SlideShare uma empresa Scribd logo
“Qual o meio prático mais eficaz que tem o
  homem de se melhorar nesta vida e de
       resistir à atração do mal?”
O objetivo desse estudo é dar ênfase à
tomada de consciência de nossos limites e de
nossas potencialidades, no sentido de
fazermos uma avaliação mais segura e
equilibrada de nós mesmos.
Embora haja dificuldade de conhecermos a
nós mesmos, uma avaliação tranqüila de
nossa dor e do nosso relacionamento com o
próximo pode oferecer-nos luz no fim do
túnel. Além do mais, tomando consciência de
nossa ignorância, estaremos alicerçados para
detectar a nossa verdadeira capacidade.
Um dos direcionamentos que norteiam a
maioria dos procedimentos de crescimento
e desenvolvimento individual está na
célebre frase inscrita no portal do oráculo
de Delfos, na antiga Grécia: “Conhece-te a
ti mesmo”.
A grande maioria dos seres humanos não
consegue conhecer e muito menos
compreender       a   origem    de   seus
pensamentos; como são elaboradas as
imagens mentais, qual a natureza de seus
sentimentos, emoções e reações. Com base
nestas assertivas indagamos: sem conhecer
a natureza e origem do que somos, como
viver a plenitude do que somos?
Quem somos afinal?
Nossa formação espírita faz-nos recordar
que o princípio inteligente estagiando no
reino mineral adquiriu a atração; no reino
vegetal, a sensação; no reino animal, o
instinto; no reino “hominal”, o livre-
arbítrio, o pensamento contínuo e a razão.
Hoje, somos o resultado de toda esta
herança cultural. Somos um Espírito que
evolui ao longo dos processos reencarna
tórios. Temos qualidades e potenciais que
necessitam ser conhecidos e, obviamente,
despertados, a fim de se tornarem úteis na
caminhada. Mas também possuímos
características psicológicas que não
aceitamos.
Assim poderemos resumir nosso modelo de
autoconhecimento da personalidade em dois
campos: o campo positivo, constituído pelas
qualidades e potenciais, e o campo negativo,
constituído por aquilo que não aceitamos.
Ao nos posicionarmos frente a um espelho
vivenciamos uma experiência simples, mas
ao mesmo tempo interessante. Colocamo-nos
em uma situação momentânea de sermos o
observador e o observado das ações.
Algumas pessoas se sentem à vontade frente
a um espelho. Outras, retraem-se e tornam-
se inibidas. O mesmo ocorre quando nos
predispomos a realizar um auto-exame, isto
é, avaliarmos nossos atos.
Ao refletirmos sobre o que fizemos durante
o dia, os motivos que acionaram nossas
ações, nosso trato para com aqueles com
quem lidamos, colocamo-nos frente a um
espelho imaginário, o espelho da nossa
própria consciência, que não só aponta as
nossas deformidades morais, como indica a
melhor conduta que deveríamos adotar.
Neste estudo de autoconhecimento iremos
nos concentrar apenas no campo negativo,
ou seja, nas tendências, na índole que existe
em cada um de nós, que não aceitamos, que
não gostamos, que geralmente negamos e
quase sempre reprimimos.
Quando a consciência nos alerta sobre a
inveja que faz com que a nossa imagem se
torne feia, nós nos desculpamos dizendo que
o outro não tem direito ou merecimento, e
que fomos preteridos pelo Criador.
Se o ciúme projeta uma imagem deformada
e o espelho íntimo nos assinala o problema,
dizemos que é excesso de zelo, de amor ou
