SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 4 – EXAMES SANTA MARIA DA BOA VISTA, 15 de agosto de 2008 Jefferson Nunes nunes.jefferson@hotmail .com 87 88189193 / 87 96081879
ÍNDICE HEMOGRAMA  Transmissão: via de regra sexual FASES Incubação Primária Secundária Latente Terciária
HEMOGRAMA O hemograma é um exame que analisa as variações quantitativas e morfológicas dos elementos figurados do sangue  complementa dados clínicos para auxiliar o médico na formulação de uma hipótese diagnóstica  Quem são esses elementos figurados?
HEMOGRAMA
AMNIOCENTESE Indicação? Mulheres < 35 anos com casos de doença cromossômica na família ou que tenham tido exame positivo de translucência nucal, e todas as gestantes com mais de 35 anos.  Quando ? Entre a 14ª e a vigésima semana, para a aminiocentese
AMNIOCENTESE O que detecta? Alterações cromossômicas  Como é feito ? O médico aspira, com uma agulha, parte do líquido amniótico
ARTERIOGRAFIA Indicação ? Arteriografia eletiva :o diagnóstico e avaliação da gravidade da aterosclerose em diversos nos territórios arteriais; investigação de aneursimas e má formações arteriais. Arteriografia de emergência: doenças agudas que acometem as artérias: dissecção aórtica aguda ; embolias; tromboses .
ARTERIOGRAFIA Orientações antes do exame  -  Jejum de pelo menos seis horas. É necessário a presença de um acompanhante, preferencialmente um familiar , durante o exame.  -  Medicações de uso habitual  não deverão ser suspensas , exceto os anticoagulantes orais , por 5 a 7 dias , pelo risco de sangramento; a metformina  por  48 horas , pelo risco de interação adversa com o contraste e  lesão renal.
ARTERIOGRAFIA Orientações antes do exame  -Exames de interesse  - Pacientes alérgicos a contraste,  medicações anti-alérgicas  .  - Pacientes com disfunção renal , ou com risco de desenvolvê-la , poderão necessitar  de alguma medicação ou internação prévia para hidratação com soro fisiológico; pacientes renais crônicos deverão fazer diálise no dia que antecede o exame
ARTERIOGRAFIA Como é feita  ?  um cateter é introduzido por uma artéria periférica e é conduzido até as artérias que serão estudadas com o exame  Riscos:   reações alérgicas ao contraste , sangramentos no local da punção, reação vaso-vagal , disfunção renal induzida pelo contraste.
 
