SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTRUTURAS TEXTUAIS




www.katcavernum.com.br
www.twitter.com/katcavernum
02        allencar rodriguez

 ARTIGO DE OPINIÃO



     TÍTULO

     NOME FICTÍCIO OU ABREVIAÇÃO DO NOME
      ◊ Introdução do Assunto

      ◊ Assumir uma Posição – de acordo com o propósito




      ◊ Discutir a Posição Assumida

      ◊ OPAR




      ◊ Discutir a Contra – argumentação

      ◊ OPAR




      ◊ CONCLUSÃO:

      ◊ Clamem para os leitores seguirem o seu ponto de
      vista na escola, nas redes sociais, etc.
redação – estudo aplicado imagens             03


EDITORIAL (ARTIGO VEEMENTE OPNATIVO)



TÍTULO



  ◊ Apresentação do Assunto




  ◊ Contextualização do Propósito (a)




  ◊ Contextualização do Propósito (b)




  ◊ CONCLUSÃO:

  ◊ Enfática de COBRANÇA dos Responsáveis.

  ◊ Paulada nos Responsáveis


                   ATENÇÃO: O EDITORIAL É ANÔNIMO
04       allencar rodriguez


 CRÔNICA TOM DE HUMOR



     TÍTULO

     NOME FICTÍCIO OU ABREVIAÇÃO DO NOME
      CORPO TEXTUAL:

      ◊ AUTOR OBSERVADOR



      ◊ TOM HUMORÍSTICO



      ◊ PRESENÇA DE DIÁLOGOS



      ◊ CONCLUSÃO:



      FINAL EDITADO PELO NARRADOR

Recomendado para você

Estilística.PDF
Estilística.PDFEstilística.PDF
Estilística.PDF

O documento discute os conceitos e classificação de figuras de linguagem, que são recursos que tornam as mensagens mais expressivas. Aborda figuras de palavras como metáfora e metonímia, figuras de pensamento como antítese e ironia, e figuras de construção. Também explica denotação e conotação e como as palavras podem ter significados ampliados dependendo do contexto.

Pontuacao 2015
Pontuacao 2015Pontuacao 2015
Pontuacao 2015

O documento descreve os principais sinais de pontuação do português, incluindo vírgula, ponto-e-vírgula, dois pontos, reticências, parênteses, aspas, travessão, ponto de interrogação, ponto de exclamação e ponto final. Ele explica como cada um desses sinais é usado na escrita para indicar entonação, pausas e intenções. Regras específicas sobre o uso da vírgula em diferentes construções gramaticais também são detalhadas.

education
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 63-64Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 63-64

1) A cronista Fernanda Câncio considera que os blogs são um espaço de liberdade e debate, apesar de seus defeitos, talvez não maiores do que outros meios. 2) Miguel Esteves Cardoso é menos otimista sobre o potencial da internet para informar, baseado no que ocorreu no Natal quando a internet também ficou sem notícias. 3) Esteves Cardoso antecipa que, sem os meios de comunicação tradicionais, faltariam notícias na internet, que sozinha não conseguiria assegurar.

redação – estudo aplicado imagens   05


CRÔNICA TOM DE POESIA (PROSA POÉTICA)



TÍTULO

NOME FICTÍCIO OU ABREVIAÇÃO DO NOME
  CORPO TEXTUAL:

  ◊ AUTOR OBSERVADOR



  ◊ TOM EXISTENCIAL



  ◊ PRESENÇA DE PROSA POÉTICA



  ◊ FIGURAS DE LINGUAGEM



  ◊ CONCLUSÃO:



  FINAL EDITADO PELO NARRADOR



  “O AMOR ACABA. PARA COMEÇAR EM OUTRO
  LUGAR”
06       allencar rodriguez


 CRÔNICA FORMA NARRATIVA (TOM LÍRICO)



     TÍTULO

     NOME FICTÍCIO OU ABREVIAÇÃO DO NOME
      CORPO TEXTUAL:

      ◊ AUTOR PERSONAGEM



      ◊ TOM REFLEXIVO



      ◊ APRESENTAR SITUAÇÃO DO COTIDIANO



      ◊ INFLUÊNCIA EXTERNA



      ◊ CONCLUSÃO:



      DESFECHO COM INFLUÊNCIA NA REFLEXÃO DO
      AUTOR LÍRICO

      “...nossos olhos se encontram ele se perturba
      constrangido, vacila, ameaça baixar a cabeça, mas
      acaba sustentando o olhar. Enfim se abre num
      sorriso. Assim eu quereria minha última crônica.
      Que fosse pura como esse sorriso.”
redação – estudo aplicado imagens       07


CRÔNICA FORMA NARRATIVA ARGUMENTATIVA (ENSAIO)



TÍTULO

NOME FICTÍCIO OU ABREVIAÇÃO DO NOME
 ◊ AUTOR ARGUMENTADOR

 ◊ DEFENDER UMA IDÉIA – UM PONTO DE VISTA
08        allencar rodriguez


 MANIFESTO



     TÍTULO

     Santa Bárbara d’Oeste, 13 de novembro de 2011
      CORPO TEXTUAL:

      ◊ DISSERTATIVO

      ◊ PERSUASIVO

      ◊ MEXA COM O EMOCIONAL DO LEITOR

      ◊ LEVANTE ARGUMENTOS QUE JÁ É POLÊMICO

      ◊ DESPERTE NO LEITOR INDIGNAÇÃO

      ◊ DESPERTE NO LEITOR REVOLTA

      ◊ DESPERTE NO LEITOR PROTESTO

      ◊ CONCLUSÃO:

      ◊ LIVRE: DE ACORDO COM O PROPÓSITO DA
      REDAÇÃO




                NOME FICTÍCIO OU ABREVIAÇÃO DO NOME

Recomendado para você

Revisando os gêneros argumentativos
Revisando os gêneros argumentativosRevisando os gêneros argumentativos
Revisando os gêneros argumentativos

O manifesto alerta que o Supremo Tribunal Federal julgará um recurso que pode desregular a profissão de jornalista ao eliminar a exigência de diploma universitário em Jornalismo. Isso ameaça o direito à informação independente e plural da sociedade brasileira, essencial para a democracia. O manifesto defende a manutenção da formação superior como conquista histórica dos jornalistas e da sociedade que elevou a qualidade do jornalismo no país.

Revisao portugues
Revisao portuguesRevisao portugues
Revisao portugues

Este documento resume os principais tópicos abordados em uma revisão de Português, incluindo: figuras de linguagem como metáfora, metonímia e antítese; modos verbais como o imperativo; regras de acentuação; complemento nominal; e vocativo e aposto.

Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1

Este documento contém três partes: 1. Uma introdução sobre o conteúdo da prova de literatura brasileira da UFMG em 2012. 2. Dois poemas de Olavo Bilac e Antônio Torelly para análise de relação intertextual. 3. Um excerto do livro "O Quinze" de Rachel de Queiroz descrevendo os efeitos da seca no sertão e instruções para identificar e explicar a tendência dos romancistas em escrever sobre essa temática.

redação – estudo aplicado imagens             09


INFORME



TÍTULO

NOME FICTÍCIO OU ABREVIAÇÃO DO NOME
 CORPO TEXTUAL

 ◊ Descreva um Fato ou Acontecimento

 ◊ Forneça Informações no Contexto da Veracidade

 ◊ Descrição Objetiva

 ◊ Linguagem Denotativa
10       allencar rodriguez


 DISCURSO DIRETO



     APRESENTAÇÃO: CARO(S) ALUNOS E PROFESSORES



      O discurso é direto quando são as personagens
      que falam. O narrador, interrompendo a narrativa,
      põe-nas em cena e cede-lhes a palavra. Exemplo:

      "- Por que veio tão tarde? perguntou-lhe Sofia, logo
      que apareceu à porta do jardim, em Santa Teresa.
      - Depois do almoço, que acabou às duas horas,
      estive arranjando uns papéis. Mas não é tão tarde
      assim, continuou Rubião, vendo o relógio; são
      quatro horas e meia.

      - Sempre é tarde para os amigos, replicou Sofia, em
      ar de censura."
redação – estudo aplicado imagens                 11


DISCURSO INDIRETO



APRESENTAÇÃO: CARO(S) ALUNOS E PROFESSORES



 No discurso indireto não há diálogo, o narrador
 não põe as personagens a falar diretamente, mas
 faz-se o intérprete delas, transmitindo ao leitor o
 que disseram ou pensaram. Exemplo:

 "A certo ponto da conversação, Glória me disse que
 desejava muito conhecer Carlota e perguntou por
 que não a levei comigo."

 Para você ver como fica fácil vou passar o exemplo
 acima para o discurso direto:

 - Desejo muito conhecer Carlota - disse-me Glória, a
 certo ponto da conversação. Por que não a trouxe
 consigo?
12       allencar rodriguez


 NOTÍCIAS



     MANCHETE

     NOME FICTÍCIO OU ABREVIAÇÃO DO NOME
     DA SUCURSAL DE SÃO PAULO

      CORPO TEXTUAL

      ◊ DESCRIÇÃO DO FATO

      ◊ LOCAL

      ◊ DATA

      ◊ HORA

      ◊ CARÁTER INFORMATIVO




      ATENÇÃO: NOTÍCIAS: COMUNICAR UM FATO SEM
      APRESENTAR ARGUMENTOS - NÃO TEM OPINIÃO
      DO AUTOR.

