SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof ª. Polyana CarmencitaProf ª. Polyana Carmencita
Na reumatologia o diagnóstico tem como passos iniciais a
anamnese e o exame físico do paciente, etapas que se executadas
corretamente, permitem o esclarecimento diagnóstico de 80% das
afecções reumáticas; ficando os restantes 20% reservados para os
exames laboratoriais, radiológicos, anatomopatológicos e
acompanhamento da evolução clínica.
As normas da anamnese do doente reumático não diferem
daquelas que devem ser obedecidas em quaisquer das
especialidades clínicas.
É necessário saber ouvir o paciente, deixá-lo falar e explicar o que
sente na sua própria linguagem.
O paciente deve dispor de tempo para relatar detalhadamente sua
doença, abordando-a sob todos os aspectos possíveis.
A entrevista deve ocorrer em local tranquilo, sem interrupções
(trânsito de pessoas, barulho de campainhas de telefones), para
não dispersar – profissional e paciente.
Algumas informações são fundamentais naAlgumas informações são fundamentais na
identificação do paciente:identificação do paciente:
Nome;Nome;
Idade;Idade;
Sexo;Sexo;
Raça;Raça;
Estado civil;Estado civil;
Profissão;Profissão;
Endereço residencial completoEndereço residencial completo –– telefone ;telefone ;
Local de trabalho;Local de trabalho;
Naturalidade (cidade, estado e país que nasceu).Naturalidade (cidade, estado e país que nasceu).
Queixa principal(QP);Queixa principal(QP);
História da Doença Atual (HDA);História da Doença Atual (HDA);História da Doença Atual (HDA);História da Doença Atual (HDA);
H. Patológica ou Antecedentes Pessoais Patológicos (HPP);H. Patológica ou Antecedentes Pessoais Patológicos (HPP);
H. Familial;H. Familial;
H. Familiar;H. Familiar;
H. Social e Profissional;H. Social e Profissional;
H. Funcional (H. Funcional (AVDsAVDs ee AVPsAVPs).).
ANTECEDENTES FAMILIARESANTECEDENTES FAMILIARES
Nome
Deve ser lembrado em todas as referências ao paciente, dando-lhe a
certeza de que ele tem uma individualidade no atendimento e não é
identificado somente pelo número do prontuário, ou pela doença.
Idade
Há maior incidência de determinadas doenças em certas faixas etárias;
Artrite Reumatóide Juvenil e Febre Reumática na infância; Lupus e E. AArtrite Reumatóide Juvenil e Febre Reumática na infância; Lupus e E. A
nas faixas jovens; A.R. na idade adulta; O.A em idosos.
Sexo
É bastante conhecido o fato de que algumas doenças são
preferencialmente encontradas em determinado sexo, como por
exemplo, a Espondilite Anquilosante, Gota (sexo masculino), e outras,
como o LUES, Artrose, Artrite Reumatóide(sexo feminino).
Raça
A Artrite Gotosa e a E.A. são doenças mais comuns na raça branca,
enquanto as manifestações osteoarticulares da Anemia Falciforme
podem ocorrer em indivíduos de cor morena ou negra.
Naturalidade
Em nosso país são escassas as informações sobre
epidemiologia das doenças reumáticas.
Profissão e Hábitos de Vida
Certas profissões se caracterizam pelo aparecimento de
determinadas patologias, como a lombalgia entre os
trabalhadores braçais;trabalhadores braçais;
Artrites traumáticas, tenossinovite do cotovelo e em
esportistas;
Cervicodorsobraquialgias em costureiras e pessoas
que passam muito tempo sentadas com flexão da
coluna cervical.
AA avaliaçãoavaliação dosdos hábitoshábitos dede vida,vida, númeronúmero dede horashoras dede trabalhotrabalho ee lazerlazer
éé fundamentalfundamental parapara avaliaçãoavaliação dada afecçãoafecção reumáticareumática queque trouxetrouxe oo
pacientepaciente àà consultaconsulta..
ApósApós aa identificaçãoidentificação dodo paciente,paciente, procuraprocura--sese conhecerconhecer oo motivomotivo
queque oo trouxetrouxe àà consulta,consulta, deixandodeixando--oo relatarrelatar livremente,livremente, comcom
suassuas própriaspróprias palavraspalavras osos seusseus problemasproblemas;;
AA QQ..PP.. dodo pacientepaciente reumáticoreumático geralmentegeralmente éé aa dor,dor, queque podepode
