SlideShare uma empresa Scribd logo
(ISHIKAWA OU ESPINHA DE PEIXE)
Espinha de peixe
Ishikama
6M
O diagrama foi criado pelo
professor da universidade de
Tóquio, o engenheiro químico,
Kaoru Ishikama, em 1943;e aos
poucos foi se aperfeiçoando com
o passar dos anos.
Diagrama de causa e efeito
O diagrama de Ishikama é uma
ferramenta gráfica utilizada pela
administração para:
Gerenciamento e o controle da
qualidade em diversos processos ou
seja permite identificar uma relação
significativa entre um efeito e suas
causas.
Em seis tipos de problemas
diferentes, são eles:
Método
Matéria- prima (ou componentes)
Mão- de-obra (ou pessoas)
Maquinas ( ou equipamentos)
Medição
Meio ambiente
 O Diagrama de Ishikawa é uma das
ferramentas mais eficazes e mais utilizadas
nas ações de melhoria e controle de
qualidade nas organizações, permitindo
agrupar e visualizar as várias causas que
estão na origem qualquer problema ou de
um resultado que se pretende melhorar.
 Geralmente, esses diagramas são feitos por
grupos de trabalho e envolvem todos os
agentes do processo em análise. Depois de
identificar qual o problema ou efeito a ser
estudado, é feita uma lista das possíveis
causas e depois faz-se o diagrama de causa
e efeito.
Diagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeito
 Cabeçalho: Título, autor(es), data.
 Efeito: Deve conter o indicador de qualidade e o
problema a ser analisado. O efeito normalmente
ocupa o lado direito da folha.
 Eixo central: Representado por uma flecha
horizontal, aponta para o efeito e é uma linha
horizontal no meio da folha.
 Categoria: indica os grupos de fatores mais
importantes relacionados com o efeito. Neste caso as
flechas partem do eixo central e são inclinadas.
 Causa: Causa potencial, pertencente a uma categoria
que pode colaborar com o efeito. As flechas
constituem linhas horizontais, que apontam para a
flecha da categoria.
 Sub-causa: Causa potencial que pode contribuir com
uma causa específica. São derivações de uma causa.
 Antes de começar a desenhar o diagrama, os
seguintes passos devem ser cumpridos:
 Determine o problema que será analisado no
diagrama e o objetivo que se espera alcançar. No
entanto, palavras abstratas e vagas devem ser
evitadas;
 Junte informação a respeito do problema em
questão;
 Reúna um grupo que possa ajudar na criação do
diagrama, e depois de apresentar as devidas
informações, promova uma sessão
de brainstorming sobre o problema;
 os 6 M’s (máquina, método, mão de obra,
matéria prima, meio ambiente,
medição)Ordene todas as informações de
forma sucinta, aponte as principais causas e
elimine informação dispensável;
 Desenhe o diagrama tendo em conta as
causas que devem estar de acordo.
 Razões
 Para identificar as informações a respeito das
causas do seu problema;
 Para organizar e documentar as causas
potenciais de um efeito ou característica de
qualidade;
 Para indicar o relacionamento de cada causa
e sub-causa as demais e ao efeito ou
característica de qualidade;
 Reduzir a tendência de procurar uma causa
"Verdadeira", em prejuízo do desconhecido,
ou esquecimento de outras causas
potenciais.
 Ajuda a enfocar o aperfeiçoamento do
processo;
 Registra visualmente as causas potenciais
que podem ser revistas e atualizadas;
 Provê uma estrutura para o brainstorming;
 Envolve todos.
DINÂMICA
Diagrama de causa e efeito
 Capacidade de auto-expressão
 Criatividade
 Aceitar e conviver com diferenças conceituais e
multidisciplinares
 Ausência de julgamento prévio;
 Anotação das idéias e manifestações ocorridas
 Capacidade de síntese
 Delimitação de tempo individual e coletivo;
 Os membros da equipe não são distinguíveis por
cargo, ou qualquer outro papel que exerça na
organização;
Diagrama de causa e efeito
 1º Fase
 2º Fase
 3º Fase
 As idéias são apresentadas de forma livre e
sem preocupação com julgamento ou
análises preliminares.
 Uma idéia apresentada pode levar pode levar
a sucessivas idéias e desdobramentos das
mesmas por outras pessoas.
 Escolha uma pessoa uma pessoa da equipe
para registrar as idéias
 Anote cada idéia com o mínimo de palavras
possíveis (não interprete nem altere as idéias
