SlideShare uma empresa Scribd logo
ALLENCAR RODRIGUEZ




CONTORNOS PROJETICOS DAS DIFICULDADES
          DE APRENDIZAGEM


           Uma abordagem
     psicopedagógica psicanalítica

                1ª. Edição




                 São Paulo
      Ecel Editora Educação e Letras
                   2010
Ficha Catalográfica

Rodriguez, Allencar

  Contornos projetivos das dificuldades de aprendizagem
/ Allencar Rodriguez. – 1ª. edição – São Paulo: Ecel
Editora, 2009.

ISBN 85-906554-2-3
ISBN 978-85-906554-2-8

I – Indivíduo – Aspectos psicológicos II – Indivíduo –
Dificuldades de aprendizagem III – Psicanálise IV –
Desenhos – Aspectos psicológicos 1. Título
ALLENCAR RODRIGUEZ




CONTORNOS PROJETICOS DAS DIFICULDADES
          DE APRENDIZAGEM


           Uma abordagem
     psicopedagógica psicanalítica




               1ª. Edição

               São Paulo
                 2010




           www.eceleditora.com.br
          www.katcavernum.com.br
Copyright © 2010 Allencar Rodriguez

FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL
MINISTÉRIO DA CULTURA
REGISTRO NÚMERO:


Coordenação editorial: Maria de Fátima Barufaldi
Capa : Allencar Rodríguez
       arte: Leopoldo Pavan
Revisão: Sueli Sanchez

Todos os direitos reservados
ECEL – Editora Ceacamp Educação e Letras


ISBN 85-906554-2-3
ISBN 978-85-906554-2-8

              www.eceleditora.com.br
             www.katcavernum.com.br

                       2010
                 Impresso no Brasil
Dedicatória



    Dedicamos este trabalho aos alunos
que compartilharam através de seu
subconsciente    seus     medos,    suas
angústias e suas dificuldades. Da mesma
forma aqueles que sofreram um processo
de exclusão dentro da escola e hoje
vivem num mundo sem oportunidades
lançados a própria sorte no convívio em
sociedade.
Agradecimento



    Primeiramente aos professores que com coragem e sem
hipocrisia responderam ao questionário semi-estruturado da
pesquisa demonstrando suas virtudes e até mesmo suas
incompetências que são justificáveis. Pois, esses professores,
corajosos em suas ações de educar, são privados de uma
educação continuada na busca de novas competências pelo fato
do salário minguado, excesso de trabalho, desorganização gestual
da unidade escolar como também por completarem duramente
sua carga horária trabalhando em mais de duas escolas o que
torna impossível sua luta na busca por mais conhecimentos.

    As professoras: Jaldenice Oliveira de França Queirós
(Língua Portuguesa) e Marileise Cristina Rozinelli de Freitas
(Matemática), que pertencem a um universo de exceções à regra
de incompetência pelas suas qualidades não só didática e
pedagógica como também nas atitudes de enfrentar os desafios
frente aos alunos com dificuldades de aprendizagem num
ambiente sem estrutura física, organizacional e operacional que de
suporte as suas ações em benefício de alunos que correm o risco
de passar por um processo de exclusão dentro da escola.

   A coordenadora pedagógica Janete Aparecida Cattari Viana,
que de forma recorrente é cerceada de suas principais funções
como assessorar a ação docente no contexto de seu trabalho na
unidade escolar, incentivar e estimular a educação continuada
desse docente, acompanhar o desempenho dos alunos, de
desenvolver projetos pedagógicos que vão ao encontro das
necessidades do aluno em detrimento de tarefas que não condiz
com suas responsabilidades e sim pertencem a outros e que inibe
a maneira de avançar nas suas ações.
A professora Marli aparecida de Fátima Fagionato
Vitoriano que mesmo sem a escola lhe oferecer um único e
simples projeto pedagógico dentro de um plano escolar de
diagnóstico e intervenção em alunos com sérias defasagens de
aprendizagem e/ou crianças que se inserem na questão no
contexto das Necessidades Educacionais Especiais: Indivíduos que
em suas singularidades apresentam limitações físicas, motoras,
sensoriais, cognitivas, lingüísticas ou ainda síndromes variadas,
altas habilidades, condutas desviantes etc. Entre essas
deficiências estão à mental, visual, auditiva e múltipla, como
também problemas de conduta, consegue pela sua competência
como educadora trabalhar sistematicamente as necessidades
desses alunos dando-lhes infinita contribuição na construção de
formação cognitiva e moral.

     A Paula Barbosa. Queridíssima guerreira, cúmplice,
inteligente, acompanhante, guru, musa, otimista. Pelos espinhos
que atravessamos juntos por mais de dois anos em pistas
perigosas em dias de sol ou chuva. Pela alegria e pelo medo das
horas dirigidas, pelas horas estudadas, pelas horas trabalhadas,
pelas horas experienciadas, pelas horas sonhadas, pelo trabalho
desenvolvido. Pelo bom fruto criado da semente das incertezas
irrigada pelas águas de nossas vidas.

Ao Prof. Dr. Paulo Rennes por acreditar em nós, pelo estímulo,
pelo incentivo e pela compreensão. Pelo seu caráter, suas
habilidades e conhecimentos. Pela difusão de seus conhecimentos
sábios, pela divisão da imortalidade de sua qualidade mais
sublime: o saber.

A Melissa Nakasaki, a nossa (mél). Disciplinada companheira
das discussões mais fervorosas sobre o didático, o pedagógico e
as comadres. Pela capacidade de buscar, explicitar e dividir
questões que norteiam nossa vida acadêmica e pessoal. Pela
capacidade de dividir sonhos e abrir caminhos. Pela
responsabilidade e habilidade de criar amigos.
Epígrafe




Fui obrigado a recorrer à conclusão
insatisfatória de que existem, sem a
menor dúvida, combinações de
objetos naturais muito simples que
tem o poder de afetar-nos [...],
embora a análise desse poder se
baseie    em     considerações   que
fiquem        além      de     nossa
compreensão.

                     Edgar Alan Poe
SUMÁRIO
Resumo
Abstract
CAPÍTULO 1. APRESENTAÇÃO
CAPÍTULO 2. INTRODUÇÃO
CAPÍTULO 3. A PEDAGOGIA DO DESENHO INFANTIL
3.1 A Teoria
3.2 O Contexto Pedagógico do Desenho
3.3 Como Analisar e Interpretar Desenhos
3.4 O Desenho como Forma de Investigação da Personalidade
3.5 Aplicação Institucional do Procedimento Desenhos-Estórias

CAPÍTULO 4. BASES METODOLÓGICAS DA PESQUISA
4.1. A Abordagem Teórica-Metodológica
4.2 Os Sujeitos Participantes da Pesquisa
4.3 O Tempo e o Espaço da Problematização
4.4 Os Procedimentos

CAPÍTULO 5. A CRIANÇA E A PRÉ-ADOLESCÊNCIA
5.1 O Pré-adolescente e a Teoria Cognitiva de Jean Piaget
5.2 O Referencial Psicanalítico de Donald Woods Winnicott

CAPÍTULO 6. O MAPA DOS SÍMBOLOS
6.1 Distribuição da Freqüência de Escolha de Símbolos
6.2 A Representação Geral dos Símbolos das Projeções Psicossociais
6.3 Apresentação dos Indícios de Variáveis Psicológicas nos Sujeitos Inseridos no
Contexto das dificuldades de Aprendizagem.

CAPÍTULO 7. O MAPA DA PROBLEMATIZAÇÃO
7.1 Sujeitos Participantes no Contexto das Dificuldades de Aprendizagem (D.A.)
7.2 Indícios Abstratos e Intervenções do Professor no Âmbito das D.A.
7.3 Apresentação dos Quadros dos Sujeitos Inerentes à Problematização
7.4 A Relação dos Alunos com a Escola e com o Saber
7.5 O Discurso do Professor

CAPÍTULO 8. APRESENTAÇÃO DE ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO
8.1 Procedimentos e Unidades de Produção
8.2 Avaliação dos Procedimentos


CAPÍTULO 9. RESULTADOS
9.1 Discussão dos Resultados

CONSIDERAÇÕES FINAIS
REFERÊNCAS BIBLIOGRÁFICAS
CITAÇÕES E/OU REFERÊNCIAS
FOREWORD
contornos projetivos                    1

Capítulo 1

    Todo ano a incompetência da unidade escolar no processo
ensino/aprendizagem/gestão é representada, em parte, pelo Índice do
Desenvolvimento Escolar (Idesp). Digo em parte, pois dentro do
parâmetro de sua avaliação, além das provas objetivas que incluem
Português, Matemática e Ciências, é considerado também o Fluxo
Escolar¹. Nesse caso podemos dizer que os números da evasão são
reais da mesma forma que os números dos repetentes. Já, o número
estatísticos dos promovidos é norteado pela necessidade do gestor
(diretor(a) da escola) em manter seus índices de aprovação o qual
incide diretamente na quantidade de bônus que todos da escola
receberão, portanto, esses números são falsos, maquiados,
envergonhados.

    Nesse contexto a tão sonhada Progressão Continuada² idealizada
por Paulo Freire³ dá lugar à Promoção Continuada4. Dezenas de
alunos são promovidos sem atingir os objetivos reais da Progressão
Continuada entre elas benefícios quanto a diminuição efetiva da
evasão escolar, inovações didáticos/pedagógicas, mudança no
comportamento do aluno, real diminuição dos índices de repetência
decorrente do cumprimento explícito em seu próprio nome
“Progressão Continuada” o que significa promover ao aluno um ensino
de qualidade, inclusão e igualdade de oportunidades e produção de
conhecimentos. Se para esses alunos o futuro acadêmico, econômico
e social é, certamente, nebuloso podemos então construir uma
hipótese real àqueles que dentro de um contexto tão fraco no âmbito
da formação de elementos que possam representar perante a
sociedade sua cidadania com questionamentos críticos, compreensão
e reflexão de mundo e promover mudanças apresentarem já no início
de suas vidas acadêmicas dificuldades de aprendizagem no âmbito da
leitura, escrita e cálculo e são promovidos junto aos que não adquirem
um mínimo de conhecimento cognitivo e vêem a escola como
referencial de desenvolvimento e progresso.
2        allencar rodriguez


     Isso pode produzir no indivíduo um sentimento de baixo-
estima, depressão, intolerância e agressividade. No âmbito
social, da agressividade à delinqüência é um caminho curto
que se constrói pelo caráter da frustração e do ódio
constituindo no sujeito um entrave no caminho de sua
socialização.
     Esse cenário estimulou a realização da presente pesquisa
fundamentada em uma simples, mas concreta pergunta
problematizada     a   partir   do    tem   “dificuldades  de
aprendizagem”: Como é possível identificar, no início da pré-
adolescência, alunos que possam apresentar sintomas de
possível problema no contexto da aprendizagem? Se o aluno
é promovido continuamente o que menos o avalia é a nota,
uma vez que na maioria das vezes o professor provém ao
aluno um significado subjetivo de avaliação.
     A partir desse contexto preocupante a pesquisa tomou
seu curso com a intenção de identificar se a forma adotada
para descobrir futuros alunos que possam ser inseridos na
preocupação descritiva é plausível para tal problemática. Por
dez meses cerca de 120 alunos foram observados à sua
trajetória cognitiva e psíquica no sentido de que no último
mês do ano letivo pudéssemos aplicar a técnica de
investigação da personalidade5 através do procedimento
desenhos-estórias (Trinca, 1972)6 e fundamentado na teoria
psicanalítica de Donald Woods Winnicott7. Para subsidiar as
argumentações, na introdução da dissertação faço uma
contextualização da revisão literária sobre o contexto das
dificuldades de aprendizagem e nos capítulos seguintes a
descrição dos procedimentos e a teoria winnicottiana.
      No final do processo, a grande maioria dos alunos não
apresentava nenhuma grave deficiência cognitiva 8 piagetiana9
e/ou psíquica10.
contornos projetivos                3


   Para além dessa constatação, relativamente óbvia, a
atenção esteve voltada aos alunos que configuravam um
quadro de deficiência no contexto da aprendizagem da
leitura, escrita e cálculos. Isso foi observado neste período de
dez meses da pesquisa e endossado pela fala dos professores
de Português, Matemática, Geografia e História ouvidos
durante o procedimento da pesquisa. A análise cognitiva e
psicológica mostra que além deste trabalho objetivar uma
reflexão à pergunta problematizada a partir do tema, abre
um campo de pesquisa ao buscar uma alternativa preventiva
antes mesmo que o processo das dificuldades de
aprendizagens tenha início, uma vez que inúmeras são as
pesquisas relacionadas aos fatores intervenientes educativas
e diagnósticos no processo de aprendizagem11, tratamentos
dos problemas de aprendizagem12, causas e formas de
tratamento13, ação psicopedagógica14, após o diagnóstico e
muitos outros que são significativamente importantes fontes
de pesquisa na área da Psicopedagogia. Desta forma, este
estudo vem ao encontro daqueles que buscam compreender e
contribuir para a solidificação de uma área da ciência tão
nova e tão nobre de cunho pedagógico e psicológico. Somado
a isso, nossa pesquisa constatou que apenas uma pesquisa 15
(especialização) e uma dissertação de doutorado 16 ambas não
disponibilizadas para uma análise aprofundada de aplicação
de desenhos-estórias cujo estudos estão relacionados aos
aspectos dos desenhos de crianças com dificuldades no
aprendizado da leitura e escrita e estão relacionados
estritamente à área da psicologia.
4         allencar rodriguez


Capítulo 2. INTRODUÇÃO

    Falar da aprendizagem como processo de adquirir
conhecimentos nos remete ao início da própria existência do
homem na sua construção psíquica, cognitiva e filosófica se
bem que essas manifestações se davam em suas formas mais
primitivas e atemporais. Com a evolução esse contexto serve
de base existencial para se comportar como ser-no-mundo17.
Investigações empíricas analíticas18 em diversas áreas das
ciências se fundamentavam no pressuposto de que o
crescimento cognitivo do indivíduo provém de sua
experiência, ou seja, de seu amadurecimento nas fases de
seu crescimento cronológico. Deve-se considerar que diversas
correntes psicológicas, filosóficas e/ou lógicas (positivismo19,
behaviorismo20, psicologia genética21, paradigma holístico22)
possuem conceitos próprios para a mesma semântica na
questão da aprendizagem.
   Hoje o conceito de aprendizagem está bastante ampliado
considerando o indivíduo como um todo na questão da
aquisição de conhecimentos onde sozinho não há capacidade
completa na busca ou transmissão desses conhecimentos.
Desta forma o processo ensino/aprendizagem deve formar
um ciclo gnosiológico23 (que não pode ser confundido com a
epistemologia) de relação dialética24, cuja trajetória de sua
origem na Grécia antiga, quando era arte do diálogo e da
discussão cujo conceito perdura até hoje como modo de
pensar ao privilegiar as contradições,
contornos projetivos              5


fenomenológica25 e epistemológica26 na constituição física,
lingüística, psíquica e intelectual desse indivíduo enquanto
existir como ser vivente 27. Posto isso, verifica-se a
complexidade da interrelação de diferentes culturas. Num
estágio mais próximo de nós verificamos no cotidiano da
unidade escolar o choque entre a educação formal28 e a não
formal29 num contexto de tentativa de homogeneização da
aprendizagem      para    um     universo   heterogêneo   de
aprendentes. E a escola metodológica tenta impor nesses
sujeitos um conhecimento sistematizado na tentativa de
moldá-lo como um novo ser que possa desenvolver
pensamentos metacognitivos30, que tenha um olhar
metafísico31 e que possa se comunicar pela metalinguagem32
sem considerar sua formação política, histórica e social.
Fundamentado nessa descrição a ocorrência das dificuldades
de aprender é latente 33, isto é, sua problematização irá
ocorrer na vida acadêmica do indivíduo, uns mais outros
menos, seja no início ou um pouco mais tarde. Junto a essa
descrição no contexto da dificuldade ou problema de
aprendizagem outros fatores, em menor freqüência,
influenciam o indivíduo no processo da construção de
conhecimentos como os distúrbios34 e os transtornos35
relativos à aprendizagem.
6         allencar rodriguez


     Podemos considerar o problema de aprendizagem como
um sintoma, no sentido de que o não-aprender não configura
um quadro permanente, mas ingressa em uma constelação
peculiar de comportamento, nos quais se destaca como sinal
de descompensação36. Isso quer dizer que a patologia da
aprendizagem possui seus fundamentos no âmbito dos
fatores ambientais37, fatores orgânicos38, fatores específicos39
e fatores psicógenos40.
     Portanto, após a análise contextual das narrativas
expostas e a premissa de que o processo de exclusão de
crianças e jovens com dificuldades de aprendizagem ainda
estarão escondidos na sombra do índice que mede o fluxo
escolar e a promoção continuada, vamos discorrer a seguir os
parâmetros que fundamentaram o conceito científico dessa
pesquisa     na    busca    das   respostas     advindas     dos
questionamentos do problema inserido no âmbito das
dificuldades de aprendizagem fundamentado na questão
concreta e objetiva de como é possível identificar, no início da
pré-adolescência, alunos que possam apresentar os sintomas
descritos no contexto da aprendizagem. Para compreender,
entender e refletir acerca deste trabalho estarão explícitos
nos próximos capítulos as reflexões, interpretações, teorias e
análises que deram suporte a realização da pesquisa assim
como seus resultados.
     No capítulo III, fazemos uma exposição do significado da
pedagogia do desenho infantil que mostra a importância da
formação da pessoa pelo ato de desenhar. Em qualquer lugar
do mundo, desde as pinturas rupestres até a arte
contemporânea, a criança possui o hábito de desenhar. E,
seus desenhos são recheados de imagens subconscientes os
quais podem qualificar o desenvolvimento de sua
personalidade.
contornos projetivos                7


    Junto ao conceito da pedagogia do desenho infantil41 é
feita também uma breve reflexão sobre a teoria do uso de
desenhos como instrumento de diagnóstico42, interpretação43
e seu uso como forma de investigação da personalidade 44.
Apresentamos também alguns campos de investigação onde
foi aplicada essa técnica.
    O quarto capítulo apresenta a metodologia que abriu
caminhos em busca dos conhecimentos relativos à
problematização do tema. Os sujeitos participantes 45 são
delineados de acordo com o gênero e a idade assim como o
tempo e o espaço dos sujeitos e da problematização. Desse
conjunto     foi  feito   uma     análise   fenomenológica     e
epistemológica relativamente crítica ao processo da trajetória
metodológica para a compreensão dos sujeitos analisados nos
dez meses de observação.
    Já no capítulo V, é feita a contextualização das etapas do
desenvolvimento humano relativos à criança e a pré-
adolescência como também, dentre os estágios de
desenvolvimento cognitivo no ser humano que dão origem a
Teoria Cognitiva de Piaget: sensório motor 46, pré-
operacional47, operatório concreto 48 e o operatório formal49. A
partir dessa exposição é explicito sucintamente a teoria que
se insere nos sujeitos participantes da pesquisa. Da mesma
forma é feito um relato da teoria psicanalítica de Donald
Woods Winnicott inerente ao amadurecimento50.
8         allencar rodriguez


    No capítulo seguinte, o sexto, é feita a apresentação e
análise dos resultados dos desenhos onde foram distribuídos
num quadro a freqüência de escolha de símbolos 51 divididos
em grupos de acordo com as séries que pertencem: 5ª
Séries, A, B, C e D. e a representação desses símbolos. Desse
contexto generalizado foi delimitado o grupo contextualizado
na problematização, foco do próximo capítulo.
    Neste capítulo, o sétimo, delineamos os participantes
inerentes a problematização do objeto que se configura no
tema “dificuldades de aprendizagem”. Fazemos também a
definição de que maneira se percebeu o problema face à
escolha desses sujeitos. Foi feito um relato de suas atividades
em sala de aula, análise de seus comprometimentos com as
atividades realizadas como tarefa para ser feito em casa,
análise da progressão cognitiva, interatividade e participação
em sala de aula, a disciplina e o discurso dos professores
fundamentados nessa descrição analítica aos sujeitos
participantes.
    No capítulo VIII, foi construído um novo mapa
individualizado das unidades de produção dos desenhos, a
verbalização e a avaliação dos procedimentos desenhos-
estórias de cada participante no âmbito da referência 52 de
análise de interpretação da técnica de investigação da
personalidade, Trinca (1972). Também foram explicados
alguns aspectos importantes como à orientação espacial53, as
dimensões do desenho54, os traços55, o simbolismo das
formas56 e também a interpretação da repetição de um
mesmo tema57, as cores58 e sombreamento59.
contornos projetivos                    9


   No capítulo IX, finalmente, faço a discussão dos resultados60 e a
comparação dos resultados61 segundo a análise baseado no
referencial, Trinca (1972). Procuro também fazer uma síntese de cada
indivíduo e a sua pertinência ou não com o problema de
aprendizagem. A intenção disso é mostrar se o caminho analítico
adotado possui sustentabilidade científica62 de sua aplicabilidade num
contexto institucional deprimido pela péssima gestão da unidade
escolar e norteado pelo interesse político e econômico dos
governantes, o qual deixa a escola relegada a um plano inferior de
melhoria efetiva na prática em detrimento de um discurso contraditório
que posiciona seu crescimento fundamentado em índice de caráter
mascarado,

   Feito esse detalhamento traço as considerações finais relativo ao
cumprimento do propósito desta pesquisa e em seguida apresento as
referências bibliográficas.
10        allencar rodriguez



Capítulo 3. A PEDAGOGIA DO DESENHO INFANTL
3.1 A Teoria
                 Coloque um lápis em minhas mãos, farei alguns
                 contornos, neles projetarei alguns segredos, guardados
                 inconscientes, de minha personalidade.

    Essa frase criada por mim pode pertencer ao domínio
público. Pois, qualquer um que pegue um lápis e faça um
desenho livre ou temático estará fazendo o mesmo que eu
em qualquer parte do mundo e em qualquer idade. O
desenho é a expressão interiorizada do sujeito sendo
construído durante seu processo de amadurecimento em seus
estágios psíquicos. E essa não é uma percepção nova. Cento
e vinte e dois anos antes de eu criar a sentença acima, Ricci 63
fez o mesmo ao apresentar o desenho como fenômeno
expressivo em 1887 por conta de seus estudos da arte
infantil. Sua obra estimulou o interesse pelo desenho infantil,
principalmente, do desenho da figura humana. Em sua obra
L’arte dei bambini (1887) 64, lançou a idéia de que
                  Os desenhos que as crianças fazem não são uma
                 tentativa de mostrar a aparência real dos objetos, mas
                 expressões do que as crianças conhecem sobre eles65.

    Nessa perspectiva psíquica o desenho é um dos
fundamentos de análise para o desenvolvimento deste
trabalho. Aqui não são importantes as leis que determinam o
domínio gráfico, mas os contornos, os rabisco, que vêem do
conjunto de suas faculdades psíquicas como diz Bédard
(1998):

                 Sem perceber, no momento de desenhar a criança
                 transporta para o papel seu estado anímico, em todos os
                 detalhes. É por isso que os desenhos das crianças
                 permitem-nos incrementar consideravelmente nossos
                 dados sobre o seu temperamento, caráter, personalidade
                 e necessidades. Os desenhos ajudam-nos também a
                 descobrir e a reconhecer as diferentes etapas pelas quais
                 a criança está atravessando, os seus problemas e
                 dificuldades, assim como os seus pontos fortes.
                 (BÉDARD,1992, P.6).
contornos projetivos                     11


    Por isso, não devemos considerar o desenho como uma
atividade instintiva e sim
                Apreciar o desenho da criança é perceber a dimensão do
                „belo‟ em toda sua plenitude, que não se restringe ao
                visual da obra, mas ao encanto geral que ela emana.
                (SANS, 2007, p.9)

Como uma forma que Freud distingue no contexto da pulsão
como um processo dinâmico, que impulsiona o organismo em
direção a uma meta e o equilíbrio do estado de tensão. Para
Freud a pulsão não se dá a um estado consciente nem
inconsciente. Para ele pulsão, „é um conceito situado na
fronteira entre o psíquico e o somático‟ (FREUD.
   Esses são alguns conceitos que mostram porque toda
criança gosta de desenhar. A fonte da pulsão é somática
quanto às informações recebidas, mas, psíquicas quando
projetam às imagens decodificadas pelo corpo. Quem nunca
fez um desenho ou rabiscos no início de sua vida? Impossível
não tê-lo feito. Essa necessidade é genética. Existem
representações preservadas de homens e animais datadas no
período Paleolítico – entre 40.000 e 10.000 anos a.C. Porque
então alguém deixaria de fazê-los hoje? Ninguém! Os
desenhos, além de sua representação psíquica projetiva,
representam a forma de comunicação impressa mais antiga
da civilização mesmo que forem alguns rabiscos como
acontecia com o Jogo dos Rabiscos de Donald Woods
Winnicott.
    Para Winnicott o Jogo dos Rabiscos é uma simples forma
de dar início a uma interlocução fazendo uso de lápis e papel
(informação verbal)66. A partir de um rabisco aleatório feito
pelo analista o interlocutor poderia dar seqüência ao seu
rabisco ou até mesmo ser transformado em um desenho. A
partir disso o analista pode dar seqüência no rabisco ou no
desenho do interlocutor, ou ainda, o interlocutor fazer seu
próprio rabisco e o analista daria a seqüência. Isso é
conhecido como o Jogo dos Rabiscos. Sua característica
principal é a liberdade criativa (sem regras), uma espécie de
brincadeira que dos desconhecidos dão início a uma
comunicação.
12        allencar rodriguez


   Recentemente, em uma tragédia, em Guarulhos, uma
seqüência de desenhos de um garoto de seis anos constituiu
um elo comunicativo entre ele e os policiais que contribuiu
para elucidar um caso de homicídio culposo.
                 SEQÜÊNCIA: o garoto desenhou o pai com uma faca (acima),
                 ele e a mãe dentro do apartamento (à esq.) e em queda (à
                 dir.)




