SlideShare uma empresa Scribd logo
CURSO DE
SEGURANÇA, HIGIENE e
SAÚDE
NO TRABALHO
Ergonomia
ERGONOMIA
“ a ergonomia é uma forma de pensar e planear o
trabalho, adequando-a às capacidades e necessidades das
pessoas que o realizam”
TRABALHO HOMEM
Adaptar
A ergonomia visa:
- Optimização das condições de trabalho;
- Prevenção de acidentes laborais;
- Sugerir a criação de locais adequados e de apoios ao
trabalho;
- Criação de métodos laborais;
- Sistemas de retribuição de acordo com o rendimento;
- Determinação de tempos de trabalho.
ERGONOMIA
SAÚDESEGURANÇA CONFORTO
QUALIDADE / QUANTIDADE
O trabalho em ergonomia deve ser entendido
como expressão da actividade humana, algo que põe
em causa as capacidades físicas, afectivas e cognitivas
que implicam custo humano….
Muitos dos problemas de saúde resultam da deficiente relação
Homem - Trabalho
“A Postura é a organização dos segmentos corporais no espaço”
Paillard
Do ponto de vista fisiológico
Postura: imobilização de
parte do esqueleto em
determinadas
posições, solidárias umas
com as outras, sobre o
efeito de uma actividade
muscular.
ESTÁTICA DINÂMICA
Exige contracções
contínuas de alguns
músculos.
Permite contracções e
relaxamentos alternados
dos músculos.
TRABALHO ESTÁTICO
Tipo de trabalho Riscos
• De pé no lugar
• Postura sentada, mas sem apoio para as
costas
• Assento demasiado alto
• Assento demasiado baixo
• Postura com o tronco inclinado, sentado
ou de pé
• Braço estendido,para a frente, lados ou
para cima
• Cabeça curvada demasiado para a frente
ou para trás
• Postura de mão forçada em comandos ou
ferramentas
• Pés e pernas, eventualmente varizes
• Musculatura distensora das costas
• Joelhos, pernas e pés
• Ombros e nuca
• Região lombar, desgaste dos discos
intervertebrais
• Ombros e braço, eventualmente periatrite
dos ombros
• Nuca e desgaste dos discos
intervertebrais
• Antebraço, eventualmente inflamações
das bainhas e tendões
TRABALHO DINÂMICO
(ex.. Vendedoras)
Problemas %
.Nas pernas e nos pés
.Costas
.Dores de cabeça
.Órgãos digestivos e fígado
.Reumatismo, artrites,
nevralgias
.Nervosismo
.Coração
.Rins e bexiga
.Diversas outras indicações
20
19
19
9
7
6
5
5
10
A actividade postural:
• suporta a acção, assegurando a adaptação
dos gestos às tarefas, assim como a sua
coordenação em função do resultado
pretendido;
• suporta as actividades perceptivas (ex. visual, posicionando o olho e
a cabeça em relação à fonte de informação visual).
O estudo e a análise das Posturas é importante
em ergonomia porque:
 exprimem as relações do Homem com a situação de trabalho;
 estão relacionadas com o tratamento das informações;
 podem constituir um indicador observável da actividade mental;
 constituem factor de carga física no trabalho;
 podem ter efeitos prejudiciais para o trabalhador;
A variedade de posturas é desencadeada
por exigências:
 Visuais – precisão dos pormenores a perceber que determinará a distância
olho-tarefa, espaço a controlar que determinará os movimentos da
cabeça, etc.;
 Precisão gestual – um movimento preciso desencadeia geralmente a
imobilização dos segmentos corporais que não participam no movimento;
 Força – o nível e a direcção das forças a exercer determinam a organização
dos segmentos corporais para opor uma força resultante e manter o equilíbrio
postural;
 Espaciais – orientação, dimensão dos planos de trabalho, disposição dos
equipamentos e materiais, etc.;
 Temporais - trabalho nocturno, trabalho por turnos, horários, ritmos de
trabalho.
ANÁLISE E AVALIAÇÃO DAS POSTURAS
Através da descrição:
 das sequências gestuais localizadas no tempo e no espaço
(duração e mudanças das posturas, etc.);
 das modalidades sensoriais colocadas em jogo para a execução do
trabalho ( a cabeça para ver, ouvir…, as mãos para tocar, etc.);
 das forças a exercer no decorrer do trabalho ( orientação do
esforço – empurrar, puxar, levantar; natureza do esforço –
estático ou dinâmico).
No entanto…
Não há um critério único para caracterizar uma má postura e avaliar
o seu custo para o trabalhador;
CRITÉRIOS
Objectivos: gasto
energético, frequência cardíaca e
electromiografia
Subjectivos: evidenciam a relação entre
