SlideShare uma empresa Scribd logo
Educação, jovens e media-  A Internet, a promoção da literacia e o exercício da cidadania
Universidade Aberta  6º Curso de Mestrado em Gestão da Informação e Bibliotecas Escolares A Educação na Sociedade Actual                                                                           Docentes:  ,[object Object]
 Luís RicardoEquipa A: ,[object Object]
Helena Correia
Isabel Fonte
Natércia Rocha,[object Object]
Ponto por ponto 1 2 3  4 5  6 7 8 9 ,[object Object],A visão dos estudantes de hoje. O papel da Biblioteca Escolar na promoção da literacia da informação. A realidade  (estatística). Análise - Adaptação ou inépcia. Novos rumos - Que estratégias? Geraç@o+  ,[object Object]
Bibliografia,[object Object],[object Object]
3   O papel da Biblioteca Escolar na promoção da literacia da informação
Dado que a influência dos meios de comunicação em todas as suas categorias (digitais, audiovisuais, impressos), individualmente ou de forma cruzada, faz-se sentir tão presente nos vários aspectos da vida humana, a literacia mediática torna-se um assunto prioritário na sociedade actual.  É no campo da literacia digital, em que a internet é usada pelos jovens como fonte de informação e lazer, que os professores e educadores devem investir grande parte da sua acção, dotando-se e dotando-os  de meios para que possam sobreviver com sucesso na labiríntica acessibilidade mediática, o que passa por lhes ensinar técnicas de  pesquisa,  de selecção  e  de  produção  de  informação.  Sendo  o  ambiente  digital um meio  essencialmente  intuitivo  e  (inter)activo  em que  os jovens  não  só  absorvem  a informação, mas  também a  produzem, um bom domínio das tecnologias  da informação   e   a    posse    de    competências    adequadas,      em  observância dos direitos e liberdades   intelectuais,   representam  uma mais-valia significativa em matéria de qualificação profissional.
A escola e nela, em maior observância, a biblioteca são  por   inerência  própria  as entidades   com   acção                                                                     privilegiada   na transmissão  desses  mesmos  saberes, sob a forma de diversas acções  em  que  os jovens   são   			       convidados a aprender, a pesquisar, a seleccionar e a trabalhar a  			        informação, para a poder comunicar e produzir nova  informação, não 			        descurando  as estratégias de protecção de privacidade e da 			        propriedade intelectual.  			        Ao nível governamental, esse papel tem sido reconhecido e foi 			        emanada legislação nesse sentido, onde a adopção das TIC está 			        definida como uma prioridade no plano estratégico 2010 e as 			        competências em informação estão definidas ao nível do perfil 			        desejável do aluno à 	saída do Ensino Básico (como se pode verificar 			        no documento “Currículo Nacional do Ensino Básico - Competências   			        Essenciais"(ME, 2001)).  			         Ao nível local, compete à escola e à biblioteca escolar dotar os jovens das competências informacionais e tecnológicas que lhes permitam ser  cidadãos livres e interventivos. A literacia mediática constitui assim uma qualificação crucial e irrenunciável na sociedade da informação e da comunicação para cuja pertinência, assim como para a importância do livre acesso à internet, a Unesco tem
diversas vezes chamado a atenção ao longo dos últimos anos: “A liberdade de acesso à informação, independentemente de suporte e fronteiras, é uma responsabilidade primordial da biblioteca e dos profissionais da informação. O livre acesso à Internet, oferecido pelas bibliotecas e serviços de informação, contribui para que as comunidades e os indivíduos atinjam a liberdade, a prosperidade e o desenvolvimento” (Manifesto da IFLA sobre a Internet, acedido a 07/01/11 em http://archive.ifla.org/III/misc/im-pt.htm).  O próprio conceito de literacia mediática, informacional, ou digital tem-se globalizado e apropriado à evolução tecnológica, tornando-se mais abrangente. Hoje em dia, não basta saber aceder à informação, são necessárias muitas outras proficiências e destrezas de forma a tirar  maior partido do que nos é oferecido e ter a capacidade de avaliar criticamente os conteúdos.  ,[object Object],[object Object]
Gráfico 1
Gráfico 2
Gráfico 3
Gráfico 4
Gráfico 5 100%
5     Análise - Adaptação ou inépcia. Apresentados os gráficos com os dados estatísticos recolhidos nas quatro bibliotecas escolares onde exercemos funções, rapidamente  verificamos a indissociabilidade  do computador à realidade dos nossos alunos e que os professores já introduziram as novas tecnologias no processo de ensino e aprendizagem, aquilo que parece fundamental agora é evitar que as ditas escolas do futuro mantenham metodologias tradicionais.  Contribuir para o desenvolvimento de competências de literacia digital e mediática em múltiplas vertentes , nomeadamente a fiabilidade da informação retirada da Net e a análise de páginas Web, bem como a questão da segurança, entre muitas outras parece-nos um caminho obrigatório e fundamental para evitar que as ditas escolas do futuro impregnadas pelos meios de um Plano Tecnológico tão recente,  continuem infinitamente arreigadas às metodologias tradicionais. Alguns constrangimentos que nos surgem com pertinente relevância situam-se no âmbito das infra-estruturas e acesso. De acordo com o Plano Tecnológico, até 2010 o número de computadores nas escolas deveria "atingir a proporção média de um computador por cada cinco estudantes". Apesar de já estarmos em 2011, a realidade continua a estar longe dos objectivos previstos inicialmente, por este documento. Tal está bem patente nas estatísticas que acabámos de apresentar.
