SlideShare uma empresa Scribd logo
A
felicidade
não é
deste mundo
PA L E S T R A
1 8 / 0 1 / 2 0 1 7
2
O tema trata do nosso objetivo de Vida.
Todos queremos ser felizes! – Ocorre que, às
vezes, nos equivocamos nos caminhos que a
ela conduzem, por não compreendermos o seu
real significado.
O QUE É A FELICIDADE?
3
 Podemos descrevê-la como sensação de muita
satisfação, bem-estar, alegria intensa.
 Podemos deduzir também que, se somos filhos
de Deus, e se Ele é onipotente, onisciente,
infinitamente justo e bom, poderemos ser muito
felizes,
bastando para isso querermos.
4
 O conceito de felicidade varia de pessoa
para pessoa, e em cada momento da
nossa vida.
 Quando estamos enfermos,
a recuperação da saúde seria
a nossa felicidade.
E envidamos todos os
esforços para conquistá-la.
5
 Se estamos desempregados, um
emprego se constituiria em felicidade,
por algum tempo.
 Se somos solteiros e desejamos unir-
nos a alguém, nossa felicidade seria
encontrar a pessoa certa, para
compartilhar do nosso afeto.
 Os que padecem fome e frio,
encontrariam a felicidade num
agasalho e na alimentação que refaz.
6
“(...) a felicidade é um estado de bem-estar que se
irradia, alcançando outros indivíduos ao invés de
recolher-se em detrimento do próximo.
Qual uma luz, expande-se em todas as
direções, sem perder a plenitude do centro
de onde se agiganta.”
(JOANNA DE ÂNGELIS: O Homem Integral, Cap.12)
A PROCURA PELA
7
 A ausência do mal e fruição do bem é a
aspiração de todo ser humano.
 Esta procura contstante é o pólo oculto que
magnetiza o dinamismo humano. Mesmo os
gestos mais simples são atravessados por esse
magnetismo.
 Se este cessasse, o homem perderia o sentido
de viver e seria prostrado pelo tédio.
 Assim, todo homem tem na vida momentos de
felicidade e gostaria que esses momentos nunca
mais acabassem.
8
OS CAMINHOS
PROCURADOS
 Todos buscam a felicidade,
porém por caminhos
diferentes...
 Posse de riquezas, prazeres
sexuais, diversões,
glutonaria, fama, prestígio,
poder...
9
 Muitos aceitam imensos sacrifícios e correm riscos
para chegar ao topo.
 Mas quem conseguiu atingir estas metas, em geral,
constatou que a felicidade não se encontra lá.
 A conquista de bens materiais oferece-nos bem-estar,
conforto... A felicidade é uma conquista muito mais
ampla, porque envolve a realização do ser
espiritual.
10
 Kardec indaga aos
Espíritos se "Pode o
homem gozar de
completa felicidade na
Terra.” Os Benfeitores
respondem: “Não, por isso
que a vida lhe foi dada
como prova ou expiação...”
 E, estando inseridos num
mundo de expiações e
provas, onde ainda há
tanto sofrimento, pergunta-
se: será que podemos ser
plenamente felizes?
FELICIDADE NO PLANETA
TERRA
11
 Como as nossas encarnações na Terra destinam-
se a vencer provas e resgatar o passado por
meio de expiações às vezes dolorosas, resta-
nos a resignação e a conformação diante do
sofrimento.
12
 Não é feliz o homem em possuir ou deixar de
possuir, mas pela forma como possui ou
como encara a falta de posse.
 A felicidade esteve sempre dentro de nós, o
problema é que sempre procurámos fora. Daí a
dificuldade em encontrá-la.
 Com o espiritismo, a felicidade deixa de ser uma
conquista a posteriori e passa a ser – mesmo
dentro da relatividade da vida na Terra – uma
proposta de vida para este momento.
 A felicidade está vinculada à arte de amar. E
amar é aquela condição em que a felicidade de
outra pessoa é essencial à nossa própria
felicidade.
NOVA VISÃO DA FELICIDADE
13
 Se construída nas bases da renúncia e da
abnegação a felicidade não é imediata, fugaz,
arrebatadora e transitória.
 Emmanuel nos diz que a felicidade existe sim,
porém, para usufruí-la no Outro Mundo,
precisamos aqui na Terra admitir “que ninguém
pode ser realmente feliz sem fazer a felicidade
alheia no caminho que avança”.
14
 Situando no “amar ao próximo como a si mesmo”
a pedra fundamental da felicidade, Cristo
condiciona a existência humana ao supremo
esforço do labor do bem dirigido a tudo e todos,
e elucida que cada um possui o que doa.
 A felicidade é o bem que
alguém proporciona ao
