SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 104
Baixar para ler offline
Docente : Enf° Mariane Guerra
CONCEITOS
 a) HIGIENE: É o conjunto de hábitos e condutas que
auxiliam na prevenção de doenças, manutenção da
saúde e bem-estar, tanto individual quanto em
coletivo.
 b) LIMPEZA: É a remoção física de sujidades, detritos
e microrganismos presentes em qualquer área e/ou
artigo, mediante ação química (soluções detergentes,
desincrostantes ou enzimáticas), mecânica (fricção)
ou térmica. A limpeza pode ser realizada de forma
manual ou mecânica.
 c) DESINFECÇÃO: É o processo de destruição de
microrganismos patogênicos ou não, na forma
vegetativa, que possam existir nos artigos e nas áreas,
através do uso de substâncias desinfetantes.
 d) ESTERILIZAÇÃO: É o procedimento utilizado para
destruir todas as formas de microrganismos, isto é,
bactérias, fungos e vírus, na forma vegetativa e
esporulada mediante a aplicação de agentes físicos ou
químicos. A correta esterilização elimina 100% dos
microrganismos presentes.
MÉTODOS DE LIMPEZA
 A limpeza do ambiente além de proporcionar bem-
estar físico e psicológico aos adolescentes e servidores,
é também uma ferramenta eficaz e importante para o
controle de doenças.
LIMPEZA CONCORRENTE
 É a higienização diária de todas as áreas do Centro, com o
objetivo da manutenção do que é limpo, reposição de materiais
como: sabonete líquido, papel toalha, papel higiênico, saco para
lixo, etc.
 Inclui limpeza de piso, remoção de poeira do mobiliário e
limpeza completa dos sanitários. A limpeza de portas, janelas e
paredes devem ser realizadas apenas se houver alguma sujidade.
Processos de Limpeza
 Limpeza concorrente:
- Limpeza realizada diariamente, em todas as unidades
hospitalares com a finalidade de limpar e organizar o
ambiente, repor os materiais de consumo diário e recolher os
resíduos;
Periodicidade: Áreas críticas: 3x/dia
Áreas semicríticas: 2x/dia
Áreas não-críticas: 1x/dia
Limpeza concorrente
 Inclui limpeza de superfícies horizontais, mobiliários,
corredores, pisos e instalações sanitárias.
LIMPEZA TERMINAL
 É a higienização completa das áreas do Centro e
quando necessário, a desinfecção para diminuição da
sujidade e redução da população microbiana. É
realizada de acordo com a rotina pré-estabelecida -
uma vez por semana. Esta limpeza envolve pisos,
paredes, tetos, janelas, sanitários, mobiliários,
maçanetas e portas.
Limpeza terminal
 Limpeza terminal Limpeza completa e minuciosa,
incluindo todas as superfícies horizontais e verticais,
internas e externas do ambiente.
 Limpeza terminal
É realizada na unidade do paciente após alta hospitalar,
transferências, óbitos ou internações de longa duração;
 Periodicidade: Áreas críticas: semanal;
Áreas semicríticas: quinzenal
Áreas não-críticas: mensal
CLASSIFICAÇÃO DAS ÁREAS
ÁREAS
NÃO CRITICAS
ÁREAS
SEMI - CRÍTICAS
ÁREAS
CRÍTICAS
Áreas Críticas
 São áreas em que existe o risco aumentado de
transmissão de infecções. Exemplos: consultórios
odontológicos, ambulatórios, locais destinados para
esterilização e coleta de material para exames
laboratoriais, cozinha e lavanderia.
 Requerem limpeza e desinfecção
Áreas Semi-críticas
 São áreas onde o risco de transmissão de infecções é
menor. Exemplo: consultórios e banheiros.
 Requerem limpeza e desinfecção.
Áreas Não Críticas
 São áreas que tecnicamente não representam risco de
transmissão de infecções. Exemplos: área
administrativa, almoxarifado, recepção, corredores,
dormitórios, salas de aula e áreas externas.
 Requerem limpeza.
LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO
DE ARTIGOS
 CLASSIFICAÇÃO DOS ARTIGOS
ARTIGOS
CRÍTICOS
ARTIGOS
SEMICRÍTICOS
ARTIGOS
NÃO CRÍTICOS
Artigos Críticos:
 São aqueles que penetram através da pele e mucosas,
atingindo os tecidos subepiteliais, sistema vascular e
outros órgãos isentos de flora bacteriana própria, bem
como artigos que estejam diretamente conectados com
estes. Exemplos: instrumentos de corte e de ponta,
pinças, agulhas.
 Observação: requerem esterilização.
Artigos Semi-críticos:
 São aqueles que entram em contato com a pele não íntegra
ou com mucosas íntegras. Exemplos: ambú, máscara facial,
máscara de inalação, medicamentos orais, inaláveis.
 Observação: requerem desinfecção de alto nível ou
esterilização, sendo que a esterilização é a opção mais
segura para artigos semi-críticos que possam ser
submetidas a esse tipo de procedimento.
Artigos Não Críticos:
 São todos que entram em contato com a pele íntegra.
Exemplos: estetoscópio, esfigmomanômetro,
termômetro.
 Observação: requerem desinfecção de baixo e médio
nível antes de serem novamente utilizados.
LIMPEZA DE ARTIGOS
 A limpeza deve começar imediatamente após o uso do
material para evitar o ressecamento da matéria orgânica
sobre os artigos e deve preceder os processos de desinfecção
e esterilização, pois a sujeira, principalmente a matéria
orgânica (sangue, urina, fezes), invalidam a ação completa
dos desinfetantes e esterilizantes empregados. Além disso,
os detritos presentes nos artigos podem proteger e nutrir os
microrganismos.
 Usa-se normalmente detergente que facilite a remoção da
sujeira. Pode ser feita por método manual ou
automatizado.
 A limpeza manual é o procedimento que se destina à
remoção de sujidades nos artigos. Esta deve ser realizada
com água, detergente e escova. O tempo em que o material
permanece de molho em solução de água e detergente serve
para que as sujeiras mais pesadas sejam removidas e a
matéria orgânica depositada seja amolecida.
 Após a limpeza, o artigo deve secar sobre superfície
limpa e protegida para o perfeito escoamento da água.
No mercado encontramos vários tipos de detergentes:
neutros (limpeza manual de artigos); desincrostantes e
enzimáticos que facilitam a remoção de sujidades por
imersão, sendo que o desincrostante é mais corrosivo e
menos eficaz que o enzimático.
A desinfecção de artigos pode ser realizada
por dois métodos :
FÍSICO QUÍMICO
 O Método Físico é o processo que utiliza calor
associado à ação mecânica.
 O Método Químico é a imersão de artigos em
soluções desinfectante, sendo indicado para os artigos
sensíveis ao calor.
TIPOS DE DESINFECÇÃO
DESINFECÇÃO DE AUTO
NÍVEL
DESINFECÇÃO DE NÍVEL
INTERMEDÍARIO
DESINFECÇÃO DE BAIXO
NÍVEL
 Desinfecção de alto nível: é aquela que consegue
destruir todos os microrganismos e algumas formas de
esporos;
 Desinfecção de nível intermediário: é aquela que
inativa a maioria dos fungos, vírus e todas as bactérias
na forma vegetativa;
 Desinfecção de baixo nível: é aquela que destrói a
maioria das bactérias e alguns vírus, não sendo eficaz
contra o bacilo da tuberculose e esporos bacterianos.
Produtos desinfectantes mais utilizados
para a desinfecção de artigos:
 ÁLCOOL 70°
 É uma solução de ação instantânea, sem efeito residual. É
inativado na presença de matéria orgânica. A desinfecção é
realizada por meio de 3 fricções seguidas e o intervalo entre
as fricções é o tempo de secagem do álcool.
 A desinfecção com esse produto destrói bactérias,
micobactérias e fungos, sendo seletiva para alguns vírus e
não possui ação sobre bactérias . O seu uso prolongado e
contínuo pode danificar alguns artigos, principalmente os
