SlideShare uma empresa Scribd logo

"Saga", de Sophia de Mello Breyner

1 de 4
Baixar para ler offline
Interpretação do conto “Saga”
   o O conto começa com a descrição da tempestade que se está a formar;
   o Fala da família de Hans que vivia no interior da ilha (Vig);
   o Descrição de Soren, o pai de Hans:




   o Apresentação dos motivos para Soren odiar o mar:
     Os seus irmãos mais novos, Gustav e Niels, morreram num naufrágio num dos
     seus navios, que Soren inspeccionara com todo o cuidado.
   o Desejo de Hans:
     O desejo de Hans era ser marinheiro para poder navegar para sul.
   o A mãe de Hans chamava-se Maria e a irmã, Cristina;
   o O melhor navio de Vig, o Elseneur, naufragou e ninguém da tripulação se
     salvou (entre eles, os filhos de Knud);
   o Soren pede a Hans que lhe prometa que não vai ser marinheiro, mas este
     responde-lhe que não pode prometê-lo;
   o Fugida de Hans:
     Hans foge no navio de um cargueiro inglês que vinha da Noruega para navegar
     para sul. Chamava-se Angus e foi nele que Hans fugiu alistado como grumete;
   o Descrição da cidade desconhecida;
   o Houve uma grande discussão entre Hans e o capitão do navio:
     Hans divertia os marinheiros, disfarçado por peles de urso. Chegou o capitão
     que não gostou do que viu. Hans foi magoado, humilhado e ofendido e por isso
     abandonou o navio.
   o Passou quatro dias a dormir em degraus de uma escada, perdido e sozinho;
   o Ao quinto dia, vem em seu auxílio um armador e negociante no transporte do
     vinho estrangeiro:
     Hoyle recolheu Hans, que ficou a viver com ele como empregado e filho
     adotivo;
   o Agora que já era marinheiro, Hans tinha um projecto de vida:
Hans queria regressar a Vig como capitão de navio, queria ser perdoado pelo
  Pai e acolhido em casa.
o Hans recebe resposta de uma carta dos pais, dizendo que não vai ser recebido
  em casa;
o Para Hoyle, Hans era o herdeiro daquilo que perdera. Por isso:




o Aos 21 anos, Hans já era capitão de um navio de Hoyle e homem de confiança
  dos seus negócios;
o Com tudo o que dispunha, Hans continuava a sonhar em voltar a Vig;
o Recebia cartas da família em resposta às suas cartas dizendo que o Pai não o
  receberia;
o Hoyle adoeceu:
  Hans teve de deixar o mar. Deixou de ser empregado de Hoyle e passou a ser
  seu sócio.
o Desejo insatisfeito:
  A vida de Hans já não era a mesma. Já não navegava como antes, agora
  dedicava-se aos negócios. Não regressara a Vig e não tinha continuado as suas
  longas viagens. O seu objetivo tinha fracassado.
o Hans era rico, graças aos seus negócios, mas não era feliz;
o Hoyle morre;
o Casou-se com uma minhota: Ana, filha de um general liberal que
  desembarcara no Mindelo;
o No tempo das últimas camélias nasceu o seu primeiro filho a quem deu o
  nome de Soren:
  O pequeno Soren adoeceu e foi batizado de urgência. Quando morreu,
  lançou-se o primeiro navio de Hans.
o Nasceu o seu segundo filho e depois mais cinco filhos: três rapazes e duas
  raparigas;
o Eram grandes os seus negócios e muitas as suas viagens, mas agora eram
  apenas viagens de negociante:
Hans sentia um grande vazio em si, por já não ser o rapaz aventureiro que fora
         em tempos e sentia-se infeliz. Percebia agora que a sua fuga de Vig fora inútil.
     o   Quando a mãe de Hans morreu, este nunca mais recebeu resposta às suas
         cartas. Percebeu que nunca mais regressaria a Vig;
     o   Comprou uma grande quinta que enchia de festas e convidados numa
         tentativa de preencher o vazio que havia em si;
     o   Cresceu uma nova geração: os netos de Hans;
     o   Hans estava muito doente e pouco antes da sua morte faz um estranho
         pedido:
         Hans pede para que seja construído um navio naufragado na sua sepultura.