constituirconstituir porpor sisi sósó todatoda aa doençadoença ouou representarrepresentar parteparte dede umumconstituirconstituir porpor sisi sósó todatoda aa doençadoença ouou representarrepresentar parteparte dede umum
quadroquadro geralgeral ondeonde outrasoutras alteraçõesalterações sistêmicassistêmicas podempodem estarestar
associadas,associadas, comocomo febre,febre, malmal--estarestar ouou alteraçõesalterações emem qualquerqualquer
sistemasistema..
NaNa maioriamaioria dosdos processosprocessos reumáticosreumáticos ocorremocorrem fenômenosfenômenos
inflamatóriosinflamatórios articularesarticulares geralmentegeralmente acompanhadosacompanhados dede dordor..
LOCALIZAÇÃO – Mecânica, Inflamatória;
MODO DE INÍCIO – insidioso, agudo, subagudo;
INTENSIDADE – leve, moderada, intensa;
DURAÇÃO – cíclica, contínua;
RITMO – exacerba noite, manhã, c/ exercícios;
IRRADIAÇÃO - choque, formigamento;
TIPO - SUPERFICIAL,PROFUNDA,PSICOGÊNICA,
SENSAÇÕES: peso, queimação, pontada,
agulhada...
O que piora??
GERAISGERAIS –– CANSAÇO, FEBRE, CALAFRIOS, SUDORESE,CANSAÇO, FEBRE, CALAFRIOS, SUDORESE,
PERDA DE PESO, MALPERDA DE PESO, MAL--ESTAR, INSÔNIA, PARESTESIAS,ESTAR, INSÔNIA, PARESTESIAS,
OUTRAS QUEIXAS:OUTRAS QUEIXAS:
ARTICULARESARTICULARES –– RIGIDEZ, EDEMA;RIGIDEZ, EDEMA;
PERIARTICULARESPERIARTICULARES –– CONTRATURA MUSCULAR, MIALGIA,CONTRATURA MUSCULAR, MIALGIA,
CÃIBRAS;CÃIBRAS;
De posse dos dados colhidos na identificação doDe posse dos dados colhidos na identificação do
paciente, da definição de sua queixa principal, do relatopaciente, da definição de sua queixa principal, do relato
da história da doença atual, história pregressa, deveda história da doença atual, história pregressa, deve--sese
então estabelecer hipóteses diagnósticas através doentão estabelecer hipóteses diagnósticas através do
exame físico que é a próxima etapa a ser abordada.exame físico que é a próxima etapa a ser abordada.
UmUm exameexame físicofísico cuidadosocuidadoso confirmaconfirma osos dadosdados obtidosobtidos
atravésatravés dada anamneseanamnese ee podepode estabelecerestabelecer umauma basebase sólidasólida
parapara oo diagnósticodiagnóstico..
.
Deverá ser confortável para o paciente e para o examinador,
permitindo máxima eficiência na sua avaliação e mínimo
incômodo para o paciente.
OO exameexame devedeve (preferencialmente)(preferencialmente) serser realizadorealizado comcom oo
pacientepaciente despidodespido ouou comcom roupasroupas íntimasíntimas –– trajetraje dede banhobanho ouou
ginásticaginástica..
INSPEÇÃOINSPEÇÃO;;
PALPAÇÃOPALPAÇÃO;;
PERCUSSÃOPERCUSSÃO;;
AUSCULTAAUSCULTA..
Exame Articular
Os métodos semiológicos habitualmente usados são: Inspeção;
Palpação; Mensuração Angular; Exame Motor; Mensuração Linear;
Testes Específicos; Palpação, associados à avaliação dos movimentos
articulares.
Inspeção (Estática / Dinâmica)
Comparar articulações homólogas, a fim de detectar alterações de
alinhamento, simetria ou assimetria, forma, volume, deformidades,alinhamento, simetria ou assimetria, forma, volume, deformidades,
MMSS, MMII, alteração da pele e hipotrofias musculares.
Palpação
Com a palpação confirma-se a existência real das alterações sugeridas pela
inspeção como: presença de crepitações, sinais flogísticos (calor, dor e
edema), localização de pontos dolorosos à digitopressão, espasmos
musculares, atrofia muscular.
SinaisSinais ArticularesArticulares:: calor, derrame, deformidades, ruídos, crepitações, rigidez,
bloqueio, limitação de movimento, processos inflamatórios – artrite, sinovite .
AVALIAÇÃO DA AMPLITUDE DE MOVIMENTO – MOBILIDADE
ARTICULAR;
AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR;
AVALIAÇÃO DO PERÍMETRO SEGMENTAR OU ARTICULAR;
AVALIAÇÃO DO EQUILÍBRIO;
AVALIAÇÃO POSTURAL;
AVALIAÇÃO DA MARCHA;
AVALIAÇÃO FUNCIONAL.
Podemos avaliar e priorizar o(s) segmentos(s)Podemos avaliar e priorizar o(s) segmentos(s)
corporais de acordo com a(s) queixa(s) do paciente.corporais de acordo com a(s) queixa(s) do paciente.
Coluna Cervical, Dorsal, Lombar;
Ombro; Cotovelo; Punho; Mão;
Quadril; Joelho;Quadril; Joelho;
Tornozelo ; Pé.
** Mas sempre observando o paciente como um todo.
Anamnese e-exame-fisico

