SlideShare uma empresa Scribd logo
CURSO: CONCEITOS DE FORMAÇÃO
PRESENCIAL, ONLINE E MISTA
Lição 1
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.1 Conceitos de formação
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.2 Curso 1
Notas:
Olá a todos, o meu nome é Paula Peres e serei a vossa formadora neste curso. A tutora
Graça irá também fazer-nos companhia nesta aventura. Bom trabalho!
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.3 Temas a abordar
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.4 Aprendizagem
Notas:
Vamos iniciar este curso pela visualização de um pequeno vídeo de reflexão sobre a
aprendizagem.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.5 Aprendizagem
Notas:
Todos nós usamos a palavra aprendizagem de um modo mais ou menos formal e em
diferentes contextos.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.6 Aprendizagem
Notas:
Se procurar no google o significado de aprendizagem, umas mais completas e precisas
do que outras. Não podemos desenvolver um curso que promova a aprendizagem dos
alunos/formandos/colaboradores/clientes, quer em modo presencial quer a distância se
não entendermos o verdadeiro significado da palavra “aprendizagem”. Vamos analisar,
com alguma atenção, o que nos dizem os diferentes autores em algumas obras de
referência.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.7 Definição da aprendizagem
Notas:
Na literatura é possível encontrar diversas definições de “Aprendizagem”:
A aprendizagem é um “processo de construção pessoal, dinâmico e interativo, de
aquisição de conhecimentos, que apela às experiências passadas, condiciona a atuação
no presente e possibilita ao indivíduo reconstruções cognitivas” (CNS - Companhia
Nacional de Serviços, 2006).
É pessoal porque a aprendizagem implica sempre a adesão voluntária dos participantes,
é dinâmico porque a mudança de comportamentos é operacional e observável, e é
interactivo porque exige a comunicação entre o sujeito e o ambiente.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
Numa outra definição:
“A aprendizagem consiste num conjunto de mecanismos psico-fisiológicos e de
operações mentais de ordem cognitiva e emocional, que se caracterizam, em momentos
posteriores, em acontecimentos observáveis. A aprendizagem define-se, basicamente,
pela ideia de mudança”. A aprendizagem, do ponto de vista cognitivo, envolve a
ativação de um conjunto de operações mentais e processamento de informação, requer
tempo e encontra-se sempre associado à memória (Rodrigues & Ferrão, 2006).
Podemos ainda acrescentar Falcão (2006), a sua natureza global, contínua, gradativa e
acumulativa. É um processo global porque a sua eficácia implica uma interação real
entre os diferentes tipos de saber. É contínuo porque esta é uma das características do
ser humano e da construção da sua personalidade. É gradativo na medida em que a
aprendizagem deve ser um processo que caminhe no sentido da complexidade de
saberes, habilidades e comportamentos. Por fim, a aprendizagem é também um
processo cumulativo porque os saberes e as atividades se associam, no sentido de
aquisição de novos comportamentos.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.8 Aprendizagem
Notas:
Ausubel criou um modelo de aprendizagem que relaciona duas variáveis: Intervenção
dos processos cognitivos com os tipos de atividades envolvidas na aprendizagem. Este
modelo baseia-se nos estudos da Meta-Aprendizagem e do Meta-Conhecimento ou seja
na análise da forma como se aprende e como se constrói o conhecimento.
Ao nível dos processos cognitivos, a aprendizagem pode ocorrer dentro de um contínuo
crescente, de uma aprendizagem automática, com base na memória (com nível inferior
de complexidade) para uma aprendizagem significativa (no limite superior de
complexidade).
Ao nível do tipo de atividade desencadeada no individuo, o contínuo varia de uma
intervenção mínima de recetor de conhecimento para a participação autónoma de
aprendizagem por descoberta.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.9 Malcom S. Knowles
Notas:
Até meados do séc. XIX, as questões da aprendizagem estiveram relacionadas com
as crianças (pedagogia). A educação de adultos emerge, em especial, a partir do século
XIX associada a dois fenómenos sociais relevantes: o desenvolvimento de movimentos
sociais de massas (movimento operário) e à democratização, desenvolvimento e
consolidação dos sistemasescolares nacionais, já no séc. XX.
Mas é na década de 70 que a questão da aprendizagem nos adultos (andragogia) surge
com maior ênfase associada às questões da formação ao longo da vida.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.10 Educação de Adultos
Notas:
Ao contrário da criança, o adulto tem uma ampla bagagem histórica, social e cultural, e,
como tal, procurará construir o seu próprio conhecimento com a ajuda do formador,
que assim se converte num facilitador da aprendizagem.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.11 A aprendizagem no adulto manifesta as seguintes características
Notas:
Existem fatores internos e externos ao próprio indivíduo que podem facilitar ou inibir o
processo de aprendizagem e esses fatores estão obviamente relacionados com as
características dos destinatários da formação, normalmente adultos.
O aprendente é um sujeito autodirigido: Os adultos tomam a iniciativa das suas
aprendizagens.
Experiência: Os adultos têm experiências de vida únicas que influenciam as situações de
aprendizagem.
Disponibilidade para aprender: Nos adultos existe disponibilidade, necessidade e
interesse na aprendizagem para que possam responder às exigências da vida em
sociedade.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
Orientação para a aprendizagem: Em geral, os adultos não aprendem apenas por
aprender, mas para poderem enfrentar de forma satisfatória as necessidades e
obstáculos que lhe surgem.
Motivação para aprender: Nas teorias andragógicas pressupõe-se que os adultos estão
motivados para aprendizagem por factores externos, como sejam a obtenção de
emprego, aumentos salariais, progressão na carreira).
Aplicabilidade: Os adultos adquirem mais eficazmente esse conhecimento se tiver
uma aplicabilidade prática.
Clareza dos objetivos: Os adultos gostam que a aprendizagem tenha objetivos bem
definidos.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.12 Fatores cognitivos da aprendizagem dos adultos
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.13 Fatores psico-sociais da aprendizagem dos adultos
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.14 Quatro mitos sobre aprendizagem que atrapalham os seus estudos
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.15 Como Motivar Estudantes
Notas:
A aprendizagem só é efetiva se existir motivação. O formando terá de ter uma atitude
favorável, o que nem sempre acontece. O formador terá de estar atento aos
diferentes níveis de motivação e, para cada uma das situações, terá de encontrar
estratégias de motivação.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.16 e-Learning
Notas:
Quando a aprendizagem é dirigida essencialmente a adultos e é mediada por
computador assume o termo geral de aprendizagem eletrónica ou a distância.
As tecnologias Internet e multimédia podem ser utilizadas como ferramentas
aplicacionais das metodologias de ensino-aprendizagem, neste contexto a
aprendizagem assume o termo geral de e-learning: electronic-learning.
Mas qual o papel das tecnologias Internet (web) sobre a aprendizagem?
Para Khan (2005) o e-learning pode ser visto como uma aproximação para a
disponibilização da instrução (do plano de ensino-aprendizagem) online, centrada no
aluno, interactiva e facilitadora de um ambiente de aprendizagem para todos, em
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
qualquer lugar, a qualquer hora, utilizando as mais variadas tecnologias digitais em
combinação com outros materiais, ajustado ao contexto de aprendizagem e ao ritmo de
cada um.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.17 b-Learning
Notas:
O termo blended learning terá sido usado pela primeira vez, em 2000, num documento
da IDC: «e-Learning in Practice, Blended Solutions in Action», de Cushing Anderson
(Cushing Anderson, 2000)
O termo surge quando o autor, depois de considerar as alternativas disponíveis à
condução de formação (em sala/presencial, CD-ROM, Internet com largura de banda
reduzida, Internet com acesso de banda larga, etc.), sugere que a melhor alternativa
será uma solução mista (blended solution, no original).
A combinação obtida pela articulação entre a aprendizagem presencial e a distância
caracteriza a denominação de aprendizagem mista, blended-learning ou simplesmente
b-learning (Dias, 2004).
O modelo de b-learning pretende valorizar o melhor do presencial e do online. Na sala
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
de aula presencial é mais fácil a promoção do conhecimento interpessoal, o
estabelecimento de laços afetivos, o mapeamento de grupos, a organização do processo
de ensino-aprendizagem, a explicitação da sequência das actividades, das metodologias
e do cronograma (Moran, 2003).
A aula presencial auxilia também o professor a fornecer referências iniciais de um tema,
o estado da arte de um assunto ou o cenário de uma pesquisa. Após um primeiro
contacto presencial, podem promover-se sessões na Internet (online), explorando as
vantagens desse ambiente tais como: a flexibilidade de tempo, de lugar, assim como a
variedade das ferramentas de comunicação. A realização de um novo encontro
presencial pode auxiliar os processos de síntese, aprofundamento dos resultados e o
encaminhamento para uma nova etapa da aprendizagem (Moran, 2003).
O conceito actual de formação combinada não está apenas baseado na dicotomia
presencial/a distância, mas envolve diversas abordagens pedagógicas e didáticas,
nomeadamente (Driscoll, 2002):
Combinar modos de formação baseados em tecnologia Web (videoconferência,
formação autónoma com base na Web, aprendizagem colaborativa, multimédia, por
exemplo);
Combinar várias abordagens pedagógicas - independentemente das tecnologias
envolvidas - de forma a optimizar o resultado da aprendizagem;
Actualmente existem alguns termos que descrevem ambientes de aprendizagem com
recurso às tecnologias, nomeadamente: e-learning, m-learning (mobile learning), me-
learning (aprendizagem centrada no aluno), web-based learning, online learning,
distributed learning, distance learning, blended-learning, entre outros (Campbell, 2004).
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.18 Algumas das potencialidades e dificuldades que podem surgir na
