SlideShare uma empresa Scribd logo
Das Obrigações Divisíveis e Indivisíveis 
Obrigações simples: um credor, um devedor, um objeto. 
Obrigações complexas: multiplicidade de pessoas e/ou de objeto. 
Multiplicidade de objetos: obrigações conjuntivas, facultativas ou alternativas (vide aulas 
anteriores). 
Neste ponto examinaremos as obrigações complexas com multiplicidade de sujeito. 
Se há mais de um credor ou mais de um devedor, é preciso verificar se a obrigação se divide 
ou não em partes. Divide-se a obrigação em tantas obrigações independentes quantas forem as 
partes, conforme a regra concurso partes fiunt. Cada credor recebe a sua parte da prestação e 
cada devedor paga a fração correspondente ao seu débito. É a regra do artigo 257, CC/ 02. 
Observação: é chamada de obrigação conjunta a que apresenta pluralidade de sujeito 
(chamamos de obrigação conjuntiva a que tem pluralidade de objeto, sendo cumulativa). 
Ocorre que por vezes não é possível aplicar a regra supra descrita, de divisão do objeto pelo 
número de devedores e/ou de credores do vínculo obrigacional. 
Verificaremos, portanto, as exceções à regra exposta acima: 
1. Indivisibilidade: pela natureza do objeto (que não pode ser repartido) é possível que haja 
vários devedores, e qualquer um deles seja obrigado a entregar por inteiro a prestação. E 
mesmo com vários credores, deve ser paga a um só a prestação. Ainda que cada credor só 
tenha direito à sua parte, e ainda que o devedor só precise, na realidade, pagar a sua parte. 
2. Solidariedade: pela lei ou por convenção, o objeto aqui é divisível, mas cada devedor (na 
solidariedade passiva) pode ser compelido a entregar o todo. Na solidariedade entre credores 
(solidariedade ativa), cada um dos credores pode receber o todo. 
Observação: se a obrigação é simples, o objeto é devido por inteiro, pelo devedor, e não há 
por que indagar se é divisível ou indivisível. Quando é complexa a obrigação, faz-se 
necessário o exame da indivisibilidade ou da solidariedade. 
Obrigação Indivisível 
É indivisível a obrigação quando for indivisível seu objeto, pela própria natureza. É 
indivisível o objeto que, se repartido, os valores das partes em separado, ainda que existam, 
não alcançam, somados, o valor do todo. 
Exemplo: um relógio, uma gravata, um sofá, um quadro, um cavalo de corridas, são 
indivisíveis, tornando indivisível a obrigação de entregar (dar, restituir) tais objetos. 
São indivisíveis os bens quando o objeto pode ser repartido, mas tal repartição implica em 
diminuição de valor. Um relógio de ouro ao ser repartido pode até dar ensejo a pedaços de 
certo valor, mas as partes, reunidas, não alcançam o valor do todo (original).
Vimos que a indivisibilidade decorre da natureza do objeto. Mas excepcionalmente pode 
decorrer da lei ou da vontade das partes. Pode ser pactuada a indivisibilidade de um imóvel 
rural, por exemplo. Ou as partes estabelecem para a garantia do credor que certa prestação em 
dinheiro é indivisível, e pode ser cobrada integralmente de cada devedor. 
A indivisibilidade sempre favorece o credor que, podendo exigir a prestação de quaisquer dos 
devedores, a exige do mais capaz em pagá-la. 
Podem ser indivisíveis as obrigações de dar, fazer ou não fazer. 
Na obrigação de dar, quando se encomenda de duas pessoas uma tela de Chagall, não é 
intuito do credor receber a parte ideal – a obrigação é indivisível. O mesmo ocorre com um 
apartamento. 
Na obrigação de fazer, a elaboração de certo projeto de arquitetura, por exemplo, é 
obrigação indivisível; o mesmo ocorre com a obrigação de outorgar escritura. 
Na obrigação de não fazer indivisível, a não exploração de comércio em certo bairro, por 
exemplo, não é possível cumpri-la ou descumpri-la em parte. 
A obrigação de fazer fungível é divisível. Exemplo: três devedores cuja prestação seja de 
fertilizar cinco Km de terra. 
Efeitos da indivisibilidade da prestação (se for divisível, a obrigação se divide em tantas 
obrigações quantos forem os credores ou devedores – concursu partes fiunt - artigo 257, CC/ 
02. 
1. Caso de pluralidade de devedores: cada devedor é obrigado pela dívida toda (artigo 259, 
CC/ 02). Exemplo: dois indivíduos devem conseguir certa estátua para um museu. 
Observações: 
a) Cada devedor só deve parte da dívida. Então, ao pagar, o devedor se sub-roga (259, 
parágrafo único, CC) no direito do credor, em relação aos demais co-devedores. 
b) Se a obrigação for indivisível, cada devedor pode ser compelido a satisfazê-lo por inteiro. 
Caso a obrigação se converta em perdas e danos por força do inadimplemento, torna-se 
divisível (artigo 263, CC). O objeto pode ser indivisível, em espécie, mas o dinheiro é sempre 
passível de divisão. 
As perdas e danos é responsabilidade de quem teve culpa no descumprimento da obrigação 
(artigo 263, §§ 1º e 2º do CC). 
2. Caso de pluralidade de credores: cada credor pode exigir a dívida por inteiro. Mas o(s) 
devedor(es) só se desobriga(m) quando: 
2.1 Pagam a todos os credores conjuntamente. Isso porque se só um credor recebe (e há 
quitação), os demais ficam sem garantia. Os co-credores, então, não têm direito apenas de
exigir o pagamento do credor (o que ocorre na obrigação solidária) que recebeu a prestação 
indivisível, mas, também , têm direito de exigir do devedor. Este paga a todos , ou paga a um 
credor autorizado pelos demais credores. 
2.2 O pagamento pode ser a um co-credor, se este der caução (garantia) de ratificação dos 
outros credores. Assim, os demais credores com a caução garantem o seu crédito (artigo 261, 
CC). Se apenas um dos credores receber a prestação inteira, a cada um dos demais assiste o 
direito de exigir daquele, em dinheiro, a parte que lhe caiba no total – artigo 261, CC/ 02. 
Da extinção da obrigação para um dos co-credores (remissão, novação, compensação, 
transação ou confusão) 
Cada um dos co-credores tem direito apenas a uma parcela da prestação – se recebe a 
prestação total é por causa da indivisibilidade do objeto (exemplo: um livro). 
Havendo remissão, transação, novação, compensação ou confusão da dívida em relação a um 
dos devedores, o devedor perdoado aproveita. Os co-credores, ao receberem o objeto 
indivisível, devolvem ao devedor, em dinheiro, a parcela perdoada (do credor remitente). 
Exemplo: Quando se deve máquina fotográfica a três credores e um dos credores efetua a 
remissão, como a máquina é indivisível, os outros dois credores a exigem, mas devolvem em 
dinheiro ao devedor a parte do crédito do credor remitente. 
Das obrigações solidárias 
Solidariedade: mais de um credor ou mais de um devedor: cada um com direito ou obrigado 
à dívida toda. 
A solidariedade representa exceção à regra de que a obrigação se reparte em tantos quantos 
forem os sujeitos. Aqui, cada credor exige do devedor a totalidade da prestação; ou cada 
devedor paga a um co-credor a dívida integral (artigo 264, CC). 
Solidariedade ativa e solidariedade passiva 
1.Solidariedade ativa: vários credores. Cada um exige do devedor comum a dívida por 
inteiro (artigos 267 e s., CC). Cada credor só tem direito a parte da prestação mas, por causa 
da solidariedade, pode exigi-la por inteiro. 
2.Solidariedade passiva: vários devedores. O credor exige de cada um deles a dívida por 
inteiro (artigos 275 e s., CC). 
Solidariedade: reunião de relações jurídicas autônomas. 
Consequências da solidariedade
a) Solidariedade ativa: o pagamento parcial feito a um dos credores deve ser rateado por 
todos, se o devedor se tornou insolvente. 
b) Se o devedor não solidário se tornar insolvente, o credor sofre a perda, pois não se pode 
reclamar o pagamento dos demais devedores. Se houver solidariedade passiva, o credor pode 
exigir pagamento dos demais devedores, caso um se torne insolvente. 
Distinção entre obrigações solidárias (reembolso) e indivisíveis (sub-rogação) 
Solidárias: decorre das partes ou da lei. Se for descumprida e se verter em perdas e danos, 
continua solidária. 
Indivisíveis: decorre da natureza do objeto. Convertida em perdas e danos, torna-se divisível 
(artigo 263, CC). 
Quando paga a dívida em obrigação indivisível, o devedor se sub-roga nos direitos do credor, 
para cobrar o que pagou dos demais co-devedores. Na solidariedade, o direito do co-devedor 
que paga a totalidade da dívida é apenas de reembolso, em relação aos demais co-devedores. 
