SlideShare uma empresa Scribd logo
A JUSTIFICAÇÃO
DO ESTADO
MODERNO
CAPÍTULO 11
Profº José Ferreira Júnior
THOMAS HOBBES

O HOMEM É O LOBO
DO HOMEM
“Homo homini lupus.”

Fonte:
http://en.wikipedia.org/wiki/File:Tho
mas_Hobbes_%28portrait%29.jpg
THOMAS HOBBES
 Nasceu

numa aldeia inglesa, Westport.
 Filho de família pobre, mas apoiado por um tio
próspero, estudou em Oxford, tornando-se
preceptor do príncipe de Gales, futuro rei
Carlos II.
 Hobbes tinha 5 anos quando morreu Elizabeth
I, última monarca dos Tudor.
 Elizabeth governara em consonância com os
interesses da burguesia, tornando o país um
potência naval e mercantilista.
THOMAS HOBBES
A

Inglaterra passaria a viver então um período
de turbulência política, fruto da disputa pelo
poder entre a monarquia absolutista e o
parlamento inglês, dominado pela burguesia
puritana.
 Esses conflitos se explicitaram durante o
governo do primeiro monarca da dinasia dos
Stuart, Jaime I, que pretendeu fortalecer o
absolutismo invocando a doutrina do direito
divino dos reis.
THOMAS HOBBES
 Carlos

I entrou em confronto direto com o
parlamento.
 Desencadeou-se uma guerra civil na Inglaterra,
que culminaria com a instauração da república
puritana de Cromwell e a decapitação do rei.
 Hobbes posicionou-se a favor do poder real e
teve de exilar-se em Paris.
 A partir do século XVI, as monarquias
absolutistas eram um regime difundido na
Europa.
THOMAS HOBBES
 Buscou-se

então fundamentar, no plano teórico,
o poder ilimitado que os monarcas possuíam.
 O que daria ao rei tal poder?
 RESPOSTAS: a doutrina do direito divino dos
reis, defendida por pensadores franceses como
Jean Bodin e Jacques Bussuet.
 Essa doutrina apresenta o poder real como
tendo sido concedido pelo próprio Deus.
 A autoridade do rei é perpétua e absoluta, e
suas atitudes não precisam ser justificadas.
THOMAS HOBBES
 Essa

origem sobrenatural do poder real faz com
que ele ultrapasse o corpo do monarca: o rei
morre mas seu poder não, é transmitido ao seu
sucessor, o que explica a conhecida frase: “O rei
está morto; viva o rei”.
 Após a morte de Cromwell (1658), sobe ao trono
da Inglaterra o líder dos monarquistas
revoltosos, Carlos II (1660-1685), que se torna
ditador. Filho de Carlos I e ex-pupilo de
Hobbes, ele acumula todos os poderes em suas
mãos, com a intenção de reinstalar o
absolutismo.
THOMAS HOBBES
 Hobbes

trabalhou com Francis Bacon,
encontrou-se com Galileu Galilei, polemizou
com Descartes e elaborou um sistema filosófico
completo.
 Suas teorias, que levam a extremos a
tendências mecanicistas da época, procuram
explicar toda a realidade.
 Essas teorias, porém, não se fecham em si
mesmas; elas se articulam de tal forma que
parecem buscar a resposta para os problemas
práticos do homem, vividos pelo pensador.
THOMAS HOBBES
 Sua

filosofia foi influenciada pelas idéias de
Bacon e Galileu.
 Buscou investigar as causas e propriedades das
coisas.
 FILOSOFIA  ciência dos corpos, isto é, tudo
que tem existência material.
 Os corpos se dividiriam em:
 CORPOS

 CORPOS

NATURAIS  filosofia da natureza;

ARTIFICIAIS ou ESTADOS 
filosofia política.
THOMAS HOBBES
 Toda

a realidade poderia ser explicada a
partir de dois elementos:
Do

Corpo  entendido como o elemento
material que existe, independentemente do
nosso pensamento; e
Do Movimento  que pode ser determinado
matematicamente.
 As

qualidades das coisas seriam
“fantasmas do sensível”, ou seja, efeitos
dos corpos e de seus movimentos.
THOMAS HOBBES
 As

principais características do empirismo
hobbesiano são, portanto, o materialismo e o
mecanicismo de suas teses.
 Uma conseqüência dessa tese é que, no
pensamento de Hobbes, não há lugar para o
acaso e a liberdade, porque os movimentos
resultam necessariamente dos nexos causais
que lhe dão origem.
 Não há espaço em sua filosofia para o bem e o
mal como valores universais que deveriam ser
introjetados nas pessoas.
THOMAS HOBBES
O

que chamamos de BEM é tão-somente aquilo
que desejamos alcançar.
 O que chamamos de MAL é apenas aquilo do
qual fugimos.
 O valor fundamental para cada indivíduo seria
a conservação da vida, isto é, a afirmação e o
crescimento de si mesmo.
 Cada pessoa sempre tenderá a considerar como
bem o que lhe agrada e mal o que lhe
desagrada ou ameaça.
THOMAS HOBBES

