SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
CLC
                               Urbanismo e Mobilidade
                                       DR 4
                                    MIGRAÇÔES


                    Os diferentes tipos de fluxos migratórios.

        Em Portugal, o fluxo migratório tem vindo a diminuir nos últimos anos, reduziu-se
em cerca de seis mil imigrantes, caindo de 34 mil em 2004 para 28 mil em 2005. Tal
diminuição dos fluxos migratórios com destino a Portugal, é motivada pelo pouco
crescimento económico do país, o que origina a diminuição significativa de vistos de trabalho
concedidos por Portugal, de 12.800 em 2004 para 7.800 em 2005. Por outro lado tem
aumentado os vistos temporários de permanência no país e os concedidos aos estudantes,
que aumentaram em 2005 para um total de 8.350. Do total dos 432 mil estrangeiros
registados a viver em Portugal em 2005 a maioria era oriunda do Brasil (70,4 mil), seguido
de Cabo Verde (69,6 mil), Ucrânia (44,9 mil), Angola (34,6 mil), Guiné-Bissau (25,2 mil),
Reino Unido (19 mil) e Espanha (16,4 mil). O nível de imigração ilegal na Europa representa
cerca de um por cento da população. Os principais fluxos de imigrantes que chegaram à
Europa em 2005 resultaram dos países do centro e do Leste da Europa, devido à escassez
de empregos indiferenciados nesses países fez com que estes migrassem para sul, para a
Península Ibérica, onde existiam grandes necessidades de mão-de-obra para a construção
civil e agricultura nos dois países ibéricos. A maioria desses imigrantes estava dividida em
dois grupos, os eslavos: Ucranianos, Russos e Búlgaros, e os latinos de leste: Romenos e
Moldavos. Um dos maiores grupos e que se fixou nas regiões de Lisboa, Setúbal, Faro e
Porto são os Ucranianos, e ninguém sabe ao certo o seu número total. No entanto, o número
de imigrantes legais, é de cerca de 70%, sendo este número muitas vezes inferior à
realidade. O grupo é de tal forma numeroso que fez com que a Ucrânia de país distante e
desconhecido passasse a familiar e que a maioria dos imigrantes de leste seja vista pelos
portugueses como "ucranianos”
                                                                 http://pt.wikipedia.org (Adaptado)

       O conceito de imigração refere-se às pessoas que se mudam para um outro país. É
o acto de entrada de um país para outro, de pessoas com visto permanente ou temporário e
com a intenção de trabalhar ou de residir. A imigração em geral da-sé por iniciativa pessoal,
para buscar melhores condições sociais e financeiras.
       A emigração é o acto de saída voluntária de deixar o país onde se nasceu e reside
para se estabelecer num país estrangeiro.
       As transferências de população dentro das mesmas fronteiras políticas, são
migrações internas; chamando-se de êxodo rural ou êxodo urbano. As internacionais;
são migrações externas; podendo ser intracontinentais ou intercontinentais.
        Em geral, as migrações têm partido das áreas de alta pressão demográfica para as
de menor pressão demográfica. As regiões que contam com um número excessivo de
habitantes, em comparação com os recursos existentes, caracterizam-se como áreas de
expulsão de contingentes demográficos, enquanto as de menor pressão demográfica e
possuidoras de maiores recursos denominam-se áreas de atracção.
       Ao aumentar a população, ou diminuírem os recursos, a migração serve de
instrumento para restabelecer o equilíbrio.




Fernando Sá                              Gestão de Redes
Fluxos migratórios são o deslocamento da população em carácter definitivo ou
temporário, podem ser voluntários ou forçados e ainda podem ser migrações legais ou
clandestinas, motivados por factores sazonais sociais ou económicos.
       A Transumância é a migração ou deslocamento de uma zona rural para outra, pode
ser periódica ou sazonal, é realizada por um determinado período de tempo ou épocas do
ano. Como no caso dos pastores que permanecem, durante o inverno, na planície e nos
vales, com os seus rebanhos e no verão, deslocam-se para as encostas montanhosas,
muito característico em regiões da Europa, Ásia e África, ou como é a migração dos
docentes, que na sua maioria, são colocados, (muitas vezes sem grande vontade) quase
todos os anos lectivos em escolas diferentes e por vezes, longe das suas residências.




     Causas de ordem social e cultural que podem levar às migrações.

        Motivadas por difíceis condições socioculturais a que foram sujeitas nos seus países
de origem, como sendo; de subsistência e de pobreza, económicas; inexistência ou
esgotamento de recursos naturais; perseguições políticas ou religiosas, étnicas ou raciais
bem como fenómenos naturais desfavoráveis; terramotos, secas prolongadas ou erupções
vulcânicas, mas também por razões de ordem da educação, da cultura, da investigação
científica ou turística.
        Mesmo que uma boa parte possua elevadas qualificações profissionais e académicas,
nesses países recém convertidos ao capitalismo. Estimulam esporadicamente a
movimentação de pessoas para áreas ou países que não as de origem, na esperança de
encontrarem melhores condições de existência.
        Económicas: Provavelmente deverá ser a causa fundamental que leva as pessoas a
migrarem, quase sempre resultante da diferença de desenvolvimento socioeconómico entre
países ou entre regiões. Quase sempre, nestes casos, os indivíduos migram porque querem
assegurar noutros locais um melhor nível de vida, onde os salários são mais elevados, as
condições de trabalho menos pesadas, onde a assistência social é mais eficaz, enfim, vão
para onde pensam ir encontrar uma vida mais agradável, o que, nem sempre acontece. Por
exemplo, ir trabalhar para a Alemanha, pois dum modo geral, os salários lá, são mais
elevados.
        Naturais: Dum modo geral, este motivo de migrações, leva a que sejam migrações
forçadas, pois devido a causas naturais (cheias, terramotos, secas, vulcões...) a vida e a
sobrevivência das pessoas fica em risco, pelo que se vêem forçadas a abandonar os seus
locais de residência
        Culturais: Poucos consideram este motivo uma causa de migração, contudo, há
muitas pessoas que se deslocam, normalmente temporariamente, para outros locais, apenas
com uma finalidade cultural, ou de enriquecimento de conhecimentos. Por exemplo, ir a
outro país tirar um curso de pós graduação, ou um doutoramento, ter de sair do local de
residência porque a universidade ou faculdade onde um estudante conseguiu entrar se situa
muito longe de casa.
        Políticas: São dum modo geral migrações externas, que devido a mudanças nos
governos de países, alguns habitantes se vêem forçados (mas nem sempre) a saírem desse
país. Por exemplo, quando se deu a independência de alguns países africanos, muitos dos
seus habitantes tiveram de sair deles e ir para outros países; aconteceu com os portugueses