    Voltando à Winnicott, para ele, o jogo de brincar é uma
manifestação teatral de interação comunicativa o qual um de seus
veículos é os rabiscos e os desenhos num processo universal:

                 Em outros termos, é a brincadeira que é universal e
                 que é própria da saúde: o brincar facilita o crescimento e,
                 portanto, a saúde; o brincar conduz aos relacionamentos
                 grupais; o brincar pode ser uma forma de comunicação
                 consigo mesmo e com os outros67.

    Posto essa narrativa é fácil perceber a importância do
desenho como fator de desenvolvimento sadio para a
formação psíquica de qualquer ser humano. Quando, no final
do século XIX, início do século XX, pesquisadores voltaram
suas atenções para o desenho da criança se abriu um leque
de perspectivas evolutivas no contexto fenomenológico,
epistemológico e filosófico nas áreas das ciências humanas,
exatas e biológicas.

                 A descoberta da criança como ser autônomo provocou
                 novos estudos científicos por parte de pedagogos e
                 psicólogos, favorecendo o surgimento de novos
                 conteúdos em sala de aula e de investigação sobre o
                 aprendizado68.
contornos projetivos                       13


    E dentro da sala de aula a comunicação através dos
desenhos se torna mais interativa, agradável e sincera. Pode
não ser um método infalível de conhecer as pessoas como diz
a sabedoria popular: para se conhecer alguém vivam juntos e
juntos comam um saco de sal. Mas, o uso junto a outra
ferramenta que possa ser reflexiva, analítica e interpretativa
o analista e/ou o pesquisador terá um envolvimento de
conhecimento próximo da sabedoria popular e não correrá o
risco de que seu compromisso com o aluno dure até que a
morte os separe, uma vez que a relação investigador,
analista, professor e aluno está interagindo no campo do
prazer.

                 A maioria das crianças pequenas mostra interesse e
                 prazer em desenhar e, nas creches e nas escolas,
                 professores tiram partido desse entusiasmo, acreditando
                 que a atividade artística é parte importante do
                 desenvolvimento infantil. Seus desenhos, executados
                 de maneira ousada e descontraída, enfeitam as
                 paredes das salas de aula e nos encantam a todos69.


    Energizados pelo crescente interesse científico sob o
aspecto projetivo do desenho infantil um grupinho de
estudiosos da Psicologia Clínica da Infância, alguém
apresenta timidamente o método de desenhos-his(estória)
cujo significado é, na prática, associar as virtudes do estímulo
gráfico com as da apercepção temática, para a investigação
da mente. Na prática seu contexto é analisar os segredos
inconscientes da personalidade projetados pelos desenhos
livres junto à apercepção temática das his(estórias).

                 O desenho livre, associado à estórias em que ele figura
                 como estímulo para essas estórias, constitui instrumento
                 com características próprias sobre a personalidade em
                 aspectos que não são facilmente detectáveis pela
                 entrevista psicológica direta70.


    Avançando em seu processo científico e sistematizado
pelos estudos do autor com ampla amostra de sujeitos
variáveis na faixa etária, nível sócio-econômico,
14       allencar rodriguez


escolaridade, nível intelectual, de ambos os sexos o
procedimento de desenhos-estórias (D-E) se alastrou por
diversas áreas de atuação profissional: área escolar, áreas
clínica, área da saúde, área da família e área social.

3.2 O Contexto Pedagógico do Desenho


    As primeiras manifestações da criatividade infantil estão
nos desenhos. Uma expressão pessoal de aprendizagem de
seu entorno físico e psíquico sem a preocupação da lógica
consciente que permeiam os adultos. Através deles acontece
seu amadurecimento lógico, espacial e motor. Isto é, seus
contornos estão estritamente relacionados ao processo de
maturação, onde o corpo é a origem das aquisições
cognitivas, afetivas e orgânicas e o desenho a expressão mais
fiel de sua aprendizagem escondida sob o manto da
inconsciência. Pelos seus contornos flui pensamentos sem
censura que parecem emergir de um vazio.

   Para os psicomotricistas, os desenhos além de terem um
caráter de avaliação psicomotora, trazem um contexto
pedagógico de ensinar a criança à vê-la por si mesma quando
desenham figuras humanas.

              A criança desenha o ser humano em função do
              conhecimento que possui de si mesma, do que sabe e do
              que sente e não somente do que vê71.


    Esse conhecimento de si mesmo traz implícito à aquisição
dos     conhecimentos    das  pedagogias    sensoriais    no
desenvolvimento do indivíduo. Espontaneamente as crianças
sintetizam simplificadamente em contornos, massa e cor, ou
seja, uma cena projetada, as informações decodificadas em
sua mente dos conhecimentos adquiridos dos aspectos do
movimento, do tato, do som, do cheiro e da cor. A pedagogia
da linguagem gráfica promove um amadurecimento cognitivo
para a compreensão da linguagem escrita desenvolvendo sua
capacidade criadora e de
contornos projetivos                      15


percepção de mundo evoluindo das “garatujas” 72 até atingir o
estágio operatório formal73 onde a criança começa a
raciocinar a lógica, aproximadamente após os 12 anos,
adquirindo auto-crítica e também interação perceptiva do
ambiente partilhando o realismo visual iniciando sua
adaptação ao realismo em detrimento do abstrato. Esse é um
período crítico no contexto da pedagogia do desenho. O
educador deverá ter consciência que o desenvolvimento da
criança não poderá ser diagnosticado num desenho cujo
conceito de sua subjetividade poderá ser bonito ou feio, uma
vez que nos desenhos das crianças estão as expressões de
seus sentimentos transmitindo informações inconscientes de
sua formação física, psíquica e cognitiva. As crianças estão
representando um símbolo da construção de suas
personalidades os quais a pedagogia do desenho da criança
representa    o  meio     ambiente   desse    sujeito,   suas
manifestações e seus comportamentos. Tanto um conceito
como outro são restrições à sua capacidade criadora que
poderá promover distúrbios ou transtornos na característica
de expressão de sua individualidade e muitos expandem essa
decepção aos problemas emocionais.
                Os psicólogos, em geral, empregam a palavra
                personalidade para descrever as diferenças na maneira
                pela qual as crianças e os adultos se relacionam com as
                pessoas e com os objetos do mundo que os cerca. Como
                o conceito de inteligência, o conceito da personalidade
                visa a descrever diferenças individuais duradouras
                no comportamento. O fato de sermos extrovertidos ou
                tímidos, independentes ou dependentes, confiantes ou
                inseguros, de nos atirarmos a coisas novas ou
                segurarmos-nos – todos esses aspectos (e muitos outros)
                são vistos como elementos da personalidade74.

    Assim, por meio da pedagogia do desenho, a criança
manifesta expressivamente o conhecimento adquirido e sua
práxis inconsciente de percepção de seu mundo em
construção relacionado à sua educação primária (família) e a
trajetória de sua educação secundária (escola), num contexto
de imaginação, reflexão e percepção que associado à
pedagogia escrita de apercepção temática produziu um farto
material para análise efetivado neste trabalho de pesquisa.
16          allencar rodriguez


Compare o contexto da narrativa com o desenho-estória
abaixo
Unidade de Produção 1 – fig. 1
Estória: “O carinha e policial e trabalha muito bem. ele
apanhou para um ladram na Priga de rua, mas dodos os
policial pateram em todos os ladram mas uma Policia moreu
na priga”.

Titulo: Priga de rua




         Paulo Soares75 (12 anos)




   Pesquisa que corroborou o universo de pesquisadores do
assunto de que a pedagogia do desenho da criança é mais do
que um simples rabisco (uma guaratuja). Suas implicações
estão nas interfaces e intersecções psíquicas e cognitivas no
ato de brincar, de falar, refletir, expressar, assimilar e
projetar.
contornos projetivos                     17


   Como vimos na introdução desse trabalho à questão da
educação formal e não formal76 no contexto dos choques
entre as realidades metódicas e a não metódicas é nesse
último que há décadas desenhos reproduzem a expressão da
cultura popular em narrativas e o folclore igual à mula sem
cabeça o curupira e o saci pererê.




   Somado a isso, no âmbito da sexualidade foi em livretos
mal-impressos     e    mal-desenhados,            conhecidos     como
catecismos77,   que    na       pedagogia   desses    desenhos       que
circulavam clandestinamente num período conhecido como
                        78
“anos   de   chumbo”        ,    ocorreu    a   iniciação   sexual    de
praticamente três gerações do público masculino.
18        allencar rodriguez


    Os aspectos sexuais do desenvolvimento infantil também
se fazem presentes na exposição projetiva de seus desenhos.
Sua linguagem pode estar querendo dizer que existe uma
curiosidade reprimida o qual não consegue verbalizar.


Veja a narrativa com o desenho-estória abaixo


Unidade de Produção 2 – fig. 2


Estória: “Foi convocada para uma reunião da defenção dos
animals em Americana.
Ela foi e os caras falaram que ela poderia pegar qualquer
cavalo. A minha tia pegou um cavalo muito bom (no sentido
bom enteiro). Chegou um dia que ele não agüentou por que
ele era muito velinho mas era muito bom”.




Titulo: No citiu da minha tia




      Joaquim Ruiz79 (12 anos)
contornos projetivos                     19




Interpretação: Desenho exprimindo uma fase fálica do
sujeito, nesse caso possivelmente esse sujeito está preso a
essa fase fálica.



  Estudos freudianos comprovaram que a fase fálica é um
período importante no desenvolvimento da sexualidade e


               Uma das manifestações sexuais mais freqüentes nessa
               fase é a masturbação. As crianças, através de toques
               corporais, descobrem que essa exploração proporciona
               sensações prazerosas e relaxantes80.


Interpretação: O fato é que essa ocorrência se processa por
um período do desenvolvimento da sexualidade e o desenho
de Lee está projetando uma constante ocorrência da moral
familiar no âmbito da educação sexual que pode trazer
distúrbios psicossexuais à criança.

               Se os adultos que convivem com uma criança, nessa
               fase, não conseguirem entendê-la ou passar uma
               inadequada educação sexual, repreendendo-a, poder-se-
               á instalar um caráter fálico na mesma. Provavelmente
               será uma pessoa que pode ficar narcisicamente fixada
               nesta fase, superestimando o pênis e confundindo-o com
               o corpo81.
20        allencar rodriguez


3.3. Como Analisar e Interpretar Desenhos

     Narrativas de histórias e os desenhos de crianças tem sido
fontes projetivas de sentimentos e concepções das crianças
que aguça a imaginação científica de psicopedagogos,
psicólogos, pedagogos e pesquisadores de áreas diversas.
Analisar e interpretar o inconsciente que se revela através de
aspectos simbólicos do desenho, na área da psicopedagogia
para nós profissionais especializados com a questão das
dificuldades de aprendizagem, utilizamos o diagnóstico dessa
análise e interpretação para analisar, compreender e
descrever o vínculo que a criança estabelece com a
aprendizagem. E quando é dito análise e interpretação que se
dizer que

                Analisar um desenho não é o mesmo que interpretá-lo,
                pos existe uma diferença real e concreta entre ambos os
                conceitos. A análise responde a um enfoque técnico e
                racional e se fundamenta em bases solidamente
                comprovadas. (...) A interpretação dos desenhos das
                crianças é o resultado ou a síntese da análise82.



    Daí a importância da apercepção simbólica do desenho da
criança projetando seus sentimentos, seus amadurecimentos
cognitivo e emocional para além das principais problemáticas
que as perturbam e também a importância de um
conhecimento aprofundado da simbolização dos desenhos
para uma avaliação e interpretação fenomenológico,
epistemológico e filosófico em seus fundamentos de caráter
científico. Nesse caso, o que menos importa é a estética dos
desenhos.
    Dezenas são os símbolos para análise e interpretação na
produção dos desenhos. Nesta pesquisa foi priorizado: a)
Maior freqüência dos indícios de variáveis psciológicas; b)
Maior freqüência dos temas, Bédard (1998), Campos (2007);
c) Maior freqüência dos itens que compõem o referencial D-E,
Trinca (1997), que são inerentes para o diagnóstico
psicopedagógico a partir das características dos aspectos
formais83.
contornos projetivos              21


3.3.1 - Maior Freqüência dos Indícios de Variáveis
Psciológicas
     a) bem ajustado ao meio;
     b) confiança em si;
     c) ansiedade;
     d) agressividade;
     e) depressão;
      f) insegurança;
     g) inferioridade;
     h) timidez;
     i) obstinação e teimosia;
     j) inteligência concreta;
     k) habilidade criadora;
     l) dificuldades de lidar com impulsos sexuais;
     m) dependência e descontrole;
     n) segurança;
     o) introversão;
     p) equilíbrio emocional e mental;
     q) imaturidade emocional;
     r) incapacidade de adequação ao meio.

3.3.2 – Maior Freqüência dos Temas
     a) interpretação do desenho da casa (teto, telha,
        paredes, porta, janelas);
     b) interpretação de desenho de árvore (tronco, raiz,
        copa);
     c) interpretação de figuras humanas (figura cabalística,
        figura grotesca, figura não inteira);
     d) interpretação de cada parte específica da figura
        humana (cabeça, rosto, olhos, sobrancelhas e
        pestanas, cabelo, bigode e barba, nariz, boca,
        orelhas, queixo, pescoço, ombros, costelas, braços,
        mãos, dedos , pernas e pé;
     e) elementos acessórios: chapéu (indica dificuldade de
        aprendizagem)
     f) a repetição de um mesmo tema (entrave na
        socialização de conhecimento.
     g) a diversidade de temas (associação com o meio)
22       allencar rodriguez


     h) uso das cores (dispersão – dificuldades na área
        afetiva)
     i) o sol (influência ; entusiasmo; autonomia; violência
        verbal)
     j) a lua (adaptação; intuição feminina)
     k) as nuvens (bons ou maus momentos, depende da
        cor)
     l) as flores (necessidade de segurança)
     m) as montanhas (busca de estabilidade emotiva)
     n) os animais (comunicação de alguma necessidade)
     o) os veículos (símbolo de atitude social)
     p) o barco (capacidade de adaptação – depende do
        barco)
     q) cartuns (falta de habilidade de interação com a
        realidade)

3.3.3 - Maior Freqüência dos Itens que Compõem o
Referencial D-E no contexto da análise dos aspectos
formais

     a) tema do desenho: compatibilidade com idade;
     b) tema da estória: 1) compatibilidade com idade e 2)
        compatibilidade com desenho;
     c) título: 1) adequação do desenho e 2) adequação à
        estória;
     d) posição da folha; Normal: horizontal
     e) localização da página; Normal: central
     f) tamanho em relação à folha; Normal: médio
     g) qualidade do grafismo: 1) tipo de linha e 2)
        consistência do traçado.
     h) resistências; Normal: baixo nível de resistência
     i) transparências; Normal: baixo nível de transparência
     j) sombreamento;      Normal:    baixa    freqüência  de
        sombreamento
     k) perspectiva ou movimento; Norma: figura indicando
        movimento
     l) uso das cores. Anormal: Desenhos acromáticos
        (dispersão, retração)
contornos projetivos                       23


3.4 - O Procedimento Desenhos-Estórias como Forma
de Investigação da Personalidade para a Apercepção
das Dificuldades de Aprendizagem

   Temos por definição:

                 A maioria das crianças é normal, e ao crescerem
                 aprendem     mais    e   se   tornam    mais    maduras
                 intelectualmente. Por certo, a maturidade intelectual de
                 algumas crianças ultrapassa em muito a sua idade
                 cronológica, e elas são consideradas mais dotadas; seus
                 desenhos da figura humana assemelham-se aos de
                 grupos de mais idade. Ao contrário, a maturidade de
                 certas crianças fica muito aquém de sua idade
                 cronológica. Embora no passado estas fossem chamadas
                 de crianças “subnormais” ou “retardadas”, hoje em dia
                 são denominadas “crianças com dificuldades de
                 aprendizagem”. Suas dificuldades podem ser leves ou
                 graves84.

    A partir da ampliação e expansão da aplicação do
Procedimento de Desenhos-Estórias85 (abreviadamente, D-E)
da utilização clínica à pesquisa qualitativa e quantitativa, esse
instrumento de avaliação de conteúdos mentais com
objetivos diagnósticos, surgido em 1972, trouxe valiosos e
comprovados subsídios de caráter científico para ser aplicado
à área escolar principalmente na área de atuação do
Psicopedagogo relativo às questões das dificuldades de
aprendizagem.
    Sua característica como técnica de investigação é
associar, para análise e interpretação, os desenhos livres
(produções       gráficas   atemáticas)      onde     elementos
subconscientes, inconscientes projetam-se como estímulo a
apercepção temática com os relatos, estórias contadas a
partir do processo expressivo do desenho. No contexto da
comunicação esse procedimento é muito vantajoso frente a
questionamentos verbais estruturados e diretos. Numa
entrevista direta crianças e adolescentes omitem suas
24        allencar rodriguez


necessidades, desejos, fantasias e perturbações no âmbito
emocional. Sua aplicação é simples e fácil. Trinca (1997)
propõe que a aplicação seja individual. Por estarmos em
ambiente escolar optamos pela realização em grupo.
Segundo Hammer86, o teste com desenhos sofre menor
interferência emocional e física da interação examinando e
examinador quando aplicado em grupo. Quando há uma
distância entre ambos o material projetado é mais livre e
consequentemente seu contexto está mais próximo da
projeção inconsciente do examinando.

    A técnica consiste na realização de uma série de cinco
desenhos livres (cromáticos ou acromáticos); cada desenho
serve de estímulo para que se conte uma estória; (nessa
pesquisa,   pela   quantidade     de    participantes,    demos
preferência que após um breve relato, a estória fosse escrita
em uma folha a parte), o participante deve ter a sua
disposição sobre a carteira escolar, lápis preto e coloridos. Ao
término do desenho o participante faz escreve o relato de
uma estória e após isso é solicitado ao examinando um título
inerente ao relato. Isso tudo forma uma unidade de
produção. O procedimento desenhos-estórias (D-E) prevê que
se alcance até cinco unidades de produção no máximo em
duas sessões de aplicação. No caso dessa pesquisa cada
procedimento desenho-estória foi realizado em uma única
sessão. Suas formas de avaliação variam de acordo com a
área profissional do aplicador. Na área escolar deu-se
preferência de um referencial de análise de aspectos “formais
ou estruturais” que privilegiam nos desejos os aspectos
descritos em 3.3.3. Em uma representação esquemática
podemos representar o núcleo em que se converge os
aspectos formais como uma unidade triangular cujo esquema
representa um ciclo holístico que tem como resultado a
apercepção futura para o desempenho escolar.
                                         desenho



                        projeções                  estória
contornos projetivos              25


3.5 – Aplicação Institucional do Procedimento
Desenhos-Estórias


    Após ser introduzido por Walter Trinca, em 1972, como
instrumento de investigação clínica da personalidade foram
realizados dezenas de estudos abrangendo diversas áreas de
atuação e com variados temas como87: adolescência (Santos,
1996); (Paula, 1998), adolescentes infratores (Alves, 2001),
asma (Mestriner, 1989); (Sarti, 1996), avaliação conjugal
(Farias, 1997), câncer de mama (Barbosa, 1989, 1991),
câncer em crianças (Flores, 1984); (Perina, 1992),
cardiopatia (Gianotti-Hallage, 1988), cegueira (Amiralian,
1990, 1991, 1992a, 1992b, 1993, 1997b); (Villela, 1999),
consulta terapêutica infantil (Borges, 1998), deficiência
auditiva (Tardivo ET AL, 1999), deficiência mental (Moreno,
1985), Psicopedagogia (Barone e trinca, 1984); (Trinca e
Barone, 1996) entre outros.
    Já na área escolar houve estudos na ordem da
Aprendizagem da Leitura e Escrita (Trinca e Barone, 1984) 88;
(Chistofi, 1995)89; Desempenho Escolar (Paiva, 1992)90;
Fobia Escolar (Gimenez, 1983)91 e Fracasso Escolar (Brasil,
1989)92; (Ferreira, 1998) 93; Representação de Escola e
Trajetória Escolar (Cruz, 1997) 94.
    Esses trabalhos evidenciam a importância do instrumento
de investigação clinica como também existe a necessidade de
mais estudos desse instrumento na área escolar.
26       allencar rodriguez



Capítulo 4. BASES METODOLÓGICAS DA PESQUISA

                A lógica da pesquisa em educação [...] supõe a
                reconstituição das articulações entre os diversos fatores
                que    integram    os    processos   da    produção    do
                conhecimento. Suponhamos que todo processo de
                produção do conhecimento se manifesta numa estrutura
                de pensamento que inclui conteúdos filosóficos, lógicos,
                epistemológicos, teóricos, metodológicos e técnicos95.


4.1 - Abordagem Teórica-Metodológica

    Essa pesquisa que prima pela busca de informações com
critérios quantitativos e qualitativos96, principalmente esta
última, não se fundamentou apenas na criação de um quadro
de dados empíricos e/ou estatísticos de ocorrência
momentânea num lugar por um período de tempo. O que foi
desvelado estava escondido nas práxis dos sujeitos
participantes, na projeção inconscientes de seus desenhos,
no relato de seus pensamentos, o significado de suas
verbalizações, em seus gestos, e suas posturas como
também na estrutura didática-pedagógica e física do espaço
da problematização. Desta forma o percurso metodológico
seguiu uma visão fenomenológica dentro de um estudo de
caso97. A interseção das características da pesquisa
qualitativa e da pesquisa ação estimulou os sujeitos
participantes da pesquisa a superar diferentes desvios e
condicionantes que reduzem a capacidade de compreensão
da problemática da realidade revelando novos conhecimentos
de caráter científico em detrimento de que esse estudo
pudesse ser visto como um simples exercício acadêmico de
um curso de pós-graduação.
contornos projetivos                           27


4.2 - Os Sujeitos Participantes da Pesquisa
   Os participantes da pesquisa forma alunos da 5ª. Séries
do Ensino Fundamental da Rede Pública do Estado de São
Paulo. A amostra foi de 119 alunos caracterizados pelas
etapas do desenvolvimento humano, como, crianças, pré-
adolescentes e adolescentes com idades que variam entre 11
e 16 anos. O total dos participantes corresponde a quatro 5ª.
Séries o qual foi denominado a cada uma dela um grupo.
Desta forma, temos os grupos A, B, C e D que forma o
universo desta pesquisa.