Se o bem e o mal são
relativos, isto é, são determinados pelos
indivíduos, como será possível a
convivência entre os homens?
 Resposta: Livros: Leviatã e De Cive, nos
quais sustenta a necessidade de um
poder absoluto que mantenha os homens
em sociedade e impeça que eles se
destruam mutuamente.
 Pergunta-se:
THOMAS HOBBES
 Hobbes

formula o que denominamos uma teoria
contratualista para questão da origem das
associações políticas: o medo, a violência, a
necessidade natural de segurança e
tranquilidade teriam levado os homens a
renunciar, por meio de um contrato, à sua
liberdade original em troca de promessa – o
PACTO – feita por todos os membros do grupo
social de se respeitarem mutuamente para a
manutenção da paz.
THOMAS HOBBES
 Essa

paz alcançada pelo pacto não é algo
estável, pois o homem não tem um disposição
natural para viver em sociedade.
 A sociabilidade do homem não é natural como a
das abelhas e a das formigas: elas não
competem por honra e dignidade, não
distinguem bem individual de bem comum, não
se julgam mais sábias que as outras, não são
maledicentes, não se ofendem, por pouco.
 A socialização humana é difícil e só ocorre por
meio de um pacto, isto é, artificialmente.
THOMAS HOBBES
 Já

que a natureza do homem tende sempre ao
descumprimento do pacto, houve a necessidade
de instituir algo mais que obrigasse todos os
homens ao seu cumprimento: um elemento que
reunisse em si todas as forças, vontades e
poderes de cada um.
 Para que isso acontecesse foi necessário
realizar um novo pacto, em que cada homem
teria de dizer a cada homem:
 “cedo e transfiro meu direito de governar a mim
mesmo a este homem, ou esta assembléia de
homens, ...”
THOMAS HOBBES
O

Estado  corpo artificial representado por
um ou mais homens, que estariam acima dos
indivíduos, embora fossem criação e
representação destes.
 Quem comandasse esse corpo político seria
denominado soberano e possuiria um poder
soberano. Os demais seriam os súditos.
 Para atingir seu objetivo, a paz geral, o
soberano deveria exercer um poder despótico,
ou seja, totalitário, absoluto, podendo fazer e
desfazer as leis conforme necessário.
THOMAS HOBBES
O

Estado seria um verdadeiro monstro, tanto
assim que Hobbes o compara a Leviatã,
personagem da mitologia fenícia, conhecido
sobretudo pr sua aparição na Bíblia, no Livro
de Jó.
 Hobbes se mostra um defensor do absolutismo.
 Colocou-se contra a monarquia constitucional,
pois acreditava que a divisão do poder gerava
competições que comprometiam a paz.
 Se o soberano não cumprisse sua parte no
pacto, os súditos poderiam desobedecer-lhe,
pois o pacto teria sido quebrado.
THOMAS HOBBES
 Defendeu

a submissão da Igreja ao Estado,
inserindo-se no processo geral de secularização
do poder que ocorreu na Idade Moderna.
 As razões de Estado tornaram-se mais
importantes que as razões teológicas.
 A paz civil dependia também da paz religiosa: o
soberano deveria decidir também sobre matéria
religiosa e instituir um culto único e
obrigatório.
 Os súditos poderiam deixar de obedecer-lhe
apenas se ele mandasse ultrajar a Deus ou
adorar um homem comum.
LA BOÉTIE
 Na

contracorrente das teorias absolutistas está
um texto do século XVI, denominado Discurso
da Servidão voluntária (ou Contra um), escrito
pelo jovem filósofo francês, Étienne de la
Boétie.
 Trata-se de uma obra original, que traz uma
visão libertária, isto é, de revolta contra a
opressão dos poderosos.
 Indignado com a divisão entre aqueles que
mandam e os que obedecem, e sobretudo com a
obediência de muitos a um só.
LA BOÉTIE
O

pensador então formula a tese da servidão
voluntária.
 O tirano cerca-se de seis cumplices que influem
no governo e se beneficiam de seu poder. Estes
comandam e favorecem seiscentos, os quais, por
sua vez, subjugam seis mil e os elevam, e assim
por diante. Desse modo, cada um de nós
obedece porque tem dentro de si um pequeno
tirano, que deseja ter poder e mandar no outro.
 Esse desejo de mandar se explica por outro
desejo: o de possuir.
LA BOÉTIE
 Pelo

desejo de possuir trocamos a nossa
liberdade, uma vez que servimos
voluntariamente na esperança de que o tirano
nos dê coisas e garanta a propriedade de nosos
bens.
 Essa servidão se eterniza porque os homens
não se lembram de que já foram livres e de
como era uma sociedade sem divisões, em que
prevalecia a amizade, a união, o único antídoto
contra a tirania.
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
 COTRIM,

