SlideShare uma empresa Scribd logo
QUADRO-RESUMO: Teoria Geral das Obrigações
CONCEITO - obrigação é um vínculo jurídico em virtude do qual uma pessoa fica adstrita a
satisfazer uma prestação em proveito da outra (Orlando Gomes). - trata-se de uma relação
jurídica de natureza pessoal, através da qual uma pessoa (devedor) fica obrigado a cumprir
uma prestação economicamente apreciável – dar, fazer ou não fazer alguma coisa -, em
proveito de outrem (credor).
Possui três elementos:
Subjetivo (pessoal)
As partes da relação obrigacional – o sujeito ativo (credor) e o sujeito passivo (devedor). - os
sujeitos podem ser pessoa física ou jurídica, admitindo-se um sujeito determinável em algumas
situações, a exemplo da emissão de um cheque ao portador.
Objetivo (material)
O objeto da obrigação – a prestação. - a prestação consiste no objeto da relação obrigacional,
consistindo em um dar, fazer ou não fazer alguma coisa e apresentando um conteúdo
patrimonial economicamente apreciável. - prestação positiva (dar e fazer)
- prestação negativa (não fazer)
Espiritual (imaterial)
O vínculo jurídico. - sujeita o devedor a determinada prestação em favor do credor.
- trata-se do elemento que garante em qualquer espécie de obrigação, o seu cumprimento,
porque, se este não se realizar espontaneamente, realizar-se-á coercitivamente, com o
emprego de força, que o Estado coloca á disposição do credor, por intermédio do Poder
Judiciário.
Obrigações de dar
- consistem na obrigação do devedor de promover a tradição da coisa móvel ou imóvel ao
credor. - o devedor pode estar obrigado a entregar ou restituir coisa certa ao credor, o que
enseja a entrega ou restituição de um bem determinado e perfeitamente individualizado. - pode
ainda, ter se obrigado a entregar ou restituir coisa incerta, descrita genericamente no começo
da relação jurídica, mas indicada, ao menos, pelo gênero e quantidade.
Obrigação de dar coisa certa
- na obrigação de dar coisa certa, o devedor obriga-se a entregar ou restituir coisa determinada
e individualizada ao credor. - o credor não é obrigado a receber prestação diversa da que lhe é
devida, ainda que mais valiosa – art. 313, C. - a obrigação de dar coisa certa abrange seus
acessórios, embora não mencionados, salvo se o contrário resultar do título ou das
circunstâncias do caso (princípio da gravitação jurídica). - risco de perecimento ou deterioração
da coisa – segue o princípio de que a coisa perece para o seu dono (princípio da res perit
domino). - perda da coisa – situações – obrigação de dar coisa certa - (vide tabela):
Perda da coisa
Sem culpa do devedor
Se a coisa se perder antes da tradição, ou pendente de condição suspensiva, fica resolvida a
obrigação para ambas as partes.
Com culpa do devedor Responderá pelo equivalente (coisa) + perdas e danos.
MODALIDADES DAS OBRIGAÇÕES (continuação)
Obrigações de dar (continuação)
Obrigação de dar coisa certa (continuação)
Deterioração da coisa
Sem culpa do devedor
Poderá o credor resolver a obrigação, ou aceitar a coisa, abatido de seu preço o valor que
perdeu.
Com culpa do devedor
2 situações: a) exigir o equivalente + direito de reclamar perdas e danos b) aceitar a coisa no
estado em que se acha + direito de reclamar perdas e danos.
- a coisa pertence ao devedor até a tradição, com os seus melhoramentos e acrescidos, pelos
quais poderá exigir aumento no preço. Se o credor não anuir com o aumento pleiteado pelo
devedor, este poderá resolver a obrigação. - frutos percebidos – são do devedor.
- frutos pendentes – são do credor.
- obrigação de restituir coisa certa – situações – perda – vide tabela:
Perda da coisa
Sem culpa do devedor
Sofrerá o credor a perda e a obrigação se resolverá, ressalvados os seus direitos até o dia da
perda.
Com culpa do devedor Responderá o devedor pelo equivalente + perdas e danos.
Deterioração da coisa
Sem culpa do devedor
O credor a receberá tal qual se encontra, sem direito à indenização.
Com culpa do devedor Devedor responderá pelo equivalente + perdas e danos.
Obrigação de dar coisa incerta
- art. 243, C – a coisa incerta deve ser indicada, ao menos, pelo gênero e pela quantidade –
nesse caso, em regra, a escolha pertence ao devedor, sendo que não poderá a coisa pior nem
a prestar a melhor. O direito de escolha, contudo, poderá pertencer ao credor se isso resultar
do título da obrigação. - antes da escolha, não poderá o devedor alegar perda ou deterioração
da coisa, ainda que por força maior ou caso fortuito. - concentração – denominação dada para
o momento da escolha da coisa incerta, tanto pelo devedor como pelo credor.
Obrigações de fazer
- na obrigação de fazer, o devedor se vincula a determinado comportamento, consistente em
praticar um ato ou realizar uma tarefa, donde decorre uma vantagem para o credor. Pode estar
constar de um trabalho físico ou intelectual, como também da prática de um ato jurídico (Silvio
Rodrigues). - pode ser – vide tabela:
Fungível A prestação pode ser realizada pelo devedor ou por um terceiro – art. 249, C
nfungível
Apenas o devedor indicado no título da obrigação pode satisfazê-la – obrigação
personalíssima.
MODALIDADES DAS OBRIGAÇÕES (continuação)
Obrigações de fazer (continuação)
- art. 461, CPC – as ações que tenham por objeto o cumprimento de uma obrigação de fazer
ou não fazer seguirão o disposto em tal artigo, hipótese em que o juiz poderá conceder a tutela
específica da obrigação ou determinar providências que assegurem o resultado prático
equivalente ao adimplemento, se procedente o pedido. - astreintes – art. 645, CPC – multa
pecuniária diária fixada pelo juiz, ou estabelecida pelas partes, com o objetivo de compelir o
devedor ao cumprimento de uma obrigação de fazer ou não fazer. - o devedor que se recusar
ao cumprimento de obrigação infungível incorre na obrigação de indenizar por perdas e danos.
- impossibilidade de cumprimento da obrigação de fazer – situações – vide tabela:
Sem culpa do devedor Resolve-se a obrigação. Com culpa do devedor Responde o devedor
por perdas e danos.
Observação – se o fato puder ser executado por terceiro, será livre ao credor mandá-lo
executar à custa do devedor, havendo recusa ou mora deste, sem prejuízo da indenização
cabível – art. 249, C.
Obrigações de não fazer
- o devedor assume o compromisso de se abster de um fato, que poderia praticas, se não
fosse o vínculo que o prende (Silvio Rodrigues). - se o devedor praticar o ato a cuja abstenção
havia se obrigado, o credor pode exigir que o desfaça, sob pena de se desfazer à sua custa,
ressarcindo o culpado as perdas e danos a que deu causa. - extingue-se a obrigação de não
fazer, desde que, sem culpa do devedor, se lhe torne impossível abster-se do ato, que se
obrigou a não praticar.
Obrigações cumulativas, alternativas e facultativas
- vide tabela:
Obrigação cumulativa - o devedor só alcança a quitação cumprindo todas as prestações a que
se comprometeu.
- chamada também de obrigação conjuntiva.
Obrigação alternativa
- aqui, existem duas ou mais prestações, mas o devedor se exonera cumprindo apenas uma
delas. - chamada também de obrigação disjuntiva.
- a escolha cabe ao devedor, salvo estipulação em contrário. Contudo, não pode o devedor
obrigar o credor a receber parte em uma prestação e parte em outra. - quando a obrigação for
de prestações periódicas, a faculdade de opção poderá ser exercida em cada período. - se
uma das prestações não puder ser objeto de obrigação ou se tornou inexeqüível, subsistirá o
débito quanto a outra. - situações – vide tabela:
Se a escolha não competir ao credor e por culpa do devedor não se puder cumprir nenhuma
das prestações, esse ficará obrigado a pagar o valor que por último se impossibilitou, mais as
perdas e danos que o caso determinar.
MODALIDADES DAS OBRIGAÇÕES (continuação)
Obrigações cumulativas, alternativas e facultativas (continuação)
Obrigação alternativa (continuação)
Quando a escolha couber ao credor e uma das prestações tornar-se impossível por culpa do
devedor, o credor terá direito de exigir a prestação subsistente ou o valor da outra, com perdas
e danos.
Se, por culpa do devedor, ambas as prestações se tornarem inexeqüíveis, poderá o credor
reclamar o valor de qualquer delas, além de perdas e danos
4ª Se todas as prestações se tornarem impossíveis sem culpa do devedor, extinguir-se-á a
obrigação.
Obrigação facultativa
- a obrigação facultativa possui apenas um objeto, mas se concede ao devedor a faculdade de
