SlideShare uma empresa Scribd logo
Técnico em
Enfermagem
Módulo III
SAÚDE COLETIVA
Doenças Transmissíveis
 Na década de 30, as doenças
transmissíveis eram a principal
causa de morte nas capitais
brasileiras, respondendo por mais
de um terço dos óbitos registrados
nestes locais, percentual
provavelmente muito inferior ao
que ocorria na área rural, da qual
não se tem registros adequados.
 As melhorias sanitárias, o
desenvolvimento de novas
tecnologias como as vacinas e os
antibióticos, a ampliação do acesso
aos serviços de saúde e as medidas
de controle, fizeram com que este
quadro se alterasse
significativamente.
Doenças Transmissíveis
A partir da década de 60 as doenças do aparelho
circulatório passaram a ser a principal causa de morte
no Brasil, superando a mortalidade por doenças
transmissíveis, que passou a ocupar o quinto grupo de
doenças responsáveis pelo óbito.
Todavia, apesar desta considerável redução, as
doenças transmissíveis ainda tem um impacto
importante sobre a morbidade, principalmente por
aquelas doenças para as quais não se dispõe de
mecanismos eficazes de prevenção e/ou que
apresentam uma estreita associação com causas
ambientais, sociais e econômicas.
Doenças Transmissíveis
A alteração do quadro de morbimortalidade, com a perda
de importância relativa das doenças transmissíveis, dá a
impressão de que essas doenças estariam todas extintas
ou próximas a isso. Contudo, essa não é a realidade no
Brasil nem mesmo em países mais desenvolvidos.
Nos Estados Unidos, por exemplo, no ano de 2003,
observou-se o registro de um total de 1.588 casos de
doença meningocócica. As meningites assépticas
(geralmente causadas por vírus) registraram uma média
anual de 10 mil casos no início da década passada, quando
ainda eram de notificação compulsória.
Doenças Transmissíveis
 A doença de Lyme, transmitida por um tipo de
carrapato, acometeu 18.387 pessoas no ano de 2003.
A coqueluche apresentou uma tendência de
crescimento desde o início da década de 80, chegando
ao patamar de 8.483 casos em 2003, e a varicela
(catapora) apresentou um registro de 13.474 neste
mesmo ano.
 Agregando-se à ocorrência destas doenças infecciosas
que já vinham sendo registradas no país, nas últimas
décadas, novas doenças infecciosas têm sido
introduzidas e disseminadas em todo seu território.
Doenças Transmissíveis
 O HIV tem sido uma das infecções* mais emblemáticas deste processo
denominado de "emergência das doenças infecciosas", a partir do seu
surgimento no início da década de 80 naquele país. Mais recentemente
uma doença originada na África e transmitida por mosquitos, a febre do
oeste do Nilo, a partir de sua introdução em Nova Iorque, desde 1999
vem gerando surtos com elevado número de casos e óbitos. Somente no
último ano foram registrados 1.933 casos.
 Mesmo doenças que já estão sendo eliminadas em todo o continente
americano, como o sarampo, apresenta transmissão ainda em vários
países do continente europeu, representando um risco constante para
sua disseminação para os países que conseguiram a sua eliminação.
*Pelo Decreto nº 8.901/2016 publicado no Diário Oficial da União em
11.11.2016, o Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do
HIV/Aids e das Hepatites Virais passou a usar a nomenclatura “IST”
(infecções sexualmente transmissíveis) no lugar de “DST” (doenças
sexualmente transmissíveis).
Doenças Transmissíveis
Tais dados ajudam na compreensão do
verdadeiro momento em que se encontram as
doenças transmissíveis.
O enorme êxito alcançado na prevenção e
controle de várias destas doenças, que hoje
ocorrem em proporção ínfima quando em
comparação com algumas décadas atrás, não
significa que foram todas erradicadas.
Essa é uma falsa percepção e uma expectativa
irrealizável, pelo menos em curto prazo e com os
meios tecnológicos atualmente disponíveis.
Doenças Transmissíveis
Por causa das diferenças associadas às condições
sociais, sanitárias e ambientais, as doenças
transmissíveis ainda se constituem em um dos
principais problemas de saúde pública no
mundo.
Doenças antigas ressurgem com outras
características e doenças novas se disseminam
com uma velocidade impensável há algumas
décadas. A varíola, ainda é o único do produto
de anos e décadas de esforços contínuos dos
governos e sociedade.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Difteria:
– A difteria é uma doença
transmissível aguda, toxi-
infecciosa, causada por bacilo
toxigênico que frequentemente
se aloja nas amígdalas, na
faringe, na laringe, no nariz e,
ocasionalmente, em outras
mucosas e na pele.
– O número de casos de difteria
notificados no Brasil vem
decrescendo progressivamente,
provavelmente em decorrência
do aumento da utilização da
vacina tríplice bacteriana (DTP).
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Coqueluche:
– No início da década de 1980, eram notificados mais de
40 mil casos anuais, e o coeficiente de incidência era
superior a 30/100.000 habitantes. Este número caiu
abruptamente a partir de 1983, mantendo desde
então, uma tendência decrescente.
– Na década de 1990, foram notificados 15.329 casos,
resultando em um coeficiente de incidência de
10,64/100.000 habitantes, sendo que a partir de 1996,
o número de casos anuais não excedeu 2.000,
mantendo-se com coeficiente de incidência em torno
de 1/100.000 habitantes.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Coqueluche:
– Com o Programa Nacional de Imunizações, em 1973, a
vacina tríplice bacteriana (DTP) passou a ser recomendada
para crianças menores de 7 anos, observando-se a partir
disso o decréscimo na incidência da coqueluche.
– A partir dos anos 90, a cobertura foi se elevando,
principalmente a partir de 1998, resultando em uma
modificação importante no perfil epidemiológico desta
doença.
– Entretanto, nos últimos anos, surtos de coqueluche vêm
sendo registrados em populações com baixa cobertura
vacinal, principalmente em populações indígenas.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Tétano:
– O tétano é uma doença transmissível, não contagiosa, que
apresenta duas formas de ocorrência: acidental e neonatal.
– A primeira forma geralmente acomete pessoas que entram
em contato com o bacilo tetânico ao manusearem o solo ou
através de ferimentos ou lesões ocorridas por materiais
contaminados, em ferimentos na pele ou mucosa.
– O tétano neonatal é causado pela contaminação durante a
secção do cordão umbilical pelo uso de instrumentos
esterilizados inadequadamente; pelo uso de substâncias
contaminadas no coto umbilical como teia de aranha, pó de
café, fumo, esterco.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Tétano:
– As mortes pelo tétano acidental acompanham uma tendência
declinante, das 713 ocorrências anuais registradas em 1982, para
menos de 300 desde 1998. Tal enfermidade apresenta uma
letalidade média de 70%, o que implica em um impacto
importante na mortalidade infantil neonatal.
– O tétano acidental pode ser evitado pelo uso da vacina DPT na
infância e com a vacina dupla adulto (dT) em adultos, além dos
reforços a cada dez anos para quem já tem o esquema completo.
Outra medida importante é a adoção de procedimentos
adequados de limpeza e desinfecção de ferimentos ou lesão
suspeita para tétano, nas unidades de saúde. Com relação ao
tétano neonatal pode ser evitado principalmente por meio da
vacinação das gestantes durante o pré-natal.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Poliomielite:
– A poliomielite responsável pela paralisia infantil,
doença que pode deixar sequelas graves e levar ao
óbito, chegou a acometer 3.596 crianças no ano de
1975.
– A intensificação da vigilância e ações de controle,
particularmente a ampliação da vacinação de rotina e a
introdução das Campanhas Nacionais de Vacinação
diminuíram o número de casos confirmados nos anos
de 1987 e 1988, sendo em 1989 notificado o último
caso com isolamento do polivírus selvagem no país,
sendo erradicado em 1994 no Brasil.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Poliomielite:
– O alcance da erradicação foi possível devido às
estratégias de coberturas vacinal adequada de
forma homogênea em todo o território nacional e
cumprimento de metas adequadas dos indicadores
de vigilância epidemiológica.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Sarampo:
– Em 1980, essa doença provocou aproximadamente 3.236
mortes. O sarampo é uma doença transmissível e
contagiosa, que acometeu de 2 a 3 milhões de crianças nos
anos epidêmicos na década de 70.
– Apresentando redução em 1991 a 2000, sendo que em
2001 alcançou-se a eliminação da circulação do vírus
autóctone, apesar do surto ocorrido em 1997.
– O Ministério da Saúde implantou o Plano de Erradicação do
Sarampo em 1999 com o intuito de intensificar as ações de
vigilância epidemiológica objetivando detectar e investigar
de forma oportuna todos os casos suspeitos de sarampo e
rubéola.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Sarampo:
– Com isso, realizar de forma oportuna o bloqueio
vacinal diante de todos os casos suspeitos e garantir
que todos os municípios atinjam a cobertura vacinal
adequada na rotina, de 95% nas crianças de um ano de
idade.
– Em 2001 e 2002, apenas 1 caso foi confirmado de
sarampo importado do Japão. Em 2003 mais dois casos
importados foram confirmados, sendo o caso índice
procedente da Alemanha.
– Esse quadro reforça a expectativa de garantir a
execução do objetivo de erradicar a doença no Brasil.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Rubéola:
– Introduzida na lista de doenças de notificação
compulsória no Brasil na segunda metade da década
de 90.
– Em 1997, ano em que o País enfrentou a última
epidemia de sarampo, foram notificados cerca de
30.000 casos de rubéola.
– No período de 1999/2001 ocorreram surtos desta
doença em vários estados do Brasil.
– Em 2001, a rubéola chegou a 5/105 mulheres na faixa
etária de 15 a 19 anos e de 6,3/105 mulheres na faixa
etária de 20-29 anos.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Rubéola:
– A partir do Plano de Erradicação do Sarampo no País,
em 1999, houve um aumento na vigilância e controle
dos casos.
– Em 2002, ocorreram 443 casos de rubéola no Brasil,
representando uma diminuição de 90% se comparado
à incidência de 1997.
– Consequência da realização de uma campanha de
vacinação em massa dirigida às mulheres em idade
fértil em todo o País com uma cobertura média de
95,68% e introdução da vacina dupla ou tríplice viral no
calendário básico de imunização.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Rubéola:
– A partir do Plano de Erradicação do Sarampo no
país, em 1999,
– Atualmente a vacinação de mulheres em idade
fértil tem possibilitado uma importante redução
dos casos de SRC, alcançando a ocorrência de 13
casos registrados em todo o país, o que indica a
possibilidade de interrupção na sua transmissão.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Raiva humana:
– Doença infecciosa aguda, de etiologia viral, transmitida
por mamíferos, que apresenta dois ciclos principais de
transmissão: urbano e silvestre.
– Apresenta letalidade de 100% e é passível eliminação
no ciclo urbano por meio de medidas eficientes de
prevenção tanto em relação ao homem quanto à fonte
de infecção, cão e gato por exemplo.
– No Brasil, o morcego hematófago é o principal
responsável pela manutenção da cadeia silvestre.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Raiva humana:
– Nas duas últimas décadas houve uma redução
significativa no número de casos humanos registrados
por ano, caindo de 173, em 1980, para 17 casos em
2003, tendo o cão como o principal transmissor da
doença.
– Atualmente esses casos estão concentrados
principalmente na Região Norte e Nordeste.
– Desde 2003 todas as Unidades da Federação
disponibilizam, na rede de serviços de saúde, vacina de
alta qualidade para a profilaxia da Raiva Humana, a
vacina de cultivo celular.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Doença de Chagas:
– Transmitida, principalmente por um inseto que se
alimentam de sangue (hematófago), o barbeiros,
apresentava uma elevada incidência no Brasil no fim da
década de 70, em cerca de 100 mil casos novos por
ano.
– Atualmente, devido à estratégia de monitoramento
para identificação do vetor e as ações de combate com
inseticidas específicos, melhorias habitacionais
realizadas nas áreas endêmicas, há um controle sobre
a doença com uma prevalência de média geral de
0,13% de acordo com pesquisas realizadas.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Doença de Chagas:
– Visando avaliar o impacto das ações de prevenção
e controle da doença de Chagas, vem sendo
desenvolvido em todo o país novo inquérito
sorológico, que tem indicado uma importante
redução na prevalência de infecção na população
menor de cinco anos.
Doenças Transmissíveis
 Doença de Chagas:
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Hanseníase:
– É uma doença infecciosa crônica causada pelo
Mycobacterium leprae.
– A preferência por nervos periféricos confere
