SlideShare uma empresa Scribd logo
Ergonomia
Quem Sou Eu?
Quem Você é!
D
C
B
A ASTRONAUTA
BOLA MURCHA
COMPROMETIDO
DEDICADO
TIPOSDEALUNOS
Professor Leandro Sales
Origem e Desenvolvimento
19. No suor do teu rosto comerás o teu pão,
até que te tornes à terra; porque dela foste
tomado; porquanto és pó e em pó te tornarás.
Gênesis 3: 19
O Marco dos
Séculos
XIX e XX
Item
1
Item
2
Item
3
• Concentração Populacional –
Aumento da natalidade.
• Desenvolvimento Industrial –
Crescimentos Industrial.
• Êxodo Rural – Abandono das áreas
rurais rumo para os centros
urbanos.
O Século XIX é Marcado Pelo...
Péssima Iluminação
Ambientes Abafados e
Sujos
Salários Ruins/ Sem 13º/
Férias
Não Existia Auxílio Doença
Não Tinha Descanso
Semanal Remunerado
Condições de Trabalho
Pensamento de Taylor
“O trabalhador que não se
adaptasse à linha de produção de
Taylor era considerado lerdo,
vagabundo, e negligente”.
DEJOURS (1988)
Henry Ford
1. Eliminação de Movimento Inútil
VISÕES DE DESTAQUEAS
2. Baixo Custo Na Mão de Obra
3. Automóveis Baratos
GESTÃO TOYOTA
 Produzir o necessário, reduzindo o
máximo os estoques – Justin Time;
 Especialistas Multifuncionais;
Relacionamento corporativo entre
os Gerentes e Operadores.
RESUMO DA HISTÓRIA
1945-1960: Homem
Frente à Máquina
1960-1980: Inicio da
Automatização
1980- 2012: Revolução da
Ergonomia
ORIGEM DA PALAVRA
GRÉCIA ANTIGA
ERGON= Trabalho arte de criação,
satisfação e motivação.
PONOS= Trabalho escravo de
sofrimento sem nenhuma criatividade.
Objetivo da Ergonomia é transformar o trabalho PONOS em
trabalho ERGON.
ORIGEM DA PALAVRA
GRÉCIA
ERGON= TRABALHO
NOMOS= REGRAS
A Etimologia do termo Ergonomia
significa “estudo das leis do trabalho”.
Definições Globais - Ergonomia
MURREL, 1949: É o conjunto de conhecimento científico
relativo ao homem e necessário para que engenheiros
concebam ferramentas, máquinas e conjuntos de trabalho que
favoreçam conforto, segurança e eficiência.
SINGLETON, 1972: É a tecnologia do projeto de trabalho.
LAVILLE, 1977: É o conjunto de conhecimentos relativos ao
comportamento do homem em atividade, a fim de aplicá-los á
concepção das tarefas, instrumentos, máquinas e dos sistemas
de produção.
Definições Globais - Ergonomia
IEA (International Ergonomics Association): É o
estudo da relação entre o homem e seu método de trabalho. O
objetivo é elaborar, mediante a contribuição de diversas
disciplinas científicas dentro de uma perspectiva de aplicação,
deve resultar em uma melhor adaptação ao homem dos meios
tecnológicos e ambientes de trabalho.
ABERGO (Associação Brasileira de Ergonomia):
A ergonomia é o estudo da adaptação do trabalho as
características fisiológicas e psicológicas do ser humano.
Definições Globais - Ergonomia
OIT (Organização Internacional do Trabalho): É
a aplicação das ciências biológicas humanas e o ajustamento
mútuo ideal entre o homem e seu trabalho, cujos resultados se
medem em termos de eficiência humana e bem estar no
trabalho. É o conjunto de ciências e tecnologias que procura o
ajuste confortável e produtivo entre o ser humano e seu
trabalho.
“ Não Sois Máquinas;
Homens é Que Sois”
Charlie Chaplin
A IMPORTÂNCIA DA
NR – 17 PARA O TRABALHADOR
Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer
parâmetros que permitam a adaptação das
condições de trabalho às características
psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a
proporcionar um máximo de conforto, segurança e
desempenho eficiente.
NR- 17 : Ergonomia
1
Onde Podem Ocorrer Problemas
Ergonômicos?
Sub headline
Quais São os Riscos Ergonômicos
Abordados Pela NR -17
17.2 Levantamento, Transporte e descarga de
Materiais
17.3 Mobília;
17.5 Condições Ambientais;
17.6 Organização do Trabalho;
 17.4 Equipamentos dos postos de trabalho;
17.2.1.1. Transporte manual de cargas designa todo transporte no qual o peso
da carga é suportado inteiramente por um só trabalhador,
compreendendo o levantamento e a deposição da carga.
Levantamento Transporte e Descarga de
Materiais
Qual é o
Peso que
está
sendo
Levantad
o?
O peso pode comprometer a saúde do
colaborador?
Qual é o limite de peso recomendado?
Algumas Observações
devem ser feitas
Local de retirada
Local de depósito
Distância do corpo
Frequência de
Levantamento
Qualidade da Pega
1
Como Previnir – 1º Postura
Sub headline
Antes de levantar o peso pense
sobre a carga. Devo pedir
ajuda? Serei capaz de colocar a
carga no lugar com segurança?
1
Como Previnir – 2º Postura
Sub headline