substituir a prestação devida por outra de natureza diversa. - trata-se de faculdade conferida
apenas ao devedor com o objetivo de facilitar o cumprimento de sua obrigação. - a obrigação
facultativa apresenta um único objeto, não podendo ser confundida com as obrigações
alternativas, que apresentam um objeto composto, formado por duas ou mais prestações.
Obrigações divisíveis e indivisíveis
- a questão atinente a divisibilidade/indivisibilidade das obrigações só merece relevo havendo,
na relação jurídica obrigacional, uma pluralidade de credores ou de devedores, ou ainda, uma
pluralidade de credores e de devedores. - vide tabela:
Obrigação divisível - é divisível a obrigação quando for possível o cumprimento fracionado da
prestação.
- art. 257, C
Obrigação indivisível
- é indivisível a obrigação quando a prestação tem por objeto uma coisa ou fato não suscetível
de fracionamento. - art. 258, C.
- aqui, havendo dois ou mais devedores, cada um será obrigado pela dívida toda.
- o devedor que pagou a dívida toda sub-rogará no direito do credor em relação aos outros
coobrigados. - se a pluralidade for de credores, poderá cada um destes exigir a dívida inteira.
- o devedor desobriga-se nas seguintes hipóteses: a) se pagar a todos conjuntamente; b) se
pagar a apenas um dos credores, mas este der caução de ratificação dos outros credores. - se
um dos credores receber a prestação por inteiro, a cada um dos outros assistirá o direito de
exigir dele em dinheiro a parte que lhe caiba no total. - perde a qualidade de indivisível a
obrigação que se resolver em perdas e danos.
MODALIDADES DAS OBRIGAÇÕES (continuação)
Obrigações solidárias
- art. 264, C. - há solidariedade, quando na mesma obrigação concorre mais de um credor, ou
mais de um devedor, cada um com direito, ou obrigado, à dívida toda. - a solidariedade não se
presume: resulta da lei ou da vontade das partes.
- vide tabela:
Solidariedade ativa
- vários credores e cada um deles têm o direito de exigir o cumprimento da prestação por
inteiro do devedor (e enquanto alguns dos credores solidários não demandarem o devedor
comum, a qualquer deles poderá este pagar). - o pagamento feito a um dos credores solidários
extingue a dívida até o montante do que foi pago. - se a prestação se converter em perdas e
danos, subsistirá, para todos os efeitos, a solidariedade. - o credor que tiver remitido a dívida
ou recebido o pagamento responderá aos outros pela parte que lhes caiba.
Solidariedade passiva
- vários devedores e cada um deles obriga-se ao cumprimento da prestação por inteiro junto ao
credor. - o credor tem direito a exigir e receber de um ou de alguns dos devedores solidários, o
pagamento parcial ou total da dívida em comum. - havendo pagamento parcial, todos os
demais devedores continuam obrigados solidariamente pelo resto. - o pagamento parcial feito
por m dos devedores e a remissão por ele obtida não aproveitam aos outros devedores, senão
até a concorrência da quantia paga ou relevada. - se a prestação tornar-se impossível por
culpa de um dos devedores solidários, subsiste para todos o encargo de pagar o equivalente,
no entanto, só o responsável responderá pelas perdas e danos. - todos os devedores
respondem pelos juros da mora, ainda que a ação tenha sido proposta somente contra um,
mas o culpado responderá aos demais pela obrigação acrescida. - o devedor que satisfez a
dívida por inteiro tem direito a exigir de cada um dos codevedores a sua quota. - se houver
algum insolvente, sua cota será igualmente dividida entre os demais.
Obrigação propter rem
São obrigações próprias da coisa, ou seja, aquelas em que o devedor fica sujeito a
determinada prestação que não derivou de sua manifestação de vontade, expressa ou tácita,
mas provém do fato de ser titular de um direito sobre a coisa.
Cessão de crédito
- é lícito ao credor ceder o seu crédito, se a isso não se opuser a natureza da obrigação, a lei,
ou a convenção com o devedor. - a cessão de um crédito abrangem todos os seus acessórios.
- a cessão do crédito não tem eficácia em relação ao devedor, senão quando a este notificada.
- fica desobrigado o devedor que, antes de ter conhecimento da cessão, paga ao credor
primitivo, ou que, no caso de mais de uma cessão notificada, paga ao cessionário que lhe
apresenta, com o título da cessão, o da obrigação cedida. - quando o crédito constar de
escritura pública, prevalecerá a prioridade da notificação.
Assunção da dívida
- é facultado a terceiro assumir a obrigação do devedor, com o consentimento expresso do
credor, ficando exonerado o devedor primitivo, salvo se aquele, ao tempo da assunção, era
insolvente e o credor o ignorava. - qualquer das partes pode assinar prazo ao credor para que
consinta na assunção da dívida, interpretando-se o seu silêncio como recusa. - se a
substituição do devedor vier a ser anulada, restaura-se o débito, com todas as suas garantias,
salvo as garantias prestadas por terceiros, exceto se este conhecia o vício que inquinava a
obrigação.
Conceito - o pagamento consiste no cumprimento voluntário da obrigação. - é o meio natural de
extinção da obrigação.
Quem deve pagar
1) devedor; 2) pagamento por terceiro interessado: qualquer interessado na extinção da dívida
pode pagá-la, usando, se o credor se opuser, dos meios conducentes à exoneração do
devedor; 3) pagamento por terceiro não interessado: o terceiro não interessado pode pagar a
dívida, se o fizer em nome e à conta do devedor, salvo oposição deste. O terceiro não
interessado que paga dívida em seu próprio nome, tem direito a reembolsar-se do que pagar,
mas não se sub-roga nos direitos do credor.
A quem se deve pagar
- o pagamento deve ser feito ao credor ou a quem de direito o represente, sob pena de só valer
depois de por ele ratificado, ou tanto quanto reverter em seu proveito. - o pagamento feito de
boa-fé ao credor putativo é válido, ainda provado depois que não era credor.
- não vale o pagamento cientemente feito ao credor incapaz de quitar, se o devedor não provar
que em benefício dele efetivamente reverteu.
Lugar do pagamento
- regra: domicílio do devedor - trata-se das dívidas quesíveis, em que cabe ao credor dirigir-se
ao domicílio do devedor para que se proceda à extinção da obrigação. - designados dois ou
mais lugares, cabe ao credor escolher entre eles.
- pagamento feito no domicílio do credor – se as partes assim convencionarem ou se resultar
de disposição legal ou da natureza do pagamento (dívidas portáteis). - tradição de imóvel – se
o pagamento consistir na tradição de um imóvel, ou em prestações relativas a imóvel, será o
lugar onde situado o bem.
Pagamento indireto
- tratam-se de formas especiais de extinção da obrigação em que, apesar de não haver o
cumprimento voluntário da prestação por parte do devedor, operar-se-á a sua extinção.
Consignação em pagamento - é o depósito judicial feito em pagamento de uma dívida.
- deve ocorrer na forma, local e no tempo do pagamento e nas seguintes hipóteses: a) quando
o credor se recusar a receber o pagamento (dívidas portáteis);
PAGAMENTO (continuação)
Pagamento indireto (continuação)
Consignação em pagamento (continuação) b) quando o credor não vier buscar o pagamento,
uma vez que o devedor não é obrigado arcar com a mora (dívida quesível); c) quando o credor
se encontrar em local incerto, inacessível ou de acesso muito perigoso; d) quando o credor for
incapaz de receber, for desconhecido ou declarado ausente; e) quando houver dúvida a quem
se deva pagar; f) quando pender litígio sobre o objeto do pagamento.
Dação em pagamento
- o devedor dá coisa diversa da pactuada originalmente ao credor, que aceita. - para que seja
formalizada, deve ser emitido o recibo que o débito está quitado e é totalmente irrevogável. -
evicção – nessa hipótese, se o credor for evicto da coisa recebida em pagamento,
restabelecer-se-á a obrigação primitiva, ficando sem efeito a quitação dada, ressalvados os
direitos de terceiros.
Imputação do pagamento
- a pessoa obrigada por dois ou mais débitos da mesma natureza, a um só credor, tem o direito
de indicar a qual deles oferece pagamento, se todos forem líquidos e vencidos. - não tendo o
devedor declarado em qual das dívidas líquidas e vencidas quer imputar o pagamento, se
aceitar a quitação de uma delas, não terá direito a reclamar contra a imputação feita pelo
credor, salvo provando haver ele cometido violência ou dolo. - havendo capital e juros, o
pagamento imputar-se-á primeiro nos juros vencidos e depois no capital, salvo estipulação em
