SlideShare uma empresa Scribd logo
CURSO TÉCNICO EM
FARMÁCIA
Módulo 1
BIOSSEGURANÇA
PROF.A KARINE RIBEIRO
INTRODUÇÃO
Este material foi elaborado com o
objetivo de nortear as aulas de Biossegurança,
disciplina integrante do curso Técnico de
Farmácia, propiciando ao aluno um
conhecimento generalizado ao perfil do
profissional de Técnico em Farmácia, tornando-
o competitivo no mercado de trabalho.
Introdução à Biossegurança
• A biossegurança diz respeito ao conjunto de
ações voltadas para a prevenção, proteção
do trabalhador, minimização de riscos
inerentes às atividades de pesquisa,
produção, ensino, desenvolvimento
tecnológico e prestação de serviços, visando à
saúde do homem, dos animais, a preservação
do meio ambiente e a qualidade dos
resultados, como preconizam Teixeira &
Valle (1996).
Introdução à Biossegurança
O técnico em Farmácia é um profissional da saúde
e por isso será necessário que tenha
conhecimento sobre biossegurança,
principalmente porque ele será responsável
pela coleta e processamento de vários
tipos de amostras biológicas,desde
sangue, secreções, urina e fezes. Assim, o
conhecimento de biossegurança auxiliará no
trabalho do técnico e na prevenção de acidentes.
Histórico de Acidentes
Meyer e Eddie (1941) :
74 casos de brucelose associados a laboratório nos
Estados Unidos.
Causa: Falta de cuidado e Técnica de manuseio
incorreto da bactéria Brucellas
Histórico de Acidentes
Vírus Marbug (1967): 37 pessoas infectadas
nas cidades de Marbug e Frankfurt na
Alemanha. Causa: macacos Cercopitheceus
aethiops infectados, importados de Uganda
para o desenvolvimento de vacinas.
Histórico de Acidentes
Febre Aftosa (2007): Surto de febre aftosa
próxima a laboratório no Reino Unido.
Causa: defeito em uma válvula de
transferência de produtos deixou escapar o
vírus
Acidentes com Profissionais da Saúde
INTERNACIONAL HEALTH CARE WORKER SAFETY CENTER:
236.000 injúrias com material perfuro cortante ocorrem
anualmente em hospitais americanos.
Probabilidade de Infecção
HIV
HEPATITE B
HEPATITE C
Acidentes com Profissionais da Saúde
Um em cada 270 profissionais da área de saúde é contaminado pelo
vírus HIV.
Exemplo: De 46 profissionais que se acidentaram em um hospital em MG, 22 eram
profissionais da área de enfermagem, e 8 profissionais eram da área de limpeza e
lavanderia e o restante era acadêmicos e outros profissionais
Biossegurança
MEIO
AMBIENTE
ÉTICA
RISCOS ACIDENTE
Biossegurança
“Processo voltado para a segurança, o controle e a
diminuição de riscos advindos da biotecnologia”
(Comissão Técnica Nacional de Biossegurança -
CTNBio)
Biotecnologia
“Qualquer aplicação tecnológica que utilize
organismos vivos ou seus derivados, para fabricar
ou modificar produtos ou processos para
utilização específica” (ONU)
Exemplos de aplicação da Biotecnologia
• Industria Farmacêutica (cosmético, antivirais,
moléculas biotivas)
• Industria de Alimentos (bebidas, iogurte,
transgênicos)
• Agronegócio (Controle de pragas,
Bioinseticida, Transgênicos)
• Química (enzimas, biopolímeros, biomateriais)
• Área Ambiental (aproveitamento e tratamento
biológico de resíduos, bioenergia)
Perigo X Risco
❖ Perigo: Situação que tenha o potencial de
causar um dano, lesão, avaria ou doença
❖ Risco: Exposição ao perigo X gravidade do
dano
“O Perigo é a fonte geradora e o Risco é
exposição a está fonte.”
Medidas de Higienização
Denomina-se higiene limpeza, asseio, a inter-relação
entre o homem e o meio ambiente, no sentido da
preservação da saúde, como preconiza Coringa (2012).
Há várias formas de higienização, desde a individual
(banho, cabelos, unhas e mãos, boca, dentes e
vestuário), a coletiva (saneamento básico, água,
esgoto, lixo, vetores), até a mental (equilíbrio,
costumes morais e sociais), e a do trabalho (riscos
físicos, químicos e biológicos), e ambiental (limpeza de
moveis, utensílios e estrutura).
Antissepsia
Diz-se do conjunto de medidas propostas para inibir
