SlideShare uma empresa Scribd logo
15/09/1715/09/17 17:2617:26
Movimentos Populacionais
Éderson Dias de Oliveira
LUCCI, E. A. Território e sociedade no mundo globalizado.
Geografia geral e do Brasil. SP: Saraiva, 2005.
TERRA, L; C, M. A. Geografia geral e do Brasil. O espaço
natural e socioeconômico. SP: Moderna, 2005.
MOVIMENTOS POPULACIONAIS
•Migrações entende-se por migração, qualquer mobilidade
espacial feita por sociedades humanas.
•Esses deslocamentos remontam a pré-história, dado que os
seres humanos estão sempre à procura de lugares que
ofereçam melhores condições de vida.
PRINCIPAIS CAUSAS DAS MIGRAÇÕES
•Causas Econômicas – busca de emprego; melhores salários
ou a superação da má qualidade de vida.
•Estas causas se verificam-se quando há:
O forte
crescimento
natural com falta
de emprego.
A pobreza
generalizada põe
em risco a
sobrevivência de
algumas pessoas.
•Causas Naturais: as catástrofes naturais, como: secas,
inundações, erupções vulcânicas, sismos obrigam, quando
muito intensos, a população a deslocar-se para outros locais.
•Causas Socioculturais: o desejo de uma maior realização
profissional, tem contribuído para a saída de pessoas, por
exemplo, para estudar no exterior, ou para trabalhar em
•Causas Bélicas: as guerras e os governos ditatoriais, têm
motivado a população a procurar refúgio em outros espaços por
questões de segurança.
•Causas Políticas: perseguições políticas e regimes repressivos.
•Causas Étnicas: rivalidades entre grupos étnicos. Ex.
Israel/Palestina – Hutus/Tutsis (Ruanda) – Apartheid.
•Causas Religiosas: as
perseguições religiosas
têm levado à saída de
população para outros
países, por questões de
segurança. Ex: Judeus na 2ª
Guerra Mundial e Inquisição na
Idade Média
•Causas Turísticas:
Lazer; Saúde; Religião e
etc.
Jerusalém, no centro de um conflito religioso milenar
IMIGRANTE ≠ EMIGRANTE
•Imigrante é aquele que chega a
determinada região.
•Emigrante é aquele que sai de determinada região.
•Já a área que atrai pessoas é denominada de ECÚMENA,
enquanto aquela a que “expulsa” pessoas é denominada
ANECÚMENA.
Êxodo Rural
Êxodo Urbano
Intracontinentais
Intercontinentais
TIPOLOGIA DAS MIGRAÇÕES
DURAÇÃO DAS
MIGRAÇÕES
•Migrações definitivas:
quando há o deslocamento por
tempo indeterminado no local
de seu destino.
•Ex.: no Brasil, os imigrantes japoneses, e das emigrações
de nordestinos regionais;
•Migrações temporárias: quando há o deslocamento por
um determinado período de tempo.
•Ex: migrações sazonais – nomadismo – pendular.
MIGRAÇÕES SAZONAIS OU TRANSUMÂNCIAS
•Nessa os migrantes fazem a deslocação sempre na mesma
época do ano, por motivos de trabalho ou de férias.
•Nessas migrações o indivíduo desloca-se de sua área de
origem para outra área, retornando posteriormente.
NOMADISMO
•Trata-se da
prática dos
povos nômades,
ou seja, que não
têm uma
habitação fixa.
•Esses
caracterizam-se
pelo
deslocamento
constante em
busca de
alimento,
pastagem, etc... Imagem: Michel-georges bernard /  GNU Free Documentation License.
•Constituem
os trajetos
feitos no
mesmo dia com
duas
deslocações,
uma ida e outra
de volta, na sua
maioria entre
casa, trabalho
e escola.
MIGRAÇÕES DIÁRIAS OU PENDULARES
•São típicas das grandes cidades industriais
e das metrópoles mundiais.
ESPAÇO DE
DESLOCAMENTOS
DAS MIGRAÇÕES
•Migrações
Externas ou
Internacionais:
•Migrações
Internas ou
Nacionais;
•Migrações Internas ou Nacionais:
quando realizadas dentro de um mesmo
país.
•Intrarregionais (de uma região para
outra) e Inter-regionais (dentro da
mesma região).
•Êxodo Rural: saída da população das
áreas rurais para as áreas urbanas.
•Êxodo Urbano: é o fenômeno que
designa a migração de grandes cidades
para centros menores ou zona rural.
•A busca por tranquilidade, bem-
Causas do Êxodo Rural
•Mecanização do campo;
•Baixa remuneração;
•Falta de infraestrutura;
•Desastre natural (seca,
geada);
•Qualidade de ensino.
Consequências do Êxodo Rural
•Favelização;
•Aumento do desemprego ou do
subemprego;
•Perda de mão de obra no
campo;
•Marginalização;
Histórico do Brasil
• As migrações internas do Brasil seguiram
concomitantemente com os ciclos econômicos brasileiros.
•Foi somente na década de
1960 que a população urbana
superou o rural.
•Entre 1960 e 1980
migraram para as cidades
cerca de 43 milhões de
pessoas.
•O grande destino eram as metrópoles em formação no
SE.
•A migração era racional e necessária para o emigrante e,
positiva e funcional para o desenvolvimento da economia.
•Em 1970 ocorre a Marcha para Oeste, formada
sobretudo por sulistas em busca de fronteiras agrícolas afim
MIGRAÇÃO DE RETORNO
•Trata-se da migração de uma pessoa que deixa o seu estado
natal, reside algum tempo em outro estado e depois
regressa a sua origem. (conceito de lugar).
•Ex: Pernambuco, durante muito tempo foi uma área
ANECÚMENA.
•Todavia,
hoje vem
atraindo
pessoas de
várias regiões,
tornando-se,
portanto, uma
área
ECÚMENA.
Migrações Externas  quando as
pessoas se deslocam de um país
para outro.
Intercontinentais:
Migrações que se realizam
entre continentes
diferentes.
Intracontinentais:
Migrações que se realizam
dentro do mesmo
continente.
“FUGA DE CÉREBROS”
•Fuga de capital humano - é uma emigração seletiva de
indivíduos com aptidões técnicas ou de conhecimentos.
•Assim, os trabalhadores mais especializados mal
remunerados no seu país de origem saem em busca de
salários mais altos.
•É a “fuga de
cérebros” –
migrações de
pessoas com
formação de nível
superior e
profissões muito
qualificadas.
•Quanto à forma as
migrações podem ser:
•Migrações Voluntárias:
quando a decisão da
deslocação é feita por vontade
própria.
•Migrações Forçadas: quando as pessoas são obrigadas a
sair da sua área de residência, por razões que ultrapassam a
vontade individual. Ex: Refugiados e Deslocados.
•Com a colonização, nos séculos XVI e XVII, ocorreram
migrações ESPONTÂNEAS de povoamento e migrações
FORÇADAS, como foi o caso do comércio de escravos
africanos.
•A partir
do século
XVIII, em
especial
durante o
século XIX e
na primeira
metade do
século XX, o
mundo
conheceu um
movimento
migratório
de grandes
proporções.
Osretirantes1944–CândidoPortinari
•Daí que se possa classificar as
migrações quanto ao controlo as
migrações podem ser:
•Migrações Legais: quando os países
envolvidos autorizam o movimento de
pessoas de um país para outro.
•Migrações Clandestinas: quando as
pessoas entram e ficam no país sem
efetuarem os registos legais.
•Quando se trata de migrações internacionais nem sempre
o país de acolhimento e/ou país de origem consentem a
deslocação dos migrantes.
Fluxos Migratórios Internacionais
•A origem dos principais fluxos está nas áreas
simultaneamente pobres e povoadas (norte de África,
América Latina, centro e sudeste da Ásia).
•O destino dos principais fluxos são as áreas mais ricas