Vantagens da solidariedade 
Solidariedade passiva é garantia do credor. É comum porque geralmente é o credor quem dita 
as regras do negócio. 
Fontes da solidariedade 
A solidariedade não se presume. Decorre da lei ou da vontade das partes (artigo 265, CC/ 02). 
Na doutrina italiana, a solidariedade se presume, e só não se afastada por vontade das partes 
ou pela lei. 
Solidariedade convencional: decorre da vontade das partes. A vontade deve ser expressa, 
sem deixar ensejo a dúvida. Decorre do contrato ou do testamento. 
Solidariedade legal (entre co-locatários; dos cônjuges; entre co-fiadores): decorre da lei. 
É solidária, ainda como exemplo, a obrigação dos devedores de indenização por ato ilícito, 
como pena (942, CC/02). A solidariedade aumenta a garantia do credor e pune o autor do ato 
ilícito ou as pessoas por ele responsáveis. 
Solidariedade ativa: é rara. Cada credor pode exigir do devedor a prestação integral. O 
devedor se libera da dívida pagando qualquer dos credores. É inconveniente porque se só um 
credor recebe e se torna insolvente, os demais não recebem nada (podiam exigir o rateio mas 
não podem mais, por causa da insolvência do credor). 
Mandato
Substitui a solidariedade ativa, assumindo a única vantagem que é a de receber a totalidade da 
dívida, evitando a cobrança parcelada, com vantagens adicionais: responsabilidade do 
mandatário mais a possibilidade de revogação ad nutum do mandato. Ex.emplo: contas 
conjuntas – credores solidários. 
Cada credor só o é de parte da prestação e, se a recebe inteira, deve oferecer aos co-credores 
os quinhões a eles correspondentes. O mesmo ocorre em caso de novação, compensação ou 
remissão. 
Falecimento de credor solidário: cada um dos seus herdeiros recebe apenas uma fração do 
direito creditório. Não pode o herdeiro exigir e receber a totalidade da prestação, como podia 
fazê-lo o de cujus. Cada herdeiro só pode cobrar a parte do crédito correspondente ao seu 
quinhão hereditário, salvo se a prestação for indivisível (artigo 270, CC). Não é que com a 
morte do credor solidário desapareça a solidariedade, mas cada herdeiro só pode cobrar a sua 
parte (seu quinhão). Caso haja apenas um herdeiro (fica no lugar do de cujus, como credor 
solidário), pode cobrar a prestação integral. E se os herdeiros agirem em conjunto, também 
podem cobrar a prestação integral. 
Solidariedade passiva (artigo 275, CC/02) 
Vários devedores, e o credor pode exigir de um ou de vários deles o pagamento da dívida, 
parcial ou totalmente. 
Requerendo o pagamento parcial de um dos devedores, o credor pode requerer o resto dos 
demais, que continuam solidários (artigo 275, CC/02). 
Obrigação solidária é a fusão de várias obrigações individuais e autônomas, de cada um dos 
devedores. Por isso, apesar da solidariedade, um co-devedor não pode prejudicar os demais. 
Então, se um devedor aumentar a taxa de juros, ou abreviar o termo do (antecipar o) 
vencimento, não vincula a tais reajustes os demais co-devedores (arca sozinho com os ônus). 
Artigo 278, CC/02. 
Solidariedade passiva é fusão de obrigações autônomas. A relação jurídica apresenta um lado 
externo, onde o conjunto dos devedores forma um único devedor, pois dele pode o credor 
exigir a totalidade do crédito; e um lado interno, onde cada devedor tem a sua obrigação, 
individual ou autônoma. 
Por isso, a regra do artigo 281, CC/02, segundo o qual o devedor demandado não pode opor 
as exceções (defesas) pessoais dos outros. Só pode opor as suas (exemplo: compensação) e as 
de todos (exemplo: prescrição).
Se só houvesse uma relação jurídica, a exceção de um devedor seria a de todos, bastando a 
sua oposição ao credor para suspender a cobrança. 
Execução da obrigação por um dos devedores solidários 
O devedor demandado pelo pagamento integral da dívida, como na realidade só deve a sua 
parte, sofre um empobrecimento em favor dos demais co-devedores, e pode requerer o 
reembolso de cada co-devedor, relativo à quota de cada um. 
Artigo 283, CC/02: se um co-devedor estiver insolvente, os demais co-devedores repartem a 
quota do insolvente, restituindo-a ao devedor que foi demandado e pagou a dívida inteira. 
Artigo 284, CC/02: até os co-devedores exonerados da solidariedade pelo credor ratearão a 
quota do co-devedor insolvente. 
Artigo 285, CC/02: se a dívida solidária interessar somente a um dos co-devedores, como por 
exemplo, o locatário que é o único interessado no pagamento, embora o fiador possa ser 
solidário, o devedor interessado (inquilino) fica obrigado a reembolsar o co-devedor não 
interessado (fiador). Isto porque a obrigação solidária é a reunião de obrigações autônomas. 
Execução parcial da obrigação solidária por um dos co-devedores 
Quando o credor exige ou recebe do devedor escolhido parte da prestação – a solidariedade 
persiste, vinculando os demais obrigados. Mas o credor só pode cobrar o restante (o saldo 
remanescente) dos outros devedores (artigo 277, CC). O mesmo ocorre se o credor perdoa 
(remissão) um dos devedores – só pode cobrar o saldo remanescente, dos demais. Isso porque 
o perdão da dívida é, como o pagamento, meio de extinção da obrigação. 
Renúncia à solidariedade 
Não pratica remissão o credor que renuncia à solidariedade. Apenas deixa de ter vantagens, e 
só pode cobrar de cada devedor a sua cota. 
A renúncia à solidariedade pode se referir a todos os devedores ou apenas a alguns deles. 
Renúncia total (a todos os devedores): a solidariedade desaparece e a obrigação se divide 
em tantos quantos forem os devedores – regra concursu partes fiunt. 
Renúncia parcial: a relação jurídica se divide. Parte dos devedores só respondem por sua 
quota (obrigação simples de cada devedor) e a outra parte responde solidariamente. 
O credor para demandar o devedor solidário não deve abater do débito a parte do devedor 
exonerado da solidariedade. O fundamento está no artigo 282, parágrafo único do CC. 
Observação: o artigo 912, parágrafo único do CC/1916 era incorreto. Falava em abater a parte 
do devedor exonerado da solidariedade quando da cobrança de outro devedor ainda solidário. 
Ocorre que a dívida do exonerado permanece. Só está extinta, para o exonerado, o fato da
solidariedade. 
1 - Inadimplemento da obrigação solidária: 
Seja a cobrança em juízo ou não – se o credor não recebe, pode demandar outro devedor 
solidário. O credor reclama até receber o pagamento (no direito romano, cobrado um dos 
devedores, os demais estavam liberados). 
1.1 - Se a obrigação se impossibilitar: 
a) Por força maior: os co-devedores se livram da obrigação. Esta se extingue. Exemplo: o 
objeto a ser entregue perece por força maior. 
b) Por culpa de um dos obrigados (devedores): o credor recebe o equivalente da prestação, 
mais as perdas e danos. O equivalente da prestação é por todos devido, mas as perdas e danos 
só são devidas pelo co-devedor que culposamente impossibilitou a obrigação. Isso porque um 
dos co-devedores não pode agravar a obrigação dos co-obrigados voluntariamente (artigo 278, 
CC), e, obviamente, portanto, não pode agravar a obrigação dos co-obrigados por ato ilícito. 
Mora 
Quando o devedor não paga no tempo certo, lugar certo ou forma certa, conforme 
convencionado. 
O efeito da mora é gerar a responsabilidade do culpado pela reparação das perdas e danos a 
que der causa. Se a prestação for pecuniária, o prejuízo é representado pelos juros que fluírem 
durante o retardamento. 
Não só o devedor que ocasionou a mora responde pelas suas consequências (exemplo: pelos 
juros), mas sim todos os devedores solidários – para a maior proteção de credor. Conforme o 
artigo 280, CC, e os demais devedores não culpados pelos juros podem pleitear do culpado o 
reembolso. 
Dos efeitos da morte do devedor solidário 
Herdeiros reunidos ficam no lugar do co-devedor, podendo o credor cobrar deles a totalidade 
da dívida. O mesmo se pode dizer em relação ao espólio, mas cada herdeiro só deve uma 
fração, e, portanto, separadamente não pode ser obrigado a pagar a dívida integralmente, mas, 
apenas, parte do débito – correspondente à sua participação na herança – artigo 276, CC, 
salvo se a obrigação for indivisível. 
Fonte: online.unip.br (acesso exclusivo aos alunos)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pagamento
PagamentoPagamento
Pagamento
Lucas Guerreiro
 