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exame fisico
Exame fisicoExame fisico
Exame fisico
Rodrigo Bruno
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
dapab
 
Diagnóstico clínico
Diagnóstico clínicoDiagnóstico clínico
Diagnóstico clínico
Eduardo Santana Cordeiro
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tóraxExame físico do tórax
Exame físico do tórax
pauloalambert
 
Semiologia
SemiologiaSemiologia
Semiologia
Alexandre Donha
 
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
resenfe2013
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
José Alexandre Pires de Almeida
 
Exame físico geral 2017
Exame físico geral 2017Exame físico geral 2017
Exame físico geral 2017
pauloalambert
 
Avaliação Cardiovascular
Avaliação CardiovascularAvaliação Cardiovascular
Avaliação Cardiovascular
resenfe2013
 
Exame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaExame Físico em Pediatria
Exame Físico em Pediatria
Laped Ufrn
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
Aroldo Gavioli
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
resenfe2013
 
Introdução à semiologia
Introdução à semiologiaIntrodução à semiologia
Introdução à semiologia
Lucimar Campos
 
Histórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratórioHistórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratório
resenfe2013
 
Estudo de caso clinico
Estudo de caso clinicoEstudo de caso clinico
Estudo de caso clinico
Grupo Ivan Ervilha
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
blogped1
 
Exame físico geral
Exame físico geralExame físico geral
Exame físico geral
Silvia Luanda Rezende
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
lacmuam
 
Síndromes pulmonares
Síndromes pulmonaresSíndromes pulmonares
Síndromes pulmonares
pauloalambert
 

Mais procurados (20)

Exame fisico
Exame fisicoExame fisico
Exame fisico
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
 
Diagnóstico clínico
Diagnóstico clínicoDiagnóstico clínico
Diagnóstico clínico
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tóraxExame físico do tórax
Exame físico do tórax
 
Semiologia
SemiologiaSemiologia
Semiologia
 
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
Exame físico geral 2017
Exame físico geral 2017Exame físico geral 2017
Exame físico geral 2017
 
Avaliação Cardiovascular
Avaliação CardiovascularAvaliação Cardiovascular
Avaliação Cardiovascular
 
Exame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaExame Físico em Pediatria
Exame Físico em Pediatria
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
 
Introdução à semiologia
Introdução à semiologiaIntrodução à semiologia
Introdução à semiologia
 
Histórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratórioHistórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratório
 
Estudo de caso clinico
Estudo de caso clinicoEstudo de caso clinico
Estudo de caso clinico
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
 
Exame físico geral
Exame físico geralExame físico geral
Exame físico geral
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
 
Síndromes pulmonares
Síndromes pulmonaresSíndromes pulmonares
Síndromes pulmonares
 