Fernando Sá                             Gestão de Redes
em Angola, Moçambique, Guiné, mas também com franceses em Marrocos, Argélia,
Indochina, ou com ingleses na ex-Rodésia,
        Religiosos: Há muitas migrações, muitas delas externas, cujo único objectivo é a
deslocação a um determinado centro de fé, de acordo com a religião de cada indivíduo.
Como exemplo podem-se citar as peregrinações a Fátima, Santiago de Compostela
(Espanha), Lourdes (França), Meca (Arábia), entre muitos outros espalhados pelo mundo.
Aliás, a título de curiosidade, a religião muçulmana obriga cada um dos seus crentes a
deslocarem-se pelo menos uma vez na vida, a Meca, ao túmulo do profeta.
        Étnicas: Esta palavra, muitas vezes confundida com racismo, tem mais a ver com
diferenças entre culturas e povos, podendo ou não ser da mesma raça. Por exemplo, na II
Guerra Mundial, havia muitos judeus na Alemanha e, para Hitler, eles constituíam um povo
inferior, pelo que tentou exterminá-los, contudo, eles eram ambos (alemães e judeus) de
raça branca. Também recentemente, na ex Jugoslávia, muitos povos se viram forçados a
emigra apenas por pertencerem a outra cultura.
        Turísticas: São as que se efectuam normalmente, pela maioria das pessoas, em
determinadas épocas (ou estações) do ano, que por isso mesmo, também são uma forma de
migrações sazonais. São aquelas deslocações que se efectuam no período das férias de
Verão, Natal, Páscoa, entre outras.


   De que forma as migrações contribuem para uma maior diversidade
                               cultural.

       “Existe um acordo geral entre grandes antropólogos de renome mundial que
defendem a teoria de que o primeiro ser humano surgiu aqui na Europa, há
aproximadamente dois milhões de anos atrás. E por conseguinte desde então temos nos
espalhado por todo o mundo, e com grande sucesso porque conseguimos chegar até aos
dias de hoje adaptando-nos às diferentes condições, como por exemplo, as mudanças
climáticas. Nas muitas sociedades que apareceram espalhadas pelo planeta diferem muito
ou pouco umas das outras, e muitas dessas diferenças persistem até hoje.”

        As diferenças culturais mais evidentes existentes entre os povos, são a língua, a
roupa ou as tradições. Existem também diferenças significativas na forma como as
sociedades se organizam na sua concepção partilhada da moral e dos bons costumes e na
maneira como interagem no seu ambiente. Por analogia com a biodiversidade, que é
considerada essencial para a sobrevivência da vida na Terra. É possível argumentar que a
diversidade cultural pode ser vital para a sobrevivência da humanidade e que a preservação
das culturas indígenas por exemplo pode ser tão importante para a humanidade como a
conservação das espécies e dos ecossistemas para a vida em geral.
        Cada pessoa que imigra ou emigra do seu local de origem para outro, quer dentro do
seu próprio país, quer para outro, mesmo que seja para o lado do mundo oposto ao local
onde nasceu, leva sempre consigo a sua verdadeira identidade. Quer seja ao nível social,
político ou religioso, os seus hábitos, tradições e crenças acompanham-nos. Dificilmente um
Católico se converte ao Islamismo, ou ao Judaísmo, ou Hinduísmo, ou ao Budismo. Assim
acaba por levar a sua cultura para outros povos e fazem conhecer os seus custumes.
        Temos os exemplos actuais de que tanto se tem falado, “As maravilhas Portuguesas
espalhadas pelo mundo” esses são um sinal evidente e inequívoco das diferenças culturais




Fernando Sá                             Gestão de Redes
e da partilha de cultura riquíssima entre os povos. Muitas dessas partilhas subsistem até aos
dias de hoje, para grande orgulho de todos nós que somos portugueses.
        Cá em Portugal, falando de Brasileiros residentes, que trouxeram muito da sua cultura
no que diz respeito por exemplo, às famosíssimas telenovelas onde todos os seus enredos
com todas as suas tradições e modos de vida, passando pelo modo de pronunciar o
português, como pelos gostos gastronómicos; picanha, feijão preto, farofa, banana frita,
coco, entre outros, culturais; ginásios e halt clubs para prática de “Esport”, todos os
desportos associados ao mar, (divórcios também), entre outros. Fomos muitíssimo
influênciados pela cultura brasileira sendo já certamente indissociável da nossa própria
cultura à qual muitos de nós certamente já nos rendemos.
        Da nossa própria diversidade cultural podemos falar como regionalismo, do nosso
típico Vinho do Porto, o Queijo da serra da Estrela, do Galo de Barcelos, os Fados
tradicionais, ou os Ranchos do Minho, entre outras, tão apreciados e conhecidos em todo o
mundo. Passando também mais propriamente aqui na zona do Porto, a troca dos “B-Bês”
pelos “V-Vês” no modo de prenunciar a língua portuguesa.


   Enumere um caso do seu quotidiano em que conviva com pessoas de
    outras culturas e dê a sua opinião quanto ao tratamento que essas
                     pessoas têm na nossa sociedade.