de borracha, plástico e acrílico.
 HIPOCLORITO DE SÓDIO 1% OU ÁGUA SANITÁRIA 2,5%
 O hipoclorito de sódio tem atividade desinfectante de
amplo espectro, é fungicida, bactericida, com ação
moderada contra vírus e bactérias esporulada.
 O uso desse produto é restrito em alguns artigos. É
normalmente usado para desinfecção em concentrações
que variam de 0,02% a 1% dependendo da indicação. A
presença de matéria orgânica pode diminuir ou anular sua
ação contra os microrganismos.
 Os artigos devem ser previamente limpos e secos e após,
mergulhados no hipoclorito de sódio, na concentração
indicada.
 Todo o procedimento deve ser realizado com luvas e o
recipiente contendo a solução deve ser opaco e com tampa.
 Marcar o tempo de exposição e após esse período enxaguar
o artigo e secar.
 Uso de desinfetante nestas superfícies:
 Hipoclorito de sódio 0,1 a 0,5%
 Álcool a 70%
 Ácido peracético 0,5%
ESTERILIZAÇÃO DE ARTIGOS
 Independente do tipo de esterilização indicada os
princípios quanto à limpeza e ao acondicionamento do
material devem ser seguidos rigorosamente sob o risco
de invalidar o processo de esterilização.
 A limpeza prévia é a primeira etapa do processo de
esterilização e deve ser rigorosa, pois a presença de
matéria orgânica nos materiais submetidos aos
processos esterilizantes, como, por exemplo: sangue,
secreção purulenta e fezes, impedem a ação efetiva dos
agentes químicos e físicos.
 A fase da secagem é importante uma vez que de acordo
com o tipo de esterilização a qual o material será
exposto, a presença de água implicará danos e
interferências no processo. O envoltório para o
acondicionamento do material precisa ser compatível
com o processo de esterilização e adequado ao tipo de
artigo, a fim de garantir a esterilidade e manter a
integridade do processo.
 A identificação do artigo é outro aspecto do processo
que não deve ser desprezada. Todo artigo ou pacote
deve ser identificado com etiqueta, contendo data da
esterilização, a descrição sucinta do conteúdo e nome
do responsável pela esterilização.
 Dependendo do tipo de esterilização, a identificação é
feita antes ou após o término do processo.
 A esterilização pode ser obtida por processo físico,
físico-químico ou químico. Os processos físicos e
físico-químicos são os mais indicados, pois garantem a
destruição total de todas as formas de vida microbiana.
 O processo químico deve ser utilizado somente
quando não houver outro recurso, pois não dá garantia
total de esterilidade do material.
ESTERILIZAÇÃO POR PROCESSOS FÍSICOS
CALOR ÚMIDO:
 É o processo que oferece maior segurança e economia.
O equipamento utilizado é a autoclave. Este é o
método de primeira escolha, tratando-se de
esterilização por calor, pois preserva a estrutura dos
instrumentos metálicos e de corte, permite a
esterilização de tecidos, vidros e líquidos desde que
observados diferentes tempos de exposição e
invólucros.
 O período de exposição varia de acordo com o artigo, o
tipo de equipamento utilizado e a temperatura em que
está regulado o aparelho.
ETAPAS DA ESTERILIZAÇÃO
DESINFECÇÃO LIMPEZA ENXÁGUE
SECAGEM
INSPEÇÃO
VISUAL
EMBALAGEM
PARA
ESTERILIZAÇÃO
ESTERILIZAÇÃO
ETAPA 1: DESINFECÇÃO
 Os instrumentais contaminados devem passar pelo
processo de descontaminação e lavagem antes de serem
esterilizados.
 A desinfecção prévia à lavagem do material (instrumental)
deve ser feita com agente químico adequado, observando-
se o tempo de imersão e a diluição da solução preconizada
pelo fabricante (consultar instruções do rótulo).
 Observar a data de validade do produto.
ETAPA 2: LIMPEZA
 A limpeza dos instrumentais e materiais é a remoção
de sujidades, a fim de reduzir a carga microbiana, a
matéria orgânica e outros contaminantes; garantindo,
assim, a manutenção da vida útil do instrumento.
 O procedimento de limpeza é realizado manualmente
por meio de ação física aplicada sobre a superfície do
instrumento. Para isso podem ser utilizados: escova de
cerdas macias e cabo longo, escova de aço para brocas,
escova para limpeza de lúmen, pia com cuba profunda,
torneira com jato direcionável, detergente e água
corrente.
ETAPA 3: ENXÁGUE
 Após completa a limpeza dos instrumentais, eles
devem ser cuidadosamente enxaguados em água
potável e corrente.
ETAPA 4: SECAGEM
 A secagem dos artigos tem por objetivo evitar a
interferência da umidade no processo e aumentar a sua
eficácia deve ser feita após a lavagem.
ETAPA 5: INSPEÇÃO VISUAL
 Nessa etapa, é verificada a eficácia do processo de
limpeza e as condições de integridade do artigo. Se
necessário, proceder novamente à limpeza ou
substituição do artigo.
ETAPA 6: EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO
 Para ser esterilizado em autoclave, o material
rigorosamente limpo e seco deve ser acondicionado em
pacotes, os quais devem ser feitos com materiais que
permitam a passagem do vapor, o mais recomendado é o
papel grau cirúrgico.
 Antes de ser esterilizado, o material deverá ser embalado e
identificado. Nessa etapa, é importante a utilização de
indicadores químicos, que irão avaliar a presença dos
parâmetros críticos da esterilização a vapor: tempo,
temperatura e presença de vapor. Esses indicadores
químicos (fitas) são colocados no interior de cada pacote
antes da esterilização e após esterilizados, alteram sua cor.
ETAPA 7: ESTERILIZAÇÃO
 A esterilização é o processo que visa destruir ou
eliminar todas as formas de vida microbiana presentes.
Atente-se sempre para as recomendações de uso do
manual do equipamento fornecido pelo fabricante.
Central de Materiais
Expurgo:
 Unidade destinada a descarte de resíduos infectantes
como secreções e líquidos de caráter fisiológico em
geral, limpeza e desinfecção de materiais hospitalares.
Vírus - Bactérias - Fungos
Bactérias de Antigamente...
Bactérias de Hoje ...
Causadores de Doenças....
A incidência de infecções hospitalares
(Das infecções relacionadas à assistência à
saúde)por microorganismos
multirresistentes é o desafio para todos os
profissionais da área de saúde.
RESISTÊNCIA BACTERIANA
 A resistência bacteriana é a capacidade da
bactéria evitar a ação inibitória ou letal do
antimicrobiano.
 A capacidade bacteriana para resistir aos
antibióticos é mais ágil do que a capacidade
humana para desenvolver novos antibióticos.
Bactérias
RESISTÊNCIA BACTERIANA
U M G R ANDE PR OB L EMA HOSPITALAR
Morbidade /Mortalidade
Menos opções terapêuticas
Custos
Ocorrência de surtos
Reservatórios/ Fontes de
Contaminação
Superfícies Contaminadas
Superfícies Contaminadas
Sobrevivência no Ambiente
Limpeza
 Remoção de sujidade depositada em
superfícies inanimadas utilizando-se de
meios mecânicos (fricção), físicos
(temperatura) ou químicos (saneantes).
Desinfecção
 Processo físico ou químico que tem o
objetivo de destruir microrganismos
patogênicos de superfícies, através do uso
de solução desinfetante.
Limpeza Hospitalar
 Compreende a limpeza, desinfecção e
conservação das superfícies fixas e
equipamentos das diferentes áreas.
 Elemento primário e eficaz nas medidas de controle
para romper a cadeia epidemiológica das infecções;
 Visa garantir aos usuários uma permanência em local
