SlideShare uma empresa Scribd logo
INSTITUTO SUPERIOR METROPOLITANO DE ANGOLA
AUTORES:
BENJAMIM EDMILSON JOÃO PAULO
JOSÉ SEBASTIÃO VICTOR DOS SANTOS
COMO A TECNOLOGIA TEM CONTRIBUIDO PARA
EDUCAÇÃO EM ANGOLA
Luanda
JUNHO DE 2017
2
AUTORES:
BENJAMIM EDMILSON JOÃO PAULO
JOSÉ SEBASTIÃO VICTOR DOS SANTOS
COMO A TECNOLOGIA TEM CONTRIBUIDO PARA EDUCAÇÃO EM ANGOLA
Luanda
JUNHO DE 2017
3
Resumo
O presente trabalho visa apresentar e analisar alguns recursos tecnológicos afim de auxiliar os
professores e os estudantes na tarefa de melhorar o seu desempenho profissional e contribuir
para o processo de ensino e aprendizagem em Angola.
A pesquisa foi feita com ajuda de diversos professores e estudantes angolanos. Onde quatorze
(14) eram estudantes do ensino médio, dez (10) eram estudantes universitários, quatro(4)
professores do ensino médio, seis(6) professores universitários de forma a obtermos
informações a cerca do tema.
4
Problemática
A problemática que se apresenta se refere ao seguinte questionamento:
a- Como a tecnologia pode ser usada há favor da educação no nosso país?
5
Objetivos
Objetivo Geral
Este trabalho tem como objetivo desenvolver um diagnóstico sobre a forma como os
professores e estudantes utilizam os recursos tecnológicos no processo de ensino e
aprendizagem em Angola.
Objetivos Específicos
-Levar os Professores e os estudantes a refletirem sobre o uso ético e positivo das tecnologias.
-Identificar as vantagens e desvantagens do uso das tecnologias no ambiente educacional.
-Identificar de que forma vem sendo abordada a educação e a tecnologia na sala de aula,
dentro da organização curricular do processo de ensino e aprendizagem em Angola.
6
Hipótese
a) Se os pais e professores ensinarem como e quando devem ser usados os recursos
tecnológicos, além de controlar os momentos em que eles serão empregados em sala,
podem direcionar a capacidade dos estudantes de usar os aparelhos eletrônicos em seu
próprio benefício, estimulando a leitura em sala de aula com ajuda da tecnologia. O
desinteresse pela leitura é um problema recorrente nas escolas hoje em dia, principalmente
entre os jovens. Uma boa maneira de incentivar os alunos a ler mais é investir em projetos
de leitura. Nesse sentido, a escola pode promover a arrecadação de livros em gincanas, fazer
olimpíadas de leitura com premiações para os melhores desempenhos, além de propor que
os estudantes escrevam suas próprias narrativas e poesias — a produção textual também é
uma excelente estratégia para incentivar o gosto pela leitura. Poder ler em tablets,
smartphones e até em computadores, além de ser bastante prático, é uma excelente
maneira de motivar os jovens que não se desgrudam das telinhas a descobrir o mundo da
leitura. Alguns aplicativos contam com opção de consulta a dicionários dentro dos próprios
livros digitais, e há também bibliotecas que fazem empréstimos de e-books. A internet, sem
sombra de dúvida, contém um número assustador de informações incorretas, textos mal
escritos, reportagens tendenciosas e outras mídias que podem acabar prejudicando os
alunos com senso crítico em desenvolvimento. Entretanto, é inegável que, em meio a tudo
isso, há também uma infinidade de fontes interessantíssimas, que podem contribuir para
enriquecer as pesquisas dos estudantes e apresentar-lhes pontos de vista únicos e
completos. Antes de condenar as pesquisas on-line, portanto, é muito produtivo que o
professor procure conhecer os sites mais confiáveis para repassá-los aos alunos, ajudando-os
a reconhecer, sozinhos, os sinais de que um texto é relevante e verídico. Por isso é
importante que a escola esteja de acordo com a sua implantação. Antes mesmo de
propor ao aluno a utilização desse material, a direção pode atuar junto com o professor
na escolha do melhor material, desde os livros didáticos até os aplicativos que
auxiliarão no aprendizado. São diversas opções: aplicativos de jornais, mapas,
calculadoras especiais, experimentos de física e química, entre outros. Algumas editoras
lançam plataformas especiais para os tablets, por exemplo, estimulando a utilização desses
aparelhos com intuito didático. Há também a possibilidade de uma equipe - geralmente ligada
à tecnologia da informação - fazer a manutenção dos equipamentos utilizados (nos casos em
que a própria escola armazena esses aparelhos), de maneira a instalar os aplicativos ou
softwares que serão necessários em determinado dia, evitando que os alunos se dispersem
entre as várias opções que o acesso à internet pode trazer.
7
Justificativa
A razão de se pesquisar como a tecnologia tem contribuído para educação em Angola
consistiu, em elevar cada vez mais o conhecimento dos estudantes a nível nacional e fazer
com que a tecnologia e a educação andassem de mãos dadas. Tendo em conta o grande
impacto que a tecnologia tem na sociedade atual, com o avanço da globalização a utilização
de recursos tecnológicos tem se mostrado cada vez mais presente no dia a dia dos cidadãos
nacionais, cabe a nós enquanto estudantes achar a melhor maneira de nos beneficiarmos de
tais tecnologias.
8
Metodologia
Pretende-se realizar o trabalho utilizando-se os materiais e métodos descritos a seguir:
 A metodologia para elucidar o problema apresentado será pautada em pesquisas
electrónicas, livros e publicações que relatem papel da Informática na educação.
 Foi realizado um levantamento bibliográfico, na internet e em bibliotecas, de artigos
científicos clássicos e atuais relacionados ao tema. Este levantamento continuará ao
longo de todo o desenvolvimento do trabalho.
 A pesquisa foi desenvolvida em uma instituição de ensino nacional, Universidade
Metropolitana de Angola. Os sujeitos da coleta de dados foram professores e
estudantes.
 A pesquisa de campo deu-se em dois momentos, primeiramente ocorreu à observação
participante na instituição de ensino nacional, logo em seguida a aplicação das
pesquisas semiestruturadas, onde os sujeitos da pesquisa foram professores e
estudantes.
 Durante seis meses estivemos observando diversas instituições, buscando sempre
observar e tentar entender como se dá essa relação das tecnologias nas práticas
pedagógicas. Durante o tempo inteiro foram realizados registros para que fosse
possível elaborar o questionário semiestruturados para propor a essas questões aos
sujeitos.
 A rede social é uma estrutura social composta por pessoas ou organizações,
conectadas por um ou vários tipos de relações, que compartilham valores e objetivos
comuns. Usamos as mesmas para interagir com professores e estudantes de diversos
pontos do nosso país, de modo a nos ajudarem a perceber como as tecnologias têm
ajudado no processo de ensino e aprendizagem no nosso país. Foram feitos
questionários e entrevistas em diversos estudantes e professores nacionais, os mesmos
nos ajudaram a compreender as vantagens e desvantagens das tecnologias no ensino
nacional.
9
CAPITULO 1: Referencial Teórico.
1.1.Alguns conceitos sobre tecnologia e Educação
1.1.1. Tecnologia
Tecnologia é um produto da ciência e da engenharia que envolve um conjunto
de instrumentos, métodos e técnicas que visam à resolução de problemas. É uma aplicação
prática do conhecimento científico em diversas áreas de pesquisa.
A palavra tecnologia tem origem no grego "tekhne" que significa "técnica, arte, ofício"
juntamente com o sufixo "logia" que significa "estudo".
As tecnologias primitivas ou clássicas envolvem a descoberta do fogo, a invenção da roda, a
escrita, dentre outras. As tecnologias medievais englobam invenções como a prensa móvel,
tecnologias militares com a criação de armas ou as tecnologias das grandes navegações que
permitiram a expansão marítima. As invenções tecnológicas da Revolução Industrial (século
XVIII) provocaram profundas transformações no processo produtivo.
A partir do século XX, destacam-se as tecnologias de informação e comunicação através da
evolução das telecomunicações, utilização dos computadores, desenvolvimento da internet e
ainda, as tecnologias avançadas, que englobam a utilização de Energia Nuclear,
Nanotecnologia, Biotecnologia, etc. Atualmente, a alta tecnologia, ou seja, a tecnologia mais
avançada é conhecida como tecnologia de ponta.
As novas tecnologias são fruto do desenvolvimento tecnológico alcançado pelo ser humano e
têm um papel fundamental no âmbito da inovação.
Os avanços da tecnologia provocam grande impacto na sociedade. Pelo lado positivo, a
tecnologia resulta em inovações que proporcionam melhor nível de vida ao Homem. Como
fatores negativos, surgem questões sociais preocupantes como o desemprego, devido a
substituição do Homem pela máquina ou a poluição ambiental que exige um contínuo e
rigoroso controle.
10
1.2. Educação
Educação é o ato de educar, de instruir, é polidez, disciplinamento. No seu sentido mais
amplo, educação significa o meio em que os hábitos, costumes e valores de uma comunidade
são transferidos de uma geração para a geração seguinte. A educação vai se formando através
de situações presenciadas e experiências vividas por cada indivíduo ao longo da sua vida.
O conceito de educação engloba o nível de cortesia, delicadeza e civilidade demonstrada por
um indivíduo e a sua capacidade de socialização.
De acordo com o filósofo teórico da área da pedagogia René Hubert, a educação é um
conjunto de ações e influências exercidas voluntariamente por um ser humano em outro,
normalmente de um adulto em um jovem. Essas ações pretendem alcançar um determinado
propósito no indivíduo para que ele possa desempenhar alguma função nos contextos sociais,
econômicos, culturais e políticos de uma sociedade.
No sentido técnico, a educação é o processo contínuo de desenvolvimento das faculdades
físicas, intelectuais e morais do ser humano, a fim de melhor se integrar na sociedade ou no
seu próprio grupo.
Educação (do latim educations) no sentido formal é todo o processo contínuo de formação e
ensino aprendizagem que faz parte do currículo dos estabelecimentos oficializados de ensino,
sejam eles públicos ou privados.
No processo educativo em estabelecimentos de ensino, os conhecimentos e habilidades são
transferidos para as crianças, jovens e adultos sempre com o objetivo desenvolver o raciocínio
dos alunos, ensinar a pensar sobre diferentes problemas, auxiliar no crescimento intelectual e
na formação de cidadãos capazes de gerar transformações positivas na sociedade.
A educação não se limita apenas a normais morais e intelectuais, mas também pode estar
relacionada com o aspecto físico, como é o caso da educação física.
11
Capitulo 2
2.1. Tecnologia Educacional
O termo tecnologia educacional remete ao emprego de recursos tecnológicos como ferramenta
para aprimorar o ensino. É usar a tecnologia a favor da educação, promovendo mais
desenvolvimento socioeducativo e melhor acesso à informação.
A Tecnologia Educacional ainda é uma novidade, no nosso país, são poucas as instituições de
ensino que adoptam recursos tecnológicos para o desenvolvimento pedagógico. Existem
diversas Tecnologias que auxiliam na disseminação dos conteúdos educacionais, mas como
em toda aplicação pedagógica, o acompanhamento profissional é indispensável, entende-se
que a tecnologia facilita à maneira de educar, mas não extingue o educador.
A tecnologia educacional é uma área de estudo que se preocupa com o design de
oportunidades de ensino e aprendizagem. É comum associar a área de tecnologia educacional
estritamente ao uso de dispositivos mídias na educação, como o livro, o filme ou o
computador.
As mudanças provocadas pelo uso das tecnologias educacionais geram a necessidade de
competências que até então não eram necessárias, mas que neste novo contexto deverão ser
desenvolvidas pelos indivíduos. Neste contexto, a tecnologia educacional é o meio e não o
fim do processo educativo e como tal deve ser inserida nas atividades de sala de aula como
companheira e não apenas como uma forma de automatizar processos antes realizados, pois
assim assumimos a produção de novos conhecimentos e não somente a reprodução.
2.1.1. A perspectiva pedagógica
