos Oceânicos
FT4 - Morfologia dos Fundos OceânicosFT4 - Morfologia dos Fundos Oceânicos
FT4 - Morfologia dos Fundos Oceânicos
 
2 ficha av cn7 16 17 (1)
2 ficha av cn7 16 17 (1)2 ficha av cn7 16 17 (1)
2 ficha av cn7 16 17 (1)
 
Vulcanismo e sismologia 7º ano
Vulcanismo e sismologia   7º anoVulcanismo e sismologia   7º ano
Vulcanismo e sismologia 7º ano
 
Teste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtoras
Teste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtorasTeste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtoras
Teste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtoras
 
8ºano ciencias naturais-teste 1-
8ºano ciencias naturais-teste 1-8ºano ciencias naturais-teste 1-
8ºano ciencias naturais-teste 1-
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - EcossistemasResumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
 
Ficha trabalho climas quentes
Ficha trabalho climas quentesFicha trabalho climas quentes
Ficha trabalho climas quentes
 
Ficha 5 - Minerais e Rochas Magmáticas
Ficha 5 - Minerais e Rochas MagmáticasFicha 5 - Minerais e Rochas Magmáticas
Ficha 5 - Minerais e Rochas Magmáticas
 
Resumos de ciências 5º ano 1º teste 1º período
Resumos de ciências 5º ano 1º teste 1º períodoResumos de ciências 5º ano 1º teste 1º período
Resumos de ciências 5º ano 1º teste 1º período
 
Física e Química 7º Ano - Resumo
Física e Química 7º Ano - ResumoFísica e Química 7º Ano - Resumo
Física e Química 7º Ano - Resumo
 
Resumos de história 5º ano peninsula iberica
Resumos de história 5º ano peninsula ibericaResumos de história 5º ano peninsula iberica
Resumos de história 5º ano peninsula iberica
 
100% música livro de testes
100% música   livro de testes100% música   livro de testes
100% música livro de testes
 
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕESFicha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
 

Semelhante a Influência dos fatores abióticos nos seres vivos

8ºano cn ficha factores-abioticos
8ºano cn ficha factores-abioticos8ºano cn ficha factores-abioticos
8ºano cn ficha factores-abioticossilvia_lfr
 
8ºano fq ficha factores-abioticos
8ºano fq ficha factores-abioticos8ºano fq ficha factores-abioticos
8ºano fq ficha factores-abioticossilvia_lfr
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosTeresa Cardoso
 
391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptx391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptxmariagrave
 
Dinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasDinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasGabriela Bruno
 
Factores Abióticos - Exercícios
Factores Abióticos - ExercíciosFactores Abióticos - Exercícios
Factores Abióticos - ExercíciosGabriela Bruno
 
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_2010201102 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011Teresa Monteiro
 
Influência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animal
Influência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animalInfluência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animal
Influência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animalMariaJoão Agualuza
 
Factores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - TemperaturaFactores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - TemperaturaCatir
 
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptxIsabel Guedes
 
25308997 1201271912-cia-fact-meio
25308997 1201271912-cia-fact-meio25308997 1201271912-cia-fact-meio
25308997 1201271912-cia-fact-meioPelo Siro
 
1201271912 influencia fact_meio
1201271912 influencia fact_meio1201271912 influencia fact_meio
1201271912 influencia fact_meioPelo Siro
 
Ficha Informativa Ecossistemas E Factores Abioticos
Ficha Informativa   Ecossistemas E Factores AbioticosFicha Informativa   Ecossistemas E Factores Abioticos
Ficha Informativa Ecossistemas E Factores AbioticosRui Jorge
 
Influência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosInfluência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosClara Abegão
 
Resumo ecossistemas fatores bioticos abio
Resumo ecossistemas fatores bioticos abioResumo ecossistemas fatores bioticos abio
Resumo ecossistemas fatores bioticos abioStéphanie Lima
 
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8anoDinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8anoJean Dos Santos Souza
 