Classificação das obrigações
Classificação das obrigaçõesClassificação das obrigações
Classificação das obrigações
Pedro Cechet
 
Direito Civil - modalidade das obrigações
Direito Civil - modalidade das obrigaçõesDireito Civil - modalidade das obrigações
Direito Civil - modalidade das obrigações
Joyce Sarquiz
 
Direito das obrigações
Direito das obrigaçõesDireito das obrigações
Direito das obrigações
Charles Lins
 
Da Obrigação de Não Fazer
Da Obrigação de Não FazerDa Obrigação de Não Fazer
Da Obrigação de Não Fazer
Junior Ozono
 
56930 aula 4--_direito_das_obrigaçoes
56930 aula 4--_direito_das_obrigaçoes56930 aula 4--_direito_das_obrigaçoes
56930 aula 4--_direito_das_obrigaçoes
Angela Regina
 
Aula%2007
Aula%2007Aula%2007
Aula%2007
Evelyn Wallace
 
Direito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificação
Direito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificaçãoDireito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificação
Direito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificação
Guido Cavalcanti
 
Aula 006 - Obrigações - CLASSIFICAÇÃO ou MODALIDADES DE OBRIGAÇÕES
Aula 006 - Obrigações - CLASSIFICAÇÃO ou MODALIDADES DE OBRIGAÇÕESAula 006 - Obrigações - CLASSIFICAÇÃO ou MODALIDADES DE OBRIGAÇÕES
Aula 006 - Obrigações - CLASSIFICAÇÃO ou MODALIDADES DE OBRIGAÇÕES
Tércio De Santana
 
Do adimplemento das obrigações
Do adimplemento das obrigaçõesDo adimplemento das obrigações
Do adimplemento das obrigações
LUIZFGUNHA
 
Direito das obrigações
Direito das obrigaçõesDireito das obrigações
Direito das obrigações
Suênya Mourão
 
Direito civil ii
Direito civil iiDireito civil ii
Direito civil ii
railsoncsilva
 
Apostila direito das obrigações
Apostila direito das obrigaçõesApostila direito das obrigações
Apostila direito das obrigações
Direito Faclions
 
Aula 3 Obrigações
Aula 3   Obrigações Aula 3   Obrigações
Aula 3 Obrigações
Guido Cavalcanti
 
Direito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das Obrigaçõe
Direito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das ObrigaçõeDireito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das Obrigaçõe
Direito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das Obrigaçõe
Dayane Barros
 
Caso concreto semana 4
Caso concreto   semana 4Caso concreto   semana 4
Direito civil 70 questões
Direito civil 70 questõesDireito civil 70 questões
Direito civil 70 questões
Patricia Cirino
 
