SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
Caracteriza a sociedade do Antigo
                    Regime
 O Antigo regime caracterizava-se por uma economia baseada na agricultura e
 nos tráfegos comerciais, assim como uma sociedade fortemente estratificada
     que era dominada pelos grupos privilegiados e poder absoluto do rei.
A maior parte da população vivia da agricultura (as terras estavam sujeitas a um
  regime senhorial e por isso os camponeses tinham de pagar taxas e tinham
   muitas obrigações), usavam ainda técnicas de cultivo rudimentares e era
   portanto difícil manter a subsistência. A fome e a peste eram frequentes
causando grande mortalidade. No entanto, em muitas cidades havia um intenso
        dinamismo económico devido à expansão do grande comércio.
           Sociedade do Antigo Regime estratificada e hierarquizada:
              Rei
                                As duas primeiras ordens eram privilegiadas:
                                -o clero não pagava impostos, recebia a dízima e
                                dispunha de tribunal próprio;
                                -a nobreza recebia a maior parte dos impostos e tinha
             Clero              acesso aos cargos superiores da corte, do exército e da
                                Igreja;
                                O terceiro estado era a ordem não privilegiada:
                                -burguesia (comerciantes, homens letrados) que
           Nobreza              podiam atingir um alto nível de riqueza ou cultura;
                                -artesãos, camponeses;
                                -serviçais
     Terceiro estado/ povo :
     -burguesia
     -camponeses e artesãos
     -serviçais

Nesta sociedade havia pouca mobilidade. A sua posição era uma condição
herdada por nascimento e que normalmente era mantida até ao final da sua
vida. Só alguns burgueses ascendiam à nobreza: constituíam a nobreza de
toga (que não era hereditário)
Define absolutismo:
    Os monarcas passaram a concentrar em si todos os poderes, afirmando uma
 autoridade total e absoluta. Por isso se chamou a este regime político absolutismo
                                         régio.
  Para o Rei de França Luís XIV, cujo modelo foi imitado por muitos monarcas, esse
poder absoluto baseava-se num direito divino: o monarca considerava que recebera o
   seu poder de Deus e por isso tinha que prestar contas das suas ações senão ao
  próprio Deus. Era ele quem decidia, com a sua razão e a sua vontade, qual era o
                                  interesse do Estado.


                                                                   Legislativo;
                         O rei concentrava por isso, o poder:      executivo;
                                                                   judicial




  Em que consiste a política económica mercantilista:
 As medidas mercantilistas tinham como objetivo defender os interesses económicos
  nacionais. Segundo o mercantilismo, a riqueza de um país estava na quantidade de
dinheiro (metais preciosos) que nele existisse. A melhor maneira de isto acontecer era
através das trocas comerciais com o estrangeiro (se o valor das exportações for maior
    do que o valor das importações entraria mais dinheiro no país do que saía). Era
necessário conseguir um saldo positivo na balança comercial, o Estado deveria intervir
              na economia protegendo o comércio e a indústria do país.
Indica as medidas de Colbert
    Colbert (ministro de Luís XIV) aplicou a política protecionista através das
                               seguintes medidas:
                    oIsentou de impostos os seus produtos;
                           oIncentivou manufaturas;
                            oConcedeu monopólios;
              oLimitou as importações de produtos estrangeiros;
                        oCriou companhias de comércio

Descreve a dependência de Portugal face ao comércio
                     colonial
   A riqueza do país dependia dos tráfegos comerciais. Beneficiado do exclusivo
 colonial, os mercados portugueses traziam açúcar, tabaco, especiarias e outros
   produtos das colónias para a metrópole que depois eram exportados para a
  Europa. Da metrópole exportava-se sal, azeite, vinho, etc. Era a venda de tudo
isso que permitia o equilíbrio da balança comercial. Portugal importava produtos
                              como trigo, têxteis, etc.
   Começou, mais tarde, a haver uma grande concorrência que fez com que se
                       instalasse uma grave crise comercial.

