SlideShare uma empresa Scribd logo
Docentes:
Dr. Eliu de Freitas Cabral;
Dr. Elifaz de Freitas Cabral.
Discentes: Mahayana Lacerda
Carla Santos
Joslaine Lopes
Jussara Costa
Kelly Ferro
1
 Malformação congênita da coluna vertebral [SNC]
 Primeiras 4 semanas gestação
 Falha no processo de neurulação primária
 Defeito no fechamento do tubo neural [DFTN]
 Porção caudal - espinha bífida aberta
 Os revestimentos e os nervos da medula espinhal se
projetam através desse defeito
2
3
 Desconhecida
 Multifatorial, fatores genéticos e externos
 Estudos e observações parecem convergir para dois
pontos em comum
 Via metabólica ácido fólico
 Via metabólica da glicose
4
 Baixas condições socioeconômicas, exposição da mãe
a hipertermia no início da gestação,
 Medicamentos antagonistas do folato, hiperglicemia,
diabetes entre outros
 Suplementação de 0,4 a 1mg de ácido fólico antes da
gestação
 Fortificação de farinhas com ácido fólico
5
6
 É a malformação mais frequente do DFTN
 Incidência global: 0,1 a 10 casos/1000 nascidos vivos
 Brasil é o 4º país com maior incidência de espinha
bífida [OMS]
7
8
 Realizada no início do segundo trimestre gestacional,
idealmente entre 16 e 18 semanas;
 Apesar de muito usada como triagem no passado,
atualmente sua utilização está em desuso;
 Os fatores que contribuíram para isto foi a baixa
especificidade do exame, com níveis elevados de
alfa-fetoproteína presentes em outras inúmeras
condições clínicas fetais.
9
 A primeira ecografia gestacional é realizada no primeiro
trimestre, idealmente entre 11 e 13 semanas;
 Ecografia tridimensional de alta resolução deve ser
realizada na 9ª semana de gestação.
10
 Ecografia obstétrica morfológica do segundo trimestre
gestacional, idealmente realizada entre 20 e 22
semanas:
 A primeira delas é o “sinal do limão” (cavalgamento ósseo
frontal na sua visualização biparietal em decorrência de uma
baixa pressão intracraniana fetal secundária a perda liquórica
espinhal);
Figura 1. Sinal do limão. 11
• A segunda alteração craniana associada, denominada
“sinal da banana”, é a deformidade do tronco encefálico
com um cerebelo alongado em formato bicôncavo
(lembrando uma banana), envolvendo o tronco e
obliterando a cisterna magna.
Figura 2. Sinal da banana. 12
 Uma alternativa para casos onde a ultrassonografia de
alta resolução não é diagnóstica ou fornece dados que
requerem um estudo de imagem complementar;
Chiari II é a segunda entidade mais
comum no espectro de Chiari. Ocorre
quase sempre em associação com a
mielomeningocele (seta laranja) e,
portanto, é geralmente diagnosticada
em uma idade muito jovem. Tanto o
cerebelo e o tronco cerebral são
deslocados inferiormente (seta branca),
resultando em tração sobre os nervos
cranianos inferiores.
Figura 3. Chiari II.
13
 A dosagem de alfa-fetoproteína e de acetilcolina no
líquido amniótico tem uma acurácia estimada de 99%
e uma taxa de falsos-positivo de 0,34%;
 Útil na detecção sindrômica de malformações que
incluem a mielomeningocele no seu fenótipo.
14
15
 Ausência de processos espinhosos;
 Lâminas vertebrais ausentes ou rudimentares;
 Pedículos afastados e anormalmente curtos;
16
 Presença de hemivértebras
com graus variados de fusão
de corpos vertebrais e de
processos transversos.
 Redução no tamanho ântero-
posterior dos corpos
vertebrais (aspecto ovalado);
17
 Hidrocefalia com hipertensão intracraniana e
dilatação ventricular progressiva 
 80% a 90% das crianças;
 Hidrocefalia grave ou tratada incorretamente, pode
promover graves sequelas
 Alterações cognitivas, retardo neuromotor, déficit na
coordenação dos membros superiores e alterações da fala,
deglutição, visão e audição.
18
19
Malformação de Chiari tipo II:
 Alteração estrutural e morfológica do rombencéfalo;
 A fossa posterior tem tamanho reduzido e a tenda do
cerebelo possui implantação baixa,
 O mesencéfalo, na região tectal, está angulado(forma de
bico) e o aqueduto cerebral é anômalo;
 A ponte e o bulbo estão curvados posteriormente e
rebaixados..
20
 Aplasia de núcleos de nervos cranianos e defeitos de
mielinização foram encontrados em 76% dos casos;
 Polimicrogiria: malformação da organização cortical que
se caracteriza por múltiplos pequenos giros separados