dos outros)
 Estimule a ocorrência de noções criativas,
malucas e aparentemente ridículas.
 Os membros do grupo de brainstorming
moderador nunca devem criticar ou julgar
idéias e sugestões.
 A lista gerada deve ser examinada por todos
para ter certeza que houve compreensão
 Vocês devem examinar a lista para eliminar
redundâncias e propostas claramente
impossíveis.
 Obtenha o consenso sobre quaisquer
questões que possam parecer redundantes ou
sem importância
Diagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeito
A padronização de processos foi
logo após a revolução industrial
com o início da mecanização dos
processos industriais
Exemplo da padronização foi a
produção de carros da Ford
Para criar um procedimento
operacional padrão deve-se
analisar o que é que satisfaz
seus clientes.
Mas, o que é
PROCEDIMENTO
OPERACIONAL
PADRÃO?
(POP)
VOCÊS
SABEM?
Diagrama de causa e efeito
É um documento que descreve o
trabalho a ser executado, pois
contém as instruções sequenciais das
operações e a frequência de
execução, especificando o
responsável pela execução e
materiais utilizados na tarefa,
descrição dos procedimentos da
tarefa por atividades críticas, de
operação e pontos proibidos de cada
tarefa e roteiro de inspeção periódica
dos equipamentos de produção
Diagrama de causa e efeito
1. Nome do POP (título)
2. Objetivo do POP (a quê ele se
destina, qual a razão da sua
existência e importância).
3.Documentos de referência (Quais
documentos poderão ser usados ou
consultados quando alguém for usar
ou seguir o POP ?
4.Local de aplicação (Aonde se aplica
aquele procedimento operacional
padrão?)
5. Siglas (Caso siglas sejam usadas no
POP, dar a explicação de todas)
6. Descrição das etapas da tarefa com
os executantes e responsáveis.
7. Se existir algum fluxograma relativo
a essa tarefa, como um todo, ele pode
ser agregado nessa etapa.
8. Informar o local de guarda do
documento, e o responsável pela
guarda e atualização
9.Informar frequência de atualização
(Digamos, de 12 em 12 meses)
10.Informar em quais meios ele será
guardado (Eletrônico ou computador
ou em papel)
11.Gestor do POP (Quem o elaborou)
12.Responsável por ele.
Diagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeito
 O 5W2H, basicamente, é um checklist de
determinadas atividades que precisam ser
desenvolvidas com o máximo de clareza
possível por parte dos colaboradores da
empresa. Ele funciona como um mapeamento
destas atividades, onde ficará estabelecido o
que será feito, quem fará o quê, em qual
período de tempo, em qual área da empresa
e todos os motivos pelos quais esta atividade
deve ser feita. Em um segundo momento,
deverá figurar em uma tabela como será
feita esta atividade e quanto custará aos
cofres da empresa tal processo.
 Esta ferramenta é extremamente útil para as
empresas, uma vez que elimina por completo qualquer
dúvida que possa surgir sobre um processo ou sua
atividade. Em um meio ágil e competitivo como é o
ambiente corporativo, a ausência de dúvidas agiliza e
muito as atividades a serem desenvolvidas por
colaboradores de setores ou áreas diferentes. Afinal,
um erro na transmissão de informações pode acarretar
diversos prejuízos a empresa, por isso é preciso ficar
atento à essas questões decisivas, e o 5W2H é
excelente neste quesito!
 O nome desta ferramenta foi assim estabelecido por
juntar as primeiras letras dos nomes (em inglês) das
diretrizes utilizadas neste processo. Abaixo você pode
ver cada uma delas e o que elas representam:
 What ?– O que será feito?(etapas)
 Why? – Por quê será feito? (justificativa)
 Where? – Onde será feito? (local)
 When? – Quando será feito? (tempo)
 Who? – Por quem será feito? (responsabilidade)
 How? – Como será feito? (método)
 How much ?– Quanto custará fazer? (custo)
Diagrama de causa e efeito
 Antes de utilizar o 5W2H é preciso estabelecer uma
estratégia de ação para identificação e proposição de
soluções de determinados problemas que queira
sanar. Para isso pode-se utilizar de brainstorming para
se chegar a um ponto comum. É preciso também ter
em conta os seguintes pontos:
 Tenha certeza de estar implementando ações sobre