Separe seus pés a uma
largura equivalente a do
seus ombros, com um pé
levemente a frente do
outro...
1
Como Previnir – 3º Postura
Sub headline
...Mantenha seus joelhos
levemente flexionados e contraia
os músculos do seu abdomem
ao começar a levantar a carga...
1
Como Previnir – 4º Postura
Sub headline
...Mantenha suas costas
eretas e o queixo
levemente para cima.
Mantenha a carga
próxima ao corpo...
Como Previnir – 5º Postura
Sub headline
Deixe as pernas e braços executarem
o trabalho. Sempre caminhe em
direção ao local em que você está
movendo a carga. Nunca gire o seu
corpo sem ao mesmo tempo girar os
pés.
17.3 Mobílias
Qual é a altura da sua
bancada?
Sua cadeira oferece
conforto?
1 - A cadeira de trabalho deve ser
estofada, e de preferência, com tecido
que permita a transpiração.
2 – A Altura da cadeira deve ser regulável;
3 – A dimensão ântero-posterior do
assento não pode ser nem muito
comprida e nem muito curta
38 cm
40 cm
48 cm
44 cm
4 – A borda anterior do assento deve
arredondada.
5 . É desejável que o assento tenha inclina
de 10 a 15° para frente. Assentos inclinados
para traz são inadequados em cadeiras de
trabalho.
6 – Toda Cadeira de trabalho deve ter
apoio para o dorso.
7 – O ângulo entre o assento e o apoio
dorsal deve ser regulável, assento e
encosto sempre alinhados.
8 – O Apoio para o dorso deve ter uma
curvatura que acompanhe a coluna.
9 – O apoio para o dorso deve ter
regulagem de altura, para que aconteça
a adaptação pessoal
10 – Deve haver espaço nas cadeiras para
acomodar as nádegas.
11 – Para trabalhos semicircular ou
perpendicular, a cadeira deve ser giratória
e possuir rodízios.
12 – Apoio para os braços em cadeiras
de trabalho.
14 – Deve haver espaço suficiente para as pernas
debaixo da mesa ou do posto de trabalho. (mesas com
regulagem de altura)
Suporte
Para o CPU
Apoio
para os Punhos
Mesas com
Entradas
Arredondadas
15 – Mesa de trabalho deve atender a alguns requisitos
básicos de ergonomia
AET - Análise Ergonômica do Trabalho
Instituto Finlandês de Saúde Ocupacional/
OIT – Organização Internacional do Trabalho
Ajustes antes de sentar
1
2
3
4
5
6
7
8
17.4 Acessórios e
Equipamentos
O monitor
oferece ajuste
de altura?
Ferramentas Inadequadas
Ferramentas Inadequadas
Ferramentas Inadequadas
Ferramentas Inadequadas
Ferramentas Inadequadas
Os painéis estão adaptados a
sua estatura?
Condições Ambientais
Conforto térmico
Umidade relativa do Ar
Velocidade relativa do ar
Iluminação
Organização do
Trabalho
Normas de produção;
Modo operatório;
A exigência de tempo;
A determinação do conteúdo de tempo;
O ritmo de trabalho;
O conteúdo das tarefas.
Organização do Trabalho
Hora Extra
Revezamento
ANEXO I
TRABALHO DOS
OPERADORES DE
CHECKOUT
ANEXO II
TRABALHO EM
TELEATENDIMENTO
/TELEMARKETING
Quatro Contribuições da Ergonomia
Ergonomia de Concepção: Normas e Projetos.
Ergonomia de Correção: Mudanças
Situacionais Existentes.
Ergonomia Arranjo Físico: Fluxo de Produção
Ergonomia Conscientização: Capacitação
em Ergonomia.
Ergonomia Saúde
Segurança
Eficiência
Satisfação
NR – 17
Para a Empresa e Colaboradores
Produção
Fator Humano
Motivado Fator Máquina
INTERDISCIPLINARIDADE
Médico do Trabalho
Psicólogo
Engenheiro
Projetista
Enfermeiro
Segurança do Trabalho
Coordenadores
Gerentes
Colaboradores/ Operação
Quatro Níveis Básicos de Exigência
Ergonômica
Exigência Tecnológica: Técnicas de
Produção
Exigência Econômica: Qualidade e Custo
Exigência Social: Condição de Trabalho
Exigência Organizacional: Gestão
Participativa
TIPOS DE RISCOS ERGONOMICOS
1. Trabalho Pesado
2. Postura Incorreta
3. Trabalhos em Turnos
4. Repetividade
5. Ritmos Excessivo
6. Pressão Explicita por Produção
7. Jornada de Trabalho Prolongada
8. Trabalho Sem Pausa Espontânea
9. Posto de Trabalho Mal Projetado
10. Ambiente de Trabalho Desconfortável
(muito seco, frio, quente, pouco
iluminado, barulhento, apertado)
Resumo Prático da Ergonomia
Levantar da cama
Calçar sapatos
Vestir calças
Projeto de Melhorias
 Segurança
Qualidade do Produto
 Condição do Trabalho
Aumento da Produção
Vamos
arregaçar
as mangas
O Que?
What?
Quando?
When?
Como?
How?
Por que?
Why?
Onde?
Where?
Quem?
Who?
Quantos?
How
Much?
5W2H
O Que? Por Que? Como? Onde? Quem? Quando?
Quanto
Custa?
Usando a Ferramenta
Leandro.ssales@sp.senac.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transporte manual de cargas(2)
Transporte manual de cargas(2)Transporte manual de cargas(2)
Transporte manual de cargas(2)
Jupira Silva
 