por espessos e rasos sulcos;
 Agenesia de corpo caloso e cerebelar (72% a 92% dos
casos).
21
 Trato gastrointestinal: (hérnia inguinal, divertículo de
Meckel, má rotação intestinal, onfalocele e ânus
imperfurado);
 Pulmonar;
 Sistema cardiovascular (defeitos septais atriais ou
ventriculares, ducto arteriovenoso patente e coarctação
aórtica);
 Alterações craniofaciais são infrequentes.
22
23
 Permite antecipar precauções referentes ao parto;
 Aconselhamento e informação aos pais;
 Medidas a serem tomadas pós parto.
24
 Parto cesáreo eletivo antes do início das contrações
uterinas mais frequentes e intensas que configuram o
trabalho de parto, evitando o trauma mecânico do tecido
nervoso exposto intraútero e no seu trajeto pélvico durante
o parto vaginal, resultando em melhor prognóstico
neurológico funcional;
 Nos casos com macrocefalia pela hidrocefalia a cesárea
estaria indicada para evitar os riscos da desproporção
céfalo-pélvica no parto vaginal.
25
 Estabilização do RN: respiratórias e cardíacas;
 A placa neural deve ser protegido por gaze estéril
umedecida com solução fisiológica morna, coberto por
curativo plástico;
 Paciente deve ser mantido em decúbito ventral ou
lateral para não exercer pressão sobre o tecido
exposto.
26
 As medidas de não exposição ao látex devem ser
tomadas desde o parto;
 Antibióticos profiláticos são recomendados antes do
reparo cirúrgico para minimizar o risco de meningite e
ventriculite.
27
 O exame neurológico inicial deve contemplar o nível
medular sensitivo-motor e o grau de hidrocefalia, se
estiver presente;
 O exame da lesão inclui inspeção da malformação,
seu formato e tamanho da falha e a integridade da
pele adjacente.
28
 Cerca de um terço das crianças recém-nascidas com
mielomeningocele apresentam sinais de mielopatia,
apresentando hiperreflexia e clônus;
 Cerca de 90% dos neonatos podem apresentar algum
grau de comprometimento neurogênico vesical.
29
 Fechamento da mielomeningocele deve ser precoce
 Déficits neurológicos permanentes e irreversíveis em
sua maioria
 Evitar risco progressivo de infecção [meningite,
ventriculite]
 Reparo cirúrgico [24h]
30
 Cuidado constante com a placa neural exposta
 Prevenção de hipotermia e manutenção da euvolemia
 Sala cirúrgica ambiente látex free
 Intubação orotraqueal e sondagem vesical
 Posição de decúbito ventral, com coxins de proteção
para o tórax e quadril,
 Diminuindo a pressão sobre o abdome
31
32
 Paciente mantido no berço em decúbito ventral
 Sondagem vesical de demora
 Cuidados especiais a feriada e alerta hidrocefalia
 Parecer urológico e ortopédico
33
34
 Ocorridas nas primeiras semanas após o ato
operatório.
◦ Hidrocefalia,
◦ Fístula liquórica,
◦ Necrose ou deiscência de ferida operatória,
◦ Infecção cirúrgica com ou sem meningite.
35
 Hidrocefalia:
• Apenas 15% nascem com sinais clínicos;
• 80% dos que nasceram sem sinais irão desenvolver
precocemente (1 ou 2 semanas);
• Correção: Derivação ventrículo-peritoneal (permite a
pressão liquórica, a tensão na ferida cirúrgica e o risco
de vazamento de líquor);
 Fistula liquórica:
• Chances diretamente proporcional ao tamanho da
Mielomeningocele;
• Ocorre devido a pressão liquórica;
• Tratada com a correção da hidrocefalia por derivação
ventrículo-peritoneal;
36
 Necrose ou deiscência de ferida:
• Complicação precoce mais frequente;
• Previne-se diminuindo ao máximo a tensão na sutura;
 Incisões de alivio;
 Retalhos;
 Meningite:
• Bacilos entéricos gram-negativos;
• Sepse nos primeiros 3 dias de pós-operatório;
 Fazer amostra liquórica ventricular
37
 Medula Presa:
• 10 a 30% das crianças irão desenvolver síndrome de
medula presa após a reparação de uma MMC; O
diagnóstico - critérios clínicos. As seis formas mais
comuns: fraqueza progressiva (55%), piora da
marcha (54%), Escoliose (51%), Dor (32%),
Deformidade ortopédica (11%), Disfunção urológica
(6%), variando em percentual entre estudos.
38
 Medula Presa: Diagnóstico precoce resulta em
estabilização ou melhora dos sintomas na maioria dos
casos.
Figura:
Medula Presa. Em “A” RM sagital
ponderada em T1 evidenciando
aderência medular junto a cicatriz da
correção cirúrgica de
mielomeningocele; em “B” imagem
transoperatória com intensa