contrário, ou se o credor passar a quitação por conta do capital.
Novação
- ocorre a novação pela extinção de uma obrigação em decorrência de uma nova. - gera uma
nova obrigação diferente da primeira.
- dá-se a novação: a) quando o devedor contrai com o credor nova dívida, para extinguir e
substituir a primeira; b) quando o novo devedor sucede ao antigo, ficando este quite com o
credor; c) quando, em virtude de obrigação nova, outro credor é substituído ao antigo, ficando o
devedor quite com este. - requisito – “animus novandi” – ânimo de inovar – não havendo ânimo
de novar, expresso ou tácito mas inequívoco, a segunda obrigação confirma simplesmente a
primeira. - vide tabela – classificação:
Objetiva Extingue a obrigação atual e cria uma nova obrigação com um novo objeto.
Subjetiva Extingue a obrigação atual e cria uma nova com um novo sujeito.
Mista Extingue a obrigação atual e cria uma nova com um novo objeto e um novo sujeito.
Novação subjetiva
Ativa
- ocorre a substituição do credor, criando uma nova obrigação com o rompimento do vínculo
primitivo. - requisitos: a) o consentimento do devedor perante o novo credor; b) o
consentimento do antigo credor que aceita a promessa do
PAGAMENTO (continuação)
Pagamento indireto (continuação)
Novação (continuação)
Ativa (continuação) devedor. - art. 306, I, C.
Passiva
Passiva (continuação)
- ocorre a substituição do devedor que sucede ao antigo, ficando este último quite com o
credor. - se o novo devedor for insolvente, não terá o credor que o aceitou ação regressiva
contra o primeiro, salvo se este obteve de má-fé a substituição. - art. 306, I, C.
Por expromissão
- ocorre quando um terceiro assume a dívida do devedor originário, substituindo-a sem o
consentimento deste, mas desde que o credor concorde com a mudança no pólo passivo. - art.
362, C
Por delegação
- ocorre quando a substituição do devedor é feita com o consentimento do devedor originário,
pois é ele quem indicará uma terceira pessoa para assumir seu débito, havendo concordância
do credor.
- a novação extingue os acessórios e garantias da dívida, sempre que não houver estipulação
em contrário. - importa exoneração do fiador se feita sem seu consenso com o devedor
principal.
Compensação
- quando duas pessoas forem ao mesmo tempo credor e devedor uma da outra, com as duas
obrigações extinguindo-se, até onde se compensarem. - efetua-se entre dívidas líquidas,
vencidas e de coisas fungíveis.
- coisas fungíveis: ainda que sejam do mesmo gênero, não se compensarão se diferirem na
qualidade, quando especificado no contrato. - o devedor somente pode compensar com o
credor o que este lhe dever.
- o fiador ode compensar sua dívida com a de seu credor ao afiançado.
- não se admite compensação em prejuízo de direito de terceiro.
- o devedor que se torne credor do seu credor, depois de penhorado o crédito deste, não pode
opor ao exeqüente a compensação, de que contra o próprio credor disporia.
Confusão
- ocorre confusão quando as qualidades de credor e devedor se confundem em uma mesma
pessoa. - pode se verificar a respeito de toda dívida ou só de parte dela.
- a confusão operada na pessoa do credor ou devedor solidário só extingue a obrigação até a
concorrência da respectiva parte no crédito, ou na dívida, subsistindo quanto ao mais a
solidariedade.
Remissão das dívidas
- consiste no perdão dado ao devedor pelo credor, extinguindo a obrigação, mas sem prejuízo
de terceiro. - a devolução voluntária do título da obrigação, quando por escrito particular, prova
PAGAMENTO (continuação)
Pagamento indireto (continuação)
Remissão das dívidas (continuação) desoneração do devedor e seus co-obrigados, se o credor
for capaz de alienar, e o devedor capaz de adquirir. - a restituição voluntária do objeto
empenhado prova a renúncia do credor à garantia real, não a extinção da dívida. - a remissão
concedida a um dos co-devedores extingue a dívida na parte a ele correspondente, de modo
que, ainda reservando o credor a solidariedade contra os outros, já lhes não pode cobrar o
débito sem dedução da parte remida.
Disposições gerais
- ocorre o inadimplemento quando o devedor não cumpre a obrigação no tempo, lugar ou forma
determinados. - quando o inadimplemento decorrer de fato imputável ao devedor verifica-se a
hipótese de inexecução voluntária da obrigação. - pode ser absoluto ou relativo – vide tabela:
Inadimplemento absoluto
- quando a obrigação não foi e nem poderá ser cumprida, pois o credor não terá mais
possibilidade de receber aquilo que o devedor se obrigou. - art. 389, C – não cumprida a
obrigação, responderá o devedor por perdas e danos, mais juros e atualização monetária,
segundo índices oficiais regularmente estabelecidos, acrescidos de honorários de advogado. -
art. 391, C – todos os bens do devedor responderão pelo descumprimento da obrigação. -
contratos onerosos – cada uma das partes responde por culpa, ou seja, o dever de indenizar
só surgirá quando o inadimplemento for causado por ato imputável ao devedor, salvo as
exceções previstas em lei (art. 392, C). - contratos benéficos – são aqueles em que apenas
uma das partes se beneficia, responderá por dolo aquele a quem o contrato não favoreça e por
simples culpa aquele se aproveite do contrato. - caso fortuito ou força maior – salvo expressa
previsão em contrário, o devedor não responderá pelos prejuízos resultantes de caso fortuito
ou força maior (art. 393, C).
Inadimplemento relativo
- decorre da obrigação que, apesar de não cumprida no tempo, lugar e forma devidos, ainda
poderá ser objeto de adimplemento, surgindo assim, a mora. - a mora difere do inadimplemento
absoluto por ainda existir a possibilidade de o devedor cumprir a obrigação e por se permitir a
sua purgação.
Mora
- art. 394, C. - considera-se em mora o devedor que não efetuar o pagamento e o credor que
não quiser recebê-lo no tempo, lugar e forma que a lei ou a convenção estabelecer. - mora é o
atraso ou falta do adimplemento no tempo, lugar e forma previstos, por ato ou omissão
imputável ao devedor ou ao credor (Paulo Luiz Netto Lôbo). - mora do devedor – mora solvendi
ou debitoris
- mora do credor – mora accipiendi
INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES (continuação)
Mora (continuação)
- dá-se a mora do devedor quando este não cumprir a prestação a que estava obrigado, no
tempo, lugar e forma convencionados, em virtude de ato que lhe seja imputável. - para
configuração da mora, é necessária a inexcução culposa do devedor, eis que, não havendo
fato ou omissão que possa a ele ser imputado, não incorrerá em mora (art. 396, C). - mesmo
encontrando-se em mora, o devedor ainda continua obrigado ao cumprimento de sua
prestação, o que a diferencia do inadimplemento absoluto. - se a prestação ainda for útil ao
credor, este poderá exigir o seu cumprimento por parte do devedor, que responderá pelos
prejuízos a que sua mora der causa, mais juros, atualizações dos valores monetários segundo
índices oficiais regularmente estabelecidos, e honorários advocatícios (art. 395, C). - se, devido
à mora, a prestação tornar-se inútil ao credor, este poderá enjeitá-la, e exigir a satisfação das
perdas e danos. - vide tabela:
Mora ex re
- decorre da lei. - resulta do próprio fato do descumprimento da obrigação, independentemente
de provocação do credor. - impera a regra: die interpellat pro homine – o termo interpela o
devedor.
- verifica-se nas seguintes hipóteses: a) nas obrigações positivas e líquidas não cumpridas no
seu termo – art. 397, C; b) nas obrigações negativas, em que o devedor é havido por
inadimplente desde o dia em que executou o ato de que se devia abster – art. 390, C. c) nas
obrigações provenientes de ato ilícito, quando se considera o devedor em mora desde o
momento em que o praticou – art. 398, C.
Mora ex persona
- é aquela que se configura toda vez que não houver estipulação em termo certo para o
cumprimento da obrigação. - aqui, a mora se constitui mediante interpelação judicial ou
extrajudicial – art. 398, parágrafo único, C. - a mora constitui-se ainda pela citação do credor na
ação ajuizada pelo devedor para discutir a relação jurídica.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 004 - Obrigações - CLASSIFICAÇÃO ou MODALIDADES DE OBRIGAÇÕES
Aula 004 - Obrigações - CLASSIFICAÇÃO ou MODALIDADES DE OBRIGAÇÕESAula 004 - Obrigações - CLASSIFICAÇÃO ou MODALIDADES DE OBRIGAÇÕES
Aula 004 - Obrigações - CLASSIFICAÇÃO ou MODALIDADES DE OBRIGAÇÕES
Tércio De Santana
 
