SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Secundária de Francisco Rodrigues Lobo 
Curso Tecnológico de Acção Social 
Ano Lectivo 2008/2009 
Professor Henrique Vieira 
Psicologia A
 Neste trabalho iremos falar sobre a importância 
da vinculação para o desenvolvimento do bebé e 
de algumas das características desta. 
 Falaremos também em comportamentos de 
vinculação, figuras de vinculação e as relações 
de vinculação, sendo estas subtemas do tema 
central.
Vinculação 
•Desenvolvimento Social; 
•Vinculação; 
•Investigação de John 
Bowlby; 
•Teoria de Bowlby; 
•Consequência da 
ausência de vínculos. 
Comportamentos 
de Vinculação 
Figura de 
Vinculação 
•Sorriso 
•Vocalização; 
•Choro; 
•Agarrar e gatinhar; 
•Natureza Inata 
•Comportamento de 
Sucção 
•Outro bebé 
•Irmãos 
•Figura Principal… 
•Grupo de Vinculação 
•Amigos, namorados 
Relação de 
Vinculação 
•Disponibilidade; 
•Continuidade; 
•Acessibilidade; 
•Brincar, jogar; 
•Falar; 
•Interagir.
Tema 
•Imaturidade biológica 
•Competências relacionais 
•Relação de Vinculação 
Desenvolvimento Social: 
Crescendo de competências e de habilidades que capacitam o indivíduo 
para se relacionar afetiva e socialmente com os outros.
 A partir de que fatores o ser humano 
inicia a sua relação com os outros? 
 Qual o papel das relações afetivas 
precoces para a humanização do bebé 
e para a vida socio afetiva do ser 
humano?
Vinculação 
 Segunda Guerra Mundial 
 Necessidade Primária 
•Perda e separação da 
criança pequena 
•Problema dos efeitos 
sobre o desenvolvimento 
socio afetivo 
Criar laços afetivos 
 Necessidade de estudar “efeitos de 
institucionalização”
 1 ª Teoria é formada por John Bowlby 
Psiquiatra e 
psicanalista 
inglês 
 A personalidade do adulto é construída a partir de 
ligações precoces e socioafectivos da criança e que estas 
ligações repousam sobre necessidades e fundamentos 
biológicos. 
Sensação de Confiança - Vinculação
 Necessidade inata, básica; 
 Não depende de outras necessidades; 
 Ligação do bebé à mãe e vice versa; 
 Proximidade das figuras preferenciais ou 
privilegiadas; 
 Relações que se estabelecem com o mundo que 
rodeia a criança, assegurando-lhe as condições 
para a sua sobrevivência e desenvolvimento; 
 Vinculação 
Laços; 
Proteção; 
Segurança. 
 Relação de Vinculação possui uma existência, uma 
dinâmica e uma função própria.
 Década de 40 
 Investigação sobre relações entre perturbações 
de comportamentos e a história da infância 
 Colabora com o etólogo Konrad Lorenz; 
Desenvolve o conceito do Imprinting 
 Em 1958 surge o conceito de vinculação, com a 
publicação de dois artigos: “The Nature of Love”, do 
psicologo Harry F. Harlow e o artigo de Bowlby “The 
Nature of the child’s Tie to his Mother”
 Bowlby e Lorenz concluíram que a proximidade 
física do progenitor é uma necessidade inata, 
primária e permite 
 Desenvolvimento mental do ser humano; 
 Desenvolvimento da sociabilidade 
• Bowlby constata que a separação dos pais após a 2ª 
Guerra Mundial, tinha efeitos negativos no desenvol-vimento 
físico e psíquico das crianças. 
• A vinculação aos progenitores responde a duas 
necessidades: 
-Proteção; 
-Socialização.
 John Bowlby diz-nos que a relação bebé-mãe-bebé 
é a chave para o desenvolvimento físico, 
cognitivo, afetivo e psicológico; 
 Para assegurar as relações de proteção e segurança 
existiriam esquemas comportamentais inatos que 
se manifestariam logo após o nascimento, e que 
permitiam estabelecer laços com as pessoas mais 
próximas. 
Chorar 
Sorrir 
Comportamentos que o bebé adota 
para manter a relação com as figuras 
Mamar 
de vinculação. 
Agarrar
 Em 1948 a teoria da vinculação ganha forma 
graças à OMS; 
 “Cuidados Maternos e Saúde Mental”, Bowlby 
refere-nos consequências na carência de 
cuidados maternos: 
 Relações futuras superficiais, 
 Ausência de concentração intelectual, 
 Incapacidade de se relacionar socialmente com o outro; 
 Delinquência; 
 Ausência de reações emocionais; 