          A insatisfação de Hans:




Tempo: esta história passa-se ao longo da vida de Hans, desde os seus catorze anos.

Espaço: esta história passa-se essencialmente em Vig e numa cidade desconhecida.

Personagens:

Relevo                                          Processos de caracterização
Principal/ secundária/ figurante                Direta/ indireta
------------------------------------------      Autocaracterização/ heterocaracterização


Sensações:

Auditiva              “…,quando o vento soprava do sul, entre o sussurrar dos abetos,…”
Visual                “O mar do Norte, verde e cinzento,…”
Olfativa              “…, cheiro a canela e laranja das terras meridionais,…”
Tátil                 “…, roupa rija do sal,…”
Movimento             “..., as praias onde baloiçavam coqueiros,…”
Figuras de estilo (recursos expressivos):

Metáfora
Personificação
Dupla adjetivação
Antítese (ideias contrárias)
Sinestesia (mistura de sensações)
Enumeração
Comparação
Hipérbole (exagero da realidade)


Modos de apresentação da narrativa:

Descrição (predomina o pretérito            “Hans concentrava o seu espírito para a
imperfeito do indicativo e adjetivos)       exaltação crescente do grande cântico
                                            marítimo.”
Narração (predomina o pretérito perfeito    “Mais tarde os navios de Hans nunca
(e presente) do indicativo)                 naufragaram.”
Diálogo                                     “ – Quero ser capitão de um navio.”

Recomendados

A Saga de Sophia de Mello Breyner Andresen
A Saga de Sophia de Mello Breyner Andresen A Saga de Sophia de Mello Breyner Andresen
A Saga de Sophia de Mello Breyner Andresen becre-palmeiras
 
Teste saga
Teste sagaTeste saga
Teste sagaaersp
 
8ºc trabalho saga
8ºc trabalho saga8ºc trabalho saga
8ºc trabalho sagaLurdes
 
«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pdf
«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pdf«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pdf
«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pdfCludiaMelo29
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasDina Baptista
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Maria João Lima
 
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá" "O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá" inessalgado
 
Leandro, Rei da Helíria
Leandro, Rei da HelíriaLeandro, Rei da Helíria
Leandro, Rei da HelíriaAntónio Pires
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Raquel Antunes
 
Subclasses dos verbos exercícios
Subclasses dos verbos exercíciosSubclasses dos verbos exercícios
Subclasses dos verbos exercíciosquintaldasletras
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Inês Moreira
 
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - PrimaveraO Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - PrimaveraMargarida Santos
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castroQuezia Neves
 
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2Belmira Baptista
 
Pronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbalPronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbalgracacruz
 

Mais procurados (20)

Resumo saga
Resumo sagaResumo saga
Resumo saga
 
Ppt saga
Ppt sagaPpt saga
Ppt saga
 
Book saga
Book sagaBook saga
Book saga
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
 
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá" "O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
 
Teste a aia 2
Teste a aia 2Teste a aia 2
Teste a aia 2
 
Leandro, Rei da Helíria
Leandro, Rei da HelíriaLeandro, Rei da Helíria
Leandro, Rei da Helíria
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
 
Subclasses dos verbos exercícios
Subclasses dos verbos exercíciosSubclasses dos verbos exercícios
Subclasses dos verbos exercícios
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"
 
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - PrimaveraO Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
 
Teste Português Anne Frank (8ºano)
Teste Português Anne Frank (8ºano)Teste Português Anne Frank (8ºano)
Teste Português Anne Frank (8ºano)
 