Indica as medidas mercantilistas do Conde da Ericeira
 O Conde de Ericeira decidiu promover a industrialização do País, através de
              medidas protecionistas já aplicadas por Colbert:
                        oFundação de manufaturas;
  oMandou vir do estrangeiro novos equipamentos e técnicos experientes;
                          oConcedeu monopólios;
oPublicou pragmáticas (que proibiam o uso de tecidos de lã e outros artigos de
                      vestuário de origem estrangeira)
Razões para a falência das medidas mercantilistas portuguesas e
           em que consistia o Tratado de Methuen:
Os comerciantes ingleses, em resposta às proibições impostas pelas pragmáticas
 passaram a comprar menos vinho aos portugueses. Os grandes viticultores (que
pertenciam muitas vezes à nobreza) protestaram contra as medidas do Conde da
   Ericeira. A pressão dos interesses da nobreza fundiária (que possuía grandes
    propriedades) e dos comerciantes britânicos fez com que fosse assinado o
                                Tratado de Methuen.
    O Tratado de Methuen afirmava que Portugal se comprometia a aceitar os
 lanifícios ingleses, em troca dos ingleses reduzirem as taxas alfandegárias sobre
  os vinhos portugueses, facilitando a venda no mercado britânico. No entanto,
  Portugal estava a prejudicar a sua nova indústria. (foi também positivo pois os
     viticultores expandiram e melhoraram a produção originando um valioso
                       produto de exportação: vinho do Porto)
    O ouro começou a chegar do Brasil (de Minas Gerais) e mais tarde também
apareceram minas de diamantes. Com a abundância de metal precioso acabaram
  os entraves à importação de produtos estrangeiros. Em Portugal, a abundância
        da moeda dinamizou o comércio interno e externo. Houve também
 consequências negativas: a corrida do ouro provocou uma forte emigração para
  a região de Minas Gerais, enfraquecendo a produção agrícola brasileira. Outra
   consequência foi causado pelos governantes que reduziram as preocupações
          mercantilistas que deixou o país mais dependente da Inglaterra.
Distingue a nobreza portuguesa do período do Antigo Regime:

   A nobreza portuguesa era muito numerosa e abrangia diversos escalões. No
  topo situava-se a nobreza da corte: restrita e poderosa, de origem fidalga (de
   sangue) que incluía grandes titulares (duques, marqueses e condes) e à qual
      estavam reservados os grandes cargos do reino. Pertencendo também à
    fidalguia, mas com menos poder, a nobreza de província que vivia nos seus
solares. Por último a nobreza de serviços (nobreza de toga) que tinha enobrecido
                          pela prática de cargos públicos.




     Caracteriza a arte barroca: arquitetura, pintura e escultura
A arte barroca apesar de apresentar características renascentistas, distingue-se
                       devido a algumas características:
                           oGosto pelo movimento;
                      oEspetacularidade e faustosidade;
                          oExpressão de sentimento;
                           oDecoração sumptuosa;
                              oIlusões de óptica
Caracteriza a arte barroca: arquitetura, pintura e escultura
                                      Pintura:
              oPintura em trompe l’oeil, aplicada em paredes e tetos;
                              oUso de cores quentes;
       oRecurso a jogos de luz e sombras para realçar emoções e dar ilusões;
                    oComposição com numerosas personagens;
                       oAtitudes movimentadas e irracionais;
   Os pintores mais representativos são Rubens; Rembrandt; Vermeer, Velázquez,
                           Caravaggio, Josefa de Óbidos.

                                   Arquitetura:
                         oForma ondulante das paredes;
                                oCurvas irracionais;
                         oRelações livres das dimensões;
                                 oOrdem colossal;
                              oExagero ornamental;
Os arquitetos mais representativos são Gian Bernini, Francesco Borromini e Piero da
                                     Cortona

                          A arquitetura recorre ao uso de:
                     oColunas, frisos, frontões, arcos e cúpulas;
                   oCurvas e contracurvas e nichos nas fachadas;
            oBaixo-relevo, pintura, mosaicos, mármores e talha dourada;
                    oDecoração abundante e relevos supérfluos.

                                      Escultura:
Procura-se explorar o dramatismo das figuras, pretende-se suscitar os sentimentos do
                                     observador:
                                    oMovimento;
                         oExpressão de sentimentos fortes;
                               oIntenso dramatismo;
                            oExpressões faciais teatrais;
                      oDestaque das características individuais;
                        oVolume: grande exagero das formas
                    O escultor mais representativo é Gian Bernini
Define despotismo esclarecido:

Despotismo esclarecido era uma conceção política, segundo a qual o monarca deveria
exercer um poder absoluto mas orientado ou “esclarecido” pela razão, para o bem do
                    povo. (defendido por Marquês de Pombal)




  As medidas para reforçar o aparelho de Estado propostas por
               Sebastião José Carvalho e Melo:
   Marquês de Pombal para reforçar o aparelho do estado criou organismos que
              controlavam a administração e as atividades do reino:
            oO Erasmo Régio: que superintendia nas finanças públicas;
         oA Junta de Comércio: que orientava as atividades económicas;
           oA Real Mesa Censória: encarregada de vigiar as publicações;
  oO Colégio dos Nobres: destinado à formação dos quadros da nobreza que iriam
                                 servir o estado;
      oLimitou o poder da Inquisição: transformando-o num tribunal público.