 … 
 Com a ausência de vínculos, temos 
 três tipos de características: 
- Protesto (ansiedade da separação); 
- Desespero (dor e luto); 
- Desvinculação (defesa).
Comportamento de Vinculação 
Do Bebé 
Dados observáveis 
De Sorriso e de Vocalização 
Comportamentos 
de Sinalização 
Informa a mãe 
do desejo de 
interação do 
filho. 
Primeiramente 
De Choro Comportamento 
de Natureza 
aversiva 
Leva a mãe a 
aproximar-se da criança 
e a efetuar atos que 
visam pôr fim ao choro.
Mais 
Tarde 
De agarrar a gatinhar Comportamento 
ativo 
Que permite à 
criança 
aproximar-se ou 
seguir a figura 
da vinculação 
Estes comportamentos parecem ser de Natureza INATA. 
Têm como função ligar a Criança à Mãe, favorecendo 
de certo modo a vinculação da Mãe à Criança. 
A noção de comportamento de vinculação complexificou-se no sentido que: 
•Não se restringe à descrição comportamental dos 5 esquemas de acção, 
sendo definido como uma unidade funcional do comportamento.
Sorriso 
6-12 semanas Pelos 6 meses 
Comunicação 
entre o bebé e a 
figura de 
vinculação 
Acto de reflexo 
automático 
Activos e 
intencionais 
Inicialmente 
Acto Social 
dirigido a figuras 
preferenciais
Comportamento de Sucção 1969 
Descrito com um 
dos cincos 
comportamentos 
Desapareceu em 1982 
Básico de 
Vinculação
Figura de Vinculação = mãe = errado 
Pai, Mãe, Avós, Tios, Primos, educadora, ama…
 Figura à qual irá dirigir o seu comportamento; 
 Qualquer pessoa que se envolva numa interação social, 
viva e durável com o bebé, se pode tornar numa figura 
de vinculação; 
 Existem múltiplas figuras de vinculação; 
 As figuras de vinculação são hierarquizadas por 
preferências; 
 A criança tem uma tendência inata a vincular-se, em 
especial a uma figura; 
 É conveniente que as crianças tenham várias figuras de 
vinculação; 
 A existência de diversas figuras facilita a aprendizagem; 
 É uma garantia importante (acidente, doenças, morte 
ou abandono); 
 A existência de várias figuras é um factor de segurança 
para a criança.
A relação deve ser: 
 Contínua; 
 Facilmente acessível e estar disponível, adaptando-se 
aos ritmos e necessidades da criança.
Disponibilidade, continuidade e acessibilidade 
traduzem-se em respostas estáveis e 
constantes às necessidades afetivas da 
criança. 
•Carícias; 
•Compreensão; 
•Comunicação; 
•Companhia; 
•Atenção.
A relação de vinculação é uma construção 
progressiva: 
 A aptidão inata vai sendo modelada no decorrer da 
interação com o meio social; 
 A criança dirige-se de forma preferencial a figuras 
discriminadas na busca de sustento, de confiança, de 
apoio e de proteção, ao mesmo tempo que surge a 
angústia perante o estranho e o protesto em caso de 
separação, dois indícios da existência de uma 
vinculação preferencial.
 A procura de proximidade; 
 A noção de base de segurança, 
 A noção de comportamento de refúgio; 
 As reações marcadas perante a separação. 
Segundo Ainsworth (1989)
A teoria da Vinculação surge de facto como 
o conceito-chave da segunda metade do Século 
XX, na psicopatologia e na psicologia. Nasceu 
na violência das separações e das carências 
precoces, na encruzilhada dos contributos da 
psicanálise, da etologia, das ciências cognitivas, 
da informáticas e da cibernética, com os 
contributos de observação da reconstrução e da 
narração. 
O seu criador, John Bowlby, surge assim 
como um dos espíritos mais fecundos da 
psicopatologia do Século XX.
 Fotocópias cedidas pelo professor.
N 
CUL 
PROTECÇ 
L E 
C 
OM O R T 
AME N T O 
A 
I V 
E A 
B 
B 
U R A 
E 
P 
A 
A Ç 
F I G 
A Ç O 
2 
5 
4 
7 
8 
6 
3 
1 Pistas: 
1- O resultado de comportar-se; 
2- Acto ou efeito de proteger, 
abrigo, amparo, auxílio; 
3- Mulher que tem ou teve filhos; 
protectora; 
4- O que se cria com a ligação 
afetiva; 
5- Criança com pouca idade; 
6- Dependência, ligação; ligação 
afectiva entre duas pessoas; 
7- Aliança, Vínculo; 
8- A mãe pode ser a imagem, ou 
o símbolo.
1   vinculação precoce - mãe/bebé

