SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
NG2 – AMBIENTE E 
SUSTENTABILIDADE 
Consumo e Eficiência Energética
OBJETIVOS GERAIS 
• Intervir em questões relacionadas com ambiente e sustentabilidade, 
• Descodificar símbolos, 
• Produzir indicações claras a favor de práticas de defesa dos recursos 
naturais, 
• Argumentar em debate, tendo em conta o papel dos mass media na 
opinião pública.
Ambiente 
• (do latim ambiens/ambientis, com o sentido de envolver algo) É o 
conjunto das substâncias, circunstâncias ou condições em que existe 
determinado objeto ou em que ocorre determinada ação. 
• Meio ambiente - Em biologia, inclui tudo o que afeta diretamente o 
metabolismo ou o comportamento de um ser vivo ou de uma espécie, 
incluindo a luz, o ar, a água, o solo ou os outros seres vivos que com 
ele coabitam. 
Retirado de http://pt.wikipedia.org/wiki/Ambiente
Sustentabilidade 
• O termo "sustentável" provém do latim sustentare (sustentar; 
defender; favorecer, apoiar; conservar, cuidar). 
• Sustentabilidade é uma característica ou condição de um processo ou 
de um sistema que permite a sua permanência, em certo nível, por 
um determinado prazo. 
• Sustentabilidade também pode ser definida como a capacidade do ser 
humano interagir com o mundo, preservando o meio ambiente para 
não comprometer os recursos naturais das gerações futuras. 
In http://pt.wikipedia.org/wiki/Sustentabilidade
Consumo e Eficiência Energética 
• Por definição, eficiência energética é a relação entre a quantidade de 
energia que se emprega para realizar uma determinada tarefa e a 
disponibilizada para sua realização. 
• Assim, a utilização racional de energia consiste em usar de modo 
eficiente a energia para se obter um determinado resultado. 
• Os equipamentos que temos em nossa casa, como frigoríficos ou 
televisores, consomem sempre energia. O objetivo será, então, 
consumir o mínimo possível de energia em relação direta com o custo 
que esta possui. 
• “A eficiência energética é a otimização que realizamos no 
consumo de energia”
• De modo a que os consumidores fossem informados dos desempenhos 
energéticos dos seus eletrodomésticos, a Comissão Europeia criou uma 
etiqueta energética. Também a ADENE desenvolveu um organismo com 
esse mesmo fim: o SEEP. 
• Através desta etiqueta, podemos ter a visão dos gastos a efetuar, em 
termos de consumo de electricidade e nalguns casos também de água, 
de modo a tornar possível a comparação entre diversos modelos e a 
escolha coerente que garanta uma redução de custos e proteção 
ambiental.
Ex. para um 
frigorífico
• A etiqueta energética garante assim uma vantagem comercial dos 
fabricantes de aparelhos mais eficientes, penalizando aqueles que não 
promovem a eficiência energética dos seus produtos, ao estimular a 
compra dos primeiros. 
• Torna-se, por isso, um instrumento de política energética, contribuindo 
para o aumento da venda dos equipamentos mais eficientes, com 
impacto concreto na redução dos consumos energéticos.
• Muitas vezes, os equipamentos mais eficientes não são os que 
representam o maior número de vendas. Tal deve-se, em grande 
parte, a: 
• Falta de informação no desempenho dos equipamentos; 
• Falta de preocupação acerca da eficiência energética e mais, por 
exemplo, em relação ao design. 
• Diferença entre o custo de equipamentos comuns, face aos de 
maior eficiência energética (ex. as lâmpadas).
Algumas dicas 
• Alguns aparelhos de televisão consomem, em média, 90W (Watts) 
quando se encontram ligados. Tenha em atenção o consumo do 
equipamento na decisão de compra. 
• Evite ter vários aparelhos ligados ao mesmo tempo ou ligar a 
televisão só para adormecer. 
• Quando desligar a televisão, não se esqueça de o fazer no botão, e 
não no comando. Durante o período em que se encontra em stand-by, 
a televisão não está desligada, continuando a consumir energia.
BOM TRABALHO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cidadania e Profissionalidade
Cidadania e ProfissionalidadeCidadania e Profissionalidade
Cidadania e ProfissionalidadeELIANANDR
 
STC NG5 DR4 Conceição
STC NG5 DR4 ConceiçãoSTC NG5 DR4 Conceição
STC NG5 DR4 ConceiçãoAlberto Casaca
 