BIÓPSIA Como é feita  ?  é realiza uma análise microscópica de tecido a partir de células previamente retiras por outros procedimentos.  Onde é feita ? em qualquer parte do corpo suspeita de alteração celular O que detecta ? anomalias celulares
BIÓPSIA
PRESSÃO ARTERIAL  Realizar as medidas em ambiente tranqüilo ,  sem ter ingerido álcool , café , alimentos ou fumado até 30 minutos antes.  O paciente deverá estar em repouso de pelo menos 2 minutos antes do início das medidas. Utilizar o braço apoiado na altura do coração, com a palma da mão voltada para cima e sem movimentação durante as medidas.  Não se deve falar durante as medidas.
CATETERISMO CARDÍACO Indicações  ?  infarto do miocárdio , angina ,  pacientes que previamente foram submetidos a angioplastia coronariana ou cirurgia de &quot;ponte de safena&quot; ,  pacientes selecionados sob avaliação de risco para cirurgia não-cardíaca ,  pacientes selecionados com doenças das válvulas do coração , além de cardiopatias congenitas , insuficiencia cardíaca , entre outras.
CATETERISMO CARDÍACO Orientações antes do exame  Jejum de pelo menos seis horas. É necessário a presença de um acompanhante, preferencialmente um familiar , durante o exame.  Apresentação de laudos cirurgicos -  Medicações de uso habitual  não deverão ser suspensas , exceto os anticoagulantes orais , por 5 a 7 dias , pelo risco de sangramento; a metformina  por  48 horas , pelo risco de interação adversa com o contraste e  lesão renal.
CATETERISMO CARDÍACO Orientações antes do exame  -Exames de interesse  - Pacientes alérgicos a contraste,  medicações anti-alérgicas  .  - Pacientes com disfunção renal , ou com risco de desenvolvê-la , poderão necessitar  de alguma medicação ou internação prévia para hidratação com soro fisiológico; pacientes renais crônicos deverão fazer diálise no dia que antecede o exame
CATETERISMO CARDÍACO Como é feito ? um cateter é introduzido por uma artéria periférica  e é conduzido até o tronco das artérias coronárias esquerda e direita. Após a injeção de contraste nestas artérias, são obtidas imagens de raio X em diversas  posições . Na última etapa do exame , é realizada a ventriculografia neste momento é comum o paciente sentir um sensação de calor no tórax . Durante todo o exame , o ritmo cardíaco é observado através de um monitor.
CATETERISMO CARDÍACO Pra q serve  ? é possível observar a presença de placas de ateromas nas artérias / maior  que 70%. tortuosidade coronariana ( artérias tortas ) , ponte intramiocárdica  e mal-formações congenitas, . A ventriculografia permite avaliar a força de contração das paredes do coração ,  podendo ainda visualizar imagens de trombos. O funcionamento das válvulas cardíacas e as pressoes das diversas câmaras do coração , também poderão ser avaliados .
CATETERISMO CARDÍACO Riscos ? complicações vasculares ( sangramento e formação de hematomas , espasmo da artéria , oclusao arterial e formação de pseudo-aneurisma ) sao as complicações mais comuns , no entanto , sua incidencia diminuiu  a partir da utilização da técnica de cateterização pela artéria radial , ao invés de femural  
CATETERISMO CARDÍACO
CATETERISMO CARDÍACO
CATETERISMO CARDÍACO
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA Como é feita  ?  Nesse exame , um computador gera imagens de cortes transversais da parte do corpo a ser analisada  revelando a localização exata de qualquer anormalidade.
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
ECOCARDIOGRAMA modalidade de ecografia ( exame que usa ondas sonoras para obter imagens ) que , associada ao doppler , permite obter informações detalhadas sobre a estrutura e o funcionamento do coração.  O ECO apresenta três modalidades principais : ecocardiograma de repouso ( ECOR ) , ecocardiograma com estresse ( ECOSTRESS )  o ecocardiograma transesofágico ( ETE ).
ECOCARDIOGRAMA Orientações antes do exame:   - Ecocadiograma de repouso ( ECOR ) : não existe a necessidade de jejum ou outro cuidado específico , como a suspensão de medicamentos.  - Ecocardiograma transesofágico ( ETE ) : o exame consiste em introduzir uma sonda de ultrassom através do esôfago, necessário jejum absoluto ( inclusive a ingestão de líquido ) de pelo menos 6 horas . É necessário a presença de um acompanhante , não é necessária a suspensão de qualquer medicamento.
ECOCARDIOGRAMA - Ecocardiograma de estresse ( ECOSTRESS ) : esta forma de ECO recebe este  nome, porque o coração sofre um &quot;estresse&quot; que torna o seu batimento mais rápido e vigoroso durante o exame . A fonte deste estresse cardíaco pode ser um esforço físico ou a ação de uma droga ( as mais usadas são a dobutamina e depois , o dipiridamol ). Geralmente o exame requer a suspensão de medicamentos como os betabloqueadores , bloqueadores dos canais de cálcio e os nitratos . Droga- estar em jejum de pelo menos 6 horas. punção de uma veia
ECOCARDIOGRAMA Riscos :  - ECOR: não existe nenhuma  - ECOSTRESS: o infarto do miocárdio ou arritmias cardíacas graves , são muito raras . No entanto , a infusão de dobutamina durante o exame poderá acarretar o surgimento de arritmias cardíacas transitórias , elevação da pressão arterial ou dor torácica . Palpitações , percepção desagradável do batimento cardíaco , são relativamente comuns durante o ECOSTRESS.  - ETE : aspiração de conteúdo gástrico , trauma esofágico ou depressão respiratória pelo uso do sedativo ( midazolam ) , são raras
ECOCARDIOGRAMA
ELETROCARDIOGRAMA  registra a atividade elétrica do coração em repouso , geralmente , através da colocação de dez eletrodos : dois localizados nas pernas , dois localizados nos antebraços e seis localizados na região anterior do tórax  o eletrocardiograma é o exame cardiológico mais simples
ELETROCARDIOGRAMA  Orientações antes do exame  não é necessário nenhum cuidado  específico ou  jejum  antes da realização de um eletrocardiograma. Os medicamentos de uso contínuo devem ser tomados normalmente no dia do exame.  realização de uma  tricotomia  Riscos eletrocardiograma  é um exame que não acarreta nenhum risco ou complicação para o paciente.
ELETROCARDIOGRAMA  Como é feito  ?   -  é composto por 3 elementos principais : a onda P  ( traduz a ativação elétrica dos átrios , câmaras menores e superiores do coração  ) , o complexo QRS ( traduz a despolarização dos ventrículos , câmaras maiores e inferiores do coração  ) e a onda T ( traduz a repolarização dos ventrículos ). Eventualmente pode haver a presença de uma onda , chamada de  U  .
ELETROCARDIOGRAMA
BIÓPSIA Como é feita  ?  é realiza uma análise microscópica de tecido a partir de células previamente retiras por outros procedimentos.  Onde é feita ? em qualquer parte do corpo suspeita de alteração celular O que detecta ? anomalias celulares
BIÓPSIA Como é feita  ?  é realiza uma análise microscópica de tecido a partir de células previamente retiras por outros procedimentos.  Onde é feita ? em qualquer parte do corpo suspeita de alteração celular O que detecta ? anomalias celulares
BIÓPSIA Como é feita  ?  é realiza uma análise microscópica de tecido a partir de células previamente retiras por outros procedimentos.  Onde é feita ? em qualquer parte do corpo suspeita de alteração celular O que detecta ? anomalias celulares
BIÓPSIA Como é feita  ?  é realiza uma análise microscópica de tecido a partir de células previamente retiras por outros procedimentos.  Onde é feita ? em qualquer parte do corpo suspeita de alteração celular O que detecta ? anomalias celulares
BIÓPSIA Como é feita  ?  é realiza uma análise microscópica de tecido a partir de células previamente retiras por outros procedimentos.  Onde é feita ? em qualquer parte do corpo suspeita de alteração celular O que detecta ? anomalias celulares
BIÓPSIA Como é feita  ?  é realiza uma análise microscópica de tecido a partir de células previamente retiras por outros procedimentos.  Onde é feita ? em qualquer parte do corpo suspeita de alteração celular O que detecta ? anomalias celulares

