SlideShare uma empresa Scribd logo
Segunda de Paulo aos
Corintios
Disciplina de Corpo Paulino
Professor Erno Aloísio
Alunos Rodrigo Menegatti e Israel Brixner
Algumas características de Corinto
 A cidade antiga situava-
se 5.500 mt a sudoeste
da atual cidade;
 Era uma importante rota de
navios de mercadorias.
Na época antiga, venerava-se Ascrépio filho do Deus
Apolo e uma mulher. Ele tornara-se um curandeiro
afamado. Muitas pessoas procuravam o relicário deste
semideus em busca de cura. As curas eram muito
frequentes, daí a importância de alguém que afirmasse
poderes semelhantes.
Canal de corinto
iniciado por Nero,
mas penas concluído
de 1887-1893.
Informações básicas
segundo Brown
• DATA: final do verão/início de 57, da Macedônia (55/56, na
cronologia nov)
• DESTINATÁRIOS: a Igreja para a qual foi enviada 1 Cor.
• AUTENTICIDADE: não questionada seriamente.
• UNIDADE: muitos estudiosos pensam que diversas (de duas a
cinco) cartas foram compiladas.
• INTEGRIDADE: alguns acreditam que 2Cor 6,14-7,1 é uma
interpolação não-paulina.
• DIVISÃO FORMAL: (da carta atual)
A. FORMULA INTRODUTÓRIA: 1,1-2.
B. AÇÃO DE GRAÇAS: 1,3-11.
C. CORPO: 1,12-13,10.
D. FÓRMULA CONCLUSIVA: 13,11-13
Informações básicas
segundo Brown
DIVISÃO CONFORME O CONTEÚDO
1,1-11: Endereço/ saudação e ação de graças, enfatizando os
sofrimentos de Paulo.
1,12-7,16: PRIMEIRA PARTE: as relações de Paulo com os cristãos
de coríntios
a) 1,12-2,13: sua visita adiada e a carta “em lagrimas”
b) 2,14-7,16: seu ministério ( interrupção: 6,14-7,1)
8,1-9,15: SEGUNDA PARTE: coleta para a Igreja de Jerusalém
10,1-13,10: Terceira parte: resposta de Paulo aos questionamentos
sobre sua autoridade apostólica
13,11-13: saudações conclusivas, bênçãos
Relação de Paulo com os
corintos
Estendeu-se por vários
anos 50-57 dC.
O seu primeiro contato com os
coríntios, quem nos fornece são os
Atos dos A. Seria a Ultima fase da 2ª
viagem missionária.
Paulo teria partido de Atenas e em
Corinto encontrou o casal judeu Priscila e
Áquila, Ambos recém chagados a cidade.
Trabalhavam juntos e nos fins de semana
pregavam nas Sinagogas (At 18,1-4).
Inicialmente, os Judeu da cidade desprezaram Paulo. Este
por sua vez teria se dedicado aos pagãos e houve muitas
conversões.
Permaneceu 18
meses em
Corinto.
A relação de Paulo com a Igreja de
corinto em 2 Cor
Paulo
Paulo mudou seus planos e viajou direto de Éfeso para
corinto por causa de alguns problemas.
Quando chegou a Corinto, viu-se alvo de ataques (2 Cor2,5-7,12).
A visita foi dolorosa, porque depois dela, Paulo viajou pela
Macedônia, na volta era para passar em Corinto, mas foi direto a
Éfeso (2,Cor 1-23-2,1).
De volta a Éfeso, Paulo redige a chamada carta severa e envia aos
coríntios. (2 Cor 2,3-4; 7,8-12).
A relação de Paulo com a Igreja de
corinto em 2 Cor
Paulo Depois de ter enviado a carta severa, Paulo fica
ansioso em Éfeso por resposta. Manda Tito como
mensageiro.
Como Tito não volta, Paulo vai de encontro, pela
Macedônia, mas lá também é fortemente perseguido (Cor
7,5;8,1-2)
Tito volta a macedônia com bons resultados (cor, 7,6-7).
Diante de boas noticias, Paulo respondeu com outra carta. Nesta
carta encontra-se motivos do ministérios apostólico de Paulo (c. 1,3-
11;2,12-7,4) e a respeito da coleta para os empobrecidos de
Jerusalém (cc.8-9).
A relação de Paulo com a Igreja de
corinto em 2 Cor
Paulo Envia Tito e outras duas pessoas novamente a
cidade de corinto para certificar-se de que tudo
estava certo para a sua chegada.
Ao chegar em Corinto, os “super apóstolos” realizaram muitas
acusações contra Paulo e seus companheiros emissários. Parece
que a comunidade tinha se deixado influenciar por estas pessoas.
Tito voltou com más noticias sobre a comunidade de corinto.
Paulo estava na Macedônia.
Tendo isto presente, Paulo envia a carta ainda mais severa, muitos
a consideram a ultima à comunidade (c. 10-13). Ela foi uma
resposta aos “super apóstolos”. Promete uma terceira visita.
A relação de Paulo com a Igreja de
corinto em 2 Cor
Paulo
Da Macedônia ele vai a Grécia e passa em Corinto. Ali
teria escrito uma carta ao Romanos (Rm 15,25-26).
Segundo conta em Romanos, a visita foi boa. Além
disso, realizou a coleta com êxito.
Aparentemente a comunidade de Corinto havia entrado em
harmonia novamente. Mas não por muito tempo, escritos
de Clemente Romano teriam indicado que nos anos 96 dC.
a desarmonia teria se tornado um problema de novo.
Estrutura da carta
1, 1-2: Saudação.
1,3-11: Consolo na Tribulação
1,12-22: Mudança de planos, 1,23-2,4 e sua motivação.
2,5-13: Castigo e perdão para o ofensor
I
2,14-4,6: Ministério apostólico
e comparação como Moisés
4,7-5,16: Confiança em Deus e
esperança na glória.
5,17-6,13: O ministério da
reconciliação e o paradoxo do
Apóstolo.
6,14-7,1: Inserção: templo de
Deus
II
8 e 9: A coleta para a Igreja de Jerusalém
III
10-13: Defesa polêmica da Paulo
11: Ostentação de um néscio fingido
12,1-13,10: Revelação e fraquezas; o
ministério em Corinto
13,11-13: Saudação
Bíblia
peregrino
Conteúdo geral carta
É um pouco confuso, provavelmente
porque, no momento de colecionar as
cartas de Paulo, trechos de diversas
cartas foram incluídas nesta.
Brown
Quantas cartas Paulo teria escrito aos
Coríntios ?
Problema complexo Existem muitas teorias, uma delas
afirma que são 5 cartas.
Preservada substancialmente é 2 Cor 10-13
A “anterior” teria (hoje perdida) mencionada em 1Cor 5,9
Consistiria carta atual 1 Cor
A carta “severa” mencionada em 2 Cor 2,3-4;7,12
Seria a nossa 2 Cor 1-9
1
2
3
4
5
Kruse
Quantas cartas Paulo teria escrito aos
Coríntios ?
Outras teorias
 1. Anterior (hoje perdida).
 2. 1 Cor. (que deve ser
identificada como a carta
severa mencionada em 2
Cor 2,3-4.
 3. 2 Cor
 1. A anterior (2Cor 6,14-
7,1 às vezes considerada
um fragmento desta carta.
 2. 1Cor,
 3. a carta “severa” (em
grande parte preservada
em 2Cor 10-13.
 4. 2 Cor 1-9.
3 4
Kruse
Quadro comparativo
1ª Carta aos Coríntios
 Voltada aos problemas
específicos dos coríntios
(questões de doutrina e
prática).
 Contém especificidades
como hino a caridade.
2ª Carta aos coríntios
 É mais pessoal.
 abre mais o coração de
Paulo para mostrar os seus
sentimentos fortes em
relação aos coríntios e, mais
