SlideShare uma empresa Scribd logo
CLASSIFICAÇÃO E ADMINISTRAÇAO DAS
EMPRESAS E OUTROS TEMAS RELACIONADOS
Apresentado por R Gómez
Graduado em Administração de Empresa
Especializado em Gestão Empresarial
Com habilidades em: Administração geral, supervisão
geral, gerência, direção, acessória empresarial,
processos empresariais, gestão estratégica, qualidade
organizacional, custos, gestão financeira, gestão de
pessoas, gestão de serviços, logística, produção,
marketing, inovação, recrutamento de pessoas,
Recursos Humano (RH), gestão do conhecimento,
relações de comércio exterior, aplicação da psicologia
positiva, palestra motivacional e comportamental.
CLASSIFICAÇÃO DAS EMPRESAS
Classificação por Tipo de Empresa
a) por setor:
· Comercial - Ex.: loja de confecções;
· Industrial - Ex.: indústria de bebidas;
· Rural - Ex.: plantação de laranjas;
· Prestação de Serviços - Ex.: clínica médica
· Obs.: uma empresa pode também atuar em mais
de um setor, como no caso de Comércio e Indústria
ou no de Comércio e Prestação de Serviços.
b) pela forma jurídica:
· Empresa individual (industrial e/ou comercial) -
com uma única pessoa;
· Sociedade Comercial Ltda. (industrial e/ou
comercial) - com dois ou mais sócios;
· Sociedade Civil Ltda. (de prestação de serviços) -
com dois ou mais sócios;
· Sociedade Anônima (não pode ser microempresa).
· Obs.: o interessado em abrir uma Empresa
Individual tem a opção de se inscrever como
autônomo (profissional liberal).
c) pelo porte (tamanho):
· Definição de Micro e Pequenas Empresas (MPEs).
O número de empregados e o faturamento bruto anual
são os critérios mais utilizados para definir o porte das
empresas. Quadro I – Classificação das MPEs
segundo o número de empregados
Porte da Empresa
Números de Empregados
Comércio e Serviços Indústria
Micro Empreendedor Individual Até 2 Até 2
Microempresa Até 9 Até 19
Empresa de Pequeno porte 10 a 49 20 a 99
Empresa de Médio porte 50 a 99 100 a 499
Empresa de Grande porte >99 >499
Quadro II – Classificação das MPEs
segundo o faturamento bruto anual
 Segundo o Estatuto das Microempresas e
Empresas de Pequeno Porte – MPE´s, Lei no.
9.841/99, passa a prever o tratamento favorecido
às MPE´s nos campos previdenciário, trabalhista,
creditício e desenvolvimento empresarial.
 Segundo a Lei 9.317/96, alterada pela lei 9.732/98
(Lei do Simples Federal), regula O Sistema
Integrado de Pagamentos de Impostos e
Contribuições das Microempresas e das Empresas
de Pequeno Porte, conforme quadro abaixo:
Porte da Empresa
Faturamento Bruto Anual
Estatuto Simples Federal
Micro Empreendedor Individual Até R$ 36.000,00 / ano Até R$ 36.000,00 / ano
Microempresa Até R$ 244.000,00 / ano Até R$ 120.000,00 / ano
Empresa de Pequeno porte De R$ 244.000,01 até R$ 1.200.000,00 De R$ 120.000,01 até 1.200.000,00
Fonte: Lei 10.406/02 e Lei Complementar 128/08
Lei Federal n°. 9317/96, alterada pela Lei 9732/98
COMO SE CONSTITUI UMA EMPRESA
Definição sumária das diversas etapas
Para constituir uma empresa e dar vida ao seu
negócio tem de cumprir uma série de requisitos e
procedimentos legais.
Os promotores devem assegurar-se da sua vontade e
capacidade de empreender.
A ideia deve ser claramente definida.
Tendo como objetivo maximizar as perspectivas de êxito e de
crescimento é indispensável definir a estratégia, missão e
objetivos a alcançar.
A passagem da ideia à empresa implica, necessariamente, o
conhecimento das formalidades afetas à legalização da
atividade e o contato com um conjunto de entidades cujas
atribuições se enquadram nesse processo de constituição legal.
PASSO 1
Obtenção de um certificado de admissibilidade da firma
(CAF):
A obtenção do CAF pode efetuar-se em qualquer
Conservatória do Registo Comercial ou na sede do Registo
Nacional das Pessoas Coletivas (RNPC). A sociedade
comercial a criar terá de ter um nome (a firma) sem o qual não
é possível proceder à outorga do pacto social. O certificado é
a garantia que o nome escolhido pela
nova empresa é válido (no sentido de que não existe no
mercado uma firma com uma designação similar). Uma vez
obtido, a firma que foi aprovada fica garantida por um período
de seis meses, para a celebração da escritura, e por um ano
após a data desta para efeitos de registo. Tempo que é
suficiente para celebrar o pacto social e registar
definitivamente a firma.
PASSO 2
Obtenção de um cartão provisório de
identificação de pessoa coletiva:
Ao requerer o CAF deverá também solicitar o cartão
provisório de identificação de pessoa coletiva.
PASSO 3
Celebração da escritura notarial:
Neste momento está em condições para marcar a
sua escritura no notário. Segundo o artigo 7º do Código
das Sociedades Comerciais, o pacto social deve ser
celebrado por escritura pública ou perante um notário,
a quem compete zelar pela legalidade da constituição
da sociedade. É aconselhável o recurso a um técnico
especializado para a sua celebração.
PASSO 4
Inscrição no registo de sujeitos passivos de IRC e IVA:
A sociedade que está a constituir é sujeito
passivo de diversos impostos, nomeadamente de IRC
e do IVA. Após a sua inscrição no RNPC, e antes do
início de atividade, deve inscrever-se na repartição de
finanças da área da sua sede.
PASSO 5
Registo, publicações e NIPC (Número
de Identificação de Pessoa Coletiva):
Chegou a altura de proceder ao registo da constituição
da sua sociedade. Só com o registo definitivo do
contrato a sociedade adquire efetivamente a sua
personalidade jurídica.
PASSO 6
Comunicações à Inspeção do Trabalho:
Antes de iniciar atividade, a sociedade deve comunicar à
delegação da Inspeção do Trabalho da área da sua sede a sua
denominação, ramo de atividade ou objeto social, endereço da
sede e locais de trabalho, indicação do Diário da República em
que o respectivo pacto social foi publicado, domicílio dos
membros do órgão gestor, bem como o número de
trabalhadores ao seu serviço.
PASSO 7
Inscrição na Segurança Social:
Falta apenas deslocar-se ao Centro Regional da
Segurança Social da sua área da sede, no prazo de 30 dias
após o início da atividade, de modo a proceder à inscrição na
Segurança Social.
COMO ADMINISTRAR UM SETOR DE
SEGURANÇA DO TRABALHO
1. Conhecer bem tudo.
Conhecer bem as pessoas, as linhas de
Produção, os ambientes de trabalho, as atividades e
os produtos e serviços existentes. Um Engenheiro de
Segurança iniciante, deve, principalmente ouvir
sempre e muito as pessoas, visitar constantemente
todos os ambientes de trabalho. Deve-se evitar o
“sabe tudo” o “autoritário” o “senhor do escritório”e
outros mais.
2. Conhecer bem a Política da
Empresa, com relação à:
Suas Atribuições – quais são as sua tarefas
(ex.: responder pela Segurança Patrimonial,
Bombeiros, Meio Ambiente, etc.). De início deve-se
aceitar todas as que lhe forem sugeridas e, no
decorrer do tempo ir dando mais energia para
aquelas mais importantes e, sempre informar e
negociar com seu superior imediato. Deve-se
objetivar que estejam documentadas (descrição de
cargos).
Sua Competência – definição do campo de
ação (local). Onde poderá atuar e até onde (situação
ou estado) ele poderá atuar. (ex.: interrupção da
produção ou de tarefas, limitar compra de materiais
perigosos, disponibilidade de recursos (pessoal e
financeiro)).
Sua Autoridade – definição de como atuar com
relação às pessoas, especialmente nos casos
irregulares (ex.: uso de EPI´s). Como é a linha de
ação da empresa para os casos de desvios de
comportamentos para que problemas interpessoais
sejam evitados.
Sobre a Responsabilidade pelo Fato – saber o nível
de conhecimento que as pessoas possuem com
relação às definições de responsabilidade civil e
criminal quando da ocorrência dos fatos (acidentes).
Procurar sempre de forma natural e progressiva
transmitir os conceitos de que o Engenheiro de
Segurança é um assessor, que nada executa e não
manda executar, não delega, somente indica e alerta
sobre os riscos e sugere ações.
3. Desenvolvimento das Ações:
Atribuições – dedicar tempo e energia
adequada às suas tarefas em função de seu
interesse profissional e, principalmente do nível de
representatividade e de responsabilidade que cada
qual mereça dentro do contexto geral das atividades.
(ex.: em uma fábrica de recuperação de baterias
deve despender mais atenção no tocante aos EPI´s e
ao ambiente de trabalho do que na preocupação com
ruído ambiental).
Competência – campo de ação (onde atuar) o qual deverá
ser ilimitado (todos os locais) e principalmente havendo
definição compartilhada e negociada mutuamente com
todos os envolvidos.
Autoridade – deve ser fundamentada em bases pré-
estabelecidas (Leis, Normas Técnicas, Normas Internas,
etc.) e ser compartilhada com a diretoria, as gerências, as
chefias, os Técnicos de Segurança do Trabalho (TST), a
CIPA, entre outros. O Engenheiro de Segurança Trabalho
(EST) não necessita ter autoridade e, sim possuir boa
didática de convincência para fazer as pessoas
entenderem o problema existente. O EST deve ter sempre
em mente que deva ser um excelente vendedor e que
qualquer funcionário seu cliente.
Responsabilidade pelo Fato – o EST deve ser
encarado como um assessor que indica problemas e
auxilia na condução dos mesmos até a sua solução.
Orienta de como proceder nos casos irregulares e,
que não executa ou determina que ações sejam
executadas. O EST não executa não produz não faz
manutenção etc. e, principalmente não deve fazê-las
mesmo!!!!!
O Técnico em Segurança no Trabalho, deve ter
sempre em mente as seguintes condutas:
Ser Aberto – é aquele que está disposto a tudo, a
todos e em todos os momentos. Pessoa receptiva e
participativa em qualquer circunstância do maior ao
menor problema.
Ser Alegre e Comunicativo – é aquele que aparenta
estar feliz consigo mesmo. Podemos confiar nele e
para ele solicita o apoio.
Ser Paciencioso – é aquele que escuta tudo o que
lhe é falado deixando as pessoas se expressarem
conforme necessitam e após faz suas ponderações.
Que conduz os problemas até o fim – é aquele que
faz com que a pessoa que lhe apresentou o problema
acompanhe e participe da condução do problema até
o fim, mesmo sendo o problema de pouca
representatividade.
Trata todos da mesma forma – o tratamento
dispensado ao diretor como ao catador de lixo e ao
funcionário da limpeza deve ser o mesmo.
Cumprimenta todas as pessoas – o trato pessoal
do Técnico em Segurança no Trabalho é a sua vida.
Aquele tímido ou que não cumprimenta seus colegas,
nunca receberá informações daquele que não
cumprimenta, pois ele não se sentirá seguro em
passar a informação.
CABE AO EMPREGADOR:
a) Cumprir e fazer cumprir as NR´s
b) Elaborar Ordens de Serviços, sobre Segurança e
Medicina do Trabalho, dando ciência a seus
empregados, com os seguintes objetivos:
 Prevenir atos inseguros;
 Divulgar as obrigações e proibições que os seus
empregados devam conhecer e cumprir;
 Dar conhecimento aos seus empregados de que
serão passíveis de punição, pelo descumprimento
das Ordens de Serviço;
 Determinar procedimentos quando das ocorrências de Acidentes de
Trabalho e de
Doenças Profissionais ou do Trabalho;
 Adotar medidas determinadas pela DRT;
 Dotar medidas para eliminar ou neutralizar a Insalubridade e as
Condições Inseguras.
c) Informar aos trabalhadores:
 Dos riscos profissionais que possam originar-se nos Locais de
Trabalho;
 Dos meios para prevenir e limitar tais riscos;
 Dos resultados dos exames médicos e dos exames complementares de
diagnósticos a que os trabalhadores foram submetidos;
 Dos resultados das avaliações ambientais realizadas nos locais de
trabalho.
d) Permitir que os Representantes dos Trabalhadores acompanhem as
fiscalizações procedidas pela DRT.
O QUE É DRT?
DRT é um registro profissional tirado na Delegacia
Regional do Trabalho.
Para os profissionais que desejam se destacar, e passar a
realizar grandes campanhas, é muito importante que tenha
o DRT. Lei 6.533 criada em 1978
CABE AOS EMPREGADOS:
a) Cumprir as NR´s e a Ordens de Serviço definidas
pelo empregador;
b) Usar os EPI´s fornecido pelo empregador;
c) Submeter-se aos exames médicos definidos nas
NR´s;
d) Colaborar com a empresa no atendimento às NR´s;
Observação: constitui “ATO FALTOSO” a recusa
injustificada do empregado ao cumprimento dos
itens anteriores.
As dúvidas suscitadas e casos omissos
encontrados nas NR´s serão decididos pela Secretaria
de Segurança e Medicina do Trabalho – SSMT.
Histórico da Administração
Fases do trabalho humano
História
Desde os primórdios da humanidade, o homem
associou-se a outros para conseguir, por meio do
esforço conjunto, atingir determinados objetivos.
Desse esforço conjunto surgiram as empresas
rudimentares, que remontam à época dos assírios,
babilônios, fenícios etc. Porém, a história da
administração é relativamente recente, e surgiu com o
aparecimento da grande empresa. O fenômeno que
provocou o aparecimento da grande empresa e da
moderna administração ocorreu no final do século
XVIII e se estendeu ao longo do século XIX,
chegando ao limiar do século XX.
Esse fenômeno, que trouxe rápidas e profundas
mudanças econômicas, sociais e políticas, chamou-se
Revolução Industrial. A Revolução Industrial teve início
na Inglaterra, com a invenção da máquina a vapor, por
James Watt, em 1776.A aplicação da máquina a vapor
no processo de produção provocou um enorme surto
de industrialização, que se estendeu rapidamente a
toda a Europa e Estados Unidos
A Revolução Industrial desenvolveu-se
em duas fases distintas:
a. Primeira fase, de 1780 a 1860
É a revolução do carvão(como principal fonte de
