SlideShare uma empresa Scribd logo
Acadêmicas: Alana Cozer Marchesi
            Bárbara Hubner Pereira
            Kátia A. Aguiar Salazar
• Pressão arterial: dividida em sistólica e diastólica.


• Pressão arterial sistólica

  É representada pelo força exercida pelo sangue para
  vencer a pressão no leito arterial e provocar a
  distensão das artérias, para que o sangue ejetado
  para o ventrículo esquerdo vá para circulação.
• Pressão arterial diastólica:

  É representada pela força final exercida entre a
  parede das artérias voltando ao seu tamanho inicial
  e o sangue presente dentro impedindo esse retorno.
PA = DC x RPT


• Débito Cardíaco
• Resistência Periférica
• Elasticidade da parede de grandes vasos
• Volemia
• Viscosidade Sangüinea
• DEFINIÇÃO:
  Condição clínica multifatorial caracterizada por
  níveis elevados e sustentados de PA.


  Associada à: alterações funcionais e/ou estruturais dos
  órgãos-alvo (coração, encéfalo, rins e vasos sanguíneos) e
  alterações metabólicas (aumento do rsco cardiovascular fatal
  e não-fatal).
Classificação                   Pressão sistólica   Pressão diastólica



Ótima                                <120                  <80


Normal                               <130                  <85



Limítrofe                           130-139               85-89


Hipertensão estágio 1               140-159               90-99



Hipertensão estágio 2               160-179             100-109


Hipertensão estágio 3                 >180                >110



Hipertensão sistólica isolada        >140                  <90
•   Idade: prevalência de 60% em pessoas acima de 65 anos.

•   Gênero e etnia: a HAS é duas vezes mais prevalente em indivíduos de cor não-
    branca, com predomínio em mulheres negras.

•   Excesso de peso e obesidade: está associada a maior prevalência de HAS desde
    idades jovens.

•   Ingestão de sal: a ingesta excessiva de sódio tem sido correlacionada com
    elevação da PA.

•   Ingestão de álcool: em períodos prolongados de tempo pode aumentar a PA e a
    mortalidade cardiovascular.

•   Sedentarismo: a atividade física reduz a incidência de HAS.

•   Fatores socioeconômicos.

•   Genética.
• Urgência Hipertensiva

• Emergência Hipertensiva
• DEFINIÇÃO:

  É a elevação crítica da pressão arterial, em geral PAD
  > 120mmHg, porém com estabilidade clínica, sem
     120mmHg
  comprometimento de órgãos-alvo.
• Acidentes vasculares encefálicos e coronarianos
  podem ser ocasionados devido a dificuldade em
  controlar o ritmo e o grau de redução da PA,
  principalmente se muito intensa.

• Estes pacientes estão expostos a maior risco de
  eventos cardiovasculares.
TRATAMENTO:

 Medicamentos por via oral, buscando a redução da
 pressão arterial em até 24 horas.
• DEFINIÇÃO:

 É a elevação crítica da pressão arterial com quadro
 clínico grave, progressiva lesão de órgão-alvo e risco
 de morte, exigindo imediata redução da PA com
      morte
 medicamentos por via parenteral.
• Elevação abrupta da PA:

 Cérebro
- perda da auto- regulação do fluxo sanguíneo e
  evidências de lesão vascular.
- Quadro clínico: encefelopatia hipertensiva, lesões
  hemorrágicas dos vasos da retina e papiledema.
Podem estar associadas à:

-    acidente vascular encefálico;
-    edema agudo de pulmão;
-    síndromes isquêmicas miocárdicas agudas;
-    dissecção aguda da aorta.


    RISCO IMINENTE DE MORTE OU DE LESÃO ORGÂNICA GRAVE
Terapia inicial:

• O paciente deve ser admitido na unidade de terapia
  intensiva;

• Ter bom acesso venoso;

• Estabelecer monitorização permanente da pressão
  arterial e baixar os níveis tensionais o mais rápido
  possível com drogas parenterais;

• Droga de escolha: NITROPRUSSIATO DE SÓDIO
Terapia inicial:

NITROPRUSSIATO DE SÓDIO

•   Ação farmacológica: vasodilatador arterial e venoso - redistribui o fluxo
    sanguíneo para as áreas isquêmicas.
    Não possui efeito sobre o sistema nervoso autônomo ou central.