Ng 1, 2 e 3
Ng 1, 2 e 3Ng 1, 2 e 3
Ng 1, 2 e 3escola
 
Ng1 Equipamentos E Sistemas TéCnicos
Ng1   Equipamentos E Sistemas TéCnicosNg1   Equipamentos E Sistemas TéCnicos
Ng1 Equipamentos E Sistemas TéCnicoscris80
 
Palestra pelo Arquitecto Paulo Fonseca
Palestra pelo Arquitecto Paulo FonsecaPalestra pelo Arquitecto Paulo Fonseca
Palestra pelo Arquitecto Paulo Fonsecaefam1
 
Preparar Uma Sessao De Juri
Preparar Uma Sessao De JuriPreparar Uma Sessao De Juri
Preparar Uma Sessao De JuriJoão Lima
 
Ficha de trabalho clc dr2
Ficha de trabalho clc   dr2Ficha de trabalho clc   dr2
Ficha de trabalho clc dr2Helena Maria
 
Descodificacao - Cidadania & Profissionalidade
Descodificacao - Cidadania & ProfissionalidadeDescodificacao - Cidadania & Profissionalidade
Descodificacao - Cidadania & ProfissionalidadeJ P
 
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2I.Braz Slideshares
 
Urbanismo E Mobilidade Dr1
Urbanismo E Mobilidade Dr1Urbanismo E Mobilidade Dr1
Urbanismo E Mobilidade Dr1Manuel Campinho
 
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandesClc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandesSILVIA G. FERNANDES
 
Equipamentos e Sistemas Técnicos dr2
Equipamentos e Sistemas Técnicos dr2Equipamentos e Sistemas Técnicos dr2
Equipamentos e Sistemas Técnicos dr2Vitor Pereira
 

Mais procurados (20)

Cidadania e Profissionalidade
Cidadania e ProfissionalidadeCidadania e Profissionalidade
Cidadania e Profissionalidade
 
STC - NG3 - DR1
STC - NG3 - DR1STC - NG3 - DR1
STC - NG3 - DR1
 
STC NG5 DR4 Conceição
STC NG5 DR4 ConceiçãoSTC NG5 DR4 Conceição
STC NG5 DR4 Conceição
 
Resumo STC
Resumo STCResumo STC
Resumo STC
 
Ng 1, 2 e 3
Ng 1, 2 e 3Ng 1, 2 e 3
Ng 1, 2 e 3
 
Ng1 Equipamentos E Sistemas TéCnicos
Ng1   Equipamentos E Sistemas TéCnicosNg1   Equipamentos E Sistemas TéCnicos
Ng1 Equipamentos E Sistemas TéCnicos
 
Clc ng3 dr1
Clc ng3   dr1Clc ng3   dr1
Clc ng3 dr1
 
Palestra pelo Arquitecto Paulo Fonseca
Palestra pelo Arquitecto Paulo FonsecaPalestra pelo Arquitecto Paulo Fonseca
Palestra pelo Arquitecto Paulo Fonseca
 
Preparar Uma Sessao De Juri
Preparar Uma Sessao De JuriPreparar Uma Sessao De Juri
Preparar Uma Sessao De Juri
 
Ficha de trabalho clc dr2
Ficha de trabalho clc   dr2Ficha de trabalho clc   dr2
Ficha de trabalho clc dr2
 
STC - NG3 - DR2
STC - NG3 - DR2STC - NG3 - DR2
STC - NG3 - DR2
 
Descodificacao - Cidadania & Profissionalidade
Descodificacao - Cidadania & ProfissionalidadeDescodificacao - Cidadania & Profissionalidade
Descodificacao - Cidadania & Profissionalidade
 
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
 
Urbanismo E Mobilidade Dr1
Urbanismo E Mobilidade Dr1Urbanismo E Mobilidade Dr1
Urbanismo E Mobilidade Dr1
 
Reflexão - CP1
Reflexão - CP1Reflexão - CP1
Reflexão - CP1
 
C.L.C. 5 - Telemóveis
C.L.C. 5 - TelemóveisC.L.C. 5 - Telemóveis
C.L.C. 5 - Telemóveis
 
Dr2 final
Dr2 finalDr2 final
Dr2 final
 
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandesClc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
 
Trabalho de clc ng5 dr2
Trabalho de clc ng5 dr2Trabalho de clc ng5 dr2
Trabalho de clc ng5 dr2
 