ainda, para com o Senhor.
 É um livro extremamente
rico pelo qual somos
privilegiados para ver o
coração de uma das grandes
personagens da História, o
apóstolo Paulo.
DATAS
Pelas cartas não da pra ter uma ideia, mas pelos relatos dos Atos
dos A. se poderia supor:
Em 55 teria feito a visita
dolorosa e escreveu a carta
severa. 56 teria feito a 3ª
visita a Corinto queria chegar
a Jerusalém para a festa de
pentecostes em 57.
Paulo teria chagado a
Corinto para a sua 1º
visita no começo de 50
dC. Permanece ali 18
meses.
Kruse
Características da 2 Cor
Não consiste numa obra doutrinária;
Trata-se de ventilações de problemas surgidos entre
Paulo e os crentes de corinto, juntamente com
problemas de ética e de conduta cristã.
Nesta epístola é possível perceber a personalidade e
o caráter de Paulo.
Ela serve também como material bibliográfico do
apostolo dos Gentios.
Champlin
Pano de fundo de 2 Cor
Depois da morte de Jesus, o poder de sua personalidade havia
gerado mais de 100 seitas diferentes, todas reivindicando
autoridade recebida da parte dele.
Como reconciliar o judaísmo com Jesus ou
com Paulo, ou com ambos? Como
conciliar Paulo com Jesus? Como explicar
os discernimentos de Paulo em relação
aos rumos do cristianismo?
Problemática
No seio das comunidade cristãs houveram muitas brigas e desacordos.
Daí surgem alguns questionamentos.
Champlin
Pano de fundo de 2 Cor
Quando Paulo escreveu suas epístolas, aos crentes de Corinto, o
partido dos legalistas e fundamentalistas da velha guarda, presos
em sua mentalidade rígida, fixa em leis e cerimônias, se opôs a
Paulo amargamente.
Em corinto, viviam muitos judeus, grande número vindos de
Jerusalém, apresentando-se como autoridade nas questões
litigiosas. Neste contexto, a autoridade apostólica será posta em
dúvida.
Certos líderes, vindos de exterior, chagaram em corinto trazendo
cartas de recomendação (Cor 3,1). Afirmando terem autoridade
sobre a Igreja (12,21).
Champlin
Pano de fundo de 2 Cor
Estas pessoas quiseram desmoralizar a autoridade de Paulo
diante da comunidade. Paulo reagiu mandando Timóteo, mas não
resolveu. Aí manda Tito tem com a missão de mediador (7,14-15).
 Insinceridade;
 Interesseiro nos bens materiais;
 Usar de falsos argumentos 12,16;
 De não exibir os poderes de um verdadeiro
apóstolo;
 Atacavam sua aparência débil e sua péssima
oratória 10,10;
 Não era um bom líder e meio desiquilibrado
mentalmente;
Acusações
Champlin
Alguns problemas que Paulo enfrentou
em Corinto.
 A Igreja de Corinto era nascente, então surgiram muitas
questões doutrinais. Mas a principal era o embate com seus
opositores.
 Com os embates, criaram-se algumas facções dentro da
comunidade.
 Também havia o eloquente Apolo, bom orador, personalidade
forte, inclinado ao intelectualismo, ex filósofo talvez ;
 Havia na cidade também certa lassidão moral na cultura. Certas
tendências liberais, o que entrava em conflito com as posições
de Paulo 12,21.
 Contudo, no geral, Paulo conseguiu muitas vitórias espirituais
nesta comunidade.
Champlin
Motivos da escrita da carta
Queria restabelecer sua autoridade
apostólica ali;
Seu grande propósito era reconciliar-se com a
igreja cristã de Corinto
a correção das falhas;
Fim das facções;
Champlin
Autoridade da carta
As indicações é que por volta de 95 dC. a carta já era
muito conhecida por quase todas as comunidade
cristãs. E que, pelo fim do séc. II ela deve ter sido
quase universalmente conhecida. Muitos afirmam
que ela não sofreu modificações daquilo que
conhecemos atualmente.
Champlin
Alguns temas da carta
1- Deus Pai
2- Poderes
diabólicos
3- Jesus
Cristo
6-
Imortalidade
5-
Autoridade
AT
4- Espírito
Santo
7-
Sofrimento
humano
9 - Uso do
dinheiro
8 –
esperança
cristã
10 – Defesa
do apostolado
de Paulo
Temas específicos segundo a Bíblia CNBB
Dores e alegrias
do ministério:
A leitura desta carta nos faz ver Paulo ao
vivo, homem de fibra, sem falsa humildade,
porém, pela graça de Cristo levado a assumir
a humilhação e o sofrimento. Ele se defende
não por causa de si mesmo, mas para que o
evangelho não caia em descrédito (12,19).
A antiga e a nova
aliança, a letra e o
espírito:
Esta carta faz contínuas comparações entre
o ministério da Lei de Moisés, que pela
primeira vez é chamada da Antiga Aliança e
o serviço de Cristo, a Nova Aliança (3,6.14).
Não se deve ler as escrituras conforme a
letra, que mata, mas conforme o espírito,
que faz viver (3,6).
Temas específicos segundo a Bíblia CNBB
Mutirão em favor
dos pobres:
Nos cc. 8 e 9 estão reunidos dois biletes, um
a Igreja de Corinto e outro a um círculo mais
amplo, para que se empenhem em
contribuir para a coleta pelos pobres da
Igreja-mãe de Jerusalém, vitimas de carestia,
conforme Paulo prometera aos Apóstolos.
Sintetizando
Em IICor pode-se destacar os seguintes temas importantes:
 As necessidades de clareza entre os chefes das
comunidades cristãs e os batizados;
 A importância de relações de afeto e de carinho entre os
responsáveis pela igreja e o povo.
 A aceitação das cruz como sinal do apostolado cristão.
 Os sagrifícios que os missionários devem enfrentar e prol da
evangelização dos fiéis.
 A ministério presbiteral como serviço no Espírito.
 A alegria de uma vida totalmente entregue a Deus e os
demais. Valor dos dons místicos que acompanham o
evangelizador em seu trabalho.
 A beleza e o valor da partilha.
• BÍBLIA. Português. 2011. Bíblia de Jerusalém. São Paulo: Paulus, 2011. 2206 p.
• BÍBLIA. Português. Schökel. 2002. Bíblia do Peregrino. São Paulo-SP: Paulus, 2002.
3056 p.Tradução, comentários e notas de Luís Alonso Schökel.
• BORTOLINI, José. Como ler a segunda carta aos Coríntios: o agente de pastoral e o
poder. São Paulo: Paulinas, 1992. 54 p.
• BROWN, Raymond E. Introdução ao Novo Testamento. São Paulo: Paulinas, 2004.
1135 p
• CASALEGNO, Alberto. Paulo: o Evangelho do amor fiel de Deus: introdução às cartas
e à teologia paulinas. São Paulo: Loyola, 2001. 283 p.
• CHAMPLIN, Russell Norman. O Novo Testamento interpretado: versículo por
versículo. São Paulo: Milenium Distribuidora Cultural, 1980. v.5.
• KRUSE, Colin G. II Coríntios: introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova, 1999.
239 p.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