•   Possui ação extremamente rápida e facilidade de manejo;

•   Dose inicial recomendada: 0,25 μg/kg/min(1) infusão IV com bomba de
    infusão;

•   O efeito anti-hipertensivo do nitroprussiato desaparece dentro de poucos
    minutos após a interrupção da medicação.
Terapia Crônica:

• Depois de obtida a redução imediata da PA (mesmo que não
  tenha os níveis tensionais na faixa da normalidade) deve-se
  iniciar terapia anti-hipertensiva de manutenção (terapia
  crônica) e interromper a medicação parenteral;

•    Isso reduz tanto o risco de intoxicação pelo nitroprussiato de
    sódio como o tempo na unidade de terapia intensiva e no
    próprio hospital.
• À medida em que se obtém sucesso com a terapia crônica, a
  infusão do nitroprussiato pode ser descontinuada
  progressivamente, desde que os níveis pressóricos diastólicos
  não ultrapassem níveis de 120 mmHg, ou que o paciente não
  apresente sinal ou sintoma de crise hipertensiva.

• Medicamentos utilizados na terapia crônica por via oral:
           - Captopril (inibidor da ECA)
           - Nifedipina (benzotiazepina)
           - Clonidina (agonista alfa-2-adrenérgico)
•   VI Diretriz de Hipertensão Arterial. Disponível em:
    http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2010/Diretriz_hipertensao_associados.p

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterial
Walquiria Dutra
 
Drogas utilizadas em terapia intensiva cardiológica
Drogas utilizadas em terapia intensiva cardiológicaDrogas utilizadas em terapia intensiva cardiológica
Drogas utilizadas em terapia intensiva cardiológica
Paulo Sérgio
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
resenfe2013
 
Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterial
ivanaferraz
 
Hipertensão
Hipertensão Hipertensão
Hipertensão
Nome Sobrenome
 
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológicaCuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
resenfe2013
 
TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017
TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017
TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017
WALFRIDO Farias Gomes
 
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
angelitamelo
 
HAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
HAS - Hipertensão Arterial SistêmicaHAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
HAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
Marcelo Nascimento
 
Hipertensão - Professor Robson
Hipertensão - Professor RobsonHipertensão - Professor Robson
Hipertensão - Professor Robson
Professor Robson
 
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativasAssistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
resenfe2013
 
Fisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitusFisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitus
Eduarda P.
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
Fernanda Marinho
 
AVC Isquemico
AVC IsquemicoAVC Isquemico
AVC Isquemico
ctisaolucascopacabana
 
Caderno Atenção Básica Nº 15 Hipertensão Arterial Sistêmica
Caderno Atenção Básica  Nº 15 Hipertensão Arterial SistêmicaCaderno Atenção Básica  Nº 15 Hipertensão Arterial Sistêmica
Caderno Atenção Básica Nº 15 Hipertensão Arterial Sistêmica
Professor Robson
 
Palestra has e dm
Palestra has e dmPalestra has e dm
Palestra has e dm
clinicansl
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
resenfe2013
 
Diabetes mine curso insulinoterapia
Diabetes mine curso insulinoterapiaDiabetes mine curso insulinoterapia
Diabetes mine curso insulinoterapia
Berenice Cristina Silva Cristina
 
Trabalho hipertensão arterial 1
Trabalho   hipertensão arterial 1Trabalho   hipertensão arterial 1
Trabalho hipertensão arterial 1
R.C.T
 
Hipertensao arterial
Hipertensao arterialHipertensao arterial
Hipertensao arterial
Ellen Santos
 

Mais procurados (20)

Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterial
 
Drogas utilizadas em terapia intensiva cardiológica
Drogas utilizadas em terapia intensiva cardiológicaDrogas utilizadas em terapia intensiva cardiológica
Drogas utilizadas em terapia intensiva cardiológica
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterial
 
Hipertensão
Hipertensão Hipertensão
Hipertensão
 
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológicaCuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
 
TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017
TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017
TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017
 
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
 
HAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
HAS - Hipertensão Arterial SistêmicaHAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
HAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
 
Hipertensão - Professor Robson
Hipertensão - Professor RobsonHipertensão - Professor Robson
Hipertensão - Professor Robson
 
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativasAssistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
 
Fisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitusFisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitus
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
AVC Isquemico
AVC IsquemicoAVC Isquemico
AVC Isquemico
 