Recomendado para você

Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 61-62Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 61-62

Este documento discute os diferentes tipos de atos de fala e como eles podem ser diretos ou indiretos dependendo se a intenção comunicativa é explícita ou precisa ser inferida. Explica que os atos de fala podem ser classificados como locutórios, ilocutórios ou perlocutórios e que os atos ilocutórios podem ter força ilocutória como diretiva, assertiva ou expressiva. Demonstra exemplos de como o contexto e tipo de frase afetam se um ato de fala é direto

Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) NarrativaAnimação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa

Este documento apresenta os conceitos fundamentais sobre narrativa em 3 frases: 1) Apresenta os elementos essenciais de uma narrativa como enredo, personagens, tempo, espaço e narrador. 2) Discutem os principais gêneros narrativos como romance, novela, conto e crônica e seus elementos estruturais. 3) Explica a estrutura básica de um enredo com exposição, complicação, clímax e desfecho.

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 149-150
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 149-150Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 149-150
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 149-150

Obrigado pela sugestão, mas não tenho acesso à tabela ou ao texto da peça mencionados. Como professor, sugiro focar a discussão nos conceitos e ideias, em vez de detalhes específicos do currículo.

redação – estudo aplicado imagens                     13


REPORTAGEM

MANCHETE (resume a notícia – objetivo de atrair o leitor)

SUB-MANCHETE (pequeno resumo – chamar atenção)

NOME FICTÍCIO OU ABREVIAÇÃO DO NOME
DA SUCURSAL DE SÃO PAULO

 CORPO TEXTUAL



 ◊ DESENVOLVIMENTO DO ASSUNTO ABORDADO



 ◊ CARÁTER INVESTIGATIVO



 ◊ PODE APRESENTAR COMENTÁRIOS SUBJETIVOS –


 LEVANTAR QUESTÕES – DISCUTIR E ARGUMENTAR.
14        allencar rodriguez


 CARTA DO LEITOR

     CORPO TEXTUAL

     Santa B. d’Oeste, 13 de novembro de 2011
     TÍTULO DA CARTA (ASSUNTO) – Protesto em Marília


         Caros leitores do “Painel do Leitor”, … criar a
      imagem    dos    interlocutores    -    DESCREVER   O
      ASSUNTO     DE     ACORDO         COM    O   OBJETIVO
      PROPÓSITO DA REDAÇÃO.




                       Nome fictício ou abreviação do nome
                                 Santa Bárbara d’Oeste/SP
redação – estudo aplicado imagens                15


CARTA DE SOLICITAÇÃO

CORPO TEXTUAL

Santa B. d’Oeste, 13 de novembro de 2011


À Prefeitura Municipal de Santa B. d’Oeste
Secretaria do Meio Ambiente
Prezado Sr. Secretário


     criar a imagem dos interlocutores - DESCREVER
 O   ASSUNTO     DE      ACORDO   COM   O    OBJETIVO
 PROPÓSITO DA REDAÇÃO.




 Atenciosamente,

                 Nome fictício ou abreviação do nome
16        allencar rodriguez


 CARTA DE RECLAMAÇÃO

     CORPO TEXTUAL

     Santa B. d’Oeste, 13 de novembro de 2011


     Nome fictício ou abreviação do nome
     Endereço: Rua...
     Bairro:
     Cidade:
                                                 Nome da Loja
                                                     Endereço
     Assunto: Computador em desacordo com a compra
     Prezado Senhores:

        criar a imagem dos interlocutores - Descrever a
      reclamação. Seja enfático na reclamação. Siga o
      propósito da redação.




      Sem mais,

                        Nome fictício ou abreviação do nome

Recomendado para você

Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 31
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 31Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 31
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 31

1) O artigo discute as opiniões de dois cronistas sobre o potencial da internet como meio de informação. 2) Enquanto Fernanda Câncio acredita que a internet oferece liberdade e debate, Miguel Esteves Cardoso é mais cético devido à dependência de fontes convencionais. 3) Esteves Cardoso argumenta que sem os meios de comunicação tradicionais, faltariam notícias na internet.

Intertextualidade e linguagem Catia Delatorre
Intertextualidade e linguagem   Catia DelatorreIntertextualidade e linguagem   Catia Delatorre
Intertextualidade e linguagem Catia Delatorre

O documento discute o conceito de intertextualidade, apresentando definições de três autores e exemplos de como a intertextualidade ocorre de forma explícita, em obras como Shrek, ou implícita, como na saga Crepúsculo. A intertextualidade demonstra a influência de um texto sobre outro e a importância do conhecimento cultural para a compreensão dos textos.

Aula 8 pontuação e vírgula-16maio2015
Aula 8   pontuação e vírgula-16maio2015Aula 8   pontuação e vírgula-16maio2015
Aula 8 pontuação e vírgula-16maio2015

O documento discute a pontuação e seu uso adequado para um melhor entendimento do texto no que diz respeito à entonação e sentido. Apontam-se alguns objetivos como refletir sobre o uso da pontuação, compreender o uso da vírgula e como influencia no sentido da frase, e compreender a importância da vírgula no aspecto lógico-sintático.

vírgulapontuaçãoredação
redação – estudo aplicado imagens   17


FOLHETO CAMPANHAS SOCIAIS EDUCATIVAS



TÍTULO


 CORPO TEXTUAL

 ◊ TEXTO INFORMATIVO EDUCATIVO

 ◊ PROMOVER ORIENTAÇÃO DE:

 - SAÚDE

 - SEGURANÇA

 - PREVENÇÃO, etc.
18       allencar rodriguez


 FOLHETO INFORMATIVO INSTRUTIVO



     TÍTULO


      CORPO TEXTUAL

      ◊ INSTRUIR AS PESSOAS SOBRE O MODO DE AGIR


      EM RELAÇÃO À DETERMINADA QUESTÃO.



      ◊ UTILIDADE INSTRUTIVA
redação – estudo aplicado imagens                     19



CONTOS (texto narrativo): ação através da criação da
intriga no domínio do verossímil


TÍTULO

CORPO TEXTUAL
     Basicamente a estrutura do conto se caracteriza
   pela própria estrutura da narrativa. Isto é, no conto
   existe um único enredo onde é desenvolvido um
   drama, inserido nesse drama há um conflito que
   passa o (s) personagem (s) num tempo curto
   (manhã, tarde, noite, madrugada, um dia) e num
   espaço (cenário) bem definido. Na narrativa são
   desenvolvidos os elementos narrativos (criação de
   uma atmosfera – desenvolvimento de uma
   seqüência de acontecimentos em torno do conflito
   que se intensifica até o clímax – finalizar a narrativa
   com um desfecho que é a solução do conflito do
   personagem ou personagens).

      Outra característica do conto é que o desfecho,
   em alguns casos, pode ficar em aberto, cabendo ao
   leitor colocar suas próprias impressões sobre o fato
   e criar o seu fim de fato.




                  Nome fictício ou abreviação do nome
ROMANCE (narrativo): um condensado de ficção e realidade

TÍTULO

   - Natasha. Temos que conversar. Por favor. Eu preciso de você.

   - disse Newton deixando lágrimas emotivas escorrer de seus olhos. – Diga-me
   qualquer coisa. Eu aceito tudo.

   - Perdoe-me Newton. Eu... Sou homem...

      Noite fria de inverno. Uma leve neblina movia por entre as luminárias de
   mercúrio maculando a extensa avenida numa cor rósea num instante em que
   os ponteiros do relógio da matriz se encontravam pela última vez naquele dia.
   Em concomitância com esse cenário o diálogo intrigante quebrou o silêncio do
   início da madrugada.

   Veja:

      O início de um romance determina o estímulo da continuidade da leitura. Se
   esse movimento for positivo é sinal de que o interlocutor enunciador (você)
   foi feliz na composição de seu projeto de texto e o interlocutor receptor
   (leitor) teve sua curiosidade impulsionada em direção a querer saber qual o
   desfecho de sua história. Desta forma, no início de seu romance crie uma
   situação repentina e precisa no tempo e no espaço inserindo nesse cenário
   um ou mais personagens cuja situação de interlocução entre ambos sejam
   motivadores ou intrigantes e que provoque uma sensação de espanto ou
   surpresa ou até mesmo perplexidade no leitor.

   Depois:

     Na seqüência prenda a atenção do leitor nos aspectos físico e psicológicos
   que provocaram o início da narrativa. Envolva o leitor numa forma a colocá-lo
   na cena e no cenário do conflito.

     Por meses Newton, um rapaz jovem, sonhador e conservador, tentou
   aclarar seus sentimentos de paixão e amor e dor por Natasha. Mulher
   belíssima, voz sedosa, escultural morena, cabelos longos, lisos e quentes.
   Belos e suculentos quadris. Altura de fada e olhar furtivo de fuinha.