De tarde - Cesário Verde
De tarde - Cesário VerdeDe tarde - Cesário Verde
De tarde - Cesário Verde
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castro
 
Saga 3
Saga 3Saga 3
Saga 3
 
Teste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadasTeste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadas
 
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
 
Pronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbalPronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbal
 

Destaque

A Saga - ficha de vocabulário
A Saga - ficha de vocabulárioA Saga - ficha de vocabulário
A Saga - ficha de vocabulárioLina Claro
 
Saga vocabulário -soluções
Saga  vocabulário -soluçõesSaga  vocabulário -soluções
Saga vocabulário -soluçõesLina Claro
 
Verificação de leitura "Histórias da terra e do mar"
Verificação de leitura  "Histórias da terra e do mar"Verificação de leitura  "Histórias da terra e do mar"
Verificação de leitura "Histórias da terra e do mar"Sheyla Tasso
 
A carta
A cartaA carta
A cartapief2
 

Destaque (8)

A Saga - ficha de vocabulário
A Saga - ficha de vocabulárioA Saga - ficha de vocabulário
A Saga - ficha de vocabulário
 
Saga vocabulário -soluções
Saga  vocabulário -soluçõesSaga  vocabulário -soluções
Saga vocabulário -soluções
 
Acordo ortográfico
Acordo ortográficoAcordo ortográfico
Acordo ortográfico
 
Verificação de leitura "Histórias da terra e do mar"
Verificação de leitura  "Histórias da terra e do mar"Verificação de leitura  "Histórias da terra e do mar"
Verificação de leitura "Histórias da terra e do mar"
 
Carta
CartaCarta
Carta
 
A carta
A cartaA carta
A carta
 
HistóRias Da Terra E Do Mar
HistóRias Da Terra E Do MarHistóRias Da Terra E Do Mar
HistóRias Da Terra E Do Mar
 
Texto poético
Texto poéticoTexto poético
Texto poético
 

Semelhante a "Saga", de Sophia de Mello Breyner

Semelhante a "Saga", de Sophia de Mello Breyner (20)

Teste saga
Teste saga Teste saga
Teste saga
 
Teste saga
Teste saga Teste saga
Teste saga
 
«Saga», de Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx
«Saga», de Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx«Saga», de Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx
«Saga», de Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx
 
«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx
«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx
«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx
 
dial8_teste_saga.pptx
dial8_teste_saga.pptxdial8_teste_saga.pptx
dial8_teste_saga.pptx
 
Ficha de-trabalho-saga
Ficha de-trabalho-sagaFicha de-trabalho-saga
Ficha de-trabalho-saga
 
lab8_saga_verificacao_leitura.pptx
lab8_saga_verificacao_leitura.pptxlab8_saga_verificacao_leitura.pptx
lab8_saga_verificacao_leitura.pptx
 
8ctrabalhosaga-100526144516-phpapp01.pdf
8ctrabalhosaga-100526144516-phpapp01.pdf8ctrabalhosaga-100526144516-phpapp01.pdf
8ctrabalhosaga-100526144516-phpapp01.pdf
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
 
Humanismo português
Humanismo portuguêsHumanismo português
Humanismo português
 
Cronistas do descobrimento
Cronistas do descobrimentoCronistas do descobrimento
Cronistas do descobrimento
 
Quinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILPQuinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILP
 
Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)
Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)
Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)
 
Saga
SagaSaga
Saga
 
Angélica, a marquesa dos anjos 26 - o triunfo de angélica
Angélica, a marquesa dos anjos   26 - o triunfo de angélicaAngélica, a marquesa dos anjos   26 - o triunfo de angélica
Angélica, a marquesa dos anjos 26 - o triunfo de angélica
 
Uso da virgula
Uso da virgulaUso da virgula
Uso da virgula
 
Autor do Mês de Abril Hans Christian Andersen
Autor do Mês de Abril Hans Christian AndersenAutor do Mês de Abril Hans Christian Andersen
Autor do Mês de Abril Hans Christian Andersen
 