(Europa, América do Norte e Médio Oriente).
A distância cada vez
maior entre os países
pobres e ricos vem
estimulando as
migrações em nível
internacional
•Os movimentos de populações devem-se a diferentes
tipos de causas.
Áreas Atrativas x Áreas Repulsivas
CONSEQUÊNCIAS PARA OS PAÍSES DE PARTIDA
 Diminuição da população absoluta, da taxa de natalidade e
do crescimento natural.
 Envelhecimento da população e aumento da taxa de
mortalidade.
 Redução da mão de obra dos diversos setores de
atividades levando a estagnação da economia.
 Diminuição do desemprego com à saída de população ativa.
 Desequilíbrio social entre os sexos, pela predominância de
população mulheres e idosos.
 Maior entrada de remessas enviadas pelos emigrantes.
CONSEQUÊNCIAS PARA OS PAÍSES DE CHEGADA
Aumento da população absoluta, da taxa de natalidade e do
crescimento natural.
 Rejuvenescimento da população.
Acréscimo da mão de obra disponível (desemprego) e
redução dos salários.
Enriquecimento e intercâmbio cultural.
Dificuldades de integração dos imigrantes (diferenças
linguísticas e culturais).
Falta de habitação e aumento dos bairros degradados
(guetos e bairros-de-lata) e crimes.
Ampliação dos conflitos sociais (racismo e xenofobia).
15/09/1715/09/17 17:2617:26
Os Refugiados e a Crise
Migratória
Éderson Dias de Oliveira
Quem é o Refugiado? (migrante forçado)
•É o indivíduo que com medo de ser perseguido dado sua
raça, religião, nacionalidade, filiação em certo grupo social
ou opinião política, é obrigado a deixar o local em que vive e
refugiar-se em regiões onde se sintam seguros.
Refugiado (externo) Deslocado (interno)
Fuga de sírios rumo à fronteira com a Jordânia
Qual a diferença entre refugiado e imigrante? 
•O imigranteimigrante tem a perspectiva de retorno, mesmo que
imaginada.
•O refugiadorefugiado raramente consegue uma reinserção no local
de origem, seja porque aquele lugar social não existe mais,
ou porque há enormes limitações ao ‘retorno’.
Campo de refugiados em Zaatari – norte da Jordânia
•Além disso, a
situação de
violência e sequela
psicológica,
também significa
um desterro em
prol de sua vida.
Motivos da origem dos refugiadosMotivos da origem dos refugiados
• Guerras internas;
• Extermínio étnico;
• Péssimas condições de vida.
• Violações dos direitos humanos;
• Perseguições políticas e torturas;
• Discriminação religiosa ou cultural;
• Governos ditatoriais ou democracias pouco consolidadas;
• Problemas ambientais: desertificação, desmatamento,
erosão dos solos, desastres químicos ou nucleares e etc.
10 países recebem mais de metade dos refugiados do mundo
Campo de Refugiados
•É o local construído provisoriamente por organizações
internacionais ou organizações não-governamentais, como
o Médicos Sem Fronteiras, para receber refugiados.
•Os campos têm a intenção de serem temporários,
providenciando o básico necessário para a sobrevivência.
•São montados com barracas para dormir, higiene pessoal,
suprimentos médicos, comunicação, e alimentação.
•Quando há guerra em um país e pessoas são desalojadas,
a ONU procura uma nação vizinha que as aceite.
•O campo deve ser construído a 50 km da fronteira num
terreno levemente inclinado, para facilitar a drenagem.
•Dadaab (Quênia) possui o maior campo de refugiados do
mundo.
•O mesmo foi planejado para abrigar 90 mil pessoas, mas
atualmente comportam cerca de 400 mil refugiados.
•Esse recebe um fluxo constante de mais de mil
refugiados novos ao dia, em sua maioria vindos da Somália.
NúmerosNúmeros
• Na década de 1970, havia cerca de 2,5
milhões de refugiados no mundo, número que
em 2016 é de 65,2 milhões, conforme dados
da ONU.
Fluxos de RefugiadosFluxos de Refugiados
•A Europa enfrenta atualmente uma grave crise de refugiados e
migrantes.
•Desde o início de 2015, mais de 300 mil pessoas tentaram
chegar ao continente por meio de travessias perigosas no Mar do
Mediterrâneo.
•Mortos no Mediterrâneo
•123 em 2010
•1,5 mil em 2011
•500 em 2012
•600 em 2013
•3,4 mil em 2014
•2,5 mil em 2015
•O fluxo intenso de pessoas está relacionado à situação de
conflitos armados e de perseguição existente.
 Fronteira espanhola do Enclave de Melilha - Marrocos.
Principais rotasPrincipais rotas
Principais conflitos que alimentam aPrincipais conflitos que alimentam a
atual crise migratóriaatual crise migratória
SíriaSíria
Desde 2011 a Síria
enfrenta uma violenta
guerra civil, onde
setores da população
tentaram derrubar o
ditador Bashar al-Assad
(Primavera Árabe)
O controle do país está fragmentado entre forças leais
a Assad e grupos insurgentes.
A facção Estado Islâmico, controla mais de 50% da
Síria.
4,9 milhões dos 22,8 milhões de habitantes deixaram o
país fugindo de uma guerra que não dá sinais de arrefecer. 
SíriaSíria
Refugiados sírios no campo de Domiz na região do Curdistão do Iraque.
Afeganistão
O país localizado na Ásia perdeu 2,7 milhões de seus 30,5
milhões de habitantes ao longo de uma sucessão de
conflitos internos e internacionais, cujo momento mais
grave se deu a partir de 2001 com a invasão dos EUA.
Temendo a
violência milhões de
afegãos fugiram do
país, tornando um dos
maiores produtor de
refugiados do mundo.
A maioria dos seus
refugiados (95%) estão
no Irã e no Paquistão.
AfeganistãoAfeganistão
Policiais afegãos vigiam mercado onde atentado a bomba com caminhão deixou
sete mortos e mais de cem feridos, 2017.
EritreiaEritreia
A Eritreia é governada pelo ditador Isaias Afworki desde
sua independência em 1993.
É considerado como a "Coreia do Norte africana", dados
os altos índices de repressão.
As pessoas fogem da ditadura e da repressão, sendo que
milhares são presas sem acusação formal.
•Os jovens são
obrigados a prestar
serviço militar.
•O salário médio é de
cerca de 200 reais/mês.
•A frustração entre os
cidadãos é enorme.
EritreiaEritreia
Soldados da Eritreia ajudam família a erguer tenda em campo de refugiados em Afabet, devido
a ofensiva da Etiópia.
SomáliaSomália
O país do chifre da
África, um dos mais
pobres do mundo, no qual
o governo não exerce
controle efetivo da
segurança, levando à fuga
de 1,1 milhão de seus 10,5
milhões de habitantes.
A situação é agravada por secas esporádicas, que
comprometem a segurança alimentar do país.
Em meio à instabilidade política, ganhou espaço na
Somália a milícia radical islâmica Al-Shabaab, filiada à Al-
Qaeda.
Por vários anos, o grupo proibiu a presença de ajuda
SomáliaSomália
Campo de refugiados de Dadaab, no Quênia, que acolhe cidadãos somalis
que fogem da seca e da violência em seu país.
NigériaNigéria
A Nigéria busca
fortalecer seu
regime democrático,
mas enfrenta
desafios como uma
crise energética e
uma onda de
violência sectária.
Atualmente, o governo lida com a insurgência do grupo
radical Boko Haram, que controla parte do país.