Tabela 1 – Síntese da amostra pesquisada dos sujeitos
participantes da pesquisa
        Sexo                     Total                  Porcentagem
      Masculino                   52                       43,6
      Feminino                    67                       56,4
        total                    119                       100

   Esse quadro demonstra a distribuição dos participantes
por sexo revelando uma quantidade de meninas 84%
superior a quantidade de meninos.
Tabela 2 – Distribuição dos sujeitos participantes da
pesquisa por idade
     Idade          Meninos                Meninas            Total
                  (quantidade)           (quantidade)
      11              34                     55                  89
      12              14                     09                  23
      13              03                     01                  04
      14               -                     01                  01
      15              01                      -                  01
      16               -                     01                  01


   Esse quadro demonstra que há alguns alunos defasados
idade cronológica e idade escolar.
28       allencar rodriguez


4.3 - O Tempo e o Espaço da Problematização

    A pesquisa ocorreu numa cidade da região de Campinas,
em 2008, cuja população, pelos dados do IBGE 98, entre as 50
cidades mais populosas do Estado de São Paulo. A escola
sujeito da problematização é tradicional e antiga (foi fundada
em 1908) na área central da cidade. Pelo índice do IDESP99 a
escola se posiciona num índice intermediário entre as 5.183
escolas do Estado com uma média em português de 4,71 e
matemática 2,34. Na mesma cidade existe escola posicionada
na 7ª posição e 88ª posição. Segundo relato dos alunos, por
escrito, a escola apresenta problemas estruturais de grande
monta, como, banheiros entupidos e mal cuidados, torneiras
entupidas, grandes goteiras na maioria das salas, lousa mal
posicionada em sala de aula, sala de aula antipedagógica
(aluno dois em dois nas carteiras em todas as séries
provocando excesso de lotação e muita conversa), acanhada
biblioteca e sala de informática inoperante. No período da
pesquisa (10 meses – fevereiro a dezembro) nenhum evento,
em seu recinto, foi realizado que pudesse trazer a
comunidade para dentro da escola. A questão da indisciplina
é alarmante em algumas salas sem que providências sejam
tomadas, por exemplo, houve aluno que teve 26 ocorrências
sem que o gestor tivesse conhecimento.

4.4 - Procedimentos

   Para a coleta de dados foi adotado o Procedimento
Desenhos-Estórias, Trinca (1972). Em cinco sessões
sucessivas, foi aplicado a sequência:

►Distribuição de Materiais:
 a) cada aluno recebeu uma folha de sulfite modelo A4 em
branco, sem pauta;
b) Lápis preto (ponta sulfite);
c) Lápis de cor;
contornos projetivos            29


►Técnica de Aplicação:

a) Após dado o início, cada aluno, teve cerca de 30 minutos
para fazer um desenho livre;
b) Após a conclusão do desenho, o participante fez um breve
relato associado ao desenho. Após isso foi pedido que, em
outra folha em branca e sem pauta, sulfite modelo A4, fizesse
o relato da estória por escrito;
c) Após o término da estória, pede-se-lhe o título da
produção;
d) Feito isso dá-se por terminado a primeira unidade de
produção composta pelo desenho livre, o breve relato, a
estória e o título.

   Esse procedimento é repetido por mais quatro vezes,
sempre no mesmo dia da semana, num intervalo de sete dias
e no mesmo horário. Três grupos participaram no período da
manhã e um grupo no período da tarde.
   Quanto às observações gerais100 do Procedimento
Desenhos-Estórias, foi seguido à observação dada pelo
próprio autor da técnica de investigação que inclui:
  a) O examinador não deverá se deixar levar facilmente
     pelas primeiras recusas do examinando perante a tarefa,
     especialmente quando este se encontra em processo de
     elaboração anterior. Muitas vezes uma recusa formal
     pode ser contornada pelo estabelecimento de um bom
     rapport101.
  b) Diante de perguntas como: “que tipo de estória?”, “que
     desenho?”, “precisa pintar?”, “qual o modo de fazer?” e
     outras semelhantes, o examinador esclarecerá que o
     sujeito deve proceder como quiser.
  c) O uso de borracha deve ser evitado para melhor se
     caracterizarem certas áreas em que o sujeito tem
     maiores dificuldades de desenhar. O uso da borracha
     faria desaparecer algumas configurações gráficas de
     valor psicológico. Se o examinado quiser, ser-lhe-ão
     entregues novas folhas de papel onde ele possa refazer
     o trabalho, recolhendo-se, porém, a produção anterior.
30        allencar rodriguez



Capítulo 5. A CRIANÇA E A PRÉ-ADOLESCÊNCIA

5.1 – O Pré-adolescente e a Teoria Cognitiva de Jean
Piaget

    Revolução, terremoto, hecatombe. Parece que isso ocorre
para milhões de crianças quando iniciam a 5ª. Série do
ensino fundamental. E não poderia ser diferente. Somado a
nova prática didático/pedagógica com vários professores,
várias matérias, escola diferente e diferentes colegas, para
muitos, esse é o momento de começar a dar adeus à
infância. Têm início intensas transformações físicas. Os
hormônios do crescimento e sexuais são produzidos mais
intensamente pelo organismo. Aparecem os pelos, os órgãos
sexuais se desenvolvem, para os meninos a voz engrossa e
nas meninas a cintura fica mais fina e o quadril, mais largo. É
a puberdade. O período da pré-adolescência.

    Nessa etapa do desenvolvimento humano, é o alvorecer
do realismo. A criança percebe que é um ser social, portanto,
começa a entender que possui mais responsabilidades de
ordem grupal e social o que provoca conflitos em seu
desenvolvimento psicológico. Para a criança a pré-
adolescência é uma época de profunda inquietação e
excitação, pois pelos seus impulsos ela não se sente como
uma criança e não é um adulto. Essa manifestação de
indefinição é pior do que na fase seguinte, a adolescência.
Nesse momento as alterações hormonais provocam distúrbios
em seu comportamento. Suas fantasias, sonhos e desenhos
são focos de conflito com seu novo mundo. Sua iminente
adaptação ao novo eixo social pode gerar angústias, estresse,
isolamento e a depressão. Observa-se nesse período o
impacto das transformações corporais, a instabilidade de
adaptação ao novo mundo que surge e a construção de sua
própria identidade mediante as interferências desse mundo.
contornos projetivos             31


    Pela teoria dos estágios do desenvolvimento cognitivo de
Jean Piaget (Neuchâte, 9 de agosto de 1896, Genebra, 16 de
setembro de 1980 – biólogo, zoólogo, filósofo, epistemólogo
e psicólogo) a pré-adolescência é o estágio operatório
concreto, que dura dos 7 aos 11 anos de vida.
    A criança começa a lidar com conceitos abstratos. É o
início do período do raciocínio e a formação de hipóteses. No
desenho expressa o realismo na representação da figura
humana. Aparecem as dobras da roupa, as luzes e as
sombras marcando a geometria do corpo humano. De acordo
com a teoria de Piaget (1948) na fase operacional concreto a
criança já deve apresentar um realismo visual em suas
imagens em detrimento do realismo mental.




      Realismo visual: Wagner Luiz (11 anos)




      Realismo mental: Cláudio Faria (11 anos)

    Nesse período é natural que a criança apresente nos
desenhos     de    figura   humana      maior definição das
características sexuais, principalmente as meninas com os
seios, cintura, quadris e o corpo já formado.
32        allencar rodriguez




                                        Cláudia Rodrigues (11 anos)




                       Carla Antunes (11 anos)




                                         Raissa Menezes (11 anos)




   Outra característica desta fase de desenvolvimento, as
operações concretas, a criança possui seus pensamentos
descentrado   da   percepção      e    ação.   Deve   apresentar      a
capacidade    de   classificar,       enumerar   e    ordenar.     No
desenvolvimento da leitura seu foco é a leitura interpretativa
com capacidade de ler e compreender textos curtos e de
leitura fácil e menor dependência da ilustração. Sua leitura
favorita transita pelos contos fantásticos, contos de fadas e
animismo.
contornos projetivos               33


5.2 O Referencial Psicanalítico de Donald Woods
Winnicott

    Entender a constituição do mundo psíquico winnicottiano é
agregar valores teóricos e empíricos de pelo menos 46 anos
das condições normais do desenvolvimento humano. É
renascer e transitar pelos símbolos e sensações da própria
existência revivida de cada um que atua no campo da
compreensão da construção da personalidade de um
indivíduo no amplo âmbito do contexto social. Isso tudo,
dentro dos padrões de seu desenvolvimento físico, intelectual
e emocional não importando, portanto, com aspectos
subjetivos de raça, credo e/ou cultura. Mãe é mãe em
qualquer sentido físico, psíquico, biológico e estrutural de
mundo da mesma forma que os bebês. Na relação entre
ambos se forma o ser suficientemente bom. E é sob esse
prisma que Donald Woods Winnicott (Plymouth, 7 de abril de
1896 – 28 de janeiro de 1971 – pediatra e psicanalista inglês)
fundamentou as bases teóricas de sua imensa obra que é
uma das abordagens mais precisas para a compreensão do
amadurecimento psíquico do ser humano.
    É natural no ser humano (faz parte da natureza humana,
mas não é garantia) uma força de aspecto psicológico que de
suporte ao amadurecimento e a sua integração, porém esse
fato só é determinante se existir um ambiente facilitador para
essa ocorrência. Esse ambiente facilitador, no início do
processo, é representado pela mãe e depois de todo o meio
ambiente que da sustentabilidade ao indivíduo. Não basta a
ocorrência cronológica do tempo para a efetivação do
amadurecimento e sim que o ambiente seja essencialmente
sustentador das necessidades básicas do existir humano, isto
é, a existência de um ambiente suficientemente bom tanto
nas fases iniciais do bebê quanto da criança e do adulto
dentro de sua característica de ser e continuar sendo. Isso
determina o indivíduo sempre dependente no processo de seu
amadurecimento. Por isso, falhas nos primeiros meses de
vida do bebê nas três funções essenciais da maternagem, boa
o bastante, no âmbito
34       allencar rodriguez


do holding102, handling103 e a relação objetal104 afetam o
indivíduo em seu caminho para a dependência relativa e no
sentido da independência. De acordo com Winnicott:

                Fundamental a tudo isso é a idéia de dependência
                individual, sendo a dependência o princípio quase
                absoluto, e alterando-se gradativamente, e de maneira
                ordenada, para a dependência relativa e no sentido da
                independência. A independência não se torna absoluta e
                o indivíduo visto como unidade autônoma nunca, de fato,
                é independente no meio ambiente, embora existam
                maneiras pelas quais, na maturidade, ele possa sentir-se
                livre e independente, tanto quando contribua para a
                felicidade e para o sentimento de estar de posse de uma
                identidade pessoal. Através das identificações cruzadas, a
                linha nítida existente entre o eu e o não-eu é toldada. 105

    Em “Pensando sobre crianças” (Winnicott, 1997) disserta
que são possíveis três abordagens distintas da criança
pequena;     elas    se     referem    respectivamente    ao
desenvolvimento físico, intelectual e emocional. A criança
pequena, ainda frágil na interrelação entre seu mundo egóico
e o real, que se apega aos objetos transicionais rumo à
natureza de seu amadurecimento não pode ser privado 106 ou,
na evolução de sua idade cronológica, deprivado107 de suas
necessidades internas daqueles que as cercam para que seu
desenvolvimento emocional prossiga sem traumas. Seu
desenvolvimento emocional é muito rápido em comparação
aos que já estão na fase escolar (que já possuem a
capacidade de buscar e encontrar pelas experiências
emocionais vividas um suporte para suas necessidades
internas).
contornos projetivos                        35


    Isso se tiverem tido o amparo daqueles que o cercam
suficientemente bom). A falha desse contexto na criança
pequena provoca traumas que são muito mais danosos na
idade pré-escolar, consequentemente, promoverá transtornos
e/ou distúrbios na idade escolar se estendendo à pré-
adolescência, adolescência e idade adulta no âmbito
intelectual e emocional. O contexto da falha se insere na
rotina inicial de seu desenvolvimento físico e mental. O
desenvolvimento emocional envolve inibições intelectuais:
ansiedade e depressão que são um mecanismo da coerção
intelectual. A criança privada ou deprivada de um ambiente
de sustentação emocional se sustenta criando um sistema
próprio de defesa contra essa ansiedade e depressão. Esse
mecanismo o colocará num conflito entre o mundo real
verdadeiro e o seu criado pelo subjetivismo de suas
necessidades fazendo crer que aquilo que é falso para o
mundo real lhe pareça verdadeiro em suas ações
interrelacionais com o ambiente que o envolve na sua visão
de realidade e fantasia. Esse procedimento de defesa
Winnicott denominou de falso self (que pode ser entendido
como o falso-eu que se fundamenta nos conceitos de
preservação do eu verdadeiro, ou seja, o self verdadeiro).
“Isso que chamamos de bebê não existe”. [...] se você
me mostrarem um bebê, mostrarão também, com certeza,
alguém cuidando desse bebê, ou ao menos um carrinho ao
qual estão grudados os olhos e ouvidos de alguém. O que
vemos, então, é a “dupla amamentante”108.

    Na idade inicial de vida do bebê ele ainda não existe como
ser. Isso significa que existe uma “coisa” que chamamos de
bebê. Essa “coisa” é totalmente dependente de sua mãe,
portanto, não existe ainda a constituição de um ego. Seu ego
é a sua própria mãe.

                O que vê o bebê quando olha para o rosto da mãe?
                Sugiro que, novamente, o que o bebê vê é ele mesmo.
                Em outros termos, a mãe está olhando para o bebê e
                aquilo com o que ela se parece se acha relacionado
                com o que ela vê ali. (Winnicott, 1975, p. 154 , grifo do
                autor).
36        allencar rodriguez


  Disso decorre a importância da mãe suficientemente boa
nessa fase da vida que seja facilitadora de seu
desenvolvimento sadio através de seu suporte egóico
promovendo ao bebê um caminho sem traumas na
continuidade de seu processo de maturação. Dessa forma a
criança no decorrer de seu crescimento físico, intelectual e
mental vai integrando em seu ser em construção capacidades
sensitivas, perceptivas, lingüísticas e psicomotoras. A falha
da mãe nesse processo de construção do ego do recém
nascido é sentido pelo próprio bebê como uma falha
ambiental no processo de continuidade de sua própria
existência. Essa falha é um apoio inadequado ou até mesmo
patológico ao crescimento emocional da criança de onde
surgem os distúrbios e/ou transtornos de comportamento no
futuro desse indivíduo nos estágios sociais de uma
comunidade, como, a apatia, inibição e complacência. No
âmbito dessas falhas a criança constitui o seu falso self109 que
tem com funções, a proteção, dissimulação ou dissociação do
self110 verdadeiro de acordo com as necessidades do
ambiente o qual o indivíduo está inserido o qual se constitui
pelo ambiente externo ao seu próprio ego desagregado de
elementos concretos que formam esse meio externo. Ao fazer
uso do falso self como forma de proteção egóica a noção de
mundo para o indivíduo se traduz como uma forma de
realismo mental, subjetivo e distorcido daquilo que é real. Em
um extremo: “O falso se implanta como real e é isso que os
observadores tendem a pensar que é a pessoa real. Nos
relacionamentos de convivência, de trabalho e amizade,
contudo, o falso self começa a falhar.” (Winnicott, 1983, p.
130). Desta forma o falso self é uma estratégia de
sobrevivência em detrimento do viver como ser-no-mundo
em toda sua plenitude resultado de falhas de construção da
personalidade por conta do desenvolvimento do indivíduo
num ambiente que não lhe proporcionou sustentabilidade
emocional para seu processo de integração objetal, que já
começa na fase da amamentação) no caminho de sua
independência.
contornos projetivos                      37


                Ao lidar com a amamentação ou com a alimentação por
                mamadeira [...] a mãe e o bebê chegam a um acordo na
                situação de alimentação, estão lançadas as bases de um
                relacionamento humano. É a partir daí que se estabelece
                o padrão da capacidade da criança de relacionar-se com
                os objetos e como o mundo111.

    Esse processo da relação objetal permite ao indivíduo
adaptar-se às suas necessidades primitivas capacitando-o a
descobrir o mundo d forma criativa em sua aquisição e
manifestação como também, bebês que não experimentam
falhas ambientais nesse período transitam satisfatoriamente
de sua relação absoluta de dependência para a independência
mesmo sabendo que essa independência é incompleta, não
absoluta, o que é natural no desenvolvimento humano. Por
outro lado, bebês que experimentam falhas ambientais,
quanto à dependência, em graus, variados, experimenta um
prejuízo concreto que pode ser muito difícil de reparar: “Na
pior das hipóteses, o desenvolvimento da criança como
pessoa é distorcido para sempre, e em conseqüência a
personalidade é deturpada, ou o caráter é deformado
(WINNICOTT, D.W. “Os bebês e sua mães.” 3ª. ed. São
Paulo: Martins Fontes, 2006, p. 77), grifo nosso. Essa
ocorrência se manifesta em famílias estruturadas ou não. É
possível então elaborar hipóteses à respeito daqueles que se
vêem privados ou deprivados de suas famílias.

                Os efeitos podem ser enunciados em termos de dados
                clínicos e atualmente há uma concordância considerável
                sobre o que se pode esperar quando há separação do
                bebê ou criança pequena da figura parental durante um
                período de tempo excessivamente longo. Foi estabelecido
                que existe uma relação entre a tendência anti-social e a
                privaçao112.

   Os sintomas anti-sociais se manifestam principalmente na
idade escolar no âmbito da agressividade que se desvela em
seus impulsos primitivos, sob a proteção do falso self,
ocasionando o isolamento e a depressão levando o indivíduo
a não integrar-se cognitivamente e emocionalmente
promovendo atraso em seu desenvolvimento intelectual e
emocional.
38       allencar rodriguez


    A escola é um reflexo da realidade social, portanto, um
lugar que é possível dimensionar a intensidade da
desestruturação familiar nos dias de hoje pelos índices de
desenvolvimento escolar, da evasão, da repetência entre
outros fatores em que a culpa recai sobre o Estado e sobre a
(De) gestão da Unidade Escolar. Essas famílias vivenciam um
horizonte sem desenvolvimento e progresso produzindo filhos
com baixa auto-estima, depressivos, intolerantes e
agressivos.
    Quando esses filhos chegam à adolescência a falta de
controle de seus impulsos primitivos não educados poderá
incorrer em sérios problemas psicossociais. Sem regras
impostas pela educação primária não aprendem a seguir as
regras sociais e nem lidar com suas frustrações e perdas.
Como defesa usam a agressividade como padrão de
comportamento. E, a escola pela sua incompetência
administrativa não é para ele um referencial para sua vida de
crescimento, de harmonia, de socialização.
    O referencial de desenvolvimento emocional para a
criança é sua própria família. Se houver uma falha nesse
ambiente, essa criança buscará fora de casa um outro
referencial que lhe de sustentabilidade ambiental de
amadurecimento. Essa sustentabilidade poderá vir de seus
tios, avós, amigos da família. A criança privada desses
ambientes poderá obter, ainda, na escola o que lhe faltou no
próprio lar. Esse fato não acontece com a criança anti-social.

               A criança anti-social está simplesmente olhando um pouco
               mais longe, recorrendo à sociedade em vez de recorrer a
               família ou à escola para lhe fornecer a estabilidade de que
               necessita a fim de transpor os primeiros e essenciais
               estágios de seu crescimento emocional113.


    Para piorar a situação dos indivíduos que se inserem nos
fatores que produzem a agressividade no padrão anti-social
como os instintos agressivos, a bagagem hereditária e seu
ambiente familiar, pesquisas revelam que crianças oriundas
de famílias de padrão sócio-econômico baixo são mais
agressivas e mais propensas de se tornarem delinqüentes.
contornos projetivos                     39


               Amor e ódio constituem os dois principais elementos a
               partir dos quais se constroem as relações humanas. Mas,
               amor e ódio envolvem agressividade. Por outro, a
               agressão pode ser sintoma de medo114.

    De onde vem à tendência agressiva humana é uma tarefa
difícil de identificar. Por Darwin ela é inerente à formação
genética de nossos ancestrais que fundamentavam sua sub-
existência na luta contra a fome, em favor da vida e a
natureza hostil. Diferente nos períodos formadores das
sociedades onde a agressividade e violência se confundem.
Hoje, em estudo profundo, Winnicott certifica e demonstra
que ataques de impulsos irracionais está intimamente
relacionado ao desenvolvimento emocional do indivíduo e que
“em termos” o ato é influenciado pelo ambiente.
     Para Winnicott, a agressividade pode tomar vários
caminhos e estes caminhos estarão em estreita relação com a
resposta ambiental: o desenvolvimento normal da capacidade
de inquietude e duas alternativas patológicas, que seria a não
capacidade para a inquietude e a questão da formação do
faso-self, ligado à questão da tendência anti-social.
     Mas, segundo Winnicott, à agressividade que configura
em muitos casos como uma tendência anti-social não pode
ser vista como um diagnóstico de transtorno ou distúrbio
relacionado à saúde do indivíduo. A tendência anti-social é
um sinal de pedido de socorro pelo indivíduo que se sente
preso em um meio que não foi ou ainda não é
suficientemente bom para ele.
     Na fase escolar é comum a manifestação agressiva de
crianças e adolescentes. Principalmente nos adolescentes que
precisam dominar seus impulsos agressivos e sexuais.
Atitudes anti-sociais extremas, muitas vezes, ajudam o
adolescente a se sentir real, num período de perturbação
emocional depressiva ou de deprivação. Winnicott afirma que
o processo do amadurecimento é a cura da adolescência e
dessas atitudes hostis positivas no contexto do crescimento
do indivíduo. Manifestações que giram em função de sua
defesa e conquistas, para o exercício da criatividade e a
cumplicidade amorosa. O grande problema é se o indivíduo
tomar o viés da tendência à delinqüência, onde a tendência à
40       allencar rodriguez


construção do seu próprio eu é substituído pela ação da
destrutividade e a violência.
     O indivíduo delinqüente difere daquele com tendência
anti-social uma vez que no âmbito da delinqüência já
haveriam defesas constituídas com ganhos secundário, que
dificultariam a criança entrar em contato com seu
desilusionamento inicial.

     Segundo Winnicott (1983), dos dois vieses da tendência
anti-social, o roubo está relacionado à interação mãe e seu
desempenho materno condicionado à falha de exercer o
holding. No roubo a criança procura por algo em algum lugar
sendo que o objeto roubado não é o valor da conquista, mas
o sentido da causa e conseqüência. A causa é o fracasso, pois
o objeto subtraído não tem importância emocional. Já a
destrutividade se insere na forma mais desesperada do
indivíduo em chamar para si à atenção. Somado a isso, a
destrutividade está relacionada à interação com o pai. Em
Winnicott, a função paterna é a caracterização de um
ambiente indestrutível, aquele que sustenta a mãe e o bebê.
O pai sustenta a mãe a sentir-se bem em seu próprio corpo e
feliz em seu espírito. E, para ser uma mãe suficientemente
boa, é necessário que essa mãe esteja feliz em seu ego.
Dessa forma, o pai é uma identidade reconhecida na mãe
frente aos desejos e anseios dessa própria mãe. O que a mãe
implanta na criança, o pai sustenta. Portanto, uma falha
nesse ambiente poderá induzir uma predisposição a
distúrbios afetivos e tendência anti-social. Pois, pai e mãe
dão sustentação a criança em momentos distintos que se
intercedem na construção emocional dessa criança. A criança
necessita da presença do pai pelas qualidades que esse
distingue de outros homens. O pai é um elo entre a família e
a sociedade. Dessa forma, o pai é importante a partir daquilo
que a mãe necessita como também ele é importante às
necessidades da criança. Nesse caso, o pai é um ser real que
pode ser visto como um objeto de amor quando sua
agressividade se direciona a mãe da mesma forma que pode
odiar o pai enquanto sustenta seus reflexos de amor à mãe.
contornos projetivos                         41


    Nesse contexto se dá o processo de integração de uma
espécie de fragmentos psíquicos na mente da criança. Ela
pode até não ter um pai real e vivo, mas deverá constituir um
substituto já que a constituição do pai pela fala da mãe
constrói-se um símbolo. Esse símbolo constituído pela fala da
mãe e o imaginário da criança impede a socialização de um
substituto. Daí vem o fracasso do ambiente, da mãe, e da
criança.
    Portanto a não superação ou o não amadurecimento
desse estágio agressivo em seu processo de crescimento, de
acordo com D. W. Winnicott, a criança ou o adolescente
poderá se tornar um delinqüente. Isto é, aquele que desaloja
as coisas, que desaloja de seu lugar, do lugar que lhe é
atribuído pela sociedade. Nesse caso, seu grito de socorro
estará direcionado para as estruturas mais formais da
sociedade: As leis do país cujos limites são as barras de uma
prisão. A agressividade madura não é algo a ser curado; é
algo a ser notado e consentido. Se for incontrolável, saímos
de lado e deixamos que a lei se encarregue. (Winnicott,
2005, pg. 101).
    Isso tudo mostra o lugar designado à família na
estruturação psíquica de jovens. Sempre junto ao filho
promovendo relações familiares de abrigo, interação,
integração e externação de ideais predominantemente de
valores democráticos e igualitários fundamentado em nossa
cultura. Por isso, entre muitos outros aspectos,

               Não haveria nada de novo em afirmar que a família é um
               dado essencial de nossa civilização. O modo pelo qual
               organizamos nossas famílias demonstra na prática o que é
               nossa cultura, assim como uma imagem do rosto é
               suficiente para retratar o indivíduo. A família nunca deixa
               de ser importante, e é responsável por muitas de nossas
               viagens. Nós escapamos, emigramos, trocamos o sul pelo
               norte e o leste pelo oeste devido à necessidade de nos
               libertarmos; e depois viajamos periodicamente de volta
               para casa para renovar o contato com a família. Passamos
               boa parte do tempo escrevendo cartas, mandando
               telegramas, telefonando e ouvindo histórias sobre nossos
               parentes; e, em épocas de tensão, a maior parte das
               pessoas permanece leal às famílias e desconfiadas dos
               estranhos115.
42        allencar rodriguez


    E a principal característica estrutural da família é o pai e a
mãe. São eles que dão suporte a socialização dos filhos que
aos poucos vão interagindo com outros membros da própria
família, com os vizinhos e com a escola. Esse contexto de
expansão social desvela na criança a existência de um mundo
externo cujos conflitos pertinentes a esse mundo é absorvido
pela criança que está preparado para suportar traumas
supostamente agressivas ao seu mundo egóico. Isso facilita
seu processo de integração individual que é uma questão de
seu desenvolvimento emocional, bem como, o físico e o
intelectual.