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A aprendizagem
A aprendizagem A aprendizagem
A aprendizagem
Luis De Sousa Rodrigues
 
Vinculação
VinculaçãoVinculação
Vinculação
Sofia Cruz
 
O estádio das operações concretas
O estádio das operações concretasO estádio das operações concretas
O estádio das operações concretas
Luis De Sousa Rodrigues
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
Vitor Manuel de Carvalho
 
Mary ainsworth e a qualidade da vinculação
Mary ainsworth e a qualidade da vinculaçãoMary ainsworth e a qualidade da vinculação
Mary ainsworth e a qualidade da vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Freud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimentoFreud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimento
psicologiaazambuja
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
psicologiaazambuja
 
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vidaA importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
Susana Henriques
 
Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º
Maria Oliveira
 
Desenvolvimento psicomotor
Desenvolvimento psicomotorDesenvolvimento psicomotor
Desenvolvimento psicomotor
Luciano Orosco
 
Psicologia-Genética
Psicologia-GenéticaPsicologia-Genética
Psicologia-Genética
norberto faria
 
Modelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
Modelo bioecológico do desenvolvimento de BronfenbrennerModelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
Modelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
Thiago de Almeida
 
Teoria do apego john bowlby
Teoria do apego    john bowlbyTeoria do apego    john bowlby
Teoria do apego john bowlby
Aclecio Dantas
 
3 Spit e hospitalismo
3   Spit e hospitalismo3   Spit e hospitalismo
3 Spit e hospitalismo
Henrique Vieira
 
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculoAspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
Silvia Marina Anaruma
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
Ana Alpuim
 
Desenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescênciaDesenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescência
psicologiaazambuja
 
Fatores que influenciam o Desenvolvimento Infantil
Fatores que influenciam o Desenvolvimento InfantilFatores que influenciam o Desenvolvimento Infantil
Representações Sociais
Representações SociaisRepresentações Sociais
Representações Sociais
Sara Afonso
 

Mais procurados (20)

A aprendizagem
A aprendizagem A aprendizagem
A aprendizagem
 
Vinculação
VinculaçãoVinculação
Vinculação
 
O estádio das operações concretas
O estádio das operações concretasO estádio das operações concretas
O estádio das operações concretas
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Mary ainsworth e a qualidade da vinculação
Mary ainsworth e a qualidade da vinculaçãoMary ainsworth e a qualidade da vinculação
Mary ainsworth e a qualidade da vinculação
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
 
Freud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimentoFreud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimento
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
 
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vidaA importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
 
Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º
 
Desenvolvimento psicomotor
Desenvolvimento psicomotorDesenvolvimento psicomotor
Desenvolvimento psicomotor
 
Psicologia-Genética
Psicologia-GenéticaPsicologia-Genética
Psicologia-Genética
 
Modelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
Modelo bioecológico do desenvolvimento de BronfenbrennerModelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
Modelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
 
Teoria do apego john bowlby
Teoria do apego    john bowlbyTeoria do apego    john bowlby
Teoria do apego john bowlby
 