o crescimento de micro- organismos ou removê-los
de um determinado ambiente, podendo ou não
destruí- los, utilizando, para tanto, antissépticos ou
desinfetantes. Uma das medidas mais comuns é a
higienização das mãos, conforme se observa a seguir.
Antissepsia
 Higienização antisséptica das mãos:
Esta medida objetiva promover a remoção de
sujidades e de microrganismos, reduzindo a carga
microbiana das mãos, com auxílio de um antisséptico, com
uma duração total do procedimento de
aproximadamente de 40 a 60 segundos. Conforme
orienta o Ministério da Saúde (1997), a técnica de
higienização antisséptica é a mesma utilizada para
higienização simples das mãos, substituindo-se o sabão por
um antisséptico. Exemplo: antisséptico degermante.
:
• Método de higienização antisséptica das mãos
ANTISSÉPTICO
“Um antisséptico adequado deve exercer a
atividade germicida* sobre a flora cutâneo-
mucosa em presença de sangue, soro, muco
ou pus, sem irritar a pele ou as mucosas”.
*Destroem: bactérias, fungos, vírus
RDC ANVISA: Nº 199/ 2006
Detergentes Enzimáticos e Soluções
Desinfetantes
ENZIMAS
CONSIDERAÇÕES
Os agentes que melhor satisfazem as
exigências para aplicação em tecidos
vivos são os iodos, a clorexidina, o álcool
e o hexaclorofeno
CONSIDERAÇÕES
Soluções antissépticas com detergentes
(degermantes) e se destinam à degermação da pele,
removendo detritos e impurezas e realizando
antissepsia parcial:
•-Solução detergente de PVPI a 10% (1% de iodo
ativo)
•Solução detergente de clorexidina a 4 %, com 4%
de álcool etílico.
•Solução antissépticas alcoólica para antissepsia das
mãos: -Álcool etílico a 70%, com ou sem 2% de
glicerina.
Diz respeito ao conjunto de medidas utilizadas para impedir a penetração de
micro-organismos no ambiente.
 Descontaminação
Diz-se do processo que visa destruir microrganismos patogênicos, utilizado em
artigos contaminados ou em superfície ambiental, tornando-os, consequentemente,
seguros ao manuseio. Pode ser realizada pelas formas descritas a seguir (MINISTÉRIO DA
SAÚDE, 1997):
 Processo químico: no qual os artigos são imersos em solução desinfetante antes de
se proceder a limpeza;
 Por processo mecânico, utilizando-se máquina termo desinfectadora ou similar; ou,
 Por processo físico, indicando-se a imersão do artigo em água fervente durante 30
minutos (método nem sempre indicado pois, há impregnação de matéria orgânica
quando aplicado a artigos sujos.
Assepsia
CLASSIFICAÇÃO DA DESINFECÇÃO
Processos físicos de desinfecção
 Pasteurização: é uma desinfecção
realizada em lavadoras automáticas,
com exposição do artigo em água a
temperaturas de aproximadamente 60 a
90 graus centígrados por 10 a 30
minutos, conforme a instrução do
fabricante. É indicada para a desinfecção
de circuitos de respiradores.
Processos físicos de desinfecção
Água em ebulição ou fervura: utilizada para desinfecção de
alto nível em artigos termorresistentes. Consiste em
imergir totalmente o material em água fervente, com
tempo de exposição de 30 minutos, após o que o material
é retirado com o auxílio de pinça desinfetada e luvas de
amianto de cano longo. Em seguida, deve ser seco e
guardado em recipiente limpo ou desinfetado – ressalve-se
que esse procedimento é indicado apenas nas situações em
que não se disponha de outros métodos físicos ou
químicos.
ESTERILIZAÇÃO
Esterilização é a destruição de todos os organismos
vivos, mesmo os esporos bacterianos, de um objeto. Para
tanto, utilizam-se de agentes físicos e químicos. Os meios
de esterilização podem ser físicos e químicos, e também
por meio de óxido de etileno e por radiação, conforme
descrito a seguir.
 Físicos:
A esterilização por físico compreende: calor seco
(estufa, flambagem, fulguração); calor úmido (fervura,
autoclave); e radiações (raios alfa, gama e raios-X).
Descontaminação por limpeza mecânica
Lavadoras termodesinfectora:
limpam pela força de jatos d’água e
utilizam água quente em uma das
etapas, associada à ação de