                 Se as condições favoráveis nos primeiros estágios
                 realmente estimularem a integração da personalidade,
                 essa integração do indivíduo, um processo ativo que
                 movimenta muita energia, afeta por sua vez o ambiente
                 externo. A criança que se desenvolve bem, e cuja
                 personalidade foi capaz de realizar internamente sua
                 integração por força das capacidades inatas de
                 crescimento individual, exerce um efeito integrativo sobre
                 seu ambiente externo imediato. Essa criança “contribui”
                 para a situação familiar116.

    Essa contribuição ou favorecimento de uma situação
familiar satisfatória contribui para a integração das unidades
familiares o qual depende toda a sociedade como
mantenedora de um ideal de modelo moral, não corrompido e
hereditário. Esses aspectos asseguram uma unidade de
sobrevivência como instituição de apoio e suporte ao
indivíduo dentro dos parâmetros éticos que norteia os passos
de um indivíduo constituído como cidadão. Isto é, “em outras
palavras: numa sociedade sadia, em que a democracia possa
florescer, uma proporção suficiente de indivíduos tem de
haver realizado uma integração satisfatória da própria
personalidade” (Winnicott, 2005, p. 69, grifo do autor).
    Dentro do âmbito da importância da situação familiar no
desenvolvimento emocional da criança, Winnicott nos expõe
em sua literatura um aspecto preocupante em relação às
crianças em idade escolar que se desenvolvem de forma
desajustada provenientes da privação e/ou deprivação
contornos projetivos                      43


familiar inseridos no contexto da imaturidade emocional dos
pais ao se casarem, à vinda do filho em momento não
esperado e não amadurecido o suficiente para o ato parental,
a desintegração da vida familiar e as psicoses parentais e/ou
a morte. De acordo com seus estudos crianças provenientes
de um lar suficientemente bom vai à escola na ansiedade
natural e amadurecida de aprender coisas, uma vez que de
alguma forma essa criança possui objetivos que pode ou não
ser somados ao da família. Já para a criança desajustada o
aprendizado escolar é uma necessidade secundária. Sua
principal necessidade é o cuidado que lhe faltou em sua
formação física, emocional e intelectual. Ou seja,

                Para a criança desajustada, em outras palavras, a
                “escola” tem o significado de “abrigo” ou “albergue”. Por
                isso, os indivíduos ligados ao cuidado de crianças anti-
                sociais não são professores escolares que em certos
                momentos acrescentam a seu trabalho um colorido de
                compreensão humana; são antes psicoterapeutas de
                grupo que às vezes aplicam-se a dar um pouco de ensino
                escolar117.



   Em “Natureza humana (1990)”, Winnicott relata “que no
estágio em que consegue perceber a existência de três
pessoas, ela própria e duas outras, a criança encontra, na
maioria das culturas uma estrutura familiar à sua espera”.

                No interior da família, a criança pode avançar passo a
                passo, do relacionamento entre três pessoas para outros
                mais e mais complexos. É o triângulo simples que
                apresenta as dificuldades e também toda a riqueza da
                experiência humana. Na estrutura familiar, os pais
                fornecem também a continuidade do tempo, talvez uma
                continuidade desde a concepção da criança até o fim da
                dependência,     que    caracteriza  o    término    da
                adolescência .
                            118




   Essa ocorrência faz parte da natureza humana que não
muda dentro de uma sociedade em constante mudança. O
que existe é uma evolução da natureza humana. Desta
forma, o ambiente facilitador para o processo de maturação
44       allencar rodriguez


do indivíduo permanece o mesmo, apenas evolui como é o
caso da família.
    A psicanálise winnicottiana implica uma teoria do
ambiente e os processos do desenvolvimento emocional
humano. Sua maturação depende da saúde mental dos
indivíduos estabelecidos nos estágios iniciais de suas vidas
sob a responsabilidade inicial de sua mãe em promover um
ambiente satisfatório e/ou facilitador para os seus
desenvolvimentos     seguidos    de   outras    formas     de
sustentabilidades que se cruzam ou se somam nos estágios
de seu crescimento.
Portanto, o continuísmo da existência e da evolução
emocional do indivíduo é sempre dependente de fatores
ambientais. Uma série de cuidados e experiências relativas à
interação com o ambiente serão necessário para que esse
indivíduo evolua satisfatoriamente em seus estágios
processuais de integração. Essa evolução caracteriza um
amadurecimento saudável em que o indivíduo inicia sua
existência num estado não integrado, egóico e desconhecido
do não-eu para um estado
de vida madura, plena e socializada dentro dos padrões
cronológicos de seu amadurecimento físico, mental e
intelectual que se encerra com as sua morte. Assim, uma
falha no processo de maturação e integração decorrente da
deficiência do ambiente num momento em que a criança
ainda não é capaz de sustentar seu próprio self poderá levar
a um trauma como uma ruptura na linha da própria vida. O
que irá se tornar o mais graves dos traumas (para Winnicott
o potencial dos traumas são inerentes ao processo de
crescimento do indivíduo), um entrave à integração da
estrutura da personalidade        do indivíduo. Entendido
personalidade como um conjunto de características que
determinam a individualidade pessoal e social do indivíduo,
crianças que apresentam atraso congnitivo no âmbito escolar
em decorrência das falhas emocionais em seus estágios de
amadurecimento estarão propensos ao contexto da exclusão
determinado pela sociedade que ela própria ajuda a evoluir.
contornos projetivos                          45


Capítulo 6 – O MAPA DO SÍMBOLOS

6.1 Distribuição da Freqüência de Escolha de Símbolos
Tabela 3 – distribuição Total da freqüência dos símbolos – GRUPOS A – B – C – D

           Distribuição da Freqüência dos Símbolos em 587 Desenhos
                          de 119 Sujeitos Participantes

  Indícios de             Masculino                  Feminino             Total      Total
   Variáveis                                                               da         de
   Temáticas                     Número                     Número     Freqüência   Sujeito
                  Freqüência       de       Freqüência        de        Temática       s
                                 Sujeitos                   Sujeitos

        Sol          56               47       128              72        184        119
        Céu          6                47       17               72         23        119
     Nuvens          40               47       75               72        115        119
        Lua          5                47       10               72         15        119
      Flores         14               47       93               72        107        119
  Montanhas          11               47       42               72         53        119
    Animais          24               47       62               72         86        119
       Casa          29               47       59               72         88        119
     Árvore          40               47       140              72        180        119
     Figuras         53               47       161              72        214        119
    humanas
    Veículos         32               47        2               72        34
     Barcos          6                47        7               72        13         119
     Cartum          21               47        4               72        25         119
   Paisagem          15               47       62               72        77         119
    Coração           -               47       17               72        17         119
        Cor
 predominante
   Vermelho           9               47        45              72         54         119
    Amarelo           19              47        81              72        100         119
     Laranja          16              47        47              72         63         119
       Azul           21              47        93              72        114         119
      Verde           27              47       101              72        128         119
      Negro           5               47        7               72         12         119
      Rosa            4               47        31              72         35         119
     Marrom           20              47        86              72        106         119
      Cinza            -              47        4               72         4          119
  Acromático         124              47       102              72        226         119
 A repetição de
  um mesmo           53               47       98               72        151        119
       tema
 A diversidade       67               47       118              72        185        119
    de temas
  Movimento                                                                          119
    Dinâmico         35               47       48               72         83
    Estático         42               47       127              72        169
     Falta de
  Criatividade       34               47       44               72        78         119
46             allencar rodriguez


6.2 A Representação Geral dos Símbolos das Projeções Psicossociais

Sol:
Ausência     Desequilíbrio emocional, carência, abandono, morte e desolação (como se sente por
             dentro)
 Sem raio    Perda de entusiasmo, perda de autonomia
  Centro     Probabilidade de uma família desarticulada
  Direita    Violência verbal ou física por parte dos pais

Flores       Necessidade de segurança

Montanhas          Busca de estabilidade emotiva
  Direita          Preguiça - Oportunista

Animais            Comunicação de alguma necessidade – Falta de compreensão pelos adultos

Casa
       Muito pequena              Representação de um estado anímico
  Porta e janelas pequenas        Apresenta dificuldades de socialização

Árvore
                    Representa o aspecto emotivo, físico e intelectual da criança
   Tronco           Base alargada - Imaturidade – Predomínio da vida instintiva
 Copa esférica      Indica falta de sentido construtivo – falta de energia – ingenuidade – medo da vida
                    real – acomodação – falta de concentração
Sem folhas          Falta de motivação- tristeza
Sem raiz            Apatia

Figuras humanas
     De perfil           Representa dissimulação ou desajuste – Incapacidade de enfrentar o meio –
                         Deficiência afetiva
     Cabalística         Representa problemas sexuais ou personalidade
      Grotesca           Insensibilidade – Baixo nível mental
     Não inteira         Só a cabeça - Censura ao seu próprio corpo – Problema de grande censura
                         sexual

  Cartum      Indica falta de habilidade para desenhos da realidade

Cor
  Pouco colorido          Representa dificuldades na área afetiva
    Acromático            Retração e dispersão

 Repetição de um mesmo tema          Entrave na socialização de novos conhecimentos

Movimento
 Figura sem movimento          Indica repressão – Inibição aos estímulos interiores
 Movimento monótono            Apatia
  Movimento hesitante          Insegurança

  Uso da Borracha         Exagerado – Incerteza, Indecisão, Insatisfação, Falta de controle, Fuga
     Sombreado            Conflitos, Medo, Insegurança
 Orientação Espacial      Fuga da localização central dos desenhos
       Traços             Descontínuos
       Pressão            Predomínio de linhas finas ou grossas
contornos projetivos                    47


6.3 Apresentação dos Indícios de Variáveis Psicológicas nos Sujeitos
Inseridos no Contexto das dificuldades de Aprendizagem.




Tabela 4 – indícios de variáveis psicológicas nos sujeitos inseridos no
contexto das dificuldades de aprendizagem.




                         Distribuição da
                     Freqüência dos indícios
                      psicológicos em ( 97 )
                            Desenhos

                        Indícios de Variáveis
                            Psicológicas

                         Dificuldade na área
                                 afetiva
                               Ansiedade
                            Agressividade
                               Depressão
                         Insegurança / Medo
                                Conflito
                              Fragilidade
                             Cerceamento
                          Falta de habilidade
                             Dependência
                              Descontrole
                              Introversão
                       Desequilíbrio Emocional
                       Imaturidade Emocional
                           Incapacidade de
                         Adequação ao Meio
                                 Apatia
                             Instabilidade
                               Dispersão
                               Indecisão
                           Apresentação de
                           Realismo Mental
                            – Infantilidade
                               Atraso do
                           Desenvolvimento
                               Cognitivo
48        allencar rodriguez


Capítulo 8 – O MAPA DA PROBLEMATIZAÇÃO

7.1 – Sujeitos Participantes            no    Contexto     das
Dificuldades de Aprendizagem
    Determinado o quadro da maior distribuição total da
freqüência dos símbolos (tabela 3) e o quadro com a maior
freqüência dos índices variáveis psicológicas (tabela 4)
inerentes ao assunto da pesquisa foi construído um quadro
provisório de 53 sujeitos que apresentavam aspectos, em
seus desenhos, simbólicos inerentes aos sintomas propensos
a    um    diagnóstico    que    represente    dificuldades de
aprendizagem baseando-se apenas nos indícios de: a) falta
de criatividade (que significa falta de capacidade de elaborar:
desenhos ricos em temas e detalhes) e/ou falta de
capacidade de desestruturar a realidade e reestruturá-la de
outras maneiras; b) na repetição do mesmo tema: que pode
indicar entrave na socialização de novos conhecimentos; c)
na apresentação de desenhos acromáticos: representando
retração e dispersão e d) de falta de habilidade e/ou
percepção para desenhos da realidade dando ênfase ao
desenho de cartum, do quadro 3.3.2 Nesse quadro provisório
foi feito a análise e interpretação de acordo com o quadro
3.3.1 e os elementos que complementam o quadro 3.3.2, por
exemplo, o símbolo do sol, desenho de figuras humanas,
desenhos de árvores, etc. Dessa análise e interpretação foi
delimitado um novo quadro denominado de conjunto A
(tabela 10). A partir da intersecção do conjunto A com um
outro quadro denominado de conjunto B (tabela 11): cujos
elementos contidos em B, são sujeitos que apresentaram, no
final do ano letivo, um quadro de dificuldades de
aprendizagem, representado pelo baixo desempenho escolar
e foram indicados pelos professores de Matemática,
Português, História e Geografia, foi possível montar um outro
conjunto denominado por X (tabela 12) , onde X representa
os elementos comuns entre A e B que apresentam reais
indícios pertinentes às dificuldades de aprendizagem e um
contornos projetivos               49



conjunto Y (tabela 13) cujo elementos pertencem somente a
A ou a B.

               X                   Y

X = Intersecção dos elementos comuns do quadro A e do
quadro B
Y = Quadro de sujeitos que pertencem somente a A ou
pertencem a B


    Nos elementos contidos em X e Y foram feitas as análises
e interpretações do Procedimento de Desenhos-Estórias
seguindo o referencial de análise dos aspectos formais, Trinca
(1997, p. 123-127) excetuando o item (d) do quadro de
avaliação relatado em 3.3.3, uma vez que foi pedido aos
participantes que realizassem seus desenhos usando a folha
de papel em branco, sem pauta, de tamanho ofício na
horizontal e em um outra folha com a mesma descrição foi
pedido que o relato das estórias fossem feito na horizontal.
Somado a esse procedimento foi feito uma enfática análise e
interpretação em cada unidade de produção feito pelos alunos
fundamentado nos índices de variáveis psicológicas
apresentado na tabela 3.3.1.
    A partir disso foi delimitado um quadro único, denominado
conjunto Z (tabela 14), onde Z é a intersecção dos elementos
comuns do conjunto X e do conjunto Y que efetivamente
apresentaram um quadro de diagnósticos psicopedagógicos
que revelam sintomas condicionantes as dificuldades de
aprendizagem.




                             X Z       Y
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011
Contornos projetivos booklet 2011

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação comunicaçao ANPEd - 2013
Apresentação comunicaçao ANPEd - 2013Apresentação comunicaçao ANPEd - 2013
Apresentação comunicaçao ANPEd - 2013
Andréa Thees
 
Psicopedagogia
PsicopedagogiaPsicopedagogia
Psicopedagogia
IFGe
 
A Indisciplina Em Contexto Escolar
A Indisciplina Em Contexto EscolarA Indisciplina Em Contexto Escolar
A Indisciplina Em Contexto Escolar
Maria Sousa
 
Eja caderno3
Eja caderno3Eja caderno3
Eja caderno3
Jeová Junior
 
O que são realmente as dificuldades de aprendizagem
O que são realmente as dificuldades de aprendizagemO que são realmente as dificuldades de aprendizagem
O que são realmente as dificuldades de aprendizagem
Maria Masarela Passos
 
Relatório do diagnóstico psicopedagógico clínico
Relatório do diagnóstico psicopedagógico clínicoRelatório do diagnóstico psicopedagógico clínico
Relatório do diagnóstico psicopedagógico clínico
Daniela Alencar
 
A importancia do_professor_na_construcao_de_uma_escola_inclusiva
A importancia do_professor_na_construcao_de_uma_escola_inclusivaA importancia do_professor_na_construcao_de_uma_escola_inclusiva
A importancia do_professor_na_construcao_de_uma_escola_inclusiva
Maria Salete Leme Antunes
 
A indisciplina na escola
A indisciplina na escolaA indisciplina na escola
A indisciplina na escola
Jessica Fonseca
 
Monografia Rosângela Pedagogia 2008
Monografia Rosângela Pedagogia 2008Monografia Rosângela Pedagogia 2008
Monografia Rosângela Pedagogia 2008
Biblioteca Campus VII
 
Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1
Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1
Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1
Cássimo Saide
 
Portfólio estágio supervisionado ii 1º n5_viliane muniz
Portfólio estágio supervisionado ii 1º n5_viliane munizPortfólio estágio supervisionado ii 1º n5_viliane muniz
Portfólio estágio supervisionado ii 1º n5_viliane muniz
familiaestagio
 
OT Recuperação Intensiva 2013 - parte1
OT Recuperação Intensiva 2013 - parte1OT Recuperação Intensiva 2013 - parte1
OT Recuperação Intensiva 2013 - parte1
Claudia Elisabete Silva
 
Portfólio luciana andrade
Portfólio luciana andradePortfólio luciana andrade
Portfólio luciana andrade
familiaestagio
 
Portfólio didática no ensino superior
Portfólio didática no ensino superiorPortfólio didática no ensino superior
Portfólio didática no ensino superior
Francisco Elitom Rodrigues Silva
 
Recuperação Intensiva 2013 - Historia
Recuperação Intensiva 2013 - HistoriaRecuperação Intensiva 2013 - Historia
Recuperação Intensiva 2013 - Historia
Claudia Elisabete Silva
 
Apresentação do GT19 – Educação Matemática
Apresentação do GT19 – Educação MatemáticaApresentação do GT19 – Educação Matemática
Apresentação do GT19 – Educação Matemática
Andréa Thees
 
Tcc a dificuldade no ensino de leitura na educação
Tcc   a dificuldade no ensino de leitura na educaçãoTcc   a dificuldade no ensino de leitura na educação
Tcc a dificuldade no ensino de leitura na educação
mkbariotto
 
Caderno avaliacao
Caderno avaliacaoCaderno avaliacao
Caderno avaliacao
Fabiana Barbom Mendes
 
A Indisciplina na Sala de Aula
A Indisciplina na Sala de AulaA Indisciplina na Sala de Aula
A Indisciplina na Sala de Aula
José Vaz
 
OT Recuperação Intensiva - História
OT Recuperação Intensiva - HistóriaOT Recuperação Intensiva - História
OT Recuperação Intensiva - História
Claudia Elisabete Silva
 

Mais procurados (20)

Apresentação comunicaçao ANPEd - 2013
Apresentação comunicaçao ANPEd - 2013Apresentação comunicaçao ANPEd - 2013
Apresentação comunicaçao ANPEd - 2013
 
Psicopedagogia
PsicopedagogiaPsicopedagogia
Psicopedagogia
 
A Indisciplina Em Contexto Escolar
A Indisciplina Em Contexto EscolarA Indisciplina Em Contexto Escolar
A Indisciplina Em Contexto Escolar
 
Eja caderno3
Eja caderno3Eja caderno3
Eja caderno3
 
O que são realmente as dificuldades de aprendizagem
O que são realmente as dificuldades de aprendizagemO que são realmente as dificuldades de aprendizagem
O que são realmente as dificuldades de aprendizagem
 
Relatório do diagnóstico psicopedagógico clínico
Relatório do diagnóstico psicopedagógico clínicoRelatório do diagnóstico psicopedagógico clínico
Relatório do diagnóstico psicopedagógico clínico
 
A importancia do_professor_na_construcao_de_uma_escola_inclusiva
A importancia do_professor_na_construcao_de_uma_escola_inclusivaA importancia do_professor_na_construcao_de_uma_escola_inclusiva
A importancia do_professor_na_construcao_de_uma_escola_inclusiva
 
A indisciplina na escola
A indisciplina na escolaA indisciplina na escola
A indisciplina na escola
 
Monografia Rosângela Pedagogia 2008
Monografia Rosângela Pedagogia 2008Monografia Rosângela Pedagogia 2008
Monografia Rosângela Pedagogia 2008
 
Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1
Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1
Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1
 
Portfólio estágio supervisionado ii 1º n5_viliane muniz
Portfólio estágio supervisionado ii 1º n5_viliane munizPortfólio estágio supervisionado ii 1º n5_viliane muniz
Portfólio estágio supervisionado ii 1º n5_viliane muniz
 
OT Recuperação Intensiva 2013 - parte1
OT Recuperação Intensiva 2013 - parte1OT Recuperação Intensiva 2013 - parte1
OT Recuperação Intensiva 2013 - parte1
 
Portfólio luciana andrade
Portfólio luciana andradePortfólio luciana andrade
Portfólio luciana andrade
 
Portfólio didática no ensino superior
Portfólio didática no ensino superiorPortfólio didática no ensino superior
Portfólio didática no ensino superior
 
Recuperação Intensiva 2013 - Historia
Recuperação Intensiva 2013 - HistoriaRecuperação Intensiva 2013 - Historia
Recuperação Intensiva 2013 - Historia
 
Apresentação do GT19 – Educação Matemática
Apresentação do GT19 – Educação MatemáticaApresentação do GT19 – Educação Matemática
Apresentação do GT19 – Educação Matemática
 
Tcc a dificuldade no ensino de leitura na educação
Tcc   a dificuldade no ensino de leitura na educaçãoTcc   a dificuldade no ensino de leitura na educação
Tcc a dificuldade no ensino de leitura na educação
 
Caderno avaliacao
Caderno avaliacaoCaderno avaliacao
Caderno avaliacao
 
A Indisciplina na Sala de Aula
A Indisciplina na Sala de AulaA Indisciplina na Sala de Aula
A Indisciplina na Sala de Aula
 
OT Recuperação Intensiva - História
OT Recuperação Intensiva - HistóriaOT Recuperação Intensiva - História
OT Recuperação Intensiva - História
 

Destaque

Planejar Ou Trabalhar ? 2010 Romante Ezer
Planejar Ou Trabalhar ? 2010   Romante EzerPlanejar Ou Trabalhar ? 2010   Romante Ezer
Planejar Ou Trabalhar ? 2010 Romante Ezer
Romante Ezer Rodrigues, MSc, MBA, PMP.
 