seu próximo.
 A alegria de fazer feliz é a
felicidade em forma de
alegria.
15
 A nossa felicidade será do tamanho da felicidade
que proporcionarmos ao próximo.
 A felicidade deixa de ser uma utopia e passa a
ser uma opção, pois o homem é o ser co-criador
do seu próprio futuro, através das escolhas que
realiza no seu dia-a-dia.
FELICIDADE POSSÍVEL
por Joanna de Ângelis e Divaldo Franco
16
Acreditavas que a felicidade seria semelhante a
uma ilha fantástica de prazer constante e paz
permanente. Um lugar onde não houvesse
preocupação, nem se apresentasse a dor; no
qual os sorrisos brilhassem nos lábios, e a beleza
engrinaldasse de festa as criaturas.
17
Uma felicidade feita de fantasias parecia ser a tua
busca.
Planeastes a vida, objetivando encontrar esse
reino encantado, onde, por fim, descansasses da
fadiga, da aflição e fruísses a harmonia.
Passam-se anos, e somas
frustações, anotando
desencantos e amarguras,
sem anelada conquista.
18
Lentamente, entregas-te ao desânimo, e sentes
que estás discriminado no mundo, quando vês as
propagandas apresentadas pela mídia, nas quais
desfilam os jovens, belos e jubilosos,
desperdiçando saúde, usando cigarros e bebidas
famosas, brincando em iates de luxo, invejáveis,
triunfantes...
19
Não sabes quanto custa, em sacrifício e dor,
alcançar o topo da fama e permanecer lá.
Sob quase todos aqueles sorrisos, que são
estudados, estão a face da amargura e as marcas
do arrependimento.
Felicidade, porém, é conquista íntima.
20
Todos os que se encontram na Terra, nascidos em
berços de ouro ou de palha, homenageados ou
desprezados, belos ou feios, são feitos do
mesmo barro frágil de carne, e experimentam, de
uma ou de outra forma, vicissitudes, decepções,
doenças e desconforto.
Ninguém, no mundo terreno, vive em regime
especial. O que parece, não excede a imagem, a
ilusão.
Se desejas ser feliz, vive, cada momento, de forma
integral, reunindo as quotas de alegria, de
esperança, de sonho, de bênção, num painel
plenificador.
21
As ocorrências de dor são experiências para as de
saúde e de paz.
A felicidade não
são coisas: é um
estado interno,
uma emoção.
Abençoa os acidentes de percurso, que denominas
como desdita, segue na direção das metas, e verás
quantas concessões de felicidade pela frente,
aguardando por ti.
22
 “Assim, pois, meus queridos filhos, que cada um
de vós se despoje do homem velho. Deveis
todos consagrar-vos à propagação desse
Espiritismo que já deu começo à vossa própria
regeneração. Que nesta reunião solene todos os
vossos corações aspirem a esse grandioso
objetivo de preparar para as gerações
porvindouras um mundo onde já não seja
vã a palavra felicidade.”
François-Nicolas-
Madeleine, cardeal
Morlot. (Paris, 1863.)
KARDEC, Allan. O
Evangelho Segundo o
Espiritismo. FEB.
Capítulo 5
SEJAMOS FELIZES!
23
 O homem só é infeliz devido à importância que
liga às coisas deste mundo. Fazem-lhe a
infelicidade a vaidade, a ambição e a
cobiça desiludidas. Se se colocar fora do círculo
acanhado da vida material, se elevar seus
pensamentos para o infinito, que é seu destino,
mesquinhas e pueris lhe parecerão as
vicissitudes da Humanidade, como o
são as tristezas da criança que se
aflige pela perda de um brinquedo,
que resumia a sua felicidade suprema.
Livro dos Espíritos – Q.933
24
Fontes de pesquisa:
25
http://www.correioespirita.org.br/categoria-de-materias/filosofia-e-
espiritismo-correio-espirita/1134-a-felicidade-nao-e-deste-mundo
http://www.mensagemespirita.com.br/divaldo-franco/joanna-de-
angelis/felicidade-possivel-divaldo-franco
https://ceacs.wordpress.com/2013/12/11/a-felicidade/
https://ceacs.wordpress.com/2016/06/02/questoes-920-a-923-a-
felicidade-na-terra/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familiaReencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familia
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Eh possivel ser feliz na terra slideshare
Eh possivel ser feliz na terra    slideshareEh possivel ser feliz na terra    slideshare
Eh possivel ser feliz na terra slideshare
Eduardo Manoel Araujo
 