escola que se pode considerar mais bem apetrechada, tem 32,6 alunos por computador. Relativamente ao acesso à Internet em banda larga, existem ainda imensos problemas logísticos por resolver, pelo que o acesso é de facto"virtual" em muitos casos.     Ao nível dos padrões de literacia mediática, a Comissão Europeia, define este conceito como "a capacidade de aceder aos media, de compreender e avaliar de modo crítico os diferentes aspectos dos media e dos seus conteúdos e de criar comunicações em diversos contextos."  Tendo em linha de conta tal definição, podemos concluir, que só parcialmente, tais padrões são atingidos nas nossas escolas. Apesar dos alunos acederem facilmente aos media, e comunicarem em contextos variados, não sabem ainda "compreender e avaliar de modo crítico" os seus diferentes aspectos, o que leva muitas vezes, a que se percam no "caos" da informação veiculada por estes recursos.   A formação do pessoal docente e não docente necessita efectivamente de ser mais especializada, para que possam efectivamente formar os alunos neste âmbito.   A falta da criação e aplicação de normas de proficiência e de mecanismos de auto-regulação, leva a situações extremas de deficitária utilização de recursos, bem como da falta de segurança na utilização dos mesmos. ,[object Object],[object Object]
Recursos e estratégias que a BE pode desenvolver para promover a literacia digital nos jovens Reflectindo um pouco sobre a mensagem do  vídeo apresentado,  leva-nos a perceber que os jovens de hoje não podem sentir-se motivados numa escola que parou no tempo e que não vai de encontro aos seus interesses.  A concepção que os alunos têm da escola e da aprendizagem nem sempre coincide com a dos professores, o que pode constituir um obstáculo no processo de ensino e aprendizagem, originando o desinteresse, o insucesso ou o próprio abandono escolar. Por exemplo, veja-se a opinião dos alunos sobre a leitura e escrita, que consideram praticar com frequência, utilizando os recursos proporcionados pelas novas tecnologias.  Neste contexto, o professor tem de estar preparado para ensinar os alunos a utilizar e potenciar as novas tecnologias, que tecnicamente dominam, mas das quais acabam por não saber tirar os benefícios mais desejáveis, além de se exporem a vários perigos. Os jovens estão a passar mais tempo na internet do que a ver televisão, o que significa que já não se contentam em assumir um papel meramente passivo.  O mesmo deverá acontecer na escola. As bibliotecas e os professores bibliotecários, como agentes de vínculo da informação por excelência devem assumir o papel da frente e procurar  parcerias com os professores, alunos e restantes agentes educativos. ,[object Object],[object Object]
Geraç@o+ - Rede interna de informação e comunicação A partir da análise feita,  sugerimos a criação de uma rede interna de informação e comunicação. Através desta rede interna (que mais tarde poderia assumir uma dimensão interescolar), procuraríamos contribuir para o desenvolvimento de competências de literacia digital e mediática, nomeadamente a fiabilidade da informação retirada da Net e a análise de páginas Web. Esta rede interna de informação permite às escolas participantes que contribuem para a constituição de um portal  (como um wikispace) com materiais  e outros recursos “de ponta”, já validados  e referenciados, uniformizar e difundir procedimentos no domínio da literacia digital. Para regulamentar a utilização desta ferramenta será elaborado um regulamento interno e proceder-se-á à divulgação e promoção por toda a comunidade escolar dos objectivos técnicos, pedagógicos e didácticos da rede interna.  Objectivos da rede Geraç@o+ ,[object Object]
Envolver os principais intervenientes educativos no projecto de criação de uma escola aberta à inovação e à mudança;,[object Object]
Promover a utilização consciente, responsável e crítica dos meios de comunicação (impressos, audiovisuais    e digitais) como fontes de informação, formação e entretenimento;  
Potenciar a aptidão natural dos jovens para as novas tecnologias e mobilizar essas aptidões em prol da comunidade escolar e de  uma aprendizagem de qualidade;
Desenvolver o espírito crítico e reflexivo para o exercício de uma cidadania activa e responsável;
Divulgar e fomentar o respeito pela propriedade intelectual.
Regras de funcionamento:  1-  Inscrição na BE, através do preenchimento de uma ficha individual; 2- Atribuição de uma chave de acesso à rede interna; 3- Aceitação de um compromisso de adesão e cumprimento do código de funcionamento e conduta interna; 4- Atribuição de créditos de acesso e participação, convertíveis em prémios (livros, jogos multimédia, filmes…), a atribuir no final do ano lectivo; 5- Realização, no final do ano lectivo, de um encontro/convívio para fazer uma avaliação dos resultados alcançados e apresentar propostas de melhoria de funcionamento para o ano lectivo seguinte.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ler+, ler melhor
Ler+, ler melhor Ler+, ler melhor
Ler+, ler melhor
António Pires
 