as causas do problema, e não sobre seus efeitos;
 Tenha certeza que suas ações não tenham qualquer
efeito colateral, caso contrário deverá tomar outras
ações para eliminá-los;
 É preciso propor diferentes soluções para os
problemas analisados, certificando-se dos custos
aplicados e da real eficácia de tais soluções.
 Ao planejar determinada atividade
gerencial, você deve responder às 7
perguntas citadas acima com clareza e
objetividade. Logo após, você deverá
elaborar uma tabela explicativa sobre tudo o
que foi planejado. Abaixo segue o esboço
bem simples de uma planilha de 5W2H. Ela
pode ser configurada da maneira que o
utilizador achar melhor (linhas, colunas,
cores etc). Mas sempre seguindo o modelo de
especificar, ao máximo, todas as etapas do
processo. Caso contrário o 5W2H perde a sua
função.
Diagrama de causa e efeito
 A ferramenta 5w2h é uma das mais fáceis de
ser implementada e traz grandes benefícios
para os gestores e suas atividades
organizacionais. Por isso, não deixe de
utilizá-la em seu dia-a-dia empresarial.
Diagrama de causa e efeito
GUT, sigla para Gravidade, Urgência
e Tendência, é uma ferramenta
utilizada na priorização das
estratégias, tomadas de decisão e
solução de problemas de
organizações/projetos.
 Está normalmente vinculada à
análise SWOT, da análise de
ambiente de marketing da área de
gestão.
 Listar forças;
 Dar uma nota, de 1 a 5 para a gravidade de
cada força;
 Dar uma nota, de 1 a 5 para a urgência de
cada força;
 Dar uma nota, de 1 a 5 para a tendência de
cada força;
 Multiplicar os resultados (gravidade x
urgência x tendência) de cada força;
 Fazer a média dos resultados das forças;
 Repetir os passos acima com as fraquezas,
oportunidades e ameaças.
Gravidade
5 = extremamente grave
4 = muito grave
3 = grave
2 = pouco grave
1 = sem gravidade
Urgência
5 = precisa de ação
imediata
4 = é urgente
3 = o mais rápido
possível
2 = pouco urgente
1 = pode esperar
Tendência
5 = ...irá piorar
rapidamente
4 = ...irá piorar em
pouco tempo
3 = ...irá piorar
2 = ...irá piorar a longo
prazo
1 = ...não irá mudar
Diagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeito
 O sistema de custo Kaizen foi desenvolvido
para melhoria contínua e redução de custos
de processos produtivos e administrativos
tornando-os mais enxutos e velozes.
 Segundo Siqueira, Kaizen é uma palavra de
origem japonesa, na qual kai significa
mudança e zen significa melhor, ou seja,
deve-se ter uma busca contínua pela
eficiência no processo produtivo, eliminando
tarefas ou processos dispendiosos
economicamente.
Diagrama de causa e efeito
União entre diretoria e funcionários,
para que se tenha um objetivo
comum;
Preza a harmonia e o equilíbrio em
todos os setores da empresa;
Visa a satisfação do funcionário.
 Para uma redução efetiva dos custos da
produção, os desperdícios devem ser analisados
e ponderados.
 As sete categorias de desperdícios na produção,
são:
1. Desperdício de superprodução;
2. Desperdício de espera;
3. Desperdício de transporte;
4. Desperdício de processamento;
5. Desperdício de movimento;
6. Desperdício de produzir produtos defeituosos;
7. Desperdícios de estoques.
 Fluxo Contínuo – Aumento de produtividade,
ganho de espaço físico, redução de estoque em
processo;
 Sistema puxado – Melhoria de atendimento ao
cliente e redução de inventário;
 Lean manufaturing – Ganho de capacidade, zero
desperdício;
 TPM – Redução de estoques de segurança,
melhoria de atendimento ao cliente;
 5 sensos – Motivação, clima organizacional,
saúde ocupacional.
 Poka yoke – Proteção contra defeito, freio de
processo.
 Busca manter os níveis correntes de
custo para os veículos manufaturados e
trabalhar constantemente na redução
de custos em todas as etapas da
manufatura, para que alcancem os
valores almejados pela empresa.
 A intenção do Kaizen é bastante
aceitável, uma vez que o produto já
está em processo de fabricação e que
alguns procedimentos precisam ser
efetuados visando uma desejável
redução nos custos.
 Amanda Bispo
 Tamires Araujo
 Taiane Souza
 Sayonara Leal
 Valéria Batista
Diagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeito

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

02 aula sistemas dos 5s
02 aula sistemas dos 5s02 aula sistemas dos 5s
02 aula sistemas dos 5s
Homero Alves de Lima
 
Produção enxuta
Produção enxutaProdução enxuta
Produção enxuta
Rafael Passos
 
Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e Desenvolvimento
Jean Israel B. Feijó
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Pricila Yessayan
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
Celso Alfaia Barbosa
 
Slides diagrama-de-causa-e-efeito
Slides diagrama-de-causa-e-efeitoSlides diagrama-de-causa-e-efeito
Slides diagrama-de-causa-e-efeito
Mário De Jesus Filho
 
Tipos de organização
Tipos de organizaçãoTipos de organização
Tipos de organização
Robson Costa
 
Gestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade TotalGestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade Total
UerjFundamentosDaAdministracao2013_1
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
douglas
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Carlos Sousa
 
Teoria geral da administração
Teoria geral da administraçãoTeoria geral da administração
Teoria geral da administração
Denis Carlos Sodré
 
Slides - Diagrama de Ishikawa
Slides - Diagrama de Ishikawa Slides - Diagrama de Ishikawa
Slides - Diagrama de Ishikawa
Orlando Lima Treinamentos
 
Planejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produçãoPlanejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produção
Luiza Mucida
 
O Sistema Kanban
O Sistema KanbanO Sistema Kanban
O Sistema Kanban
CLT Valuebased Services
 
Jit – just in time
Jit – just in timeJit – just in time
Jit – just in time
trainertek
 
PDCA MASP
PDCA MASPPDCA MASP
Introdução à gestão de estoques
Introdução à gestão de estoquesIntrodução à gestão de estoques
Introdução à gestão de estoques
ProfessorRogerioSant
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Ferramentas de Gestão
Ferramentas de GestãoFerramentas de Gestão
Ferramentas de Gestão
Jean Israel B. Feijó
 
5W2H
5W2H5W2H

Mais procurados (20)

02 aula sistemas dos 5s
02 aula sistemas dos 5s02 aula sistemas dos 5s
02 aula sistemas dos 5s
 
Produção enxuta
Produção enxutaProdução enxuta
Produção enxuta
 
Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e Desenvolvimento
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
 
Slides diagrama-de-causa-e-efeito
Slides diagrama-de-causa-e-efeitoSlides diagrama-de-causa-e-efeito
Slides diagrama-de-causa-e-efeito
 
Tipos de organização
Tipos de organizaçãoTipos de organização
Tipos de organização
 
Gestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade TotalGestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade Total
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Teoria geral da administração
Teoria geral da administraçãoTeoria geral da administração
Teoria geral da administração
 
Slides - Diagrama de Ishikawa
Slides - Diagrama de Ishikawa Slides - Diagrama de Ishikawa
Slides - Diagrama de Ishikawa
 
Planejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produçãoPlanejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produção
 
O Sistema Kanban
O Sistema KanbanO Sistema Kanban
O Sistema Kanban
 
Jit – just in time
Jit – just in timeJit – just in time
Jit – just in time
 
PDCA MASP
PDCA MASPPDCA MASP
PDCA MASP
 
Introdução à gestão de estoques
Introdução à gestão de estoquesIntrodução à gestão de estoques
Introdução à gestão de estoques
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
 
Ferramentas de Gestão
Ferramentas de GestãoFerramentas de Gestão
Ferramentas de Gestão
 
5W2H
5W2H5W2H
5W2H
 

Semelhante a Diagrama de causa e efeito

Diagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeitoDiagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeito
Marcelo Ribas
 
Gestao baseada processos
Gestao baseada processosGestao baseada processos
Gestao baseada processos
Reinalvo Orecic
 
Gestão da qualidade na logística
Gestão da qualidade na logísticaGestão da qualidade na logística
Gestão da qualidade na logística
deividp9
 
Ferramentas de gestao
Ferramentas de gestaoFerramentas de gestao
Ferramentas de gestao
Itamar Pereira Rezende
 
Apostila ferramentas QT
Apostila ferramentas QTApostila ferramentas QT
Apostila ferramentas QT
Marcos Magnanti
 
