Princípios de biossegurança pdf

3.314 visualizações

Publicada em

Aula sobre os princípios da biossegurança.

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.314
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
111
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Princípios de biossegurança pdf

  1. 1. PRINCÍPIOS DE BIOSSEGURANÇA Prof. MSc: Rherysonn Pantoja
  2. 2. Conceituando  Biossegurança é um conjunto de procedimentos, ações, técnicas, metodologias, equipamentos e dispositivos capazes de eliminar ou minimizar riscos inerentes as atividades profissionais, que podem comprometer a saúde do homem, dos animais, do meio ambiente ou a qualidade dos trabalhos desenvolvidos. (Manual de Biossegurança, 2008)
  3. 3. Biossegurança Hospitais Laboratório Universidades UBS Hemocentro Indústrias
  4. 4. Finalidade Biossegurança:  Existe com a finalidade de prevenção dos riscos gerados pelos agentes químicos e físicos envolvidos em processos de saúde, onde o risco biológico se faz presente ou não.
  5. 5. Têm-se como principais medidas de biossegurança, as seguintes: a lavagem das mãos; uso de Equipamento de Proteção Individual (EPI’S); uso de técnicas assépticas e as barreiras físicas, designadas também como isolamentos de contato e respiratório; presença de Equipamento de Proteção coletiva.
  6. 6. óculos sapatos jaleco luvas Equipameto de Proteção Individual (EPI)
  7. 7. Equipameto de Proteção Coletiva (EPC)
  8. 8. Tipos de Riscos Físicos Químicos Biológicos Acidentes e Ergonômicos
  9. 9. Tipos de Riscos Físicos Químicos Biológicos Acidentes e Ergonômicos -Provocados por algum tipo de energia e impacto; - A caracterização depende do equipamento; - Principais: * Equipamentos que geram calor ou chamas; * Equipamentos de baixa temperatura.
  10. 10. Tipos de Riscos -Conhecimento das substâncias químicas; - Cuidados adequados para o manuseio. Físicos Químicos Biológicos Acidentes e Ergonômicos
  11. 11. Tipos de Riscos - Decorrentes da exposição à produtos de animais, vegetais e microrganismos; - Agentes microbiológicos: * Grau de patogenicidade * Poder de invasão * Resistência a esterilização * Virulência * Capacidade mutagênica - Vias de contaminação. Físicos Químicos Biológicos Acidentes e Ergonômicos
  12. 12. Tipos de Riscos - Fatores que gerem situações de risco para a integridade física e moral; - Fatores que possam interferir nas características psicofisiológicas. Físicos Químicos Biológicos Acidentes e Ergonômicos
  13. 13. Conceitos em Biossegurança Paciente - paciente Paciente - profissional Profissional -paciente Infecção Cruzada Fômite Qualquer item, exceto alimentos, que possa disseminar infecção. Ex: Roupas de cama, vestuário, pratos e talheres.
  14. 14. LIMPEZA DEGERMAÇÃO SANIFICAÇÃO Remoção de material estranho de superfícies e objetos. Normalmente feita com água e sabão. Remoção ou redução do número de microrganismos da pele por meios químicos- mecânicos. Diminuição dos germes patogênicos a um nível considerado isento de perigo. Ex: Consultórios, refeitórios, laboratórios. Conceitos em Biossegurança
  15. 15. ASSEPSIA ANTI-SEPSIA Impedir a penetração de microrganismos num local que não os contenha. Ex: Assepsia de um material cirúrgico a ser usado. Inibição do crescimento em tecidos vivos, através de substâncias bacteriostáticas ou bactericidas. Ex: Anti-sepsia de um local para aplicar injeção. Conceitos em Biossegurança
  16. 16. DESINFECÇÃO ESTERILIZAÇÃO Destruição, remoção ou redução dos microrganismos em material inanimado. Não implica na destruição de todos os microrganismos. Destruição de todas as formas de vida, presentes em um material por meio de agentes químicos ou físicos. Conceitos em Biossegurança
  17. 17. Níveis de Desinfecção  Desinfecção de BAIXO NÍVEL:  Morte de alguns microrganismos. Porém algumas formas patológicas sobrevivem, como o Mycobacterium Tuberculosis, alguns vírus, (como o VHB), além de esporos bacterianos.  Álcool etílico 70% e álcool isopropílico;  Hipoclorito de sódio (100ppm).
  18. 18.  Desinfecção de MÉDIO NÍVEL  A mesma eficiência da desinfecção de médio nível, mais a exterminação de bactérias mais resistentes como o M. tuberculosis, a maioria dos vírus (inclusive o VHB).  Porém, alguns vírus e os esporos bacterianos sobrevivem.  Álcool etílico 70% e álcool isopropílico  Hipoclorito de Sódio (100ppm) – Maior tempo de exposição Níveis de Desinfecção
  19. 19.  Desinfecção de ALTO NÍVEL:  Eliminação de quase todos os microrganismos, e agentes patológicos em geral. Porém alguns vírus e esporos mais resistentes ainda sobrevivem.  Glutaraldeído 2% por 30 minutos. Tipos de Desinfecção
  20. 20. Métodos de esterilização  CALOR SECO  Estufa:  30 min. a 180ºC, 1h a 170ºC ou 2h a 160ºC  CALOR ÚMIDO  Autoclave: Vapor sob pressão  15 minutos – 121ºC  Poder maior de esterilização
  21. 21.  RADIAÇÃO  Raios emitidos por uma fonte artificial, sob a forma de ondas eletromagnéticas.  Raios Ultravioleta:  Ambientes de manipulação de produtos estéreis (soluções parenterais ou quimioterápicos)  Sanificação de ambientes contaminados (quarto de isolamento de doentes infectocontagiosos) Métodos de esterilização
  22. 22.  PROCESSOS QUÍMICOS  Óxido de Etileno por 4 horas.  Glutaraldeído 2% por 10 horas.  Solução de Formaldeído 38% por 18 horas. Métodos de esterilização

×