O educador tem papel primordial na avaliação e seleção de mídias e ferramentas para uso no
ensino, independente da perspectiva pedagógica na qual se baseia. Para alguns, a tecnologia
educacional pode ser pensada para facilitar a "assimilação" do conhecimento; para outros
como um mediador na construção de estruturas mentais; ainda para outros como uma
"ferramenta cognitiva" que funciona como um mediador do processo de aprendizagem. Na
mídia popular, o dispositivo é muitas vezes apenas pensado como um "motivador" ou
estimulador da curiosidade do aluno por querer conhecer, por pesquisar, por buscar a
informação mais relevante.
12
2.2. Recursos Tecnológicos
Recursos tecnológicos são todas as tecnologias que temos a nossa disposição, desde as mais
simples até a mais complexa. No nosso dia-a-dia nos deparamos com inúmeras tecnologias,
sendo essas: um caderno, um lápis, um celular, uma câmera, uma televisão, ou um
computador, todos estes produtos para serem criados usaram altas tecnologias, que nos
proporcionam estar em contato com as demais pessoas, é o caso do computador e o telefone,
com eles nos comunicamos com pessoas que estão distantes e até mesmo do outro lado do
mundo. As tecnologias foram criadas para facilitar a nossa vida e como tal ela tem várias
utilidades depende do propósito do usuário. Podemos usa-la para salvar vidas, através das
pesquisas em laboratórios ou também podemos expor nossas ideias em relação a algo para
que as demais pessoas vejam e confrontem conosco.
Novak (p.2) citado por Flanelógrafo (1999, p. 913) Para definir melhor cada um dos recursos
tecnológicos, propusemos a divisão dos mesmos em quatro gerações, que são apresentadas no
Quadro 1 . A divisão dos recursos tecnológicos nessas quatro gerações levou em conta três
aspectos: a abrangência de cada um deles, seguida da sua evolução (tempo em que já vem
sendo utilizado) e da sua interação entre o trabalho que o aluno e professor desenvolvem.
Quadro 1 ‐ As quatro gerações de recursos tecnológicos utilizados no meio educacional.
Aborda‐se nesse trabalho os recursos ditos de 4ª geração.
13
2.2.1. Computador
A utilização do computador na educação pode acontecer de duas maneiras. Uma é fazer
aquilo que o professor faz tradicionalmente, ou seja, passar a informação para o aluno. Outra
é usá-lo como um instrumento que auxilia na construção do conhecimento e, portanto, ser um
recurso com o qual o aluno possa criar, pensar e manipular a informação. Na primeira maneira
encontramos uma concepção de aprendizagem behaviorista, em que a aplicação pedagógica
do computador é usada como uma máquina de ensinar. Assim, o computador é quem ensina o
aluno, e, portanto assume o papel de máquina de ensinar, ao invés de papel ou livro, é usado o
computador. Porém se analisarmos a segunda maneira iremos encontrar uma concepção
construtivista, em o conhecimento não é transmitido. Ele é construído progressivamente por
meio de ações que se transformam (Sembe, p. 40).
Sembe (p.41) citado por Oliveira e Fischer (1996, p. 156), afirma que o computador trabalha
com representações virtuais de forma coerente e flexível, possibilitando, assim, a descoberta e
a criação de novas relações. Basicamente as autoras consideram sete aspectos importantes no
computador:
1. Dispõe suas informações de forma clara, objetiva e lógica, facilitando a autonomia do
usuário, favorecendo a exploração espontânea.
2. Exige também que o usuário tenha consciência do que quer se organize e informe de modo
ordenado o que quer fazer, digitando corretamente.
3. Dá um retorno extremamente rápido e objetivo do processo em construção, favorecendo a
autocorreção, a inserção da “desordem” da ordem global.
4. Trabalha com uma disposição espacial das informações, que pode ser controlada
continuamente pela criar através de seu campo perceptivo visual, apoiando raciocínio lógico.
5. Trabalha com imagens e textos de forma combinada, ativando os dois hemisférios
celebrais.
6. Antes de recursos de multimídia, pode combinar imagens pictóricas ou gráficos, numa
infinidade de cores e formas, com sons verbais ou musicais, com movimentos, criando uma
verdadeira trama de combinações possíveis, integrando a percepção, em suas múltiplas
formas, ao raciocínio e a imaginação, de forma fluente, pessoal e cheia de vida.
14
7. O computador também é apontado como um facilitador do desenvolvimento natural da
expressão simbólica da criança no uso de caracteres gráficos, fator importante tanto na face de
alfabetização, quanto no desenvolvimento posterior do processo da leitura e da escrita.
Assim o computador pode ser um aliado no processo educativo dos alunos. Ele pode se tornar
um catalisador de mudanças, contribuindo com uma nova forma de aprender. Por meio dele,
cria-se a possibilidade do aluno aprender “brincando”, construindo seu próprio conhecimento,
sem ser punido por seus erros. Além disso, o professor ao se utilizar de computador, pode
transformar o ensino tradicional em aprendizagem contínua, facilitando o diálogo, a troca e a
valorização das potencialidades e das habilidades de cada aluno, Sembe (apud OLIVEIRA E
FISCHER 1996, p. 156).
Professor.
Mattei defende que muitos educadores estão preocupados a substituição do professor pela
máquina. Isto não é real, pois antes da tecnologia vem a metodologia, a filosofia educacional
que dá direção a escola, e o papel do professor é fundamental neste processo. Porém ele deixa
de ser o centro de atenções e passa a assumir a função de mediador nas atividades
desenvolvidas. O professor não deve mais ser como mero transmissor de conteúdos, mas sim,
um orientador, um facilitador da aprendizagem. A escola que pretende fazer o aluno a pensar,
estimular as suas capacidades, criar oportunidades de utilizar os seus talentos, respeitando os
diversos modos de aprender, não precisa mais do professor que decide o que deve ser
aprendido e ensinado. Precisa sim, do professor parceiro, aprendiz, que, junto com os seus
alunos, pesquisa, debate e descobre o novo. A verdadeira função do professor não deve ser a
de ensinar, mas sim a de criar condições de aprendizagem. (SEMBE, p.42).
De acordo com Fonseca (2001, p.2):
É preciso lembrar que os computadores são ferramentas como quaisquer
outras. Uma ferramenta sozinha, não faz trabalho. É preciso um profissional,
um mestre no ofício, que a manuseie, que a faça fazer o que ele acha que é
preciso fazer. É preciso, antes da escolha da ferramenta, um desejo, uma
intenção, uma opção. Havendo isto, até a mais humilde sucata pode
transformar-se em poderosa ferramenta didática. Assim como o mais moderno
dos computadores ligado a internet. Não havendo é este que vira sucata.
15
Aluno
O papel do aluno é utilizar o computador como uma ferramenta que contribui para o seu
desenvolvimento no momento atual e no futuro. O aluno deixa de ser passivo para tornar-se
ativo no seu processo ensino aprendizagem. Ele passa a desenvolver competências e
habilidades, como ter autonomia, pensar, criar, aprender e pesquisar. (SEMBE, p.43).
Na visão de Fischer (2000, p.39):
A criança tem o computador como um aliado no processo de construção de
conhecimento porque quando digitam suas ideias, ou o que é lhes ditado, elas
podem autocorrigirem-se continuamente, aprendendo a controlar suas
impulsividades e vibrando em cada palavra digitada sem erro. Neste contexto,
podemos perceber que o errar não é problema, que não acarreta a vergonha
nem a punição, pelo contrário serve para refletir e para encontrar a direção
lógica da solução.
Como vimos, o computador é um recurso que as crianças gostam, entretanto, é necessário
acompanhar o seu uso criticamente, para que se evitem os exageros e prejuízos à sua formação. O
computador não pode substituir as brincadeiras como: a boneca, o carrinho, o futebol e outras
brincadeiras essenciais para uma vida saudável.
2.2.3. Uso de softwares no processo de ensino.
Sembe (p.29) citado por Santana (2008), a firma que os softwares educacionais são
considerados ferramentas de grande valia no processo de ensino-aprendizagem. Os alunos
interagem entre e com a máquina, facilita as trocas de experiências, estimula hipóteses de
solução, surgem questionamentos e busca por outra forma de resoluções, desenvolvendo
autonomia para resolver problemas posteriormente. O uso do computador no processo de
ensino de aprendizagem é fundamentado por duas abordagens:
Instrucionista – Nessa abordagem tenta reproduzir o ensino tradicional do computador, os
conteúdos são transmitidos ao aluno, cabendo ao computador ensinar o aluno.
16
Construcionista – Nessa abordagem o aluno passa a interagir com o software, criando
situações e tomando decisões. O aluno constrói o seu conhecimento a partir da elaboração de
seus interesses e suas experimentações são realizados no computador.
2.2.4. O educador e a visão da informática.
De acordo com Sembe (apud FERNANDES, 2004), confirma que para desenvolver o seu
trabalho diário em sala de aula o professor dispunha, até pouco tempo atrás, de alguns
recursos didáticos como o quadro-de-giz e outros meios audiovisuais. Ensinar com o auxílio
da informática consiste em usar essa tecnologia como um recurso auxiliar no processo ensino-
aprendizagem. O aluno deve ter a possibilidade de manipular o computador como um suporte
para as suas descobertas. Na escola, o computador deve ser usado não como um substituto do
professor, mas como mais um recurso auxiliar de que ele dispõe para facilitar o
desenvolvimento do trabalho pedagógico interdisciplinar. O computador não deve ser
encarado também como uma panaceia, isto é, como um remédio para todos os problemas da
educação escolar, mas sim, como apenas mais uma alternativa que se apresenta e cuja
contribuição para o processo pedagógico exige, da parte do educador, uma análise crítica, em
função das concepções e dos objetivos da educação.
Afirma ainda, que os softwares educacionais são elaborados para divertir enquanto ensinam.
A ideia é a de fazer com que o sujeito aprenda o conceito, o conteúdo ou a habilidade
embutida, através de uma brincadeira. A utilização do computador como recurso de auxílio na
construção do conhecimento, dentro e fora da sala de aula, torna-se uma realidade. Basta
observarmos que a Internet está hoje, possibilitando infinidades de informações, serviços e
outras atividades para toda comunidade. Quando falo de educação dentro e fora da sala de
aula, refiro-me ao fato de que, se na escola ele utiliza o computador para fins educacionais,
ele também pode utilizá-lo em casa para os mesmos fins: realização de uma pesquisa, fazer
uma leitura; enfim, ele poderá se divertir jogar, e sabe que aquela pesquisa que precisa fazer
ou aquele tema que o professor deu, podem estar na Internet.
17
2.2.5. Usos da tecnologia na educação
Segundo Passarino (2001), tradicionalmente as tecnologias têm sido utilizadas para ensinar os
alunos, numa visão na qual o aluno aprende da tecnologia como fonte de conhecimento.
Assim foi com a televisão educativa, e também com os computadores. Esses instrumentos
eram vistos como um substituto do professor tradicional, detentor do conhecimento, e que
repassava toda informação para um aluno receptor/passivo. Esta posição, relacionada com as
máquinas de ensinar e as teorias condutistas de educação, não é o único papel da tecnologia
na educação como mostra a figura 1, existem vários usos da tecnologia nesta área. O primeiro
uso apresentado na figura é o uso da tecnologia como fim. O uso da tecnologia como fim
refere-se ao aprender sobre a tecnologia. Este é o objetivo principal de cursos de nível médio
(técnicos) e superior, de cursos profissionalizantes.
A tecnologia é vista como um fim, e o aluno entra em contato com ela para entendê-la e
dominar.
Segundo o mesmo autor, o uso da tecnologia como ferramenta entende-se como uso que tanto
os professores como os alunos fazem da tecnologia para apoio aos seus próprios trabalhos.
Neste caso a tecnologia é utilizada como mais uma ferramenta entre outros (lápis, papel,
