SlideShare uma empresa Scribd logo
Ergonomia e Segurança do
Trabalho no Setor Florestal
Profᵃ Alessandra Lopes
eng_alessandralopes@hotmail.com
Ergonomia
Conceito
Etimologia:
Etimologia:ERGOS = TRABALHO
NOMOS = LEI, REGRA
Conceito
“Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e seu trabalho,
equipamento, ambiente e particularmente, a aplicação dos conhecimentos de
anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas que surgem desse
relacionamento.”
Ergonomics Society
“A ergonomia é o estudo da adaptação do trabalho às características
fisiológicas e psicológicas do ser humano”
Associação Brasileira de Ergonomia
Conceito
A ergonomia se inicia nas características
do trabalhador para depois projetar o
trabalho que ele consegue executar,
preservando sua saúde
Homem Trabalho
Objetivo
 Saúde: a saúde do trabalhador é mantida
quando as exigências do trabalho e do ambiente
não ultrapassam as suas limitações energéticas e
cognitivas, de modo a evitar as situações de
estresse, riscos de acidentes e doenças
ocupacionais;
 Segurança: É conseguida com projetos do
posto de trabalho, ambiente e organização, que
estejam dentro das capacidades e limitações do
trabalhador, de modo a reduzir erros, acidentes,
estresse e fadiga;
 Satisfação: É o resultado do atendimento das
necessidades e expectativas do trabalhador;
 Eficiência: É a consequência dos 3 fatores
reunidos.
Objetivo
 Alto índice de acidentes de trabalho;
 Problemas associados a doenças do trabalho;
 Questões relacionadas à redução da produtividade no local de trabalho, alto índice
de absenteísmo, retrabalhos, diminuição de motivação, etc;
 Qualidade de Vida no Trabalho (QVT), proporcionando mais do que um posto de
trabalho melhor, mas também uma vida melhor no trabalho.
Evolução da Ergonomia
 1700 - O médico italiano Bernardino Ramazzini foi o
primeiro a escrever sobre doenças e lesões relacionadas ao
trabalho;
 1857 – O polonês Wojciech Jartrzebowski publicou o
artigo Ensaio de ergonomia ou ciência do trabalho
baseada nas leis objetivas da ciência da natureza”.
 XVIII – A questão da ergonomia se tornou um problema
mais dramático na Revolução Industrial
 XIX - Frederick Winslow TAYLOR lançou seu livro
“Administração Científica”, com uma abordagem que
buscava a melhor maneira de executar um trabalho e suas
tarefas.
Evolução da Ergonomia
 A segunda Guerra Mundial foi um marco no
desenvolvimento da Ergonomia
 1949 - Oengenheiro inglês chamado Murrel criou na
Inglaterra a primeira sociedade nacional de ergonomia, a
“Ergonomic Research Society”.
 1959 - Foi fundada a “International Ergonomics
Association”.
 Em 31 de agosto de 1983 foi criada a “Associação
Brasileira de Ergonomia
Abordagens da Ergonomia
 Quanto a abrangência
o Ergonomia do posto de trabalho: abordagem
microergonômica
o Ergonomia de sistemas de produção: abordagem
macroergonômica
Abordagens da Ergonomia
 Quanto a abrangência
o Ergonomia do posto de trabalho: abordagem
microergonômica
o Ergonomia de sistemas de produção: abordagem
macroergonômica
Abordagens da Ergonomia
 Quanto à contribuição
o Ergonomia de concepção: normas e especificações de
projeto
o Ergonomia de correção: modificações de situações
existentes
o Ergonomia de arranjo físico: melhoria de seqüências e
fluxos de produção
o Ergonomia de conscientização: capacitação em
ergonomia
Abordagens da Ergonomia
 Quanto a interdisciplinaridade
o Engenharia: projeto e produção ergonomicamente seguros
o Design: metodologia de projeto e design do produto
o Psicologia: treinamento e motivação do pessoal
o Medicina e enfermagem: prevenção de acidentes e doenças
do trabalho
o Administração:projetos organizacionais e gestão de R.H.
Abordagem Ergonômica
Considera as capacidades humanas e seus limites:
 capacidade física,
 força muscular,
 dimensões corporais,
 possibilidades de interpretação das informações pelo aparelho
sensorial (visão, audição),
 capacidade de tratamento das informações em termos de rapidez
e de complexidade
Analisa as exigências das tarefas e os diferentes fatores que
influenciam as relações
homem x trabalho
as características materiais do trabalho: (apresentação espacial e
temporal)
peso dos instrumentos
forças a exercer
disposição dos comandos
dimensões dos diferentes elementos constituintes do posto e
do sistema
Abordagem Ergonômica
Desenvolvimento atual da ergonomia
Pode ser caracterizado segundo quatro níveis de exigências:
As exigências tecnológicas: técnicas de produção
As exigências econômicas: qualidade e custo de produção
As exigências sociais: melhoria das condições de trabalho
As exigências organizacionais: gestão participativa
Por que usar a Ergonomia ?
Novas tecnologias, competitividade de mercado,
produtividade x qualidade
Necessidade de melhoria das práticas das tarefas com:
 Eficácia
 Segurança
 Qualidade
 alto índice de acidentes de trabalho;
 problemas associados a doenças do trabalho;
