SlideShare uma empresa Scribd logo
UFCD 6565 -
Noções gerais
sobre células,
imunidade,
tecidos e órgãos
– sistemas osteo-
articular e
muscular
Enf. Élio Pires
No final desta UFCD vão
saber
O que podemos fazerpara
prevenir doenças infeciosas
Se existem tantos
microrganismos, porque não
andamos sempredoentes?
Como se usamcorretamente
os medicamentos?
Sistem
a
imunitári
o
Proteção do
organismo dos
seres potenciais
agentes agressores
biológicos ou
químicos;
Destruição de
células
envelhecidas e/ou
anormais do
próprio
organismo
Conjunto de
mecanismos que
reconhecem
substâncias
estranhas ou
anormais ao
organismo que as
neutralizam ou que
promovem a sua
eliminação
Respos
ta
imunitári
a
 Órgãos envolvidos na
captura e destruição de
agentes agressores:
 Adenóides, amígdalas,
gânglios linfáticos,
baço, apêndice e
tecido linfático
 Órgãos ou estruturas nos
quais são produzidos e
maturados os leucócitos:
 Timo e medula óssea
Constituintes
do
Sistem
a
Imunitári
o
Secreções e
Enzimas
 Inclui o conjunto de
processos através das
quais o organismo
previne a entrada de
agentes estranhos, os
reconhece e os destrói;
 A resposta do organismo é
sempre a mesma qualquer
que seja o agente;
 Não se verifica
especificidade nem
memória
Mecanismos
de
defesa
não
específic
os
Primeira barreira
mecânica e
química
Impede a entrada
Pel
e
Mecanismos de defesa não
específicos –
barreiras físicas
Mucos
as
Forram as cavidades do
corpo que abrem para o
exterior e segregam muco
que dificulta a fixação de
microrganismos e a sua
multiplicação nessas
mucosas.
Mecanismos de defesa não
específicos –
barreiras físicas
As glândulas
sebáceas,
sudoríparas e
lacrimais inibem o
desenvolvimento da
Secreçõ
es
Mecanismos de defesa não
específicos –
secreções
A lisozima (presente
nas lágrimas e
saliva), o ácido
clorídrico (produzido
no estômago) e o
muco do
revestimento das vias
respiratórias
destroem os
microrganismos e/ou
expulsam-nos do
organismo
Secreçõ
es
Mecanismos de defesa não
específicos –
secreções
 A microbiota intestinal é
um conjunto de micro-
organismos,
principalmente de
bactérias Lactobacillus e
Bifido bacterium que
colonizam o nosso tubo
digestivo.
 A microbiota intestinal é a
mais conhecida e mais
estudada, no entanto, não
é a única no organismo
humano. Microbiota
vaginal, respiratória,
cutânea,
urinária…
Microbiot
a
Barreira contra a adesão
e o desenvolvimento de
agentes patogénicos
Diminuição da
inflamação da mucosa
intestinal em caso de
gastrite infeciosa
Induz a produção de muco
intestinal protetor, pelas
célula
s da mucosa
Fornece energia às
células da mucosa
intestinal para o seu
crescimento e
renovação.
Microbiot
a
intestina
l:
benefíci
os
Reação
Inflamatória
Mecanismos de defesa não
específicos
Aresposta inflamatória é desencadeada por
substância químicas.Algumas destas
substânciassão libertadas pelos próprios
micróbios, enquanto que outras são
libertadas em consequênciadas lesões
celulares devido à invasão microbiana.
Aumentoda permeabilidade doscapilares:aumentao fluido intersticial dostecidosinfetados (provoca edema).
As compressões dos nervos (provoca dor).
Respostasistémica- Febre
Quandoas infeções sãomais graves produz-seumarespostasistémica.Umdossinaisdesta respostas sistémicaé
a febre, estaé provocada por substânciaspirogénicas queatuamsobreo hipotálamo.
Febre:
- facilita a fagocitose
- inibe a multiplicação de alguns micróbios
- facilita a cicatrização.
Emborasefor muitoelevada possaser letal.
Leucócito
s
 Células do sistema
imunitário
 Podem ser divididas em:
 Granulócitos –
neutrófilos,
eosinófilos, basófilos e
mastócitos.
 Agranulócitos –
monócitos e linfócitos
Mecanismos de defesa não
específicos
Mecanismos de defesa não
específicos
Fagocito
se
Mecanismos de defesa não
específicos
 Segunda linha de defesa
 Captura de células que são
destruídas em vesículas
digestivas.
 As células que realizam
fagocitose são fagócitos
(neutrófilos e macrófagos)
Fagocito
se
Mecanismos de defesa não
específicos
 Quando os agentes são
agressivos, é acionada uma
reação inflamatória sistémica,
que ocorre em várias partes
do organismo.
- Aumento do número de
leucócitos em circulação.
- Febre. Respos
ta
sistémi
ca
Mecanismos de defesa não
específicos
Facilita a fagocitose
Inibe a multiplicação de
alguns microrganismos
Facilita a cicatrização.
Embora se for muito
elevada possa ser letal.
Febr
e
Mecanismos de defesa não
específicos
Interferã
o
Mecanismos de defesa não
específicos
São proteínas produzidas
por células atacadas por
vírus que se difundem para
células vizinhas, induzindo-
as a produzir proteínas
antivirais.
Estas proteínas bloqueiam a
replicação do vírus,
limitando o seu
alastramento.
Defesas Não Específicas e Defesas
Específicas
o BIBLIOGRAFIA
RAMÉ, ALAIN ; THÉROND, SYLVIE, CO-AUT - ANATOMIA E FISIOLOGIA.
LISBOA : CLIMEPSI, 2012.
SERRA, Luís M. Alvim ; OLIVEIRA, António Fonseca, co-aut ; CASTRO, José Costa e, co-
aut - Critérios fundamentais em fraturas e ortopedia. 3ª ed. atualizada e aumentada. Lisboa :
Lidel, 2012
CALAIS-GERMAN, Blandine - Anatomia para o movimento : introdução à análise das
técnicas corporais. São Paulo : Manole, 2002