Artigo blog ufsm
Artigo blog ufsmArtigo blog ufsm
Artigo blog ufsm
Daniela Menezes
 
A utilização de blogs no processo de letramento digital
A utilização de blogs no processo de letramento digitalA utilização de blogs no processo de letramento digital
A utilização de blogs no processo de letramento digital
Lívia Dutra
 
VI encontro de SABE A Biblioteca e as Literacias do Século XXI em Famalicão ...
VI  encontro de SABE A Biblioteca e as Literacias do Século XXI em Famalicão ...VI  encontro de SABE A Biblioteca e as Literacias do Século XXI em Famalicão ...
VI encontro de SABE A Biblioteca e as Literacias do Século XXI em Famalicão ...
João Paulo Proença
 
As tic, a web 2.0 e as be
As tic, a web 2.0 e as beAs tic, a web 2.0 e as be
As tic, a web 2.0 e as be
Marisa Neves
 
Descobrir, no Jardim de Infância, a Sociedade Tecnológica
Descobrir, no Jardim de Infância, a Sociedade TecnológicaDescobrir, no Jardim de Infância, a Sociedade Tecnológica
Descobrir, no Jardim de Infância, a Sociedade Tecnológica
Henrique Santos
 
Thiago torbes prates
Thiago torbes pratesThiago torbes prates
Thiago torbes prates
equipetics
 
A informática educativa no aprendizado digital infantil e na prática cidadã
A informática educativa no aprendizado digital infantil e na prática cidadãA informática educativa no aprendizado digital infantil e na prática cidadã
A informática educativa no aprendizado digital infantil e na prática cidadã
Glaucia Almeida Reis
 
São João do Polêsine - Andreia Vedoin Cielo
São João do Polêsine - Andreia Vedoin CieloSão João do Polêsine - Andreia Vedoin Cielo
São João do Polêsine - Andreia Vedoin Cielo
CursoTICs
 
Quando a Internet (in) tranquiliza
Quando a Internet (in) tranquilizaQuando a Internet (in) tranquiliza
Quando a Internet (in) tranquiliza
Universidade Católica Portuguesa
 
EJA- Inclusão Digital
EJA- Inclusão DigitalEJA- Inclusão Digital
EJA- Inclusão Digital
Jaqueline Hillebrand
 
Informática para e ja
Informática para e jaInformática para e ja
Informática para e ja
alinefacundes
 
LP-TIC1
LP-TIC1LP-TIC1
LP-TIC1
anainesbg
 
Eja e as redes sociais
Eja e as redes sociaisEja e as redes sociais
Eja e as redes sociais
Daniele Diniz Diniz
 
Atv ead 220510-2
Atv ead 220510-2Atv ead 220510-2
Como utilizar a internet na educação slides 06.11.11
Como utilizar a internet na educação   slides 06.11.11Como utilizar a internet na educação   slides 06.11.11
Como utilizar a internet na educação slides 06.11.11
Fran Ramos
 
Rojane e. s. fuchs
Rojane e. s. fuchsRojane e. s. fuchs
Rojane e. s. fuchs
equipetics
 