aracnoidite cicatricial junto à medula e
raiz com trajeto ascendente (seta).
39
 Malformação de Chiari II:
• Quase todos os pacientes com MMC apresentam a
malformação de Chiari II, e 20% a 30% terão
sintomas;
• Reconhecimento e diagnóstico precoce são
fundamentais para a instituição do tto. neurocirúrgico
imediato;
40
 Seringomielia:
• É um achado associado à MMC, com prevalência
variando entre 20 e 53% em diferentes estudos;
• A cavidade siringomiélica- decorrente do bloqueio da
circulação liquórica ao nível da junção
crâniovertebral, pela malformação de Chiari II.
41
 Seringomielia:
• Sintomas associados: Dissociação sensitiva, atrofia
muscular segmentar, espasticidade, escoliose,
diminuição de força, disfunção vesical e dor.
• A Descompressão da fossa posterior com duroplastia,
e desbloqueio da circulação liquórica ao nível do
forame magno, pode resolver.
42
 Complicações do sistema de derivação ventricular:
• Estima-se que nos primeiros 5 a 10 anos após a
inserção do dreno, metade dos pacientes não
necessitará de revisões em decorrência de sua
obstrução;
• Um terço necessitará de uma ou duas revisões, 20%
restantes necessitarão de 3 ou mais.
43
 Alergia ao Latex:
• Crianças com MMC apresentam risco aumentado de
sensibilização, pode haver reações alérgicas
exacerbadas ou anafiláticas por exposição ao látex;
• A prevalência de 25 e 65% entre diferentes estudos,
enquanto que em crianças normais a prevalência é de
0,7%;
44
 Em 2003, MOMS (Management of Myelomeningocele
Study), objetivava recrutar 200 pacientes randomizado,
seria feito em 3 centros nos EUA; A conclusão do
estudo: O grupo operado intraútero teve casos mais
severos e apresentou 13% de partos prematuros antes
de 30 semanas, mas teve um resultado melhor quando
comparado com o grupo tratado de forma convencional
após o nascimento.
45
 Na última década a correção fetal da
mielomeningocele tem sido amplamente debatida e
estudada, fornecendo dados importantes que apontam
para uma redução na incidência de hidrocefalia e
melhora da motricidade no primeiros dois anos de
vida.
 Trata-se de uma doença que pode ser prevenida
através do uso periconcepcional de ácido fólico.
46
• O planejamento da gravidez e o acompanhamento pré-
natal são fatores muito importantes na prevenção de
problemas.
• Por isso, uma vez detectado o problema, a estratégia
deve ser empreender todos os esforços no sentido de
minimizar o impacto da doença na vida futura da
criança. Por esta razão, o tratamento será sempre uma
tarefa multidisciplinar.
CONCLUSÃO
47
• Uma dieta saudável que contenha alimentos ricos em
ácido fólico pode representar uma excelente estratégia,
embora não seja suficiente para uma redução realmente
significativa do risco;
• No Brasil, desde julho de 2004, todas as farinhas de
milho e de trigo estão enriquecidas com ácido fólico e
ferro por força de lei federal (Resolução 344, da
ANVISA, órgão do Ministério da Saúde).
CONCLUSÃO
48
1. BIZZI, Jorge W. Junqueira; MACHADO, Alessandro.
Mielomeningocele: conceitos básicos e avanços recentes;
Meningomielocele: basic concepts and recent advances. J. bras.
neurocir, v. 23, n. 2, p. 138-151, 2012.
2. LEITE, Andréa Pinto et al. Uso e efetividade da papaína no
processo de cicatrização de feridas: uma revisão sistemática. Rev
Gaúcha Enferm.[Internet], v. 33, n. 3, p. 198-207, 2012.
3. HADDAD, MCL do; BRUSCHI, L. C.; MARTINS, E. A. P. Influência
do açúcar no processo de cicatrização de incisões cirúrgicas
infectadas. Rev. Latinoam. Enfermagem, v. 8, n. 1, p. 57-65, 2000.
4. GOLDMEIER, Sílvia. Comparaçäo dos triglicerídeos cadeia média
com ácidos graxos essenciais, com o polivinilpirrolidona-iodo no
tratamento das úlceras de decúbito em pacientes cardiopatas; The
use of CTM with essencial fatty acid in decubits ulcers of cardiac
patients. Rev. paul. enferm, v. 16, n. 1/3, p. 30-4, 1997.
5. CIPRIANO, Maria Aneuma Bastos; QUEIROZ, Maria Veraci
Oliveira. Cuidado com a criança portadora de mielomeningocele:
vivência da Famìlia. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste-
Rev Rene, v. 9, n. 4, 2012.
6. SALOMÃO, J. FRANCISCO et al. Malformação de Chiari tipo II
sintomática.Arq Neuropsiquiatr, v. 56, n. 1, p. 98-106, 1998.
49