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca ArtificialAssistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
resenfe2013
 
Iam pos cirurgia valvar incor 2009
Iam pos cirurgia valvar incor 2009Iam pos cirurgia valvar incor 2009
Iam pos cirurgia valvar incor 2009
galegoo
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
Mateus Camargo
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em CardiologiaExames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em Cardiologia
resenfe2013
 
Monitorização para tec de enfermagem
Monitorização para tec de enfermagemMonitorização para tec de enfermagem
Monitorização para tec de enfermagem
Josiane Guimarães
 
Fallot pulmonar
Fallot pulmonarFallot pulmonar
Fallot pulmonar
Paulo Prates
 
Considerações anestésicas no tratamento da doença valvar aórtica por via cirú...
Considerações anestésicas no tratamento da doença valvar aórtica por via cirú...Considerações anestésicas no tratamento da doença valvar aórtica por via cirú...
Considerações anestésicas no tratamento da doença valvar aórtica por via cirú...
machareth
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização Hemodinamica
Rodrigo Biondi
 
ECMO
ECMOECMO
Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais
Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais
Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais
Germano Correia
 
Análise crítica do tratamento da doença carotídea hmb
Análise crítica do tratamento da doença carotídea   hmbAnálise crítica do tratamento da doença carotídea   hmb
Análise crítica do tratamento da doença carotídea hmb
Kate Antunes
 
Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leito
resenfe2013
 
Ffr
FfrFfr
Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar
resenfe2013
 
MonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMicaMonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMica
galegoo
 
Pai, balao e swan ganz resumo
Pai, balao e swan ganz resumoPai, balao e swan ganz resumo
Pai, balao e swan ganz resumo
Elisangela Oliveira
 
Iv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemodIv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemod
ctisaolucascopacabana
 
Anestesia em paciente com marcapasso cardíaco para gastrectomia
Anestesia em paciente com marcapasso cardíaco para gastrectomiaAnestesia em paciente com marcapasso cardíaco para gastrectomia
Anestesia em paciente com marcapasso cardíaco para gastrectomia
Tuane Freitas
 
Exames radiológicos II
Exames radiológicos IIExames radiológicos II
Exames radiológicos II
resenfe2013
 
Circulação Extra Corpórea - CEC
Circulação Extra Corpórea - CECCirculação Extra Corpórea - CEC
Circulação Extra Corpórea - CEC
resenfe2013
 

Mais procurados (20)

Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca ArtificialAssistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
 