computador, borracha, impressora, etc.). O uso da tecnologia como meio existe duas
vertentes: o aprender da tecnologia e o aprender com a tecnologia. Aprender da tecnologia
implica como pressuposto que a tecnologia detenta o conhecimento, e que o aprendiz precisa
utilizar a mesma como fonte do conhecimento. Percebe-se que nesta visão, o conhecimento é
visto como algo que pode ser transmitido, externo ao sujeito e acabado, e que o conhecimento
pode ser embutido dentro da tecnologia e transmitido ao aluno (JONASSEN, 1999).
Figura 1: O uso da tecnologia na educação.
O aprender com a tecnologia, parte do pressuposto que o aluno é um sujeito ativo, e que passa
que exista aprendizagem é necessário o pensar e a reflexão do aluno sobre o próprio processo.
18
Figura 2: Aprender com a tecnologia e suas implicações.
A aprendizagem como tecnologia, se embasa nas teorias construtivistas, nas quais o
conhecimento é construído pelo sujeito e não transmitido. A construção parte de um processo
ativo, engajado em atividades cognitivas que estão inseridas num contexto complexo.
Sembe (apud JONSSEN, 1999, p. 4) afirma, que o conhecimento construído “consiste não
somente de ideias (conteúdo),mas também de conhecimento acerca do contexto no qual foi
adquirido”. Ainda acrescenta que: “leis abstratas e regras (como as fórmulas matemáticas)
divorciadas de qualquer contexto ou uso, têm pouco significado para os aprendentes”. E essa
informação relacionada com o contexto, no qual as experiências ou atividades foram
desenvolvidas, é parte do próprio conhecimento construído pelo aluno para a compreensão do
fenómeno.
2.3. Os benefícios e os problemas encontrados pela tecnologia na educação
O crescimento tecnológico trouxe junto com ele novos artifícios e métodos tecnológicos
utilizados para o desenvolvimento e aprimoramento dos métodos educacionais utilizados hoje
em dia. A utilização da internet, tablets e jogos para facilitar a assimilação dos alunos sobre
determinado tipo de assunto ou a criação de sistemas computacionais para a análise do
desenvolvimento de uma sala de aula em relação a seu nível de aprendizagem, são alguns
exemplos do uso dessas novas tecnologias na educação.
O modelo educacional atual foi construído devido ao desenvolvimento de modelos anteriores.
Esse desenvolvimento passou pelo modelo clássico Greco-romano que utilizava a disciplina
para a construção de um cidadão ideal, predeterminado, e pregava o amor à sabedoria, pela
era do iluminismo onde se iniciou um modelo antropológico-social e onde existiria uma
propagação da educação entre todas as camadas sociais, chegando ao modelo atual, onde a
educação propicia a construção de uma pessoa apta a ajudar na evolução da sociedade.
19
2.3.1. Problemas para implementação
Estas tecnologias tentam ajudar a metodologia atual, mas ainda encontram problemas em sua
fundamentação. Alguns exemplos dessas dificuldades são:
 Problema na disponibilidade de conteúdo: Muitas editoras ainda não possuem a
disponibilização de seus livros para Tablets devido a problemas com direitos autorais,
onde escritores ou até mesmo editoras não aceitam divulgar suas publicações de forma
gratuita. Devido isso sistemas como o citado anteriormente, onde seria criado um acervo
bibliotecário virtual mundial encontra problemas para torna-se completa a sua realização,
existe poucos livros ou matérias acadêmicos angolanos.
 Preparo dos professores: A maioria dos professores, não possuem ainda preparo para
utilização das tecnologias digitais, não conseguindo por enquanto explorar de uma
maneira eficiente o uso de dispositivos tecnológicos como os tablets, ou de novas
metodologias de ensino, como a Educação a Distância, por exemplo.
 Incerteza: Ainda não existem argumentos, nem provas necessárias que provem que essas
novas metodologias aplicadas por essas tecnologias sejam realmente eficientes e esse se
torna o maior problema enfrentado, a desconfiança de introduzir algo novo em um
modelo tradicional e que teoricamente sempre deu certo, faz com que o uso da tecnologia
de maneira mais efetiva na educação seja introduzido com cautela e devagar.
20
Capitulo 3: Questionário e Entrevista
3.1. Questionário
A abordagem do tema foi direcionada a alunos da faixa etária dos 16 aos 37 anos de
idade de ambos os sexos, e professores.
1- Os aparelhos eletrônicos em sala de aula são um convite à distração?
a) Sim
b) Não
61%
39%
Professores e Estudantes do Ensino Médio
a) Sim b) Não
12%
88%
Professores e Estudantes Universitarios
a) Sim b) Não
21
2. Quais recursos tecnológicos que mais utilizas?
a) Computador e Internet
b) Livros Didáticos
c) Telefone e Table
57%
13%
30%
Estudantes do Ensino Unversitario /
Ensino Médio
a) Computador e Internet b) Livros Didáticos c) Telefone e Tables
53%37%
10%
Professores do Ensino Universitario /
Ensino Médio
a) Computador e Internet b) Livros Didáticos c) Telefone Table
22
3.2. Dados colhidos de diversos internautas nas redes sócias
Grelham de Entrevista
Perguntas Dados Pessoas Respostas
Como a tecnologia tem te
ajudado no processo de
aprendizagem?
Sexo: Masculino
Idade: 22 Anos
Estudante Universitário
As novas tecnologias ajudam-
me muito, tenho acesso a
diversas informações a qualquer
hora e em qualquer lugar ajuda
o meu intelecto estudantil.
Quais métodos tecnológicos
podem ser adoptados nas
instituições de ensino nacional
afim de facilitar o processo de
aprendizagem?
Sexo: Masculino
Idade: 30 Anos
Estudante Universitário
A tecnologia trouxe um grande
avanço no que concerne a
facilitação de compreensão,
métodos, equipamentos, que
tornaram mais rápido e eficaz
no intercambio de material
didático quando investigamos
ou apresentamos uma
determinada temática por base
de equipamentos tecnológicos .
Como a tecnologia tem te
ajudado no processo de
aprendizagem? Quais métodos
tecnológicos podem ser
adoptados nas instituições de
ensino nacional afim de facilitar
o processo de aprendizagem?
Sexo: Feminino
Idade: 20 Anos
Estudante Universitário
A tecnologia ajuda muito no
processo de ensino e
aprendizagem. Os alunos
aprendem mais rápido com
meios audiovisuais, aumenta a
capacidade de raciocínio logico.
Se usarmos, por exemplo, um
projetor na sala de aulas ao
invés de estar a explicar sem
meios visuais ou auditivos é
mais fácil. Com a tecnologia os
alunos aprendem se divertindo,
“e aprender assim é a melhor
forma de aumentar o nível de
aprendizagem do aluno”.
Estudar não pode ser algo
enfadonho ou repetitivo, tem
que ser inovador, atrativo,
disponíveis para todas as classes
sociais e os matérias devem ser
acessíveis.
Como a tecnologia tem te
ajudado no processo de
aprendizagem?
Sexo: Masculino
Idade: 23 Anos
Estudante Universitário
Ajuda bastante, pois a
tecnologia veio para nos facilitar
na vida acadêmica, com ela
baixo diversos livros (apesar de
notar que tem poucos livros
angolanos), baixo apostilas
gratuitamente e ainda posso
interagir com diversas pessoas
num tema em debate sem sair de
casa, portanto ajuda muito reduz
as dificuldades em ter acesso há
diversos conteúdos.
23
Como a tecnologia tem te
ajudado no processo de
aprendizagem?
Sexo: Feminino
Idade: 22 Anos
Estudante Universitário
Ajuda muito no processo de
aprendizagem, tendo em conta
que estamos num mundo em
que dia-pôs-dia o processo de
evolução é dinâmico,
atualmente temos internet, Tv e
outros meios de informação e
pesquisa, estes meios trazem-
nos informações num piscar de
olho. Nos anos anteriores
tínhamos que ir a bibliotecas
recorrer a livros antigos e isso
fazia-nos perder muito tempo.
Como a tecnologia tem te
ajudado no processo de
aprendizagem?
Sexo: Masculino
Idade: 22 Anos
Estudante Universitário
Atualmente para mim adquirir
conhecimento utilizo
maioritariamente meios
tecnológicos como:
Computadores, telefones com
auxilio da internet.
Como a tecnologia tem te
ajudado no processo de
aprendizagem?
Sexo: Masculino
Idade: 21 Anos
Estudante Universitário
Facilita no meu processo de
obtenção de conhecimento
tornando mais fácil e ágil na
resolução de problemas
escolares. Despertar a
curiosidade estimulando novas
experiências através da cultura
digital, construindo novas
competências e contribuindo
para o desenvolvimento de
crianças e adolescentes.
24
Como a tecnologia tem te
ajudado no processo de
aprendizagem? Quais métodos
tecnológicos podem ser
adoptados nas instituições de
ensino nacional afim de facilitar
o processo de aprendizagem?
Sexo: Masculino
Idade: 19 Anos
Pré-Universitário
Eu não sou alguém que gosta de
frequentar bibliotecas, então
quando quero ter acesso a
qualquer informação utilizo a
internet, tenho mais acesso a
informações nacionais e
internacionais. Devíamos ter
mais aulas praticas conforme a
tecnologia vai evoluído acho
que o nosso ensino também
devia acompanhar esta
evolução. Por exemplo, notasse
a falta de laboratórios nas
instituições a nível nacional
então devia se adoptar uma
maneira de termos essas aulas,
pelo menos devíamos usar
simuladores virtuais já existem
diversos softwares que fazem
isto.
Como a tecnologia tem te
ajudado no processo de
aprendizagem? Quais métodos
tecnológicos podem ser
adoptados nas instituições de
ensino nacional afim de facilitar
o processo de aprendizagem?
Sexo: Masculino
Idade: 23 Anos
Estudante Universitário
O telefone e o computador nos
ajudam muito, até porque nós
na temos o habito de comprar
livros, a maioria dos livros que
utilizamos extraímos da
internet, as vídeo aulas
permitem-nos compreender
melhor muitas matérias, a
principal fonte é a internet,
enquanto estudante se fosse
para mim fazer uma analise dos
últimos anos a educação e a
tecnologia no nosso país têm
estado mais próximas mas
também tem muitas
desvantagens por exemplo: Se
eu tiver um dispositivo onde
armazeno todos meios matérias
acadêmicos, se por algum
motivo este dispositivos
estragar eu perco toda
informação, também não
estamos a contribuir para
literatura.
25
Capitulo 4
Análise dos Dados
Analisando os resultados foi observado que alguns estudantes do ensino médio ainda Utilizam
mal os aparelhos eletrônicos. Também podemos constatar que um número excessivo de
estudantes universitários usam os meios tecnológicos de forma a obterem melhores resultados
acadêmicos, notamos ainda que as instituições nacionais na sua maioria não utilizam os meios
tecnológicos atuais (4ª geração), foi possível constatar que os estudantes e professores
nacionais têm conhecimento sobre as novas tecnologias e sabem a grande importância que as
mesmas têm no processo de ensino e aprendizagem.
26
Capitulo 5
CRONOGRAMA
ACTIVIDADES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL
Elaboração do
projeto
X
Levantamento
bibliográfico
X X
Questionário X X
Entrevista X X
Analise dos
dados e
informações
X X
Revisão e
redação final
X X
Encadernação X
Entrega da
monografia
X
Preparação para
a defesa
X X X
27
Capitulo 6
ORÇAMENTO
Designação Quantidade Valor Akz
Computador 2 98.000,00
Resma 1 1500,00
Encadernar 3 700,00
Imprimir 140 50,00
Telefone 2 89.000,00
Lápis 2 50,00
Borracha 1 50,00
Saldo de voz/dados 8 1800,00
TOTAL: 159 399.150,00
28
Referencial Teórico
Reis, J: O Conceito de Tecnologia e Tecnologia Educacional Para Alunos do Ensino Médio e
Superior. 1/01/2017.
Barbosa, E: Instrumento de Coleta de Dados em Pesquisas Educacionais. 1/01/2017.
Balb, J: Metodologia Científica Hipóteses e Variáveis. 6/01/2017.
Silva, O: A Mídia Digital e a Importância Para O Desenvolvimento Do Processo Ensino‐
Aprendizagem: Desafios Para A Escola. 6/01/2017.
Ramos, M: O Uso de Tecnologias Em Sala De Aula. 7/01/2017.
Amorim, R: Importância Dos Recursos Tecnológicos Na Educação. 8/01/2017
Sembe, D: O uso do computador na educação. 12/02/2017.
https://balgidoquiage.wordpress.com/2014/09/17/educacao-em-angola-antes-durante-e-
depois-da-independencia/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Educação
https://pt.wikipedia.org/wiki/Educação_em_Angola
https://www.significados.com.br/educacao/
https://www.trabalhosfeitos.com/assine/?redirectUrl=%2Fensaios%2FRecursos-
Tecnol%25C3%25B3gicos-Na
Educa%25C3%25A7%25C3%25A3o%2F51089.html&from=essay&from=essay