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Síndrome de west
Síndrome de westSíndrome de west
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
Jéssica Santana
 
Epilepsia
EpilepsiaEpilepsia
Epilepsia
Hamilton Lima
 
Coordenação motora
Coordenação motoraCoordenação motora
Coordenação motora
pauloalambert
 
Desenvolvimentos dos reflexos
Desenvolvimentos dos reflexosDesenvolvimentos dos reflexos
Desenvolvimentos dos reflexos
becresforte
 
Mielomeningocele
MielomeningoceleMielomeningocele
Mielomeningocele
Verônica Ribeiro
 
Movimentos corporais e Doença de parkinson
Movimentos corporais e Doença de parkinson Movimentos corporais e Doença de parkinson
Movimentos corporais e Doença de parkinson
SaJaMa Jacob
 
Fibromialgia
Fibromialgia Fibromialgia
Fibromialgia
pauloalambert
 
Trauma Raquimedular
Trauma RaquimedularTrauma Raquimedular
Lesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RNLesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RN
Laped Ufrn
 
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Síndrome piramidal
Síndrome piramidalSíndrome piramidal
Síndrome piramidal
Dr. Rafael Higashi
 
Tônus Muscular
Tônus MuscularTônus Muscular
Tônus Muscular
Fernando S. S. Barbosa
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
Aroldo Gavioli
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
pauloalambert
 
Fisiopatologia, sinais e sintomas do guillain barré na dengue
Fisiopatologia, sinais e sintomas do guillain barré na dengueFisiopatologia, sinais e sintomas do guillain barré na dengue
Fisiopatologia, sinais e sintomas do guillain barré na dengue
Samuel Cevidanes
 
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTIESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
Renan Malaquias
 
Mecanismo do parto
Mecanismo do partoMecanismo do parto
Mecanismo do parto
Lucrécia De Matos Silva
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
pauloalambert
 
Semiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascidoSemiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascido
Laped Ufrn
 

Mais procurados (20)

Síndrome de west
Síndrome de westSíndrome de west
Síndrome de west
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Epilepsia
EpilepsiaEpilepsia
Epilepsia
 
Coordenação motora
Coordenação motoraCoordenação motora
Coordenação motora
 
Desenvolvimentos dos reflexos
Desenvolvimentos dos reflexosDesenvolvimentos dos reflexos
Desenvolvimentos dos reflexos
 
Mielomeningocele
MielomeningoceleMielomeningocele
Mielomeningocele
 
Movimentos corporais e Doença de parkinson
Movimentos corporais e Doença de parkinson Movimentos corporais e Doença de parkinson
Movimentos corporais e Doença de parkinson
 
Fibromialgia
Fibromialgia Fibromialgia
Fibromialgia
 
Trauma Raquimedular
Trauma RaquimedularTrauma Raquimedular
Trauma Raquimedular
 
Lesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RNLesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RN
 
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
 
Síndrome piramidal
Síndrome piramidalSíndrome piramidal
Síndrome piramidal
 
Tônus Muscular
Tônus MuscularTônus Muscular
Tônus Muscular
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Fisiopatologia, sinais e sintomas do guillain barré na dengue
Fisiopatologia, sinais e sintomas do guillain barré na dengueFisiopatologia, sinais e sintomas do guillain barré na dengue
Fisiopatologia, sinais e sintomas do guillain barré na dengue
 
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTIESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
 
Mecanismo do parto
Mecanismo do partoMecanismo do parto
Mecanismo do parto
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Semiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascidoSemiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascido
 

Semelhante a Aula de mielomeningocele

aulademielomeningocele. enfermagem. ....
aulademielomeningocele. enfermagem. ....aulademielomeningocele. enfermagem. ....
aulademielomeningocele. enfermagem. ....
LuanMiguelCosta
 
Abordagem da fisioterapia na espinha bifida - Original.pdf
Abordagem da fisioterapia na espinha bifida - Original.pdfAbordagem da fisioterapia na espinha bifida - Original.pdf
Abordagem da fisioterapia na espinha bifida - Original.pdf
pedro199229
 
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNCCâncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Laped Ufrn
 
ECLEROSE 2.pptx
ECLEROSE 2.pptxECLEROSE 2.pptx
ECLEROSE 2.pptx
LisaSilva37
 
Terapia Ocupacional no contexto das Disfunções Neurológicas
Terapia Ocupacional no contexto das Disfunções NeurológicasTerapia Ocupacional no contexto das Disfunções Neurológicas
Terapia Ocupacional no contexto das Disfunções Neurológicas
Marciane Missio
 
Doença de von Recklinghausen's ( Neurofibromatose Tipo I )
Doença de von Recklinghausen's ( Neurofibromatose Tipo I )Doença de von Recklinghausen's ( Neurofibromatose Tipo I )
Doença de von Recklinghausen's ( Neurofibromatose Tipo I )
blogped1
 
2espinhabifida-140524214257-phpapp02.ppt
2espinhabifida-140524214257-phpapp02.ppt2espinhabifida-140524214257-phpapp02.ppt
2espinhabifida-140524214257-phpapp02.ppt
LuanMiguelCosta
 
Ultrassonografia morfológica e malformações do sistema nervoso central
Ultrassonografia morfológica e malformações do sistema nervoso centralUltrassonografia morfológica e malformações do sistema nervoso central
Ultrassonografia morfológica e malformações do sistema nervoso central
Uiliam Santos
 
Fisiologia
FisiologiaFisiologia
Fisiologia
luthor108
 
Veia galeno
Veia galenoVeia galeno
Hemorragia Intraventricular Neonatal
Hemorragia Intraventricular NeonatalHemorragia Intraventricular Neonatal
Hemorragia Intraventricular Neonatal
Leandro Junior
 