Iam pos cirurgia valvar incor 2009
Iam pos cirurgia valvar incor 2009Iam pos cirurgia valvar incor 2009
Iam pos cirurgia valvar incor 2009
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em CardiologiaExames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em Cardiologia
 
Monitorização para tec de enfermagem
Monitorização para tec de enfermagemMonitorização para tec de enfermagem
Monitorização para tec de enfermagem
 
Fallot pulmonar
Fallot pulmonarFallot pulmonar
Fallot pulmonar
 
Considerações anestésicas no tratamento da doença valvar aórtica por via cirú...
Considerações anestésicas no tratamento da doença valvar aórtica por via cirú...Considerações anestésicas no tratamento da doença valvar aórtica por via cirú...
Considerações anestésicas no tratamento da doença valvar aórtica por via cirú...
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização Hemodinamica
 
ECMO
ECMOECMO
ECMO
 
Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais
Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais
Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais
 
Análise crítica do tratamento da doença carotídea hmb
Análise crítica do tratamento da doença carotídea   hmbAnálise crítica do tratamento da doença carotídea   hmb
Análise crítica do tratamento da doença carotídea hmb
 
Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leito
 
Ffr
FfrFfr
Ffr
 
Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar
 
MonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMicaMonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMica
 
Pai, balao e swan ganz resumo
Pai, balao e swan ganz resumoPai, balao e swan ganz resumo
Pai, balao e swan ganz resumo
 
Iv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemodIv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemod
 
Anestesia em paciente com marcapasso cardíaco para gastrectomia
Anestesia em paciente com marcapasso cardíaco para gastrectomiaAnestesia em paciente com marcapasso cardíaco para gastrectomia
Anestesia em paciente com marcapasso cardíaco para gastrectomia
 
Exames radiológicos II
Exames radiológicos IIExames radiológicos II
Exames radiológicos II
 
Circulação Extra Corpórea - CEC
Circulação Extra Corpórea - CECCirculação Extra Corpórea - CEC
Circulação Extra Corpórea - CEC
 

Destaque

Desenvolvimento do coração e anomalias congênitas
Desenvolvimento do coração e anomalias congênitasDesenvolvimento do coração e anomalias congênitas
Desenvolvimento do coração e anomalias congênitas
LUAH
 
Medicina Nuclear Aula Inicial Graduacao
Medicina Nuclear   Aula Inicial   GraduacaoMedicina Nuclear   Aula Inicial   Graduacao
Medicina Nuclear Aula Inicial Graduacao
caduanselmi
 
DiagnóStico Por Imagem Prof Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner SáDiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem Prof Vagner Sá
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
Eletrocardiograma biomedicina
Eletrocardiograma biomedicinaEletrocardiograma biomedicina
Eletrocardiograma biomedicina
Patricia Costa
 
Exames de imagem
Exames de imagem  Exames de imagem
Exames de imagem
resenfe2013
 
Indicaciones endodonticas parte 2
Indicaciones endodonticas parte 2Indicaciones endodonticas parte 2
Indicaciones endodonticas parte 2
Joyce Roca
 
Técnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicosTécnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicos
radiomed
 
Aula 4: Dr. Carlos Cavalcanti (Médico Radiologista)
 Aula 4: Dr. Carlos Cavalcanti (Médico Radiologista)  Aula 4: Dr. Carlos Cavalcanti (Médico Radiologista)
Aula 4: Dr. Carlos Cavalcanti (Médico Radiologista)
Hospital de Câncer de Barretos
 
Unifraslides
UnifraslidesUnifraslides
Unifraslides
Vania Fontanella
 
Aula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_examesAula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_exames
Marci Oliveira
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Amanda Moura
 
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologiaEquipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Heraldo Silva
 
07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito
Gabriel Jefferson Oliveira
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Marco Antonio
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
resenfe2013
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
Interpretação de ECG
Interpretação de ECGInterpretação de ECG
Interpretação de ECG
HIURYGOMES
 
Instruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriaisInstruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriais
clinicansl
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
danilo oliveira
 

Destaque (19)

Desenvolvimento do coração e anomalias congênitas
Desenvolvimento do coração e anomalias congênitasDesenvolvimento do coração e anomalias congênitas
Desenvolvimento do coração e anomalias congênitas
 
Medicina Nuclear Aula Inicial Graduacao
Medicina Nuclear   Aula Inicial   GraduacaoMedicina Nuclear   Aula Inicial   Graduacao
Medicina Nuclear Aula Inicial Graduacao
 