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Migrações: Causas e Consequências
Migrações: Causas e ConsequênciasMigrações: Causas e Consequências
Migrações: Causas e Consequências
lidia76
 
Trabalho de Geografia - BRICS
Trabalho de Geografia - BRICSTrabalho de Geografia - BRICS
Trabalho de Geografia - BRICS
Matheus Gonçalves
 
Globalização cultural
Globalização culturalGlobalização cultural
Globalização cultural
Jessie1r98
 
Ciência, Tecnologia e Sociedade - CTS
Ciência, Tecnologia e Sociedade - CTSCiência, Tecnologia e Sociedade - CTS
Ciência, Tecnologia e Sociedade - CTS
Vitor Vieira Vasconcelos
 
A importância da tecnologia para educação
A importância da tecnologia para educaçãoA importância da tecnologia para educação
A importância da tecnologia para educação
Fernanda Damasio
 
Tecnologia aplicada a educaçao
Tecnologia aplicada a educaçaoTecnologia aplicada a educaçao
Tecnologia aplicada a educaçao
Claudinéia da Silva
 
Vantagens e desvantagens da globalização
Vantagens e desvantagens da globalizaçãoVantagens e desvantagens da globalização
Vantagens e desvantagens da globalização
Zé Stinson
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
cattonia
 
Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...
Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...
Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...
Antônio Diomário de Queiroz
 
Apresentação em slides curso
Apresentação em slides cursoApresentação em slides curso
Apresentação em slides curso
Iranete Souza
 
Vantagens e desvantagens_dos_telemoveis
Vantagens e desvantagens_dos_telemoveisVantagens e desvantagens_dos_telemoveis
Vantagens e desvantagens_dos_telemoveis
António Revez
 
As Tics no mercado de trabalho
As Tics no mercado de trabalhoAs Tics no mercado de trabalho
As Tics no mercado de trabalho
novageracao
 
Unesco
UnescoUnesco
Unesco
Jarimbaa
 
A utilização da tecnologia no nosso cotidiano
A utilização da tecnologia no nosso cotidianoA utilização da tecnologia no nosso cotidiano
A utilização da tecnologia no nosso cotidiano
Francielle Leite
 
BRICS
BRICSBRICS
Tics na Educação
Tics na EducaçãoTics na Educação
Tics na Educação
Vanessa Nogueira
 
Homofobia
HomofobiaHomofobia
4º bim 3º ano geog tópico 35 sociedade da informação
4º bim 3º ano geog tópico 35  sociedade da informação4º bim 3º ano geog tópico 35  sociedade da informação
4º bim 3º ano geog tópico 35 sociedade da informação
Atividades Diversas Cláudia
 
Comércio internacional
Comércio internacionalComércio internacional
Comércio internacional
Rosária Zamith
 
ONU - Organização das Nações Unidas
ONU - Organização das Nações UnidasONU - Organização das Nações Unidas
ONU - Organização das Nações Unidas
André Luiz Marques
 

Mais procurados (20)

Migrações: Causas e Consequências
Migrações: Causas e ConsequênciasMigrações: Causas e Consequências
Migrações: Causas e Consequências
 
Trabalho de Geografia - BRICS
Trabalho de Geografia - BRICSTrabalho de Geografia - BRICS
Trabalho de Geografia - BRICS
 
Globalização cultural
Globalização culturalGlobalização cultural
Globalização cultural
 
Ciência, Tecnologia e Sociedade - CTS
Ciência, Tecnologia e Sociedade - CTSCiência, Tecnologia e Sociedade - CTS
Ciência, Tecnologia e Sociedade - CTS
 
A importância da tecnologia para educação
A importância da tecnologia para educaçãoA importância da tecnologia para educação
A importância da tecnologia para educação
 
Tecnologia aplicada a educaçao
Tecnologia aplicada a educaçaoTecnologia aplicada a educaçao
Tecnologia aplicada a educaçao
 
Vantagens e desvantagens da globalização
Vantagens e desvantagens da globalizaçãoVantagens e desvantagens da globalização
Vantagens e desvantagens da globalização
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...
Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...
Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...
 