O Uso Da Internet Na EducaçãO
O Uso Da Internet Na EducaçãOO Uso Da Internet Na EducaçãO
O Uso Da Internet Na EducaçãO
guestbf0b0e
 

Mais procurados (18)

Ler+, ler melhor
Ler+, ler melhor Ler+, ler melhor
Ler+, ler melhor
 
Artigo blog ufsm
Artigo blog ufsmArtigo blog ufsm
Artigo blog ufsm
 
A utilização de blogs no processo de letramento digital
A utilização de blogs no processo de letramento digitalA utilização de blogs no processo de letramento digital
A utilização de blogs no processo de letramento digital
 
VI encontro de SABE A Biblioteca e as Literacias do Século XXI em Famalicão ...
VI  encontro de SABE A Biblioteca e as Literacias do Século XXI em Famalicão ...VI  encontro de SABE A Biblioteca e as Literacias do Século XXI em Famalicão ...
VI encontro de SABE A Biblioteca e as Literacias do Século XXI em Famalicão ...
 
As tic, a web 2.0 e as be
As tic, a web 2.0 e as beAs tic, a web 2.0 e as be
As tic, a web 2.0 e as be
 
Descobrir, no Jardim de Infância, a Sociedade Tecnológica
Descobrir, no Jardim de Infância, a Sociedade TecnológicaDescobrir, no Jardim de Infância, a Sociedade Tecnológica
Descobrir, no Jardim de Infância, a Sociedade Tecnológica
 
Thiago torbes prates
Thiago torbes pratesThiago torbes prates
Thiago torbes prates
 
A informática educativa no aprendizado digital infantil e na prática cidadã
A informática educativa no aprendizado digital infantil e na prática cidadãA informática educativa no aprendizado digital infantil e na prática cidadã
A informática educativa no aprendizado digital infantil e na prática cidadã
 
São João do Polêsine - Andreia Vedoin Cielo
São João do Polêsine - Andreia Vedoin CieloSão João do Polêsine - Andreia Vedoin Cielo
São João do Polêsine - Andreia Vedoin Cielo
 
Quando a Internet (in) tranquiliza
Quando a Internet (in) tranquilizaQuando a Internet (in) tranquiliza
Quando a Internet (in) tranquiliza
 
EJA- Inclusão Digital
EJA- Inclusão DigitalEJA- Inclusão Digital
EJA- Inclusão Digital
 
Informática para e ja
Informática para e jaInformática para e ja
Informática para e ja
 
LP-TIC1
LP-TIC1LP-TIC1
LP-TIC1
 
Eja e as redes sociais
Eja e as redes sociaisEja e as redes sociais
Eja e as redes sociais
 
Atv ead 220510-2
Atv ead 220510-2Atv ead 220510-2
Atv ead 220510-2
 
Como utilizar a internet na educação slides 06.11.11
Como utilizar a internet na educação   slides 06.11.11Como utilizar a internet na educação   slides 06.11.11
Como utilizar a internet na educação slides 06.11.11
 
Rojane e. s. fuchs
Rojane e. s. fuchsRojane e. s. fuchs
Rojane e. s. fuchs
 
O Uso Da Internet Na EducaçãO
O Uso Da Internet Na EducaçãOO Uso Da Internet Na EducaçãO
O Uso Da Internet Na EducaçãO
 

Destaque

Interesses dos Jovens na Internet
Interesses dos Jovens na InternetInteresses dos Jovens na Internet
Interesses dos Jovens na Internet
Filipa Ferreira
 
Educação de Jovens e Adultos
Educação  de  Jovens e AdultosEducação  de  Jovens e Adultos
Educação de Jovens e Adultos
culturaafro
 
Criancas e jovens na internet
Criancas e jovens na internetCriancas e jovens na internet
Criancas e jovens na internet
Benedilosn
 
Tecnófilo a favor da educação
Tecnófilo a favor da educaçãoTecnófilo a favor da educação
Tecnófilo a favor da educação
CLEIDIANE ALVES DA SILVA
 
Inovação Digital - Luli Radfahrer
Inovação Digital - Luli RadfahrerInovação Digital - Luli Radfahrer
Inovação Digital - Luli Radfahrer
Semana Biblioteconomia
 
O USO DA TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO
O USO DA TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃOO USO DA TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO
O USO DA TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO
Flavia Carvalho
 
Usar a internet em segurança
Usar a internet em segurançaUsar a internet em segurança
Usar a internet em segurança
CRE -EB23 Galopim de Carvalho
 