Aula ergonomia
Aula ergonomia Aula ergonomia
Aula ergonomia
Marília Lima
 
ERGONOMIA
ERGONOMIA  ERGONOMIA
ERGONOMIA
Joziane Pimentel
 
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
EMS Indústria Farmacêutica
 
Identificando os Riscos Ergonômicos Na CIPA
Identificando os Riscos Ergonômicos Na CIPAIdentificando os Riscos Ergonômicos Na CIPA
Identificando os Riscos Ergonômicos Na CIPA
Leandro Sales
 
Ergonomia (40h)
Ergonomia (40h)Ergonomia (40h)
Ergonomia (40h)
Paulo Silva
 
Ergonomia para escritorios
Ergonomia para escritoriosErgonomia para escritorios
Ergonomia para escritorios
mjmcreatore
 
Ergonomia e Segurança no Trabalho
Ergonomia e Segurança no Trabalho Ergonomia e Segurança no Trabalho
Ergonomia e Segurança no Trabalho
Ricardo Beis
 
Nr – 17
Nr – 17Nr – 17
Trabalho de ergonomia
Trabalho de ergonomiaTrabalho de ergonomia
Trabalho de ergonomia
Patricia Rodrigues
 
6719390-Treinamento-Transporte-Manual-de-Carga.ppt
6719390-Treinamento-Transporte-Manual-de-Carga.ppt6719390-Treinamento-Transporte-Manual-de-Carga.ppt
6719390-Treinamento-Transporte-Manual-de-Carga.ppt
Daniela Chucre
 
Aula ergonomia
Aula ergonomiaAula ergonomia
Aula ergonomia
Gustavo Bomba
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
morais mariajoao
 
Riscos Ergonômicos
Riscos Ergonômicos Riscos Ergonômicos
Riscos Ergonômicos
Niela Tuani
 
Cartilha de Ergonomia na Construção civil NR 17
Cartilha de Ergonomia na Construção civil NR 17Cartilha de Ergonomia na Construção civil NR 17
Cartilha de Ergonomia na Construção civil NR 17
Ikaika Epi
 
Levantamento de-cargas
Levantamento de-cargasLevantamento de-cargas
Levantamento de-cargas
Cleber Lazzari
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Movimentação manual de cargas
Movimentação manual de cargasMovimentação manual de cargas
Movimentação manual de cargas
Jojo Cruz
 
Modulo4 ergonomia
Modulo4 ergonomiaModulo4 ergonomia
Modulo4 ergonomia
Lucy Jesus
 
MOVIMENTAÇÃO MANUAL DE CARGAS.ppt
MOVIMENTAÇÃO MANUAL DE CARGAS.pptMOVIMENTAÇÃO MANUAL DE CARGAS.ppt
MOVIMENTAÇÃO MANUAL DE CARGAS.ppt
RobertoFailache1
 

Mais procurados (20)

Transporte manual de cargas(2)
Transporte manual de cargas(2)Transporte manual de cargas(2)
Transporte manual de cargas(2)
 
Aula ergonomia
Aula ergonomia Aula ergonomia
Aula ergonomia
 
ERGONOMIA
ERGONOMIA  ERGONOMIA
ERGONOMIA
 
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
 
Identificando os Riscos Ergonômicos Na CIPA
Identificando os Riscos Ergonômicos Na CIPAIdentificando os Riscos Ergonômicos Na CIPA
Identificando os Riscos Ergonômicos Na CIPA
 
Ergonomia (40h)
Ergonomia (40h)Ergonomia (40h)
Ergonomia (40h)
 
Ergonomia para escritorios
Ergonomia para escritoriosErgonomia para escritorios
Ergonomia para escritorios
 
Ergonomia e Segurança no Trabalho
Ergonomia e Segurança no Trabalho Ergonomia e Segurança no Trabalho
Ergonomia e Segurança no Trabalho
 
Nr – 17
Nr – 17Nr – 17
Nr – 17
 
Trabalho de ergonomia
Trabalho de ergonomiaTrabalho de ergonomia
Trabalho de ergonomia
 
6719390-Treinamento-Transporte-Manual-de-Carga.ppt
6719390-Treinamento-Transporte-Manual-de-Carga.ppt6719390-Treinamento-Transporte-Manual-de-Carga.ppt
6719390-Treinamento-Transporte-Manual-de-Carga.ppt
 
Aula ergonomia
Aula ergonomiaAula ergonomia
Aula ergonomia
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
 
Riscos Ergonômicos
Riscos Ergonômicos Riscos Ergonômicos
Riscos Ergonômicos
 
Cartilha de Ergonomia na Construção civil NR 17
Cartilha de Ergonomia na Construção civil NR 17Cartilha de Ergonomia na Construção civil NR 17
Cartilha de Ergonomia na Construção civil NR 17
 
Levantamento de-cargas
Levantamento de-cargasLevantamento de-cargas
Levantamento de-cargas
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
 
Movimentação manual de cargas
Movimentação manual de cargasMovimentação manual de cargas
Movimentação manual de cargas
 
Modulo4 ergonomia
Modulo4 ergonomiaModulo4 ergonomia
Modulo4 ergonomia
 
MOVIMENTAÇÃO MANUAL DE CARGAS.ppt
MOVIMENTAÇÃO MANUAL DE CARGAS.pptMOVIMENTAÇÃO MANUAL DE CARGAS.ppt
MOVIMENTAÇÃO MANUAL DE CARGAS.ppt
 

Destaque

ABNT/NBR 13434-2 - Sinalização de segurança contra incêndio e pânico
ABNT/NBR 13434-2 - Sinalização de segurança contra incêndio e pânicoABNT/NBR 13434-2 - Sinalização de segurança contra incêndio e pânico
ABNT/NBR 13434-2 - Sinalização de segurança contra incêndio e pânico
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Nbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensa
Nbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensaNbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensa
Nbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensa
Carlos Kaka
 
6 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 6
6    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 66    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 6
6 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 6
Zacarias Junior
 