características peculiares à bactéria, tornando o
seu diagnóstico simples.
– A hanseníase tem apresentado uma redução
significativa de sua prevalência, de 16,4 por 10.000
habitantes em 1985 para 4,52 por 10.000
habitantes em 2003.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Hanseníase:
– Mesmo assim, o Brasil continua sendo o segundo
maior número de pacientes de hanseníase do
mundo, excedido apenas pela Índia em relação ao
total de casos, encontrando-se também entre os
seis países que não atingiram a eliminação da
hanseníase em 2005.
– Consequentemente, ainda é um problema de
saúde pública no Brasil, exigindo esforços para um
plano de intensificação das ações de eliminação e
de vigilância.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Hanseníase:
– O estado de Pernambuco por sua vez é considerado
endêmico para hanseníase, com mais de 3.000 novos
pacientes por ano e taxas de detecção por volta de 4
para cada 10.000.
– O maior número dos pacientes é encontrado na área
metropolitana do Recife. Sendo que em 2010, de
acordo com o Sinan, foram registrados 3.067 casos em
PE e no Recife 994, ou seja, 32,4% dos números de
casos do estado, demonstrando com isso que a doença
se encontra propagada em diferentes áreas do
Pernambuco.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Hanseníase:
– Com isso, os resultados encontrados demonstram
a necessidade de continuar à execução das
atividades que produzam efeito negativo quanto à
transmissão da doença.
– O objetivo de acordo com o Plano de Eliminação da
Hanseníase no Brasil estabelecido pelo Ministério
da Saúde, é atingir a prevalência inferior a 1
caso/10.000 habitantes em cada município de
acordo.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Febre tifoide:
– A febre tifoide é uma doença transmissível associada às
precárias condições sanitárias, de higiene pessoal e
ambiental, na maioria das vezes ocorre como surtos
relacionados com água e/ou alimentos contaminados.
– A imunidade adquirida após a infecção ou vacinação
não é definitiva e a vacina não apresenta efetividade
para o controle de surtos.
– A doença persiste de forma endêmica no Brasil, com
superposição de epidemias especialmente nas regiões
Norte e Nordeste.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Febre tifoide:
– Desde a década de 80, e especificamente na década de
90, observa-se um declínio no coeficiente de incidência
de 1,4/100.000 hab. em 1990, para 0,5/100.000 hab.
em 2000, como também na letalidade de 2,4% em
1990 para 1,3% em 2000.
– Nos anos de 2002 e 2003 foi registrado um total de
casos inferior a 500 em todo o País.
– A estratégia de controle da febre tifoide está dirigida,
no setor saúde, para o fortalecimento das vigilâncias
epidemiológica, sanitária e ambiental visando a
detecção de casos precoce e a adoção de medidas que
impeçam a sua propagação.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Oncocerose:
– É uma doença causada por um verme nematódeo
transmitido de uma pessoa infectada a outra por meio
da picada de mosquitos vetores do gênero Simulium, e
causa cegueira.
– No Brasil, a oncocercose é restrita à área uma área no
Estado de Roraima de acordo com o Ministério da
Saúde no período (1993-1997).
– Em 1995, houve a disponibilização de drogas eficazes a
doença, junto as atividades de controle, distribuição de
medicamentos, atingindo 100% da área endêmica em
2001, tais ações possibilitarão a eliminação da doença.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Filariose:
– É causada por um nematódeo, a Wucheceria
bancrofti, e transmitida por mosquitos, Culex.
– No Brasil já foi muito prevalente, sendo que
atualmente está localizada em focos endêmicos na
região metropolitana do Recife e, em menor
escala, em Maceió, cidades onde as condições
ambientais e de drenagem favorecem a
permanência de alto índice de população vetorial.
– Em Belém, onde a eliminação encontra-se próxima,
a infecção ocorre de forma residual.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Filariose:
– Nos últimos anos o combate à filariose está
apoiado no tratamento com Dietilcarbamazina da
população que vive em área de foco.
– No Brasil a primeira experiência com esta forma de
abordagem foi realizada em Recife em novembro
de 2003.
– Faz-se também o controle do vetor, visando
reduzir a densidade populacional do mosquito
transmissor, atividades de educação em saúde,
visando à eliminação dos criadouros.
Algumas Doenças Transmissíveis com
Tendência Descendente
Peste:
– Transmitida por roedores silvestres, atualmente está
restrita a algumas áreas serranas ou de planalto,
principalmente na região Nordeste, sendo geralmente
associada com o cultivo e armazenagem de grãos.
– Os últimos casos foram registrados no Estado da Bahia
em 2000.
– As atividades permanentes de vigilância sobre os
roedores.
– A mortalidade por essa doença praticamente inexiste
atualmente no país, com apenas um óbito registrado
em toda a década de 1990.
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Malária:
– Acometia cerca de seis milhões de brasileiros por ano na
década de 40, em todas as regiões.
– As mudanças sociais ocorridas e o intenso trabalho de
controle desenvolvido por meio da Campanha de
Erradicação da Malária possibilitaram o relativo controle da
doença, que passou a apresentar uma ocorrência de menos
de 100 mil casos anuais e restringindo-se a Amazônia Legal
que responde por mais de 99% dos casos registrados no
País.
– Com os projetos de desenvolvimento da Amazônia houve
dispersão da malária pelas regiões Norte e Centro-Oeste,
com um aumento significativo do número de casos,
passando-se a alcançar níveis de 450 a 500 mil casos anuais.
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Malária:
– Diante disso, o Ministério da Saúde elaborou o
Plano de Intensificação das Ações de Controle da
Malária (PIACM), desencadeando uma série de
ações na Região Amazônica.
– Estas ações, executadas em parceria com estados e
municípios, colaboraram na inversão da tendência
de crescimento desta endemia.
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Tuberculose:
– A tuberculose (TB) é uma das enfermidades mais antigas e
conhecidas do mundo, porém não é uma doença do passado,
visto que foi decretada pela Organização Mundial de Saúde
(OMS) como enfermidade reemergente desde 1993.
– Ainda de acordo com a OMS, a doença possui atualmente como
principais causas para a gravidade da situação no mundo os
seguintes fatores: desigualdade social, advento da AIDS,
envelhecimento da população, grandes movimentos migratórios.
– O Brasil ocupa a 18ª posição entre os 22 países responsáveis por
80% dos casos de TB no mundo e contempla 35% dos casos
notificados na Região das Américas de acordo com a Organização
Mundial de Saúde em 2009.
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
 Tuberculose:
– Dentre as doenças infecciosas e
parasitárias, a tuberculose de vias
respiratórias é a maior causa de
morte entre os idosos recifenses.
– Em 2010, PE apresentou 5.048
casos, Recife 2.506 (49,6% dos casos
de PE). Caracterizando-se assim,
como uma doença negligenciada.
– A tuberculose tem sido objeto de
ações e investimentos recentes do
Ministério da Saúde e demais
instâncias do Sistema Único de
Saúde - SUS, com o intuito de
garantir a continuidade do
tratamento e ampliar a capacidade
de detecção de novos casos e
aumentar o percentual de cura.
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Meningite:
– Caracterizada por processos inflamatórios das meninges
que podem estar relacionados com uma grande variedade
de agentes infecciosos como: vírus, bactérias, fungos e
protozoários.
– Para a saúde pública são relevantes as meningites
infecciosas, causadas por agentes etiológicos transmissíveis.
O quadro clínico da doença pode variar de acordo com a
etiologia, mas em geral a doença é grave e pode evoluir
para óbito.
– A meningite constitui um problema complexo e
multifacetado, por ser uma doença com diferentes
etiologias, possui distintos impactos sobre a saúde pública e
estratégias de prevenção e controle diversas.
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Meningite:
– Durante a primeira metade da década de 90 observou-se um
aumento no número de casos notificados de doença
meningocócica, atingindo o pico em 1996, com o registro de
7.321 casos.
– Esse aumento decorreu, em grande parte, de surtos localizados
em municípios com grande contingente populacional, como São
Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.
– A partir de 1996 há uma tendência de redução constante no
número de casos, de 7.321 casos, neste ano, para 2.923 casos em
2003.
– Alguns fatores podem ter colaborado com esta redução, dentre
eles destacam-se a adoção oportuna das medidas de controle
(quimioprofilaxia e vacinação de bloqueio), decorrente da
ampliação da assistência à saúde da população.
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Leishmaniose Visceral (LV):
– A leishmaniose visceral, calazar, era uma doença
praticamente silvestre com características de
ambientes rurais, que tem tido uma mudança de
comportamento, fundamentalmente por modificações
socioambientais, como o desmatamento que reduziu a
disponibilidade de animais para servir de fonte de
alimentação para o mosquito transmissor, colocando-
lhe o cão e o homem como alternativos mais
acessíveis.
– A doença ainda não dispõe de formas de prevenção
completamente efetivas, como uma vacina.
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Leishmaniose Visceral (LV):
– O comportamento epidemiológico da leishmaniose
visceral é cíclico, com elevação dos casos em
períodos médios a cada cinco anos, além de uma
tendência crescente, se considerarmos o período
de 1980 a 2003.
– Na década de 1990, aproximadamente 90% dos
casos de LV ocorreram na região Nordeste e
atualmente esta região representa 74% do total de
casos do País.
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA):
– No período de 1980 a 2003, a LTA no Brasil vem
apresentando coeficientes de detecção que oscilam
entre 3,83 a 22,94 por 100.000 habitantes.
– Ao longo desse período observou-se uma tendência ao
crescimento, registrando os coeficientes mais elevados
nos anos de 1994/1995, quando atingiram níveis de
22,83 e 22,94 por 100.000 habitantes,
respectivamente.
– Vale ressaltar que o ano de 1998 apresentou uma
queda significativa neste coeficiente (13,47/100.000
habitantes).
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA):
– Observa-se no Brasil uma expansão geográfica, sendo
que no início da década de 80 foram registrados casos
em 20 unidades federadas e nos últimos anos todas as
unidades federadas registraram casos autóctones da
doença.
– As regiões Nordeste e Norte contribuem com o maior
número de casos registrados no período (cerca de
36,9% e 36,2% respectivamente), e a região Norte com
os coeficientes mais elevados (99,85/100.000
habitantes), seguida das regiões Centro-Oeste
(41,85/100.000 habitantes e Nordeste (26,50/100.000
habitantes).
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA):
– A LTA por ser uma doença que apresenta grande
diversidade e constantes mudanças nos padrões
epidemiológicos de transmissão, em virtude das
diferentes espécies de vetores, reservatórios e
agentes etiológicos, associados à ação do homem
sobre o meio ambiente, dificulta as ações de
controle da mesma.
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Febre amarela silvestre:
– A febre amarela urbana encontra-se erradicada de nosso país
desde 1942 e é responsável por duas formas de aparecimento, a
urbana e a silvestre.
– Todavia, com relação a febre amarela silvestre não é possível a
sua erradicação devido ao seu ciclo natural de circulação entre os
primatas não humanos das florestas tropicais.
– Por causa da última epidemia ocorrida em Minas Gerais no ano
de 2003, foi definida uma área indene de risco potencial para
circulação viral, que compreende os municípios do sul de Minas
Gerais e da Bahia e a região centro-norte do Espírito Santo.
– Em 2003, foram registrados 64 casos da doença com 23 óbitos. O
surto de Minas Gerais foi responsável por 58 desse total de casos
e por 75% de todos os óbitos do período (21 óbitos). Os demais
casos de febre amarela foram registrados em Mato Grosso (n= 5)
e Pará (n=1).
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Febre amarela silvestre:
– A vacina antiamarílica é o único meio eficaz para
prevenir e controlar a doença, já que interrompe o
ciclo de transmissão, e tem por objetivos: conferir
proteção individual e coletiva na população,
bloquear a propagação geográfica da doença
criando uma barreira de imunidade e prevenir
epidemias.
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Hepatites:
– As hepatites virais apresentam distribuição universal e
magnitude variável de acordo com a região do País.
– As hepatites A e E apresentam alta prevalência nos
países em desenvolvimento, onde as condições
sanitárias e socioeconômicas são precárias.
– A prevalência de hepatite B tem sido reduzida em