Pecado por pensamento e adultério
Pecado por pensamento e adultérioPecado por pensamento e adultério
Pecado por pensamento e adultério
Lorena Dias
 
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direitaCap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
gmo1973
 
A lei de amor ppt
A lei de amor pptA lei de amor ppt
A lei de amor ppt
Silvânio Barcelos
 
Os tormentos voluntários
Os tormentos voluntáriosOs tormentos voluntários
Os tormentos voluntários
balsense
 
Palestra Espírita - Suicidio e loucura
Palestra Espírita - Suicidio e loucuraPalestra Espírita - Suicidio e loucura
Palestra Espírita - Suicidio e loucura
Divulgador do Espiritismo
 
Palestra Espírita - Bem e mal sofrer
Palestra Espírita - Bem e mal sofrerPalestra Espírita - Bem e mal sofrer
Palestra Espírita - Bem e mal sofrer
Divulgador do Espiritismo
 
Os sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntariosOs sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntarios
Marcos Antônio Alves
 
Causas das aflições
Causas das afliçõesCausas das aflições
Causas das aflições
Eduardo Ottonelli Pithan
 
PALESTRA - RENOVANDO ATITUDES
PALESTRA - RENOVANDO ATITUDESPALESTRA - RENOVANDO ATITUDES
PALESTRA - RENOVANDO ATITUDES
Mauro Santos
 
Estudos do evangelho "Dai a Cesar o que é de Cesar"
Estudos do evangelho "Dai a Cesar o que é de Cesar"Estudos do evangelho "Dai a Cesar o que é de Cesar"
Estudos do evangelho "Dai a Cesar o que é de Cesar"
Leonardo Pereira
 
Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento
Henrique Vieira
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
Izabel Cristina Fonseca
 
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dorTormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Danilo Galvão
 
Palestra beneficência
Palestra beneficênciaPalestra beneficência
Palestra beneficência
Denise Tamaê
 
Motivos de resignação 05 05-17
Motivos de resignação 05 05-17Motivos de resignação 05 05-17
Motivos de resignação 05 05-17
Unesp
 
A dor na nossa evolução
A dor na nossa evoluçãoA dor na nossa evolução
A dor na nossa evolução
Izabel Cristina Fonseca
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
O Livre Arbitrio
O Livre ArbitrioO Livre Arbitrio
O Livre Arbitrio
Rivaldo Guedes Corrêa. Jr
 

Mais procurados (20)

Reencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familiaReencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familia
 
Eh possivel ser feliz na terra slideshare
Eh possivel ser feliz na terra    slideshareEh possivel ser feliz na terra    slideshare
Eh possivel ser feliz na terra slideshare
 
Pecado por pensamento e adultério
Pecado por pensamento e adultérioPecado por pensamento e adultério
Pecado por pensamento e adultério
 
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direitaCap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
 
A lei de amor ppt
A lei de amor pptA lei de amor ppt
A lei de amor ppt
 
Os tormentos voluntários
Os tormentos voluntáriosOs tormentos voluntários
Os tormentos voluntários
 
Palestra Espírita - Suicidio e loucura
Palestra Espírita - Suicidio e loucuraPalestra Espírita - Suicidio e loucura
Palestra Espírita - Suicidio e loucura
 
Palestra Espírita - Bem e mal sofrer
Palestra Espírita - Bem e mal sofrerPalestra Espírita - Bem e mal sofrer
Palestra Espírita - Bem e mal sofrer
 
Os sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntariosOs sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntarios
 