1415
14151415
1415
Pelo Siro
 
7 a - planejamento e administração do ppra - nr 09
7   a - planejamento e administração do ppra - nr 097   a - planejamento e administração do ppra - nr 09
7 a - planejamento e administração do ppra - nr 09
Zacarias Junior
 
Ergonomia ~ Parte 1/5
Ergonomia ~ Parte 1/5Ergonomia ~ Parte 1/5
Ergonomia ~ Parte 1/5
ABCursos OnLine
 
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscosNbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
Everton Retore Teixeira
 
1 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais 1
1   identificação e interpretação dos riscos ocupacionais   11   identificação e interpretação dos riscos ocupacionais   1
1 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais 1
Zacarias Junior
 
Nr 17 ERGONOMIA - esquematizada
Nr 17   ERGONOMIA  - esquematizadaNr 17   ERGONOMIA  - esquematizada
Nr 17 ERGONOMIA - esquematizada
GLEIDY SORAYMA SILVA DA COSTA
 

Destaque (9)

ABNT/NBR 13434-2 - Sinalização de segurança contra incêndio e pânico
ABNT/NBR 13434-2 - Sinalização de segurança contra incêndio e pânicoABNT/NBR 13434-2 - Sinalização de segurança contra incêndio e pânico
ABNT/NBR 13434-2 - Sinalização de segurança contra incêndio e pânico
 
Nbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensa
Nbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensaNbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensa
Nbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensa
 
6 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 6
6    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 66    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 6
6 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 6
 
1415
14151415
1415
 
7 a - planejamento e administração do ppra - nr 09
7   a - planejamento e administração do ppra - nr 097   a - planejamento e administração do ppra - nr 09
7 a - planejamento e administração do ppra - nr 09
 
Ergonomia ~ Parte 1/5
Ergonomia ~ Parte 1/5Ergonomia ~ Parte 1/5
Ergonomia ~ Parte 1/5
 
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscosNbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
 
1 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais 1
1   identificação e interpretação dos riscos ocupacionais   11   identificação e interpretação dos riscos ocupacionais   1
1 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais 1
 
Nr 17 ERGONOMIA - esquematizada
Nr 17   ERGONOMIA  - esquematizadaNr 17   ERGONOMIA  - esquematizada
Nr 17 ERGONOMIA - esquematizada
 

Semelhante a Aspectos basicos da ergonomia

Identificando os Riscos Ergonômicos - Águas de Paraty
Identificando os Riscos Ergonômicos - Águas de ParatyIdentificando os Riscos Ergonômicos - Águas de Paraty
Identificando os Riscos Ergonômicos - Águas de Paraty
Leandro Sales
 
Identificando os riscos ergonômicos
Identificando os riscos ergonômicosIdentificando os riscos ergonômicos
Identificando os riscos ergonômicos
Leandro Sales
 
+Ergonomia Para o Seu Dia
+Ergonomia Para o Seu Dia+Ergonomia Para o Seu Dia
+Ergonomia Para o Seu Dia
Leandro Sales
 
Apostila Ergonomia (1).pdf
Apostila Ergonomia (1).pdfApostila Ergonomia (1).pdf
Apostila Ergonomia (1).pdf
MarciaDelaneSilva
 
ERGONOMIA NO TRABALHOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO.pptx
ERGONOMIA NO TRABALHOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO.pptxERGONOMIA NO TRABALHOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO.pptx
ERGONOMIA NO TRABALHOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO.pptx
EdsonSobrinho6
 
Sht ergonomia
Sht  ergonomiaSht  ergonomia
Sht ergonomia
FtimaPereira42
 
Manual de Ergonomia - NR 17.pdf
Manual de Ergonomia - NR 17.pdfManual de Ergonomia - NR 17.pdf
Manual de Ergonomia - NR 17.pdf
marcelohamilton3
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
AutoMaGLA
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
AutoMaGLA
 
Trabalho HST - Riscos Ergonomicos
Trabalho HST - Riscos ErgonomicosTrabalho HST - Riscos Ergonomicos
Trabalho HST - Riscos Ergonomicos
Dario Aristides
 
treinamentonr17-230223205200-8eb1d117.pdf
treinamentonr17-230223205200-8eb1d117.pdftreinamentonr17-230223205200-8eb1d117.pdf
treinamentonr17-230223205200-8eb1d117.pdf
Roberto Luna Jr
 
Treinamento NR 17.pptx
Treinamento NR 17.pptxTreinamento NR 17.pptx
Treinamento NR 17.pptx
Karollyna Maciel
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Edição 4
Edição 4Edição 4
Edição 4
gimenezeassociados
 
2 - A relação entre ergonomia, antropometria e design
2 - A relação entre ergonomia, antropometria e design2 - A relação entre ergonomia, antropometria e design
2 - A relação entre ergonomia, antropometria e design
João Silva
 
CARtILHAERGONOMIA_compressed06.05.docx
CARtILHAERGONOMIA_compressed06.05.docxCARtILHAERGONOMIA_compressed06.05.docx
CARtILHAERGONOMIA_compressed06.05.docx
AntnioSebastioDosRei
 
28483727 trabalho-sentado
28483727 trabalho-sentado28483727 trabalho-sentado
28483727 trabalho-sentado
Jose Manuel Moura
 
aulaergonomia-150220114152-conversion-gate02 (1).pptx
aulaergonomia-150220114152-conversion-gate02 (1).pptxaulaergonomia-150220114152-conversion-gate02 (1).pptx
aulaergonomia-150220114152-conversion-gate02 (1).pptx
diogocardozo5
 