energia)e do ferro(como principal matéria-
prima).Começa com a introdução da máquina de fiar,
no tear hidráulico e posteriormente do tear mecânico,
do descaroçador de algodão provocando a
mecanização das oficinas e da agricultura.
O trabalho do homem do animal e da roda
d'água é substituído pelo trabalho da máquina,
surgindo o sistema fabril: o antigo artesão transforma-
se no operário e a pequena oficina patronal sede
lugar à fabrica e à usina. As novas oportunidades de
trabalho provocam migrações e consequente
urbanização ao redor de centros industriais. Há uma
revolução nos meios de transportes e comunicações:
surge a navegação a vapor, a locomotiva a vapor, o
telégrafo e o telefone. É o início do capitalismo.
b. Segunda fase, de 1860 a 1914
É a revolução da eletricidade e derivados do
petróleo(como as novas fontes de energia) e do
aço(com a nova matéria-prima).É a introdução
definitiva da maquinaria automática e da
especialização do operário. Há uma intensa
transformação dos meios de transporte e nas
comunicações: surge a estrada de ferro , o automóvel,
o avião o telégrafo sem fio, o rádio. o capitalismo
financeiro consolida-se e surge mas grandes
organizações multinacionais ( como a Standard, a
General Electric, a Siemens, etc.).
Ao final desse período, o mundo já não era mais
o mesmo. E a moderna administração surgiu em
resposta a duas consequências provocadas pela
Revolução Industrial, a saber :a. Crescimento
acelerado e desorganizado das empresas que as
passaram a exigir uma administração científica capaz
de substituir o empirismo e a improvisação b.
Necessida de de maior eficiência e produtividade das
empresas, para fazer face à intensa concorrência e
competição no mercado.
A Moderna Administração
A moderna administração surgiu no início deste
século, quando dois engenheiros publicaram suas
experiências. um era americano, Frederick Winslow
Taylor (1856-1915) que veio a desenvolver a
chamada Escolada Administração Científica, com a
preocupação de aumentar a eficiência da indústria
por meio da racionalização do trabalho dos operários.
O outro engenheiro era francês, Henri
Fayol(1841-1925) que veio a desenvolver a chamada
Escola Clássica da Administração, com a
preocupação de aumentar a eficiência da empresa
por meio de sua organização e da aplicação de
princípios gerais de administração.
Embora esses precursores da administração jamais
se tenham comunicado entre si e seus pontos de
vista sejam diferentes, até mesmo opostos, o certo é
que suas ideias se complementam, razão pela qual
suas teorias dominaram as cinco primeiras décadas
deste século no panorama da administração das
empresas. Taylor - Escola da Administração
Científica = Organização do Trabalho de cada
operário. Fayol - Escola Clássica da Administração =
Organização da Empresa como um todo.
A partir desses dois pioneiros, a pequena história
da administração moderna pode ser assim resumida nas
seguintes teorias ou escolas que lhes sucederam.
a. Teoria da Administração Científica: desenvolvida por
engenheiros americanos, seguidores de Taylor.
Preocupavam-se principalmente coma organização
das tarefas, isto é, com a racionalização do trabalho
dos operários.
b. Teoria Clássica da Administração: desenvolvidas por
seguidores de Fayol. preocupava-se principalmente com
a estrutura organizacional da empresa, com a
departamentalização e com o processo administrativo.
Recentemente, a Escola Clássica reapareceu com Peter
Drucker e a chamada Escola Neoclássica, preocupada
com a administração por objetivos
c. Teoria das Relações Humanas: desenvolvida a partir de
1940, nos Estados Unidos. Preocupada principalmente
com as pessoas, com os grupos sociais e com a
organização informal. Mais recentemente, esta escola
ressurgiu com novas ideias, com o nome de Teoria do
Comportamento Organizacional, preocupada mais com o
comportamento global da empresa do que propriamente
com o comportamento de pessoas ou de grupos sociais
tomados isoladamente.
d. Teoria Estruturalista: desenvolvida a partir de 1950
preocupada em integrar todas as teorias das diferentes
escolas acima e numeradas. A Escola Estruturalista teve
início com a teoria da burocracia com Max Weber.
e. Teoria de Sistemas: desenvolvida a partir de 1970.
Passou a abordar a empresa como um sistema aberto em
contínua interação com o meio ambiente que o envolve.
f. Teoria da Contingência: desenvolvida no final da
década de 70, sob a influência da Teoria de Sistemas.
Para essa teoria, a empresa e a sua administração
são variáveis dependentes do que ocorre no ambiente
externo, isto é, a medida que o meio ambiente muda,
também ocorre mudanças na empresa e na sua
administração como consequência. Isto significa que
na administração tudo é relativo e nada é absoluto.
Para a teoria da contingência tudo o que ocorre na
empresa depende da situação e do ambiente externo.
ATIVIDADE
01 – Faça um comentário sobre a história da
administração:
02 – Faça um comentário sobre a Revolução
industrial:
FASES DO TRABALHO HUMANO
Este estudo resgata o entendimento do trabalho, da
ocupação e do emprego a partir de um mergulho na
História. Nele se evidencia que estes conceitos
pertencem, simultaneamente, à esfera da reflexão
teórica e da realidade empírica. Constata-se, também, a
importância que eles adquirem na vida das pessoas e
da sociedade moderna.
Para dar sequência ao propósito deste artigo, faz-
se uma visita aos diferentes momentos da História para
que se possa entender os conceitos de trabalho,
ocupação e emprego. Em seguida, analisam-se os
principais fenômenos associados a cada um deles. Ao
final, faz-se um comentário sobre os principais assuntos
abordados, correlacionando-os com a empregabilidade.
TRABALHO, OCUPAÇÃO E EMPREGO
AO LONGO DA HISTÓRIA
Nesta parte se discute o entendimento que foi
dado, ao longo da História, às questões pertinentes
ao trabalho, à ocupação e ao emprego. Para
proporcionar maior clareza, focaliza-se, primeiro, o
trabalho; em seguida, a ocupação; depois, o
emprego; por último, o trabalho e o emprego no
limiar do novo milênio.
Trabalho
Na Antiguidade, o trabalho era entendido como
a atividade dos que haviam perdido a liberdade. O
seu significado confundia-se com o de sofrimento ou
infortúnio. O homem, no exercício do trabalho, sofre
ao vacilar sob um fardo. O fardo pode ser invisível,
pois, na verdade, é o fardo social da falta de
independência e de liberdade. (KURZ: 1997, p.3). A
equiparação entre trabalho e sofrimento não é o de
simples cansaço; representa, também, uma condição
social.
O significado de sofrimento e de punição
perpassou pela história da civilização, diretamente se
relacionando ao sentido do termo que deu origem à
palavra trabalho.
Essa vem do latim vulgar tripalium, embora seja, às
vezes, associada a trabaculum. Tripalum era um
instrumento feito de três paus aguçados, com ponta
de ferro, no qual os antigos agricultores batiam os
cereais para processá-los. Associa-se a palavra
trabalho ao verbo tripaliare, igualmente do latim
vulgar, que significava "torturar sobre o trepalium",
mencionado como uma armação de três troncos, ou
seja, suplício que substituiu o da cruz, instrumento de
tortura no mundo cristão. Por muito tempo, a palavra
trabalho significou experiência dolorosa,
padecimento, cativeiro, castigo. (BUENO: 1988, p.25).
Os gregos utilizavam duas palavras para
designar "trabalho: ponos, que faz referência a
esforço e à penalidade, e ergon, que designa
criação, obra de arte. Isso estabelece a diferença
entre trabalhar no sentido de penar, ponein, e
trabalhar no sentido de criar, ergazomai. Parece que
a contradição "trabalho-ponos" e "trabalho-ergon"
continua central na concepção moderna de trabalho.
Pode-se observar em diferentes línguas (grego,
latim, francês, alemão, russo, português) que o
termo trabalho tem, em sua raiz, dois significados:
esforço, fardo, sofrimento e criação, obra de arte,
recriação.
Na Antiguidade, distinguia-se trabalho de labor.
Essas palavras têm etimologia diferente para
designar o que hoje se considera a mesma atividade.
Ambas conservam seu sentido, a despeito de serem
repetidamente usadas como sinônimos. O trabalho,
além do labor e da ação, é um dos elementos da vida
ativa. "O labor é a atividade que corresponde ao
processo biológico do corpo humano. O trabalho é a
atividade correspondente ao artificialismo da
existência humana. A ação corresponde à condição
humana" (ALBORNOZ: 1988, p.23).
O trabalho não está, necessariamente, contido
no ciclo repetitivo vital da espécie. É por meio do
trabalho que o homem cria coisas a partir do que
extrai da natureza, convertendo o mundo num
espaço de objetos partilhados. Diferencia-se, então,
o labor do trabalho. O primeiro é um processo de
transformação da natureza para a satisfação das
necessidades vitais do homem. O segundo, é um
processo de transformação da natureza para
responder àquilo que é um desejo do ser humano,
emprestando-lhe certa permanência e durabilidade
histórica.
Na sociedade grega, berço da civilização
ocidental, o trabalho era visto em função do produto,
e este, por sua vez, em função de sua utilidade ou
capacidade de satisfazer à necessidade humana. O
que contava era o valor de uso e não o valor de
troca, isto é, o valor de uma mercadoria em relação
às outras. O valor do produto como mercadoria não
passava do valor de uso para outra pessoa. É
possível perceber que a concepção de valor e de
riqueza tinha alicerces diferentes dos que norteiam,
atualmente, a produção e a distribuição no Ocidente.
Por isso, até 1690, não se concebia que o
homem tivesse direito natural à propriedade em
decorrência do seu trabalho; depois de 1690, a idéia
passou a ser digno da Ciência Social. Nenhum dos
autores clássicos da Antiguidade jamais pensou no
trabalho como possível fonte de riqueza (VÁZQUEZ:
1977, p.31).
A partir do século XVII, criou-se uma sociedade
que não situa em primeiro plano a natureza ou a
produção a serviço da transformação do homem, do
cidadão da polis. Nela, o uso da mente por todos os
homens não é considerado como próprio de homens
livres, porquanto o trabalho físico, por seu caráter
servil e humilhante, repousa nos ombros daqueles
que, na sociedade antiga, eram os escravos.
O trabalho, na Antigüidade, não se desvincula
do entendimento da escravatura, que foi um recurso
usado para excluí-lo da condição de vida do homem.
Essa exclusão só podia ser viabilizada pela
institucionalização da escravatura, dadas a
capacidade de produção e a concepção de vida e de
sociedade vivenciadas no período.
Na tradição cristã, a Reforma Protestante fez
com que o trabalho passasse a ser visto como
instrumento de salvação e como forma de realizar a
vontade divina. Na tradição oriental, as religiões
viam o trabalho como uma atividade que harmoniza
os homens com a natureza e que desenvolve o seu
caráter.
No final da Idade Média, expressava-se o
trabalho com o sentido positivo que passou a
incorporar: era encarado como uma ação
autocriadora, e o homem, em seu trabalho, como
senhor de si e da natureza. Deu-se valorização
positiva ao trabalho, considerado, então, como um
espaço de aplicação das capacidades humanas.
Acompanhava-o a noção de empenho, que é o
esforço para atingir determinado objetivo. Naquele
período, surgiram mudanças significativas que
produziriam lastros que sustentariam a Era Moderna.
Entre as mudanças encontram-se a revolução
agrícola, o surgimento das cidades e, sobretudo, a
implantação da sociedade patriarcal, com valores e
conceitos que vieram dominar a sociedade ocidental
moderna.
Estudiosos argumentam que o trabalho, como
ato concreto, individual ou coletivo, é uma
experiência social por definição e que constitui e
explica grande parte da sociedade capitalista.
Considera-se, também, que "[...] as facetas essenciais
do processo de socialização da construção identitária,
das formas de dominação e de resistência, enfim da
dinâmica contraditória da economia de mercado, têm
sua origem nas situações laborais e nas relações sociais
estruturadas na atividade produtiva" (CATTANI: 1996,
p.39).
No século XVIII, com a ascensão da burguesia,
com o desenvolvimento das fontes produtivas, com a
transformação da natureza e com a evolução da técnica e
da ciência, enfatizou-se a condenação do ócio,
sacralizando-se o trabalho e a produtividade (KURZ:
1997, p.3).
Na Idade Moderna, passou-se a fazer diferenciação
entre o trabalho qualificado e o não qualificado, entre o
produtivo e o não produtivo, aprofundando-se a distinção
entre trabalho manual e intelectual. Essas concepções
diferenciadas não deixam de ser o entendimento
subjacente à distinção fundamental entre labor e trabalho
do período helênico. O que ocorreu foi o deslocamento do
labor, que possui, tanto na esfera pública como na esfera
privada, uma produtividade própria, por maus fúteis ou
pouco duráveis que sejam os seus produtos e seu
consumo.
Nessa era, o trabalho tornou-se uma atividade
compulsiva e incessante; a servidão tornou-se
liberdade, e a liberdade, servidão (KURZ: 1997, p.3).
Para o homem dos tempos modernos, o tempo livre
inexiste ou é escasso. "Tempo é dinheiro". A lógica
do trabalho perpassou a cultura, o esporte e, até
mesmo, a intimidade. Todas as atividades humanas
passaram a ser foco de negócios ou tornaram-se
oportunidades para alguém ganhar dinheiro, lógica
que se apoderou de todas as esferas da vida e da
existência humana. Para grande maioria das
pessoas, o trabalho transformou-se em emprego na