Recentemente, o grupo declarou lealdade ao Estado
Islâmico.
4,7 milhões de pessoas estão refugiados do conflito com
o Boko Haram.
NigériaNigéria
Meninas resgatadas do Boko Haram, esperam para receber roupas em
campo de refugiados no país.
DESTERRITORIALIZAÇÃO
•São as populações inteiras
expulsas de seus territórios.
•Esses povos sem território,
dispersos em outros países,
procuram um lugar para chamar
de pátria.
•Pátria: é o país ou estado em que
a pessoa nasceu (terra natal) e
que faz parte como cidadão. 
•Do latim "patriota", terra paterna - indica a terra natal
ou adotiva de um ser humano, que se sente ligado por
vínculos afetivos, culturais, valores e história.
Restrição nas políticas migratórias
• A intensificação dos fluxos migratórios internacionais nas
últimas décadas provocou o aumento do número de países
com políticas migratórias restritivas.
• Os principais motivos são:
Medo de uma onda migratória
sem controle;
Risco de desemprego para a
população local;
Perda de identidade nacional;
Espetro do terrorismo.
Nacionalismo
•É um sentimento de individualidade (ideologia), marcado
pela aproximação e identificação com uma nação.
•Não se pode confundir com patriotismo (manifestação de
amor aos símbolos do estado).
•O nacionalismo se apresenta como símbolo de defesa do
interesse do estado ou nação na sua preservação enquanto
entidade.
•Na idade média
surgiu como ideologia
revolucionária, contrária
aos interesses dos
nobres e do domínio da
igreja católica
Xenofobia
•É um tipo de
nacionalismo exagerado,
que repele os que se
apresentam diferentes,
podendo assumir vários
tipos de aversão.
•É também um termo usado para
denominar o transtorno psiquiátrico
que gera um medo excessivo, sem
controle algum, ao que é
desconhecido, a objetos ou pessoas.
•Esse conceito também se aplica a qualquer discriminação
de ordem racial, grupal (grupos minoritários) ou cultural.
EXEMPLOS DE NACIONALISMO
QUE MARCARAM O MUNDO
Nazismo Fascismo
Estado Novo - Brasil
Socialismo soviético
Muro entre o
México e os EUA
Muro na cidade de
Ceuta - Espanha
Em busca de soluçãoEm busca de solução
•O maior obstáculo para uma solução
do caos humanitário na Europa é a
falta de unidade entre os países.
•Alguns propõe soluções, porém, vários
outros não aceitam os refugiados.
•Esses têm optado por arriscar a travessia, na esperança
de chegar a locais que tenham chance de conseguir asilo.
•A proposta alemã é o estabelecimento de cotas para
receber os refugiados, com a distribuição de acordo o
tamanho do país e sua capacidade econômica .
•Parece simples, mas não é, já que essa solução não incluiu
a opinião dos refugiados.
•Os governos do Leste Europeu se opõem às cotas dizendo
que os imigrantes não querem ficar em seus países.
•O projeto para a criação de cotas não foi descartado,
tendo apoio da França, Alemanha e Itália.
•A Comissão Europeia anunciará um mecanismo
permanente para distribuir os refugiados pelos 28 países do
bloco.
•PORÉM a abertura
europeia aos
refugiados pode
incentivar milhares de
vítimas de crises
humanitárias a
buscarem abrigo na
região.
•Ainda é cedo
para por em prática
soluções para a crise
dos refugiados na
Europa.
•Uma possível
solução para a crise
humanitária dos
refugiados passa
obrigatoriamente
pela paz e
estabilidade
democrática nos
países de origem.
•Todas essas crises não tem perspectiva de melhora no
curto e médio prazo.
ENADE 2016 - QUESTÃO DISCURSIVA 1
•No primeiro trimestre de 2015, chegaram à Europa, de modo
irregular, cerca de 57 300 imigrantes, que é o triplo do
verificado no mesmo período de 2014.
•Nesse cálculo, não foram incluídos os imigrantes que
naufragaram no Mediterrâneo ao serem transportados em
barcos precários e superlotados, fretados por mercadores que
cobram cerca de 2 mil dólares por passageiro.
•Considerando essas informações, elabore um texto
dissertativo, posicionando-se a respeito dos referidos
movimentos migratórios. Em seu texto, apresente quatro
argumentos, sendo dois na perspectiva de quem migra e dois na
perspectiva dos países que recebem os imigrantes.
Riscos de fome e de morte – Riscos e terrorismo e pressão nos serviços públicos.
O destino nem sempre é a EuropaO destino nem sempre é a Europa
•Cerca de 7,6 milhões sírios fugiram para outras partes da
Síria, enquanto 4 milhões para outros países, principalmente
os vizinhos Turquia, Líbano e Jordânia.
Sharbat Gula, refugiada afegã imortalizada em uma
capa da revista National Geographic em 1985.
•Uma pequena
parte desses
refugiados buscam
asilo em países ricos
da Europa.
•Há atualmente,
710 mil afegãos
deslocados dentro do
país e mais de 2,5
milhões refugiados
fora.
•Atualmente, há mais
de 216 mil refugiados
da Eritreia nos vizinhos
Etiópia e Sudão.“
•Há cerca de 1,1
milhão de pessoas
deslocadas dentro da
Somália e mais de 1
milhão fora,
principalmente no
Quênia, Etiópia e
Iêmen. Uma mãe com a sua filha no posto de registo no Uganda 
•Confrontos violentos entre as forças de segurança e os
insurgentes forçaram 1,3 milhão de nigerianos a deslocar
para outras partes do país, além de cerca de 150 mil pessoas
se refugiarem principalmente no Chade, Níger e Camarões.
O Brasil e os RefugiadosO Brasil e os Refugiados
•O número de refugiados reconhecidos no país aumentou
12% no país, em 2016, com pessoas de 82 nacionalidades. 
•Os países com maior número de refugiados reconhecidos no
Brasil em 2016 foram Síria (326), Congo (189), Paquistão
(98), Palestina (57) e Angola (26).
•Atualmente, existem no Brasil 8400 refugiados, sendo que
a maioria são da Síria, Colômbia, Angola e Congo.
•Os países com maior número de solicitantes de refúgio em
2016 foram Venezuela (3.375), Cuba (1.370), Angola (1.353),
Haiti (646) e Síria (391).
•Desde o início do conflito na
Síria, 3.772 sírios solicitaram
refúgio no Brasil.
Haitianos no Brasil
•Os haitianos não são
considerados refugiados 
no país.
•O refúgio só é
concedido a quem estiver
sofrendo perseguição,
por motivos étnicos,
religiosos ou políticas.
•Porém, em razão da crise humanitária provocada pelo
terremoto de 2011, o Brasil abriu uma exceção, concedendo-
lhes um visto diferenciado.
•Os haitianos passaram a ver no Brasil um ponto de
referência, dada a presença militar brasileira no Haiti
Brasiléia - AC
•Mais de 7 mil haitianos entraram no Brasil, pelo Acre em
2015.
•Cerca de 70% dos haitianos que vivem no Brasil estão em
idade ativa, entre 18 e 50 anos e são homens.
•Pouco mais de 40% dos imigrantes haitianos têm
escolaridade de nível médio completo ou incompleto.
•A grande maioria divide a moradia com outros
imigrantes.
•80% dos haitianos
estão concentrados
sudeste.
•30% dos imigrantes
haitianos são absorvidos
pela construção civil.
Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
Conceição Fontolan
 