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientesArtigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
Wagner Tironi Pinto
 
Gestao baseada processos
Gestao baseada processosGestao baseada processos
Gestao baseada processos
UNIFACS
 
analise critica do desempenho e identificacao de causa raiz.pptx
analise critica do desempenho e identificacao de causa raiz.pptxanalise critica do desempenho e identificacao de causa raiz.pptx
analise critica do desempenho e identificacao de causa raiz.pptx
RonaldoAlves153492
 
Ebook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdf
Ebook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdfEbook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdf
Ebook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdf
MichellePereira97
 
Relatório A3
Relatório A3Relatório A3
Relatório A3
Camila Oliveira
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
Luiz Claudio Santana
 
E book - guia_rápido_análise swot
E book - guia_rápido_análise swotE book - guia_rápido_análise swot
E book - guia_rápido_análise swot
Moacir Jacomin
 
Mini curso aula 02
Mini curso aula 02Mini curso aula 02
Mini curso aula 02
Victor Maia Senna Delgado
 
Pizzaria ferram1
Pizzaria ferram1Pizzaria ferram1
Pizzaria ferram1
Vilma Santos
 
(Transformar 16) Planejamento Estratégico 5
(Transformar 16) Planejamento Estratégico 5(Transformar 16) Planejamento Estratégico 5
(Transformar 16) Planejamento Estratégico 5
Ink_conteudos
 
Diagrama de Causa e Efeito - Descubra e aprenda ishikawa na pratica
Diagrama de Causa e Efeito - Descubra e aprenda ishikawa na praticaDiagrama de Causa e Efeito - Descubra e aprenda ishikawa na pratica
Diagrama de Causa e Efeito - Descubra e aprenda ishikawa na pratica
Jefferson Affonso - PMP®, ITIL®, MCTS®, MBA
 
Ferramentas gestão de processos
Ferramentas gestão de processosFerramentas gestão de processos
Ferramentas gestão de processos
Itamar Pereira Rezende
 
Trabalho gestao camila
Trabalho gestao camilaTrabalho gestao camila
Trabalho gestao camila
LuceliaRibeiro
 
Masp
MaspMasp
Amostra do E-book 50 ferramentas de gestão
Amostra do E-book 50 ferramentas de gestãoAmostra do E-book 50 ferramentas de gestão
Amostra do E-book 50 ferramentas de gestão
Orlando Lima Treinamentos
 

Semelhante a Diagrama de causa e efeito (20)

Diagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeitoDiagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeito
 
Gestao baseada processos
Gestao baseada processosGestao baseada processos
Gestao baseada processos
 
Gestão da qualidade na logística
Gestão da qualidade na logísticaGestão da qualidade na logística
Gestão da qualidade na logística
 
Ferramentas de gestao
Ferramentas de gestaoFerramentas de gestao
Ferramentas de gestao
 
Apostila ferramentas QT
Apostila ferramentas QTApostila ferramentas QT
Apostila ferramentas QT
 
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientesArtigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
 
Gestao baseada processos
Gestao baseada processosGestao baseada processos
Gestao baseada processos
 
analise critica do desempenho e identificacao de causa raiz.pptx
analise critica do desempenho e identificacao de causa raiz.pptxanalise critica do desempenho e identificacao de causa raiz.pptx
analise critica do desempenho e identificacao de causa raiz.pptx
 
Ebook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdf
Ebook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdfEbook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdf
Ebook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdf
 
Relatório A3
Relatório A3Relatório A3
Relatório A3
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
E book - guia_rápido_análise swot
E book - guia_rápido_análise swotE book - guia_rápido_análise swot
E book - guia_rápido_análise swot
 
Mini curso aula 02
Mini curso aula 02Mini curso aula 02
Mini curso aula 02
 
Pizzaria ferram1
Pizzaria ferram1Pizzaria ferram1
Pizzaria ferram1
 
(Transformar 16) Planejamento Estratégico 5
(Transformar 16) Planejamento Estratégico 5(Transformar 16) Planejamento Estratégico 5
(Transformar 16) Planejamento Estratégico 5
 
Diagrama de Causa e Efeito - Descubra e aprenda ishikawa na pratica
Diagrama de Causa e Efeito - Descubra e aprenda ishikawa na praticaDiagrama de Causa e Efeito - Descubra e aprenda ishikawa na pratica
Diagrama de Causa e Efeito - Descubra e aprenda ishikawa na pratica
 