        Eu pessoalmente não tenho nenhum tipo de comportamento racista ou xenófobo. A
nível de trabalho ajudo e tenho o mesmo comportamento com os imigrantes como tenho
com um colega patriota. O espírito de respeito e de entreajuda está bem vincado na minha
personalidade. No período escolar, sempre tive colegas de outras nacionalidades,
nomeadamente Africanos, Indianos e Brasileiros, e nunca tive alguma dificuldade no nosso
relacionamento. O meu filho esteve num infantário desde os seis meses de idade até aos 12
anos, e curiosamente tinha lá um colega com a cor da pele mais escura do que a nossa,
proveniente de São Tomé e Príncipe. Quando entrou para a pré-primária esse colega tinha
uma grande inclinação para o “arranhar com as unhas” na face. Quando o ia buscar ao
infantário ele vinha marcado, e eu já sabia que era colega que o arranhava. Um dia, falei
com o menino e disse-lhe para não arranhar mais o meu filho e de facto a minha conversa
teve efeito.
        Conclusão o meu filho e ele foram colegas de Infantário, de Escola Primária, de Ciclo,
e andaram juntos, sempre nas mesmas salas e Turmas, até este próximo ano lectivo
acabado de findar, altura que passaram para o 11º Ano. Em suma, sempre ensinei o meu
filho a não chamar o colega por qualquer adjectivo sem ser pelo seu nome próprio. Eles os
dois são os únicos colegas que andaram juntos desde o Infantário. Dão-se muito Bem! Que
bonito que é!
        Em contexto de trabalho o meu relacionamento com pessoas de outra nacionalidade,
raça ou cor da pele, é exactamente o mesmo que quero que todas as pessoas tenham
comigo. Nunca fui de descriminar ninguém! Respeitador do meu semelhante, com grande
espírito de entreajuda. Sou amigo de todas as pessoas independentemente da cor da sua
pele, origem, ideologias políticas, religiosas ou portadores de doenças ou deficiência.
Considero todo o meu próximo com o igual. Nas questões laborais, todas as funções são
para desempenhar num contexto de entreajuda e colaboração com todos os colegas,
independentemente da sua nacionalidade.




Fernando Sá                              Gestão de Redes
As principais causas que conduzem à emigração, à imigração ou às
                           migrações internas.

       Condicionados pela desertificação das Aldeias e Vilas do interior do norte ao sul de
Portugal, muito por culpa dos fracos acessos e incentivos estatais para que qualquer
empresa se estabeleça nesses locais, e pelas dificuldades económicas e financeiras, que se
vai vivendo em todo o mundo. As populações estão muito envelhecidas, porque as gerações
pouco ou nada se renovam com uma baixa taxa de natalidade. Ora estas pessoas de idade
apegaram-se muito ao local onde foram nascidas e criadas, muitas vezes herdando pedaços
de terra a que se dedicam a lavrar pequenas lavouras, para daí tirarem o seu sustento,
porque não tem outro meio de rendimento. Os poucos casais novos que existem por lá ao
resolverem constituir família, aventuram-se a começar uma vida nova longe das aldeias, nas
grandes cidades do litoral onde existem mais fábricas, mais comércio onde a possibilidade
de arranjar um emprego é maior, e mais possibilidades de ter uma vida mais confortável
através de um emprego proporcionando à sua geração melhores condições de vida.



    Com base nessa experiência, os aspectos negativos e os aspectos
           positivos que estes fluxos migratórios podem ter.

       A situação da imigração em Portugal é sem dúvida um aspecto de grande relevo na
realidade nacional, quer pelo contributo dos imigrantes ao desenvolvimento do País, quer
pelas difíceis condições de vida em que a grande maioria se encontra.
       É corrente ver-se hoje em Portugal, mulheres imigrantes a trabalhar como
domésticas, auferindo baixos ordenados e em condições deploráveis, sem qualquer contrato
de trabalho ou segurança social. Quando deixam de interessar às "patroas" são
simplesmente despedidas sem direito a qualquer compensação. Tem vindo a aumentar o
número de casos de agressões a estas trabalhadoras imigrantes. Estas trabalhadoras
imigrantes, mantidas à margem da lei, não fazem qualquer tipo de descontos para a
segurança social, e portanto não podem beneficiar de qualquer tipo de apoio. Para agravar
esta situação, a maioria desconhece a língua portuguesa ou tem inúmeras dificuldades em
expressar-se de forma compreensível em português. Desta forma tornam-se mais
vulneráveis a todas as relações mafiosas.
       Muitas vezes, após longos meses ou anos de sacrifícios, o imigrante ilegal obtém
finalmente a "promessa de contrato de trabalho". Mas quando começa a tratar dos
documentos das entidades oficiais como o SEF ou o IEFP, descobrem que afinal a
"promessa de contracto de trabalho" de nada vale, porque não existe emprego nenhum.
Todos os seus sacrifícios e brutais explorações de que foi vítima revelam-se em vão. A única
saída para muitos é continuarem a manterem-se ilegais. Todo o sistema funciona de
maneira a que pela burocracia ficam na marginalidade, milhares de ilegais às mãos de redes
de exploradores sem escrúpulos
       A actual situação dos imigrantes ilegais em Portugal revela uma enorme falta de
respeito pela dignidade humana. A situação é sob todos os pontos de vista intolerável. A
única forma de combater a imigração ilegal exige mais do que medidas punitivas. A
experiência mostra que a medida mais eficaz é a de exigir que quem emprega alguém



Fernando Sá                             Gestão de Redes
respeite as leis do país, assegurando aos trabalhadores todos os direitos. Só desta forma se
combate o lucrativo tráfico de pessoas e de exploração dos imigrantes ilegais.




Fernando Sá                              Gestão de Redes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Stc 6 reflexão_silvia_fernandes
Stc 6 reflexão_silvia_fernandesStc 6 reflexão_silvia_fernandes
Stc 6 reflexão_silvia_fernandesSILVIA G. FERNANDES
 
Ruralidade e urbanismo
Ruralidade e urbanismoRuralidade e urbanismo
Ruralidade e urbanismoMarina
 
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2I.Braz Slideshares
 
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)joaokota
 
Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5joaokota
 
Comentário a "Portugal,um retrato social-ep.1"
Comentário a "Portugal,um retrato social-ep.1"Comentário a "Portugal,um retrato social-ep.1"
Comentário a "Portugal,um retrato social-ep.1"Arita155
 
Dr1 val. étic.e cultu.
Dr1 val. étic.e cultu.Dr1 val. étic.e cultu.
Dr1 val. étic.e cultu.ruigalvao
 
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_epptClc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_epptSILVIA G. FERNANDES
 