8. epístola de paulo aos romanos
8. epístola de paulo aos romanos8. epístola de paulo aos romanos
8. epístola de paulo aos romanos
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
38 1 e 2 timoteo=
38   1 e 2 timoteo=38   1 e 2 timoteo=
38 1 e 2 timoteo=
PIB Penha
 
Panorama do NT - 2Coríntios
Panorama do NT - 2CoríntiosPanorama do NT - 2Coríntios
Panorama do NT - 2Coríntios
Respirando Deus
 
Carta de paulo aos colossenses
Carta de paulo aos colossensesCarta de paulo aos colossenses
Carta de paulo aos colossenses
UEPB
 
Panorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - ApocalipsePanorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - Apocalipse
Respirando Deus
 
Panorama do NT - Efésios
Panorama do NT - EfésiosPanorama do NT - Efésios
Panorama do NT - Efésios
Respirando Deus
 
Carta aos efesios
Carta aos efesiosCarta aos efesios
Carta aos efesios
Jasiel Oliveira
 
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja ApostólicaAula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Adriano Pascoa
 
Atos
AtosAtos
Panorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - FilipensesPanorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - Filipenses
Respirando Deus
 
Panorama do NT - 1Tessalonicenses
Panorama do NT - 1TessalonicensesPanorama do NT - 1Tessalonicenses
Panorama do NT - 1Tessalonicenses
Respirando Deus
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Éder Tomé
 
Cartas Gerais
Cartas GeraisCartas Gerais
Cartas Gerais
Egmon Pereira
 
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
RODRIGO FERREIRA
 
Estudo sobre a Carta aos Gálatas
Estudo sobre a Carta aos Gálatas Estudo sobre a Carta aos Gálatas
Estudo sobre a Carta aos Gálatas
marquione ban
 
Lição 18 Apostasia da Fé
Lição 18   Apostasia da FéLição 18   Apostasia da Fé
Lição 18 Apostasia da Fé
Wander Sousa
 
Hebreus
HebreusHebreus
Panorama do NT - Judas
Panorama do NT - JudasPanorama do NT - Judas
Panorama do NT - Judas
Respirando Deus
 
Panorama do NT - 2Timóteo
Panorama do NT - 2TimóteoPanorama do NT - 2Timóteo
Panorama do NT - 2Timóteo
Respirando Deus
 
Lição 6 jesus, o templo e a sinagoga ebd
Lição 6   jesus, o templo e a sinagoga ebdLição 6   jesus, o templo e a sinagoga ebd
Lição 6 jesus, o templo e a sinagoga ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 

Mais procurados (20)

8. epístola de paulo aos romanos
8. epístola de paulo aos romanos8. epístola de paulo aos romanos
8. epístola de paulo aos romanos
 
38 1 e 2 timoteo=
38   1 e 2 timoteo=38   1 e 2 timoteo=
38 1 e 2 timoteo=
 
Panorama do NT - 2Coríntios
Panorama do NT - 2CoríntiosPanorama do NT - 2Coríntios
Panorama do NT - 2Coríntios
 
Carta de paulo aos colossenses
Carta de paulo aos colossensesCarta de paulo aos colossenses
Carta de paulo aos colossenses
 
Panorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - ApocalipsePanorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - Apocalipse
 
Panorama do NT - Efésios
Panorama do NT - EfésiosPanorama do NT - Efésios
Panorama do NT - Efésios
 
Carta aos efesios
Carta aos efesiosCarta aos efesios
Carta aos efesios
 
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja ApostólicaAula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
 
Atos
AtosAtos
Atos
 
Panorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - FilipensesPanorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - Filipenses
 
Panorama do NT - 1Tessalonicenses
Panorama do NT - 1TessalonicensesPanorama do NT - 1Tessalonicenses
Panorama do NT - 1Tessalonicenses
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
 