Semelhante a Influência dos fatores abióticos nos seres vivos (20)

8ºano cn ficha factores-abioticos
8ºano cn ficha factores-abioticos8ºano cn ficha factores-abioticos
8ºano cn ficha factores-abioticos
 
8ºano fq ficha factores-abioticos
8ºano fq ficha factores-abioticos8ºano fq ficha factores-abioticos
8ºano fq ficha factores-abioticos
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticos
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
 
391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptx391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptx
 
Dinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasDinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos Ecossistemas
 
Factores Abióticos - Exercícios
Factores Abióticos - ExercíciosFactores Abióticos - Exercícios
Factores Abióticos - Exercícios
 
Relacoes abioticas
Relacoes abioticasRelacoes abioticas
Relacoes abioticas
 
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_2010201102 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
 
Influência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animal
Influência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animalInfluência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animal
Influência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animal
 
Factores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - TemperaturaFactores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - Temperatura
 
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
 
25308997 1201271912-cia-fact-meio
25308997 1201271912-cia-fact-meio25308997 1201271912-cia-fact-meio
25308997 1201271912-cia-fact-meio
 
1201271912 influencia fact_meio
1201271912 influencia fact_meio1201271912 influencia fact_meio
1201271912 influencia fact_meio
 
Ficha Informativa Ecossistemas E Factores Abioticos
Ficha Informativa   Ecossistemas E Factores AbioticosFicha Informativa   Ecossistemas E Factores Abioticos
Ficha Informativa Ecossistemas E Factores Abioticos
 
Influência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosInfluência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores Abióticos
 
Resumo ecossistemas fatores bioticos abio
Resumo ecossistemas fatores bioticos abioResumo ecossistemas fatores bioticos abio
Resumo ecossistemas fatores bioticos abio
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
 
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8anoDinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8ano
 
Factores abióticos
Factores abióticosFactores abióticos
Factores abióticos
 

Mais de MINEDU

Jan julh
Jan julhJan julh
Jan julhMINEDU
 
Vulcões
VulcõesVulcões
VulcõesMINEDU
 
Teste 2 deriva continental e tectónica de placas
Teste 2   deriva continental e tectónica de placasTeste 2   deriva continental e tectónica de placas
Teste 2 deriva continental e tectónica de placasMINEDU
 
Identificação das rochas magmáticas
Identificação das rochas magmáticasIdentificação das rochas magmáticas
Identificação das rochas magmáticasMINEDU
 
Fósseis
FósseisFósseis
FósseisMINEDU
 
Nº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continentalNº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continentalMINEDU
 
Génese r mag e met. ciclo das rochas
Génese r mag e met. ciclo das rochasGénese r mag e met. ciclo das rochas
Génese r mag e met. ciclo das rochasMINEDU
 
Nº 3 rochas sedimentares
Nº 3 rochas sedimentaresNº 3 rochas sedimentares
Nº 3 rochas sedimentaresMINEDU
 
Os fósseis
Os fósseisOs fósseis
Os fósseisMINEDU
 
Sismologia
SismologiaSismologia
SismologiaMINEDU
 
Nº 2 rochas e minerais
Nº 2   rochas e mineraisNº 2   rochas e minerais
Nº 2 rochas e mineraisMINEDU
 
Uma agulha que_flutua
Uma agulha que_flutuaUma agulha que_flutua
Uma agulha que_flutuaMINEDU
 
Escrita magica
Escrita magicaEscrita magica
Escrita magicaMINEDU
 
Vt7 teste 3 (1)
Vt7 teste 3 (1)Vt7 teste 3 (1)
Vt7 teste 3 (1)MINEDU
 
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
1.1   interacções seres vivos factores abióticos1.1   interacções seres vivos factores abióticos
1.1 interacções seres vivos factores abióticosMINEDU
 
Exercícios sobre células
Exercícios sobre célulasExercícios sobre células
Exercícios sobre célulasMINEDU
 
