Interpretação do conto “Saga”   o O conto começa com a descrição da tempestade que se está a formar;   o Fala da família d...
Hans queria regressar a Vig como capitão de navio, queria ser perdoado pelo  Pai e acolhido em casa.o Hans recebe resposta...
Hans sentia um grande vazio em si, por já não ser o rapaz aventureiro que fora         em tempos e sentia-se infeliz. Perc...
Figuras de estilo (recursos expressivos):MetáforaPersonificaçãoDupla adjetivaçãoAntítese (ideias contrárias)Sinestesia (mi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

"Saga", de Sophia de Mello Breyner

50.341 visualizações

Publicada em

0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
50.341
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6.385
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.006
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

"Saga", de Sophia de Mello Breyner

  1. 1. Interpretação do conto “Saga” o O conto começa com a descrição da tempestade que se está a formar; o Fala da família de Hans que vivia no interior da ilha (Vig); o Descrição de Soren, o pai de Hans: o Apresentação dos motivos para Soren odiar o mar: Os seus irmãos mais novos, Gustav e Niels, morreram num naufrágio num dos seus navios, que Soren inspeccionara com todo o cuidado. o Desejo de Hans: O desejo de Hans era ser marinheiro para poder navegar para sul. o A mãe de Hans chamava-se Maria e a irmã, Cristina; o O melhor navio de Vig, o Elseneur, naufragou e ninguém da tripulação se salvou (entre eles, os filhos de Knud); o Soren pede a Hans que lhe prometa que não vai ser marinheiro, mas este responde-lhe que não pode prometê-lo; o Fugida de Hans: Hans foge no navio de um cargueiro inglês que vinha da Noruega para navegar para sul. Chamava-se Angus e foi nele que Hans fugiu alistado como grumete; o Descrição da cidade desconhecida; o Houve uma grande discussão entre Hans e o capitão do navio: Hans divertia os marinheiros, disfarçado por peles de urso. Chegou o capitão que não gostou do que viu. Hans foi magoado, humilhado e ofendido e por isso abandonou o navio. o Passou quatro dias a dormir em degraus de uma escada, perdido e sozinho; o Ao quinto dia, vem em seu auxílio um armador e negociante no transporte do vinho estrangeiro: Hoyle recolheu Hans, que ficou a viver com ele como empregado e filho adotivo; o Agora que já era marinheiro, Hans tinha um projecto de vida:
  2. 2. Hans queria regressar a Vig como capitão de navio, queria ser perdoado pelo Pai e acolhido em casa.o Hans recebe resposta de uma carta dos pais, dizendo que não vai ser recebido em casa;o Para Hoyle, Hans era o herdeiro daquilo que perdera. Por isso:o Aos 21 anos, Hans já era capitão de um navio de Hoyle e homem de confiança dos seus negócios;o Com tudo o que dispunha, Hans continuava a sonhar em voltar a Vig;o Recebia cartas da família em resposta às suas cartas dizendo que o Pai não o receberia;o Hoyle adoeceu: Hans teve de deixar o mar. Deixou de ser empregado de Hoyle e passou a ser seu sócio.o Desejo insatisfeito: A vida de Hans já não era a mesma. Já não navegava como antes, agora dedicava-se aos negócios. Não regressara a Vig e não tinha continuado as suas longas viagens. O seu objetivo tinha fracassado.o Hans era rico, graças aos seus negócios, mas não era feliz;o Hoyle morre;o Casou-se com uma minhota: Ana, filha de um general liberal que desembarcara no Mindelo;o No tempo das últimas camélias nasceu o seu primeiro filho a quem deu o nome de Soren: O pequeno Soren adoeceu e foi batizado de urgência. Quando morreu, lançou-se o primeiro navio de Hans.o Nasceu o seu segundo filho e depois mais cinco filhos: três rapazes e duas raparigas;o Eram grandes os seus negócios e muitas as suas viagens, mas agora eram apenas viagens de negociante:
  3. 3. Hans sentia um grande vazio em si, por já não ser o rapaz aventureiro que fora em tempos e sentia-se infeliz. Percebia agora que a sua fuga de Vig fora inútil. o Quando a mãe de Hans morreu, este nunca mais recebeu resposta às suas cartas. Percebeu que nunca mais regressaria a Vig; o Comprou uma grande quinta que enchia de festas e convidados numa tentativa de preencher o vazio que havia em si; o Cresceu uma nova geração: os netos de Hans; o Hans estava muito doente e pouco antes da sua morte faz um estranho pedido: Hans pede para que seja construído um navio naufragado na sua sepultura. A insatisfação de Hans:Tempo: esta história passa-se ao longo da vida de Hans, desde os seus catorze anos.Espaço: esta história passa-se essencialmente em Vig e numa cidade desconhecida.Personagens:Relevo Processos de caracterizaçãoPrincipal/ secundária/ figurante Direta/ indireta------------------------------------------ Autocaracterização/ heterocaracterizaçãoSensações:Auditiva “…,quando o vento soprava do sul, entre o sussurrar dos abetos,…”Visual “O mar do Norte, verde e cinzento,…”Olfativa “…, cheiro a canela e laranja das terras meridionais,…”Tátil “…, roupa rija do sal,…”Movimento “..., as praias onde baloiçavam coqueiros,…”
  4. 4. Figuras de estilo (recursos expressivos):MetáforaPersonificaçãoDupla adjetivaçãoAntítese (ideias contrárias)Sinestesia (mistura de sensações)EnumeraçãoComparaçãoHipérbole (exagero da realidade)Modos de apresentação da narrativa:Descrição (predomina o pretérito “Hans concentrava o seu espírito para aimperfeito do indicativo e adjetivos) exaltação crescente do grande cântico marítimo.”Narração (predomina o pretérito perfeito “Mais tarde os navios de Hans nunca(e presente) do indicativo) naufragaram.”Diálogo “ – Quero ser capitão de um navio.”

×