Europa – aspectos naturais
Europa – aspectos naturaisEuropa – aspectos naturais
Europa – aspectos naturais
Professor
 
9º Ano - Módulo 01 - Aula 01 - Introdução a globalização.
9º Ano - Módulo 01 - Aula 01 - Introdução a globalização.9º Ano - Módulo 01 - Aula 01 - Introdução a globalização.
9º Ano - Módulo 01 - Aula 01 - Introdução a globalização.
Cléber Figueiredo Beda de Ávila
 
Movimentos migratorios
Movimentos migratoriosMovimentos migratorios
Movimentos migratorios
dela28
 
01 geopolítica
01 geopolítica01 geopolítica
01 geopolítica
edsonluz
 
Organizações internacionais mundiais
Organizações internacionais mundiaisOrganizações internacionais mundiais
Organizações internacionais mundiais
Jane Mary Lima Castro
 
Conceitos Da Geografia
Conceitos Da GeografiaConceitos Da Geografia
Conceitos Da Geografia
Luciano Pessanha
 
Aula 3 - fluxos migratórios
Aula 3 -  fluxos migratóriosAula 3 -  fluxos migratórios
Aula 3 - fluxos migratórios
Isabela Espíndola
 
Geografia da População
Geografia da PopulaçãoGeografia da População
Geografia da População
Eduardo Mendes
 
Os refugiados e a crise migratória
Os refugiados e a crise migratóriaOs refugiados e a crise migratória
Os refugiados e a crise migratória
Marco Santos
 
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizadoEstrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Jones Godinho
 
Europa 9º
Europa 9ºEuropa 9º
Europa 9º
flaviocosac
 
Conflito Entre Israel E Palestina
Conflito Entre Israel E PalestinaConflito Entre Israel E Palestina
Conflito Entre Israel E Palestina
guest36d66b7
 
Transição demográfica
Transição demográficaTransição demográfica
Transição demográfica
unesp
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
Artur Lara
 
A imigração na Europa
A imigração na EuropaA imigração na Europa
A imigração na Europa
Tiago Araujo Campos
 
Pirâmide etária
Pirâmide etáriaPirâmide etária
Pirâmide etária
Vitor Pereira Rodrigues
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
Abner de Paula
 
Estado nação, território e poder
Estado nação, território e poderEstado nação, território e poder
Estado nação, território e poder
Vinicius Coelho
 
Brasil características gerais
Brasil características geraisBrasil características gerais
Brasil características gerais
Salageo Cristina
 

Mais procurados (20)

INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
 
Europa – aspectos naturais
Europa – aspectos naturaisEuropa – aspectos naturais
Europa – aspectos naturais
 
9º Ano - Módulo 01 - Aula 01 - Introdução a globalização.
9º Ano - Módulo 01 - Aula 01 - Introdução a globalização.9º Ano - Módulo 01 - Aula 01 - Introdução a globalização.
9º Ano - Módulo 01 - Aula 01 - Introdução a globalização.
 
Movimentos migratorios
Movimentos migratoriosMovimentos migratorios
Movimentos migratorios
 
01 geopolítica
01 geopolítica01 geopolítica
01 geopolítica
 
Organizações internacionais mundiais
Organizações internacionais mundiaisOrganizações internacionais mundiais
Organizações internacionais mundiais
 
Conceitos Da Geografia
Conceitos Da GeografiaConceitos Da Geografia
Conceitos Da Geografia
 
Aula 3 - fluxos migratórios
Aula 3 -  fluxos migratóriosAula 3 -  fluxos migratórios
Aula 3 - fluxos migratórios
 
Geografia da População
Geografia da PopulaçãoGeografia da População
Geografia da População
 
Os refugiados e a crise migratória
Os refugiados e a crise migratóriaOs refugiados e a crise migratória
Os refugiados e a crise migratória
 
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizadoEstrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
 
Europa 9º
Europa 9ºEuropa 9º
Europa 9º
 
Conflito Entre Israel E Palestina
Conflito Entre Israel E PalestinaConflito Entre Israel E Palestina
Conflito Entre Israel E Palestina
 
Transição demográfica
Transição demográficaTransição demográfica
Transição demográfica
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
A imigração na Europa
A imigração na EuropaA imigração na Europa
A imigração na Europa
 
Pirâmide etária
Pirâmide etáriaPirâmide etária
Pirâmide etária
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 
Estado nação, território e poder
Estado nação, território e poderEstado nação, território e poder
Estado nação, território e poder
 
Brasil características gerais
Brasil características geraisBrasil características gerais
Brasil características gerais
 

Semelhante a Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados

Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
Artur Lara
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
Geografia .
 
Movimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.pptMovimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.ppt
Adriana Menezes
 
Area De Projecto
Area De ProjectoArea De Projecto
Area De Projecto
turma8bjoaofranco
 
Migrações( Geografia)
Migrações( Geografia)Migrações( Geografia)
Migrações( Geografia)
turma8bjoaofranco
 
Os fluxos populacionais
Os fluxos populacionaisOs fluxos populacionais
Os fluxos populacionais
Luiz Carvalheira Junior
 
Geografia - Fluxos migratórios
Geografia - Fluxos migratóriosGeografia - Fluxos migratórios
Geografia - Fluxos migratórios
canalestudodebosta
 
Movimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.pptMovimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.ppt
RosyFres
 
Movimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.pptMovimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.ppt
RosyFres1
 
Movimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.pptMovimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.ppt
Ezio Souza
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
PabloSouza84
 
Movimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.pptMovimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.ppt
Grégori Augusto
 
Movimentos populacionais
Movimentos populacionaisMovimentos populacionais
Movimentos populacionais
MarciaCunhadosSantos
 
MIGRAÇÃO E IMIGRAÇÃO NO MUNDO A HISTÓRIA DA IMIGRAÇÃO DESDE AS PRIMEIRAS ATÉ ...
MIGRAÇÃO E IMIGRAÇÃO NO MUNDO A HISTÓRIA DA IMIGRAÇÃO DESDE AS PRIMEIRAS ATÉ ...MIGRAÇÃO E IMIGRAÇÃO NO MUNDO A HISTÓRIA DA IMIGRAÇÃO DESDE AS PRIMEIRAS ATÉ ...
MIGRAÇÃO E IMIGRAÇÃO NO MUNDO A HISTÓRIA DA IMIGRAÇÃO DESDE AS PRIMEIRAS ATÉ ...
Ricardo Diniz campos
 