Caderno Atenção Básica Nº 15 Hipertensão Arterial Sistêmica
Caderno Atenção Básica  Nº 15 Hipertensão Arterial SistêmicaCaderno Atenção Básica  Nº 15 Hipertensão Arterial Sistêmica
Caderno Atenção Básica Nº 15 Hipertensão Arterial Sistêmica
 
Palestra has e dm
Palestra has e dmPalestra has e dm
Palestra has e dm
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Diabetes mine curso insulinoterapia
Diabetes mine curso insulinoterapiaDiabetes mine curso insulinoterapia
Diabetes mine curso insulinoterapia
 
Trabalho hipertensão arterial 1
Trabalho   hipertensão arterial 1Trabalho   hipertensão arterial 1
Trabalho hipertensão arterial 1
 
Hipertensao arterial
Hipertensao arterialHipertensao arterial
Hipertensao arterial
 

Destaque

Emergencia hipertensiva
Emergencia hipertensivaEmergencia hipertensiva
Emergencia hipertensiva
vicangdel
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
alimentacao
 
Doenças da aorta
Doenças da aortaDoenças da aorta
Doenças da aorta
dapab
 
Icc
IccIcc
0416 emergências hipertensivas - Marion
0416 emergências hipertensivas - Marion0416 emergências hipertensivas - Marion
0416 emergências hipertensivas - Marion
laiscarlini
 
Crisis hipertensiva
Crisis hipertensivaCrisis hipertensiva
Crisis hipertensiva
jorgeleosalazar
 
Emergência hipertensiva
Emergência hipertensivaEmergência hipertensiva
Emergência hipertensiva
Alany Silva
 
Apresentacao hipotensao arterial
Apresentacao hipotensao arterialApresentacao hipotensao arterial
Apresentacao hipotensao arterial
ANDREA FALLEIRO
 
Crisis hipertensivas
Crisis hipertensivasCrisis hipertensivas
Crisis hipertensivas
Carlos Gonzalez Andrade
 
Urgência e emergências cardiovasculares
Urgência e emergências cardiovascularesUrgência e emergências cardiovasculares
Urgência e emergências cardiovasculares
judicleia silva
 
Exposição 05 Competências da Rede Hospitalar 2
Exposição 05 Competências da Rede Hospitalar 2Exposição 05 Competências da Rede Hospitalar 2
Exposição 05 Competências da Rede Hospitalar 2
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Protocolo manejo dos quadros hipertensivos na gestação pp
Protocolo manejo dos quadros hipertensivos na gestação ppProtocolo manejo dos quadros hipertensivos na gestação pp
Protocolo manejo dos quadros hipertensivos na gestação pp
tvf
 
Disseccao de aorta
Disseccao de aortaDisseccao de aorta
Disseccao de aorta
Leonardo Bax
 
Doenças da aorta
Doenças da aortaDoenças da aorta
Doenças da aorta
Paulo Prates
 
Glomerulopatias - para alunos medicina
Glomerulopatias - para alunos medicinaGlomerulopatias - para alunos medicina
Glomerulopatias - para alunos medicina
PUCPR
 
Crisis hipertensiva - Urgencias y emergencias hipertensivas
Crisis hipertensiva - Urgencias y emergencias hipertensivas Crisis hipertensiva - Urgencias y emergencias hipertensivas
Crisis hipertensiva - Urgencias y emergencias hipertensivas
keisy PS
 
Apresentação eclampsia
Apresentação eclampsiaApresentação eclampsia
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva MuñozSemiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Revisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão ArterialRevisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão Arterial
Cassyano Correr
 
Patologia caso clínico (pancreatite aguda)
Patologia   caso clínico (pancreatite aguda)Patologia   caso clínico (pancreatite aguda)
Patologia caso clínico (pancreatite aguda)
Luis Dantas
 

Destaque (20)

Emergencia hipertensiva
Emergencia hipertensivaEmergencia hipertensiva
Emergencia hipertensiva
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
 
Doenças da aorta
Doenças da aortaDoenças da aorta
Doenças da aorta
 
Icc
IccIcc
Icc
 
0416 emergências hipertensivas - Marion
0416 emergências hipertensivas - Marion0416 emergências hipertensivas - Marion
0416 emergências hipertensivas - Marion
 