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]SILVIA G. FERNANDES
 
Descodificação referencial clc-ietc
Descodificação referencial clc-ietcDescodificação referencial clc-ietc
Descodificação referencial clc-ietcMarisa Paço
 
Proposta de trabalho ficha nº2
Proposta de trabalho ficha nº2Proposta de trabalho ficha nº2
Proposta de trabalho ficha nº2turmab
 
Ng4, 5, 6, 7
Ng4, 5, 6, 7Ng4, 5, 6, 7
Ng4, 5, 6, 7escola
 

Mais procurados (20)

CLC 6
CLC 6CLC 6
CLC 6
 
Reflexão - CP4
Reflexão - CP4Reflexão - CP4
Reflexão - CP4
 
CLC_6_TRABALHOS APRESENTADOS
CLC_6_TRABALHOS APRESENTADOSCLC_6_TRABALHOS APRESENTADOS
CLC_6_TRABALHOS APRESENTADOS
 
Stc 6 reflexão_silvia_fernandes
Stc 6 reflexão_silvia_fernandesStc 6 reflexão_silvia_fernandes
Stc 6 reflexão_silvia_fernandes
 
Ruralidade e urbanismo
Ruralidade e urbanismoRuralidade e urbanismo
Ruralidade e urbanismo
 
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
 
Ng 2 dr1
Ng 2 dr1Ng 2 dr1
Ng 2 dr1
 
Dr2 final
Dr2 finalDr2 final
Dr2 final
 
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
 
Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5
 
CLC 5
CLC 5CLC 5
CLC 5
 
Comentário a "Portugal,um retrato social-ep.1"
Comentário a "Portugal,um retrato social-ep.1"Comentário a "Portugal,um retrato social-ep.1"
Comentário a "Portugal,um retrato social-ep.1"
 
CLC 6
CLC 6CLC 6
CLC 6
 
Dr1 val. étic.e cultu.
Dr1 val. étic.e cultu.Dr1 val. étic.e cultu.
Dr1 val. étic.e cultu.
 
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_epptClc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
 
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
 
Cp4 Movimentos Migratórios
Cp4 Movimentos MigratóriosCp4 Movimentos Migratórios
Cp4 Movimentos Migratórios
 
Descodificação referencial clc-ietc
Descodificação referencial clc-ietcDescodificação referencial clc-ietc
Descodificação referencial clc-ietc
 
Proposta de trabalho ficha nº2
Proposta de trabalho ficha nº2Proposta de trabalho ficha nº2
Proposta de trabalho ficha nº2
 
Ng4, 5, 6, 7
Ng4, 5, 6, 7Ng4, 5, 6, 7
Ng4, 5, 6, 7
 

Destaque

STC - NG1 - DR1 (Jeferson) Electrodomésticos
STC - NG1 - DR1 (Jeferson) ElectrodomésticosSTC - NG1 - DR1 (Jeferson) Electrodomésticos
STC - NG1 - DR1 (Jeferson) ElectrodomésticosAlfredo Garcia
 
Carta de reclamação
Carta de reclamaçãoCarta de reclamação
Carta de reclamaçãoJuliano Ortiz
 
STC NG4 Gestao Economia
STC NG4 Gestao EconomiaSTC NG4 Gestao Economia
STC NG4 Gestao EconomiaAlberto Casaca
 
Ng1 Equipamentos E Sistemas TéCnicos
Ng1   Equipamentos E Sistemas TéCnicosNg1   Equipamentos E Sistemas TéCnicos
Ng1 Equipamentos E Sistemas TéCnicoscris80
 
Carta de reclamação
Carta de reclamaçãoCarta de reclamação
Carta de reclamaçãokardovsky
 
Power point gestão e economia stc.
Power point gestão e economia stc.Power point gestão e economia stc.
Power point gestão e economia stc.marialurdes72
 
Equipamentos e Sistemas Técnicos dr2
Equipamentos e Sistemas Técnicos dr2Equipamentos e Sistemas Técnicos dr2
Equipamentos e Sistemas Técnicos dr2Vitor Pereira
 

Destaque (8)

STC - NG1 - DR1 (Jeferson) Electrodomésticos
STC - NG1 - DR1 (Jeferson) ElectrodomésticosSTC - NG1 - DR1 (Jeferson) Electrodomésticos
STC - NG1 - DR1 (Jeferson) Electrodomésticos
 
Carta de reclamação
Carta de reclamaçãoCarta de reclamação
Carta de reclamação
 
STC NG4 Gestao Economia
STC NG4 Gestao EconomiaSTC NG4 Gestao Economia
STC NG4 Gestao Economia
 
Ng1 Equipamentos E Sistemas TéCnicos
Ng1   Equipamentos E Sistemas TéCnicosNg1   Equipamentos E Sistemas TéCnicos
Ng1 Equipamentos E Sistemas TéCnicos
 
Carta de reclamação
Carta de reclamaçãoCarta de reclamação
Carta de reclamação
 
Exemplo de uma Reclamação
Exemplo de uma ReclamaçãoExemplo de uma Reclamação
Exemplo de uma Reclamação
 
Power point gestão e economia stc.
Power point gestão e economia stc.Power point gestão e economia stc.
Power point gestão e economia stc.
 
Equipamentos e Sistemas Técnicos dr2
Equipamentos e Sistemas Técnicos dr2Equipamentos e Sistemas Técnicos dr2
Equipamentos e Sistemas Técnicos dr2
 

Semelhante a CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações

Fluxos migratórios
Fluxos migratórios Fluxos migratórios
Fluxos migratórios mariajoao500
 
TolêRancia E MediaçãO
TolêRancia E MediaçãOTolêRancia E MediaçãO
TolêRancia E MediaçãORaposoEFA
 
Migrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptx
Migrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptxMigrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptx
Migrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptxCidaPereiradeSousa
 
Resumo de geografia c - fluxos migratórios e fluxos de turismo
Resumo de geografia c - fluxos migratórios e fluxos de turismoResumo de geografia c - fluxos migratórios e fluxos de turismo
Resumo de geografia c - fluxos migratórios e fluxos de turismoLia Treacy
 
Apresentacao mobilidade da_populacao[1]
Apresentacao mobilidade da_populacao[1]Apresentacao mobilidade da_populacao[1]
Apresentacao mobilidade da_populacao[1]Ana Marcos
 
Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos RefugiadosProcessos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos RefugiadosPatrícia Éderson Dias
 
Objectivos para o teste de geografia
Objectivos para o teste de geografiaObjectivos para o teste de geografia
Objectivos para o teste de geografiaFilipe Machado
 
Densidade populacional
Densidade populacionalDensidade populacional
Densidade populacionalJéssica Pett
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migraçõesabarros
 
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
3º ano e.m (mod. 25) Brasil populaçãoAlexandre Alves
 
Apresentação de geografia
Apresentação de geografiaApresentação de geografia
Apresentação de geografiatyromello
 

Semelhante a CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações (20)

Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Fluxos migratórios
Fluxos migratórios Fluxos migratórios
Fluxos migratórios
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
TolêRancia E MediaçãO
TolêRancia E MediaçãOTolêRancia E MediaçãO
TolêRancia E MediaçãO
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Migrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptx
Migrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptxMigrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptx
Migrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptx
 
Resumo de geografia c - fluxos migratórios e fluxos de turismo
Resumo de geografia c - fluxos migratórios e fluxos de turismoResumo de geografia c - fluxos migratórios e fluxos de turismo
Resumo de geografia c - fluxos migratórios e fluxos de turismo
 
Trb de cp
Trb de cpTrb de cp
Trb de cp
 
Apresentacao mobilidade da_populacao[1]
Apresentacao mobilidade da_populacao[1]Apresentacao mobilidade da_populacao[1]
Apresentacao mobilidade da_populacao[1]
 
Migraçõesesrp
MigraçõesesrpMigraçõesesrp
Migraçõesesrp
 
Migrações no brasil
Migrações no brasilMigrações no brasil
Migrações no brasil
 
Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos RefugiadosProcessos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
 
Objectivos para o teste de geografia
Objectivos para o teste de geografiaObjectivos para o teste de geografia
Objectivos para o teste de geografia
 
Os fluxos populacionais
Os fluxos populacionaisOs fluxos populacionais
Os fluxos populacionais
 
Os fluxos populacionais
Os fluxos populacionaisOs fluxos populacionais
Os fluxos populacionais
 
Densidade populacional
Densidade populacionalDensidade populacional
Densidade populacional
 
Aula 7º (cap.3)
Aula 7º (cap.3)Aula 7º (cap.3)
Aula 7º (cap.3)
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
 
Apresentação de geografia
Apresentação de geografiaApresentação de geografia
Apresentação de geografia
 

Mais de Fernando de Sá

2009 11 04 dr2 processos e métodos científicos - actividade nº1 - versão para...
2009 11 04 dr2 processos e métodos científicos - actividade nº1 - versão para...2009 11 04 dr2 processos e métodos científicos - actividade nº1 - versão para...
2009 11 04 dr2 processos e métodos científicos - actividade nº1 - versão para...Fernando de Sá
 
Protocolos Osi Tcp Ip 2009 10 09
Protocolos Osi   Tcp Ip 2009 10 09 Protocolos Osi   Tcp Ip 2009 10 09
Protocolos Osi Tcp Ip 2009 10 09 Fernando de Sá
 
CLC DR 2 Urbanismo e Mobilidade Questionário
CLC DR 2 Urbanismo e Mobilidade QuestionárioCLC DR 2 Urbanismo e Mobilidade Questionário
CLC DR 2 Urbanismo e Mobilidade QuestionárioFernando de Sá
 
CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...
CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...
CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...Fernando de Sá
 
URBANISMO E MOBILIDADE - MONUMENTOS PORTUGUESES Estilo Neoclássico
URBANISMO E MOBILIDADE - MONUMENTOS PORTUGUESES Estilo Neoclássico URBANISMO E MOBILIDADE - MONUMENTOS PORTUGUESES Estilo Neoclássico
URBANISMO E MOBILIDADE - MONUMENTOS PORTUGUESES Estilo Neoclássico Fernando de Sá
 
A escolha dos componentes para montar um Computador
A escolha dos componentes para montar um ComputadorA escolha dos componentes para montar um Computador
A escolha dos componentes para montar um ComputadorFernando de Sá
 
Sistemas Operativos - Linux
Sistemas Operativos - LinuxSistemas Operativos - Linux
Sistemas Operativos - LinuxFernando de Sá
 
Urbanismo e Mobilidade - Monumentos Portugueses
Urbanismo e Mobilidade - Monumentos PortuguesesUrbanismo e Mobilidade - Monumentos Portugueses
Urbanismo e Mobilidade - Monumentos PortuguesesFernando de Sá
 
A escolha dos componentes de um computador
A escolha dos componentes de um computadorA escolha dos componentes de um computador
A escolha dos componentes de um computadorFernando de Sá
 
Trabalhos dos alunos: Placas Gráficas
Trabalhos dos alunos: Placas GráficasTrabalhos dos alunos: Placas Gráficas
Trabalhos dos alunos: Placas GráficasFernando de Sá
 

Mais de Fernando de Sá (16)

2009 11 04 dr2 processos e métodos científicos - actividade nº1 - versão para...
2009 11 04 dr2 processos e métodos científicos - actividade nº1 - versão para...2009 11 04 dr2 processos e métodos científicos - actividade nº1 - versão para...
2009 11 04 dr2 processos e métodos científicos - actividade nº1 - versão para...
 
Protocolos Osi Tcp Ip 2009 10 09
Protocolos Osi   Tcp Ip 2009 10 09 Protocolos Osi   Tcp Ip 2009 10 09
Protocolos Osi Tcp Ip 2009 10 09
 
2009 09 21 Cablagem
2009 09 21 Cablagem2009 09 21 Cablagem
2009 09 21 Cablagem
 
Super Size Me
Super Size MeSuper Size Me
Super Size Me
 
Super Size Me
Super Size MeSuper Size Me
Super Size Me
 
CLC DR 2 Urbanismo e Mobilidade Questionário
CLC DR 2 Urbanismo e Mobilidade QuestionárioCLC DR 2 Urbanismo e Mobilidade Questionário
CLC DR 2 Urbanismo e Mobilidade Questionário
 
CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...
CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...
CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...
 