C.c. civil ii aula 1 a 16 respondidos
C.c. civil ii   aula 1 a 16 respondidosC.c. civil ii   aula 1 a 16 respondidos
C.c. civil ii aula 1 a 16 respondidos
GMCONSULT Segurança do Trabalho Ltda
 
Estudo direito das obrigações p1
Estudo direito das obrigações p1Estudo direito das obrigações p1
Estudo direito das obrigações p1
Pedro Cechet
 
Direito Civil (Obrigações) - Inadimplemento das Obrigações
Direito Civil (Obrigações) - Inadimplemento das ObrigaçõesDireito Civil (Obrigações) - Inadimplemento das Obrigações
Direito Civil (Obrigações) - Inadimplemento das Obrigações
Dayane Barros
 

Mais procurados (20)

Pagamento
PagamentoPagamento
Pagamento
 
Classificação das obrigações
Classificação das obrigaçõesClassificação das obrigações
Classificação das obrigações
 
Direito Civil - modalidade das obrigações
Direito Civil - modalidade das obrigaçõesDireito Civil - modalidade das obrigações
Direito Civil - modalidade das obrigações
 
Direito das obrigações
Direito das obrigaçõesDireito das obrigações
Direito das obrigações
 
Da Obrigação de Não Fazer
Da Obrigação de Não FazerDa Obrigação de Não Fazer
Da Obrigação de Não Fazer
 
56930 aula 4--_direito_das_obrigaçoes
56930 aula 4--_direito_das_obrigaçoes56930 aula 4--_direito_das_obrigaçoes
56930 aula 4--_direito_das_obrigaçoes
 
Aula%2007
Aula%2007Aula%2007
Aula%2007
 
Direito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificação
Direito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificaçãoDireito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificação
Direito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificação
 
Aula 006 - Obrigações - CLASSIFICAÇÃO ou MODALIDADES DE OBRIGAÇÕES
Aula 006 - Obrigações - CLASSIFICAÇÃO ou MODALIDADES DE OBRIGAÇÕESAula 006 - Obrigações - CLASSIFICAÇÃO ou MODALIDADES DE OBRIGAÇÕES
Aula 006 - Obrigações - CLASSIFICAÇÃO ou MODALIDADES DE OBRIGAÇÕES
 
Do adimplemento das obrigações
Do adimplemento das obrigaçõesDo adimplemento das obrigações
Do adimplemento das obrigações
 
Direito das obrigações
Direito das obrigaçõesDireito das obrigações
Direito das obrigações
 
Direito civil ii
Direito civil iiDireito civil ii
Direito civil ii
 
Apostila direito das obrigações
Apostila direito das obrigaçõesApostila direito das obrigações
Apostila direito das obrigações
 
Aula 3 Obrigações
Aula 3   Obrigações Aula 3   Obrigações
Aula 3 Obrigações
 
Direito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das Obrigaçõe
Direito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das ObrigaçõeDireito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das Obrigaçõe
Direito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das Obrigaçõe
 
Caso concreto semana 4
Caso concreto   semana 4Caso concreto   semana 4
Caso concreto semana 4
 
Direito civil 70 questões
Direito civil 70 questõesDireito civil 70 questões
Direito civil 70 questões
 
C.c. civil ii aula 1 a 16 respondidos
C.c. civil ii   aula 1 a 16 respondidosC.c. civil ii   aula 1 a 16 respondidos
C.c. civil ii aula 1 a 16 respondidos
 
Estudo direito das obrigações p1
Estudo direito das obrigações p1Estudo direito das obrigações p1
Estudo direito das obrigações p1
 
Direito Civil (Obrigações) - Inadimplemento das Obrigações
Direito Civil (Obrigações) - Inadimplemento das ObrigaçõesDireito Civil (Obrigações) - Inadimplemento das Obrigações
Direito Civil (Obrigações) - Inadimplemento das Obrigações
 

Semelhante a Das Obrigações Divisíveis e Indivisíveis

Aula 05
Aula 05Aula 05
Teoria geral das obrigações
Teoria geral das obrigaçõesTeoria geral das obrigações
Teoria geral das obrigações
Álida Carvalho
 
Ufrn direito+das+obrigações-roteiro+de+estudo+iv
Ufrn direito+das+obrigações-roteiro+de+estudo+ivUfrn direito+das+obrigações-roteiro+de+estudo+iv
Ufrn direito+das+obrigações-roteiro+de+estudo+iv
odairgerlach
 
Dto das obrigações - obrigações, liquidas, iliquidas, a termo, etc
Dto das obrigações - obrigações, liquidas, iliquidas, a termo, etcDto das obrigações - obrigações, liquidas, iliquidas, a termo, etc
Dto das obrigações - obrigações, liquidas, iliquidas, a termo, etc
Luana Mahara Iurko
 
AULA 1.pptx
AULA 1.pptxAULA 1.pptx
AULA 1.pptx
LeticiaJonck
 
Apresentação de Obrigações.pptx
Apresentação de Obrigações.pptxApresentação de Obrigações.pptx
Apresentação de Obrigações.pptx
MarianaSaraivaRezend
 
As modalidades das obrigacoes
As modalidades das obrigacoesAs modalidades das obrigacoes
As modalidades das obrigacoes
Universidade Pedagogica
 
Aula transmissão das obrigações
Aula   transmissão das obrigaçõesAula   transmissão das obrigações
Aula transmissão das obrigações
Leandro Villela Cezimbra
 
AULA NOVAÇÃO.ppt nova aula de obrigações.
AULA NOVAÇÃO.ppt nova aula de obrigações.AULA NOVAÇÃO.ppt nova aula de obrigações.
AULA NOVAÇÃO.ppt nova aula de obrigações.
tenoriosilva
 
Monitoria 1.pptx
Monitoria 1.pptxMonitoria 1.pptx
Monitoria 1.pptx
CamilaStachechen1
 
Teoria geral da obrigação
Teoria geral da obrigaçãoTeoria geral da obrigação
Teoria geral da obrigação
saramorgana
 
EbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdf
EbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdfEbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdf
EbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdf
LucianoGomes666250
 
Modalidades das obrigacoes
Modalidades das obrigacoesModalidades das obrigacoes
Modalidades das obrigacoes
Universidade Pedagogica
 
Contrato de Mútuo
Contrato de Mútuo Contrato de Mútuo
Contrato de Mútuo
Tuani Ayres Paulo
 
Direito Civil
Direito Civil Direito Civil
Direito Civil
Carol Telles de Lima
 
Obrigações
ObrigaçõesObrigações
Obrigações
flavinhagiigi
 
Direito Civil (Obrigações) - Transmissão das Obrigações
Direito Civil (Obrigações) - Transmissão das ObrigaçõesDireito Civil (Obrigações) - Transmissão das Obrigações
Direito Civil (Obrigações) - Transmissão das Obrigações
Dayane Barros
 