Ergonomia 2013....
Ergonomia 2013....Ergonomia 2013....
Ergonomia 2013....
Alexandra Ferreira
 
Ergonomia ~ Parte 4/5
Ergonomia ~ Parte 4/5Ergonomia ~ Parte 4/5
Ergonomia ~ Parte 4/5
ABCursos OnLine
 

Semelhante a Aspectos basicos da ergonomia (20)

Identificando os Riscos Ergonômicos - Águas de Paraty
Identificando os Riscos Ergonômicos - Águas de ParatyIdentificando os Riscos Ergonômicos - Águas de Paraty
Identificando os Riscos Ergonômicos - Águas de Paraty
 
Identificando os riscos ergonômicos
Identificando os riscos ergonômicosIdentificando os riscos ergonômicos
Identificando os riscos ergonômicos
 
+Ergonomia Para o Seu Dia
+Ergonomia Para o Seu Dia+Ergonomia Para o Seu Dia
+Ergonomia Para o Seu Dia
 
Apostila Ergonomia (1).pdf
Apostila Ergonomia (1).pdfApostila Ergonomia (1).pdf
Apostila Ergonomia (1).pdf
 
ERGONOMIA NO TRABALHOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO.pptx
ERGONOMIA NO TRABALHOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO.pptxERGONOMIA NO TRABALHOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO.pptx
ERGONOMIA NO TRABALHOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO.pptx
 
Sht ergonomia
Sht  ergonomiaSht  ergonomia
Sht ergonomia
 
Manual de Ergonomia - NR 17.pdf
Manual de Ergonomia - NR 17.pdfManual de Ergonomia - NR 17.pdf
Manual de Ergonomia - NR 17.pdf
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
 
Trabalho HST - Riscos Ergonomicos
Trabalho HST - Riscos ErgonomicosTrabalho HST - Riscos Ergonomicos
Trabalho HST - Riscos Ergonomicos
 
treinamentonr17-230223205200-8eb1d117.pdf
treinamentonr17-230223205200-8eb1d117.pdftreinamentonr17-230223205200-8eb1d117.pdf
treinamentonr17-230223205200-8eb1d117.pdf
 
Treinamento NR 17.pptx
Treinamento NR 17.pptxTreinamento NR 17.pptx
Treinamento NR 17.pptx
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
 
Edição 4
Edição 4Edição 4
Edição 4
 
2 - A relação entre ergonomia, antropometria e design
2 - A relação entre ergonomia, antropometria e design2 - A relação entre ergonomia, antropometria e design
2 - A relação entre ergonomia, antropometria e design
 
CARtILHAERGONOMIA_compressed06.05.docx
CARtILHAERGONOMIA_compressed06.05.docxCARtILHAERGONOMIA_compressed06.05.docx
CARtILHAERGONOMIA_compressed06.05.docx
 
28483727 trabalho-sentado
28483727 trabalho-sentado28483727 trabalho-sentado
28483727 trabalho-sentado
 
aulaergonomia-150220114152-conversion-gate02 (1).pptx
aulaergonomia-150220114152-conversion-gate02 (1).pptxaulaergonomia-150220114152-conversion-gate02 (1).pptx
aulaergonomia-150220114152-conversion-gate02 (1).pptx
 
Ergonomia 2013....
Ergonomia 2013....Ergonomia 2013....
Ergonomia 2013....
 
Ergonomia ~ Parte 4/5
Ergonomia ~ Parte 4/5Ergonomia ~ Parte 4/5
Ergonomia ~ Parte 4/5
 

Mais de Leandro Sales

Comportamento seguro, comprometimento de todos
Comportamento seguro, comprometimento de todosComportamento seguro, comprometimento de todos
Comportamento seguro, comprometimento de todos
Leandro Sales
 
Comportamento seguro, comprometimento de todos
Comportamento seguro, comprometimento de todosComportamento seguro, comprometimento de todos
Comportamento seguro, comprometimento de todos
Leandro Sales
 
Ergonomia Para Eletricistas
Ergonomia Para EletricistasErgonomia Para Eletricistas
Ergonomia Para Eletricistas
Leandro Sales
 
Palestra os três pilares para uma vida saudável Senac sorocaba
Palestra os três pilares para uma vida saudável   Senac sorocabaPalestra os três pilares para uma vida saudável   Senac sorocaba
Palestra os três pilares para uma vida saudável Senac sorocaba
Leandro Sales
 
Palestra: "Ergonomia para Motoristas" ministrada na empresa Rápido Campinas e...
Palestra: "Ergonomia para Motoristas" ministrada na empresa Rápido Campinas e...Palestra: "Ergonomia para Motoristas" ministrada na empresa Rápido Campinas e...
Palestra: "Ergonomia para Motoristas" ministrada na empresa Rápido Campinas e...
Leandro Sales
 
Vivendo Acima da Média Borcol
Vivendo Acima da Média BorcolVivendo Acima da Média Borcol
Vivendo Acima da Média Borcol
Leandro Sales
 
O manifestar do Espírito Santo
O manifestar do Espírito SantoO manifestar do Espírito Santo
O manifestar do Espírito Santo
Leandro Sales
 
O espírito santo no antigo testamento
O espírito santo no antigo testamentoO espírito santo no antigo testamento
O espírito santo no antigo testamento
Leandro Sales
 
O espírito santo no antigo testamento e a sua correlação nos dias de Hoje.
O espírito santo no antigo testamento e a sua correlação nos dias de Hoje.O espírito santo no antigo testamento e a sua correlação nos dias de Hoje.
O espírito santo no antigo testamento e a sua correlação nos dias de Hoje.
Leandro Sales
 