Equipamentos e Sistemas Técnicos dr2
Equipamentos e Sistemas Técnicos dr2Equipamentos e Sistemas Técnicos dr2
Equipamentos e Sistemas Técnicos dr2
 

Destaque

BrunoequaçõEs De 1º Grau 1ª Parte
BrunoequaçõEs De 1º Grau   1ª ParteBrunoequaçõEs De 1º Grau   1ª Parte
BrunoequaçõEs De 1º Grau 1ª Partetetsu
 
Brunonumeros Primos
Brunonumeros PrimosBrunonumeros Primos
Brunonumeros Primostetsu
 
CLC - Resíduos e Reciclagem
CLC - Resíduos e ReciclagemCLC - Resíduos e Reciclagem
CLC - Resíduos e Reciclagemcattonia
 
BrunoequaçõEs De 1º Grau 2ª Parte
BrunoequaçõEs De 1º Grau   2ª ParteBrunoequaçõEs De 1º Grau   2ª Parte
BrunoequaçõEs De 1º Grau 2ª Partetetsu
 
Razaoproporcao
RazaoproporcaoRazaoproporcao
Razaoproporcaotetsu
 
Regrade3simples
Regrade3simplesRegrade3simples
Regrade3simplestetsu
 
EquaçõEs De 1º Grau 3ª Parte
EquaçõEs De 1º Grau   3ª ParteEquaçõEs De 1º Grau   3ª Parte
EquaçõEs De 1º Grau 3ª Partetetsu
 

Destaque (7)

BrunoequaçõEs De 1º Grau 1ª Parte
BrunoequaçõEs De 1º Grau   1ª ParteBrunoequaçõEs De 1º Grau   1ª Parte
BrunoequaçõEs De 1º Grau 1ª Parte
 
Brunonumeros Primos
Brunonumeros PrimosBrunonumeros Primos
Brunonumeros Primos
 
CLC - Resíduos e Reciclagem
CLC - Resíduos e ReciclagemCLC - Resíduos e Reciclagem
CLC - Resíduos e Reciclagem
 
BrunoequaçõEs De 1º Grau 2ª Parte
BrunoequaçõEs De 1º Grau   2ª ParteBrunoequaçõEs De 1º Grau   2ª Parte
BrunoequaçõEs De 1º Grau 2ª Parte
 
Razaoproporcao
RazaoproporcaoRazaoproporcao
Razaoproporcao
 
Regrade3simples
Regrade3simplesRegrade3simples
Regrade3simples
 
EquaçõEs De 1º Grau 3ª Parte
EquaçõEs De 1º Grau   3ª ParteEquaçõEs De 1º Grau   3ª Parte
EquaçõEs De 1º Grau 3ª Parte
 

Semelhante a Consumo Energético Sustentável

Manualdeconsumoconsciente_energiaeletrica.pdf
Manualdeconsumoconsciente_energiaeletrica.pdfManualdeconsumoconsciente_energiaeletrica.pdf
Manualdeconsumoconsciente_energiaeletrica.pdfJeffersonPereira360732
 
Dicas para poupar energia empresas
Dicas para poupar energia empresasDicas para poupar energia empresas
Dicas para poupar energia empresasJorge Antunes
 
MEO Energy Project
MEO Energy ProjectMEO Energy Project
MEO Energy ProjectNuno Martins
 
Biotera - Produção mais Limpa (p+l)
Biotera - Produção mais Limpa (p+l)Biotera - Produção mais Limpa (p+l)
Biotera - Produção mais Limpa (p+l)Biotera
 
101 dicas que contribuem para a redução das Mudanças Climáticas
101 dicas que contribuem para a redução das Mudanças Climáticas101 dicas que contribuem para a redução das Mudanças Climáticas
101 dicas que contribuem para a redução das Mudanças ClimáticasGuellity Marcel
 
Apresentação da SPGAIA
Apresentação da SPGAIAApresentação da SPGAIA
Apresentação da SPGAIAAntonio Maia
 
Eficiência energética apresentação guiada 11_08_2011
Eficiência energética apresentação guiada 11_08_2011Eficiência energética apresentação guiada 11_08_2011
Eficiência energética apresentação guiada 11_08_2011praticas_sustentabilidade
 
File 214762-20170206152349
File 214762-20170206152349File 214762-20170206152349
File 214762-20170206152349Thiaggo Colares
 
C:\Fakepath\Poupar Energia[1]
C:\Fakepath\Poupar Energia[1]C:\Fakepath\Poupar Energia[1]
C:\Fakepath\Poupar Energia[1]Elsa Rolim
 