Direito ao intervalo
Direito ao intervaloDireito ao intervalo
Direito ao intervaloMINEDU
 
Estrutura interna terra
Estrutura interna terraEstrutura interna terra
Estrutura interna terraMINEDU
 
Nº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continentalNº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continentalMINEDU
 

Mais de MINEDU (20)

Meu
MeuMeu
Meu
 
Jan julh
Jan julhJan julh
Jan julh
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
 
Teste 2 deriva continental e tectónica de placas
Teste 2   deriva continental e tectónica de placasTeste 2   deriva continental e tectónica de placas
Teste 2 deriva continental e tectónica de placas
 
Identificação das rochas magmáticas
Identificação das rochas magmáticasIdentificação das rochas magmáticas
Identificação das rochas magmáticas
 
Fósseis
FósseisFósseis
Fósseis
 
Nº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continentalNº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continental
 
Génese r mag e met. ciclo das rochas
Génese r mag e met. ciclo das rochasGénese r mag e met. ciclo das rochas
Génese r mag e met. ciclo das rochas
 
Nº 3 rochas sedimentares
Nº 3 rochas sedimentaresNº 3 rochas sedimentares
Nº 3 rochas sedimentares
 
Os fósseis
Os fósseisOs fósseis
Os fósseis
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Nº 2 rochas e minerais
Nº 2   rochas e mineraisNº 2   rochas e minerais
Nº 2 rochas e minerais
 
Uma agulha que_flutua
Uma agulha que_flutuaUma agulha que_flutua
Uma agulha que_flutua
 
Escrita magica
Escrita magicaEscrita magica
Escrita magica
 
Vt7 teste 3 (1)
Vt7 teste 3 (1)Vt7 teste 3 (1)
Vt7 teste 3 (1)
 
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
1.1   interacções seres vivos factores abióticos1.1   interacções seres vivos factores abióticos
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
 
Exercícios sobre células
Exercícios sobre célulasExercícios sobre células
Exercícios sobre células
 
Direito ao intervalo
Direito ao intervaloDireito ao intervalo
Direito ao intervalo
 
Estrutura interna terra
Estrutura interna terraEstrutura interna terra
Estrutura interna terra
 
Nº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continentalNº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continental
 