éTica da informação para jovens utilizadores da biblioteca
éTica da informação para jovens utilizadores da bibliotecaéTica da informação para jovens utilizadores da biblioteca
éTica da informação para jovens utilizadores da biblioteca
bibliotecapacosousa
 
Os Agentes De SocializaçãO Na AdolescêNcia
Os Agentes De SocializaçãO Na AdolescêNciaOs Agentes De SocializaçãO Na AdolescêNcia
Os Agentes De SocializaçãO Na AdolescêNcia
veronicasilva
 
Eja e internet conedu
Eja e internet coneduEja e internet conedu
Eja e internet conedu
Jacqueline Carvalho Professora
 
Internet segura
Internet seguraInternet segura
Internet segura
Instituto Paramitas
 
A internet 1º ciclo
A internet 1º cicloA internet 1º ciclo
A internet 1º ciclo
Paula Andrade
 
Crianças e jovens na internet
Crianças e jovens na internetCrianças e jovens na internet
Crianças e jovens na internet
Gina Rodrigues
 
Educar para os média: internet, crianças e jovens
Educar para os média: internet, crianças e jovensEducar para os média: internet, crianças e jovens
Educar para os média: internet, crianças e jovens
Biblionofre
 
Sexualidade para adolescentes
Sexualidade para adolescentes Sexualidade para adolescentes
Sexualidade para adolescentes
nosomos8A
 
Jovens E A Internet
Jovens E A InternetJovens E A Internet
Jovens E A Internet
guest44646819
 
Interpretaçao de charges
Interpretaçao de chargesInterpretaçao de charges
Interpretaçao de charges
Atividades Diversas Cláudia
 
Interpretações variadas charges atuais
Interpretações variadas charges atuaisInterpretações variadas charges atuais
Interpretações variadas charges atuais
Atividades Diversas Cláudia
 
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Alinebrauna Brauna
 

Destaque (19)

Interesses dos Jovens na Internet
Interesses dos Jovens na InternetInteresses dos Jovens na Internet
Interesses dos Jovens na Internet
 
Educação de Jovens e Adultos
Educação  de  Jovens e AdultosEducação  de  Jovens e Adultos
Educação de Jovens e Adultos
 
Criancas e jovens na internet
Criancas e jovens na internetCriancas e jovens na internet
Criancas e jovens na internet
 
Tecnófilo a favor da educação
Tecnófilo a favor da educaçãoTecnófilo a favor da educação
Tecnófilo a favor da educação
 
Inovação Digital - Luli Radfahrer
Inovação Digital - Luli RadfahrerInovação Digital - Luli Radfahrer
Inovação Digital - Luli Radfahrer
 
O USO DA TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO
O USO DA TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃOO USO DA TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO
O USO DA TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO
 
Usar a internet em segurança
Usar a internet em segurançaUsar a internet em segurança
Usar a internet em segurança
 
éTica da informação para jovens utilizadores da biblioteca
éTica da informação para jovens utilizadores da bibliotecaéTica da informação para jovens utilizadores da biblioteca
éTica da informação para jovens utilizadores da biblioteca
 
Os Agentes De SocializaçãO Na AdolescêNcia
Os Agentes De SocializaçãO Na AdolescêNciaOs Agentes De SocializaçãO Na AdolescêNcia
Os Agentes De SocializaçãO Na AdolescêNcia
 
Eja e internet conedu
Eja e internet coneduEja e internet conedu
Eja e internet conedu
 
Internet segura
Internet seguraInternet segura
Internet segura
 
A internet 1º ciclo
A internet 1º cicloA internet 1º ciclo
A internet 1º ciclo
 
Crianças e jovens na internet
Crianças e jovens na internetCrianças e jovens na internet
Crianças e jovens na internet
 
Educar para os média: internet, crianças e jovens
Educar para os média: internet, crianças e jovensEducar para os média: internet, crianças e jovens
Educar para os média: internet, crianças e jovens
 
Sexualidade para adolescentes
Sexualidade para adolescentes Sexualidade para adolescentes
Sexualidade para adolescentes
 
Jovens E A Internet
Jovens E A InternetJovens E A Internet
Jovens E A Internet
 
Interpretaçao de charges
Interpretaçao de chargesInterpretaçao de charges
Interpretaçao de charges
 
Interpretações variadas charges atuais
Interpretações variadas charges atuaisInterpretações variadas charges atuais
Interpretações variadas charges atuais
 