Que medidas económicas implementou o Marquês de Pombal?
    O Marquês de Pombal tentou fortalecer os setores tradicionais da economia,
formando grandes companhias monopolista. Fundou companhias de comércio para o
 Brasil. Para controlar a produção e comércio do vinho do Porto instituiu a poderosa
                         Companhia das Vinhas do Alto Douro.
Quando se deu a quebra de produção de ouro brasileiro o Marquês teve de adotar um
   intenso programa de industrialização: através da concessão de monopólios, de
subsídios e de isenções de impostos, reorganizou a produção existente e promoveu a
                               criação de manufaturas.
Associa a cada cientista a respetiva ciência/ descoberta

                  Descartes…….álgebra e geometria analítica
                 Galileu…… leis do movimento e astronomia
                   Newton….. Teoria da gravitação universal
              Pascal e Torricelli…..estudar a pressão atmosférica
      Harvey….existência da grande circulação do sangue e vasos capilares
                         Lavoisier.... Bases da química
  Refere os ideais iluministas que procuram criar rutura com a
                              época:
   Diderot (filósofo) e D’Alembert (matemático) : promoveram a publicação da
Enciclopédia (onde se procurava fazer a síntese dos conhecimentos humanos, de
   acordo com os ideias iluministas: a enciclopédia defendia que tinha chegado
   altura do progresso se estender à política, através da afirmação da liberdade
                                      individual);
    Voltaire: defendeu a tolerância religiosa e criticou o clero católico, a quem
            acusava de ser responsável pela ignorância das populações.
 Montesquieu (filósofo): na sua obra “O Espírito das Leis” inspirado pelas ideias
      do inglês Lock e pelo parlamentarismo britânico defendeu a doutrina da
 separação dos poderes, com a consequente limitação do poder régio. O poder
 legislativo (isto é, o poder de fazer as leis) devia ser atribuído a um Parlamento
em que os deputados são eleitos por cidadãos; o rei e os ministros têm apenas o
  poder executivo (poder de aplicar leis); o poder judicial (poder de julgar quem
                         não cumpre as leis) pertence a juízes.
 Rosseau (filósofo): defensor da liberdade e da igualdade de direitos de todos os
cidadãos, defende também no seu livro “O Contrato Social”, o ponto de vista de
      que a soberania (poder de dirigir a sociedade) cabia ao povo (soberania
     popular). O povo, por sua vez delegava esse poder nos seus governantes.
                 Todas estas ideias constituem o liberalismo político.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeSusana Simões
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesaJanayna Lira
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medievalcattonia
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismocattonia
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regimecattonia
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoCarla Teixeira
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrialjoana71
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americanacattonia
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorialSusana Simões
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O IluminismoRui Neto
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)Andreia Pacheco
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4Vítor Santos
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítimacattonia
 

Mais procurados (20)

A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo RégioApresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Parlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglêsParlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglês
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Renascimento Comercial
Renascimento ComercialRenascimento Comercial
Renascimento Comercial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
 

Destaque

Absolutismo Monárquico e Iluminismo
Absolutismo Monárquico e IluminismoAbsolutismo Monárquico e Iluminismo
Absolutismo Monárquico e IluminismoValéria Shoujofan
 
Absolutismo e Iluminismo
Absolutismo e Iluminismo   Absolutismo e Iluminismo
Absolutismo e Iluminismo pdcebs
 
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuUnidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuVítor Santos
 
Civilização Greco-Romana - Atenas e Esparta
Civilização Greco-Romana - Atenas e EspartaCivilização Greco-Romana - Atenas e Esparta
Civilização Greco-Romana - Atenas e EspartaLuiz Valentim
 
Atividades sobre o iluminismo
Atividades sobre o iluminismoAtividades sobre o iluminismo
Atividades sobre o iluminismoAlcineia Pires
 