Último

HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 

Influência dos fatores abióticos nos seres vivos

  • 1. INFLUÊNCIA DOS FACTORES ABIÓTICOS NOS SERES VIVOS Num ecossistema, cada ser vivo é permanentemente sujeito às condições do meio – factores abióticos – e à acção dos outros seres vivos – factores bióticos. Estes factores influenciam o comportamento e a fisiologia dos organismos, o crescimento das populações e a sua distribuição geográfica. Os factores bióticos foram já estudados. A tabela da ficha de trabalho número 5 resume essas relações. Os factores abióticos são, como já se disse, os factores do meio que influenciam os organismos. A temperatura, a luz, a humidade, a disponibilidade ou composição da água, as características físico-químicas do solo e o vento são alguns exemplos de factores abióticos. É difícil determinar a influência de cada dos factores abióticos isoladamente, uma vez que todos actuam conjuntamente. Vamos apenas analisar alguns. Influência da temperatura Embora de formas diferentes, todos os seres vivos são influenciados pela temperatura, que condiciona a sua distribuição e está na origem de diversas adaptações. Actividade Leia atentamente a informação que se apresenta abaixo e responda às questões, com base também na imagem da página seguinte. Informação: - O pinguim imperador é dos poucos animais que passa o Inverno na Antártida. Os adultos podem atingir até 1,10m de altura e pesar até 30 kg. - O pinguim de Magalhães vive em águas temperadas, habitando em zonas costeiras da Argentina, Chile e ilhas Malvinas. Tem cerca de 70 cm de altura e 5 a 6 kg de peso. - O pinguim das Galápagos corresponde à única espécie que vive junto do equador. Tem cerca de 50 cm de altura e um peso de 1,5 a 2,5 kg. Página 1
  • 2. 1 – Relacione a variação da latitude com o tamanho das espécies de pinguins. 2 – Relacione a variação da latitude com a variação da temperatura. 3 – Formule uma hipótese que explique a sua resposta em (1). 4 – Compare as características físicas da raposa africana e da raposa do Ártico. 4.1 – Qual a vantagem destas características para cada uma das raposas? 5 – Proponha uma vantagem para a mudança de cor da lebre americana. 6 – Procure encontrar uma justificação para o facto de o pinheiro possuir folhas aciculares (em forma de agulha), escuras e com pouca seiva. 7 – Os pinheiros das regiões nórdicas, para além das características indicadas em (6) têm sempre uma forma cónica, com os ramos inclinados para o solo. Qual a vantagem? Página 2
  • 3. Cada espécie apenas pode viver num determinado intervalo de temperatura – intervalo de tolerância. Abaixo desses limites de temperatura, as suas funções vitais são seriamente comprometidas e os seres morrem. Contudo, mesmo dentro do limite de tolerância, para cada espécie existe um valor de temperatura para a qual o seu desenvolvimento é máximo – temperatura óptima. Algumas espécies são capazes de resistir a grandes variações de temperatura – espécies euritérmicas -, enquanto que outras têm intervalos de tolerância reduzidos – espécies estenotérmicas. Actividade Observe o gráfico seguinte, onde se encontram representadas as curvas que correspondem à variação da actividade de duas espécies (A e B) em função da temperatura. 1 – Indique a temperatura óptima para a espécie A 2 – Refira as temperaturas mínima e máxima em que a espécie B pode viver. 3 – Mencione o intervalo de temperaturas em que a espécie A pode viver. 4 – Identifique a espécie que mais facilmente se pode adaptar a uma maior diversidade de ambientes. Justifique a sua resposta. 5 – Classifique como euritérmica ou estenotérmica cada uma das espécies. Justifique. Influência da temperatura nas plantas A temperatura influencia o crescimento e o desenvolvimento de todas as plantas. A germinação, floração e frutificação são processos que também são influenciados pela temperatura ambiental. Contudo, a influência da temperatura nestes processos varia de espécie para espécie. Cada espécie tem uma temperatura óptima para a germinação, floração e frutificação. Página 3