formação online
Notas:
Na seleção de um determinado modo de formação é importante considerar as
vantagens e desvantagens dos diferentes ambientes.
Esta tabela apresenta algumas das potencialidades e das dificuldades que poderão
surgir na formação online. Como potencialidades podemos sublinhar a flexibilidade de
tempo, lugar e a adaptação a referências individuais de conteúdos e estilos de
aprendizagem. Uma das vantagens mais relevantes é a possibilidade de usar o histórico
de formações anteriores para adaptar a aprendizagem (percursos, conteúdos) a
necessidades específicas dos formandos.
O formador poderá dividir os conteúdos em micro conteúdos, o que permite aos
formandos concentrarem-se na componente que mais lhe interessam e que necessitam.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
Como principais obstáculos podemos referir a necessidade de automotivação, auto-
disciplina e autonomia por parte do formando assim como a adptação a novos
contextos e papéis por parte do formador.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.19 Natureza geral da aprendizagem online
Notas:
Como visto na tabela acima, a aprendizagem on-line pode ser diferente de uma
experiência de sala de aula tradicional. Uma das diferenças é o método de comunicação.
Muitas das comunicações ocorrem através de mensagens escritas, a habilidade escrita e
a capacidade de colocar os pensamentos em palavras são essenciais para os estudantes.
Por esta razão, os alunos com fracas habilidades de escrita podem estar em
desvantagem numa aula on-line. Por outro lado, ter que escrever oferece oportunidade
de se refletir sobre as respostas (pensar em voz alta), especialmente num ambiente
assíncrono (principalmente usando um fórum de discussão) que não necessita de um
aluno para responder imediatamente.
Um dos benefícios de qualquer curso de aprendizagem on-line muitas vezes resulta na
melhoria das habilidades de comunicação, devido à abundância de escrita prática.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
A outra vantagem é que a forma de comunicação em cursos de aprendizagem on-line
muda a dinâmica social da educação. Num ambiente de aprendizagem on-line, os alunos
e instrutor terão oportunidades de contribuir com ideias ou comentários, sobre notas
de lições e materiais de um tutor. Os alunos podem aprender uns com os outros,
partilhando a sua experiência durante uma série de discussão. Por esta razão, o
instrutor de um curso on-line deve adotar um papel de facilitador ou moderador que
incentiva a participação e mantém discussões focadas em determinados temas. Como
resultado, este estará envolvido em tarefas muito diferentes do ensino em sala de aula
tradicional, que muitas vezes é basicamente uma apresentação do material.
No e-learning, o formador tem à sua disposição um conjunto de ferramentas que
lhe permitem estar em contacto com os formandos, tais como os chat, onde os
formandos podem dialogar uns com os outros em tempo real, através de mensagens
escritas; os fóruns, onde são publicadas mensagens de formandos e formadores (por
exemplo, com questões sobre determinadas matérias dos cursos); o e-mail; e as
salas de aula virtuais, que incluem vários dispositivos electrónicos que simulam o
ambiente de sala de aula no monitor do PC.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.20 Natureza geral da aprendizagem online
Notas:
Outro dado a ter em conta é a interatividade dos próprios conteúdos, com destaque
para os conteúdos dinâmicos, com recursos multimédia, nomeadamente, animações
flash, registos áudio e vídeo, formulários interativos, entre outros.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.21 Online versus tradicional
Notas:
Neste momento peço a sua reflexão sobre o ensino online - o que é a sua sensação?
Como se sente a navegar na web? Que sentido tem para si? Como pode desenvolver
trabalho num ambiente on-line com os seus alunos?
Muitos dos professores ditos tradicionais que recorrem aos modelos de ensino
tradicional e neste momento estão a refletir sobre a formação online. Não obstante,
ainda reside alguma desconfiança sobre a eficácia quando comparada com os cursos
presenciais.
A eficácia do ensino on-line e do ensino tradicional tem sido uma fonte contínua de
discussão, mas cada vez menos esta é a questão, porque a educação online está aqui
para ficar!
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.22 Modos de Formação
Notas:
Preparar profissionais não acaba com a transmissão do Know-how (saber-fazer)
profissional, mas inclui também a sua preparação mínima para o ingresso no mundo de
trabalho e não apenas no mundo da profissão.
Cada vez mais é importante balancear os modos de formação no sentido de dar
resposta às expectativas dos estudantes e às necessidades do mercado.
A compreensão do contexto formativo irá ditar a seleção de diferentes modos de
formação que podem ir desde a formação em sala, mais tradicional sem recurso às
tecnologias, à seleção de uma formação dita presencial com a utilização das tecnologias
para enriquecer o ambiente formativo, o formato blended-learning, ou seja misto, em
que há claramente a preparação de aulas online que serão completadas e apoiadas com
formação presencial, ainda o caso das formações em que as sessões decorrem
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
maioritariamente online e onde as sessões presenciais são usadas essencialmente para
garantir as identidades no processo de avaliação. Por fim poderemos também promover
a formação apenas online.
Não existem soluções mágicas, nem fórmulas perfeitas, com determinação de um
número exato de aulas online e presenciais a ministrar, e cada caso exige uma resposta
específica em concordância com o contexto, os objetivos e as características do público
alvo. A formação totalmente presencial tradicional, poderá ser a melhor opção, assim
como a formação totalmente online.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.23 Professor: Funções Pedagógicas
Notas:
Na sociedade em que vivemos a única característica estável é a sua instabilidade no
sentido de uma contínua mudança.
A massificação da internet aproxima o mundo divulgando novas técnicas, e sobretudo
diferentes culturas e mentalidades. O formador/professor, importante agente de
mudança, deve estar atento ao mundo que o rodeia e às transformações sociais e
tecnológicas.
No exercício das suas funções pedagógicas, o formador deve dominar, nomeadamente:
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.24 Perfil de um professor /tutor online
Notas:
Para ser um tutor online, e se é um formador dito “tradicional”, necessita de pensar
diferente, pensar mais no processo e tutoria da aprendizagem do que nos conteúdos.
De modo geral importa
 Possuir conhecimentos técnicos;
 Possuir conhecimentos sobre a comunicação online;
 Possuir conhecimentos sobre os conteúdos e currículo online;
 Possuir a capacidade de motivação e sensibilização para as relações
online.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.25 Numa dimensão predominantemente social
Notas:
Isso exige um elevado índice de disponibilidade por parte dos formadores, a quem é
exigido um apoio ao formando em moldes substancialmente diferentes dos que
são feitos nas salas de aulas, em horários previamente definidos.
Podemos enquadrar os papéis do formador em 4 grandes dimensões: dimensão social,
de gestão, pedagógica e técnica.
Numa dimensão predominantemente social, é importante que o formador/tutor
. Ajude a estabelecer um tom positivo e útil às mensagens;
. Seja capaz de construír um clima de confiança;
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
• de Corrigir com consideração;
• e de Motivar os alunos para o envolvimento na estratégia de aprendizagem.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.26 Dimensão técnica do papel do e-tutor
Notas:
Dimensão técnica do papel do e-tutor, é importante que este se sinta confiante na
utilização das ferramentas escolhidas, e que promova uma utilização também
confortável por parte dos alunos.
Se o professor ou os alunos não estiverem familiarizados com a ferramenta em uso, por
exemplo com um fórum de discussão, poderão necessitar de despender algum tempo
na resolução de problemas técnicos, afastando-se da discussão do tema em debate.
Assim, é importante que todos tenham as orientações técnicas necessárias à
participação online.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.27 Alguns conselhos para a gestão:
Notas:
Na dimensão de gestão podemos identificar as seguintes principais funções:
• Planear cuidadosamente a utilização do fórum de discussão incluindo a sua
calendarização e regras de funcionamento, tais como a frequência aconselhável de
acesso, o número mínimo de mensagens esperadas, e as expectativas de participação
• Criar um fórum de apoio que explique os procedimentos e encoraje os alunos a
inserir as suas dúvidas e comentários durante o curso
• Solicitar que cada aluno introduza um post com a biografia no início do curso
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
• Colocar uma questão de cada vez
• Colocar questões que requeiram a demonstração do entendimento por parte dos
alunos e permitam mais do que uma resposta correcta. Evitar questões cuja resposta
possa ser sim ou não
• Não colocar na questão a própria resposta. Esperar depois de fazer a pergunta,
enquanto os alunos pensam
• Estruturar questões que encorajem a interacção entre os alunos, por exemplo,
referenciando respostas dadas anteriormente
• Gerir o tempo da discussão, por exemplo uma ou duas semanas por tópico
• Intervir para alterar o ritmo e/ou a direcção da discussão
. Envolver todos os alunos, o mais possível, na discussão perguntando, por exemplo,
se estão de acordo com o que acabou de ser dito, ou se mais alguém tem outro exemplo
ou ponto de vista
• Procurar consenso nas respostas correctas, se um aluno responde correctamente
perguntar aos colegas se concordam
• Desencorajar os alunos que monopolizam a discussão com comentários do tipo
“gostava de ouvir outros colegas também” ou atribuir funções específicas ao aluno que
domina a discussão, tal como a tarefa de sumariar periodicamente as contribuições
• Ter cuidado para não tratar assuntos privados em mensagens públicas
• Enviar mensagens privadas aos alunos que não estão a participar activamente, a
fim de os encorajar na participação
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.28 Alguns conselhos para a gestão
Notas:
Na dimensão de gestão
No que concerne à moderação de sessões síncronas, de chat por exemplo, no contexto
educativo, é importante:
• Planear e preparar cuidadosamente as sessões (definir objetivos, escrever