Destaque

Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamnesePropedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Nadjane Barros Costa
 
Slide anamnese
Slide anamneseSlide anamnese
Slide anamnese
Nana Bikynhu
 
Anamnese prática
Anamnese práticaAnamnese prática
Anamnese prática
pauloalambert
 
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físicoSemiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
Jucie Vasconcelos
 
Aula 1: Conceito e Objetivos
Aula 1: Conceito e ObjetivosAula 1: Conceito e Objetivos
Aula 1: Conceito e Objetivos
Fundepe
 
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdfSemiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Jucie Vasconcelos
 
96020392 anamnese-examefisico-cap-01
96020392 anamnese-examefisico-cap-0196020392 anamnese-examefisico-cap-01
96020392 anamnese-examefisico-cap-01
Klíscia Rosa
 
2ª aula slides sinais vitais
2ª aula slides   sinais vitais2ª aula slides   sinais vitais
2ª aula slides sinais vitais
Simone Alvarenga
 
Anamnese eraldo2014.pptj
Anamnese eraldo2014.pptjAnamnese eraldo2014.pptj
Anamnese eraldo2014.pptj
ERALDO DOS SANTOS
 
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto    exame clinico (roteiros) - 7 ª edPorto    exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Inglid Fontoura
 
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Eduardo Gomes da Silva
 
Exame fisico enfermagem
Exame fisico enfermagemExame fisico enfermagem
Exame fisico enfermagem
Núria Bernardo
 
Semiologia Geral
Semiologia GeralSemiologia Geral
Semiologia Geral
Ricardo Duarte
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Marco Antonio
 
Avaliação funcional
Avaliação funcionalAvaliação funcional
Avaliação funcional
Hugo Almeida
 
Ficha de anamnese corporal
Ficha de anamnese corporalFicha de anamnese corporal
Ficha de anamnese corporal
luiz1964
 
fabrício Aula 1
fabrício Aula 1fabrício Aula 1
fabrício Aula 1
Fabrício Santana da Silva
 
Anamnese completaadulto resumao
Anamnese completaadulto resumaoAnamnese completaadulto resumao
Anamnese completaadulto resumao
Janaina Lima
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tóraxExame físico do tórax
Exame físico do tórax
Vanessa Jacqueline Souza
 
Exame fisico cabeça e pescoço
Exame fisico cabeça e pescoçoExame fisico cabeça e pescoço
Exame fisico cabeça e pescoço
Moisés Barbosa
 

Destaque (20)

Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamnesePropedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
 
Slide anamnese
Slide anamneseSlide anamnese
Slide anamnese
 
Anamnese prática
Anamnese práticaAnamnese prática
Anamnese prática
 
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físicoSemiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
 
Aula 1: Conceito e Objetivos
Aula 1: Conceito e ObjetivosAula 1: Conceito e Objetivos
Aula 1: Conceito e Objetivos
 
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdfSemiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
 
96020392 anamnese-examefisico-cap-01
96020392 anamnese-examefisico-cap-0196020392 anamnese-examefisico-cap-01
96020392 anamnese-examefisico-cap-01
 
2ª aula slides sinais vitais
2ª aula slides   sinais vitais2ª aula slides   sinais vitais
2ª aula slides sinais vitais
 
Anamnese eraldo2014.pptj
Anamnese eraldo2014.pptjAnamnese eraldo2014.pptj
Anamnese eraldo2014.pptj
 
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto    exame clinico (roteiros) - 7 ª edPorto    exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
 
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
 
Exame fisico enfermagem
Exame fisico enfermagemExame fisico enfermagem
Exame fisico enfermagem
 
Semiologia Geral
Semiologia GeralSemiologia Geral
Semiologia Geral
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
 
Avaliação funcional
Avaliação funcionalAvaliação funcional
Avaliação funcional
 
Ficha de anamnese corporal
Ficha de anamnese corporalFicha de anamnese corporal
Ficha de anamnese corporal
 
fabrício Aula 1
fabrício Aula 1fabrício Aula 1
fabrício Aula 1
 
Anamnese completaadulto resumao
Anamnese completaadulto resumaoAnamnese completaadulto resumao
Anamnese completaadulto resumao
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tóraxExame físico do tórax
Exame físico do tórax
 