Breve Notícia de Sines, Pátria de Vasco da Gama
Breve Notícia de Sines, Pátria de Vasco da GamaBreve Notícia de Sines, Pátria de Vasco da Gama
Breve Notícia de Sines, Pátria de Vasco da Gama
 
A saga B
A saga BA saga B
A saga B
 
Quinhentismo i
Quinhentismo iQuinhentismo i
Quinhentismo i
 

Mais de inessalgado

Lírica de Camões
Lírica de CamõesLírica de Camões
Lírica de Camõesinessalgado
 
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forçasSegurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forçasinessalgado
 
Orações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadasOrações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadasinessalgado
 
Texto poético: características
Texto poético: característicasTexto poético: características
Texto poético: característicasinessalgado
 
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"inessalgado
 
Gestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursosGestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursosinessalgado
 
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e LiberaisRevoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberaisinessalgado
 
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...inessalgado
 
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breynerinessalgado
 
Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo inessalgado
 
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIPortugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIinessalgado
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasinessalgado
 
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu inessalgado
 
Célula, unidade de vida
Célula, unidade de vidaCélula, unidade de vida
Célula, unidade de vidainessalgado
 
A publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notíciaA publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notíciainessalgado
 
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocioEspañol: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocioinessalgado
 
Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)inessalgado
 
Erosão fluvial
 Erosão fluvial Erosão fluvial
Erosão fluvialinessalgado
 
Triângulos e quadriláteros
Triângulos e quadriláterosTriângulos e quadriláteros
Triângulos e quadriláterosinessalgado
 

Mais de inessalgado (20)

Lírica de Camões
Lírica de CamõesLírica de Camões
Lírica de Camões
 
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forçasSegurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
 
Orações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadasOrações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadas
 
Texto poético: características
Texto poético: característicasTexto poético: características
Texto poético: características
 
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
 
Gestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursosGestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursos
 
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e LiberaisRevoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
 
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
 
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
 
Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo
 
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIPortugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
 
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
 
Célula, unidade de vida
Célula, unidade de vidaCélula, unidade de vida
Célula, unidade de vida
 
A publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notíciaA publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notícia
 
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocioEspañol: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
 
Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)
 
Materiais
MateriaisMateriais
Materiais
 
Erosão fluvial
 Erosão fluvial Erosão fluvial
Erosão fluvial
 
Triângulos e quadriláteros
Triângulos e quadriláterosTriângulos e quadriláteros
Triângulos e quadriláteros
 