Cartas Gerais
Cartas GeraisCartas Gerais
Cartas Gerais
 
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
 
Estudo sobre a Carta aos Gálatas
Estudo sobre a Carta aos Gálatas Estudo sobre a Carta aos Gálatas
Estudo sobre a Carta aos Gálatas
 
Lição 18 Apostasia da Fé
Lição 18   Apostasia da FéLição 18   Apostasia da Fé
Lição 18 Apostasia da Fé
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Panorama do NT - Judas
Panorama do NT - JudasPanorama do NT - Judas
Panorama do NT - Judas
 
Panorama do NT - 2Timóteo
Panorama do NT - 2TimóteoPanorama do NT - 2Timóteo
Panorama do NT - 2Timóteo
 
Lição 6 jesus, o templo e a sinagoga ebd
Lição 6   jesus, o templo e a sinagoga ebdLição 6   jesus, o templo e a sinagoga ebd
Lição 6 jesus, o templo e a sinagoga ebd
 

Destaque

2 Coríntios Capítulo 10 - Paulo defende seu ministério
2 Coríntios Capítulo 10 - Paulo defende seu ministério2 Coríntios Capítulo 10 - Paulo defende seu ministério
2 Coríntios Capítulo 10 - Paulo defende seu ministério
Márcio Pereira
 
I Corintios Inicio
 I Corintios Inicio I Corintios Inicio
I Corintios Inicio
UEPB
 
Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)
Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)
Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)
Daniel Junior
 
2 coríntios (moody)
2 coríntios (moody)2 coríntios (moody)
2 coríntios (moody)
leniogravacoes
 
2 corintios separação e purificação (2co 1 – 7)
2 corintios separação e purificação (2co 1 – 7)2 corintios separação e purificação (2co 1 – 7)
2 corintios separação e purificação (2co 1 – 7)
Ilton Goncalves
 
Os quatro gigantes da alma
Os quatro gigantes da alma Os quatro gigantes da alma
Os quatro gigantes da alma
Daniel de Carvalho Luz
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
valmarques
 
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfiasLição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
Ailton da Silva
 
O falso apostolo - DOSSIE - PARTE 1
O falso apostolo - DOSSIE - PARTE 1O falso apostolo - DOSSIE - PARTE 1
O falso apostolo - DOSSIE - PARTE 1
Efraim Ben Tzion
 
A espiritualidade do catequista
A espiritualidade do catequistaA espiritualidade do catequista
A espiritualidade do catequista
fagundes_daniel
 
23474164 o-dom-maior-jonathan-edwards
23474164 o-dom-maior-jonathan-edwards23474164 o-dom-maior-jonathan-edwards
23474164 o-dom-maior-jonathan-edwards
Antonio Ferreira
 
Orando com-entendimento
Orando com-entendimentoOrando com-entendimento
Orando com-entendimento
Toni Bacci
 
Estudo Epístola 1 Coríntios – Introdução
Estudo Epístola 1 Coríntios – IntroduçãoEstudo Epístola 1 Coríntios – Introdução
Estudo Epístola 1 Coríntios – Introdução
Márcio Pereira
 
Fraqueza
FraquezaFraqueza
Fraqueza
BPlenitude
 
2 Coríntios capítulo 12 - As glórias no sofrimento cristão
2 Coríntios capítulo 12 - As glórias no sofrimento cristão2 Coríntios capítulo 12 - As glórias no sofrimento cristão
2 Coríntios capítulo 12 - As glórias no sofrimento cristão
Márcio Pereira
 
Quando a fraqueza vira forca
Quando a fraqueza vira forcaQuando a fraqueza vira forca
Quando a fraqueza vira forca
Fer Nanda
 
Da fraqueza à vitória I
Da fraqueza à vitória IDa fraqueza à vitória I
Da fraqueza à vitória I
prandradecunha
 
Acredite você é forte e pode superar
Acredite  você é forte e pode superarAcredite  você é forte e pode superar
Acredite você é forte e pode superar
Mirian Borges Sposito
 
Acredite Em Si Mesmo
Acredite Em Si Mesmo Acredite Em Si Mesmo
Acredite Em Si Mesmo
valdiroliv
 
Só a graça
Só a graçaSó a graça
Só a graça
Aline Vasconcelos
 

Destaque (20)

2 Coríntios Capítulo 10 - Paulo defende seu ministério
2 Coríntios Capítulo 10 - Paulo defende seu ministério2 Coríntios Capítulo 10 - Paulo defende seu ministério
2 Coríntios Capítulo 10 - Paulo defende seu ministério
 
I Corintios Inicio
 I Corintios Inicio I Corintios Inicio
I Corintios Inicio
 
Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)
Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)
Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)
 
2 coríntios (moody)
2 coríntios (moody)2 coríntios (moody)
2 coríntios (moody)
 
2 corintios separação e purificação (2co 1 – 7)
2 corintios separação e purificação (2co 1 – 7)2 corintios separação e purificação (2co 1 – 7)
2 corintios separação e purificação (2co 1 – 7)
 
Os quatro gigantes da alma
Os quatro gigantes da alma Os quatro gigantes da alma
Os quatro gigantes da alma
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
 
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfiasLição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
 
O falso apostolo - DOSSIE - PARTE 1
O falso apostolo - DOSSIE - PARTE 1O falso apostolo - DOSSIE - PARTE 1
O falso apostolo - DOSSIE - PARTE 1
 
A espiritualidade do catequista
A espiritualidade do catequistaA espiritualidade do catequista
A espiritualidade do catequista
 
23474164 o-dom-maior-jonathan-edwards
23474164 o-dom-maior-jonathan-edwards23474164 o-dom-maior-jonathan-edwards
23474164 o-dom-maior-jonathan-edwards
 
Orando com-entendimento
Orando com-entendimentoOrando com-entendimento
Orando com-entendimento
 
Estudo Epístola 1 Coríntios – Introdução
Estudo Epístola 1 Coríntios – IntroduçãoEstudo Epístola 1 Coríntios – Introdução
Estudo Epístola 1 Coríntios – Introdução
 
Fraqueza
FraquezaFraqueza
Fraqueza
 
2 Coríntios capítulo 12 - As glórias no sofrimento cristão
2 Coríntios capítulo 12 - As glórias no sofrimento cristão2 Coríntios capítulo 12 - As glórias no sofrimento cristão
2 Coríntios capítulo 12 - As glórias no sofrimento cristão
 