previamente os textos e questões a colocar);
• Anunciar/agendar a sessão síncrona antecipadamente (com pelo menos 24 horas
de antecedência);
• Definir as regras de participação;
• Limitar a duração das sessões;
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
• Limitar o número de participantes (máximo de 10 a 12);
• Respeitar os horários definidos;
• Manter a sessão síncrona dentro do tópico definido;
• Disponibilizar a transcrição da sessão.
Para as atividades de grupo em geral é importante:
• Planear cada etapa do trabalho de grupo;
• Explicar cuidadosamente à turma como os grupos irão funcionar;
• Auxiliar os alunos na aquisição de competências necessárias para o sucesso do
grupo;
• Criar um documento escrito com a descrição do trabalho e prazos de entrega;
• Ajudar os alunos a planear os procedimentos;
• Verificar, regularmente, o trabalho de cada grupo;
• Fornecer mecanismos para os grupos lidarem com os membros que não colaboram.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.29 Perfil de um professor /tutor online
Notas:
Isso exige um elevado índice de disponibilidade por parte dos formadores a quem é
exigido um apoio ao formando em moldes substancialmente diferentes dos que
são feitos nas salas de aulas, em horários previamente definidos.
Podemos enquadrar os papéis do formador em 4 grandes dimensões: dimensão social,
de gestão, pedagogica e técnica.
Numa dimensão predominantemente social, é importante que o formador/tutor
. Ajude a estabelecer um tom positivo e útil às mensagens;
. Seja capaz de construír um clima de confiança;
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
• de Corrigir com consideração;
• e de Motivar dos alunos para o envolvimento na estratégia de aprendizagem.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.30 Perfil esperado de um estudante online
Notas:
No que aos formandos diz respeito, os alunos que optam por participar de cursos online
precisam avaliar o seu perfil pessoal, habilidades e aptidões para fazer um curso on-line.
Há atributos que poderão contribuir para o sucesso de um estudante online
nomeadamente:
Automotivação - Estudantes podem direcionar o seu próprio ambiente de aprendizagem
e métodos para cumprir os requisitos do curso e alcançar o sucesso acadêmico
individual.
Aluno Independente - O ambiente online permite que os alunos aprendam ao seu
próprio ritmo.
Alfabetizados computador - Embora não seja necessário ter conhecimentos avançados,
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
os alunos devem possuir um conhecimento prático sobre e-mail, Internet, bem como
habilidades básicas de digitação.
A gestão do tempo - Os alunos devem ser capazes de organizar e planear o seu próprio
tempo "tempo para aprender”. Não há o melhor momento para todos, mas a chave
para a aprendizagem é fazer com que surja o tempo para aprender.
Capacidade de comunicação escrita eficaz - Os alunos devem utilizar o email e os fóruns
de discussão para comunicar com os seus pares, bem como os instrutores. A
capacidade de escrever de forma clara para comunicar ideias é essencial.
Compromisso pessoal - Porque não há campainhas que indicam o início e o fim das
aulas, os alunos devem ter um forte desejo de aprender e alcançar conhecimentos e
habilidades via cursos online.
Por último, mas não menos importante, os alunos online bem-sucedidos são os alunos
que decidem por si mesmos que a aprendizagem online é uma escolha que eles querem
fazer.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.31 Perfil esperado de um estudante online
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.32 Questinonário
Notas:
O e-learning é certo para mim enquanto estudante?
Embora a aprendizagem online pode ser uma alternativa atraente comparando com a
alternativa de sala de aula tradicional, há desafios inerentes a esta modalidade de
formação. Para determinar o grau de adequação do seu perfil para a formação online
convido a responder ao questionario disponibilizado.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.33 Questões do questionário
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.34 Componentes de um curso típico de aprendizagem on-line:
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.35 Teste os seus conhecimentos
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.36 1. Qual destas expressões é sinónimo de e-learning?
Correta Escolha
Curso Semi presencial
Ensino eletrónico
Aprendizagem a distância
X Formação a distância via Internet
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.37 2. Defina o conceito de Blended Learning.
Correto Escolha
Modelo híbrido de e-learning que inclui uma componente de ensino em sala de
aula tradicional.
X Paradigma de formação que combina eventos online com eventos de formação
presencial.
Sistema de ensino no qual a formação é repartida pela Internet e por eventos
offline.
Modelo de formação a distância via Internet que inclui, pelo menos, 160 horas de
formação presencial.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.38 3. Existem algumas barreiras algumas vezes apontadas ao e-learning,
ao nível pedagógico:
Correto Escolha
X Falta de conhecimento sobre as metodologias de aprendizagem na modalidade
online, havendo a necessidade de introduzir melhorias nos conteúdos e na
pedagogia.
Falta de conteúdos de qualidade.
Sobrevalorização dos aspetos tecnológicos, que se traduz num investimento
excessivo em profissionais de áreas como a programação, em detrimento de
áreas como o design instrucional.
Dificuldades em criar um sistema eficaz para avaliação dos formandos de cursos
online.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.39 4. Quando a aprendizagem é dirigida essencialmente a adultos e é
mediada por computador assume o termo geral de aprendizagem
eletrónica ou a distância.
Correto Escolha
X Verdadeiro
Falso
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.40 5. A aprendizagem caracteriza-se essencialmente por ser:
Correto Escolha
X Pessoal, dinâmico, ideia de mudança, global, contínuo, gradativo, cumulativo
Em grupo, dinâmico, suportado em tecnologias, contínuo, gradativo, cumulativo
Pessoal, estático, ideia de evolução, global, contínuo, gradativo, cumulativo
Pessoal, dinâmico, ideia de mudança, circunscrito, contínuo, gradativo, cumulativo
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.41 6. A aprendizagem caracteriza-se essencialmente por ser:
Correto Escolha
X Pessoal, dinâmico, ideia de mudança, global, contínuo, gradativo, cumulativo
Em grupo, dinâmico, suportado em tecnologias, contínuo, gradativo, cumulativo
Pessoal, estático, ideia de evolução, global, contínuo, gradativo, cumulativo
Pessoal, dinâmico, ideia de mudança, circunscrito, contínuo, gradativo, cumulativo
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.42 7. O termo b-learning terá surgido pela primeira vez em:
Correto Escolha
1998
X 2000
2002
2004
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.43 8. O modelo de b-learning pretende valorizar o melhor do presencial
e do online.
Correto Escolha
X Verdadeiro
Falso
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.44 9. Como principais potencialidades do e/b-learning podemos
identificar:
Correto Escolha
X Flexibilidade de tempo, lugar e a adaptação a preferências individuais aos
conteúdos e aos estilos de aprendizagem.
Ser suportado nas tecnologias logo está mais perto dos hábitos dos estudantes.
Poder manter as tradicionais formas de ensinar e aprender.
Flexibilidade de tempo, meios e a adaptação a preferências individuais relativas às
turmas.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.45 10. Como principais obstáculos ao e/b-learning
na perspetiva do formando podemos referir:
Correto Escolha
X A necessidade de automotivação, autodisciplina e autonomia
A necessidade de ter acesso à tecnologia
A necessidade de trabalhar em rede e de ter internet de acesso lento
A necessidade de motivação por parte do formador e dos restantes colegas
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.46 11. Como principais obstáculos ao e/b-learning na perspetiva do
formador podemos referir:
Correto Escolha
A necessidade de trabalhar em rede
X A necessidade de adaptação a novos contextos e papéis
A necessidade de ter acesso à tecnologia
A necessidade de automotivação
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.47 12. Um formador/tutor online deve possuir as seguintes principais
competências:
Correto Escolha
Conhecimentos sobre as tecnologias internet
Conhecimentos sobre o moodle
X Conhecimentos sobre as tecnologias, a comunicação e curriculo online, sobre os
conteúdos e a capacidade de motivação
Conhecimentos sobre as tecnologias de comunicação online, sobre a construção
de conteúdos
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.48 13. Os papéis do formador podem ser enquadrados nas seguintes
dimensões:
Correto Escolha
Gestão, financeira, pedagógica e social
X Gestão, técnica, pedagógica e social
Conteúdos, técnica, pedagógica e social
Gestão, técnica, pedagógica e comunicação social
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.49 13. As principais características desejáveis num estudante online são:
Correto Escolha
X Verdadeiro
Falso
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.50 15. A compreensão do contexto formativo irá ditar a seleção de
diferentes modos de formação que podem ir desde a formação em sala,
mais tradicional sem recurso às tecnologias, à formação totalmente
online.
Correto Escolha
X Verdadeiro
Falso
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.51 16. Existem fórmulas que permitem, determinar o número de sessões
presencias e online por comparação à definição do curso
tradicional/presencial.
Correto Escolha
Verdadeiro
X Falso
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.52 Resultados
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.53 Sugestões de leitura (opcional):
Notas:
Eis algumas leituras, que embora sejam opcionais, revestem-se de grande interesse. Fica
aqui o convite caso pretenda aprofundar esta temática
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.54 Sugestões de leitura (opcional):
Notas:
Mais algumas leituras interessantes.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.55 Sugestões de leitura (opcional):
Notas:
Mais algumas leituras interessantes.
e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt
1.56 Ficha Técnica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Papel do E-Formador (Curso E-Formadores)
Papel do E-Formador (Curso E-Formadores)Papel do E-Formador (Curso E-Formadores)
Papel do E-Formador (Curso E-Formadores)
carlospimentacom
 