Causas das aflições
Causas das afliçõesCausas das aflições
Causas das aflições
 
PALESTRA - RENOVANDO ATITUDES
PALESTRA - RENOVANDO ATITUDESPALESTRA - RENOVANDO ATITUDES
PALESTRA - RENOVANDO ATITUDES
 
Estudos do evangelho "Dai a Cesar o que é de Cesar"
Estudos do evangelho "Dai a Cesar o que é de Cesar"Estudos do evangelho "Dai a Cesar o que é de Cesar"
Estudos do evangelho "Dai a Cesar o que é de Cesar"
 
Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
 
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dorTormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
 
Palestra beneficência
Palestra beneficênciaPalestra beneficência
Palestra beneficência
 
Motivos de resignação 05 05-17
Motivos de resignação 05 05-17Motivos de resignação 05 05-17
Motivos de resignação 05 05-17
 
A dor na nossa evolução
A dor na nossa evoluçãoA dor na nossa evolução
A dor na nossa evolução
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
 
O Livre Arbitrio
O Livre ArbitrioO Livre Arbitrio
O Livre Arbitrio
 

Semelhante a A felicidade não é deste mundo

O Que Faz Você Feliz
O Que Faz Você FelizO Que Faz Você Feliz
O Que Faz Você Feliz
Cris Araújo
 
A felicidade na visão espírita
A felicidade na visão espírita A felicidade na visão espírita
A felicidade na visão espírita
grupodepaisceb
 
Em busca da felicidade_Leonardo Pereir.ppt
Em busca da felicidade_Leonardo Pereir.pptEm busca da felicidade_Leonardo Pereir.ppt
Em busca da felicidade_Leonardo Pereir.ppt
Telma Lima
 
A felicidade nao e deste mundo.
A felicidade nao e deste mundo.A felicidade nao e deste mundo.
A felicidade nao e deste mundo.
LUCAS CANAVARRO
 
A felicidade na visão espirita
A felicidade na visão espiritaA felicidade na visão espirita
A felicidade na visão espirita
carlos freire
 
Alegria é uma coisa séria reflexão pessoal
Alegria é uma coisa séria   reflexão pessoalAlegria é uma coisa séria   reflexão pessoal
Alegria é uma coisa séria reflexão pessoal
conceicaoborges
 
A felicidade na terra
A felicidade na terraA felicidade na terra
A felicidade na terra
Luzia Gabriele
 
Felicidade Richard Simoneti 1
Felicidade Richard Simoneti 1Felicidade Richard Simoneti 1
Felicidade Richard Simoneti 1
Izabel Cristina Fonseca
 
Onde deus escondeu a felicidade!
Onde deus escondeu a felicidade!Onde deus escondeu a felicidade!
Onde deus escondeu a felicidade!
Leonardo Pereira
 
A felicidade na terra
A felicidade na terraA felicidade na terra
A felicidade na terra
Luzia Gabriele
 
A felicidade segundo_jesus
A felicidade segundo_jesusA felicidade segundo_jesus
A felicidade segundo_jesus
iceanapolis
 
O Segredo da Felicidade - Billy Graham
O Segredo da Felicidade - Billy GrahamO Segredo da Felicidade - Billy Graham
O Segredo da Felicidade - Billy Graham
anindarea
 
Felicidade
FelicidadeFelicidade
Ser feliz
Ser felizSer feliz
Ser feliz
Candice Gunther
 
Onde deus ocultou a felicidade
Onde deus ocultou a felicidadeOnde deus ocultou a felicidade
Onde deus ocultou a felicidade
Brando Rizzo
 
17 o médico jesus - a criança cura
17   o médico jesus - a criança cura17   o médico jesus - a criança cura
17 o médico jesus - a criança cura
Fatoze
 
O caminho para a felicidade!
O caminho para a felicidade! O caminho para a felicidade!
O caminho para a felicidade!
Ponte de Luz ASEC
 
Geração das bem abenturanças
Geração das bem abenturançasGeração das bem abenturanças
Geração das bem abenturanças
Eid Marques
 
Felicidade e Liberdade - Youcat School (Comunidade Oásis)
Felicidade e Liberdade - Youcat School (Comunidade Oásis)Felicidade e Liberdade - Youcat School (Comunidade Oásis)
Felicidade e Liberdade - Youcat School (Comunidade Oásis)
Comunidade Católica Oásis
 
Plugin cd marco-2011_ipad
Plugin cd marco-2011_ipadPlugin cd marco-2011_ipad
Plugin cd marco-2011_ipad
Rodrigo E Dayane
 