sociedade moderna.
Segundo MARX (1983, p.149), "[...] o trabalho
revela o modo como o homem lida com a natureza, o
processo de produção pelo qual ele sustenta a sua
vida e, assim, põe a nu o modo de formação de suas
relações sociais e das idéias que fluem destas". Para
o autor, o trabalho é o centro das atividades
especificamente humanas. Sob essa ótica, os
homens relacionam-se com a natureza por
intermédio do trabalho. Considera, ainda, que, "[...]
ao submetê-la aos seus próprios fins, o homem
realiza, neste sentido, uma humanização da
natureza" (p.150). O trabalho é a categoria que
funda o desenvolvimento do mundo dos homens
como uma esfera distinta da natureza; não é apenas
a relação dos homens entre si no contexto da
reprodução social; o seu desenvolvimento exige o
desenvolvimento concomitante das relações sociais.
O modo antigo de produção baseia-se no trabalho
do escravo; o feudal, no trabalho dos servos da
gleba; o capitalista, no trabalho do empregado
assalariado.
Ocupação
Na Antiguidade, as pessoas livres eram
ocupadas. Para os gregos, havia as ocupações de
caráter inferior e as de caráter superior. As
atividades superiores estavam vinculadas à
participação do homem na pólis. As ocupações eram
entendidas como atividades que visavam à
satisfação pessoal e eram desenvolvidas por
escolha própria O aparecimento da economia
monetária acentua a distinção entre ocupação como
meio de ganhar a vida e ocupação como meio de
manter o status . Cada sociedade, na sua dinâmica
estrutural e conjuntural, cria e recria a ocupação
humana.
A estrutura das ocupações nas sociedades
modernas é resultante do avanço e da aplicação da
ciência ao processo de produção; é consequência,
portanto, do desenvolvimento da tecnologia, da
divisão e organização do trabalho, da expansão dos
mercados e do crescimento de pólos comerciais ou
industriais. Por isso, diferencia-se o fluxo das
ocupações nas sociedades tradicionais e modernas,
cujo ritmo de aparecimento, maturação e
obsolescência das mudanças é extremamente rápido
nestas e mais estabilizado naquelas.
O principal uso do termo ocupação, em Ciências
Sociais, segue o sentido comum, que é o de
emprego, negócio ou profissão. "A ocupação de uma
pessoa é a espécie de trabalho feito por ela,
independente da indústria em que esse trabalho é
realizado e do status que o emprego confere ao
indivíduo" (Dicionário de Ciências Sociais: 1986,
p.829).
Trabalho não é ocupação, todas as classes
sociais detêm sua forma de ocupação, e todas as
pessoas mantêm sua ocupação. Assim como o
camponês, o proprietário, na medida em que
conserva uma função positiva, tem sua ocupação.
O que caracteriza o operário ou trabalhador,
no sentido mais restrito, "[...] é que ele trabalha para
outra pessoa. Ele é (não tenhamos medo de dizer)
um servidor". (RAMOS: 1989, p.122).
Na Idade Moderna, a ocupação distingue-se de
trabalho (prática de esforço ou mera atividade
subordinada às necessidades do processo de
produção) e de carreira (seqüência ou progressão de
posições dentro da mesma ocupação, que levam de
um status inferior a um status superior). (Ibidem:
1989, p.123).
A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios -
PNAD - do IBGE (1995), classificou as ocupações por
ramos e classes de atividade. A pesquisa apresenta seis
categorias de posição na ocupação:
a) empregado;
b) trabalhador doméstico;
c) conta-própria;
d) empregador;
e) trabalhador não remunerado, membro da unidade
domiciliar;
f) outro trabalhador não remunerado.
No que diz respeito à categoria do emprego, a
pesquisa classificou os empregados em:
a) com carteira de trabalho assinada;
b) militares e funcionários públicos estatutários;
c) outros.
O agrupamento das ocupações é feito, aqui, como
no decorrer de toda a História da sociedade
brasileira de acordo com sua posição ou "prestígio",
tendo sido estabelecida uma escala de status no
país desde 1947. A percepção do status ocupacional
é mutante, acompanhando a dinâmica da sociedade
e a evolução do sistema produtivo.
Assim, a ocupação humana, numa dada
sociedade, também leva em conta as crenças e
valores que perpassam a vida humana associada, e
não é por acaso que a lógica subjacente às relações
sociais reduziu e circunscreveu a ocupação ao
trabalho e ao emprego na sociedade atual.
Emprego
A palavra emprego, da língua inglesa, tem sua
origem em 1400 d.C. Até o início do século XVIII, se
referia a alguma tarefa ou determinada empreitada;
nunca se referia a um papel ou a uma posição numa
organização. A partir do século XIX, passou a ser
entendida como o trabalho realizado nas fábricas ou
nas burocracias das nações em fase de
industrialização.
Resgatando a origem do significado da
palavra emprego, BRIDGES (1995, p.19) comenta
que "[...] tanto job (emprego) como gob (bocado)
podem, de fato, ter surgido originalmente de uma
palavra cética, gob ou gop, significando 'boca'". No
início, tinha o sentido de "pedacinho" de alguma
coisa; depois, a palavra começou a ampliar seu
significado, passando a incluir "grandes montes" de
coisas, como montes de ferro ou estrume de curral
(a ideia de que o emprego original possa ter sido um
"monte de estrume" parece bastante moderna para
muitos trabalhadores).
A conotação moderna do termo emprego
reflete a relação entre o indivíduo e a organização
onde uma tarefa produtiva é realizada, pela qual
aquele recebe rendimentos, e cujos bens ou serviços
são passíveis de transações no mercado (SOUZA:
1981, p.26).
O emprego é um fenômeno da Modernidade.
Em tempo anterior ao advento da sociedade
centrada no mercado, não era "[...] o critério principal
para definir a significação social do indivíduo, e nos
contextos pré-industriais as pessoas produziam e
tinham ocupações sem serem, necessariamente,
detentoras de empregos" (RAMOS: 1989, p.101).
Anteriormente ao século XIX, as pessoas não
tinham empregos no sentido fixo e unitário; faziam
serviços na forma de um fluxo constantemente
mutante de tarefas. "Seus empregos não eram
supridos por uma organização, mas pelas
exigências de suas condições de vida, pelas
exigências de um empregador e pelas coisas que
precisavam ser feitas naquele momento e lugar"
(BRIDGES: 1995, p.38).
Na sociedade centrada no mercado dos
nossos dias, como já foi dito antes, o emprego
passa a ser o critério que define a significação social
dos indivíduos. Com o estabelecimento da divisão
do trabalho, o homem vive numa base de troca. Isso
lhe garante, por meio do exercício do emprego, os
bens e serviços de que necessita, pois recebe em
troca um salário com o qual compra o que é
necessário para sobreviver ou, pelo menos, o que
seja possível adquirir para viver. Muitos deles,
atualmente, não conseguem mais viver com
dignidade com os salários que recebem.
Os empregos tornaram-se tanto comuns
quanto importantes; passaram a ser, nada menos,
do que o único caminho amplamente disponível
para a segurança, para o sucesso e para a
satisfação das necessidades de sobrevivência.
"Agora, porém, estão desaparecendo da paisagem
econômica. Igual a muitas espécies pegas no fluxo e
refluxo da evolução, os empregos emergiram sob
um conjunto de condições e agora começaram a
desvanecer-se sob outro" (BRIDGES: 1995, p.36-
37).
Adam Smith (1776) (In: RAMOS: 1989, p.101)
reconhece que a sociedade de mercado transforma
o homem, necessariamente, em um detentor de
emprego. Onde uma vez se estabeleça a divisão do
trabalho, "[...] todo homem vive numa base de troca
ou, de alguma forma, torna-se um comerciante, e a
própria sociedade passa a ser aquilo que constitui,
de fato, uma sociedade comercial".
Nesse tipo de sociedade em que tudo gira em
torno do conceito de comércio, o indivíduo,
exercendo o emprego, recebe um salário, um certo
montante em dinheiro, com o qual compra o que lhe
é possível adquirir. Com isso, garante o acesso aos
bens e aos serviços de que necessita. O emprego
passou a ser categoria dominante - se não exclusiva
- para reconhecimento do valor dos propósitos
humanos.
Na segunda metade do século XX, o trabalho
"de massa" no mercado, ou o emprego, decresceu
em, praticamente, todas as nações industrializadas
do mundo. "Máquinas inteligentes" estão
substituindo seres humanos em incontáveis tarefas,
empurrando milhões de operários e trabalhadores de
escritórios para as filas do desemprego, para as filas
do auxílio-desemprego ou, ainda, para outras formas
de ocupação que lhes garantam a sobrevivência.
TRABALHO E EMPREGO NO NOVO MILÊNIO:
FRAGMENTO DA REALIDADE
Com a chegada do século XXI, as análises e
previsões feitas durante a década de 90 que, no
ano 2001, o avanço tecnológico levaria à
substituição dos trabalhadores por máquinas
inteligentes nas atividades que demandavam
esforços físicos e que se trabalharia somente trinta
horas por semana, sendo o restante do tempo
destinado ao lazer, soam como algo duvidoso e até
paradoxal. (HANDY: 1995, p.31).
Por outro lado, os que estão sendo demitidos
e voltam a trabalhar passam a receber um salário,
em média, 30% menor do que o salário anterior. Há,
no ar, uma grande indagação: como se poderá
garantir a sobrevivência das pessoas em tais
condições? (THUROW: 1997, p.28).
O capitalismo contemporâneo vem, nas últimas
décadas, engendrando profundas mudanças no
mercado de trabalho. Essas mudanças se
expressam, principalmente, pela globalização das
finanças, pela crescente precarização das relações
de trabalho, pelas taxas elevadas de desemprego,
pelo deslocamento geográfico de organismos
produtivos e absorvedores de mão-de-obra e pela
eliminação de postos de trabalho na indústria e nos
serviços.
Entende-se por precarização das relações de
trabalho a substituição das relações formalizadas de
emprego que, no Brasil, expressam-se em registros
na carteira de trabalho por relações informais de
compra e venda de serviços, que vêm se
constituindo, principalmente, pelas formas de
contratação por tempo limitado, de assalariamento
sem registro, de trabalho a domicílio e outras.
(SINGER, 1995, p.2).
O trabalho temporário, por tempo determinado
e de meio período, está aumentando sua
importância no índice total de crescimento dos
empregos. Tais tipos de trabalho envolvem,
tipicamente, salários mais baixos, alguns benefícios
a menos e menor segurança do que o emprego mais
tradicional. Isso, por sua vez, está levando a uma
polarização da força de trabalho: trabalhadores de
tempo integral comparativamente produzem mais
resultados, enquanto trabalhadores com menos
segurança produzem comparativamente menos
(Ibidem: 1995, p.48).
Desse fato resultam vários problemas sociais.
Numa época em que o governo está tentando
reduzir sua responsabilidade quanto aos benefícios
sociais, como a seguridade na terceira idade, um
segmento cada vez maior da população perde
acesso aos tipos de pensão privada e aos planos de
benefício que poderiam tornar os cidadãos auto-
suficientes na aposentadoria.
CONCLUSÃO
Até o início da Idade Moderna, o entendimento da
palavra trabalho era diferente do entendimento que se
tinha de ocupação. Atualmente, o conceito de ocupação
é associado ao termo trabalho e emprego.
Na Modernidade, gradativamente, o trabalho foi
sendo compreendido como ocupação econômica,
transformando-se em emprego. Essa categoria passou a
ser entendida como trabalho pago em dinheiro, fato
típico do capitalismo. Também dos relatos históricos se
extrai que, quase sempre, o trabalho e/ou a ocupação
passaram a ser sinônimos de emprego. É no final do
Século XIX, mais precisamente, que se dá a
transformação do trabalho em emprego, em emprego
protegido ou emprego com status, conduzido como
compromisso social. A noção de emprego estava, até a
década passada, associada à estabilidade,
previsibilidade e certeza (ALBORNOZ, 1988, p.96).
Com o avanço tecnológico e sua
reestruturação, o emprego migrou da indústria para
os serviços, formais ou informais. No mercado em
transformação, tornou-se instável e autônomo. No
momento atual, além da eliminação de vagas no
setor privado, o governo privatiza empresas públicas
que, de forma direta ou indireta, passam a demitir
em massa. (TOFFLER: 1995, p.51).
Nos dias de hoje, o emprego constitui, para
uma grande maioria da população brasileira, a única
fonte de distribuição de renda e, conseqüentemente,
a única forma de sobrevivência. As saídas para os
impasses atuais são mais relacionadas a
concepções e opções políticas civilizatórias do que
produzidas por determinismos históricos. Por isso, a
empregabilidade passa pela construção social:
não bastam talentos, se não houver oportunidade.
Convém lembrar a importância de as organizações
formais desenvolverem os valores comunitários no
local de trabalho, para desenvolverem, também, a
empregabilidade de seus membros. Sem essa nova
relação de valores, as organizações não se
transformarão e não haverá, em seus espaços,
oportunidades para que as pessoas possam exercer
a empregabilidade, conforme o termo foi conceituado
ao longo deste argumento.
ATIVIDADE
01 - Qual o termo que deu origem a palavra
trabalho? Explique:
02 – Dentro da Administração qual a escola
desenvolvida por Taylor e qual a preocupação dele?
Comente:
03 – Dentro da Administração o que desenvolveu
Fayol e qual a sua preocupação? Comente:
04 - Na antiguidade com era entendido o trabalho?
Comente:
05 – Como era visto o trabalho na tradição oriental?
Comente:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Operador de Caixa
Operador de CaixaOperador de Caixa
Operador de Caixa
Charles Lima
 