bem-querer, e que temos o direito de exigir
posse exclusiva.
Se a avareza mostra sua face distorcida em
nosso espelho íntimo, conformados, nos
consolamos: “Sou apenas econômico e
previdente”.
Quando o orgulho alardeia sua soberania, e
a consciência faz o alerta, a desculpa surge
de imediato: “Em mim só há dignidade”.
Mas se as nossas deformações morais são
apontadas pelos outros, que são nossos
espelhos externos, nós damos as costas e
dizemos que as deformações são por culpa
do espelho. Que isso não passa de inveja,
ciúme, despeito, etc.
Não é negando, por exemplo, que temos
ciúmes, que somos sovinas, que somos
invejosos, que somos prepotentes, que
vamos nos conhecer, que vamos nos
desenvolver.
Conscientizemo-nos de que as máscaras,
as auto-imagens, o falso puritanismo,
apontar defeitos alheios para esconder os
nossos, nada mais são que mecanismos
que nos impedem de reconhecer a nós
mesmos.
Não há dúvida que a auto-enganação é
uma realidade, e ocorre em nível
inconsciente, mas existem maneiras de
verificar se nossa conduta está ou não
equivocada. Também não há dúvida de
que o autoconhecimento é a chave do
progresso individual.
A evolução é uma necessidade do Espírito.
O aprimoramento do homem como
Espírito livre requer seu amadurecimento
constante e a busca de si próprio, como
ser consciente de sua natureza e de sua
importância. O ser consciente de si
próprio, de seu estado, de sua natureza, é
capaz de conhecer, entender, aceitar e
amar sua missão evolutiva.
Ao conhecer-se, desprende-se de si mesmo
para o mundo que o envolve, tendo a
noção exata de sua essência.
Para aqueles que desejam realmente ter
autoconhecimento, para fazer em si a
reforma moral necessária à felicidade
eterna, eis algumas dicas do grande filósofo
Santo Agostinho:
Quando estiver indeciso sobre o valor de
uma de suas ações, pergunte como a
qualificaria se fosse praticada por outra
pessoa. Se você a censura noutrem, não
poderia ter por legítima quando for o seu
autor, pois Deus não usa de duas medidas na
aplicação de Sua justiça; procure também
saber o que dela pensam os seus semelhantes
e não despreze a opinião dos seus inimigos.
Os inimigos não têm nenhum interesse em
mascarar a verdade, e Deus muitas vezes os
coloca ao seu lado como um espelho, a fim
de que seja advertido com mais franqueza
do que o faria um amigo.
Todo aquele que se sinta possuído do desejo
de melhorar-se, a fim de extirpar de si os
maus pendores, como do seu jardim
arranca as ervas daninhas, deve indagar à
sua consciência sempre e sem receio de
ouvi-la.
Agindo desta forma construiremos um
roteiro de ação mais eficiente para nos
livrarmos, de forma mais rápida também,
de nossas imperfeições.
Deus nos criou Espíritos ignorantes, com a
missão de evoluirmos em sua direção.
Se desejamos atingir um estado de
angelitude e de paz. O caminho já nos foi
mostrado; resta-nos apenas a decisão de
iniciarmos a caminhada e persistirmos em
nossos esforços.
“Lembremo-nos sempre que não importa
quem diz o quê. Importa mais o que é dito,
por quem quer que o diga”.
Você é quem vai decidir se o que é dito é
verdadeiro ou falso, com o seu
discernimento.
Somos juízes de nós mesmos.
Muita paz!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – liliAula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – lili
Roseli Lemes
 