3 Spit e hospitalismo
3   Spit e hospitalismo3   Spit e hospitalismo
3 Spit e hospitalismo
 
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculoAspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
 
Desenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescênciaDesenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescência
 
Fatores que influenciam o Desenvolvimento Infantil
Fatores que influenciam o Desenvolvimento InfantilFatores que influenciam o Desenvolvimento Infantil
Fatores que influenciam o Desenvolvimento Infantil
 
Representações Sociais
Representações SociaisRepresentações Sociais
Representações Sociais
 

Semelhante a 1 vinculação precoce - mãe/bebé

11 psicologia
11 psicologia11 psicologia
11 psicologia
joseantoniosebastiao
 
Micaela rodrigues t1_900908
Micaela rodrigues t1_900908Micaela rodrigues t1_900908
Micaela rodrigues t1_900908
Micaela D N Rodrigues
 
Curso Teoria do Apego
Curso Teoria do ApegoCurso Teoria do Apego
Curso Teoria do Apego
Espaço da Mente
 
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
Rosane de Carvalho
 
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
Rosane de Carvalho
 
Desenvolvimento da-criana-6 a 12anos vanessa
Desenvolvimento da-criana-6 a 12anos vanessaDesenvolvimento da-criana-6 a 12anos vanessa
Desenvolvimento da-criana-6 a 12anos vanessa
ADELAYNE EDITE MENDE MENDES
 
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
Daniel Romeiro
 
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
Paula de Almeida
 
Efólio a psicologia do desenvolvimento ii nuno duarte 1300384
Efólio a psicologia do desenvolvimento ii nuno duarte 1300384Efólio a psicologia do desenvolvimento ii nuno duarte 1300384
Efólio a psicologia do desenvolvimento ii nuno duarte 1300384
Nuno Duarte
 
Antero narciso t2 1500971
Antero narciso t2 1500971Antero narciso t2 1500971
Antero narciso t2 1500971
anteronarciso
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
SimoneHelenDrumond
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
Silvia Revez
 
Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1
Kátia Rumbelsperger
 
Desenvolvimento emocional
Desenvolvimento emocionalDesenvolvimento emocional
Desenvolvimento emocional
Gabriela Andrade
 
Como ocorre o desenvolvimento na primeira infância? - Vera Ramires
Como ocorre o desenvolvimento na primeira infância? - Vera RamiresComo ocorre o desenvolvimento na primeira infância? - Vera Ramires
Como ocorre o desenvolvimento na primeira infância? - Vera Ramires
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
Eduardo Beck
 
Crescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adulto
Crescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adultoCrescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adulto
Crescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adulto
Van Der Häägen Brazil
 
Além do sentido e do significado
Além do sentido e do significadoAlém do sentido e do significado
Além do sentido e do significado
guestf01653
 
Maus tratos infligidos a crianças
Maus tratos infligidos a criançasMaus tratos infligidos a crianças
Maus tratos infligidos a crianças
Ana Lopes
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
Maria Teresa Bustamante Rosa Rezende
 

Semelhante a 1 vinculação precoce - mãe/bebé (20)

11 psicologia
11 psicologia11 psicologia
11 psicologia
 
Micaela rodrigues t1_900908
Micaela rodrigues t1_900908Micaela rodrigues t1_900908
Micaela rodrigues t1_900908
 
Curso Teoria do Apego
Curso Teoria do ApegoCurso Teoria do Apego
Curso Teoria do Apego
 
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
 
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
Teoria do-apego-e-as-estruturas-familiares edson-vizzoni-ibh-abril-2016
 
Desenvolvimento da-criana-6 a 12anos vanessa
Desenvolvimento da-criana-6 a 12anos vanessaDesenvolvimento da-criana-6 a 12anos vanessa
Desenvolvimento da-criana-6 a 12anos vanessa
 
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
 
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
 
Efólio a psicologia do desenvolvimento ii nuno duarte 1300384
Efólio a psicologia do desenvolvimento ii nuno duarte 1300384Efólio a psicologia do desenvolvimento ii nuno duarte 1300384
Efólio a psicologia do desenvolvimento ii nuno duarte 1300384
 