Abertura de empresas
Abertura de empresasAbertura de empresas
Abertura de empresas
FaustoRegisMelo
 
Apostila rotinas administrativa 2013
Apostila rotinas administrativa 2013Apostila rotinas administrativa 2013
Apostila rotinas administrativa 2013
Anderson Vasconcelos
 
Operador de caixa aula 1
Operador de caixa aula 1Operador de caixa aula 1
Operador de caixa aula 1
Josiane Braga de Oliveira
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
Francine Manhabosco
 
Curso Operador de Caixa
Curso Operador de CaixaCurso Operador de Caixa
Curso Operador de Caixa
Jakson Silva
 
Endomarketing - Gestão de Pessoas
Endomarketing - Gestão de PessoasEndomarketing - Gestão de Pessoas
Endomarketing - Gestão de Pessoas
Robson Costa
 
Comunicação Mercadológica
Comunicação MercadológicaComunicação Mercadológica
Comunicação Mercadológica
Claudio Toldo
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Plano de Negócio
Plano de NegócioPlano de Negócio
Plano de Negócio
reachconsultoria
 
Rh E Dp
Rh E DpRh E Dp
Curso -assistente-administrativo
Curso  -assistente-administrativoCurso  -assistente-administrativo
Curso -assistente-administrativo
Douracursos
 
Gestão Estratégica de Pessoas
Gestão Estratégica de PessoasGestão Estratégica de Pessoas
Gestão Estratégica de Pessoas
marcelaosoares
 
Gestão+de+rh
Gestão+de+rhGestão+de+rh
Gestão+de+rh
Marcia Regina
 
Aula 1 planejamento estratégico
Aula 1   planejamento estratégicoAula 1   planejamento estratégico
Aula 1 planejamento estratégico
Kesia Rozzett Oliveira
 
Teoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point IiTeoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point Ii
lupajero
 
Fundamentos da Gestão Organizacional.pptx
Fundamentos da Gestão Organizacional.pptxFundamentos da Gestão Organizacional.pptx
Fundamentos da Gestão Organizacional.pptx
MENTORAMONIZEALMEIDA
 
Aula 1 - Profissão Auxiliar Adminsitrativo
Aula 1 -  Profissão Auxiliar AdminsitrativoAula 1 -  Profissão Auxiliar Adminsitrativo
Aula 1 - Profissão Auxiliar Adminsitrativo
Charles Lima
 
Planejamento de vendas
Planejamento de vendasPlanejamento de vendas
Prospecção
ProspecçãoProspecção
Prospecção
Josué Brazil
 

Mais procurados (20)

Operador de Caixa
Operador de CaixaOperador de Caixa
Operador de Caixa
 
Abertura de empresas
Abertura de empresasAbertura de empresas
Abertura de empresas
 
Apostila rotinas administrativa 2013
Apostila rotinas administrativa 2013Apostila rotinas administrativa 2013
Apostila rotinas administrativa 2013
 
Operador de caixa aula 1
Operador de caixa aula 1Operador de caixa aula 1
Operador de caixa aula 1
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
 
Curso Operador de Caixa
Curso Operador de CaixaCurso Operador de Caixa
Curso Operador de Caixa
 
Endomarketing - Gestão de Pessoas
Endomarketing - Gestão de PessoasEndomarketing - Gestão de Pessoas
Endomarketing - Gestão de Pessoas
 
Comunicação Mercadológica
Comunicação MercadológicaComunicação Mercadológica
Comunicação Mercadológica
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Organização
 
Plano de Negócio
Plano de NegócioPlano de Negócio
Plano de Negócio
 
Rh E Dp
Rh E DpRh E Dp
Rh E Dp
 
Curso -assistente-administrativo
Curso  -assistente-administrativoCurso  -assistente-administrativo
Curso -assistente-administrativo
 
Gestão Estratégica de Pessoas
Gestão Estratégica de PessoasGestão Estratégica de Pessoas
Gestão Estratégica de Pessoas
 
Gestão+de+rh
Gestão+de+rhGestão+de+rh
Gestão+de+rh
 
Aula 1 planejamento estratégico
Aula 1   planejamento estratégicoAula 1   planejamento estratégico
Aula 1 planejamento estratégico
 
Teoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point IiTeoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point Ii
 
Fundamentos da Gestão Organizacional.pptx
Fundamentos da Gestão Organizacional.pptxFundamentos da Gestão Organizacional.pptx
Fundamentos da Gestão Organizacional.pptx
 
Aula 1 - Profissão Auxiliar Adminsitrativo
Aula 1 -  Profissão Auxiliar AdminsitrativoAula 1 -  Profissão Auxiliar Adminsitrativo
Aula 1 - Profissão Auxiliar Adminsitrativo
 
Planejamento de vendas
Planejamento de vendasPlanejamento de vendas
Planejamento de vendas
 
Prospecção
ProspecçãoProspecção
Prospecção
 

Destaque

Classificacao das Empresas
Classificacao das EmpresasClassificacao das Empresas
Classificacao das Empresas
Nyedson Barbosa
 
Critérios de classificação das empresas
Critérios de classificação das empresasCritérios de classificação das empresas
Critérios de classificação das empresas
turmaec11a
 
Critérios de classificação das empresas
Critérios de classificação das empresasCritérios de classificação das empresas
Critérios de classificação das empresas
turmaec11a
 
Tipos de empresas e Sociedades
Tipos de empresas e SociedadesTipos de empresas e Sociedades
Tipos de empresas e Sociedades
Mariane Moral
 
Tipos de empresas
Tipos de empresasTipos de empresas
Tipos de empresas
Murtinheira1964
 
Lei Geral das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte
Lei Geral das Microempresas e Empresas de Pequeno PorteLei Geral das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte
Lei Geral das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte
Kleiton Barbosa
 
Tipos de empresa
Tipos de empresaTipos de empresa
Tipos de empresa
DanteTandex
 
ProJuris Software Gestão Jurídica
ProJuris Software Gestão JurídicaProJuris Software Gestão Jurídica
ProJuris Software Gestão Jurídica
Carlos Pereira
 
Classificação de empresas 1ª, 2ª, 3ª e 4ª geração
Classificação de empresas   1ª, 2ª, 3ª e 4ª geraçãoClassificação de empresas   1ª, 2ª, 3ª e 4ª geração
Classificação de empresas 1ª, 2ª, 3ª e 4ª geração
Eduarda Tempas Ferreira
 
Guia do Microempreendedor Individual
Guia do Microempreendedor IndividualGuia do Microempreendedor Individual
Apresentação (alienação dos meios de comunicação)
Apresentação (alienação dos meios de comunicação)Apresentação (alienação dos meios de comunicação)
Apresentação (alienação dos meios de comunicação)
Giovani Liskoski Zanini
 
Mei
MeiMei
A pessoa com deficiencia e o trabalho
A pessoa com deficiencia e o trabalhoA pessoa com deficiencia e o trabalho
A pessoa com deficiencia e o trabalho
Cosmo Palasio
 
Perfil das Micro e Pequenas e Empresas
Perfil das Micro e Pequenas e EmpresasPerfil das Micro e Pequenas e Empresas
Perfil das Micro e Pequenas e Empresas
Rafael Rez
 
Tipos de sociedades
Tipos de sociedadesTipos de sociedades
Tipos de sociedades
rosangelafremes
 
Tipos de Empresas
Tipos de Empresas Tipos de Empresas
Gestão da Qualidade 02 Capítulo 01
Gestão da Qualidade 02 Capítulo 01Gestão da Qualidade 02 Capítulo 01
Gestão da Qualidade 02 Capítulo 01
Andre Jun
 
Tipologias de Empresas
Tipologias de EmpresasTipologias de Empresas
Tipologias de Empresas
Ines Soares
 
Práticas Administrativas - Aulas 1 e 2
Práticas Administrativas - Aulas 1 e 2Práticas Administrativas - Aulas 1 e 2
Práticas Administrativas - Aulas 1 e 2
Wandick Rocha de Aquino
 
História Geral - Idade Moderna - Iluminismo, Despotismo Esclarecido, Revoluçã...
História Geral - Idade Moderna - Iluminismo, Despotismo Esclarecido, Revoluçã...História Geral - Idade Moderna - Iluminismo, Despotismo Esclarecido, Revoluçã...
História Geral - Idade Moderna - Iluminismo, Despotismo Esclarecido, Revoluçã...
Marco Aurélio Gondim
 

Destaque (20)

Classificacao das Empresas
Classificacao das EmpresasClassificacao das Empresas
Classificacao das Empresas
 
Critérios de classificação das empresas
Critérios de classificação das empresasCritérios de classificação das empresas
Critérios de classificação das empresas
 
Critérios de classificação das empresas
Critérios de classificação das empresasCritérios de classificação das empresas
Critérios de classificação das empresas
 
Tipos de empresas e Sociedades
Tipos de empresas e SociedadesTipos de empresas e Sociedades
Tipos de empresas e Sociedades
 
Tipos de empresas
Tipos de empresasTipos de empresas
Tipos de empresas
 
Lei Geral das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte
Lei Geral das Microempresas e Empresas de Pequeno PorteLei Geral das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte
Lei Geral das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte
 