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a ufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptx

4. Imunidade.pdf
4. Imunidade.pdf4. Imunidade.pdf
4. Imunidade.pdf
CarinaAmorim10
 
Sistema imunologico
Sistema imunologicoSistema imunologico
Sistema imunologico
Israel Lima
 
Sistema imunitario
Sistema imunitarioSistema imunitario
Sistema imunitario
Cátia Magrinho
 
SISTEMA IMUNOLÓGICO.docx
SISTEMA IMUNOLÓGICO.docxSISTEMA IMUNOLÓGICO.docx
SISTEMA IMUNOLÓGICO.docx
EduardoGomes340723
 
Sistema imunitario
Sistema imunitarioSistema imunitario
Sistema imunitario
bridges
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
guest5d7719
 
Sistema imunologico fisiologia
Sistema imunologico   fisiologiaSistema imunologico   fisiologia
Sistema imunologico fisiologia
Malu Correia
 
Imunidade parte 1
Imunidade   parte 1Imunidade   parte 1
Imunidade parte 1
anabela
 
Sistema imune
Sistema imuneSistema imune
Sistema imune
Alessandra Firmino
 
Sistema imunológico 2o a
Sistema imunológico 2o aSistema imunológico 2o a
Sistema imunológico 2o a
SESI 422 - Americana
 
15 Imun NãO Esp
15 Imun NãO Esp15 Imun NãO Esp
15 Imun NãO Esp
guest08fb138a
 
Sistema imunológico 2o b
Sistema imunológico 2o bSistema imunológico 2o b
Sistema imunológico 2o b
SESI 422 - Americana
 
Aula37 sistema imune_teoria_questoes_gabarito
Aula37 sistema imune_teoria_questoes_gabaritoAula37 sistema imune_teoria_questoes_gabarito
Aula37 sistema imune_teoria_questoes_gabarito
eduardomessias0311
 
Medresumos 2016 mad ii
Medresumos 2016   mad iiMedresumos 2016   mad ii
Medresumos 2016 mad ii
Jucie Vasconcelos
 
Cópia de apresentação1
Cópia de apresentação1Cópia de apresentação1
Cópia de apresentação1
Nathy Oliveira
 
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptxAULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
JulianeAmorim11
 
Sistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºanoSistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºano
Cátia Teixeira
 
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Guilherme Wendel
 
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Guilherme Wendel
 
Biologia2
Biologia2Biologia2
Biologia2
guest5d7719
 

Semelhante a ufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptx (20)

4. Imunidade.pdf
4. Imunidade.pdf4. Imunidade.pdf
4. Imunidade.pdf
 
Sistema imunologico
Sistema imunologicoSistema imunologico
Sistema imunologico
 
Sistema imunitario
Sistema imunitarioSistema imunitario
Sistema imunitario
 
SISTEMA IMUNOLÓGICO.docx
SISTEMA IMUNOLÓGICO.docxSISTEMA IMUNOLÓGICO.docx
SISTEMA IMUNOLÓGICO.docx
 
Sistema imunitario
Sistema imunitarioSistema imunitario
Sistema imunitario
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Sistema imunologico fisiologia
Sistema imunologico   fisiologiaSistema imunologico   fisiologia
Sistema imunologico fisiologia
 