DiagnóStico Por Imagem Prof Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner SáDiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem Prof Vagner Sá
 
Eletrocardiograma biomedicina
Eletrocardiograma biomedicinaEletrocardiograma biomedicina
Eletrocardiograma biomedicina
 
Exames de imagem
Exames de imagem  Exames de imagem
Exames de imagem
 
Indicaciones endodonticas parte 2
Indicaciones endodonticas parte 2Indicaciones endodonticas parte 2
Indicaciones endodonticas parte 2
 
Técnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicosTécnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicos
 
Aula 4: Dr. Carlos Cavalcanti (Médico Radiologista)
 Aula 4: Dr. Carlos Cavalcanti (Médico Radiologista)  Aula 4: Dr. Carlos Cavalcanti (Médico Radiologista)
Aula 4: Dr. Carlos Cavalcanti (Médico Radiologista)
 
Unifraslides
UnifraslidesUnifraslides
Unifraslides
 
Aula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_examesAula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_exames
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologiaEquipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
 
07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Interpretação de ECG
Interpretação de ECGInterpretação de ECG
Interpretação de ECG
 
Instruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriaisInstruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriais
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
 

Semelhante a exames

Aula margarete nóbrega 2012
Aula margarete nóbrega 2012Aula margarete nóbrega 2012
Aula margarete nóbrega 2012
Katia Pontes Remijo
 
clnicamdicaiiparte1-161122162100 (1).pdf
clnicamdicaiiparte1-161122162100 (1).pdfclnicamdicaiiparte1-161122162100 (1).pdf
clnicamdicaiiparte1-161122162100 (1).pdf
MarcelAzevedo5
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
Will Nunes
 
Eletrocardiograma ECG e Enzimas Cardíacas e Hepaticas
Eletrocardiograma  ECG e Enzimas Cardíacas e HepaticasEletrocardiograma  ECG e Enzimas Cardíacas e Hepaticas
Eletrocardiograma ECG e Enzimas Cardíacas e Hepaticas
Renara Kran
 
Transplante renal - Liga de Nefrologia UFC - Sobral
Transplante renal - Liga de Nefrologia UFC - SobralTransplante renal - Liga de Nefrologia UFC - Sobral
Transplante renal - Liga de Nefrologia UFC - Sobral
Renan Miranda Cavalcante
 
Papel do ECO na cardiopatia isquêmica
Papel do ECO na cardiopatia isquêmicaPapel do ECO na cardiopatia isquêmica
Papel do ECO na cardiopatia isquêmica
gisa_legal
 
Angiotomografia
AngiotomografiaAngiotomografia
Angiotomografia
Bárbara Kenig
 
Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...
Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...
Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...
Conrado Alvarenga
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
Daniel Valente
 
Aula 07 - Doenças Cardiovasculares - Angina.pdf
Aula 07 - Doenças Cardiovasculares - Angina.pdfAula 07 - Doenças Cardiovasculares - Angina.pdf
Aula 07 - Doenças Cardiovasculares - Angina.pdf
Giza Carla Nitz
 
Medicina Nuclear Por norma geral
Medicina Nuclear Por norma geralMedicina Nuclear Por norma geral
Medicina Nuclear Por norma geral
McManusMcManus5
 
Aula Cuidados Pré Operatórios
Aula Cuidados Pré OperatóriosAula Cuidados Pré Operatórios
Aula Cuidados Pré Operatórios
fernandomadureira
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
Marília Gomes
 
Urografia excretora - Abordagem completa
Urografia excretora - Abordagem completaUrografia excretora - Abordagem completa
Urografia excretora - Abordagem completa
Heitor Leandro
 
24 liv rx m nuclear ro us rm 755 a 784
24  liv rx m nuclear ro us rm  755 a 78424  liv rx m nuclear ro us rm  755 a 784
24 liv rx m nuclear ro us rm 755 a 784
Escola Técnica Destake NI
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
Rui Amorim
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
raissalelis
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
Joice Lins
 
ECOCARDIOGRAMA & RAIO-X.pdf
ECOCARDIOGRAMA & RAIO-X.pdfECOCARDIOGRAMA & RAIO-X.pdf
ECOCARDIOGRAMA & RAIO-X.pdf
HannahVictoriaDuarte
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
Patricia Nunes
 

Semelhante a exames (20)