Direito civil ii
Direito civil iiDireito civil ii
Direito civil ii
railsoncsilva
 
exercicios-direito-das-obrigacoes
 exercicios-direito-das-obrigacoes exercicios-direito-das-obrigacoes
exercicios-direito-das-obrigacoes
Henrique Araújo
 
Direito das obrigações
Direito das obrigaçõesDireito das obrigações
Direito das obrigações
Charles Lins
 
56930 aula 4--_direito_das_obrigaçoes
56930 aula 4--_direito_das_obrigaçoes56930 aula 4--_direito_das_obrigaçoes
56930 aula 4--_direito_das_obrigaçoes
Angela Regina
 
Direito das obrigações
Direito das obrigaçõesDireito das obrigações
Direito das obrigações
Agassis Rodrigues
 
Apostila direito das obrigações
Apostila direito das obrigaçõesApostila direito das obrigações
Apostila direito das obrigações
Direito Faclions
 
Aula 3 Obrigações
Aula 3   Obrigações Aula 3   Obrigações
Aula 3 Obrigações
Guido Cavalcanti
 
Caso concreto semana 4
Caso concreto   semana 4Caso concreto   semana 4
Teoria geral das obrigações parte 1
Teoria geral das obrigações   parte 1Teoria geral das obrigações   parte 1
Teoria geral das obrigações parte 1
Pitágoras
 
Direito das obrigações
Direito das obrigaçõesDireito das obrigações
Direito das obrigações
Suênya Mourão
 
Teoria geral da obrigação
Teoria geral da obrigaçãoTeoria geral da obrigação
Teoria geral da obrigação
saramorgana
 
Civil obrigacoes vol_1
Civil obrigacoes vol_1Civil obrigacoes vol_1
Civil obrigacoes vol_1
Stênio Leão
 
Estudo direito das obrigações p1
Estudo direito das obrigações p1Estudo direito das obrigações p1
Estudo direito das obrigações p1
Pedro Cechet
 
C.c. civil ii aula 1 a 16 respondidos
C.c. civil ii   aula 1 a 16 respondidosC.c. civil ii   aula 1 a 16 respondidos
C.c. civil ii aula 1 a 16 respondidos
GMCONSULT Segurança do Trabalho Ltda
 
Aula 5 Obrigações de Meio, Resultado, Alternativa e Facultativa
Aula 5  Obrigações de Meio, Resultado, Alternativa e FacultativaAula 5  Obrigações de Meio, Resultado, Alternativa e Facultativa
Aula 5 Obrigações de Meio, Resultado, Alternativa e Facultativa
Guido Cavalcanti
 
Direito das Obrigações - Transmissão das Obrigações
Direito das Obrigações - Transmissão das ObrigaçõesDireito das Obrigações - Transmissão das Obrigações
Direito das Obrigações - Transmissão das Obrigações
Guido Cavalcanti
 
Resumo de civil ii completo
Resumo de civil ii completoResumo de civil ii completo
Resumo de civil ii completo
Magobatista
 
Apostila-de-direito-das-obrigacoes-30-10
Apostila-de-direito-das-obrigacoes-30-10Apostila-de-direito-das-obrigacoes-30-10
Apostila-de-direito-das-obrigacoes-30-10
Henrique Araújo
 
apostila-direito-das-obrigacoes
apostila-direito-das-obrigacoesapostila-direito-das-obrigacoes
apostila-direito-das-obrigacoes
Francisco E Elisangela Biolchi
 

Mais procurados (20)

Aula 004 - Obrigações - CLASSIFICAÇÃO ou MODALIDADES DE OBRIGAÇÕES
Aula 004 - Obrigações - CLASSIFICAÇÃO ou MODALIDADES DE OBRIGAÇÕESAula 004 - Obrigações - CLASSIFICAÇÃO ou MODALIDADES DE OBRIGAÇÕES
Aula 004 - Obrigações - CLASSIFICAÇÃO ou MODALIDADES DE OBRIGAÇÕES
 
Direito civil ii
Direito civil iiDireito civil ii
Direito civil ii
 
exercicios-direito-das-obrigacoes
 exercicios-direito-das-obrigacoes exercicios-direito-das-obrigacoes
exercicios-direito-das-obrigacoes
 
Direito das obrigações
Direito das obrigaçõesDireito das obrigações
Direito das obrigações
 
56930 aula 4--_direito_das_obrigaçoes
56930 aula 4--_direito_das_obrigaçoes56930 aula 4--_direito_das_obrigaçoes
56930 aula 4--_direito_das_obrigaçoes
 
Direito das obrigações
Direito das obrigaçõesDireito das obrigações
Direito das obrigações
 
Apostila direito das obrigações
Apostila direito das obrigaçõesApostila direito das obrigações
Apostila direito das obrigações
 
Aula 3 Obrigações
Aula 3   Obrigações Aula 3   Obrigações
Aula 3 Obrigações
 
Caso concreto semana 4
Caso concreto   semana 4Caso concreto   semana 4
Caso concreto semana 4
 
Teoria geral das obrigações parte 1
Teoria geral das obrigações   parte 1Teoria geral das obrigações   parte 1
Teoria geral das obrigações parte 1
 
Direito das obrigações
Direito das obrigaçõesDireito das obrigações
Direito das obrigações
 
Teoria geral da obrigação
Teoria geral da obrigaçãoTeoria geral da obrigação
Teoria geral da obrigação
 
Civil obrigacoes vol_1
Civil obrigacoes vol_1Civil obrigacoes vol_1
Civil obrigacoes vol_1
 
Estudo direito das obrigações p1
Estudo direito das obrigações p1Estudo direito das obrigações p1
Estudo direito das obrigações p1
 
C.c. civil ii aula 1 a 16 respondidos
C.c. civil ii   aula 1 a 16 respondidosC.c. civil ii   aula 1 a 16 respondidos
C.c. civil ii aula 1 a 16 respondidos
 
Aula 5 Obrigações de Meio, Resultado, Alternativa e Facultativa
Aula 5  Obrigações de Meio, Resultado, Alternativa e FacultativaAula 5  Obrigações de Meio, Resultado, Alternativa e Facultativa
Aula 5 Obrigações de Meio, Resultado, Alternativa e Facultativa
 
Direito das Obrigações - Transmissão das Obrigações
Direito das Obrigações - Transmissão das ObrigaçõesDireito das Obrigações - Transmissão das Obrigações
Direito das Obrigações - Transmissão das Obrigações
 