Comunidade Com Cristo/ Escola Bíblica 2014 - A pessoa do espírito santo
Comunidade Com Cristo/ Escola Bíblica 2014 - A pessoa do espírito santoComunidade Com Cristo/ Escola Bíblica 2014 - A pessoa do espírito santo
Comunidade Com Cristo/ Escola Bíblica 2014 - A pessoa do espírito santo
Leandro Sales
 
Comunidade Com Cristo - Escola Bíblica 2014 A divisão dos templos
Comunidade Com Cristo - Escola Bíblica 2014 A divisão dos templos Comunidade Com Cristo - Escola Bíblica 2014 A divisão dos templos
Comunidade Com Cristo - Escola Bíblica 2014 A divisão dos templos
Leandro Sales
 
Qual é a diferença entre corpo, alma e espírito
Qual é a diferença entre corpo, alma e espíritoQual é a diferença entre corpo, alma e espírito
Qual é a diferença entre corpo, alma e espírito
Leandro Sales
 
Engajamento Sustentável
Engajamento SustentávelEngajamento Sustentável
Engajamento Sustentável
Leandro Sales
 
A vida de jesus - Aula 5
A vida de jesus - Aula 5A vida de jesus - Aula 5
A vida de jesus - Aula 5
Leandro Sales
 
A vida de jesus 2014 26 - 04 / Aula 4
A vida de jesus 2014   26 - 04 / Aula 4A vida de jesus 2014   26 - 04 / Aula 4
A vida de jesus 2014 26 - 04 / Aula 4
Leandro Sales
 
A vida de jesus 2014 29-03 - Aula 3
A vida de jesus 2014   29-03 - Aula 3A vida de jesus 2014   29-03 - Aula 3
A vida de jesus 2014 29-03 - Aula 3
Leandro Sales
 
A vida de jesus 2014 - Aula 2
A vida de jesus 2014 - Aula 2A vida de jesus 2014 - Aula 2
A vida de jesus 2014 - Aula 2
Leandro Sales
 
A Vida de Jesus - Comunidade Com Cristo 2014
A Vida de Jesus - Comunidade Com Cristo 2014A Vida de Jesus - Comunidade Com Cristo 2014
A Vida de Jesus - Comunidade Com Cristo 2014
Leandro Sales
 
Qual é a nossa função no corpo da igreja?
Qual é a nossa função no corpo da igreja?Qual é a nossa função no corpo da igreja?
Qual é a nossa função no corpo da igreja?
Leandro Sales
 
Eutanásia é de Deus? Escola Bíblica Cristo Para as Nações 2013/ Jovens
Eutanásia é de Deus? Escola Bíblica Cristo Para as Nações 2013/ JovensEutanásia é de Deus? Escola Bíblica Cristo Para as Nações 2013/ Jovens
Eutanásia é de Deus? Escola Bíblica Cristo Para as Nações 2013/ Jovens
Leandro Sales
 

Mais de Leandro Sales (20)

Comportamento seguro, comprometimento de todos
Comportamento seguro, comprometimento de todosComportamento seguro, comprometimento de todos
Comportamento seguro, comprometimento de todos
 
Comportamento seguro, comprometimento de todos
Comportamento seguro, comprometimento de todosComportamento seguro, comprometimento de todos
Comportamento seguro, comprometimento de todos
 
Ergonomia Para Eletricistas
Ergonomia Para EletricistasErgonomia Para Eletricistas
Ergonomia Para Eletricistas
 
Palestra os três pilares para uma vida saudável Senac sorocaba
Palestra os três pilares para uma vida saudável   Senac sorocabaPalestra os três pilares para uma vida saudável   Senac sorocaba
Palestra os três pilares para uma vida saudável Senac sorocaba
 
Palestra: "Ergonomia para Motoristas" ministrada na empresa Rápido Campinas e...
Palestra: "Ergonomia para Motoristas" ministrada na empresa Rápido Campinas e...Palestra: "Ergonomia para Motoristas" ministrada na empresa Rápido Campinas e...
Palestra: "Ergonomia para Motoristas" ministrada na empresa Rápido Campinas e...
 
Vivendo Acima da Média Borcol
Vivendo Acima da Média BorcolVivendo Acima da Média Borcol
Vivendo Acima da Média Borcol
 
O manifestar do Espírito Santo
O manifestar do Espírito SantoO manifestar do Espírito Santo
O manifestar do Espírito Santo
 
O espírito santo no antigo testamento
O espírito santo no antigo testamentoO espírito santo no antigo testamento
O espírito santo no antigo testamento
 
O espírito santo no antigo testamento e a sua correlação nos dias de Hoje.
O espírito santo no antigo testamento e a sua correlação nos dias de Hoje.O espírito santo no antigo testamento e a sua correlação nos dias de Hoje.
O espírito santo no antigo testamento e a sua correlação nos dias de Hoje.
 
Comunidade Com Cristo/ Escola Bíblica 2014 - A pessoa do espírito santo
Comunidade Com Cristo/ Escola Bíblica 2014 - A pessoa do espírito santoComunidade Com Cristo/ Escola Bíblica 2014 - A pessoa do espírito santo
Comunidade Com Cristo/ Escola Bíblica 2014 - A pessoa do espírito santo
 
Comunidade Com Cristo - Escola Bíblica 2014 A divisão dos templos
Comunidade Com Cristo - Escola Bíblica 2014 A divisão dos templos Comunidade Com Cristo - Escola Bíblica 2014 A divisão dos templos
Comunidade Com Cristo - Escola Bíblica 2014 A divisão dos templos
 
Qual é a diferença entre corpo, alma e espírito
Qual é a diferença entre corpo, alma e espíritoQual é a diferença entre corpo, alma e espírito
Qual é a diferença entre corpo, alma e espírito
 