Semelhante a A felicidade não é deste mundo (20)

O Que Faz Você Feliz
O Que Faz Você FelizO Que Faz Você Feliz
O Que Faz Você Feliz
 
A felicidade na visão espírita
A felicidade na visão espírita A felicidade na visão espírita
A felicidade na visão espírita
 
Em busca da felicidade_Leonardo Pereir.ppt
Em busca da felicidade_Leonardo Pereir.pptEm busca da felicidade_Leonardo Pereir.ppt
Em busca da felicidade_Leonardo Pereir.ppt
 
A felicidade nao e deste mundo.
A felicidade nao e deste mundo.A felicidade nao e deste mundo.
A felicidade nao e deste mundo.
 
A felicidade na visão espirita
A felicidade na visão espiritaA felicidade na visão espirita
A felicidade na visão espirita
 
Alegria é uma coisa séria reflexão pessoal
Alegria é uma coisa séria   reflexão pessoalAlegria é uma coisa séria   reflexão pessoal
Alegria é uma coisa séria reflexão pessoal
 
A felicidade na terra
A felicidade na terraA felicidade na terra
A felicidade na terra
 
Felicidade Richard Simoneti 1
Felicidade Richard Simoneti 1Felicidade Richard Simoneti 1
Felicidade Richard Simoneti 1
 
Onde deus escondeu a felicidade!
Onde deus escondeu a felicidade!Onde deus escondeu a felicidade!
Onde deus escondeu a felicidade!
 
A felicidade na terra
A felicidade na terraA felicidade na terra
A felicidade na terra
 
A felicidade segundo_jesus
A felicidade segundo_jesusA felicidade segundo_jesus
A felicidade segundo_jesus
 
O Segredo da Felicidade - Billy Graham
O Segredo da Felicidade - Billy GrahamO Segredo da Felicidade - Billy Graham
O Segredo da Felicidade - Billy Graham
 
Felicidade
FelicidadeFelicidade
Felicidade
 
Ser feliz
Ser felizSer feliz
Ser feliz
 
Onde deus ocultou a felicidade
Onde deus ocultou a felicidadeOnde deus ocultou a felicidade
Onde deus ocultou a felicidade
 
17 o médico jesus - a criança cura
17   o médico jesus - a criança cura17   o médico jesus - a criança cura
17 o médico jesus - a criança cura
 
O caminho para a felicidade!
O caminho para a felicidade! O caminho para a felicidade!
O caminho para a felicidade!
 
Geração das bem abenturanças
Geração das bem abenturançasGeração das bem abenturanças
Geração das bem abenturanças
 
Felicidade e Liberdade - Youcat School (Comunidade Oásis)
Felicidade e Liberdade - Youcat School (Comunidade Oásis)Felicidade e Liberdade - Youcat School (Comunidade Oásis)
Felicidade e Liberdade - Youcat School (Comunidade Oásis)
 
Plugin cd marco-2011_ipad
Plugin cd marco-2011_ipadPlugin cd marco-2011_ipad
Plugin cd marco-2011_ipad
 

Mais de Ponte de Luz ASEC

Vencendo os vícios
Vencendo os víciosVencendo os vícios
Vencendo os vícios
Ponte de Luz ASEC
 
Transcomunicação instrumental
Transcomunicação instrumentalTranscomunicação instrumental
Transcomunicação instrumental
Ponte de Luz ASEC
 
As experiências do Grupo de Scole
As experiências do Grupo de ScoleAs experiências do Grupo de Scole
As experiências do Grupo de Scole
Ponte de Luz ASEC
 
Pluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitadosPluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitados
Ponte de Luz ASEC
 
Períspirito - Diferentes corpos e funções
Períspirito - Diferentes corpos e funçõesPeríspirito - Diferentes corpos e funções
Períspirito - Diferentes corpos e funções
Ponte de Luz ASEC
 
Pai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Pai Nosso e outras orações deixadas por JesusPai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Pai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Ponte de Luz ASEC
 
A oração no jardim das Oliveiras
A oração no jardim das OliveirasA oração no jardim das Oliveiras
A oração no jardim das Oliveiras
Ponte de Luz ASEC
 