Resumo de civil ii completo
Resumo de civil ii completoResumo de civil ii completo
Resumo de civil ii completo
 
Apostila-de-direito-das-obrigacoes-30-10
Apostila-de-direito-das-obrigacoes-30-10Apostila-de-direito-das-obrigacoes-30-10
Apostila-de-direito-das-obrigacoes-30-10
 
apostila-direito-das-obrigacoes
apostila-direito-das-obrigacoesapostila-direito-das-obrigacoes
apostila-direito-das-obrigacoes
 

Semelhante a Teoria geral das obrigações

Aula 05
Aula 05Aula 05
Da Obrigação de Não Fazer
Da Obrigação de Não FazerDa Obrigação de Não Fazer
Da Obrigação de Não Fazer
Junior Ozono
 
Direito civil iii
Direito civil iiiDireito civil iii
Direito civil iii
Pri Scylla
 
Modalidades das Obrigações
Modalidades das ObrigaçõesModalidades das Obrigações
Modalidades das Obrigações
Junior Ozono
 
Modalidades das Obrigações
Modalidades das ObrigaçõesModalidades das Obrigações
Modalidades das Obrigações
Junior Ozono
 
Obrigacoes iii
Obrigacoes iiiObrigacoes iii
Obrigacoes iii
direitounimonte
 
Das Obrigações Divisíveis e Indivisíveis
Das Obrigações Divisíveis e IndivisíveisDas Obrigações Divisíveis e Indivisíveis
Das Obrigações Divisíveis e Indivisíveis
Junior Ozono
 
Apresentação de Obrigações.pptx
Apresentação de Obrigações.pptxApresentação de Obrigações.pptx
Apresentação de Obrigações.pptx
MarianaSaraivaRezend
 
AULA 1.pptx
AULA 1.pptxAULA 1.pptx
AULA 1.pptx
LeticiaJonck
 
DIREITO DAS OBRIGAÇÕES - TRANSMISSÃO DAS OBRIGAÇÕES
DIREITO DAS OBRIGAÇÕES - TRANSMISSÃO DAS OBRIGAÇÕESDIREITO DAS OBRIGAÇÕES - TRANSMISSÃO DAS OBRIGAÇÕES
DIREITO DAS OBRIGAÇÕES - TRANSMISSÃO DAS OBRIGAÇÕES
MariaSabrina12
 
Dto das obrigações - obrigações, liquidas, iliquidas, a termo, etc
Dto das obrigações - obrigações, liquidas, iliquidas, a termo, etcDto das obrigações - obrigações, liquidas, iliquidas, a termo, etc
Dto das obrigações - obrigações, liquidas, iliquidas, a termo, etc
Luana Mahara Iurko
 
AULA NOVAÇÃO.ppt nova aula de obrigações.
AULA NOVAÇÃO.ppt nova aula de obrigações.AULA NOVAÇÃO.ppt nova aula de obrigações.
AULA NOVAÇÃO.ppt nova aula de obrigações.
tenoriosilva
 
Obrigações h
Obrigações hObrigações h
Obrigações h
David Lima
 
Do adimplemento das obrigações
Do adimplemento das obrigaçõesDo adimplemento das obrigações
Do adimplemento das obrigações
LUIZFGUNHA
 
Ufrn direito+das+obrigações-roteiro+de+estudo+iv
Ufrn direito+das+obrigações-roteiro+de+estudo+ivUfrn direito+das+obrigações-roteiro+de+estudo+iv
Ufrn direito+das+obrigações-roteiro+de+estudo+iv
odairgerlach
 
Fontes das obrigaçoes
Fontes das obrigaçoesFontes das obrigaçoes
Fontes das obrigaçoes
Yasmin Juliana
 
Apostila de Direito Civil - Obrigações
Apostila de Direito Civil - ObrigaçõesApostila de Direito Civil - Obrigações
Apostila de Direito Civil - Obrigações
Dani-Bernardo
 
Direito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das Obrigaçõe
Direito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das ObrigaçõeDireito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das Obrigaçõe
Direito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das Obrigaçõe
Dayane Barros
 
As modalidades das obrigacoes
As modalidades das obrigacoesAs modalidades das obrigacoes
As modalidades das obrigacoes
Universidade Pedagogica
 
Monitoria 1.pptx
Monitoria 1.pptxMonitoria 1.pptx
Monitoria 1.pptx
CamilaStachechen1
 

Semelhante a Teoria geral das obrigações (20)

Aula 05
Aula 05Aula 05
Aula 05
 
Da Obrigação de Não Fazer
Da Obrigação de Não FazerDa Obrigação de Não Fazer
Da Obrigação de Não Fazer
 
Direito civil iii
Direito civil iiiDireito civil iii
Direito civil iii
 
Modalidades das Obrigações
Modalidades das ObrigaçõesModalidades das Obrigações
Modalidades das Obrigações
 
Modalidades das Obrigações
Modalidades das ObrigaçõesModalidades das Obrigações
Modalidades das Obrigações
 
Obrigacoes iii
Obrigacoes iiiObrigacoes iii
Obrigacoes iii
 
Das Obrigações Divisíveis e Indivisíveis
Das Obrigações Divisíveis e IndivisíveisDas Obrigações Divisíveis e Indivisíveis
Das Obrigações Divisíveis e Indivisíveis
 
Apresentação de Obrigações.pptx
Apresentação de Obrigações.pptxApresentação de Obrigações.pptx
Apresentação de Obrigações.pptx
 
AULA 1.pptx
AULA 1.pptxAULA 1.pptx
AULA 1.pptx
 
DIREITO DAS OBRIGAÇÕES - TRANSMISSÃO DAS OBRIGAÇÕES
DIREITO DAS OBRIGAÇÕES - TRANSMISSÃO DAS OBRIGAÇÕESDIREITO DAS OBRIGAÇÕES - TRANSMISSÃO DAS OBRIGAÇÕES
DIREITO DAS OBRIGAÇÕES - TRANSMISSÃO DAS OBRIGAÇÕES
 
Dto das obrigações - obrigações, liquidas, iliquidas, a termo, etc
Dto das obrigações - obrigações, liquidas, iliquidas, a termo, etcDto das obrigações - obrigações, liquidas, iliquidas, a termo, etc
Dto das obrigações - obrigações, liquidas, iliquidas, a termo, etc
 
AULA NOVAÇÃO.ppt nova aula de obrigações.
AULA NOVAÇÃO.ppt nova aula de obrigações.AULA NOVAÇÃO.ppt nova aula de obrigações.
AULA NOVAÇÃO.ppt nova aula de obrigações.
 
Obrigações h
Obrigações hObrigações h
Obrigações h
 
Do adimplemento das obrigações
Do adimplemento das obrigaçõesDo adimplemento das obrigações
Do adimplemento das obrigações
 
Ufrn direito+das+obrigações-roteiro+de+estudo+iv
Ufrn direito+das+obrigações-roteiro+de+estudo+ivUfrn direito+das+obrigações-roteiro+de+estudo+iv
Ufrn direito+das+obrigações-roteiro+de+estudo+iv
 
Fontes das obrigaçoes
Fontes das obrigaçoesFontes das obrigaçoes
Fontes das obrigaçoes
 
Apostila de Direito Civil - Obrigações
Apostila de Direito Civil - ObrigaçõesApostila de Direito Civil - Obrigações
Apostila de Direito Civil - Obrigações
 
Direito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das Obrigaçõe
Direito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das ObrigaçõeDireito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das Obrigaçõe
Direito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das Obrigaçõe
 
As modalidades das obrigacoes
As modalidades das obrigacoesAs modalidades das obrigacoes
As modalidades das obrigacoes
 