Quando a fraqueza vira forca
Quando a fraqueza vira forcaQuando a fraqueza vira forca
Quando a fraqueza vira forca
 
Da fraqueza à vitória I
Da fraqueza à vitória IDa fraqueza à vitória I
Da fraqueza à vitória I
 
Acredite você é forte e pode superar
Acredite  você é forte e pode superarAcredite  você é forte e pode superar
Acredite você é forte e pode superar
 
Acredite Em Si Mesmo
Acredite Em Si Mesmo Acredite Em Si Mesmo
Acredite Em Si Mesmo
 
Só a graça
Só a graçaSó a graça
Só a graça
 

Semelhante a Apresentação 2 Coríntios - Teologia

ESTUDO BÍBLICO - 2 CORÍNTIOS.pptx
ESTUDO BÍBLICO - 2 CORÍNTIOS.pptxESTUDO BÍBLICO - 2 CORÍNTIOS.pptx
ESTUDO BÍBLICO - 2 CORÍNTIOS.pptx
Tiago Silva
 
Estudo Bíblico - II Coríntios.pptxkkkkkk
Estudo Bíblico - II Coríntios.pptxkkkkkkEstudo Bíblico - II Coríntios.pptxkkkkkk
Estudo Bíblico - II Coríntios.pptxkkkkkk
vinicius252017
 
Paulo e a Igreja em Corinto
Paulo e a Igreja em CorintoPaulo e a Igreja em Corinto
Paulo e a Igreja em Corinto
guest985a0e
 
Apostila 2corintios traduzido
Apostila 2corintios traduzidoApostila 2corintios traduzido
Apostila 2corintios traduzido
CETEPOL CENTRO TEOLOGICO
 
Aula nº 1 introdução
Aula nº 1   introduçãoAula nº 1   introdução
Aula nº 1 introdução
Welton Dias
 
comentário biblico-1 coríntios (moody)
comentário biblico-1 coríntios (moody)comentário biblico-1 coríntios (moody)
comentário biblico-1 coríntios (moody)
leniogravacoes
 
comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)
comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)
comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)
leniogravacoes
 
EPISTOLAS PAULINA Aula 4.pdf
EPISTOLAS PAULINA Aula 4.pdfEPISTOLAS PAULINA Aula 4.pdf
EPISTOLAS PAULINA Aula 4.pdf
EdesioSilva3
 
1 cor¡ntios (moody)
1 cor¡ntios (moody)1 cor¡ntios (moody)
1 cor¡ntios (moody)
Shirley Militão
 
1 coríntios (moody)
1 coríntios (moody)1 coríntios (moody)
1 coríntios (moody)
Mikkymusico
 
1 cor¡ntios (moody)
1 cor¡ntios (moody)1 cor¡ntios (moody)
1 cor¡ntios (moody)
Shirley Militão
 
epistolaspaulinascorrigidas.pdf
epistolaspaulinascorrigidas.pdfepistolaspaulinascorrigidas.pdf
epistolaspaulinascorrigidas.pdf
cadastromoria
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTO
Natalino das Neves Neves
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de CorintoPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
Pastor Natalino Das Neves
 
Panorama do nt 3
Panorama do nt 3Panorama do nt 3
Panorama do nt 3
Lisanro Cronje
 
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Natalino das Neves Neves
 
Estudo da 1ª carta de paulo a corintios
Estudo da 1ª carta de paulo a corintiosEstudo da 1ª carta de paulo a corintios
Estudo da 1ª carta de paulo a corintios
Jose Emerson Barbosa da Silva
 
Introdução ao Novo testamento
Introdução ao Novo testamentoIntrodução ao Novo testamento
Introdução ao Novo testamento
João Áquila Lima Dos Santos
 
NT III EPISTOLA.pdf
NT III EPISTOLA.pdfNT III EPISTOLA.pdf
NT III EPISTOLA.pdf
robsonferreirapintos
 

Semelhante a Apresentação 2 Coríntios - Teologia (20)

ESTUDO BÍBLICO - 2 CORÍNTIOS.pptx
ESTUDO BÍBLICO - 2 CORÍNTIOS.pptxESTUDO BÍBLICO - 2 CORÍNTIOS.pptx
ESTUDO BÍBLICO - 2 CORÍNTIOS.pptx
 
Estudo Bíblico - II Coríntios.pptxkkkkkk
Estudo Bíblico - II Coríntios.pptxkkkkkkEstudo Bíblico - II Coríntios.pptxkkkkkk
Estudo Bíblico - II Coríntios.pptxkkkkkk
 
Paulo e a Igreja em Corinto
Paulo e a Igreja em CorintoPaulo e a Igreja em Corinto
Paulo e a Igreja em Corinto
 
Apostila 2corintios traduzido
Apostila 2corintios traduzidoApostila 2corintios traduzido
Apostila 2corintios traduzido
 
Aula nº 1 introdução
Aula nº 1   introduçãoAula nº 1   introdução
Aula nº 1 introdução
 
comentário biblico-1 coríntios (moody)
comentário biblico-1 coríntios (moody)comentário biblico-1 coríntios (moody)
comentário biblico-1 coríntios (moody)
 
comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)
comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)
comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)
 
EPISTOLAS PAULINA Aula 4.pdf
EPISTOLAS PAULINA Aula 4.pdfEPISTOLAS PAULINA Aula 4.pdf
EPISTOLAS PAULINA Aula 4.pdf
 
1 cor¡ntios (moody)
1 cor¡ntios (moody)1 cor¡ntios (moody)
1 cor¡ntios (moody)
 
1 coríntios (moody)
1 coríntios (moody)1 coríntios (moody)
1 coríntios (moody)
 
1 cor¡ntios (moody)
1 cor¡ntios (moody)1 cor¡ntios (moody)
1 cor¡ntios (moody)
 
epistolaspaulinascorrigidas.pdf
epistolaspaulinascorrigidas.pdfepistolaspaulinascorrigidas.pdf
epistolaspaulinascorrigidas.pdf
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTO
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de CorintoPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
 