Varicocele e Infertilidade
Varicocele e InfertilidadeVaricocele e Infertilidade
Varicocele e Infertilidade
Sandro Esteves
 
Lúpus eritematoso sistêmico na gravidez
Lúpus eritematoso sistêmico na gravidezLúpus eritematoso sistêmico na gravidez
Lúpus eritematoso sistêmico na gravidez
medtubebrasil
 
Ressonância magnética do sistema nervoso central fetal pdf
Ressonância magnética do sistema nervoso central fetal pdfRessonância magnética do sistema nervoso central fetal pdf
Ressonância magnética do sistema nervoso central fetal pdf
isadoracordenonsi
 
Esclerose múltipla
Esclerose múltiplaEsclerose múltipla
Esclerose múltipla
PatriciaKarla
 
Malformações do desenvolvimento cortical
Malformações do desenvolvimento corticalMalformações do desenvolvimento cortical
Malformações do desenvolvimento cortical
Norberto Werle
 
Desenvolvimento anormal do sistema nervoso
Desenvolvimento anormal do sistema nervosoDesenvolvimento anormal do sistema nervoso
Desenvolvimento anormal do sistema nervoso
Marcus César Petindá Fonseca
 
Microcefalia e/ou alterações do snc e a relação com vírus zika
Microcefalia e/ou alterações do snc e a relação com vírus zikaMicrocefalia e/ou alterações do snc e a relação com vírus zika
Microcefalia e/ou alterações do snc e a relação com vírus zika
Hospital das Forças Armadas/Ministério da Defesa
 
Síndrome de Marfan
Síndrome de MarfanSíndrome de Marfan
Síndrome de Marfan
AnaGomes40
 
Principais malformações cerebrais no RN
Principais malformações cerebrais no RNPrincipais malformações cerebrais no RN
Principais malformações cerebrais no RN
gisa_legal
 

Semelhante a Aula de mielomeningocele (20)

aulademielomeningocele. enfermagem. ....
aulademielomeningocele. enfermagem. ....aulademielomeningocele. enfermagem. ....
aulademielomeningocele. enfermagem. ....
 
Abordagem da fisioterapia na espinha bifida - Original.pdf
Abordagem da fisioterapia na espinha bifida - Original.pdfAbordagem da fisioterapia na espinha bifida - Original.pdf
Abordagem da fisioterapia na espinha bifida - Original.pdf
 
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNCCâncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
 
ECLEROSE 2.pptx
ECLEROSE 2.pptxECLEROSE 2.pptx
ECLEROSE 2.pptx
 
Terapia Ocupacional no contexto das Disfunções Neurológicas
Terapia Ocupacional no contexto das Disfunções NeurológicasTerapia Ocupacional no contexto das Disfunções Neurológicas
Terapia Ocupacional no contexto das Disfunções Neurológicas
 
Doença de von Recklinghausen's ( Neurofibromatose Tipo I )
Doença de von Recklinghausen's ( Neurofibromatose Tipo I )Doença de von Recklinghausen's ( Neurofibromatose Tipo I )
Doença de von Recklinghausen's ( Neurofibromatose Tipo I )
 
2espinhabifida-140524214257-phpapp02.ppt
2espinhabifida-140524214257-phpapp02.ppt2espinhabifida-140524214257-phpapp02.ppt
2espinhabifida-140524214257-phpapp02.ppt
 
Ultrassonografia morfológica e malformações do sistema nervoso central
Ultrassonografia morfológica e malformações do sistema nervoso centralUltrassonografia morfológica e malformações do sistema nervoso central
Ultrassonografia morfológica e malformações do sistema nervoso central
 
Fisiologia
FisiologiaFisiologia
Fisiologia
 
Veia galeno
Veia galenoVeia galeno
Veia galeno
 
Hemorragia Intraventricular Neonatal
Hemorragia Intraventricular NeonatalHemorragia Intraventricular Neonatal
Hemorragia Intraventricular Neonatal
 
Varicocele e Infertilidade
Varicocele e InfertilidadeVaricocele e Infertilidade
Varicocele e Infertilidade
 
Lúpus eritematoso sistêmico na gravidez
Lúpus eritematoso sistêmico na gravidezLúpus eritematoso sistêmico na gravidez
Lúpus eritematoso sistêmico na gravidez
 
Ressonância magnética do sistema nervoso central fetal pdf
Ressonância magnética do sistema nervoso central fetal pdfRessonância magnética do sistema nervoso central fetal pdf
Ressonância magnética do sistema nervoso central fetal pdf
 
Esclerose múltipla
Esclerose múltiplaEsclerose múltipla
Esclerose múltipla
 
Malformações do desenvolvimento cortical
Malformações do desenvolvimento corticalMalformações do desenvolvimento cortical
Malformações do desenvolvimento cortical
 
Desenvolvimento anormal do sistema nervoso
Desenvolvimento anormal do sistema nervosoDesenvolvimento anormal do sistema nervoso
Desenvolvimento anormal do sistema nervoso
 
