SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 53
Precisamos
                          de estar com
                            os outros




 Precisamos
                                                  Precisamos
   de ser
                                                  que gostem
aceites pelos
                                                    de nós
   grupos
                            Somos
                        decididamente
                         dependentes




           Precisamos                    Precisamos
             de estar                      da sua
           integrados                    aprovação
Torna-o
    O ser      dependente,
                                     Precisa dos cuidados
                                     dispensados,     nos
  humano,      durante      muito    primeiros anos de
               tempo,          dos   vida, pelos pais, ou
  quando       adultos: para se      outros cuidadores,
nasce, é um    alimentar, para ser   para           poder
               protegido, enfim,     sobreviver física e
ser imaturo.   para sobreviver.      psiquicamente.
O         Pode mostrar
                            Bebé       competências
                                       débeis     e
                                       ingénuas
Necessita de um agente
maternante      para    o
alimentar, para lhe dar
afecto, ou seja, para lhe
dar os cuidados básicos     É um ser
que são indispensáveis.      activo
Nos últimos anos assistimos a uma    Foi graças às gravações vídeo
extraordinária   evolução      nas   das expressões faciais que se
investigações      sobre        as   registou, por exemplo, o
competências do recém-nascido,       momento em que aparecem
designadamente na relação com o      as     primeiras    emoções
meio e, sobretudo, com os outros     precoces, como o medo, a
seres humanos.                       raiva, a alegria.
Influencia o modo
                             como os adultos
                               dispensam os
                             cuidados de que
                                 necessita.



 Ser activo que emite
  sinais daquilo que


                        BEBÉ
                                                      É capaz de dirigir a sua
    pretende e que                                    atenção para estímulos
responde, com agrado                                    do meio ambiente:
   ou desagrado, ao                                    distingue sons, vozes,
      tratamento                                         imagens e odores.
    disponibilizado.


                          Recorre a um conjunto de
                        estratégias comportamentais
                         para chamar a atenção da
                              mãe, ou de outro
                           cuidador, no sentido de
                         obter uma resposta para o
                                 que precisa.
Meios a que o bebé recorre para manifestar
        as suas necessidades e obter a sua satisfação


               Expressões
Choro                               Sorriso        Vocalizações
                 Faciais
A mãe interpreta
 adequadamente       O bebé obtém o
os sinais emitidos         que          Interacção
   pelo bebé e       precisa, reagirá   equilibrada
   responde de         com alegria
forma apropriada
CONTINENTE                     CONTEÚDO
Reage às necessidades do
bebé dando acolhimento à
angustia e à ansiedade do       O bebé vivencia medos,
filho sem as devolver através      emoções, receios,
de     comportamentos      ou      angústia. É o que
atitudes      anciosas      e   designa por conteúdo.
angustiadas. A boa mãe
comunica eficazmente.
Orientação e sinais
                    com discriminação
                  limitada da figura de
                       vinculação




                                             Orientação e
 Formação de
uma parceria       Vinculação               sinais dirigidos
                                            para uma figura
dirigida para a
     meta                                    discriminada




                      Manutenção da
                  proximidade com uma
                  figura discriminada por
                  meio da locomoção e de
                            sinais
A vinculação não é toda igual,
não tem toda as mesmas matizes



   Quando se estabelece relação com
   alguém         e        surge    um
   desentendimento, podemos verificar
   diferentes níveis de vinculação.


       O modelo vinculativo não pode ser
       igual para toda a gente, isto é, temos
       de lidar de diferentes maneiras com
       diferentes pessoas.
Os bebés usam a mãe
                                 como base
                           segura, deixando-a para
                             irem explorar, mas
                           regressando, de vez em
             Segura         quando, para obterem
                                 confiança.




                            Estes bebés raramente
Vinculação   Evitante
                           choram quando a mãe sai
                              e evitam-na no seu
                                   regresso.