detergentes para a remoção de
sujidades. Limpeza mecânica que
descontamina.
Lavadoras termodesinfectora
Descontaminação por limpeza
mecânica
Lavadora esterilizadora: opera com
um ciclo de pré-limpeza, limpeza com
detergente, enxágue e esterilização.
Realiza um ciclo completo de lavagem
e um ciclo de esterilização. É uma
máquina que faz todos os processos.
Lavadora esterilizadora
Tipos de Esterilização - Processos Físicos
Vapor saturado sob pressão - É um
processo utilizado para esterilização de
artigos termo resistentes através de
autoclaves gravitacional e pré-vácuo. É o
mais seguro, econômico e o mais utilizado
em hospitais além de apresentar facilidade
de uso, ausência de toxidade e rapidez.
Baseia-se na transformação das partículas
em vapor sob a mesma temperatura. Não
serve para esterilizar pós e líquido.
Tipos de Esterilização - Processos Físicos
 Vapor saturado sob pressão - Nas autoclaves são
utilizados três parâmetros essenciais: tempo de vapor,
temperatura e pressão. O ciclo de esterilização das
autoclaves compreende a drenagem do ar, admissão do
vapor, exposição do material ao agente esterilizante e
exaustão do vapor com secagem da carga. As
embalagens que podem ser utilizadas nesse processo
são: campo de algodão, papel grau cirúrgico, papel
crepado, filmes transparentes, contêineres, caixas
metálicas, e não tecido.
Tipos de Esterilização - Processos Físicos
Vapor saturado sob pressão - O controle do
processo é feita por registros dos parâmetros
(tempo, temperatura e manovacuômetro), teste de
Bowie & Dick, indicadores químicos e biológicos.
Alguns cuidados devem ser realizados no processo:
não apertar muito o pacote para ajudar na entrada
do vapor, colocar os pacotes verticalmente, não
colocar os pacotes sobre local frio após a
esterilização para evitar condensação.
ESTERILIZAÇÃO
 Químicos:
A esterilização por meio químico compreende o uso
desinfetantes.
Observa-se também a esterilização por meio do óxido
de etileno, autorizado pelo Ministério da Saúde, como
agente químico para esterilização, por meio da portaria
930/1992. Este tipo de esterilização precisa de três
unidades: aparelho de autoclave combinado, gás e vapor;
aparelho de comando que vai misturar o gás, e o freon na
concentração pré-estabelecida e o aparelho aerador.
Desinfecção por processo químico
A desinfecção por processo químico é feita por meio de imersão
em soluções germicidas. Para garantir a eficácia da ação, faz-se
necessário que:
a) o artigo esteja bem limpo, pois a presença de matéria orgânica
reduz ou inativa a ação do desinfetante;
b) esteja seco, para não alterar a concentração do desinfetante; que
esteja totalmente imerso na solução, sem a presença de bolhas de
ar;
c) o tempo de exposição recomendado seja respeitado; e,
d) durante o processo o recipiente seja mantido tampado e o produto
esteja dentro do prazo de validade (CIEP, 2015).
DESINFECTANTES
• Portaria nº 122, de 29 de Novembro
1993. - Determina a inclusão na
portaria nº 15, de 23 de agosto de
1988, subanexo 1, alínea I, do
princípio ativo do ácido peracético,
para uso das formulações de
desinfectantes/ esterilizantes.
CARACTERÍSTICAS
• Possuir amplo espectro antimicrobiano;
• Ser capaz de obter uma desinfecção de alto nível
rapidamente (em 20 minutos ou menos);
• Ter ação diante da matéria orgânica e ser
compatível com sabão, detergente, não ser
afetado por luz, calor e diluição;
• Ser atóxico para seres humanos e para o meio
ambiente.
• Não ser corrosivo em superfícies metálicas, e/
ou artigos de borracha, plásticos ou metais;
CARACTERÍSTICAS
• Não ser irritante quando em uso;
• Manter estável no estado concentrado e
diluído em uso;
• Possuir meio de monitorização fácil e preciso
da concentração e do princípio ativo;
• Ser inodoro e solúvel em H2O
• Não deve causar manchas na pele, roupas ou
nas superfícies dos artigos;
• Possuir custo/ benefício positivo.
FATORES QUE INFLUENCIAM NA EFICÁCIA
• Presença de matéria orgânica no artigo;