Panorama do nt 3
Panorama do nt 3Panorama do nt 3
Panorama do nt 3
 
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
 
Estudo da 1ª carta de paulo a corintios
Estudo da 1ª carta de paulo a corintiosEstudo da 1ª carta de paulo a corintios
Estudo da 1ª carta de paulo a corintios
 
Introdução ao Novo testamento
Introdução ao Novo testamentoIntrodução ao Novo testamento
Introdução ao Novo testamento
 
NT III EPISTOLA.pdf
NT III EPISTOLA.pdfNT III EPISTOLA.pdf
NT III EPISTOLA.pdf
 

Mais de Rodrigo F Menegatti

Campanha da Fraternidade 2017 - Formação
Campanha da Fraternidade 2017 - FormaçãoCampanha da Fraternidade 2017 - Formação
Campanha da Fraternidade 2017 - Formação
Rodrigo F Menegatti
 
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Rodrigo F Menegatti
 
Igreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no BrasilIgreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no Brasil
Rodrigo F Menegatti
 
A igreja Católica e seus Modelos e a Eclesiologia Latino Americana
A igreja Católica e seus Modelos e a Eclesiologia Latino AmericanaA igreja Católica e seus Modelos e a Eclesiologia Latino Americana
A igreja Católica e seus Modelos e a Eclesiologia Latino Americana
Rodrigo F Menegatti
 
A felicidade em São Tomás de Aquino
A felicidade  em São Tomás de AquinoA felicidade  em São Tomás de Aquino
A felicidade em São Tomás de Aquino
Rodrigo F Menegatti
 
Diferenças Sócio Bipsiquicas no homem e mulher
Diferenças Sócio Bipsiquicas no homem  e mulherDiferenças Sócio Bipsiquicas no homem  e mulher
Diferenças Sócio Bipsiquicas no homem e mulher
Rodrigo F Menegatti
 
O princípio responsabilidade como fundamento ético para a preservação da vida...
O princípio responsabilidade como fundamento ético para a preservação da vida...O princípio responsabilidade como fundamento ético para a preservação da vida...
O princípio responsabilidade como fundamento ético para a preservação da vida...
Rodrigo F Menegatti
 
Tcc arquivo único
Tcc arquivo únicoTcc arquivo único
Tcc arquivo único
Rodrigo F Menegatti
 
A atuação da igreja católica no combate e prevenção a AIDS
A atuação da igreja católica no combate e prevenção a AIDSA atuação da igreja católica no combate e prevenção a AIDS
A atuação da igreja católica no combate e prevenção a AIDS
Rodrigo F Menegatti
 

Mais de Rodrigo F Menegatti (9)

Campanha da Fraternidade 2017 - Formação
Campanha da Fraternidade 2017 - FormaçãoCampanha da Fraternidade 2017 - Formação
Campanha da Fraternidade 2017 - Formação
 
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
 
Igreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no BrasilIgreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no Brasil
 
A igreja Católica e seus Modelos e a Eclesiologia Latino Americana
A igreja Católica e seus Modelos e a Eclesiologia Latino AmericanaA igreja Católica e seus Modelos e a Eclesiologia Latino Americana
A igreja Católica e seus Modelos e a Eclesiologia Latino Americana
 
A felicidade em São Tomás de Aquino
A felicidade  em São Tomás de AquinoA felicidade  em São Tomás de Aquino
A felicidade em São Tomás de Aquino
 
Diferenças Sócio Bipsiquicas no homem e mulher
Diferenças Sócio Bipsiquicas no homem  e mulherDiferenças Sócio Bipsiquicas no homem  e mulher
Diferenças Sócio Bipsiquicas no homem e mulher
 
O princípio responsabilidade como fundamento ético para a preservação da vida...
O princípio responsabilidade como fundamento ético para a preservação da vida...O princípio responsabilidade como fundamento ético para a preservação da vida...
O princípio responsabilidade como fundamento ético para a preservação da vida...
 
Tcc arquivo único
Tcc arquivo únicoTcc arquivo único
Tcc arquivo único
 
A atuação da igreja católica no combate e prevenção a AIDS
A atuação da igreja católica no combate e prevenção a AIDSA atuação da igreja católica no combate e prevenção a AIDS
A atuação da igreja católica no combate e prevenção a AIDS
 