Aula 01 direito das obrigações - introdução
Aula 01   direito das obrigações - introduçãoAula 01   direito das obrigações - introdução
Aula 01 direito das obrigações - introdução
Laisy Quesado
 
INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES/CONTRATOS
INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES/CONTRATOSINADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES/CONTRATOS
INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES/CONTRATOS
stephany
 
Resp. civil do advogado 06 11 2012
Resp. civil do advogado 06 11 2012Resp. civil do advogado 06 11 2012
Resp. civil do advogado 06 11 2012
Lindomar Barroso Cardona
 

Semelhante a Das Obrigações Divisíveis e Indivisíveis (20)

Aula 05
Aula 05Aula 05
Aula 05
 
Teoria geral das obrigações
Teoria geral das obrigaçõesTeoria geral das obrigações
Teoria geral das obrigações
 
Ufrn direito+das+obrigações-roteiro+de+estudo+iv
Ufrn direito+das+obrigações-roteiro+de+estudo+ivUfrn direito+das+obrigações-roteiro+de+estudo+iv
Ufrn direito+das+obrigações-roteiro+de+estudo+iv
 
Dto das obrigações - obrigações, liquidas, iliquidas, a termo, etc
Dto das obrigações - obrigações, liquidas, iliquidas, a termo, etcDto das obrigações - obrigações, liquidas, iliquidas, a termo, etc
Dto das obrigações - obrigações, liquidas, iliquidas, a termo, etc
 
AULA 1.pptx
AULA 1.pptxAULA 1.pptx
AULA 1.pptx
 
Apresentação de Obrigações.pptx
Apresentação de Obrigações.pptxApresentação de Obrigações.pptx
Apresentação de Obrigações.pptx
 
As modalidades das obrigacoes
As modalidades das obrigacoesAs modalidades das obrigacoes
As modalidades das obrigacoes
 
Aula transmissão das obrigações
Aula   transmissão das obrigaçõesAula   transmissão das obrigações
Aula transmissão das obrigações
 
AULA NOVAÇÃO.ppt nova aula de obrigações.
AULA NOVAÇÃO.ppt nova aula de obrigações.AULA NOVAÇÃO.ppt nova aula de obrigações.
AULA NOVAÇÃO.ppt nova aula de obrigações.
 
Monitoria 1.pptx
Monitoria 1.pptxMonitoria 1.pptx
Monitoria 1.pptx
 
Teoria geral da obrigação
Teoria geral da obrigaçãoTeoria geral da obrigação
Teoria geral da obrigação
 
EbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdf
EbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdfEbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdf
EbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdf
 
Modalidades das obrigacoes
Modalidades das obrigacoesModalidades das obrigacoes
Modalidades das obrigacoes
 
Contrato de Mútuo
Contrato de Mútuo Contrato de Mútuo
Contrato de Mútuo
 
Direito Civil
Direito Civil Direito Civil
Direito Civil
 
Obrigações
ObrigaçõesObrigações
Obrigações
 
Direito Civil (Obrigações) - Transmissão das Obrigações
Direito Civil (Obrigações) - Transmissão das ObrigaçõesDireito Civil (Obrigações) - Transmissão das Obrigações
Direito Civil (Obrigações) - Transmissão das Obrigações
 
Aula 01 direito das obrigações - introdução
Aula 01   direito das obrigações - introduçãoAula 01   direito das obrigações - introdução
Aula 01 direito das obrigações - introdução
 
INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES/CONTRATOS
INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES/CONTRATOSINADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES/CONTRATOS
INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES/CONTRATOS
 
Resp. civil do advogado 06 11 2012
Resp. civil do advogado 06 11 2012Resp. civil do advogado 06 11 2012
Resp. civil do advogado 06 11 2012
 

Mais de Junior Ozono

A LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA INTERNET: O EXERCÍCIO DESSE DIREITO FUNDAMENTAL F...
A LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA INTERNET: O EXERCÍCIO DESSE DIREITO FUNDAMENTAL F...A LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA INTERNET: O EXERCÍCIO DESSE DIREITO FUNDAMENTAL F...
A LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA INTERNET: O EXERCÍCIO DESSE DIREITO FUNDAMENTAL F...
Junior Ozono
 
Intervenção de Terceiros e Assistência
Intervenção de Terceiros e AssistênciaIntervenção de Terceiros e Assistência
Intervenção de Terceiros e Assistência
Junior Ozono
 
Intervenção de Terceiros
Intervenção de TerceirosIntervenção de Terceiros
Intervenção de Terceiros
Junior Ozono
 
Responsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil ExtracontratualResponsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil Extracontratual
Junior Ozono
 
Litisconsórcio
LitisconsórcioLitisconsórcio
Litisconsórcio
Junior Ozono
 
Danos Ambientais e Nucleares, Danos aos Direitos Autorais, Responsabilidade C...
Danos Ambientais e Nucleares, Danos aos Direitos Autorais, Responsabilidade C...Danos Ambientais e Nucleares, Danos aos Direitos Autorais, Responsabilidade C...
Danos Ambientais e Nucleares, Danos aos Direitos Autorais, Responsabilidade C...
Junior Ozono
 
Das Nulidades Processuais
Das Nulidades ProcessuaisDas Nulidades Processuais
Das Nulidades Processuais
Junior Ozono
 
Dos Atos Processuais
Dos Atos ProcessuaisDos Atos Processuais
Dos Atos Processuais
Junior Ozono
 
Elementares e Circunstâncias em Aplicação da Pena
Elementares e Circunstâncias em Aplicação da PenaElementares e Circunstâncias em Aplicação da Pena
Elementares e Circunstâncias em Aplicação da Pena
Junior Ozono
 
Responsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil ExtracontratualResponsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil Extracontratual
Junior Ozono
 
Eficácia das Normas Constitucionais
Eficácia das Normas ConstitucionaisEficácia das Normas Constitucionais
Eficácia das Normas Constitucionais
Junior Ozono
 
Contratos Administrativos
Contratos AdministrativosContratos Administrativos
Contratos Administrativos
Junior Ozono
 
Noções Gerais de Direito Administrativo
Noções Gerais de Direito AdministrativoNoções Gerais de Direito Administrativo
Noções Gerais de Direito Administrativo
Junior Ozono
 
A introjeção do racismo e a não identidade étnica e racial do negro brasileiro
A introjeção do racismo e a não identidade étnica e racial do negro brasileiroA introjeção do racismo e a não identidade étnica e racial do negro brasileiro
A introjeção do racismo e a não identidade étnica e racial do negro brasileiro
Junior Ozono
 
Relações Étnico Raciais
Relações Étnico RaciaisRelações Étnico Raciais
Relações Étnico Raciais
Junior Ozono
 
A questão de Raça e Etnia
A questão de Raça e EtniaA questão de Raça e Etnia
A questão de Raça e Etnia
Junior Ozono
 
Nota Promissória
Nota PromissóriaNota Promissória
Nota Promissória
Junior Ozono
 
Abuso de Direito
Abuso de DireitoAbuso de Direito
Abuso de Direito
Junior Ozono
 
Hermenêutica Constitucional
Hermenêutica ConstitucionalHermenêutica Constitucional
Hermenêutica Constitucional
Junior Ozono
 
Penas Restritivas de Direito
Penas Restritivas de DireitoPenas Restritivas de Direito
Penas Restritivas de Direito
Junior Ozono
 

Mais de Junior Ozono (20)

A LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA INTERNET: O EXERCÍCIO DESSE DIREITO FUNDAMENTAL F...
A LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA INTERNET: O EXERCÍCIO DESSE DIREITO FUNDAMENTAL F...A LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA INTERNET: O EXERCÍCIO DESSE DIREITO FUNDAMENTAL F...
A LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA INTERNET: O EXERCÍCIO DESSE DIREITO FUNDAMENTAL F...
 