Dados TEDxPortoAlegre
Dados TEDxPortoAlegreDados TEDxPortoAlegre
Dados TEDxPortoAlegre
Renata Nizer
 
Papelhigienico neve
Papelhigienico nevePapelhigienico neve
Papelhigienico neve
amimh
 
Adeus cidade
Adeus cidadeAdeus cidade
Adeus cidade
Rádio Sempre
 
Whoqol abreviado
Whoqol abreviadoWhoqol abreviado
Como Se Tornar Um Leed Ga Leed Ap Curso PreparatóRio
Como Se Tornar Um Leed Ga   Leed Ap   Curso PreparatóRioComo Se Tornar Um Leed Ga   Leed Ap   Curso PreparatóRio
Como Se Tornar Um Leed Ga Leed Ap Curso PreparatóRio
Antonio Macêdo Filho
 
Mapa exposicao silica_brasil
Mapa exposicao silica_brasilMapa exposicao silica_brasil
Mapa exposicao silica_brasil
jorge luiz dos santos de souza
 
Desaparecimento de espécies animais e vegetais
Desaparecimento de espécies animais e vegetaisDesaparecimento de espécies animais e vegetais
Desaparecimento de espécies animais e vegetaisCaroline Magnabosco
 
Homen ssaude implicaçõesgeneroufsm
Homen ssaude implicaçõesgeneroufsmHomen ssaude implicaçõesgeneroufsm
Homen ssaude implicaçõesgeneroufsm
jorge luiz dos santos de souza
 
[WEBINARIO] Webinario OM Latam "Qué es el Real Time Marketing?"
[WEBINARIO] Webinario OM Latam "Qué es el Real Time Marketing?"[WEBINARIO] Webinario OM Latam "Qué es el Real Time Marketing?"
[WEBINARIO] Webinario OM Latam "Qué es el Real Time Marketing?"
OM Latam
 
Turma m4 noturno 2011.1
Turma m4   noturno  2011.1Turma m4   noturno  2011.1
Turma m4 noturno 2011.1
cepmaio
 
2 2008 estatuto de carreira de docente
2 2008 estatuto de carreira de docente2 2008 estatuto de carreira de docente
2 2008 estatuto de carreira de docente
dul
 
DadoSchneider - VENDAS NO SÉCULO XXI...
DadoSchneider - VENDAS NO SÉCULO XXI...DadoSchneider - VENDAS NO SÉCULO XXI...
DadoSchneider - VENDAS NO SÉCULO XXI...
transpoamazonia
 
Turma f.1 2011.1
Turma f.1   2011.1Turma f.1   2011.1
Turma f.1 2011.1
cepmaio
 
Nacionais 1ª. 2ª. época 2011-2012
Nacionais 1ª. 2ª. época  2011-2012Nacionais 1ª. 2ª. época  2011-2012
Nacionais 1ª. 2ª. época 2011-2012
cartaoazul
 
Apresentação cores&sabores
Apresentação   cores&sabores Apresentação   cores&sabores
Apresentação cores&sabores
Touche Comunicações
 
easyweb by blogspot
easyweb by blogspoteasyweb by blogspot
easyweb by blogspot
Wirawat Lian-udom
 
Spring 2013 sales presentation
Spring 2013 sales presentationSpring 2013 sales presentation
Spring 2013 sales presentation
KovacIndustries
 
Copy of apresentação vas
Copy of apresentação vasCopy of apresentação vas
Copy of apresentação vaschimbica
 

Destaque (20)

Planejar Ou Trabalhar ? 2010 Romante Ezer
Planejar Ou Trabalhar ? 2010   Romante EzerPlanejar Ou Trabalhar ? 2010   Romante Ezer
Planejar Ou Trabalhar ? 2010 Romante Ezer
 
Dados TEDxPortoAlegre
Dados TEDxPortoAlegreDados TEDxPortoAlegre
Dados TEDxPortoAlegre
 
Papelhigienico neve
Papelhigienico nevePapelhigienico neve
Papelhigienico neve
 
Adeus cidade
Adeus cidadeAdeus cidade
Adeus cidade
 
Whoqol abreviado
Whoqol abreviadoWhoqol abreviado
Whoqol abreviado
 
Como Se Tornar Um Leed Ga Leed Ap Curso PreparatóRio
Como Se Tornar Um Leed Ga   Leed Ap   Curso PreparatóRioComo Se Tornar Um Leed Ga   Leed Ap   Curso PreparatóRio
Como Se Tornar Um Leed Ga Leed Ap Curso PreparatóRio
 
Mapa exposicao silica_brasil
Mapa exposicao silica_brasilMapa exposicao silica_brasil
Mapa exposicao silica_brasil
 
Desaparecimento de espécies animais e vegetais
Desaparecimento de espécies animais e vegetaisDesaparecimento de espécies animais e vegetais
Desaparecimento de espécies animais e vegetais
 
Homen ssaude implicaçõesgeneroufsm
Homen ssaude implicaçõesgeneroufsmHomen ssaude implicaçõesgeneroufsm
Homen ssaude implicaçõesgeneroufsm
 
[WEBINARIO] Webinario OM Latam "Qué es el Real Time Marketing?"
[WEBINARIO] Webinario OM Latam "Qué es el Real Time Marketing?"[WEBINARIO] Webinario OM Latam "Qué es el Real Time Marketing?"
[WEBINARIO] Webinario OM Latam "Qué es el Real Time Marketing?"
 
Turma m4 noturno 2011.1
Turma m4   noturno  2011.1Turma m4   noturno  2011.1
Turma m4 noturno 2011.1
 
2 2008 estatuto de carreira de docente
2 2008 estatuto de carreira de docente2 2008 estatuto de carreira de docente
2 2008 estatuto de carreira de docente
 
DadoSchneider - VENDAS NO SÉCULO XXI...
DadoSchneider - VENDAS NO SÉCULO XXI...DadoSchneider - VENDAS NO SÉCULO XXI...
DadoSchneider - VENDAS NO SÉCULO XXI...
 
Turma f.1 2011.1
Turma f.1   2011.1Turma f.1   2011.1
Turma f.1 2011.1
 
Nacionais 1ª. 2ª. época 2011-2012
Nacionais 1ª. 2ª. época  2011-2012Nacionais 1ª. 2ª. época  2011-2012
Nacionais 1ª. 2ª. época 2011-2012
 
Lectura
LecturaLectura
Lectura
 
Apresentação cores&sabores
Apresentação   cores&sabores Apresentação   cores&sabores
Apresentação cores&sabores
 
easyweb by blogspot
easyweb by blogspoteasyweb by blogspot
easyweb by blogspot
 
Spring 2013 sales presentation
Spring 2013 sales presentationSpring 2013 sales presentation
Spring 2013 sales presentation
 
Copy of apresentação vas
Copy of apresentação vasCopy of apresentação vas
Copy of apresentação vas
 

Semelhante a Contornos projetivos booklet 2011

Monografia universidade estadual paulista
Monografia universidade estadual paulistaMonografia universidade estadual paulista
Monografia universidade estadual paulista
Katcavenum
 
Contornos projetivos das dificuldades de aprendizagem
Contornos projetivos das dificuldades de aprendizagemContornos projetivos das dificuldades de aprendizagem
Contornos projetivos das dificuldades de aprendizagem
Katcavenum
 
Transtorno Déficit de Atenção e Hiperatividade
Transtorno Déficit de Atenção e HiperatividadeTranstorno Déficit de Atenção e Hiperatividade
Transtorno Déficit de Atenção e Hiperatividade
Marcos Azevedo
 
DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório
DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório
DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório
Elisângela Feitosa
 
Autismo na educação infantil
Autismo na educação infantilAutismo na educação infantil
Autismo na educação infantil
SimoneHelenDrumond
 
O insucesso escolar
O insucesso escolarO insucesso escolar
O insucesso escolar
Pedro Kangombe
 
Altas inteligências me004719
Altas inteligências me004719Altas inteligências me004719
Altas inteligências me004719
Cesimar Barros
 
Projeto integrador - Educação Especial.
Projeto integrador - Educação Especial.Projeto integrador - Educação Especial.
Projeto integrador - Educação Especial.
Stefanie Rodrigues
 
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Artigo 1
cefaprodematupa
 
Aprendizagem
AprendizagemAprendizagem
Aprendizagem
Marcos2rr
 
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagensA intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
helio123456
 
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
SimoneHelenDrumond
 
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
SimoneHelenDrumond
 
Formação Continuada para Educadores do 2º Segmento
Formação Continuada para Educadores do 2º SegmentoFormação Continuada para Educadores do 2º Segmento
Formação Continuada para Educadores do 2º Segmento
CENFOP - Ipatinga
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
christianceapcursos
 
D I S C A L C U L I A: Um desafio na Matemática
D I S C A L C U L I A:  Um desafio na Matemática D I S C A L C U L I A:  Um desafio na Matemática
D I S C A L C U L I A: Um desafio na Matemática
Rodrigo Almeida
 
Fl.peda fund dificuldaprend
Fl.peda fund dificuldaprendFl.peda fund dificuldaprend
Fl.peda fund dificuldaprend
Rute Pereira
 
Fasciculo 2
Fasciculo 2Fasciculo 2
Fasciculo 2
DebsAEE
 
Necessidades educacionais especiais
Necessidades educacionais especiaisNecessidades educacionais especiais
Necessidades educacionais especiais
Anaí Peña
 
Paradigma da inclusão
Paradigma da inclusãoParadigma da inclusão
Paradigma da inclusão
Silvana Eloisa
 

Semelhante a Contornos projetivos booklet 2011 (20)

Monografia universidade estadual paulista
Monografia universidade estadual paulistaMonografia universidade estadual paulista
Monografia universidade estadual paulista
 
Contornos projetivos das dificuldades de aprendizagem
Contornos projetivos das dificuldades de aprendizagemContornos projetivos das dificuldades de aprendizagem
Contornos projetivos das dificuldades de aprendizagem
 
Transtorno Déficit de Atenção e Hiperatividade
Transtorno Déficit de Atenção e HiperatividadeTranstorno Déficit de Atenção e Hiperatividade
Transtorno Déficit de Atenção e Hiperatividade
 
DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório
DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório
DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório
 
Autismo na educação infantil
Autismo na educação infantilAutismo na educação infantil
Autismo na educação infantil
 
O insucesso escolar
O insucesso escolarO insucesso escolar
O insucesso escolar
 
Altas inteligências me004719
Altas inteligências me004719Altas inteligências me004719
Altas inteligências me004719
 
Projeto integrador - Educação Especial.
Projeto integrador - Educação Especial.Projeto integrador - Educação Especial.
Projeto integrador - Educação Especial.
 
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Artigo 1
 
Aprendizagem
AprendizagemAprendizagem
Aprendizagem
 
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagensA intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
 
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
 
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
 
Formação Continuada para Educadores do 2º Segmento
Formação Continuada para Educadores do 2º SegmentoFormação Continuada para Educadores do 2º Segmento
Formação Continuada para Educadores do 2º Segmento
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
 
D I S C A L C U L I A: Um desafio na Matemática
D I S C A L C U L I A:  Um desafio na Matemática D I S C A L C U L I A:  Um desafio na Matemática
D I S C A L C U L I A: Um desafio na Matemática
 
Fl.peda fund dificuldaprend
Fl.peda fund dificuldaprendFl.peda fund dificuldaprend
Fl.peda fund dificuldaprend
 
Fasciculo 2
Fasciculo 2Fasciculo 2
Fasciculo 2
 
Necessidades educacionais especiais
Necessidades educacionais especiaisNecessidades educacionais especiais
Necessidades educacionais especiais
 
Paradigma da inclusão
Paradigma da inclusãoParadigma da inclusão
Paradigma da inclusão
 

Mais de Katcavenum

01 apostila passo a passo refugiados
01   apostila passo a passo refugiados01   apostila passo a passo refugiados
01 apostila passo a passo refugiados
Katcavenum
 
Apostila 07 redação completa tema publicidade
Apostila 07 redação completa tema publicidadeApostila 07 redação completa tema publicidade
Apostila 07 redação completa tema publicidade
Katcavenum
 
Cartilha da hipocrisia ii
Cartilha da hipocrisia iiCartilha da hipocrisia ii
Cartilha da hipocrisia ii
Katcavenum
 
A essência da literatura na vida cultural e acadêmica
A essência da literatura na vida cultural e acadêmicaA essência da literatura na vida cultural e acadêmica
A essência da literatura na vida cultural e acadêmica
Katcavenum
 
Compilação redação enem temas 2013
Compilação redação enem temas 2013Compilação redação enem temas 2013
Compilação redação enem temas 2013
Katcavenum
 
Apostila editorial slideshare
Apostila  editorial slideshareApostila  editorial slideshare
Apostila editorial slideshare
Katcavenum
 
Nightfall wishes natasha
Nightfall wishes natashaNightfall wishes natasha
Nightfall wishes natasha
Katcavenum
 
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuaisVest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Katcavenum
 
Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas
Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemasVest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas
Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas
Katcavenum
 
Unicamp 3 vestibular 2012 gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Unicamp 3 vestibular 2012   gênero editorial - prática de redação - tema pré-salUnicamp 3 vestibular 2012   gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Unicamp 3 vestibular 2012 gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Katcavenum
 
Vestibular 2012 a redação do enem
Vestibular 2012   a redação do enemVestibular 2012   a redação do enem
Vestibular 2012 a redação do enem
Katcavenum
 
Unicamp probabilidade
Unicamp probabilidadeUnicamp probabilidade
Unicamp probabilidade
Katcavenum
 
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pigUnicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Katcavenum
 
Unicamp 2 vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Unicamp 2   vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...Unicamp 2   vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Unicamp 2 vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Katcavenum
 
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opiniãoUnicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
Katcavenum
 
Freud além da alma
Freud além da almaFreud além da alma
Freud além da alma
Katcavenum
 
Cria cuervos
Cria cuervosCria cuervos
Cria cuervos
Katcavenum
 
Vest 2012 redação padrão fuvest resumida
Vest 2012 redação padrão fuvest resumidaVest 2012 redação padrão fuvest resumida
Vest 2012 redação padrão fuvest resumida
Katcavenum
 
Vest 2012 redação padrão fuvest
Vest 2012   redação padrão fuvestVest 2012   redação padrão fuvest
Vest 2012 redação padrão fuvest
Katcavenum
 
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊSVEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
Katcavenum
 

Mais de Katcavenum (20)

01 apostila passo a passo refugiados
01   apostila passo a passo refugiados01   apostila passo a passo refugiados
01 apostila passo a passo refugiados
 
Apostila 07 redação completa tema publicidade
Apostila 07 redação completa tema publicidadeApostila 07 redação completa tema publicidade
Apostila 07 redação completa tema publicidade
 
Cartilha da hipocrisia ii
Cartilha da hipocrisia iiCartilha da hipocrisia ii
Cartilha da hipocrisia ii
 
A essência da literatura na vida cultural e acadêmica
A essência da literatura na vida cultural e acadêmicaA essência da literatura na vida cultural e acadêmica
A essência da literatura na vida cultural e acadêmica
 
Compilação redação enem temas 2013
Compilação redação enem temas 2013Compilação redação enem temas 2013
Compilação redação enem temas 2013
 
Apostila editorial slideshare
Apostila  editorial slideshareApostila  editorial slideshare
Apostila editorial slideshare
 
Nightfall wishes natasha
Nightfall wishes natashaNightfall wishes natasha
Nightfall wishes natasha
 
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuaisVest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
 
Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas
Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemasVest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas
Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas
 
Unicamp 3 vestibular 2012 gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Unicamp 3 vestibular 2012   gênero editorial - prática de redação - tema pré-salUnicamp 3 vestibular 2012   gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Unicamp 3 vestibular 2012 gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
 
Vestibular 2012 a redação do enem
Vestibular 2012   a redação do enemVestibular 2012   a redação do enem
Vestibular 2012 a redação do enem
 
Unicamp probabilidade
Unicamp probabilidadeUnicamp probabilidade
Unicamp probabilidade
 
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pigUnicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
 
Unicamp 2 vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Unicamp 2   vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...Unicamp 2   vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Unicamp 2 vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
 
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opiniãoUnicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
 
Freud além da alma
Freud além da almaFreud além da alma
Freud além da alma
 
Cria cuervos
Cria cuervosCria cuervos
Cria cuervos
 
Vest 2012 redação padrão fuvest resumida
Vest 2012 redação padrão fuvest resumidaVest 2012 redação padrão fuvest resumida
Vest 2012 redação padrão fuvest resumida
 
Vest 2012 redação padrão fuvest
Vest 2012   redação padrão fuvestVest 2012   redação padrão fuvest
Vest 2012 redação padrão fuvest
 
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊSVEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
 

Último

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 

Último (20)