Gilberto. Fundamentos da
Filosofia: história e grandes temas. 16 ed.
reform. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2006.
 CHALITA, Gabriel. Vivendo a Filosofia. 4.
ed. São Paulo: Ática, 2011.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOSAntropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Uniceuma
 
Liberdade Filosofia
Liberdade FilosofiaLiberdade Filosofia
Liberdade Filosofia
Isabel Cabral
 
Antropologia jurídica.
Antropologia jurídica. Antropologia jurídica.
Antropologia jurídica.
Direito2012sl08
 
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Prof. Noe Assunção
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
Erica Frau
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
João Paulo Rodrigues
 
Filosofia contemporânea
Filosofia contemporâneaFilosofia contemporânea
Filosofia contemporânea
Lucas Sousa
 
Estado sociedade e poder
Estado sociedade e poderEstado sociedade e poder
Estado sociedade e poder
Arlindo Picoli
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Turma Olímpica
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
Beatriz Schnaider Tontini
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Diego Bian Filo Moreira
 
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
Rodrigo Cisco
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
Alison Nunes
 
Formas de governo
Formas de governoFormas de governo
Formas de governo
Abner de Paula
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e MoralSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Turma Olímpica
 
O QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELES
O QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELESO QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELES
O QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELES
Edivaldo Pinheiro Negrão
 
4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum 4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum
Erica Frau
 
Apostila de filosofia_1ºano_eja
Apostila de filosofia_1ºano_ejaApostila de filosofia_1ºano_eja
Apostila de filosofia_1ºano_eja
Claudio Santos
 
Aula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O EmpirismoAula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O Empirismo
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas HobbesAula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
Claudio Henrique Ramos Sales
 

Mais procurados (20)

Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOSAntropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
 
Liberdade Filosofia
Liberdade FilosofiaLiberdade Filosofia
Liberdade Filosofia
 
Antropologia jurídica.
Antropologia jurídica. Antropologia jurídica.
Antropologia jurídica.
 
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 
Filosofia contemporânea
Filosofia contemporâneaFilosofia contemporânea
Filosofia contemporânea
 
Estado sociedade e poder
Estado sociedade e poderEstado sociedade e poder
Estado sociedade e poder
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
 
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
Formas de governo
Formas de governoFormas de governo
Formas de governo
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e MoralSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
 
O QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELES
O QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELESO QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELES
O QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELES
 
4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum 4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum
 
Apostila de filosofia_1ºano_eja
Apostila de filosofia_1ºano_ejaApostila de filosofia_1ºano_eja
Apostila de filosofia_1ºano_eja
 
Aula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O EmpirismoAula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O Empirismo
 
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas HobbesAula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
 

Destaque

Maquiavel, vida e obra: O Príncipe.
Maquiavel, vida e obra: O Príncipe.Maquiavel, vida e obra: O Príncipe.
Maquiavel, vida e obra: O Príncipe.
Judson De Araujo Barbosa
 
2 ano slides
2 ano slides2 ano slides
2 ano slides
Victor França
 
Cap 14 - O Empirismo Inglês
Cap 14 - O Empirismo InglêsCap 14 - O Empirismo Inglês
Cap 14 - O Empirismo Inglês
José Ferreira Júnior
 
O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado moderno O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado moderno
Ewerton Anacleto de Souza
 
Os Utopistas
Os UtopistasOs Utopistas
Cap 15 O Iluminismo
Cap 15   O IluminismoCap 15   O Iluminismo
Cap 15 O Iluminismo
José Ferreira Júnior
 
Calendário Acadêmico Superior - 2014
Calendário Acadêmico Superior - 2014Calendário Acadêmico Superior - 2014
Calendário Acadêmico Superior - 2014
José Ferreira Júnior
 
Cap 13 - O Grande Racionalismo
Cap 13 - O Grande RacionalismoCap 13 - O Grande Racionalismo
Cap 13 - O Grande Racionalismo
José Ferreira Júnior
 
História o estado moderno e o absolutismo monárquico
História o estado moderno e o absolutismo monárquicoHistória o estado moderno e o absolutismo monárquico
História o estado moderno e o absolutismo monárquico
Mariano Rubio
 
Cap 12 As Origens da Ciência Moderna
Cap 12   As Origens da Ciência ModernaCap 12   As Origens da Ciência Moderna
Cap 12 As Origens da Ciência Moderna
José Ferreira Júnior
 
Cap 16 Os Seguidores e os Críticos de Kant
Cap 16   Os Seguidores e os Críticos de KantCap 16   Os Seguidores e os Críticos de Kant
Cap 16 Os Seguidores e os Críticos de Kant
José Ferreira Júnior
 
O estado moderno e exp. marítima intensivo
O estado moderno e exp. marítima   intensivoO estado moderno e exp. marítima   intensivo
O estado moderno e exp. marítima intensivo
Murilo Cisalpino
 
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismoFormacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Marcio Cicchelli
 