1 teste diagnóstico - mercantilismo, absolutismo, iluminismo e reforma
1   teste diagnóstico  - mercantilismo, absolutismo, iluminismo e reforma1   teste diagnóstico  - mercantilismo, absolutismo, iluminismo e reforma
1 teste diagnóstico - mercantilismo, absolutismo, iluminismo e reformaSandra Bolinhas
 
O Despotismo Pombalino
O  Despotismo  PombalinoO  Despotismo  Pombalino
O Despotismo PombalinoRui Neto
 
Iluminismo resumo
Iluminismo resumoIluminismo resumo
Iluminismo resumoMister B
 
A crise do antigo regime o iluminismo
A crise do antigo regime   o iluminismoA crise do antigo regime   o iluminismo
A crise do antigo regime o iluminismomartinha10
 
Economia do Antigo Regime
Economia do Antigo RegimeEconomia do Antigo Regime
Economia do Antigo RegimeSusana Simões
 

Destaque (20)

Absolutismo Monárquico e Iluminismo
Absolutismo Monárquico e IluminismoAbsolutismo Monárquico e Iluminismo
Absolutismo Monárquico e Iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Absolutismo e Iluminismo
Absolutismo e Iluminismo   Absolutismo e Iluminismo
Absolutismo e Iluminismo
 
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuUnidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Civilização Greco-Romana - Atenas e Esparta
Civilização Greco-Romana - Atenas e EspartaCivilização Greco-Romana - Atenas e Esparta
Civilização Greco-Romana - Atenas e Esparta
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Atividades sobre o iluminismo
Atividades sobre o iluminismoAtividades sobre o iluminismo
Atividades sobre o iluminismo
 
1 teste diagnóstico - mercantilismo, absolutismo, iluminismo e reforma
1   teste diagnóstico  - mercantilismo, absolutismo, iluminismo e reforma1   teste diagnóstico  - mercantilismo, absolutismo, iluminismo e reforma
1 teste diagnóstico - mercantilismo, absolutismo, iluminismo e reforma
 
O Despotismo Pombalino
O  Despotismo  PombalinoO  Despotismo  Pombalino
O Despotismo Pombalino
 
Antigo regime 2
Antigo regime 2Antigo regime 2
Antigo regime 2
 
Atividades Iluminismo
Atividades   IluminismoAtividades   Iluminismo
Atividades Iluminismo
 
Iluminismo resumo
Iluminismo resumoIluminismo resumo
Iluminismo resumo
 
O iluminismo e a sociedade
O iluminismo e a sociedadeO iluminismo e a sociedade
O iluminismo e a sociedade
 
historia iluminismo
historia iluminismohistoria iluminismo
historia iluminismo
 
A crise do antigo regime o iluminismo
A crise do antigo regime   o iluminismoA crise do antigo regime   o iluminismo
A crise do antigo regime o iluminismo
 
Economia do Antigo Regime
Economia do Antigo RegimeEconomia do Antigo Regime
Economia do Antigo Regime
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 

Semelhante a Caracteriza a sociedade do Antigo Regime

ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCOABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCOosemprefixe
 
Resumo De História do 8º Ano
Resumo De História do 8º AnoResumo De História do 8º Ano
Resumo De História do 8º AnoDenis Best
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVCarlos Vieira
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Susana Simões
 
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régioO romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régiofilomena morais
 
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordensAbsolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordenshome
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimeCarlos Pinheiro
 
O antigo regime: regra e exceção
O antigo regime: regra e exceçãoO antigo regime: regra e exceção
O antigo regime: regra e exceçãoZé Mário
 
Formação dos estados nacionais 1
Formação dos estados nacionais 1Formação dos estados nacionais 1
Formação dos estados nacionais 1Jorge Basílio
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoMaria Luiza
 
Idade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e ArteIdade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e ArteJoão Lima
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoBeatrizMarques25
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xivcattonia
 
A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)historiajovem2011
 
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdfHCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdfsabinachourico
 

Semelhante a Caracteriza a sociedade do Antigo Regime (20)

ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCOABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
 
Absolutismo 8
Absolutismo 8Absolutismo 8
Absolutismo 8
 
Resumo De História do 8º Ano
Resumo De História do 8º AnoResumo De História do 8º Ano
Resumo De História do 8º Ano
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
 
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régioO romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
 
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordensAbsolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
 
O antigo regime: regra e exceção
O antigo regime: regra e exceçãoO antigo regime: regra e exceção
O antigo regime: regra e exceção
 
história(2).pdf
história(2).pdfhistória(2).pdf
história(2).pdf
 
Formação dos estados nacionais 1
Formação dos estados nacionais 1Formação dos estados nacionais 1
Formação dos estados nacionais 1
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
 
O Antigo Regime.
O Antigo Regime.O Antigo Regime.
O Antigo Regime.
 