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 

Contornos projetivos booklet 2011

  • 1. ALLENCAR RODRIGUEZ CONTORNOS PROJETICOS DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Uma abordagem psicopedagógica psicanalítica 1ª. Edição São Paulo Ecel Editora Educação e Letras 2010
  • 2. Ficha Catalográfica Rodriguez, Allencar Contornos projetivos das dificuldades de aprendizagem / Allencar Rodriguez. – 1ª. edição – São Paulo: Ecel Editora, 2009. ISBN 85-906554-2-3 ISBN 978-85-906554-2-8 I – Indivíduo – Aspectos psicológicos II – Indivíduo – Dificuldades de aprendizagem III – Psicanálise IV – Desenhos – Aspectos psicológicos 1. Título
  • 3. ALLENCAR RODRIGUEZ CONTORNOS PROJETICOS DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Uma abordagem psicopedagógica psicanalítica 1ª. Edição São Paulo 2010 www.eceleditora.com.br www.katcavernum.com.br
  • 4. Copyright © 2010 Allencar Rodriguez FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL MINISTÉRIO DA CULTURA REGISTRO NÚMERO: Coordenação editorial: Maria de Fátima Barufaldi Capa : Allencar Rodríguez arte: Leopoldo Pavan Revisão: Sueli Sanchez Todos os direitos reservados ECEL – Editora Ceacamp Educação e Letras ISBN 85-906554-2-3 ISBN 978-85-906554-2-8 www.eceleditora.com.br www.katcavernum.com.br 2010 Impresso no Brasil
  • 5. Dedicatória Dedicamos este trabalho aos alunos que compartilharam através de seu subconsciente seus medos, suas angústias e suas dificuldades. Da mesma forma aqueles que sofreram um processo de exclusão dentro da escola e hoje vivem num mundo sem oportunidades lançados a própria sorte no convívio em sociedade.
  • 6.
  • 7. Agradecimento Primeiramente aos professores que com coragem e sem hipocrisia responderam ao questionário semi-estruturado da pesquisa demonstrando suas virtudes e até mesmo suas incompetências que são justificáveis. Pois, esses professores, corajosos em suas ações de educar, são privados de uma educação continuada na busca de novas competências pelo fato do salário minguado, excesso de trabalho, desorganização gestual da unidade escolar como também por completarem duramente sua carga horária trabalhando em mais de duas escolas o que torna impossível sua luta na busca por mais conhecimentos. As professoras: Jaldenice Oliveira de França Queirós (Língua Portuguesa) e Marileise Cristina Rozinelli de Freitas (Matemática), que pertencem a um universo de exceções à regra de incompetência pelas suas qualidades não só didática e pedagógica como também nas atitudes de enfrentar os desafios frente aos alunos com dificuldades de aprendizagem num ambiente sem estrutura física, organizacional e operacional que de suporte as suas ações em benefício de alunos que correm o risco de passar por um processo de exclusão dentro da escola. A coordenadora pedagógica Janete Aparecida Cattari Viana, que de forma recorrente é cerceada de suas principais funções como assessorar a ação docente no contexto de seu trabalho na unidade escolar, incentivar e estimular a educação continuada desse docente, acompanhar o desempenho dos alunos, de desenvolver projetos pedagógicos que vão ao encontro das necessidades do aluno em detrimento de tarefas que não condiz com suas responsabilidades e sim pertencem a outros e que inibe a maneira de avançar nas suas ações.
  • 8.
  • 9. A professora Marli aparecida de Fátima Fagionato Vitoriano que mesmo sem a escola lhe oferecer um único e simples projeto pedagógico dentro de um plano escolar de diagnóstico e intervenção em alunos com sérias defasagens de aprendizagem e/ou crianças que se inserem na questão no contexto das Necessidades Educacionais Especiais: Indivíduos que em suas singularidades apresentam limitações físicas, motoras, sensoriais, cognitivas, lingüísticas ou ainda síndromes variadas, altas habilidades, condutas desviantes etc. Entre essas deficiências estão à mental, visual, auditiva e múltipla, como também problemas de conduta, consegue pela sua competência como educadora trabalhar sistematicamente as necessidades desses alunos dando-lhes infinita contribuição na construção de formação cognitiva e moral. A Paula Barbosa. Queridíssima guerreira, cúmplice, inteligente, acompanhante, guru, musa, otimista. Pelos espinhos que atravessamos juntos por mais de dois anos em pistas perigosas em dias de sol ou chuva. Pela alegria e pelo medo das horas dirigidas, pelas horas estudadas, pelas horas trabalhadas, pelas horas experienciadas, pelas horas sonhadas, pelo trabalho desenvolvido. Pelo bom fruto criado da semente das incertezas irrigada pelas águas de nossas vidas. Ao Prof. Dr. Paulo Rennes por acreditar em nós, pelo estímulo, pelo incentivo e pela compreensão. Pelo seu caráter, suas habilidades e conhecimentos. Pela difusão de seus conhecimentos sábios, pela divisão da imortalidade de sua qualidade mais sublime: o saber. A Melissa Nakasaki, a nossa (mél). Disciplinada companheira das discussões mais fervorosas sobre o didático, o pedagógico e as comadres. Pela capacidade de buscar, explicitar e dividir questões que norteiam nossa vida acadêmica e pessoal. Pela capacidade de dividir sonhos e abrir caminhos. Pela responsabilidade e habilidade de criar amigos.
  • 10. Epígrafe Fui obrigado a recorrer à conclusão insatisfatória de que existem, sem a menor dúvida, combinações de objetos naturais muito simples que tem o poder de afetar-nos [...], embora a análise desse poder se baseie em considerações que fiquem além de nossa compreensão. Edgar Alan Poe
  • 11. SUMÁRIO Resumo Abstract CAPÍTULO 1. APRESENTAÇÃO CAPÍTULO 2. INTRODUÇÃO CAPÍTULO 3. A PEDAGOGIA DO DESENHO INFANTIL 3.1 A Teoria 3.2 O Contexto Pedagógico do Desenho 3.3 Como Analisar e Interpretar Desenhos 3.4 O Desenho como Forma de Investigação da Personalidade 3.5 Aplicação Institucional do Procedimento Desenhos-Estórias CAPÍTULO 4. BASES METODOLÓGICAS DA PESQUISA 4.1. A Abordagem Teórica-Metodológica 4.2 Os Sujeitos Participantes da Pesquisa 4.3 O Tempo e o Espaço da Problematização 4.4 Os Procedimentos CAPÍTULO 5. A CRIANÇA E A PRÉ-ADOLESCÊNCIA 5.1 O Pré-adolescente e a Teoria Cognitiva de Jean Piaget 5.2 O Referencial Psicanalítico de Donald Woods Winnicott CAPÍTULO 6. O MAPA DOS SÍMBOLOS 6.1 Distribuição da Freqüência de Escolha de Símbolos 6.2 A Representação Geral dos Símbolos das Projeções Psicossociais 6.3 Apresentação dos Indícios de Variáveis Psicológicas nos Sujeitos Inseridos no Contexto das dificuldades de Aprendizagem. CAPÍTULO 7. O MAPA DA PROBLEMATIZAÇÃO 7.1 Sujeitos Participantes no Contexto das Dificuldades de Aprendizagem (D.A.) 7.2 Indícios Abstratos e Intervenções do Professor no Âmbito das D.A. 7.3 Apresentação dos Quadros dos Sujeitos Inerentes à Problematização 7.4 A Relação dos Alunos com a Escola e com o Saber 7.5 O Discurso do Professor CAPÍTULO 8. APRESENTAÇÃO DE ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO 8.1 Procedimentos e Unidades de Produção 8.2 Avaliação dos Procedimentos CAPÍTULO 9. RESULTADOS 9.1 Discussão dos Resultados CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCAS BIBLIOGRÁFICAS CITAÇÕES E/OU REFERÊNCIAS
  • 12.
  • 14.
  • 15. contornos projetivos 1 Capítulo 1 Todo ano a incompetência da unidade escolar no processo ensino/aprendizagem/gestão é representada, em parte, pelo Índice do Desenvolvimento Escolar (Idesp). Digo em parte, pois dentro do parâmetro de sua avaliação, além das provas objetivas que incluem Português, Matemática e Ciências, é considerado também o Fluxo Escolar¹. Nesse caso podemos dizer que os números da evasão são reais da mesma forma que os números dos repetentes. Já, o número estatísticos dos promovidos é norteado pela necessidade do gestor (diretor(a) da escola) em manter seus índices de aprovação o qual incide diretamente na quantidade de bônus que todos da escola receberão, portanto, esses números são falsos, maquiados, envergonhados. Nesse contexto a tão sonhada Progressão Continuada² idealizada por Paulo Freire³ dá lugar à Promoção Continuada4. Dezenas de alunos são promovidos sem atingir os objetivos reais da Progressão Continuada entre elas benefícios quanto a diminuição efetiva da evasão escolar, inovações didáticos/pedagógicas, mudança no comportamento do aluno, real diminuição dos índices de repetência decorrente do cumprimento explícito em seu próprio nome “Progressão Continuada” o que significa promover ao aluno um ensino de qualidade, inclusão e igualdade de oportunidades e produção de conhecimentos. Se para esses alunos o futuro acadêmico, econômico e social é, certamente, nebuloso podemos então construir uma hipótese real àqueles que dentro de um contexto tão fraco no âmbito da formação de elementos que possam representar perante a sociedade sua cidadania com questionamentos críticos, compreensão e reflexão de mundo e promover mudanças apresentarem já no início de suas vidas acadêmicas dificuldades de aprendizagem no âmbito da leitura, escrita e cálculo e são promovidos junto aos que não adquirem um mínimo de conhecimento cognitivo e vêem a escola como referencial de desenvolvimento e progresso.
  • 16. 2 allencar rodriguez Isso pode produzir no indivíduo um sentimento de baixo- estima, depressão, intolerância e agressividade. No âmbito social, da agressividade à delinqüência é um caminho curto que se constrói pelo caráter da frustração e do ódio constituindo no sujeito um entrave no caminho de sua socialização. Esse cenário estimulou a realização da presente pesquisa fundamentada em uma simples, mas concreta pergunta problematizada a partir do tem “dificuldades de aprendizagem”: Como é possível identificar, no início da pré- adolescência, alunos que possam apresentar sintomas de possível problema no contexto da aprendizagem? Se o aluno é promovido continuamente o que menos o avalia é a nota, uma vez que na maioria das vezes o professor provém ao aluno um significado subjetivo de avaliação. A partir desse contexto preocupante a pesquisa tomou seu curso com a intenção de identificar se a forma adotada para descobrir futuros alunos que possam ser inseridos na preocupação descritiva é plausível para tal problemática. Por dez meses cerca de 120 alunos foram observados à sua trajetória cognitiva e psíquica no sentido de que no último mês do ano letivo pudéssemos aplicar a técnica de investigação da personalidade5 através do procedimento desenhos-estórias (Trinca, 1972)6 e fundamentado na teoria psicanalítica de Donald Woods Winnicott7. Para subsidiar as argumentações, na introdução da dissertação faço uma contextualização da revisão literária sobre o contexto das dificuldades de aprendizagem e nos capítulos seguintes a descrição dos procedimentos e a teoria winnicottiana. No final do processo, a grande maioria dos alunos não apresentava nenhuma grave deficiência cognitiva 8 piagetiana9 e/ou psíquica10.
  • 17. contornos projetivos 3 Para além dessa constatação, relativamente óbvia, a atenção esteve voltada aos alunos que configuravam um quadro de deficiência no contexto da aprendizagem da leitura, escrita e cálculos. Isso foi observado neste período de dez meses da pesquisa e endossado pela fala dos professores de Português, Matemática, Geografia e História ouvidos durante o procedimento da pesquisa. A análise cognitiva e psicológica mostra que além deste trabalho objetivar uma reflexão à pergunta problematizada a partir do tema, abre um campo de pesquisa ao buscar uma alternativa preventiva antes mesmo que o processo das dificuldades de aprendizagens tenha início, uma vez que inúmeras são as pesquisas relacionadas aos fatores intervenientes educativas e diagnósticos no processo de aprendizagem11, tratamentos dos problemas de aprendizagem12, causas e formas de tratamento13, ação psicopedagógica14, após o diagnóstico e muitos outros que são significativamente importantes fontes de pesquisa na área da Psicopedagogia. Desta forma, este estudo vem ao encontro daqueles que buscam compreender e contribuir para a solidificação de uma área da ciência tão nova e tão nobre de cunho pedagógico e psicológico. Somado a isso, nossa pesquisa constatou que apenas uma pesquisa 15 (especialização) e uma dissertação de doutorado 16 ambas não disponibilizadas para uma análise aprofundada de aplicação de desenhos-estórias cujo estudos estão relacionados aos aspectos dos desenhos de crianças com dificuldades no aprendizado da leitura e escrita e estão relacionados estritamente à área da psicologia.
  • 18. 4 allencar rodriguez Capítulo 2. INTRODUÇÃO Falar da aprendizagem como processo de adquirir conhecimentos nos remete ao início da própria existência do homem na sua construção psíquica, cognitiva e filosófica se bem que essas manifestações se davam em suas formas mais primitivas e atemporais. Com a evolução esse contexto serve de base existencial para se comportar como ser-no-mundo17. Investigações empíricas analíticas18 em diversas áreas das ciências se fundamentavam no pressuposto de que o crescimento cognitivo do indivíduo provém de sua experiência, ou seja, de seu amadurecimento nas fases de seu crescimento cronológico. Deve-se considerar que diversas correntes psicológicas, filosóficas e/ou lógicas (positivismo19, behaviorismo20, psicologia genética21, paradigma holístico22) possuem conceitos próprios para a mesma semântica na questão da aprendizagem. Hoje o conceito de aprendizagem está bastante ampliado considerando o indivíduo como um todo na questão da aquisição de conhecimentos onde sozinho não há capacidade completa na busca ou transmissão desses conhecimentos. Desta forma o processo ensino/aprendizagem deve formar um ciclo gnosiológico23 (que não pode ser confundido com a epistemologia) de relação dialética24, cuja trajetória de sua origem na Grécia antiga, quando era arte do diálogo e da discussão cujo conceito perdura até hoje como modo de pensar ao privilegiar as contradições,
  • 19. contornos projetivos 5 fenomenológica25 e epistemológica26 na constituição física, lingüística, psíquica e intelectual desse indivíduo enquanto existir como ser vivente 27. Posto isso, verifica-se a complexidade da interrelação de diferentes culturas. Num estágio mais próximo de nós verificamos no cotidiano da unidade escolar o choque entre a educação formal28 e a não formal29 num contexto de tentativa de homogeneização da aprendizagem para um universo heterogêneo de aprendentes. E a escola metodológica tenta impor nesses sujeitos um conhecimento sistematizado na tentativa de moldá-lo como um novo ser que possa desenvolver pensamentos metacognitivos30, que tenha um olhar metafísico31 e que possa se comunicar pela metalinguagem32 sem considerar sua formação política, histórica e social. Fundamentado nessa descrição a ocorrência das dificuldades de aprender é latente 33, isto é, sua problematização irá ocorrer na vida acadêmica do indivíduo, uns mais outros menos, seja no início ou um pouco mais tarde. Junto a essa descrição no contexto da dificuldade ou problema de aprendizagem outros fatores, em menor freqüência, influenciam o indivíduo no processo da construção de conhecimentos como os distúrbios34 e os transtornos35 relativos à aprendizagem.
  • 20. 6 allencar rodriguez Podemos considerar o problema de aprendizagem como um sintoma, no sentido de que o não-aprender não configura um quadro permanente, mas ingressa em uma constelação peculiar de comportamento, nos quais se destaca como sinal de descompensação36. Isso quer dizer que a patologia da aprendizagem possui seus fundamentos no âmbito dos fatores ambientais37, fatores orgânicos38, fatores específicos39 e fatores psicógenos40. Portanto, após a análise contextual das narrativas expostas e a premissa de que o processo de exclusão de crianças e jovens com dificuldades de aprendizagem ainda estarão escondidos na sombra do índice que mede o fluxo escolar e a promoção continuada, vamos discorrer a seguir os parâmetros que fundamentaram o conceito científico dessa pesquisa na busca das respostas advindas dos questionamentos do problema inserido no âmbito das dificuldades de aprendizagem fundamentado na questão concreta e objetiva de como é possível identificar, no início da pré-adolescência, alunos que possam apresentar os sintomas descritos no contexto da aprendizagem. Para compreender, entender e refletir acerca deste trabalho estarão explícitos nos próximos capítulos as reflexões, interpretações, teorias e análises que deram suporte a realização da pesquisa assim como seus resultados. No capítulo III, fazemos uma exposição do significado da pedagogia do desenho infantil que mostra a importância da formação da pessoa pelo ato de desenhar. Em qualquer lugar do mundo, desde as pinturas rupestres até a arte contemporânea, a criança possui o hábito de desenhar. E, seus desenhos são recheados de imagens subconscientes os quais podem qualificar o desenvolvimento de sua personalidade.
  • 21. contornos projetivos 7 Junto ao conceito da pedagogia do desenho infantil41 é feita também uma breve reflexão sobre a teoria do uso de desenhos como instrumento de diagnóstico42, interpretação43 e seu uso como forma de investigação da personalidade 44. Apresentamos também alguns campos de investigação onde foi aplicada essa técnica. O quarto capítulo apresenta a metodologia que abriu caminhos em busca dos conhecimentos relativos à problematização do tema. Os sujeitos participantes 45 são delineados de acordo com o gênero e a idade assim como o tempo e o espaço dos sujeitos e da problematização. Desse conjunto foi feito uma análise fenomenológica e epistemológica relativamente crítica ao processo da trajetória metodológica para a compreensão dos sujeitos analisados nos dez meses de observação. Já no capítulo V, é feita a contextualização das etapas do desenvolvimento humano relativos à criança e a pré- adolescência como também, dentre os estágios de desenvolvimento cognitivo no ser humano que dão origem a Teoria Cognitiva de Piaget: sensório motor 46, pré- operacional47, operatório concreto 48 e o operatório formal49. A partir dessa exposição é explicito sucintamente a teoria que se insere nos sujeitos participantes da pesquisa. Da mesma forma é feito um relato da teoria psicanalítica de Donald Woods Winnicott inerente ao amadurecimento50.
  • 22. 8 allencar rodriguez No capítulo seguinte, o sexto, é feita a apresentação e análise dos resultados dos desenhos onde foram distribuídos num quadro a freqüência de escolha de símbolos 51 divididos em grupos de acordo com as séries que pertencem: 5ª Séries, A, B, C e D. e a representação desses símbolos. Desse contexto generalizado foi delimitado o grupo contextualizado na problematização, foco do próximo capítulo. Neste capítulo, o sétimo, delineamos os participantes inerentes a problematização do objeto que se configura no tema “dificuldades de aprendizagem”. Fazemos também a definição de que maneira se percebeu o problema face à escolha desses sujeitos. Foi feito um relato de suas atividades em sala de aula, análise de seus comprometimentos com as atividades realizadas como tarefa para ser feito em casa, análise da progressão cognitiva, interatividade e participação em sala de aula, a disciplina e o discurso dos professores fundamentados nessa descrição analítica aos sujeitos participantes. No capítulo VIII, foi construído um novo mapa individualizado das unidades de produção dos desenhos, a verbalização e a avaliação dos procedimentos desenhos- estórias de cada participante no âmbito da referência 52 de análise de interpretação da técnica de investigação da personalidade, Trinca (1972). Também foram explicados alguns aspectos importantes como à orientação espacial53, as dimensões do desenho54, os traços55, o simbolismo das formas56 e também a interpretação da repetição de um mesmo tema57, as cores58 e sombreamento59.
  • 23. contornos projetivos 9 No capítulo IX, finalmente, faço a discussão dos resultados60 e a comparação dos resultados61 segundo a análise baseado no referencial, Trinca (1972). Procuro também fazer uma síntese de cada indivíduo e a sua pertinência ou não com o problema de aprendizagem. A intenção disso é mostrar se o caminho analítico adotado possui sustentabilidade científica62 de sua aplicabilidade num contexto institucional deprimido pela péssima gestão da unidade escolar e norteado pelo interesse político e econômico dos governantes, o qual deixa a escola relegada a um plano inferior de melhoria efetiva na prática em detrimento de um discurso contraditório que posiciona seu crescimento fundamentado em índice de caráter mascarado, Feito esse detalhamento traço as considerações finais relativo ao cumprimento do propósito desta pesquisa e em seguida apresento as referências bibliográficas.
  • 24. 10 allencar rodriguez Capítulo 3. A PEDAGOGIA DO DESENHO INFANTL 3.1 A Teoria Coloque um lápis em minhas mãos, farei alguns contornos, neles projetarei alguns segredos, guardados inconscientes, de minha personalidade. Essa frase criada por mim pode pertencer ao domínio público. Pois, qualquer um que pegue um lápis e faça um desenho livre ou temático estará fazendo o mesmo que eu em qualquer parte do mundo e em qualquer idade. O desenho é a expressão interiorizada do sujeito sendo construído durante seu processo de amadurecimento em seus estágios psíquicos. E essa não é uma percepção nova. Cento e vinte e dois anos antes de eu criar a sentença acima, Ricci 63 fez o mesmo ao apresentar o desenho como fenômeno expressivo em 1887 por conta de seus estudos da arte infantil. Sua obra estimulou o interesse pelo desenho infantil, principalmente, do desenho da figura humana. Em sua obra L’arte dei bambini (1887) 64, lançou a idéia de que Os desenhos que as crianças fazem não são uma tentativa de mostrar a aparência real dos objetos, mas expressões do que as crianças conhecem sobre eles65. Nessa perspectiva psíquica o desenho é um dos fundamentos de análise para o desenvolvimento deste trabalho. Aqui não são importantes as leis que determinam o domínio gráfico, mas os contornos, os rabisco, que vêem do conjunto de suas faculdades psíquicas como diz Bédard (1998): Sem perceber, no momento de desenhar a criança transporta para o papel seu estado anímico, em todos os detalhes. É por isso que os desenhos das crianças permitem-nos incrementar consideravelmente nossos dados sobre o seu temperamento, caráter, personalidade e necessidades. Os desenhos ajudam-nos também a descobrir e a reconhecer as diferentes etapas pelas quais a criança está atravessando, os seus problemas e dificuldades, assim como os seus pontos fortes. (BÉDARD,1992, P.6).
  • 25. contornos projetivos 11 Por isso, não devemos considerar o desenho como uma atividade instintiva e sim Apreciar o desenho da criança é perceber a dimensão do „belo‟ em toda sua plenitude, que não se restringe ao visual da obra, mas ao encanto geral que ela emana. (SANS, 2007, p.9) Como uma forma que Freud distingue no contexto da pulsão como um processo dinâmico, que impulsiona o organismo em direção a uma meta e o equilíbrio do estado de tensão. Para Freud a pulsão não se dá a um estado consciente nem inconsciente. Para ele pulsão, „é um conceito situado na fronteira entre o psíquico e o somático‟ (FREUD. Esses são alguns conceitos que mostram porque toda criança gosta de desenhar. A fonte da pulsão é somática quanto às informações recebidas, mas, psíquicas quando projetam às imagens decodificadas pelo corpo. Quem nunca fez um desenho ou rabiscos no início de sua vida? Impossível não tê-lo feito. Essa necessidade é genética. Existem representações preservadas de homens e animais datadas no período Paleolítico – entre 40.000 e 10.000 anos a.C. Porque então alguém deixaria de fazê-los hoje? Ninguém! Os desenhos, além de sua representação psíquica projetiva, representam a forma de comunicação impressa mais antiga da civilização mesmo que forem alguns rabiscos como acontecia com o Jogo dos Rabiscos de Donald Woods Winnicott. Para Winnicott o Jogo dos Rabiscos é uma simples forma de dar início a uma interlocução fazendo uso de lápis e papel (informação verbal)66. A partir de um rabisco aleatório feito pelo analista o interlocutor poderia dar seqüência ao seu rabisco ou até mesmo ser transformado em um desenho. A partir disso o analista pode dar seqüência no rabisco ou no desenho do interlocutor, ou ainda, o interlocutor fazer seu próprio rabisco e o analista daria a seqüência. Isso é conhecido como o Jogo dos Rabiscos. Sua característica principal é a liberdade criativa (sem regras), uma espécie de brincadeira que dos desconhecidos dão início a uma comunicação.
  • 26. 12 allencar rodriguez Recentemente, em uma tragédia, em Guarulhos, uma seqüência de desenhos de um garoto de seis anos constituiu um elo comunicativo entre ele e os policiais que contribuiu para elucidar um caso de homicídio culposo. SEQÜÊNCIA: o garoto desenhou o pai com uma faca (acima), ele e a mãe dentro do apartamento (à esq.) e em queda (à dir.) Voltando à Winnicott, para ele, o jogo de brincar é uma manifestação teatral de interação comunicativa o qual um de seus veículos é os rabiscos e os desenhos num processo universal: Em outros termos, é a brincadeira que é universal e que é própria da saúde: o brincar facilita o crescimento e, portanto, a saúde; o brincar conduz aos relacionamentos grupais; o brincar pode ser uma forma de comunicação consigo mesmo e com os outros67. Posto essa narrativa é fácil perceber a importância do desenho como fator de desenvolvimento sadio para a formação psíquica de qualquer ser humano. Quando, no final do século XIX, início do século XX, pesquisadores voltaram suas atenções para o desenho da criança se abriu um leque de perspectivas evolutivas no contexto fenomenológico, epistemológico e filosófico nas áreas das ciências humanas, exatas e biológicas. A descoberta da criança como ser autônomo provocou novos estudos científicos por parte de pedagogos e psicólogos, favorecendo o surgimento de novos conteúdos em sala de aula e de investigação sobre o aprendizado68.
  • 27. contornos projetivos 13 E dentro da sala de aula a comunicação através dos desenhos se torna mais interativa, agradável e sincera. Pode não ser um método infalível de conhecer as pessoas como diz a sabedoria popular: para se conhecer alguém vivam juntos e juntos comam um saco de sal. Mas, o uso junto a outra ferramenta que possa ser reflexiva, analítica e interpretativa o analista e/ou o pesquisador terá um envolvimento de conhecimento próximo da sabedoria popular e não correrá o risco de que seu compromisso com o aluno dure até que a morte os separe, uma vez que a relação investigador, analista, professor e aluno está interagindo no campo do prazer. A maioria das crianças pequenas mostra interesse e prazer em desenhar e, nas creches e nas escolas, professores tiram partido desse entusiasmo, acreditando que a atividade artística é parte importante do desenvolvimento infantil. Seus desenhos, executados de maneira ousada e descontraída, enfeitam as paredes das salas de aula e nos encantam a todos69. Energizados pelo crescente interesse científico sob o aspecto projetivo do desenho infantil um grupinho de estudiosos da Psicologia Clínica da Infância, alguém apresenta timidamente o método de desenhos-his(estória) cujo significado é, na prática, associar as virtudes do estímulo gráfico com as da apercepção temática, para a investigação da mente. Na prática seu contexto é analisar os segredos inconscientes da personalidade projetados pelos desenhos livres junto à apercepção temática das his(estórias). O desenho livre, associado à estórias em que ele figura como estímulo para essas estórias, constitui instrumento com características próprias sobre a personalidade em aspectos que não são facilmente detectáveis pela entrevista psicológica direta70. Avançando em seu processo científico e sistematizado pelos estudos do autor com ampla amostra de sujeitos variáveis na faixa etária, nível sócio-econômico,