Perdão na visão espírita
Perdão na visão espíritaPerdão na visão espírita
Perdão na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
O espiritismo e a família contemporânea , desafios
O espiritismo e a família contemporânea , desafiosO espiritismo e a família contemporânea , desafios
O espiritismo e a família contemporânea , desafios
Izabel Cristina Fonseca
 
Palestra mágoa
Palestra mágoaPalestra mágoa
Palestra mágoa
Leonardo Pereira
 
A lei de amor ppt
A lei de amor pptA lei de amor ppt
A lei de amor ppt
Silvânio Barcelos
 
Caridade na ótica espirita
Caridade na ótica espiritaCaridade na ótica espirita
Caridade na ótica espirita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Palestra sobre medo
Palestra sobre medo Palestra sobre medo
Palestra sobre medo
Sandra Cecília Rocha
 
Os sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntariosOs sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntarios
Marcos Antônio Alves
 
Obsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessãoObsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessão
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Causas anteriores das aflições
Causas anteriores das afliçõesCausas anteriores das aflições
Causas anteriores das aflições
Marcos Antônio Alves
 
AULA- Lei do trabalho
AULA- Lei do trabalhoAULA- Lei do trabalho
AULA- Lei do trabalho
Harleyde Santos
 
Jugo leve
Jugo leveJugo leve
Jugo leve
Fatoze
 
Caridade e amor ao próximo
Caridade e amor ao próximoCaridade e amor ao próximo
Caridade e amor ao próximo
Eduardo Manoel Araujo
 
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dorTormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Danilo Galvão
 
AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
AMAI OS VOSSOS INIMIGOSAMAI OS VOSSOS INIMIGOS
AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
Jorge Luiz dos Santos
 
Os verdadeiros laços de familia
Os verdadeiros laços de familiaOs verdadeiros laços de familia
Os verdadeiros laços de familia
Graça Maciel
 
Trabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima HoraTrabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima Hora
Sergio Menezes
 
Da Lei de Sociedade
Da Lei de SociedadeDa Lei de Sociedade
Da Lei de Sociedade
home
 
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DORO CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
Jorge Luiz dos Santos
 
3.11 - Lei de justiça, de amor e de caridade.pptx
3.11 - Lei de justiça, de amor e de caridade.pptx3.11 - Lei de justiça, de amor e de caridade.pptx
3.11 - Lei de justiça, de amor e de caridade.pptx
Marta Gomes
 

Mais procurados (20)

Aula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – liliAula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – lili
 
Perdão na visão espírita
Perdão na visão espíritaPerdão na visão espírita
Perdão na visão espírita
 
O espiritismo e a família contemporânea , desafios
O espiritismo e a família contemporânea , desafiosO espiritismo e a família contemporânea , desafios
O espiritismo e a família contemporânea , desafios
 
Palestra mágoa
Palestra mágoaPalestra mágoa
Palestra mágoa
 
A lei de amor ppt
A lei de amor pptA lei de amor ppt
A lei de amor ppt
 
Caridade na ótica espirita
Caridade na ótica espiritaCaridade na ótica espirita
Caridade na ótica espirita
 
Palestra sobre medo
Palestra sobre medo Palestra sobre medo
Palestra sobre medo
 
Os sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntariosOs sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntarios
 
Obsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessãoObsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessão
 
Causas anteriores das aflições
Causas anteriores das afliçõesCausas anteriores das aflições
Causas anteriores das aflições
 
AULA- Lei do trabalho
AULA- Lei do trabalhoAULA- Lei do trabalho
AULA- Lei do trabalho
 
Jugo leve
Jugo leveJugo leve
Jugo leve
 
Caridade e amor ao próximo
Caridade e amor ao próximoCaridade e amor ao próximo
Caridade e amor ao próximo
 
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dorTormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
 
AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
AMAI OS VOSSOS INIMIGOSAMAI OS VOSSOS INIMIGOS
AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
 
Os verdadeiros laços de familia
Os verdadeiros laços de familiaOs verdadeiros laços de familia
Os verdadeiros laços de familia
 
Trabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima HoraTrabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima Hora
 
Da Lei de Sociedade
Da Lei de SociedadeDa Lei de Sociedade
Da Lei de Sociedade
 
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DORO CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
 
3.11 - Lei de justiça, de amor e de caridade.pptx
3.11 - Lei de justiça, de amor e de caridade.pptx3.11 - Lei de justiça, de amor e de caridade.pptx
3.11 - Lei de justiça, de amor e de caridade.pptx
 

Semelhante a Conhecimento de si mesmo

Auto Conhecer-se !
Auto Conhecer-se !Auto Conhecer-se !
7 passos para o autoconhecimento
7 passos para o autoconhecimento7 passos para o autoconhecimento
7 passos para o autoconhecimento
Celia Niza
 
Conflitos psicológicos
Conflitos psicológicosConflitos psicológicos
Conflitos psicológicos
Helio Cruz
 
Esperança
EsperançaEsperança
Críticos impiedosos
Críticos impiedososCríticos impiedosos
Críticos impiedosos
Bernadete Costa
 