   Por último:

     O final de um romance não precisa seguir um caminho que satisfaça a
   projeção do leitor. Tanto importa se o enredo termina bem ou mal. Porém,
   seguindo o mesmo padrão dos contos, a narrativa precisa ter um desfecho
   que apresente no mínimo um estado de surpresa ao leitor. Algo inesperado,
   envolvente, seja no sentido da felicidade ou do sofrimento.

     Finalmente, depois de meses de assédio, depois de um jantar Newton
   estava numa encruzilhada de sentimentos numa fria avenida.

   - Não brinque com isso Natasha.

   - Não é brincadeira. Estou apaixonada por você, mas, eu sou homem.

     Assustado, Newton tornou seus olhos para longe no horizonte esfumaçado
   virando-se. Pensou... Pensou... E pensou. Virando-se para Natasha, disse:

   - Natasha! Você quer viver comigo?

Recomendado para você

Slide 02 pontuação
Slide 02 pontuaçãoSlide 02 pontuação
Slide 02 pontuação

O documento discute a pontuação e sua importância para delimitar o significado de enunciados. Apontou os principais sinais de pontuação e suas funções, como vírgula para separar termos, dois pontos para introduzir listas ou citações, e ponto final para encerrar ideias. Também apresentou exemplos para exercitar a identificação correta da pontuação.

Modelo de-plano-de-aula
Modelo de-plano-de-aulaModelo de-plano-de-aula
Modelo de-plano-de-aula

Este plano de aula tem como objetivo comparar os temas de abandono e distanciamento entre pessoas abordados na música "Maior Abandonado" e no conto "Grande Edgar". Os alunos irão analisar e interpretar a música e o conto, identificando os temas comuns e como cada obra aborda a perda da importância individual na sociedade.

Material unidade 7 complementaro ao bem vindo
Material unidade 7 complementaro ao bem vindoMaterial unidade 7 complementaro ao bem vindo
Material unidade 7 complementaro ao bem vindo

Este documento fornece informações sobre gramática, vocabulário e lições de um livro didático. A seção de gramática discute pronomes demonstrativos, indefinidos e o modo imperativo. A seção de vocabulário define vias de comunicação e sinais de trânsito. A lista final fornece lições sobre pedir uma pizza, flora brasileira, plural de substantivos e outros tópicos.

SINOPSE (texto informativo)

CORPO TEXTUAL
◊ DESCRIÇÃO DE UM FATO OU ACONTECIMENTO
◊ PASSAR UMA INFORMAÇÃO
◊ NÃO DEVE CONTER OPINIÕES PESSOAIS
TÍTULO: O CORTIÇO
SINOPSE
 João     Romão,    português    ambicioso,    compra    pequeno
 estabelecimento comercial na cidade do Rio de Janeiro ao lado
 do qual morava uma escrava fugida (Bertoleza) que possuía
 uma quitanda e algumas economias com quem João Romão
 passa a viver. Com o dinheiro de Bertoleza, o português compra
 algumas terras, aumentando seu patrimônio e forja uma carta
 de alforria para sua companheira. Com o decorrer do tempo,
 João Romão começa a construir casas (verdadeiros cubículos!)
 que passam a compor um movimentado cortiço ao lado do qual
 vem morar outro português, o Miranda, de classe média alta,
 cuja mulher leva vida irregular. Miranda não gosta nem um
 pouco da proximidade com o cortiço onde moram os mais
 variados tipos: brancos, pretos, mulatos, lavadeiras, malandros,
 assassinos, vadios, benzedeiras, etc., dentre os quais se
 destacam: Machona, lavadeira escandalosa; Alexandre, mulato
 antipático; Pombinha, moça boa que acaba por se prostituir;
 Rita Baiana, mulata faceira; Firmo, malandro valentão;
 Jerônimo e sua mulher, e outros mais. No cortiço há várias
 festas. Nelas, Rita Baiana, provocante e sensual, enlouquece a
 todos os homens causando brigas que culminam numa
 verdadeira “guerra” entre o cortiço de João Romão ("Cabeça-de-
 gato") e o cortiço vizinho (“Carapicus”). Porém, um incêndio em
 vários barracos do “Cabeça-de-gato” põe fim à briga coletiva.
 João Romão, agora endinheirado, reconstrói o cortiço e decide
 casar-se com Zulmira, filha de seu vizinho Miranda. Só há uma
 dificuldade: Bertoleza. João Romão tem um plano para livrar-se
 dela: denuncia aos antigos proprietários da escrava seu atual
 paradeiro. A escrava, com a chegada da polícia, compreende o
 que estava acontecendo e corta o ventre com a faca com que
 preparava a refeição de João Romão, morrendo diante de seus
 olhos. Ironicamente, abolicionistas aguardam na sala de João
 Romão para entregar-lhe um título de benfeitor benemérito.
22         allencar rodriguez


 RESENHA CRÍTICA (ABORDAGEM CRÍTICA)

     CORPO TEXTUAL
     ABORDAR CRITICAMENTE UM TEXTO
     DAR OPINIÕES APRESENTANDO PROBLEMAS E QUALIDADES
     ESTABELECER RELAÇÕES COM OUTROS TEXTOS
     TÍTULO: O CORTIÇO
     RESENHA   (DEPOIS  DO  TÍTULO FAÇA: A  REFERÊNCIA
     BIBLIOGRÁFICA DA OBRA – EM SEGUIDA ALGUNS DADOS
     BIBLIOGRÁFICOS DO AUTOR – O RESUMO OU SÍNTESE – A
     AVALIAÇÃO CRÍTICA.
       O Cortiço é um romance de autoria do escritor brasileiro Aluísio
     Azevedo publicado em 1890.

       É um marco do naturalismo no Brasil, onde os personagens
     principais são os moradores de um cortiço no Rio de Janeiro, precursor
     das favelas, onde moram os excluídos, os humildes, todos aqueles que
     não se misturavam com a burguesia, e todos eles possuindo os seus
     problemas e vícios, decorrentes do meio em que vivem.

       O autor descreve a sociedade brasileira da época, formada pelos
     portugueses, os burgueses, os negros e os mulatos, pessoas querendo
     mais e mais dinheiro e poder, pensando em si só, ao mesmo tempo em
     que presenciam a miséria, ou mesmo a simplicidade de outros.

       Essa obra de Aluísio Azevedo tem dois elementos importantes:
     primeiro, o extensivo uso de zoomorfismo;

       Embalado pela onda científica, Aluísio escreve 'O Cortiço' sob as
     bases do determinismo (o meio, o lugar, e o momento influenciam o
     ser humano) e do darwinismo, com a teoria do evolucionismo. Sob
     aspectos naturalistas, isto é, sob olhar científico, a narração se
     desenvolve em meio a insalubridade do cortiço, propício à
     promiscuidade, característica do naturalismo. Ao contrário do que se
     desenvolvia no romantismo, Aluísio descreve o coletivo, explicitando a
     animalização do ser humano, movido pelo instinto e o desejo sexual,
     onde inaugura uma classe nunca antes representada: o proletário,
     evidenciando a desigualdade social vivenciada pelo Brasil, juntamente
     com a ambição do capitalismo selvagem. Por esses aspectos a obra
     está entre as mais importantes da literatura brasileira. Ótimo enredo e
     ótima descrição da época feito um quadro desenhado, redesenhado e
     pintado por um grande autor.

     Foi a primeira obra brasileira a expor um relacionamento lésbico.
redação – estudo aplicado imagens                       23


ANÚNCIO PUBLICITÁRIO (finalidade atrair consumidor)

CORPO TEXTUAL
◊ LIGUAGEM CONOTATIVA
◊ PERSUADIR O CONSUMIDOR A COMPRAR
TÍTULO: Acabou de nascer e já tem um apetite de gente
grande
CORPO TEXTUAL
CONCLUSÃO DO ANÚNCIO

      A rede BOM DIA de Jornais nasceu em novembro de
   2005. É a caçula do Grupo Traffic, uma empresa séria e
   experiente, dona da maior agência de marketing
   esportivo do país, e de cinco emissoras afiliadas à Rede
   Globo no interior paulista. São cinco jornais diários, em
   Sorocaba, Jundiaí, São José do Rio Preto e Bauru. Juntas,
   essas regiões somam mais de 100 cidades pelas quais o
   BOM DIA circula. A proposta moderna da rede alia um
   foco estritamente regional a profissionais renomados em
   grandes veículos. O BOM DIA é o primeiro jornal que
   conseguiu pensar globalmente e agir localmente. É por
   isso que quem lê encontra informações do Brasil, do
   mundo e principalmente de sua cidade.

     Com tanta vantagem, só podia mesmo ser o veículo de
   comunicação que mais cresce no interior. Porque é novo,
   sim. Mas já nasceu cheio de experiência.

     Desperte a sua verba de mídia para o BOM DIA.
NOTA:

RESUMO é um texto reduzido aos seus tópicos principais. Nesse
tipo de gênero textual não se incluem detalhes, não existe
comentários, argumentos, julgamentos. Um resumo não é uma
crítica, assim como é a resenha. O objetivo principal do resumo é
informar sobre o que é de mais importante contextualizado num
texto. Antes de você começar a escrever, você deve construir um
projeto de texto fazendo uma lista dos importantes fatos
apresentados no texto fonte.