limpo e com menor carga de contaminação possível.
 Contribui com a redução da possibilidade de
transmissão de infecções oriundas de fontes
inanimadas, pois as superfícies podem ser
reservatório de germes.
Classificação de Superfícies
 Limpeza e desinfecção de superfícies críticas
(freqüentemente tocadas) deve ser realizada com maior
periodicidade.
 Limpeza e desinfecção de superfícies não críticas não
necessita cuidados especiais mesmo em ambientes de
pacientes detectados com germes multirresistentes.
Boas Práticas em Limpeza
Hospitalar
 Proceder a freqüente higienização das mãos
 Não utilizar adornos (ex. anéis e pulseiras);
 Manter unhas curtas e limpas;
 Manter cabelos presos ou curtos;
 Profissionais do sexo masculino devem estar
barbeados;
 Uniforme: uso obrigatório. Usar somente no local de trabalho;
 Sapatos: são impermeáveis. Uso obrigatório;
 Óculos de proteção: limpeza das áreas altas em que se corra o
risco de respingos, (teto, parede, janelas);
 Máscara: para isolamentos e para risco de respingos
 Luvas: • uso obrigatório, são de PVC ou borracha,
antiderrapantes, de cano longo.
 Devem ser lavadas e desinfetadas após o uso.
 Uso exclusivo em atividades de limpeza e/ou coleta de
resíduos;
 Placas de sinalização:
 Dividir pisos ao meio para evitar acidentes,
deixando um lado livre para o trânsito de pessoal
 O uso de Equipamento de Proteção Individual
(EPI) deve ser apropriado para a atividade a ser
exercida;
 Uso de EPCs
 Não toque superfícies com as mãos enluvadas!
 Nunca varrer superfícies a seco
Favorece a dispersão de microrganismos;
 Proceder à varredura úmida – ensaboar, enxaguar e
secar;
 Todos os equipamentos deverão ser limpos a cada
término da jornada de trabalho;
 Não utilizar aspiradores de pó em áreas assistenciais;
 Não deixar os panos de molho, devem preferencialmente
ser encaminhados à lavanderia para processamento.
 A freqüência de limpeza das superfícies pode
ser estabelecida para cada serviço de acordo
com protocolo da instituição.
 Sentido unidirecional de limpeza (não realizar
movimentos de vaivém);
 De cima para baixo, dos fundos para a saída;
 Iniciar do local menos contaminado para o mais
contaminado;
 Utilizar dois baldes de cores diferentes - um balde para
detergente/desinfetante e outro para água limpa;
Desprezar soluções dos baldes a cada término de local de
limpeza;
Produtos Saneantes
 Utilizar somente produtos com registro específico para
limpeza hospitalar no Ministério da Saúde;
 Os produtos devem ser escolhidos pelo Serviço de
Higienização em parceria com o CIH;
 Nunca misturar produtos de limpeza.
Matéria Orgânica
 É toda substância originária do corpo: sangue, fluídos
corporais, urina, fezes, vômito, escarro...
 Superfícies contaminadas por matéria orgânica podem
favorecer sua dispersão no ambiente:
 Após seu ressecamento, representam um risco potencial
de contaminação pelo ar,
 Quando in natura, por contato direto e indireto.
Remoção de Matéria Orgânica
 A limpeza deve ser imediata;
 Remoção mecânica seguida de limpeza e desinfecção da
superfície.
Validação da Limpeza do Ambiente
 Observação direta: avaliação visual executada pelo
supervisor de higienização, registrada do check list;
 Marcadores fluorescentes:Implantação de pontos
estratégicos com gel fluorescente para serem verificados
com lâmpada de luz negra após a limpeza;
 ATP bioluminescência • Consiste na medição de
Adenosina Trifosfato (ATP), que é um nucleotídeo
encontrado em qualquer célula viva;
 • Permite verificar se o processo de limpeza foi eficaz.
 Swabs de ambiente: pesquisa de microorganismos no
ambiente através da passagem de um swab na superfície
a ser pesquisadas.
Por que validar a limpeza?
 Reconhecimento da importância das superfícies na
transmissão de micro-organismos;
 Higienização terceirizada com serviço de baixa
qualidade;
 Swabs de superfícies com resultados positivos para
germes de importância epidemiológica.
IRAS - Infecções Relacionadas à Assistência à
Saúde
Relacionado ao Paciente
Relacionado á Equipe de Saúde
Relacionado ao Material
Relacionado ao Ambiente
Multifatorial
 PACIENTE – Procedimentos invasivos, doenças de base,
fatores predisponentes, idade, peso, imunidade,
microbiota, outros.
 EQUIPE DE SAÚDE – Negligência, imprudência ou
imperícia. Mãos dos profissionais como agentes de
transmissão.
 MATERIAL – Processamento inadequado ou indevido,
(limpeza, desinfecção, esterilização, transporte,
armazenamento)
 AMBIENTE – Produtos inadequados, sobrevivência de
microrganismos em matéria orgânica ressecada em
temperatura ambiente em objetos inanimados
AMBIENTE COMO FONTE DE
CONTAMINAÇÃO
AMBIENTE LIMPO
Ambiente Inanimado como fonte de infecção
Superfícies c o n t a m i n a d a s a u m e n t a m a t ra n s m i s s ã o
Transmissão
 VEÍCULO PRINCIPAL:
Mãos
 RDC 42 – 25/10/2010 - Obrigatoriedade de
disponibilização de preparação alcoólica para
fricção anti-séptica das mãos, pelos serviços de
saúde do País, e dá outras providências.
Central de Materiais e Esterilização -
ESTRUTURA FÍSICA
 CME: Desenvolvidas atividades complexas capazes de promover
materiais livres de contaminação.
 Os materiais são lavados, preparados, acondicionados,
esterilizados e distribuídos para todo o serviço de saúde.
 O ponto de destaque na CME, é o trabalho em equipe atuando
com qualidade em todas as etapas do processo.
 EPIs : É imprescindível o uso correto dos EPIs para realização
técnicas de limpeza e desinfecção. São eles: aventais
impermeáveis, luvas anti-derrapantes de cano longo, óculos de
proteção, máscaras.
 Área limpa: Área de preparo: análise e separação dos
instrumentais, montagem de caixas, pacotes, materiais
especiais, etc...; Recepção de roupa limpa, separação e
dobradura; Área de esterilização: equipamento de
esterilização, montagem da carga, acompanhamento
do processo e desempenho do equipamento; Área de
armazenamento: condições ambientais favoráveis,
identificação dos artigos, data de preparo e validade;
Distribuição: definir horários.
Assepsia / Antissepsia / Degermação
 O que é assepsia?
A assepsia consiste num conjunto de métodos e
processos de higienização de determinado ambiente, com
a finalidade de evitar a contaminação do mesmo por
agentes infecciosos e patológicos.
O Que é Anti-sepsia?
 Já a anti-sepsia se diferencia principalmente por se utilizada em locais
onde há a presença de microrganismos indesejados (bactérias, vírus e
outros agentes patológicos).
 Neste caso, a anti-sepsia é feita através do uso de substâncias químicas,
como microbicidas, por exemplo, que visam eliminar ou diminuir a
proliferação das bactérias (ou demais microrganismos indesejados),
seja num organismo vivo ou num ambiente.
 Ambos os processos – assepsia e anti-sepsia – são comuns em locais
onde as presenças desses microrganismos devem ser totalmente
evitadas, como laboratórios e hospitais, por exemplo.
E a Degermação?
 Outro processo de desinfecção conhecido e utilizado
de modo mais corriqueiro é a degermação, que
consiste na eliminação de sujidades e impurezas da
pele, seja através de sabonetes ou detergentes líquidos
específicos para a limpeza.
 Lavar as mãos e tomar um banho são exemplos de
degermação.
GLOSSÁRIO
Obrigada Pela Atenção !