Do estado Leviatã
Do estado LeviatãDo estado Leviatã
Do estado Leviatã
Anne Guerra
 
Maquiavel e a Liderança Moderna - Capítulo IV
Maquiavel e a Liderança Moderna - Capítulo IVMaquiavel e a Liderança Moderna - Capítulo IV
Maquiavel e a Liderança Moderna - Capítulo IV
Adm Unime
 
O príncipe - Nicolau Maquiavel
O príncipe - Nicolau MaquiavelO príncipe - Nicolau Maquiavel
O príncipe - Nicolau Maquiavel
thaglis
 
Thommas Hobbes
Thommas HobbesThommas Hobbes
Thommas Hobbes
Michele Frison
 
O príncipe - Maquiavel - Prof. Altair Aguilar
O príncipe - Maquiavel - Prof. Altair AguilarO príncipe - Maquiavel - Prof. Altair Aguilar
O príncipe - Maquiavel - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Ciência política [1o gq] Maquiavel & Hobbes
Ciência política [1o gq] Maquiavel & HobbesCiência política [1o gq] Maquiavel & Hobbes
157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo
157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo
157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo
cristianoperinpissolato
 

Destaque (20)

Maquiavel, vida e obra: O Príncipe.
Maquiavel, vida e obra: O Príncipe.Maquiavel, vida e obra: O Príncipe.
Maquiavel, vida e obra: O Príncipe.
 
2 ano slides
2 ano slides2 ano slides
2 ano slides
 
Cap 14 - O Empirismo Inglês
Cap 14 - O Empirismo InglêsCap 14 - O Empirismo Inglês
Cap 14 - O Empirismo Inglês
 
O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado moderno O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado moderno
 
Os Utopistas
Os UtopistasOs Utopistas
Os Utopistas
 
Cap 15 O Iluminismo
Cap 15   O IluminismoCap 15   O Iluminismo
Cap 15 O Iluminismo
 
Calendário Acadêmico Superior - 2014
Calendário Acadêmico Superior - 2014Calendário Acadêmico Superior - 2014
Calendário Acadêmico Superior - 2014
 
Cap 13 - O Grande Racionalismo
Cap 13 - O Grande RacionalismoCap 13 - O Grande Racionalismo
Cap 13 - O Grande Racionalismo
 
História o estado moderno e o absolutismo monárquico
História o estado moderno e o absolutismo monárquicoHistória o estado moderno e o absolutismo monárquico
História o estado moderno e o absolutismo monárquico
 
Cap 12 As Origens da Ciência Moderna
Cap 12   As Origens da Ciência ModernaCap 12   As Origens da Ciência Moderna
Cap 12 As Origens da Ciência Moderna
 
Cap 16 Os Seguidores e os Críticos de Kant
Cap 16   Os Seguidores e os Críticos de KantCap 16   Os Seguidores e os Críticos de Kant
Cap 16 Os Seguidores e os Críticos de Kant
 
O estado moderno e exp. marítima intensivo
O estado moderno e exp. marítima   intensivoO estado moderno e exp. marítima   intensivo
O estado moderno e exp. marítima intensivo
 
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismoFormacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismo
 
Do estado Leviatã
Do estado LeviatãDo estado Leviatã
Do estado Leviatã
 
Maquiavel e a Liderança Moderna - Capítulo IV
Maquiavel e a Liderança Moderna - Capítulo IVMaquiavel e a Liderança Moderna - Capítulo IV
Maquiavel e a Liderança Moderna - Capítulo IV
 
O príncipe - Nicolau Maquiavel
O príncipe - Nicolau MaquiavelO príncipe - Nicolau Maquiavel
O príncipe - Nicolau Maquiavel
 
Thommas Hobbes
Thommas HobbesThommas Hobbes
Thommas Hobbes
 
O príncipe - Maquiavel - Prof. Altair Aguilar
O príncipe - Maquiavel - Prof. Altair AguilarO príncipe - Maquiavel - Prof. Altair Aguilar
O príncipe - Maquiavel - Prof. Altair Aguilar
 
Ciência política [1o gq] Maquiavel & Hobbes
Ciência política [1o gq] Maquiavel & HobbesCiência política [1o gq] Maquiavel & Hobbes
Ciência política [1o gq] Maquiavel & Hobbes
 
157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo
157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo
157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo
 

Semelhante a Cap 11 A Justificação do Estado Moderno

Hobbes
HobbesHobbes
Hobbes
Jorge Miklos
 
10815 15253-1-sp hobbes-locke
10815 15253-1-sp hobbes-locke10815 15253-1-sp hobbes-locke
10815 15253-1-sp hobbes-locke
FRANCISCO FRANCIZETE PAULINO
 
A Natureza Humana Para Hobbes E Rousseau
A Natureza Humana Para Hobbes E RousseauA Natureza Humana Para Hobbes E Rousseau
A Natureza Humana Para Hobbes E Rousseau
thiagopfaury
 