Idade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e ArteIdade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e Arte
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºano
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
ROMANOS.pptx
ROMANOS.pptxROMANOS.pptx
ROMANOS.pptx
 
A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)
 
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdfHCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
 

Mais de inessalgado

Lírica de Camões
Lírica de CamõesLírica de Camões
Lírica de Camõesinessalgado
 
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forçasSegurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forçasinessalgado
 
Orações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadasOrações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadasinessalgado
 
Texto poético: características
Texto poético: característicasTexto poético: características
Texto poético: característicasinessalgado
 
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"inessalgado
 
Gestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursosGestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursosinessalgado
 
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e LiberaisRevoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberaisinessalgado
 
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...inessalgado
 
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breynerinessalgado
 
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá" "O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá" inessalgado
 
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner "Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner inessalgado
 
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIPortugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIinessalgado
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasinessalgado
 
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu inessalgado
 
Célula, unidade de vida
Célula, unidade de vidaCélula, unidade de vida
Célula, unidade de vidainessalgado
 
A publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notíciaA publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notíciainessalgado
 
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocioEspañol: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocioinessalgado
 
Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)inessalgado
 
Erosão fluvial
 Erosão fluvial Erosão fluvial
Erosão fluvialinessalgado
 

Mais de inessalgado (20)

Lírica de Camões
Lírica de CamõesLírica de Camões
Lírica de Camões
 
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forçasSegurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
 
Orações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadasOrações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadas
 
Texto poético: características
Texto poético: característicasTexto poético: características
Texto poético: características
 
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
 
Gestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursosGestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursos
 
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e LiberaisRevoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
 
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
 
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
 
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá" "O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
 
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner "Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
 
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIPortugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
 
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
 
Célula, unidade de vida
Célula, unidade de vidaCélula, unidade de vida
Célula, unidade de vida
 
A publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notíciaA publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notícia
 
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocioEspañol: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
 
Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)
 