Crisis hipertensiva
Crisis hipertensivaCrisis hipertensiva
Crisis hipertensiva
 
Emergência hipertensiva
Emergência hipertensivaEmergência hipertensiva
Emergência hipertensiva
 
Apresentacao hipotensao arterial
Apresentacao hipotensao arterialApresentacao hipotensao arterial
Apresentacao hipotensao arterial
 
Crisis hipertensivas
Crisis hipertensivasCrisis hipertensivas
Crisis hipertensivas
 
Urgência e emergências cardiovasculares
Urgência e emergências cardiovascularesUrgência e emergências cardiovasculares
Urgência e emergências cardiovasculares
 
Exposição 05 Competências da Rede Hospitalar 2
Exposição 05 Competências da Rede Hospitalar 2Exposição 05 Competências da Rede Hospitalar 2
Exposição 05 Competências da Rede Hospitalar 2
 
Protocolo manejo dos quadros hipertensivos na gestação pp
Protocolo manejo dos quadros hipertensivos na gestação ppProtocolo manejo dos quadros hipertensivos na gestação pp
Protocolo manejo dos quadros hipertensivos na gestação pp
 
Disseccao de aorta
Disseccao de aortaDisseccao de aorta
Disseccao de aorta
 
Doenças da aorta
Doenças da aortaDoenças da aorta
Doenças da aorta
 
Glomerulopatias - para alunos medicina
Glomerulopatias - para alunos medicinaGlomerulopatias - para alunos medicina
Glomerulopatias - para alunos medicina
 
Crisis hipertensiva - Urgencias y emergencias hipertensivas
Crisis hipertensiva - Urgencias y emergencias hipertensivas Crisis hipertensiva - Urgencias y emergencias hipertensivas
Crisis hipertensiva - Urgencias y emergencias hipertensivas
 
Apresentação eclampsia
Apresentação eclampsiaApresentação eclampsia
Apresentação eclampsia
 
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva MuñozSemiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
 
Revisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão ArterialRevisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão Arterial
 
Patologia caso clínico (pancreatite aguda)
Patologia   caso clínico (pancreatite aguda)Patologia   caso clínico (pancreatite aguda)
Patologia caso clínico (pancreatite aguda)
 

Semelhante a Crise hipertensiva

Crise Hipertensiva
Crise HipertensivaCrise Hipertensiva
Crise Hipertensiva
Andre Kayano
 
HIPERTENSO_ARTERIAL_SISTMICA.pptx
HIPERTENSO_ARTERIAL_SISTMICA.pptxHIPERTENSO_ARTERIAL_SISTMICA.pptx
HIPERTENSO_ARTERIAL_SISTMICA.pptx
CarlaAlves362153
 
Hipertensão primária e secundária
Hipertensão primária e secundáriaHipertensão primária e secundária
Hipertensão primária e secundária
vaineasilva
 
Hipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial SistêmicaHipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial Sistêmica
Denise Selegato
 
HAS - atualizado.pptx
HAS - atualizado.pptxHAS - atualizado.pptx
HAS - atualizado.pptx
NatCordeiroAmorim
 
Cardiologia
CardiologiaCardiologia
Cardiologia
Tiago Leal
 
Enfcardio02
Enfcardio02Enfcardio02
Enfcardio02
Claudio Viegas
 
Transfusao de hemocomponentes_e_hemoderivados
Transfusao de hemocomponentes_e_hemoderivadosTransfusao de hemocomponentes_e_hemoderivados
Transfusao de hemocomponentes_e_hemoderivados
feernandafight
 
Crises hipertensivas
Crises hipertensivasCrises hipertensivas
Crises hipertensivas
Natilla Medicina Funorte
 
Hipertensão-caso clínico,conceito, estrutura anatômica afetada,etiologia,acha...
Hipertensão-caso clínico,conceito, estrutura anatômica afetada,etiologia,acha...Hipertensão-caso clínico,conceito, estrutura anatômica afetada,etiologia,acha...
Hipertensão-caso clínico,conceito, estrutura anatômica afetada,etiologia,acha...
Lana Delly Nascimento
 
Transfusao de hemocomponentes_e_hemoderivados
Transfusao de hemocomponentes_e_hemoderivadosTransfusao de hemocomponentes_e_hemoderivados
Transfusao de hemocomponentes_e_hemoderivados
Eliane Kopchinski
 