"Saga", de Sophia de Mello Breyner

  • 1. Interpretação do conto “Saga” o O conto começa com a descrição da tempestade que se está a formar; o Fala da família de Hans que vivia no interior da ilha (Vig); o Descrição de Soren, o pai de Hans: o Apresentação dos motivos para Soren odiar o mar: Os seus irmãos mais novos, Gustav e Niels, morreram num naufrágio num dos seus navios, que Soren inspeccionara com todo o cuidado. o Desejo de Hans: O desejo de Hans era ser marinheiro para poder navegar para sul. o A mãe de Hans chamava-se Maria e a irmã, Cristina; o O melhor navio de Vig, o Elseneur, naufragou e ninguém da tripulação se salvou (entre eles, os filhos de Knud); o Soren pede a Hans que lhe prometa que não vai ser marinheiro, mas este responde-lhe que não pode prometê-lo; o Fugida de Hans: Hans foge no navio de um cargueiro inglês que vinha da Noruega para navegar para sul. Chamava-se Angus e foi nele que Hans fugiu alistado como grumete; o Descrição da cidade desconhecida; o Houve uma grande discussão entre Hans e o capitão do navio: Hans divertia os marinheiros, disfarçado por peles de urso. Chegou o capitão que não gostou do que viu. Hans foi magoado, humilhado e ofendido e por isso abandonou o navio. o Passou quatro dias a dormir em degraus de uma escada, perdido e sozinho; o Ao quinto dia, vem em seu auxílio um armador e negociante no transporte do vinho estrangeiro: Hoyle recolheu Hans, que ficou a viver com ele como empregado e filho adotivo; o Agora que já era marinheiro, Hans tinha um projecto de vida:
  • 2. Hans queria regressar a Vig como capitão de navio, queria ser perdoado pelo Pai e acolhido em casa. o Hans recebe resposta de uma carta dos pais, dizendo que não vai ser recebido em casa; o Para Hoyle, Hans era o herdeiro daquilo que perdera. Por isso: o Aos 21 anos, Hans já era capitão de um navio de Hoyle e homem de confiança dos seus negócios; o Com tudo o que dispunha, Hans continuava a sonhar em voltar a Vig; o Recebia cartas da família em resposta às suas cartas dizendo que o Pai não o receberia; o Hoyle adoeceu: Hans teve de deixar o mar. Deixou de ser empregado de Hoyle e passou a ser seu sócio. o Desejo insatisfeito: A vida de Hans já não era a mesma. Já não navegava como antes, agora dedicava-se aos negócios. Não regressara a Vig e não tinha continuado as suas longas viagens. O seu objetivo tinha fracassado. o Hans era rico, graças aos seus negócios, mas não era feliz; o Hoyle morre; o Casou-se com uma minhota: Ana, filha de um general liberal que desembarcara no Mindelo; o No tempo das últimas camélias nasceu o seu primeiro filho a quem deu o nome de Soren: O pequeno Soren adoeceu e foi batizado de urgência. Quando morreu, lançou-se o primeiro navio de Hans. o Nasceu o seu segundo filho e depois mais cinco filhos: três rapazes e duas raparigas; o Eram grandes os seus negócios e muitas as suas viagens, mas agora eram apenas viagens de negociante:
  • 3. Hans sentia um grande vazio em si, por já não ser o rapaz aventureiro que fora em tempos e sentia-se infeliz. Percebia agora que a sua fuga de Vig fora inútil. o Quando a mãe de Hans morreu, este nunca mais recebeu resposta às suas cartas. Percebeu que nunca mais regressaria a Vig; o Comprou uma grande quinta que enchia de festas e convidados numa tentativa de preencher o vazio que havia em si; o Cresceu uma nova geração: os netos de Hans; o Hans estava muito doente e pouco antes da sua morte faz um estranho pedido: Hans pede para que seja construído um navio naufragado na sua sepultura. A insatisfação de Hans: Tempo: esta história passa-se ao longo da vida de Hans, desde os seus catorze anos. Espaço: esta história passa-se essencialmente em Vig e numa cidade desconhecida. Personagens: Relevo Processos de caracterização Principal/ secundária/ figurante Direta/ indireta ------------------------------------------ Autocaracterização/ heterocaracterização Sensações: Auditiva “…,quando o vento soprava do sul, entre o sussurrar dos abetos,…” Visual “O mar do Norte, verde e cinzento,…” Olfativa “…, cheiro a canela e laranja das terras meridionais,…” Tátil “…, roupa rija do sal,…” Movimento “..., as praias onde baloiçavam coqueiros,…”
  • 4. Figuras de estilo (recursos expressivos): Metáfora Personificação Dupla adjetivação Antítese (ideias contrárias) Sinestesia (mistura de sensações) Enumeração Comparação Hipérbole (exagero da realidade) Modos de apresentação da narrativa: Descrição (predomina o pretérito “Hans concentrava o seu espírito para a imperfeito do indicativo e adjetivos) exaltação crescente do grande cântico marítimo.” Narração (predomina o pretérito perfeito “Mais tarde os navios de Hans nunca (e presente) do indicativo) naufragaram.” Diálogo “ – Quero ser capitão de um navio.”