• Tipo e nível de contaminação microbiana;
• Lavagem, enxágue e secagem prévia do artigo;
• Tipo de princípio ativo; Concentração; Tempo de
exposição;
• Configuração física do artigo (fissura, dobradiças,
lumens);
• Temperatura e Ph do germicida químico;
• Dureza da água.
PRECAUÇÕES NA UTILIZAÇÃO
• Impedir contato com pele, mucosas e roupas;
• Em contato com a pele lavar cuidadosamente e
abundantemente com água corrente;
• Não misturar com água na embalagem original;
• Não misturar com outros produtos químicos;
• Não reutilizar embalagem vazia;
• Em caso de derramamento diluir com água em
abundância.
SE VOCÊ CONSEGUISSE VER TUDO DESSA FORMA
VOCÊ COMERIA EM TODO LOCAL ?
PROF.A KARINE RIBEIRO
EPIs e EPCs
Antissepsia
 Higienização antisséptica das mãos:
Esta medida objetiva promover a remoção de
sujidades e de microrganismos, reduzindo a carga
microbiana das mãos, com auxílio de um antisséptico, com
uma duração total do procedimento de
aproximadamente de 40 a 60 segundos. Conforme
orienta o Ministério da Saúde (1997), a técnica de
higienização antisséptica é a mesma utilizada para
higienização simples das mãos, substituindo-se o sabão por
um antisséptico. Exemplo: antisséptico degermante.
:
• Método de higienização antisséptica das mãos
BARREIRAS DE CONTENÇÃO
Na área de saúde, constituem-se barreiras de contenção o uso de
Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e Equipamentos de
Proteção Coletiva (EPC), acerca dos quais explanaremos a seguir.
• Equipamento de Proteção Individual (EPI)
No que diz respeito à área de saúde, utiliza-se o EPI proteger os
profissionais do contato com agentes infecciosos, tóxicos ou
corrosivos, calor excessivo, fogo e outros perigos. A roupa e o
equipamento servem também para evitar a contaminação do
material em experimento ou em produção (MASTROENI, 2006).
Os EPIs mais utilizados pelos profissionais de saúde e a sua
utilidade serão descritos nas subseções seguintes.
Equipamento de proteção individual
(EPI)
Uso das luvas: Recomendações
Sobre o uso das luvas, devem ser observadas as seguintes recomendações:
• Usar luvas de látex sempre que houver chance de contato com sangue, fluídos
do corpo, dejetos, trabalho com microrganismos e animais de laboratório;
Usar luvas de PVC para manuseio de citostáticos (mais resistentes, porém
menos sensibilidade);
• Lavar instrumentos, roupas, superfícies de trabalho sempre usando luvas;
• Não usar luvas fora da área de trabalho, não abrir portas, não atender
telefone;
• Luvas (de borracha) usadas para limpeza devem permanecer 12 horas em
solução de Hipoclorito de Sódio a 0,1% (1g/l de cloro livre = 1000 ppm).
Verificar a integridade das luvas após a desinfecção;
• Nunca reutilizar as luvas nem descartá-las de forma segura.
LUVAS
JALECO
Os jalecos, em seus variados tipos, são usados para fornecer uma barreira de proteção e
reduzir a oportunidade de transmissão de microrganismos. Previnem a contaminação das
roupas do pessoal, protegendo a pele da exposição a sangue e fluidos corpóreos, salpicos e
derramamentos de material infectado (MASTROENI, 2006). São de uso constante nos
laboratórios e constituem uma proteção para o profissional.
Acerca dos jalecos observam-se as seguintes recomendações:
a) Devem sempre ser de mangas longas, confeccionados em algodão ou fibra
sintética (não inflamável);
b)
c)
Os descartáveis devem ser resistentes e impermeáveis;
Uso de jaleco é permitido somente nas áreas de trabalho. Nunca em refeitórios,
escritórios, bibliotecas, ônibus, etc.;
Jalecos nunca devem ser colocados no armário, onde são guardados objetos
d)
pessoais;
e) Devem ser descontaminados antes de serem lavados.
Observam-se, ainda, outros equipamentos utilizados como barreira de contenção, os quais
são listados:
 Óculos de proteção e protetor facial (protege contra salpicos, borrifos, gotas, impacto).
 Máscara (fibra sintética descartável, com filtro HEPA, filtros para gases, pó, etc.).