Apresentação em slides curso
Apresentação em slides cursoApresentação em slides curso
Apresentação em slides curso
 
Vantagens e desvantagens_dos_telemoveis
Vantagens e desvantagens_dos_telemoveisVantagens e desvantagens_dos_telemoveis
Vantagens e desvantagens_dos_telemoveis
 
As Tics no mercado de trabalho
As Tics no mercado de trabalhoAs Tics no mercado de trabalho
As Tics no mercado de trabalho
 
Unesco
UnescoUnesco
Unesco
 
A utilização da tecnologia no nosso cotidiano
A utilização da tecnologia no nosso cotidianoA utilização da tecnologia no nosso cotidiano
A utilização da tecnologia no nosso cotidiano
 
BRICS
BRICSBRICS
BRICS
 
Tics na Educação
Tics na EducaçãoTics na Educação
Tics na Educação
 
Homofobia
HomofobiaHomofobia
Homofobia
 
4º bim 3º ano geog tópico 35 sociedade da informação
4º bim 3º ano geog tópico 35  sociedade da informação4º bim 3º ano geog tópico 35  sociedade da informação
4º bim 3º ano geog tópico 35 sociedade da informação
 
Comércio internacional
Comércio internacionalComércio internacional
Comércio internacional
 
ONU - Organização das Nações Unidas
ONU - Organização das Nações UnidasONU - Organização das Nações Unidas
ONU - Organização das Nações Unidas
 

Semelhante a A tecnologia e a Educação em Angola

Jussara gonçalves
Jussara gonçalvesJussara gonçalves
Jussara gonçalves
equipetics
 
ESTAGIO SUPERVISIONADO IV
ESTAGIO SUPERVISIONADO IVESTAGIO SUPERVISIONADO IV
ESTAGIO SUPERVISIONADO IV
Gleidson Mendes
 
Elizabeth virtual
Elizabeth virtual Elizabeth virtual
Elizabeth virtual
ElizabethFernanda5
 
Educação, jovens e media 5
Educação, jovens e media 5Educação, jovens e media 5
Educação, jovens e media 5
dardevaia2
 
Santina todendi
Santina todendiSantina todendi
Santina todendi
equipetics
 
Tendencia Pedagogica Neocognitivista
Tendencia Pedagogica NeocognitivistaTendencia Pedagogica Neocognitivista
Tendencia Pedagogica Neocognitivista
Sandra Azevedo
 
Atividade2 iagomartins
Atividade2 iagomartinsAtividade2 iagomartins
Atividade2 iagomartins
IagoMartins20
 
Texto exemplo
Texto exemploTexto exemplo
Texto exemplo
231511
 
Análise dos Dados E.E.M. Macário Borba
Análise dos Dados E.E.M. Macário BorbaAnálise dos Dados E.E.M. Macário Borba
Análise dos Dados E.E.M. Macário Borba
jana_ramos
 
Jocsan Pires Silva
Jocsan Pires SilvaJocsan Pires Silva
Jocsan Pires Silva
jocsan Pires silva
 
As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...
As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...
As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...
Mauricio Maulaz
 
Apresentação
Apresentação Apresentação
Apresentação
Sandra Azevedo
 
Gestão Estratégica na Adoção de Tecnologias Educacionais
Gestão Estratégica na Adoção de Tecnologias EducacionaisGestão Estratégica na Adoção de Tecnologias Educacionais
Gestão Estratégica na Adoção de Tecnologias Educacionais
Leonardo Pimenta
 
Apresentação Monografia UEMA.pptx
Apresentação Monografia UEMA.pptxApresentação Monografia UEMA.pptx
Apresentação Monografia UEMA.pptx
JooLinhares9
 
Novos metodos para uma nova educacao
Novos metodos para uma nova educacaoNovos metodos para uma nova educacao
Novos metodos para uma nova educacao
THIAGO MACIEL
 
Apresentaçõa power point
Apresentaçõa power pointApresentaçõa power point
Apresentaçõa power point
Thais Emanuela
 
Novos métodos para uma nova educação
Novos métodos para uma nova educaçãoNovos métodos para uma nova educação
Novos métodos para uma nova educação
horarioaesa
 
Novos métodos para uma nova educação
Novos métodos para uma nova educaçãoNovos métodos para uma nova educação
Novos métodos para uma nova educação
THIAGO MACIEL
 
Texto preliminar eliana, alexsandra, humberto
Texto preliminar   eliana, alexsandra, humbertoTexto preliminar   eliana, alexsandra, humberto
Texto preliminar eliana, alexsandra, humberto
elianabraungorl
 
Tatiane de camargo rohrs
Tatiane de camargo rohrsTatiane de camargo rohrs
Tatiane de camargo rohrs
equipetics
 

Semelhante a A tecnologia e a Educação em Angola (20)

Jussara gonçalves
Jussara gonçalvesJussara gonçalves
Jussara gonçalves
 
ESTAGIO SUPERVISIONADO IV
ESTAGIO SUPERVISIONADO IVESTAGIO SUPERVISIONADO IV
ESTAGIO SUPERVISIONADO IV
 
Elizabeth virtual
Elizabeth virtual Elizabeth virtual
Elizabeth virtual
 
Educação, jovens e media 5
Educação, jovens e media 5Educação, jovens e media 5
Educação, jovens e media 5
 
Santina todendi
Santina todendiSantina todendi
Santina todendi
 
Tendencia Pedagogica Neocognitivista
Tendencia Pedagogica NeocognitivistaTendencia Pedagogica Neocognitivista
Tendencia Pedagogica Neocognitivista
 
Atividade2 iagomartins
Atividade2 iagomartinsAtividade2 iagomartins
Atividade2 iagomartins
 
Texto exemplo
Texto exemploTexto exemplo
Texto exemplo
 
Análise dos Dados E.E.M. Macário Borba
Análise dos Dados E.E.M. Macário BorbaAnálise dos Dados E.E.M. Macário Borba
Análise dos Dados E.E.M. Macário Borba
 
Jocsan Pires Silva
Jocsan Pires SilvaJocsan Pires Silva
Jocsan Pires Silva
 
As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...
As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...
As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...
 
Apresentação
Apresentação Apresentação
Apresentação
 
Gestão Estratégica na Adoção de Tecnologias Educacionais
Gestão Estratégica na Adoção de Tecnologias EducacionaisGestão Estratégica na Adoção de Tecnologias Educacionais
Gestão Estratégica na Adoção de Tecnologias Educacionais
 
Apresentação Monografia UEMA.pptx
Apresentação Monografia UEMA.pptxApresentação Monografia UEMA.pptx
Apresentação Monografia UEMA.pptx
 
Novos metodos para uma nova educacao
Novos metodos para uma nova educacaoNovos metodos para uma nova educacao
Novos metodos para uma nova educacao
 
Apresentaçõa power point
Apresentaçõa power pointApresentaçõa power point
Apresentaçõa power point
 
Novos métodos para uma nova educação
Novos métodos para uma nova educaçãoNovos métodos para uma nova educação
Novos métodos para uma nova educação
 
Novos métodos para uma nova educação
Novos métodos para uma nova educaçãoNovos métodos para uma nova educação
Novos métodos para uma nova educação
 
Texto preliminar eliana, alexsandra, humberto
Texto preliminar   eliana, alexsandra, humbertoTexto preliminar   eliana, alexsandra, humberto
Texto preliminar eliana, alexsandra, humberto
 
Tatiane de camargo rohrs
Tatiane de camargo rohrsTatiane de camargo rohrs
Tatiane de camargo rohrs
 

Último

FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 

Último (20)

FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 

A tecnologia e a Educação em Angola

  • 1. INSTITUTO SUPERIOR METROPOLITANO DE ANGOLA AUTORES: BENJAMIM EDMILSON JOÃO PAULO JOSÉ SEBASTIÃO VICTOR DOS SANTOS COMO A TECNOLOGIA TEM CONTRIBUIDO PARA EDUCAÇÃO EM ANGOLA Luanda JUNHO DE 2017
  • 2. 2 AUTORES: BENJAMIM EDMILSON JOÃO PAULO JOSÉ SEBASTIÃO VICTOR DOS SANTOS COMO A TECNOLOGIA TEM CONTRIBUIDO PARA EDUCAÇÃO EM ANGOLA Luanda JUNHO DE 2017
  • 3. 3 Resumo O presente trabalho visa apresentar e analisar alguns recursos tecnológicos afim de auxiliar os professores e os estudantes na tarefa de melhorar o seu desempenho profissional e contribuir para o processo de ensino e aprendizagem em Angola. A pesquisa foi feita com ajuda de diversos professores e estudantes angolanos. Onde quatorze (14) eram estudantes do ensino médio, dez (10) eram estudantes universitários, quatro(4) professores do ensino médio, seis(6) professores universitários de forma a obtermos informações a cerca do tema.
  • 4. 4 Problemática A problemática que se apresenta se refere ao seguinte questionamento: a- Como a tecnologia pode ser usada há favor da educação no nosso país?
  • 5. 5 Objetivos Objetivo Geral Este trabalho tem como objetivo desenvolver um diagnóstico sobre a forma como os professores e estudantes utilizam os recursos tecnológicos no processo de ensino e aprendizagem em Angola. Objetivos Específicos -Levar os Professores e os estudantes a refletirem sobre o uso ético e positivo das tecnologias. -Identificar as vantagens e desvantagens do uso das tecnologias no ambiente educacional. -Identificar de que forma vem sendo abordada a educação e a tecnologia na sala de aula, dentro da organização curricular do processo de ensino e aprendizagem em Angola.
  • 6. 6 Hipótese a) Se os pais e professores ensinarem como e quando devem ser usados os recursos tecnológicos, além de controlar os momentos em que eles serão empregados em sala, podem direcionar a capacidade dos estudantes de usar os aparelhos eletrônicos em seu próprio benefício, estimulando a leitura em sala de aula com ajuda da tecnologia. O desinteresse pela leitura é um problema recorrente nas escolas hoje em dia, principalmente entre os jovens. Uma boa maneira de incentivar os alunos a ler mais é investir em projetos de leitura. Nesse sentido, a escola pode promover a arrecadação de livros em gincanas, fazer olimpíadas de leitura com premiações para os melhores desempenhos, além de propor que os estudantes escrevam suas próprias narrativas e poesias — a produção textual também é uma excelente estratégia para incentivar o gosto pela leitura. Poder ler em tablets, smartphones e até em computadores, além de ser bastante prático, é uma excelente maneira de motivar os jovens que não se desgrudam das telinhas a descobrir o mundo da leitura. Alguns aplicativos contam com opção de consulta a dicionários dentro dos próprios livros digitais, e há também bibliotecas que fazem empréstimos de e-books. A internet, sem sombra de dúvida, contém um número assustador de informações incorretas, textos mal escritos, reportagens tendenciosas e outras mídias que podem acabar prejudicando os alunos com senso crítico em desenvolvimento. Entretanto, é inegável que, em meio a tudo isso, há também uma infinidade de fontes interessantíssimas, que podem contribuir para enriquecer as pesquisas dos estudantes e apresentar-lhes pontos de vista únicos e completos. Antes de condenar as pesquisas on-line, portanto, é muito produtivo que o professor procure conhecer os sites mais confiáveis para repassá-los aos alunos, ajudando-os a reconhecer, sozinhos, os sinais de que um texto é relevante e verídico. Por isso é importante que a escola esteja de acordo com a sua implantação. Antes mesmo de propor ao aluno a utilização desse material, a direção pode atuar junto com o professor na escolha do melhor material, desde os livros didáticos até os aplicativos que auxiliarão no aprendizado. São diversas opções: aplicativos de jornais, mapas, calculadoras especiais, experimentos de física e química, entre outros. Algumas editoras lançam plataformas especiais para os tablets, por exemplo, estimulando a utilização desses aparelhos com intuito didático. Há também a possibilidade de uma equipe - geralmente ligada à tecnologia da informação - fazer a manutenção dos equipamentos utilizados (nos casos em que a própria escola armazena esses aparelhos), de maneira a instalar os aplicativos ou softwares que serão necessários em determinado dia, evitando que os alunos se dispersem entre as várias opções que o acesso à internet pode trazer.
  • 7. 7 Justificativa A razão de se pesquisar como a tecnologia tem contribuído para educação em Angola consistiu, em elevar cada vez mais o conhecimento dos estudantes a nível nacional e fazer com que a tecnologia e a educação andassem de mãos dadas. Tendo em conta o grande impacto que a tecnologia tem na sociedade atual, com o avanço da globalização a utilização de recursos tecnológicos tem se mostrado cada vez mais presente no dia a dia dos cidadãos nacionais, cabe a nós enquanto estudantes achar a melhor maneira de nos beneficiarmos de tais tecnologias.
  • 8. 8 Metodologia Pretende-se realizar o trabalho utilizando-se os materiais e métodos descritos a seguir:  A metodologia para elucidar o problema apresentado será pautada em pesquisas electrónicas, livros e publicações que relatem papel da Informática na educação.  Foi realizado um levantamento bibliográfico, na internet e em bibliotecas, de artigos científicos clássicos e atuais relacionados ao tema. Este levantamento continuará ao longo de todo o desenvolvimento do trabalho.  A pesquisa foi desenvolvida em uma instituição de ensino nacional, Universidade Metropolitana de Angola. Os sujeitos da coleta de dados foram professores e estudantes.  A pesquisa de campo deu-se em dois momentos, primeiramente ocorreu à observação participante na instituição de ensino nacional, logo em seguida a aplicação das pesquisas semiestruturadas, onde os sujeitos da pesquisa foram professores e estudantes.  Durante seis meses estivemos observando diversas instituições, buscando sempre observar e tentar entender como se dá essa relação das tecnologias nas práticas pedagógicas. Durante o tempo inteiro foram realizados registros para que fosse possível elaborar o questionário semiestruturados para propor a essas questões aos sujeitos.  A rede social é uma estrutura social composta por pessoas ou organizações, conectadas por um ou vários tipos de relações, que compartilham valores e objetivos comuns. Usamos as mesmas para interagir com professores e estudantes de diversos pontos do nosso país, de modo a nos ajudarem a perceber como as tecnologias têm ajudado no processo de ensino e aprendizagem no nosso país. Foram feitos questionários e entrevistas em diversos estudantes e professores nacionais, os mesmos nos ajudaram a compreender as vantagens e desvantagens das tecnologias no ensino nacional.
  • 9. 9 CAPITULO 1: Referencial Teórico. 1.1.Alguns conceitos sobre tecnologia e Educação 1.1.1. Tecnologia Tecnologia é um produto da ciência e da engenharia que envolve um conjunto de instrumentos, métodos e técnicas que visam à resolução de problemas. É uma aplicação prática do conhecimento científico em diversas áreas de pesquisa. A palavra tecnologia tem origem no grego "tekhne" que significa "técnica, arte, ofício" juntamente com o sufixo "logia" que significa "estudo". As tecnologias primitivas ou clássicas envolvem a descoberta do fogo, a invenção da roda, a escrita, dentre outras. As tecnologias medievais englobam invenções como a prensa móvel, tecnologias militares com a criação de armas ou as tecnologias das grandes navegações que permitiram a expansão marítima. As invenções tecnológicas da Revolução Industrial (século XVIII) provocaram profundas transformações no processo produtivo. A partir do século XX, destacam-se as tecnologias de informação e comunicação através da evolução das telecomunicações, utilização dos computadores, desenvolvimento da internet e ainda, as tecnologias avançadas, que englobam a utilização de Energia Nuclear, Nanotecnologia, Biotecnologia, etc. Atualmente, a alta tecnologia, ou seja, a tecnologia mais avançada é conhecida como tecnologia de ponta. As novas tecnologias são fruto do desenvolvimento tecnológico alcançado pelo ser humano e têm um papel fundamental no âmbito da inovação. Os avanços da tecnologia provocam grande impacto na sociedade. Pelo lado positivo, a tecnologia resulta em inovações que proporcionam melhor nível de vida ao Homem. Como fatores negativos, surgem questões sociais preocupantes como o desemprego, devido a substituição do Homem pela máquina ou a poluição ambiental que exige um contínuo e rigoroso controle.
  • 10. 10 1.2. Educação Educação é o ato de educar, de instruir, é polidez, disciplinamento. No seu sentido mais amplo, educação significa o meio em que os hábitos, costumes e valores de uma comunidade são transferidos de uma geração para a geração seguinte. A educação vai se formando através de situações presenciadas e experiências vividas por cada indivíduo ao longo da sua vida. O conceito de educação engloba o nível de cortesia, delicadeza e civilidade demonstrada por um indivíduo e a sua capacidade de socialização. De acordo com o filósofo teórico da área da pedagogia René Hubert, a educação é um conjunto de ações e influências exercidas voluntariamente por um ser humano em outro, normalmente de um adulto em um jovem. Essas ações pretendem alcançar um determinado propósito no indivíduo para que ele possa desempenhar alguma função nos contextos sociais, econômicos, culturais e políticos de uma sociedade. No sentido técnico, a educação é o processo contínuo de desenvolvimento das faculdades físicas, intelectuais e morais do ser humano, a fim de melhor se integrar na sociedade ou no seu próprio grupo. Educação (do latim educations) no sentido formal é todo o processo contínuo de formação e ensino aprendizagem que faz parte do currículo dos estabelecimentos oficializados de ensino, sejam eles públicos ou privados. No processo educativo em estabelecimentos de ensino, os conhecimentos e habilidades são transferidos para as crianças, jovens e adultos sempre com o objetivo desenvolver o raciocínio dos alunos, ensinar a pensar sobre diferentes problemas, auxiliar no crescimento intelectual e na formação de cidadãos capazes de gerar transformações positivas na sociedade. A educação não se limita apenas a normais morais e intelectuais, mas também pode estar relacionada com o aspecto físico, como é o caso da educação física.
  • 11. 11 Capitulo 2 2.1. Tecnologia Educacional O termo tecnologia educacional remete ao emprego de recursos tecnológicos como ferramenta para aprimorar o ensino. É usar a tecnologia a favor da educação, promovendo mais desenvolvimento socioeducativo e melhor acesso à informação. A Tecnologia Educacional ainda é uma novidade, no nosso país, são poucas as instituições de ensino que adoptam recursos tecnológicos para o desenvolvimento pedagógico. Existem diversas Tecnologias que auxiliam na disseminação dos conteúdos educacionais, mas como em toda aplicação pedagógica, o acompanhamento profissional é indispensável, entende-se que a tecnologia facilita à maneira de educar, mas não extingue o educador. A tecnologia educacional é uma área de estudo que se preocupa com o design de oportunidades de ensino e aprendizagem. É comum associar a área de tecnologia educacional estritamente ao uso de dispositivos mídias na educação, como o livro, o filme ou o computador. As mudanças provocadas pelo uso das tecnologias educacionais geram a necessidade de competências que até então não eram necessárias, mas que neste novo contexto deverão ser desenvolvidas pelos indivíduos. Neste contexto, a tecnologia educacional é o meio e não o fim do processo educativo e como tal deve ser inserida nas atividades de sala de aula como companheira e não apenas como uma forma de automatizar processos antes realizados, pois assim assumimos a produção de novos conhecimentos e não somente a reprodução. 2.1.1. A perspectiva pedagógica O educador tem papel primordial na avaliação e seleção de mídias e ferramentas para uso no ensino, independente da perspectiva pedagógica na qual se baseia. Para alguns, a tecnologia educacional pode ser pensada para facilitar a "assimilação" do conhecimento; para outros como um mediador na construção de estruturas mentais; ainda para outros como uma "ferramenta cognitiva" que funciona como um mediador do processo de aprendizagem. Na mídia popular, o dispositivo é muitas vezes apenas pensado como um "motivador" ou estimulador da curiosidade do aluno por querer conhecer, por pesquisar, por buscar a informação mais relevante.