países onde a vacinação foi implementada, contudo
ainda possui uma alta prevalência em populações de
risco acrescido e em países onde a transmissão vertical
e horizontal intradomiciliar não é controlada.
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Hepatites:
– A Organização Mundial de Saúde estima que cerca
de dois bilhões de pessoas já tiveram contato com
o vírus da hepatite B, tornando 325 milhões de
portadores crônicos.
– O Brasil, por sua vez, segundo a Organização Pan-
Americana de Saúde (Opas) possui estimativa de
infecção pelo HAV de aproximadamente 130 casos
novos por 100.000 habitantes ao ano e de que
mais de 90% da população maior de 20 anos tenha
tido exposição ao vírus.
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Hepatites:
– De acordo com o Ministério da Saúde, ainda não
existem estudos capazes de estabelecer sua real
prevalência no país, com relação a hepatite C.
– Com base em dados da rede de hemocentros de
pré-doadores de sangue, em 2002, a distribuição
variou entre as regiões brasileiras: 0,62% no Norte,
0,55% no Nordeste, 0,28% no Centro-Oeste, 0,43%
no Sudeste e 0,46% no Sul.
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Hepatites:
– Contudo, a vigilância epidemiológica das hepatites
virais no país utiliza o sistema universal e passivo,
baseado na notificação de casos suspeitos.
– O número de notificações não reflete a real
incidência da infecção, pois a maioria dos
acometidos possuem formas assintomáticas ou
oligossintomáticas.
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Leptospirose:
– A Leptospirose é uma zoonose de distribuição
mundial e notificação obrigatória no Brasil,
apresentando grande incidência em algumas
regiões, alto custo em internações hospitalares e
alta taxa de letalidade.
– É causada por um agente etiológico uma bactéria
do gênero Leptospira, encontrada na urina de
roedores e outros mamíferos infectados, que pode
cursar de forma leve, moderada ou grave.
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Leptospirose:
– Pernambuco apresentou em 2010 o equivalente a
252 casos e a sua capital foi responsável por 178
(70,6%) desses casos o que pode estar associado
ao alto índice de moradia subnormal, as condições
socioambientais, interligados de forma
convergentes com a ausência da
corresponsabilidade da limpeza pública.
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Esquistossomose:
– A esquistossomose mansônica tem ampla
distribuição geográfica no Brasil, com maior
intensidade de transmissão na região Nordeste do
país e norte de Minas Gerais.
– Desde o início da década de 1950 até o presente
ano tem sido observada redução nas prevalências
de infecção.
Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro
de Persistência
Esquistossomose:
– Nos últimos 20 anos o percentual tem situado entre
5,5 a 11,6% da população examinada. Os Estados de
Alagoas, Pernambuco, Bahia, Sergipe, Paraíba e Minas
Gerais, possuem os maiores percentuais da doença.
– A tendência histórica para estes indicadores aponta
para uma redução na morbidade e mortalidade por
formas graves pela doença, para o País como um todo.
– Entretanto, nas áreas endêmicas da região Nordeste do
Brasil, a ocorrência da forma hepatoesplênica, que
pode levar ao óbito por hemorragia digestiva, ainda
representa um importante problema de saúde.
Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e
Reemergentes
Antes de tratarmos das doenças transmissíveis, é
importante observar que a partir de novembro de
2016 o Departamento de Vigilância, Prevenção e
Controle das DST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais
passou a utilizar nomenclatura “IST” no lugar de
“DST”.
Ou seja, o que antes tínhamos por Doenças
Sexualmente Transmissíveis (DST), passou a ser
Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST).
Tal medida se deu em função da atualização da
estrutura regimental do Ministério da Saúde,
mediante Decreto nº 8.901/2016, publicado no Diário
Oficial da União em 11.11.2016, Seção I, páginas 03 a
17.
Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e
Reemergentes
HIV:
– Identificada no Brasil em 1980, apresentou um
crescimento na incidência até 1998, quando foram
registrados 25.732 casos novos, com um coeficiente de
incidência de 15,9 casos/100.000 hab.
– Posteriormente, observou-se uma desaceleração nas
taxas de incidência de HIV no Brasil, a despeito da
manutenção das principais tendências da epidemia:
heterossexualização, feminização, envelhecimento e
pauperização do paciente, aproximando-o cada vez
mais do perfil socioeconômico do brasileiro médio.
Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e
Reemergentes
HIV:
– Desde o início da década de 1980 até setembro de 2003, o
Ministério da Saúde notificou 277.154 casos de HIV no Brasil.
– Deste total, 197.340 foram verificados em homens e 79.814 em
mulheres.
– Em 2003, foram notificados 5.762 novos casos da epidemia e,
destes, 3.693 foram verificados em homens e 2.069 em
mulheres, evidenciando o aumento entra as mulheres.
– Até 2016 verifica-se também o crescimento da HIV em
adolescentes do sexo feminino cuja faixa etária é de 13 a 19
anos.
– Tal crescimento pode estar relacionado com o início precoce da
atividade sexual em relação aos adolescentes do sexo masculino,
normalmente os homens com maior experiência sexual são mais
expostos aos riscos de contaminação por Infecções sexualmente
transmissíveis (IST) e HIV.
Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e
Reemergentes
HIV:
– As principais categorias de transmissão do HIV entre os
homens e mulheres se dão através das relações sexuais
correspondendo a 58% e 86,7% respectivamente dos
casos positivos.
– Segundo a UNAIDS (agência da ONU especializada na
epidemia de HIV), entre os anos de 2010 e 2018 o
Brasil andou na contramão da tendência mundial de
queda em relação ao número de novas infecções por
HIV que chegou a 16% o que daria aproximadamente
1,7 milhões de infecções no mundo todo em 2018.
Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e
Reemergentes
HIV:
– Enquanto isso, no mesmo ano, o Brasil registrou 53 mil
novos casos, perdendo apenas para Chile e Bolívia que
tiveram dados mais preocupantes que o Brasil, mas
ainda assim por diferença mínima.
– O risco de infecção por HIV até 2019, ainda segundo a
UNAIDS, é:
• 26 vezes maior entre homens que praticam sexo com outros
homens;
• 29 vezes maior entre pessoas que utilizam drogas injetáveis;
• 30 vezes maior em trabalhadoras do sexo;
• 13 vezes maior para transexuais.
Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e
Reemergentes
Cólera:
– Apesar de todo o conhecimento acumulado durante 30
anos, esta doença continua sendo um desafio não
somente em função das características do agente, mas
principalmente pela vulnerabilidade de grande parcela
da população mundial, sobrevivendo em condições de
pobreza extrema.
– No Brasil, os primeiros casos foram detectados em
abril de 1991, no Estado do Amazonas, de onde se
alastrou progressivamente pela região Norte. No final
do ano atingiu o município de São Luiz do Maranhão e
em 1992 todos os Estados do Nordeste.
Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e
Reemergentes
Cólera:
– Entre 1991 e 2001 foram registrados no Brasil um total
de 168.598 casos e 2.035 óbitos, com registro de
grandes epidemias na região nordeste.
– O coeficiente de incidência de cólera em 1993, ano em
que ocorreu o maior número de casos, foi de
39,81/100.000 habitantes, com 670 óbitos e letalidade
de 1,11%.
– Estudos evidenciam a complexidade do processo de
determinação da cólera e a importância dos
determinantes sociais, do ambiente natural ou
modificado.
Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e
Reemergentes
Cólera:
– As condições ambientais precárias, abastecimento de
água insuficiente e sistemas de esgoto inadequados
são obstáculos para o controle do desenvolvimento de
surtos e epidemias por cólera.
– Com os esforços do sistema de saúde de reduzir de
maneira drástica estes valores a partir de 1995, em
2001 registrou-se sete casos confirmados (quatro casos
no Ceará e um caso em Pernambuco, Alagoas e
Sergipe).
– Em 2002 e 2003, não foram detectados casos
confirmados de cólera no Brasil.
Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e
Reemergentes
Cólera:
– Contudo, o risco de sua reintrodução em áreas já
atingidas ou ainda indenes continua presente tendo
em vista que persistem as baixas coberturas de
saneamento.
– As equipes técnicas de vigilância epidemiológica e
ambiental dos três níveis de governo têm desenvolvido
atividades de prevenção, com a realização de
investigação de casos suspeitos, envolvendo a coleta
de amostras clínicas e de amostras de água e de meio
ambiente, principalmente nos mananciais que
abastecem os sistemas de captação da água para
consumo humano.
Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e
Reemergentes
Dengue:
– É uma arbovirose, transmitida pelo mosquito
Aedes aegypti, que se tornou um grave problema
de saúde pública no Brasil, e em outras regiões
tropicais do mundo.
– Sua transmissão essencialmente urbana, ambiente
no qual se localizam fatores ideais para o seu
desenvolvimento como o homem, o vírus, o vetor e
principalmente as condições políticas, econômicas
e culturais que formam a estrutura que permite o
estabelecimento da cadeia de transmissão.
Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e
Reemergentes
Dengue:
– Tal doença é responsável por uma das maiores
campanhas de saúde pública realizadas no País.
– O mosquito transmissor da doença que havia sido
erradicado de diversos países do continente
americano nas décadas de 50 e 60, retornou na
década de 70, devido aos erros da vigilância
epidemiológica, mudanças sociais e ambientais
consequência de uma urbanização acelerada da
época.
Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e
Reemergentes
Dengue:
– Atualmente, o mosquito transmissor é encontrado
numa larga faixa do continente americano, que se
estende desde o Uruguai até o sul dos Estados Unidos,
com registro de surtos importantes de dengue em
vários países como Venezuela, Cuba, Brasil e Paraguai.
– De acordo com o Ministério da Saúde as dificuldades
de erradicar um mosquito domiciliado têm exigido um
esforço enorme da esfera da saúde, com um gasto
estimado de quase R$ 1 bilhão por ano, quando
computados todos os custos dos dez componentes do
Programa Nacional de Controle da Dengue.
Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e
Reemergentes
Dengue:
– Entre 1999 e 2002 foi registrado um aumento na
incidência de dengue, alcançando 794.219 casos
notificados em 2002.
– Em 2003, verificou-se uma redução de 56,6% no
total de casos notificados em relação a 2002, o que
este relacionado com o fortalecimento das ações
para controlar a doença.
Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e
Reemergentes
Dengue:
– Outro fator, contudo, poderá piorar esse cenário com a
entrada em circulação de um novo tipo do vírus da dengue,
o DENV-4.
– Com isso, o Ministério da Saúde, através da Secretaria de
Vigilância em Saúde junto com as Secretarias Estaduais e
Municipais de Saúde vem executando um conjunto de
ações com o aumento da intensificação das ações de
combate ao vetor, fortalecimento das ações de vigilância
epidemiológica , integração das ações de vigilância e de
educação sanitária com o Programa de Saúde da Família e
de Agentes Comunitários de Saúde e uma forte campanha
de mobilização social e de informação para garantir a
efetiva participação da população.
Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e
Reemergentes
Hantavirose:
– Doença emergente com duas formas clínicas: renal
e cardiopulmonar. Sendo a primeira de maior
frequência na Europa e na Ásia, e a segunda possui
presença maior no continente americano.
– A doença se faz presente em quase todos os países
da América do Norte e da América do Sul.
– A infecção humana ocorre frequentemente, pela
inalação de aerossóis formados a partir de
secreções e excreções dos reservatórios, que são
roedores silvestres.
Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e
Reemergentes
Hantavirose:
– No Brasil, os primeiros casos foram detectados em 1993 na
cidade de São Paulo, nos dias atuais a doença tem sido
detectada principalmente na região Sul, além dos estados
de São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso.
– De 1993 a 2003 foram registrados 338 casos em 11 estados
brasileiros com uma letalidade média de 44,5%.
– O Ministério da Saúde implantou da vigilância
epidemiológica dessa doença, o desenvolvimento da
capacidade laboratorial para realizar diagnóstico, a
divulgação das medidas adequadas de tratamento com o
intuito de reduzir a letalidade, e aumentar o conhecimento
da situação de circulação de alguns hantavírus nos roedores
silvestres brasileiros, objetivando o controle e a prevenção
da doença.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
Fernanda Marinho
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
Ana Carolina Costa
 