 questões relacionadas à redução da
produtividade no local de trabalho, alto índice
de absenteísmo, retrabalhos, diminuição de
motivação, etc;
 Qualidade de Vida no Trabalho (QVT),
proporcionando mais do que um posto de
trabalho melhor, mas também uma vida melhor
no trabalho.
Por que usar a Ergonomia ?
A ergonomia se esforça para conhecer o
comportamento do operador
Diferença entre:
o trabalho prescrito = tarefa
o trabalho real = atividade
Atividade é a expressão do
funcionamento do homem na
execução de sua tarefa.
Por que usar a Ergonomia ?
Existem vários tipos de sinais de alarme ou indicadores para um
estudo ergonômico:
Fisiológicos
 aceleração dos batimentos cardíacos
 quantidade de ar respirado
 atividade elétrica cerebral
 temperatura corporal
Sinais de Alarme
Em nível do trabalho
repetitividade de erros cometidos em uma tarefa
as baixas na produtividade e na qualidade da performance do
operador
aumento do índice de retrabalhos
incidentes de trabalho
acidentes de trabalho (importância vital)
Sinais de Alarme
Sinais de Alarme
Subjetivos
queixas eventuais dos trabalhadores
(contraste entre a percepção objetiva e a
subjetiva)
“a noção de conforto”
Mudanças de comportamento
ansiedade e irritação
Como calcular ?
 O tempo perdido, as despesas com primeiros socorros, os
danos aos bens e às matérias primas ou os novos
investimentos em treinamentos para substituição de mão-
de-obra no caso de um acidente de trabalho?
 Quanto um problema de cunho não-ergonômico está
custando para a empresa? Quanto custaria solucioná-lo?
 Quais os benefícios da solução dos problemas relacionados
à falta de ergonomia? E como prever os prejuízos com o
desgaste de uma companhia exposta negativamente pela
mídia?
 Considerando a grande diversidade de questões, cabe ainda
perguntar, os benefícios superarão os custos?
A Prioridades é o esforço para
justificar o custo de melhorias
ergonômicas (saúde e segurança).
É importante também assegurar
que o custo destas seja o mais baixo
possível.
Prudente obter a melhor relação
custo/benefício.
Como calcular ?
Justificação de melhorias ergonômicas
 O manuseio da técnica de custo/benefício;
 O desenvolvimento do custo de melhorias
ergonômicas;
 O desenvolvimento do benefício de melhorias
ergonômicas.
Análise de Custo/Benefício
É a forma predominante, entre outras existentes, para
justificar os gastos com mudanças propostas pela
ergonomia.
diminuição de custos
Benefícios melhoria de desempenho
Limitada quando necessita quantificar custos e
benefícios intangíveis
Redução de custos
 Diminuir custos com horas extras
(trabalhadores substitutos);
 Custos de seguros e/ou custos de
compensação relacionados a acidentes
ou lesões;
 Ações judiciais;
 Melhorar a qualidade e a quantidade da
produção,
 Prover treinamento adicional;
 etc.
Benefícios
 Ganhos de fácil mensuração
 Aumentos de produtividade e de qualidade;
 A redução dos desperdícios;
 As economias de energia; mão-de-obra,
manutenção, etc
 Ganhos de difícil mensuração
 Redução do absenteísmo devido a acidentes
e doenças ocupacionais
Benefícios intangíveis
 satisfação do trabalhador;
 o conforto;
 a redução do turnover (rotatividade)
 o aumento da motivação dos
trabalhadores
Dados
As 10 principais causas de acidentes e doenças
profissionais nos EUA são responsáveis por 86% dos US$
38,7 bilhões pagos em indenizações em 1998.
Quando os custos indiretos gerados por estes acidentes são
somados aos US$ 38,7 bilhões de custos diretos, a
economia resultante pode atingir um total aproximado de
US$ 125-155 bilhões
(Liberty Mutual Research Center, 2002)
Custos diretos gerados pelas 10 principais causas de acidentes e
doenças profissionais nos EUA -1998
Causas de acidentes
% de custos diretos
para compensação de
trabalhadores no ano de
1998
Estimativa nacional de
custo direto para
compensação de
trabalhadores
Lesões causadas pelo
excesso de levantamentos,
puxões, arremesso, tempo
segurando objetos pesados
25.57% $ 9.8 bilhões
Quedas 11.46% $ 4.4 bilhões
Lesões resultante de maus
jeitos e escorregões, perda
de equilíbrio sem queda
9.35% $ 3.6 bilhões
Quedas em nivel mais baixo
(escada, ou sobre grades)
9.33% $ 3.6 bilhões
Quedas de objetos sobre o
trabalhador
8.94% $ 3.4 bilhões
Movimentos repetitivos 6.10% $ 2.3 bilhões
Acidentes no caminho do
trabalho
5.46% $ 2.1 bilhões
Lesões por choques, batidas
contra equipamentos pesados
4.92% $ 1.9 bilhões
Esmagamento por máquinas
ou equipamentos
4.18% $ 1.6 bilhões
Contato c/ temperaturas
extremas que resultam em
choque térmico e
queimaduras (gelo, calor)
0.92% $ 3.0 bilhões
Todas causas de acidentes 100.00% $ 38.7 bilhões
Próxima Aula
o Leitura da NR 17 – Ergonomia
Fazer um resumo da norma apontando os objetivos,
princípios e principais pontos da norma
Duvídas?
Vídeo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eng.introdução
Eng.introduçãoEng.introdução
Eng.introdução
Eliane Blen
 