  • 12. 12 2.2. Recursos Tecnológicos Recursos tecnológicos são todas as tecnologias que temos a nossa disposição, desde as mais simples até a mais complexa. No nosso dia-a-dia nos deparamos com inúmeras tecnologias, sendo essas: um caderno, um lápis, um celular, uma câmera, uma televisão, ou um computador, todos estes produtos para serem criados usaram altas tecnologias, que nos proporcionam estar em contato com as demais pessoas, é o caso do computador e o telefone, com eles nos comunicamos com pessoas que estão distantes e até mesmo do outro lado do mundo. As tecnologias foram criadas para facilitar a nossa vida e como tal ela tem várias utilidades depende do propósito do usuário. Podemos usa-la para salvar vidas, através das pesquisas em laboratórios ou também podemos expor nossas ideias em relação a algo para que as demais pessoas vejam e confrontem conosco. Novak (p.2) citado por Flanelógrafo (1999, p. 913) Para definir melhor cada um dos recursos tecnológicos, propusemos a divisão dos mesmos em quatro gerações, que são apresentadas no Quadro 1 . A divisão dos recursos tecnológicos nessas quatro gerações levou em conta três aspectos: a abrangência de cada um deles, seguida da sua evolução (tempo em que já vem sendo utilizado) e da sua interação entre o trabalho que o aluno e professor desenvolvem. Quadro 1 ‐ As quatro gerações de recursos tecnológicos utilizados no meio educacional. Aborda‐se nesse trabalho os recursos ditos de 4ª geração.
  • 13. 13 2.2.1. Computador A utilização do computador na educação pode acontecer de duas maneiras. Uma é fazer aquilo que o professor faz tradicionalmente, ou seja, passar a informação para o aluno. Outra é usá-lo como um instrumento que auxilia na construção do conhecimento e, portanto, ser um recurso com o qual o aluno possa criar, pensar e manipular a informação. Na primeira maneira encontramos uma concepção de aprendizagem behaviorista, em que a aplicação pedagógica do computador é usada como uma máquina de ensinar. Assim, o computador é quem ensina o aluno, e, portanto assume o papel de máquina de ensinar, ao invés de papel ou livro, é usado o computador. Porém se analisarmos a segunda maneira iremos encontrar uma concepção construtivista, em o conhecimento não é transmitido. Ele é construído progressivamente por meio de ações que se transformam (Sembe, p. 40). Sembe (p.41) citado por Oliveira e Fischer (1996, p. 156), afirma que o computador trabalha com representações virtuais de forma coerente e flexível, possibilitando, assim, a descoberta e a criação de novas relações. Basicamente as autoras consideram sete aspectos importantes no computador: 1. Dispõe suas informações de forma clara, objetiva e lógica, facilitando a autonomia do usuário, favorecendo a exploração espontânea. 2. Exige também que o usuário tenha consciência do que quer se organize e informe de modo ordenado o que quer fazer, digitando corretamente. 3. Dá um retorno extremamente rápido e objetivo do processo em construção, favorecendo a autocorreção, a inserção da “desordem” da ordem global. 4. Trabalha com uma disposição espacial das informações, que pode ser controlada continuamente pela criar através de seu campo perceptivo visual, apoiando raciocínio lógico. 5. Trabalha com imagens e textos de forma combinada, ativando os dois hemisférios celebrais. 6. Antes de recursos de multimídia, pode combinar imagens pictóricas ou gráficos, numa infinidade de cores e formas, com sons verbais ou musicais, com movimentos, criando uma verdadeira trama de combinações possíveis, integrando a percepção, em suas múltiplas formas, ao raciocínio e a imaginação, de forma fluente, pessoal e cheia de vida.
  • 14. 14 7. O computador também é apontado como um facilitador do desenvolvimento natural da expressão simbólica da criança no uso de caracteres gráficos, fator importante tanto na face de alfabetização, quanto no desenvolvimento posterior do processo da leitura e da escrita. Assim o computador pode ser um aliado no processo educativo dos alunos. Ele pode se tornar um catalisador de mudanças, contribuindo com uma nova forma de aprender. Por meio dele, cria-se a possibilidade do aluno aprender “brincando”, construindo seu próprio conhecimento, sem ser punido por seus erros. Além disso, o professor ao se utilizar de computador, pode transformar o ensino tradicional em aprendizagem contínua, facilitando o diálogo, a troca e a valorização das potencialidades e das habilidades de cada aluno, Sembe (apud OLIVEIRA E FISCHER 1996, p. 156). Professor. Mattei defende que muitos educadores estão preocupados a substituição do professor pela máquina. Isto não é real, pois antes da tecnologia vem a metodologia, a filosofia educacional que dá direção a escola, e o papel do professor é fundamental neste processo. Porém ele deixa de ser o centro de atenções e passa a assumir a função de mediador nas atividades desenvolvidas. O professor não deve mais ser como mero transmissor de conteúdos, mas sim, um orientador, um facilitador da aprendizagem. A escola que pretende fazer o aluno a pensar, estimular as suas capacidades, criar oportunidades de utilizar os seus talentos, respeitando os diversos modos de aprender, não precisa mais do professor que decide o que deve ser aprendido e ensinado. Precisa sim, do professor parceiro, aprendiz, que, junto com os seus alunos, pesquisa, debate e descobre o novo. A verdadeira função do professor não deve ser a de ensinar, mas sim a de criar condições de aprendizagem. (SEMBE, p.42). De acordo com Fonseca (2001, p.2): É preciso lembrar que os computadores são ferramentas como quaisquer outras. Uma ferramenta sozinha, não faz trabalho. É preciso um profissional, um mestre no ofício, que a manuseie, que a faça fazer o que ele acha que é preciso fazer. É preciso, antes da escolha da ferramenta, um desejo, uma intenção, uma opção. Havendo isto, até a mais humilde sucata pode transformar-se em poderosa ferramenta didática. Assim como o mais moderno dos computadores ligado a internet. Não havendo é este que vira sucata.
  • 15. 15 Aluno O papel do aluno é utilizar o computador como uma ferramenta que contribui para o seu desenvolvimento no momento atual e no futuro. O aluno deixa de ser passivo para tornar-se ativo no seu processo ensino aprendizagem. Ele passa a desenvolver competências e habilidades, como ter autonomia, pensar, criar, aprender e pesquisar. (SEMBE, p.43). Na visão de Fischer (2000, p.39): A criança tem o computador como um aliado no processo de construção de conhecimento porque quando digitam suas ideias, ou o que é lhes ditado, elas podem autocorrigirem-se continuamente, aprendendo a controlar suas impulsividades e vibrando em cada palavra digitada sem erro. Neste contexto, podemos perceber que o errar não é problema, que não acarreta a vergonha nem a punição, pelo contrário serve para refletir e para encontrar a direção lógica da solução. Como vimos, o computador é um recurso que as crianças gostam, entretanto, é necessário acompanhar o seu uso criticamente, para que se evitem os exageros e prejuízos à sua formação. O computador não pode substituir as brincadeiras como: a boneca, o carrinho, o futebol e outras brincadeiras essenciais para uma vida saudável. 2.2.3. Uso de softwares no processo de ensino. Sembe (p.29) citado por Santana (2008), a firma que os softwares educacionais são considerados ferramentas de grande valia no processo de ensino-aprendizagem. Os alunos interagem entre e com a máquina, facilita as trocas de experiências, estimula hipóteses de solução, surgem questionamentos e busca por outra forma de resoluções, desenvolvendo autonomia para resolver problemas posteriormente. O uso do computador no processo de ensino de aprendizagem é fundamentado por duas abordagens: Instrucionista – Nessa abordagem tenta reproduzir o ensino tradicional do computador, os conteúdos são transmitidos ao aluno, cabendo ao computador ensinar o aluno.
  • 16. 16 Construcionista – Nessa abordagem o aluno passa a interagir com o software, criando situações e tomando decisões. O aluno constrói o seu conhecimento a partir da elaboração de seus interesses e suas experimentações são realizados no computador. 2.2.4. O educador e a visão da informática. De acordo com Sembe (apud FERNANDES, 2004), confirma que para desenvolver o seu trabalho diário em sala de aula o professor dispunha, até pouco tempo atrás, de alguns recursos didáticos como o quadro-de-giz e outros meios audiovisuais. Ensinar com o auxílio da informática consiste em usar essa tecnologia como um recurso auxiliar no processo ensino- aprendizagem. O aluno deve ter a possibilidade de manipular o computador como um suporte para as suas descobertas. Na escola, o computador deve ser usado não como um substituto do professor, mas como mais um recurso auxiliar de que ele dispõe para facilitar o desenvolvimento do trabalho pedagógico interdisciplinar. O computador não deve ser encarado também como uma panaceia, isto é, como um remédio para todos os problemas da educação escolar, mas sim, como apenas mais uma alternativa que se apresenta e cuja contribuição para o processo pedagógico exige, da parte do educador, uma análise crítica, em função das concepções e dos objetivos da educação. Afirma ainda, que os softwares educacionais são elaborados para divertir enquanto ensinam. A ideia é a de fazer com que o sujeito aprenda o conceito, o conteúdo ou a habilidade embutida, através de uma brincadeira. A utilização do computador como recurso de auxílio na construção do conhecimento, dentro e fora da sala de aula, torna-se uma realidade. Basta observarmos que a Internet está hoje, possibilitando infinidades de informações, serviços e outras atividades para toda comunidade. Quando falo de educação dentro e fora da sala de aula, refiro-me ao fato de que, se na escola ele utiliza o computador para fins educacionais, ele também pode utilizá-lo em casa para os mesmos fins: realização de uma pesquisa, fazer uma leitura; enfim, ele poderá se divertir jogar, e sabe que aquela pesquisa que precisa fazer ou aquele tema que o professor deu, podem estar na Internet.
  • 17. 17 2.2.5. Usos da tecnologia na educação Segundo Passarino (2001), tradicionalmente as tecnologias têm sido utilizadas para ensinar os alunos, numa visão na qual o aluno aprende da tecnologia como fonte de conhecimento. Assim foi com a televisão educativa, e também com os computadores. Esses instrumentos eram vistos como um substituto do professor tradicional, detentor do conhecimento, e que repassava toda informação para um aluno receptor/passivo. Esta posição, relacionada com as máquinas de ensinar e as teorias condutistas de educação, não é o único papel da tecnologia na educação como mostra a figura 1, existem vários usos da tecnologia nesta área. O primeiro uso apresentado na figura é o uso da tecnologia como fim. O uso da tecnologia como fim refere-se ao aprender sobre a tecnologia. Este é o objetivo principal de cursos de nível médio (técnicos) e superior, de cursos profissionalizantes. A tecnologia é vista como um fim, e o aluno entra em contato com ela para entendê-la e dominar. Segundo o mesmo autor, o uso da tecnologia como ferramenta entende-se como uso que tanto os professores como os alunos fazem da tecnologia para apoio aos seus próprios trabalhos. Neste caso a tecnologia é utilizada como mais uma ferramenta entre outros (lápis, papel, computador, borracha, impressora, etc.). O uso da tecnologia como meio existe duas vertentes: o aprender da tecnologia e o aprender com a tecnologia. Aprender da tecnologia implica como pressuposto que a tecnologia detenta o conhecimento, e que o aprendiz precisa utilizar a mesma como fonte do conhecimento. Percebe-se que nesta visão, o conhecimento é visto como algo que pode ser transmitido, externo ao sujeito e acabado, e que o conhecimento pode ser embutido dentro da tecnologia e transmitido ao aluno (JONASSEN, 1999). Figura 1: O uso da tecnologia na educação. O aprender com a tecnologia, parte do pressuposto que o aluno é um sujeito ativo, e que passa que exista aprendizagem é necessário o pensar e a reflexão do aluno sobre o próprio processo.