Monitoria 1.pptx
Monitoria 1.pptxMonitoria 1.pptx
Monitoria 1.pptx
 

Teoria geral das obrigações

  • 1. QUADRO-RESUMO: Teoria Geral das Obrigações CONCEITO - obrigação é um vínculo jurídico em virtude do qual uma pessoa fica adstrita a satisfazer uma prestação em proveito da outra (Orlando Gomes). - trata-se de uma relação jurídica de natureza pessoal, através da qual uma pessoa (devedor) fica obrigado a cumprir uma prestação economicamente apreciável – dar, fazer ou não fazer alguma coisa -, em proveito de outrem (credor). Possui três elementos: Subjetivo (pessoal) As partes da relação obrigacional – o sujeito ativo (credor) e o sujeito passivo (devedor). - os sujeitos podem ser pessoa física ou jurídica, admitindo-se um sujeito determinável em algumas situações, a exemplo da emissão de um cheque ao portador. Objetivo (material) O objeto da obrigação – a prestação. - a prestação consiste no objeto da relação obrigacional, consistindo em um dar, fazer ou não fazer alguma coisa e apresentando um conteúdo patrimonial economicamente apreciável. - prestação positiva (dar e fazer) - prestação negativa (não fazer) Espiritual (imaterial) O vínculo jurídico. - sujeita o devedor a determinada prestação em favor do credor. - trata-se do elemento que garante em qualquer espécie de obrigação, o seu cumprimento, porque, se este não se realizar espontaneamente, realizar-se-á coercitivamente, com o emprego de força, que o Estado coloca á disposição do credor, por intermédio do Poder Judiciário. Obrigações de dar - consistem na obrigação do devedor de promover a tradição da coisa móvel ou imóvel ao credor. - o devedor pode estar obrigado a entregar ou restituir coisa certa ao credor, o que enseja a entrega ou restituição de um bem determinado e perfeitamente individualizado. - pode ainda, ter se obrigado a entregar ou restituir coisa incerta, descrita genericamente no começo da relação jurídica, mas indicada, ao menos, pelo gênero e quantidade. Obrigação de dar coisa certa - na obrigação de dar coisa certa, o devedor obriga-se a entregar ou restituir coisa determinada e individualizada ao credor. - o credor não é obrigado a receber prestação diversa da que lhe é devida, ainda que mais valiosa – art. 313, C. - a obrigação de dar coisa certa abrange seus acessórios, embora não mencionados, salvo se o contrário resultar do título ou das circunstâncias do caso (princípio da gravitação jurídica). - risco de perecimento ou deterioração da coisa – segue o princípio de que a coisa perece para o seu dono (princípio da res perit domino). - perda da coisa – situações – obrigação de dar coisa certa - (vide tabela):
  • 2. Perda da coisa Sem culpa do devedor Se a coisa se perder antes da tradição, ou pendente de condição suspensiva, fica resolvida a obrigação para ambas as partes. Com culpa do devedor Responderá pelo equivalente (coisa) + perdas e danos. MODALIDADES DAS OBRIGAÇÕES (continuação) Obrigações de dar (continuação) Obrigação de dar coisa certa (continuação) Deterioração da coisa Sem culpa do devedor Poderá o credor resolver a obrigação, ou aceitar a coisa, abatido de seu preço o valor que perdeu. Com culpa do devedor 2 situações: a) exigir o equivalente + direito de reclamar perdas e danos b) aceitar a coisa no estado em que se acha + direito de reclamar perdas e danos. - a coisa pertence ao devedor até a tradição, com os seus melhoramentos e acrescidos, pelos quais poderá exigir aumento no preço. Se o credor não anuir com o aumento pleiteado pelo devedor, este poderá resolver a obrigação. - frutos percebidos – são do devedor. - frutos pendentes – são do credor. - obrigação de restituir coisa certa – situações – perda – vide tabela: Perda da coisa Sem culpa do devedor Sofrerá o credor a perda e a obrigação se resolverá, ressalvados os seus direitos até o dia da perda. Com culpa do devedor Responderá o devedor pelo equivalente + perdas e danos. Deterioração da coisa Sem culpa do devedor
  • 3. O credor a receberá tal qual se encontra, sem direito à indenização. Com culpa do devedor Devedor responderá pelo equivalente + perdas e danos. Obrigação de dar coisa incerta - art. 243, C – a coisa incerta deve ser indicada, ao menos, pelo gênero e pela quantidade – nesse caso, em regra, a escolha pertence ao devedor, sendo que não poderá a coisa pior nem a prestar a melhor. O direito de escolha, contudo, poderá pertencer ao credor se isso resultar do título da obrigação. - antes da escolha, não poderá o devedor alegar perda ou deterioração da coisa, ainda que por força maior ou caso fortuito. - concentração – denominação dada para o momento da escolha da coisa incerta, tanto pelo devedor como pelo credor. Obrigações de fazer - na obrigação de fazer, o devedor se vincula a determinado comportamento, consistente em praticar um ato ou realizar uma tarefa, donde decorre uma vantagem para o credor. Pode estar constar de um trabalho físico ou intelectual, como também da prática de um ato jurídico (Silvio Rodrigues). - pode ser – vide tabela: Fungível A prestação pode ser realizada pelo devedor ou por um terceiro – art. 249, C nfungível Apenas o devedor indicado no título da obrigação pode satisfazê-la – obrigação personalíssima. MODALIDADES DAS OBRIGAÇÕES (continuação) Obrigações de fazer (continuação) - art. 461, CPC – as ações que tenham por objeto o cumprimento de uma obrigação de fazer ou não fazer seguirão o disposto em tal artigo, hipótese em que o juiz poderá conceder a tutela específica da obrigação ou determinar providências que assegurem o resultado prático equivalente ao adimplemento, se procedente o pedido. - astreintes – art. 645, CPC – multa pecuniária diária fixada pelo juiz, ou estabelecida pelas partes, com o objetivo de compelir o devedor ao cumprimento de uma obrigação de fazer ou não fazer. - o devedor que se recusar ao cumprimento de obrigação infungível incorre na obrigação de indenizar por perdas e danos. - impossibilidade de cumprimento da obrigação de fazer – situações – vide tabela: Sem culpa do devedor Resolve-se a obrigação. Com culpa do devedor Responde o devedor por perdas e danos. Observação – se o fato puder ser executado por terceiro, será livre ao credor mandá-lo executar à custa do devedor, havendo recusa ou mora deste, sem prejuízo da indenização cabível – art. 249, C. Obrigações de não fazer - o devedor assume o compromisso de se abster de um fato, que poderia praticas, se não fosse o vínculo que o prende (Silvio Rodrigues). - se o devedor praticar o ato a cuja abstenção
  • 4. havia se obrigado, o credor pode exigir que o desfaça, sob pena de se desfazer à sua custa, ressarcindo o culpado as perdas e danos a que deu causa. - extingue-se a obrigação de não fazer, desde que, sem culpa do devedor, se lhe torne impossível abster-se do ato, que se obrigou a não praticar. Obrigações cumulativas, alternativas e facultativas - vide tabela: Obrigação cumulativa - o devedor só alcança a quitação cumprindo todas as prestações a que se comprometeu. - chamada também de obrigação conjuntiva. Obrigação alternativa - aqui, existem duas ou mais prestações, mas o devedor se exonera cumprindo apenas uma delas. - chamada também de obrigação disjuntiva. - a escolha cabe ao devedor, salvo estipulação em contrário. Contudo, não pode o devedor obrigar o credor a receber parte em uma prestação e parte em outra. - quando a obrigação for de prestações periódicas, a faculdade de opção poderá ser exercida em cada período. - se uma das prestações não puder ser objeto de obrigação ou se tornou inexeqüível, subsistirá o débito quanto a outra. - situações – vide tabela: Se a escolha não competir ao credor e por culpa do devedor não se puder cumprir nenhuma das prestações, esse ficará obrigado a pagar o valor que por último se impossibilitou, mais as perdas e danos que o caso determinar. MODALIDADES DAS OBRIGAÇÕES (continuação) Obrigações cumulativas, alternativas e facultativas (continuação) Obrigação alternativa (continuação) Quando a escolha couber ao credor e uma das prestações tornar-se impossível por culpa do devedor, o credor terá direito de exigir a prestação subsistente ou o valor da outra, com perdas e danos. Se, por culpa do devedor, ambas as prestações se tornarem inexeqüíveis, poderá o credor reclamar o valor de qualquer delas, além de perdas e danos 4ª Se todas as prestações se tornarem impossíveis sem culpa do devedor, extinguir-se-á a obrigação. Obrigação facultativa - a obrigação facultativa possui apenas um objeto, mas se concede ao devedor a faculdade de substituir a prestação devida por outra de natureza diversa. - trata-se de faculdade conferida apenas ao devedor com o objetivo de facilitar o cumprimento de sua obrigação. - a obrigação