  • 4. Actividade Colocaram-se em 3 caixas de Petri marcadas com as letras A, B e C, duas sementes de milho, duas sementes de feijoeiro e duas sementes de centeio. Colocou-se a caixa A no frigorífico, a caixa B numa estufa à temperatura de 30 ºC e a caixa C em cima de uma bancada da sala de aula. 1 – Refira qual foi o factor abiótico que se fez variar nesta experiência. 2 – Quais os resultados esperados para a caixa A? 3 – Na caixa B, as sementes terão todas o mesmo grau de desenvolvimento? Justifique. 4 – Quais as sementes que espera se tenham desenvolvido melhor na caixa C? Justifique. Temperatura de germinação de algumas sementes Algumas plantas estão bem adaptadas a temperaturas elevadas, como é o caso do cacto, enquanto outras, como o musgo e algumas espécies de pinheiros são mais resistentes a temperaturas baixas. Para resistir a temperaturas baixas, as plantas têm várias estratégias para resistir a baixas temperaturas. Observe a figura que se segue, e procure sistematizar essas estratégias. O milho resiste ao frio passando o Inverno na forma de sementes. Página 4 A tulipa perde a parte aérea, ficando reduzida a bolbos nos meses frios. O plátano perde as folhas, reduzindo a actividade e a energia desperdiçada.
  • 5. Influência da temperatura nos animais A influência da temperatura nos animais depende em grande parte da forma como estes regulam a sua temperatura corporal. Assim, relativamente à regulação da temperatura corporal, existem dois tipos de animais: Poiquilotérmicos – São animais cuja temperatura do corpo acompanha as variações de temperatura do meio externo. É o caso dos répteis e dos peixes. São muitas vezes, erradamente, chamados de animais de sangue frio Homeotérmicos – São animais, como as aves e os mamíferos, que mantêm a sua temperatura do corpo constante, apesar das variações de temperatura do meio externo. São também chamados, erradamente, de animais de sangue quente. O controlo da temperatura interna dá uma grande vantagem aos animais homeotérmicos, pois permitelhes sobreviver numa grande variedade de ambientes, pois independentemente das variações do meio o seu corpo manterá a temperatura constante, enquanto que a influência da temperatura nos animais poiquilotérmicos se fará sentir com muito mais intensidade. Actividade Os gráficos da figura que se segue traduzem a relação entre a temperatura corporal das iguanas marinhas e o seu batimento cardíaco. Página 5
  • 6. 1 – Determine o valor da temperatura corporal da iguana no momento em que sai e entra na água. 2 – Indique o valor do batimento cardíaco do animal no momento em que sai e entra da água. 3 – Relacione a variação da temperatura corporal com o batimento cardíaco da iguana. 4 – Explique a alteração da temperatura corporal: 4.1 – entre os 0 e 40 minutos 4.2 – entre os 40 e 50 minutos 5 – Para uma temperatura corporal de 30 ºC, indique o valor do ritmo cardíaco da iguana: 5.1 – na água 5.2 – na costa. A temperatura influencia os animais quer no seu comportamento quer nas suas características físicas, isto é, na sua morfologia. Os animais das regiões frias apresentam adaptações morfológicas que lhes permite reduzir as perdas de calor. Uma destas adaptações é possuírem extremidades corporais (orelhas, focinhos e cauda) mais curtas do que as dos animais de espécies semelhantes que vivem em regiões mais quentes, reduzindo deste modo as perdas de calor. Raposa do Ártico (Vulpes lagopus) Raposa do deserto (Fennecus zerda) Raposa comum (raposa vermelha) (Vulpes vulpes) Muitos animais acumulam espessas camadas de gordura debaixo da pele. É o caso do urso polar ou dos leões marinhos. Outros aumentam o nível de pêlos e penas no Inverno. Os leões marinhos acumulam grande quantidade de gordura debaixo da pele, o que ajuda a manter a temperatura corporal Alguns animais, sobretudo as aves, migram, evitando assim o frio ou a escassez de alimentos. No Inverno, alguns peixes, como a carpa, permanecem junto dos fundos e quase não se mexem, diminuindo a sua actividade, o que lhes permite poupar energia. Outros produzem substâncias que evitam que o seu corpo congele. Página 6