Adaptações curriculares
Adaptações curricularesAdaptações curriculares
Adaptações curriculares
Elisete Nunes
 
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Cátia Elias
 
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de AprendizagemPlataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Carina Mano
 

Mais procurados (20)

Análise SWOT
Análise SWOTAnálise SWOT
Análise SWOT
 
Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).
Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).
Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).
 
Relação entre a didáctica com outras ciências
Relação entre a didáctica com outras ciênciasRelação entre a didáctica com outras ciências
Relação entre a didáctica com outras ciências
 
Desenho universal para a aprendizagem
Desenho universal para a aprendizagemDesenho universal para a aprendizagem
Desenho universal para a aprendizagem
 
Papel do E-Formador (Curso E-Formadores)
Papel do E-Formador (Curso E-Formadores)Papel do E-Formador (Curso E-Formadores)
Papel do E-Formador (Curso E-Formadores)
 
Adaptações curriculares
Adaptações curricularesAdaptações curriculares
Adaptações curriculares
 
Portifólio Reflexivo de Aprendizagem
Portifólio Reflexivo de AprendizagemPortifólio Reflexivo de Aprendizagem
Portifólio Reflexivo de Aprendizagem
 
Recursos audiovisuais nas acções de formação
Recursos audiovisuais nas acções de formaçãoRecursos audiovisuais nas acções de formação
Recursos audiovisuais nas acções de formação
 
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 
Observação sala de aula pedro reis
Observação sala de aula pedro reisObservação sala de aula pedro reis
Observação sala de aula pedro reis
 
Relatório final reflexão critica
Relatório final reflexão criticaRelatório final reflexão critica
Relatório final reflexão critica
 
Portefolio reflexivo de_aprendizagem
Portefolio reflexivo de_aprendizagemPortefolio reflexivo de_aprendizagem
Portefolio reflexivo de_aprendizagem
 
10 Perguntas Reflexivas sobre a relação Professor X Aluno
10 Perguntas Reflexivas  sobre a relação Professor X Aluno10 Perguntas Reflexivas  sobre a relação Professor X Aluno
10 Perguntas Reflexivas sobre a relação Professor X Aluno
 
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
 
Cenarios de aprendizagem
Cenarios de aprendizagemCenarios de aprendizagem
Cenarios de aprendizagem
 
Plano de sessão
Plano de sessãoPlano de sessão
Plano de sessão
 
Planos de sessão
Planos de sessãoPlanos de sessão
Planos de sessão
 
Métodos de Ensino e Aprendizagem
Métodos de Ensino e AprendizagemMétodos de Ensino e Aprendizagem
Métodos de Ensino e Aprendizagem
 
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de AprendizagemPlataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
 

Semelhante a Conceitos de Aprendizagem, b-Learning, e-Learning

Slide 1ª formação ped ii 03-02-12
Slide 1ª formação ped ii   03-02-12Slide 1ª formação ped ii   03-02-12
Slide 1ª formação ped ii 03-02-12
ntemsv
 
Relat reflex crítica - acacio duarte - Integração de Ferramentas Digitais no ...
Relat reflex crítica - acacio duarte - Integração de Ferramentas Digitais no ...Relat reflex crítica - acacio duarte - Integração de Ferramentas Digitais no ...
Relat reflex crítica - acacio duarte - Integração de Ferramentas Digitais no ...
Acácio Duarte
 
Janio MatemáTica Projeto
Janio MatemáTica ProjetoJanio MatemáTica Projeto
Janio MatemáTica Projeto
guest0b0bcd
 
Janio MatemáTica
Janio MatemáTicaJanio MatemáTica
Janio MatemáTica
guest0b0bcd
 
Janio Matemática
Janio MatemáticaJanio Matemática
Janio Matemática
guest0b0bcd
 
Relatório formação-plataforma moodle-1
Relatório formação-plataforma moodle-1Relatório formação-plataforma moodle-1
Relatório formação-plataforma moodle-1
fatimaneves28
 

Semelhante a Conceitos de Aprendizagem, b-Learning, e-Learning (20)

Produção de Conteúdos Digitais
Produção de Conteúdos DigitaisProdução de Conteúdos Digitais
Produção de Conteúdos Digitais
 
Sistemas de Gestão da Aprendizagem
Sistemas de Gestão da AprendizagemSistemas de Gestão da Aprendizagem
Sistemas de Gestão da Aprendizagem
 
Blended learning caminho natural para as ies
Blended learning caminho natural para as iesBlended learning caminho natural para as ies
Blended learning caminho natural para as ies
 
Slide 1ª formação ped ii 03-02-12
Slide 1ª formação ped ii   03-02-12Slide 1ª formação ped ii   03-02-12
Slide 1ª formação ped ii 03-02-12
 
Ativ01
Ativ01Ativ01
Ativ01
 
Relat reflex crítica - acacio duarte - Integração de Ferramentas Digitais no ...
Relat reflex crítica - acacio duarte - Integração de Ferramentas Digitais no ...Relat reflex crítica - acacio duarte - Integração de Ferramentas Digitais no ...
Relat reflex crítica - acacio duarte - Integração de Ferramentas Digitais no ...
 
UM PROCESSO REFLEXIVO A PARTIR DO ESTÁGIO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A UTI...
UM PROCESSO REFLEXIVO A PARTIR DO ESTÁGIO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A UTI...UM PROCESSO REFLEXIVO A PARTIR DO ESTÁGIO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A UTI...
UM PROCESSO REFLEXIVO A PARTIR DO ESTÁGIO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A UTI...
 