O milagre do sol e o espiritismo
O milagre do sol e o espiritismoO milagre do sol e o espiritismo
O milagre do sol e o espiritismo
Ponte de Luz ASEC
 
Jesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Jesus e Nicodemos - o novo NascimentoJesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Jesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Ponte de Luz ASEC
 
O nascimento de Cristo - desvendando questões
O nascimento de Cristo - desvendando questõesO nascimento de Cristo - desvendando questões
O nascimento de Cristo - desvendando questões
Ponte de Luz ASEC
 
Motivos de Resignação
Motivos de ResignaçãoMotivos de Resignação
Motivos de Resignação
Ponte de Luz ASEC
 
Mediunidade e Justiça
Mediunidade e JustiçaMediunidade e Justiça
Mediunidade e Justiça
Ponte de Luz ASEC
 
Maledicência
MaledicênciaMaledicência
Maledicência
Ponte de Luz ASEC
 
Conversas com Jesus - Tolerância
Conversas com Jesus - TolerânciaConversas com Jesus - Tolerância
Conversas com Jesus - Tolerância
Ponte de Luz ASEC
 
Jesus e Simão - o primeiro encontro
Jesus e Simão - o primeiro encontroJesus e Simão - o primeiro encontro
Jesus e Simão - o primeiro encontro
Ponte de Luz ASEC
 
Conversas com Jesus - Justiça
Conversas com Jesus - JustiçaConversas com Jesus - Justiça
Conversas com Jesus - Justiça
Ponte de Luz ASEC
 
Jesus e o primeiro Evangelho no Lar
Jesus e o primeiro Evangelho no LarJesus e o primeiro Evangelho no Lar
Jesus e o primeiro Evangelho no Lar
Ponte de Luz ASEC
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
Ponte de Luz ASEC
 
Engenharia Genética
Engenharia GenéticaEngenharia Genética
Engenharia Genética
Ponte de Luz ASEC
 
Experiências Fora do Corpo Físico
Experiências Fora do Corpo FísicoExperiências Fora do Corpo Físico
Experiências Fora do Corpo Físico
Ponte de Luz ASEC
 

Mais de Ponte de Luz ASEC (20)

Vencendo os vícios
Vencendo os víciosVencendo os vícios
Vencendo os vícios
 
Transcomunicação instrumental
Transcomunicação instrumentalTranscomunicação instrumental
Transcomunicação instrumental
 
As experiências do Grupo de Scole
As experiências do Grupo de ScoleAs experiências do Grupo de Scole
As experiências do Grupo de Scole
 
Pluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitadosPluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitados
 
Períspirito - Diferentes corpos e funções
Períspirito - Diferentes corpos e funçõesPeríspirito - Diferentes corpos e funções
Períspirito - Diferentes corpos e funções
 
Pai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Pai Nosso e outras orações deixadas por JesusPai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Pai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
 
A oração no jardim das Oliveiras
A oração no jardim das OliveirasA oração no jardim das Oliveiras
A oração no jardim das Oliveiras
 
O milagre do sol e o espiritismo
O milagre do sol e o espiritismoO milagre do sol e o espiritismo
O milagre do sol e o espiritismo
 
Jesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Jesus e Nicodemos - o novo NascimentoJesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Jesus e Nicodemos - o novo Nascimento
 
O nascimento de Cristo - desvendando questões
O nascimento de Cristo - desvendando questõesO nascimento de Cristo - desvendando questões
O nascimento de Cristo - desvendando questões
 
Motivos de Resignação
Motivos de ResignaçãoMotivos de Resignação
Motivos de Resignação
 
Mediunidade e Justiça
Mediunidade e JustiçaMediunidade e Justiça
Mediunidade e Justiça
 
Maledicência
MaledicênciaMaledicência
Maledicência
 
Conversas com Jesus - Tolerância
Conversas com Jesus - TolerânciaConversas com Jesus - Tolerância
Conversas com Jesus - Tolerância
 
Jesus e Simão - o primeiro encontro
Jesus e Simão - o primeiro encontroJesus e Simão - o primeiro encontro
Jesus e Simão - o primeiro encontro
 
Conversas com Jesus - Justiça
Conversas com Jesus - JustiçaConversas com Jesus - Justiça
Conversas com Jesus - Justiça
 