O leviatã de thomas hobbes
O leviatã de thomas hobbesO leviatã de thomas hobbes
O leviatã de thomas hobbes
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Hobbes completo TGE
Hobbes completo TGEHobbes completo TGE
Hobbes completo TGE
Nathália Camargo
 
Os contratualistas
Os contratualistasOs contratualistas
Os contratualistas
Isabella Silva
 
O Leviathan de Thomas Hobbes
O Leviathan de Thomas HobbesO Leviathan de Thomas Hobbes
O Leviathan de Thomas Hobbes
Dércio Macondzo
 
Apresentação de jhon locke (2)
Apresentação de jhon locke (2)Apresentação de jhon locke (2)
Apresentação de jhon locke (2)
Rômulo Dos Santos Pinheiro
 
Formação do estado moderno terceiro ano
Formação do estado moderno terceiro anoFormação do estado moderno terceiro ano
Formação do estado moderno terceiro ano
Adriano Capilupe
 
HOBBES.pptx
HOBBES.pptxHOBBES.pptx
Absolutismo imagens
Absolutismo imagensAbsolutismo imagens
Absolutismo imagens
andrecarlosocosta
 
Hobbes e o poder absoluto do estado
Hobbes e o poder absoluto do estadoHobbes e o poder absoluto do estado
Hobbes e o poder absoluto do estado
Janayna Andrade
 
O absolutismo antigo regime 1453-1789
O absolutismo   antigo regime 1453-1789O absolutismo   antigo regime 1453-1789
O absolutismo antigo regime 1453-1789
Augustojq
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Valéria Shoujofan
 
Estado absolutista
Estado absolutistaEstado absolutista
Estado absolutista
Ilana Fernandes
 
Aspectos importantes na obra leviatã
Aspectos importantes na obra leviatãAspectos importantes na obra leviatã
Aspectos importantes na obra leviatã
Rony Stayllon
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
H8 antigo regime
H8 antigo regimeH8 antigo regime
H8 antigo regime
NandoPPS
 
05. contrato social thomas hobbes
05. contrato social   thomas hobbes05. contrato social   thomas hobbes
05. contrato social thomas hobbes
Hernando Professor
 
Absolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmpAbsolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmp
Péricles Penuel
 

Semelhante a Cap 11 A Justificação do Estado Moderno (20)

Hobbes
HobbesHobbes
Hobbes
 
10815 15253-1-sp hobbes-locke
10815 15253-1-sp hobbes-locke10815 15253-1-sp hobbes-locke
10815 15253-1-sp hobbes-locke
 
A Natureza Humana Para Hobbes E Rousseau
A Natureza Humana Para Hobbes E RousseauA Natureza Humana Para Hobbes E Rousseau
A Natureza Humana Para Hobbes E Rousseau
 
O leviatã de thomas hobbes
O leviatã de thomas hobbesO leviatã de thomas hobbes
O leviatã de thomas hobbes
 
Hobbes completo TGE
Hobbes completo TGEHobbes completo TGE
Hobbes completo TGE
 
Os contratualistas
Os contratualistasOs contratualistas
Os contratualistas
 
O Leviathan de Thomas Hobbes
O Leviathan de Thomas HobbesO Leviathan de Thomas Hobbes
O Leviathan de Thomas Hobbes
 
Apresentação de jhon locke (2)
Apresentação de jhon locke (2)Apresentação de jhon locke (2)
Apresentação de jhon locke (2)
 
Formação do estado moderno terceiro ano
Formação do estado moderno terceiro anoFormação do estado moderno terceiro ano
Formação do estado moderno terceiro ano
 
HOBBES.pptx
HOBBES.pptxHOBBES.pptx
HOBBES.pptx
 
Absolutismo imagens
Absolutismo imagensAbsolutismo imagens
Absolutismo imagens
 
Hobbes e o poder absoluto do estado
Hobbes e o poder absoluto do estadoHobbes e o poder absoluto do estado
Hobbes e o poder absoluto do estado
 
O absolutismo antigo regime 1453-1789
O absolutismo   antigo regime 1453-1789O absolutismo   antigo regime 1453-1789
O absolutismo antigo regime 1453-1789
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
 
Estado absolutista
Estado absolutistaEstado absolutista
Estado absolutista
 
Aspectos importantes na obra leviatã
Aspectos importantes na obra leviatãAspectos importantes na obra leviatã
Aspectos importantes na obra leviatã
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
H8 antigo regime
H8 antigo regimeH8 antigo regime
H8 antigo regime
 
05. contrato social thomas hobbes
05. contrato social   thomas hobbes05. contrato social   thomas hobbes
05. contrato social thomas hobbes
 
Absolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmpAbsolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmp
 

Mais de José Ferreira Júnior

Cap 17 Marxismo
Cap 17   MarxismoCap 17   Marxismo
Cap 17 Marxismo
José Ferreira Júnior
 
Projeto do curso de capacitação em linux educacional
Projeto do curso de capacitação em linux educacionalProjeto do curso de capacitação em linux educacional
Projeto do curso de capacitação em linux educacional
José Ferreira Júnior
 