Ferramentas gestão de processos
Ferramentas gestão de processosFerramentas gestão de processos
Ferramentas gestão de processos
 
Trabalho gestao camila
Trabalho gestao camilaTrabalho gestao camila
Trabalho gestao camila
 
Masp
MaspMasp
Masp
 
Amostra do E-book 50 ferramentas de gestão
Amostra do E-book 50 ferramentas de gestãoAmostra do E-book 50 ferramentas de gestão
Amostra do E-book 50 ferramentas de gestão
 

Diagrama de causa e efeito

  • 3. O diagrama foi criado pelo professor da universidade de Tóquio, o engenheiro químico, Kaoru Ishikama, em 1943;e aos poucos foi se aperfeiçoando com o passar dos anos.
  • 5. O diagrama de Ishikama é uma ferramenta gráfica utilizada pela administração para: Gerenciamento e o controle da qualidade em diversos processos ou seja permite identificar uma relação significativa entre um efeito e suas causas.
  • 6. Em seis tipos de problemas diferentes, são eles: Método Matéria- prima (ou componentes) Mão- de-obra (ou pessoas) Maquinas ( ou equipamentos) Medição Meio ambiente
  • 7.  O Diagrama de Ishikawa é uma das ferramentas mais eficazes e mais utilizadas nas ações de melhoria e controle de qualidade nas organizações, permitindo agrupar e visualizar as várias causas que estão na origem qualquer problema ou de um resultado que se pretende melhorar.  Geralmente, esses diagramas são feitos por grupos de trabalho e envolvem todos os agentes do processo em análise. Depois de identificar qual o problema ou efeito a ser estudado, é feita uma lista das possíveis causas e depois faz-se o diagrama de causa e efeito.
  • 10.  Cabeçalho: Título, autor(es), data.  Efeito: Deve conter o indicador de qualidade e o problema a ser analisado. O efeito normalmente ocupa o lado direito da folha.  Eixo central: Representado por uma flecha horizontal, aponta para o efeito e é uma linha horizontal no meio da folha.  Categoria: indica os grupos de fatores mais importantes relacionados com o efeito. Neste caso as flechas partem do eixo central e são inclinadas.  Causa: Causa potencial, pertencente a uma categoria que pode colaborar com o efeito. As flechas constituem linhas horizontais, que apontam para a flecha da categoria.  Sub-causa: Causa potencial que pode contribuir com uma causa específica. São derivações de uma causa.
  • 11.  Antes de começar a desenhar o diagrama, os seguintes passos devem ser cumpridos:  Determine o problema que será analisado no diagrama e o objetivo que se espera alcançar. No entanto, palavras abstratas e vagas devem ser evitadas;  Junte informação a respeito do problema em questão;  Reúna um grupo que possa ajudar na criação do diagrama, e depois de apresentar as devidas informações, promova uma sessão de brainstorming sobre o problema;
  • 12.  os 6 M’s (máquina, método, mão de obra, matéria prima, meio ambiente, medição)Ordene todas as informações de forma sucinta, aponte as principais causas e elimine informação dispensável;  Desenhe o diagrama tendo em conta as causas que devem estar de acordo.
  • 13.  Razões  Para identificar as informações a respeito das causas do seu problema;  Para organizar e documentar as causas potenciais de um efeito ou característica de qualidade;  Para indicar o relacionamento de cada causa e sub-causa as demais e ao efeito ou característica de qualidade;  Reduzir a tendência de procurar uma causa "Verdadeira", em prejuízo do desconhecido, ou esquecimento de outras causas potenciais.
  • 14.  Ajuda a enfocar o aperfeiçoamento do processo;  Registra visualmente as causas potenciais que podem ser revistas e atualizadas;  Provê uma estrutura para o brainstorming;  Envolve todos.
  • 17.  Capacidade de auto-expressão  Criatividade  Aceitar e conviver com diferenças conceituais e multidisciplinares  Ausência de julgamento prévio;  Anotação das idéias e manifestações ocorridas  Capacidade de síntese  Delimitação de tempo individual e coletivo;  Os membros da equipe não são distinguíveis por cargo, ou qualquer outro papel que exerça na organização;
  • 19.  1º Fase  2º Fase  3º Fase
  • 20.  As idéias são apresentadas de forma livre e sem preocupação com julgamento ou análises preliminares.  Uma idéia apresentada pode levar pode levar a sucessivas idéias e desdobramentos das mesmas por outras pessoas.