             Ambivalente       Estes ficam ansiosos mesmo
                               antes de a mãe sair, ficando
                               muito perturbados quando
                                          ela sai.
Nasce com uma
                      vulnerabilidade
 A cria       É          que torna
                      indispensáveis
humana    prematura     os cuidados
                      prestados pelos
                          adultos.
Gestos




Expressões     Estratégias
                             Choro
  Sociais    Comunicacionais




                 Sorriso
Gestos

             Equipamento que se tornou
                 parte do património
                 genético da espécie
Expressões   humana, desencadeadores
  Sociais     de reacções por parte dos   Choro
               adultos, que de forma
                interactiva formam o
                       vínculo.



                     Sorriso
Vinculação
             securizante


           Melhor regulação
             emocional




  Favorece a          Favorece a capacidade em
                      ultrapassar as dificuldades,
confiança em si        em se sentir bem consigo
    próprio            mesmo e com os outros.
PRINCÍPIO DO PROCESSO DE
AUTONOMIA
Individuação

               Dialéctica
                 que se
               mantém ao
                longo da
                  vida.
Vinculação
MAIS COISAS
        Em Situações de perigo
    As crias agarravam-se só à “mãe”felpuda, a mais confortável.




        Se só tivesse presente a “mãe” de arame

     As crias não iam ter com ela, ficavam paralisados de medo




Uma “mãe”desconfortável é incapaz de transmitir
               segurança.
Quando as crianças de idades muito precoces são
  sujeitas a uma privação de contacto com os seus entes
  mais próximos, seja em situação de um abandono
  materno ou a uma temporada passada num
  hospital, sofrem problemas tanto físicos como
  psicológicos que podem afectar o seu desenvolvimento
  normal


                             Queda de   Incapacidade       Menor
                  Insónias                             imunidade a
   Atraso no                   peso     de adaptação
                                                          doenças
desenvolvimento                            ao meio
                                                        infecciosas
    corporal
A importância da vinculação entre bebé e cuidador
A importância da vinculação entre bebé e cuidador

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectosguested634f
 
Processos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - ResumoProcessos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - ResumoJorge Barbosa
 
Resumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PResumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PJorge Barbosa
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoRaffaella Ergün
 
Filogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseFilogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseJorge Barbosa
 
Aprendizagem
AprendizagemAprendizagem
Aprendizagempirolitas
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradeAnaGomes40
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoAlexandra Canané
 
Correcção da ficha formativa
Correcção da ficha formativaCorrecção da ficha formativa
Correcção da ficha formativaSilvia Revez
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaMargarida Rodrigues
 
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humanoGraça Martins
 

Mais procurados (20)

Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectos
 
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e ObediênciaRelações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
 
Processos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - ResumoProcessos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - Resumo
 
A atracção interpessoal
A atracção interpessoalA atracção interpessoal
A atracção interpessoal
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
Resumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PResumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º P
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
 
Filogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseFilogénese e Ontogénese
Filogénese e Ontogénese
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
As emoções
As emoçõesAs emoções
As emoções
 
Aprendizagem
AprendizagemAprendizagem
Aprendizagem
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
 
Orfeu rebelde
Orfeu rebeldeOrfeu rebelde
Orfeu rebelde
 
Vinculação
VinculaçãoVinculação
Vinculação
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Correcção da ficha formativa
Correcção da ficha formativaCorrecção da ficha formativa
Correcção da ficha formativa
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
 
Estética2
Estética2Estética2
Estética2
 
Processos Conativos
Processos ConativosProcessos Conativos
Processos Conativos
 
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
 

Destaque

Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BSilvia Revez
 
Problemas Contemporâneos - Suicídio
Problemas Contemporâneos - SuicídioProblemas Contemporâneos - Suicídio
Problemas Contemporâneos - SuicídioÂngelo Rafael
 
16 - Relações precoces
16 - Relações precoces16 - Relações precoces
16 - Relações precocesMicas Cullen
 
Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4Silvia Revez
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BSilvia Revez
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoaisSilvia Revez
 
Comunicação nas relações interpessoais
Comunicação nas relações interpessoaisComunicação nas relações interpessoais
Comunicação nas relações interpessoaisFalarte
 

Destaque (13)