  Certifique-se de que na sua lista esteja incluso questões
fundamentais como: Quem? Quando? Qual? Onde? Por quê?
O que? Como?

     BIOGRAFIA

      RELATO
 CRONOLÓGICO DE
      FATOS E
 ACONTECIMENTOS
  NA VIDA DE UMA
      PESSOA.




  COME TO THIS HOUSE AND BRING EVERY PEOPLE
          WWW.KATCAVERNUM.COM.BR
     WWW.KATCAVERNUM.COM.BR/AVALLON
       WWW.TWITTER.COM/KATCAVERNUM
   WWW.SLIDESHARE.COM ALLENCAR RODRIGUEZ
        FACEBOOK: ALLENCAR RODRIGUEZ
       FACEBOOK: S.O.S BARÃO GERALDO
FACEBOOK: GRUPO DE ESTUDOS PARA O VESTIBULAR
         GOOGLE: ALLENCAR RODRIGUEZ

Recomendado para você

Literaturas sobre realismo (6)
Literaturas sobre realismo (6)Literaturas sobre realismo (6)
Literaturas sobre realismo (6)

1) O documento analisa a estrutura aparentemente mais tradicional de Quincas Borba comparada às inovações de Memórias Póstumas de Brás Cubas. 2) Apesar da estrutura linear, o livro revela detalhes sutis e transgressores que quebram a aparência comportada, como o título que direciona para um personagem ausente e a fusão das vozes narrativas. 3) A oscilação entre loucura e sanidade é trabalhada com ironia, criticando a sociedade que vê Rub

AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA

O texto é uma resenha crítica do filme O Pianista, resumindo sua trama sobre um pianista judeu que sobrevive ao Holocausto e elogiando a forma crua e direta como Polanski retrata a crueldade contra os judeus, deixando dúvidas sobre julgar escolhas individuais em meios de tanto caos. A resenha também comenta a representação da arte como último baluarte da dignidade humana e vê o filme como um alerta sobre os horrores da guerra.

resenha crÍtica
Resenha crítica modelo
Resenha crítica   modeloResenha crítica   modelo
Resenha crítica modelo

Este documento resume um livro sobre metodologia de pesquisa nas ciências naturais e sociais. O livro discute os métodos quantitativo e qualitativo, comparando abordagens como positivismo, pós-positivismo e teoria crítica. Também aborda tópicos como planejamento de pesquisa, revisão da literatura e critérios para avaliar a confiabilidade dos resultados.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
socorrolevy
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Ygor Henrique
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 3-4
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 3-4Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 3-4
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 3-4
luisprista
 
Estilística.PDF
Estilística.PDFEstilística.PDF
Estilística.PDF
Jeferson S. J.
 
Pontuacao 2015
Pontuacao 2015Pontuacao 2015
Pontuacao 2015
Flávio Ferreira
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 63-64Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 63-64
luisprista
 
Revisando os gêneros argumentativos
Revisando os gêneros argumentativosRevisando os gêneros argumentativos
Revisando os gêneros argumentativos
ma.no.el.ne.ves
 
Revisao portugues
Revisao portuguesRevisao portugues
Revisao portugues
Sarah Guimarães Portela
 
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
ma.no.el.ne.ves
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 61-62Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 61-62
luisprista
 
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) NarrativaAnimação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
profealbattaiola
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 149-150
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 149-150Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 149-150
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 149-150
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 31
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 31Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 31
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 31
luisprista
 
Intertextualidade e linguagem Catia Delatorre
Intertextualidade e linguagem   Catia DelatorreIntertextualidade e linguagem   Catia Delatorre
Intertextualidade e linguagem Catia Delatorre
Catia Delatorre
 
Aula 8 pontuação e vírgula-16maio2015
Aula 8   pontuação e vírgula-16maio2015Aula 8   pontuação e vírgula-16maio2015
Aula 8 pontuação e vírgula-16maio2015
Gedalias .
 
Slide 02 pontuação
Slide 02 pontuaçãoSlide 02 pontuação
Slide 02 pontuação
Nilberte
 
Modelo de-plano-de-aula
Modelo de-plano-de-aulaModelo de-plano-de-aula
Modelo de-plano-de-aula
Cíntia Peixoto
 
Material unidade 7 complementaro ao bem vindo
Material unidade 7 complementaro ao bem vindoMaterial unidade 7 complementaro ao bem vindo
Material unidade 7 complementaro ao bem vindo
Alfredo Barrientos
 
Literaturas sobre realismo (6)
Literaturas sobre realismo (6)Literaturas sobre realismo (6)
Literaturas sobre realismo (6)
Equipemundi2014
 

Mais procurados (19)

Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 3-4
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 3-4Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 3-4
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 3-4
 
Estilística.PDF
Estilística.PDFEstilística.PDF
Estilística.PDF
 
Pontuacao 2015
Pontuacao 2015Pontuacao 2015
Pontuacao 2015
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 63-64Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 63-64
 
Revisando os gêneros argumentativos
Revisando os gêneros argumentativosRevisando os gêneros argumentativos
Revisando os gêneros argumentativos
 
Revisao portugues
Revisao portuguesRevisao portugues
Revisao portugues
 
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 61-62Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 61-62
 
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) NarrativaAnimação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 149-150
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 149-150Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 149-150
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 149-150
 
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 31
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 31Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 31
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 31
 
Intertextualidade e linguagem Catia Delatorre
Intertextualidade e linguagem   Catia DelatorreIntertextualidade e linguagem   Catia Delatorre
Intertextualidade e linguagem Catia Delatorre
 
Aula 8 pontuação e vírgula-16maio2015
Aula 8   pontuação e vírgula-16maio2015Aula 8   pontuação e vírgula-16maio2015
Aula 8 pontuação e vírgula-16maio2015
 
Slide 02 pontuação
Slide 02 pontuaçãoSlide 02 pontuação
Slide 02 pontuação
 
Modelo de-plano-de-aula
Modelo de-plano-de-aulaModelo de-plano-de-aula
Modelo de-plano-de-aula
 
Material unidade 7 complementaro ao bem vindo
Material unidade 7 complementaro ao bem vindoMaterial unidade 7 complementaro ao bem vindo
Material unidade 7 complementaro ao bem vindo
 
Literaturas sobre realismo (6)
Literaturas sobre realismo (6)Literaturas sobre realismo (6)
Literaturas sobre realismo (6)
 

Destaque

AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Resenha crítica modelo
Resenha crítica   modeloResenha crítica   modelo
Resenha crítica modelo
taise_paz
 
Resenha critica do livro "A divindade"
Resenha critica do livro "A divindade"Resenha critica do livro "A divindade"
Resenha critica do livro "A divindade"
jb1955
 
A criança e o brincar
A criança e o brincarA criança e o brincar
A criança e o brincar
Ateliê Giramundo
 
Comunicação e expressão
Comunicação e expressãoComunicação e expressão
Comunicação e expressão
Ana Maria Machado
 
Unicamp probabilidade
Unicamp probabilidadeUnicamp probabilidade
Unicamp probabilidade
Katcavenum
 
Nightfall wishes natasha
Nightfall wishes natashaNightfall wishes natasha
Nightfall wishes natasha
Katcavenum
 
Cartilha da hipocrisia ii
Cartilha da hipocrisia iiCartilha da hipocrisia ii
Cartilha da hipocrisia ii
Katcavenum
 
Vestibular 2012 redação seqüência projeto de texto fuvest 2011
Vestibular 2012 redação seqüência projeto de texto fuvest 2011Vestibular 2012 redação seqüência projeto de texto fuvest 2011
Vestibular 2012 redação seqüência projeto de texto fuvest 2011
Katcavenum
 
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pigUnicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Katcavenum
 
Resenha critica do livro raizes do brasil
Resenha critica do livro raizes do brasilResenha critica do livro raizes do brasil
Resenha critica do livro raizes do brasil
Agnaldo Souza
 
A essência da literatura na vida cultural e acadêmica
A essência da literatura na vida cultural e acadêmicaA essência da literatura na vida cultural e acadêmica
A essência da literatura na vida cultural e acadêmica
Katcavenum
 
RESENHA CRÍTICA DO LIVRO: QUEM É O POVO NO BRASIL?
RESENHA CRÍTICA DO LIVRO: QUEM É O POVO NO BRASIL?RESENHA CRÍTICA DO LIVRO: QUEM É O POVO NO BRASIL?
RESENHA CRÍTICA DO LIVRO: QUEM É O POVO NO BRASIL?
John Wainwright
 
Compreendendo a proposta e planejando a redação
Compreendendo a proposta e planejando a redaçãoCompreendendo a proposta e planejando a redação
Compreendendo a proposta e planejando a redação
Miquéias Vitorino
 
52150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau1
52150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau152150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau1
52150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau1
Péricles Oliveira
 
Compilação redação enem temas 2013
Compilação redação enem temas 2013Compilação redação enem temas 2013
Compilação redação enem temas 2013
Katcavenum
 
Relações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textualRelações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textual
Miquéias Vitorino
 
Resenha critica
Resenha criticaResenha critica
Resenha critica
Caroline de Oliveira
 