Os fluxos populacionais
Os fluxos populacionaisOs fluxos populacionais
Os fluxos populacionais
Luiz Carvalheira Junior
 
Migrações Globais
Migrações GlobaisMigrações Globais
Migrações Globais
Rai Li
 
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 MigraçõesCLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
Fernando de Sá
 
tiposdemigraes-100601065458-phpapp02.pdf
tiposdemigraes-100601065458-phpapp02.pdftiposdemigraes-100601065458-phpapp02.pdf
tiposdemigraes-100601065458-phpapp02.pdf
Anderson Torres Pereira
 
Migraçõesesrp
MigraçõesesrpMigraçõesesrp
Migraçõesesrp
Geografias Geo
 
Migraçoes
MigraçoesMigraçoes

Semelhante a Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados (20)

Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Movimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.pptMovimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.ppt
 
Area De Projecto
Area De ProjectoArea De Projecto
Area De Projecto
 
Migrações( Geografia)
Migrações( Geografia)Migrações( Geografia)
Migrações( Geografia)
 
Os fluxos populacionais
Os fluxos populacionaisOs fluxos populacionais
Os fluxos populacionais
 
Geografia - Fluxos migratórios
Geografia - Fluxos migratóriosGeografia - Fluxos migratórios
Geografia - Fluxos migratórios
 
Movimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.pptMovimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.ppt
 
Movimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.pptMovimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.ppt
 
Movimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.pptMovimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.ppt
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
Movimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.pptMovimentos Populacionais.ppt
Movimentos Populacionais.ppt
 
Movimentos populacionais
Movimentos populacionaisMovimentos populacionais
Movimentos populacionais
 
MIGRAÇÃO E IMIGRAÇÃO NO MUNDO A HISTÓRIA DA IMIGRAÇÃO DESDE AS PRIMEIRAS ATÉ ...
MIGRAÇÃO E IMIGRAÇÃO NO MUNDO A HISTÓRIA DA IMIGRAÇÃO DESDE AS PRIMEIRAS ATÉ ...MIGRAÇÃO E IMIGRAÇÃO NO MUNDO A HISTÓRIA DA IMIGRAÇÃO DESDE AS PRIMEIRAS ATÉ ...
MIGRAÇÃO E IMIGRAÇÃO NO MUNDO A HISTÓRIA DA IMIGRAÇÃO DESDE AS PRIMEIRAS ATÉ ...
 
Os fluxos populacionais
Os fluxos populacionaisOs fluxos populacionais
Os fluxos populacionais
 
Migrações Globais
Migrações GlobaisMigrações Globais
Migrações Globais
 
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 MigraçõesCLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
 
tiposdemigraes-100601065458-phpapp02.pdf
tiposdemigraes-100601065458-phpapp02.pdftiposdemigraes-100601065458-phpapp02.pdf
tiposdemigraes-100601065458-phpapp02.pdf
 
Migraçõesesrp
MigraçõesesrpMigraçõesesrp
Migraçõesesrp
 
Migraçoes
MigraçoesMigraçoes
Migraçoes
 

Mais de Patrícia Éderson Dias

Geografia economica i
Geografia economica iGeografia economica i
Geografia economica i
Patrícia Éderson Dias
 
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico iConhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Patrícia Éderson Dias
 
Climatologia ii
Climatologia iiClimatologia ii
Climatologia ii
Patrícia Éderson Dias
 
Climatologia i
Climatologia iClimatologia i
Climatologia i
Patrícia Éderson Dias
 
Cartografia ii
Cartografia iiCartografia ii
Cartografia ii
Patrícia Éderson Dias
 
Cartografia i
Cartografia iCartografia i
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação  interlocuções e possibilidadesPsicologia e educação  interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
Patrícia Éderson Dias
 
Política educacional
Política educacional Política educacional
Política educacional
Patrícia Éderson Dias
 
Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Patrícia Éderson Dias
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
Patrícia Éderson Dias
 
Linguagem e alfabetização
Linguagem e alfabetizaçãoLinguagem e alfabetização
Linguagem e alfabetização
Patrícia Éderson Dias
 
Leitura e produção de texto
Leitura e produção de texto Leitura e produção de texto
Leitura e produção de texto
Patrícia Éderson Dias
 
Historia da Educação Brasileira
Historia da Educação BrasileiraHistoria da Educação Brasileira
Historia da Educação Brasileira
Patrícia Éderson Dias
 
Livro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação InfantilLivro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação Infantil
Patrícia Éderson Dias
 
Fosolofia na Educação
Fosolofia na EducaçãoFosolofia na Educação
Fosolofia na Educação
Patrícia Éderson Dias
 
Livro de Didatica
Livro de DidaticaLivro de Didatica
Livro de Didatica
Patrícia Éderson Dias
 
Divisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da HistóriaDivisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da História
Patrícia Éderson Dias
 
Tendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de históriaTendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de história
Patrícia Éderson Dias
 
Introdução ao estudo da história
Introdução ao estudo da históriaIntrodução ao estudo da história
Introdução ao estudo da história
Patrícia Éderson Dias
 
Ética moral e valores
Ética moral e valoresÉtica moral e valores
Ética moral e valores
Patrícia Éderson Dias
 

Mais de Patrícia Éderson Dias (20)

Geografia economica i
Geografia economica iGeografia economica i
Geografia economica i
 
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico iConhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
 
Climatologia ii
Climatologia iiClimatologia ii
Climatologia ii
 
Climatologia i
Climatologia iClimatologia i
Climatologia i
 
Cartografia ii
Cartografia iiCartografia ii
Cartografia ii
 
Cartografia i
Cartografia iCartografia i
Cartografia i
 
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação  interlocuções e possibilidadesPsicologia e educação  interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
 
Política educacional
Política educacional Política educacional
Política educacional
 
Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
 
Linguagem e alfabetização
Linguagem e alfabetizaçãoLinguagem e alfabetização
Linguagem e alfabetização
 
Leitura e produção de texto
Leitura e produção de texto Leitura e produção de texto
Leitura e produção de texto
 
Historia da Educação Brasileira
Historia da Educação BrasileiraHistoria da Educação Brasileira
Historia da Educação Brasileira
 
Livro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação InfantilLivro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação Infantil
 
Fosolofia na Educação
Fosolofia na EducaçãoFosolofia na Educação
Fosolofia na Educação
 
Livro de Didatica
Livro de DidaticaLivro de Didatica
Livro de Didatica
 
Divisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da HistóriaDivisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da História
 
Tendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de históriaTendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de história
 
Introdução ao estudo da história
Introdução ao estudo da históriaIntrodução ao estudo da história
Introdução ao estudo da história
 
Ética moral e valores
Ética moral e valoresÉtica moral e valores
Ética moral e valores
 

Último

PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 

Último (20)

PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 

Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados

  • 1. 15/09/1715/09/17 17:2617:26 Movimentos Populacionais Éderson Dias de Oliveira LUCCI, E. A. Território e sociedade no mundo globalizado. Geografia geral e do Brasil. SP: Saraiva, 2005. TERRA, L; C, M. A. Geografia geral e do Brasil. O espaço natural e socioeconômico. SP: Moderna, 2005.
  • 2. MOVIMENTOS POPULACIONAIS •Migrações entende-se por migração, qualquer mobilidade espacial feita por sociedades humanas. •Esses deslocamentos remontam a pré-história, dado que os seres humanos estão sempre à procura de lugares que ofereçam melhores condições de vida.
  • 3. PRINCIPAIS CAUSAS DAS MIGRAÇÕES •Causas Econômicas – busca de emprego; melhores salários ou a superação da má qualidade de vida. •Estas causas se verificam-se quando há: O forte crescimento natural com falta de emprego. A pobreza generalizada põe em risco a sobrevivência de algumas pessoas.
  • 4. •Causas Naturais: as catástrofes naturais, como: secas, inundações, erupções vulcânicas, sismos obrigam, quando muito intensos, a população a deslocar-se para outros locais. •Causas Socioculturais: o desejo de uma maior realização profissional, tem contribuído para a saída de pessoas, por exemplo, para estudar no exterior, ou para trabalhar em
  • 5. •Causas Bélicas: as guerras e os governos ditatoriais, têm motivado a população a procurar refúgio em outros espaços por questões de segurança. •Causas Políticas: perseguições políticas e regimes repressivos. •Causas Étnicas: rivalidades entre grupos étnicos. Ex. Israel/Palestina – Hutus/Tutsis (Ruanda) – Apartheid.
  • 6. •Causas Religiosas: as perseguições religiosas têm levado à saída de população para outros países, por questões de segurança. Ex: Judeus na 2ª Guerra Mundial e Inquisição na Idade Média •Causas Turísticas: Lazer; Saúde; Religião e etc. Jerusalém, no centro de um conflito religioso milenar
  • 7. IMIGRANTE ≠ EMIGRANTE •Imigrante é aquele que chega a determinada região. •Emigrante é aquele que sai de determinada região. •Já a área que atrai pessoas é denominada de ECÚMENA, enquanto aquela a que “expulsa” pessoas é denominada ANECÚMENA.
  • 9. DURAÇÃO DAS MIGRAÇÕES •Migrações definitivas: quando há o deslocamento por tempo indeterminado no local de seu destino. •Ex.: no Brasil, os imigrantes japoneses, e das emigrações de nordestinos regionais; •Migrações temporárias: quando há o deslocamento por um determinado período de tempo. •Ex: migrações sazonais – nomadismo – pendular.
  • 10. MIGRAÇÕES SAZONAIS OU TRANSUMÂNCIAS •Nessa os migrantes fazem a deslocação sempre na mesma época do ano, por motivos de trabalho ou de férias. •Nessas migrações o indivíduo desloca-se de sua área de origem para outra área, retornando posteriormente.
  • 11. NOMADISMO •Trata-se da prática dos povos nômades, ou seja, que não têm uma habitação fixa. •Esses caracterizam-se pelo deslocamento constante em busca de alimento, pastagem, etc... Imagem: Michel-georges bernard /  GNU Free Documentation License.
  • 12. •Constituem os trajetos feitos no mesmo dia com duas deslocações, uma ida e outra de volta, na sua maioria entre casa, trabalho e escola. MIGRAÇÕES DIÁRIAS OU PENDULARES •São típicas das grandes cidades industriais e das metrópoles mundiais.
  • 13. ESPAÇO DE DESLOCAMENTOS DAS MIGRAÇÕES •Migrações Externas ou Internacionais: •Migrações Internas ou Nacionais;
  • 14. •Migrações Internas ou Nacionais: quando realizadas dentro de um mesmo país. •Intrarregionais (de uma região para outra) e Inter-regionais (dentro da mesma região). •Êxodo Rural: saída da população das áreas rurais para as áreas urbanas. •Êxodo Urbano: é o fenômeno que designa a migração de grandes cidades para centros menores ou zona rural. •A busca por tranquilidade, bem-
  • 15. Causas do Êxodo Rural •Mecanização do campo; •Baixa remuneração; •Falta de infraestrutura; •Desastre natural (seca, geada); •Qualidade de ensino. Consequências do Êxodo Rural •Favelização; •Aumento do desemprego ou do subemprego; •Perda de mão de obra no campo; •Marginalização;
  • 16. Histórico do Brasil • As migrações internas do Brasil seguiram concomitantemente com os ciclos econômicos brasileiros.
  • 17. •Foi somente na década de 1960 que a população urbana superou o rural. •Entre 1960 e 1980 migraram para as cidades cerca de 43 milhões de pessoas. •O grande destino eram as metrópoles em formação no SE. •A migração era racional e necessária para o emigrante e, positiva e funcional para o desenvolvimento da economia. •Em 1970 ocorre a Marcha para Oeste, formada sobretudo por sulistas em busca de fronteiras agrícolas afim
  • 18. MIGRAÇÃO DE RETORNO •Trata-se da migração de uma pessoa que deixa o seu estado natal, reside algum tempo em outro estado e depois regressa a sua origem. (conceito de lugar). •Ex: Pernambuco, durante muito tempo foi uma área ANECÚMENA. •Todavia, hoje vem atraindo pessoas de várias regiões, tornando-se, portanto, uma área ECÚMENA.
  • 19. Migrações Externas  quando as pessoas se deslocam de um país para outro. Intercontinentais: Migrações que se realizam entre continentes diferentes. Intracontinentais: Migrações que se realizam dentro do mesmo continente.
  • 20. “FUGA DE CÉREBROS” •Fuga de capital humano - é uma emigração seletiva de indivíduos com aptidões técnicas ou de conhecimentos. •Assim, os trabalhadores mais especializados mal remunerados no seu país de origem saem em busca de salários mais altos. •É a “fuga de cérebros” – migrações de pessoas com formação de nível superior e profissões muito qualificadas.
  • 21. •Quanto à forma as migrações podem ser: •Migrações Voluntárias: quando a decisão da deslocação é feita por vontade própria. •Migrações Forçadas: quando as pessoas são obrigadas a sair da sua área de residência, por razões que ultrapassam a vontade individual. Ex: Refugiados e Deslocados. •Com a colonização, nos séculos XVI e XVII, ocorreram migrações ESPONTÂNEAS de povoamento e migrações FORÇADAS, como foi o caso do comércio de escravos africanos.
  • 22. •A partir do século XVIII, em especial durante o século XIX e na primeira metade do século XX, o mundo conheceu um movimento migratório de grandes proporções. Osretirantes1944–CândidoPortinari
  • 23. •Daí que se possa classificar as migrações quanto ao controlo as migrações podem ser: •Migrações Legais: quando os países envolvidos autorizam o movimento de pessoas de um país para outro. •Migrações Clandestinas: quando as pessoas entram e ficam no país sem efetuarem os registos legais. •Quando se trata de migrações internacionais nem sempre o país de acolhimento e/ou país de origem consentem a deslocação dos migrantes.
  • 24. Fluxos Migratórios Internacionais •A origem dos principais fluxos está nas áreas simultaneamente pobres e povoadas (norte de África, América Latina, centro e sudeste da Ásia). •O destino dos principais fluxos são as áreas mais ricas (Europa, América do Norte e Médio Oriente).