  • 18. 18 Figura 2: Aprender com a tecnologia e suas implicações. A aprendizagem como tecnologia, se embasa nas teorias construtivistas, nas quais o conhecimento é construído pelo sujeito e não transmitido. A construção parte de um processo ativo, engajado em atividades cognitivas que estão inseridas num contexto complexo. Sembe (apud JONSSEN, 1999, p. 4) afirma, que o conhecimento construído “consiste não somente de ideias (conteúdo),mas também de conhecimento acerca do contexto no qual foi adquirido”. Ainda acrescenta que: “leis abstratas e regras (como as fórmulas matemáticas) divorciadas de qualquer contexto ou uso, têm pouco significado para os aprendentes”. E essa informação relacionada com o contexto, no qual as experiências ou atividades foram desenvolvidas, é parte do próprio conhecimento construído pelo aluno para a compreensão do fenómeno. 2.3. Os benefícios e os problemas encontrados pela tecnologia na educação O crescimento tecnológico trouxe junto com ele novos artifícios e métodos tecnológicos utilizados para o desenvolvimento e aprimoramento dos métodos educacionais utilizados hoje em dia. A utilização da internet, tablets e jogos para facilitar a assimilação dos alunos sobre determinado tipo de assunto ou a criação de sistemas computacionais para a análise do desenvolvimento de uma sala de aula em relação a seu nível de aprendizagem, são alguns exemplos do uso dessas novas tecnologias na educação. O modelo educacional atual foi construído devido ao desenvolvimento de modelos anteriores. Esse desenvolvimento passou pelo modelo clássico Greco-romano que utilizava a disciplina para a construção de um cidadão ideal, predeterminado, e pregava o amor à sabedoria, pela era do iluminismo onde se iniciou um modelo antropológico-social e onde existiria uma propagação da educação entre todas as camadas sociais, chegando ao modelo atual, onde a educação propicia a construção de uma pessoa apta a ajudar na evolução da sociedade.
  • 19. 19 2.3.1. Problemas para implementação Estas tecnologias tentam ajudar a metodologia atual, mas ainda encontram problemas em sua fundamentação. Alguns exemplos dessas dificuldades são:  Problema na disponibilidade de conteúdo: Muitas editoras ainda não possuem a disponibilização de seus livros para Tablets devido a problemas com direitos autorais, onde escritores ou até mesmo editoras não aceitam divulgar suas publicações de forma gratuita. Devido isso sistemas como o citado anteriormente, onde seria criado um acervo bibliotecário virtual mundial encontra problemas para torna-se completa a sua realização, existe poucos livros ou matérias acadêmicos angolanos.  Preparo dos professores: A maioria dos professores, não possuem ainda preparo para utilização das tecnologias digitais, não conseguindo por enquanto explorar de uma maneira eficiente o uso de dispositivos tecnológicos como os tablets, ou de novas metodologias de ensino, como a Educação a Distância, por exemplo.  Incerteza: Ainda não existem argumentos, nem provas necessárias que provem que essas novas metodologias aplicadas por essas tecnologias sejam realmente eficientes e esse se torna o maior problema enfrentado, a desconfiança de introduzir algo novo em um modelo tradicional e que teoricamente sempre deu certo, faz com que o uso da tecnologia de maneira mais efetiva na educação seja introduzido com cautela e devagar.
  • 20. 20 Capitulo 3: Questionário e Entrevista 3.1. Questionário A abordagem do tema foi direcionada a alunos da faixa etária dos 16 aos 37 anos de idade de ambos os sexos, e professores. 1- Os aparelhos eletrônicos em sala de aula são um convite à distração? a) Sim b) Não 61% 39% Professores e Estudantes do Ensino Médio a) Sim b) Não 12% 88% Professores e Estudantes Universitarios a) Sim b) Não
  • 21. 21 2. Quais recursos tecnológicos que mais utilizas? a) Computador e Internet b) Livros Didáticos c) Telefone e Table 57% 13% 30% Estudantes do Ensino Unversitario / Ensino Médio a) Computador e Internet b) Livros Didáticos c) Telefone e Tables 53%37% 10% Professores do Ensino Universitario / Ensino Médio a) Computador e Internet b) Livros Didáticos c) Telefone Table
  • 22. 22 3.2. Dados colhidos de diversos internautas nas redes sócias Grelham de Entrevista Perguntas Dados Pessoas Respostas Como a tecnologia tem te ajudado no processo de aprendizagem? Sexo: Masculino Idade: 22 Anos Estudante Universitário As novas tecnologias ajudam- me muito, tenho acesso a diversas informações a qualquer hora e em qualquer lugar ajuda o meu intelecto estudantil. Quais métodos tecnológicos podem ser adoptados nas instituições de ensino nacional afim de facilitar o processo de aprendizagem? Sexo: Masculino Idade: 30 Anos Estudante Universitário A tecnologia trouxe um grande avanço no que concerne a facilitação de compreensão, métodos, equipamentos, que tornaram mais rápido e eficaz no intercambio de material didático quando investigamos ou apresentamos uma determinada temática por base de equipamentos tecnológicos . Como a tecnologia tem te ajudado no processo de aprendizagem? Quais métodos tecnológicos podem ser adoptados nas instituições de ensino nacional afim de facilitar o processo de aprendizagem? Sexo: Feminino Idade: 20 Anos Estudante Universitário A tecnologia ajuda muito no processo de ensino e aprendizagem. Os alunos aprendem mais rápido com meios audiovisuais, aumenta a capacidade de raciocínio logico. Se usarmos, por exemplo, um projetor na sala de aulas ao invés de estar a explicar sem meios visuais ou auditivos é mais fácil. Com a tecnologia os alunos aprendem se divertindo, “e aprender assim é a melhor forma de aumentar o nível de aprendizagem do aluno”. Estudar não pode ser algo enfadonho ou repetitivo, tem que ser inovador, atrativo, disponíveis para todas as classes sociais e os matérias devem ser acessíveis. Como a tecnologia tem te ajudado no processo de aprendizagem? Sexo: Masculino Idade: 23 Anos Estudante Universitário Ajuda bastante, pois a tecnologia veio para nos facilitar na vida acadêmica, com ela baixo diversos livros (apesar de notar que tem poucos livros angolanos), baixo apostilas gratuitamente e ainda posso interagir com diversas pessoas num tema em debate sem sair de casa, portanto ajuda muito reduz as dificuldades em ter acesso há diversos conteúdos.
  • 23. 23 Como a tecnologia tem te ajudado no processo de aprendizagem? Sexo: Feminino Idade: 22 Anos Estudante Universitário Ajuda muito no processo de aprendizagem, tendo em conta que estamos num mundo em que dia-pôs-dia o processo de evolução é dinâmico, atualmente temos internet, Tv e outros meios de informação e pesquisa, estes meios trazem- nos informações num piscar de olho. Nos anos anteriores tínhamos que ir a bibliotecas recorrer a livros antigos e isso fazia-nos perder muito tempo. Como a tecnologia tem te ajudado no processo de aprendizagem? Sexo: Masculino Idade: 22 Anos Estudante Universitário Atualmente para mim adquirir conhecimento utilizo maioritariamente meios tecnológicos como: Computadores, telefones com auxilio da internet. Como a tecnologia tem te ajudado no processo de aprendizagem? Sexo: Masculino Idade: 21 Anos Estudante Universitário Facilita no meu processo de obtenção de conhecimento tornando mais fácil e ágil na resolução de problemas escolares. Despertar a curiosidade estimulando novas experiências através da cultura digital, construindo novas competências e contribuindo para o desenvolvimento de crianças e adolescentes.
  • 24. 24 Como a tecnologia tem te ajudado no processo de aprendizagem? Quais métodos tecnológicos podem ser adoptados nas instituições de ensino nacional afim de facilitar o processo de aprendizagem? Sexo: Masculino Idade: 19 Anos Pré-Universitário Eu não sou alguém que gosta de frequentar bibliotecas, então quando quero ter acesso a qualquer informação utilizo a internet, tenho mais acesso a informações nacionais e internacionais. Devíamos ter mais aulas praticas conforme a tecnologia vai evoluído acho que o nosso ensino também devia acompanhar esta evolução. Por exemplo, notasse a falta de laboratórios nas instituições a nível nacional então devia se adoptar uma maneira de termos essas aulas, pelo menos devíamos usar simuladores virtuais já existem diversos softwares que fazem isto. Como a tecnologia tem te ajudado no processo de aprendizagem? Quais métodos tecnológicos podem ser adoptados nas instituições de ensino nacional afim de facilitar o processo de aprendizagem? Sexo: Masculino Idade: 23 Anos Estudante Universitário O telefone e o computador nos ajudam muito, até porque nós na temos o habito de comprar livros, a maioria dos livros que utilizamos extraímos da internet, as vídeo aulas permitem-nos compreender melhor muitas matérias, a principal fonte é a internet, enquanto estudante se fosse para mim fazer uma analise dos últimos anos a educação e a tecnologia no nosso país têm estado mais próximas mas também tem muitas desvantagens por exemplo: Se eu tiver um dispositivo onde armazeno todos meios matérias acadêmicos, se por algum motivo este dispositivos estragar eu perco toda informação, também não estamos a contribuir para literatura.
  • 25. 25 Capitulo 4 Análise dos Dados Analisando os resultados foi observado que alguns estudantes do ensino médio ainda Utilizam mal os aparelhos eletrônicos. Também podemos constatar que um número excessivo de estudantes universitários usam os meios tecnológicos de forma a obterem melhores resultados acadêmicos, notamos ainda que as instituições nacionais na sua maioria não utilizam os meios tecnológicos atuais (4ª geração), foi possível constatar que os estudantes e professores nacionais têm conhecimento sobre as novas tecnologias e sabem a grande importância que as mesmas têm no processo de ensino e aprendizagem.
  • 26. 26 Capitulo 5 CRONOGRAMA ACTIVIDADES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL Elaboração do projeto X Levantamento bibliográfico X X Questionário X X Entrevista X X Analise dos dados e informações X X Revisão e redação final X X Encadernação X Entrega da monografia X Preparação para a defesa X X X
  • 27. 27 Capitulo 6 ORÇAMENTO Designação Quantidade Valor Akz Computador 2 98.000,00 Resma 1 1500,00 Encadernar 3 700,00 Imprimir 140 50,00 Telefone 2 89.000,00 Lápis 2 50,00 Borracha 1 50,00 Saldo de voz/dados 8 1800,00 TOTAL: 159 399.150,00
  • 28. 28 Referencial Teórico Reis, J: O Conceito de Tecnologia e Tecnologia Educacional Para Alunos do Ensino Médio e Superior. 1/01/2017. Barbosa, E: Instrumento de Coleta de Dados em Pesquisas Educacionais. 1/01/2017. Balb, J: Metodologia Científica Hipóteses e Variáveis. 6/01/2017. Silva, O: A Mídia Digital e a Importância Para O Desenvolvimento Do Processo Ensino‐ Aprendizagem: Desafios Para A Escola. 6/01/2017. Ramos, M: O Uso de Tecnologias Em Sala De Aula. 7/01/2017. Amorim, R: Importância Dos Recursos Tecnológicos Na Educação. 8/01/2017 Sembe, D: O uso do computador na educação. 12/02/2017. https://balgidoquiage.wordpress.com/2014/09/17/educacao-em-angola-antes-durante-e- depois-da-independencia/ https://pt.wikipedia.org/wiki/Educação https://pt.wikipedia.org/wiki/Educação_em_Angola https://www.significados.com.br/educacao/ https://www.trabalhosfeitos.com/assine/?redirectUrl=%2Fensaios%2FRecursos- Tecnol%25C3%25B3gicos-Na Educa%25C3%25A7%25C3%25A3o%2F51089.html&from=essay&from=essay