posturas e incómodos, dores e patologias
TIPOS BÁSICOS DE POSTURAS
1. Deitado
2. Sentado
3. De pé
1. Deitado
 Não há concentração de tensão;
 O sangue flui livremente;
 Gasto energético mínimo;
Recomendações:
• deitar de lado com as pernas semi-flexionadas;
• almofada fina par compensar a diferença cabeça-ombro;
• colchão de preferência ortopédico.
2. Sentado
Trabalhar sentado permite maior controle dos
movimentos, porque o esforço para manter o
equilíbrio postural é reduzido.
Vantagens Desvantagens
- Baixa solicitação da musculatura
dos membros inferiores, reduzindo
assim a sensação de desconforto e
cansaço;
- Possibilidade de evitar posições
forçadas do corpo; menor consumo
de energia;
- Facilidade da circulação
sanguínea pelos membros
inferiores
-Pequena actividade física geral
(sedentarismo);
-Adopção de posturas
desfavoráveis;
- Retenção sanguínea nos
membros inferiores, situação
agravada quando há compressão
da face posterior das coxas contra a
cadeira, se esta estiver mal
posicionada.
Recomendações:
 o tronco, a cabeça e os membros devem estar numa posição natural
e relaxada, evitando a cifose da coluna lombar;
 as frequentes alterações de posição, são importantes na prevenção
da fadiga;
 a superfície de apoio deve ser ampla para que seja mínima a
pressão por unidade de superfície;
 a altura do assento de ser ligeiramente inferior ao comprimento da
perna, estando o pé completamente apoiado no solo e o joelho flectido
num ângulo recto; a pressão do assento deve ser tal, que o seu bordo
não exerça pressão contra a parte posterior do joelho;
 as cadeiras devem ter um encosto que
proporcione um apoio à região lombar, permitindo
um relaxamento da musculatura lombar;
 os cotovelos do indivíduo que trabalha
sentado, devem ter, com a sua mesa de trabalho, a
mesma relação que haveria se estivesse de pé. A
altura do plano de trabalho, varia de acordo com a
pressão que precisa de ser exercida;
 deve haver variações nas tarefas
desenvolvidas, pois ficar sentado durante o dia
todo, é prejudicial ao organismo.
Postura correcta Postura incorrecta
Uma boa postura é fundamental para diminuir a fadiga muscular e visual.
A CADEIRA DE TRABALHO
Uma boa cadeira é aquela que permite mudanças fáceis na
forma de executar o trabalho e na mobilidade das pernas.
A altura do assento deve ser ajustável.
A altura mais confortável do assento é a que possibilita que toda a
extensão da planta dos pés descanse no chão
Como alternativa, pode ser utilizado um apoio para os
pés, com largura suficiente para permitir que os pés possam
ficar em várias posições.
3. DE PÉ
Desvantagens:
 tendência à acumulação do sangue nas pernas o
que predispõe ao aparecimento de insuficiência
valvular venosa dos membros inferiores, resultando
em varizes e sensação de peso nas pernas;
Sensações dolorosas nas superfícies de contacto
articulares que suportam o peso do corpo
(pés, joelhos, quadris);
 A tensão muscular permanentemente
desenvolvida para manter o equilíbrio dificulta a
execução de tarefas de precisão;
 A penosidade de posição pode ser reforçada
se o trabalhador tiver ainda que manter
posturas inadequadas dos braços, inclinação ou
torção do tronco, etc.;
 A tensão muscular desenvolvida em
permanência para manutenção do equilíbrio traz
mais dificuldades para a execução de trabalhos
de precisão.
Recomendações:
• Devem ser evitadas todas as inclinações do corpo, pois a manutenção destas
posturas, implica grandes esforços ao nível dos músculos das pernas da coluna e
dos ombros;
•Altura da superfície do trabalho, deve ser ajustada à altura do trabalhador de
modo a estar ao nível dos cotovelos, quando se está direito, de pé e com os
ombros descontraídos;
•Deve-se poder estar parado e direito, em frente e perto da superfície sobre a qual
se trabalha e com o peso do próprio corpo, igualmente distribuído sobre os pés;
•Deve haver espaço suficiente para as pernas ou pés;
• A natureza especial de um trabalho, pode obrigar a
mudar a altura do plano de trabalho
• Os controlos e outros objectos necessários à
realização do trabalho, devem encontrar-se a uma
altura inferior à dos ombros