Exame fisico cabeça e pescoço
Exame fisico cabeça e pescoçoExame fisico cabeça e pescoço
Exame fisico cabeça e pescoço
 

Semelhante a Anamnese e-exame-fisico

1cfcc06f2e548a376d28e848c819ad12
1cfcc06f2e548a376d28e848c819ad121cfcc06f2e548a376d28e848c819ad12
1cfcc06f2e548a376d28e848c819ad12
maria divina silva brito
 
Inspeção eraldo2014
Inspeção eraldo2014Inspeção eraldo2014
Inspeção eraldo2014
ERALDO DOS SANTOS
 
Inspeção eraldo2014
Inspeção eraldo2014Inspeção eraldo2014
Inspeção eraldo2014
ERALDO DOS SANTOS
 
artrite psoríaca
artrite psoríacaartrite psoríaca
artrite psoríaca
JP ABNT
 
Diagnóstico diferencial das poliartrites
Diagnóstico diferencial das poliartritesDiagnóstico diferencial das poliartrites
Diagnóstico diferencial das poliartrites
pauloalambert
 
Introdução a-semiologia-i
Introdução a-semiologia-iIntrodução a-semiologia-i
Introdução a-semiologia-i
Luana Mara C. Serra
 
CLÍNICA MÉDIA - AULA 1 INTRODUÇÃO À DISCIPLINA.pptx
CLÍNICA MÉDIA - AULA 1 INTRODUÇÃO À DISCIPLINA.pptxCLÍNICA MÉDIA - AULA 1 INTRODUÇÃO À DISCIPLINA.pptx
CLÍNICA MÉDIA - AULA 1 INTRODUÇÃO À DISCIPLINA.pptx
SkarlatOliveira1
 
Pcdt artrite reativa_dca_reiter_livro_2010
Pcdt artrite reativa_dca_reiter_livro_2010Pcdt artrite reativa_dca_reiter_livro_2010
Pcdt artrite reativa_dca_reiter_livro_2010
Priscila Torres
 
PCDT M.S Artrite Reativa
PCDT M.S Artrite ReativaPCDT M.S Artrite Reativa
PCDT M.S Artrite Reativa
ANAPAR
 
introduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.ppt
introduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.pptintroduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.ppt
introduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.ppt
DheniseMikaelly
 
Anamnese completa adulto resumao
Anamnese completa adulto resumaoAnamnese completa adulto resumao
Anamnese completa adulto resumao
Janaina Lima
 
Aula 01 Semiologia.pptx
Aula 01 Semiologia.pptxAula 01 Semiologia.pptx
Aula 01 Semiologia.pptx
lvaroCosta22
 
aula reumato .pdf
aula reumato .pdfaula reumato .pdf
aula reumato .pdf
BrenoSouto2
 
Semiologia ortopedica exame
Semiologia ortopedica   exameSemiologia ortopedica   exame
Semiologia ortopedica exame
Natha Fisioterapia
 
Semiologia completa medresumos slideshare
Semiologia completa medresumos slideshareSemiologia completa medresumos slideshare
Semiologia completa medresumos slideshare
Juan Zambon
 
Semiologia ginecologica
Semiologia ginecologicaSemiologia ginecologica
Semiologia ginecologica
3rivotril
 
Introdução a urologia clínica para o médico geral
Introdução a urologia clínica para o médico geralIntrodução a urologia clínica para o médico geral
Introdução a urologia clínica para o médico geral
Liga Acadêmica de Urologia e Saúde do Homem - UFT
 
Modulo 05
Modulo 05Modulo 05
Modulo 05
SemioOrto
 
Protocolo sala de emergência
Protocolo sala de emergênciaProtocolo sala de emergência
Protocolo sala de emergência
Deivid1990
 
abdome agudo texto ler.pdf
abdome agudo texto ler.pdfabdome agudo texto ler.pdf
abdome agudo texto ler.pdf
WagnerOseas1
 

Semelhante a Anamnese e-exame-fisico (20)

1cfcc06f2e548a376d28e848c819ad12
1cfcc06f2e548a376d28e848c819ad121cfcc06f2e548a376d28e848c819ad12
1cfcc06f2e548a376d28e848c819ad12
 