  • 5. facultativa apresenta um único objeto, não podendo ser confundida com as obrigações alternativas, que apresentam um objeto composto, formado por duas ou mais prestações. Obrigações divisíveis e indivisíveis - a questão atinente a divisibilidade/indivisibilidade das obrigações só merece relevo havendo, na relação jurídica obrigacional, uma pluralidade de credores ou de devedores, ou ainda, uma pluralidade de credores e de devedores. - vide tabela: Obrigação divisível - é divisível a obrigação quando for possível o cumprimento fracionado da prestação. - art. 257, C Obrigação indivisível - é indivisível a obrigação quando a prestação tem por objeto uma coisa ou fato não suscetível de fracionamento. - art. 258, C. - aqui, havendo dois ou mais devedores, cada um será obrigado pela dívida toda. - o devedor que pagou a dívida toda sub-rogará no direito do credor em relação aos outros coobrigados. - se a pluralidade for de credores, poderá cada um destes exigir a dívida inteira. - o devedor desobriga-se nas seguintes hipóteses: a) se pagar a todos conjuntamente; b) se pagar a apenas um dos credores, mas este der caução de ratificação dos outros credores. - se um dos credores receber a prestação por inteiro, a cada um dos outros assistirá o direito de exigir dele em dinheiro a parte que lhe caiba no total. - perde a qualidade de indivisível a obrigação que se resolver em perdas e danos. MODALIDADES DAS OBRIGAÇÕES (continuação) Obrigações solidárias - art. 264, C. - há solidariedade, quando na mesma obrigação concorre mais de um credor, ou mais de um devedor, cada um com direito, ou obrigado, à dívida toda. - a solidariedade não se presume: resulta da lei ou da vontade das partes. - vide tabela: Solidariedade ativa - vários credores e cada um deles têm o direito de exigir o cumprimento da prestação por inteiro do devedor (e enquanto alguns dos credores solidários não demandarem o devedor comum, a qualquer deles poderá este pagar). - o pagamento feito a um dos credores solidários extingue a dívida até o montante do que foi pago. - se a prestação se converter em perdas e danos, subsistirá, para todos os efeitos, a solidariedade. - o credor que tiver remitido a dívida ou recebido o pagamento responderá aos outros pela parte que lhes caiba. Solidariedade passiva
  • 6. - vários devedores e cada um deles obriga-se ao cumprimento da prestação por inteiro junto ao credor. - o credor tem direito a exigir e receber de um ou de alguns dos devedores solidários, o pagamento parcial ou total da dívida em comum. - havendo pagamento parcial, todos os demais devedores continuam obrigados solidariamente pelo resto. - o pagamento parcial feito por m dos devedores e a remissão por ele obtida não aproveitam aos outros devedores, senão até a concorrência da quantia paga ou relevada. - se a prestação tornar-se impossível por culpa de um dos devedores solidários, subsiste para todos o encargo de pagar o equivalente, no entanto, só o responsável responderá pelas perdas e danos. - todos os devedores respondem pelos juros da mora, ainda que a ação tenha sido proposta somente contra um, mas o culpado responderá aos demais pela obrigação acrescida. - o devedor que satisfez a dívida por inteiro tem direito a exigir de cada um dos codevedores a sua quota. - se houver algum insolvente, sua cota será igualmente dividida entre os demais. Obrigação propter rem São obrigações próprias da coisa, ou seja, aquelas em que o devedor fica sujeito a determinada prestação que não derivou de sua manifestação de vontade, expressa ou tácita, mas provém do fato de ser titular de um direito sobre a coisa. Cessão de crédito - é lícito ao credor ceder o seu crédito, se a isso não se opuser a natureza da obrigação, a lei, ou a convenção com o devedor. - a cessão de um crédito abrangem todos os seus acessórios. - a cessão do crédito não tem eficácia em relação ao devedor, senão quando a este notificada. - fica desobrigado o devedor que, antes de ter conhecimento da cessão, paga ao credor primitivo, ou que, no caso de mais de uma cessão notificada, paga ao cessionário que lhe apresenta, com o título da cessão, o da obrigação cedida. - quando o crédito constar de escritura pública, prevalecerá a prioridade da notificação. Assunção da dívida - é facultado a terceiro assumir a obrigação do devedor, com o consentimento expresso do credor, ficando exonerado o devedor primitivo, salvo se aquele, ao tempo da assunção, era insolvente e o credor o ignorava. - qualquer das partes pode assinar prazo ao credor para que consinta na assunção da dívida, interpretando-se o seu silêncio como recusa. - se a substituição do devedor vier a ser anulada, restaura-se o débito, com todas as suas garantias, salvo as garantias prestadas por terceiros, exceto se este conhecia o vício que inquinava a obrigação. Conceito - o pagamento consiste no cumprimento voluntário da obrigação. - é o meio natural de extinção da obrigação. Quem deve pagar 1) devedor; 2) pagamento por terceiro interessado: qualquer interessado na extinção da dívida pode pagá-la, usando, se o credor se opuser, dos meios conducentes à exoneração do devedor; 3) pagamento por terceiro não interessado: o terceiro não interessado pode pagar a dívida, se o fizer em nome e à conta do devedor, salvo oposição deste. O terceiro não interessado que paga dívida em seu próprio nome, tem direito a reembolsar-se do que pagar, mas não se sub-roga nos direitos do credor.
  • 7. A quem se deve pagar - o pagamento deve ser feito ao credor ou a quem de direito o represente, sob pena de só valer depois de por ele ratificado, ou tanto quanto reverter em seu proveito. - o pagamento feito de boa-fé ao credor putativo é válido, ainda provado depois que não era credor. - não vale o pagamento cientemente feito ao credor incapaz de quitar, se o devedor não provar que em benefício dele efetivamente reverteu. Lugar do pagamento - regra: domicílio do devedor - trata-se das dívidas quesíveis, em que cabe ao credor dirigir-se ao domicílio do devedor para que se proceda à extinção da obrigação. - designados dois ou mais lugares, cabe ao credor escolher entre eles. - pagamento feito no domicílio do credor – se as partes assim convencionarem ou se resultar de disposição legal ou da natureza do pagamento (dívidas portáteis). - tradição de imóvel – se o pagamento consistir na tradição de um imóvel, ou em prestações relativas a imóvel, será o lugar onde situado o bem. Pagamento indireto - tratam-se de formas especiais de extinção da obrigação em que, apesar de não haver o cumprimento voluntário da prestação por parte do devedor, operar-se-á a sua extinção. Consignação em pagamento - é o depósito judicial feito em pagamento de uma dívida. - deve ocorrer na forma, local e no tempo do pagamento e nas seguintes hipóteses: a) quando o credor se recusar a receber o pagamento (dívidas portáteis); PAGAMENTO (continuação) Pagamento indireto (continuação) Consignação em pagamento (continuação) b) quando o credor não vier buscar o pagamento, uma vez que o devedor não é obrigado arcar com a mora (dívida quesível); c) quando o credor se encontrar em local incerto, inacessível ou de acesso muito perigoso; d) quando o credor for incapaz de receber, for desconhecido ou declarado ausente; e) quando houver dúvida a quem se deva pagar; f) quando pender litígio sobre o objeto do pagamento. Dação em pagamento - o devedor dá coisa diversa da pactuada originalmente ao credor, que aceita. - para que seja formalizada, deve ser emitido o recibo que o débito está quitado e é totalmente irrevogável. - evicção – nessa hipótese, se o credor for evicto da coisa recebida em pagamento, restabelecer-se-á a obrigação primitiva, ficando sem efeito a quitação dada, ressalvados os direitos de terceiros. Imputação do pagamento