Intervenção de Terceiros e Assistência
Intervenção de Terceiros e AssistênciaIntervenção de Terceiros e Assistência
Intervenção de Terceiros e Assistência
 
Intervenção de Terceiros
Intervenção de TerceirosIntervenção de Terceiros
Intervenção de Terceiros
 
Responsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil ExtracontratualResponsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil Extracontratual
 
Litisconsórcio
LitisconsórcioLitisconsórcio
Litisconsórcio
 
Danos Ambientais e Nucleares, Danos aos Direitos Autorais, Responsabilidade C...
Danos Ambientais e Nucleares, Danos aos Direitos Autorais, Responsabilidade C...Danos Ambientais e Nucleares, Danos aos Direitos Autorais, Responsabilidade C...
Danos Ambientais e Nucleares, Danos aos Direitos Autorais, Responsabilidade C...
 
Das Nulidades Processuais
Das Nulidades ProcessuaisDas Nulidades Processuais
Das Nulidades Processuais
 
Dos Atos Processuais
Dos Atos ProcessuaisDos Atos Processuais
Dos Atos Processuais
 
Elementares e Circunstâncias em Aplicação da Pena
Elementares e Circunstâncias em Aplicação da PenaElementares e Circunstâncias em Aplicação da Pena
Elementares e Circunstâncias em Aplicação da Pena
 
Responsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil ExtracontratualResponsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil Extracontratual
 
Eficácia das Normas Constitucionais
Eficácia das Normas ConstitucionaisEficácia das Normas Constitucionais
Eficácia das Normas Constitucionais
 
Contratos Administrativos
Contratos AdministrativosContratos Administrativos
Contratos Administrativos
 
Noções Gerais de Direito Administrativo
Noções Gerais de Direito AdministrativoNoções Gerais de Direito Administrativo
Noções Gerais de Direito Administrativo
 
A introjeção do racismo e a não identidade étnica e racial do negro brasileiro
A introjeção do racismo e a não identidade étnica e racial do negro brasileiroA introjeção do racismo e a não identidade étnica e racial do negro brasileiro
A introjeção do racismo e a não identidade étnica e racial do negro brasileiro
 
Relações Étnico Raciais
Relações Étnico RaciaisRelações Étnico Raciais
Relações Étnico Raciais
 
A questão de Raça e Etnia
A questão de Raça e EtniaA questão de Raça e Etnia
A questão de Raça e Etnia
 
Nota Promissória
Nota PromissóriaNota Promissória
Nota Promissória
 
Abuso de Direito
Abuso de DireitoAbuso de Direito
Abuso de Direito
 
Hermenêutica Constitucional
Hermenêutica ConstitucionalHermenêutica Constitucional
Hermenêutica Constitucional
 
Penas Restritivas de Direito
Penas Restritivas de DireitoPenas Restritivas de Direito
Penas Restritivas de Direito
 