Apostila 07 redação completa tema publicidade
Apostila 07 redação completa tema publicidadeApostila 07 redação completa tema publicidade
Apostila 07 redação completa tema publicidade
Katcavenum
 
Modalizadores gqm 26_04
Modalizadores gqm 26_04Modalizadores gqm 26_04
Modalizadores gqm 26_04
Moises Ribeiro
 

Destaque (20)

AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
 
Resenha crítica modelo
Resenha crítica   modeloResenha crítica   modelo
Resenha crítica modelo
 
Resenha critica do livro "A divindade"
Resenha critica do livro "A divindade"Resenha critica do livro "A divindade"
Resenha critica do livro "A divindade"
 
A criança e o brincar
A criança e o brincarA criança e o brincar
A criança e o brincar
 
Comunicação e expressão
Comunicação e expressãoComunicação e expressão
Comunicação e expressão
 
Unicamp probabilidade
Unicamp probabilidadeUnicamp probabilidade
Unicamp probabilidade
 
Nightfall wishes natasha
Nightfall wishes natashaNightfall wishes natasha
Nightfall wishes natasha
 
Cartilha da hipocrisia ii
Cartilha da hipocrisia iiCartilha da hipocrisia ii
Cartilha da hipocrisia ii
 
Vestibular 2012 redação seqüência projeto de texto fuvest 2011
Vestibular 2012 redação seqüência projeto de texto fuvest 2011Vestibular 2012 redação seqüência projeto de texto fuvest 2011
Vestibular 2012 redação seqüência projeto de texto fuvest 2011
 
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pigUnicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
 
Resenha critica do livro raizes do brasil
Resenha critica do livro raizes do brasilResenha critica do livro raizes do brasil
Resenha critica do livro raizes do brasil
 
A essência da literatura na vida cultural e acadêmica
A essência da literatura na vida cultural e acadêmicaA essência da literatura na vida cultural e acadêmica
A essência da literatura na vida cultural e acadêmica
 
RESENHA CRÍTICA DO LIVRO: QUEM É O POVO NO BRASIL?
RESENHA CRÍTICA DO LIVRO: QUEM É O POVO NO BRASIL?RESENHA CRÍTICA DO LIVRO: QUEM É O POVO NO BRASIL?
RESENHA CRÍTICA DO LIVRO: QUEM É O POVO NO BRASIL?
 
Compreendendo a proposta e planejando a redação
Compreendendo a proposta e planejando a redaçãoCompreendendo a proposta e planejando a redação
Compreendendo a proposta e planejando a redação
 
52150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau1
52150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau152150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau1
52150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau1
 
Compilação redação enem temas 2013
Compilação redação enem temas 2013Compilação redação enem temas 2013
Compilação redação enem temas 2013
 
Relações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textualRelações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textual
 
Resenha critica
Resenha criticaResenha critica
Resenha critica
 
Apostila 07 redação completa tema publicidade
Apostila 07 redação completa tema publicidadeApostila 07 redação completa tema publicidade
Apostila 07 redação completa tema publicidade
 
Modalizadores gqm 26_04
Modalizadores gqm 26_04Modalizadores gqm 26_04
Modalizadores gqm 26_04
 

Semelhante a Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas

Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
CarolineWaitman
 
Sequ+ència did+ütica exemplo
Sequ+ència did+ütica   exemploSequ+ència did+ütica   exemplo
Sequ+ència did+ütica exemplo
UPE
 
7_106_-_7o_ano_aula_N1_2024.pdfddfdxcfff
7_106_-_7o_ano_aula_N1_2024.pdfddfdxcfff7_106_-_7o_ano_aula_N1_2024.pdfddfdxcfff
7_106_-_7o_ano_aula_N1_2024.pdfddfdxcfff
JessicaHendscke1
 
narracao-e-descricao-textos-e-exercicios
 narracao-e-descricao-textos-e-exercicios narracao-e-descricao-textos-e-exercicios
narracao-e-descricao-textos-e-exercicios
Kicastro
 
Monografia: A constituição do espaço em "Vastas emoções e pensamentos imperfe...
Monografia: A constituição do espaço em "Vastas emoções e pensamentos imperfe...Monografia: A constituição do espaço em "Vastas emoções e pensamentos imperfe...
Monografia: A constituição do espaço em "Vastas emoções e pensamentos imperfe...
Pedro Lima
 
Discurso Direto, Indireto e Indireto Livre.pptx
Discurso Direto, Indireto e Indireto Livre.pptxDiscurso Direto, Indireto e Indireto Livre.pptx
Discurso Direto, Indireto e Indireto Livre.pptx
ferreirapriscilla84
 
Madre-Cec¡lia-04-Hist¦rias-em-quadrinhos (1).pdf
Madre-Cec¡lia-04-Hist¦rias-em-quadrinhos (1).pdfMadre-Cec¡lia-04-Hist¦rias-em-quadrinhos (1).pdf
Madre-Cec¡lia-04-Hist¦rias-em-quadrinhos (1).pdf
WesleykelvinDaSilvaD
 
Situação de aprendizagem1
Situação de aprendizagem1Situação de aprendizagem1
Situação de aprendizagem1
sanscritam
 
Sa iraídes
Sa iraídesSa iraídes
Sa iraídes
Murilo Lopes
 
No aeroporto
No aeroportoNo aeroporto
No aeroporto
Débora da Fonseca
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Ivan Barreto Dos Santos
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Faell Vasconcelos
 
Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...
Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...
Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...
Pibid-Letras Córdula
 
Aulas de Redação: 4
Aulas de Redação: 4Aulas de Redação: 4
Aulas de Redação: 4
WALTER ALENCAR DE SOUSA
 
Autologia ccf leitura
Autologia ccf leituraAutologia ccf leitura
Autologia ccf leitura
Celso Corrêa de Freitas
 
Tipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuaisTipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuais
Marcia Oliveira
 
2 portugues novo superior
2 portugues novo superior2 portugues novo superior
2 portugues novo superior
Janice Porto
 
Folheto tudo mail
Folheto tudo mailFolheto tudo mail
Folheto tudo mail
Rachel Caiano
 
Atividade texto pausa
Atividade texto pausaAtividade texto pausa
Atividade texto pausa
queilebpromero
 
Redação e edição em revista abertura
Redação e edição em revista aberturaRedação e edição em revista abertura
Redação e edição em revista abertura
Mob Cranb
 

Semelhante a Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas (20)

Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Sequ+ència did+ütica exemplo
Sequ+ència did+ütica   exemploSequ+ència did+ütica   exemplo
Sequ+ència did+ütica exemplo
 
7_106_-_7o_ano_aula_N1_2024.pdfddfdxcfff
7_106_-_7o_ano_aula_N1_2024.pdfddfdxcfff7_106_-_7o_ano_aula_N1_2024.pdfddfdxcfff
7_106_-_7o_ano_aula_N1_2024.pdfddfdxcfff
 
narracao-e-descricao-textos-e-exercicios
 narracao-e-descricao-textos-e-exercicios narracao-e-descricao-textos-e-exercicios
narracao-e-descricao-textos-e-exercicios
 
Monografia: A constituição do espaço em "Vastas emoções e pensamentos imperfe...
Monografia: A constituição do espaço em "Vastas emoções e pensamentos imperfe...Monografia: A constituição do espaço em "Vastas emoções e pensamentos imperfe...
Monografia: A constituição do espaço em "Vastas emoções e pensamentos imperfe...
 
Discurso Direto, Indireto e Indireto Livre.pptx
Discurso Direto, Indireto e Indireto Livre.pptxDiscurso Direto, Indireto e Indireto Livre.pptx
Discurso Direto, Indireto e Indireto Livre.pptx
 
Madre-Cec¡lia-04-Hist¦rias-em-quadrinhos (1).pdf
Madre-Cec¡lia-04-Hist¦rias-em-quadrinhos (1).pdfMadre-Cec¡lia-04-Hist¦rias-em-quadrinhos (1).pdf
Madre-Cec¡lia-04-Hist¦rias-em-quadrinhos (1).pdf
 
Situação de aprendizagem1
Situação de aprendizagem1Situação de aprendizagem1
Situação de aprendizagem1
 
Sa iraídes
Sa iraídesSa iraídes
Sa iraídes
 
No aeroporto
No aeroportoNo aeroporto
No aeroporto
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...
Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...
Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...
 