Último

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 

Apresentação 2 Coríntios - Teologia

  • 1. Segunda de Paulo aos Corintios Disciplina de Corpo Paulino Professor Erno Aloísio Alunos Rodrigo Menegatti e Israel Brixner
  • 2. Algumas características de Corinto  A cidade antiga situava- se 5.500 mt a sudoeste da atual cidade;  Era uma importante rota de navios de mercadorias. Na época antiga, venerava-se Ascrépio filho do Deus Apolo e uma mulher. Ele tornara-se um curandeiro afamado. Muitas pessoas procuravam o relicário deste semideus em busca de cura. As curas eram muito frequentes, daí a importância de alguém que afirmasse poderes semelhantes.
  • 3. Canal de corinto iniciado por Nero, mas penas concluído de 1887-1893.
  • 4.
  • 5. Informações básicas segundo Brown • DATA: final do verão/início de 57, da Macedônia (55/56, na cronologia nov) • DESTINATÁRIOS: a Igreja para a qual foi enviada 1 Cor. • AUTENTICIDADE: não questionada seriamente. • UNIDADE: muitos estudiosos pensam que diversas (de duas a cinco) cartas foram compiladas. • INTEGRIDADE: alguns acreditam que 2Cor 6,14-7,1 é uma interpolação não-paulina. • DIVISÃO FORMAL: (da carta atual) A. FORMULA INTRODUTÓRIA: 1,1-2. B. AÇÃO DE GRAÇAS: 1,3-11. C. CORPO: 1,12-13,10. D. FÓRMULA CONCLUSIVA: 13,11-13
  • 6. Informações básicas segundo Brown DIVISÃO CONFORME O CONTEÚDO 1,1-11: Endereço/ saudação e ação de graças, enfatizando os sofrimentos de Paulo. 1,12-7,16: PRIMEIRA PARTE: as relações de Paulo com os cristãos de coríntios a) 1,12-2,13: sua visita adiada e a carta “em lagrimas” b) 2,14-7,16: seu ministério ( interrupção: 6,14-7,1) 8,1-9,15: SEGUNDA PARTE: coleta para a Igreja de Jerusalém 10,1-13,10: Terceira parte: resposta de Paulo aos questionamentos sobre sua autoridade apostólica 13,11-13: saudações conclusivas, bênçãos
  • 7. Relação de Paulo com os corintos Estendeu-se por vários anos 50-57 dC. O seu primeiro contato com os coríntios, quem nos fornece são os Atos dos A. Seria a Ultima fase da 2ª viagem missionária. Paulo teria partido de Atenas e em Corinto encontrou o casal judeu Priscila e Áquila, Ambos recém chagados a cidade. Trabalhavam juntos e nos fins de semana pregavam nas Sinagogas (At 18,1-4). Inicialmente, os Judeu da cidade desprezaram Paulo. Este por sua vez teria se dedicado aos pagãos e houve muitas conversões. Permaneceu 18 meses em Corinto.
  • 8.
  • 9. A relação de Paulo com a Igreja de corinto em 2 Cor Paulo Paulo mudou seus planos e viajou direto de Éfeso para corinto por causa de alguns problemas. Quando chegou a Corinto, viu-se alvo de ataques (2 Cor2,5-7,12). A visita foi dolorosa, porque depois dela, Paulo viajou pela Macedônia, na volta era para passar em Corinto, mas foi direto a Éfeso (2,Cor 1-23-2,1). De volta a Éfeso, Paulo redige a chamada carta severa e envia aos coríntios. (2 Cor 2,3-4; 7,8-12).
  • 10. A relação de Paulo com a Igreja de corinto em 2 Cor Paulo Depois de ter enviado a carta severa, Paulo fica ansioso em Éfeso por resposta. Manda Tito como mensageiro. Como Tito não volta, Paulo vai de encontro, pela Macedônia, mas lá também é fortemente perseguido (Cor 7,5;8,1-2) Tito volta a macedônia com bons resultados (cor, 7,6-7). Diante de boas noticias, Paulo respondeu com outra carta. Nesta carta encontra-se motivos do ministérios apostólico de Paulo (c. 1,3- 11;2,12-7,4) e a respeito da coleta para os empobrecidos de Jerusalém (cc.8-9).
  • 11. A relação de Paulo com a Igreja de corinto em 2 Cor Paulo Envia Tito e outras duas pessoas novamente a cidade de corinto para certificar-se de que tudo estava certo para a sua chegada. Ao chegar em Corinto, os “super apóstolos” realizaram muitas acusações contra Paulo e seus companheiros emissários. Parece que a comunidade tinha se deixado influenciar por estas pessoas. Tito voltou com más noticias sobre a comunidade de corinto. Paulo estava na Macedônia. Tendo isto presente, Paulo envia a carta ainda mais severa, muitos a consideram a ultima à comunidade (c. 10-13). Ela foi uma resposta aos “super apóstolos”. Promete uma terceira visita.
  • 12. A relação de Paulo com a Igreja de corinto em 2 Cor Paulo Da Macedônia ele vai a Grécia e passa em Corinto. Ali teria escrito uma carta ao Romanos (Rm 15,25-26). Segundo conta em Romanos, a visita foi boa. Além disso, realizou a coleta com êxito. Aparentemente a comunidade de Corinto havia entrado em harmonia novamente. Mas não por muito tempo, escritos de Clemente Romano teriam indicado que nos anos 96 dC. a desarmonia teria se tornado um problema de novo.
  • 13.
  • 14. Estrutura da carta 1, 1-2: Saudação. 1,3-11: Consolo na Tribulação 1,12-22: Mudança de planos, 1,23-2,4 e sua motivação. 2,5-13: Castigo e perdão para o ofensor I 2,14-4,6: Ministério apostólico e comparação como Moisés 4,7-5,16: Confiança em Deus e esperança na glória. 5,17-6,13: O ministério da reconciliação e o paradoxo do Apóstolo. 6,14-7,1: Inserção: templo de Deus II 8 e 9: A coleta para a Igreja de Jerusalém III 10-13: Defesa polêmica da Paulo 11: Ostentação de um néscio fingido 12,1-13,10: Revelação e fraquezas; o ministério em Corinto 13,11-13: Saudação Bíblia peregrino
  • 15. Conteúdo geral carta É um pouco confuso, provavelmente porque, no momento de colecionar as cartas de Paulo, trechos de diversas cartas foram incluídas nesta. Brown
  • 16. Quantas cartas Paulo teria escrito aos Coríntios ? Problema complexo Existem muitas teorias, uma delas afirma que são 5 cartas. Preservada substancialmente é 2 Cor 10-13 A “anterior” teria (hoje perdida) mencionada em 1Cor 5,9 Consistiria carta atual 1 Cor A carta “severa” mencionada em 2 Cor 2,3-4;7,12 Seria a nossa 2 Cor 1-9 1 2 3 4 5 Kruse
  • 17. Quantas cartas Paulo teria escrito aos Coríntios ? Outras teorias  1. Anterior (hoje perdida).  2. 1 Cor. (que deve ser identificada como a carta severa mencionada em 2 Cor 2,3-4.  3. 2 Cor  1. A anterior (2Cor 6,14- 7,1 às vezes considerada um fragmento desta carta.  2. 1Cor,  3. a carta “severa” (em grande parte preservada em 2Cor 10-13.  4. 2 Cor 1-9. 3 4 Kruse
  • 18. Quadro comparativo 1ª Carta aos Coríntios  Voltada aos problemas específicos dos coríntios (questões de doutrina e prática).  Contém especificidades como hino a caridade. 2ª Carta aos coríntios  É mais pessoal.  abre mais o coração de Paulo para mostrar os seus sentimentos fortes em relação aos coríntios e, mais ainda, para com o Senhor.  É um livro extremamente rico pelo qual somos privilegiados para ver o coração de uma das grandes personagens da História, o apóstolo Paulo.