Jesus e o primeiro Evangelho no Lar
Jesus e o primeiro Evangelho no LarJesus e o primeiro Evangelho no Lar
Jesus e o primeiro Evangelho no Lar
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
 
Engenharia Genética
Engenharia GenéticaEngenharia Genética
Engenharia Genética
 
Experiências Fora do Corpo Físico
Experiências Fora do Corpo FísicoExperiências Fora do Corpo Físico
Experiências Fora do Corpo Físico
 

Último

10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 

Último (14)

10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 

A felicidade não é deste mundo

  • 1. A felicidade não é deste mundo PA L E S T R A 1 8 / 0 1 / 2 0 1 7
  • 2. 2 O tema trata do nosso objetivo de Vida. Todos queremos ser felizes! – Ocorre que, às vezes, nos equivocamos nos caminhos que a ela conduzem, por não compreendermos o seu real significado.
  • 3. O QUE É A FELICIDADE? 3  Podemos descrevê-la como sensação de muita satisfação, bem-estar, alegria intensa.  Podemos deduzir também que, se somos filhos de Deus, e se Ele é onipotente, onisciente, infinitamente justo e bom, poderemos ser muito felizes, bastando para isso querermos.
  • 4. 4  O conceito de felicidade varia de pessoa para pessoa, e em cada momento da nossa vida.  Quando estamos enfermos, a recuperação da saúde seria a nossa felicidade. E envidamos todos os esforços para conquistá-la.
  • 5. 5  Se estamos desempregados, um emprego se constituiria em felicidade, por algum tempo.  Se somos solteiros e desejamos unir- nos a alguém, nossa felicidade seria encontrar a pessoa certa, para compartilhar do nosso afeto.  Os que padecem fome e frio, encontrariam a felicidade num agasalho e na alimentação que refaz.
  • 6. 6 “(...) a felicidade é um estado de bem-estar que se irradia, alcançando outros indivíduos ao invés de recolher-se em detrimento do próximo. Qual uma luz, expande-se em todas as direções, sem perder a plenitude do centro de onde se agiganta.” (JOANNA DE ÂNGELIS: O Homem Integral, Cap.12)
  • 7. A PROCURA PELA 7  A ausência do mal e fruição do bem é a aspiração de todo ser humano.  Esta procura contstante é o pólo oculto que magnetiza o dinamismo humano. Mesmo os gestos mais simples são atravessados por esse magnetismo.  Se este cessasse, o homem perderia o sentido de viver e seria prostrado pelo tédio.  Assim, todo homem tem na vida momentos de felicidade e gostaria que esses momentos nunca mais acabassem.
  • 8. 8 OS CAMINHOS PROCURADOS  Todos buscam a felicidade, porém por caminhos diferentes...  Posse de riquezas, prazeres sexuais, diversões, glutonaria, fama, prestígio, poder...
  • 9. 9  Muitos aceitam imensos sacrifícios e correm riscos para chegar ao topo.  Mas quem conseguiu atingir estas metas, em geral, constatou que a felicidade não se encontra lá.  A conquista de bens materiais oferece-nos bem-estar, conforto... A felicidade é uma conquista muito mais ampla, porque envolve a realização do ser espiritual.
  • 10. 10  Kardec indaga aos Espíritos se "Pode o homem gozar de completa felicidade na Terra.” Os Benfeitores respondem: “Não, por isso que a vida lhe foi dada como prova ou expiação...”  E, estando inseridos num mundo de expiações e provas, onde ainda há tanto sofrimento, pergunta- se: será que podemos ser plenamente felizes? FELICIDADE NO PLANETA TERRA
  • 11. 11  Como as nossas encarnações na Terra destinam- se a vencer provas e resgatar o passado por meio de expiações às vezes dolorosas, resta- nos a resignação e a conformação diante do sofrimento.
  • 12. 12  Não é feliz o homem em possuir ou deixar de possuir, mas pela forma como possui ou como encara a falta de posse.  A felicidade esteve sempre dentro de nós, o problema é que sempre procurámos fora. Daí a dificuldade em encontrá-la.  Com o espiritismo, a felicidade deixa de ser uma conquista a posteriori e passa a ser – mesmo dentro da relatividade da vida na Terra – uma proposta de vida para este momento.  A felicidade está vinculada à arte de amar. E amar é aquela condição em que a felicidade de outra pessoa é essencial à nossa própria felicidade. NOVA VISÃO DA FELICIDADE