• Se possível o trabalhador deve ter a possibilidade
de alternar entre a postura de pé e sentado;
• Se o trabalho se faz parcialmente sentado, deve-se
poder dispor de uma cadeira móvel ou equivalente;
• A superfície sobre a qual o trabalhador permanece
- se de pé, deve ser adequada ás condições de
trabalho;
• Sapatos adequados diminui os esforços ao nível
das pernas e coluna lombar.
Factores que
influenciam
as posturas
Internos
Externos
-Idade
-Altura
-Peso
-Estado de saúde
-Condicionamento físico
-Tipo de tarefa
-Condições ambientais
-Condições materiais
-Condições instrumentais
SABIA QUE…
 NA União Europeia, 30% das pessoas se queixam da dores nas
costas, 17% de dores musculares e 45% de dores causadas por
posturas fatigantes?
 Na União Europeia, os custos económicos associados ás doenças
profissionais variam entre 2,6 a 3,8% do PIB? E que 40 a 50% deste
valor é imputado ás lesões músculo-esqueléticas, uma das 10 doenças
profissionais mais frequentes?
 Se perdem anualmente na União Europeia 600 milhões de dias de
trabalho por causa das doenças profissionais?
HÁ QUE APOSTAR NA PREVENÇÃO…!
Más posturas nos jardins-escola podem favorecer a dislexia...
Estudos recentes indicam que as crianças herdam dos pais a pré-disposição
para a agressão (postural), ou seja, a pessoa geneticamente “é mais sensível às
agressões”. Se um filho de um desléxico tiver boas condições posturais nunca será
um disléxico, “o que quer dizer (...) que hoje em dia sabemos que podemos
prevenir a dislexia e como o podemos fazer”.
(...) muitas das crianças disléxicas não o seriam se tivessem “tratado delas no
jardim-escola”. Um local onde se tem de mudar toda a forma de postura...
(in, jornal Campeão das Províncias, 25/11/2004)
Exemplos de mobiliário ergonómico
 A melhor postura é aquela é aquela que necessita de um menor gasto
energético para a sua manutenção;
 Qualquer postura desde que mantida de forma prolongada é mal tolerada;
 A alternância de posturas deve ser sempre privilegiada, pois permite que os
músculos recebam os nutrientes e não funcionem sobre esforço;
 A postura de trabalho adoptada é função da actividade desenvolvida, das
exigências da tarefa (visuais, utilização de força, precisão de
movimentos, etc.), dos espaços de trabalho, da ligação do trabalhador com
máquinas e equipamentos de trabalho;
 Um posto de trabalho, mesmo quando bem planeado do ponto de vista
antropométrico, pode revelar-se desconfortável se os factores
organizacionais, ambientais e sociais não forem levados em consideração.
Em suma…
QUESTIONÁRIO
• Posição de pé:
1. O trabalho permite a variação de posições, evitando que uma pessoa fique
sempre sentada?
2. A altura da mesa ou a posição das mãos está ao nível dos cotovelos?
3. Os assentos são estufados com uma altura ajustável para cada indivíduo?
4. A altura do assento não dá origem a grande pressão sobre a parte inferior
das coxas, e permite que os pés assentem no chão?
5. São utilizados apoios para os pés?
6. O espaço para os pés é suficiente para permitir a mudança da posição das
pernas com facilidade?
7. Os materiais e ferramentas encontram-se a uma distância de fácil acesso?
8. São evitados os movimentos repetitivos contínuos?
• Posição de pé:
1. São evitadas as tarefas em que o trabalhador curva o corpo?
2. O trabalho é organizado de forma a alternar a posição sentada e de pé?
3. A altura a que as tarefas são realizadas permite que as costas fiquem direitas e os
ombros relaxados?
4. A altura a que são realizadas as tarefas que requerem precisão é mais elevada, e é
mais baixa nas tarefas que requerem um maior esforço físico?
5. O trabalho realizado com as mãos numa posição natural e o mais próximo
possível ao corpo?
6. Os instrumentos necessários para o trabalho estão a uma distância de fácil
alcance?
7. O espaço disponível para as pernas e para os pés é suficiente e adequado?
8. Os interruptores e os comandos estão a uma altura inferior à dos ombros?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ergonomia e Fisiologia do Trabalho
Ergonomia e Fisiologia do TrabalhoErgonomia e Fisiologia do Trabalho
Ergonomia e Fisiologia do Trabalho
Instituto Consciência GO
 