Sessao_3_Apresentacao_Turma_28.pptx
Sessao_3_Apresentacao_Turma_28.pptxSessao_3_Apresentacao_Turma_28.pptx
Sessao_3_Apresentacao_Turma_28.pptx
 
Oficina conteudos digitais - nteac
Oficina conteudos digitais  - nteac Oficina conteudos digitais  - nteac
Oficina conteudos digitais - nteac
 
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensinoAprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
 
REFLEXÃO FINAL - PPEL -MPEL10
REFLEXÃO FINAL - PPEL -MPEL10REFLEXÃO FINAL - PPEL -MPEL10
REFLEXÃO FINAL - PPEL -MPEL10
 
Oficina conteudos digitais - nte
Oficina conteudos digitais  - nteOficina conteudos digitais  - nte
Oficina conteudos digitais - nte
 
Modelos Ensino Híbrido
Modelos Ensino HíbridoModelos Ensino Híbrido
Modelos Ensino Híbrido
 
Os Sistemas de e-Learning no Ensino Superior
Os Sistemas de e-Learning no Ensino SuperiorOs Sistemas de e-Learning no Ensino Superior
Os Sistemas de e-Learning no Ensino Superior
 
Janio MatemáTica
Janio MatemáTicaJanio MatemáTica
Janio MatemáTica
 
Janio MatemáTica Projeto
Janio MatemáTica ProjetoJanio MatemáTica Projeto
Janio MatemáTica Projeto
 
Janio MatemáTica Projeto
Janio MatemáTica ProjetoJanio MatemáTica Projeto
Janio MatemáTica Projeto
 
Janio MatemáTica
Janio MatemáTicaJanio MatemáTica
Janio MatemáTica
 
Janio Matemática
Janio MatemáticaJanio Matemática
Janio Matemática
 
Relatório formação-plataforma moodle-1
Relatório formação-plataforma moodle-1Relatório formação-plataforma moodle-1
Relatório formação-plataforma moodle-1
 

Mais de Paula Peres

Ferramentas de Publicacao e Comunicacao online
Ferramentas de Publicacao e Comunicacao onlineFerramentas de Publicacao e Comunicacao online
Ferramentas de Publicacao e Comunicacao online
Paula Peres
 

Mais de Paula Peres (20)

Modelo EaD
Modelo EaDModelo EaD
Modelo EaD
 
Gestão da Informação e do Conhecimento em EaD
Gestão da Informação e do Conhecimento em EaDGestão da Informação e do Conhecimento em EaD
Gestão da Informação e do Conhecimento em EaD
 
Contextualização do Ensino a Distância e os desafios para o Ensino Superior: ...
Contextualização do Ensino a Distância e os desafios para o Ensino Superior: ...Contextualização do Ensino a Distância e os desafios para o Ensino Superior: ...
Contextualização do Ensino a Distância e os desafios para o Ensino Superior: ...
 
Summit 2.0 - Inovação e Tecnologia
Summit 2.0 - Inovação e TecnologiaSummit 2.0 - Inovação e Tecnologia
Summit 2.0 - Inovação e Tecnologia
 
Modelo de descricao atividades online
Modelo de descricao atividades onlineModelo de descricao atividades online
Modelo de descricao atividades online
 
Qualidade de Recursos Educativos online
Qualidade de Recursos Educativos onlineQualidade de Recursos Educativos online
Qualidade de Recursos Educativos online
 
Qualidade em e/b-Learning
Qualidade em e/b-LearningQualidade em e/b-Learning
Qualidade em e/b-Learning
 
Ambientes de Formação Online: antes, durante e depois da pandemia
Ambientes de Formação Online:  antes, durante e depois da pandemiaAmbientes de Formação Online:  antes, durante e depois da pandemia
Ambientes de Formação Online: antes, durante e depois da pandemia
 
Webinar - Ensino a distância
Webinar - Ensino a distânciaWebinar - Ensino a distância
Webinar - Ensino a distância
 
Identidade Digital
Identidade DigitalIdentidade Digital
Identidade Digital
 
Gamification: Make Learning Fun
Gamification: Make Learning FunGamification: Make Learning Fun
Gamification: Make Learning Fun
 
Sucesso Escolar – Educação Superior numa Sociedade Digital
Sucesso Escolar – Educação Superior numa Sociedade DigitalSucesso Escolar – Educação Superior numa Sociedade Digital
Sucesso Escolar – Educação Superior numa Sociedade Digital
 
Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do Politécnico do Porto
Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do Politécnico do PortoUnidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do Politécnico do Porto
Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do Politécnico do Porto
 
Metodologias Ativa para uma Aprendizagem Significativa
Metodologias Ativa para uma Aprendizagem SignificativaMetodologias Ativa para uma Aprendizagem Significativa
Metodologias Ativa para uma Aprendizagem Significativa
 
Metodologias Ativas para uma Aprendizagem Significativa
Metodologias Ativas  para uma Aprendizagem SignificativaMetodologias Ativas  para uma Aprendizagem Significativa
Metodologias Ativas para uma Aprendizagem Significativa
 
Lugares de Pensamento e Interação Cognitiva e Social
Lugares de Pensamento e Interação Cognitiva e SocialLugares de Pensamento e Interação Cognitiva e Social
Lugares de Pensamento e Interação Cognitiva e Social
 
Ferramentas de Publicacao e Comunicacao online
Ferramentas de Publicacao e Comunicacao onlineFerramentas de Publicacao e Comunicacao online
Ferramentas de Publicacao e Comunicacao online
 
Ferramentas de Publicação de Conteúdos
Ferramentas de Publicação de ConteúdosFerramentas de Publicação de Conteúdos
Ferramentas de Publicação de Conteúdos
 
Excel
ExcelExcel
Excel
 
Photoshop
PhotoshopPhotoshop
Photoshop
 

Último

GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 

Último (20)

Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 

Conceitos de Aprendizagem, b-Learning, e-Learning

  • 1. CURSO: CONCEITOS DE FORMAÇÃO PRESENCIAL, ONLINE E MISTA Lição 1
  • 2. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.1 Conceitos de formação
  • 3. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.2 Curso 1 Notas: Olá a todos, o meu nome é Paula Peres e serei a vossa formadora neste curso. A tutora Graça irá também fazer-nos companhia nesta aventura. Bom trabalho!
  • 4. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.3 Temas a abordar
  • 5. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.4 Aprendizagem Notas: Vamos iniciar este curso pela visualização de um pequeno vídeo de reflexão sobre a aprendizagem.
  • 6. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.5 Aprendizagem Notas: Todos nós usamos a palavra aprendizagem de um modo mais ou menos formal e em diferentes contextos.
  • 7. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.6 Aprendizagem Notas: Se procurar no google o significado de aprendizagem, umas mais completas e precisas do que outras. Não podemos desenvolver um curso que promova a aprendizagem dos alunos/formandos/colaboradores/clientes, quer em modo presencial quer a distância se não entendermos o verdadeiro significado da palavra “aprendizagem”. Vamos analisar, com alguma atenção, o que nos dizem os diferentes autores em algumas obras de referência.
  • 8. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.7 Definição da aprendizagem Notas: Na literatura é possível encontrar diversas definições de “Aprendizagem”: A aprendizagem é um “processo de construção pessoal, dinâmico e interativo, de aquisição de conhecimentos, que apela às experiências passadas, condiciona a atuação no presente e possibilita ao indivíduo reconstruções cognitivas” (CNS - Companhia Nacional de Serviços, 2006). É pessoal porque a aprendizagem implica sempre a adesão voluntária dos participantes, é dinâmico porque a mudança de comportamentos é operacional e observável, e é interactivo porque exige a comunicação entre o sujeito e o ambiente.
  • 9. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt Numa outra definição: “A aprendizagem consiste num conjunto de mecanismos psico-fisiológicos e de operações mentais de ordem cognitiva e emocional, que se caracterizam, em momentos posteriores, em acontecimentos observáveis. A aprendizagem define-se, basicamente, pela ideia de mudança”. A aprendizagem, do ponto de vista cognitivo, envolve a ativação de um conjunto de operações mentais e processamento de informação, requer tempo e encontra-se sempre associado à memória (Rodrigues & Ferrão, 2006). Podemos ainda acrescentar Falcão (2006), a sua natureza global, contínua, gradativa e acumulativa. É um processo global porque a sua eficácia implica uma interação real entre os diferentes tipos de saber. É contínuo porque esta é uma das características do ser humano e da construção da sua personalidade. É gradativo na medida em que a aprendizagem deve ser um processo que caminhe no sentido da complexidade de saberes, habilidades e comportamentos. Por fim, a aprendizagem é também um processo cumulativo porque os saberes e as atividades se associam, no sentido de aquisição de novos comportamentos.
  • 10. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.8 Aprendizagem Notas: Ausubel criou um modelo de aprendizagem que relaciona duas variáveis: Intervenção dos processos cognitivos com os tipos de atividades envolvidas na aprendizagem. Este modelo baseia-se nos estudos da Meta-Aprendizagem e do Meta-Conhecimento ou seja na análise da forma como se aprende e como se constrói o conhecimento. Ao nível dos processos cognitivos, a aprendizagem pode ocorrer dentro de um contínuo crescente, de uma aprendizagem automática, com base na memória (com nível inferior de complexidade) para uma aprendizagem significativa (no limite superior de complexidade). Ao nível do tipo de atividade desencadeada no individuo, o contínuo varia de uma intervenção mínima de recetor de conhecimento para a participação autónoma de aprendizagem por descoberta.
  • 11. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.9 Malcom S. Knowles Notas: Até meados do séc. XIX, as questões da aprendizagem estiveram relacionadas com as crianças (pedagogia). A educação de adultos emerge, em especial, a partir do século XIX associada a dois fenómenos sociais relevantes: o desenvolvimento de movimentos sociais de massas (movimento operário) e à democratização, desenvolvimento e consolidação dos sistemasescolares nacionais, já no séc. XX. Mas é na década de 70 que a questão da aprendizagem nos adultos (andragogia) surge com maior ênfase associada às questões da formação ao longo da vida.
  • 12. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.10 Educação de Adultos Notas: Ao contrário da criança, o adulto tem uma ampla bagagem histórica, social e cultural, e, como tal, procurará construir o seu próprio conhecimento com a ajuda do formador, que assim se converte num facilitador da aprendizagem.
  • 13. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.11 A aprendizagem no adulto manifesta as seguintes características Notas: Existem fatores internos e externos ao próprio indivíduo que podem facilitar ou inibir o processo de aprendizagem e esses fatores estão obviamente relacionados com as características dos destinatários da formação, normalmente adultos. O aprendente é um sujeito autodirigido: Os adultos tomam a iniciativa das suas aprendizagens. Experiência: Os adultos têm experiências de vida únicas que influenciam as situações de aprendizagem. Disponibilidade para aprender: Nos adultos existe disponibilidade, necessidade e interesse na aprendizagem para que possam responder às exigências da vida em sociedade.
  • 14. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt Orientação para a aprendizagem: Em geral, os adultos não aprendem apenas por aprender, mas para poderem enfrentar de forma satisfatória as necessidades e obstáculos que lhe surgem. Motivação para aprender: Nas teorias andragógicas pressupõe-se que os adultos estão motivados para aprendizagem por factores externos, como sejam a obtenção de emprego, aumentos salariais, progressão na carreira). Aplicabilidade: Os adultos adquirem mais eficazmente esse conhecimento se tiver uma aplicabilidade prática. Clareza dos objetivos: Os adultos gostam que a aprendizagem tenha objetivos bem definidos.
  • 15. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.12 Fatores cognitivos da aprendizagem dos adultos
  • 16. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.13 Fatores psico-sociais da aprendizagem dos adultos
  • 17. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.14 Quatro mitos sobre aprendizagem que atrapalham os seus estudos
  • 18. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.15 Como Motivar Estudantes Notas: A aprendizagem só é efetiva se existir motivação. O formando terá de ter uma atitude favorável, o que nem sempre acontece. O formador terá de estar atento aos diferentes níveis de motivação e, para cada uma das situações, terá de encontrar estratégias de motivação.
  • 19. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.16 e-Learning Notas: Quando a aprendizagem é dirigida essencialmente a adultos e é mediada por computador assume o termo geral de aprendizagem eletrónica ou a distância. As tecnologias Internet e multimédia podem ser utilizadas como ferramentas aplicacionais das metodologias de ensino-aprendizagem, neste contexto a aprendizagem assume o termo geral de e-learning: electronic-learning. Mas qual o papel das tecnologias Internet (web) sobre a aprendizagem? Para Khan (2005) o e-learning pode ser visto como uma aproximação para a disponibilização da instrução (do plano de ensino-aprendizagem) online, centrada no aluno, interactiva e facilitadora de um ambiente de aprendizagem para todos, em
  • 20. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt qualquer lugar, a qualquer hora, utilizando as mais variadas tecnologias digitais em combinação com outros materiais, ajustado ao contexto de aprendizagem e ao ritmo de cada um.
  • 21. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.17 b-Learning Notas: O termo blended learning terá sido usado pela primeira vez, em 2000, num documento da IDC: «e-Learning in Practice, Blended Solutions in Action», de Cushing Anderson (Cushing Anderson, 2000) O termo surge quando o autor, depois de considerar as alternativas disponíveis à condução de formação (em sala/presencial, CD-ROM, Internet com largura de banda reduzida, Internet com acesso de banda larga, etc.), sugere que a melhor alternativa será uma solução mista (blended solution, no original). A combinação obtida pela articulação entre a aprendizagem presencial e a distância caracteriza a denominação de aprendizagem mista, blended-learning ou simplesmente b-learning (Dias, 2004). O modelo de b-learning pretende valorizar o melhor do presencial e do online. Na sala
  • 22. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt de aula presencial é mais fácil a promoção do conhecimento interpessoal, o estabelecimento de laços afetivos, o mapeamento de grupos, a organização do processo de ensino-aprendizagem, a explicitação da sequência das actividades, das metodologias e do cronograma (Moran, 2003). A aula presencial auxilia também o professor a fornecer referências iniciais de um tema, o estado da arte de um assunto ou o cenário de uma pesquisa. Após um primeiro contacto presencial, podem promover-se sessões na Internet (online), explorando as vantagens desse ambiente tais como: a flexibilidade de tempo, de lugar, assim como a variedade das ferramentas de comunicação. A realização de um novo encontro presencial pode auxiliar os processos de síntese, aprofundamento dos resultados e o encaminhamento para uma nova etapa da aprendizagem (Moran, 2003). O conceito actual de formação combinada não está apenas baseado na dicotomia presencial/a distância, mas envolve diversas abordagens pedagógicas e didáticas, nomeadamente (Driscoll, 2002): Combinar modos de formação baseados em tecnologia Web (videoconferência, formação autónoma com base na Web, aprendizagem colaborativa, multimédia, por exemplo); Combinar várias abordagens pedagógicas - independentemente das tecnologias envolvidas - de forma a optimizar o resultado da aprendizagem; Actualmente existem alguns termos que descrevem ambientes de aprendizagem com recurso às tecnologias, nomeadamente: e-learning, m-learning (mobile learning), me- learning (aprendizagem centrada no aluno), web-based learning, online learning, distributed learning, distance learning, blended-learning, entre outros (Campbell, 2004).