Inspeção eraldo2014
Inspeção eraldo2014Inspeção eraldo2014
Inspeção eraldo2014
 
Inspeção eraldo2014
Inspeção eraldo2014Inspeção eraldo2014
Inspeção eraldo2014
 
artrite psoríaca
artrite psoríacaartrite psoríaca
artrite psoríaca
 
Diagnóstico diferencial das poliartrites
Diagnóstico diferencial das poliartritesDiagnóstico diferencial das poliartrites
Diagnóstico diferencial das poliartrites
 
Introdução a-semiologia-i
Introdução a-semiologia-iIntrodução a-semiologia-i
Introdução a-semiologia-i
 
CLÍNICA MÉDIA - AULA 1 INTRODUÇÃO À DISCIPLINA.pptx
CLÍNICA MÉDIA - AULA 1 INTRODUÇÃO À DISCIPLINA.pptxCLÍNICA MÉDIA - AULA 1 INTRODUÇÃO À DISCIPLINA.pptx
CLÍNICA MÉDIA - AULA 1 INTRODUÇÃO À DISCIPLINA.pptx
 
Pcdt artrite reativa_dca_reiter_livro_2010
Pcdt artrite reativa_dca_reiter_livro_2010Pcdt artrite reativa_dca_reiter_livro_2010
Pcdt artrite reativa_dca_reiter_livro_2010
 
PCDT M.S Artrite Reativa
PCDT M.S Artrite ReativaPCDT M.S Artrite Reativa
PCDT M.S Artrite Reativa
 
introduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.ppt
introduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.pptintroduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.ppt
introduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.ppt
 
Anamnese completa adulto resumao
Anamnese completa adulto resumaoAnamnese completa adulto resumao
Anamnese completa adulto resumao
 
Aula 01 Semiologia.pptx
Aula 01 Semiologia.pptxAula 01 Semiologia.pptx
Aula 01 Semiologia.pptx
 
aula reumato .pdf
aula reumato .pdfaula reumato .pdf
aula reumato .pdf
 
Semiologia ortopedica exame
Semiologia ortopedica   exameSemiologia ortopedica   exame
Semiologia ortopedica exame
 
Semiologia completa medresumos slideshare
Semiologia completa medresumos slideshareSemiologia completa medresumos slideshare
Semiologia completa medresumos slideshare
 
Semiologia ginecologica
Semiologia ginecologicaSemiologia ginecologica
Semiologia ginecologica
 
Introdução a urologia clínica para o médico geral
Introdução a urologia clínica para o médico geralIntrodução a urologia clínica para o médico geral
Introdução a urologia clínica para o médico geral
 
Modulo 05
Modulo 05Modulo 05
Modulo 05
 
Protocolo sala de emergência
Protocolo sala de emergênciaProtocolo sala de emergência
Protocolo sala de emergência
 
abdome agudo texto ler.pdf
abdome agudo texto ler.pdfabdome agudo texto ler.pdf
abdome agudo texto ler.pdf
 

Anamnese e-exame-fisico

  • 1. Prof ª. Polyana CarmencitaProf ª. Polyana Carmencita
  • 2. Na reumatologia o diagnóstico tem como passos iniciais a anamnese e o exame físico do paciente, etapas que se executadas corretamente, permitem o esclarecimento diagnóstico de 80% das afecções reumáticas; ficando os restantes 20% reservados para os exames laboratoriais, radiológicos, anatomopatológicos e acompanhamento da evolução clínica. As normas da anamnese do doente reumático não diferem daquelas que devem ser obedecidas em quaisquer das especialidades clínicas. É necessário saber ouvir o paciente, deixá-lo falar e explicar o que sente na sua própria linguagem. O paciente deve dispor de tempo para relatar detalhadamente sua doença, abordando-a sob todos os aspectos possíveis. A entrevista deve ocorrer em local tranquilo, sem interrupções (trânsito de pessoas, barulho de campainhas de telefones), para não dispersar – profissional e paciente.
  • 3. Algumas informações são fundamentais naAlgumas informações são fundamentais na identificação do paciente:identificação do paciente: Nome;Nome; Idade;Idade; Sexo;Sexo; Raça;Raça; Estado civil;Estado civil; Profissão;Profissão; Endereço residencial completoEndereço residencial completo –– telefone ;telefone ; Local de trabalho;Local de trabalho; Naturalidade (cidade, estado e país que nasceu).Naturalidade (cidade, estado e país que nasceu).
  • 4. Queixa principal(QP);Queixa principal(QP); História da Doença Atual (HDA);História da Doença Atual (HDA);História da Doença Atual (HDA);História da Doença Atual (HDA); H. Patológica ou Antecedentes Pessoais Patológicos (HPP);H. Patológica ou Antecedentes Pessoais Patológicos (HPP); H. Familial;H. Familial; H. Familiar;H. Familiar; H. Social e Profissional;H. Social e Profissional; H. Funcional (H. Funcional (AVDsAVDs ee AVPsAVPs).). ANTECEDENTES FAMILIARESANTECEDENTES FAMILIARES
  • 5. Nome Deve ser lembrado em todas as referências ao paciente, dando-lhe a certeza de que ele tem uma individualidade no atendimento e não é identificado somente pelo número do prontuário, ou pela doença. Idade Há maior incidência de determinadas doenças em certas faixas etárias; Artrite Reumatóide Juvenil e Febre Reumática na infância; Lupus e E. AArtrite Reumatóide Juvenil e Febre Reumática na infância; Lupus e E. A nas faixas jovens; A.R. na idade adulta; O.A em idosos. Sexo É bastante conhecido o fato de que algumas doenças são preferencialmente encontradas em determinado sexo, como por exemplo, a Espondilite Anquilosante, Gota (sexo masculino), e outras, como o LUES, Artrose, Artrite Reumatóide(sexo feminino). Raça A Artrite Gotosa e a E.A. são doenças mais comuns na raça branca, enquanto as manifestações osteoarticulares da Anemia Falciforme podem ocorrer em indivíduos de cor morena ou negra.
  • 6. Naturalidade Em nosso país são escassas as informações sobre epidemiologia das doenças reumáticas. Profissão e Hábitos de Vida Certas profissões se caracterizam pelo aparecimento de determinadas patologias, como a lombalgia entre os trabalhadores braçais;trabalhadores braçais; Artrites traumáticas, tenossinovite do cotovelo e em esportistas; Cervicodorsobraquialgias em costureiras e pessoas que passam muito tempo sentadas com flexão da coluna cervical. AA avaliaçãoavaliação dosdos hábitoshábitos dede vida,vida, númeronúmero dede horashoras dede trabalhotrabalho ee lazerlazer éé fundamentalfundamental parapara avaliaçãoavaliação dada afecçãoafecção reumáticareumática queque trouxetrouxe oo pacientepaciente àà consultaconsulta..