Materiais
MateriaisMateriais
Materiais
 
Erosão fluvial
 Erosão fluvial Erosão fluvial
Erosão fluvial
 

Caracteriza a sociedade do Antigo Regime

  • 1. Caracteriza a sociedade do Antigo Regime O Antigo regime caracterizava-se por uma economia baseada na agricultura e nos tráfegos comerciais, assim como uma sociedade fortemente estratificada que era dominada pelos grupos privilegiados e poder absoluto do rei. A maior parte da população vivia da agricultura (as terras estavam sujeitas a um regime senhorial e por isso os camponeses tinham de pagar taxas e tinham muitas obrigações), usavam ainda técnicas de cultivo rudimentares e era portanto difícil manter a subsistência. A fome e a peste eram frequentes causando grande mortalidade. No entanto, em muitas cidades havia um intenso dinamismo económico devido à expansão do grande comércio. Sociedade do Antigo Regime estratificada e hierarquizada: Rei As duas primeiras ordens eram privilegiadas: -o clero não pagava impostos, recebia a dízima e dispunha de tribunal próprio; -a nobreza recebia a maior parte dos impostos e tinha Clero acesso aos cargos superiores da corte, do exército e da Igreja; O terceiro estado era a ordem não privilegiada: -burguesia (comerciantes, homens letrados) que Nobreza podiam atingir um alto nível de riqueza ou cultura; -artesãos, camponeses; -serviçais Terceiro estado/ povo : -burguesia -camponeses e artesãos -serviçais Nesta sociedade havia pouca mobilidade. A sua posição era uma condição herdada por nascimento e que normalmente era mantida até ao final da sua vida. Só alguns burgueses ascendiam à nobreza: constituíam a nobreza de toga (que não era hereditário)
  • 2. Define absolutismo: Os monarcas passaram a concentrar em si todos os poderes, afirmando uma autoridade total e absoluta. Por isso se chamou a este regime político absolutismo régio. Para o Rei de França Luís XIV, cujo modelo foi imitado por muitos monarcas, esse poder absoluto baseava-se num direito divino: o monarca considerava que recebera o seu poder de Deus e por isso tinha que prestar contas das suas ações senão ao próprio Deus. Era ele quem decidia, com a sua razão e a sua vontade, qual era o interesse do Estado. Legislativo; O rei concentrava por isso, o poder: executivo; judicial Em que consiste a política económica mercantilista: As medidas mercantilistas tinham como objetivo defender os interesses económicos nacionais. Segundo o mercantilismo, a riqueza de um país estava na quantidade de dinheiro (metais preciosos) que nele existisse. A melhor maneira de isto acontecer era através das trocas comerciais com o estrangeiro (se o valor das exportações for maior do que o valor das importações entraria mais dinheiro no país do que saía). Era necessário conseguir um saldo positivo na balança comercial, o Estado deveria intervir na economia protegendo o comércio e a indústria do país.
  • 3. Indica as medidas de Colbert Colbert (ministro de Luís XIV) aplicou a política protecionista através das seguintes medidas: oIsentou de impostos os seus produtos; oIncentivou manufaturas; oConcedeu monopólios; oLimitou as importações de produtos estrangeiros; oCriou companhias de comércio Descreve a dependência de Portugal face ao comércio colonial A riqueza do país dependia dos tráfegos comerciais. Beneficiado do exclusivo colonial, os mercados portugueses traziam açúcar, tabaco, especiarias e outros produtos das colónias para a metrópole que depois eram exportados para a Europa. Da metrópole exportava-se sal, azeite, vinho, etc. Era a venda de tudo isso que permitia o equilíbrio da balança comercial. Portugal importava produtos como trigo, têxteis, etc. Começou, mais tarde, a haver uma grande concorrência que fez com que se instalasse uma grave crise comercial. Indica as medidas mercantilistas do Conde da Ericeira O Conde de Ericeira decidiu promover a industrialização do País, através de medidas protecionistas já aplicadas por Colbert: oFundação de manufaturas; oMandou vir do estrangeiro novos equipamentos e técnicos experientes; oConcedeu monopólios; oPublicou pragmáticas (que proibiam o uso de tecidos de lã e outros artigos de vestuário de origem estrangeira)
  • 4. Razões para a falência das medidas mercantilistas portuguesas e em que consistia o Tratado de Methuen: Os comerciantes ingleses, em resposta às proibições impostas pelas pragmáticas passaram a comprar menos vinho aos portugueses. Os grandes viticultores (que pertenciam muitas vezes à nobreza) protestaram contra as medidas do Conde da Ericeira. A pressão dos interesses da nobreza fundiária (que possuía grandes propriedades) e dos comerciantes britânicos fez com que fosse assinado o Tratado de Methuen. O Tratado de Methuen afirmava que Portugal se comprometia a aceitar os lanifícios ingleses, em troca dos ingleses reduzirem as taxas alfandegárias sobre os vinhos portugueses, facilitando a venda no mercado britânico. No entanto, Portugal estava a prejudicar a sua nova indústria. (foi também positivo pois os viticultores expandiram e melhoraram a produção originando um valioso produto de exportação: vinho do Porto) O ouro começou a chegar do Brasil (de Minas Gerais) e mais tarde também apareceram minas de diamantes. Com a abundância de metal precioso acabaram os entraves à importação de produtos estrangeiros. Em Portugal, a abundância da moeda dinamizou o comércio interno e externo. Houve também consequências negativas: a corrida do ouro provocou uma forte emigração para a região de Minas Gerais, enfraquecendo a produção agrícola brasileira. Outra consequência foi causado pelos governantes que reduziram as preocupações mercantilistas que deixou o país mais dependente da Inglaterra.