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
 

Semelhante a Educação, jovens e media 5

Literacia Digital – desenvolvendo competência para atuar com e no mundo media...
Literacia Digital – desenvolvendo competência para atuar com e no mundo media...Literacia Digital – desenvolvendo competência para atuar com e no mundo media...
Literacia Digital – desenvolvendo competência para atuar com e no mundo media...
Daniela Azevedo
 
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Rafaela Paz
 
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Rafaela Paz
 
Jussara gonçalves
Jussara gonçalvesJussara gonçalves
Jussara gonçalves
equipetics
 
A tecnologia e a Educação em Angola
A tecnologia e a Educação em AngolaA tecnologia e a Educação em Angola
A tecnologia e a Educação em Angola
benjamim João Paulo
 
A informática está presente no quotidiano das pessoas
A informática está presente no quotidiano das pessoasA informática está presente no quotidiano das pessoas
A informática está presente no quotidiano das pessoas
Samuel Orlando Nhantumbo
 
Leitura e Escrita em Cordel
 Leitura e Escrita em Cordel Leitura e Escrita em Cordel
Leitura e Escrita em Cordel
guestc54be68
 
Tecnologia de informacao e comunicacao
Tecnologia de informacao e comunicacaoTecnologia de informacao e comunicacao
Tecnologia de informacao e comunicacao
Universidade Pedagogica
 
Pré projecto de investigação
Pré projecto de investigaçãoPré projecto de investigação
Pré projecto de investigação
Jorge Teixeira
 
Pré projecto de investigação
Pré projecto de investigaçãoPré projecto de investigação
Pré projecto de investigação
Jorge Teixeira
 
Sessão 8 -Tarefa 2
Sessão 8 -Tarefa 2Sessão 8 -Tarefa 2
Sessão 8 -Tarefa 2
martamedeiros
 
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Esteban Arenillas
 
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Rafaela Paz
 
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Esteban Arenillas
 
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Rafaela Paz
 
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Rafaela Paz
 
O uso da tecnologia na escola. grupo estudo cecierj 2015
O uso da tecnologia na escola. grupo estudo cecierj 2015O uso da tecnologia na escola. grupo estudo cecierj 2015
O uso da tecnologia na escola. grupo estudo cecierj 2015
UFRGS
 
Satiane moreira goulart
Satiane moreira goulartSatiane moreira goulart
Satiane moreira goulart
equipetics
 
Possibilidades e perspectivas do uso das mídias sociais na aprendizagem
Possibilidades e perspectivas do uso das mídias sociais na aprendizagemPossibilidades e perspectivas do uso das mídias sociais na aprendizagem
Possibilidades e perspectivas do uso das mídias sociais na aprendizagem
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Texto exemplo
Texto exemploTexto exemplo
Texto exemplo
231511
 

Semelhante a Educação, jovens e media 5 (20)

Literacia Digital – desenvolvendo competência para atuar com e no mundo media...
Literacia Digital – desenvolvendo competência para atuar com e no mundo media...Literacia Digital – desenvolvendo competência para atuar com e no mundo media...
Literacia Digital – desenvolvendo competência para atuar com e no mundo media...
 
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
 
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
 
Jussara gonçalves
Jussara gonçalvesJussara gonçalves
Jussara gonçalves
 
A tecnologia e a Educação em Angola
A tecnologia e a Educação em AngolaA tecnologia e a Educação em Angola
A tecnologia e a Educação em Angola
 
A informática está presente no quotidiano das pessoas
A informática está presente no quotidiano das pessoasA informática está presente no quotidiano das pessoas
A informática está presente no quotidiano das pessoas
 
Leitura e Escrita em Cordel
 Leitura e Escrita em Cordel Leitura e Escrita em Cordel
Leitura e Escrita em Cordel
 
Tecnologia de informacao e comunicacao
Tecnologia de informacao e comunicacaoTecnologia de informacao e comunicacao
Tecnologia de informacao e comunicacao
 
Pré projecto de investigação
Pré projecto de investigaçãoPré projecto de investigação
Pré projecto de investigação
 
Pré projecto de investigação
Pré projecto de investigaçãoPré projecto de investigação
Pré projecto de investigação
 
Sessão 8 -Tarefa 2
Sessão 8 -Tarefa 2Sessão 8 -Tarefa 2
Sessão 8 -Tarefa 2
 
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
 
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
 
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
 
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
 
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
Projeto plano de treinamento de alunos na prática de estratégias de pesquisa ...
 