UMA JORNADA PARA DENTRO
UMA JORNADA PARA DENTROUMA JORNADA PARA DENTRO
UMA JORNADA PARA DENTRO
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
VOCÊ SE CONHECE?
VOCÊ SE CONHECE?VOCÊ SE CONHECE?
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptxREFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
AUTOCONHECIMENTO X AUTOESTIMA
AUTOCONHECIMENTO X AUTOESTIMAAUTOCONHECIMENTO X AUTOESTIMA
AUTOCONHECIMENTO X AUTOESTIMA
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
O FENOMENO DA PROJEÇÃO
O FENOMENO DA PROJEÇÃOO FENOMENO DA PROJEÇÃO
O FENOMENO DA PROJEÇÃO
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
A autoestima
A autoestimaA autoestima
A autoestima
Anderson Santos
 
aautoestima_Anderson.pdf
aautoestima_Anderson.pdfaautoestima_Anderson.pdf
aautoestima_Anderson.pdf
Telma Lima
 
Atividade de ensino religioso autocontrole
Atividade  de ensino religioso autocontroleAtividade  de ensino religioso autocontrole
Atividade de ensino religioso autocontrole
Atividades Diversas Cláudia
 
11 passos de autoconfianca
11 passos de autoconfianca11 passos de autoconfianca
11 passos de autoconfianca
fetchsawt
 
Amadurecimento psicológico
Amadurecimento psicológicoAmadurecimento psicológico
Amadurecimento psicológico
Victor Passos
 
Autoconsciência
AutoconsciênciaAutoconsciência
Módulo: Como ouvir a voz da sabedoria interior
Módulo: Como ouvir a voz da sabedoria interiorMódulo: Como ouvir a voz da sabedoria interior
Módulo: Como ouvir a voz da sabedoria interior
Jocilaine Moreira
 
11passosdeautoconfianca-150120033054-conversion-gate01.pdf
11passosdeautoconfianca-150120033054-conversion-gate01.pdf11passosdeautoconfianca-150120033054-conversion-gate01.pdf
11passosdeautoconfianca-150120033054-conversion-gate01.pdf
SIMONEANDRADE78
 
ATIVIDADES AVALIATIVAS.pdf
ATIVIDADES AVALIATIVAS.pdfATIVIDADES AVALIATIVAS.pdf
ATIVIDADES AVALIATIVAS.pdf
anapaulagomes140
 
Maturidadeemocional
MaturidadeemocionalMaturidadeemocional
Maturidadeemocional
Manoel Gamas
 

Semelhante a Conhecimento de si mesmo (20)

Auto Conhecer-se !
Auto Conhecer-se !Auto Conhecer-se !
Auto Conhecer-se !
 
7 passos para o autoconhecimento
7 passos para o autoconhecimento7 passos para o autoconhecimento
7 passos para o autoconhecimento
 
Conflitos psicológicos
Conflitos psicológicosConflitos psicológicos
Conflitos psicológicos
 
Esperança
EsperançaEsperança
Esperança
 
Críticos impiedosos
Críticos impiedososCríticos impiedosos
Críticos impiedosos
 
UMA JORNADA PARA DENTRO
UMA JORNADA PARA DENTROUMA JORNADA PARA DENTRO
UMA JORNADA PARA DENTRO
 
VOCÊ SE CONHECE?
VOCÊ SE CONHECE?VOCÊ SE CONHECE?
VOCÊ SE CONHECE?
 
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptxREFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
 
AUTOCONHECIMENTO X AUTOESTIMA
AUTOCONHECIMENTO X AUTOESTIMAAUTOCONHECIMENTO X AUTOESTIMA
AUTOCONHECIMENTO X AUTOESTIMA
 
O FENOMENO DA PROJEÇÃO
O FENOMENO DA PROJEÇÃOO FENOMENO DA PROJEÇÃO
O FENOMENO DA PROJEÇÃO
 
A autoestima
A autoestimaA autoestima
A autoestima
 
aautoestima_Anderson.pdf
aautoestima_Anderson.pdfaautoestima_Anderson.pdf
aautoestima_Anderson.pdf
 
Atividade de ensino religioso autocontrole
Atividade  de ensino religioso autocontroleAtividade  de ensino religioso autocontrole
Atividade de ensino religioso autocontrole
 
11 passos de autoconfianca
11 passos de autoconfianca11 passos de autoconfianca
11 passos de autoconfianca
 
Amadurecimento psicológico
Amadurecimento psicológicoAmadurecimento psicológico
Amadurecimento psicológico
 