Newspaper
NewspaperNewspaper
Newspaper
 
URBANISMO E MOBILIDADE - MONUMENTOS PORTUGUESES Estilo Neoclássico
URBANISMO E MOBILIDADE - MONUMENTOS PORTUGUESES Estilo Neoclássico URBANISMO E MOBILIDADE - MONUMENTOS PORTUGUESES Estilo Neoclássico
URBANISMO E MOBILIDADE - MONUMENTOS PORTUGUESES Estilo Neoclássico
 
A escolha dos componentes para montar um Computador
A escolha dos componentes para montar um ComputadorA escolha dos componentes para montar um Computador
A escolha dos componentes para montar um Computador
 
Sistemas Operativos - Linux
Sistemas Operativos - LinuxSistemas Operativos - Linux
Sistemas Operativos - Linux
 
Urbanismo e Mobilidade - Monumentos Portugueses
Urbanismo e Mobilidade - Monumentos PortuguesesUrbanismo e Mobilidade - Monumentos Portugueses
Urbanismo e Mobilidade - Monumentos Portugueses
 
Ligações à Internet
Ligações à InternetLigações à Internet
Ligações à Internet
 
Topologia de Redes
Topologia de RedesTopologia de Redes
Topologia de Redes
 
A escolha dos componentes de um computador
A escolha dos componentes de um computadorA escolha dos componentes de um computador
A escolha dos componentes de um computador
 
Trabalhos dos alunos: Placas Gráficas
Trabalhos dos alunos: Placas GráficasTrabalhos dos alunos: Placas Gráficas
Trabalhos dos alunos: Placas Gráficas
 

Último

bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxmariiiaaa1290
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 

Último (20)

bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 

CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações

  • 1. CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 MIGRAÇÔES Os diferentes tipos de fluxos migratórios. Em Portugal, o fluxo migratório tem vindo a diminuir nos últimos anos, reduziu-se em cerca de seis mil imigrantes, caindo de 34 mil em 2004 para 28 mil em 2005. Tal diminuição dos fluxos migratórios com destino a Portugal, é motivada pelo pouco crescimento económico do país, o que origina a diminuição significativa de vistos de trabalho concedidos por Portugal, de 12.800 em 2004 para 7.800 em 2005. Por outro lado tem aumentado os vistos temporários de permanência no país e os concedidos aos estudantes, que aumentaram em 2005 para um total de 8.350. Do total dos 432 mil estrangeiros registados a viver em Portugal em 2005 a maioria era oriunda do Brasil (70,4 mil), seguido de Cabo Verde (69,6 mil), Ucrânia (44,9 mil), Angola (34,6 mil), Guiné-Bissau (25,2 mil), Reino Unido (19 mil) e Espanha (16,4 mil). O nível de imigração ilegal na Europa representa cerca de um por cento da população. Os principais fluxos de imigrantes que chegaram à Europa em 2005 resultaram dos países do centro e do Leste da Europa, devido à escassez de empregos indiferenciados nesses países fez com que estes migrassem para sul, para a Península Ibérica, onde existiam grandes necessidades de mão-de-obra para a construção civil e agricultura nos dois países ibéricos. A maioria desses imigrantes estava dividida em dois grupos, os eslavos: Ucranianos, Russos e Búlgaros, e os latinos de leste: Romenos e Moldavos. Um dos maiores grupos e que se fixou nas regiões de Lisboa, Setúbal, Faro e Porto são os Ucranianos, e ninguém sabe ao certo o seu número total. No entanto, o número de imigrantes legais, é de cerca de 70%, sendo este número muitas vezes inferior à realidade. O grupo é de tal forma numeroso que fez com que a Ucrânia de país distante e desconhecido passasse a familiar e que a maioria dos imigrantes de leste seja vista pelos portugueses como "ucranianos” http://pt.wikipedia.org (Adaptado) O conceito de imigração refere-se às pessoas que se mudam para um outro país. É o acto de entrada de um país para outro, de pessoas com visto permanente ou temporário e com a intenção de trabalhar ou de residir. A imigração em geral da-sé por iniciativa pessoal, para buscar melhores condições sociais e financeiras. A emigração é o acto de saída voluntária de deixar o país onde se nasceu e reside para se estabelecer num país estrangeiro. As transferências de população dentro das mesmas fronteiras políticas, são migrações internas; chamando-se de êxodo rural ou êxodo urbano. As internacionais; são migrações externas; podendo ser intracontinentais ou intercontinentais. Em geral, as migrações têm partido das áreas de alta pressão demográfica para as de menor pressão demográfica. As regiões que contam com um número excessivo de habitantes, em comparação com os recursos existentes, caracterizam-se como áreas de expulsão de contingentes demográficos, enquanto as de menor pressão demográfica e possuidoras de maiores recursos denominam-se áreas de atracção. Ao aumentar a população, ou diminuírem os recursos, a migração serve de instrumento para restabelecer o equilíbrio. Fernando Sá Gestão de Redes
  • 2. Fluxos migratórios são o deslocamento da população em carácter definitivo ou temporário, podem ser voluntários ou forçados e ainda podem ser migrações legais ou clandestinas, motivados por factores sazonais sociais ou económicos. A Transumância é a migração ou deslocamento de uma zona rural para outra, pode ser periódica ou sazonal, é realizada por um determinado período de tempo ou épocas do ano. Como no caso dos pastores que permanecem, durante o inverno, na planície e nos vales, com os seus rebanhos e no verão, deslocam-se para as encostas montanhosas, muito característico em regiões da Europa, Ásia e África, ou como é a migração dos docentes, que na sua maioria, são colocados, (muitas vezes sem grande vontade) quase todos os anos lectivos em escolas diferentes e por vezes, longe das suas residências. Causas de ordem social e cultural que podem levar às migrações. Motivadas por difíceis condições socioculturais a que foram sujeitas nos seus países de origem, como sendo; de subsistência e de pobreza, económicas; inexistência ou esgotamento de recursos naturais; perseguições políticas ou religiosas, étnicas ou raciais bem como fenómenos naturais desfavoráveis; terramotos, secas prolongadas ou erupções vulcânicas, mas também por razões de ordem da educação, da cultura, da investigação científica ou turística. Mesmo que uma boa parte possua elevadas qualificações profissionais e académicas, nesses países recém convertidos ao capitalismo. Estimulam esporadicamente a movimentação de pessoas para áreas ou países que não as de origem, na esperança de encontrarem melhores condições de existência. Económicas: Provavelmente deverá ser a causa fundamental que leva as pessoas a migrarem, quase sempre resultante da diferença de desenvolvimento socioeconómico entre países ou entre regiões. Quase sempre, nestes casos, os indivíduos migram porque querem assegurar noutros locais um melhor nível de vida, onde os salários são mais elevados, as condições de trabalho menos pesadas, onde a assistência social é mais eficaz, enfim, vão para onde pensam ir encontrar uma vida mais agradável, o que, nem sempre acontece. Por exemplo, ir trabalhar para a Alemanha, pois dum modo geral, os salários lá, são mais elevados. Naturais: Dum modo geral, este motivo de migrações, leva a que sejam migrações forçadas, pois devido a causas naturais (cheias, terramotos, secas, vulcões...) a vida e a sobrevivência das pessoas fica em risco, pelo que se vêem forçadas a abandonar os seus locais de residência Culturais: Poucos consideram este motivo uma causa de migração, contudo, há muitas pessoas que se deslocam, normalmente temporariamente, para outros locais, apenas com uma finalidade cultural, ou de enriquecimento de conhecimentos. Por exemplo, ir a outro país tirar um curso de pós graduação, ou um doutoramento, ter de sair do local de residência porque a universidade ou faculdade onde um estudante conseguiu entrar se situa muito longe de casa. Políticas: São dum modo geral migrações externas, que devido a mudanças nos governos de países, alguns habitantes se vêem forçados (mas nem sempre) a saírem desse país. Por exemplo, quando se deu a independência de alguns países africanos, muitos dos seus habitantes tiveram de sair deles e ir para outros países; aconteceu com os portugueses Fernando Sá Gestão de Redes
  • 3. em Angola, Moçambique, Guiné, mas também com franceses em Marrocos, Argélia, Indochina, ou com ingleses na ex-Rodésia, Religiosos: Há muitas migrações, muitas delas externas, cujo único objectivo é a deslocação a um determinado centro de fé, de acordo com a religião de cada indivíduo. Como exemplo podem-se citar as peregrinações a Fátima, Santiago de Compostela (Espanha), Lourdes (França), Meca (Arábia), entre muitos outros espalhados pelo mundo. Aliás, a título de curiosidade, a religião muçulmana obriga cada um dos seus crentes a deslocarem-se pelo menos uma vez na vida, a Meca, ao túmulo do profeta. Étnicas: Esta palavra, muitas vezes confundida com racismo, tem mais a ver com diferenças entre culturas e povos, podendo ou não ser da mesma raça. Por exemplo, na II Guerra Mundial, havia muitos judeus na Alemanha e, para Hitler, eles constituíam um povo inferior, pelo que tentou exterminá-los, contudo, eles eram ambos (alemães e judeus) de raça branca. Também recentemente, na ex Jugoslávia, muitos povos se viram forçados a emigra apenas por pertencerem a outra cultura. Turísticas: São as que se efectuam normalmente, pela maioria das pessoas, em determinadas épocas (ou estações) do ano, que por isso mesmo, também são uma forma de migrações sazonais. São aquelas deslocações que se efectuam no período das férias de Verão, Natal, Páscoa, entre outras. De que forma as migrações contribuem para uma maior diversidade cultural. “Existe um acordo geral entre grandes antropólogos de renome mundial que defendem a teoria de que o primeiro ser humano surgiu aqui na Europa, há aproximadamente dois milhões de anos atrás. E por conseguinte desde então temos nos espalhado por todo o mundo, e com grande sucesso porque conseguimos chegar até aos dias de hoje adaptando-nos às diferentes