 Avental impermeável.
 Uniforme de algodão, composto de calça e blusa.
 Luvas de borracha, amianto, couro, algodão e descartáveis.
 Dispositivos de pipetagem (borracha peras, pipetadores automáticos, etc.).
OUTROS EQUIPAMENTOS
Equipamento de Proteção Coletiva (EPC)
Enquanto barreira de contenção também são utilizados os EPCs. São
equipamentos que possibilitam a proteção do pessoal do laboratório, do meio
ambiente e da pesquisa desenvolvida. São exemplos de EPC os equipamentos
descritos a seguir (MASTROENI, 2006).
• Cabines de segurança:
As cabines de segurança biológica constituem o principal meio de contensão.
Elas são usadas como barreiras primárias para evitar a fuga de aerossóis para o
ambiente. Há três tipos de cabines de segurança biológica: Classe I; Classe II –
A, B1, B2, B3; Classe III.
• Fluxo laminar de ar:
Massa de ar dentro de uma área confinada movendo-se com velocidade
uniforme ao longo de linhas paralelas.
CABINE DE SEGURANÇA
SISTEMA DE BARREIRA COM FLUXO DE AR
EPCs
 Capela química NB:
Cabine construída de forma aerodinâmica cujo fluxo de ar ambiental não causa
turbulências e correntes, assim reduzindo o perigo de inalação e contaminação do operador
e ambiente.
 Chuveiro de emergência:
Chuveiro de aproximadamente 30 cm de diâmetro, acionado por alavancas de mão,
cotovelos ou joelhos. Deve estar localizado em local de fácil acesso.
 Lava olhos:
Dispositivo formado por dois pequenos chuveiros de média pressão, acoplados a uma
bacia metálica, cujo ângulo permite direcionamento correto do jato de água. Pode fazer
parte do chuveiro de emergência ou ser do tipo frasco de lavagem ocular.
 Manta ou cobertor:
Confeccionado em lã ou algodão grosso, não podendo ter fibras sintéticas. Utilizado
para abafar ou envolver vítima de incêndio.
 Vaso de areia:
Também chamado de balde de areia, é utilizado sobre derramamento de álcalis para
neutralizá-lo.
EPCs
 Capela química NB:
Cabine construída de forma aerodinâmica cujo fluxo de ar
ambiental não causa turbulências e correntes, assim reduzindo o
perigo de inalação e contaminação do operador e ambiente.
EPCs
 Chuveiro de emergência:
Chuveiro de
aproximadamente 30 cm de
diâmetro, acionado por alavancas
de mão, cotovelos ou joelhos.
Deve estar localizado em local de
fácil acesso.
 Lava olhos:
Dispositivo formado por dois
pequenos chuveiros de média
pressão, acoplados a uma bacia
metálica, cujo ângulo permite
direcionamento correto do jato de
água. Pode fazer parte do chuveiro
de emergência ou ser do tipo
frasco de lavagem ocular.
EPCs
 Manta ou cobertor:
Confeccionado em lã ou algodão grosso, não podendo ter
fibras sintéticas. Utilizado para abafar ou envolver vítima de
incêndio.
EPCs
 Vaso de areia:
Também chamado de balde de areia, é utilizado sobre
derramamento de álcalis para neutralizá-lo.
 Capela química NB:
Chuveiro e lava olhos
EPCs
 Extintor de incêndio a base de água:
Utiliza o CO2 como propulsor. É usado em papel, tecido e madeira. Não usar em
eletricidade, líquidos inflamáveis, metais em ignição.
 Extintor de incêndio de CO2 em pó:
Utiliza o CO2 em pó como base. A força de seu jato é capaz de disseminar os materiais
incendiados. É usado em líquidos e gases inflamáveis, fogo de origem elétrica. Não usar em
metais alcalinos e papel.
 Extintor de incêndio de pó seco:
Usado em líquidos e gases inflamáveis, metais do grupo dos álcalis, fogo de origem
elétrica.
EPCs
 Extintor de incêndio de espuma:
Usado para líquidos inflamáveis. Não usar para fogo causado por eletricidade.
 Extintor de incêndio de BCF:
Utiliza o bromoclorodifluorometano. É usado em líquidos inflamáveis, incêndio de
origem elétrica. O ambiente precisa ser cuidadosamente ventilado após seu uso.
 Mangueira de incêndio:
Modelo padrão, comprimento e localização são fornecidos pelo Corpo de
Bombeiros (MASTROENI, 2006).
Mangueira de incêndio
BONS ESTUDOS!!!!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM E FARMÁCIA