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf

Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdfAula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdfMayaraOliveira228
 
Esterilizantes slides (2)
Esterilizantes   slides (2)Esterilizantes   slides (2)
Esterilizantes slides (2)Biel Pinho
 
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização -  definições, fatores e etapas.pptIntrodução à higienização -  definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.pptGUILHERMEERNANDES1
 
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM E FARMÁCIA
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM  E FARMÁCIAAULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM  E FARMÁCIA
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM E FARMÁCIAKarineRibeiro57
 
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Conceicao Cavalcante
 
Aula biossegurança dna
Aula biossegurança   dnaAula biossegurança   dna
Aula biossegurança dnaanadeiva
 
biossegurança descart final
biossegurança descart finalbiossegurança descart final
biossegurança descart finalAdila Trubat
 
Infecção Hospitalar aula 1.pdf
Infecção Hospitalar aula 1.pdfInfecção Hospitalar aula 1.pdf
Infecção Hospitalar aula 1.pdfNome Sobrenome
 
assepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptx
assepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptxassepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptx
assepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptxWilliamdaCostaMoreir
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfRodrigoSimonato2
 
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.Eliete Santos
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemJuliana Maciel
 

Semelhante a Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf (20)

Cme completo
Cme completoCme completo
Cme completo
 
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdfAula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
 
Esterilizantes slides (2)
Esterilizantes   slides (2)Esterilizantes   slides (2)
Esterilizantes slides (2)
 
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização -  definições, fatores e etapas.pptIntrodução à higienização -  definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
BIOSSEGURANÇA.ppt
BIOSSEGURANÇA.pptBIOSSEGURANÇA.ppt
BIOSSEGURANÇA.ppt
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
 
Aula esterilizacao
Aula esterilizacaoAula esterilizacao
Aula esterilizacao
 
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM E FARMÁCIA
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM  E FARMÁCIAAULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM  E FARMÁCIA
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM E FARMÁCIA
 
Aula_CME_Atualizada.pptx
Aula_CME_Atualizada.pptxAula_CME_Atualizada.pptx
Aula_CME_Atualizada.pptx
 
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
 
Limpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalarLimpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalar
 
Aula biossegurança dna
Aula biossegurança   dnaAula biossegurança   dna
Aula biossegurança dna
 
biossegurança descart final
biossegurança descart finalbiossegurança descart final
biossegurança descart final
 
aula 1 e 2 CME.ppt
aula 1 e 2 CME.pptaula 1 e 2 CME.ppt
aula 1 e 2 CME.ppt
 
Infecção Hospitalar aula 1.pdf
Infecção Hospitalar aula 1.pdfInfecção Hospitalar aula 1.pdf
Infecção Hospitalar aula 1.pdf
 
assepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptx
assepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptxassepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptx
assepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptx
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
 
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
 

Último

Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
2. ADAPTAÇÕES VIDA EXTRA UTERINA.pdftodas as adaptações
2. ADAPTAÇÕES VIDA EXTRA UTERINA.pdftodas as adaptações2. ADAPTAÇÕES VIDA EXTRA UTERINA.pdftodas as adaptações
2. ADAPTAÇÕES VIDA EXTRA UTERINA.pdftodas as adaptaçõesTHIALYMARIASILVADACU
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfGiza Carla Nitz
 
dispneia NA sala emergência E URGENCIA HOSPITALAR
dispneia NA sala emergência E URGENCIA HOSPITALARdispneia NA sala emergência E URGENCIA HOSPITALAR
dispneia NA sala emergência E URGENCIA HOSPITALARBelinha Donatti
 