  • 7. Para suportar as condições adversas do Inverno, alguns animais, como os morcegos, as salamandras ou os ouriços-cacheiros, procuram locais de abrigo e reduzem as suas actividades ao mínimo possível, permanecendo numa espécie de sono profundo – hibernação. Arganaz em hibernação. A redução do seu metabolismo corporal permite-lhe poupar energia e sobreviver com as reservas acumuladas antes da chegada do Inverno Durante a hibernação, o ritmo da respiração e das batidas do coração dos animais diminui e a sua temperatura corporal baixa até ficar próxima da temperatura ambiente. Neste estado, os organismos necessitam de muito pouca energia, bastando-lhes apenas as reservas de gordura acumuladas antes da chegada do Inverno. Um fenómeno semelhante pode ocorrer durante o Verão, sendo neste caso chamado de estivação. Algumas espécies de caracóis estivam durante a estação quente. Produzem uma película que protege a abertura da concha para não dessecarem e reduzem a sua actividade ao máximo. Actividade Observe atentamente o gráfico seguinte, que representa a variação corporal do urso-castanho e da marmota, ao longo do ano. 1 – Indique a temperatura corporal do urso e da marmota em Janeiro 2 – Compare a variação ao longo do ano da temperatura corporal dos dois animais 3 – Indique qual dos animais hiberna durante o Inverno. 4 – Explique qual a vantagem para a marmota da sua temperatura corporal diminuir nos meses de Inverno. Alguns animais, como o urso-pardo, o texugo e vários répteis “dormem” durante o Inverno. Porém, esse “sono hibernal” não é considerado uma verdadeira hibernação, uma vez que esses animais não só podem acordar para comer, como também a diminuição da sua temperatura corporal é pouco acentuada. Página 7
  • 8. Influência da luz Sem luz do sol não seria possível a vida na Terra. É a partir da energia luminosa que as plantas produzem a matéria orgânica que constitui o seu corpo, bem como o oxigénio necessário a todos os animais. Como as plantas servem de alimento a outros organismos, estes, indirectamente, dependem também da luz. Os organismos são influenciados não só apenas pela intensidade luminosa, mas também pelo fotoperíodo – número de horas de luz por dia. Influência da luz nas plantas Todas as plantas necessitam de luz para o seu crescimento. Dependem dela para fazer a fotossíntese, por exemplo. No entanto, a quantidade de luz necessária varia de espécie para espécie: Plantas como o girassol necessitam de muita luminosidade – são plantas de luz ou heliófilas Plantas como os fetos necessitam de pouca luminosidade – são plantas de sombra ou umbrófilas. A intensidade luminosa e o fotoperíodo influenciam, ainda, outros processos vitais das plantas, como por exemplo: • A germinação das sementes: algumas plantas apenas germinam na ausência de luz, enquanto que outras, como a semente da alface, necessitam de uma quantidade mínima de luz para germinar. • A floração: algumas plantas apenas florescem quando os dias são longos relativamente às noites – plantas de dia longo. É o caso do trigo ou do girassol. Outras, pelo contrário, apenas florescem quando o fotoperíodo é curto – plantas de dia curto. É o caso dos crisântemos ou da soja. Há ainda plantas cuja floração não depende do número de horas de luz por dia – plantas indiferentes. É o caso do tomateiro, por exemplo. • O crescimento e maturação dos frutos. • Os movimentos das plantas (fototropismo): em certos casos verifica-se que as plantas seguem os movimentos do sol ao longo do dia, orientando-se para ele. • A abertura e fecho das flores. Página 8
  • 9. Actividade Colocaram-se três plantas nas condições experimentais que a seguir se apresentam. Durante duas semanas foram colocadas no mesmo sítio dentro da sala de aula e regadas com frequência. 1 – Qual o factor abiótico que se fez variar? 2 – Indique outros factores abióticos que se tenham mantido constantes. 3 – Que resultados espera para cada um dos vasos? 4 – Qual a conclusão que se pode tirar? Influência da luz nos animais A luz influencia o comportamento dos animais que, de acordo com a altura do dia em que estão mais activos, se podem classificar em diurnos, crepusculares e nocturnos. Os animais diurnos são mais activos durante o dia Os animais nocturnos são mais activos durante a noite Os animais crepusculares são mais activos na altura do pôr-do-sol O fotoperíodo influencia nos animais alguns fenómenos como: • A reprodução – a luz actua directamente sobre o desenvolvimento dos ovos dos peixes; a falta de luz retarda o desenvolvimento de larvas de certos insectos; alguns animais apenas se reproduzem quando o fotoperíodo ultrapassa um determinado valor, outros apenas se reproduzem quando os dias são curtos. • A formação de vitamina D ao nível da pele – os raios ultra-violeta são responsáveis pela produção de vitamina D na pele dos vertebrados. No entanto, quando em excesso, esses mesmos raios podem ter efeitos muito prejudiciais na saúde dos organismos. • O início das migrações e da mudança de pelagem e plumagem – animais como a lebre dos Alpes ou a raposa do Ártico têm pelagem cinzenta ou acastanhada no Verão mas no Inverno são brancos Página 9