2ªaula - biossegurana.ppt
2ªaula  -  biossegurana.ppt2ªaula  -  biossegurana.ppt
2ªaula - biossegurana.ppt
monicamamedes1
 
Manual biosseguranca
Manual biossegurancaManual biosseguranca
Manual biosseguranca
ojcn
 
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptxProcesso de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
savesegdotrabalho
 
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdfprocessodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
RaquelOlimpio1
 
BIOSSEGURANÇA.ppt
BIOSSEGURANÇA.pptBIOSSEGURANÇA.ppt
BIOSSEGURANÇA.ppt
AndriellyFernandadeS
 
Biossegurana 2012
Biossegurana 2012Biossegurana 2012
Biossegurana 2012
Silvania Fatima Américo
 
Biosseguranca 2012
Biosseguranca 2012Biosseguranca 2012
Biosseguranca 2012
Euripedes Barbosa
 
Biossegurana 2012
Biossegurana 2012Biossegurana 2012
Biossegurana 2012
Hotanilde Lima
 
Aula Biossegurança - Embalagem.pdf
Aula Biossegurança - Embalagem.pdfAula Biossegurança - Embalagem.pdf
Aula Biossegurança - Embalagem.pdf
TedTrindade1
 
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saudeSlides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Veras Reis Reis
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
Fernando de Oliveira Dutra
 
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdfAula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
HerikaValenzuelaferr
 
BIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptxBIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptx
Kalinevaloesvidal
 
Infecção Hospitalar aula 1.pdf
Infecção Hospitalar aula 1.pdfInfecção Hospitalar aula 1.pdf
Infecção Hospitalar aula 1.pdf
Nome Sobrenome
 
Esterilizacaoesterelização
EsterilizacaoesterelizaçãoEsterilizacaoesterelização
Esterilizacaoesterelização
Willian França
 
Aula 03.pdf
Aula 03.pdfAula 03.pdf
Aula 03.pdf
ValldineyCruz
 
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdfAula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
MayaraOliveira228
 
Limpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalarLimpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalar
B&R Consultoria Empresarial
 
CME.pdf
CME.pdfCME.pdf
CME.pdf
RAPHAEL369364
 
Higiene cabina e segurança2
Higiene cabina e segurança2Higiene cabina e segurança2
Higiene cabina e segurança2
jjgoncalves
 

Semelhante a AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM E FARMÁCIA (20)

2ªaula - biossegurana.ppt
2ªaula  -  biossegurana.ppt2ªaula  -  biossegurana.ppt
2ªaula - biossegurana.ppt
 
Manual biosseguranca
Manual biossegurancaManual biosseguranca
Manual biosseguranca
 
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptxProcesso de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
 
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdfprocessodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
 
BIOSSEGURANÇA.ppt
BIOSSEGURANÇA.pptBIOSSEGURANÇA.ppt
BIOSSEGURANÇA.ppt
 
Biossegurana 2012
Biossegurana 2012Biossegurana 2012
Biossegurana 2012
 
Biosseguranca 2012
Biosseguranca 2012Biosseguranca 2012
Biosseguranca 2012
 
Biossegurana 2012
Biossegurana 2012Biossegurana 2012
Biossegurana 2012
 
Aula Biossegurança - Embalagem.pdf
Aula Biossegurança - Embalagem.pdfAula Biossegurança - Embalagem.pdf
Aula Biossegurança - Embalagem.pdf
 
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saudeSlides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
 
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdfAula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
 
BIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptxBIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptx
 
Infecção Hospitalar aula 1.pdf
Infecção Hospitalar aula 1.pdfInfecção Hospitalar aula 1.pdf
Infecção Hospitalar aula 1.pdf
 
Esterilizacaoesterelização
EsterilizacaoesterelizaçãoEsterilizacaoesterelização
Esterilizacaoesterelização
 
Aula 03.pdf
Aula 03.pdfAula 03.pdf
Aula 03.pdf
 
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdfAula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
 
Limpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalarLimpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalar
 