  • 5. Distingue a nobreza portuguesa do período do Antigo Regime: A nobreza portuguesa era muito numerosa e abrangia diversos escalões. No topo situava-se a nobreza da corte: restrita e poderosa, de origem fidalga (de sangue) que incluía grandes titulares (duques, marqueses e condes) e à qual estavam reservados os grandes cargos do reino. Pertencendo também à fidalguia, mas com menos poder, a nobreza de província que vivia nos seus solares. Por último a nobreza de serviços (nobreza de toga) que tinha enobrecido pela prática de cargos públicos. Caracteriza a arte barroca: arquitetura, pintura e escultura A arte barroca apesar de apresentar características renascentistas, distingue-se devido a algumas características: oGosto pelo movimento; oEspetacularidade e faustosidade; oExpressão de sentimento; oDecoração sumptuosa; oIlusões de óptica
  • 6. Caracteriza a arte barroca: arquitetura, pintura e escultura Pintura: oPintura em trompe l’oeil, aplicada em paredes e tetos; oUso de cores quentes; oRecurso a jogos de luz e sombras para realçar emoções e dar ilusões; oComposição com numerosas personagens; oAtitudes movimentadas e irracionais; Os pintores mais representativos são Rubens; Rembrandt; Vermeer, Velázquez, Caravaggio, Josefa de Óbidos. Arquitetura: oForma ondulante das paredes; oCurvas irracionais; oRelações livres das dimensões; oOrdem colossal; oExagero ornamental; Os arquitetos mais representativos são Gian Bernini, Francesco Borromini e Piero da Cortona A arquitetura recorre ao uso de: oColunas, frisos, frontões, arcos e cúpulas; oCurvas e contracurvas e nichos nas fachadas; oBaixo-relevo, pintura, mosaicos, mármores e talha dourada; oDecoração abundante e relevos supérfluos. Escultura: Procura-se explorar o dramatismo das figuras, pretende-se suscitar os sentimentos do observador: oMovimento; oExpressão de sentimentos fortes; oIntenso dramatismo; oExpressões faciais teatrais; oDestaque das características individuais; oVolume: grande exagero das formas O escultor mais representativo é Gian Bernini
  • 7. Define despotismo esclarecido: Despotismo esclarecido era uma conceção política, segundo a qual o monarca deveria exercer um poder absoluto mas orientado ou “esclarecido” pela razão, para o bem do povo. (defendido por Marquês de Pombal) As medidas para reforçar o aparelho de Estado propostas por Sebastião José Carvalho e Melo: Marquês de Pombal para reforçar o aparelho do estado criou organismos que controlavam a administração e as atividades do reino: oO Erasmo Régio: que superintendia nas finanças públicas; oA Junta de Comércio: que orientava as atividades económicas; oA Real Mesa Censória: encarregada de vigiar as publicações; oO Colégio dos Nobres: destinado à formação dos quadros da nobreza que iriam servir o estado; oLimitou o poder da Inquisição: transformando-o num tribunal público. Que medidas económicas implementou o Marquês de Pombal? O Marquês de Pombal tentou fortalecer os setores tradicionais da economia, formando grandes companhias monopolista. Fundou companhias de comércio para o Brasil. Para controlar a produção e comércio do vinho do Porto instituiu a poderosa Companhia das Vinhas do Alto Douro. Quando se deu a quebra de produção de ouro brasileiro o Marquês teve de adotar um intenso programa de industrialização: através da concessão de monopólios, de subsídios e de isenções de impostos, reorganizou a produção existente e promoveu a criação de manufaturas.
  • 8. Associa a cada cientista a respetiva ciência/ descoberta Descartes…….álgebra e geometria analítica Galileu…… leis do movimento e astronomia Newton….. Teoria da gravitação universal Pascal e Torricelli…..estudar a pressão atmosférica Harvey….existência da grande circulação do sangue e vasos capilares Lavoisier.... Bases da química Refere os ideais iluministas que procuram criar rutura com a época: Diderot (filósofo) e D’Alembert (matemático) : promoveram a publicação da Enciclopédia (onde se procurava fazer a síntese dos conhecimentos humanos, de acordo com os ideias iluministas: a enciclopédia defendia que tinha chegado altura do progresso se estender à política, através da afirmação da liberdade individual); Voltaire: defendeu a tolerância religiosa e criticou o clero católico, a quem acusava de ser responsável pela ignorância das populações. Montesquieu (filósofo): na sua obra “O Espírito das Leis” inspirado pelas ideias do inglês Lock e pelo parlamentarismo britânico defendeu a doutrina da separação dos poderes, com a consequente limitação do poder régio. O poder legislativo (isto é, o poder de fazer as leis) devia ser atribuído a um Parlamento em que os deputados são eleitos por cidadãos; o rei e os ministros têm apenas o poder executivo (poder de aplicar leis); o poder judicial (poder de julgar quem não cumpre as leis) pertence a juízes. Rosseau (filósofo): defensor da liberdade e da igualdade de direitos de todos os cidadãos, defende também no seu livro “O Contrato Social”, o ponto de vista de que a soberania (poder de dirigir a sociedade) cabia ao povo (soberania popular). O povo, por sua vez delegava esse poder nos seus governantes. Todas estas ideias constituem o liberalismo político.