  • 10. Actividades O gráfico que se segue apresenta a actividade de duas espécies animais (A e B) durante o dia. 1 – Indique em que período do dia cada uma das espécies é mais activa. 2 – Classifique cada uma das espécies quanto ao seu período de actividade 3 – Dê exemplos de animais que possam ser representados, respectivamente, pelas curvas A e B. 4 – Proponha algumas formas de avaliar a actividade dos animais. A desova das trutas Por forma a condicionar a desova das trutas foi efectuada em laboratório uma experiência. Recorrendo à luz artificial aumentou-se a duração do período diurno (como acontece na Primavera), e depois, pretendendo simular as condições próprias do Outono, provocou-se a diminuição do período diurno. 1 – Qual o objectivo desta actividade? 2 – Em que mês habitualmente ocorre a desova das trutas? 3 – Qual a influência do número de horas de luz na desova das trutas? 4 – Se os piscicultores pretendem que as trutas desovem mais cedo que método devem utilizar? Página 10
  • 11. O pêlo do arminho do Ártico O arminho do Ártico apresenta pelagem de cor branca no inverno e castanha no Verão. Na tentativa de descobrir qual o factor abiótico responsável por esta alteração de cor fizeram-se as seguintes experiências: 1 – Refira quais foram os factores abióticos investigados nesta experiência. 2 – De acordo com os resultados da investigação, indique qual dos factores abióticos é responsável pela alteração da cor da pelagem do arminho do Ártico. Justifique a sua resposta. 3 – Qual a vantagem para os animais desta mudança de cor? Influência da água A água serve de habitat para muitos seres e é um dos principais constituintes dos organismos, sendo indispensável a todas as suas funções vitais. Por isso, os organismos terrestres têm de ser capazes de resolver dois problemas: a sua obtenção e a diminuição de possíveis perdas (através da respiração, transpiração e excreção). Apesar das necessidades variarem de espécie para espécie, todas as espécies precisam de água para a sua vida. As sementes das plantas, por exemplo necessitam de uma determinada quantidade de água para germinar, consoante a espécie. Se a quantidade de água for excessiva as sementes apodrecem, se for insuficiente não se iniciam os processos metabólicos da germinação. De acordo com a maior ou menor necessidade de água, os seres vivos podem ser classificados em aquáticos, hidrófilos, mesofilos e xerófilos. (ver página seguinte) Página 11
  • 12. Os seres aquáticos vivem permanentemente na água. Os seres mesófilos têm necessidades moderadas de água Os seres hidrófilos vivem em lugares húmidos Os seres xerófilos habitam locais secos e resistentes à água. Adaptações das plantas à falta de água As plantas características das regiões secas apresentam diversas adaptações para captarem água e para diminuírem a sua perda. Por exemplo, os pinheiros que crescem em solos arenosos têm raízes muito profundas, para poderem captar a água que se infiltra para grandes profundidades. Nos desertos, onde chove abundantemente durante pouco tempo, algumas plantas possuem raízes pouco profundas, que se estendem por uma grande área de modo a que, quando chove, possam captar rapidamente a maior quantidade de água possível. Outras ainda são capazes de aproveitar água do orvalho. Para diminuírem a perda de água, algumas plantas como os cactos possuem as folhas transformadas em espinhos, o que diminui a área exposta e, consequentemente, a perda de água por transpiração. Estas plantas têm ainda caules carnudos, capazes de armazenar água Página 12