Eng.introdução
Eng.introduçãoEng.introdução
Eng.introdução
Eliane Blen
 
Aspectos basicos da ergonomia
Aspectos basicos da ergonomiaAspectos basicos da ergonomia
Aspectos basicos da ergonomia
Leandro Sales
 
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
EMS Indústria Farmacêutica
 
NR 17 - Ergonomia
NR 17 - ErgonomiaNR 17 - Ergonomia
NR 17 - Ergonomia
Amanda Dias
 
Identificando os riscos ergonômicos
Identificando os riscos ergonômicosIdentificando os riscos ergonômicos
Identificando os riscos ergonômicos
Leandro Sales
 
Riscos Ergonômicos
Riscos Ergonômicos Riscos Ergonômicos
Riscos Ergonômicos
Niela Tuani
 
Ergonomia para escritorios
Ergonomia para escritoriosErgonomia para escritorios
Ergonomia para escritorios
mjmcreatore
 
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
Sara Fernandes
 
Ergonomia e Segurança no Trabalho
Ergonomia e Segurança no Trabalho Ergonomia e Segurança no Trabalho
Ergonomia e Segurança no Trabalho
Ricardo Beis
 
Introdução à Segurança do Trabalho
Introdução à Segurança do TrabalhoIntrodução à Segurança do Trabalho
Introdução à Segurança do Trabalho
alessandra_775
 
NR 17
NR 17NR 17
Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalhoHigiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho
Rita Galrito
 
Aula EPI - Apresentação
Aula EPI - ApresentaçãoAula EPI - Apresentação
Aula EPI - Apresentação
Rapha_Carvalho
 
Trabalho de ergonomia apresentação 2
Trabalho de ergonomia   apresentação 2Trabalho de ergonomia   apresentação 2
Trabalho de ergonomia apresentação 2
Célia Brandão
 
TREINAMENTO DE ERGONOMIA
TREINAMENTO DE ERGONOMIATREINAMENTO DE ERGONOMIA
TREINAMENTO DE ERGONOMIA
Ane Costa
 
Nr – 17
Nr – 17Nr – 17
Apresentaçao das nr.s
Apresentaçao das nr.sApresentaçao das nr.s
Apresentaçao das nr.s
Junior Almeida
 
Aula ergonomia
Aula ergonomiaAula ergonomia
Aula ergonomia
Gustavo Bomba
 

Mais procurados (20)

Ergonomia e Fisiologia do Trabalho
Ergonomia e Fisiologia do TrabalhoErgonomia e Fisiologia do Trabalho
Ergonomia e Fisiologia do Trabalho
 
Eng.introdução
Eng.introduçãoEng.introdução
Eng.introdução
 
Aspectos basicos da ergonomia
Aspectos basicos da ergonomiaAspectos basicos da ergonomia
Aspectos basicos da ergonomia
 
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
 
NR 17 - Ergonomia
NR 17 - ErgonomiaNR 17 - Ergonomia
NR 17 - Ergonomia
 
Identificando os riscos ergonômicos
Identificando os riscos ergonômicosIdentificando os riscos ergonômicos
Identificando os riscos ergonômicos
 
Riscos Ergonômicos
Riscos Ergonômicos Riscos Ergonômicos
Riscos Ergonômicos
 
Ergonomia para escritorios
Ergonomia para escritoriosErgonomia para escritorios
Ergonomia para escritorios
 
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
 
Ergonomia e Segurança no Trabalho
Ergonomia e Segurança no Trabalho Ergonomia e Segurança no Trabalho
Ergonomia e Segurança no Trabalho
 
Introdução à Segurança do Trabalho
Introdução à Segurança do TrabalhoIntrodução à Segurança do Trabalho
Introdução à Segurança do Trabalho
 
NR 17
NR 17NR 17
NR 17
 
Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalhoHigiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho
 
Aula EPI - Apresentação
Aula EPI - ApresentaçãoAula EPI - Apresentação
Aula EPI - Apresentação
 
Trabalho de ergonomia apresentação 2
Trabalho de ergonomia   apresentação 2Trabalho de ergonomia   apresentação 2
Trabalho de ergonomia apresentação 2
 
TREINAMENTO DE ERGONOMIA
TREINAMENTO DE ERGONOMIATREINAMENTO DE ERGONOMIA
TREINAMENTO DE ERGONOMIA
 
Nr – 17
Nr – 17Nr – 17
Nr – 17
 
Apresentaçao das nr.s
Apresentaçao das nr.sApresentaçao das nr.s
Apresentaçao das nr.s
 