O comportamento no consumo de energia
O comportamento no consumo de energiaO comportamento no consumo de energia
O comportamento no consumo de energiaRui Loureiro
 
ApresentaçãO Spgaia Maio 2012
ApresentaçãO Spgaia   Maio 2012ApresentaçãO Spgaia   Maio 2012
ApresentaçãO Spgaia Maio 2012Antonio Maia
 
Construcao sustentavel
Construcao sustentavelConstrucao sustentavel
Construcao sustentavelCarla Cabrita
 
Alternativas energeticas_powerpoint
Alternativas energeticas_powerpointAlternativas energeticas_powerpoint
Alternativas energeticas_powerpointtavarok86
 
8° ano C - Construção de uma casa ecologicamente sustentável
8° ano C - Construção de uma casa ecologicamente sustentável 8° ano C - Construção de uma casa ecologicamente sustentável
8° ano C - Construção de uma casa ecologicamente sustentável artedasustentabilidade
 
O ambiente é de todos vamos usar bem margarida
O ambiente é de todos vamos usar bem  margaridaO ambiente é de todos vamos usar bem  margarida
O ambiente é de todos vamos usar bem margaridagenarui
 
O ambiente é de todos vamos usar bem
O ambiente é de todos vamos usar bemO ambiente é de todos vamos usar bem
O ambiente é de todos vamos usar bemgenarui
 

Semelhante a Consumo Energético Sustentável (20)

Manualdeconsumoconsciente_energiaeletrica.pdf
Manualdeconsumoconsciente_energiaeletrica.pdfManualdeconsumoconsciente_energiaeletrica.pdf
Manualdeconsumoconsciente_energiaeletrica.pdf
 
Dicas para poupar energia empresas
Dicas para poupar energia empresasDicas para poupar energia empresas
Dicas para poupar energia empresas
 
MEO Energy Project
MEO Energy ProjectMEO Energy Project
MEO Energy Project
 
Biotera - Produção mais Limpa (p+l)
Biotera - Produção mais Limpa (p+l)Biotera - Produção mais Limpa (p+l)
Biotera - Produção mais Limpa (p+l)
 
101 dicas que contribuem para a redução das Mudanças Climáticas
101 dicas que contribuem para a redução das Mudanças Climáticas101 dicas que contribuem para a redução das Mudanças Climáticas
101 dicas que contribuem para a redução das Mudanças Climáticas
 
Eficiencia energetica apresentação
Eficiencia energetica apresentaçãoEficiencia energetica apresentação
Eficiencia energetica apresentação
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Cat solugerenciamen
Cat solugerenciamenCat solugerenciamen
Cat solugerenciamen
 
Green buildings
Green buildingsGreen buildings
Green buildings
 
Apresentação da SPGAIA
Apresentação da SPGAIAApresentação da SPGAIA
Apresentação da SPGAIA
 
Eficiência energética apresentação guiada 11_08_2011
Eficiência energética apresentação guiada 11_08_2011Eficiência energética apresentação guiada 11_08_2011
Eficiência energética apresentação guiada 11_08_2011
 
File 214762-20170206152349
File 214762-20170206152349File 214762-20170206152349
File 214762-20170206152349
 
C:\Fakepath\Poupar Energia[1]
C:\Fakepath\Poupar Energia[1]C:\Fakepath\Poupar Energia[1]
C:\Fakepath\Poupar Energia[1]
 
O comportamento no consumo de energia
O comportamento no consumo de energiaO comportamento no consumo de energia
O comportamento no consumo de energia
 
ApresentaçãO Spgaia Maio 2012
ApresentaçãO Spgaia   Maio 2012ApresentaçãO Spgaia   Maio 2012
ApresentaçãO Spgaia Maio 2012
 
Construcao sustentavel
Construcao sustentavelConstrucao sustentavel
Construcao sustentavel
 
Alternativas energeticas_powerpoint
Alternativas energeticas_powerpointAlternativas energeticas_powerpoint
Alternativas energeticas_powerpoint
 
8° ano C - Construção de uma casa ecologicamente sustentável
8° ano C - Construção de uma casa ecologicamente sustentável 8° ano C - Construção de uma casa ecologicamente sustentável
8° ano C - Construção de uma casa ecologicamente sustentável
 
