Antigo regime e iluminismo

28.010 visualizações

Publicada em

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
28.010
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
196
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Antigo regime e iluminismo

  1. 1. Caracteriza a sociedade do Antigo Regime O Antigo regime caracterizava-se por uma economia baseada na agricultura e nos tráfegos comerciais, assim como uma sociedade fortemente estratificada que era dominada pelos grupos privilegiados e poder absoluto do rei.A maior parte da população vivia da agricultura (as terras estavam sujeitas a um regime senhorial e por isso os camponeses tinham de pagar taxas e tinham muitas obrigações), usavam ainda técnicas de cultivo rudimentares e era portanto difícil manter a subsistência. A fome e a peste eram frequentescausando grande mortalidade. No entanto, em muitas cidades havia um intenso dinamismo económico devido à expansão do grande comércio. Sociedade do Antigo Regime estratificada e hierarquizada: Rei As duas primeiras ordens eram privilegiadas: -o clero não pagava impostos, recebia a dízima e dispunha de tribunal próprio; -a nobreza recebia a maior parte dos impostos e tinha Clero acesso aos cargos superiores da corte, do exército e da Igreja; O terceiro estado era a ordem não privilegiada: -burguesia (comerciantes, homens letrados) que Nobreza podiam atingir um alto nível de riqueza ou cultura; -artesãos, camponeses; -serviçais Terceiro estado/ povo : -burguesia -camponeses e artesãos -serviçaisNesta sociedade havia pouca mobilidade. A sua posição era uma condiçãoherdada por nascimento e que normalmente era mantida até ao final da suavida. Só alguns burgueses ascendiam à nobreza: constituíam a nobreza detoga (que não era hereditário)
  2. 2. Define absolutismo: Os monarcas passaram a concentrar em si todos os poderes, afirmando uma autoridade total e absoluta. Por isso se chamou a este regime político absolutismo régio. Para o Rei de França Luís XIV, cujo modelo foi imitado por muitos monarcas, essepoder absoluto baseava-se num direito divino: o monarca considerava que recebera o seu poder de Deus e por isso tinha que prestar contas das suas ações senão ao próprio Deus. Era ele quem decidia, com a sua razão e a sua vontade, qual era o interesse do Estado. Legislativo; O rei concentrava por isso, o poder: executivo; judicial Em que consiste a política económica mercantilista: As medidas mercantilistas tinham como objetivo defender os interesses económicos nacionais. Segundo o mercantilismo, a riqueza de um país estava na quantidade dedinheiro (metais preciosos) que nele existisse. A melhor maneira de isto acontecer eraatravés das trocas comerciais com o estrangeiro (se o valor das exportações for maior do que o valor das importações entraria mais dinheiro no país do que saía). Eranecessário conseguir um saldo positivo na balança comercial, o Estado deveria intervir na economia protegendo o comércio e a indústria do país.
  3. 3. Indica as medidas de Colbert Colbert (ministro de Luís XIV) aplicou a política protecionista através das seguintes medidas: oIsentou de impostos os seus produtos; oIncentivou manufaturas; oConcedeu monopólios; oLimitou as importações de produtos estrangeiros; oCriou companhias de comércioDescreve a dependência de Portugal face ao comércio colonial A riqueza do país dependia dos tráfegos comerciais. Beneficiado do exclusivo colonial, os mercados portugueses traziam açúcar, tabaco, especiarias e outros produtos das colónias para a metrópole que depois eram exportados para a Europa. Da metrópole exportava-se sal, azeite, vinho, etc. Era a venda de tudoisso que permitia o equilíbrio da balança comercial. Portugal importava produtos como trigo, têxteis, etc. Começou, mais tarde, a haver uma grande concorrência que fez com que se instalasse uma grave crise comercial.Indica as medidas mercantilistas do Conde da Ericeira O Conde de Ericeira decidiu promover a industrialização do País, através de medidas protecionistas já aplicadas por Colbert: oFundação de manufaturas; oMandou vir do estrangeiro novos equipamentos e técnicos experientes; oConcedeu monopólios;oPublicou pragmáticas (que proibiam o uso de tecidos de lã e outros artigos de vestuário de origem estrangeira)
  4. 4. Razões para a falência das medidas mercantilistas portuguesas e em que consistia o Tratado de Methuen:Os comerciantes ingleses, em resposta às proibições impostas pelas pragmáticas passaram a comprar menos vinho aos portugueses. Os grandes viticultores (quepertenciam muitas vezes à nobreza) protestaram contra as medidas do Conde da Ericeira. A pressão dos interesses da nobreza fundiária (que possuía grandes propriedades) e dos comerciantes britânicos fez com que fosse assinado o Tratado de Methuen. O Tratado de Methuen afirmava que Portugal se comprometia a aceitar os lanifícios ingleses, em troca dos ingleses reduzirem as taxas alfandegárias sobre os vinhos portugueses, facilitando a venda no mercado britânico. No entanto, Portugal estava a prejudicar a sua nova indústria. (foi também positivo pois os viticultores expandiram e melhoraram a produção originando um valioso produto de exportação: vinho do Porto) O ouro começou a chegar do Brasil (de Minas Gerais) e mais tarde tambémapareceram minas de diamantes. Com a abundância de metal precioso acabaram os entraves à importação de produtos estrangeiros. Em Portugal, a abundância da moeda dinamizou o comércio interno e externo. Houve também consequências negativas: a corrida do ouro provocou uma forte emigração para a região de Minas Gerais, enfraquecendo a produção agrícola brasileira. Outra consequência foi causado pelos governantes que reduziram as preocupações mercantilistas que deixou o país mais dependente da Inglaterra.