ERGONOMIA
ERGONOMIA  ERGONOMIA
ERGONOMIA
Joziane Pimentel
 
Ergonomia (40h)
Ergonomia (40h)Ergonomia (40h)
Ergonomia (40h)
Paulo Silva
 
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas RegulamentadorasAula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
Ghiordanno Bruno
 
Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalhoMedidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
Thaysa Brito
 
Ergonomia e Segurança do Trabalho
Ergonomia e Segurança do TrabalhoErgonomia e Segurança do Trabalho
Ergonomia e Segurança do Trabalho
Amanda Carvalho
 
Identificando os riscos ergonômicos
Identificando os riscos ergonômicosIdentificando os riscos ergonômicos
Identificando os riscos ergonômicos
Leandro Sales
 
NR 17
NR 17NR 17
PPRA
PPRAPPRA
PPRA
CEWK2010
 
Tst ergonomia aula 1
Tst   ergonomia aula 1Tst   ergonomia aula 1
Tst ergonomia aula 1
Bolivar Motta
 
Aula 4.1 biomecânica ocupacional
Aula 4.1   biomecânica ocupacionalAula 4.1   biomecânica ocupacional
Aula 4.1 biomecânica ocupacional
Daniel Moura
 
Analise Ergonomica do Trabalho
Analise Ergonomica do TrabalhoAnalise Ergonomica do Trabalho
Analise Ergonomica do Trabalho
Tuany Caldas
 
TREINAMENTO DE ERGONOMIA
TREINAMENTO DE ERGONOMIATREINAMENTO DE ERGONOMIA
TREINAMENTO DE ERGONOMIA
Ane Costa
 
Aula 2 acidentes de trabalho
Aula 2   acidentes de trabalhoAula 2   acidentes de trabalho
Aula 2 acidentes de trabalho
Daniel Moura
 
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
EMS Indústria Farmacêutica
 
Doença Profissional e Doença do Trabalho
Doença Profissional e Doença do TrabalhoDoença Profissional e Doença do Trabalho
Doença Profissional e Doença do Trabalho
Day Vasconcellos
 
riscos ambientais
 riscos ambientais riscos ambientais
riscos ambientais
Day Vasconcellos
 
Aula ergonomia
Aula ergonomiaAula ergonomia
Aula ergonomia
Gustavo Bomba
 
Trabalho de ergonomia
Trabalho de ergonomiaTrabalho de ergonomia
Trabalho de ergonomia
Patricia Rodrigues
 
POWER POINT - ERGONOMIA DO TRABALHO.ppt
POWER POINT - ERGONOMIA DO TRABALHO.pptPOWER POINT - ERGONOMIA DO TRABALHO.ppt
POWER POINT - ERGONOMIA DO TRABALHO.ppt
Márcio da Silva
 

Mais procurados (20)

Eng.introdução
Eng.introduçãoEng.introdução
Eng.introdução
 
ERGONOMIA
ERGONOMIA  ERGONOMIA
ERGONOMIA
 
Ergonomia (40h)
Ergonomia (40h)Ergonomia (40h)
Ergonomia (40h)
 
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas RegulamentadorasAula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
 
Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalhoMedidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
 
Ergonomia e Segurança do Trabalho
Ergonomia e Segurança do TrabalhoErgonomia e Segurança do Trabalho
Ergonomia e Segurança do Trabalho
 
Identificando os riscos ergonômicos
Identificando os riscos ergonômicosIdentificando os riscos ergonômicos
Identificando os riscos ergonômicos
 
NR 17
NR 17NR 17
NR 17
 
PPRA
PPRAPPRA
PPRA
 
Tst ergonomia aula 1
Tst   ergonomia aula 1Tst   ergonomia aula 1
Tst ergonomia aula 1
 
Aula 4.1 biomecânica ocupacional
Aula 4.1   biomecânica ocupacionalAula 4.1   biomecânica ocupacional
Aula 4.1 biomecânica ocupacional
 
Analise Ergonomica do Trabalho
Analise Ergonomica do TrabalhoAnalise Ergonomica do Trabalho
Analise Ergonomica do Trabalho
 
TREINAMENTO DE ERGONOMIA
TREINAMENTO DE ERGONOMIATREINAMENTO DE ERGONOMIA
TREINAMENTO DE ERGONOMIA
 
Aula 2 acidentes de trabalho
Aula 2   acidentes de trabalhoAula 2   acidentes de trabalho
Aula 2 acidentes de trabalho
 
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
 
Doença Profissional e Doença do Trabalho
Doença Profissional e Doença do TrabalhoDoença Profissional e Doença do Trabalho
Doença Profissional e Doença do Trabalho
 
riscos ambientais
 riscos ambientais riscos ambientais
riscos ambientais
 
Aula ergonomia
Aula ergonomiaAula ergonomia
Aula ergonomia
 
Trabalho de ergonomia
Trabalho de ergonomiaTrabalho de ergonomia
Trabalho de ergonomia
 