SINDROME CORONARIANA AGUDA atualizada
SINDROME CORONARIANA AGUDA atualizadaSINDROME CORONARIANA AGUDA atualizada
SINDROME CORONARIANA AGUDA atualizada
Fabio Nunes NUNES
 
Hipertensão arterial - Bailoni
Hipertensão arterial - BailoniHipertensão arterial - Bailoni
Hipertensão arterial - Bailoni
Telma Brisolla
 
Dor torácica na emergência
Dor torácica na emergênciaDor torácica na emergência
Dor torácica na emergência
Paulo Sérgio
 
Apresentação hipertensão
Apresentação hipertensãoApresentação hipertensão
Apresentação hipertensão
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação hipertensão
Apresentação hipertensãoApresentação hipertensão
Apresentação hipertensão
Sérgio Franco - CDPI
 
Aula 3 Hipertensão arterial.pptx
Aula 3 Hipertensão arterial.pptxAula 3 Hipertensão arterial.pptx
Aula 3 Hipertensão arterial.pptx
HamiltonDeOliveiraMi1
 
Saúde do adulto hipertensão 2012 cópia
Saúde do adulto hipertensão 2012   cópiaSaúde do adulto hipertensão 2012   cópia
Saúde do adulto hipertensão 2012 cópia
jacqueline gil
 
Saúde do adulto hipertensão 2012 cópia
Saúde do adulto hipertensão 2012   cópiaSaúde do adulto hipertensão 2012   cópia
Saúde do adulto hipertensão 2012 cópia
jacqueline gil
 
HipertensãO Arterial
HipertensãO ArterialHipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
lidypvh
 

Semelhante a Crise hipertensiva (20)

Crise Hipertensiva
Crise HipertensivaCrise Hipertensiva
Crise Hipertensiva
 
HIPERTENSO_ARTERIAL_SISTMICA.pptx
HIPERTENSO_ARTERIAL_SISTMICA.pptxHIPERTENSO_ARTERIAL_SISTMICA.pptx
HIPERTENSO_ARTERIAL_SISTMICA.pptx
 
Hipertensão primária e secundária
Hipertensão primária e secundáriaHipertensão primária e secundária
Hipertensão primária e secundária
 
Hipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial SistêmicaHipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial Sistêmica
 
HAS - atualizado.pptx
HAS - atualizado.pptxHAS - atualizado.pptx
HAS - atualizado.pptx
 
Cardiologia
CardiologiaCardiologia
Cardiologia
 
Enfcardio02
Enfcardio02Enfcardio02
Enfcardio02
 
Transfusao de hemocomponentes_e_hemoderivados
Transfusao de hemocomponentes_e_hemoderivadosTransfusao de hemocomponentes_e_hemoderivados
Transfusao de hemocomponentes_e_hemoderivados
 
Crises hipertensivas
Crises hipertensivasCrises hipertensivas
Crises hipertensivas
 
Hipertensão-caso clínico,conceito, estrutura anatômica afetada,etiologia,acha...
Hipertensão-caso clínico,conceito, estrutura anatômica afetada,etiologia,acha...Hipertensão-caso clínico,conceito, estrutura anatômica afetada,etiologia,acha...
Hipertensão-caso clínico,conceito, estrutura anatômica afetada,etiologia,acha...
 
Transfusao de hemocomponentes_e_hemoderivados
Transfusao de hemocomponentes_e_hemoderivadosTransfusao de hemocomponentes_e_hemoderivados
Transfusao de hemocomponentes_e_hemoderivados
 
SINDROME CORONARIANA AGUDA atualizada
SINDROME CORONARIANA AGUDA atualizadaSINDROME CORONARIANA AGUDA atualizada
SINDROME CORONARIANA AGUDA atualizada
 
Hipertensão arterial - Bailoni
Hipertensão arterial - BailoniHipertensão arterial - Bailoni
Hipertensão arterial - Bailoni
 
Dor torácica na emergência
Dor torácica na emergênciaDor torácica na emergência
Dor torácica na emergência
 
Apresentação hipertensão
Apresentação hipertensãoApresentação hipertensão
Apresentação hipertensão
 
Apresentação hipertensão
Apresentação hipertensãoApresentação hipertensão
Apresentação hipertensão
 