Aula margarete nóbrega 2012
Aula margarete nóbrega 2012Aula margarete nóbrega 2012
Aula margarete nóbrega 2012
 
clnicamdicaiiparte1-161122162100 (1).pdf
clnicamdicaiiparte1-161122162100 (1).pdfclnicamdicaiiparte1-161122162100 (1).pdf
clnicamdicaiiparte1-161122162100 (1).pdf
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Eletrocardiograma ECG e Enzimas Cardíacas e Hepaticas
Eletrocardiograma  ECG e Enzimas Cardíacas e HepaticasEletrocardiograma  ECG e Enzimas Cardíacas e Hepaticas
Eletrocardiograma ECG e Enzimas Cardíacas e Hepaticas
 
Transplante renal - Liga de Nefrologia UFC - Sobral
Transplante renal - Liga de Nefrologia UFC - SobralTransplante renal - Liga de Nefrologia UFC - Sobral
Transplante renal - Liga de Nefrologia UFC - Sobral
 
Papel do ECO na cardiopatia isquêmica
Papel do ECO na cardiopatia isquêmicaPapel do ECO na cardiopatia isquêmica
Papel do ECO na cardiopatia isquêmica
 
Angiotomografia
AngiotomografiaAngiotomografia
Angiotomografia
 
Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...
Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...
Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
 
Aula 07 - Doenças Cardiovasculares - Angina.pdf
Aula 07 - Doenças Cardiovasculares - Angina.pdfAula 07 - Doenças Cardiovasculares - Angina.pdf
Aula 07 - Doenças Cardiovasculares - Angina.pdf
 
Medicina Nuclear Por norma geral
Medicina Nuclear Por norma geralMedicina Nuclear Por norma geral
Medicina Nuclear Por norma geral
 
Aula Cuidados Pré Operatórios
Aula Cuidados Pré OperatóriosAula Cuidados Pré Operatórios
Aula Cuidados Pré Operatórios
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Urografia excretora - Abordagem completa
Urografia excretora - Abordagem completaUrografia excretora - Abordagem completa
Urografia excretora - Abordagem completa
 
24 liv rx m nuclear ro us rm 755 a 784
24  liv rx m nuclear ro us rm  755 a 78424  liv rx m nuclear ro us rm  755 a 784
24 liv rx m nuclear ro us rm 755 a 784
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
 
ECOCARDIOGRAMA & RAIO-X.pdf
ECOCARDIOGRAMA & RAIO-X.pdfECOCARDIOGRAMA & RAIO-X.pdf
ECOCARDIOGRAMA & RAIO-X.pdf
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
 