POWER POINT - ERGONOMIA DO TRABALHO.ppt
POWER POINT - ERGONOMIA DO TRABALHO.pptPOWER POINT - ERGONOMIA DO TRABALHO.ppt
POWER POINT - ERGONOMIA DO TRABALHO.ppt
 

Destaque

Ergonomia ~ Parte 1/5
Ergonomia ~ Parte 1/5Ergonomia ~ Parte 1/5
Ergonomia ~ Parte 1/5
ABCursos OnLine
 
Aspectos basicos da ergonomia
Aspectos basicos da ergonomiaAspectos basicos da ergonomia
Aspectos basicos da ergonomia
Leandro Sales
 
Legislação e PCMSO - NR 7
Legislação e PCMSO - NR 7Legislação e PCMSO - NR 7
Legislação e PCMSO - NR 7
alessandra_775
 
Riscos Ergonômicos
Riscos Ergonômicos Riscos Ergonômicos
Riscos Ergonômicos
Niela Tuani
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
Marcelo Vieira
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Mapas de Riscos
Mapas de RiscosMapas de Riscos
Mapas de Riscos
alessandra_775
 
IV EPBio - Mercados de Ativos Ambientais
IV EPBio - Mercados de Ativos AmbientaisIV EPBio - Mercados de Ativos Ambientais
IV EPBio - Mercados de Ativos Ambientais
Sistema Ambiental Paulista
 
Boletim governanca florestal_edio_i
Boletim governanca florestal_edio_iBoletim governanca florestal_edio_i
Boletim governanca florestal_edio_i
Katia Carvalheiro
 
Contexto do Manejo Florestal Comunitário
Contexto do Manejo Florestal ComunitárioContexto do Manejo Florestal Comunitário
Contexto do Manejo Florestal Comunitário
alessandra_775
 
Princípios de Manejo Florestal - Cartilha do Instituto Mamirauá
Princípios de Manejo Florestal - Cartilha do Instituto MamirauáPrincípios de Manejo Florestal - Cartilha do Instituto Mamirauá
Princípios de Manejo Florestal - Cartilha do Instituto Mamirauá
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações
 
Sistemas de gestão ambiental para os grandes consumidores de produtos de orig...
Sistemas de gestão ambiental para os grandes consumidores de produtos de orig...Sistemas de gestão ambiental para os grandes consumidores de produtos de orig...
Sistemas de gestão ambiental para os grandes consumidores de produtos de orig...
Instituto Besc
 
Seminário Terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
Seminário Terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...Seminário Terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
Seminário Terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
FecomercioSP
 
ApresentaçãO Workshop Cesupa (Justiniano Netto)
ApresentaçãO Workshop Cesupa (Justiniano Netto)ApresentaçãO Workshop Cesupa (Justiniano Netto)
ApresentaçãO Workshop Cesupa (Justiniano Netto)
jannicemonteiro
 
Certificação Florestal, maio 2012
Certificação Florestal, maio 2012Certificação Florestal, maio 2012
Certificação Florestal, maio 2012
Relevo Consultoria em Agronegócios
 
Sistemas de gestão ambiental para os grandes consumidores de produtos de orig...
Sistemas de gestão ambiental para os grandes consumidores de produtos de orig...Sistemas de gestão ambiental para os grandes consumidores de produtos de orig...
Sistemas de gestão ambiental para os grandes consumidores de produtos de orig...
Instituto Besc
 
O extrativismo vegetal no Nordeste
O extrativismo vegetal no NordesteO extrativismo vegetal no Nordeste
O extrativismo vegetal no Nordeste
mikefany
 
Desafios do manejo florestal para pequenos produtores
Desafios do manejo florestal para pequenos produtoresDesafios do manejo florestal para pequenos produtores
Desafios do manejo florestal para pequenos produtores
Idesam
 
Encontro GCF Belém - Entraves para Cadeias Produtivas na Amazônia
Encontro GCF Belém - Entraves para Cadeias Produtivas na AmazôniaEncontro GCF Belém - Entraves para Cadeias Produtivas na Amazônia
Encontro GCF Belém - Entraves para Cadeias Produtivas na Amazônia
Idesam
 
Exploração Florestal e Sustentabilidade - Andrea Alechandre
Exploração Florestal e Sustentabilidade - Andrea AlechandreExploração Florestal e Sustentabilidade - Andrea Alechandre
Exploração Florestal e Sustentabilidade - Andrea Alechandre
Myris Silva
 

Destaque (20)

Ergonomia ~ Parte 1/5
Ergonomia ~ Parte 1/5Ergonomia ~ Parte 1/5
Ergonomia ~ Parte 1/5
 
Aspectos basicos da ergonomia
Aspectos basicos da ergonomiaAspectos basicos da ergonomia
Aspectos basicos da ergonomia
 
Legislação e PCMSO - NR 7
Legislação e PCMSO - NR 7Legislação e PCMSO - NR 7
Legislação e PCMSO - NR 7
 
Riscos Ergonômicos
Riscos Ergonômicos Riscos Ergonômicos
Riscos Ergonômicos
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
 
Mapas de Riscos
Mapas de RiscosMapas de Riscos
Mapas de Riscos
 
IV EPBio - Mercados de Ativos Ambientais
IV EPBio - Mercados de Ativos AmbientaisIV EPBio - Mercados de Ativos Ambientais
IV EPBio - Mercados de Ativos Ambientais
 