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdfGiza Carla Nitz
 
Aula 6 - Sistema Circulatório cardiovascular - Anatomia humana.pdf
Aula 6 - Sistema Circulatório cardiovascular - Anatomia humana.pdfAula 6 - Sistema Circulatório cardiovascular - Anatomia humana.pdf
Aula 6 - Sistema Circulatório cardiovascular - Anatomia humana.pdfGiza Carla Nitz
 
Guia alimentar para a população brasileira .pdf
Guia alimentar para a população brasileira  .pdfGuia alimentar para a população brasileira  .pdf
Guia alimentar para a população brasileira .pdfThiagoAlmeida458596
 
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdfAula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdfGiza Carla Nitz
 
Aula 3 - Epidemiologia - Conceito e História.pdf
Aula 3 - Epidemiologia - Conceito e História.pdfAula 3 - Epidemiologia - Conceito e História.pdf
Aula 3 - Epidemiologia - Conceito e História.pdfGiza Carla Nitz
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfGiza Carla Nitz
 
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdfAula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdfGiza Carla Nitz
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdfGiza Carla Nitz
 
AULA NUTRIÇÃO EM ENFERMAGEM.2024 PROF GABRIELLA
AULA NUTRIÇÃO EM ENFERMAGEM.2024 PROF GABRIELLAAULA NUTRIÇÃO EM ENFERMAGEM.2024 PROF GABRIELLA
AULA NUTRIÇÃO EM ENFERMAGEM.2024 PROF GABRIELLAgabriella462340
 
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdfAula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdfGiza Carla Nitz
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdfGiza Carla Nitz
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfGiza Carla Nitz
 
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para DownloadSlide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para DownloadJordanPrazeresFreita1
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfmarrudo64
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfamaroalmeida74
 

Último (20)

Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
2. ADAPTAÇÕES VIDA EXTRA UTERINA.pdftodas as adaptações
2. ADAPTAÇÕES VIDA EXTRA UTERINA.pdftodas as adaptações2. ADAPTAÇÕES VIDA EXTRA UTERINA.pdftodas as adaptações
2. ADAPTAÇÕES VIDA EXTRA UTERINA.pdftodas as adaptações
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
 
dispneia NA sala emergência E URGENCIA HOSPITALAR
dispneia NA sala emergência E URGENCIA HOSPITALARdispneia NA sala emergência E URGENCIA HOSPITALAR
dispneia NA sala emergência E URGENCIA HOSPITALAR
 
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
 
Aula 6 - Sistema Circulatório cardiovascular - Anatomia humana.pdf
Aula 6 - Sistema Circulatório cardiovascular - Anatomia humana.pdfAula 6 - Sistema Circulatório cardiovascular - Anatomia humana.pdf
Aula 6 - Sistema Circulatório cardiovascular - Anatomia humana.pdf
 
Guia alimentar para a população brasileira .pdf
Guia alimentar para a população brasileira  .pdfGuia alimentar para a população brasileira  .pdf
Guia alimentar para a população brasileira .pdf
 
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdfAula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
 
Aula 3 - Epidemiologia - Conceito e História.pdf
Aula 3 - Epidemiologia - Conceito e História.pdfAula 3 - Epidemiologia - Conceito e História.pdf
Aula 3 - Epidemiologia - Conceito e História.pdf
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
 
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdfAula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
 
AULA NUTRIÇÃO EM ENFERMAGEM.2024 PROF GABRIELLA
AULA NUTRIÇÃO EM ENFERMAGEM.2024 PROF GABRIELLAAULA NUTRIÇÃO EM ENFERMAGEM.2024 PROF GABRIELLA
AULA NUTRIÇÃO EM ENFERMAGEM.2024 PROF GABRIELLA
 
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdfAula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para DownloadSlide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
 

Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf

  • 1. Docente : Enf° Mariane Guerra
  • 2. CONCEITOS  a) HIGIENE: É o conjunto de hábitos e condutas que auxiliam na prevenção de doenças, manutenção da saúde e bem-estar, tanto individual quanto em coletivo.  b) LIMPEZA: É a remoção física de sujidades, detritos e microrganismos presentes em qualquer área e/ou artigo, mediante ação química (soluções detergentes, desincrostantes ou enzimáticas), mecânica (fricção) ou térmica. A limpeza pode ser realizada de forma manual ou mecânica.
  • 3.  c) DESINFECÇÃO: É o processo de destruição de microrganismos patogênicos ou não, na forma vegetativa, que possam existir nos artigos e nas áreas, através do uso de substâncias desinfetantes.  d) ESTERILIZAÇÃO: É o procedimento utilizado para destruir todas as formas de microrganismos, isto é, bactérias, fungos e vírus, na forma vegetativa e esporulada mediante a aplicação de agentes físicos ou químicos. A correta esterilização elimina 100% dos microrganismos presentes.
  • 4. MÉTODOS DE LIMPEZA  A limpeza do ambiente além de proporcionar bem- estar físico e psicológico aos adolescentes e servidores, é também uma ferramenta eficaz e importante para o controle de doenças.
  • 5. LIMPEZA CONCORRENTE  É a higienização diária de todas as áreas do Centro, com o objetivo da manutenção do que é limpo, reposição de materiais como: sabonete líquido, papel toalha, papel higiênico, saco para lixo, etc.  Inclui limpeza de piso, remoção de poeira do mobiliário e limpeza completa dos sanitários. A limpeza de portas, janelas e paredes devem ser realizadas apenas se houver alguma sujidade.
  • 6. Processos de Limpeza  Limpeza concorrente: - Limpeza realizada diariamente, em todas as unidades hospitalares com a finalidade de limpar e organizar o ambiente, repor os materiais de consumo diário e recolher os resíduos; Periodicidade: Áreas críticas: 3x/dia Áreas semicríticas: 2x/dia Áreas não-críticas: 1x/dia
  • 7. Limpeza concorrente  Inclui limpeza de superfícies horizontais, mobiliários, corredores, pisos e instalações sanitárias.
  • 8. LIMPEZA TERMINAL  É a higienização completa das áreas do Centro e quando necessário, a desinfecção para diminuição da sujidade e redução da população microbiana. É realizada de acordo com a rotina pré-estabelecida - uma vez por semana. Esta limpeza envolve pisos, paredes, tetos, janelas, sanitários, mobiliários, maçanetas e portas.
  • 9. Limpeza terminal  Limpeza terminal Limpeza completa e minuciosa, incluindo todas as superfícies horizontais e verticais, internas e externas do ambiente.
  • 10.  Limpeza terminal É realizada na unidade do paciente após alta hospitalar, transferências, óbitos ou internações de longa duração;  Periodicidade: Áreas críticas: semanal; Áreas semicríticas: quinzenal Áreas não-críticas: mensal
  • 11. CLASSIFICAÇÃO DAS ÁREAS ÁREAS NÃO CRITICAS ÁREAS SEMI - CRÍTICAS ÁREAS CRÍTICAS
  • 12. Áreas Críticas  São áreas em que existe o risco aumentado de transmissão de infecções. Exemplos: consultórios odontológicos, ambulatórios, locais destinados para esterilização e coleta de material para exames laboratoriais, cozinha e lavanderia.  Requerem limpeza e desinfecção
  • 13. Áreas Semi-críticas  São áreas onde o risco de transmissão de infecções é menor. Exemplo: consultórios e banheiros.  Requerem limpeza e desinfecção.
  • 14. Áreas Não Críticas  São áreas que tecnicamente não representam risco de transmissão de infecções. Exemplos: área administrativa, almoxarifado, recepção, corredores, dormitórios, salas de aula e áreas externas.  Requerem limpeza.
  • 15. LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE ARTIGOS  CLASSIFICAÇÃO DOS ARTIGOS ARTIGOS CRÍTICOS ARTIGOS SEMICRÍTICOS ARTIGOS NÃO CRÍTICOS
  • 16. Artigos Críticos:  São aqueles que penetram através da pele e mucosas, atingindo os tecidos subepiteliais, sistema vascular e outros órgãos isentos de flora bacteriana própria, bem como artigos que estejam diretamente conectados com estes. Exemplos: instrumentos de corte e de ponta, pinças, agulhas.  Observação: requerem esterilização.
  • 17. Artigos Semi-críticos:  São aqueles que entram em contato com a pele não íntegra ou com mucosas íntegras. Exemplos: ambú, máscara facial, máscara de inalação, medicamentos orais, inaláveis.  Observação: requerem desinfecção de alto nível ou esterilização, sendo que a esterilização é a opção mais segura para artigos semi-críticos que possam ser submetidas a esse tipo de procedimento.
  • 18. Artigos Não Críticos:  São todos que entram em contato com a pele íntegra. Exemplos: estetoscópio, esfigmomanômetro, termômetro.  Observação: requerem desinfecção de baixo e médio nível antes de serem novamente utilizados.
  • 19. LIMPEZA DE ARTIGOS  A limpeza deve começar imediatamente após o uso do material para evitar o ressecamento da matéria orgânica sobre os artigos e deve preceder os processos de desinfecção e esterilização, pois a sujeira, principalmente a matéria orgânica (sangue, urina, fezes), invalidam a ação completa dos desinfetantes e esterilizantes empregados. Além disso, os detritos presentes nos artigos podem proteger e nutrir os microrganismos.
  • 20.  Usa-se normalmente detergente que facilite a remoção da sujeira. Pode ser feita por método manual ou automatizado.  A limpeza manual é o procedimento que se destina à remoção de sujidades nos artigos. Esta deve ser realizada com água, detergente e escova. O tempo em que o material permanece de molho em solução de água e detergente serve para que as sujeiras mais pesadas sejam removidas e a matéria orgânica depositada seja amolecida.
  • 21.  Após a limpeza, o artigo deve secar sobre superfície limpa e protegida para o perfeito escoamento da água. No mercado encontramos vários tipos de detergentes: neutros (limpeza manual de artigos); desincrostantes e enzimáticos que facilitam a remoção de sujidades por imersão, sendo que o desincrostante é mais corrosivo e menos eficaz que o enzimático.
  • 22. A desinfecção de artigos pode ser realizada por dois métodos : FÍSICO QUÍMICO
  • 23.  O Método Físico é o processo que utiliza calor associado à ação mecânica.  O Método Químico é a imersão de artigos em soluções desinfectante, sendo indicado para os artigos sensíveis ao calor.
  • 24. TIPOS DE DESINFECÇÃO DESINFECÇÃO DE AUTO NÍVEL DESINFECÇÃO DE NÍVEL INTERMEDÍARIO DESINFECÇÃO DE BAIXO NÍVEL
  • 25.  Desinfecção de alto nível: é aquela que consegue destruir todos os microrganismos e algumas formas de esporos;  Desinfecção de nível intermediário: é aquela que inativa a maioria dos fungos, vírus e todas as bactérias na forma vegetativa;  Desinfecção de baixo nível: é aquela que destrói a maioria das bactérias e alguns vírus, não sendo eficaz contra o bacilo da tuberculose e esporos bacterianos.
  • 26. Produtos desinfectantes mais utilizados para a desinfecção de artigos:  ÁLCOOL 70°  É uma solução de ação instantânea, sem efeito residual. É inativado na presença de matéria orgânica. A desinfecção é realizada por meio de 3 fricções seguidas e o intervalo entre as fricções é o tempo de secagem do álcool.  A desinfecção com esse produto destrói bactérias, micobactérias e fungos, sendo seletiva para alguns vírus e não possui ação sobre bactérias . O seu uso prolongado e contínuo pode danificar alguns artigos, principalmente os de borracha, plástico e acrílico.
  • 27.  HIPOCLORITO DE SÓDIO 1% OU ÁGUA SANITÁRIA 2,5%  O hipoclorito de sódio tem atividade desinfectante de amplo espectro, é fungicida, bactericida, com ação moderada contra vírus e bactérias esporulada.  O uso desse produto é restrito em alguns artigos. É normalmente usado para desinfecção em concentrações que variam de 0,02% a 1% dependendo da indicação. A presença de matéria orgânica pode diminuir ou anular sua ação contra os microrganismos.  Os artigos devem ser previamente limpos e secos e após, mergulhados no hipoclorito de sódio, na concentração indicada.  Todo o procedimento deve ser realizado com luvas e o recipiente contendo a solução deve ser opaco e com tampa.  Marcar o tempo de exposição e após esse período enxaguar o artigo e secar.
  • 28.  Uso de desinfetante nestas superfícies:  Hipoclorito de sódio 0,1 a 0,5%  Álcool a 70%  Ácido peracético 0,5%
  • 29. ESTERILIZAÇÃO DE ARTIGOS  Independente do tipo de esterilização indicada os princípios quanto à limpeza e ao acondicionamento do material devem ser seguidos rigorosamente sob o risco de invalidar o processo de esterilização.  A limpeza prévia é a primeira etapa do processo de esterilização e deve ser rigorosa, pois a presença de matéria orgânica nos materiais submetidos aos processos esterilizantes, como, por exemplo: sangue, secreção purulenta e fezes, impedem a ação efetiva dos agentes químicos e físicos.
  • 30.  A fase da secagem é importante uma vez que de acordo com o tipo de esterilização a qual o material será exposto, a presença de água implicará danos e interferências no processo. O envoltório para o acondicionamento do material precisa ser compatível com o processo de esterilização e adequado ao tipo de artigo, a fim de garantir a esterilidade e manter a integridade do processo.
  • 31.  A identificação do artigo é outro aspecto do processo que não deve ser desprezada. Todo artigo ou pacote deve ser identificado com etiqueta, contendo data da esterilização, a descrição sucinta do conteúdo e nome do responsável pela esterilização.  Dependendo do tipo de esterilização, a identificação é feita antes ou após o término do processo.
  • 32.  A esterilização pode ser obtida por processo físico, físico-químico ou químico. Os processos físicos e físico-químicos são os mais indicados, pois garantem a destruição total de todas as formas de vida microbiana.  O processo químico deve ser utilizado somente quando não houver outro recurso, pois não dá garantia total de esterilidade do material.
  • 33. ESTERILIZAÇÃO POR PROCESSOS FÍSICOS CALOR ÚMIDO:  É o processo que oferece maior segurança e economia. O equipamento utilizado é a autoclave. Este é o método de primeira escolha, tratando-se de esterilização por calor, pois preserva a estrutura dos instrumentos metálicos e de corte, permite a esterilização de tecidos, vidros e líquidos desde que observados diferentes tempos de exposição e invólucros.  O período de exposição varia de acordo com o artigo, o tipo de equipamento utilizado e a temperatura em que está regulado o aparelho.
  • 34.
  • 35. ETAPAS DA ESTERILIZAÇÃO DESINFECÇÃO LIMPEZA ENXÁGUE SECAGEM INSPEÇÃO VISUAL EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZAÇÃO
  • 36. ETAPA 1: DESINFECÇÃO  Os instrumentais contaminados devem passar pelo processo de descontaminação e lavagem antes de serem esterilizados.  A desinfecção prévia à lavagem do material (instrumental) deve ser feita com agente químico adequado, observando- se o tempo de imersão e a diluição da solução preconizada pelo fabricante (consultar instruções do rótulo).  Observar a data de validade do produto.
  • 37. ETAPA 2: LIMPEZA  A limpeza dos instrumentais e materiais é a remoção de sujidades, a fim de reduzir a carga microbiana, a matéria orgânica e outros contaminantes; garantindo, assim, a manutenção da vida útil do instrumento.  O procedimento de limpeza é realizado manualmente por meio de ação física aplicada sobre a superfície do instrumento. Para isso podem ser utilizados: escova de cerdas macias e cabo longo, escova de aço para brocas, escova para limpeza de lúmen, pia com cuba profunda, torneira com jato direcionável, detergente e água corrente.
  • 38.
  • 39. ETAPA 3: ENXÁGUE  Após completa a limpeza dos instrumentais, eles devem ser cuidadosamente enxaguados em água potável e corrente.
  • 40. ETAPA 4: SECAGEM  A secagem dos artigos tem por objetivo evitar a interferência da umidade no processo e aumentar a sua eficácia deve ser feita após a lavagem.
  • 41. ETAPA 5: INSPEÇÃO VISUAL  Nessa etapa, é verificada a eficácia do processo de limpeza e as condições de integridade do artigo. Se necessário, proceder novamente à limpeza ou substituição do artigo.
  • 42. ETAPA 6: EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO  Para ser esterilizado em autoclave, o material rigorosamente limpo e seco deve ser acondicionado em pacotes, os quais devem ser feitos com materiais que permitam a passagem do vapor, o mais recomendado é o papel grau cirúrgico.  Antes de ser esterilizado, o material deverá ser embalado e identificado. Nessa etapa, é importante a utilização de indicadores químicos, que irão avaliar a presença dos parâmetros críticos da esterilização a vapor: tempo, temperatura e presença de vapor. Esses indicadores químicos (fitas) são colocados no interior de cada pacote antes da esterilização e após esterilizados, alteram sua cor.
  • 43.
  • 44. ETAPA 7: ESTERILIZAÇÃO  A esterilização é o processo que visa destruir ou eliminar todas as formas de vida microbiana presentes. Atente-se sempre para as recomendações de uso do manual do equipamento fornecido pelo fabricante.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49. Central de Materiais Expurgo:  Unidade destinada a descarte de resíduos infectantes como secreções e líquidos de caráter fisiológico em geral, limpeza e desinfecção de materiais hospitalares.
  • 53. Causadores de Doenças.... A incidência de infecções hospitalares (Das infecções relacionadas à assistência à saúde)por microorganismos multirresistentes é o desafio para todos os profissionais da área de saúde.
  • 54. RESISTÊNCIA BACTERIANA  A resistência bacteriana é a capacidade da bactéria evitar a ação inibitória ou letal do antimicrobiano.
  • 55.  A capacidade bacteriana para resistir aos antibióticos é mais ágil do que a capacidade humana para desenvolver novos antibióticos. Bactérias
  • 56. RESISTÊNCIA BACTERIANA U M G R ANDE PR OB L EMA HOSPITALAR Morbidade /Mortalidade Menos opções terapêuticas Custos Ocorrência de surtos
  • 61.
  • 62.
  • 63. Limpeza  Remoção de sujidade depositada em superfícies inanimadas utilizando-se de meios mecânicos (fricção), físicos (temperatura) ou químicos (saneantes).
  • 64. Desinfecção  Processo físico ou químico que tem o objetivo de destruir microrganismos patogênicos de superfícies, através do uso de solução desinfetante.
  • 65. Limpeza Hospitalar  Compreende a limpeza, desinfecção e conservação das superfícies fixas e equipamentos das diferentes áreas.
  • 66.  Elemento primário e eficaz nas medidas de controle para romper a cadeia epidemiológica das infecções;  Visa garantir aos usuários uma permanência em local limpo e com menor carga de contaminação possível.