Tipos de empresa
Tipos de empresaTipos de empresa
Tipos de empresa
 
ProJuris Software Gestão Jurídica
ProJuris Software Gestão JurídicaProJuris Software Gestão Jurídica
ProJuris Software Gestão Jurídica
 
Classificação de empresas 1ª, 2ª, 3ª e 4ª geração
Classificação de empresas   1ª, 2ª, 3ª e 4ª geraçãoClassificação de empresas   1ª, 2ª, 3ª e 4ª geração
Classificação de empresas 1ª, 2ª, 3ª e 4ª geração
 
Guia do Microempreendedor Individual
Guia do Microempreendedor IndividualGuia do Microempreendedor Individual
Guia do Microempreendedor Individual
 
Apresentação (alienação dos meios de comunicação)
Apresentação (alienação dos meios de comunicação)Apresentação (alienação dos meios de comunicação)
Apresentação (alienação dos meios de comunicação)
 
Mei
MeiMei
Mei
 
A pessoa com deficiencia e o trabalho
A pessoa com deficiencia e o trabalhoA pessoa com deficiencia e o trabalho
A pessoa com deficiencia e o trabalho
 
Perfil das Micro e Pequenas e Empresas
Perfil das Micro e Pequenas e EmpresasPerfil das Micro e Pequenas e Empresas
Perfil das Micro e Pequenas e Empresas
 
Tipos de sociedades
Tipos de sociedadesTipos de sociedades
Tipos de sociedades
 
Tipos de Empresas
Tipos de Empresas Tipos de Empresas
Tipos de Empresas
 
Gestão da Qualidade 02 Capítulo 01
Gestão da Qualidade 02 Capítulo 01Gestão da Qualidade 02 Capítulo 01
Gestão da Qualidade 02 Capítulo 01
 
Tipologias de Empresas
Tipologias de EmpresasTipologias de Empresas
Tipologias de Empresas
 
Práticas Administrativas - Aulas 1 e 2
Práticas Administrativas - Aulas 1 e 2Práticas Administrativas - Aulas 1 e 2
Práticas Administrativas - Aulas 1 e 2
 
História Geral - Idade Moderna - Iluminismo, Despotismo Esclarecido, Revoluçã...
História Geral - Idade Moderna - Iluminismo, Despotismo Esclarecido, Revoluçã...História Geral - Idade Moderna - Iluminismo, Despotismo Esclarecido, Revoluçã...
História Geral - Idade Moderna - Iluminismo, Despotismo Esclarecido, Revoluçã...
 

Mais de R Gómez

CGE - CONSULTORIA DE GESTÃO EMPRESARIAL - TREINAMENTO GERENCIAL
CGE - CONSULTORIA DE GESTÃO EMPRESARIAL - TREINAMENTO GERENCIAL CGE - CONSULTORIA DE GESTÃO EMPRESARIAL - TREINAMENTO GERENCIAL
CGE - CONSULTORIA DE GESTÃO EMPRESARIAL - TREINAMENTO GERENCIAL
R Gómez
 
Preparando se para construir uma carreira ministerial de sucesso! ii tm 2.15
Preparando se para construir uma carreira ministerial de sucesso!  ii tm 2.15Preparando se para construir uma carreira ministerial de sucesso!  ii tm 2.15
Preparando se para construir uma carreira ministerial de sucesso! ii tm 2.15
R Gómez
 
Clima Organizacional
Clima OrganizacionalClima Organizacional
Clima Organizacional
R Gómez
 
Aula de Psicologia da Educação
Aula de Psicologia da EducaçãoAula de Psicologia da Educação
Aula de Psicologia da Educação
R Gómez
 
Estudo bíblico para jovens - namoro noivado e casamento
Estudo bíblico para jovens -  namoro noivado e casamentoEstudo bíblico para jovens -  namoro noivado e casamento
Estudo bíblico para jovens - namoro noivado e casamento
R Gómez
 
A função e desafios do superintendente e do professor da EBD
A função e desafios do superintendente e do professor da EBDA função e desafios do superintendente e do professor da EBD
A função e desafios do superintendente e do professor da EBD
R Gómez
 
R Gómez - Pesquisa de Marketing
R Gómez - Pesquisa de MarketingR Gómez - Pesquisa de Marketing
R Gómez - Pesquisa de Marketing
R Gómez
 
LIMITES
LIMITESLIMITES
LIMITES
R Gómez
 
HISTÓRIA QUE VALE APENA REFLETIRMOS
HISTÓRIA QUE VALE APENA REFLETIRMOSHISTÓRIA QUE VALE APENA REFLETIRMOS
HISTÓRIA QUE VALE APENA REFLETIRMOS
R Gómez
 
R gómez 12 tipos de defeitos que impediam um levita ao ministério sacerdotal
R gómez 12 tipos de defeitos que impediam um levita ao ministério sacerdotalR gómez 12 tipos de defeitos que impediam um levita ao ministério sacerdotal
R gómez 12 tipos de defeitos que impediam um levita ao ministério sacerdotal
R Gómez
 
Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.
Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.
Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.
R Gómez
 
Revisão de conteudo administração aplicada em saúde e segurança no trabalho
Revisão de conteudo administração aplicada em saúde e segurança no trabalhoRevisão de conteudo administração aplicada em saúde e segurança no trabalho
Revisão de conteudo administração aplicada em saúde e segurança no trabalho
R Gómez
 
Palestra estrutura da empresa
Palestra estrutura da empresaPalestra estrutura da empresa
Palestra estrutura da empresa
R Gómez
 
Palestra básica tipos de empresas
Palestra básica  tipos de empresasPalestra básica  tipos de empresas
Palestra básica tipos de empresas
R Gómez
 
Noções básicas de contabilidade
Noções básicas de contabilidade Noções básicas de contabilidade
Noções básicas de contabilidade
R Gómez
 
Noção básicas de administração financeira
Noção básicas de administração financeiraNoção básicas de administração financeira
Noção básicas de administração financeira
R Gómez
 
Iso 9000 e séries
Iso  9000 e sériesIso  9000 e séries
Iso 9000 e séries
R Gómez
 
éTica e educação empresarial e profissional ii
éTica e educação empresarial e profissional iiéTica e educação empresarial e profissional ii
éTica e educação empresarial e profissional ii
R Gómez
 
Engenharia de segurança no trabalho
Engenharia de segurança no trabalhoEngenharia de segurança no trabalho
Engenharia de segurança no trabalho
R Gómez
 
Administração aplicada em saúde e segurança no trabalho
Administração aplicada em saúde e segurança no trabalhoAdministração aplicada em saúde e segurança no trabalho
Administração aplicada em saúde e segurança no trabalho
R Gómez
 

Mais de R Gómez (20)

CGE - CONSULTORIA DE GESTÃO EMPRESARIAL - TREINAMENTO GERENCIAL
CGE - CONSULTORIA DE GESTÃO EMPRESARIAL - TREINAMENTO GERENCIAL CGE - CONSULTORIA DE GESTÃO EMPRESARIAL - TREINAMENTO GERENCIAL
CGE - CONSULTORIA DE GESTÃO EMPRESARIAL - TREINAMENTO GERENCIAL
 
Preparando se para construir uma carreira ministerial de sucesso! ii tm 2.15
Preparando se para construir uma carreira ministerial de sucesso!  ii tm 2.15Preparando se para construir uma carreira ministerial de sucesso!  ii tm 2.15
Preparando se para construir uma carreira ministerial de sucesso! ii tm 2.15
 
Clima Organizacional
Clima OrganizacionalClima Organizacional
Clima Organizacional
 
Aula de Psicologia da Educação
Aula de Psicologia da EducaçãoAula de Psicologia da Educação
Aula de Psicologia da Educação
 
Estudo bíblico para jovens - namoro noivado e casamento
Estudo bíblico para jovens -  namoro noivado e casamentoEstudo bíblico para jovens -  namoro noivado e casamento
Estudo bíblico para jovens - namoro noivado e casamento
 
A função e desafios do superintendente e do professor da EBD
A função e desafios do superintendente e do professor da EBDA função e desafios do superintendente e do professor da EBD
A função e desafios do superintendente e do professor da EBD
 
R Gómez - Pesquisa de Marketing
R Gómez - Pesquisa de MarketingR Gómez - Pesquisa de Marketing
R Gómez - Pesquisa de Marketing
 
LIMITES
LIMITESLIMITES
LIMITES
 
HISTÓRIA QUE VALE APENA REFLETIRMOS
HISTÓRIA QUE VALE APENA REFLETIRMOSHISTÓRIA QUE VALE APENA REFLETIRMOS
HISTÓRIA QUE VALE APENA REFLETIRMOS
 
R gómez 12 tipos de defeitos que impediam um levita ao ministério sacerdotal
R gómez 12 tipos de defeitos que impediam um levita ao ministério sacerdotalR gómez 12 tipos de defeitos que impediam um levita ao ministério sacerdotal
R gómez 12 tipos de defeitos que impediam um levita ao ministério sacerdotal
 
Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.
Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.
Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.
 
Revisão de conteudo administração aplicada em saúde e segurança no trabalho
Revisão de conteudo administração aplicada em saúde e segurança no trabalhoRevisão de conteudo administração aplicada em saúde e segurança no trabalho
Revisão de conteudo administração aplicada em saúde e segurança no trabalho
 
Palestra estrutura da empresa
Palestra estrutura da empresaPalestra estrutura da empresa
Palestra estrutura da empresa
 
Palestra básica tipos de empresas
Palestra básica  tipos de empresasPalestra básica  tipos de empresas
Palestra básica tipos de empresas
 
Noções básicas de contabilidade
Noções básicas de contabilidade Noções básicas de contabilidade
Noções básicas de contabilidade
 
Noção básicas de administração financeira
Noção básicas de administração financeiraNoção básicas de administração financeira
Noção básicas de administração financeira
 
Iso 9000 e séries
Iso  9000 e sériesIso  9000 e séries
Iso 9000 e séries
 
éTica e educação empresarial e profissional ii
éTica e educação empresarial e profissional iiéTica e educação empresarial e profissional ii
éTica e educação empresarial e profissional ii
 
Engenharia de segurança no trabalho
Engenharia de segurança no trabalhoEngenharia de segurança no trabalho
Engenharia de segurança no trabalho
 
Administração aplicada em saúde e segurança no trabalho
Administração aplicada em saúde e segurança no trabalhoAdministração aplicada em saúde e segurança no trabalho
Administração aplicada em saúde e segurança no trabalho
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 