  • 21.  Escolha uma pessoa uma pessoa da equipe para registrar as idéias  Anote cada idéia com o mínimo de palavras possíveis (não interprete nem altere as idéias dos outros)  Estimule a ocorrência de noções criativas, malucas e aparentemente ridículas.  Os membros do grupo de brainstorming moderador nunca devem criticar ou julgar idéias e sugestões.
  • 22.  A lista gerada deve ser examinada por todos para ter certeza que houve compreensão
  • 23.  Vocês devem examinar a lista para eliminar redundâncias e propostas claramente impossíveis.  Obtenha o consenso sobre quaisquer questões que possam parecer redundantes ou sem importância
  • 26. A padronização de processos foi logo após a revolução industrial com o início da mecanização dos processos industriais Exemplo da padronização foi a produção de carros da Ford
  • 27. Para criar um procedimento operacional padrão deve-se analisar o que é que satisfaz seus clientes.
  • 28. Mas, o que é PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO? (POP)
  • 31. É um documento que descreve o trabalho a ser executado, pois contém as instruções sequenciais das operações e a frequência de execução, especificando o responsável pela execução e materiais utilizados na tarefa, descrição dos procedimentos da tarefa por atividades críticas, de operação e pontos proibidos de cada tarefa e roteiro de inspeção periódica dos equipamentos de produção
  • 33. 1. Nome do POP (título) 2. Objetivo do POP (a quê ele se destina, qual a razão da sua existência e importância). 3.Documentos de referência (Quais documentos poderão ser usados ou consultados quando alguém for usar ou seguir o POP ?
  • 34. 4.Local de aplicação (Aonde se aplica aquele procedimento operacional padrão?) 5. Siglas (Caso siglas sejam usadas no POP, dar a explicação de todas) 6. Descrição das etapas da tarefa com os executantes e responsáveis. 7. Se existir algum fluxograma relativo a essa tarefa, como um todo, ele pode ser agregado nessa etapa.
  • 35. 8. Informar o local de guarda do documento, e o responsável pela guarda e atualização 9.Informar frequência de atualização (Digamos, de 12 em 12 meses) 10.Informar em quais meios ele será guardado (Eletrônico ou computador ou em papel) 11.Gestor do POP (Quem o elaborou) 12.Responsável por ele.
  • 38.  O 5W2H, basicamente, é um checklist de determinadas atividades que precisam ser desenvolvidas com o máximo de clareza possível por parte dos colaboradores da empresa. Ele funciona como um mapeamento destas atividades, onde ficará estabelecido o que será feito, quem fará o quê, em qual período de tempo, em qual área da empresa e todos os motivos pelos quais esta atividade deve ser feita. Em um segundo momento, deverá figurar em uma tabela como será feita esta atividade e quanto custará aos cofres da empresa tal processo.
  • 39.  Esta ferramenta é extremamente útil para as empresas, uma vez que elimina por completo qualquer dúvida que possa surgir sobre um processo ou sua atividade. Em um meio ágil e competitivo como é o ambiente corporativo, a ausência de dúvidas agiliza e muito as atividades a serem desenvolvidas por colaboradores de setores ou áreas diferentes. Afinal, um erro na transmissão de informações pode acarretar diversos prejuízos a empresa, por isso é preciso ficar atento à essas questões decisivas, e o 5W2H é excelente neste quesito!
  • 40.  O nome desta ferramenta foi assim estabelecido por juntar as primeiras letras dos nomes (em inglês) das diretrizes utilizadas neste processo. Abaixo você pode ver cada uma delas e o que elas representam:  What ?– O que será feito?(etapas)  Why? – Por quê será feito? (justificativa)  Where? – Onde será feito? (local)  When? – Quando será feito? (tempo)  Who? – Por quem será feito? (responsabilidade)  How? – Como será feito? (método)  How much ?– Quanto custará fazer? (custo)