Natureza e Cultura
Natureza e CulturaNatureza e Cultura
Natureza e Cultura
José Ferreira Júnior
 
Cap 8 O Advento da Escolástica
Cap 8   O Advento da EscolásticaCap 8   O Advento da Escolástica
Cap 8 O Advento da Escolástica
José Ferreira Júnior
 
Cap 7 Entre a Patrística e a Escolástica
Cap 7   Entre a Patrística e a EscolásticaCap 7   Entre a Patrística e a Escolástica
Cap 7 Entre a Patrística e a Escolástica
José Ferreira Júnior
 
Cap 9 A Cristianização de Aristóteles
Cap 9   A Cristianização de AristótelesCap 9   A Cristianização de Aristóteles
Cap 9 A Cristianização de Aristóteles
José Ferreira Júnior
 
Cap 6 Corações Inquietos
Cap 6   Corações InquietosCap 6   Corações Inquietos
Cap 6 Corações Inquietos
José Ferreira Júnior
 
UNID 2 - ENTRE A RAZÃO E A FÉ - INTRODUÇÃO (TODOS OS CAMINHOS PARTEM DE ROMA)
UNID 2 - ENTRE A RAZÃO E A FÉ - INTRODUÇÃO (TODOS OS CAMINHOS PARTEM DE ROMA)UNID 2 - ENTRE A RAZÃO E A FÉ - INTRODUÇÃO (TODOS OS CAMINHOS PARTEM DE ROMA)
UNID 2 - ENTRE A RAZÃO E A FÉ - INTRODUÇÃO (TODOS OS CAMINHOS PARTEM DE ROMA)
José Ferreira Júnior
 
Cap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia HelenísticaCap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia Helenística
José Ferreira Júnior
 
Cap 15 Filosofia Estética
Cap 15  Filosofia EstéticaCap 15  Filosofia Estética
Cap 15 Filosofia Estética
José Ferreira Júnior
 
Cap 3 os mestres do pensamento - postar
Cap 3   os mestres do pensamento - postarCap 3   os mestres do pensamento - postar
Cap 3 os mestres do pensamento - postar
José Ferreira Júnior
 
Cap 1 o domínio dos deuses - postar
Cap 1   o domínio dos deuses - postarCap 1   o domínio dos deuses - postar
Cap 1 o domínio dos deuses - postar
José Ferreira Júnior
 
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
Cap 2   os filosofos da natureza - postarCap 2   os filosofos da natureza - postar
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
José Ferreira Júnior
 

Mais de José Ferreira Júnior (13)

Cap 17 Marxismo
Cap 17   MarxismoCap 17   Marxismo
Cap 17 Marxismo
 
Projeto do curso de capacitação em linux educacional
Projeto do curso de capacitação em linux educacionalProjeto do curso de capacitação em linux educacional
Projeto do curso de capacitação em linux educacional
 
Natureza e Cultura
Natureza e CulturaNatureza e Cultura
Natureza e Cultura
 
Cap 8 O Advento da Escolástica
Cap 8   O Advento da EscolásticaCap 8   O Advento da Escolástica
Cap 8 O Advento da Escolástica
 
Cap 7 Entre a Patrística e a Escolástica
Cap 7   Entre a Patrística e a EscolásticaCap 7   Entre a Patrística e a Escolástica
Cap 7 Entre a Patrística e a Escolástica
 
Cap 9 A Cristianização de Aristóteles
Cap 9   A Cristianização de AristótelesCap 9   A Cristianização de Aristóteles
Cap 9 A Cristianização de Aristóteles
 
Cap 6 Corações Inquietos
Cap 6   Corações InquietosCap 6   Corações Inquietos
Cap 6 Corações Inquietos
 
UNID 2 - ENTRE A RAZÃO E A FÉ - INTRODUÇÃO (TODOS OS CAMINHOS PARTEM DE ROMA)
UNID 2 - ENTRE A RAZÃO E A FÉ - INTRODUÇÃO (TODOS OS CAMINHOS PARTEM DE ROMA)UNID 2 - ENTRE A RAZÃO E A FÉ - INTRODUÇÃO (TODOS OS CAMINHOS PARTEM DE ROMA)
UNID 2 - ENTRE A RAZÃO E A FÉ - INTRODUÇÃO (TODOS OS CAMINHOS PARTEM DE ROMA)
 
Cap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia HelenísticaCap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia Helenística
 
Cap 15 Filosofia Estética
Cap 15  Filosofia EstéticaCap 15  Filosofia Estética
Cap 15 Filosofia Estética
 
Cap 3 os mestres do pensamento - postar
Cap 3   os mestres do pensamento - postarCap 3   os mestres do pensamento - postar
Cap 3 os mestres do pensamento - postar
 
Cap 1 o domínio dos deuses - postar
Cap 1   o domínio dos deuses - postarCap 1   o domínio dos deuses - postar
Cap 1 o domínio dos deuses - postar
 