  • 25. A distância cada vez maior entre os países pobres e ricos vem estimulando as migrações em nível internacional
  • 26. •Os movimentos de populações devem-se a diferentes tipos de causas. Áreas Atrativas x Áreas Repulsivas
  • 27. CONSEQUÊNCIAS PARA OS PAÍSES DE PARTIDA  Diminuição da população absoluta, da taxa de natalidade e do crescimento natural.  Envelhecimento da população e aumento da taxa de mortalidade.  Redução da mão de obra dos diversos setores de atividades levando a estagnação da economia.  Diminuição do desemprego com à saída de população ativa.  Desequilíbrio social entre os sexos, pela predominância de população mulheres e idosos.  Maior entrada de remessas enviadas pelos emigrantes.
  • 28. CONSEQUÊNCIAS PARA OS PAÍSES DE CHEGADA Aumento da população absoluta, da taxa de natalidade e do crescimento natural.  Rejuvenescimento da população. Acréscimo da mão de obra disponível (desemprego) e redução dos salários. Enriquecimento e intercâmbio cultural. Dificuldades de integração dos imigrantes (diferenças linguísticas e culturais). Falta de habitação e aumento dos bairros degradados (guetos e bairros-de-lata) e crimes. Ampliação dos conflitos sociais (racismo e xenofobia).
  • 29. 15/09/1715/09/17 17:2617:26 Os Refugiados e a Crise Migratória Éderson Dias de Oliveira
  • 30. Quem é o Refugiado? (migrante forçado) •É o indivíduo que com medo de ser perseguido dado sua raça, religião, nacionalidade, filiação em certo grupo social ou opinião política, é obrigado a deixar o local em que vive e refugiar-se em regiões onde se sintam seguros. Refugiado (externo) Deslocado (interno) Fuga de sírios rumo à fronteira com a Jordânia
  • 31. Qual a diferença entre refugiado e imigrante?  •O imigranteimigrante tem a perspectiva de retorno, mesmo que imaginada. •O refugiadorefugiado raramente consegue uma reinserção no local de origem, seja porque aquele lugar social não existe mais, ou porque há enormes limitações ao ‘retorno’. Campo de refugiados em Zaatari – norte da Jordânia •Além disso, a situação de violência e sequela psicológica, também significa um desterro em prol de sua vida.
  • 32. Motivos da origem dos refugiadosMotivos da origem dos refugiados • Guerras internas; • Extermínio étnico; • Péssimas condições de vida. • Violações dos direitos humanos; • Perseguições políticas e torturas; • Discriminação religiosa ou cultural; • Governos ditatoriais ou democracias pouco consolidadas; • Problemas ambientais: desertificação, desmatamento, erosão dos solos, desastres químicos ou nucleares e etc.
  • 33. 10 países recebem mais de metade dos refugiados do mundo
  • 34. Campo de Refugiados •É o local construído provisoriamente por organizações internacionais ou organizações não-governamentais, como o Médicos Sem Fronteiras, para receber refugiados. •Os campos têm a intenção de serem temporários, providenciando o básico necessário para a sobrevivência. •São montados com barracas para dormir, higiene pessoal, suprimentos médicos, comunicação, e alimentação.
  • 35. •Quando há guerra em um país e pessoas são desalojadas, a ONU procura uma nação vizinha que as aceite. •O campo deve ser construído a 50 km da fronteira num terreno levemente inclinado, para facilitar a drenagem.
  • 36. •Dadaab (Quênia) possui o maior campo de refugiados do mundo. •O mesmo foi planejado para abrigar 90 mil pessoas, mas atualmente comportam cerca de 400 mil refugiados. •Esse recebe um fluxo constante de mais de mil refugiados novos ao dia, em sua maioria vindos da Somália.
  • 37. NúmerosNúmeros • Na década de 1970, havia cerca de 2,5 milhões de refugiados no mundo, número que em 2016 é de 65,2 milhões, conforme dados da ONU.
  • 38. Fluxos de RefugiadosFluxos de Refugiados
  • 39. •A Europa enfrenta atualmente uma grave crise de refugiados e migrantes. •Desde o início de 2015, mais de 300 mil pessoas tentaram chegar ao continente por meio de travessias perigosas no Mar do Mediterrâneo. •Mortos no Mediterrâneo •123 em 2010 •1,5 mil em 2011 •500 em 2012 •600 em 2013 •3,4 mil em 2014 •2,5 mil em 2015 •O fluxo intenso de pessoas está relacionado à situação de conflitos armados e de perseguição existente.  Fronteira espanhola do Enclave de Melilha - Marrocos.
  • 41. Principais conflitos que alimentam aPrincipais conflitos que alimentam a atual crise migratóriaatual crise migratória
  • 42. SíriaSíria Desde 2011 a Síria enfrenta uma violenta guerra civil, onde setores da população tentaram derrubar o ditador Bashar al-Assad (Primavera Árabe) O controle do país está fragmentado entre forças leais a Assad e grupos insurgentes. A facção Estado Islâmico, controla mais de 50% da Síria. 4,9 milhões dos 22,8 milhões de habitantes deixaram o país fugindo de uma guerra que não dá sinais de arrefecer. 
  • 43. SíriaSíria Refugiados sírios no campo de Domiz na região do Curdistão do Iraque.
  • 44. Afeganistão O país localizado na Ásia perdeu 2,7 milhões de seus 30,5 milhões de habitantes ao longo de uma sucessão de conflitos internos e internacionais, cujo momento mais grave se deu a partir de 2001 com a invasão dos EUA. Temendo a violência milhões de afegãos fugiram do país, tornando um dos maiores produtor de refugiados do mundo. A maioria dos seus refugiados (95%) estão no Irã e no Paquistão.
  • 45. AfeganistãoAfeganistão Policiais afegãos vigiam mercado onde atentado a bomba com caminhão deixou sete mortos e mais de cem feridos, 2017.
  • 46. EritreiaEritreia A Eritreia é governada pelo ditador Isaias Afworki desde sua independência em 1993. É considerado como a "Coreia do Norte africana", dados os altos índices de repressão. As pessoas fogem da ditadura e da repressão, sendo que milhares são presas sem acusação formal. •Os jovens são obrigados a prestar serviço militar. •O salário médio é de cerca de 200 reais/mês. •A frustração entre os cidadãos é enorme.
  • 47. EritreiaEritreia Soldados da Eritreia ajudam família a erguer tenda em campo de refugiados em Afabet, devido a ofensiva da Etiópia.
  • 48. SomáliaSomália O país do chifre da África, um dos mais pobres do mundo, no qual o governo não exerce controle efetivo da segurança, levando à fuga de 1,1 milhão de seus 10,5 milhões de habitantes. A situação é agravada por secas esporádicas, que comprometem a segurança alimentar do país. Em meio à instabilidade política, ganhou espaço na Somália a milícia radical islâmica Al-Shabaab, filiada à Al- Qaeda. Por vários anos, o grupo proibiu a presença de ajuda
  • 49. SomáliaSomália Campo de refugiados de Dadaab, no Quênia, que acolhe cidadãos somalis que fogem da seca e da violência em seu país.
  • 50. NigériaNigéria A Nigéria busca fortalecer seu regime democrático, mas enfrenta desafios como uma crise energética e uma onda de violência sectária. Atualmente, o governo lida com a insurgência do grupo radical Boko Haram, que controla parte do país. Recentemente, o grupo declarou lealdade ao Estado Islâmico. 4,7 milhões de pessoas estão refugiados do conflito com o Boko Haram.