Antero narciso t2 1500971
Antero narciso t2 1500971Antero narciso t2 1500971
Antero narciso t2 1500971
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
 
Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1
 
Desenvolvimento emocional
Desenvolvimento emocionalDesenvolvimento emocional
Desenvolvimento emocional
 
Como ocorre o desenvolvimento na primeira infância? - Vera Ramires
Como ocorre o desenvolvimento na primeira infância? - Vera RamiresComo ocorre o desenvolvimento na primeira infância? - Vera Ramires
Como ocorre o desenvolvimento na primeira infância? - Vera Ramires
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Crescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adulto
Crescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adultoCrescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adulto
Crescer linear criança e desenvolvimento, criança não é apenas versão do adulto
 
Além do sentido e do significado
Além do sentido e do significadoAlém do sentido e do significado
Além do sentido e do significado
 
Maus tratos infligidos a crianças
Maus tratos infligidos a criançasMaus tratos infligidos a crianças
Maus tratos infligidos a crianças
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
 

Mais de Henrique Vieira

3 genetica
3   genetica3   genetica
3 genetica
Henrique Vieira
 
1 genética
1  genética 1  genética
1 genética
Henrique Vieira
 
2 ainsword-bion
2   ainsword-bion2   ainsword-bion
2 ainsword-bion
Henrique Vieira
 
Cortex cerebral
Cortex cerebralCortex cerebral
Cortex cerebral
Henrique Vieira
 
Apr brain 1
Apr brain 1Apr brain 1
Apr brain 1
Henrique Vieira
 
Psicologia Aplicada
Psicologia AplicadaPsicologia Aplicada
Psicologia Aplicada
Henrique Vieira
 
2 Ainsword-Bion
2   Ainsword-Bion2   Ainsword-Bion
2 Ainsword-Bion
Henrique Vieira
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
Henrique Vieira
 
2 genotipo e fenotipo e gémeos
2   genotipo e fenotipo e gémeos2   genotipo e fenotipo e gémeos
2 genotipo e fenotipo e gémeos
Henrique Vieira
 
3 preformismo-filogénese e
3   preformismo-filogénese e3   preformismo-filogénese e
3 preformismo-filogénese e
Henrique Vieira
 
RELAÇÕES PRECOCES MÃE/BEBÉ
RELAÇÕES PRECOCES MÃE/BEBÉRELAÇÕES PRECOCES MÃE/BEBÉ
RELAÇÕES PRECOCES MÃE/BEBÉ
Henrique Vieira
 

Mais de Henrique Vieira (11)

3 genetica
3   genetica3   genetica
3 genetica
 
1 genética
1  genética 1  genética
1 genética
 
2 ainsword-bion
2   ainsword-bion2   ainsword-bion
2 ainsword-bion
 
Cortex cerebral
Cortex cerebralCortex cerebral
Cortex cerebral
 
Apr brain 1
Apr brain 1Apr brain 1
Apr brain 1
 
Psicologia Aplicada
Psicologia AplicadaPsicologia Aplicada
Psicologia Aplicada
 
2 Ainsword-Bion
2   Ainsword-Bion2   Ainsword-Bion
2 Ainsword-Bion
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 
2 genotipo e fenotipo e gémeos
2   genotipo e fenotipo e gémeos2   genotipo e fenotipo e gémeos
2 genotipo e fenotipo e gémeos
 
3 preformismo-filogénese e
3   preformismo-filogénese e3   preformismo-filogénese e
3 preformismo-filogénese e
 