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
Cap 2   os filosofos da natureza - postarCap 2   os filosofos da natureza - postar
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
 

Último

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
davidreyes364666
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 

Último (20)

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 

Cap 11 A Justificação do Estado Moderno

  • 1. A JUSTIFICAÇÃO DO ESTADO MODERNO CAPÍTULO 11 Profº José Ferreira Júnior
  • 2. THOMAS HOBBES O HOMEM É O LOBO DO HOMEM “Homo homini lupus.” Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/File:Tho mas_Hobbes_%28portrait%29.jpg
  • 3. THOMAS HOBBES  Nasceu numa aldeia inglesa, Westport.  Filho de família pobre, mas apoiado por um tio próspero, estudou em Oxford, tornando-se preceptor do príncipe de Gales, futuro rei Carlos II.  Hobbes tinha 5 anos quando morreu Elizabeth I, última monarca dos Tudor.  Elizabeth governara em consonância com os interesses da burguesia, tornando o país um potência naval e mercantilista.
  • 4. THOMAS HOBBES A Inglaterra passaria a viver então um período de turbulência política, fruto da disputa pelo poder entre a monarquia absolutista e o parlamento inglês, dominado pela burguesia puritana.  Esses conflitos se explicitaram durante o governo do primeiro monarca da dinasia dos Stuart, Jaime I, que pretendeu fortalecer o absolutismo invocando a doutrina do direito divino dos reis.
  • 5. THOMAS HOBBES  Carlos I entrou em confronto direto com o parlamento.  Desencadeou-se uma guerra civil na Inglaterra, que culminaria com a instauração da república puritana de Cromwell e a decapitação do rei.  Hobbes posicionou-se a favor do poder real e teve de exilar-se em Paris.  A partir do século XVI, as monarquias absolutistas eram um regime difundido na Europa.
  • 6. THOMAS HOBBES  Buscou-se então fundamentar, no plano teórico, o poder ilimitado que os monarcas possuíam.  O que daria ao rei tal poder?  RESPOSTAS: a doutrina do direito divino dos reis, defendida por pensadores franceses como Jean Bodin e Jacques Bussuet.  Essa doutrina apresenta o poder real como tendo sido concedido pelo próprio Deus.  A autoridade do rei é perpétua e absoluta, e suas atitudes não precisam ser justificadas.
  • 7. THOMAS HOBBES  Essa origem sobrenatural do poder real faz com que ele ultrapasse o corpo do monarca: o rei morre mas seu poder não, é transmitido ao seu sucessor, o que explica a conhecida frase: “O rei está morto; viva o rei”.  Após a morte de Cromwell (1658), sobe ao trono da Inglaterra o líder dos monarquistas revoltosos, Carlos II (1660-1685), que se torna ditador. Filho de Carlos I e ex-pupilo de Hobbes, ele acumula todos os poderes em suas mãos, com a intenção de reinstalar o absolutismo.
  • 8. THOMAS HOBBES  Hobbes trabalhou com Francis Bacon, encontrou-se com Galileu Galilei, polemizou com Descartes e elaborou um sistema filosófico completo.  Suas teorias, que levam a extremos a tendências mecanicistas da época, procuram explicar toda a realidade.  Essas teorias, porém, não se fecham em si mesmas; elas se articulam de tal forma que parecem buscar a resposta para os problemas práticos do homem, vividos pelo pensador.
  • 9. THOMAS HOBBES  Sua filosofia foi influenciada pelas idéias de Bacon e Galileu.  Buscou investigar as causas e propriedades das coisas.  FILOSOFIA  ciência dos corpos, isto é, tudo que tem existência material.  Os corpos se dividiriam em:  CORPOS  CORPOS NATURAIS  filosofia da natureza; ARTIFICIAIS ou ESTADOS  filosofia política.
  • 10. THOMAS HOBBES  Toda a realidade poderia ser explicada a partir de dois elementos: Do Corpo  entendido como o elemento material que existe, independentemente do nosso pensamento; e Do Movimento  que pode ser determinado matematicamente.  As qualidades das coisas seriam “fantasmas do sensível”, ou seja, efeitos dos corpos e de seus movimentos.
  • 11. THOMAS HOBBES  As principais características do empirismo hobbesiano são, portanto, o materialismo e o mecanicismo de suas teses.  Uma conseqüência dessa tese é que, no pensamento de Hobbes, não há lugar para o acaso e a liberdade, porque os movimentos resultam necessariamente dos nexos causais que lhe dão origem.  Não há espaço em sua filosofia para o bem e o mal como valores universais que deveriam ser introjetados nas pessoas.
  • 12. THOMAS HOBBES O que chamamos de BEM é tão-somente aquilo que desejamos alcançar.  O que chamamos de MAL é apenas aquilo do qual fugimos.  O valor fundamental para cada indivíduo seria a conservação da vida, isto é, a afirmação e o crescimento de si mesmo.  Cada pessoa sempre tenderá a considerar como bem o que lhe agrada e mal o que lhe desagrada ou ameaça.