condições, como por exemplo, as mudanças climáticas. Nas muitas sociedades que apareceram espalhadas pelo planeta diferem muito ou pouco umas das outras, e muitas dessas diferenças persistem até hoje.” As diferenças culturais mais evidentes existentes entre os povos, são a língua, a roupa ou as tradições. Existem também diferenças significativas na forma como as sociedades se organizam na sua concepção partilhada da moral e dos bons costumes e na maneira como interagem no seu ambiente. Por analogia com a biodiversidade, que é considerada essencial para a sobrevivência da vida na Terra. É possível argumentar que a diversidade cultural pode ser vital para a sobrevivência da humanidade e que a preservação das culturas indígenas por exemplo pode ser tão importante para a humanidade como a conservação das espécies e dos ecossistemas para a vida em geral. Cada pessoa que imigra ou emigra do seu local de origem para outro, quer dentro do seu próprio país, quer para outro, mesmo que seja para o lado do mundo oposto ao local onde nasceu, leva sempre consigo a sua verdadeira identidade. Quer seja ao nível social, político ou religioso, os seus hábitos, tradições e crenças acompanham-nos. Dificilmente um Católico se converte ao Islamismo, ou ao Judaísmo, ou Hinduísmo, ou ao Budismo. Assim acaba por levar a sua cultura para outros povos e fazem conhecer os seus custumes. Temos os exemplos actuais de que tanto se tem falado, “As maravilhas Portuguesas espalhadas pelo mundo” esses são um sinal evidente e inequívoco das diferenças culturais Fernando Sá Gestão de Redes
  • 4. e da partilha de cultura riquíssima entre os povos. Muitas dessas partilhas subsistem até aos dias de hoje, para grande orgulho de todos nós que somos portugueses. Cá em Portugal, falando de Brasileiros residentes, que trouxeram muito da sua cultura no que diz respeito por exemplo, às famosíssimas telenovelas onde todos os seus enredos com todas as suas tradições e modos de vida, passando pelo modo de pronunciar o português, como pelos gostos gastronómicos; picanha, feijão preto, farofa, banana frita, coco, entre outros, culturais; ginásios e halt clubs para prática de “Esport”, todos os desportos associados ao mar, (divórcios também), entre outros. Fomos muitíssimo influênciados pela cultura brasileira sendo já certamente indissociável da nossa própria cultura à qual muitos de nós certamente já nos rendemos. Da nossa própria diversidade cultural podemos falar como regionalismo, do nosso típico Vinho do Porto, o Queijo da serra da Estrela, do Galo de Barcelos, os Fados tradicionais, ou os Ranchos do Minho, entre outras, tão apreciados e conhecidos em todo o mundo. Passando também mais propriamente aqui na zona do Porto, a troca dos “B-Bês” pelos “V-Vês” no modo de prenunciar a língua portuguesa. Enumere um caso do seu quotidiano em que conviva com pessoas de outras culturas e dê a sua opinião quanto ao tratamento que essas pessoas têm na nossa sociedade. Eu pessoalmente não tenho nenhum tipo de comportamento racista ou xenófobo. A nível de trabalho ajudo e tenho o mesmo comportamento com os imigrantes como tenho com um colega patriota. O espírito de respeito e de entreajuda está bem vincado na minha personalidade. No período escolar, sempre tive colegas de outras nacionalidades, nomeadamente Africanos, Indianos e Brasileiros, e nunca tive alguma dificuldade no nosso relacionamento. O meu filho esteve num infantário desde os seis meses de idade até aos 12 anos, e curiosamente tinha lá um colega com a cor da pele mais escura do que a nossa, proveniente de São Tomé e Príncipe. Quando entrou para a pré-primária esse colega tinha uma grande inclinação para o “arranhar com as unhas” na face. Quando o ia buscar ao infantário ele vinha marcado, e eu já sabia que era colega que o arranhava. Um dia, falei com o menino e disse-lhe para não arranhar mais o meu filho e de facto a minha conversa teve efeito. Conclusão o meu filho e ele foram colegas de Infantário, de Escola Primária, de Ciclo, e andaram juntos, sempre nas mesmas salas e Turmas, até este próximo ano lectivo acabado de findar, altura que passaram para o 11º Ano. Em suma, sempre ensinei o meu filho a não chamar o colega por qualquer adjectivo sem ser pelo seu nome próprio. Eles os dois são os únicos colegas que andaram juntos desde o Infantário. Dão-se muito Bem! Que bonito que é! Em contexto de trabalho o meu relacionamento com pessoas de outra nacionalidade, raça ou cor da pele, é exactamente o mesmo que quero que todas as pessoas tenham comigo. Nunca fui de descriminar ninguém! Respeitador do meu semelhante, com grande espírito de entreajuda. Sou amigo de todas as pessoas independentemente da cor da sua pele, origem, ideologias políticas, religiosas ou portadores de doenças ou deficiência. Considero todo o meu próximo com o igual. Nas questões laborais, todas as funções são para desempenhar num contexto de entreajuda e colaboração com todos os colegas, independentemente da sua nacionalidade. Fernando Sá Gestão de Redes
  • 5. As principais causas que conduzem à emigração, à imigração ou às migrações internas. Condicionados pela desertificação das Aldeias e Vilas do interior do norte ao sul de Portugal, muito por culpa dos fracos acessos e incentivos estatais para que qualquer empresa se estabeleça nesses locais, e pelas dificuldades económicas e financeiras, que se vai vivendo em todo o mundo. As populações estão muito envelhecidas, porque as gerações pouco ou nada se renovam com uma baixa taxa de natalidade. Ora estas pessoas de idade apegaram-se muito ao local onde foram nascidas e criadas, muitas vezes herdando pedaços de terra a que se dedicam a lavrar pequenas lavouras, para daí tirarem o seu sustento, porque não tem outro meio de rendimento. Os poucos casais novos que existem por lá ao resolverem constituir família, aventuram-se a começar uma vida nova longe das aldeias, nas grandes cidades do litoral onde existem mais fábricas, mais comércio onde a possibilidade de arranjar um emprego é maior, e mais possibilidades de ter uma vida mais confortável através de um emprego proporcionando à sua geração melhores condições de vida. Com base nessa experiência, os aspectos negativos e os aspectos positivos que estes fluxos migratórios podem ter. A situação da imigração em Portugal é sem dúvida um aspecto de grande relevo na realidade nacional, quer pelo contributo dos imigrantes ao desenvolvimento do País, quer pelas difíceis condições de vida em que a grande maioria se encontra. É corrente ver-se hoje em Portugal, mulheres imigrantes a trabalhar como domésticas, auferindo baixos ordenados e em condições deploráveis, sem qualquer contrato de trabalho ou segurança social. Quando deixam de interessar às "patroas" são simplesmente despedidas sem direito a qualquer compensação. Tem vindo a aumentar o número de casos de agressões a estas trabalhadoras imigrantes. Estas trabalhadoras imigrantes, mantidas à margem da lei, não fazem qualquer tipo de descontos para a segurança social, e portanto não podem beneficiar de qualquer tipo de apoio. Para agravar esta situação, a maioria desconhece a língua portuguesa ou tem inúmeras dificuldades em expressar-se de forma compreensível em português. Desta forma tornam-se mais vulneráveis a todas as relações mafiosas. Muitas vezes, após longos meses ou anos de sacrifícios, o imigrante ilegal obtém finalmente a "promessa de contrato de trabalho". Mas quando começa a tratar dos documentos das entidades oficiais como o SEF ou o IEFP, descobrem que afinal a "promessa de contracto de trabalho" de nada vale, porque não existe emprego nenhum. Todos os seus sacrifícios e brutais explorações de que foi vítima revelam-se em vão. A única saída para muitos é continuarem a manterem-se ilegais. Todo o sistema funciona de maneira a que pela burocracia ficam na marginalidade, milhares de ilegais às mãos de redes de exploradores sem escrúpulos A actual situação dos imigrantes ilegais em Portugal revela uma enorme falta de respeito pela dignidade humana. A situação é sob todos os pontos de vista intolerável. A única forma de combater a imigração ilegal exige mais do que medidas punitivas. A experiência mostra que a medida mais eficaz é a de exigir que quem emprega alguém Fernando Sá Gestão de Redes
  • 6. respeite as leis do país, assegurando aos trabalhadores todos os direitos. Só desta forma se combate o lucrativo tráfico de pessoas e de exploração dos imigrantes ilegais. Fernando Sá Gestão de Redes