  • 42.  Antes de utilizar o 5W2H é preciso estabelecer uma estratégia de ação para identificação e proposição de soluções de determinados problemas que queira sanar. Para isso pode-se utilizar de brainstorming para se chegar a um ponto comum. É preciso também ter em conta os seguintes pontos:  Tenha certeza de estar implementando ações sobre as causas do problema, e não sobre seus efeitos;  Tenha certeza que suas ações não tenham qualquer efeito colateral, caso contrário deverá tomar outras ações para eliminá-los;  É preciso propor diferentes soluções para os problemas analisados, certificando-se dos custos aplicados e da real eficácia de tais soluções.
  • 43.  Ao planejar determinada atividade gerencial, você deve responder às 7 perguntas citadas acima com clareza e objetividade. Logo após, você deverá elaborar uma tabela explicativa sobre tudo o que foi planejado. Abaixo segue o esboço bem simples de uma planilha de 5W2H. Ela pode ser configurada da maneira que o utilizador achar melhor (linhas, colunas, cores etc). Mas sempre seguindo o modelo de especificar, ao máximo, todas as etapas do processo. Caso contrário o 5W2H perde a sua função.
  • 45.  A ferramenta 5w2h é uma das mais fáceis de ser implementada e traz grandes benefícios para os gestores e suas atividades organizacionais. Por isso, não deixe de utilizá-la em seu dia-a-dia empresarial.
  • 47. GUT, sigla para Gravidade, Urgência e Tendência, é uma ferramenta utilizada na priorização das estratégias, tomadas de decisão e solução de problemas de organizações/projetos.  Está normalmente vinculada à análise SWOT, da análise de ambiente de marketing da área de gestão.
  • 48.  Listar forças;  Dar uma nota, de 1 a 5 para a gravidade de cada força;  Dar uma nota, de 1 a 5 para a urgência de cada força;  Dar uma nota, de 1 a 5 para a tendência de cada força;  Multiplicar os resultados (gravidade x urgência x tendência) de cada força;  Fazer a média dos resultados das forças;  Repetir os passos acima com as fraquezas, oportunidades e ameaças.
  • 49. Gravidade 5 = extremamente grave 4 = muito grave 3 = grave 2 = pouco grave 1 = sem gravidade
  • 50. Urgência 5 = precisa de ação imediata 4 = é urgente 3 = o mais rápido possível 2 = pouco urgente 1 = pode esperar Tendência 5 = ...irá piorar rapidamente 4 = ...irá piorar em pouco tempo 3 = ...irá piorar 2 = ...irá piorar a longo prazo 1 = ...não irá mudar
  • 54.  O sistema de custo Kaizen foi desenvolvido para melhoria contínua e redução de custos de processos produtivos e administrativos tornando-os mais enxutos e velozes.  Segundo Siqueira, Kaizen é uma palavra de origem japonesa, na qual kai significa mudança e zen significa melhor, ou seja, deve-se ter uma busca contínua pela eficiência no processo produtivo, eliminando tarefas ou processos dispendiosos economicamente.
  • 56. União entre diretoria e funcionários, para que se tenha um objetivo comum; Preza a harmonia e o equilíbrio em todos os setores da empresa; Visa a satisfação do funcionário.
  • 57.  Para uma redução efetiva dos custos da produção, os desperdícios devem ser analisados e ponderados.  As sete categorias de desperdícios na produção, são: 1. Desperdício de superprodução; 2. Desperdício de espera; 3. Desperdício de transporte; 4. Desperdício de processamento; 5. Desperdício de movimento; 6. Desperdício de produzir produtos defeituosos; 7. Desperdícios de estoques.
  • 58.  Fluxo Contínuo – Aumento de produtividade, ganho de espaço físico, redução de estoque em processo;  Sistema puxado – Melhoria de atendimento ao cliente e redução de inventário;  Lean manufaturing – Ganho de capacidade, zero desperdício;  TPM – Redução de estoques de segurança, melhoria de atendimento ao cliente;  5 sensos – Motivação, clima organizacional, saúde ocupacional.  Poka yoke – Proteção contra defeito, freio de processo.
  • 59.  Busca manter os níveis correntes de custo para os veículos manufaturados e trabalhar constantemente na redução de custos em todas as etapas da manufatura, para que alcancem os valores almejados pela empresa.  A intenção do Kaizen é bastante aceitável, uma vez que o produto já está em processo de fabricação e que alguns procedimentos precisam ser efetuados visando uma desejável redução nos custos.
  • 60.  Amanda Bispo  Tamires Araujo  Taiane Souza  Sayonara Leal  Valéria Batista