O uso da tecnologia na escola. grupo estudo cecierj 2015
O uso da tecnologia na escola. grupo estudo cecierj 2015O uso da tecnologia na escola. grupo estudo cecierj 2015
O uso da tecnologia na escola. grupo estudo cecierj 2015
 
Satiane moreira goulart
Satiane moreira goulartSatiane moreira goulart
Satiane moreira goulart
 
Possibilidades e perspectivas do uso das mídias sociais na aprendizagem
Possibilidades e perspectivas do uso das mídias sociais na aprendizagemPossibilidades e perspectivas do uso das mídias sociais na aprendizagem
Possibilidades e perspectivas do uso das mídias sociais na aprendizagem
 
Texto exemplo
Texto exemploTexto exemplo
Texto exemplo
 

Mais de dardevaia2

1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp
dardevaia2
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
dardevaia2
 
Tarefa 1
Tarefa 1Tarefa 1
Tarefa 1
dardevaia2
 
Tarefa 5 Tabela D1
Tarefa 5  Tabela  D1Tarefa 5  Tabela  D1
Tarefa 5 Tabela D1
dardevaia2
 
Tarefa 5 Tabela D1
Tarefa 5  Tabela  D1Tarefa 5  Tabela  D1
Tarefa 5 Tabela D1
dardevaia2
 
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp
dardevaia2
 
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp
dardevaia2
 
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 2
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 2 1ª Parte Tarefa 1 Modulo 2
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 2
dardevaia2
 

Mais de dardevaia2 (8)

1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
 
Tarefa 1
Tarefa 1Tarefa 1
Tarefa 1
 
Tarefa 5 Tabela D1
Tarefa 5  Tabela  D1Tarefa 5  Tabela  D1
Tarefa 5 Tabela D1
 
Tarefa 5 Tabela D1
Tarefa 5  Tabela  D1Tarefa 5  Tabela  D1
Tarefa 5 Tabela D1
 
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp
 
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 3 ApresentaçãO Do Modelo Cp
 
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 2
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 2 1ª Parte Tarefa 1 Modulo 2
1ª Parte Tarefa 1 Modulo 2
 

Último

FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 

Último (20)

FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 

Educação, jovens e media 5

  • 1. Educação, jovens e media- A Internet, a promoção da literacia e o exercício da cidadania
  • 2.
  • 3.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. 3 O papel da Biblioteca Escolar na promoção da literacia da informação
  • 10. Dado que a influência dos meios de comunicação em todas as suas categorias (digitais, audiovisuais, impressos), individualmente ou de forma cruzada, faz-se sentir tão presente nos vários aspectos da vida humana, a literacia mediática torna-se um assunto prioritário na sociedade actual. É no campo da literacia digital, em que a internet é usada pelos jovens como fonte de informação e lazer, que os professores e educadores devem investir grande parte da sua acção, dotando-se e dotando-os de meios para que possam sobreviver com sucesso na labiríntica acessibilidade mediática, o que passa por lhes ensinar técnicas de pesquisa, de selecção e de produção de informação. Sendo o ambiente digital um meio essencialmente intuitivo e (inter)activo em que os jovens não só absorvem a informação, mas também a produzem, um bom domínio das tecnologias da informação e a posse de competências adequadas, em observância dos direitos e liberdades intelectuais, representam uma mais-valia significativa em matéria de qualificação profissional.
  • 11. A escola e nela, em maior observância, a biblioteca são por inerência própria as entidades com acção privilegiada na transmissão desses mesmos saberes, sob a forma de diversas acções em que os jovens são convidados a aprender, a pesquisar, a seleccionar e a trabalhar a informação, para a poder comunicar e produzir nova informação, não descurando as estratégias de protecção de privacidade e da propriedade intelectual. Ao nível governamental, esse papel tem sido reconhecido e foi emanada legislação nesse sentido, onde a adopção das TIC está definida como uma prioridade no plano estratégico 2010 e as competências em informação estão definidas ao nível do perfil desejável do aluno à saída do Ensino Básico (como se pode verificar no documento “Currículo Nacional do Ensino Básico - Competências Essenciais"(ME, 2001)). Ao nível local, compete à escola e à biblioteca escolar dotar os jovens das competências informacionais e tecnológicas que lhes permitam ser cidadãos livres e interventivos. A literacia mediática constitui assim uma qualificação crucial e irrenunciável na sociedade da informação e da comunicação para cuja pertinência, assim como para a importância do livre acesso à internet, a Unesco tem
  • 12.
  • 18. 5 Análise - Adaptação ou inépcia. Apresentados os gráficos com os dados estatísticos recolhidos nas quatro bibliotecas escolares onde exercemos funções, rapidamente verificamos a indissociabilidade do computador à realidade dos nossos alunos e que os professores já introduziram as novas tecnologias no processo de ensino e aprendizagem, aquilo que parece fundamental agora é evitar que as ditas escolas do futuro mantenham metodologias tradicionais.  Contribuir para o desenvolvimento de competências de literacia digital e mediática em múltiplas vertentes , nomeadamente a fiabilidade da informação retirada da Net e a análise de páginas Web, bem como a questão da segurança, entre muitas outras parece-nos um caminho obrigatório e fundamental para evitar que as ditas escolas do futuro impregnadas pelos meios de um Plano Tecnológico tão recente, continuem infinitamente arreigadas às metodologias tradicionais. Alguns constrangimentos que nos surgem com pertinente relevância situam-se no âmbito das infra-estruturas e acesso. De acordo com o Plano Tecnológico, até 2010 o número de computadores nas escolas deveria "atingir a proporção média de um computador por cada cinco estudantes". Apesar de já estarmos em 2011, a realidade continua a estar longe dos objectivos previstos inicialmente, por este documento. Tal está bem patente nas estatísticas que acabámos de apresentar.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23. Promover a utilização consciente, responsável e crítica dos meios de comunicação (impressos, audiovisuais e digitais) como fontes de informação, formação e entretenimento;  
  • 24. Potenciar a aptidão natural dos jovens para as novas tecnologias e mobilizar essas aptidões em prol da comunidade escolar e de uma aprendizagem de qualidade;
  • 25. Desenvolver o espírito crítico e reflexivo para o exercício de uma cidadania activa e responsável;
  • 26. Divulgar e fomentar o respeito pela propriedade intelectual.
  • 27. Regras de funcionamento:  1- Inscrição na BE, através do preenchimento de uma ficha individual; 2- Atribuição de uma chave de acesso à rede interna; 3- Aceitação de um compromisso de adesão e cumprimento do código de funcionamento e conduta interna; 4- Atribuição de créditos de acesso e participação, convertíveis em prémios (livros, jogos multimédia, filmes…), a atribuir no final do ano lectivo; 5- Realização, no final do ano lectivo, de um encontro/convívio para fazer uma avaliação dos resultados alcançados e apresentar propostas de melhoria de funcionamento para o ano lectivo seguinte.
  • 28. 8 Conclusão
  • 29. Num mundo imerso em mudanças paradigmáticas, a evolução tecnológica e digital é mais um factor a assoberbar transformações latentes no contexto educativo. Os jovens de hoje já não se sentem motivados numa escola que parou no tempo e que nem sempre vai de encontro aos seus interesses, o que pode representar um factor de instabilidade no processo de ensino e aprendizagem, originando o desinteresse, o insucesso ou o próprio abandono escolar Os docentes, além das competências científicas e pedagógicas, têm que se munir (e aperfeiçoar permanentemente) de um conjunto de competências digitais, preparando-se, assim, para levar os alunos a utilizar e potenciar as novas tecnologias, desenvolvendo competências de Literacia para os Media.   É neste contexto que se inscreve a estratégia que nos propomos implementar nas nossas escolas, com o objectivo de motivar os alunos, professores e encarregados de educação para, numa acção conjunta, conseguirem dar resposta aos novos desafios do século XXI.
  • 30.
  • 31. “TIC na educação e Metas de aprendizagem em TIC” disponível em http://webinar.dgidc.min-edu.pt/fernando-albuquerque-costa/
  • 32. Plano Tecnológico : documento de apresentação disponível em http://www.planotecnologico.pt/document/OPlanoTecnologico.pdf
  • 33. “A visão dos estudantes hoje disponível em http://www.youtube.com/watch?v=ScxmSy4TlqI 
  • 34.  "Literacia dos media" disponível em  http://www.literaciamediatica.pt/pt/artigo/o-que-e-a-literacia-para-os-media
  • 35. Recursos disponíveis na sala de aula virtual
  • 36. “A visão dos estudantes hoje“ em http://www.youtube.com/watch?v=ScxmSy4TlqI;
  • 37. Site www.seguranet.pt ;
  • 38. “Conferência Kidsonline II” em: http://www2.lse.ac.uk/media@lse/research/EUKidsOnline/EU%20Kids%20I%20(2006-9)/Home.aspx ;
  • 39.