Classificação e administraçao das empresas e outros temas relacionados

  • 1. CLASSIFICAÇÃO E ADMINISTRAÇAO DAS EMPRESAS E OUTROS TEMAS RELACIONADOS Apresentado por R Gómez Graduado em Administração de Empresa Especializado em Gestão Empresarial Com habilidades em: Administração geral, supervisão geral, gerência, direção, acessória empresarial, processos empresariais, gestão estratégica, qualidade organizacional, custos, gestão financeira, gestão de pessoas, gestão de serviços, logística, produção, marketing, inovação, recrutamento de pessoas, Recursos Humano (RH), gestão do conhecimento, relações de comércio exterior, aplicação da psicologia positiva, palestra motivacional e comportamental.
  • 2. CLASSIFICAÇÃO DAS EMPRESAS Classificação por Tipo de Empresa a) por setor: · Comercial - Ex.: loja de confecções; · Industrial - Ex.: indústria de bebidas; · Rural - Ex.: plantação de laranjas; · Prestação de Serviços - Ex.: clínica médica · Obs.: uma empresa pode também atuar em mais de um setor, como no caso de Comércio e Indústria ou no de Comércio e Prestação de Serviços.
  • 3. b) pela forma jurídica: · Empresa individual (industrial e/ou comercial) - com uma única pessoa; · Sociedade Comercial Ltda. (industrial e/ou comercial) - com dois ou mais sócios; · Sociedade Civil Ltda. (de prestação de serviços) - com dois ou mais sócios; · Sociedade Anônima (não pode ser microempresa). · Obs.: o interessado em abrir uma Empresa Individual tem a opção de se inscrever como autônomo (profissional liberal).
  • 4. c) pelo porte (tamanho): · Definição de Micro e Pequenas Empresas (MPEs). O número de empregados e o faturamento bruto anual são os critérios mais utilizados para definir o porte das empresas. Quadro I – Classificação das MPEs segundo o número de empregados Porte da Empresa Números de Empregados Comércio e Serviços Indústria Micro Empreendedor Individual Até 2 Até 2 Microempresa Até 9 Até 19 Empresa de Pequeno porte 10 a 49 20 a 99 Empresa de Médio porte 50 a 99 100 a 499 Empresa de Grande porte >99 >499
  • 5. Quadro II – Classificação das MPEs segundo o faturamento bruto anual  Segundo o Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte – MPE´s, Lei no. 9.841/99, passa a prever o tratamento favorecido às MPE´s nos campos previdenciário, trabalhista, creditício e desenvolvimento empresarial.  Segundo a Lei 9.317/96, alterada pela lei 9.732/98 (Lei do Simples Federal), regula O Sistema Integrado de Pagamentos de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte, conforme quadro abaixo:
  • 6. Porte da Empresa Faturamento Bruto Anual Estatuto Simples Federal Micro Empreendedor Individual Até R$ 36.000,00 / ano Até R$ 36.000,00 / ano Microempresa Até R$ 244.000,00 / ano Até R$ 120.000,00 / ano Empresa de Pequeno porte De R$ 244.000,01 até R$ 1.200.000,00 De R$ 120.000,01 até 1.200.000,00 Fonte: Lei 10.406/02 e Lei Complementar 128/08 Lei Federal n°. 9317/96, alterada pela Lei 9732/98
  • 7. COMO SE CONSTITUI UMA EMPRESA Definição sumária das diversas etapas Para constituir uma empresa e dar vida ao seu negócio tem de cumprir uma série de requisitos e procedimentos legais. Os promotores devem assegurar-se da sua vontade e capacidade de empreender. A ideia deve ser claramente definida. Tendo como objetivo maximizar as perspectivas de êxito e de crescimento é indispensável definir a estratégia, missão e objetivos a alcançar. A passagem da ideia à empresa implica, necessariamente, o conhecimento das formalidades afetas à legalização da atividade e o contato com um conjunto de entidades cujas atribuições se enquadram nesse processo de constituição legal.
  • 8. PASSO 1 Obtenção de um certificado de admissibilidade da firma (CAF): A obtenção do CAF pode efetuar-se em qualquer Conservatória do Registo Comercial ou na sede do Registo Nacional das Pessoas Coletivas (RNPC). A sociedade comercial a criar terá de ter um nome (a firma) sem o qual não é possível proceder à outorga do pacto social. O certificado é a garantia que o nome escolhido pela nova empresa é válido (no sentido de que não existe no mercado uma firma com uma designação similar). Uma vez obtido, a firma que foi aprovada fica garantida por um período de seis meses, para a celebração da escritura, e por um ano após a data desta para efeitos de registo. Tempo que é suficiente para celebrar o pacto social e registar definitivamente a firma.
  • 9. PASSO 2 Obtenção de um cartão provisório de identificação de pessoa coletiva: Ao requerer o CAF deverá também solicitar o cartão provisório de identificação de pessoa coletiva. PASSO 3 Celebração da escritura notarial: Neste momento está em condições para marcar a sua escritura no notário. Segundo o artigo 7º do Código das Sociedades Comerciais, o pacto social deve ser celebrado por escritura pública ou perante um notário, a quem compete zelar pela legalidade da constituição da sociedade. É aconselhável o recurso a um técnico especializado para a sua celebração.
  • 10. PASSO 4 Inscrição no registo de sujeitos passivos de IRC e IVA: A sociedade que está a constituir é sujeito passivo de diversos impostos, nomeadamente de IRC e do IVA. Após a sua inscrição no RNPC, e antes do início de atividade, deve inscrever-se na repartição de finanças da área da sua sede. PASSO 5 Registo, publicações e NIPC (Número de Identificação de Pessoa Coletiva): Chegou a altura de proceder ao registo da constituição da sua sociedade. Só com o registo definitivo do contrato a sociedade adquire efetivamente a sua personalidade jurídica.
  • 11. PASSO 6 Comunicações à Inspeção do Trabalho: Antes de iniciar atividade, a sociedade deve comunicar à delegação da Inspeção do Trabalho da área da sua sede a sua denominação, ramo de atividade ou objeto social, endereço da sede e locais de trabalho, indicação do Diário da República em que o respectivo pacto social foi publicado, domicílio dos membros do órgão gestor, bem como o número de trabalhadores ao seu serviço. PASSO 7 Inscrição na Segurança Social: Falta apenas deslocar-se ao Centro Regional da Segurança Social da sua área da sede, no prazo de 30 dias após o início da atividade, de modo a proceder à inscrição na Segurança Social.
  • 12. COMO ADMINISTRAR UM SETOR DE SEGURANÇA DO TRABALHO 1. Conhecer bem tudo. Conhecer bem as pessoas, as linhas de Produção, os ambientes de trabalho, as atividades e os produtos e serviços existentes. Um Engenheiro de Segurança iniciante, deve, principalmente ouvir sempre e muito as pessoas, visitar constantemente todos os ambientes de trabalho. Deve-se evitar o “sabe tudo” o “autoritário” o “senhor do escritório”e outros mais.
  • 13. 2. Conhecer bem a Política da Empresa, com relação à: Suas Atribuições – quais são as sua tarefas (ex.: responder pela Segurança Patrimonial, Bombeiros, Meio Ambiente, etc.). De início deve-se aceitar todas as que lhe forem sugeridas e, no decorrer do tempo ir dando mais energia para aquelas mais importantes e, sempre informar e negociar com seu superior imediato. Deve-se objetivar que estejam documentadas (descrição de cargos).
  • 14. Sua Competência – definição do campo de ação (local). Onde poderá atuar e até onde (situação ou estado) ele poderá atuar. (ex.: interrupção da produção ou de tarefas, limitar compra de materiais perigosos, disponibilidade de recursos (pessoal e financeiro)). Sua Autoridade – definição de como atuar com relação às pessoas, especialmente nos casos irregulares (ex.: uso de EPI´s). Como é a linha de ação da empresa para os casos de desvios de comportamentos para que problemas interpessoais sejam evitados.
  • 15. Sobre a Responsabilidade pelo Fato – saber o nível de conhecimento que as pessoas possuem com relação às definições de responsabilidade civil e criminal quando da ocorrência dos fatos (acidentes). Procurar sempre de forma natural e progressiva transmitir os conceitos de que o Engenheiro de Segurança é um assessor, que nada executa e não manda executar, não delega, somente indica e alerta sobre os riscos e sugere ações.
  • 16. 3. Desenvolvimento das Ações: Atribuições – dedicar tempo e energia adequada às suas tarefas em função de seu interesse profissional e, principalmente do nível de representatividade e de responsabilidade que cada qual mereça dentro do contexto geral das atividades. (ex.: em uma fábrica de recuperação de baterias deve despender mais atenção no tocante aos EPI´s e ao ambiente de trabalho do que na preocupação com ruído ambiental).
  • 17. Competência – campo de ação (onde atuar) o qual deverá ser ilimitado (todos os locais) e principalmente havendo definição compartilhada e negociada mutuamente com todos os envolvidos. Autoridade – deve ser fundamentada em bases pré- estabelecidas (Leis, Normas Técnicas, Normas Internas, etc.) e ser compartilhada com a diretoria, as gerências, as chefias, os Técnicos de Segurança do Trabalho (TST), a CIPA, entre outros. O Engenheiro de Segurança Trabalho (EST) não necessita ter autoridade e, sim possuir boa didática de convincência para fazer as pessoas entenderem o problema existente. O EST deve ter sempre em mente que deva ser um excelente vendedor e que qualquer funcionário seu cliente.
  • 18. Responsabilidade pelo Fato – o EST deve ser encarado como um assessor que indica problemas e auxilia na condução dos mesmos até a sua solução. Orienta de como proceder nos casos irregulares e, que não executa ou determina que ações sejam executadas. O EST não executa não produz não faz manutenção etc. e, principalmente não deve fazê-las mesmo!!!!!
  • 19. O Técnico em Segurança no Trabalho, deve ter sempre em mente as seguintes condutas: Ser Aberto – é aquele que está disposto a tudo, a todos e em todos os momentos. Pessoa receptiva e participativa em qualquer circunstância do maior ao menor problema. Ser Alegre e Comunicativo – é aquele que aparenta estar feliz consigo mesmo. Podemos confiar nele e para ele solicita o apoio. Ser Paciencioso – é aquele que escuta tudo o que lhe é falado deixando as pessoas se expressarem conforme necessitam e após faz suas ponderações.
  • 20. Que conduz os problemas até o fim – é aquele que faz com que a pessoa que lhe apresentou o problema acompanhe e participe da condução do problema até o fim, mesmo sendo o problema de pouca representatividade. Trata todos da mesma forma – o tratamento dispensado ao diretor como ao catador de lixo e ao funcionário da limpeza deve ser o mesmo. Cumprimenta todas as pessoas – o trato pessoal do Técnico em Segurança no Trabalho é a sua vida. Aquele tímido ou que não cumprimenta seus colegas, nunca receberá informações daquele que não cumprimenta, pois ele não se sentirá seguro em passar a informação.
  • 21. CABE AO EMPREGADOR: a) Cumprir e fazer cumprir as NR´s b) Elaborar Ordens de Serviços, sobre Segurança e Medicina do Trabalho, dando ciência a seus empregados, com os seguintes objetivos:  Prevenir atos inseguros;  Divulgar as obrigações e proibições que os seus empregados devam conhecer e cumprir;  Dar conhecimento aos seus empregados de que serão passíveis de punição, pelo descumprimento das Ordens de Serviço;
  • 22.  Determinar procedimentos quando das ocorrências de Acidentes de Trabalho e de Doenças Profissionais ou do Trabalho;  Adotar medidas determinadas pela DRT;  Dotar medidas para eliminar ou neutralizar a Insalubridade e as Condições Inseguras. c) Informar aos trabalhadores:  Dos riscos profissionais que possam originar-se nos Locais de Trabalho;  Dos meios para prevenir e limitar tais riscos;  Dos resultados dos exames médicos e dos exames complementares de diagnósticos a que os trabalhadores foram submetidos;  Dos resultados das avaliações ambientais realizadas nos locais de trabalho. d) Permitir que os Representantes dos Trabalhadores acompanhem as fiscalizações procedidas pela DRT. O QUE É DRT? DRT é um registro profissional tirado na Delegacia Regional do Trabalho. Para os profissionais que desejam se destacar, e passar a realizar grandes campanhas, é muito importante que tenha o DRT. Lei 6.533 criada em 1978
  • 23. CABE AOS EMPREGADOS: a) Cumprir as NR´s e a Ordens de Serviço definidas pelo empregador; b) Usar os EPI´s fornecido pelo empregador; c) Submeter-se aos exames médicos definidos nas NR´s; d) Colaborar com a empresa no atendimento às NR´s; Observação: constitui “ATO FALTOSO” a recusa injustificada do empregado ao cumprimento dos itens anteriores. As dúvidas suscitadas e casos omissos encontrados nas NR´s serão decididos pela Secretaria de Segurança e Medicina do Trabalho – SSMT.
  • 24. Histórico da Administração Fases do trabalho humano História Desde os primórdios da humanidade, o homem associou-se a outros para conseguir, por meio do esforço conjunto, atingir determinados objetivos. Desse esforço conjunto surgiram as empresas rudimentares, que remontam à época dos assírios, babilônios, fenícios etc. Porém, a história da administração é relativamente recente, e surgiu com o aparecimento da grande empresa. O fenômeno que provocou o aparecimento da grande empresa e da moderna administração ocorreu no final do século XVIII e se estendeu ao longo do século XIX, chegando ao limiar do século XX.
  • 25. Esse fenômeno, que trouxe rápidas e profundas mudanças econômicas, sociais e políticas, chamou-se Revolução Industrial. A Revolução Industrial teve início na Inglaterra, com a invenção da máquina a vapor, por James Watt, em 1776.A aplicação da máquina a vapor no processo de produção provocou um enorme surto de industrialização, que se estendeu rapidamente a toda a Europa e Estados Unidos