  • 7. ApósApós aa identificaçãoidentificação dodo paciente,paciente, procuraprocura--sese conhecerconhecer oo motivomotivo queque oo trouxetrouxe àà consulta,consulta, deixandodeixando--oo relatarrelatar livremente,livremente, comcom suassuas própriaspróprias palavraspalavras osos seusseus problemasproblemas;; AA QQ..PP.. dodo pacientepaciente reumáticoreumático geralmentegeralmente éé aa dor,dor, queque podepode constituirconstituir porpor sisi sósó todatoda aa doençadoença ouou representarrepresentar parteparte dede umumconstituirconstituir porpor sisi sósó todatoda aa doençadoença ouou representarrepresentar parteparte dede umum quadroquadro geralgeral ondeonde outrasoutras alteraçõesalterações sistêmicassistêmicas podempodem estarestar associadas,associadas, comocomo febre,febre, malmal--estarestar ouou alteraçõesalterações emem qualquerqualquer sistemasistema.. NaNa maioriamaioria dosdos processosprocessos reumáticosreumáticos ocorremocorrem fenômenosfenômenos inflamatóriosinflamatórios articularesarticulares geralmentegeralmente acompanhadosacompanhados dede dordor..
  • 8. LOCALIZAÇÃO – Mecânica, Inflamatória; MODO DE INÍCIO – insidioso, agudo, subagudo; INTENSIDADE – leve, moderada, intensa; DURAÇÃO – cíclica, contínua; RITMO – exacerba noite, manhã, c/ exercícios; IRRADIAÇÃO - choque, formigamento; TIPO - SUPERFICIAL,PROFUNDA,PSICOGÊNICA, SENSAÇÕES: peso, queimação, pontada, agulhada... O que piora??
  • 9. GERAISGERAIS –– CANSAÇO, FEBRE, CALAFRIOS, SUDORESE,CANSAÇO, FEBRE, CALAFRIOS, SUDORESE, PERDA DE PESO, MALPERDA DE PESO, MAL--ESTAR, INSÔNIA, PARESTESIAS,ESTAR, INSÔNIA, PARESTESIAS, OUTRAS QUEIXAS:OUTRAS QUEIXAS: ARTICULARESARTICULARES –– RIGIDEZ, EDEMA;RIGIDEZ, EDEMA; PERIARTICULARESPERIARTICULARES –– CONTRATURA MUSCULAR, MIALGIA,CONTRATURA MUSCULAR, MIALGIA, CÃIBRAS;CÃIBRAS; De posse dos dados colhidos na identificação doDe posse dos dados colhidos na identificação do paciente, da definição de sua queixa principal, do relatopaciente, da definição de sua queixa principal, do relato da história da doença atual, história pregressa, deveda história da doença atual, história pregressa, deve--sese então estabelecer hipóteses diagnósticas através doentão estabelecer hipóteses diagnósticas através do exame físico que é a próxima etapa a ser abordada.exame físico que é a próxima etapa a ser abordada.
  • 10. UmUm exameexame físicofísico cuidadosocuidadoso confirmaconfirma osos dadosdados obtidosobtidos atravésatravés dada anamneseanamnese ee podepode estabelecerestabelecer umauma basebase sólidasólida parapara oo diagnósticodiagnóstico.. . Deverá ser confortável para o paciente e para o examinador, permitindo máxima eficiência na sua avaliação e mínimo incômodo para o paciente. OO exameexame devedeve (preferencialmente)(preferencialmente) serser realizadorealizado comcom oo pacientepaciente despidodespido ouou comcom roupasroupas íntimasíntimas –– trajetraje dede banhobanho ouou ginásticaginástica..
  • 12. Exame Articular Os métodos semiológicos habitualmente usados são: Inspeção; Palpação; Mensuração Angular; Exame Motor; Mensuração Linear; Testes Específicos; Palpação, associados à avaliação dos movimentos articulares. Inspeção (Estática / Dinâmica) Comparar articulações homólogas, a fim de detectar alterações de alinhamento, simetria ou assimetria, forma, volume, deformidades,alinhamento, simetria ou assimetria, forma, volume, deformidades, MMSS, MMII, alteração da pele e hipotrofias musculares. Palpação Com a palpação confirma-se a existência real das alterações sugeridas pela inspeção como: presença de crepitações, sinais flogísticos (calor, dor e edema), localização de pontos dolorosos à digitopressão, espasmos musculares, atrofia muscular. SinaisSinais ArticularesArticulares:: calor, derrame, deformidades, ruídos, crepitações, rigidez, bloqueio, limitação de movimento, processos inflamatórios – artrite, sinovite .
  • 13. AVALIAÇÃO DA AMPLITUDE DE MOVIMENTO – MOBILIDADE ARTICULAR; AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR; AVALIAÇÃO DO PERÍMETRO SEGMENTAR OU ARTICULAR; AVALIAÇÃO DO EQUILÍBRIO; AVALIAÇÃO POSTURAL; AVALIAÇÃO DA MARCHA; AVALIAÇÃO FUNCIONAL.
  • 14. Podemos avaliar e priorizar o(s) segmentos(s)Podemos avaliar e priorizar o(s) segmentos(s) corporais de acordo com a(s) queixa(s) do paciente.corporais de acordo com a(s) queixa(s) do paciente. Coluna Cervical, Dorsal, Lombar; Ombro; Cotovelo; Punho; Mão; Quadril; Joelho;Quadril; Joelho; Tornozelo ; Pé. ** Mas sempre observando o paciente como um todo.