  • 13. 13  Se construída nas bases da renúncia e da abnegação a felicidade não é imediata, fugaz, arrebatadora e transitória.  Emmanuel nos diz que a felicidade existe sim, porém, para usufruí-la no Outro Mundo, precisamos aqui na Terra admitir “que ninguém pode ser realmente feliz sem fazer a felicidade alheia no caminho que avança”.
  • 14. 14  Situando no “amar ao próximo como a si mesmo” a pedra fundamental da felicidade, Cristo condiciona a existência humana ao supremo esforço do labor do bem dirigido a tudo e todos, e elucida que cada um possui o que doa.  A felicidade é o bem que alguém proporciona ao seu próximo.  A alegria de fazer feliz é a felicidade em forma de alegria.
  • 15. 15  A nossa felicidade será do tamanho da felicidade que proporcionarmos ao próximo.  A felicidade deixa de ser uma utopia e passa a ser uma opção, pois o homem é o ser co-criador do seu próprio futuro, através das escolhas que realiza no seu dia-a-dia.
  • 16. FELICIDADE POSSÍVEL por Joanna de Ângelis e Divaldo Franco 16 Acreditavas que a felicidade seria semelhante a uma ilha fantástica de prazer constante e paz permanente. Um lugar onde não houvesse preocupação, nem se apresentasse a dor; no qual os sorrisos brilhassem nos lábios, e a beleza engrinaldasse de festa as criaturas.
  • 17. 17 Uma felicidade feita de fantasias parecia ser a tua busca. Planeastes a vida, objetivando encontrar esse reino encantado, onde, por fim, descansasses da fadiga, da aflição e fruísses a harmonia. Passam-se anos, e somas frustações, anotando desencantos e amarguras, sem anelada conquista.
  • 18. 18 Lentamente, entregas-te ao desânimo, e sentes que estás discriminado no mundo, quando vês as propagandas apresentadas pela mídia, nas quais desfilam os jovens, belos e jubilosos, desperdiçando saúde, usando cigarros e bebidas famosas, brincando em iates de luxo, invejáveis, triunfantes...
  • 19. 19 Não sabes quanto custa, em sacrifício e dor, alcançar o topo da fama e permanecer lá. Sob quase todos aqueles sorrisos, que são estudados, estão a face da amargura e as marcas do arrependimento. Felicidade, porém, é conquista íntima.
  • 20. 20 Todos os que se encontram na Terra, nascidos em berços de ouro ou de palha, homenageados ou desprezados, belos ou feios, são feitos do mesmo barro frágil de carne, e experimentam, de uma ou de outra forma, vicissitudes, decepções, doenças e desconforto. Ninguém, no mundo terreno, vive em regime especial. O que parece, não excede a imagem, a ilusão. Se desejas ser feliz, vive, cada momento, de forma integral, reunindo as quotas de alegria, de esperança, de sonho, de bênção, num painel plenificador.
  • 21. 21 As ocorrências de dor são experiências para as de saúde e de paz. A felicidade não são coisas: é um estado interno, uma emoção. Abençoa os acidentes de percurso, que denominas como desdita, segue na direção das metas, e verás quantas concessões de felicidade pela frente, aguardando por ti.
  • 22. 22  “Assim, pois, meus queridos filhos, que cada um de vós se despoje do homem velho. Deveis todos consagrar-vos à propagação desse Espiritismo que já deu começo à vossa própria regeneração. Que nesta reunião solene todos os vossos corações aspirem a esse grandioso objetivo de preparar para as gerações porvindouras um mundo onde já não seja vã a palavra felicidade.” François-Nicolas- Madeleine, cardeal Morlot. (Paris, 1863.) KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. FEB. Capítulo 5
  • 23. SEJAMOS FELIZES! 23  O homem só é infeliz devido à importância que liga às coisas deste mundo. Fazem-lhe a infelicidade a vaidade, a ambição e a cobiça desiludidas. Se se colocar fora do círculo acanhado da vida material, se elevar seus pensamentos para o infinito, que é seu destino, mesquinhas e pueris lhe parecerão as vicissitudes da Humanidade, como o são as tristezas da criança que se aflige pela perda de um brinquedo, que resumia a sua felicidade suprema. Livro dos Espíritos – Q.933
  • 24. 24