  • 67.  Contribui com a redução da possibilidade de transmissão de infecções oriundas de fontes inanimadas, pois as superfícies podem ser reservatório de germes.
  • 68. Classificação de Superfícies  Limpeza e desinfecção de superfícies críticas (freqüentemente tocadas) deve ser realizada com maior periodicidade.  Limpeza e desinfecção de superfícies não críticas não necessita cuidados especiais mesmo em ambientes de pacientes detectados com germes multirresistentes.
  • 69. Boas Práticas em Limpeza Hospitalar  Proceder a freqüente higienização das mãos  Não utilizar adornos (ex. anéis e pulseiras);  Manter unhas curtas e limpas;  Manter cabelos presos ou curtos;  Profissionais do sexo masculino devem estar barbeados;
  • 70.
  • 71.  Uniforme: uso obrigatório. Usar somente no local de trabalho;  Sapatos: são impermeáveis. Uso obrigatório;  Óculos de proteção: limpeza das áreas altas em que se corra o risco de respingos, (teto, parede, janelas);  Máscara: para isolamentos e para risco de respingos  Luvas: • uso obrigatório, são de PVC ou borracha, antiderrapantes, de cano longo.  Devem ser lavadas e desinfetadas após o uso.  Uso exclusivo em atividades de limpeza e/ou coleta de resíduos;
  • 72.
  • 73.  Placas de sinalização:  Dividir pisos ao meio para evitar acidentes, deixando um lado livre para o trânsito de pessoal  O uso de Equipamento de Proteção Individual (EPI) deve ser apropriado para a atividade a ser exercida;  Uso de EPCs
  • 74.  Não toque superfícies com as mãos enluvadas!
  • 75.  Nunca varrer superfícies a seco Favorece a dispersão de microrganismos;  Proceder à varredura úmida – ensaboar, enxaguar e secar;
  • 76.  Todos os equipamentos deverão ser limpos a cada término da jornada de trabalho;  Não utilizar aspiradores de pó em áreas assistenciais;  Não deixar os panos de molho, devem preferencialmente ser encaminhados à lavanderia para processamento.
  • 77.  A freqüência de limpeza das superfícies pode ser estabelecida para cada serviço de acordo com protocolo da instituição.
  • 78.  Sentido unidirecional de limpeza (não realizar movimentos de vaivém);  De cima para baixo, dos fundos para a saída;  Iniciar do local menos contaminado para o mais contaminado;
  • 79.  Utilizar dois baldes de cores diferentes - um balde para detergente/desinfetante e outro para água limpa; Desprezar soluções dos baldes a cada término de local de limpeza;
  • 80. Produtos Saneantes  Utilizar somente produtos com registro específico para limpeza hospitalar no Ministério da Saúde;  Os produtos devem ser escolhidos pelo Serviço de Higienização em parceria com o CIH;  Nunca misturar produtos de limpeza.
  • 81. Matéria Orgânica  É toda substância originária do corpo: sangue, fluídos corporais, urina, fezes, vômito, escarro...  Superfícies contaminadas por matéria orgânica podem favorecer sua dispersão no ambiente:  Após seu ressecamento, representam um risco potencial de contaminação pelo ar,  Quando in natura, por contato direto e indireto.
  • 82.
  • 83. Remoção de Matéria Orgânica  A limpeza deve ser imediata;  Remoção mecânica seguida de limpeza e desinfecção da superfície.
  • 84. Validação da Limpeza do Ambiente  Observação direta: avaliação visual executada pelo supervisor de higienização, registrada do check list;
  • 85.  Marcadores fluorescentes:Implantação de pontos estratégicos com gel fluorescente para serem verificados com lâmpada de luz negra após a limpeza;
  • 86.  ATP bioluminescência • Consiste na medição de Adenosina Trifosfato (ATP), que é um nucleotídeo encontrado em qualquer célula viva;  • Permite verificar se o processo de limpeza foi eficaz.
  • 87.  Swabs de ambiente: pesquisa de microorganismos no ambiente através da passagem de um swab na superfície a ser pesquisadas.
  • 88. Por que validar a limpeza?  Reconhecimento da importância das superfícies na transmissão de micro-organismos;  Higienização terceirizada com serviço de baixa qualidade;  Swabs de superfícies com resultados positivos para germes de importância epidemiológica.
  • 89. IRAS - Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Relacionado ao Paciente Relacionado á Equipe de Saúde Relacionado ao Material Relacionado ao Ambiente Multifatorial
  • 90.  PACIENTE – Procedimentos invasivos, doenças de base, fatores predisponentes, idade, peso, imunidade, microbiota, outros.  EQUIPE DE SAÚDE – Negligência, imprudência ou imperícia. Mãos dos profissionais como agentes de transmissão.  MATERIAL – Processamento inadequado ou indevido, (limpeza, desinfecção, esterilização, transporte, armazenamento)  AMBIENTE – Produtos inadequados, sobrevivência de microrganismos em matéria orgânica ressecada em temperatura ambiente em objetos inanimados
  • 91. AMBIENTE COMO FONTE DE CONTAMINAÇÃO
  • 92.
  • 94.
  • 95. Ambiente Inanimado como fonte de infecção Superfícies c o n t a m i n a d a s a u m e n t a m a t ra n s m i s s ã o
  • 97.  RDC 42 – 25/10/2010 - Obrigatoriedade de disponibilização de preparação alcoólica para fricção anti-séptica das mãos, pelos serviços de saúde do País, e dá outras providências.
  • 98. Central de Materiais e Esterilização - ESTRUTURA FÍSICA  CME: Desenvolvidas atividades complexas capazes de promover materiais livres de contaminação.  Os materiais são lavados, preparados, acondicionados, esterilizados e distribuídos para todo o serviço de saúde.  O ponto de destaque na CME, é o trabalho em equipe atuando com qualidade em todas as etapas do processo.  EPIs : É imprescindível o uso correto dos EPIs para realização técnicas de limpeza e desinfecção. São eles: aventais impermeáveis, luvas anti-derrapantes de cano longo, óculos de proteção, máscaras.
  • 99.  Área limpa: Área de preparo: análise e separação dos instrumentais, montagem de caixas, pacotes, materiais especiais, etc...; Recepção de roupa limpa, separação e dobradura; Área de esterilização: equipamento de esterilização, montagem da carga, acompanhamento do processo e desempenho do equipamento; Área de armazenamento: condições ambientais favoráveis, identificação dos artigos, data de preparo e validade; Distribuição: definir horários.
  • 100. Assepsia / Antissepsia / Degermação  O que é assepsia? A assepsia consiste num conjunto de métodos e processos de higienização de determinado ambiente, com a finalidade de evitar a contaminação do mesmo por agentes infecciosos e patológicos.
  • 101. O Que é Anti-sepsia?  Já a anti-sepsia se diferencia principalmente por se utilizada em locais onde há a presença de microrganismos indesejados (bactérias, vírus e outros agentes patológicos).  Neste caso, a anti-sepsia é feita através do uso de substâncias químicas, como microbicidas, por exemplo, que visam eliminar ou diminuir a proliferação das bactérias (ou demais microrganismos indesejados), seja num organismo vivo ou num ambiente.  Ambos os processos – assepsia e anti-sepsia – são comuns em locais onde as presenças desses microrganismos devem ser totalmente evitadas, como laboratórios e hospitais, por exemplo.
  • 102. E a Degermação?  Outro processo de desinfecção conhecido e utilizado de modo mais corriqueiro é a degermação, que consiste na eliminação de sujidades e impurezas da pele, seja através de sabonetes ou detergentes líquidos específicos para a limpeza.  Lavar as mãos e tomar um banho são exemplos de degermação.