Engajamento Sustentável
Engajamento SustentávelEngajamento Sustentável
Engajamento Sustentável
 
A vida de jesus - Aula 5
A vida de jesus - Aula 5A vida de jesus - Aula 5
A vida de jesus - Aula 5
 
A vida de jesus 2014 26 - 04 / Aula 4
A vida de jesus 2014   26 - 04 / Aula 4A vida de jesus 2014   26 - 04 / Aula 4
A vida de jesus 2014 26 - 04 / Aula 4
 
A vida de jesus 2014 29-03 - Aula 3
A vida de jesus 2014   29-03 - Aula 3A vida de jesus 2014   29-03 - Aula 3
A vida de jesus 2014 29-03 - Aula 3
 
A vida de jesus 2014 - Aula 2
A vida de jesus 2014 - Aula 2A vida de jesus 2014 - Aula 2
A vida de jesus 2014 - Aula 2
 
A Vida de Jesus - Comunidade Com Cristo 2014
A Vida de Jesus - Comunidade Com Cristo 2014A Vida de Jesus - Comunidade Com Cristo 2014
A Vida de Jesus - Comunidade Com Cristo 2014
 
Qual é a nossa função no corpo da igreja?
Qual é a nossa função no corpo da igreja?Qual é a nossa função no corpo da igreja?
Qual é a nossa função no corpo da igreja?
 
Eutanásia é de Deus? Escola Bíblica Cristo Para as Nações 2013/ Jovens
Eutanásia é de Deus? Escola Bíblica Cristo Para as Nações 2013/ JovensEutanásia é de Deus? Escola Bíblica Cristo Para as Nações 2013/ Jovens
Eutanásia é de Deus? Escola Bíblica Cristo Para as Nações 2013/ Jovens
 