Aula 3 Hipertensão arterial.pptx
Aula 3 Hipertensão arterial.pptxAula 3 Hipertensão arterial.pptx
Aula 3 Hipertensão arterial.pptx
 
Saúde do adulto hipertensão 2012 cópia
Saúde do adulto hipertensão 2012   cópiaSaúde do adulto hipertensão 2012   cópia
Saúde do adulto hipertensão 2012 cópia
 
Saúde do adulto hipertensão 2012 cópia
Saúde do adulto hipertensão 2012   cópiaSaúde do adulto hipertensão 2012   cópia
Saúde do adulto hipertensão 2012 cópia
 
HipertensãO Arterial
HipertensãO ArterialHipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
 

Mais de Liga Acadêmica de Trauma e Emergência do Espírito Santo

Sepse
SepseSepse
Envenenamento e Intoxicações
Envenenamento e IntoxicaçõesEnvenenamento e Intoxicações
Biomecânica do Trauma
Biomecânica do TraumaBiomecânica do Trauma
Tromboembolismo Pulmonar
Tromboembolismo PulmonarTromboembolismo Pulmonar
Trauma Raquimedular
Trauma RaquimedularTrauma Raquimedular
Tratamento da crise asmática no pronto socorro
Tratamento da crise asmática no pronto socorroTratamento da crise asmática no pronto socorro
Tratamento da crise asmática no pronto socorro
Liga Acadêmica de Trauma e Emergência do Espírito Santo
 
Crise Asmática
Crise AsmáticaCrise Asmática
Feridas Traumáticas e Queimaduras
Feridas Traumáticas e QueimadurasFeridas Traumáticas e Queimaduras
Trauma Torácico Fechado
Trauma Torácico FechadoTrauma Torácico Fechado
Urgências Neurológicas
Urgências NeurológicasUrgências Neurológicas

Mais de Liga Acadêmica de Trauma e Emergência do Espírito Santo (10)

Sepse
SepseSepse
Sepse
 
Envenenamento e Intoxicações
Envenenamento e IntoxicaçõesEnvenenamento e Intoxicações
Envenenamento e Intoxicações
 
Biomecânica do Trauma
Biomecânica do TraumaBiomecânica do Trauma
Biomecânica do Trauma
 
Tromboembolismo Pulmonar
Tromboembolismo PulmonarTromboembolismo Pulmonar
Tromboembolismo Pulmonar
 
Trauma Raquimedular
Trauma RaquimedularTrauma Raquimedular
Trauma Raquimedular
 
Tratamento da crise asmática no pronto socorro
Tratamento da crise asmática no pronto socorroTratamento da crise asmática no pronto socorro
Tratamento da crise asmática no pronto socorro
 
Crise Asmática
Crise AsmáticaCrise Asmática
Crise Asmática
 
Feridas Traumáticas e Queimaduras
Feridas Traumáticas e QueimadurasFeridas Traumáticas e Queimaduras
Feridas Traumáticas e Queimaduras
 
Trauma Torácico Fechado
Trauma Torácico FechadoTrauma Torácico Fechado
Trauma Torácico Fechado
 
Urgências Neurológicas
Urgências NeurológicasUrgências Neurológicas
Urgências Neurológicas
 