Microcefalia e/ou alterações do snc e a relação com vírus zika
Microcefalia e/ou alterações do snc e a relação com vírus zikaMicrocefalia e/ou alterações do snc e a relação com vírus zika
Microcefalia e/ou alterações do snc e a relação com vírus zika
 
Síndrome de Marfan
Síndrome de MarfanSíndrome de Marfan
Síndrome de Marfan
 
Principais malformações cerebrais no RN
Principais malformações cerebrais no RNPrincipais malformações cerebrais no RN
Principais malformações cerebrais no RN
 

Aula de mielomeningocele

  • 1. Docentes: Dr. Eliu de Freitas Cabral; Dr. Elifaz de Freitas Cabral. Discentes: Mahayana Lacerda Carla Santos Joslaine Lopes Jussara Costa Kelly Ferro 1
  • 2.  Malformação congênita da coluna vertebral [SNC]  Primeiras 4 semanas gestação  Falha no processo de neurulação primária  Defeito no fechamento do tubo neural [DFTN]  Porção caudal - espinha bífida aberta  Os revestimentos e os nervos da medula espinhal se projetam através desse defeito 2
  • 3. 3
  • 4.  Desconhecida  Multifatorial, fatores genéticos e externos  Estudos e observações parecem convergir para dois pontos em comum  Via metabólica ácido fólico  Via metabólica da glicose 4
  • 5.  Baixas condições socioeconômicas, exposição da mãe a hipertermia no início da gestação,  Medicamentos antagonistas do folato, hiperglicemia, diabetes entre outros  Suplementação de 0,4 a 1mg de ácido fólico antes da gestação  Fortificação de farinhas com ácido fólico 5
  • 6. 6
  • 7.  É a malformação mais frequente do DFTN  Incidência global: 0,1 a 10 casos/1000 nascidos vivos  Brasil é o 4º país com maior incidência de espinha bífida [OMS] 7
  • 8. 8
  • 9.  Realizada no início do segundo trimestre gestacional, idealmente entre 16 e 18 semanas;  Apesar de muito usada como triagem no passado, atualmente sua utilização está em desuso;  Os fatores que contribuíram para isto foi a baixa especificidade do exame, com níveis elevados de alfa-fetoproteína presentes em outras inúmeras condições clínicas fetais. 9
  • 10.  A primeira ecografia gestacional é realizada no primeiro trimestre, idealmente entre 11 e 13 semanas;  Ecografia tridimensional de alta resolução deve ser realizada na 9ª semana de gestação. 10
  • 11.  Ecografia obstétrica morfológica do segundo trimestre gestacional, idealmente realizada entre 20 e 22 semanas:  A primeira delas é o “sinal do limão” (cavalgamento ósseo frontal na sua visualização biparietal em decorrência de uma baixa pressão intracraniana fetal secundária a perda liquórica espinhal); Figura 1. Sinal do limão. 11
  • 12. • A segunda alteração craniana associada, denominada “sinal da banana”, é a deformidade do tronco encefálico com um cerebelo alongado em formato bicôncavo (lembrando uma banana), envolvendo o tronco e obliterando a cisterna magna. Figura 2. Sinal da banana. 12
  • 13.  Uma alternativa para casos onde a ultrassonografia de alta resolução não é diagnóstica ou fornece dados que requerem um estudo de imagem complementar; Chiari II é a segunda entidade mais comum no espectro de Chiari. Ocorre quase sempre em associação com a mielomeningocele (seta laranja) e, portanto, é geralmente diagnosticada em uma idade muito jovem. Tanto o cerebelo e o tronco cerebral são deslocados inferiormente (seta branca), resultando em tração sobre os nervos cranianos inferiores. Figura 3. Chiari II. 13
  • 14.  A dosagem de alfa-fetoproteína e de acetilcolina no líquido amniótico tem uma acurácia estimada de 99% e uma taxa de falsos-positivo de 0,34%;  Útil na detecção sindrômica de malformações que incluem a mielomeningocele no seu fenótipo. 14
  • 15. 15
  • 16.  Ausência de processos espinhosos;  Lâminas vertebrais ausentes ou rudimentares;  Pedículos afastados e anormalmente curtos; 16
  • 17.  Presença de hemivértebras com graus variados de fusão de corpos vertebrais e de processos transversos.  Redução no tamanho ântero- posterior dos corpos vertebrais (aspecto ovalado); 17
  • 18.  Hidrocefalia com hipertensão intracraniana e dilatação ventricular progressiva   80% a 90% das crianças;  Hidrocefalia grave ou tratada incorretamente, pode promover graves sequelas  Alterações cognitivas, retardo neuromotor, déficit na coordenação dos membros superiores e alterações da fala, deglutição, visão e audição. 18
  • 19. 19
  • 20. Malformação de Chiari tipo II:  Alteração estrutural e morfológica do rombencéfalo;  A fossa posterior tem tamanho reduzido e a tenda do cerebelo possui implantação baixa,  O mesencéfalo, na região tectal, está angulado(forma de bico) e o aqueduto cerebral é anômalo;  A ponte e o bulbo estão curvados posteriormente e rebaixados.. 20