Boletim governanca florestal_edio_i
Boletim governanca florestal_edio_iBoletim governanca florestal_edio_i
Boletim governanca florestal_edio_i
 
Contexto do Manejo Florestal Comunitário
Contexto do Manejo Florestal ComunitárioContexto do Manejo Florestal Comunitário
Contexto do Manejo Florestal Comunitário
 
Princípios de Manejo Florestal - Cartilha do Instituto Mamirauá
Princípios de Manejo Florestal - Cartilha do Instituto MamirauáPrincípios de Manejo Florestal - Cartilha do Instituto Mamirauá
Princípios de Manejo Florestal - Cartilha do Instituto Mamirauá
 
Sistemas de gestão ambiental para os grandes consumidores de produtos de orig...
Sistemas de gestão ambiental para os grandes consumidores de produtos de orig...Sistemas de gestão ambiental para os grandes consumidores de produtos de orig...
Sistemas de gestão ambiental para os grandes consumidores de produtos de orig...
 
Seminário Terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
Seminário Terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...Seminário Terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
Seminário Terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
 
ApresentaçãO Workshop Cesupa (Justiniano Netto)
ApresentaçãO Workshop Cesupa (Justiniano Netto)ApresentaçãO Workshop Cesupa (Justiniano Netto)
ApresentaçãO Workshop Cesupa (Justiniano Netto)
 
Certificação Florestal, maio 2012
Certificação Florestal, maio 2012Certificação Florestal, maio 2012
Certificação Florestal, maio 2012
 
Sistemas de gestão ambiental para os grandes consumidores de produtos de orig...
Sistemas de gestão ambiental para os grandes consumidores de produtos de orig...Sistemas de gestão ambiental para os grandes consumidores de produtos de orig...
Sistemas de gestão ambiental para os grandes consumidores de produtos de orig...
 
O extrativismo vegetal no Nordeste
O extrativismo vegetal no NordesteO extrativismo vegetal no Nordeste
O extrativismo vegetal no Nordeste
 
Desafios do manejo florestal para pequenos produtores
Desafios do manejo florestal para pequenos produtoresDesafios do manejo florestal para pequenos produtores
Desafios do manejo florestal para pequenos produtores
 
Encontro GCF Belém - Entraves para Cadeias Produtivas na Amazônia
Encontro GCF Belém - Entraves para Cadeias Produtivas na AmazôniaEncontro GCF Belém - Entraves para Cadeias Produtivas na Amazônia
Encontro GCF Belém - Entraves para Cadeias Produtivas na Amazônia
 
Exploração Florestal e Sustentabilidade - Andrea Alechandre
Exploração Florestal e Sustentabilidade - Andrea AlechandreExploração Florestal e Sustentabilidade - Andrea Alechandre
Exploração Florestal e Sustentabilidade - Andrea Alechandre
 

Semelhante a Ergonomia

Ergonomia Cefet
Ergonomia CefetErgonomia Cefet
Ergonomia Cefet
guest5b3078
 
Fundamentos da Ergonomia, Riscos ergonomicos e principios.ppt
Fundamentos da Ergonomia, Riscos ergonomicos e principios.pptFundamentos da Ergonomia, Riscos ergonomicos e principios.ppt
Fundamentos da Ergonomia, Riscos ergonomicos e principios.ppt
ricaMartinez10
 
16057022 1242681113ergonomia
16057022 1242681113ergonomia16057022 1242681113ergonomia
16057022 1242681113ergonomia
Pelo Siro
 
16057022 1242681113ergonomia
16057022 1242681113ergonomia16057022 1242681113ergonomia
16057022 1242681113ergonomia
Pelo Siro
 
ERGONOMIA_AULA1.pdf
ERGONOMIA_AULA1.pdfERGONOMIA_AULA1.pdf
ERGONOMIA_AULA1.pdf
MarciaDelaneSilva
 
119171129 1786.apresentacao1
119171129 1786.apresentacao1119171129 1786.apresentacao1
119171129 1786.apresentacao1
Pelo Siro
 
1026 ergonomia e segurança do trabalho
1026 ergonomia e segurança do trabalho1026 ergonomia e segurança do trabalho
1026 ergonomia e segurança do trabalho
Jadiel Mendes
 
1026 ergonomia e segurança do trabalho
1026 ergonomia e segurança do trabalho1026 ergonomia e segurança do trabalho
1026 ergonomia e segurança do trabalho
Michel Silva
 
1026 ergonomia e segurança do trabalho
1026 ergonomia e segurança do trabalho1026 ergonomia e segurança do trabalho
1026 ergonomia e segurança do trabalho
Janaina Leitinho
 
1026 ergonomia e segurança do trabalho
1026 ergonomia e segurança do trabalho1026 ergonomia e segurança do trabalho
1026 ergonomia e segurança do trabalho
fabiana vitoria souto
 
Ergonomia surgiu onde
Ergonomia surgiu ondeErgonomia surgiu onde
Ergonomia surgiu onde
Ana Paula
 
Boa ergonomia boa_economia
Boa ergonomia boa_economiaBoa ergonomia boa_economia
Boa ergonomia boa_economia
Ariel Orlei
 