As RelaçõEs Precoces
As RelaçõEs PrecocesAs RelaçõEs Precoces
As RelaçõEs Precoces
 
Relações Precoces
Relações PrecocesRelações Precoces
Relações Precoces
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
 
Cloning
CloningCloning
Cloning
 
Problemas Contemporâneos - Suicídio
Problemas Contemporâneos - SuicídioProblemas Contemporâneos - Suicídio
Problemas Contemporâneos - Suicídio
 
3 Spit e hospitalismo
3   Spit e hospitalismo3   Spit e hospitalismo
3 Spit e hospitalismo
 
16 - Relações precoces
16 - Relações precoces16 - Relações precoces
16 - Relações precoces
 
Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Comunicação nas relações interpessoais
Comunicação nas relações interpessoaisComunicação nas relações interpessoais
Comunicação nas relações interpessoais
 
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
 

Semelhante a A importância da vinculação entre bebé e cuidador

Cartilha Promoção da Saúde na Infância e Adolescência!
Cartilha Promoção da Saúde na Infância e Adolescência! Cartilha Promoção da Saúde na Infância e Adolescência!
Cartilha Promoção da Saúde na Infância e Adolescência! Hericka Zogbi J. Dias
 
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016Rosane de Carvalho
 
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016Rosane de Carvalho
 
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilhoPaula de Almeida
 
2012-4-22-Palestra-Como Entender os Sinais da Vida-Rosana De Rosa
2012-4-22-Palestra-Como Entender os Sinais da Vida-Rosana De Rosa2012-4-22-Palestra-Como Entender os Sinais da Vida-Rosana De Rosa
2012-4-22-Palestra-Como Entender os Sinais da Vida-Rosana De RosaRosana De Rosa
 
2012-04-22-Palestra-Como Entender os Sinais-Rosana De Rosa
2012-04-22-Palestra-Como Entender os Sinais-Rosana De Rosa2012-04-22-Palestra-Como Entender os Sinais-Rosana De Rosa
2012-04-22-Palestra-Como Entender os Sinais-Rosana De RosaRosana De Rosa
 
sono-bebe-e-artigo-veja-parto-sem-dor
sono-bebe-e-artigo-veja-parto-sem-dorsono-bebe-e-artigo-veja-parto-sem-dor
sono-bebe-e-artigo-veja-parto-sem-dorLeh Miranda
 
Seminário Internacional - Palestra de Álvaro Madeiro Leite
Seminário Internacional - Palestra de Álvaro Madeiro LeiteSeminário Internacional - Palestra de Álvaro Madeiro Leite
Seminário Internacional - Palestra de Álvaro Madeiro LeiteGoverno do Estado do Ceará
 
Seminário Internacional Mais Infância Ceará - 30/03/2017
Seminário Internacional Mais Infância Ceará - 30/03/2017Seminário Internacional Mais Infância Ceará - 30/03/2017
Seminário Internacional Mais Infância Ceará - 30/03/2017Governo do Estado do Ceará
 
Apresentação sobre jardim de infancia
Apresentação sobre jardim de infancia Apresentação sobre jardim de infancia
Apresentação sobre jardim de infancia ruben faria
 
Sem tempo para ser criança a infância estressada
Sem tempo para ser criança   a infância estressadaSem tempo para ser criança   a infância estressada
Sem tempo para ser criança a infância estressadaSimoneHelenDrumond
 
Tabela de Desenvolvimento Humano
Tabela de Desenvolvimento HumanoTabela de Desenvolvimento Humano
Tabela de Desenvolvimento Humanonathalianishimuta
 
Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1Kátia Rumbelsperger
 
Sdi desenvolvimento emocional
Sdi desenvolvimento emocionalSdi desenvolvimento emocional
Sdi desenvolvimento emocionalbecresforte
 

Semelhante a A importância da vinculação entre bebé e cuidador (20)

Cartilha Promoção da Saúde na Infância e Adolescência!
Cartilha Promoção da Saúde na Infância e Adolescência! Cartilha Promoção da Saúde na Infância e Adolescência!
Cartilha Promoção da Saúde na Infância e Adolescência!
 