Imunidade parte 1
Imunidade   parte 1Imunidade   parte 1
Imunidade parte 1
 
Sistema imune
Sistema imuneSistema imune
Sistema imune
 
Sistema imunológico 2o a
Sistema imunológico 2o aSistema imunológico 2o a
Sistema imunológico 2o a
 
15 Imun NãO Esp
15 Imun NãO Esp15 Imun NãO Esp
15 Imun NãO Esp
 
Sistema imunológico 2o b
Sistema imunológico 2o bSistema imunológico 2o b
Sistema imunológico 2o b
 
Aula37 sistema imune_teoria_questoes_gabarito
Aula37 sistema imune_teoria_questoes_gabaritoAula37 sistema imune_teoria_questoes_gabarito
Aula37 sistema imune_teoria_questoes_gabarito
 
Medresumos 2016 mad ii
Medresumos 2016   mad iiMedresumos 2016   mad ii
Medresumos 2016 mad ii
 
Cópia de apresentação1
Cópia de apresentação1Cópia de apresentação1
Cópia de apresentação1
 
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptxAULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
 
Sistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºanoSistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºano
 
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
 
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
 
Biologia2
Biologia2Biologia2
Biologia2
 

Mais de lioMiltonPires1

borderline.pptx
borderline.pptxborderline.pptx
borderline.pptx
lioMiltonPires1
 
5-Pert.-personalidade.pptx
5-Pert.-personalidade.pptx5-Pert.-personalidade.pptx
5-Pert.-personalidade.pptx
lioMiltonPires1
 
Infecção urinária.pptx
Infecção urinária.pptxInfecção urinária.pptx
Infecção urinária.pptx
lioMiltonPires1
 
VNI.pptx
VNI.pptxVNI.pptx
VNI.pptx
lioMiltonPires1
 
sistema respiratório ufcd 6566.pdf
sistema respiratório ufcd 6566.pdfsistema respiratório ufcd 6566.pdf
sistema respiratório ufcd 6566.pdf
lioMiltonPires1
 
Emergências Médicas 2.0.pptx
Emergências Médicas 2.0.pptxEmergências Médicas 2.0.pptx
Emergências Médicas 2.0.pptx
lioMiltonPires1
 
sistema respiratório ufcd 6566.ppt
sistema respiratório ufcd 6566.pptsistema respiratório ufcd 6566.ppt
sistema respiratório ufcd 6566.ppt
lioMiltonPires1
 

Mais de lioMiltonPires1 (7)

borderline.pptx
borderline.pptxborderline.pptx
borderline.pptx
 
5-Pert.-personalidade.pptx
5-Pert.-personalidade.pptx5-Pert.-personalidade.pptx
5-Pert.-personalidade.pptx
 
Infecção urinária.pptx
Infecção urinária.pptxInfecção urinária.pptx
Infecção urinária.pptx
 
VNI.pptx
VNI.pptxVNI.pptx
VNI.pptx
 
sistema respiratório ufcd 6566.pdf
sistema respiratório ufcd 6566.pdfsistema respiratório ufcd 6566.pdf
sistema respiratório ufcd 6566.pdf
 
Emergências Médicas 2.0.pptx
Emergências Médicas 2.0.pptxEmergências Médicas 2.0.pptx
Emergências Médicas 2.0.pptx
 
sistema respiratório ufcd 6566.ppt
sistema respiratório ufcd 6566.pptsistema respiratório ufcd 6566.ppt
sistema respiratório ufcd 6566.ppt
 

ufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptx

  • 1. UFCD 6565 - Noções gerais sobre células, imunidade, tecidos e órgãos – sistemas osteo- articular e muscular Enf. Élio Pires
  • 2. No final desta UFCD vão saber O que podemos fazerpara prevenir doenças infeciosas Se existem tantos microrganismos, porque não andamos sempredoentes? Como se usamcorretamente os medicamentos?
  • 3.
  • 4. Sistem a imunitári o Proteção do organismo dos seres potenciais agentes agressores biológicos ou químicos; Destruição de células envelhecidas e/ou anormais do próprio organismo
  • 5. Conjunto de mecanismos que reconhecem substâncias estranhas ou anormais ao organismo que as neutralizam ou que promovem a sua eliminação Respos ta imunitári a
  • 6.  Órgãos envolvidos na captura e destruição de agentes agressores:  Adenóides, amígdalas, gânglios linfáticos, baço, apêndice e tecido linfático  Órgãos ou estruturas nos quais são produzidos e maturados os leucócitos:  Timo e medula óssea Constituintes do Sistem a Imunitári o
  • 7.
  • 9.  Inclui o conjunto de processos através das quais o organismo previne a entrada de agentes estranhos, os reconhece e os destrói;  A resposta do organismo é sempre a mesma qualquer que seja o agente;  Não se verifica especificidade nem memória Mecanismos de defesa não específic os
  • 10.
  • 11. Primeira barreira mecânica e química Impede a entrada Pel e Mecanismos de defesa não específicos – barreiras físicas
  • 12. Mucos as Forram as cavidades do corpo que abrem para o exterior e segregam muco que dificulta a fixação de microrganismos e a sua multiplicação nessas mucosas. Mecanismos de defesa não específicos – barreiras físicas
  • 13. As glândulas sebáceas, sudoríparas e lacrimais inibem o desenvolvimento da Secreçõ es Mecanismos de defesa não específicos – secreções
  • 14. A lisozima (presente nas lágrimas e saliva), o ácido clorídrico (produzido no estômago) e o muco do revestimento das vias respiratórias destroem os microrganismos e/ou expulsam-nos do organismo Secreçõ es Mecanismos de defesa não específicos – secreções
  • 15.  A microbiota intestinal é um conjunto de micro- organismos, principalmente de bactérias Lactobacillus e Bifido bacterium que colonizam o nosso tubo digestivo.  A microbiota intestinal é a mais conhecida e mais estudada, no entanto, não é a única no organismo humano. Microbiota vaginal, respiratória, cutânea, urinária… Microbiot a
  • 16. Barreira contra a adesão e o desenvolvimento de agentes patogénicos Diminuição da inflamação da mucosa intestinal em caso de gastrite infeciosa Induz a produção de muco intestinal protetor, pelas célula s da mucosa Fornece energia às células da mucosa intestinal para o seu crescimento e renovação. Microbiot a intestina l: benefíci os
  • 18. Mecanismos de defesa não específicos Aresposta inflamatória é desencadeada por substância químicas.Algumas destas substânciassão libertadas pelos próprios micróbios, enquanto que outras são libertadas em consequênciadas lesões celulares devido à invasão microbiana.
  • 19. Aumentoda permeabilidade doscapilares:aumentao fluido intersticial dostecidosinfetados (provoca edema). As compressões dos nervos (provoca dor). Respostasistémica- Febre Quandoas infeções sãomais graves produz-seumarespostasistémica.Umdossinaisdesta respostas sistémicaé a febre, estaé provocada por substânciaspirogénicas queatuamsobreo hipotálamo. Febre: - facilita a fagocitose - inibe a multiplicação de alguns micróbios - facilita a cicatrização. Emborasefor muitoelevada possaser letal.
  • 20. Leucócito s  Células do sistema imunitário  Podem ser divididas em:  Granulócitos – neutrófilos, eosinófilos, basófilos e mastócitos.  Agranulócitos – monócitos e linfócitos
  • 21. Mecanismos de defesa não específicos
  • 22. Mecanismos de defesa não específicos
  • 23. Fagocito se Mecanismos de defesa não específicos
  • 24.  Segunda linha de defesa  Captura de células que são destruídas em vesículas digestivas.  As células que realizam fagocitose são fagócitos (neutrófilos e macrófagos) Fagocito se Mecanismos de defesa não específicos
  • 25.  Quando os agentes são agressivos, é acionada uma reação inflamatória sistémica, que ocorre em várias partes do organismo. - Aumento do número de leucócitos em circulação. - Febre. Respos ta sistémi ca Mecanismos de defesa não específicos
  • 26. Facilita a fagocitose Inibe a multiplicação de alguns microrganismos Facilita a cicatrização. Embora se for muito elevada possa ser letal. Febr e Mecanismos de defesa não específicos
  • 27. Interferã o Mecanismos de defesa não específicos São proteínas produzidas por células atacadas por vírus que se difundem para células vizinhas, induzindo- as a produzir proteínas antivirais. Estas proteínas bloqueiam a replicação do vírus, limitando o seu alastramento.
  • 28. Defesas Não Específicas e Defesas Específicas
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33. o BIBLIOGRAFIA RAMÉ, ALAIN ; THÉROND, SYLVIE, CO-AUT - ANATOMIA E FISIOLOGIA. LISBOA : CLIMEPSI, 2012. SERRA, Luís M. Alvim ; OLIVEIRA, António Fonseca, co-aut ; CASTRO, José Costa e, co- aut - Critérios fundamentais em fraturas e ortopedia. 3ª ed. atualizada e aumentada. Lisboa : Lidel, 2012 CALAIS-GERMAN, Blandine - Anatomia para o movimento : introdução à análise das técnicas corporais. São Paulo : Manole, 2002