Manual de ergonomia
Manual de ergonomiaManual de ergonomia
Manual de ergonomia
Hospital da Restauração
 
Ergonomia seguradora cabeli análise das condições de trabalho márcia gor...
Ergonomia seguradora cabeli análise das condições de trabalho  márcia gor...Ergonomia seguradora cabeli análise das condições de trabalho  márcia gor...
Ergonomia seguradora cabeli análise das condições de trabalho márcia gor...
A. Rui Teixeira Santos
 
1415
14151415
1415
Pelo Siro
 
A1_Ergonomia.pdf
A1_Ergonomia.pdfA1_Ergonomia.pdf
A1_Ergonomia.pdf
patricia375865
 
Ergonomia nr-17
Ergonomia  nr-17Ergonomia  nr-17
Ergonomia nr-17
Andreia Cezar Pedreira
 
Treinamento_Completo_de_NR_17_Ergonomia__1713929889.pdf
Treinamento_Completo_de_NR_17_Ergonomia__1713929889.pdfTreinamento_Completo_de_NR_17_Ergonomia__1713929889.pdf
Treinamento_Completo_de_NR_17_Ergonomia__1713929889.pdf
MarcoAurlioTrindade2
 
Fundamentos ergonomia-neridos santos
Fundamentos ergonomia-neridos santosFundamentos ergonomia-neridos santos
Fundamentos ergonomia-neridos santos
Márcia P’erëira
 
Engenharia do Trabalho
Engenharia do TrabalhoEngenharia do Trabalho
Engenharia do Trabalho
Leonardo Nogueira
 

Semelhante a Ergonomia (20)

Ergonomia Cefet
Ergonomia CefetErgonomia Cefet
Ergonomia Cefet
 
Fundamentos da Ergonomia, Riscos ergonomicos e principios.ppt
Fundamentos da Ergonomia, Riscos ergonomicos e principios.pptFundamentos da Ergonomia, Riscos ergonomicos e principios.ppt
Fundamentos da Ergonomia, Riscos ergonomicos e principios.ppt
 
16057022 1242681113ergonomia
16057022 1242681113ergonomia16057022 1242681113ergonomia
16057022 1242681113ergonomia
 
16057022 1242681113ergonomia
16057022 1242681113ergonomia16057022 1242681113ergonomia
16057022 1242681113ergonomia
 
ERGONOMIA_AULA1.pdf
ERGONOMIA_AULA1.pdfERGONOMIA_AULA1.pdf
ERGONOMIA_AULA1.pdf
 
119171129 1786.apresentacao1
119171129 1786.apresentacao1119171129 1786.apresentacao1
119171129 1786.apresentacao1
 
1026 ergonomia e segurança do trabalho
1026 ergonomia e segurança do trabalho1026 ergonomia e segurança do trabalho
1026 ergonomia e segurança do trabalho
 
1026 ergonomia e segurança do trabalho
1026 ergonomia e segurança do trabalho1026 ergonomia e segurança do trabalho
1026 ergonomia e segurança do trabalho
 
1026 ergonomia e segurança do trabalho
1026 ergonomia e segurança do trabalho1026 ergonomia e segurança do trabalho
1026 ergonomia e segurança do trabalho
 
1026 ergonomia e segurança do trabalho
1026 ergonomia e segurança do trabalho1026 ergonomia e segurança do trabalho
1026 ergonomia e segurança do trabalho
 
Ergonomia surgiu onde
Ergonomia surgiu ondeErgonomia surgiu onde
Ergonomia surgiu onde
 
Boa ergonomia boa_economia
Boa ergonomia boa_economiaBoa ergonomia boa_economia
Boa ergonomia boa_economia
 
Manual de ergonomia
Manual de ergonomiaManual de ergonomia
Manual de ergonomia
 
Ergonomia seguradora cabeli análise das condições de trabalho márcia gor...
Ergonomia seguradora cabeli análise das condições de trabalho  márcia gor...Ergonomia seguradora cabeli análise das condições de trabalho  márcia gor...
Ergonomia seguradora cabeli análise das condições de trabalho márcia gor...
 
1415
14151415
1415
 
A1_Ergonomia.pdf
A1_Ergonomia.pdfA1_Ergonomia.pdf
A1_Ergonomia.pdf
 
Ergonomia nr-17
Ergonomia  nr-17Ergonomia  nr-17
Ergonomia nr-17
 
Treinamento_Completo_de_NR_17_Ergonomia__1713929889.pdf
Treinamento_Completo_de_NR_17_Ergonomia__1713929889.pdfTreinamento_Completo_de_NR_17_Ergonomia__1713929889.pdf
Treinamento_Completo_de_NR_17_Ergonomia__1713929889.pdf
 
Fundamentos ergonomia-neridos santos
Fundamentos ergonomia-neridos santosFundamentos ergonomia-neridos santos
Fundamentos ergonomia-neridos santos
 
Engenharia do Trabalho
Engenharia do TrabalhoEngenharia do Trabalho
Engenharia do Trabalho
 

Último

Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdfPurificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Claudinei Machado
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Vias & Rodovias
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Vias & Rodovias
 
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptxConcreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
BuscaApto
 