  5. 5. Distingue a nobreza portuguesa do período do Antigo Regime: A nobreza portuguesa era muito numerosa e abrangia diversos escalões. No topo situava-se a nobreza da corte: restrita e poderosa, de origem fidalga (de sangue) que incluía grandes titulares (duques, marqueses e condes) e à qual estavam reservados os grandes cargos do reino. Pertencendo também à fidalguia, mas com menos poder, a nobreza de província que vivia nos seussolares. Por último a nobreza de serviços (nobreza de toga) que tinha enobrecido pela prática de cargos públicos. Caracteriza a arte barroca: arquitetura, pintura e esculturaA arte barroca apesar de apresentar características renascentistas, distingue-se devido a algumas características: oGosto pelo movimento; oEspetacularidade e faustosidade; oExpressão de sentimento; oDecoração sumptuosa; oIlusões de óptica
  6. 6. Caracteriza a arte barroca: arquitetura, pintura e escultura Pintura: oPintura em trompe l’oeil, aplicada em paredes e tetos; oUso de cores quentes; oRecurso a jogos de luz e sombras para realçar emoções e dar ilusões; oComposição com numerosas personagens; oAtitudes movimentadas e irracionais; Os pintores mais representativos são Rubens; Rembrandt; Vermeer, Velázquez, Caravaggio, Josefa de Óbidos. Arquitetura: oForma ondulante das paredes; oCurvas irracionais; oRelações livres das dimensões; oOrdem colossal; oExagero ornamental;Os arquitetos mais representativos são Gian Bernini, Francesco Borromini e Piero da Cortona A arquitetura recorre ao uso de: oColunas, frisos, frontões, arcos e cúpulas; oCurvas e contracurvas e nichos nas fachadas; oBaixo-relevo, pintura, mosaicos, mármores e talha dourada; oDecoração abundante e relevos supérfluos. Escultura:Procura-se explorar o dramatismo das figuras, pretende-se suscitar os sentimentos do observador: oMovimento; oExpressão de sentimentos fortes; oIntenso dramatismo; oExpressões faciais teatrais; oDestaque das características individuais; oVolume: grande exagero das formas O escultor mais representativo é Gian Bernini
  7. 7. Define despotismo esclarecido:Despotismo esclarecido era uma conceção política, segundo a qual o monarca deveriaexercer um poder absoluto mas orientado ou “esclarecido” pela razão, para o bem do povo. (defendido por Marquês de Pombal) As medidas para reforçar o aparelho de Estado propostas por Sebastião José Carvalho e Melo: Marquês de Pombal para reforçar o aparelho do estado criou organismos que controlavam a administração e as atividades do reino: oO Erasmo Régio: que superintendia nas finanças públicas; oA Junta de Comércio: que orientava as atividades económicas; oA Real Mesa Censória: encarregada de vigiar as publicações; oO Colégio dos Nobres: destinado à formação dos quadros da nobreza que iriam servir o estado; oLimitou o poder da Inquisição: transformando-o num tribunal público.Que medidas económicas implementou o Marquês de Pombal? O Marquês de Pombal tentou fortalecer os setores tradicionais da economia,formando grandes companhias monopolista. Fundou companhias de comércio para o Brasil. Para controlar a produção e comércio do vinho do Porto instituiu a poderosa Companhia das Vinhas do Alto Douro.Quando se deu a quebra de produção de ouro brasileiro o Marquês teve de adotar um intenso programa de industrialização: através da concessão de monopólios, desubsídios e de isenções de impostos, reorganizou a produção existente e promoveu a criação de manufaturas.
  8. 8. Associa a cada cientista a respetiva ciência/ descoberta Descartes…….álgebra e geometria analítica Galileu…… leis do movimento e astronomia Newton….. Teoria da gravitação universal Pascal e Torricelli…..estudar a pressão atmosférica Harvey….existência da grande circulação do sangue e vasos capilares Lavoisier.... Bases da química Refere os ideais iluministas que procuram criar rutura com a época: Diderot (filósofo) e D’Alembert (matemático) : promoveram a publicação daEnciclopédia (onde se procurava fazer a síntese dos conhecimentos humanos, de acordo com os ideias iluministas: a enciclopédia defendia que tinha chegado altura do progresso se estender à política, através da afirmação da liberdade individual); Voltaire: defendeu a tolerância religiosa e criticou o clero católico, a quem acusava de ser responsável pela ignorância das populações. Montesquieu (filósofo): na sua obra “O Espírito das Leis” inspirado pelas ideias do inglês Lock e pelo parlamentarismo britânico defendeu a doutrina da separação dos poderes, com a consequente limitação do poder régio. O poder legislativo (isto é, o poder de fazer as leis) devia ser atribuído a um Parlamentoem que os deputados são eleitos por cidadãos; o rei e os ministros têm apenas o poder executivo (poder de aplicar leis); o poder judicial (poder de julgar quem não cumpre as leis) pertence a juízes. Rosseau (filósofo): defensor da liberdade e da igualdade de direitos de todos oscidadãos, defende também no seu livro “O Contrato Social”, o ponto de vista de que a soberania (poder de dirigir a sociedade) cabia ao povo (soberania popular). O povo, por sua vez delegava esse poder nos seus governantes. Todas estas ideias constituem o liberalismo político.

×