  • 19. DATAS Pelas cartas não da pra ter uma ideia, mas pelos relatos dos Atos dos A. se poderia supor: Em 55 teria feito a visita dolorosa e escreveu a carta severa. 56 teria feito a 3ª visita a Corinto queria chegar a Jerusalém para a festa de pentecostes em 57. Paulo teria chagado a Corinto para a sua 1º visita no começo de 50 dC. Permanece ali 18 meses. Kruse
  • 20. Características da 2 Cor Não consiste numa obra doutrinária; Trata-se de ventilações de problemas surgidos entre Paulo e os crentes de corinto, juntamente com problemas de ética e de conduta cristã. Nesta epístola é possível perceber a personalidade e o caráter de Paulo. Ela serve também como material bibliográfico do apostolo dos Gentios. Champlin
  • 21. Pano de fundo de 2 Cor Depois da morte de Jesus, o poder de sua personalidade havia gerado mais de 100 seitas diferentes, todas reivindicando autoridade recebida da parte dele. Como reconciliar o judaísmo com Jesus ou com Paulo, ou com ambos? Como conciliar Paulo com Jesus? Como explicar os discernimentos de Paulo em relação aos rumos do cristianismo? Problemática No seio das comunidade cristãs houveram muitas brigas e desacordos. Daí surgem alguns questionamentos. Champlin
  • 22. Pano de fundo de 2 Cor Quando Paulo escreveu suas epístolas, aos crentes de Corinto, o partido dos legalistas e fundamentalistas da velha guarda, presos em sua mentalidade rígida, fixa em leis e cerimônias, se opôs a Paulo amargamente. Em corinto, viviam muitos judeus, grande número vindos de Jerusalém, apresentando-se como autoridade nas questões litigiosas. Neste contexto, a autoridade apostólica será posta em dúvida. Certos líderes, vindos de exterior, chagaram em corinto trazendo cartas de recomendação (Cor 3,1). Afirmando terem autoridade sobre a Igreja (12,21). Champlin
  • 23. Pano de fundo de 2 Cor Estas pessoas quiseram desmoralizar a autoridade de Paulo diante da comunidade. Paulo reagiu mandando Timóteo, mas não resolveu. Aí manda Tito tem com a missão de mediador (7,14-15).  Insinceridade;  Interesseiro nos bens materiais;  Usar de falsos argumentos 12,16;  De não exibir os poderes de um verdadeiro apóstolo;  Atacavam sua aparência débil e sua péssima oratória 10,10;  Não era um bom líder e meio desiquilibrado mentalmente; Acusações Champlin
  • 24. Alguns problemas que Paulo enfrentou em Corinto.  A Igreja de Corinto era nascente, então surgiram muitas questões doutrinais. Mas a principal era o embate com seus opositores.  Com os embates, criaram-se algumas facções dentro da comunidade.  Também havia o eloquente Apolo, bom orador, personalidade forte, inclinado ao intelectualismo, ex filósofo talvez ;  Havia na cidade também certa lassidão moral na cultura. Certas tendências liberais, o que entrava em conflito com as posições de Paulo 12,21.  Contudo, no geral, Paulo conseguiu muitas vitórias espirituais nesta comunidade. Champlin
  • 25. Motivos da escrita da carta Queria restabelecer sua autoridade apostólica ali; Seu grande propósito era reconciliar-se com a igreja cristã de Corinto a correção das falhas; Fim das facções; Champlin
  • 26. Autoridade da carta As indicações é que por volta de 95 dC. a carta já era muito conhecida por quase todas as comunidade cristãs. E que, pelo fim do séc. II ela deve ter sido quase universalmente conhecida. Muitos afirmam que ela não sofreu modificações daquilo que conhecemos atualmente. Champlin
  • 27. Alguns temas da carta 1- Deus Pai 2- Poderes diabólicos 3- Jesus Cristo 6- Imortalidade 5- Autoridade AT 4- Espírito Santo 7- Sofrimento humano 9 - Uso do dinheiro 8 – esperança cristã 10 – Defesa do apostolado de Paulo
  • 28. Temas específicos segundo a Bíblia CNBB Dores e alegrias do ministério: A leitura desta carta nos faz ver Paulo ao vivo, homem de fibra, sem falsa humildade, porém, pela graça de Cristo levado a assumir a humilhação e o sofrimento. Ele se defende não por causa de si mesmo, mas para que o evangelho não caia em descrédito (12,19). A antiga e a nova aliança, a letra e o espírito: Esta carta faz contínuas comparações entre o ministério da Lei de Moisés, que pela primeira vez é chamada da Antiga Aliança e o serviço de Cristo, a Nova Aliança (3,6.14). Não se deve ler as escrituras conforme a letra, que mata, mas conforme o espírito, que faz viver (3,6).
  • 29. Temas específicos segundo a Bíblia CNBB Mutirão em favor dos pobres: Nos cc. 8 e 9 estão reunidos dois biletes, um a Igreja de Corinto e outro a um círculo mais amplo, para que se empenhem em contribuir para a coleta pelos pobres da Igreja-mãe de Jerusalém, vitimas de carestia, conforme Paulo prometera aos Apóstolos.
  • 30. Sintetizando Em IICor pode-se destacar os seguintes temas importantes:  As necessidades de clareza entre os chefes das comunidades cristãs e os batizados;  A importância de relações de afeto e de carinho entre os responsáveis pela igreja e o povo.  A aceitação das cruz como sinal do apostolado cristão.  Os sagrifícios que os missionários devem enfrentar e prol da evangelização dos fiéis.  A ministério presbiteral como serviço no Espírito.  A alegria de uma vida totalmente entregue a Deus e os demais. Valor dos dons místicos que acompanham o evangelizador em seu trabalho.  A beleza e o valor da partilha.
  • 31. • BÍBLIA. Português. 2011. Bíblia de Jerusalém. São Paulo: Paulus, 2011. 2206 p. • BÍBLIA. Português. Schökel. 2002. Bíblia do Peregrino. São Paulo-SP: Paulus, 2002. 3056 p.Tradução, comentários e notas de Luís Alonso Schökel. • BORTOLINI, José. Como ler a segunda carta aos Coríntios: o agente de pastoral e o poder. São Paulo: Paulinas, 1992. 54 p. • BROWN, Raymond E. Introdução ao Novo Testamento. São Paulo: Paulinas, 2004. 1135 p • CASALEGNO, Alberto. Paulo: o Evangelho do amor fiel de Deus: introdução às cartas e à teologia paulinas. São Paulo: Loyola, 2001. 283 p. • CHAMPLIN, Russell Norman. O Novo Testamento interpretado: versículo por versículo. São Paulo: Milenium Distribuidora Cultural, 1980. v.5. • KRUSE, Colin G. II Coríntios: introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova, 1999. 239 p.