exames

  • 1. Aula 4 – EXAMES SANTA MARIA DA BOA VISTA, 15 de agosto de 2008 Jefferson Nunes nunes.jefferson@hotmail .com 87 88189193 / 87 96081879
  • 2. ÍNDICE HEMOGRAMA Transmissão: via de regra sexual FASES Incubação Primária Secundária Latente Terciária
  • 3. HEMOGRAMA O hemograma é um exame que analisa as variações quantitativas e morfológicas dos elementos figurados do sangue complementa dados clínicos para auxiliar o médico na formulação de uma hipótese diagnóstica Quem são esses elementos figurados?
  • 5. AMNIOCENTESE Indicação? Mulheres < 35 anos com casos de doença cromossômica na família ou que tenham tido exame positivo de translucência nucal, e todas as gestantes com mais de 35 anos. Quando ? Entre a 14ª e a vigésima semana, para a aminiocentese
  • 6. AMNIOCENTESE O que detecta? Alterações cromossômicas Como é feito ? O médico aspira, com uma agulha, parte do líquido amniótico
  • 7. ARTERIOGRAFIA Indicação ? Arteriografia eletiva :o diagnóstico e avaliação da gravidade da aterosclerose em diversos nos territórios arteriais; investigação de aneursimas e má formações arteriais. Arteriografia de emergência: doenças agudas que acometem as artérias: dissecção aórtica aguda ; embolias; tromboses .
  • 8. ARTERIOGRAFIA Orientações antes do exame - Jejum de pelo menos seis horas. É necessário a presença de um acompanhante, preferencialmente um familiar , durante o exame. - Medicações de uso habitual  não deverão ser suspensas , exceto os anticoagulantes orais , por 5 a 7 dias , pelo risco de sangramento; a metformina  por  48 horas , pelo risco de interação adversa com o contraste e  lesão renal.
  • 9. ARTERIOGRAFIA Orientações antes do exame -Exames de interesse - Pacientes alérgicos a contraste, medicações anti-alérgicas  . - Pacientes com disfunção renal , ou com risco de desenvolvê-la , poderão necessitar  de alguma medicação ou internação prévia para hidratação com soro fisiológico; pacientes renais crônicos deverão fazer diálise no dia que antecede o exame
  • 10. ARTERIOGRAFIA Como é feita  ? um cateter é introduzido por uma artéria periférica e é conduzido até as artérias que serão estudadas com o exame Riscos:  reações alérgicas ao contraste , sangramentos no local da punção, reação vaso-vagal , disfunção renal induzida pelo contraste.
  • 11.  
  • 12. BIÓPSIA Como é feita  ? é realiza uma análise microscópica de tecido a partir de células previamente retiras por outros procedimentos. Onde é feita ? em qualquer parte do corpo suspeita de alteração celular O que detecta ? anomalias celulares
  • 14. PRESSÃO ARTERIAL Realizar as medidas em ambiente tranqüilo , sem ter ingerido álcool , café , alimentos ou fumado até 30 minutos antes. O paciente deverá estar em repouso de pelo menos 2 minutos antes do início das medidas. Utilizar o braço apoiado na altura do coração, com a palma da mão voltada para cima e sem movimentação durante as medidas. Não se deve falar durante as medidas.
  • 15. CATETERISMO CARDÍACO Indicações  ? infarto do miocárdio , angina ,  pacientes que previamente foram submetidos a angioplastia coronariana ou cirurgia de &quot;ponte de safena&quot; ,  pacientes selecionados sob avaliação de risco para cirurgia não-cardíaca ,  pacientes selecionados com doenças das válvulas do coração , além de cardiopatias congenitas , insuficiencia cardíaca , entre outras.
  • 16. CATETERISMO CARDÍACO Orientações antes do exame Jejum de pelo menos seis horas. É necessário a presença de um acompanhante, preferencialmente um familiar , durante o exame. Apresentação de laudos cirurgicos - Medicações de uso habitual  não deverão ser suspensas , exceto os anticoagulantes orais , por 5 a 7 dias , pelo risco de sangramento; a metformina  por  48 horas , pelo risco de interação adversa com o contraste e  lesão renal.
  • 17. CATETERISMO CARDÍACO Orientações antes do exame -Exames de interesse - Pacientes alérgicos a contraste, medicações anti-alérgicas  . - Pacientes com disfunção renal , ou com risco de desenvolvê-la , poderão necessitar  de alguma medicação ou internação prévia para hidratação com soro fisiológico; pacientes renais crônicos deverão fazer diálise no dia que antecede o exame
  • 18. CATETERISMO CARDÍACO Como é feito ? um cateter é introduzido por uma artéria periférica e é conduzido até o tronco das artérias coronárias esquerda e direita. Após a injeção de contraste nestas artérias, são obtidas imagens de raio X em diversas  posições . Na última etapa do exame , é realizada a ventriculografia neste momento é comum o paciente sentir um sensação de calor no tórax . Durante todo o exame , o ritmo cardíaco é observado através de um monitor.
  • 19. CATETERISMO CARDÍACO Pra q serve ? é possível observar a presença de placas de ateromas nas artérias / maior  que 70%. tortuosidade coronariana ( artérias tortas ) , ponte intramiocárdica e mal-formações congenitas, . A ventriculografia permite avaliar a força de contração das paredes do coração ,  podendo ainda visualizar imagens de trombos. O funcionamento das válvulas cardíacas e as pressoes das diversas câmaras do coração , também poderão ser avaliados .