O ambiente é de todos vamos usar bem margarida
O ambiente é de todos vamos usar bem  margaridaO ambiente é de todos vamos usar bem  margarida
O ambiente é de todos vamos usar bem margarida
 
O ambiente é de todos vamos usar bem
O ambiente é de todos vamos usar bemO ambiente é de todos vamos usar bem
O ambiente é de todos vamos usar bem
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxcattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxcattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxcattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxcattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digitalcattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesacattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundocattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço portuguêscattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo portuguêscattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivcattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimentocattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europacattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalizaçãocattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesacattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmoscattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social iicattonia
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do socialcattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 

Último

Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 

Último (20)

Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 

Consumo Energético Sustentável

  • 1. NG2 – AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Consumo e Eficiência Energética
  • 2. OBJETIVOS GERAIS • Intervir em questões relacionadas com ambiente e sustentabilidade, • Descodificar símbolos, • Produzir indicações claras a favor de práticas de defesa dos recursos naturais, • Argumentar em debate, tendo em conta o papel dos mass media na opinião pública.
  • 3. Ambiente • (do latim ambiens/ambientis, com o sentido de envolver algo) É o conjunto das substâncias, circunstâncias ou condições em que existe determinado objeto ou em que ocorre determinada ação. • Meio ambiente - Em biologia, inclui tudo o que afeta diretamente o metabolismo ou o comportamento de um ser vivo ou de uma espécie, incluindo a luz, o ar, a água, o solo ou os outros seres vivos que com ele coabitam. Retirado de http://pt.wikipedia.org/wiki/Ambiente
  • 4. Sustentabilidade • O termo "sustentável" provém do latim sustentare (sustentar; defender; favorecer, apoiar; conservar, cuidar). • Sustentabilidade é uma característica ou condição de um processo ou de um sistema que permite a sua permanência, em certo nível, por um determinado prazo. • Sustentabilidade também pode ser definida como a capacidade do ser humano interagir com o mundo, preservando o meio ambiente para não comprometer os recursos naturais das gerações futuras. In http://pt.wikipedia.org/wiki/Sustentabilidade
  • 5. Consumo e Eficiência Energética • Por definição, eficiência energética é a relação entre a quantidade de energia que se emprega para realizar uma determinada tarefa e a disponibilizada para sua realização. • Assim, a utilização racional de energia consiste em usar de modo eficiente a energia para se obter um determinado resultado. • Os equipamentos que temos em nossa casa, como frigoríficos ou televisores, consomem sempre energia. O objetivo será, então, consumir o mínimo possível de energia em relação direta com o custo que esta possui. • “A eficiência energética é a otimização que realizamos no consumo de energia”
  • 6.
  • 7. • De modo a que os consumidores fossem informados dos desempenhos energéticos dos seus eletrodomésticos, a Comissão Europeia criou uma etiqueta energética. Também a ADENE desenvolveu um organismo com esse mesmo fim: o SEEP. • Através desta etiqueta, podemos ter a visão dos gastos a efetuar, em termos de consumo de electricidade e nalguns casos também de água, de modo a tornar possível a comparação entre diversos modelos e a escolha coerente que garanta uma redução de custos e proteção ambiental.
  • 8.
  • 9. Ex. para um frigorífico
  • 10. • A etiqueta energética garante assim uma vantagem comercial dos fabricantes de aparelhos mais eficientes, penalizando aqueles que não promovem a eficiência energética dos seus produtos, ao estimular a compra dos primeiros. • Torna-se, por isso, um instrumento de política energética, contribuindo para o aumento da venda dos equipamentos mais eficientes, com impacto concreto na redução dos consumos energéticos.
  • 11. • Muitas vezes, os equipamentos mais eficientes não são os que representam o maior número de vendas. Tal deve-se, em grande parte, a: • Falta de informação no desempenho dos equipamentos; • Falta de preocupação acerca da eficiência energética e mais, por exemplo, em relação ao design. • Diferença entre o custo de equipamentos comuns, face aos de maior eficiência energética (ex. as lâmpadas).
  • 12. Algumas dicas • Alguns aparelhos de televisão consomem, em média, 90W (Watts) quando se encontram ligados. Tenha em atenção o consumo do equipamento na decisão de compra. • Evite ter vários aparelhos ligados ao mesmo tempo ou ligar a televisão só para adormecer. • Quando desligar a televisão, não se esqueça de o fazer no botão, e não no comando. Durante o período em que se encontra em stand-by, a televisão não está desligada, continuando a consumir energia.