Das Obrigações Divisíveis e Indivisíveis

  • 1. Das Obrigações Divisíveis e Indivisíveis Obrigações simples: um credor, um devedor, um objeto. Obrigações complexas: multiplicidade de pessoas e/ou de objeto. Multiplicidade de objetos: obrigações conjuntivas, facultativas ou alternativas (vide aulas anteriores). Neste ponto examinaremos as obrigações complexas com multiplicidade de sujeito. Se há mais de um credor ou mais de um devedor, é preciso verificar se a obrigação se divide ou não em partes. Divide-se a obrigação em tantas obrigações independentes quantas forem as partes, conforme a regra concurso partes fiunt. Cada credor recebe a sua parte da prestação e cada devedor paga a fração correspondente ao seu débito. É a regra do artigo 257, CC/ 02. Observação: é chamada de obrigação conjunta a que apresenta pluralidade de sujeito (chamamos de obrigação conjuntiva a que tem pluralidade de objeto, sendo cumulativa). Ocorre que por vezes não é possível aplicar a regra supra descrita, de divisão do objeto pelo número de devedores e/ou de credores do vínculo obrigacional. Verificaremos, portanto, as exceções à regra exposta acima: 1. Indivisibilidade: pela natureza do objeto (que não pode ser repartido) é possível que haja vários devedores, e qualquer um deles seja obrigado a entregar por inteiro a prestação. E mesmo com vários credores, deve ser paga a um só a prestação. Ainda que cada credor só tenha direito à sua parte, e ainda que o devedor só precise, na realidade, pagar a sua parte. 2. Solidariedade: pela lei ou por convenção, o objeto aqui é divisível, mas cada devedor (na solidariedade passiva) pode ser compelido a entregar o todo. Na solidariedade entre credores (solidariedade ativa), cada um dos credores pode receber o todo. Observação: se a obrigação é simples, o objeto é devido por inteiro, pelo devedor, e não há por que indagar se é divisível ou indivisível. Quando é complexa a obrigação, faz-se necessário o exame da indivisibilidade ou da solidariedade. Obrigação Indivisível É indivisível a obrigação quando for indivisível seu objeto, pela própria natureza. É indivisível o objeto que, se repartido, os valores das partes em separado, ainda que existam, não alcançam, somados, o valor do todo. Exemplo: um relógio, uma gravata, um sofá, um quadro, um cavalo de corridas, são indivisíveis, tornando indivisível a obrigação de entregar (dar, restituir) tais objetos. São indivisíveis os bens quando o objeto pode ser repartido, mas tal repartição implica em diminuição de valor. Um relógio de ouro ao ser repartido pode até dar ensejo a pedaços de certo valor, mas as partes, reunidas, não alcançam o valor do todo (original).
  • 2. Vimos que a indivisibilidade decorre da natureza do objeto. Mas excepcionalmente pode decorrer da lei ou da vontade das partes. Pode ser pactuada a indivisibilidade de um imóvel rural, por exemplo. Ou as partes estabelecem para a garantia do credor que certa prestação em dinheiro é indivisível, e pode ser cobrada integralmente de cada devedor. A indivisibilidade sempre favorece o credor que, podendo exigir a prestação de quaisquer dos devedores, a exige do mais capaz em pagá-la. Podem ser indivisíveis as obrigações de dar, fazer ou não fazer. Na obrigação de dar, quando se encomenda de duas pessoas uma tela de Chagall, não é intuito do credor receber a parte ideal – a obrigação é indivisível. O mesmo ocorre com um apartamento. Na obrigação de fazer, a elaboração de certo projeto de arquitetura, por exemplo, é obrigação indivisível; o mesmo ocorre com a obrigação de outorgar escritura. Na obrigação de não fazer indivisível, a não exploração de comércio em certo bairro, por exemplo, não é possível cumpri-la ou descumpri-la em parte. A obrigação de fazer fungível é divisível. Exemplo: três devedores cuja prestação seja de fertilizar cinco Km de terra. Efeitos da indivisibilidade da prestação (se for divisível, a obrigação se divide em tantas obrigações quantos forem os credores ou devedores – concursu partes fiunt - artigo 257, CC/ 02. 1. Caso de pluralidade de devedores: cada devedor é obrigado pela dívida toda (artigo 259, CC/ 02). Exemplo: dois indivíduos devem conseguir certa estátua para um museu. Observações: a) Cada devedor só deve parte da dívida. Então, ao pagar, o devedor se sub-roga (259, parágrafo único, CC) no direito do credor, em relação aos demais co-devedores. b) Se a obrigação for indivisível, cada devedor pode ser compelido a satisfazê-lo por inteiro. Caso a obrigação se converta em perdas e danos por força do inadimplemento, torna-se divisível (artigo 263, CC). O objeto pode ser indivisível, em espécie, mas o dinheiro é sempre passível de divisão. As perdas e danos é responsabilidade de quem teve culpa no descumprimento da obrigação (artigo 263, §§ 1º e 2º do CC). 2. Caso de pluralidade de credores: cada credor pode exigir a dívida por inteiro. Mas o(s) devedor(es) só se desobriga(m) quando: 2.1 Pagam a todos os credores conjuntamente. Isso porque se só um credor recebe (e há quitação), os demais ficam sem garantia. Os co-credores, então, não têm direito apenas de
  • 3. exigir o pagamento do credor (o que ocorre na obrigação solidária) que recebeu a prestação indivisível, mas, também , têm direito de exigir do devedor. Este paga a todos , ou paga a um credor autorizado pelos demais credores. 2.2 O pagamento pode ser a um co-credor, se este der caução (garantia) de ratificação dos outros credores. Assim, os demais credores com a caução garantem o seu crédito (artigo 261, CC). Se apenas um dos credores receber a prestação inteira, a cada um dos demais assiste o direito de exigir daquele, em dinheiro, a parte que lhe caiba no total – artigo 261, CC/ 02. Da extinção da obrigação para um dos co-credores (remissão, novação, compensação, transação ou confusão) Cada um dos co-credores tem direito apenas a uma parcela da prestação – se recebe a prestação total é por causa da indivisibilidade do objeto (exemplo: um livro). Havendo remissão, transação, novação, compensação ou confusão da dívida em relação a um dos devedores, o devedor perdoado aproveita. Os co-credores, ao receberem o objeto indivisível, devolvem ao devedor, em dinheiro, a parcela perdoada (do credor remitente). Exemplo: Quando se deve máquina fotográfica a três credores e um dos credores efetua a remissão, como a máquina é indivisível, os outros dois credores a exigem, mas devolvem em dinheiro ao devedor a parte do crédito do credor remitente. Das obrigações solidárias Solidariedade: mais de um credor ou mais de um devedor: cada um com direito ou obrigado à dívida toda. A solidariedade representa exceção à regra de que a obrigação se reparte em tantos quantos forem os sujeitos. Aqui, cada credor exige do devedor a totalidade da prestação; ou cada devedor paga a um co-credor a dívida integral (artigo 264, CC). Solidariedade ativa e solidariedade passiva 1.Solidariedade ativa: vários credores. Cada um exige do devedor comum a dívida por inteiro (artigos 267 e s., CC). Cada credor só tem direito a parte da prestação mas, por causa da solidariedade, pode exigi-la por inteiro. 2.Solidariedade passiva: vários devedores. O credor exige de cada um deles a dívida por inteiro (artigos 275 e s., CC). Solidariedade: reunião de relações jurídicas autônomas. Consequências da solidariedade