Aula ergonomia
Aula ergonomiaAula ergonomia
Aula ergonomia
 

Semelhante a Ergonomia

Ergonomia.pptx
Ergonomia.pptxErgonomia.pptx
Ergonomia.pptx
RaquelAlcntara6
 
28483727 trabalho-sentado
28483727 trabalho-sentado28483727 trabalho-sentado
28483727 trabalho-sentado
Jose Manuel Moura
 
Trabalho HST - Riscos Ergonomicos
Trabalho HST - Riscos ErgonomicosTrabalho HST - Riscos Ergonomicos
Trabalho HST - Riscos Ergonomicos
Dario Aristides
 
Cartilha curso - orientacao postural - posicao sentada - modulo ii - word
Cartilha   curso - orientacao postural - posicao sentada - modulo ii - wordCartilha   curso - orientacao postural - posicao sentada - modulo ii - word
Cartilha curso - orientacao postural - posicao sentada - modulo ii - word
Fernanda Anderle
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
AutoMaGLA
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
AutoMaGLA
 
Ergonomia.ppt
Ergonomia.pptErgonomia.ppt
Ergonomia.ppt
Vitria28180
 
Edição 4
Edição 4Edição 4
Edição 4
gimenezeassociados
 
Sht ergonomia
Sht  ergonomiaSht  ergonomia
Sht ergonomia
FtimaPereira42
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ginástica laboral artigo
Ginástica laboral artigoGinástica laboral artigo
Ginástica laboral artigo
dobscha
 
Modulo4 ergonomia
Modulo4 ergonomiaModulo4 ergonomia
Modulo4 ergonomia
Lucy Jesus
 
Análise ergonômica
Análise ergonômicaAnálise ergonômica
Análise ergonômica
Nay Ribeiro
 
Tarefa #3
Tarefa #3Tarefa #3
Tarefa #3
Gabriela Bruno
 
Aula 4.1 biomecânica ocupacional
Aula 4.1   biomecânica ocupacionalAula 4.1   biomecânica ocupacional
Aula 4.1 biomecânica ocupacional
Daniel Moura
 
Aula 4.1 biomecânica ocupacional
Aula 4.1   biomecânica ocupacionalAula 4.1   biomecânica ocupacional
Aula 4.1 biomecânica ocupacional
Daniel Moura
 
Orientação postural no trabalho
Orientação postural no trabalhoOrientação postural no trabalho
Orientação postural no trabalho
Rostiene Justino Magalhães
 
Alongamento postural
Alongamento posturalAlongamento postural
Alongamento postural
Tatiana Cajado
 
Postura corporal
Postura corporal Postura corporal
Postura corporal
Aon Brasil
 
Guia de Orientações Básicas de Terapia Ocupacional para Gestantes
Guia de Orientações Básicas de Terapia Ocupacional para GestantesGuia de Orientações Básicas de Terapia Ocupacional para Gestantes
Guia de Orientações Básicas de Terapia Ocupacional para Gestantes
Isabel Teixeira
 

Semelhante a Ergonomia (20)

Ergonomia.pptx
Ergonomia.pptxErgonomia.pptx
Ergonomia.pptx
 
28483727 trabalho-sentado
28483727 trabalho-sentado28483727 trabalho-sentado
28483727 trabalho-sentado
 
Trabalho HST - Riscos Ergonomicos
Trabalho HST - Riscos ErgonomicosTrabalho HST - Riscos Ergonomicos
Trabalho HST - Riscos Ergonomicos
 
Cartilha curso - orientacao postural - posicao sentada - modulo ii - word
Cartilha   curso - orientacao postural - posicao sentada - modulo ii - wordCartilha   curso - orientacao postural - posicao sentada - modulo ii - word
Cartilha curso - orientacao postural - posicao sentada - modulo ii - word
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
 
Ergonomia.ppt
Ergonomia.pptErgonomia.ppt
Ergonomia.ppt
 
Edição 4
Edição 4Edição 4
Edição 4
 
Sht ergonomia
Sht  ergonomiaSht  ergonomia
Sht ergonomia
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
 
Ginástica laboral artigo
Ginástica laboral artigoGinástica laboral artigo
Ginástica laboral artigo
 
Modulo4 ergonomia
Modulo4 ergonomiaModulo4 ergonomia
Modulo4 ergonomia
 
Análise ergonômica
Análise ergonômicaAnálise ergonômica
Análise ergonômica
 
Tarefa #3
Tarefa #3Tarefa #3
Tarefa #3
 
Aula 4.1 biomecânica ocupacional
Aula 4.1   biomecânica ocupacionalAula 4.1   biomecânica ocupacional
Aula 4.1 biomecânica ocupacional
 