Autoconsciência
AutoconsciênciaAutoconsciência
Autoconsciência
 
Módulo: Como ouvir a voz da sabedoria interior
Módulo: Como ouvir a voz da sabedoria interiorMódulo: Como ouvir a voz da sabedoria interior
Módulo: Como ouvir a voz da sabedoria interior
 
11passosdeautoconfianca-150120033054-conversion-gate01.pdf
11passosdeautoconfianca-150120033054-conversion-gate01.pdf11passosdeautoconfianca-150120033054-conversion-gate01.pdf
11passosdeautoconfianca-150120033054-conversion-gate01.pdf
 
ATIVIDADES AVALIATIVAS.pdf
ATIVIDADES AVALIATIVAS.pdfATIVIDADES AVALIATIVAS.pdf
ATIVIDADES AVALIATIVAS.pdf
 
Maturidadeemocional
MaturidadeemocionalMaturidadeemocional
Maturidadeemocional
 

Mais de Helio Cruz

Dia nacional do Espiritismo
Dia nacional do EspiritismoDia nacional do Espiritismo
Dia nacional do Espiritismo
Helio Cruz
 
2019, data limite
2019, data limite2019, data limite
2019, data limite
Helio Cruz
 
O Espiritismo e a Metempsicose
O Espiritismo e a MetempsicoseO Espiritismo e a Metempsicose
O Espiritismo e a Metempsicose
Helio Cruz
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
Helio Cruz
 
Parentela corporal e espiritual[681]
Parentela corporal e espiritual[681]Parentela corporal e espiritual[681]
Parentela corporal e espiritual[681]
Helio Cruz
 
Sobre a inveja
Sobre a invejaSobre a inveja
Sobre a inveja
Helio Cruz
 
O carnaval, ah, o carnaval!
O carnaval, ah, o carnaval!O carnaval, ah, o carnaval!
O carnaval, ah, o carnaval!
Helio Cruz
 
A virtude e os superiores e os inferiores
A virtude e os superiores e os inferioresA virtude e os superiores e os inferiores
A virtude e os superiores e os inferiores
Helio Cruz
 
O empréstimo
O empréstimoO empréstimo
O empréstimo
Helio Cruz
 
O que é livre arbítrio
O que é livre arbítrioO que é livre arbítrio
O que é livre arbítrio
Helio Cruz
 
O homem a caminho da evolução
O homem a caminho da evoluçãoO homem a caminho da evolução
O homem a caminho da evolução
Helio Cruz
 
Interpretação da oração pai nosso
Interpretação da oração pai nossoInterpretação da oração pai nosso
Interpretação da oração pai nosso
Helio Cruz
 
Jesus mandou alguém
Jesus mandou alguémJesus mandou alguém
Jesus mandou alguém
Helio Cruz
 
Dia internacional da mulher
Dia internacional da mulherDia internacional da mulher
Dia internacional da mulher
Helio Cruz
 
O peso da luz
O peso da luzO peso da luz
O peso da luz
Helio Cruz
 
A incompreensão dos homens
A incompreensão dos homensA incompreensão dos homens
A incompreensão dos homens
Helio Cruz
 
Não adianta parecer, é preciso ser
Não adianta parecer, é preciso serNão adianta parecer, é preciso ser
Não adianta parecer, é preciso ser
Helio Cruz
 
Cuidar do corpo
Cuidar do corpoCuidar do corpo
Cuidar do corpo
Helio Cruz
 
Crê e segue
Crê e segueCrê e segue
Crê e segue
Helio Cruz
 
A importância do perdão
A importância do perdãoA importância do perdão
A importância do perdão
Helio Cruz
 

Mais de Helio Cruz (20)

Dia nacional do Espiritismo
Dia nacional do EspiritismoDia nacional do Espiritismo
Dia nacional do Espiritismo
 
2019, data limite
2019, data limite2019, data limite
2019, data limite
 
O Espiritismo e a Metempsicose
O Espiritismo e a MetempsicoseO Espiritismo e a Metempsicose
O Espiritismo e a Metempsicose
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
 
Parentela corporal e espiritual[681]
Parentela corporal e espiritual[681]Parentela corporal e espiritual[681]
Parentela corporal e espiritual[681]
 
Sobre a inveja
Sobre a invejaSobre a inveja
Sobre a inveja
 
O carnaval, ah, o carnaval!
O carnaval, ah, o carnaval!O carnaval, ah, o carnaval!
O carnaval, ah, o carnaval!
 