Aulas de Redação: 4
Aulas de Redação: 4Aulas de Redação: 4
Aulas de Redação: 4
 
Autologia ccf leitura
Autologia ccf leituraAutologia ccf leitura
Autologia ccf leitura
 
Tipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuaisTipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuais
 
2 portugues novo superior
2 portugues novo superior2 portugues novo superior
2 portugues novo superior
 
Folheto tudo mail
Folheto tudo mailFolheto tudo mail
Folheto tudo mail
 
Atividade texto pausa
Atividade texto pausaAtividade texto pausa
Atividade texto pausa
 
Redação e edição em revista abertura
Redação e edição em revista aberturaRedação e edição em revista abertura
Redação e edição em revista abertura
 

Mais de Katcavenum

01 apostila passo a passo refugiados
01   apostila passo a passo refugiados01   apostila passo a passo refugiados
01 apostila passo a passo refugiados
Katcavenum
 
Apostila editorial slideshare
Apostila  editorial slideshareApostila  editorial slideshare
Apostila editorial slideshare
Katcavenum
 
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuaisVest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Katcavenum
 
Unicamp 3 vestibular 2012 gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Unicamp 3 vestibular 2012   gênero editorial - prática de redação - tema pré-salUnicamp 3 vestibular 2012   gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Unicamp 3 vestibular 2012 gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Katcavenum
 
Vestibular 2012 a redação do enem
Vestibular 2012   a redação do enemVestibular 2012   a redação do enem
Vestibular 2012 a redação do enem
Katcavenum
 
Unicamp 2 vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Unicamp 2   vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...Unicamp 2   vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Unicamp 2 vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Katcavenum
 
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opiniãoUnicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
Katcavenum
 
Freud além da alma
Freud além da almaFreud além da alma
Freud além da alma
Katcavenum
 
Cria cuervos
Cria cuervosCria cuervos
Cria cuervos
Katcavenum
 
Vest 2012 redação padrão fuvest resumida
Vest 2012 redação padrão fuvest resumidaVest 2012 redação padrão fuvest resumida
Vest 2012 redação padrão fuvest resumida
Katcavenum
 
Vest 2012 redação padrão fuvest
Vest 2012   redação padrão fuvestVest 2012   redação padrão fuvest
Vest 2012 redação padrão fuvest
Katcavenum
 
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊSVEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
Katcavenum
 
Vestibular 2012 a dimensão humana da demografia jornal unicamp
Vestibular 2012 a dimensão humana da demografia jornal unicampVestibular 2012 a dimensão humana da demografia jornal unicamp
Vestibular 2012 a dimensão humana da demografia jornal unicamp
Katcavenum
 
Vest 2012 prática de construção argumentativa
Vest 2012 prática de construção argumentativaVest 2012 prática de construção argumentativa
Vest 2012 prática de construção argumentativa
Katcavenum
 
Vest 2012 apostila 5 redação usp unesp enem estudo do parágrafo 2 prática de ...
Vest 2012 apostila 5 redação usp unesp enem estudo do parágrafo 2 prática de ...Vest 2012 apostila 5 redação usp unesp enem estudo do parágrafo 2 prática de ...
Vest 2012 apostila 5 redação usp unesp enem estudo do parágrafo 2 prática de ...
Katcavenum
 
Distúrbios de comportamento na escola
Distúrbios de comportamento na escolaDistúrbios de comportamento na escola
Distúrbios de comportamento na escola
Katcavenum
 
Vest 2012 apostila 2 geopolítica oriente médio
Vest 2012   apostila 2 geopolítica oriente médioVest 2012   apostila 2 geopolítica oriente médio
Vest 2012 apostila 2 geopolítica oriente médio
Katcavenum
 
Vest 2012 apostila 4 redação usp unesp enem dissertação 2 uso da coletânea
Vest 2012   apostila 4 redação usp unesp enem dissertação 2 uso da coletâneaVest 2012   apostila 4 redação usp unesp enem dissertação 2 uso da coletânea
Vest 2012 apostila 4 redação usp unesp enem dissertação 2 uso da coletânea
Katcavenum
 
Vest 2012 apostila 3 redação usp unesp enem dissertação 1
Vest 2012   apostila 3 redação usp unesp enem dissertação 1Vest 2012   apostila 3 redação usp unesp enem dissertação 1
Vest 2012 apostila 3 redação usp unesp enem dissertação 1
Katcavenum
 
Vest 2012 apostila 2 redação usp unesp enem projeto de texto
Vest 2012   apostila 2 redação usp unesp enem projeto de textoVest 2012   apostila 2 redação usp unesp enem projeto de texto
Vest 2012 apostila 2 redação usp unesp enem projeto de texto
Katcavenum
 

Mais de Katcavenum (20)

01 apostila passo a passo refugiados
01   apostila passo a passo refugiados01   apostila passo a passo refugiados
01 apostila passo a passo refugiados
 
Apostila editorial slideshare
Apostila  editorial slideshareApostila  editorial slideshare
Apostila editorial slideshare
 
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuaisVest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
 
Unicamp 3 vestibular 2012 gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Unicamp 3 vestibular 2012   gênero editorial - prática de redação - tema pré-salUnicamp 3 vestibular 2012   gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Unicamp 3 vestibular 2012 gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
 
Vestibular 2012 a redação do enem
Vestibular 2012   a redação do enemVestibular 2012   a redação do enem
Vestibular 2012 a redação do enem
 
Unicamp 2 vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Unicamp 2   vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...Unicamp 2   vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Unicamp 2 vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
 
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opiniãoUnicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
 
Freud além da alma
Freud além da almaFreud além da alma
Freud além da alma
 
Cria cuervos
Cria cuervosCria cuervos
Cria cuervos
 
Vest 2012 redação padrão fuvest resumida
Vest 2012 redação padrão fuvest resumidaVest 2012 redação padrão fuvest resumida
Vest 2012 redação padrão fuvest resumida
 
Vest 2012 redação padrão fuvest
Vest 2012   redação padrão fuvestVest 2012   redação padrão fuvest
Vest 2012 redação padrão fuvest
 
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊSVEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
 
Vestibular 2012 a dimensão humana da demografia jornal unicamp
Vestibular 2012 a dimensão humana da demografia jornal unicampVestibular 2012 a dimensão humana da demografia jornal unicamp
Vestibular 2012 a dimensão humana da demografia jornal unicamp
 
Vest 2012 prática de construção argumentativa
Vest 2012 prática de construção argumentativaVest 2012 prática de construção argumentativa
Vest 2012 prática de construção argumentativa
 
Vest 2012 apostila 5 redação usp unesp enem estudo do parágrafo 2 prática de ...
Vest 2012 apostila 5 redação usp unesp enem estudo do parágrafo 2 prática de ...Vest 2012 apostila 5 redação usp unesp enem estudo do parágrafo 2 prática de ...
Vest 2012 apostila 5 redação usp unesp enem estudo do parágrafo 2 prática de ...
 
Distúrbios de comportamento na escola
Distúrbios de comportamento na escolaDistúrbios de comportamento na escola
Distúrbios de comportamento na escola
 
Vest 2012 apostila 2 geopolítica oriente médio
Vest 2012   apostila 2 geopolítica oriente médioVest 2012   apostila 2 geopolítica oriente médio
Vest 2012 apostila 2 geopolítica oriente médio
 
Vest 2012 apostila 4 redação usp unesp enem dissertação 2 uso da coletânea
Vest 2012   apostila 4 redação usp unesp enem dissertação 2 uso da coletâneaVest 2012   apostila 4 redação usp unesp enem dissertação 2 uso da coletânea
Vest 2012 apostila 4 redação usp unesp enem dissertação 2 uso da coletânea
 
Vest 2012 apostila 3 redação usp unesp enem dissertação 1
Vest 2012   apostila 3 redação usp unesp enem dissertação 1Vest 2012   apostila 3 redação usp unesp enem dissertação 1
Vest 2012 apostila 3 redação usp unesp enem dissertação 1
 
Vest 2012 apostila 2 redação usp unesp enem projeto de texto
Vest 2012   apostila 2 redação usp unesp enem projeto de textoVest 2012   apostila 2 redação usp unesp enem projeto de texto
Vest 2012 apostila 2 redação usp unesp enem projeto de texto
 

Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas

  • 2. 02 allencar rodriguez ARTIGO DE OPINIÃO TÍTULO NOME FICTÍCIO OU ABREVIAÇÃO DO NOME ◊ Introdução do Assunto ◊ Assumir uma Posição – de acordo com o propósito ◊ Discutir a Posição Assumida ◊ OPAR ◊ Discutir a Contra – argumentação ◊ OPAR ◊ CONCLUSÃO: ◊ Clamem para os leitores seguirem o seu ponto de vista na escola, nas redes sociais, etc.
  • 3. redação – estudo aplicado imagens 03 EDITORIAL (ARTIGO VEEMENTE OPNATIVO) TÍTULO ◊ Apresentação do Assunto ◊ Contextualização do Propósito (a) ◊ Contextualização do Propósito (b) ◊ CONCLUSÃO: ◊ Enfática de COBRANÇA dos Responsáveis. ◊ Paulada nos Responsáveis ATENÇÃO: O EDITORIAL É ANÔNIMO
  • 4. 04 allencar rodriguez CRÔNICA TOM DE HUMOR TÍTULO NOME FICTÍCIO OU ABREVIAÇÃO DO NOME CORPO TEXTUAL: ◊ AUTOR OBSERVADOR ◊ TOM HUMORÍSTICO ◊ PRESENÇA DE DIÁLOGOS ◊ CONCLUSÃO: FINAL EDITADO PELO NARRADOR
  • 5. redação – estudo aplicado imagens 05 CRÔNICA TOM DE POESIA (PROSA POÉTICA) TÍTULO NOME FICTÍCIO OU ABREVIAÇÃO DO NOME CORPO TEXTUAL: ◊ AUTOR OBSERVADOR ◊ TOM EXISTENCIAL ◊ PRESENÇA DE PROSA POÉTICA ◊ FIGURAS DE LINGUAGEM ◊ CONCLUSÃO: FINAL EDITADO PELO NARRADOR “O AMOR ACABA. PARA COMEÇAR EM OUTRO LUGAR”
  • 6. 06 allencar rodriguez CRÔNICA FORMA NARRATIVA (TOM LÍRICO) TÍTULO NOME FICTÍCIO OU ABREVIAÇÃO DO NOME CORPO TEXTUAL: ◊ AUTOR PERSONAGEM ◊ TOM REFLEXIVO ◊ APRESENTAR SITUAÇÃO DO COTIDIANO ◊ INFLUÊNCIA EXTERNA ◊ CONCLUSÃO: DESFECHO COM INFLUÊNCIA NA REFLEXÃO DO AUTOR LÍRICO “...nossos olhos se encontram ele se perturba constrangido, vacila, ameaça baixar a cabeça, mas acaba sustentando o olhar. Enfim se abre num sorriso. Assim eu quereria minha última crônica. Que fosse pura como esse sorriso.”
  • 7. redação – estudo aplicado imagens 07 CRÔNICA FORMA NARRATIVA ARGUMENTATIVA (ENSAIO) TÍTULO NOME FICTÍCIO OU ABREVIAÇÃO DO NOME ◊ AUTOR ARGUMENTADOR ◊ DEFENDER UMA IDÉIA – UM PONTO DE VISTA
  • 8. 08 allencar rodriguez MANIFESTO TÍTULO Santa Bárbara d’Oeste, 13 de novembro de 2011 CORPO TEXTUAL: ◊ DISSERTATIVO ◊ PERSUASIVO ◊ MEXA COM O EMOCIONAL DO LEITOR ◊ LEVANTE ARGUMENTOS QUE JÁ É POLÊMICO ◊ DESPERTE NO LEITOR INDIGNAÇÃO ◊ DESPERTE NO LEITOR REVOLTA ◊ DESPERTE NO LEITOR PROTESTO ◊ CONCLUSÃO: ◊ LIVRE: DE ACORDO COM O PROPÓSITO DA REDAÇÃO NOME FICTÍCIO OU ABREVIAÇÃO DO NOME
  • 9. redação – estudo aplicado imagens 09 INFORME TÍTULO NOME FICTÍCIO OU ABREVIAÇÃO DO NOME CORPO TEXTUAL ◊ Descreva um Fato ou Acontecimento ◊ Forneça Informações no Contexto da Veracidade ◊ Descrição Objetiva ◊ Linguagem Denotativa
  • 10. 10 allencar rodriguez DISCURSO DIRETO APRESENTAÇÃO: CARO(S) ALUNOS E PROFESSORES O discurso é direto quando são as personagens que falam. O narrador, interrompendo a narrativa, põe-nas em cena e cede-lhes a palavra. Exemplo: "- Por que veio tão tarde? perguntou-lhe Sofia, logo que apareceu à porta do jardim, em Santa Teresa. - Depois do almoço, que acabou às duas horas, estive arranjando uns papéis. Mas não é tão tarde assim, continuou Rubião, vendo o relógio; são quatro horas e meia. - Sempre é tarde para os amigos, replicou Sofia, em ar de censura."
  • 11. redação – estudo aplicado imagens 11 DISCURSO INDIRETO APRESENTAÇÃO: CARO(S) ALUNOS E PROFESSORES No discurso indireto não há diálogo, o narrador não põe as personagens a falar diretamente, mas faz-se o intérprete delas, transmitindo ao leitor o que disseram ou pensaram. Exemplo: "A certo ponto da conversação, Glória me disse que desejava muito conhecer Carlota e perguntou por que não a levei comigo." Para você ver como fica fácil vou passar o exemplo acima para o discurso direto: - Desejo muito conhecer Carlota - disse-me Glória, a certo ponto da conversação. Por que não a trouxe consigo?
  • 12. 12 allencar rodriguez NOTÍCIAS MANCHETE NOME FICTÍCIO OU ABREVIAÇÃO DO NOME DA SUCURSAL DE SÃO PAULO CORPO TEXTUAL ◊ DESCRIÇÃO DO FATO ◊ LOCAL ◊ DATA ◊ HORA ◊ CARÁTER INFORMATIVO ATENÇÃO: NOTÍCIAS: COMUNICAR UM FATO SEM APRESENTAR ARGUMENTOS - NÃO TEM OPINIÃO DO AUTOR.
  • 13. redação – estudo aplicado imagens 13 REPORTAGEM MANCHETE (resume a notícia – objetivo de atrair o leitor) SUB-MANCHETE (pequeno resumo – chamar atenção) NOME FICTÍCIO OU ABREVIAÇÃO DO NOME DA SUCURSAL DE SÃO PAULO CORPO TEXTUAL ◊ DESENVOLVIMENTO DO ASSUNTO ABORDADO ◊ CARÁTER INVESTIGATIVO ◊ PODE APRESENTAR COMENTÁRIOS SUBJETIVOS – LEVANTAR QUESTÕES – DISCUTIR E ARGUMENTAR.
  • 14. 14 allencar rodriguez CARTA DO LEITOR CORPO TEXTUAL Santa B. d’Oeste, 13 de novembro de 2011 TÍTULO DA CARTA (ASSUNTO) – Protesto em Marília Caros leitores do “Painel do Leitor”, … criar a imagem dos interlocutores - DESCREVER O ASSUNTO DE ACORDO COM O OBJETIVO PROPÓSITO DA REDAÇÃO. Nome fictício ou abreviação do nome Santa Bárbara d’Oeste/SP
  • 15. redação – estudo aplicado imagens 15 CARTA DE SOLICITAÇÃO CORPO TEXTUAL Santa B. d’Oeste, 13 de novembro de 2011 À Prefeitura Municipal de Santa B. d’Oeste Secretaria do Meio Ambiente Prezado Sr. Secretário criar a imagem dos interlocutores - DESCREVER O ASSUNTO DE ACORDO COM O OBJETIVO PROPÓSITO DA REDAÇÃO. Atenciosamente, Nome fictício ou abreviação do nome
  • 16. 16 allencar rodriguez CARTA DE RECLAMAÇÃO CORPO TEXTUAL Santa B. d’Oeste, 13 de novembro de 2011 Nome fictício ou abreviação do nome Endereço: Rua... Bairro: Cidade: Nome da Loja Endereço Assunto: Computador em desacordo com a compra Prezado Senhores: criar a imagem dos interlocutores - Descrever a reclamação. Seja enfático na reclamação. Siga o propósito da redação. Sem mais, Nome fictício ou abreviação do nome
  • 17. redação – estudo aplicado imagens 17 FOLHETO CAMPANHAS SOCIAIS EDUCATIVAS TÍTULO CORPO TEXTUAL ◊ TEXTO INFORMATIVO EDUCATIVO ◊ PROMOVER ORIENTAÇÃO DE: - SAÚDE - SEGURANÇA - PREVENÇÃO, etc.
  • 18. 18 allencar rodriguez FOLHETO INFORMATIVO INSTRUTIVO TÍTULO CORPO TEXTUAL ◊ INSTRUIR AS PESSOAS SOBRE O MODO DE AGIR EM RELAÇÃO À DETERMINADA QUESTÃO. ◊ UTILIDADE INSTRUTIVA
  • 19. redação – estudo aplicado imagens 19 CONTOS (texto narrativo): ação através da criação da intriga no domínio do verossímil TÍTULO CORPO TEXTUAL Basicamente a estrutura do conto se caracteriza pela própria estrutura da narrativa. Isto é, no conto existe um único enredo onde é desenvolvido um drama, inserido nesse drama há um conflito que passa o (s) personagem (s) num tempo curto (manhã, tarde, noite, madrugada, um dia) e num espaço (cenário) bem definido. Na narrativa são desenvolvidos os elementos narrativos (criação de uma atmosfera – desenvolvimento de uma seqüência de acontecimentos em torno do conflito que se intensifica até o clímax – finalizar a narrativa com um desfecho que é a solução do conflito do personagem ou personagens). Outra característica do conto é que o desfecho, em alguns casos, pode ficar em aberto, cabendo ao leitor colocar suas próprias impressões sobre o fato e criar o seu fim de fato. Nome fictício ou abreviação do nome