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso PraticoTerraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Vias & Rodovias
 
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdfApostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Elpidiotapejara
 
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
YgorRodrigues11
 

Último (7)

Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdfPurificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
 
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptxConcreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
 
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso PraticoTerraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
 
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdfApostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
 
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
 

Ergonomia

  • 1. Ergonomia e Segurança do Trabalho no Setor Florestal Profᵃ Alessandra Lopes eng_alessandralopes@hotmail.com Ergonomia
  • 3. Conceito “Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e seu trabalho, equipamento, ambiente e particularmente, a aplicação dos conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas que surgem desse relacionamento.” Ergonomics Society “A ergonomia é o estudo da adaptação do trabalho às características fisiológicas e psicológicas do ser humano” Associação Brasileira de Ergonomia
  • 4. Conceito A ergonomia se inicia nas características do trabalhador para depois projetar o trabalho que ele consegue executar, preservando sua saúde Homem Trabalho
  • 5. Objetivo  Saúde: a saúde do trabalhador é mantida quando as exigências do trabalho e do ambiente não ultrapassam as suas limitações energéticas e cognitivas, de modo a evitar as situações de estresse, riscos de acidentes e doenças ocupacionais;  Segurança: É conseguida com projetos do posto de trabalho, ambiente e organização, que estejam dentro das capacidades e limitações do trabalhador, de modo a reduzir erros, acidentes, estresse e fadiga;  Satisfação: É o resultado do atendimento das necessidades e expectativas do trabalhador;  Eficiência: É a consequência dos 3 fatores reunidos.
  • 6. Objetivo  Alto índice de acidentes de trabalho;  Problemas associados a doenças do trabalho;  Questões relacionadas à redução da produtividade no local de trabalho, alto índice de absenteísmo, retrabalhos, diminuição de motivação, etc;  Qualidade de Vida no Trabalho (QVT), proporcionando mais do que um posto de trabalho melhor, mas também uma vida melhor no trabalho.
  • 7. Evolução da Ergonomia  1700 - O médico italiano Bernardino Ramazzini foi o primeiro a escrever sobre doenças e lesões relacionadas ao trabalho;  1857 – O polonês Wojciech Jartrzebowski publicou o artigo Ensaio de ergonomia ou ciência do trabalho baseada nas leis objetivas da ciência da natureza”.  XVIII – A questão da ergonomia se tornou um problema mais dramático na Revolução Industrial  XIX - Frederick Winslow TAYLOR lançou seu livro “Administração Científica”, com uma abordagem que buscava a melhor maneira de executar um trabalho e suas tarefas.
  • 8. Evolução da Ergonomia  A segunda Guerra Mundial foi um marco no desenvolvimento da Ergonomia  1949 - Oengenheiro inglês chamado Murrel criou na Inglaterra a primeira sociedade nacional de ergonomia, a “Ergonomic Research Society”.  1959 - Foi fundada a “International Ergonomics Association”.  Em 31 de agosto de 1983 foi criada a “Associação Brasileira de Ergonomia
  • 9. Abordagens da Ergonomia  Quanto a abrangência o Ergonomia do posto de trabalho: abordagem microergonômica o Ergonomia de sistemas de produção: abordagem macroergonômica
  • 10. Abordagens da Ergonomia  Quanto a abrangência o Ergonomia do posto de trabalho: abordagem microergonômica o Ergonomia de sistemas de produção: abordagem macroergonômica
  • 11. Abordagens da Ergonomia  Quanto à contribuição o Ergonomia de concepção: normas e especificações de projeto o Ergonomia de correção: modificações de situações existentes o Ergonomia de arranjo físico: melhoria de seqüências e fluxos de produção o Ergonomia de conscientização: capacitação em ergonomia
  • 12. Abordagens da Ergonomia  Quanto a interdisciplinaridade o Engenharia: projeto e produção ergonomicamente seguros o Design: metodologia de projeto e design do produto o Psicologia: treinamento e motivação do pessoal o Medicina e enfermagem: prevenção de acidentes e doenças do trabalho o Administração:projetos organizacionais e gestão de R.H.
  • 13. Abordagem Ergonômica Considera as capacidades humanas e seus limites:  capacidade física,  força muscular,  dimensões corporais,  possibilidades de interpretação das informações pelo aparelho sensorial (visão, audição),  capacidade de tratamento das informações em termos de rapidez e de complexidade
  • 14. Analisa as exigências das tarefas e os diferentes fatores que influenciam as relações homem x trabalho as características materiais do trabalho: (apresentação espacial e temporal) peso dos instrumentos forças a exercer disposição dos comandos dimensões dos diferentes elementos constituintes do posto e do sistema Abordagem Ergonômica