A virtude e os superiores e os inferiores
A virtude e os superiores e os inferioresA virtude e os superiores e os inferiores
A virtude e os superiores e os inferiores
 
O empréstimo
O empréstimoO empréstimo
O empréstimo
 
O que é livre arbítrio
O que é livre arbítrioO que é livre arbítrio
O que é livre arbítrio
 
O homem a caminho da evolução
O homem a caminho da evoluçãoO homem a caminho da evolução
O homem a caminho da evolução
 
Interpretação da oração pai nosso
Interpretação da oração pai nossoInterpretação da oração pai nosso
Interpretação da oração pai nosso
 
Jesus mandou alguém
Jesus mandou alguémJesus mandou alguém
Jesus mandou alguém
 
Dia internacional da mulher
Dia internacional da mulherDia internacional da mulher
Dia internacional da mulher
 
O peso da luz
O peso da luzO peso da luz
O peso da luz
 
A incompreensão dos homens
A incompreensão dos homensA incompreensão dos homens
A incompreensão dos homens
 
Não adianta parecer, é preciso ser
Não adianta parecer, é preciso serNão adianta parecer, é preciso ser
Não adianta parecer, é preciso ser
 
Cuidar do corpo
Cuidar do corpoCuidar do corpo
Cuidar do corpo
 
Crê e segue
Crê e segueCrê e segue
Crê e segue
 
A importância do perdão
A importância do perdãoA importância do perdão
A importância do perdão
 

Último

CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 

Último (16)

CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 

Conhecimento de si mesmo

  • 1. “Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal?”
  • 2. O objetivo desse estudo é dar ênfase à tomada de consciência de nossos limites e de nossas potencialidades, no sentido de fazermos uma avaliação mais segura e equilibrada de nós mesmos. Embora haja dificuldade de conhecermos a nós mesmos, uma avaliação tranqüila de nossa dor e do nosso relacionamento com o próximo pode oferecer-nos luz no fim do túnel. Além do mais, tomando consciência de nossa ignorância, estaremos alicerçados para detectar a nossa verdadeira capacidade.
  • 3. Um dos direcionamentos que norteiam a maioria dos procedimentos de crescimento e desenvolvimento individual está na célebre frase inscrita no portal do oráculo de Delfos, na antiga Grécia: “Conhece-te a ti mesmo”. A grande maioria dos seres humanos não consegue conhecer e muito menos compreender a origem de seus pensamentos; como são elaboradas as imagens mentais, qual a natureza de seus sentimentos, emoções e reações. Com base nestas assertivas indagamos: sem conhecer a natureza e origem do que somos, como viver a plenitude do que somos?
  • 4. Quem somos afinal? Nossa formação espírita faz-nos recordar que o princípio inteligente estagiando no reino mineral adquiriu a atração; no reino vegetal, a sensação; no reino animal, o instinto; no reino “hominal”, o livre- arbítrio, o pensamento contínuo e a razão. Hoje, somos o resultado de toda esta herança cultural. Somos um Espírito que evolui ao longo dos processos reencarna tórios. Temos qualidades e potenciais que necessitam ser conhecidos e, obviamente, despertados, a fim de se tornarem úteis na caminhada. Mas também possuímos características psicológicas que não aceitamos.
  • 5. Assim poderemos resumir nosso modelo de autoconhecimento da personalidade em dois campos: o campo positivo, constituído pelas qualidades e potenciais, e o campo negativo, constituído por aquilo que não aceitamos. Ao nos posicionarmos frente a um espelho vivenciamos uma experiência simples, mas ao mesmo tempo interessante. Colocamo-nos em uma situação momentânea de sermos o observador e o observado das ações.
  • 6. Algumas pessoas se sentem à vontade frente a um espelho. Outras, retraem-se e tornam- se inibidas. O mesmo ocorre quando nos predispomos a realizar um auto-exame, isto é, avaliarmos nossos atos. Ao refletirmos sobre o que fizemos durante o dia, os motivos que acionaram nossas ações, nosso trato para com aqueles com quem lidamos, colocamo-nos frente a um espelho imaginário, o espelho da nossa própria consciência, que não só aponta as nossas deformidades morais, como indica a melhor conduta que deveríamos adotar.
  • 7. Neste estudo de autoconhecimento iremos nos concentrar apenas no campo negativo, ou seja, nas tendências, na índole que existe em cada um de nós, que não aceitamos, que não gostamos, que geralmente negamos e quase sempre reprimimos. Quando a consciência nos alerta sobre a inveja que faz com que a nossa imagem se torne feia, nós nos desculpamos dizendo que o outro não tem direito ou merecimento, e que fomos preteridos pelo Criador.
  • 8. Se o ciúme projeta uma imagem deformada e o espelho íntimo nos assinala o problema, dizemos que é excesso de zelo, de amor ou bem-querer, e que temos o direito de exigir posse exclusiva. Se a avareza mostra sua face distorcida em nosso espelho íntimo, conformados, nos consolamos: “Sou apenas econômico e previdente”. Quando o orgulho alardeia sua soberania, e a consciência faz o alerta, a desculpa surge de imediato: “Em mim só há dignidade”.
  • 9. Mas se as nossas deformações morais são apontadas pelos outros, que são nossos espelhos externos, nós damos as costas e dizemos que as deformações são por culpa do espelho. Que isso não passa de inveja, ciúme, despeito, etc. Não é negando, por exemplo, que temos ciúmes, que somos sovinas, que somos invejosos, que somos prepotentes, que vamos nos conhecer, que vamos nos desenvolver.
  • 10. Conscientizemo-nos de que as máscaras, as auto-imagens, o falso puritanismo, apontar defeitos alheios para esconder os nossos, nada mais são que mecanismos que nos impedem de reconhecer a nós mesmos. Não há dúvida que a auto-enganação é uma realidade, e ocorre em nível inconsciente, mas existem maneiras de verificar se nossa conduta está ou não equivocada. Também não há dúvida de que o autoconhecimento é a chave do progresso individual.
  • 11. A evolução é uma necessidade do Espírito. O aprimoramento do homem como Espírito livre requer seu amadurecimento constante e a busca de si próprio, como ser consciente de sua natureza e de sua importância. O ser consciente de si próprio, de seu estado, de sua natureza, é capaz de conhecer, entender, aceitar e amar sua missão evolutiva. Ao conhecer-se, desprende-se de si mesmo para o mundo que o envolve, tendo a noção exata de sua essência.
  • 12. Para aqueles que desejam realmente ter autoconhecimento, para fazer em si a reforma moral necessária à felicidade eterna, eis algumas dicas do grande filósofo Santo Agostinho: Quando estiver indeciso sobre o valor de uma de suas ações, pergunte como a qualificaria se fosse praticada por outra pessoa. Se você a censura noutrem, não poderia ter por legítima quando for o seu autor, pois Deus não usa de duas medidas na aplicação de Sua justiça; procure também saber o que dela pensam os seus semelhantes e não despreze a opinião dos seus inimigos.
  • 13. Os inimigos não têm nenhum interesse em mascarar a verdade, e Deus muitas vezes os coloca ao seu lado como um espelho, a fim de que seja advertido com mais franqueza do que o faria um amigo. Todo aquele que se sinta possuído do desejo de melhorar-se, a fim de extirpar de si os maus pendores, como do seu jardim arranca as ervas daninhas, deve indagar à sua consciência sempre e sem receio de ouvi-la.
  • 14. Agindo desta forma construiremos um roteiro de ação mais eficiente para nos livrarmos, de forma mais rápida também, de nossas imperfeições. Deus nos criou Espíritos ignorantes, com a missão de evoluirmos em sua direção. Se desejamos atingir um estado de angelitude e de paz. O caminho já nos foi mostrado; resta-nos apenas a decisão de iniciarmos a caminhada e persistirmos em nossos esforços.
  • 15. “Lembremo-nos sempre que não importa quem diz o quê. Importa mais o que é dito, por quem quer que o diga”. Você é quem vai decidir se o que é dito é verdadeiro ou falso, com o seu discernimento. Somos juízes de nós mesmos. Muita paz!