  • 26. A Revolução Industrial desenvolveu-se em duas fases distintas: a. Primeira fase, de 1780 a 1860 É a revolução do carvão(como principal fonte de energia)e do ferro(como principal matéria- prima).Começa com a introdução da máquina de fiar, no tear hidráulico e posteriormente do tear mecânico, do descaroçador de algodão provocando a mecanização das oficinas e da agricultura.
  • 27. O trabalho do homem do animal e da roda d'água é substituído pelo trabalho da máquina, surgindo o sistema fabril: o antigo artesão transforma- se no operário e a pequena oficina patronal sede lugar à fabrica e à usina. As novas oportunidades de trabalho provocam migrações e consequente urbanização ao redor de centros industriais. Há uma revolução nos meios de transportes e comunicações: surge a navegação a vapor, a locomotiva a vapor, o telégrafo e o telefone. É o início do capitalismo.
  • 28. b. Segunda fase, de 1860 a 1914 É a revolução da eletricidade e derivados do petróleo(como as novas fontes de energia) e do aço(com a nova matéria-prima).É a introdução definitiva da maquinaria automática e da especialização do operário. Há uma intensa transformação dos meios de transporte e nas comunicações: surge a estrada de ferro , o automóvel, o avião o telégrafo sem fio, o rádio. o capitalismo financeiro consolida-se e surge mas grandes organizações multinacionais ( como a Standard, a General Electric, a Siemens, etc.).
  • 29. Ao final desse período, o mundo já não era mais o mesmo. E a moderna administração surgiu em resposta a duas consequências provocadas pela Revolução Industrial, a saber :a. Crescimento acelerado e desorganizado das empresas que as passaram a exigir uma administração científica capaz de substituir o empirismo e a improvisação b. Necessida de de maior eficiência e produtividade das empresas, para fazer face à intensa concorrência e competição no mercado.
  • 30. A Moderna Administração A moderna administração surgiu no início deste século, quando dois engenheiros publicaram suas experiências. um era americano, Frederick Winslow Taylor (1856-1915) que veio a desenvolver a chamada Escolada Administração Científica, com a preocupação de aumentar a eficiência da indústria por meio da racionalização do trabalho dos operários. O outro engenheiro era francês, Henri Fayol(1841-1925) que veio a desenvolver a chamada Escola Clássica da Administração, com a preocupação de aumentar a eficiência da empresa por meio de sua organização e da aplicação de princípios gerais de administração.
  • 31. Embora esses precursores da administração jamais se tenham comunicado entre si e seus pontos de vista sejam diferentes, até mesmo opostos, o certo é que suas ideias se complementam, razão pela qual suas teorias dominaram as cinco primeiras décadas deste século no panorama da administração das empresas. Taylor - Escola da Administração Científica = Organização do Trabalho de cada operário. Fayol - Escola Clássica da Administração = Organização da Empresa como um todo.
  • 32. A partir desses dois pioneiros, a pequena história da administração moderna pode ser assim resumida nas seguintes teorias ou escolas que lhes sucederam. a. Teoria da Administração Científica: desenvolvida por engenheiros americanos, seguidores de Taylor. Preocupavam-se principalmente coma organização das tarefas, isto é, com a racionalização do trabalho dos operários. b. Teoria Clássica da Administração: desenvolvidas por seguidores de Fayol. preocupava-se principalmente com a estrutura organizacional da empresa, com a departamentalização e com o processo administrativo. Recentemente, a Escola Clássica reapareceu com Peter Drucker e a chamada Escola Neoclássica, preocupada com a administração por objetivos
  • 33. c. Teoria das Relações Humanas: desenvolvida a partir de 1940, nos Estados Unidos. Preocupada principalmente com as pessoas, com os grupos sociais e com a organização informal. Mais recentemente, esta escola ressurgiu com novas ideias, com o nome de Teoria do Comportamento Organizacional, preocupada mais com o comportamento global da empresa do que propriamente com o comportamento de pessoas ou de grupos sociais tomados isoladamente. d. Teoria Estruturalista: desenvolvida a partir de 1950 preocupada em integrar todas as teorias das diferentes escolas acima e numeradas. A Escola Estruturalista teve início com a teoria da burocracia com Max Weber. e. Teoria de Sistemas: desenvolvida a partir de 1970. Passou a abordar a empresa como um sistema aberto em contínua interação com o meio ambiente que o envolve.
  • 34. f. Teoria da Contingência: desenvolvida no final da década de 70, sob a influência da Teoria de Sistemas. Para essa teoria, a empresa e a sua administração são variáveis dependentes do que ocorre no ambiente externo, isto é, a medida que o meio ambiente muda, também ocorre mudanças na empresa e na sua administração como consequência. Isto significa que na administração tudo é relativo e nada é absoluto. Para a teoria da contingência tudo o que ocorre na empresa depende da situação e do ambiente externo.
  • 35. ATIVIDADE 01 – Faça um comentário sobre a história da administração: 02 – Faça um comentário sobre a Revolução industrial:
  • 36. FASES DO TRABALHO HUMANO Este estudo resgata o entendimento do trabalho, da ocupação e do emprego a partir de um mergulho na História. Nele se evidencia que estes conceitos pertencem, simultaneamente, à esfera da reflexão teórica e da realidade empírica. Constata-se, também, a importância que eles adquirem na vida das pessoas e da sociedade moderna. Para dar sequência ao propósito deste artigo, faz- se uma visita aos diferentes momentos da História para que se possa entender os conceitos de trabalho, ocupação e emprego. Em seguida, analisam-se os principais fenômenos associados a cada um deles. Ao final, faz-se um comentário sobre os principais assuntos abordados, correlacionando-os com a empregabilidade.
  • 37. TRABALHO, OCUPAÇÃO E EMPREGO AO LONGO DA HISTÓRIA Nesta parte se discute o entendimento que foi dado, ao longo da História, às questões pertinentes ao trabalho, à ocupação e ao emprego. Para proporcionar maior clareza, focaliza-se, primeiro, o trabalho; em seguida, a ocupação; depois, o emprego; por último, o trabalho e o emprego no limiar do novo milênio.
  • 38. Trabalho Na Antiguidade, o trabalho era entendido como a atividade dos que haviam perdido a liberdade. O seu significado confundia-se com o de sofrimento ou infortúnio. O homem, no exercício do trabalho, sofre ao vacilar sob um fardo. O fardo pode ser invisível, pois, na verdade, é o fardo social da falta de independência e de liberdade. (KURZ: 1997, p.3). A equiparação entre trabalho e sofrimento não é o de simples cansaço; representa, também, uma condição social. O significado de sofrimento e de punição perpassou pela história da civilização, diretamente se relacionando ao sentido do termo que deu origem à palavra trabalho.
  • 39. Essa vem do latim vulgar tripalium, embora seja, às vezes, associada a trabaculum. Tripalum era um instrumento feito de três paus aguçados, com ponta de ferro, no qual os antigos agricultores batiam os cereais para processá-los. Associa-se a palavra trabalho ao verbo tripaliare, igualmente do latim vulgar, que significava "torturar sobre o trepalium", mencionado como uma armação de três troncos, ou seja, suplício que substituiu o da cruz, instrumento de tortura no mundo cristão. Por muito tempo, a palavra trabalho significou experiência dolorosa, padecimento, cativeiro, castigo. (BUENO: 1988, p.25).
  • 40. Os gregos utilizavam duas palavras para designar "trabalho: ponos, que faz referência a esforço e à penalidade, e ergon, que designa criação, obra de arte. Isso estabelece a diferença entre trabalhar no sentido de penar, ponein, e trabalhar no sentido de criar, ergazomai. Parece que a contradição "trabalho-ponos" e "trabalho-ergon" continua central na concepção moderna de trabalho. Pode-se observar em diferentes línguas (grego, latim, francês, alemão, russo, português) que o termo trabalho tem, em sua raiz, dois significados: esforço, fardo, sofrimento e criação, obra de arte, recriação.
  • 41. Na Antiguidade, distinguia-se trabalho de labor. Essas palavras têm etimologia diferente para designar o que hoje se considera a mesma atividade. Ambas conservam seu sentido, a despeito de serem repetidamente usadas como sinônimos. O trabalho, além do labor e da ação, é um dos elementos da vida ativa. "O labor é a atividade que corresponde ao processo biológico do corpo humano. O trabalho é a atividade correspondente ao artificialismo da existência humana. A ação corresponde à condição humana" (ALBORNOZ: 1988, p.23).
  • 42. O trabalho não está, necessariamente, contido no ciclo repetitivo vital da espécie. É por meio do trabalho que o homem cria coisas a partir do que extrai da natureza, convertendo o mundo num espaço de objetos partilhados. Diferencia-se, então, o labor do trabalho. O primeiro é um processo de transformação da natureza para a satisfação das necessidades vitais do homem. O segundo, é um processo de transformação da natureza para responder àquilo que é um desejo do ser humano, emprestando-lhe certa permanência e durabilidade histórica.
  • 43. Na sociedade grega, berço da civilização ocidental, o trabalho era visto em função do produto, e este, por sua vez, em função de sua utilidade ou capacidade de satisfazer à necessidade humana. O que contava era o valor de uso e não o valor de troca, isto é, o valor de uma mercadoria em relação às outras. O valor do produto como mercadoria não passava do valor de uso para outra pessoa. É possível perceber que a concepção de valor e de riqueza tinha alicerces diferentes dos que norteiam, atualmente, a produção e a distribuição no Ocidente.
  • 44. Por isso, até 1690, não se concebia que o homem tivesse direito natural à propriedade em decorrência do seu trabalho; depois de 1690, a idéia passou a ser digno da Ciência Social. Nenhum dos autores clássicos da Antiguidade jamais pensou no trabalho como possível fonte de riqueza (VÁZQUEZ: 1977, p.31). A partir do século XVII, criou-se uma sociedade que não situa em primeiro plano a natureza ou a produção a serviço da transformação do homem, do cidadão da polis. Nela, o uso da mente por todos os homens não é considerado como próprio de homens livres, porquanto o trabalho físico, por seu caráter servil e humilhante, repousa nos ombros daqueles que, na sociedade antiga, eram os escravos.
  • 45. O trabalho, na Antigüidade, não se desvincula do entendimento da escravatura, que foi um recurso usado para excluí-lo da condição de vida do homem. Essa exclusão só podia ser viabilizada pela institucionalização da escravatura, dadas a capacidade de produção e a concepção de vida e de sociedade vivenciadas no período. Na tradição cristã, a Reforma Protestante fez com que o trabalho passasse a ser visto como instrumento de salvação e como forma de realizar a vontade divina. Na tradição oriental, as religiões viam o trabalho como uma atividade que harmoniza os homens com a natureza e que desenvolve o seu caráter.
  • 46. No final da Idade Média, expressava-se o trabalho com o sentido positivo que passou a incorporar: era encarado como uma ação autocriadora, e o homem, em seu trabalho, como senhor de si e da natureza. Deu-se valorização positiva ao trabalho, considerado, então, como um espaço de aplicação das capacidades humanas. Acompanhava-o a noção de empenho, que é o esforço para atingir determinado objetivo. Naquele período, surgiram mudanças significativas que produziriam lastros que sustentariam a Era Moderna. Entre as mudanças encontram-se a revolução agrícola, o surgimento das cidades e, sobretudo, a implantação da sociedade patriarcal, com valores e conceitos que vieram dominar a sociedade ocidental moderna.
  • 47. Estudiosos argumentam que o trabalho, como ato concreto, individual ou coletivo, é uma experiência social por definição e que constitui e explica grande parte da sociedade capitalista. Considera-se, também, que "[...] as facetas essenciais do processo de socialização da construção identitária, das formas de dominação e de resistência, enfim da dinâmica contraditória da economia de mercado, têm sua origem nas situações laborais e nas relações sociais estruturadas na atividade produtiva" (CATTANI: 1996, p.39).
  • 48. No século XVIII, com a ascensão da burguesia, com o desenvolvimento das fontes produtivas, com a transformação da natureza e com a evolução da técnica e da ciência, enfatizou-se a condenação do ócio, sacralizando-se o trabalho e a produtividade (KURZ: 1997, p.3). Na Idade Moderna, passou-se a fazer diferenciação entre o trabalho qualificado e o não qualificado, entre o produtivo e o não produtivo, aprofundando-se a distinção entre trabalho manual e intelectual. Essas concepções diferenciadas não deixam de ser o entendimento subjacente à distinção fundamental entre labor e trabalho do período helênico. O que ocorreu foi o deslocamento do labor, que possui, tanto na esfera pública como na esfera privada, uma produtividade própria, por maus fúteis ou pouco duráveis que sejam os seus produtos e seu consumo.
  • 49. Nessa era, o trabalho tornou-se uma atividade compulsiva e incessante; a servidão tornou-se liberdade, e a liberdade, servidão (KURZ: 1997, p.3). Para o homem dos tempos modernos, o tempo livre inexiste ou é escasso. "Tempo é dinheiro". A lógica do trabalho perpassou a cultura, o esporte e, até mesmo, a intimidade. Todas as atividades humanas passaram a ser foco de negócios ou tornaram-se oportunidades para alguém ganhar dinheiro, lógica que se apoderou de todas as esferas da vida e da existência humana. Para grande maioria das pessoas, o trabalho transformou-se em emprego na sociedade moderna.