Aula 4.1 biomecânica ocupacional
Aula 4.1   biomecânica ocupacionalAula 4.1   biomecânica ocupacional
Aula 4.1 biomecânica ocupacional
 
Orientação postural no trabalho
Orientação postural no trabalhoOrientação postural no trabalho
Orientação postural no trabalho
 
Alongamento postural
Alongamento posturalAlongamento postural
Alongamento postural
 
Postura corporal
Postura corporal Postura corporal
Postura corporal
 
Guia de Orientações Básicas de Terapia Ocupacional para Gestantes
Guia de Orientações Básicas de Terapia Ocupacional para GestantesGuia de Orientações Básicas de Terapia Ocupacional para Gestantes
Guia de Orientações Básicas de Terapia Ocupacional para Gestantes
 

Ergonomia

  • 1. CURSO DE SEGURANÇA, HIGIENE e SAÚDE NO TRABALHO Ergonomia
  • 2.
  • 3. ERGONOMIA “ a ergonomia é uma forma de pensar e planear o trabalho, adequando-a às capacidades e necessidades das pessoas que o realizam” TRABALHO HOMEM Adaptar
  • 4. A ergonomia visa: - Optimização das condições de trabalho; - Prevenção de acidentes laborais; - Sugerir a criação de locais adequados e de apoios ao trabalho; - Criação de métodos laborais; - Sistemas de retribuição de acordo com o rendimento; - Determinação de tempos de trabalho.
  • 6. O trabalho em ergonomia deve ser entendido como expressão da actividade humana, algo que põe em causa as capacidades físicas, afectivas e cognitivas que implicam custo humano….
  • 7. Muitos dos problemas de saúde resultam da deficiente relação Homem - Trabalho
  • 8. “A Postura é a organização dos segmentos corporais no espaço” Paillard Do ponto de vista fisiológico Postura: imobilização de parte do esqueleto em determinadas posições, solidárias umas com as outras, sobre o efeito de uma actividade muscular.
  • 9. ESTÁTICA DINÂMICA Exige contracções contínuas de alguns músculos. Permite contracções e relaxamentos alternados dos músculos.
  • 10. TRABALHO ESTÁTICO Tipo de trabalho Riscos • De pé no lugar • Postura sentada, mas sem apoio para as costas • Assento demasiado alto • Assento demasiado baixo • Postura com o tronco inclinado, sentado ou de pé • Braço estendido,para a frente, lados ou para cima • Cabeça curvada demasiado para a frente ou para trás • Postura de mão forçada em comandos ou ferramentas • Pés e pernas, eventualmente varizes • Musculatura distensora das costas • Joelhos, pernas e pés • Ombros e nuca • Região lombar, desgaste dos discos intervertebrais • Ombros e braço, eventualmente periatrite dos ombros • Nuca e desgaste dos discos intervertebrais • Antebraço, eventualmente inflamações das bainhas e tendões
  • 11. TRABALHO DINÂMICO (ex.. Vendedoras) Problemas % .Nas pernas e nos pés .Costas .Dores de cabeça .Órgãos digestivos e fígado .Reumatismo, artrites, nevralgias .Nervosismo .Coração .Rins e bexiga .Diversas outras indicações 20 19 19 9 7 6 5 5 10
  • 12. A actividade postural: • suporta a acção, assegurando a adaptação dos gestos às tarefas, assim como a sua coordenação em função do resultado pretendido; • suporta as actividades perceptivas (ex. visual, posicionando o olho e a cabeça em relação à fonte de informação visual).
  • 13. O estudo e a análise das Posturas é importante em ergonomia porque:  exprimem as relações do Homem com a situação de trabalho;  estão relacionadas com o tratamento das informações;  podem constituir um indicador observável da actividade mental;  constituem factor de carga física no trabalho;  podem ter efeitos prejudiciais para o trabalhador;
  • 14.
  • 15. A variedade de posturas é desencadeada por exigências:  Visuais – precisão dos pormenores a perceber que determinará a distância olho-tarefa, espaço a controlar que determinará os movimentos da cabeça, etc.;  Precisão gestual – um movimento preciso desencadeia geralmente a imobilização dos segmentos corporais que não participam no movimento;  Força – o nível e a direcção das forças a exercer determinam a organização dos segmentos corporais para opor uma força resultante e manter o equilíbrio postural;  Espaciais – orientação, dimensão dos planos de trabalho, disposição dos equipamentos e materiais, etc.;  Temporais - trabalho nocturno, trabalho por turnos, horários, ritmos de trabalho.
  • 16. ANÁLISE E AVALIAÇÃO DAS POSTURAS Através da descrição:  das sequências gestuais localizadas no tempo e no espaço (duração e mudanças das posturas, etc.);  das modalidades sensoriais colocadas em jogo para a execução do trabalho ( a cabeça para ver, ouvir…, as mãos para tocar, etc.);  das forças a exercer no decorrer do trabalho ( orientação do esforço – empurrar, puxar, levantar; natureza do esforço – estático ou dinâmico).
  • 17. No entanto… Não há um critério único para caracterizar uma má postura e avaliar o seu custo para o trabalhador; CRITÉRIOS Objectivos: gasto energético, frequência cardíaca e electromiografia Subjectivos: evidenciam a relação entre posturas e incómodos, dores e patologias
  • 18. TIPOS BÁSICOS DE POSTURAS 1. Deitado 2. Sentado 3. De pé
  • 19. 1. Deitado  Não há concentração de tensão;  O sangue flui livremente;  Gasto energético mínimo; Recomendações: • deitar de lado com as pernas semi-flexionadas; • almofada fina par compensar a diferença cabeça-ombro; • colchão de preferência ortopédico.
  • 20. 2. Sentado Trabalhar sentado permite maior controle dos movimentos, porque o esforço para manter o equilíbrio postural é reduzido. Vantagens Desvantagens - Baixa solicitação da musculatura dos membros inferiores, reduzindo assim a sensação de desconforto e cansaço; - Possibilidade de evitar posições forçadas do corpo; menor consumo de energia; - Facilidade da circulação sanguínea pelos membros inferiores -Pequena actividade física geral (sedentarismo); -Adopção de posturas desfavoráveis; - Retenção sanguínea nos membros inferiores, situação agravada quando há compressão da face posterior das coxas contra a cadeira, se esta estiver mal posicionada.
  • 21. Recomendações:  o tronco, a cabeça e os membros devem estar numa posição natural e relaxada, evitando a cifose da coluna lombar;  as frequentes alterações de posição, são importantes na prevenção da fadiga;  a superfície de apoio deve ser ampla para que seja mínima a pressão por unidade de superfície;  a altura do assento de ser ligeiramente inferior ao comprimento da perna, estando o pé completamente apoiado no solo e o joelho flectido num ângulo recto; a pressão do assento deve ser tal, que o seu bordo não exerça pressão contra a parte posterior do joelho;
  • 22.  as cadeiras devem ter um encosto que proporcione um apoio à região lombar, permitindo um relaxamento da musculatura lombar;  os cotovelos do indivíduo que trabalha sentado, devem ter, com a sua mesa de trabalho, a mesma relação que haveria se estivesse de pé. A altura do plano de trabalho, varia de acordo com a pressão que precisa de ser exercida;  deve haver variações nas tarefas desenvolvidas, pois ficar sentado durante o dia todo, é prejudicial ao organismo.
  • 23. Postura correcta Postura incorrecta Uma boa postura é fundamental para diminuir a fadiga muscular e visual.
  • 24. A CADEIRA DE TRABALHO Uma boa cadeira é aquela que permite mudanças fáceis na forma de executar o trabalho e na mobilidade das pernas. A altura do assento deve ser ajustável. A altura mais confortável do assento é a que possibilita que toda a extensão da planta dos pés descanse no chão Como alternativa, pode ser utilizado um apoio para os pés, com largura suficiente para permitir que os pés possam ficar em várias posições.
  • 25. 3. DE PÉ Desvantagens:  tendência à acumulação do sangue nas pernas o que predispõe ao aparecimento de insuficiência valvular venosa dos membros inferiores, resultando em varizes e sensação de peso nas pernas; Sensações dolorosas nas superfícies de contacto articulares que suportam o peso do corpo (pés, joelhos, quadris);
  • 26.  A tensão muscular permanentemente desenvolvida para manter o equilíbrio dificulta a execução de tarefas de precisão;  A penosidade de posição pode ser reforçada se o trabalhador tiver ainda que manter posturas inadequadas dos braços, inclinação ou torção do tronco, etc.;  A tensão muscular desenvolvida em permanência para manutenção do equilíbrio traz mais dificuldades para a execução de trabalhos de precisão.
  • 27. Recomendações: • Devem ser evitadas todas as inclinações do corpo, pois a manutenção destas posturas, implica grandes esforços ao nível dos músculos das pernas da coluna e dos ombros; •Altura da superfície do trabalho, deve ser ajustada à altura do trabalhador de modo a estar ao nível dos cotovelos, quando se está direito, de pé e com os ombros descontraídos; •Deve-se poder estar parado e direito, em frente e perto da superfície sobre a qual se trabalha e com o peso do próprio corpo, igualmente distribuído sobre os pés; •Deve haver espaço suficiente para as pernas ou pés;