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdfAULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
mauromaumau
 
Hanseniase
HanseniaseHanseniase
Hanseniase
Natália Rodrigues
 
CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde
CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde
CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Quais são as ist's
Quais são as ist'sQuais são as ist's
Quais são as ist's
Marco Silva
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
Rodrigo Abreu
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
morgausesp
 
Mortalidade Materna e Infantil
Mortalidade Materna e InfantilMortalidade Materna e Infantil
Doenças emergentes e reemergentes
Doenças emergentes e reemergentesDoenças emergentes e reemergentes
Doenças emergentes e reemergentes
alforreca567
 
Sfilis
SfilisSfilis
Imunização
ImunizaçãoImunização
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 AnosCalendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
Farmacêutico Digital
 
Investigação epidemiológica
Investigação epidemiológica Investigação epidemiológica
Investigação epidemiológica
Ivson Cassiano
 
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Cleiton Ribeiro Alves
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Erivaldo Rosendo
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
Larissa Paulo
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Cláudia Sofia
 
Slide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseSlide Seminário Hanseníase
Slide Seminário Hanseníase
Nathy Oliveira
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Letícia Spina Tapia
 

Mais procurados (20)

Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdfAULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
 
Hanseniase
HanseniaseHanseniase
Hanseniase
 
CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde
CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde
CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde
 
Quais são as ist's
Quais são as ist'sQuais são as ist's
Quais são as ist's
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
Mortalidade Materna e Infantil
Mortalidade Materna e InfantilMortalidade Materna e Infantil
Mortalidade Materna e Infantil
 
Doenças emergentes e reemergentes
Doenças emergentes e reemergentesDoenças emergentes e reemergentes
Doenças emergentes e reemergentes
 
Sfilis
SfilisSfilis
Sfilis
 
Imunização
ImunizaçãoImunização
Imunização
 
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 AnosCalendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
 
Investigação epidemiológica
Investigação epidemiológica Investigação epidemiológica
Investigação epidemiológica
 
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de Imunizacao
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Slide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseSlide Seminário Hanseníase
Slide Seminário Hanseníase
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
 

Semelhante a AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx

Saude brasil2004 capitulo6
Saude brasil2004 capitulo6Saude brasil2004 capitulo6
Saude brasil2004 capitulo6
Gabriel Nascimento
 
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
Mônica Firmida
 
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no BrasilSituação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Karynne Alves do Nascimento
 
Informe campanha influenza_2011
Informe campanha influenza_2011Informe campanha influenza_2011
Informe campanha influenza_2011
João Paulo Cavalcante
 
Bloco iii texto b
Bloco iii   texto bBloco iii   texto b
Bloco iii texto b
Eduardo Santana Cordeiro
 
Doenças infecto contagiosas
Doenças infecto contagiosasDoenças infecto contagiosas
Doenças infecto contagiosas
flavialoli
 
Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D Tuberculose
ITPAC PORTO
 
Doenças Negligenciadas
Doenças NegligenciadasDoenças Negligenciadas
Doenças Negligenciadas
ThamiresLackmann1
 
Doenças reemergentes são as que reaparecem
Doenças reemergentes são as que reaparecemDoenças reemergentes são as que reaparecem
Doenças reemergentes são as que reaparecem
Everton Lima
 
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
Débora Freire
 
Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
cipasap
 
Endemias e epidemias no brasil
Endemias e epidemias no brasilEndemias e epidemias no brasil
Endemias e epidemias no brasil
Colégio Nova Geração COC
 
Informe campanha influenza-_-25_03_2014
Informe campanha influenza-_-25_03_2014Informe campanha influenza-_-25_03_2014
Informe campanha influenza-_-25_03_2014
Cândida Mirna
 
Informe técnico campanha influenza- 2014
Informe técnico campanha influenza- 2014Informe técnico campanha influenza- 2014
Informe técnico campanha influenza- 2014
José Ripardo
 
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato VargesMycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Renato Varges - UFF
 
Aula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinal
Aula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinalAula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinal
Aula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinal
Franzinha2
 
Saúde e higiene (1)
Saúde e higiene (1)Saúde e higiene (1)
Saúde e higiene (1)
kcamoes
 
Apostila_Dengue_Núcleo Telessaúde SC UFSC.pptx.pdf
Apostila_Dengue_Núcleo Telessaúde SC UFSC.pptx.pdfApostila_Dengue_Núcleo Telessaúde SC UFSC.pptx.pdf
Apostila_Dengue_Núcleo Telessaúde SC UFSC.pptx.pdf
AdrieneDelduck
 
AULA 02- SAUDE E DOENCAS PANDEMICAS.pptx
AULA 02- SAUDE E DOENCAS PANDEMICAS.pptxAULA 02- SAUDE E DOENCAS PANDEMICAS.pptx
AULA 02- SAUDE E DOENCAS PANDEMICAS.pptx
FranciscaalineBrito
 