  • 28. 14 allencar rodriguez escolaridade, nível intelectual, de ambos os sexos o procedimento de desenhos-estórias (D-E) se alastrou por diversas áreas de atuação profissional: área escolar, áreas clínica, área da saúde, área da família e área social. 3.2 O Contexto Pedagógico do Desenho As primeiras manifestações da criatividade infantil estão nos desenhos. Uma expressão pessoal de aprendizagem de seu entorno físico e psíquico sem a preocupação da lógica consciente que permeiam os adultos. Através deles acontece seu amadurecimento lógico, espacial e motor. Isto é, seus contornos estão estritamente relacionados ao processo de maturação, onde o corpo é a origem das aquisições cognitivas, afetivas e orgânicas e o desenho a expressão mais fiel de sua aprendizagem escondida sob o manto da inconsciência. Pelos seus contornos flui pensamentos sem censura que parecem emergir de um vazio. Para os psicomotricistas, os desenhos além de terem um caráter de avaliação psicomotora, trazem um contexto pedagógico de ensinar a criança à vê-la por si mesma quando desenham figuras humanas. A criança desenha o ser humano em função do conhecimento que possui de si mesma, do que sabe e do que sente e não somente do que vê71. Esse conhecimento de si mesmo traz implícito à aquisição dos conhecimentos das pedagogias sensoriais no desenvolvimento do indivíduo. Espontaneamente as crianças sintetizam simplificadamente em contornos, massa e cor, ou seja, uma cena projetada, as informações decodificadas em sua mente dos conhecimentos adquiridos dos aspectos do movimento, do tato, do som, do cheiro e da cor. A pedagogia da linguagem gráfica promove um amadurecimento cognitivo para a compreensão da linguagem escrita desenvolvendo sua capacidade criadora e de
  • 29. contornos projetivos 15 percepção de mundo evoluindo das “garatujas” 72 até atingir o estágio operatório formal73 onde a criança começa a raciocinar a lógica, aproximadamente após os 12 anos, adquirindo auto-crítica e também interação perceptiva do ambiente partilhando o realismo visual iniciando sua adaptação ao realismo em detrimento do abstrato. Esse é um período crítico no contexto da pedagogia do desenho. O educador deverá ter consciência que o desenvolvimento da criança não poderá ser diagnosticado num desenho cujo conceito de sua subjetividade poderá ser bonito ou feio, uma vez que nos desenhos das crianças estão as expressões de seus sentimentos transmitindo informações inconscientes de sua formação física, psíquica e cognitiva. As crianças estão representando um símbolo da construção de suas personalidades os quais a pedagogia do desenho da criança representa o meio ambiente desse sujeito, suas manifestações e seus comportamentos. Tanto um conceito como outro são restrições à sua capacidade criadora que poderá promover distúrbios ou transtornos na característica de expressão de sua individualidade e muitos expandem essa decepção aos problemas emocionais. Os psicólogos, em geral, empregam a palavra personalidade para descrever as diferenças na maneira pela qual as crianças e os adultos se relacionam com as pessoas e com os objetos do mundo que os cerca. Como o conceito de inteligência, o conceito da personalidade visa a descrever diferenças individuais duradouras no comportamento. O fato de sermos extrovertidos ou tímidos, independentes ou dependentes, confiantes ou inseguros, de nos atirarmos a coisas novas ou segurarmos-nos – todos esses aspectos (e muitos outros) são vistos como elementos da personalidade74. Assim, por meio da pedagogia do desenho, a criança manifesta expressivamente o conhecimento adquirido e sua práxis inconsciente de percepção de seu mundo em construção relacionado à sua educação primária (família) e a trajetória de sua educação secundária (escola), num contexto de imaginação, reflexão e percepção que associado à pedagogia escrita de apercepção temática produziu um farto material para análise efetivado neste trabalho de pesquisa.
  • 30. 16 allencar rodriguez Compare o contexto da narrativa com o desenho-estória abaixo Unidade de Produção 1 – fig. 1 Estória: “O carinha e policial e trabalha muito bem. ele apanhou para um ladram na Priga de rua, mas dodos os policial pateram em todos os ladram mas uma Policia moreu na priga”. Titulo: Priga de rua Paulo Soares75 (12 anos) Pesquisa que corroborou o universo de pesquisadores do assunto de que a pedagogia do desenho da criança é mais do que um simples rabisco (uma guaratuja). Suas implicações estão nas interfaces e intersecções psíquicas e cognitivas no ato de brincar, de falar, refletir, expressar, assimilar e projetar.
  • 31. contornos projetivos 17 Como vimos na introdução desse trabalho à questão da educação formal e não formal76 no contexto dos choques entre as realidades metódicas e a não metódicas é nesse último que há décadas desenhos reproduzem a expressão da cultura popular em narrativas e o folclore igual à mula sem cabeça o curupira e o saci pererê. Somado a isso, no âmbito da sexualidade foi em livretos mal-impressos e mal-desenhados, conhecidos como catecismos77, que na pedagogia desses desenhos que circulavam clandestinamente num período conhecido como 78 “anos de chumbo” , ocorreu a iniciação sexual de praticamente três gerações do público masculino.
  • 32. 18 allencar rodriguez Os aspectos sexuais do desenvolvimento infantil também se fazem presentes na exposição projetiva de seus desenhos. Sua linguagem pode estar querendo dizer que existe uma curiosidade reprimida o qual não consegue verbalizar. Veja a narrativa com o desenho-estória abaixo Unidade de Produção 2 – fig. 2 Estória: “Foi convocada para uma reunião da defenção dos animals em Americana. Ela foi e os caras falaram que ela poderia pegar qualquer cavalo. A minha tia pegou um cavalo muito bom (no sentido bom enteiro). Chegou um dia que ele não agüentou por que ele era muito velinho mas era muito bom”. Titulo: No citiu da minha tia Joaquim Ruiz79 (12 anos)
  • 33. contornos projetivos 19 Interpretação: Desenho exprimindo uma fase fálica do sujeito, nesse caso possivelmente esse sujeito está preso a essa fase fálica. Estudos freudianos comprovaram que a fase fálica é um período importante no desenvolvimento da sexualidade e Uma das manifestações sexuais mais freqüentes nessa fase é a masturbação. As crianças, através de toques corporais, descobrem que essa exploração proporciona sensações prazerosas e relaxantes80. Interpretação: O fato é que essa ocorrência se processa por um período do desenvolvimento da sexualidade e o desenho de Lee está projetando uma constante ocorrência da moral familiar no âmbito da educação sexual que pode trazer distúrbios psicossexuais à criança. Se os adultos que convivem com uma criança, nessa fase, não conseguirem entendê-la ou passar uma inadequada educação sexual, repreendendo-a, poder-se- á instalar um caráter fálico na mesma. Provavelmente será uma pessoa que pode ficar narcisicamente fixada nesta fase, superestimando o pênis e confundindo-o com o corpo81.
  • 34. 20 allencar rodriguez 3.3. Como Analisar e Interpretar Desenhos Narrativas de histórias e os desenhos de crianças tem sido fontes projetivas de sentimentos e concepções das crianças que aguça a imaginação científica de psicopedagogos, psicólogos, pedagogos e pesquisadores de áreas diversas. Analisar e interpretar o inconsciente que se revela através de aspectos simbólicos do desenho, na área da psicopedagogia para nós profissionais especializados com a questão das dificuldades de aprendizagem, utilizamos o diagnóstico dessa análise e interpretação para analisar, compreender e descrever o vínculo que a criança estabelece com a aprendizagem. E quando é dito análise e interpretação que se dizer que Analisar um desenho não é o mesmo que interpretá-lo, pos existe uma diferença real e concreta entre ambos os conceitos. A análise responde a um enfoque técnico e racional e se fundamenta em bases solidamente comprovadas. (...) A interpretação dos desenhos das crianças é o resultado ou a síntese da análise82. Daí a importância da apercepção simbólica do desenho da criança projetando seus sentimentos, seus amadurecimentos cognitivo e emocional para além das principais problemáticas que as perturbam e também a importância de um conhecimento aprofundado da simbolização dos desenhos para uma avaliação e interpretação fenomenológico, epistemológico e filosófico em seus fundamentos de caráter científico. Nesse caso, o que menos importa é a estética dos desenhos. Dezenas são os símbolos para análise e interpretação na produção dos desenhos. Nesta pesquisa foi priorizado: a) Maior freqüência dos indícios de variáveis psciológicas; b) Maior freqüência dos temas, Bédard (1998), Campos (2007); c) Maior freqüência dos itens que compõem o referencial D-E, Trinca (1997), que são inerentes para o diagnóstico psicopedagógico a partir das características dos aspectos formais83.
  • 35. contornos projetivos 21 3.3.1 - Maior Freqüência dos Indícios de Variáveis Psciológicas a) bem ajustado ao meio; b) confiança em si; c) ansiedade; d) agressividade; e) depressão; f) insegurança; g) inferioridade; h) timidez; i) obstinação e teimosia; j) inteligência concreta; k) habilidade criadora; l) dificuldades de lidar com impulsos sexuais; m) dependência e descontrole; n) segurança; o) introversão; p) equilíbrio emocional e mental; q) imaturidade emocional; r) incapacidade de adequação ao meio. 3.3.2 – Maior Freqüência dos Temas a) interpretação do desenho da casa (teto, telha, paredes, porta, janelas); b) interpretação de desenho de árvore (tronco, raiz, copa); c) interpretação de figuras humanas (figura cabalística, figura grotesca, figura não inteira); d) interpretação de cada parte específica da figura humana (cabeça, rosto, olhos, sobrancelhas e pestanas, cabelo, bigode e barba, nariz, boca, orelhas, queixo, pescoço, ombros, costelas, braços, mãos, dedos , pernas e pé; e) elementos acessórios: chapéu (indica dificuldade de aprendizagem) f) a repetição de um mesmo tema (entrave na socialização de conhecimento. g) a diversidade de temas (associação com o meio)
  • 36. 22 allencar rodriguez h) uso das cores (dispersão – dificuldades na área afetiva) i) o sol (influência ; entusiasmo; autonomia; violência verbal) j) a lua (adaptação; intuição feminina) k) as nuvens (bons ou maus momentos, depende da cor) l) as flores (necessidade de segurança) m) as montanhas (busca de estabilidade emotiva) n) os animais (comunicação de alguma necessidade) o) os veículos (símbolo de atitude social) p) o barco (capacidade de adaptação – depende do barco) q) cartuns (falta de habilidade de interação com a realidade) 3.3.3 - Maior Freqüência dos Itens que Compõem o Referencial D-E no contexto da análise dos aspectos formais a) tema do desenho: compatibilidade com idade; b) tema da estória: 1) compatibilidade com idade e 2) compatibilidade com desenho; c) título: 1) adequação do desenho e 2) adequação à estória; d) posição da folha; Normal: horizontal e) localização da página; Normal: central f) tamanho em relação à folha; Normal: médio g) qualidade do grafismo: 1) tipo de linha e 2) consistência do traçado. h) resistências; Normal: baixo nível de resistência i) transparências; Normal: baixo nível de transparência j) sombreamento; Normal: baixa freqüência de sombreamento k) perspectiva ou movimento; Norma: figura indicando movimento l) uso das cores. Anormal: Desenhos acromáticos (dispersão, retração)
  • 37. contornos projetivos 23 3.4 - O Procedimento Desenhos-Estórias como Forma de Investigação da Personalidade para a Apercepção das Dificuldades de Aprendizagem Temos por definição: A maioria das crianças é normal, e ao crescerem aprendem mais e se tornam mais maduras intelectualmente. Por certo, a maturidade intelectual de algumas crianças ultrapassa em muito a sua idade cronológica, e elas são consideradas mais dotadas; seus desenhos da figura humana assemelham-se aos de grupos de mais idade. Ao contrário, a maturidade de certas crianças fica muito aquém de sua idade cronológica. Embora no passado estas fossem chamadas de crianças “subnormais” ou “retardadas”, hoje em dia são denominadas “crianças com dificuldades de aprendizagem”. Suas dificuldades podem ser leves ou graves84. A partir da ampliação e expansão da aplicação do Procedimento de Desenhos-Estórias85 (abreviadamente, D-E) da utilização clínica à pesquisa qualitativa e quantitativa, esse instrumento de avaliação de conteúdos mentais com objetivos diagnósticos, surgido em 1972, trouxe valiosos e comprovados subsídios de caráter científico para ser aplicado à área escolar principalmente na área de atuação do Psicopedagogo relativo às questões das dificuldades de aprendizagem. Sua característica como técnica de investigação é associar, para análise e interpretação, os desenhos livres (produções gráficas atemáticas) onde elementos subconscientes, inconscientes projetam-se como estímulo a apercepção temática com os relatos, estórias contadas a partir do processo expressivo do desenho. No contexto da comunicação esse procedimento é muito vantajoso frente a questionamentos verbais estruturados e diretos. Numa entrevista direta crianças e adolescentes omitem suas
  • 38. 24 allencar rodriguez necessidades, desejos, fantasias e perturbações no âmbito emocional. Sua aplicação é simples e fácil. Trinca (1997) propõe que a aplicação seja individual. Por estarmos em ambiente escolar optamos pela realização em grupo. Segundo Hammer86, o teste com desenhos sofre menor interferência emocional e física da interação examinando e examinador quando aplicado em grupo. Quando há uma distância entre ambos o material projetado é mais livre e consequentemente seu contexto está mais próximo da projeção inconsciente do examinando. A técnica consiste na realização de uma série de cinco desenhos livres (cromáticos ou acromáticos); cada desenho serve de estímulo para que se conte uma estória; (nessa pesquisa, pela quantidade de participantes, demos preferência que após um breve relato, a estória fosse escrita em uma folha a parte), o participante deve ter a sua disposição sobre a carteira escolar, lápis preto e coloridos. Ao término do desenho o participante faz escreve o relato de uma estória e após isso é solicitado ao examinando um título inerente ao relato. Isso tudo forma uma unidade de produção. O procedimento desenhos-estórias (D-E) prevê que se alcance até cinco unidades de produção no máximo em duas sessões de aplicação. No caso dessa pesquisa cada procedimento desenho-estória foi realizado em uma única sessão. Suas formas de avaliação variam de acordo com a área profissional do aplicador. Na área escolar deu-se preferência de um referencial de análise de aspectos “formais ou estruturais” que privilegiam nos desejos os aspectos descritos em 3.3.3. Em uma representação esquemática podemos representar o núcleo em que se converge os aspectos formais como uma unidade triangular cujo esquema representa um ciclo holístico que tem como resultado a apercepção futura para o desempenho escolar. desenho projeções estória
  • 39. contornos projetivos 25 3.5 – Aplicação Institucional do Procedimento Desenhos-Estórias Após ser introduzido por Walter Trinca, em 1972, como instrumento de investigação clínica da personalidade foram realizados dezenas de estudos abrangendo diversas áreas de atuação e com variados temas como87: adolescência (Santos, 1996); (Paula, 1998), adolescentes infratores (Alves, 2001), asma (Mestriner, 1989); (Sarti, 1996), avaliação conjugal (Farias, 1997), câncer de mama (Barbosa, 1989, 1991), câncer em crianças (Flores, 1984); (Perina, 1992), cardiopatia (Gianotti-Hallage, 1988), cegueira (Amiralian, 1990, 1991, 1992a, 1992b, 1993, 1997b); (Villela, 1999), consulta terapêutica infantil (Borges, 1998), deficiência auditiva (Tardivo ET AL, 1999), deficiência mental (Moreno, 1985), Psicopedagogia (Barone e trinca, 1984); (Trinca e Barone, 1996) entre outros. Já na área escolar houve estudos na ordem da Aprendizagem da Leitura e Escrita (Trinca e Barone, 1984) 88; (Chistofi, 1995)89; Desempenho Escolar (Paiva, 1992)90; Fobia Escolar (Gimenez, 1983)91 e Fracasso Escolar (Brasil, 1989)92; (Ferreira, 1998) 93; Representação de Escola e Trajetória Escolar (Cruz, 1997) 94. Esses trabalhos evidenciam a importância do instrumento de investigação clinica como também existe a necessidade de mais estudos desse instrumento na área escolar.
  • 40. 26 allencar rodriguez Capítulo 4. BASES METODOLÓGICAS DA PESQUISA A lógica da pesquisa em educação [...] supõe a reconstituição das articulações entre os diversos fatores que integram os processos da produção do conhecimento. Suponhamos que todo processo de produção do conhecimento se manifesta numa estrutura de pensamento que inclui conteúdos filosóficos, lógicos, epistemológicos, teóricos, metodológicos e técnicos95. 4.1 - Abordagem Teórica-Metodológica Essa pesquisa que prima pela busca de informações com critérios quantitativos e qualitativos96, principalmente esta última, não se fundamentou apenas na criação de um quadro de dados empíricos e/ou estatísticos de ocorrência momentânea num lugar por um período de tempo. O que foi desvelado estava escondido nas práxis dos sujeitos participantes, na projeção inconscientes de seus desenhos, no relato de seus pensamentos, o significado de suas verbalizações, em seus gestos, e suas posturas como também na estrutura didática-pedagógica e física do espaço da problematização. Desta forma o percurso metodológico seguiu uma visão fenomenológica dentro de um estudo de caso97. A interseção das características da pesquisa qualitativa e da pesquisa ação estimulou os sujeitos participantes da pesquisa a superar diferentes desvios e condicionantes que reduzem a capacidade de compreensão da problemática da realidade revelando novos conhecimentos de caráter científico em detrimento de que esse estudo pudesse ser visto como um simples exercício acadêmico de um curso de pós-graduação.
  • 41. contornos projetivos 27 4.2 - Os Sujeitos Participantes da Pesquisa Os participantes da pesquisa forma alunos da 5ª. Séries do Ensino Fundamental da Rede Pública do Estado de São Paulo. A amostra foi de 119 alunos caracterizados pelas etapas do desenvolvimento humano, como, crianças, pré- adolescentes e adolescentes com idades que variam entre 11 e 16 anos. O total dos participantes corresponde a quatro 5ª. Séries o qual foi denominado a cada uma dela um grupo. Desta forma, temos os grupos A, B, C e D que forma o universo desta pesquisa. Tabela 1 – Síntese da amostra pesquisada dos sujeitos participantes da pesquisa Sexo Total Porcentagem Masculino 52 43,6 Feminino 67 56,4 total 119 100 Esse quadro demonstra a distribuição dos participantes por sexo revelando uma quantidade de meninas 84% superior a quantidade de meninos. Tabela 2 – Distribuição dos sujeitos participantes da pesquisa por idade Idade Meninos Meninas Total (quantidade) (quantidade) 11 34 55 89 12 14 09 23 13 03 01 04 14 - 01 01 15 01 - 01 16 - 01 01 Esse quadro demonstra que há alguns alunos defasados idade cronológica e idade escolar.
  • 42. 28 allencar rodriguez 4.3 - O Tempo e o Espaço da Problematização A pesquisa ocorreu numa cidade da região de Campinas, em 2008, cuja população, pelos dados do IBGE 98, entre as 50 cidades mais populosas do Estado de São Paulo. A escola sujeito da problematização é tradicional e antiga (foi fundada em 1908) na área central da cidade. Pelo índice do IDESP99 a escola se posiciona num índice intermediário entre as 5.183 escolas do Estado com uma média em português de 4,71 e matemática 2,34. Na mesma cidade existe escola posicionada na 7ª posição e 88ª posição. Segundo relato dos alunos, por escrito, a escola apresenta problemas estruturais de grande monta, como, banheiros entupidos e mal cuidados, torneiras entupidas, grandes goteiras na maioria das salas, lousa mal posicionada em sala de aula, sala de aula antipedagógica (aluno dois em dois nas carteiras em todas as séries provocando excesso de lotação e muita conversa), acanhada biblioteca e sala de informática inoperante. No período da pesquisa (10 meses – fevereiro a dezembro) nenhum evento, em seu recinto, foi realizado que pudesse trazer a comunidade para dentro da escola. A questão da indisciplina é alarmante em algumas salas sem que providências sejam tomadas, por exemplo, houve aluno que teve 26 ocorrências sem que o gestor tivesse conhecimento. 4.4 - Procedimentos Para a coleta de dados foi adotado o Procedimento Desenhos-Estórias, Trinca (1972). Em cinco sessões sucessivas, foi aplicado a sequência: ►Distribuição de Materiais: a) cada aluno recebeu uma folha de sulfite modelo A4 em branco, sem pauta; b) Lápis preto (ponta sulfite); c) Lápis de cor;
  • 43. contornos projetivos 29 ►Técnica de Aplicação: a) Após dado o início, cada aluno, teve cerca de 30 minutos para fazer um desenho livre; b) Após a conclusão do desenho, o participante fez um breve relato associado ao desenho. Após isso foi pedido que, em outra folha em branca e sem pauta, sulfite modelo A4, fizesse o relato da estória por escrito; c) Após o término da estória, pede-se-lhe o título da produção; d) Feito isso dá-se por terminado a primeira unidade de produção composta pelo desenho livre, o breve relato, a estória e o título. Esse procedimento é repetido por mais quatro vezes, sempre no mesmo dia da semana, num intervalo de sete dias e no mesmo horário. Três grupos participaram no período da manhã e um grupo no período da tarde. Quanto às observações gerais100 do Procedimento Desenhos-Estórias, foi seguido à observação dada pelo próprio autor da técnica de investigação que inclui: a) O examinador não deverá se deixar levar facilmente pelas primeiras recusas do examinando perante a tarefa, especialmente quando este se encontra em processo de elaboração anterior. Muitas vezes uma recusa formal pode ser contornada pelo estabelecimento de um bom rapport101. b) Diante de perguntas como: “que tipo de estória?”, “que desenho?”, “precisa pintar?”, “qual o modo de fazer?” e outras semelhantes, o examinador esclarecerá que o sujeito deve proceder como quiser. c) O uso de borracha deve ser evitado para melhor se caracterizarem certas áreas em que o sujeito tem maiores dificuldades de desenhar. O uso da borracha faria desaparecer algumas configurações gráficas de valor psicológico. Se o examinado quiser, ser-lhe-ão entregues novas folhas de papel onde ele possa refazer o trabalho, recolhendo-se, porém, a produção anterior.
  • 44. 30 allencar rodriguez Capítulo 5. A CRIANÇA E A PRÉ-ADOLESCÊNCIA 5.1 – O Pré-adolescente e a Teoria Cognitiva de Jean Piaget Revolução, terremoto, hecatombe. Parece que isso ocorre para milhões de crianças quando iniciam a 5ª. Série do ensino fundamental. E não poderia ser diferente. Somado a nova prática didático/pedagógica com vários professores, várias matérias, escola diferente e diferentes colegas, para muitos, esse é o momento de começar a dar adeus à infância. Têm início intensas transformações físicas. Os hormônios do crescimento e sexuais são produzidos mais intensamente pelo organismo. Aparecem os pelos, os órgãos sexuais se desenvolvem, para os meninos a voz engrossa e nas meninas a cintura fica mais fina e o quadril, mais largo. É a puberdade. O período da pré-adolescência. Nessa etapa do desenvolvimento humano, é o alvorecer do realismo. A criança percebe que é um ser social, portanto, começa a entender que possui mais responsabilidades de ordem grupal e social o que provoca conflitos em seu desenvolvimento psicológico. Para a criança a pré- adolescência é uma época de profunda inquietação e excitação, pois pelos seus impulsos ela não se sente como uma criança e não é um adulto. Essa manifestação de indefinição é pior do que na fase seguinte, a adolescência. Nesse momento as alterações hormonais provocam distúrbios em seu comportamento. Suas fantasias, sonhos e desenhos são focos de conflito com seu novo mundo. Sua iminente adaptação ao novo eixo social pode gerar angústias, estresse, isolamento e a depressão. Observa-se nesse período o impacto das transformações corporais, a instabilidade de adaptação ao novo mundo que surge e a construção de sua própria identidade mediante as interferências desse mundo.
  • 45. contornos projetivos 31 Pela teoria dos estágios do desenvolvimento cognitivo de Jean Piaget (Neuchâte, 9 de agosto de 1896, Genebra, 16 de setembro de 1980 – biólogo, zoólogo, filósofo, epistemólogo e psicólogo) a pré-adolescência é o estágio operatório concreto, que dura dos 7 aos 11 anos de vida. A criança começa a lidar com conceitos abstratos. É o início do período do raciocínio e a formação de hipóteses. No desenho expressa o realismo na representação da figura humana. Aparecem as dobras da roupa, as luzes e as sombras marcando a geometria do corpo humano. De acordo com a teoria de Piaget (1948) na fase operacional concreto a criança já deve apresentar um realismo visual em suas imagens em detrimento do realismo mental. Realismo visual: Wagner Luiz (11 anos) Realismo mental: Cláudio Faria (11 anos) Nesse período é natural que a criança apresente nos desenhos de figura humana maior definição das características sexuais, principalmente as meninas com os seios, cintura, quadris e o corpo já formado.
  • 46. 32 allencar rodriguez Cláudia Rodrigues (11 anos) Carla Antunes (11 anos) Raissa Menezes (11 anos) Outra característica desta fase de desenvolvimento, as operações concretas, a criança possui seus pensamentos descentrado da percepção e ação. Deve apresentar a capacidade de classificar, enumerar e ordenar. No desenvolvimento da leitura seu foco é a leitura interpretativa com capacidade de ler e compreender textos curtos e de leitura fácil e menor dependência da ilustração. Sua leitura favorita transita pelos contos fantásticos, contos de fadas e animismo.
  • 47. contornos projetivos 33 5.2 O Referencial Psicanalítico de Donald Woods Winnicott Entender a constituição do mundo psíquico winnicottiano é agregar valores teóricos e empíricos de pelo menos 46 anos das condições normais do desenvolvimento humano. É renascer e transitar pelos símbolos e sensações da própria existência revivida de cada um que atua no campo da compreensão da construção da personalidade de um indivíduo no amplo âmbito do contexto social. Isso tudo, dentro dos padrões de seu desenvolvimento físico, intelectual e emocional não importando, portanto, com aspectos subjetivos de raça, credo e/ou cultura. Mãe é mãe em qualquer sentido físico, psíquico, biológico e estrutural de mundo da mesma forma que os bebês. Na relação entre ambos se forma o ser suficientemente bom. E é sob esse prisma que Donald Woods Winnicott (Plymouth, 7 de abril de 1896 – 28 de janeiro de 1971 – pediatra e psicanalista inglês) fundamentou as bases teóricas de sua imensa obra que é uma das abordagens mais precisas para a compreensão do amadurecimento psíquico do ser humano. É natural no ser humano (faz parte da natureza humana, mas não é garantia) uma força de aspecto psicológico que de suporte ao amadurecimento e a sua integração, porém esse fato só é determinante se existir um ambiente facilitador para essa ocorrência. Esse ambiente facilitador, no início do processo, é representado pela mãe e depois de todo o meio ambiente que da sustentabilidade ao indivíduo. Não basta a ocorrência cronológica do tempo para a efetivação do amadurecimento e sim que o ambiente seja essencialmente sustentador das necessidades básicas do existir humano, isto é, a existência de um ambiente suficientemente bom tanto nas fases iniciais do bebê quanto da criança e do adulto dentro de sua característica de ser e continuar sendo. Isso determina o indivíduo sempre dependente no processo de seu amadurecimento. Por isso, falhas nos primeiros meses de vida do bebê nas três funções essenciais da maternagem, boa o bastante, no âmbito
  • 48. 34 allencar rodriguez do holding102, handling103 e a relação objetal104 afetam o indivíduo em seu caminho para a dependência relativa e no sentido da independência. De acordo com Winnicott: Fundamental a tudo isso é a idéia de dependência individual, sendo a dependência o princípio quase absoluto, e alterando-se gradativamente, e de maneira ordenada, para a dependência relativa e no sentido da independência. A independência não se torna absoluta e o indivíduo visto como unidade autônoma nunca, de fato, é independente no meio ambiente, embora existam maneiras pelas quais, na maturidade, ele possa sentir-se livre e independente, tanto quando contribua para a felicidade e para o sentimento de estar de posse de uma identidade pessoal. Através das identificações cruzadas, a linha nítida existente entre o eu e o não-eu é toldada. 105 Em “Pensando sobre crianças” (Winnicott, 1997) disserta que são possíveis três abordagens distintas da criança pequena; elas se referem respectivamente ao desenvolvimento físico, intelectual e emocional. A criança pequena, ainda frágil na interrelação entre seu mundo egóico e o real, que se apega aos objetos transicionais rumo à natureza de seu amadurecimento não pode ser privado 106 ou, na evolução de sua idade cronológica, deprivado107 de suas necessidades internas daqueles que as cercam para que seu desenvolvimento emocional prossiga sem traumas. Seu desenvolvimento emocional é muito rápido em comparação aos que já estão na fase escolar (que já possuem a capacidade de buscar e encontrar pelas experiências emocionais vividas um suporte para suas necessidades internas).