  • 8. - a pessoa obrigada por dois ou mais débitos da mesma natureza, a um só credor, tem o direito de indicar a qual deles oferece pagamento, se todos forem líquidos e vencidos. - não tendo o devedor declarado em qual das dívidas líquidas e vencidas quer imputar o pagamento, se aceitar a quitação de uma delas, não terá direito a reclamar contra a imputação feita pelo credor, salvo provando haver ele cometido violência ou dolo. - havendo capital e juros, o pagamento imputar-se-á primeiro nos juros vencidos e depois no capital, salvo estipulação em contrário, ou se o credor passar a quitação por conta do capital. Novação - ocorre a novação pela extinção de uma obrigação em decorrência de uma nova. - gera uma nova obrigação diferente da primeira. - dá-se a novação: a) quando o devedor contrai com o credor nova dívida, para extinguir e substituir a primeira; b) quando o novo devedor sucede ao antigo, ficando este quite com o credor; c) quando, em virtude de obrigação nova, outro credor é substituído ao antigo, ficando o devedor quite com este. - requisito – “animus novandi” – ânimo de inovar – não havendo ânimo de novar, expresso ou tácito mas inequívoco, a segunda obrigação confirma simplesmente a primeira. - vide tabela – classificação: Objetiva Extingue a obrigação atual e cria uma nova obrigação com um novo objeto. Subjetiva Extingue a obrigação atual e cria uma nova com um novo sujeito. Mista Extingue a obrigação atual e cria uma nova com um novo objeto e um novo sujeito. Novação subjetiva Ativa - ocorre a substituição do credor, criando uma nova obrigação com o rompimento do vínculo primitivo. - requisitos: a) o consentimento do devedor perante o novo credor; b) o consentimento do antigo credor que aceita a promessa do PAGAMENTO (continuação) Pagamento indireto (continuação) Novação (continuação) Ativa (continuação) devedor. - art. 306, I, C. Passiva Passiva (continuação) - ocorre a substituição do devedor que sucede ao antigo, ficando este último quite com o credor. - se o novo devedor for insolvente, não terá o credor que o aceitou ação regressiva contra o primeiro, salvo se este obteve de má-fé a substituição. - art. 306, I, C.
  • 9. Por expromissão - ocorre quando um terceiro assume a dívida do devedor originário, substituindo-a sem o consentimento deste, mas desde que o credor concorde com a mudança no pólo passivo. - art. 362, C Por delegação - ocorre quando a substituição do devedor é feita com o consentimento do devedor originário, pois é ele quem indicará uma terceira pessoa para assumir seu débito, havendo concordância do credor. - a novação extingue os acessórios e garantias da dívida, sempre que não houver estipulação em contrário. - importa exoneração do fiador se feita sem seu consenso com o devedor principal. Compensação - quando duas pessoas forem ao mesmo tempo credor e devedor uma da outra, com as duas obrigações extinguindo-se, até onde se compensarem. - efetua-se entre dívidas líquidas, vencidas e de coisas fungíveis. - coisas fungíveis: ainda que sejam do mesmo gênero, não se compensarão se diferirem na qualidade, quando especificado no contrato. - o devedor somente pode compensar com o credor o que este lhe dever. - o fiador ode compensar sua dívida com a de seu credor ao afiançado. - não se admite compensação em prejuízo de direito de terceiro. - o devedor que se torne credor do seu credor, depois de penhorado o crédito deste, não pode opor ao exeqüente a compensação, de que contra o próprio credor disporia. Confusão - ocorre confusão quando as qualidades de credor e devedor se confundem em uma mesma pessoa. - pode se verificar a respeito de toda dívida ou só de parte dela. - a confusão operada na pessoa do credor ou devedor solidário só extingue a obrigação até a concorrência da respectiva parte no crédito, ou na dívida, subsistindo quanto ao mais a solidariedade. Remissão das dívidas - consiste no perdão dado ao devedor pelo credor, extinguindo a obrigação, mas sem prejuízo de terceiro. - a devolução voluntária do título da obrigação, quando por escrito particular, prova PAGAMENTO (continuação) Pagamento indireto (continuação)
  • 10. Remissão das dívidas (continuação) desoneração do devedor e seus co-obrigados, se o credor for capaz de alienar, e o devedor capaz de adquirir. - a restituição voluntária do objeto empenhado prova a renúncia do credor à garantia real, não a extinção da dívida. - a remissão concedida a um dos co-devedores extingue a dívida na parte a ele correspondente, de modo que, ainda reservando o credor a solidariedade contra os outros, já lhes não pode cobrar o débito sem dedução da parte remida. Disposições gerais - ocorre o inadimplemento quando o devedor não cumpre a obrigação no tempo, lugar ou forma determinados. - quando o inadimplemento decorrer de fato imputável ao devedor verifica-se a hipótese de inexecução voluntária da obrigação. - pode ser absoluto ou relativo – vide tabela: Inadimplemento absoluto - quando a obrigação não foi e nem poderá ser cumprida, pois o credor não terá mais possibilidade de receber aquilo que o devedor se obrigou. - art. 389, C – não cumprida a obrigação, responderá o devedor por perdas e danos, mais juros e atualização monetária, segundo índices oficiais regularmente estabelecidos, acrescidos de honorários de advogado. - art. 391, C – todos os bens do devedor responderão pelo descumprimento da obrigação. - contratos onerosos – cada uma das partes responde por culpa, ou seja, o dever de indenizar só surgirá quando o inadimplemento for causado por ato imputável ao devedor, salvo as exceções previstas em lei (art. 392, C). - contratos benéficos – são aqueles em que apenas uma das partes se beneficia, responderá por dolo aquele a quem o contrato não favoreça e por simples culpa aquele se aproveite do contrato. - caso fortuito ou força maior – salvo expressa previsão em contrário, o devedor não responderá pelos prejuízos resultantes de caso fortuito ou força maior (art. 393, C). Inadimplemento relativo - decorre da obrigação que, apesar de não cumprida no tempo, lugar e forma devidos, ainda poderá ser objeto de adimplemento, surgindo assim, a mora. - a mora difere do inadimplemento absoluto por ainda existir a possibilidade de o devedor cumprir a obrigação e por se permitir a sua purgação. Mora - art. 394, C. - considera-se em mora o devedor que não efetuar o pagamento e o credor que não quiser recebê-lo no tempo, lugar e forma que a lei ou a convenção estabelecer. - mora é o atraso ou falta do adimplemento no tempo, lugar e forma previstos, por ato ou omissão imputável ao devedor ou ao credor (Paulo Luiz Netto Lôbo). - mora do devedor – mora solvendi ou debitoris - mora do credor – mora accipiendi INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES (continuação) Mora (continuação) - dá-se a mora do devedor quando este não cumprir a prestação a que estava obrigado, no tempo, lugar e forma convencionados, em virtude de ato que lhe seja imputável. - para configuração da mora, é necessária a inexcução culposa do devedor, eis que, não havendo fato ou omissão que possa a ele ser imputado, não incorrerá em mora (art. 396, C). - mesmo
  • 11. encontrando-se em mora, o devedor ainda continua obrigado ao cumprimento de sua prestação, o que a diferencia do inadimplemento absoluto. - se a prestação ainda for útil ao credor, este poderá exigir o seu cumprimento por parte do devedor, que responderá pelos prejuízos a que sua mora der causa, mais juros, atualizações dos valores monetários segundo índices oficiais regularmente estabelecidos, e honorários advocatícios (art. 395, C). - se, devido à mora, a prestação tornar-se inútil ao credor, este poderá enjeitá-la, e exigir a satisfação das perdas e danos. - vide tabela: Mora ex re - decorre da lei. - resulta do próprio fato do descumprimento da obrigação, independentemente de provocação do credor. - impera a regra: die interpellat pro homine – o termo interpela o devedor. - verifica-se nas seguintes hipóteses: a) nas obrigações positivas e líquidas não cumpridas no seu termo – art. 397, C; b) nas obrigações negativas, em que o devedor é havido por inadimplente desde o dia em que executou o ato de que se devia abster – art. 390, C. c) nas obrigações provenientes de ato ilícito, quando se considera o devedor em mora desde o momento em que o praticou – art. 398, C. Mora ex persona - é aquela que se configura toda vez que não houver estipulação em termo certo para o cumprimento da obrigação. - aqui, a mora se constitui mediante interpelação judicial ou extrajudicial – art. 398, parágrafo único, C. - a mora constitui-se ainda pela citação do credor na ação ajuizada pelo devedor para discutir a relação jurídica.