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveisDst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
stcnsaidjv
 

Semelhante a AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx (20)

Saude brasil2004 capitulo6
Saude brasil2004 capitulo6Saude brasil2004 capitulo6
Saude brasil2004 capitulo6
 
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
 
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no BrasilSituação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
 
Informe campanha influenza_2011
Informe campanha influenza_2011Informe campanha influenza_2011
Informe campanha influenza_2011
 
Bloco iii texto b
Bloco iii   texto bBloco iii   texto b
Bloco iii texto b
 
Doenças infecto contagiosas
Doenças infecto contagiosasDoenças infecto contagiosas
Doenças infecto contagiosas
 
Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D Tuberculose
 
Doenças Negligenciadas
Doenças NegligenciadasDoenças Negligenciadas
Doenças Negligenciadas
 
Doenças reemergentes são as que reaparecem
Doenças reemergentes são as que reaparecemDoenças reemergentes são as que reaparecem
Doenças reemergentes são as que reaparecem
 
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
 
Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
 
Endemias e epidemias no brasil
Endemias e epidemias no brasilEndemias e epidemias no brasil
Endemias e epidemias no brasil
 
Informe campanha influenza-_-25_03_2014
Informe campanha influenza-_-25_03_2014Informe campanha influenza-_-25_03_2014
Informe campanha influenza-_-25_03_2014
 
Informe técnico campanha influenza- 2014
Informe técnico campanha influenza- 2014Informe técnico campanha influenza- 2014
Informe técnico campanha influenza- 2014
 
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato VargesMycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
 
Aula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinal
Aula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinalAula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinal
Aula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinal
 
Saúde e higiene (1)
Saúde e higiene (1)Saúde e higiene (1)
Saúde e higiene (1)
 
Apostila_Dengue_Núcleo Telessaúde SC UFSC.pptx.pdf
Apostila_Dengue_Núcleo Telessaúde SC UFSC.pptx.pdfApostila_Dengue_Núcleo Telessaúde SC UFSC.pptx.pdf
Apostila_Dengue_Núcleo Telessaúde SC UFSC.pptx.pdf
 
AULA 02- SAUDE E DOENCAS PANDEMICAS.pptx
AULA 02- SAUDE E DOENCAS PANDEMICAS.pptxAULA 02- SAUDE E DOENCAS PANDEMICAS.pptx
AULA 02- SAUDE E DOENCAS PANDEMICAS.pptx
 
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveisDst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
 

Mais de VanessaAlvesDeSouza4

AULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptx
AULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptxAULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptx
AULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptxAULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
Aula SPRA e Cuidados POI.pdf
Aula SPRA e Cuidados POI.pdfAula SPRA e Cuidados POI.pdf
Aula SPRA e Cuidados POI.pdf
VanessaAlvesDeSouza4
 
AULA ENFERMAGEM NO CC.pdf
AULA ENFERMAGEM NO CC.pdfAULA ENFERMAGEM NO CC.pdf
AULA ENFERMAGEM NO CC.pdf
VanessaAlvesDeSouza4
 
Aula Terminologia Cirúrgica.pdf
Aula Terminologia Cirúrgica.pdfAula Terminologia Cirúrgica.pdf
Aula Terminologia Cirúrgica.pdf
VanessaAlvesDeSouza4
 
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptxAULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
Hepatites Finalizado pdf.pdf
Hepatites Finalizado pdf.pdfHepatites Finalizado pdf.pdf
Hepatites Finalizado pdf.pdf
VanessaAlvesDeSouza4
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
Aula_CME_Atualizada.pptx
Aula_CME_Atualizada.pptxAula_CME_Atualizada.pptx
Aula_CME_Atualizada.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
educação em saúde e humanização
educação em saúde e humanizaçãoeducação em saúde e humanização
educação em saúde e humanização
VanessaAlvesDeSouza4
 
SAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptxSAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
Patologia Geral.pptx
Patologia Geral.pptxPatologia Geral.pptx
Patologia Geral.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptxAULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
Aula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdfAula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdf
VanessaAlvesDeSouza4
 
Aula_Recuperacao_Anestesica.pdf
Aula_Recuperacao_Anestesica.pdfAula_Recuperacao_Anestesica.pdf
Aula_Recuperacao_Anestesica.pdf
VanessaAlvesDeSouza4
 
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptxAULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptxAULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
SAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptxSAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 

Mais de VanessaAlvesDeSouza4 (18)

AULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptx
AULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptxAULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptx
AULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptx
 
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptxAULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
 
Aula SPRA e Cuidados POI.pdf
Aula SPRA e Cuidados POI.pdfAula SPRA e Cuidados POI.pdf
Aula SPRA e Cuidados POI.pdf
 
AULA ENFERMAGEM NO CC.pdf
AULA ENFERMAGEM NO CC.pdfAULA ENFERMAGEM NO CC.pdf
AULA ENFERMAGEM NO CC.pdf
 
Aula Terminologia Cirúrgica.pdf
Aula Terminologia Cirúrgica.pdfAula Terminologia Cirúrgica.pdf
Aula Terminologia Cirúrgica.pdf
 
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptxAULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
 
Hepatites Finalizado pdf.pdf
Hepatites Finalizado pdf.pdfHepatites Finalizado pdf.pdf
Hepatites Finalizado pdf.pdf
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
 
Aula_CME_Atualizada.pptx
Aula_CME_Atualizada.pptxAula_CME_Atualizada.pptx
Aula_CME_Atualizada.pptx
 
educação em saúde e humanização
educação em saúde e humanizaçãoeducação em saúde e humanização
educação em saúde e humanização
 
SAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptxSAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptx
 
Patologia Geral.pptx
Patologia Geral.pptxPatologia Geral.pptx
Patologia Geral.pptx
 
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptxAULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
 
Aula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdfAula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdf
 
Aula_Recuperacao_Anestesica.pdf
Aula_Recuperacao_Anestesica.pdfAula_Recuperacao_Anestesica.pdf
Aula_Recuperacao_Anestesica.pdf
 
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptxAULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
 
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptxAULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
 
SAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptxSAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptx
 

AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx

  • 3. Doenças Transmissíveis  Na década de 30, as doenças transmissíveis eram a principal causa de morte nas capitais brasileiras, respondendo por mais de um terço dos óbitos registrados nestes locais, percentual provavelmente muito inferior ao que ocorria na área rural, da qual não se tem registros adequados.  As melhorias sanitárias, o desenvolvimento de novas tecnologias como as vacinas e os antibióticos, a ampliação do acesso aos serviços de saúde e as medidas de controle, fizeram com que este quadro se alterasse significativamente.
  • 4. Doenças Transmissíveis A partir da década de 60 as doenças do aparelho circulatório passaram a ser a principal causa de morte no Brasil, superando a mortalidade por doenças transmissíveis, que passou a ocupar o quinto grupo de doenças responsáveis pelo óbito. Todavia, apesar desta considerável redução, as doenças transmissíveis ainda tem um impacto importante sobre a morbidade, principalmente por aquelas doenças para as quais não se dispõe de mecanismos eficazes de prevenção e/ou que apresentam uma estreita associação com causas ambientais, sociais e econômicas.
  • 5. Doenças Transmissíveis A alteração do quadro de morbimortalidade, com a perda de importância relativa das doenças transmissíveis, dá a impressão de que essas doenças estariam todas extintas ou próximas a isso. Contudo, essa não é a realidade no Brasil nem mesmo em países mais desenvolvidos. Nos Estados Unidos, por exemplo, no ano de 2003, observou-se o registro de um total de 1.588 casos de doença meningocócica. As meningites assépticas (geralmente causadas por vírus) registraram uma média anual de 10 mil casos no início da década passada, quando ainda eram de notificação compulsória.
  • 6. Doenças Transmissíveis  A doença de Lyme, transmitida por um tipo de carrapato, acometeu 18.387 pessoas no ano de 2003. A coqueluche apresentou uma tendência de crescimento desde o início da década de 80, chegando ao patamar de 8.483 casos em 2003, e a varicela (catapora) apresentou um registro de 13.474 neste mesmo ano.  Agregando-se à ocorrência destas doenças infecciosas que já vinham sendo registradas no país, nas últimas décadas, novas doenças infecciosas têm sido introduzidas e disseminadas em todo seu território.
  • 7. Doenças Transmissíveis  O HIV tem sido uma das infecções* mais emblemáticas deste processo denominado de "emergência das doenças infecciosas", a partir do seu surgimento no início da década de 80 naquele país. Mais recentemente uma doença originada na África e transmitida por mosquitos, a febre do oeste do Nilo, a partir de sua introdução em Nova Iorque, desde 1999 vem gerando surtos com elevado número de casos e óbitos. Somente no último ano foram registrados 1.933 casos.  Mesmo doenças que já estão sendo eliminadas em todo o continente americano, como o sarampo, apresenta transmissão ainda em vários países do continente europeu, representando um risco constante para sua disseminação para os países que conseguiram a sua eliminação. *Pelo Decreto nº 8.901/2016 publicado no Diário Oficial da União em 11.11.2016, o Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais passou a usar a nomenclatura “IST” (infecções sexualmente transmissíveis) no lugar de “DST” (doenças sexualmente transmissíveis).
  • 8. Doenças Transmissíveis Tais dados ajudam na compreensão do verdadeiro momento em que se encontram as doenças transmissíveis. O enorme êxito alcançado na prevenção e controle de várias destas doenças, que hoje ocorrem em proporção ínfima quando em comparação com algumas décadas atrás, não significa que foram todas erradicadas. Essa é uma falsa percepção e uma expectativa irrealizável, pelo menos em curto prazo e com os meios tecnológicos atualmente disponíveis.
  • 9. Doenças Transmissíveis Por causa das diferenças associadas às condições sociais, sanitárias e ambientais, as doenças transmissíveis ainda se constituem em um dos principais problemas de saúde pública no mundo. Doenças antigas ressurgem com outras características e doenças novas se disseminam com uma velocidade impensável há algumas décadas. A varíola, ainda é o único do produto de anos e décadas de esforços contínuos dos governos e sociedade.
  • 10. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Difteria: – A difteria é uma doença transmissível aguda, toxi- infecciosa, causada por bacilo toxigênico que frequentemente se aloja nas amígdalas, na faringe, na laringe, no nariz e, ocasionalmente, em outras mucosas e na pele. – O número de casos de difteria notificados no Brasil vem decrescendo progressivamente, provavelmente em decorrência do aumento da utilização da vacina tríplice bacteriana (DTP).
  • 11. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Coqueluche: – No início da década de 1980, eram notificados mais de 40 mil casos anuais, e o coeficiente de incidência era superior a 30/100.000 habitantes. Este número caiu abruptamente a partir de 1983, mantendo desde então, uma tendência decrescente. – Na década de 1990, foram notificados 15.329 casos, resultando em um coeficiente de incidência de 10,64/100.000 habitantes, sendo que a partir de 1996, o número de casos anuais não excedeu 2.000, mantendo-se com coeficiente de incidência em torno de 1/100.000 habitantes.
  • 12. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Coqueluche: – Com o Programa Nacional de Imunizações, em 1973, a vacina tríplice bacteriana (DTP) passou a ser recomendada para crianças menores de 7 anos, observando-se a partir disso o decréscimo na incidência da coqueluche. – A partir dos anos 90, a cobertura foi se elevando, principalmente a partir de 1998, resultando em uma modificação importante no perfil epidemiológico desta doença. – Entretanto, nos últimos anos, surtos de coqueluche vêm sendo registrados em populações com baixa cobertura vacinal, principalmente em populações indígenas.
  • 13. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Tétano: – O tétano é uma doença transmissível, não contagiosa, que apresenta duas formas de ocorrência: acidental e neonatal. – A primeira forma geralmente acomete pessoas que entram em contato com o bacilo tetânico ao manusearem o solo ou através de ferimentos ou lesões ocorridas por materiais contaminados, em ferimentos na pele ou mucosa. – O tétano neonatal é causado pela contaminação durante a secção do cordão umbilical pelo uso de instrumentos esterilizados inadequadamente; pelo uso de substâncias contaminadas no coto umbilical como teia de aranha, pó de café, fumo, esterco.
  • 14. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Tétano: – As mortes pelo tétano acidental acompanham uma tendência declinante, das 713 ocorrências anuais registradas em 1982, para menos de 300 desde 1998. Tal enfermidade apresenta uma letalidade média de 70%, o que implica em um impacto importante na mortalidade infantil neonatal. – O tétano acidental pode ser evitado pelo uso da vacina DPT na infância e com a vacina dupla adulto (dT) em adultos, além dos reforços a cada dez anos para quem já tem o esquema completo. Outra medida importante é a adoção de procedimentos adequados de limpeza e desinfecção de ferimentos ou lesão suspeita para tétano, nas unidades de saúde. Com relação ao tétano neonatal pode ser evitado principalmente por meio da vacinação das gestantes durante o pré-natal.
  • 15. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Poliomielite: – A poliomielite responsável pela paralisia infantil, doença que pode deixar sequelas graves e levar ao óbito, chegou a acometer 3.596 crianças no ano de 1975. – A intensificação da vigilância e ações de controle, particularmente a ampliação da vacinação de rotina e a introdução das Campanhas Nacionais de Vacinação diminuíram o número de casos confirmados nos anos de 1987 e 1988, sendo em 1989 notificado o último caso com isolamento do polivírus selvagem no país, sendo erradicado em 1994 no Brasil.
  • 16. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Poliomielite: – O alcance da erradicação foi possível devido às estratégias de coberturas vacinal adequada de forma homogênea em todo o território nacional e cumprimento de metas adequadas dos indicadores de vigilância epidemiológica.
  • 17. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Sarampo: – Em 1980, essa doença provocou aproximadamente 3.236 mortes. O sarampo é uma doença transmissível e contagiosa, que acometeu de 2 a 3 milhões de crianças nos anos epidêmicos na década de 70. – Apresentando redução em 1991 a 2000, sendo que em 2001 alcançou-se a eliminação da circulação do vírus autóctone, apesar do surto ocorrido em 1997. – O Ministério da Saúde implantou o Plano de Erradicação do Sarampo em 1999 com o intuito de intensificar as ações de vigilância epidemiológica objetivando detectar e investigar de forma oportuna todos os casos suspeitos de sarampo e rubéola.
  • 18. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Sarampo: – Com isso, realizar de forma oportuna o bloqueio vacinal diante de todos os casos suspeitos e garantir que todos os municípios atinjam a cobertura vacinal adequada na rotina, de 95% nas crianças de um ano de idade. – Em 2001 e 2002, apenas 1 caso foi confirmado de sarampo importado do Japão. Em 2003 mais dois casos importados foram confirmados, sendo o caso índice procedente da Alemanha. – Esse quadro reforça a expectativa de garantir a execução do objetivo de erradicar a doença no Brasil.
  • 19. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Rubéola: – Introduzida na lista de doenças de notificação compulsória no Brasil na segunda metade da década de 90. – Em 1997, ano em que o País enfrentou a última epidemia de sarampo, foram notificados cerca de 30.000 casos de rubéola. – No período de 1999/2001 ocorreram surtos desta doença em vários estados do Brasil. – Em 2001, a rubéola chegou a 5/105 mulheres na faixa etária de 15 a 19 anos e de 6,3/105 mulheres na faixa etária de 20-29 anos.
  • 20. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Rubéola: – A partir do Plano de Erradicação do Sarampo no País, em 1999, houve um aumento na vigilância e controle dos casos. – Em 2002, ocorreram 443 casos de rubéola no Brasil, representando uma diminuição de 90% se comparado à incidência de 1997. – Consequência da realização de uma campanha de vacinação em massa dirigida às mulheres em idade fértil em todo o País com uma cobertura média de 95,68% e introdução da vacina dupla ou tríplice viral no calendário básico de imunização.
  • 21. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Rubéola: – A partir do Plano de Erradicação do Sarampo no país, em 1999, – Atualmente a vacinação de mulheres em idade fértil tem possibilitado uma importante redução dos casos de SRC, alcançando a ocorrência de 13 casos registrados em todo o país, o que indica a possibilidade de interrupção na sua transmissão.
  • 22. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Raiva humana: – Doença infecciosa aguda, de etiologia viral, transmitida por mamíferos, que apresenta dois ciclos principais de transmissão: urbano e silvestre. – Apresenta letalidade de 100% e é passível eliminação no ciclo urbano por meio de medidas eficientes de prevenção tanto em relação ao homem quanto à fonte de infecção, cão e gato por exemplo. – No Brasil, o morcego hematófago é o principal responsável pela manutenção da cadeia silvestre.
  • 23. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Raiva humana: – Nas duas últimas décadas houve uma redução significativa no número de casos humanos registrados por ano, caindo de 173, em 1980, para 17 casos em 2003, tendo o cão como o principal transmissor da doença. – Atualmente esses casos estão concentrados principalmente na Região Norte e Nordeste. – Desde 2003 todas as Unidades da Federação disponibilizam, na rede de serviços de saúde, vacina de alta qualidade para a profilaxia da Raiva Humana, a vacina de cultivo celular.
  • 24. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Doença de Chagas: – Transmitida, principalmente por um inseto que se alimentam de sangue (hematófago), o barbeiros, apresentava uma elevada incidência no Brasil no fim da década de 70, em cerca de 100 mil casos novos por ano. – Atualmente, devido à estratégia de monitoramento para identificação do vetor e as ações de combate com inseticidas específicos, melhorias habitacionais realizadas nas áreas endêmicas, há um controle sobre a doença com uma prevalência de média geral de 0,13% de acordo com pesquisas realizadas.
  • 25. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Doença de Chagas: – Visando avaliar o impacto das ações de prevenção e controle da doença de Chagas, vem sendo desenvolvido em todo o país novo inquérito sorológico, que tem indicado uma importante redução na prevalência de infecção na população menor de cinco anos.
  • 27. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Hanseníase: – É uma doença infecciosa crônica causada pelo Mycobacterium leprae. – A preferência por nervos periféricos confere características peculiares à bactéria, tornando o seu diagnóstico simples. – A hanseníase tem apresentado uma redução significativa de sua prevalência, de 16,4 por 10.000 habitantes em 1985 para 4,52 por 10.000 habitantes em 2003.
  • 28. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Hanseníase: – Mesmo assim, o Brasil continua sendo o segundo maior número de pacientes de hanseníase do mundo, excedido apenas pela Índia em relação ao total de casos, encontrando-se também entre os seis países que não atingiram a eliminação da hanseníase em 2005. – Consequentemente, ainda é um problema de saúde pública no Brasil, exigindo esforços para um plano de intensificação das ações de eliminação e de vigilância.
  • 29. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Hanseníase: – O estado de Pernambuco por sua vez é considerado endêmico para hanseníase, com mais de 3.000 novos pacientes por ano e taxas de detecção por volta de 4 para cada 10.000. – O maior número dos pacientes é encontrado na área metropolitana do Recife. Sendo que em 2010, de acordo com o Sinan, foram registrados 3.067 casos em PE e no Recife 994, ou seja, 32,4% dos números de casos do estado, demonstrando com isso que a doença se encontra propagada em diferentes áreas do Pernambuco.
  • 30. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Hanseníase: – Com isso, os resultados encontrados demonstram a necessidade de continuar à execução das atividades que produzam efeito negativo quanto à transmissão da doença. – O objetivo de acordo com o Plano de Eliminação da Hanseníase no Brasil estabelecido pelo Ministério da Saúde, é atingir a prevalência inferior a 1 caso/10.000 habitantes em cada município de acordo.
  • 31. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Febre tifoide: – A febre tifoide é uma doença transmissível associada às precárias condições sanitárias, de higiene pessoal e ambiental, na maioria das vezes ocorre como surtos relacionados com água e/ou alimentos contaminados. – A imunidade adquirida após a infecção ou vacinação não é definitiva e a vacina não apresenta efetividade para o controle de surtos. – A doença persiste de forma endêmica no Brasil, com superposição de epidemias especialmente nas regiões Norte e Nordeste.
  • 32. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Febre tifoide: – Desde a década de 80, e especificamente na década de 90, observa-se um declínio no coeficiente de incidência de 1,4/100.000 hab. em 1990, para 0,5/100.000 hab. em 2000, como também na letalidade de 2,4% em 1990 para 1,3% em 2000. – Nos anos de 2002 e 2003 foi registrado um total de casos inferior a 500 em todo o País. – A estratégia de controle da febre tifoide está dirigida, no setor saúde, para o fortalecimento das vigilâncias epidemiológica, sanitária e ambiental visando a detecção de casos precoce e a adoção de medidas que impeçam a sua propagação.
  • 33. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Oncocerose: – É uma doença causada por um verme nematódeo transmitido de uma pessoa infectada a outra por meio da picada de mosquitos vetores do gênero Simulium, e causa cegueira. – No Brasil, a oncocercose é restrita à área uma área no Estado de Roraima de acordo com o Ministério da Saúde no período (1993-1997). – Em 1995, houve a disponibilização de drogas eficazes a doença, junto as atividades de controle, distribuição de medicamentos, atingindo 100% da área endêmica em 2001, tais ações possibilitarão a eliminação da doença.
  • 34. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Filariose: – É causada por um nematódeo, a Wucheceria bancrofti, e transmitida por mosquitos, Culex. – No Brasil já foi muito prevalente, sendo que atualmente está localizada em focos endêmicos na região metropolitana do Recife e, em menor escala, em Maceió, cidades onde as condições ambientais e de drenagem favorecem a permanência de alto índice de população vetorial. – Em Belém, onde a eliminação encontra-se próxima, a infecção ocorre de forma residual.
  • 35. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Filariose: – Nos últimos anos o combate à filariose está apoiado no tratamento com Dietilcarbamazina da população que vive em área de foco. – No Brasil a primeira experiência com esta forma de abordagem foi realizada em Recife em novembro de 2003. – Faz-se também o controle do vetor, visando reduzir a densidade populacional do mosquito transmissor, atividades de educação em saúde, visando à eliminação dos criadouros.
  • 36. Algumas Doenças Transmissíveis com Tendência Descendente Peste: – Transmitida por roedores silvestres, atualmente está restrita a algumas áreas serranas ou de planalto, principalmente na região Nordeste, sendo geralmente associada com o cultivo e armazenagem de grãos. – Os últimos casos foram registrados no Estado da Bahia em 2000. – As atividades permanentes de vigilância sobre os roedores. – A mortalidade por essa doença praticamente inexiste atualmente no país, com apenas um óbito registrado em toda a década de 1990.
  • 37. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Malária: – Acometia cerca de seis milhões de brasileiros por ano na década de 40, em todas as regiões. – As mudanças sociais ocorridas e o intenso trabalho de controle desenvolvido por meio da Campanha de Erradicação da Malária possibilitaram o relativo controle da doença, que passou a apresentar uma ocorrência de menos de 100 mil casos anuais e restringindo-se a Amazônia Legal que responde por mais de 99% dos casos registrados no País. – Com os projetos de desenvolvimento da Amazônia houve dispersão da malária pelas regiões Norte e Centro-Oeste, com um aumento significativo do número de casos, passando-se a alcançar níveis de 450 a 500 mil casos anuais.
  • 38. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Malária: – Diante disso, o Ministério da Saúde elaborou o Plano de Intensificação das Ações de Controle da Malária (PIACM), desencadeando uma série de ações na Região Amazônica. – Estas ações, executadas em parceria com estados e municípios, colaboraram na inversão da tendência de crescimento desta endemia.
  • 39. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Tuberculose: – A tuberculose (TB) é uma das enfermidades mais antigas e conhecidas do mundo, porém não é uma doença do passado, visto que foi decretada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como enfermidade reemergente desde 1993. – Ainda de acordo com a OMS, a doença possui atualmente como principais causas para a gravidade da situação no mundo os seguintes fatores: desigualdade social, advento da AIDS, envelhecimento da população, grandes movimentos migratórios. – O Brasil ocupa a 18ª posição entre os 22 países responsáveis por 80% dos casos de TB no mundo e contempla 35% dos casos notificados na Região das Américas de acordo com a Organização Mundial de Saúde em 2009.
  • 40. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência  Tuberculose: – Dentre as doenças infecciosas e parasitárias, a tuberculose de vias respiratórias é a maior causa de morte entre os idosos recifenses. – Em 2010, PE apresentou 5.048 casos, Recife 2.506 (49,6% dos casos de PE). Caracterizando-se assim, como uma doença negligenciada. – A tuberculose tem sido objeto de ações e investimentos recentes do Ministério da Saúde e demais instâncias do Sistema Único de Saúde - SUS, com o intuito de garantir a continuidade do tratamento e ampliar a capacidade de detecção de novos casos e aumentar o percentual de cura.
  • 41. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Meningite: – Caracterizada por processos inflamatórios das meninges que podem estar relacionados com uma grande variedade de agentes infecciosos como: vírus, bactérias, fungos e protozoários. – Para a saúde pública são relevantes as meningites infecciosas, causadas por agentes etiológicos transmissíveis. O quadro clínico da doença pode variar de acordo com a etiologia, mas em geral a doença é grave e pode evoluir para óbito. – A meningite constitui um problema complexo e multifacetado, por ser uma doença com diferentes etiologias, possui distintos impactos sobre a saúde pública e estratégias de prevenção e controle diversas.
  • 42. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Meningite: – Durante a primeira metade da década de 90 observou-se um aumento no número de casos notificados de doença meningocócica, atingindo o pico em 1996, com o registro de 7.321 casos. – Esse aumento decorreu, em grande parte, de surtos localizados em municípios com grande contingente populacional, como São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. – A partir de 1996 há uma tendência de redução constante no número de casos, de 7.321 casos, neste ano, para 2.923 casos em 2003. – Alguns fatores podem ter colaborado com esta redução, dentre eles destacam-se a adoção oportuna das medidas de controle (quimioprofilaxia e vacinação de bloqueio), decorrente da ampliação da assistência à saúde da população.
  • 43. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Leishmaniose Visceral (LV): – A leishmaniose visceral, calazar, era uma doença praticamente silvestre com características de ambientes rurais, que tem tido uma mudança de comportamento, fundamentalmente por modificações socioambientais, como o desmatamento que reduziu a disponibilidade de animais para servir de fonte de alimentação para o mosquito transmissor, colocando- lhe o cão e o homem como alternativos mais acessíveis. – A doença ainda não dispõe de formas de prevenção completamente efetivas, como uma vacina.
  • 44. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Leishmaniose Visceral (LV): – O comportamento epidemiológico da leishmaniose visceral é cíclico, com elevação dos casos em períodos médios a cada cinco anos, além de uma tendência crescente, se considerarmos o período de 1980 a 2003. – Na década de 1990, aproximadamente 90% dos casos de LV ocorreram na região Nordeste e atualmente esta região representa 74% do total de casos do País.
  • 45. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA): – No período de 1980 a 2003, a LTA no Brasil vem apresentando coeficientes de detecção que oscilam entre 3,83 a 22,94 por 100.000 habitantes. – Ao longo desse período observou-se uma tendência ao crescimento, registrando os coeficientes mais elevados nos anos de 1994/1995, quando atingiram níveis de 22,83 e 22,94 por 100.000 habitantes, respectivamente. – Vale ressaltar que o ano de 1998 apresentou uma queda significativa neste coeficiente (13,47/100.000 habitantes).
  • 46. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA): – Observa-se no Brasil uma expansão geográfica, sendo que no início da década de 80 foram registrados casos em 20 unidades federadas e nos últimos anos todas as unidades federadas registraram casos autóctones da doença. – As regiões Nordeste e Norte contribuem com o maior número de casos registrados no período (cerca de 36,9% e 36,2% respectivamente), e a região Norte com os coeficientes mais elevados (99,85/100.000 habitantes), seguida das regiões Centro-Oeste (41,85/100.000 habitantes e Nordeste (26,50/100.000 habitantes).
  • 47. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA): – A LTA por ser uma doença que apresenta grande diversidade e constantes mudanças nos padrões epidemiológicos de transmissão, em virtude das diferentes espécies de vetores, reservatórios e agentes etiológicos, associados à ação do homem sobre o meio ambiente, dificulta as ações de controle da mesma.
  • 48. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Febre amarela silvestre: – A febre amarela urbana encontra-se erradicada de nosso país desde 1942 e é responsável por duas formas de aparecimento, a urbana e a silvestre. – Todavia, com relação a febre amarela silvestre não é possível a sua erradicação devido ao seu ciclo natural de circulação entre os primatas não humanos das florestas tropicais. – Por causa da última epidemia ocorrida em Minas Gerais no ano de 2003, foi definida uma área indene de risco potencial para circulação viral, que compreende os municípios do sul de Minas Gerais e da Bahia e a região centro-norte do Espírito Santo. – Em 2003, foram registrados 64 casos da doença com 23 óbitos. O surto de Minas Gerais foi responsável por 58 desse total de casos e por 75% de todos os óbitos do período (21 óbitos). Os demais casos de febre amarela foram registrados em Mato Grosso (n= 5) e Pará (n=1).
  • 49. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Febre amarela silvestre: – A vacina antiamarílica é o único meio eficaz para prevenir e controlar a doença, já que interrompe o ciclo de transmissão, e tem por objetivos: conferir proteção individual e coletiva na população, bloquear a propagação geográfica da doença criando uma barreira de imunidade e prevenir epidemias.