Último

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 

Aspectos basicos da ergonomia

  • 7. 19. No suor do teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado; porquanto és pó e em pó te tornarás. Gênesis 3: 19
  • 9. Item 1 Item 2 Item 3 • Concentração Populacional – Aumento da natalidade. • Desenvolvimento Industrial – Crescimentos Industrial. • Êxodo Rural – Abandono das áreas rurais rumo para os centros urbanos. O Século XIX é Marcado Pelo...
  • 10. Péssima Iluminação Ambientes Abafados e Sujos Salários Ruins/ Sem 13º/ Férias Não Existia Auxílio Doença Não Tinha Descanso Semanal Remunerado Condições de Trabalho
  • 11.
  • 12. Pensamento de Taylor “O trabalhador que não se adaptasse à linha de produção de Taylor era considerado lerdo, vagabundo, e negligente”. DEJOURS (1988)
  • 13. Henry Ford 1. Eliminação de Movimento Inútil VISÕES DE DESTAQUEAS 2. Baixo Custo Na Mão de Obra 3. Automóveis Baratos
  • 14. GESTÃO TOYOTA  Produzir o necessário, reduzindo o máximo os estoques – Justin Time;  Especialistas Multifuncionais; Relacionamento corporativo entre os Gerentes e Operadores.
  • 15. RESUMO DA HISTÓRIA 1945-1960: Homem Frente à Máquina 1960-1980: Inicio da Automatização 1980- 2012: Revolução da Ergonomia
  • 16. ORIGEM DA PALAVRA GRÉCIA ANTIGA ERGON= Trabalho arte de criação, satisfação e motivação. PONOS= Trabalho escravo de sofrimento sem nenhuma criatividade. Objetivo da Ergonomia é transformar o trabalho PONOS em trabalho ERGON.
  • 17. ORIGEM DA PALAVRA GRÉCIA ERGON= TRABALHO NOMOS= REGRAS A Etimologia do termo Ergonomia significa “estudo das leis do trabalho”.
  • 18. Definições Globais - Ergonomia MURREL, 1949: É o conjunto de conhecimento científico relativo ao homem e necessário para que engenheiros concebam ferramentas, máquinas e conjuntos de trabalho que favoreçam conforto, segurança e eficiência. SINGLETON, 1972: É a tecnologia do projeto de trabalho. LAVILLE, 1977: É o conjunto de conhecimentos relativos ao comportamento do homem em atividade, a fim de aplicá-los á concepção das tarefas, instrumentos, máquinas e dos sistemas de produção.
  • 19. Definições Globais - Ergonomia IEA (International Ergonomics Association): É o estudo da relação entre o homem e seu método de trabalho. O objetivo é elaborar, mediante a contribuição de diversas disciplinas científicas dentro de uma perspectiva de aplicação, deve resultar em uma melhor adaptação ao homem dos meios tecnológicos e ambientes de trabalho. ABERGO (Associação Brasileira de Ergonomia): A ergonomia é o estudo da adaptação do trabalho as características fisiológicas e psicológicas do ser humano.
  • 20. Definições Globais - Ergonomia OIT (Organização Internacional do Trabalho): É a aplicação das ciências biológicas humanas e o ajustamento mútuo ideal entre o homem e seu trabalho, cujos resultados se medem em termos de eficiência humana e bem estar no trabalho. É o conjunto de ciências e tecnologias que procura o ajuste confortável e produtivo entre o ser humano e seu trabalho.
  • 21.
  • 22. “ Não Sois Máquinas; Homens é Que Sois” Charlie Chaplin
  • 23. A IMPORTÂNCIA DA NR – 17 PARA O TRABALHADOR
  • 24. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente. NR- 17 : Ergonomia
  • 25. 1 Onde Podem Ocorrer Problemas Ergonômicos? Sub headline
  • 26. Quais São os Riscos Ergonômicos Abordados Pela NR -17 17.2 Levantamento, Transporte e descarga de Materiais 17.3 Mobília; 17.5 Condições Ambientais; 17.6 Organização do Trabalho;  17.4 Equipamentos dos postos de trabalho;
  • 27. 17.2.1.1. Transporte manual de cargas designa todo transporte no qual o peso da carga é suportado inteiramente por um só trabalhador, compreendendo o levantamento e a deposição da carga. Levantamento Transporte e Descarga de Materiais
  • 28. Qual é o Peso que está sendo Levantad o? O peso pode comprometer a saúde do colaborador? Qual é o limite de peso recomendado?
  • 29. Algumas Observações devem ser feitas Local de retirada Local de depósito Distância do corpo Frequência de Levantamento Qualidade da Pega
  • 30.
  • 31. 1 Como Previnir – 1º Postura Sub headline Antes de levantar o peso pense sobre a carga. Devo pedir ajuda? Serei capaz de colocar a carga no lugar com segurança?
  • 32. 1 Como Previnir – 2º Postura Sub headline Separe seus pés a uma largura equivalente a do seus ombros, com um pé levemente a frente do outro...
  • 33. 1 Como Previnir – 3º Postura Sub headline ...Mantenha seus joelhos levemente flexionados e contraia os músculos do seu abdomem ao começar a levantar a carga...
  • 34. 1 Como Previnir – 4º Postura Sub headline ...Mantenha suas costas eretas e o queixo levemente para cima. Mantenha a carga próxima ao corpo...
  • 35. Como Previnir – 5º Postura Sub headline Deixe as pernas e braços executarem o trabalho. Sempre caminhe em direção ao local em que você está movendo a carga. Nunca gire o seu corpo sem ao mesmo tempo girar os pés.
  • 37. Qual é a altura da sua bancada? Sua cadeira oferece conforto?
  • 38. 1 - A cadeira de trabalho deve ser estofada, e de preferência, com tecido que permita a transpiração. 2 – A Altura da cadeira deve ser regulável; 3 – A dimensão ântero-posterior do assento não pode ser nem muito comprida e nem muito curta
  • 39. 38 cm 40 cm 48 cm 44 cm
  • 40. 4 – A borda anterior do assento deve arredondada. 5 . É desejável que o assento tenha inclina de 10 a 15° para frente. Assentos inclinados para traz são inadequados em cadeiras de trabalho. 6 – Toda Cadeira de trabalho deve ter apoio para o dorso.
  • 41. 7 – O ângulo entre o assento e o apoio dorsal deve ser regulável, assento e encosto sempre alinhados. 8 – O Apoio para o dorso deve ter uma curvatura que acompanhe a coluna. 9 – O apoio para o dorso deve ter regulagem de altura, para que aconteça a adaptação pessoal
  • 42. 10 – Deve haver espaço nas cadeiras para acomodar as nádegas. 11 – Para trabalhos semicircular ou perpendicular, a cadeira deve ser giratória e possuir rodízios. 12 – Apoio para os braços em cadeiras de trabalho.
  • 43. 14 – Deve haver espaço suficiente para as pernas debaixo da mesa ou do posto de trabalho. (mesas com regulagem de altura)
  • 44. Suporte Para o CPU Apoio para os Punhos Mesas com Entradas Arredondadas 15 – Mesa de trabalho deve atender a alguns requisitos básicos de ergonomia
  • 45. AET - Análise Ergonômica do Trabalho Instituto Finlandês de Saúde Ocupacional/ OIT – Organização Internacional do Trabalho
  • 46. Ajustes antes de sentar 1 2 3 4 5 6 7 8
  • 49.
  • 55. Os painéis estão adaptados a sua estatura?
  • 57. Conforto térmico Umidade relativa do Ar Velocidade relativa do ar Iluminação
  • 59. Normas de produção; Modo operatório; A exigência de tempo; A determinação do conteúdo de tempo; O ritmo de trabalho; O conteúdo das tarefas.
  • 60. Organização do Trabalho Hora Extra Revezamento
  • 63. Quatro Contribuições da Ergonomia Ergonomia de Concepção: Normas e Projetos. Ergonomia de Correção: Mudanças Situacionais Existentes. Ergonomia Arranjo Físico: Fluxo de Produção Ergonomia Conscientização: Capacitação em Ergonomia.
  • 64. Ergonomia Saúde Segurança Eficiência Satisfação NR – 17 Para a Empresa e Colaboradores Produção Fator Humano Motivado Fator Máquina
  • 66. Quatro Níveis Básicos de Exigência Ergonômica Exigência Tecnológica: Técnicas de Produção Exigência Econômica: Qualidade e Custo Exigência Social: Condição de Trabalho Exigência Organizacional: Gestão Participativa
  • 67. TIPOS DE RISCOS ERGONOMICOS 1. Trabalho Pesado 2. Postura Incorreta 3. Trabalhos em Turnos 4. Repetividade 5. Ritmos Excessivo 6. Pressão Explicita por Produção 7. Jornada de Trabalho Prolongada 8. Trabalho Sem Pausa Espontânea 9. Posto de Trabalho Mal Projetado 10. Ambiente de Trabalho Desconfortável (muito seco, frio, quente, pouco iluminado, barulhento, apertado)
  • 68. Resumo Prático da Ergonomia
  • 69. Levantar da cama Calçar sapatos Vestir calças
  • 70.
  • 71. Projeto de Melhorias  Segurança Qualidade do Produto  Condição do Trabalho Aumento da Produção
  • 74. O Que? Por Que? Como? Onde? Quem? Quando? Quanto Custa? Usando a Ferramenta