  • 15. Desenvolvimento atual da ergonomia Pode ser caracterizado segundo quatro níveis de exigências: As exigências tecnológicas: técnicas de produção As exigências econômicas: qualidade e custo de produção As exigências sociais: melhoria das condições de trabalho As exigências organizacionais: gestão participativa
  • 16. Por que usar a Ergonomia ? Novas tecnologias, competitividade de mercado, produtividade x qualidade Necessidade de melhoria das práticas das tarefas com:  Eficácia  Segurança  Qualidade
  • 17.  alto índice de acidentes de trabalho;  problemas associados a doenças do trabalho;  questões relacionadas à redução da produtividade no local de trabalho, alto índice de absenteísmo, retrabalhos, diminuição de motivação, etc;  Qualidade de Vida no Trabalho (QVT), proporcionando mais do que um posto de trabalho melhor, mas também uma vida melhor no trabalho. Por que usar a Ergonomia ?
  • 18. A ergonomia se esforça para conhecer o comportamento do operador Diferença entre: o trabalho prescrito = tarefa o trabalho real = atividade Atividade é a expressão do funcionamento do homem na execução de sua tarefa. Por que usar a Ergonomia ?
  • 19. Existem vários tipos de sinais de alarme ou indicadores para um estudo ergonômico: Fisiológicos  aceleração dos batimentos cardíacos  quantidade de ar respirado  atividade elétrica cerebral  temperatura corporal Sinais de Alarme
  • 20. Em nível do trabalho repetitividade de erros cometidos em uma tarefa as baixas na produtividade e na qualidade da performance do operador aumento do índice de retrabalhos incidentes de trabalho acidentes de trabalho (importância vital) Sinais de Alarme
  • 21. Sinais de Alarme Subjetivos queixas eventuais dos trabalhadores (contraste entre a percepção objetiva e a subjetiva) “a noção de conforto” Mudanças de comportamento ansiedade e irritação
  • 22. Como calcular ?  O tempo perdido, as despesas com primeiros socorros, os danos aos bens e às matérias primas ou os novos investimentos em treinamentos para substituição de mão- de-obra no caso de um acidente de trabalho?  Quanto um problema de cunho não-ergonômico está custando para a empresa? Quanto custaria solucioná-lo?  Quais os benefícios da solução dos problemas relacionados à falta de ergonomia? E como prever os prejuízos com o desgaste de uma companhia exposta negativamente pela mídia?  Considerando a grande diversidade de questões, cabe ainda perguntar, os benefícios superarão os custos?
  • 23. A Prioridades é o esforço para justificar o custo de melhorias ergonômicas (saúde e segurança). É importante também assegurar que o custo destas seja o mais baixo possível. Prudente obter a melhor relação custo/benefício. Como calcular ?
  • 24. Justificação de melhorias ergonômicas  O manuseio da técnica de custo/benefício;  O desenvolvimento do custo de melhorias ergonômicas;  O desenvolvimento do benefício de melhorias ergonômicas.
  • 25. Análise de Custo/Benefício É a forma predominante, entre outras existentes, para justificar os gastos com mudanças propostas pela ergonomia. diminuição de custos Benefícios melhoria de desempenho Limitada quando necessita quantificar custos e benefícios intangíveis
  • 26. Redução de custos  Diminuir custos com horas extras (trabalhadores substitutos);  Custos de seguros e/ou custos de compensação relacionados a acidentes ou lesões;  Ações judiciais;  Melhorar a qualidade e a quantidade da produção,  Prover treinamento adicional;  etc.
  • 27. Benefícios  Ganhos de fácil mensuração  Aumentos de produtividade e de qualidade;  A redução dos desperdícios;  As economias de energia; mão-de-obra, manutenção, etc  Ganhos de difícil mensuração  Redução do absenteísmo devido a acidentes e doenças ocupacionais
  • 28. Benefícios intangíveis  satisfação do trabalhador;  o conforto;  a redução do turnover (rotatividade)  o aumento da motivação dos trabalhadores
  • 29. Dados As 10 principais causas de acidentes e doenças profissionais nos EUA são responsáveis por 86% dos US$ 38,7 bilhões pagos em indenizações em 1998. Quando os custos indiretos gerados por estes acidentes são somados aos US$ 38,7 bilhões de custos diretos, a economia resultante pode atingir um total aproximado de US$ 125-155 bilhões (Liberty Mutual Research Center, 2002)
  • 30. Custos diretos gerados pelas 10 principais causas de acidentes e doenças profissionais nos EUA -1998 Causas de acidentes % de custos diretos para compensação de trabalhadores no ano de 1998 Estimativa nacional de custo direto para compensação de trabalhadores Lesões causadas pelo excesso de levantamentos, puxões, arremesso, tempo segurando objetos pesados 25.57% $ 9.8 bilhões Quedas 11.46% $ 4.4 bilhões Lesões resultante de maus jeitos e escorregões, perda de equilíbrio sem queda 9.35% $ 3.6 bilhões Quedas em nivel mais baixo (escada, ou sobre grades) 9.33% $ 3.6 bilhões Quedas de objetos sobre o trabalhador 8.94% $ 3.4 bilhões Movimentos repetitivos 6.10% $ 2.3 bilhões Acidentes no caminho do trabalho 5.46% $ 2.1 bilhões Lesões por choques, batidas contra equipamentos pesados 4.92% $ 1.9 bilhões Esmagamento por máquinas ou equipamentos 4.18% $ 1.6 bilhões Contato c/ temperaturas extremas que resultam em choque térmico e queimaduras (gelo, calor) 0.92% $ 3.0 bilhões Todas causas de acidentes 100.00% $ 38.7 bilhões
  • 31. Próxima Aula o Leitura da NR 17 – Ergonomia Fazer um resumo da norma apontando os objetivos, princípios e principais pontos da norma