  • 4. a) Solidariedade ativa: o pagamento parcial feito a um dos credores deve ser rateado por todos, se o devedor se tornou insolvente. b) Se o devedor não solidário se tornar insolvente, o credor sofre a perda, pois não se pode reclamar o pagamento dos demais devedores. Se houver solidariedade passiva, o credor pode exigir pagamento dos demais devedores, caso um se torne insolvente. Distinção entre obrigações solidárias (reembolso) e indivisíveis (sub-rogação) Solidárias: decorre das partes ou da lei. Se for descumprida e se verter em perdas e danos, continua solidária. Indivisíveis: decorre da natureza do objeto. Convertida em perdas e danos, torna-se divisível (artigo 263, CC). Quando paga a dívida em obrigação indivisível, o devedor se sub-roga nos direitos do credor, para cobrar o que pagou dos demais co-devedores. Na solidariedade, o direito do co-devedor que paga a totalidade da dívida é apenas de reembolso, em relação aos demais co-devedores. Vantagens da solidariedade Solidariedade passiva é garantia do credor. É comum porque geralmente é o credor quem dita as regras do negócio. Fontes da solidariedade A solidariedade não se presume. Decorre da lei ou da vontade das partes (artigo 265, CC/ 02). Na doutrina italiana, a solidariedade se presume, e só não se afastada por vontade das partes ou pela lei. Solidariedade convencional: decorre da vontade das partes. A vontade deve ser expressa, sem deixar ensejo a dúvida. Decorre do contrato ou do testamento. Solidariedade legal (entre co-locatários; dos cônjuges; entre co-fiadores): decorre da lei. É solidária, ainda como exemplo, a obrigação dos devedores de indenização por ato ilícito, como pena (942, CC/02). A solidariedade aumenta a garantia do credor e pune o autor do ato ilícito ou as pessoas por ele responsáveis. Solidariedade ativa: é rara. Cada credor pode exigir do devedor a prestação integral. O devedor se libera da dívida pagando qualquer dos credores. É inconveniente porque se só um credor recebe e se torna insolvente, os demais não recebem nada (podiam exigir o rateio mas não podem mais, por causa da insolvência do credor). Mandato
  • 5. Substitui a solidariedade ativa, assumindo a única vantagem que é a de receber a totalidade da dívida, evitando a cobrança parcelada, com vantagens adicionais: responsabilidade do mandatário mais a possibilidade de revogação ad nutum do mandato. Ex.emplo: contas conjuntas – credores solidários. Cada credor só o é de parte da prestação e, se a recebe inteira, deve oferecer aos co-credores os quinhões a eles correspondentes. O mesmo ocorre em caso de novação, compensação ou remissão. Falecimento de credor solidário: cada um dos seus herdeiros recebe apenas uma fração do direito creditório. Não pode o herdeiro exigir e receber a totalidade da prestação, como podia fazê-lo o de cujus. Cada herdeiro só pode cobrar a parte do crédito correspondente ao seu quinhão hereditário, salvo se a prestação for indivisível (artigo 270, CC). Não é que com a morte do credor solidário desapareça a solidariedade, mas cada herdeiro só pode cobrar a sua parte (seu quinhão). Caso haja apenas um herdeiro (fica no lugar do de cujus, como credor solidário), pode cobrar a prestação integral. E se os herdeiros agirem em conjunto, também podem cobrar a prestação integral. Solidariedade passiva (artigo 275, CC/02) Vários devedores, e o credor pode exigir de um ou de vários deles o pagamento da dívida, parcial ou totalmente. Requerendo o pagamento parcial de um dos devedores, o credor pode requerer o resto dos demais, que continuam solidários (artigo 275, CC/02). Obrigação solidária é a fusão de várias obrigações individuais e autônomas, de cada um dos devedores. Por isso, apesar da solidariedade, um co-devedor não pode prejudicar os demais. Então, se um devedor aumentar a taxa de juros, ou abreviar o termo do (antecipar o) vencimento, não vincula a tais reajustes os demais co-devedores (arca sozinho com os ônus). Artigo 278, CC/02. Solidariedade passiva é fusão de obrigações autônomas. A relação jurídica apresenta um lado externo, onde o conjunto dos devedores forma um único devedor, pois dele pode o credor exigir a totalidade do crédito; e um lado interno, onde cada devedor tem a sua obrigação, individual ou autônoma. Por isso, a regra do artigo 281, CC/02, segundo o qual o devedor demandado não pode opor as exceções (defesas) pessoais dos outros. Só pode opor as suas (exemplo: compensação) e as de todos (exemplo: prescrição).
  • 6. Se só houvesse uma relação jurídica, a exceção de um devedor seria a de todos, bastando a sua oposição ao credor para suspender a cobrança. Execução da obrigação por um dos devedores solidários O devedor demandado pelo pagamento integral da dívida, como na realidade só deve a sua parte, sofre um empobrecimento em favor dos demais co-devedores, e pode requerer o reembolso de cada co-devedor, relativo à quota de cada um. Artigo 283, CC/02: se um co-devedor estiver insolvente, os demais co-devedores repartem a quota do insolvente, restituindo-a ao devedor que foi demandado e pagou a dívida inteira. Artigo 284, CC/02: até os co-devedores exonerados da solidariedade pelo credor ratearão a quota do co-devedor insolvente. Artigo 285, CC/02: se a dívida solidária interessar somente a um dos co-devedores, como por exemplo, o locatário que é o único interessado no pagamento, embora o fiador possa ser solidário, o devedor interessado (inquilino) fica obrigado a reembolsar o co-devedor não interessado (fiador). Isto porque a obrigação solidária é a reunião de obrigações autônomas. Execução parcial da obrigação solidária por um dos co-devedores Quando o credor exige ou recebe do devedor escolhido parte da prestação – a solidariedade persiste, vinculando os demais obrigados. Mas o credor só pode cobrar o restante (o saldo remanescente) dos outros devedores (artigo 277, CC). O mesmo ocorre se o credor perdoa (remissão) um dos devedores – só pode cobrar o saldo remanescente, dos demais. Isso porque o perdão da dívida é, como o pagamento, meio de extinção da obrigação. Renúncia à solidariedade Não pratica remissão o credor que renuncia à solidariedade. Apenas deixa de ter vantagens, e só pode cobrar de cada devedor a sua cota. A renúncia à solidariedade pode se referir a todos os devedores ou apenas a alguns deles. Renúncia total (a todos os devedores): a solidariedade desaparece e a obrigação se divide em tantos quantos forem os devedores – regra concursu partes fiunt. Renúncia parcial: a relação jurídica se divide. Parte dos devedores só respondem por sua quota (obrigação simples de cada devedor) e a outra parte responde solidariamente. O credor para demandar o devedor solidário não deve abater do débito a parte do devedor exonerado da solidariedade. O fundamento está no artigo 282, parágrafo único do CC. Observação: o artigo 912, parágrafo único do CC/1916 era incorreto. Falava em abater a parte do devedor exonerado da solidariedade quando da cobrança de outro devedor ainda solidário. Ocorre que a dívida do exonerado permanece. Só está extinta, para o exonerado, o fato da
  • 7. solidariedade. 1 - Inadimplemento da obrigação solidária: Seja a cobrança em juízo ou não – se o credor não recebe, pode demandar outro devedor solidário. O credor reclama até receber o pagamento (no direito romano, cobrado um dos devedores, os demais estavam liberados). 1.1 - Se a obrigação se impossibilitar: a) Por força maior: os co-devedores se livram da obrigação. Esta se extingue. Exemplo: o objeto a ser entregue perece por força maior. b) Por culpa de um dos obrigados (devedores): o credor recebe o equivalente da prestação, mais as perdas e danos. O equivalente da prestação é por todos devido, mas as perdas e danos só são devidas pelo co-devedor que culposamente impossibilitou a obrigação. Isso porque um dos co-devedores não pode agravar a obrigação dos co-obrigados voluntariamente (artigo 278, CC), e, obviamente, portanto, não pode agravar a obrigação dos co-obrigados por ato ilícito. Mora Quando o devedor não paga no tempo certo, lugar certo ou forma certa, conforme convencionado. O efeito da mora é gerar a responsabilidade do culpado pela reparação das perdas e danos a que der causa. Se a prestação for pecuniária, o prejuízo é representado pelos juros que fluírem durante o retardamento. Não só o devedor que ocasionou a mora responde pelas suas consequências (exemplo: pelos juros), mas sim todos os devedores solidários – para a maior proteção de credor. Conforme o artigo 280, CC, e os demais devedores não culpados pelos juros podem pleitear do culpado o reembolso. Dos efeitos da morte do devedor solidário Herdeiros reunidos ficam no lugar do co-devedor, podendo o credor cobrar deles a totalidade da dívida. O mesmo se pode dizer em relação ao espólio, mas cada herdeiro só deve uma fração, e, portanto, separadamente não pode ser obrigado a pagar a dívida integralmente, mas, apenas, parte do débito – correspondente à sua participação na herança – artigo 276, CC, salvo se a obrigação for indivisível. Fonte: online.unip.br (acesso exclusivo aos alunos)