RELAÇÕES PRECOCES MÃE/BEBÉ
RELAÇÕES PRECOCES MÃE/BEBÉRELAÇÕES PRECOCES MÃE/BEBÉ
RELAÇÕES PRECOCES MÃE/BEBÉ
 

Último

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 

1 vinculação precoce - mãe/bebé

  • 1. Escola Secundária de Francisco Rodrigues Lobo Curso Tecnológico de Acção Social Ano Lectivo 2008/2009 Professor Henrique Vieira Psicologia A
  • 2.
  • 3.  Neste trabalho iremos falar sobre a importância da vinculação para o desenvolvimento do bebé e de algumas das características desta.  Falaremos também em comportamentos de vinculação, figuras de vinculação e as relações de vinculação, sendo estas subtemas do tema central.
  • 4. Vinculação •Desenvolvimento Social; •Vinculação; •Investigação de John Bowlby; •Teoria de Bowlby; •Consequência da ausência de vínculos. Comportamentos de Vinculação Figura de Vinculação •Sorriso •Vocalização; •Choro; •Agarrar e gatinhar; •Natureza Inata •Comportamento de Sucção •Outro bebé •Irmãos •Figura Principal… •Grupo de Vinculação •Amigos, namorados Relação de Vinculação •Disponibilidade; •Continuidade; •Acessibilidade; •Brincar, jogar; •Falar; •Interagir.
  • 5.
  • 6. Tema •Imaturidade biológica •Competências relacionais •Relação de Vinculação Desenvolvimento Social: Crescendo de competências e de habilidades que capacitam o indivíduo para se relacionar afetiva e socialmente com os outros.
  • 7.  A partir de que fatores o ser humano inicia a sua relação com os outros?  Qual o papel das relações afetivas precoces para a humanização do bebé e para a vida socio afetiva do ser humano?
  • 8. Vinculação  Segunda Guerra Mundial  Necessidade Primária •Perda e separação da criança pequena •Problema dos efeitos sobre o desenvolvimento socio afetivo Criar laços afetivos  Necessidade de estudar “efeitos de institucionalização”
  • 9.  1 ª Teoria é formada por John Bowlby Psiquiatra e psicanalista inglês  A personalidade do adulto é construída a partir de ligações precoces e socioafectivos da criança e que estas ligações repousam sobre necessidades e fundamentos biológicos. Sensação de Confiança - Vinculação
  • 10.  Necessidade inata, básica;  Não depende de outras necessidades;  Ligação do bebé à mãe e vice versa;  Proximidade das figuras preferenciais ou privilegiadas;  Relações que se estabelecem com o mundo que rodeia a criança, assegurando-lhe as condições para a sua sobrevivência e desenvolvimento;  Vinculação Laços; Proteção; Segurança.  Relação de Vinculação possui uma existência, uma dinâmica e uma função própria.
  • 11.  Década de 40  Investigação sobre relações entre perturbações de comportamentos e a história da infância  Colabora com o etólogo Konrad Lorenz; Desenvolve o conceito do Imprinting  Em 1958 surge o conceito de vinculação, com a publicação de dois artigos: “The Nature of Love”, do psicologo Harry F. Harlow e o artigo de Bowlby “The Nature of the child’s Tie to his Mother”
  • 12.  Bowlby e Lorenz concluíram que a proximidade física do progenitor é uma necessidade inata, primária e permite  Desenvolvimento mental do ser humano;  Desenvolvimento da sociabilidade • Bowlby constata que a separação dos pais após a 2ª Guerra Mundial, tinha efeitos negativos no desenvol-vimento físico e psíquico das crianças. • A vinculação aos progenitores responde a duas necessidades: -Proteção; -Socialização.
  • 13.  John Bowlby diz-nos que a relação bebé-mãe-bebé é a chave para o desenvolvimento físico, cognitivo, afetivo e psicológico;  Para assegurar as relações de proteção e segurança existiriam esquemas comportamentais inatos que se manifestariam logo após o nascimento, e que permitiam estabelecer laços com as pessoas mais próximas. Chorar Sorrir Comportamentos que o bebé adota para manter a relação com as figuras Mamar de vinculação. Agarrar