  • 49. contornos projetivos 35 Isso se tiverem tido o amparo daqueles que o cercam suficientemente bom). A falha desse contexto na criança pequena provoca traumas que são muito mais danosos na idade pré-escolar, consequentemente, promoverá transtornos e/ou distúrbios na idade escolar se estendendo à pré- adolescência, adolescência e idade adulta no âmbito intelectual e emocional. O contexto da falha se insere na rotina inicial de seu desenvolvimento físico e mental. O desenvolvimento emocional envolve inibições intelectuais: ansiedade e depressão que são um mecanismo da coerção intelectual. A criança privada ou deprivada de um ambiente de sustentação emocional se sustenta criando um sistema próprio de defesa contra essa ansiedade e depressão. Esse mecanismo o colocará num conflito entre o mundo real verdadeiro e o seu criado pelo subjetivismo de suas necessidades fazendo crer que aquilo que é falso para o mundo real lhe pareça verdadeiro em suas ações interrelacionais com o ambiente que o envolve na sua visão de realidade e fantasia. Esse procedimento de defesa Winnicott denominou de falso self (que pode ser entendido como o falso-eu que se fundamenta nos conceitos de preservação do eu verdadeiro, ou seja, o self verdadeiro). “Isso que chamamos de bebê não existe”. [...] se você me mostrarem um bebê, mostrarão também, com certeza, alguém cuidando desse bebê, ou ao menos um carrinho ao qual estão grudados os olhos e ouvidos de alguém. O que vemos, então, é a “dupla amamentante”108. Na idade inicial de vida do bebê ele ainda não existe como ser. Isso significa que existe uma “coisa” que chamamos de bebê. Essa “coisa” é totalmente dependente de sua mãe, portanto, não existe ainda a constituição de um ego. Seu ego é a sua própria mãe. O que vê o bebê quando olha para o rosto da mãe? Sugiro que, novamente, o que o bebê vê é ele mesmo. Em outros termos, a mãe está olhando para o bebê e aquilo com o que ela se parece se acha relacionado com o que ela vê ali. (Winnicott, 1975, p. 154 , grifo do autor).
  • 50. 36 allencar rodriguez Disso decorre a importância da mãe suficientemente boa nessa fase da vida que seja facilitadora de seu desenvolvimento sadio através de seu suporte egóico promovendo ao bebê um caminho sem traumas na continuidade de seu processo de maturação. Dessa forma a criança no decorrer de seu crescimento físico, intelectual e mental vai integrando em seu ser em construção capacidades sensitivas, perceptivas, lingüísticas e psicomotoras. A falha da mãe nesse processo de construção do ego do recém nascido é sentido pelo próprio bebê como uma falha ambiental no processo de continuidade de sua própria existência. Essa falha é um apoio inadequado ou até mesmo patológico ao crescimento emocional da criança de onde surgem os distúrbios e/ou transtornos de comportamento no futuro desse indivíduo nos estágios sociais de uma comunidade, como, a apatia, inibição e complacência. No âmbito dessas falhas a criança constitui o seu falso self109 que tem com funções, a proteção, dissimulação ou dissociação do self110 verdadeiro de acordo com as necessidades do ambiente o qual o indivíduo está inserido o qual se constitui pelo ambiente externo ao seu próprio ego desagregado de elementos concretos que formam esse meio externo. Ao fazer uso do falso self como forma de proteção egóica a noção de mundo para o indivíduo se traduz como uma forma de realismo mental, subjetivo e distorcido daquilo que é real. Em um extremo: “O falso se implanta como real e é isso que os observadores tendem a pensar que é a pessoa real. Nos relacionamentos de convivência, de trabalho e amizade, contudo, o falso self começa a falhar.” (Winnicott, 1983, p. 130). Desta forma o falso self é uma estratégia de sobrevivência em detrimento do viver como ser-no-mundo em toda sua plenitude resultado de falhas de construção da personalidade por conta do desenvolvimento do indivíduo num ambiente que não lhe proporcionou sustentabilidade emocional para seu processo de integração objetal, que já começa na fase da amamentação) no caminho de sua independência.
  • 51. contornos projetivos 37 Ao lidar com a amamentação ou com a alimentação por mamadeira [...] a mãe e o bebê chegam a um acordo na situação de alimentação, estão lançadas as bases de um relacionamento humano. É a partir daí que se estabelece o padrão da capacidade da criança de relacionar-se com os objetos e como o mundo111. Esse processo da relação objetal permite ao indivíduo adaptar-se às suas necessidades primitivas capacitando-o a descobrir o mundo d forma criativa em sua aquisição e manifestação como também, bebês que não experimentam falhas ambientais nesse período transitam satisfatoriamente de sua relação absoluta de dependência para a independência mesmo sabendo que essa independência é incompleta, não absoluta, o que é natural no desenvolvimento humano. Por outro lado, bebês que experimentam falhas ambientais, quanto à dependência, em graus, variados, experimenta um prejuízo concreto que pode ser muito difícil de reparar: “Na pior das hipóteses, o desenvolvimento da criança como pessoa é distorcido para sempre, e em conseqüência a personalidade é deturpada, ou o caráter é deformado (WINNICOTT, D.W. “Os bebês e sua mães.” 3ª. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006, p. 77), grifo nosso. Essa ocorrência se manifesta em famílias estruturadas ou não. É possível então elaborar hipóteses à respeito daqueles que se vêem privados ou deprivados de suas famílias. Os efeitos podem ser enunciados em termos de dados clínicos e atualmente há uma concordância considerável sobre o que se pode esperar quando há separação do bebê ou criança pequena da figura parental durante um período de tempo excessivamente longo. Foi estabelecido que existe uma relação entre a tendência anti-social e a privaçao112. Os sintomas anti-sociais se manifestam principalmente na idade escolar no âmbito da agressividade que se desvela em seus impulsos primitivos, sob a proteção do falso self, ocasionando o isolamento e a depressão levando o indivíduo a não integrar-se cognitivamente e emocionalmente promovendo atraso em seu desenvolvimento intelectual e emocional.
  • 52. 38 allencar rodriguez A escola é um reflexo da realidade social, portanto, um lugar que é possível dimensionar a intensidade da desestruturação familiar nos dias de hoje pelos índices de desenvolvimento escolar, da evasão, da repetência entre outros fatores em que a culpa recai sobre o Estado e sobre a (De) gestão da Unidade Escolar. Essas famílias vivenciam um horizonte sem desenvolvimento e progresso produzindo filhos com baixa auto-estima, depressivos, intolerantes e agressivos. Quando esses filhos chegam à adolescência a falta de controle de seus impulsos primitivos não educados poderá incorrer em sérios problemas psicossociais. Sem regras impostas pela educação primária não aprendem a seguir as regras sociais e nem lidar com suas frustrações e perdas. Como defesa usam a agressividade como padrão de comportamento. E, a escola pela sua incompetência administrativa não é para ele um referencial para sua vida de crescimento, de harmonia, de socialização. O referencial de desenvolvimento emocional para a criança é sua própria família. Se houver uma falha nesse ambiente, essa criança buscará fora de casa um outro referencial que lhe de sustentabilidade ambiental de amadurecimento. Essa sustentabilidade poderá vir de seus tios, avós, amigos da família. A criança privada desses ambientes poderá obter, ainda, na escola o que lhe faltou no próprio lar. Esse fato não acontece com a criança anti-social. A criança anti-social está simplesmente olhando um pouco mais longe, recorrendo à sociedade em vez de recorrer a família ou à escola para lhe fornecer a estabilidade de que necessita a fim de transpor os primeiros e essenciais estágios de seu crescimento emocional113. Para piorar a situação dos indivíduos que se inserem nos fatores que produzem a agressividade no padrão anti-social como os instintos agressivos, a bagagem hereditária e seu ambiente familiar, pesquisas revelam que crianças oriundas de famílias de padrão sócio-econômico baixo são mais agressivas e mais propensas de se tornarem delinqüentes.
  • 53. contornos projetivos 39 Amor e ódio constituem os dois principais elementos a partir dos quais se constroem as relações humanas. Mas, amor e ódio envolvem agressividade. Por outro, a agressão pode ser sintoma de medo114. De onde vem à tendência agressiva humana é uma tarefa difícil de identificar. Por Darwin ela é inerente à formação genética de nossos ancestrais que fundamentavam sua sub- existência na luta contra a fome, em favor da vida e a natureza hostil. Diferente nos períodos formadores das sociedades onde a agressividade e violência se confundem. Hoje, em estudo profundo, Winnicott certifica e demonstra que ataques de impulsos irracionais está intimamente relacionado ao desenvolvimento emocional do indivíduo e que “em termos” o ato é influenciado pelo ambiente. Para Winnicott, a agressividade pode tomar vários caminhos e estes caminhos estarão em estreita relação com a resposta ambiental: o desenvolvimento normal da capacidade de inquietude e duas alternativas patológicas, que seria a não capacidade para a inquietude e a questão da formação do faso-self, ligado à questão da tendência anti-social. Mas, segundo Winnicott, à agressividade que configura em muitos casos como uma tendência anti-social não pode ser vista como um diagnóstico de transtorno ou distúrbio relacionado à saúde do indivíduo. A tendência anti-social é um sinal de pedido de socorro pelo indivíduo que se sente preso em um meio que não foi ou ainda não é suficientemente bom para ele. Na fase escolar é comum a manifestação agressiva de crianças e adolescentes. Principalmente nos adolescentes que precisam dominar seus impulsos agressivos e sexuais. Atitudes anti-sociais extremas, muitas vezes, ajudam o adolescente a se sentir real, num período de perturbação emocional depressiva ou de deprivação. Winnicott afirma que o processo do amadurecimento é a cura da adolescência e dessas atitudes hostis positivas no contexto do crescimento do indivíduo. Manifestações que giram em função de sua defesa e conquistas, para o exercício da criatividade e a cumplicidade amorosa. O grande problema é se o indivíduo tomar o viés da tendência à delinqüência, onde a tendência à
  • 54. 40 allencar rodriguez construção do seu próprio eu é substituído pela ação da destrutividade e a violência. O indivíduo delinqüente difere daquele com tendência anti-social uma vez que no âmbito da delinqüência já haveriam defesas constituídas com ganhos secundário, que dificultariam a criança entrar em contato com seu desilusionamento inicial. Segundo Winnicott (1983), dos dois vieses da tendência anti-social, o roubo está relacionado à interação mãe e seu desempenho materno condicionado à falha de exercer o holding. No roubo a criança procura por algo em algum lugar sendo que o objeto roubado não é o valor da conquista, mas o sentido da causa e conseqüência. A causa é o fracasso, pois o objeto subtraído não tem importância emocional. Já a destrutividade se insere na forma mais desesperada do indivíduo em chamar para si à atenção. Somado a isso, a destrutividade está relacionada à interação com o pai. Em Winnicott, a função paterna é a caracterização de um ambiente indestrutível, aquele que sustenta a mãe e o bebê. O pai sustenta a mãe a sentir-se bem em seu próprio corpo e feliz em seu espírito. E, para ser uma mãe suficientemente boa, é necessário que essa mãe esteja feliz em seu ego. Dessa forma, o pai é uma identidade reconhecida na mãe frente aos desejos e anseios dessa própria mãe. O que a mãe implanta na criança, o pai sustenta. Portanto, uma falha nesse ambiente poderá induzir uma predisposição a distúrbios afetivos e tendência anti-social. Pois, pai e mãe dão sustentação a criança em momentos distintos que se intercedem na construção emocional dessa criança. A criança necessita da presença do pai pelas qualidades que esse distingue de outros homens. O pai é um elo entre a família e a sociedade. Dessa forma, o pai é importante a partir daquilo que a mãe necessita como também ele é importante às necessidades da criança. Nesse caso, o pai é um ser real que pode ser visto como um objeto de amor quando sua agressividade se direciona a mãe da mesma forma que pode odiar o pai enquanto sustenta seus reflexos de amor à mãe.
  • 55. contornos projetivos 41 Nesse contexto se dá o processo de integração de uma espécie de fragmentos psíquicos na mente da criança. Ela pode até não ter um pai real e vivo, mas deverá constituir um substituto já que a constituição do pai pela fala da mãe constrói-se um símbolo. Esse símbolo constituído pela fala da mãe e o imaginário da criança impede a socialização de um substituto. Daí vem o fracasso do ambiente, da mãe, e da criança. Portanto a não superação ou o não amadurecimento desse estágio agressivo em seu processo de crescimento, de acordo com D. W. Winnicott, a criança ou o adolescente poderá se tornar um delinqüente. Isto é, aquele que desaloja as coisas, que desaloja de seu lugar, do lugar que lhe é atribuído pela sociedade. Nesse caso, seu grito de socorro estará direcionado para as estruturas mais formais da sociedade: As leis do país cujos limites são as barras de uma prisão. A agressividade madura não é algo a ser curado; é algo a ser notado e consentido. Se for incontrolável, saímos de lado e deixamos que a lei se encarregue. (Winnicott, 2005, pg. 101). Isso tudo mostra o lugar designado à família na estruturação psíquica de jovens. Sempre junto ao filho promovendo relações familiares de abrigo, interação, integração e externação de ideais predominantemente de valores democráticos e igualitários fundamentado em nossa cultura. Por isso, entre muitos outros aspectos, Não haveria nada de novo em afirmar que a família é um dado essencial de nossa civilização. O modo pelo qual organizamos nossas famílias demonstra na prática o que é nossa cultura, assim como uma imagem do rosto é suficiente para retratar o indivíduo. A família nunca deixa de ser importante, e é responsável por muitas de nossas viagens. Nós escapamos, emigramos, trocamos o sul pelo norte e o leste pelo oeste devido à necessidade de nos libertarmos; e depois viajamos periodicamente de volta para casa para renovar o contato com a família. Passamos boa parte do tempo escrevendo cartas, mandando telegramas, telefonando e ouvindo histórias sobre nossos parentes; e, em épocas de tensão, a maior parte das pessoas permanece leal às famílias e desconfiadas dos estranhos115.
  • 56. 42 allencar rodriguez E a principal característica estrutural da família é o pai e a mãe. São eles que dão suporte a socialização dos filhos que aos poucos vão interagindo com outros membros da própria família, com os vizinhos e com a escola. Esse contexto de expansão social desvela na criança a existência de um mundo externo cujos conflitos pertinentes a esse mundo é absorvido pela criança que está preparado para suportar traumas supostamente agressivas ao seu mundo egóico. Isso facilita seu processo de integração individual que é uma questão de seu desenvolvimento emocional, bem como, o físico e o intelectual. Se as condições favoráveis nos primeiros estágios realmente estimularem a integração da personalidade, essa integração do indivíduo, um processo ativo que movimenta muita energia, afeta por sua vez o ambiente externo. A criança que se desenvolve bem, e cuja personalidade foi capaz de realizar internamente sua integração por força das capacidades inatas de crescimento individual, exerce um efeito integrativo sobre seu ambiente externo imediato. Essa criança “contribui” para a situação familiar116. Essa contribuição ou favorecimento de uma situação familiar satisfatória contribui para a integração das unidades familiares o qual depende toda a sociedade como mantenedora de um ideal de modelo moral, não corrompido e hereditário. Esses aspectos asseguram uma unidade de sobrevivência como instituição de apoio e suporte ao indivíduo dentro dos parâmetros éticos que norteia os passos de um indivíduo constituído como cidadão. Isto é, “em outras palavras: numa sociedade sadia, em que a democracia possa florescer, uma proporção suficiente de indivíduos tem de haver realizado uma integração satisfatória da própria personalidade” (Winnicott, 2005, p. 69, grifo do autor). Dentro do âmbito da importância da situação familiar no desenvolvimento emocional da criança, Winnicott nos expõe em sua literatura um aspecto preocupante em relação às crianças em idade escolar que se desenvolvem de forma desajustada provenientes da privação e/ou deprivação
  • 57. contornos projetivos 43 familiar inseridos no contexto da imaturidade emocional dos pais ao se casarem, à vinda do filho em momento não esperado e não amadurecido o suficiente para o ato parental, a desintegração da vida familiar e as psicoses parentais e/ou a morte. De acordo com seus estudos crianças provenientes de um lar suficientemente bom vai à escola na ansiedade natural e amadurecida de aprender coisas, uma vez que de alguma forma essa criança possui objetivos que pode ou não ser somados ao da família. Já para a criança desajustada o aprendizado escolar é uma necessidade secundária. Sua principal necessidade é o cuidado que lhe faltou em sua formação física, emocional e intelectual. Ou seja, Para a criança desajustada, em outras palavras, a “escola” tem o significado de “abrigo” ou “albergue”. Por isso, os indivíduos ligados ao cuidado de crianças anti- sociais não são professores escolares que em certos momentos acrescentam a seu trabalho um colorido de compreensão humana; são antes psicoterapeutas de grupo que às vezes aplicam-se a dar um pouco de ensino escolar117. Em “Natureza humana (1990)”, Winnicott relata “que no estágio em que consegue perceber a existência de três pessoas, ela própria e duas outras, a criança encontra, na maioria das culturas uma estrutura familiar à sua espera”. No interior da família, a criança pode avançar passo a passo, do relacionamento entre três pessoas para outros mais e mais complexos. É o triângulo simples que apresenta as dificuldades e também toda a riqueza da experiência humana. Na estrutura familiar, os pais fornecem também a continuidade do tempo, talvez uma continuidade desde a concepção da criança até o fim da dependência, que caracteriza o término da adolescência . 118 Essa ocorrência faz parte da natureza humana que não muda dentro de uma sociedade em constante mudança. O que existe é uma evolução da natureza humana. Desta forma, o ambiente facilitador para o processo de maturação
  • 58. 44 allencar rodriguez do indivíduo permanece o mesmo, apenas evolui como é o caso da família. A psicanálise winnicottiana implica uma teoria do ambiente e os processos do desenvolvimento emocional humano. Sua maturação depende da saúde mental dos indivíduos estabelecidos nos estágios iniciais de suas vidas sob a responsabilidade inicial de sua mãe em promover um ambiente satisfatório e/ou facilitador para os seus desenvolvimentos seguidos de outras formas de sustentabilidades que se cruzam ou se somam nos estágios de seu crescimento. Portanto, o continuísmo da existência e da evolução emocional do indivíduo é sempre dependente de fatores ambientais. Uma série de cuidados e experiências relativas à interação com o ambiente serão necessário para que esse indivíduo evolua satisfatoriamente em seus estágios processuais de integração. Essa evolução caracteriza um amadurecimento saudável em que o indivíduo inicia sua existência num estado não integrado, egóico e desconhecido do não-eu para um estado de vida madura, plena e socializada dentro dos padrões cronológicos de seu amadurecimento físico, mental e intelectual que se encerra com as sua morte. Assim, uma falha no processo de maturação e integração decorrente da deficiência do ambiente num momento em que a criança ainda não é capaz de sustentar seu próprio self poderá levar a um trauma como uma ruptura na linha da própria vida. O que irá se tornar o mais graves dos traumas (para Winnicott o potencial dos traumas são inerentes ao processo de crescimento do indivíduo), um entrave à integração da estrutura da personalidade do indivíduo. Entendido personalidade como um conjunto de características que determinam a individualidade pessoal e social do indivíduo, crianças que apresentam atraso congnitivo no âmbito escolar em decorrência das falhas emocionais em seus estágios de amadurecimento estarão propensos ao contexto da exclusão determinado pela sociedade que ela própria ajuda a evoluir.
  • 59. contornos projetivos 45 Capítulo 6 – O MAPA DO SÍMBOLOS 6.1 Distribuição da Freqüência de Escolha de Símbolos Tabela 3 – distribuição Total da freqüência dos símbolos – GRUPOS A – B – C – D Distribuição da Freqüência dos Símbolos em 587 Desenhos de 119 Sujeitos Participantes Indícios de Masculino Feminino Total Total Variáveis da de Temáticas Número Número Freqüência Sujeito Freqüência de Freqüência de Temática s Sujeitos Sujeitos Sol 56 47 128 72 184 119 Céu 6 47 17 72 23 119 Nuvens 40 47 75 72 115 119 Lua 5 47 10 72 15 119 Flores 14 47 93 72 107 119 Montanhas 11 47 42 72 53 119 Animais 24 47 62 72 86 119 Casa 29 47 59 72 88 119 Árvore 40 47 140 72 180 119 Figuras 53 47 161 72 214 119 humanas Veículos 32 47 2 72 34 Barcos 6 47 7 72 13 119 Cartum 21 47 4 72 25 119 Paisagem 15 47 62 72 77 119 Coração - 47 17 72 17 119 Cor predominante Vermelho 9 47 45 72 54 119 Amarelo 19 47 81 72 100 119 Laranja 16 47 47 72 63 119 Azul 21 47 93 72 114 119 Verde 27 47 101 72 128 119 Negro 5 47 7 72 12 119 Rosa 4 47 31 72 35 119 Marrom 20 47 86 72 106 119 Cinza - 47 4 72 4 119 Acromático 124 47 102 72 226 119 A repetição de um mesmo 53 47 98 72 151 119 tema A diversidade 67 47 118 72 185 119 de temas Movimento 119 Dinâmico 35 47 48 72 83 Estático 42 47 127 72 169 Falta de Criatividade 34 47 44 72 78 119
  • 60. 46 allencar rodriguez 6.2 A Representação Geral dos Símbolos das Projeções Psicossociais Sol: Ausência Desequilíbrio emocional, carência, abandono, morte e desolação (como se sente por dentro) Sem raio Perda de entusiasmo, perda de autonomia Centro Probabilidade de uma família desarticulada Direita Violência verbal ou física por parte dos pais Flores Necessidade de segurança Montanhas Busca de estabilidade emotiva Direita Preguiça - Oportunista Animais Comunicação de alguma necessidade – Falta de compreensão pelos adultos Casa Muito pequena Representação de um estado anímico Porta e janelas pequenas Apresenta dificuldades de socialização Árvore Representa o aspecto emotivo, físico e intelectual da criança Tronco Base alargada - Imaturidade – Predomínio da vida instintiva Copa esférica Indica falta de sentido construtivo – falta de energia – ingenuidade – medo da vida real – acomodação – falta de concentração Sem folhas Falta de motivação- tristeza Sem raiz Apatia Figuras humanas De perfil Representa dissimulação ou desajuste – Incapacidade de enfrentar o meio – Deficiência afetiva Cabalística Representa problemas sexuais ou personalidade Grotesca Insensibilidade – Baixo nível mental Não inteira Só a cabeça - Censura ao seu próprio corpo – Problema de grande censura sexual Cartum Indica falta de habilidade para desenhos da realidade Cor Pouco colorido Representa dificuldades na área afetiva Acromático Retração e dispersão Repetição de um mesmo tema Entrave na socialização de novos conhecimentos Movimento Figura sem movimento Indica repressão – Inibição aos estímulos interiores Movimento monótono Apatia Movimento hesitante Insegurança Uso da Borracha Exagerado – Incerteza, Indecisão, Insatisfação, Falta de controle, Fuga Sombreado Conflitos, Medo, Insegurança Orientação Espacial Fuga da localização central dos desenhos Traços Descontínuos Pressão Predomínio de linhas finas ou grossas
  • 61. contornos projetivos 47 6.3 Apresentação dos Indícios de Variáveis Psicológicas nos Sujeitos Inseridos no Contexto das dificuldades de Aprendizagem. Tabela 4 – indícios de variáveis psicológicas nos sujeitos inseridos no contexto das dificuldades de aprendizagem. Distribuição da Freqüência dos indícios psicológicos em ( 97 ) Desenhos Indícios de Variáveis Psicológicas Dificuldade na área afetiva Ansiedade Agressividade Depressão Insegurança / Medo Conflito Fragilidade Cerceamento Falta de habilidade Dependência Descontrole Introversão Desequilíbrio Emocional Imaturidade Emocional Incapacidade de Adequação ao Meio Apatia Instabilidade Dispersão Indecisão Apresentação de Realismo Mental – Infantilidade Atraso do Desenvolvimento Cognitivo
  • 62. 48 allencar rodriguez Capítulo 8 – O MAPA DA PROBLEMATIZAÇÃO 7.1 – Sujeitos Participantes no Contexto das Dificuldades de Aprendizagem Determinado o quadro da maior distribuição total da freqüência dos símbolos (tabela 3) e o quadro com a maior freqüência dos índices variáveis psicológicas (tabela 4) inerentes ao assunto da pesquisa foi construído um quadro provisório de 53 sujeitos que apresentavam aspectos, em seus desenhos, simbólicos inerentes aos sintomas propensos a um diagnóstico que represente dificuldades de aprendizagem baseando-se apenas nos indícios de: a) falta de criatividade (que significa falta de capacidade de elaborar: desenhos ricos em temas e detalhes) e/ou falta de capacidade de desestruturar a realidade e reestruturá-la de outras maneiras; b) na repetição do mesmo tema: que pode indicar entrave na socialização de novos conhecimentos; c) na apresentação de desenhos acromáticos: representando retração e dispersão e d) de falta de habilidade e/ou percepção para desenhos da realidade dando ênfase ao desenho de cartum, do quadro 3.3.2 Nesse quadro provisório foi feito a análise e interpretação de acordo com o quadro 3.3.1 e os elementos que complementam o quadro 3.3.2, por exemplo, o símbolo do sol, desenho de figuras humanas, desenhos de árvores, etc. Dessa análise e interpretação foi delimitado um novo quadro denominado de conjunto A (tabela 10). A partir da intersecção do conjunto A com um outro quadro denominado de conjunto B (tabela 11): cujos elementos contidos em B, são sujeitos que apresentaram, no final do ano letivo, um quadro de dificuldades de aprendizagem, representado pelo baixo desempenho escolar e foram indicados pelos professores de Matemática, Português, História e Geografia, foi possível montar um outro conjunto denominado por X (tabela 12) , onde X representa os elementos comuns entre A e B que apresentam reais indícios pertinentes às dificuldades de aprendizagem e um
  • 63. contornos projetivos 49 conjunto Y (tabela 13) cujo elementos pertencem somente a A ou a B. X Y X = Intersecção dos elementos comuns do quadro A e do quadro B Y = Quadro de sujeitos que pertencem somente a A ou pertencem a B Nos elementos contidos em X e Y foram feitas as análises e interpretações do Procedimento de Desenhos-Estórias seguindo o referencial de análise dos aspectos formais, Trinca (1997, p. 123-127) excetuando o item (d) do quadro de avaliação relatado em 3.3.3, uma vez que foi pedido aos participantes que realizassem seus desenhos usando a folha de papel em branco, sem pauta, de tamanho ofício na horizontal e em um outra folha com a mesma descrição foi pedido que o relato das estórias fossem feito na horizontal. Somado a esse procedimento foi feito uma enfática análise e interpretação em cada unidade de produção feito pelos alunos fundamentado nos índices de variáveis psicológicas apresentado na tabela 3.3.1. A partir disso foi delimitado um quadro único, denominado conjunto Z (tabela 14), onde Z é a intersecção dos elementos comuns do conjunto X e do conjunto Y que efetivamente apresentaram um quadro de diagnósticos psicopedagógicos que revelam sintomas condicionantes as dificuldades de aprendizagem. X Z Y