  • 50. Segundo MARX (1983, p.149), "[...] o trabalho revela o modo como o homem lida com a natureza, o processo de produção pelo qual ele sustenta a sua vida e, assim, põe a nu o modo de formação de suas relações sociais e das idéias que fluem destas". Para o autor, o trabalho é o centro das atividades especificamente humanas. Sob essa ótica, os homens relacionam-se com a natureza por intermédio do trabalho. Considera, ainda, que, "[...]
  • 51. ao submetê-la aos seus próprios fins, o homem realiza, neste sentido, uma humanização da natureza" (p.150). O trabalho é a categoria que funda o desenvolvimento do mundo dos homens como uma esfera distinta da natureza; não é apenas a relação dos homens entre si no contexto da reprodução social; o seu desenvolvimento exige o desenvolvimento concomitante das relações sociais. O modo antigo de produção baseia-se no trabalho do escravo; o feudal, no trabalho dos servos da gleba; o capitalista, no trabalho do empregado assalariado.
  • 52. Ocupação Na Antiguidade, as pessoas livres eram ocupadas. Para os gregos, havia as ocupações de caráter inferior e as de caráter superior. As atividades superiores estavam vinculadas à participação do homem na pólis. As ocupações eram entendidas como atividades que visavam à satisfação pessoal e eram desenvolvidas por escolha própria O aparecimento da economia monetária acentua a distinção entre ocupação como meio de ganhar a vida e ocupação como meio de manter o status . Cada sociedade, na sua dinâmica estrutural e conjuntural, cria e recria a ocupação humana.
  • 53. A estrutura das ocupações nas sociedades modernas é resultante do avanço e da aplicação da ciência ao processo de produção; é consequência, portanto, do desenvolvimento da tecnologia, da divisão e organização do trabalho, da expansão dos mercados e do crescimento de pólos comerciais ou industriais. Por isso, diferencia-se o fluxo das ocupações nas sociedades tradicionais e modernas, cujo ritmo de aparecimento, maturação e obsolescência das mudanças é extremamente rápido nestas e mais estabilizado naquelas.
  • 54. O principal uso do termo ocupação, em Ciências Sociais, segue o sentido comum, que é o de emprego, negócio ou profissão. "A ocupação de uma pessoa é a espécie de trabalho feito por ela, independente da indústria em que esse trabalho é realizado e do status que o emprego confere ao indivíduo" (Dicionário de Ciências Sociais: 1986, p.829). Trabalho não é ocupação, todas as classes sociais detêm sua forma de ocupação, e todas as pessoas mantêm sua ocupação. Assim como o camponês, o proprietário, na medida em que conserva uma função positiva, tem sua ocupação.
  • 55. O que caracteriza o operário ou trabalhador, no sentido mais restrito, "[...] é que ele trabalha para outra pessoa. Ele é (não tenhamos medo de dizer) um servidor". (RAMOS: 1989, p.122). Na Idade Moderna, a ocupação distingue-se de trabalho (prática de esforço ou mera atividade subordinada às necessidades do processo de produção) e de carreira (seqüência ou progressão de posições dentro da mesma ocupação, que levam de um status inferior a um status superior). (Ibidem: 1989, p.123).
  • 56. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD - do IBGE (1995), classificou as ocupações por ramos e classes de atividade. A pesquisa apresenta seis categorias de posição na ocupação: a) empregado; b) trabalhador doméstico; c) conta-própria; d) empregador; e) trabalhador não remunerado, membro da unidade domiciliar; f) outro trabalhador não remunerado.
  • 57. No que diz respeito à categoria do emprego, a pesquisa classificou os empregados em: a) com carteira de trabalho assinada; b) militares e funcionários públicos estatutários; c) outros. O agrupamento das ocupações é feito, aqui, como no decorrer de toda a História da sociedade brasileira de acordo com sua posição ou "prestígio", tendo sido estabelecida uma escala de status no país desde 1947. A percepção do status ocupacional é mutante, acompanhando a dinâmica da sociedade e a evolução do sistema produtivo.
  • 58. Assim, a ocupação humana, numa dada sociedade, também leva em conta as crenças e valores que perpassam a vida humana associada, e não é por acaso que a lógica subjacente às relações sociais reduziu e circunscreveu a ocupação ao trabalho e ao emprego na sociedade atual.
  • 59. Emprego A palavra emprego, da língua inglesa, tem sua origem em 1400 d.C. Até o início do século XVIII, se referia a alguma tarefa ou determinada empreitada; nunca se referia a um papel ou a uma posição numa organização. A partir do século XIX, passou a ser entendida como o trabalho realizado nas fábricas ou nas burocracias das nações em fase de industrialização.
  • 60. Resgatando a origem do significado da palavra emprego, BRIDGES (1995, p.19) comenta que "[...] tanto job (emprego) como gob (bocado) podem, de fato, ter surgido originalmente de uma palavra cética, gob ou gop, significando 'boca'". No início, tinha o sentido de "pedacinho" de alguma coisa; depois, a palavra começou a ampliar seu significado, passando a incluir "grandes montes" de coisas, como montes de ferro ou estrume de curral (a ideia de que o emprego original possa ter sido um "monte de estrume" parece bastante moderna para muitos trabalhadores).
  • 61. A conotação moderna do termo emprego reflete a relação entre o indivíduo e a organização onde uma tarefa produtiva é realizada, pela qual aquele recebe rendimentos, e cujos bens ou serviços são passíveis de transações no mercado (SOUZA: 1981, p.26). O emprego é um fenômeno da Modernidade. Em tempo anterior ao advento da sociedade centrada no mercado, não era "[...] o critério principal para definir a significação social do indivíduo, e nos contextos pré-industriais as pessoas produziam e tinham ocupações sem serem, necessariamente, detentoras de empregos" (RAMOS: 1989, p.101).
  • 62. Anteriormente ao século XIX, as pessoas não tinham empregos no sentido fixo e unitário; faziam serviços na forma de um fluxo constantemente mutante de tarefas. "Seus empregos não eram supridos por uma organização, mas pelas exigências de suas condições de vida, pelas exigências de um empregador e pelas coisas que precisavam ser feitas naquele momento e lugar" (BRIDGES: 1995, p.38).
  • 63. Na sociedade centrada no mercado dos nossos dias, como já foi dito antes, o emprego passa a ser o critério que define a significação social dos indivíduos. Com o estabelecimento da divisão do trabalho, o homem vive numa base de troca. Isso lhe garante, por meio do exercício do emprego, os bens e serviços de que necessita, pois recebe em troca um salário com o qual compra o que é necessário para sobreviver ou, pelo menos, o que seja possível adquirir para viver. Muitos deles, atualmente, não conseguem mais viver com dignidade com os salários que recebem.
  • 64. Os empregos tornaram-se tanto comuns quanto importantes; passaram a ser, nada menos, do que o único caminho amplamente disponível para a segurança, para o sucesso e para a satisfação das necessidades de sobrevivência. "Agora, porém, estão desaparecendo da paisagem econômica. Igual a muitas espécies pegas no fluxo e refluxo da evolução, os empregos emergiram sob um conjunto de condições e agora começaram a desvanecer-se sob outro" (BRIDGES: 1995, p.36- 37).
  • 65. Adam Smith (1776) (In: RAMOS: 1989, p.101) reconhece que a sociedade de mercado transforma o homem, necessariamente, em um detentor de emprego. Onde uma vez se estabeleça a divisão do trabalho, "[...] todo homem vive numa base de troca ou, de alguma forma, torna-se um comerciante, e a própria sociedade passa a ser aquilo que constitui, de fato, uma sociedade comercial". Nesse tipo de sociedade em que tudo gira em torno do conceito de comércio, o indivíduo, exercendo o emprego, recebe um salário, um certo montante em dinheiro, com o qual compra o que lhe é possível adquirir. Com isso, garante o acesso aos bens e aos serviços de que necessita. O emprego passou a ser categoria dominante - se não exclusiva - para reconhecimento do valor dos propósitos humanos.
  • 66. Na segunda metade do século XX, o trabalho "de massa" no mercado, ou o emprego, decresceu em, praticamente, todas as nações industrializadas do mundo. "Máquinas inteligentes" estão substituindo seres humanos em incontáveis tarefas, empurrando milhões de operários e trabalhadores de escritórios para as filas do desemprego, para as filas do auxílio-desemprego ou, ainda, para outras formas de ocupação que lhes garantam a sobrevivência.
  • 67. TRABALHO E EMPREGO NO NOVO MILÊNIO: FRAGMENTO DA REALIDADE Com a chegada do século XXI, as análises e previsões feitas durante a década de 90 que, no ano 2001, o avanço tecnológico levaria à substituição dos trabalhadores por máquinas inteligentes nas atividades que demandavam esforços físicos e que se trabalharia somente trinta horas por semana, sendo o restante do tempo destinado ao lazer, soam como algo duvidoso e até paradoxal. (HANDY: 1995, p.31). Por outro lado, os que estão sendo demitidos e voltam a trabalhar passam a receber um salário, em média, 30% menor do que o salário anterior. Há, no ar, uma grande indagação: como se poderá garantir a sobrevivência das pessoas em tais condições? (THUROW: 1997, p.28).
  • 68. O capitalismo contemporâneo vem, nas últimas décadas, engendrando profundas mudanças no mercado de trabalho. Essas mudanças se expressam, principalmente, pela globalização das finanças, pela crescente precarização das relações de trabalho, pelas taxas elevadas de desemprego, pelo deslocamento geográfico de organismos produtivos e absorvedores de mão-de-obra e pela eliminação de postos de trabalho na indústria e nos serviços.
  • 69. Entende-se por precarização das relações de trabalho a substituição das relações formalizadas de emprego que, no Brasil, expressam-se em registros na carteira de trabalho por relações informais de compra e venda de serviços, que vêm se constituindo, principalmente, pelas formas de contratação por tempo limitado, de assalariamento sem registro, de trabalho a domicílio e outras. (SINGER, 1995, p.2). O trabalho temporário, por tempo determinado e de meio período, está aumentando sua importância no índice total de crescimento dos empregos. Tais tipos de trabalho envolvem,
  • 70. tipicamente, salários mais baixos, alguns benefícios a menos e menor segurança do que o emprego mais tradicional. Isso, por sua vez, está levando a uma polarização da força de trabalho: trabalhadores de tempo integral comparativamente produzem mais resultados, enquanto trabalhadores com menos segurança produzem comparativamente menos (Ibidem: 1995, p.48). Desse fato resultam vários problemas sociais. Numa época em que o governo está tentando reduzir sua responsabilidade quanto aos benefícios sociais, como a seguridade na terceira idade, um segmento cada vez maior da população perde acesso aos tipos de pensão privada e aos planos de benefício que poderiam tornar os cidadãos auto- suficientes na aposentadoria.
  • 71. CONCLUSÃO Até o início da Idade Moderna, o entendimento da palavra trabalho era diferente do entendimento que se tinha de ocupação. Atualmente, o conceito de ocupação é associado ao termo trabalho e emprego. Na Modernidade, gradativamente, o trabalho foi sendo compreendido como ocupação econômica, transformando-se em emprego. Essa categoria passou a ser entendida como trabalho pago em dinheiro, fato típico do capitalismo. Também dos relatos históricos se extrai que, quase sempre, o trabalho e/ou a ocupação passaram a ser sinônimos de emprego. É no final do Século XIX, mais precisamente, que se dá a transformação do trabalho em emprego, em emprego protegido ou emprego com status, conduzido como compromisso social. A noção de emprego estava, até a década passada, associada à estabilidade, previsibilidade e certeza (ALBORNOZ, 1988, p.96).
  • 72. Com o avanço tecnológico e sua reestruturação, o emprego migrou da indústria para os serviços, formais ou informais. No mercado em transformação, tornou-se instável e autônomo. No momento atual, além da eliminação de vagas no setor privado, o governo privatiza empresas públicas que, de forma direta ou indireta, passam a demitir em massa. (TOFFLER: 1995, p.51). Nos dias de hoje, o emprego constitui, para uma grande maioria da população brasileira, a única fonte de distribuição de renda e, conseqüentemente, a única forma de sobrevivência. As saídas para os impasses atuais são mais relacionadas a concepções e opções políticas civilizatórias do que produzidas por determinismos históricos. Por isso, a empregabilidade passa pela construção social:
  • 73. não bastam talentos, se não houver oportunidade. Convém lembrar a importância de as organizações formais desenvolverem os valores comunitários no local de trabalho, para desenvolverem, também, a empregabilidade de seus membros. Sem essa nova relação de valores, as organizações não se transformarão e não haverá, em seus espaços, oportunidades para que as pessoas possam exercer a empregabilidade, conforme o termo foi conceituado ao longo deste argumento.
  • 74. ATIVIDADE 01 - Qual o termo que deu origem a palavra trabalho? Explique: 02 – Dentro da Administração qual a escola desenvolvida por Taylor e qual a preocupação dele? Comente: 03 – Dentro da Administração o que desenvolveu Fayol e qual a sua preocupação? Comente: 04 - Na antiguidade com era entendido o trabalho? Comente: 05 – Como era visto o trabalho na tradição oriental? Comente: