SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Psicologia do desenvolvimento II
A vinculação na infância – E-fólio A
Daniel Romeiro aluno nº 1502088_T2
Docente: Profª. Lina Morgado
01
Klaus e Kennell (1976) introduziram o termo “bonding” para nos falarem da relação
única, específica e duradoura que se forma entre mãe e criança.
Estabelece-se desde os primeiros
contactos entre mãe e recém nascido.
A sua formação estaria privilegiada num
período sensível,
localizado nos momentos imediatos ao
parto. Robson e Moss (1970)
Seria facilitada pela
adequação do sistema
hormonal da mãe e
estimulada pela presença da
criança.
Desenvolve-se numa interação
constante.
Tem uma função adaptativa:
proporcionar a proteção e
sobrevivência da criança. (George
e Solomon, 1999)
O que é a vinculação?
02
O contexto social é fundamental
para a formação do ego.
Cada estágio corresponde à resolução
de um tarefa de desenvolvimento
específica.
Define estágios de
desenvolvimento ao longo da
vida.
Algumas perspetivas científicas sobre os primeiro anos de vida.
Erikson
Cada estádio corresponde a uma
crise que deverá ser resolvida de
forma positiva para um equilíbrio
saudável.
03
Vygotsky
A criança é interativa adquire o
conhecimento a partir de relações intra e
inter pessoais.
O desenvolvimento baseia-se na formação
de estruturas complexas das funções
psicológicas,
na motivação e na relação com
o Mundo.
Num processo em que as suas
qualidades dependem das qualidades
do meio e das relações de afeto.
Piaget
Carateriza o estádio em que se inicia a vinculação, por uma inteligência pratica anterior à
linguagem e ao pensamento, focada na resolução de problemas como agarrar, procurar.
Sensoriomotor 0-24 meses
04
Erro A-não-B:
https://www.youtube.com/watch?v=twrvm8rwoW8Reações circulares:
https://www.youtube.com/watch?v=4jW668F7HdA
É perspetivada como uma hélice que se desenvolve toda a
vida em conjunto com outra hélice a da individuação,
formando uma dupla hélice à semelhança da cadeia de ADN.
Para Fleming
Sendo o
desenvolvimento
sequencial, podemos
deduzir daqui a
importância da
qualidade das
primeiras interações.
A vinculação é um fenómeno que começa no nascimento e
que nos acompanha toda a vida.
A vinculação tem maior ou menor influência no
desenvolvimento em função do papel que desempenha na
cada etapa de vida em que o indivíduo se encontra.
Mais forte na infância com os pais.
Mais fraca na adolescência, na procura outros vínculos.
Mais forte na idade adulta com os filhos.
Hélice da vinculação
Hélice da individuação
Eixo do desenvolvimento
A vinculação 05
Três dimensões iniciais que influenciam a
qualidade inicial da vinculação.
1-Ordem Biológica.
Níveis hormonais, o processo de
crescimento do feto e saúde materna.
3 - Ordem psico-comportamental.
Estado emocional materno no blues pós parto.
Sentimento de conforto físico e segurança na
relação com bebé, com o pai e familiares.
2 – Ordem do contexto.
Apoio parental.
Condições socioeconómicas
Cultura. Parto.
Normal.
Mais favorável à vinculação.
Regulação normal das hormonas.
Contacto imediato coma mãe (roming in)
Níveis mais baixos de stress no bebé.
Epidural.
Menos favorável à vinculação.
Interferência na regulação hormonal natural e no
estado neonatal do bebé
Maior stress para o bebé.
Alterações ao nível do humor maternal.
Contacto físico com a mãe adiado.
Cesariana.
Menos favorável à vinculação
Interferência na regulação hormonal normal.
Contacto físico com a mãe muito adiado.
Estado emocional e físico da mãe pouco
disponível.
Condições do parto
06
Bowlby psiquiatra britânico afirma que:
Identifica quatro tipos de
vinculação.
Segura
Ambivalente ou ansiosa
Desorganizada (Solomon, 1990)
Evitante
Cada uma delas fruto das diferenças de
interação entre progenitores e criança e do
sentimento de segurança ou insegurança
gerado.
Criam caraterísticas que estarão presentes nas
fases posteriores de desenvolvimento.
São os primeiros módulos de construção da
nossa personalidade.
É a interação dos pais que substitui a função
do sistema parassimpático na regulação
emocional da criança recém nascida.
As reações da criança não são fruto de
uma escolha , mas um processo
biopsicológico de adaptação ao contexto.
07
Vinculação segura
Os pais.
Sempre disponíveis e atentos às necessidades
físicas e de comunicação da criança.
Praticam uma comunicação clara e congruente com a
idade de desenvolvimento da criança.
A criança
Sentimentos de segurança pela capacidade de
previsibilidade da atenção parental.
Calmo, disponíveis, resiliente, grande noção para
identificar perigos.
Explora o meio com segurança e confiança
Autorregula-se com facilidade devido à interação
reguladora dos pais.
Funcionam bem como regulador parassimpático
da emoção na criança.
Tipos de vinculação segundo Bowlby
Vinculação ambivalente ou ansiosa
Os pais
Inconsistentes
Ora estão disponíveis como de repente não estão.
Projetam demasiado as suas vontades sobre a criança.
São intrusivas dos limites que surgem na criança pelo
desenvolvimento da noção de diferenciação entre si e o meio.
A criança
Dificuldade em prever o comportamento dos pais.
Dificuldade em se autorregular.
Tenta desenvolver estratégias de chamar para
interação.
Dificuldade em reconhecer limites.
08
Vinculação Desorganizada
Os pais
Têm pouca habilidade para entenderem e se
ligarem emocionalmente à criança, mas
conseguem-no fazer.
Evidenciam nervosismo emocional
quando se desligam.
Contraditórios e incoerentes nas suas atitudes,
ora calmo ora alterado.
A criança
Quem tem que me proteger é quem mais medo me
provoca.
Os pais não estão a ser bons reguladores das
emoções negativas.
Dificuldades em regular o afeto negativo.
Pensamento incoerente.
Dificuldade em resolver problemas e completar raciocínios
em se sentir segura.
Vinculação evitante
Os pais
Grande distancia emocional em relação á criança.
Pode estar associado a um fenómeno de rejeição.
Incongruentes na comunicação, na linguagem e nas expressões
faciais.
Ineficazes na perceção das necessidades emocionais da criança.
A criança
A busca pela interação com os pais é abandonada por falta
de estímulos e respostas.
Inicia um processo de não se querer vincular, isola-se.
Dissocia-se da emoção não como uma escolha mas fruto de
um processo de adaptação aos estímulos.
Reduzidas expetativas em relação aos outros.
09
Fontes bibliografia:
(1)Figueiredo, B. (2003) Vinculação materna: “Contributo para a compreensão das dimensões envolvidas no processo inicial
de vinculação d a mãe ao” in Revista Internacional de Psicología Clínica y de la Salud , SSN 1576-7329, 2003, Vol. 3, Nº 3, pp.
521-539 in textos académicos da UAb
(2) Infância | O comportamento de vinculação Texto adaptado da obra: Fleming, M. (2005). Entre o medo e o desejo de
crescer. Porto: Afrontamento [pp.17-31]. In textos académicos da Uab
(3) Nuno Francisco Ferreira Silva Teoria da Vinculação (2013/2014) mestrado integrado em medicina
Universidade faculdade de medicina do Porto fonte:https://sigarra.up.pt/ffup/pt/pub_geral.show_file?pi_gdoc_id=543645
(4)Gomes, A., Gomes, A.A., Monteiro, S., Pereira, A., Tavares, J. (2007) Manual de psicologia do desenvolvimento. Porto
editora, coleção nova cidine
Fontes videográficas:
(5) Ferreira,F., Pinho, P. (2009) “Psicanálise e teoria da Vinculação”
Fonte: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0160.pdf
https://www.youtube.com/watch?v=292FUfsjVbM&t=636s
https://www.youtube.com/watch?v=ExXgaIaiIqc&t=304s
https://www.youtube.com/watch?v=AmJpIgwU3ZY&t=25s
https://www.youtube.com/watch?v=zTgahX8Ups0&t=85s
10

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
Paula de Almeida
 
A importância da relação de vinculação
A importância da relação de  vinculaçãoA importância da relação de  vinculação
A importância da relação de vinculação
MiguelSMartins
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
AnaKlein1
 

Mais procurados (19)

2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Relações precoces psicologia
Relações precoces psicologiaRelações precoces psicologia
Relações precoces psicologia
 
Vinculação
VinculaçãoVinculação
Vinculação
 
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vidaA importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
 
11 psicologia
11 psicologia11 psicologia
11 psicologia
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Vinculação
VinculaçãoVinculação
Vinculação
 
As RelaçõEs Precoces
As RelaçõEs PrecocesAs RelaçõEs Precoces
As RelaçõEs Precoces
 
A importância da relação de vinculação
A importância da relação de  vinculaçãoA importância da relação de  vinculação
A importância da relação de vinculação
 
Relações Precoces
Relações PrecocesRelações Precoces
Relações Precoces
 
A importância da relação de vinculação nos primeiros
A importância da relação de vinculação nos primeirosA importância da relação de vinculação nos primeiros
A importância da relação de vinculação nos primeiros
 
As relações precoces
As relações precoces As relações precoces
As relações precoces
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
 
3 Spit e hospitalismo
3   Spit e hospitalismo3   Spit e hospitalismo
3 Spit e hospitalismo
 
John Bowlby e a Teoria do Apego
John Bowlby e a Teoria do ApegoJohn Bowlby e a Teoria do Apego
John Bowlby e a Teoria do Apego
 
Suporte à apresentação do trabalho de vinculação
Suporte à apresentação do trabalho de vinculaçãoSuporte à apresentação do trabalho de vinculação
Suporte à apresentação do trabalho de vinculação
 
Doc.16 a ..
Doc.16 a  ..Doc.16 a  ..
Doc.16 a ..
 

Destaque

Patel_et_al-2016-Journal_of_Cellular_and_Molecular_Medicine
Patel_et_al-2016-Journal_of_Cellular_and_Molecular_MedicinePatel_et_al-2016-Journal_of_Cellular_and_Molecular_Medicine
Patel_et_al-2016-Journal_of_Cellular_and_Molecular_Medicine
Gaurang Trivedi
 

Destaque (11)

Tânia amorim t2 1400766
Tânia amorim t2 1400766Tânia amorim t2 1400766
Tânia amorim t2 1400766
 
Orlando felisberto t1 903096 e fólio-a
Orlando felisberto t1 903096 e fólio-aOrlando felisberto t1 903096 e fólio-a
Orlando felisberto t1 903096 e fólio-a
 
Andreo cunha ta nº 1501952
Andreo cunha ta nº 1501952Andreo cunha ta nº 1501952
Andreo cunha ta nº 1501952
 
sMOOC ECO um modelo europeu para MOOCs
sMOOC  ECO um modelo europeu para MOOCs sMOOC  ECO um modelo europeu para MOOCs
sMOOC ECO um modelo europeu para MOOCs
 
bnewman resume (2)
bnewman resume (2)bnewman resume (2)
bnewman resume (2)
 
SuccessPlanner, UCD and UX process
SuccessPlanner, UCD and UX processSuccessPlanner, UCD and UX process
SuccessPlanner, UCD and UX process
 
Bibliografía especializada
Bibliografía especializadaBibliografía especializada
Bibliografía especializada
 
[C++]additive synthesis のための三角関数高速化
[C++]additive synthesis のための三角関数高速化[C++]additive synthesis のための三角関数高速化
[C++]additive synthesis のための三角関数高速化
 
Facebook
FacebookFacebook
Facebook
 
Patel_et_al-2016-Journal_of_Cellular_and_Molecular_Medicine
Patel_et_al-2016-Journal_of_Cellular_and_Molecular_MedicinePatel_et_al-2016-Journal_of_Cellular_and_Molecular_Medicine
Patel_et_al-2016-Journal_of_Cellular_and_Molecular_Medicine
 
Publicar una Presentación de Power Point en SlideShare
Publicar una Presentación de Power Point en SlideSharePublicar una Presentación de Power Point en SlideShare
Publicar una Presentación de Power Point en SlideShare
 

Semelhante a E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2

9 doc.16 a - a relação mãe-bebé
9   doc.16 a - a relação mãe-bebé9   doc.16 a - a relação mãe-bebé
9 doc.16 a - a relação mãe-bebé
Micas Cullen
 

Semelhante a E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2 (20)

9 doc.16 a - a relação mãe-bebé
9   doc.16 a - a relação mãe-bebé9   doc.16 a - a relação mãe-bebé
9 doc.16 a - a relação mãe-bebé
 
Infográfico interação e vínculo
Infográfico   interação e vínculoInfográfico   interação e vínculo
Infográfico interação e vínculo
 
Trabalho de ai 11k
Trabalho de ai   11kTrabalho de ai   11k
Trabalho de ai 11k
 
Curso Teoria do Apego
Curso Teoria do ApegoCurso Teoria do Apego
Curso Teoria do Apego
 
Baixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológico
Baixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológicoBaixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológico
Baixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológico
 
Desenvolvimento infantil (1)
Desenvolvimento infantil (1)Desenvolvimento infantil (1)
Desenvolvimento infantil (1)
 
Antero narciso t2 1500971
Antero narciso t2 1500971Antero narciso t2 1500971
Antero narciso t2 1500971
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Seminário Internacional - Palestra de Álvaro Madeiro Leite
Seminário Internacional - Palestra de Álvaro Madeiro LeiteSeminário Internacional - Palestra de Álvaro Madeiro Leite
Seminário Internacional - Palestra de Álvaro Madeiro Leite
 
Seminário Internacional Mais Infância Ceará - 30/03/2017
Seminário Internacional Mais Infância Ceará - 30/03/2017Seminário Internacional Mais Infância Ceará - 30/03/2017
Seminário Internacional Mais Infância Ceará - 30/03/2017
 
Efólio a psicologia do desenvolvimento ii nuno duarte 1300384
Efólio a psicologia do desenvolvimento ii nuno duarte 1300384Efólio a psicologia do desenvolvimento ii nuno duarte 1300384
Efólio a psicologia do desenvolvimento ii nuno duarte 1300384
 
DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIA
DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIADESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIA
DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIA
 
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
 
Fundamentos para Priorização da Primeira Infância
Fundamentos para Priorização da Primeira InfânciaFundamentos para Priorização da Primeira Infância
Fundamentos para Priorização da Primeira Infância
 
A crianca em desenvolvimento helen bee
A crianca em desenvolvimento   helen beeA crianca em desenvolvimento   helen bee
A crianca em desenvolvimento helen bee
 
Crescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adulto
Crescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adultoCrescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adulto
Crescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adulto
 
O GENESIS DO CRESCIMENTO INFANTO JUVENIL É PARCEIRO DA COGNIÇÃO
O GENESIS DO CRESCIMENTO INFANTO JUVENIL É PARCEIRO DA COGNIÇÃOO GENESIS DO CRESCIMENTO INFANTO JUVENIL É PARCEIRO DA COGNIÇÃO
O GENESIS DO CRESCIMENTO INFANTO JUVENIL É PARCEIRO DA COGNIÇÃO
 
Crescer linear criança infantil juvenil e desenvolver, criança não é apenas v...
Crescer linear criança infantil juvenil e desenvolver, criança não é apenas v...Crescer linear criança infantil juvenil e desenvolver, criança não é apenas v...
Crescer linear criança infantil juvenil e desenvolver, criança não é apenas v...
 
Psicologia do desenvolvimento humano - Maria Carrilho
Psicologia do desenvolvimento humano - Maria CarrilhoPsicologia do desenvolvimento humano - Maria Carrilho
Psicologia do desenvolvimento humano - Maria Carrilho
 
O genesis do crescimento infanto juvenil é parceiro da cognição
O genesis do crescimento infanto juvenil é parceiro da cogniçãoO genesis do crescimento infanto juvenil é parceiro da cognição
O genesis do crescimento infanto juvenil é parceiro da cognição
 

Último

Último (20)

Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 

E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2

  • 1. Psicologia do desenvolvimento II A vinculação na infância – E-fólio A Daniel Romeiro aluno nº 1502088_T2 Docente: Profª. Lina Morgado 01
  • 2. Klaus e Kennell (1976) introduziram o termo “bonding” para nos falarem da relação única, específica e duradoura que se forma entre mãe e criança. Estabelece-se desde os primeiros contactos entre mãe e recém nascido. A sua formação estaria privilegiada num período sensível, localizado nos momentos imediatos ao parto. Robson e Moss (1970) Seria facilitada pela adequação do sistema hormonal da mãe e estimulada pela presença da criança. Desenvolve-se numa interação constante. Tem uma função adaptativa: proporcionar a proteção e sobrevivência da criança. (George e Solomon, 1999) O que é a vinculação? 02
  • 3. O contexto social é fundamental para a formação do ego. Cada estágio corresponde à resolução de um tarefa de desenvolvimento específica. Define estágios de desenvolvimento ao longo da vida. Algumas perspetivas científicas sobre os primeiro anos de vida. Erikson Cada estádio corresponde a uma crise que deverá ser resolvida de forma positiva para um equilíbrio saudável. 03
  • 4. Vygotsky A criança é interativa adquire o conhecimento a partir de relações intra e inter pessoais. O desenvolvimento baseia-se na formação de estruturas complexas das funções psicológicas, na motivação e na relação com o Mundo. Num processo em que as suas qualidades dependem das qualidades do meio e das relações de afeto. Piaget Carateriza o estádio em que se inicia a vinculação, por uma inteligência pratica anterior à linguagem e ao pensamento, focada na resolução de problemas como agarrar, procurar. Sensoriomotor 0-24 meses 04 Erro A-não-B: https://www.youtube.com/watch?v=twrvm8rwoW8Reações circulares: https://www.youtube.com/watch?v=4jW668F7HdA
  • 5. É perspetivada como uma hélice que se desenvolve toda a vida em conjunto com outra hélice a da individuação, formando uma dupla hélice à semelhança da cadeia de ADN. Para Fleming Sendo o desenvolvimento sequencial, podemos deduzir daqui a importância da qualidade das primeiras interações. A vinculação é um fenómeno que começa no nascimento e que nos acompanha toda a vida. A vinculação tem maior ou menor influência no desenvolvimento em função do papel que desempenha na cada etapa de vida em que o indivíduo se encontra. Mais forte na infância com os pais. Mais fraca na adolescência, na procura outros vínculos. Mais forte na idade adulta com os filhos. Hélice da vinculação Hélice da individuação Eixo do desenvolvimento A vinculação 05
  • 6. Três dimensões iniciais que influenciam a qualidade inicial da vinculação. 1-Ordem Biológica. Níveis hormonais, o processo de crescimento do feto e saúde materna. 3 - Ordem psico-comportamental. Estado emocional materno no blues pós parto. Sentimento de conforto físico e segurança na relação com bebé, com o pai e familiares. 2 – Ordem do contexto. Apoio parental. Condições socioeconómicas Cultura. Parto. Normal. Mais favorável à vinculação. Regulação normal das hormonas. Contacto imediato coma mãe (roming in) Níveis mais baixos de stress no bebé. Epidural. Menos favorável à vinculação. Interferência na regulação hormonal natural e no estado neonatal do bebé Maior stress para o bebé. Alterações ao nível do humor maternal. Contacto físico com a mãe adiado. Cesariana. Menos favorável à vinculação Interferência na regulação hormonal normal. Contacto físico com a mãe muito adiado. Estado emocional e físico da mãe pouco disponível. Condições do parto 06
  • 7. Bowlby psiquiatra britânico afirma que: Identifica quatro tipos de vinculação. Segura Ambivalente ou ansiosa Desorganizada (Solomon, 1990) Evitante Cada uma delas fruto das diferenças de interação entre progenitores e criança e do sentimento de segurança ou insegurança gerado. Criam caraterísticas que estarão presentes nas fases posteriores de desenvolvimento. São os primeiros módulos de construção da nossa personalidade. É a interação dos pais que substitui a função do sistema parassimpático na regulação emocional da criança recém nascida. As reações da criança não são fruto de uma escolha , mas um processo biopsicológico de adaptação ao contexto. 07
  • 8. Vinculação segura Os pais. Sempre disponíveis e atentos às necessidades físicas e de comunicação da criança. Praticam uma comunicação clara e congruente com a idade de desenvolvimento da criança. A criança Sentimentos de segurança pela capacidade de previsibilidade da atenção parental. Calmo, disponíveis, resiliente, grande noção para identificar perigos. Explora o meio com segurança e confiança Autorregula-se com facilidade devido à interação reguladora dos pais. Funcionam bem como regulador parassimpático da emoção na criança. Tipos de vinculação segundo Bowlby Vinculação ambivalente ou ansiosa Os pais Inconsistentes Ora estão disponíveis como de repente não estão. Projetam demasiado as suas vontades sobre a criança. São intrusivas dos limites que surgem na criança pelo desenvolvimento da noção de diferenciação entre si e o meio. A criança Dificuldade em prever o comportamento dos pais. Dificuldade em se autorregular. Tenta desenvolver estratégias de chamar para interação. Dificuldade em reconhecer limites. 08
  • 9. Vinculação Desorganizada Os pais Têm pouca habilidade para entenderem e se ligarem emocionalmente à criança, mas conseguem-no fazer. Evidenciam nervosismo emocional quando se desligam. Contraditórios e incoerentes nas suas atitudes, ora calmo ora alterado. A criança Quem tem que me proteger é quem mais medo me provoca. Os pais não estão a ser bons reguladores das emoções negativas. Dificuldades em regular o afeto negativo. Pensamento incoerente. Dificuldade em resolver problemas e completar raciocínios em se sentir segura. Vinculação evitante Os pais Grande distancia emocional em relação á criança. Pode estar associado a um fenómeno de rejeição. Incongruentes na comunicação, na linguagem e nas expressões faciais. Ineficazes na perceção das necessidades emocionais da criança. A criança A busca pela interação com os pais é abandonada por falta de estímulos e respostas. Inicia um processo de não se querer vincular, isola-se. Dissocia-se da emoção não como uma escolha mas fruto de um processo de adaptação aos estímulos. Reduzidas expetativas em relação aos outros. 09
  • 10. Fontes bibliografia: (1)Figueiredo, B. (2003) Vinculação materna: “Contributo para a compreensão das dimensões envolvidas no processo inicial de vinculação d a mãe ao” in Revista Internacional de Psicología Clínica y de la Salud , SSN 1576-7329, 2003, Vol. 3, Nº 3, pp. 521-539 in textos académicos da UAb (2) Infância | O comportamento de vinculação Texto adaptado da obra: Fleming, M. (2005). Entre o medo e o desejo de crescer. Porto: Afrontamento [pp.17-31]. In textos académicos da Uab (3) Nuno Francisco Ferreira Silva Teoria da Vinculação (2013/2014) mestrado integrado em medicina Universidade faculdade de medicina do Porto fonte:https://sigarra.up.pt/ffup/pt/pub_geral.show_file?pi_gdoc_id=543645 (4)Gomes, A., Gomes, A.A., Monteiro, S., Pereira, A., Tavares, J. (2007) Manual de psicologia do desenvolvimento. Porto editora, coleção nova cidine Fontes videográficas: (5) Ferreira,F., Pinho, P. (2009) “Psicanálise e teoria da Vinculação” Fonte: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0160.pdf https://www.youtube.com/watch?v=292FUfsjVbM&t=636s https://www.youtube.com/watch?v=ExXgaIaiIqc&t=304s https://www.youtube.com/watch?v=AmJpIgwU3ZY&t=25s https://www.youtube.com/watch?v=zTgahX8Ups0&t=85s 10