  • 14.  Em 1948 a teoria da vinculação ganha forma graças à OMS;  “Cuidados Maternos e Saúde Mental”, Bowlby refere-nos consequências na carência de cuidados maternos:  Relações futuras superficiais,  Ausência de concentração intelectual,  Incapacidade de se relacionar socialmente com o outro;  Delinquência;  Ausência de reações emocionais;  …  Com a ausência de vínculos, temos  três tipos de características: - Protesto (ansiedade da separação); - Desespero (dor e luto); - Desvinculação (defesa).
  • 15.
  • 16. Comportamento de Vinculação Do Bebé Dados observáveis De Sorriso e de Vocalização Comportamentos de Sinalização Informa a mãe do desejo de interação do filho. Primeiramente De Choro Comportamento de Natureza aversiva Leva a mãe a aproximar-se da criança e a efetuar atos que visam pôr fim ao choro.
  • 17. Mais Tarde De agarrar a gatinhar Comportamento ativo Que permite à criança aproximar-se ou seguir a figura da vinculação Estes comportamentos parecem ser de Natureza INATA. Têm como função ligar a Criança à Mãe, favorecendo de certo modo a vinculação da Mãe à Criança. A noção de comportamento de vinculação complexificou-se no sentido que: •Não se restringe à descrição comportamental dos 5 esquemas de acção, sendo definido como uma unidade funcional do comportamento.
  • 18. Sorriso 6-12 semanas Pelos 6 meses Comunicação entre o bebé e a figura de vinculação Acto de reflexo automático Activos e intencionais Inicialmente Acto Social dirigido a figuras preferenciais
  • 19. Comportamento de Sucção 1969 Descrito com um dos cincos comportamentos Desapareceu em 1982 Básico de Vinculação
  • 20.
  • 21. Figura de Vinculação = mãe = errado Pai, Mãe, Avós, Tios, Primos, educadora, ama…
  • 22.  Figura à qual irá dirigir o seu comportamento;  Qualquer pessoa que se envolva numa interação social, viva e durável com o bebé, se pode tornar numa figura de vinculação;  Existem múltiplas figuras de vinculação;  As figuras de vinculação são hierarquizadas por preferências;  A criança tem uma tendência inata a vincular-se, em especial a uma figura;  É conveniente que as crianças tenham várias figuras de vinculação;  A existência de diversas figuras facilita a aprendizagem;  É uma garantia importante (acidente, doenças, morte ou abandono);  A existência de várias figuras é um factor de segurança para a criança.
  • 23.
  • 24. A relação deve ser:  Contínua;  Facilmente acessível e estar disponível, adaptando-se aos ritmos e necessidades da criança.
  • 25.
  • 26. Disponibilidade, continuidade e acessibilidade traduzem-se em respostas estáveis e constantes às necessidades afetivas da criança. •Carícias; •Compreensão; •Comunicação; •Companhia; •Atenção.
  • 27. A relação de vinculação é uma construção progressiva:  A aptidão inata vai sendo modelada no decorrer da interação com o meio social;  A criança dirige-se de forma preferencial a figuras discriminadas na busca de sustento, de confiança, de apoio e de proteção, ao mesmo tempo que surge a angústia perante o estranho e o protesto em caso de separação, dois indícios da existência de uma vinculação preferencial.
  • 28.  A procura de proximidade;  A noção de base de segurança,  A noção de comportamento de refúgio;  As reações marcadas perante a separação. Segundo Ainsworth (1989)
  • 29. A teoria da Vinculação surge de facto como o conceito-chave da segunda metade do Século XX, na psicopatologia e na psicologia. Nasceu na violência das separações e das carências precoces, na encruzilhada dos contributos da psicanálise, da etologia, das ciências cognitivas, da informáticas e da cibernética, com os contributos de observação da reconstrução e da narração. O seu criador, John Bowlby, surge assim como um dos espíritos mais fecundos da psicopatologia do Século XX.
  • 30.  Fotocópias cedidas pelo professor.
  • 31.
  • 32. N CUL PROTECÇ L E C OM O R T AME N T O A I V E A B B U R A E P A A Ç F I G A Ç O 2 5 4 7 8 6 3 1 Pistas: 1- O resultado de comportar-se; 2- Acto ou efeito de proteger, abrigo, amparo, auxílio; 3- Mulher que tem ou teve filhos; protectora; 4- O que se cria com a ligação afetiva; 5- Criança com pouca idade; 6- Dependência, ligação; ligação afectiva entre duas pessoas; 7- Aliança, Vínculo; 8- A mãe pode ser a imagem, ou o símbolo.