  • 28. • A natureza especial de um trabalho, pode obrigar a mudar a altura do plano de trabalho • Os controlos e outros objectos necessários à realização do trabalho, devem encontrar-se a uma altura inferior à dos ombros • Se possível o trabalhador deve ter a possibilidade de alternar entre a postura de pé e sentado; • Se o trabalho se faz parcialmente sentado, deve-se poder dispor de uma cadeira móvel ou equivalente; • A superfície sobre a qual o trabalhador permanece - se de pé, deve ser adequada ás condições de trabalho; • Sapatos adequados diminui os esforços ao nível das pernas e coluna lombar.
  • 29. Factores que influenciam as posturas Internos Externos -Idade -Altura -Peso -Estado de saúde -Condicionamento físico -Tipo de tarefa -Condições ambientais -Condições materiais -Condições instrumentais
  • 30. SABIA QUE…  NA União Europeia, 30% das pessoas se queixam da dores nas costas, 17% de dores musculares e 45% de dores causadas por posturas fatigantes?  Na União Europeia, os custos económicos associados ás doenças profissionais variam entre 2,6 a 3,8% do PIB? E que 40 a 50% deste valor é imputado ás lesões músculo-esqueléticas, uma das 10 doenças profissionais mais frequentes?  Se perdem anualmente na União Europeia 600 milhões de dias de trabalho por causa das doenças profissionais? HÁ QUE APOSTAR NA PREVENÇÃO…!
  • 31. Más posturas nos jardins-escola podem favorecer a dislexia... Estudos recentes indicam que as crianças herdam dos pais a pré-disposição para a agressão (postural), ou seja, a pessoa geneticamente “é mais sensível às agressões”. Se um filho de um desléxico tiver boas condições posturais nunca será um disléxico, “o que quer dizer (...) que hoje em dia sabemos que podemos prevenir a dislexia e como o podemos fazer”. (...) muitas das crianças disléxicas não o seriam se tivessem “tratado delas no jardim-escola”. Um local onde se tem de mudar toda a forma de postura... (in, jornal Campeão das Províncias, 25/11/2004)
  • 32. Exemplos de mobiliário ergonómico
  • 33.  A melhor postura é aquela é aquela que necessita de um menor gasto energético para a sua manutenção;  Qualquer postura desde que mantida de forma prolongada é mal tolerada;  A alternância de posturas deve ser sempre privilegiada, pois permite que os músculos recebam os nutrientes e não funcionem sobre esforço;  A postura de trabalho adoptada é função da actividade desenvolvida, das exigências da tarefa (visuais, utilização de força, precisão de movimentos, etc.), dos espaços de trabalho, da ligação do trabalhador com máquinas e equipamentos de trabalho;  Um posto de trabalho, mesmo quando bem planeado do ponto de vista antropométrico, pode revelar-se desconfortável se os factores organizacionais, ambientais e sociais não forem levados em consideração. Em suma…
  • 34. QUESTIONÁRIO • Posição de pé: 1. O trabalho permite a variação de posições, evitando que uma pessoa fique sempre sentada? 2. A altura da mesa ou a posição das mãos está ao nível dos cotovelos? 3. Os assentos são estufados com uma altura ajustável para cada indivíduo? 4. A altura do assento não dá origem a grande pressão sobre a parte inferior das coxas, e permite que os pés assentem no chão? 5. São utilizados apoios para os pés? 6. O espaço para os pés é suficiente para permitir a mudança da posição das pernas com facilidade? 7. Os materiais e ferramentas encontram-se a uma distância de fácil acesso? 8. São evitados os movimentos repetitivos contínuos?
  • 35. • Posição de pé: 1. São evitadas as tarefas em que o trabalhador curva o corpo? 2. O trabalho é organizado de forma a alternar a posição sentada e de pé? 3. A altura a que as tarefas são realizadas permite que as costas fiquem direitas e os ombros relaxados? 4. A altura a que são realizadas as tarefas que requerem precisão é mais elevada, e é mais baixa nas tarefas que requerem um maior esforço físico? 5. O trabalho realizado com as mãos numa posição natural e o mais próximo possível ao corpo? 6. Os instrumentos necessários para o trabalho estão a uma distância de fácil alcance? 7. O espaço disponível para as pernas e para os pés é suficiente e adequado? 8. Os interruptores e os comandos estão a uma altura inferior à dos ombros?