  • 13. Alguns cactos incham depois da chuva porque as suas pregas se enchem com água (A). Depois de alguns meses de seca, as pregas perdem a maior parte da água armazenada (B). Outra adaptação das plantas à secura é o revestimento por ceras impermeáveis ou por pêlos, o que diminui a transpiração. Nos desertos, muitas espécies de plantas vivem a maior parte do tempo sob a forma de sementes, que apenas germinam após a queda de chuva, desenvolvendo-se então muito rapidamente. Adaptações dos animais à falta de água Também os animais que habitam locais onde a água é escassa apresentam adaptações que lhes permitem sobreviver. O revestimento impermeável dos répteis impede a saída de água do corpo por transpiração. A gazela perde pouca água através das excreções, produzindo uma urina muito concentrada. O rato canguru não transpira, pois não tem glândulas sudoríparas. Além disso apresenta hábitos nocturnos. Animais como o camelo e o dromedário, utilizam a gordura corporal para produzir água. Página 14
  • 14. Algumas estratégias comportamentais são extremamente eficazes no que toca à economia de água. Um bom exemplo são os hábitos nocturnos, como acontece com o rato-canguru. Outras são mais invulgares. Por exemplo, uma carocha-preta que existe no deserto da Namíbia, apresenta uma adaptação curiosa. Quando há nevoeiro, a carocha desloca-se até à crista de uma duna e põe-se de cabeça para baixo com as asas e as patas traseiras voltadas para a brisa. A água condensa e escorre pelo corpo inclinado do insecto até à sua boca. Outra forma de resistir à secura é a estivação. Esta estratégia é utilizada, por exemplo, por algumas tartarugas e pelos caracóis. Influência do solo O solo é uma camada superficial da crosta terrestre, formada a partir dos detritos originados, por um lado, pela alteração das rochas e, por outro, pela decomposição dos seres vivos. É constituído por matéria mineral, matéria orgânica, água e também apresenta seres vivos, como mostra o diagrama de composição do solo. Uma vez que é sobre ele que se desenvolve toda a vida, as suas características, tais como a porosidade e a composição química, influenciam o modo de vida dos seres que nele se encontram. Diagrama da composição do solo. A matéria orgânica do solo é originada a partir dos seres vivos que o habitam ou que dele dependem. Por exemplo, os restos vegetais são matéria orgânica. O húmus é constituído por matéria orgânica em decomposição. A composição química e o teor em água são os factores que maior influência exercem sobre os seres vivos que dependem do solo para a sua sobrevivência. Actividade No laboratório de uma escola realizou-se a actividade que a seguir se descreve: 1 - Em diversos copos puseram-se a germinar, em algodão húmido, diversos feijões e escolheram-se 3 feijões com igual grau de desenvolvimento. 2 - De seguida, preparam-se duas soluções nutritivas: • • Solução 1: 1l de água destilada e 0,5 gramas dos seguintes sais: nitrato de potássio; fósforo; cálcio; sulfato de magnésio, de cálcio e de ferro; cloreto de sódio. Solução 2: semelhante à solução 1 mas sem nitrato de potássio. 3 - Marcaram-se os 3 copos com as letras A, B e C. 4 - Mantiveram-se os algodões húmidos, regando o copo A com a solução 1, o copo B com a solução 2 e o copo C com água destilada. 5 - Ao fim de uma semana verificou-se o desenvolvimento dos feijões, que se encontra representado na figura seguinte. Página 14
  • 15. Questões: 1 – Compare os resultados obtidos em função das soluções utilizadas para regar as plantas. 2 – Explique porque motivo a planta do vaso C quase morreu. 3 – Explique a diferença no desenvolvimento das plantas dos vasos A e B. 4 – O que se pode concluir da actividade? Na Natureza, a disponibilidade de água e a composição química dos solos é fundamental para a distribuição da vegetação. Nem os solos muito pobres em água e/ou sais minerais, nem os solos em que a quantidade de água ou de um determinado elemento seja muito elevada, são favoráveis ao desenvolvimento das plantas. Também a porosidade dos solos influencia a distribuição dos seres vivos. A maior parte das plantas desenvolve-se em solos muito coesos e pouco permeáveis (isto é, que permitem reter água). Os animais encontram-se em solos de porosidade muito diferente. As navalheiras são moluscos que se encontram em zonas onde o substracto arenoso é pouco compacto, enquanto que outros bivalves preferem zonas onde o substracto é compacto. Página 15