Crise hipertensiva

  • 1.
  • 2. Acadêmicas: Alana Cozer Marchesi Bárbara Hubner Pereira Kátia A. Aguiar Salazar
  • 3. • Pressão arterial: dividida em sistólica e diastólica. • Pressão arterial sistólica É representada pelo força exercida pelo sangue para vencer a pressão no leito arterial e provocar a distensão das artérias, para que o sangue ejetado para o ventrículo esquerdo vá para circulação.
  • 4. • Pressão arterial diastólica: É representada pela força final exercida entre a parede das artérias voltando ao seu tamanho inicial e o sangue presente dentro impedindo esse retorno.
  • 5. PA = DC x RPT • Débito Cardíaco • Resistência Periférica • Elasticidade da parede de grandes vasos • Volemia • Viscosidade Sangüinea
  • 6. • DEFINIÇÃO: Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de PA. Associada à: alterações funcionais e/ou estruturais dos órgãos-alvo (coração, encéfalo, rins e vasos sanguíneos) e alterações metabólicas (aumento do rsco cardiovascular fatal e não-fatal).
  • 7. Classificação Pressão sistólica Pressão diastólica Ótima <120 <80 Normal <130 <85 Limítrofe 130-139 85-89 Hipertensão estágio 1 140-159 90-99 Hipertensão estágio 2 160-179 100-109 Hipertensão estágio 3 >180 >110 Hipertensão sistólica isolada >140 <90
  • 8. Idade: prevalência de 60% em pessoas acima de 65 anos. • Gênero e etnia: a HAS é duas vezes mais prevalente em indivíduos de cor não- branca, com predomínio em mulheres negras. • Excesso de peso e obesidade: está associada a maior prevalência de HAS desde idades jovens. • Ingestão de sal: a ingesta excessiva de sódio tem sido correlacionada com elevação da PA. • Ingestão de álcool: em períodos prolongados de tempo pode aumentar a PA e a mortalidade cardiovascular. • Sedentarismo: a atividade física reduz a incidência de HAS. • Fatores socioeconômicos. • Genética.
  • 9. • Urgência Hipertensiva • Emergência Hipertensiva
  • 10. • DEFINIÇÃO: É a elevação crítica da pressão arterial, em geral PAD > 120mmHg, porém com estabilidade clínica, sem 120mmHg comprometimento de órgãos-alvo.
  • 11. • Acidentes vasculares encefálicos e coronarianos podem ser ocasionados devido a dificuldade em controlar o ritmo e o grau de redução da PA, principalmente se muito intensa. • Estes pacientes estão expostos a maior risco de eventos cardiovasculares.
  • 12. TRATAMENTO: Medicamentos por via oral, buscando a redução da pressão arterial em até 24 horas.
  • 13. • DEFINIÇÃO: É a elevação crítica da pressão arterial com quadro clínico grave, progressiva lesão de órgão-alvo e risco de morte, exigindo imediata redução da PA com morte medicamentos por via parenteral.
  • 14. • Elevação abrupta da PA: Cérebro - perda da auto- regulação do fluxo sanguíneo e evidências de lesão vascular. - Quadro clínico: encefelopatia hipertensiva, lesões hemorrágicas dos vasos da retina e papiledema.
  • 15. Podem estar associadas à: - acidente vascular encefálico; - edema agudo de pulmão; - síndromes isquêmicas miocárdicas agudas; - dissecção aguda da aorta. RISCO IMINENTE DE MORTE OU DE LESÃO ORGÂNICA GRAVE
  • 16. Terapia inicial: • O paciente deve ser admitido na unidade de terapia intensiva; • Ter bom acesso venoso; • Estabelecer monitorização permanente da pressão arterial e baixar os níveis tensionais o mais rápido possível com drogas parenterais; • Droga de escolha: NITROPRUSSIATO DE SÓDIO
  • 17. Terapia inicial: NITROPRUSSIATO DE SÓDIO • Ação farmacológica: vasodilatador arterial e venoso - redistribui o fluxo sanguíneo para as áreas isquêmicas. Não possui efeito sobre o sistema nervoso autônomo ou central. • Possui ação extremamente rápida e facilidade de manejo; • Dose inicial recomendada: 0,25 μg/kg/min(1) infusão IV com bomba de infusão; • O efeito anti-hipertensivo do nitroprussiato desaparece dentro de poucos minutos após a interrupção da medicação.
  • 18. Terapia Crônica: • Depois de obtida a redução imediata da PA (mesmo que não tenha os níveis tensionais na faixa da normalidade) deve-se iniciar terapia anti-hipertensiva de manutenção (terapia crônica) e interromper a medicação parenteral; • Isso reduz tanto o risco de intoxicação pelo nitroprussiato de sódio como o tempo na unidade de terapia intensiva e no próprio hospital.
  • 19. • À medida em que se obtém sucesso com a terapia crônica, a infusão do nitroprussiato pode ser descontinuada progressivamente, desde que os níveis pressóricos diastólicos não ultrapassem níveis de 120 mmHg, ou que o paciente não apresente sinal ou sintoma de crise hipertensiva. • Medicamentos utilizados na terapia crônica por via oral: - Captopril (inibidor da ECA) - Nifedipina (benzotiazepina) - Clonidina (agonista alfa-2-adrenérgico)
  • 20. VI Diretriz de Hipertensão Arterial. Disponível em: http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2010/Diretriz_hipertensao_associados.p