  • 20. CATETERISMO CARDÍACO Riscos ? complicações vasculares ( sangramento e formação de hematomas , espasmo da artéria , oclusao arterial e formação de pseudo-aneurisma ) sao as complicações mais comuns , no entanto , sua incidencia diminuiu  a partir da utilização da técnica de cateterização pela artéria radial , ao invés de femural  
  • 24. TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA Como é feita  ? Nesse exame , um computador gera imagens de cortes transversais da parte do corpo a ser analisada revelando a localização exata de qualquer anormalidade.
  • 26. ECOCARDIOGRAMA modalidade de ecografia ( exame que usa ondas sonoras para obter imagens ) que , associada ao doppler , permite obter informações detalhadas sobre a estrutura e o funcionamento do coração. O ECO apresenta três modalidades principais : ecocardiograma de repouso ( ECOR ) , ecocardiograma com estresse ( ECOSTRESS ) o ecocardiograma transesofágico ( ETE ).
  • 27. ECOCARDIOGRAMA Orientações antes do exame:  - Ecocadiograma de repouso ( ECOR ) : não existe a necessidade de jejum ou outro cuidado específico , como a suspensão de medicamentos. - Ecocardiograma transesofágico ( ETE ) : o exame consiste em introduzir uma sonda de ultrassom através do esôfago, necessário jejum absoluto ( inclusive a ingestão de líquido ) de pelo menos 6 horas . É necessário a presença de um acompanhante , não é necessária a suspensão de qualquer medicamento.
  • 28. ECOCARDIOGRAMA - Ecocardiograma de estresse ( ECOSTRESS ) : esta forma de ECO recebe este  nome, porque o coração sofre um &quot;estresse&quot; que torna o seu batimento mais rápido e vigoroso durante o exame . A fonte deste estresse cardíaco pode ser um esforço físico ou a ação de uma droga ( as mais usadas são a dobutamina e depois , o dipiridamol ). Geralmente o exame requer a suspensão de medicamentos como os betabloqueadores , bloqueadores dos canais de cálcio e os nitratos . Droga- estar em jejum de pelo menos 6 horas. punção de uma veia
  • 29. ECOCARDIOGRAMA Riscos : - ECOR: não existe nenhuma - ECOSTRESS: o infarto do miocárdio ou arritmias cardíacas graves , são muito raras . No entanto , a infusão de dobutamina durante o exame poderá acarretar o surgimento de arritmias cardíacas transitórias , elevação da pressão arterial ou dor torácica . Palpitações , percepção desagradável do batimento cardíaco , são relativamente comuns durante o ECOSTRESS. - ETE : aspiração de conteúdo gástrico , trauma esofágico ou depressão respiratória pelo uso do sedativo ( midazolam ) , são raras
  • 31. ELETROCARDIOGRAMA registra a atividade elétrica do coração em repouso , geralmente , através da colocação de dez eletrodos : dois localizados nas pernas , dois localizados nos antebraços e seis localizados na região anterior do tórax o eletrocardiograma é o exame cardiológico mais simples
  • 32. ELETROCARDIOGRAMA Orientações antes do exame não é necessário nenhum cuidado  específico ou  jejum  antes da realização de um eletrocardiograma. Os medicamentos de uso contínuo devem ser tomados normalmente no dia do exame. realização de uma  tricotomia Riscos eletrocardiograma  é um exame que não acarreta nenhum risco ou complicação para o paciente.
  • 33. ELETROCARDIOGRAMA Como é feito  ?  -  é composto por 3 elementos principais : a onda P  ( traduz a ativação elétrica dos átrios , câmaras menores e superiores do coração  ) , o complexo QRS ( traduz a despolarização dos ventrículos , câmaras maiores e inferiores do coração  ) e a onda T ( traduz a repolarização dos ventrículos ). Eventualmente pode haver a presença de uma onda , chamada de  U  .
  • 35. BIÓPSIA Como é feita  ? é realiza uma análise microscópica de tecido a partir de células previamente retiras por outros procedimentos. Onde é feita ? em qualquer parte do corpo suspeita de alteração celular O que detecta ? anomalias celulares
  • 36. BIÓPSIA Como é feita  ? é realiza uma análise microscópica de tecido a partir de células previamente retiras por outros procedimentos. Onde é feita ? em qualquer parte do corpo suspeita de alteração celular O que detecta ? anomalias celulares
  • 37. BIÓPSIA Como é feita  ? é realiza uma análise microscópica de tecido a partir de células previamente retiras por outros procedimentos. Onde é feita ? em qualquer parte do corpo suspeita de alteração celular O que detecta ? anomalias celulares
  • 38. BIÓPSIA Como é feita  ? é realiza uma análise microscópica de tecido a partir de células previamente retiras por outros procedimentos. Onde é feita ? em qualquer parte do corpo suspeita de alteração celular O que detecta ? anomalias celulares
  • 39. BIÓPSIA Como é feita  ? é realiza uma análise microscópica de tecido a partir de células previamente retiras por outros procedimentos. Onde é feita ? em qualquer parte do corpo suspeita de alteração celular O que detecta ? anomalias celulares
  • 40. BIÓPSIA Como é feita  ? é realiza uma análise microscópica de tecido a partir de células previamente retiras por outros procedimentos. Onde é feita ? em qualquer parte do corpo suspeita de alteração celular O que detecta ? anomalias celulares