  • 50. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Hepatites: – As hepatites virais apresentam distribuição universal e magnitude variável de acordo com a região do País. – As hepatites A e E apresentam alta prevalência nos países em desenvolvimento, onde as condições sanitárias e socioeconômicas são precárias. – A prevalência de hepatite B tem sido reduzida em países onde a vacinação foi implementada, contudo ainda possui uma alta prevalência em populações de risco acrescido e em países onde a transmissão vertical e horizontal intradomiciliar não é controlada.
  • 51. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Hepatites: – A Organização Mundial de Saúde estima que cerca de dois bilhões de pessoas já tiveram contato com o vírus da hepatite B, tornando 325 milhões de portadores crônicos. – O Brasil, por sua vez, segundo a Organização Pan- Americana de Saúde (Opas) possui estimativa de infecção pelo HAV de aproximadamente 130 casos novos por 100.000 habitantes ao ano e de que mais de 90% da população maior de 20 anos tenha tido exposição ao vírus.
  • 52. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Hepatites: – De acordo com o Ministério da Saúde, ainda não existem estudos capazes de estabelecer sua real prevalência no país, com relação a hepatite C. – Com base em dados da rede de hemocentros de pré-doadores de sangue, em 2002, a distribuição variou entre as regiões brasileiras: 0,62% no Norte, 0,55% no Nordeste, 0,28% no Centro-Oeste, 0,43% no Sudeste e 0,46% no Sul.
  • 53. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Hepatites: – Contudo, a vigilância epidemiológica das hepatites virais no país utiliza o sistema universal e passivo, baseado na notificação de casos suspeitos. – O número de notificações não reflete a real incidência da infecção, pois a maioria dos acometidos possuem formas assintomáticas ou oligossintomáticas.
  • 54. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Leptospirose: – A Leptospirose é uma zoonose de distribuição mundial e notificação obrigatória no Brasil, apresentando grande incidência em algumas regiões, alto custo em internações hospitalares e alta taxa de letalidade. – É causada por um agente etiológico uma bactéria do gênero Leptospira, encontrada na urina de roedores e outros mamíferos infectados, que pode cursar de forma leve, moderada ou grave.
  • 55. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Leptospirose: – Pernambuco apresentou em 2010 o equivalente a 252 casos e a sua capital foi responsável por 178 (70,6%) desses casos o que pode estar associado ao alto índice de moradia subnormal, as condições socioambientais, interligados de forma convergentes com a ausência da corresponsabilidade da limpeza pública.
  • 56. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Esquistossomose: – A esquistossomose mansônica tem ampla distribuição geográfica no Brasil, com maior intensidade de transmissão na região Nordeste do país e norte de Minas Gerais. – Desde o início da década de 1950 até o presente ano tem sido observada redução nas prevalências de infecção.
  • 57. Algumas Doenças Transmissíveis com Quadro de Persistência Esquistossomose: – Nos últimos 20 anos o percentual tem situado entre 5,5 a 11,6% da população examinada. Os Estados de Alagoas, Pernambuco, Bahia, Sergipe, Paraíba e Minas Gerais, possuem os maiores percentuais da doença. – A tendência histórica para estes indicadores aponta para uma redução na morbidade e mortalidade por formas graves pela doença, para o País como um todo. – Entretanto, nas áreas endêmicas da região Nordeste do Brasil, a ocorrência da forma hepatoesplênica, que pode levar ao óbito por hemorragia digestiva, ainda representa um importante problema de saúde.
  • 58. Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e Reemergentes Antes de tratarmos das doenças transmissíveis, é importante observar que a partir de novembro de 2016 o Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais passou a utilizar nomenclatura “IST” no lugar de “DST”. Ou seja, o que antes tínhamos por Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), passou a ser Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST). Tal medida se deu em função da atualização da estrutura regimental do Ministério da Saúde, mediante Decreto nº 8.901/2016, publicado no Diário Oficial da União em 11.11.2016, Seção I, páginas 03 a 17.
  • 59. Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e Reemergentes HIV: – Identificada no Brasil em 1980, apresentou um crescimento na incidência até 1998, quando foram registrados 25.732 casos novos, com um coeficiente de incidência de 15,9 casos/100.000 hab. – Posteriormente, observou-se uma desaceleração nas taxas de incidência de HIV no Brasil, a despeito da manutenção das principais tendências da epidemia: heterossexualização, feminização, envelhecimento e pauperização do paciente, aproximando-o cada vez mais do perfil socioeconômico do brasileiro médio.
  • 60. Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e Reemergentes HIV: – Desde o início da década de 1980 até setembro de 2003, o Ministério da Saúde notificou 277.154 casos de HIV no Brasil. – Deste total, 197.340 foram verificados em homens e 79.814 em mulheres. – Em 2003, foram notificados 5.762 novos casos da epidemia e, destes, 3.693 foram verificados em homens e 2.069 em mulheres, evidenciando o aumento entra as mulheres. – Até 2016 verifica-se também o crescimento da HIV em adolescentes do sexo feminino cuja faixa etária é de 13 a 19 anos. – Tal crescimento pode estar relacionado com o início precoce da atividade sexual em relação aos adolescentes do sexo masculino, normalmente os homens com maior experiência sexual são mais expostos aos riscos de contaminação por Infecções sexualmente transmissíveis (IST) e HIV.
  • 61. Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e Reemergentes HIV: – As principais categorias de transmissão do HIV entre os homens e mulheres se dão através das relações sexuais correspondendo a 58% e 86,7% respectivamente dos casos positivos. – Segundo a UNAIDS (agência da ONU especializada na epidemia de HIV), entre os anos de 2010 e 2018 o Brasil andou na contramão da tendência mundial de queda em relação ao número de novas infecções por HIV que chegou a 16% o que daria aproximadamente 1,7 milhões de infecções no mundo todo em 2018.
  • 62. Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e Reemergentes HIV: – Enquanto isso, no mesmo ano, o Brasil registrou 53 mil novos casos, perdendo apenas para Chile e Bolívia que tiveram dados mais preocupantes que o Brasil, mas ainda assim por diferença mínima. – O risco de infecção por HIV até 2019, ainda segundo a UNAIDS, é: • 26 vezes maior entre homens que praticam sexo com outros homens; • 29 vezes maior entre pessoas que utilizam drogas injetáveis; • 30 vezes maior em trabalhadoras do sexo; • 13 vezes maior para transexuais.
  • 63. Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e Reemergentes Cólera: – Apesar de todo o conhecimento acumulado durante 30 anos, esta doença continua sendo um desafio não somente em função das características do agente, mas principalmente pela vulnerabilidade de grande parcela da população mundial, sobrevivendo em condições de pobreza extrema. – No Brasil, os primeiros casos foram detectados em abril de 1991, no Estado do Amazonas, de onde se alastrou progressivamente pela região Norte. No final do ano atingiu o município de São Luiz do Maranhão e em 1992 todos os Estados do Nordeste.
  • 64. Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e Reemergentes Cólera: – Entre 1991 e 2001 foram registrados no Brasil um total de 168.598 casos e 2.035 óbitos, com registro de grandes epidemias na região nordeste. – O coeficiente de incidência de cólera em 1993, ano em que ocorreu o maior número de casos, foi de 39,81/100.000 habitantes, com 670 óbitos e letalidade de 1,11%. – Estudos evidenciam a complexidade do processo de determinação da cólera e a importância dos determinantes sociais, do ambiente natural ou modificado.
  • 65. Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e Reemergentes Cólera: – As condições ambientais precárias, abastecimento de água insuficiente e sistemas de esgoto inadequados são obstáculos para o controle do desenvolvimento de surtos e epidemias por cólera. – Com os esforços do sistema de saúde de reduzir de maneira drástica estes valores a partir de 1995, em 2001 registrou-se sete casos confirmados (quatro casos no Ceará e um caso em Pernambuco, Alagoas e Sergipe). – Em 2002 e 2003, não foram detectados casos confirmados de cólera no Brasil.
  • 66. Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e Reemergentes Cólera: – Contudo, o risco de sua reintrodução em áreas já atingidas ou ainda indenes continua presente tendo em vista que persistem as baixas coberturas de saneamento. – As equipes técnicas de vigilância epidemiológica e ambiental dos três níveis de governo têm desenvolvido atividades de prevenção, com a realização de investigação de casos suspeitos, envolvendo a coleta de amostras clínicas e de amostras de água e de meio ambiente, principalmente nos mananciais que abastecem os sistemas de captação da água para consumo humano.
  • 67. Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e Reemergentes Dengue: – É uma arbovirose, transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, que se tornou um grave problema de saúde pública no Brasil, e em outras regiões tropicais do mundo. – Sua transmissão essencialmente urbana, ambiente no qual se localizam fatores ideais para o seu desenvolvimento como o homem, o vírus, o vetor e principalmente as condições políticas, econômicas e culturais que formam a estrutura que permite o estabelecimento da cadeia de transmissão.
  • 68. Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e Reemergentes Dengue: – Tal doença é responsável por uma das maiores campanhas de saúde pública realizadas no País. – O mosquito transmissor da doença que havia sido erradicado de diversos países do continente americano nas décadas de 50 e 60, retornou na década de 70, devido aos erros da vigilância epidemiológica, mudanças sociais e ambientais consequência de uma urbanização acelerada da época.
  • 69. Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e Reemergentes Dengue: – Atualmente, o mosquito transmissor é encontrado numa larga faixa do continente americano, que se estende desde o Uruguai até o sul dos Estados Unidos, com registro de surtos importantes de dengue em vários países como Venezuela, Cuba, Brasil e Paraguai. – De acordo com o Ministério da Saúde as dificuldades de erradicar um mosquito domiciliado têm exigido um esforço enorme da esfera da saúde, com um gasto estimado de quase R$ 1 bilhão por ano, quando computados todos os custos dos dez componentes do Programa Nacional de Controle da Dengue.
  • 70. Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e Reemergentes Dengue: – Entre 1999 e 2002 foi registrado um aumento na incidência de dengue, alcançando 794.219 casos notificados em 2002. – Em 2003, verificou-se uma redução de 56,6% no total de casos notificados em relação a 2002, o que este relacionado com o fortalecimento das ações para controlar a doença.
  • 71. Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e Reemergentes Dengue: – Outro fator, contudo, poderá piorar esse cenário com a entrada em circulação de um novo tipo do vírus da dengue, o DENV-4. – Com isso, o Ministério da Saúde, através da Secretaria de Vigilância em Saúde junto com as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde vem executando um conjunto de ações com o aumento da intensificação das ações de combate ao vetor, fortalecimento das ações de vigilância epidemiológica , integração das ações de vigilância e de educação sanitária com o Programa de Saúde da Família e de Agentes Comunitários de Saúde e uma forte campanha de mobilização social e de informação para garantir a efetiva participação da população.
  • 72. Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e Reemergentes Hantavirose: – Doença emergente com duas formas clínicas: renal e cardiopulmonar. Sendo a primeira de maior frequência na Europa e na Ásia, e a segunda possui presença maior no continente americano. – A doença se faz presente em quase todos os países da América do Norte e da América do Sul. – A infecção humana ocorre frequentemente, pela inalação de aerossóis formados a partir de secreções e excreções dos reservatórios, que são roedores silvestres.
  • 73. Algumas Doenças Transmissíveis Emergentes e Reemergentes Hantavirose: – No Brasil, os primeiros casos foram detectados em 1993 na cidade de São Paulo, nos dias atuais a doença tem sido detectada principalmente na região Sul, além dos estados de São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso. – De 1993 a 2003 foram registrados 338 casos em 11 estados brasileiros com uma letalidade média de 44,5%. – O Ministério da Saúde implantou da vigilância epidemiológica dessa doença, o desenvolvimento da capacidade laboratorial para realizar diagnóstico, a divulgação das medidas adequadas de tratamento com o intuito de reduzir a letalidade, e aumentar o conhecimento da situação de circulação de alguns hantavírus nos roedores silvestres brasileiros, objetivando o controle e a prevenção da doença.