Ebook Estados de Ego
Ebook Estados de EgoEbook Estados de Ego
Ebook Estados de Ego
 
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
 
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
 
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
 
2012-4-22-Palestra-Como Entender os Sinais da Vida-Rosana De Rosa
2012-4-22-Palestra-Como Entender os Sinais da Vida-Rosana De Rosa2012-4-22-Palestra-Como Entender os Sinais da Vida-Rosana De Rosa
2012-4-22-Palestra-Como Entender os Sinais da Vida-Rosana De Rosa
 
2012-04-22-Palestra-Como Entender os Sinais-Rosana De Rosa
2012-04-22-Palestra-Como Entender os Sinais-Rosana De Rosa2012-04-22-Palestra-Como Entender os Sinais-Rosana De Rosa
2012-04-22-Palestra-Como Entender os Sinais-Rosana De Rosa
 
11 psicologia
11 psicologia11 psicologia
11 psicologia
 
sono-bebe-e-artigo-veja-parto-sem-dor
sono-bebe-e-artigo-veja-parto-sem-dorsono-bebe-e-artigo-veja-parto-sem-dor
sono-bebe-e-artigo-veja-parto-sem-dor
 
Micaela rodrigues t1_900908
Micaela rodrigues t1_900908Micaela rodrigues t1_900908
Micaela rodrigues t1_900908
 
Seminário Internacional - Palestra de Álvaro Madeiro Leite
Seminário Internacional - Palestra de Álvaro Madeiro LeiteSeminário Internacional - Palestra de Álvaro Madeiro Leite
Seminário Internacional - Palestra de Álvaro Madeiro Leite
 
Seminário Internacional Mais Infância Ceará - 30/03/2017
Seminário Internacional Mais Infância Ceará - 30/03/2017Seminário Internacional Mais Infância Ceará - 30/03/2017
Seminário Internacional Mais Infância Ceará - 30/03/2017
 
Apresentação sobre jardim de infancia
Apresentação sobre jardim de infancia Apresentação sobre jardim de infancia
Apresentação sobre jardim de infancia
 
Agressividade
AgressividadeAgressividade
Agressividade
 
Sem tempo para ser criança a infância estressada
Sem tempo para ser criança   a infância estressadaSem tempo para ser criança   a infância estressada
Sem tempo para ser criança a infância estressada
 
Curso Teoria do Apego
Curso Teoria do ApegoCurso Teoria do Apego
Curso Teoria do Apego
 
Tabela de Desenvolvimento Humano
Tabela de Desenvolvimento HumanoTabela de Desenvolvimento Humano
Tabela de Desenvolvimento Humano
 
Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1
 
Sandra Godoi - BM06 - 9/10 semana
Sandra Godoi - BM06 - 9/10 semanaSandra Godoi - BM06 - 9/10 semana
Sandra Godoi - BM06 - 9/10 semana
 
Sdi desenvolvimento emocional
Sdi desenvolvimento emocionalSdi desenvolvimento emocional
Sdi desenvolvimento emocional
 

Último

geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 

Último (20)

geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 

A importância da vinculação entre bebé e cuidador

  • 1.
  • 2.
  • 3. Precisamos de estar com os outros Precisamos Precisamos de ser que gostem aceites pelos de nós grupos Somos decididamente dependentes Precisamos Precisamos de estar da sua integrados aprovação
  • 4.
  • 5. Torna-o O ser dependente, Precisa dos cuidados dispensados, nos humano, durante muito primeiros anos de tempo, dos vida, pelos pais, ou quando adultos: para se outros cuidadores, nasce, é um alimentar, para ser para poder protegido, enfim, sobreviver física e ser imaturo. para sobreviver. psiquicamente.
  • 6. O Pode mostrar Bebé competências débeis e ingénuas Necessita de um agente maternante para o alimentar, para lhe dar afecto, ou seja, para lhe dar os cuidados básicos É um ser que são indispensáveis. activo
  • 7. Nos últimos anos assistimos a uma Foi graças às gravações vídeo extraordinária evolução nas das expressões faciais que se investigações sobre as registou, por exemplo, o competências do recém-nascido, momento em que aparecem designadamente na relação com o as primeiras emoções meio e, sobretudo, com os outros precoces, como o medo, a seres humanos. raiva, a alegria.
  • 8.
  • 9.
  • 10. Influencia o modo como os adultos dispensam os cuidados de que necessita. Ser activo que emite sinais daquilo que BEBÉ É capaz de dirigir a sua pretende e que atenção para estímulos responde, com agrado do meio ambiente: ou desagrado, ao distingue sons, vozes, tratamento imagens e odores. disponibilizado. Recorre a um conjunto de estratégias comportamentais para chamar a atenção da mãe, ou de outro cuidador, no sentido de obter uma resposta para o que precisa.
  • 11. Meios a que o bebé recorre para manifestar as suas necessidades e obter a sua satisfação Expressões Choro Sorriso Vocalizações Faciais
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18. A mãe interpreta adequadamente O bebé obtém o os sinais emitidos que Interacção pelo bebé e precisa, reagirá equilibrada responde de com alegria forma apropriada
  • 19. CONTINENTE CONTEÚDO Reage às necessidades do bebé dando acolhimento à angustia e à ansiedade do O bebé vivencia medos, filho sem as devolver através emoções, receios, de comportamentos ou angústia. É o que atitudes anciosas e designa por conteúdo. angustiadas. A boa mãe comunica eficazmente.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28. Orientação e sinais com discriminação limitada da figura de vinculação Orientação e Formação de uma parceria Vinculação sinais dirigidos para uma figura dirigida para a meta discriminada Manutenção da proximidade com uma figura discriminada por meio da locomoção e de sinais
  • 29. A vinculação não é toda igual, não tem toda as mesmas matizes Quando se estabelece relação com alguém e surge um desentendimento, podemos verificar diferentes níveis de vinculação. O modelo vinculativo não pode ser igual para toda a gente, isto é, temos de lidar de diferentes maneiras com diferentes pessoas.
  • 30.
  • 31.
  • 32. Os bebés usam a mãe como base segura, deixando-a para irem explorar, mas regressando, de vez em Segura quando, para obterem confiança. Estes bebés raramente Vinculação Evitante choram quando a mãe sai e evitam-na no seu regresso. Ambivalente Estes ficam ansiosos mesmo antes de a mãe sair, ficando muito perturbados quando ela sai.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36. Nasce com uma vulnerabilidade A cria É que torna indispensáveis humana prematura os cuidados prestados pelos adultos.
  • 37. Gestos Expressões Estratégias Choro Sociais Comunicacionais Sorriso
  • 38. Gestos Equipamento que se tornou parte do património genético da espécie Expressões humana, desencadeadores Sociais de reacções por parte dos Choro adultos, que de forma interactiva formam o vínculo. Sorriso
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43. Vinculação securizante Melhor regulação emocional Favorece a Favorece a capacidade em ultrapassar as dificuldades, confiança em si em se sentir bem consigo próprio mesmo e com os outros.
  • 44. PRINCÍPIO DO PROCESSO DE AUTONOMIA
  • 45.
  • 46. Individuação Dialéctica que se mantém ao longo da vida. Vinculação
  • 47.
  • 48.
  • 49. MAIS COISAS Em Situações de perigo As crias agarravam-se só à “mãe”felpuda, a mais confortável. Se só tivesse presente a “mãe” de arame As crias não iam ter com ela, ficavam paralisados de medo Uma “mãe”desconfortável é incapaz de transmitir segurança.
  • 50.
  • 51. Quando as crianças de idades muito precoces são sujeitas a uma privação de contacto com os seus entes mais próximos, seja em situação de um abandono materno ou a uma temporada passada num hospital, sofrem problemas tanto físicos como psicológicos que podem afectar o seu desenvolvimento normal Queda de Incapacidade Menor Insónias imunidade a Atraso no peso de adaptação doenças desenvolvimento ao meio infecciosas corporal