  • 13. THOMAS HOBBES Se o bem e o mal são relativos, isto é, são determinados pelos indivíduos, como será possível a convivência entre os homens?  Resposta: Livros: Leviatã e De Cive, nos quais sustenta a necessidade de um poder absoluto que mantenha os homens em sociedade e impeça que eles se destruam mutuamente.  Pergunta-se:
  • 14. THOMAS HOBBES  Hobbes formula o que denominamos uma teoria contratualista para questão da origem das associações políticas: o medo, a violência, a necessidade natural de segurança e tranquilidade teriam levado os homens a renunciar, por meio de um contrato, à sua liberdade original em troca de promessa – o PACTO – feita por todos os membros do grupo social de se respeitarem mutuamente para a manutenção da paz.
  • 15. THOMAS HOBBES  Essa paz alcançada pelo pacto não é algo estável, pois o homem não tem um disposição natural para viver em sociedade.  A sociabilidade do homem não é natural como a das abelhas e a das formigas: elas não competem por honra e dignidade, não distinguem bem individual de bem comum, não se julgam mais sábias que as outras, não são maledicentes, não se ofendem, por pouco.  A socialização humana é difícil e só ocorre por meio de um pacto, isto é, artificialmente.
  • 16. THOMAS HOBBES  Já que a natureza do homem tende sempre ao descumprimento do pacto, houve a necessidade de instituir algo mais que obrigasse todos os homens ao seu cumprimento: um elemento que reunisse em si todas as forças, vontades e poderes de cada um.  Para que isso acontecesse foi necessário realizar um novo pacto, em que cada homem teria de dizer a cada homem:  “cedo e transfiro meu direito de governar a mim mesmo a este homem, ou esta assembléia de homens, ...”
  • 17. THOMAS HOBBES O Estado  corpo artificial representado por um ou mais homens, que estariam acima dos indivíduos, embora fossem criação e representação destes.  Quem comandasse esse corpo político seria denominado soberano e possuiria um poder soberano. Os demais seriam os súditos.  Para atingir seu objetivo, a paz geral, o soberano deveria exercer um poder despótico, ou seja, totalitário, absoluto, podendo fazer e desfazer as leis conforme necessário.
  • 18. THOMAS HOBBES O Estado seria um verdadeiro monstro, tanto assim que Hobbes o compara a Leviatã, personagem da mitologia fenícia, conhecido sobretudo pr sua aparição na Bíblia, no Livro de Jó.  Hobbes se mostra um defensor do absolutismo.  Colocou-se contra a monarquia constitucional, pois acreditava que a divisão do poder gerava competições que comprometiam a paz.  Se o soberano não cumprisse sua parte no pacto, os súditos poderiam desobedecer-lhe, pois o pacto teria sido quebrado.
  • 19. THOMAS HOBBES  Defendeu a submissão da Igreja ao Estado, inserindo-se no processo geral de secularização do poder que ocorreu na Idade Moderna.  As razões de Estado tornaram-se mais importantes que as razões teológicas.  A paz civil dependia também da paz religiosa: o soberano deveria decidir também sobre matéria religiosa e instituir um culto único e obrigatório.  Os súditos poderiam deixar de obedecer-lhe apenas se ele mandasse ultrajar a Deus ou adorar um homem comum.
  • 20. LA BOÉTIE  Na contracorrente das teorias absolutistas está um texto do século XVI, denominado Discurso da Servidão voluntária (ou Contra um), escrito pelo jovem filósofo francês, Étienne de la Boétie.  Trata-se de uma obra original, que traz uma visão libertária, isto é, de revolta contra a opressão dos poderosos.  Indignado com a divisão entre aqueles que mandam e os que obedecem, e sobretudo com a obediência de muitos a um só.
  • 21. LA BOÉTIE O pensador então formula a tese da servidão voluntária.  O tirano cerca-se de seis cumplices que influem no governo e se beneficiam de seu poder. Estes comandam e favorecem seiscentos, os quais, por sua vez, subjugam seis mil e os elevam, e assim por diante. Desse modo, cada um de nós obedece porque tem dentro de si um pequeno tirano, que deseja ter poder e mandar no outro.  Esse desejo de mandar se explica por outro desejo: o de possuir.
  • 22. LA BOÉTIE  Pelo desejo de possuir trocamos a nossa liberdade, uma vez que servimos voluntariamente na esperança de que o tirano nos dê coisas e garanta a propriedade de nosos bens.  Essa servidão se eterniza porque os homens não se lembram de que já foram livres e de como era uma sociedade sem divisões, em que prevalecia a amizade, a união, o único antídoto contra a tirania.
  • 23. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA  COTRIM, Gilberto. Fundamentos da Filosofia: história e grandes temas. 16 ed. reform. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2006.  CHALITA, Gabriel. Vivendo a Filosofia. 4. ed. São Paulo: Ática, 2011.