  • 21.  Aplasia de núcleos de nervos cranianos e defeitos de mielinização foram encontrados em 76% dos casos;  Polimicrogiria: malformação da organização cortical que se caracteriza por múltiplos pequenos giros separados por espessos e rasos sulcos;  Agenesia de corpo caloso e cerebelar (72% a 92% dos casos). 21
  • 22.  Trato gastrointestinal: (hérnia inguinal, divertículo de Meckel, má rotação intestinal, onfalocele e ânus imperfurado);  Pulmonar;  Sistema cardiovascular (defeitos septais atriais ou ventriculares, ducto arteriovenoso patente e coarctação aórtica);  Alterações craniofaciais são infrequentes. 22
  • 23. 23
  • 24.  Permite antecipar precauções referentes ao parto;  Aconselhamento e informação aos pais;  Medidas a serem tomadas pós parto. 24
  • 25.  Parto cesáreo eletivo antes do início das contrações uterinas mais frequentes e intensas que configuram o trabalho de parto, evitando o trauma mecânico do tecido nervoso exposto intraútero e no seu trajeto pélvico durante o parto vaginal, resultando em melhor prognóstico neurológico funcional;  Nos casos com macrocefalia pela hidrocefalia a cesárea estaria indicada para evitar os riscos da desproporção céfalo-pélvica no parto vaginal. 25
  • 26.  Estabilização do RN: respiratórias e cardíacas;  A placa neural deve ser protegido por gaze estéril umedecida com solução fisiológica morna, coberto por curativo plástico;  Paciente deve ser mantido em decúbito ventral ou lateral para não exercer pressão sobre o tecido exposto. 26
  • 27.  As medidas de não exposição ao látex devem ser tomadas desde o parto;  Antibióticos profiláticos são recomendados antes do reparo cirúrgico para minimizar o risco de meningite e ventriculite. 27
  • 28.  O exame neurológico inicial deve contemplar o nível medular sensitivo-motor e o grau de hidrocefalia, se estiver presente;  O exame da lesão inclui inspeção da malformação, seu formato e tamanho da falha e a integridade da pele adjacente. 28
  • 29.  Cerca de um terço das crianças recém-nascidas com mielomeningocele apresentam sinais de mielopatia, apresentando hiperreflexia e clônus;  Cerca de 90% dos neonatos podem apresentar algum grau de comprometimento neurogênico vesical. 29
  • 30.  Fechamento da mielomeningocele deve ser precoce  Déficits neurológicos permanentes e irreversíveis em sua maioria  Evitar risco progressivo de infecção [meningite, ventriculite]  Reparo cirúrgico [24h] 30
  • 31.  Cuidado constante com a placa neural exposta  Prevenção de hipotermia e manutenção da euvolemia  Sala cirúrgica ambiente látex free  Intubação orotraqueal e sondagem vesical  Posição de decúbito ventral, com coxins de proteção para o tórax e quadril,  Diminuindo a pressão sobre o abdome 31
  • 32. 32
  • 33.  Paciente mantido no berço em decúbito ventral  Sondagem vesical de demora  Cuidados especiais a feriada e alerta hidrocefalia  Parecer urológico e ortopédico 33
  • 34. 34
  • 35.  Ocorridas nas primeiras semanas após o ato operatório. ◦ Hidrocefalia, ◦ Fístula liquórica, ◦ Necrose ou deiscência de ferida operatória, ◦ Infecção cirúrgica com ou sem meningite. 35
  • 36.  Hidrocefalia: • Apenas 15% nascem com sinais clínicos; • 80% dos que nasceram sem sinais irão desenvolver precocemente (1 ou 2 semanas); • Correção: Derivação ventrículo-peritoneal (permite a pressão liquórica, a tensão na ferida cirúrgica e o risco de vazamento de líquor);  Fistula liquórica: • Chances diretamente proporcional ao tamanho da Mielomeningocele; • Ocorre devido a pressão liquórica; • Tratada com a correção da hidrocefalia por derivação ventrículo-peritoneal; 36
  • 37.  Necrose ou deiscência de ferida: • Complicação precoce mais frequente; • Previne-se diminuindo ao máximo a tensão na sutura;  Incisões de alivio;  Retalhos;  Meningite: • Bacilos entéricos gram-negativos; • Sepse nos primeiros 3 dias de pós-operatório;  Fazer amostra liquórica ventricular 37
  • 38.  Medula Presa: • 10 a 30% das crianças irão desenvolver síndrome de medula presa após a reparação de uma MMC; O diagnóstico - critérios clínicos. As seis formas mais comuns: fraqueza progressiva (55%), piora da marcha (54%), Escoliose (51%), Dor (32%), Deformidade ortopédica (11%), Disfunção urológica (6%), variando em percentual entre estudos. 38