  • 23. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.18 Algumas das potencialidades e dificuldades que podem surgir na formação online Notas: Na seleção de um determinado modo de formação é importante considerar as vantagens e desvantagens dos diferentes ambientes. Esta tabela apresenta algumas das potencialidades e das dificuldades que poderão surgir na formação online. Como potencialidades podemos sublinhar a flexibilidade de tempo, lugar e a adaptação a referências individuais de conteúdos e estilos de aprendizagem. Uma das vantagens mais relevantes é a possibilidade de usar o histórico de formações anteriores para adaptar a aprendizagem (percursos, conteúdos) a necessidades específicas dos formandos. O formador poderá dividir os conteúdos em micro conteúdos, o que permite aos formandos concentrarem-se na componente que mais lhe interessam e que necessitam.
  • 24. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt Como principais obstáculos podemos referir a necessidade de automotivação, auto- disciplina e autonomia por parte do formando assim como a adptação a novos contextos e papéis por parte do formador.
  • 25. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.19 Natureza geral da aprendizagem online Notas: Como visto na tabela acima, a aprendizagem on-line pode ser diferente de uma experiência de sala de aula tradicional. Uma das diferenças é o método de comunicação. Muitas das comunicações ocorrem através de mensagens escritas, a habilidade escrita e a capacidade de colocar os pensamentos em palavras são essenciais para os estudantes. Por esta razão, os alunos com fracas habilidades de escrita podem estar em desvantagem numa aula on-line. Por outro lado, ter que escrever oferece oportunidade de se refletir sobre as respostas (pensar em voz alta), especialmente num ambiente assíncrono (principalmente usando um fórum de discussão) que não necessita de um aluno para responder imediatamente. Um dos benefícios de qualquer curso de aprendizagem on-line muitas vezes resulta na melhoria das habilidades de comunicação, devido à abundância de escrita prática.
  • 26. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt A outra vantagem é que a forma de comunicação em cursos de aprendizagem on-line muda a dinâmica social da educação. Num ambiente de aprendizagem on-line, os alunos e instrutor terão oportunidades de contribuir com ideias ou comentários, sobre notas de lições e materiais de um tutor. Os alunos podem aprender uns com os outros, partilhando a sua experiência durante uma série de discussão. Por esta razão, o instrutor de um curso on-line deve adotar um papel de facilitador ou moderador que incentiva a participação e mantém discussões focadas em determinados temas. Como resultado, este estará envolvido em tarefas muito diferentes do ensino em sala de aula tradicional, que muitas vezes é basicamente uma apresentação do material. No e-learning, o formador tem à sua disposição um conjunto de ferramentas que lhe permitem estar em contacto com os formandos, tais como os chat, onde os formandos podem dialogar uns com os outros em tempo real, através de mensagens escritas; os fóruns, onde são publicadas mensagens de formandos e formadores (por exemplo, com questões sobre determinadas matérias dos cursos); o e-mail; e as salas de aula virtuais, que incluem vários dispositivos electrónicos que simulam o ambiente de sala de aula no monitor do PC.
  • 27. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.20 Natureza geral da aprendizagem online Notas: Outro dado a ter em conta é a interatividade dos próprios conteúdos, com destaque para os conteúdos dinâmicos, com recursos multimédia, nomeadamente, animações flash, registos áudio e vídeo, formulários interativos, entre outros.
  • 28. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.21 Online versus tradicional Notas: Neste momento peço a sua reflexão sobre o ensino online - o que é a sua sensação? Como se sente a navegar na web? Que sentido tem para si? Como pode desenvolver trabalho num ambiente on-line com os seus alunos? Muitos dos professores ditos tradicionais que recorrem aos modelos de ensino tradicional e neste momento estão a refletir sobre a formação online. Não obstante, ainda reside alguma desconfiança sobre a eficácia quando comparada com os cursos presenciais. A eficácia do ensino on-line e do ensino tradicional tem sido uma fonte contínua de discussão, mas cada vez menos esta é a questão, porque a educação online está aqui para ficar!
  • 29. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.22 Modos de Formação Notas: Preparar profissionais não acaba com a transmissão do Know-how (saber-fazer) profissional, mas inclui também a sua preparação mínima para o ingresso no mundo de trabalho e não apenas no mundo da profissão. Cada vez mais é importante balancear os modos de formação no sentido de dar resposta às expectativas dos estudantes e às necessidades do mercado. A compreensão do contexto formativo irá ditar a seleção de diferentes modos de formação que podem ir desde a formação em sala, mais tradicional sem recurso às tecnologias, à seleção de uma formação dita presencial com a utilização das tecnologias para enriquecer o ambiente formativo, o formato blended-learning, ou seja misto, em que há claramente a preparação de aulas online que serão completadas e apoiadas com formação presencial, ainda o caso das formações em que as sessões decorrem
  • 30. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt maioritariamente online e onde as sessões presenciais são usadas essencialmente para garantir as identidades no processo de avaliação. Por fim poderemos também promover a formação apenas online. Não existem soluções mágicas, nem fórmulas perfeitas, com determinação de um número exato de aulas online e presenciais a ministrar, e cada caso exige uma resposta específica em concordância com o contexto, os objetivos e as características do público alvo. A formação totalmente presencial tradicional, poderá ser a melhor opção, assim como a formação totalmente online.
  • 31. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.23 Professor: Funções Pedagógicas Notas: Na sociedade em que vivemos a única característica estável é a sua instabilidade no sentido de uma contínua mudança. A massificação da internet aproxima o mundo divulgando novas técnicas, e sobretudo diferentes culturas e mentalidades. O formador/professor, importante agente de mudança, deve estar atento ao mundo que o rodeia e às transformações sociais e tecnológicas. No exercício das suas funções pedagógicas, o formador deve dominar, nomeadamente:
  • 32. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.24 Perfil de um professor /tutor online Notas: Para ser um tutor online, e se é um formador dito “tradicional”, necessita de pensar diferente, pensar mais no processo e tutoria da aprendizagem do que nos conteúdos. De modo geral importa  Possuir conhecimentos técnicos;  Possuir conhecimentos sobre a comunicação online;  Possuir conhecimentos sobre os conteúdos e currículo online;  Possuir a capacidade de motivação e sensibilização para as relações online.
  • 33. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.25 Numa dimensão predominantemente social Notas: Isso exige um elevado índice de disponibilidade por parte dos formadores, a quem é exigido um apoio ao formando em moldes substancialmente diferentes dos que são feitos nas salas de aulas, em horários previamente definidos. Podemos enquadrar os papéis do formador em 4 grandes dimensões: dimensão social, de gestão, pedagógica e técnica. Numa dimensão predominantemente social, é importante que o formador/tutor . Ajude a estabelecer um tom positivo e útil às mensagens; . Seja capaz de construír um clima de confiança;
  • 34. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt • de Corrigir com consideração; • e de Motivar os alunos para o envolvimento na estratégia de aprendizagem.
  • 35. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.26 Dimensão técnica do papel do e-tutor Notas: Dimensão técnica do papel do e-tutor, é importante que este se sinta confiante na utilização das ferramentas escolhidas, e que promova uma utilização também confortável por parte dos alunos. Se o professor ou os alunos não estiverem familiarizados com a ferramenta em uso, por exemplo com um fórum de discussão, poderão necessitar de despender algum tempo na resolução de problemas técnicos, afastando-se da discussão do tema em debate. Assim, é importante que todos tenham as orientações técnicas necessárias à participação online.
  • 36. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.27 Alguns conselhos para a gestão: Notas: Na dimensão de gestão podemos identificar as seguintes principais funções: • Planear cuidadosamente a utilização do fórum de discussão incluindo a sua calendarização e regras de funcionamento, tais como a frequência aconselhável de acesso, o número mínimo de mensagens esperadas, e as expectativas de participação • Criar um fórum de apoio que explique os procedimentos e encoraje os alunos a inserir as suas dúvidas e comentários durante o curso • Solicitar que cada aluno introduza um post com a biografia no início do curso
  • 37. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt • Colocar uma questão de cada vez • Colocar questões que requeiram a demonstração do entendimento por parte dos alunos e permitam mais do que uma resposta correcta. Evitar questões cuja resposta possa ser sim ou não • Não colocar na questão a própria resposta. Esperar depois de fazer a pergunta, enquanto os alunos pensam • Estruturar questões que encorajem a interacção entre os alunos, por exemplo, referenciando respostas dadas anteriormente • Gerir o tempo da discussão, por exemplo uma ou duas semanas por tópico • Intervir para alterar o ritmo e/ou a direcção da discussão . Envolver todos os alunos, o mais possível, na discussão perguntando, por exemplo, se estão de acordo com o que acabou de ser dito, ou se mais alguém tem outro exemplo ou ponto de vista • Procurar consenso nas respostas correctas, se um aluno responde correctamente perguntar aos colegas se concordam • Desencorajar os alunos que monopolizam a discussão com comentários do tipo “gostava de ouvir outros colegas também” ou atribuir funções específicas ao aluno que domina a discussão, tal como a tarefa de sumariar periodicamente as contribuições • Ter cuidado para não tratar assuntos privados em mensagens públicas • Enviar mensagens privadas aos alunos que não estão a participar activamente, a fim de os encorajar na participação