  • 51. NigériaNigéria Meninas resgatadas do Boko Haram, esperam para receber roupas em campo de refugiados no país.
  • 52. DESTERRITORIALIZAÇÃO •São as populações inteiras expulsas de seus territórios. •Esses povos sem território, dispersos em outros países, procuram um lugar para chamar de pátria. •Pátria: é o país ou estado em que a pessoa nasceu (terra natal) e que faz parte como cidadão.  •Do latim "patriota", terra paterna - indica a terra natal ou adotiva de um ser humano, que se sente ligado por vínculos afetivos, culturais, valores e história.
  • 53. Restrição nas políticas migratórias • A intensificação dos fluxos migratórios internacionais nas últimas décadas provocou o aumento do número de países com políticas migratórias restritivas. • Os principais motivos são: Medo de uma onda migratória sem controle; Risco de desemprego para a população local; Perda de identidade nacional; Espetro do terrorismo.
  • 54. Nacionalismo •É um sentimento de individualidade (ideologia), marcado pela aproximação e identificação com uma nação. •Não se pode confundir com patriotismo (manifestação de amor aos símbolos do estado). •O nacionalismo se apresenta como símbolo de defesa do interesse do estado ou nação na sua preservação enquanto entidade. •Na idade média surgiu como ideologia revolucionária, contrária aos interesses dos nobres e do domínio da igreja católica
  • 55. Xenofobia •É um tipo de nacionalismo exagerado, que repele os que se apresentam diferentes, podendo assumir vários tipos de aversão. •É também um termo usado para denominar o transtorno psiquiátrico que gera um medo excessivo, sem controle algum, ao que é desconhecido, a objetos ou pessoas. •Esse conceito também se aplica a qualquer discriminação de ordem racial, grupal (grupos minoritários) ou cultural.
  • 56.
  • 57.
  • 58. EXEMPLOS DE NACIONALISMO QUE MARCARAM O MUNDO Nazismo Fascismo Estado Novo - Brasil Socialismo soviético
  • 59. Muro entre o México e os EUA Muro na cidade de Ceuta - Espanha
  • 60. Em busca de soluçãoEm busca de solução •O maior obstáculo para uma solução do caos humanitário na Europa é a falta de unidade entre os países. •Alguns propõe soluções, porém, vários outros não aceitam os refugiados. •Esses têm optado por arriscar a travessia, na esperança de chegar a locais que tenham chance de conseguir asilo. •A proposta alemã é o estabelecimento de cotas para receber os refugiados, com a distribuição de acordo o tamanho do país e sua capacidade econômica . •Parece simples, mas não é, já que essa solução não incluiu a opinião dos refugiados.
  • 61. •Os governos do Leste Europeu se opõem às cotas dizendo que os imigrantes não querem ficar em seus países. •O projeto para a criação de cotas não foi descartado, tendo apoio da França, Alemanha e Itália. •A Comissão Europeia anunciará um mecanismo permanente para distribuir os refugiados pelos 28 países do bloco. •PORÉM a abertura europeia aos refugiados pode incentivar milhares de vítimas de crises humanitárias a buscarem abrigo na região.
  • 62. •Ainda é cedo para por em prática soluções para a crise dos refugiados na Europa. •Uma possível solução para a crise humanitária dos refugiados passa obrigatoriamente pela paz e estabilidade democrática nos países de origem. •Todas essas crises não tem perspectiva de melhora no curto e médio prazo.
  • 63. ENADE 2016 - QUESTÃO DISCURSIVA 1 •No primeiro trimestre de 2015, chegaram à Europa, de modo irregular, cerca de 57 300 imigrantes, que é o triplo do verificado no mesmo período de 2014. •Nesse cálculo, não foram incluídos os imigrantes que naufragaram no Mediterrâneo ao serem transportados em barcos precários e superlotados, fretados por mercadores que cobram cerca de 2 mil dólares por passageiro. •Considerando essas informações, elabore um texto dissertativo, posicionando-se a respeito dos referidos movimentos migratórios. Em seu texto, apresente quatro argumentos, sendo dois na perspectiva de quem migra e dois na perspectiva dos países que recebem os imigrantes. Riscos de fome e de morte – Riscos e terrorismo e pressão nos serviços públicos.
  • 64. O destino nem sempre é a EuropaO destino nem sempre é a Europa •Cerca de 7,6 milhões sírios fugiram para outras partes da Síria, enquanto 4 milhões para outros países, principalmente os vizinhos Turquia, Líbano e Jordânia. Sharbat Gula, refugiada afegã imortalizada em uma capa da revista National Geographic em 1985. •Uma pequena parte desses refugiados buscam asilo em países ricos da Europa. •Há atualmente, 710 mil afegãos deslocados dentro do país e mais de 2,5 milhões refugiados fora.
  • 65. •Atualmente, há mais de 216 mil refugiados da Eritreia nos vizinhos Etiópia e Sudão.“ •Há cerca de 1,1 milhão de pessoas deslocadas dentro da Somália e mais de 1 milhão fora, principalmente no Quênia, Etiópia e Iêmen. Uma mãe com a sua filha no posto de registo no Uganda  •Confrontos violentos entre as forças de segurança e os insurgentes forçaram 1,3 milhão de nigerianos a deslocar para outras partes do país, além de cerca de 150 mil pessoas se refugiarem principalmente no Chade, Níger e Camarões.
  • 66. O Brasil e os RefugiadosO Brasil e os Refugiados •O número de refugiados reconhecidos no país aumentou 12% no país, em 2016, com pessoas de 82 nacionalidades.  •Os países com maior número de refugiados reconhecidos no Brasil em 2016 foram Síria (326), Congo (189), Paquistão (98), Palestina (57) e Angola (26). •Atualmente, existem no Brasil 8400 refugiados, sendo que a maioria são da Síria, Colômbia, Angola e Congo. •Os países com maior número de solicitantes de refúgio em 2016 foram Venezuela (3.375), Cuba (1.370), Angola (1.353), Haiti (646) e Síria (391). •Desde o início do conflito na Síria, 3.772 sírios solicitaram refúgio no Brasil.
  • 67. Haitianos no Brasil •Os haitianos não são considerados refugiados  no país. •O refúgio só é concedido a quem estiver sofrendo perseguição, por motivos étnicos, religiosos ou políticas. •Porém, em razão da crise humanitária provocada pelo terremoto de 2011, o Brasil abriu uma exceção, concedendo- lhes um visto diferenciado. •Os haitianos passaram a ver no Brasil um ponto de referência, dada a presença militar brasileira no Haiti Brasiléia - AC
  • 68. •Mais de 7 mil haitianos entraram no Brasil, pelo Acre em 2015. •Cerca de 70% dos haitianos que vivem no Brasil estão em idade ativa, entre 18 e 50 anos e são homens. •Pouco mais de 40% dos imigrantes haitianos têm escolaridade de nível médio completo ou incompleto. •A grande maioria divide a moradia com outros imigrantes. •80% dos haitianos estão concentrados sudeste. •30% dos imigrantes haitianos são absorvidos pela construção civil.

Notas do Editor

  1. Deixe claro que e um tipo de migração temporária.