  • 39.  Medula Presa: Diagnóstico precoce resulta em estabilização ou melhora dos sintomas na maioria dos casos. Figura: Medula Presa. Em “A” RM sagital ponderada em T1 evidenciando aderência medular junto a cicatriz da correção cirúrgica de mielomeningocele; em “B” imagem transoperatória com intensa aracnoidite cicatricial junto à medula e raiz com trajeto ascendente (seta). 39
  • 40.  Malformação de Chiari II: • Quase todos os pacientes com MMC apresentam a malformação de Chiari II, e 20% a 30% terão sintomas; • Reconhecimento e diagnóstico precoce são fundamentais para a instituição do tto. neurocirúrgico imediato; 40
  • 41.  Seringomielia: • É um achado associado à MMC, com prevalência variando entre 20 e 53% em diferentes estudos; • A cavidade siringomiélica- decorrente do bloqueio da circulação liquórica ao nível da junção crâniovertebral, pela malformação de Chiari II. 41
  • 42.  Seringomielia: • Sintomas associados: Dissociação sensitiva, atrofia muscular segmentar, espasticidade, escoliose, diminuição de força, disfunção vesical e dor. • A Descompressão da fossa posterior com duroplastia, e desbloqueio da circulação liquórica ao nível do forame magno, pode resolver. 42
  • 43.  Complicações do sistema de derivação ventricular: • Estima-se que nos primeiros 5 a 10 anos após a inserção do dreno, metade dos pacientes não necessitará de revisões em decorrência de sua obstrução; • Um terço necessitará de uma ou duas revisões, 20% restantes necessitarão de 3 ou mais. 43
  • 44.  Alergia ao Latex: • Crianças com MMC apresentam risco aumentado de sensibilização, pode haver reações alérgicas exacerbadas ou anafiláticas por exposição ao látex; • A prevalência de 25 e 65% entre diferentes estudos, enquanto que em crianças normais a prevalência é de 0,7%; 44
  • 45.  Em 2003, MOMS (Management of Myelomeningocele Study), objetivava recrutar 200 pacientes randomizado, seria feito em 3 centros nos EUA; A conclusão do estudo: O grupo operado intraútero teve casos mais severos e apresentou 13% de partos prematuros antes de 30 semanas, mas teve um resultado melhor quando comparado com o grupo tratado de forma convencional após o nascimento. 45
  • 46.  Na última década a correção fetal da mielomeningocele tem sido amplamente debatida e estudada, fornecendo dados importantes que apontam para uma redução na incidência de hidrocefalia e melhora da motricidade no primeiros dois anos de vida.  Trata-se de uma doença que pode ser prevenida através do uso periconcepcional de ácido fólico. 46
  • 47. • O planejamento da gravidez e o acompanhamento pré- natal são fatores muito importantes na prevenção de problemas. • Por isso, uma vez detectado o problema, a estratégia deve ser empreender todos os esforços no sentido de minimizar o impacto da doença na vida futura da criança. Por esta razão, o tratamento será sempre uma tarefa multidisciplinar. CONCLUSÃO 47
  • 48. • Uma dieta saudável que contenha alimentos ricos em ácido fólico pode representar uma excelente estratégia, embora não seja suficiente para uma redução realmente significativa do risco; • No Brasil, desde julho de 2004, todas as farinhas de milho e de trigo estão enriquecidas com ácido fólico e ferro por força de lei federal (Resolução 344, da ANVISA, órgão do Ministério da Saúde). CONCLUSÃO 48
  • 49. 1. BIZZI, Jorge W. Junqueira; MACHADO, Alessandro. Mielomeningocele: conceitos básicos e avanços recentes; Meningomielocele: basic concepts and recent advances. J. bras. neurocir, v. 23, n. 2, p. 138-151, 2012. 2. LEITE, Andréa Pinto et al. Uso e efetividade da papaína no processo de cicatrização de feridas: uma revisão sistemática. Rev Gaúcha Enferm.[Internet], v. 33, n. 3, p. 198-207, 2012. 3. HADDAD, MCL do; BRUSCHI, L. C.; MARTINS, E. A. P. Influência do açúcar no processo de cicatrização de incisões cirúrgicas infectadas. Rev. Latinoam. Enfermagem, v. 8, n. 1, p. 57-65, 2000. 4. GOLDMEIER, Sílvia. Comparaçäo dos triglicerídeos cadeia média com ácidos graxos essenciais, com o polivinilpirrolidona-iodo no tratamento das úlceras de decúbito em pacientes cardiopatas; The use of CTM with essencial fatty acid in decubits ulcers of cardiac patients. Rev. paul. enferm, v. 16, n. 1/3, p. 30-4, 1997. 5. CIPRIANO, Maria Aneuma Bastos; QUEIROZ, Maria Veraci Oliveira. Cuidado com a criança portadora de mielomeningocele: vivência da Famìlia. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste- Rev Rene, v. 9, n. 4, 2012. 6. SALOMÃO, J. FRANCISCO et al. Malformação de Chiari tipo II sintomática.Arq Neuropsiquiatr, v. 56, n. 1, p. 98-106, 1998. 49