  • 38. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.28 Alguns conselhos para a gestão Notas: Na dimensão de gestão No que concerne à moderação de sessões síncronas, de chat por exemplo, no contexto educativo, é importante: • Planear e preparar cuidadosamente as sessões (definir objetivos, escrever previamente os textos e questões a colocar); • Anunciar/agendar a sessão síncrona antecipadamente (com pelo menos 24 horas de antecedência); • Definir as regras de participação; • Limitar a duração das sessões;
  • 39. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt • Limitar o número de participantes (máximo de 10 a 12); • Respeitar os horários definidos; • Manter a sessão síncrona dentro do tópico definido; • Disponibilizar a transcrição da sessão. Para as atividades de grupo em geral é importante: • Planear cada etapa do trabalho de grupo; • Explicar cuidadosamente à turma como os grupos irão funcionar; • Auxiliar os alunos na aquisição de competências necessárias para o sucesso do grupo; • Criar um documento escrito com a descrição do trabalho e prazos de entrega; • Ajudar os alunos a planear os procedimentos; • Verificar, regularmente, o trabalho de cada grupo; • Fornecer mecanismos para os grupos lidarem com os membros que não colaboram.
  • 40. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.29 Perfil de um professor /tutor online Notas: Isso exige um elevado índice de disponibilidade por parte dos formadores a quem é exigido um apoio ao formando em moldes substancialmente diferentes dos que são feitos nas salas de aulas, em horários previamente definidos. Podemos enquadrar os papéis do formador em 4 grandes dimensões: dimensão social, de gestão, pedagogica e técnica. Numa dimensão predominantemente social, é importante que o formador/tutor . Ajude a estabelecer um tom positivo e útil às mensagens; . Seja capaz de construír um clima de confiança;
  • 41. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt • de Corrigir com consideração; • e de Motivar dos alunos para o envolvimento na estratégia de aprendizagem.
  • 42. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.30 Perfil esperado de um estudante online Notas: No que aos formandos diz respeito, os alunos que optam por participar de cursos online precisam avaliar o seu perfil pessoal, habilidades e aptidões para fazer um curso on-line. Há atributos que poderão contribuir para o sucesso de um estudante online nomeadamente: Automotivação - Estudantes podem direcionar o seu próprio ambiente de aprendizagem e métodos para cumprir os requisitos do curso e alcançar o sucesso acadêmico individual. Aluno Independente - O ambiente online permite que os alunos aprendam ao seu próprio ritmo. Alfabetizados computador - Embora não seja necessário ter conhecimentos avançados,
  • 43. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt os alunos devem possuir um conhecimento prático sobre e-mail, Internet, bem como habilidades básicas de digitação. A gestão do tempo - Os alunos devem ser capazes de organizar e planear o seu próprio tempo "tempo para aprender”. Não há o melhor momento para todos, mas a chave para a aprendizagem é fazer com que surja o tempo para aprender. Capacidade de comunicação escrita eficaz - Os alunos devem utilizar o email e os fóruns de discussão para comunicar com os seus pares, bem como os instrutores. A capacidade de escrever de forma clara para comunicar ideias é essencial. Compromisso pessoal - Porque não há campainhas que indicam o início e o fim das aulas, os alunos devem ter um forte desejo de aprender e alcançar conhecimentos e habilidades via cursos online. Por último, mas não menos importante, os alunos online bem-sucedidos são os alunos que decidem por si mesmos que a aprendizagem online é uma escolha que eles querem fazer.
  • 44. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.31 Perfil esperado de um estudante online
  • 45. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.32 Questinonário Notas: O e-learning é certo para mim enquanto estudante? Embora a aprendizagem online pode ser uma alternativa atraente comparando com a alternativa de sala de aula tradicional, há desafios inerentes a esta modalidade de formação. Para determinar o grau de adequação do seu perfil para a formação online convido a responder ao questionario disponibilizado.
  • 46. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.33 Questões do questionário
  • 47. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.34 Componentes de um curso típico de aprendizagem on-line:
  • 48. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.35 Teste os seus conhecimentos
  • 49. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.36 1. Qual destas expressões é sinónimo de e-learning? Correta Escolha Curso Semi presencial Ensino eletrónico Aprendizagem a distância X Formação a distância via Internet
  • 50. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.37 2. Defina o conceito de Blended Learning. Correto Escolha Modelo híbrido de e-learning que inclui uma componente de ensino em sala de aula tradicional. X Paradigma de formação que combina eventos online com eventos de formação presencial. Sistema de ensino no qual a formação é repartida pela Internet e por eventos offline. Modelo de formação a distância via Internet que inclui, pelo menos, 160 horas de formação presencial.
  • 51. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.38 3. Existem algumas barreiras algumas vezes apontadas ao e-learning, ao nível pedagógico: Correto Escolha X Falta de conhecimento sobre as metodologias de aprendizagem na modalidade online, havendo a necessidade de introduzir melhorias nos conteúdos e na pedagogia. Falta de conteúdos de qualidade. Sobrevalorização dos aspetos tecnológicos, que se traduz num investimento excessivo em profissionais de áreas como a programação, em detrimento de áreas como o design instrucional. Dificuldades em criar um sistema eficaz para avaliação dos formandos de cursos online.
  • 52. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.39 4. Quando a aprendizagem é dirigida essencialmente a adultos e é mediada por computador assume o termo geral de aprendizagem eletrónica ou a distância. Correto Escolha X Verdadeiro Falso
  • 53. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.40 5. A aprendizagem caracteriza-se essencialmente por ser: Correto Escolha X Pessoal, dinâmico, ideia de mudança, global, contínuo, gradativo, cumulativo Em grupo, dinâmico, suportado em tecnologias, contínuo, gradativo, cumulativo Pessoal, estático, ideia de evolução, global, contínuo, gradativo, cumulativo Pessoal, dinâmico, ideia de mudança, circunscrito, contínuo, gradativo, cumulativo
  • 54. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.41 6. A aprendizagem caracteriza-se essencialmente por ser: Correto Escolha X Pessoal, dinâmico, ideia de mudança, global, contínuo, gradativo, cumulativo Em grupo, dinâmico, suportado em tecnologias, contínuo, gradativo, cumulativo Pessoal, estático, ideia de evolução, global, contínuo, gradativo, cumulativo Pessoal, dinâmico, ideia de mudança, circunscrito, contínuo, gradativo, cumulativo
  • 55. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.42 7. O termo b-learning terá surgido pela primeira vez em: Correto Escolha 1998 X 2000 2002 2004
  • 56. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.43 8. O modelo de b-learning pretende valorizar o melhor do presencial e do online. Correto Escolha X Verdadeiro Falso
  • 57. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.44 9. Como principais potencialidades do e/b-learning podemos identificar: Correto Escolha X Flexibilidade de tempo, lugar e a adaptação a preferências individuais aos conteúdos e aos estilos de aprendizagem. Ser suportado nas tecnologias logo está mais perto dos hábitos dos estudantes. Poder manter as tradicionais formas de ensinar e aprender. Flexibilidade de tempo, meios e a adaptação a preferências individuais relativas às turmas.
  • 58. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.45 10. Como principais obstáculos ao e/b-learning na perspetiva do formando podemos referir: Correto Escolha X A necessidade de automotivação, autodisciplina e autonomia A necessidade de ter acesso à tecnologia A necessidade de trabalhar em rede e de ter internet de acesso lento A necessidade de motivação por parte do formador e dos restantes colegas
  • 59. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.46 11. Como principais obstáculos ao e/b-learning na perspetiva do formador podemos referir: Correto Escolha A necessidade de trabalhar em rede X A necessidade de adaptação a novos contextos e papéis A necessidade de ter acesso à tecnologia A necessidade de automotivação
  • 60. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.47 12. Um formador/tutor online deve possuir as seguintes principais competências: Correto Escolha Conhecimentos sobre as tecnologias internet Conhecimentos sobre o moodle X Conhecimentos sobre as tecnologias, a comunicação e curriculo online, sobre os conteúdos e a capacidade de motivação Conhecimentos sobre as tecnologias de comunicação online, sobre a construção de conteúdos
  • 61. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.48 13. Os papéis do formador podem ser enquadrados nas seguintes dimensões: Correto Escolha Gestão, financeira, pedagógica e social X Gestão, técnica, pedagógica e social Conteúdos, técnica, pedagógica e social Gestão, técnica, pedagógica e comunicação social
  • 62. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.49 13. As principais características desejáveis num estudante online são: Correto Escolha X Verdadeiro Falso
  • 63. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.50 15. A compreensão do contexto formativo irá ditar a seleção de diferentes modos de formação que podem ir desde a formação em sala, mais tradicional sem recurso às tecnologias, à formação totalmente online. Correto Escolha X Verdadeiro Falso
  • 64. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.51 16. Existem fórmulas que permitem, determinar o número de sessões presencias e online por comparação à definição do curso tradicional/presencial. Correto Escolha Verdadeiro X Falso
  • 65. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.52 Resultados
  • 66. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.53 Sugestões de leitura (opcional): Notas: Eis algumas leituras, que embora sejam opcionais, revestem-se de grande interesse. Fica aqui o convite caso pretenda aprofundar esta temática
  • 67. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.54 Sugestões de leitura (opcional): Notas: Mais algumas leituras interessantes.
  • 68. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.55 Sugestões de leitura (opcional): Notas: Mais algumas leituras interessantes.
  • 69. e-IPP | Unidade de e-Learning e Inovação Pedagógica do IPP | e-ipp@sc.ipp.pt | http://e-ipp.ipp.pt 1.56 Ficha Técnica