  • 20. ROMANCE (narrativo): um condensado de ficção e realidade TÍTULO - Natasha. Temos que conversar. Por favor. Eu preciso de você. - disse Newton deixando lágrimas emotivas escorrer de seus olhos. – Diga-me qualquer coisa. Eu aceito tudo. - Perdoe-me Newton. Eu... Sou homem... Noite fria de inverno. Uma leve neblina movia por entre as luminárias de mercúrio maculando a extensa avenida numa cor rósea num instante em que os ponteiros do relógio da matriz se encontravam pela última vez naquele dia. Em concomitância com esse cenário o diálogo intrigante quebrou o silêncio do início da madrugada. Veja: O início de um romance determina o estímulo da continuidade da leitura. Se esse movimento for positivo é sinal de que o interlocutor enunciador (você) foi feliz na composição de seu projeto de texto e o interlocutor receptor (leitor) teve sua curiosidade impulsionada em direção a querer saber qual o desfecho de sua história. Desta forma, no início de seu romance crie uma situação repentina e precisa no tempo e no espaço inserindo nesse cenário um ou mais personagens cuja situação de interlocução entre ambos sejam motivadores ou intrigantes e que provoque uma sensação de espanto ou surpresa ou até mesmo perplexidade no leitor. Depois: Na seqüência prenda a atenção do leitor nos aspectos físico e psicológicos que provocaram o início da narrativa. Envolva o leitor numa forma a colocá-lo na cena e no cenário do conflito. Por meses Newton, um rapaz jovem, sonhador e conservador, tentou aclarar seus sentimentos de paixão e amor e dor por Natasha. Mulher belíssima, voz sedosa, escultural morena, cabelos longos, lisos e quentes. Belos e suculentos quadris. Altura de fada e olhar furtivo de fuinha. Por último: O final de um romance não precisa seguir um caminho que satisfaça a projeção do leitor. Tanto importa se o enredo termina bem ou mal. Porém, seguindo o mesmo padrão dos contos, a narrativa precisa ter um desfecho que apresente no mínimo um estado de surpresa ao leitor. Algo inesperado, envolvente, seja no sentido da felicidade ou do sofrimento. Finalmente, depois de meses de assédio, depois de um jantar Newton estava numa encruzilhada de sentimentos numa fria avenida. - Não brinque com isso Natasha. - Não é brincadeira. Estou apaixonada por você, mas, eu sou homem. Assustado, Newton tornou seus olhos para longe no horizonte esfumaçado virando-se. Pensou... Pensou... E pensou. Virando-se para Natasha, disse: - Natasha! Você quer viver comigo?
  • 21. SINOPSE (texto informativo) CORPO TEXTUAL ◊ DESCRIÇÃO DE UM FATO OU ACONTECIMENTO ◊ PASSAR UMA INFORMAÇÃO ◊ NÃO DEVE CONTER OPINIÕES PESSOAIS TÍTULO: O CORTIÇO SINOPSE João Romão, português ambicioso, compra pequeno estabelecimento comercial na cidade do Rio de Janeiro ao lado do qual morava uma escrava fugida (Bertoleza) que possuía uma quitanda e algumas economias com quem João Romão passa a viver. Com o dinheiro de Bertoleza, o português compra algumas terras, aumentando seu patrimônio e forja uma carta de alforria para sua companheira. Com o decorrer do tempo, João Romão começa a construir casas (verdadeiros cubículos!) que passam a compor um movimentado cortiço ao lado do qual vem morar outro português, o Miranda, de classe média alta, cuja mulher leva vida irregular. Miranda não gosta nem um pouco da proximidade com o cortiço onde moram os mais variados tipos: brancos, pretos, mulatos, lavadeiras, malandros, assassinos, vadios, benzedeiras, etc., dentre os quais se destacam: Machona, lavadeira escandalosa; Alexandre, mulato antipático; Pombinha, moça boa que acaba por se prostituir; Rita Baiana, mulata faceira; Firmo, malandro valentão; Jerônimo e sua mulher, e outros mais. No cortiço há várias festas. Nelas, Rita Baiana, provocante e sensual, enlouquece a todos os homens causando brigas que culminam numa verdadeira “guerra” entre o cortiço de João Romão ("Cabeça-de- gato") e o cortiço vizinho (“Carapicus”). Porém, um incêndio em vários barracos do “Cabeça-de-gato” põe fim à briga coletiva. João Romão, agora endinheirado, reconstrói o cortiço e decide casar-se com Zulmira, filha de seu vizinho Miranda. Só há uma dificuldade: Bertoleza. João Romão tem um plano para livrar-se dela: denuncia aos antigos proprietários da escrava seu atual paradeiro. A escrava, com a chegada da polícia, compreende o que estava acontecendo e corta o ventre com a faca com que preparava a refeição de João Romão, morrendo diante de seus olhos. Ironicamente, abolicionistas aguardam na sala de João Romão para entregar-lhe um título de benfeitor benemérito.
  • 22. 22 allencar rodriguez RESENHA CRÍTICA (ABORDAGEM CRÍTICA) CORPO TEXTUAL ABORDAR CRITICAMENTE UM TEXTO DAR OPINIÕES APRESENTANDO PROBLEMAS E QUALIDADES ESTABELECER RELAÇÕES COM OUTROS TEXTOS TÍTULO: O CORTIÇO RESENHA (DEPOIS DO TÍTULO FAÇA: A REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA DA OBRA – EM SEGUIDA ALGUNS DADOS BIBLIOGRÁFICOS DO AUTOR – O RESUMO OU SÍNTESE – A AVALIAÇÃO CRÍTICA. O Cortiço é um romance de autoria do escritor brasileiro Aluísio Azevedo publicado em 1890. É um marco do naturalismo no Brasil, onde os personagens principais são os moradores de um cortiço no Rio de Janeiro, precursor das favelas, onde moram os excluídos, os humildes, todos aqueles que não se misturavam com a burguesia, e todos eles possuindo os seus problemas e vícios, decorrentes do meio em que vivem. O autor descreve a sociedade brasileira da época, formada pelos portugueses, os burgueses, os negros e os mulatos, pessoas querendo mais e mais dinheiro e poder, pensando em si só, ao mesmo tempo em que presenciam a miséria, ou mesmo a simplicidade de outros. Essa obra de Aluísio Azevedo tem dois elementos importantes: primeiro, o extensivo uso de zoomorfismo; Embalado pela onda científica, Aluísio escreve 'O Cortiço' sob as bases do determinismo (o meio, o lugar, e o momento influenciam o ser humano) e do darwinismo, com a teoria do evolucionismo. Sob aspectos naturalistas, isto é, sob olhar científico, a narração se desenvolve em meio a insalubridade do cortiço, propício à promiscuidade, característica do naturalismo. Ao contrário do que se desenvolvia no romantismo, Aluísio descreve o coletivo, explicitando a animalização do ser humano, movido pelo instinto e o desejo sexual, onde inaugura uma classe nunca antes representada: o proletário, evidenciando a desigualdade social vivenciada pelo Brasil, juntamente com a ambição do capitalismo selvagem. Por esses aspectos a obra está entre as mais importantes da literatura brasileira. Ótimo enredo e ótima descrição da época feito um quadro desenhado, redesenhado e pintado por um grande autor. Foi a primeira obra brasileira a expor um relacionamento lésbico.
  • 23. redação – estudo aplicado imagens 23 ANÚNCIO PUBLICITÁRIO (finalidade atrair consumidor) CORPO TEXTUAL ◊ LIGUAGEM CONOTATIVA ◊ PERSUADIR O CONSUMIDOR A COMPRAR TÍTULO: Acabou de nascer e já tem um apetite de gente grande CORPO TEXTUAL CONCLUSÃO DO ANÚNCIO A rede BOM DIA de Jornais nasceu em novembro de 2005. É a caçula do Grupo Traffic, uma empresa séria e experiente, dona da maior agência de marketing esportivo do país, e de cinco emissoras afiliadas à Rede Globo no interior paulista. São cinco jornais diários, em Sorocaba, Jundiaí, São José do Rio Preto e Bauru. Juntas, essas regiões somam mais de 100 cidades pelas quais o BOM DIA circula. A proposta moderna da rede alia um foco estritamente regional a profissionais renomados em grandes veículos. O BOM DIA é o primeiro jornal que conseguiu pensar globalmente e agir localmente. É por isso que quem lê encontra informações do Brasil, do mundo e principalmente de sua cidade. Com tanta vantagem, só podia mesmo ser o veículo de comunicação que mais cresce no interior. Porque é novo, sim. Mas já nasceu cheio de experiência. Desperte a sua verba de mídia para o BOM DIA.
  • 24. NOTA: RESUMO é um texto reduzido aos seus tópicos principais. Nesse tipo de gênero textual não se incluem detalhes, não existe comentários, argumentos, julgamentos. Um resumo não é uma crítica, assim como é a resenha. O objetivo principal do resumo é informar sobre o que é de mais importante contextualizado num texto. Antes de você começar a escrever, você deve construir um projeto de texto fazendo uma lista dos importantes fatos apresentados no texto fonte. Certifique-se de que na sua lista esteja incluso questões fundamentais como: Quem? Quando? Qual? Onde? Por quê? O que? Como? BIOGRAFIA RELATO CRONOLÓGICO DE FATOS E ACONTECIMENTOS NA VIDA DE UMA PESSOA. COME TO THIS HOUSE AND BRING EVERY PEOPLE WWW.KATCAVERNUM.COM.BR WWW.KATCAVERNUM.COM.BR/AVALLON WWW.TWITTER.COM/KATCAVERNUM WWW.SLIDESHARE.COM ALLENCAR RODRIGUEZ FACEBOOK: ALLENCAR RODRIGUEZ FACEBOOK: S.O.S BARÃO GERALDO FACEBOOK: GRUPO DE ESTUDOS PARA O VESTIBULAR GOOGLE: ALLENCAR RODRIGUEZ