CME.pdf
CME.pdfCME.pdf
CME.pdf
 
Higiene cabina e segurança2
Higiene cabina e segurança2Higiene cabina e segurança2
Higiene cabina e segurança2
 

Mais de KarineRibeiro57

AULAS- Clínica Médica- HEPATITES,PANCREATITES,CIROSSE.pptx
AULAS- Clínica Médica- HEPATITES,PANCREATITES,CIROSSE.pptxAULAS- Clínica Médica- HEPATITES,PANCREATITES,CIROSSE.pptx
AULAS- Clínica Médica- HEPATITES,PANCREATITES,CIROSSE.pptx
KarineRibeiro57
 
CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM..........pptx
CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM..........pptxCURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM..........pptx
CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM..........pptx
KarineRibeiro57
 
violência e maus tratos contra o idoso karine Ribeiro.pptx
violência e maus tratos contra o idoso karine Ribeiro.pptxviolência e maus tratos contra o idoso karine Ribeiro.pptx
violência e maus tratos contra o idoso karine Ribeiro.pptx
KarineRibeiro57
 
SIMULADO enf 44N ENFERMAGEM clinica medica.pptx
SIMULADO enf 44N ENFERMAGEM clinica medica.pptxSIMULADO enf 44N ENFERMAGEM clinica medica.pptx
SIMULADO enf 44N ENFERMAGEM clinica medica.pptx
KarineRibeiro57
 
Características de transmissão das hepatites Virais.pptx
Características de transmissão das hepatites Virais.pptxCaracterísticas de transmissão das hepatites Virais.pptx
Características de transmissão das hepatites Virais.pptx
KarineRibeiro57
 
Sistema Renal PRINCIPAIS ESTRUTURAS.pptx
Sistema Renal PRINCIPAIS ESTRUTURAS.pptxSistema Renal PRINCIPAIS ESTRUTURAS.pptx
Sistema Renal PRINCIPAIS ESTRUTURAS.pptx
KarineRibeiro57
 
Exame Físico do tórax prof. Karine Ribeiro.pptx
Exame Físico do tórax prof. Karine Ribeiro.pptxExame Físico do tórax prof. Karine Ribeiro.pptx
Exame Físico do tórax prof. Karine Ribeiro.pptx
KarineRibeiro57
 
Avaliaçao abdominal prática atividade.pptx
Avaliaçao abdominal prática atividade.pptxAvaliaçao abdominal prática atividade.pptx
Avaliaçao abdominal prática atividade.pptx
KarineRibeiro57
 
DRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptx
DRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptxDRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptx
DRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptx
KarineRibeiro57
 
Aula sobre DIABETES MELLITUS complicações e tratamento pptx
Aula sobre DIABETES MELLITUS complicações e tratamento pptxAula sobre DIABETES MELLITUS complicações e tratamento pptx
Aula sobre DIABETES MELLITUS complicações e tratamento pptx
KarineRibeiro57
 
Aula de anatomia e Fisiologia Humana cardiologica
Aula de anatomia e Fisiologia Humana cardiologicaAula de anatomia e Fisiologia Humana cardiologica
Aula de anatomia e Fisiologia Humana cardiologica
KarineRibeiro57
 
AULA 03 - SISTEMA TEGUMENTAR.pptx
AULA 03 - SISTEMA TEGUMENTAR.pptxAULA 03 - SISTEMA TEGUMENTAR.pptx
AULA 03 - SISTEMA TEGUMENTAR.pptx
KarineRibeiro57
 
AULA 1 e 2 - ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA (1).pptx
AULA 1 e  2 - ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA (1).pptxAULA 1 e  2 - ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA (1).pptx
AULA 1 e 2 - ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA (1).pptx
KarineRibeiro57
 
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anosDoenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
KarineRibeiro57
 
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdfAULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
KarineRibeiro57
 
AULA ANTROPOMETRIA enf 27.pdf
AULA ANTROPOMETRIA enf 27.pdfAULA ANTROPOMETRIA enf 27.pdf
AULA ANTROPOMETRIA enf 27.pdf
KarineRibeiro57
 
AULA 04 - MICOLOGIA e VIROLOGIA sem questões.pdf
AULA 04 - MICOLOGIA e VIROLOGIA  sem questões.pdfAULA 04 - MICOLOGIA e VIROLOGIA  sem questões.pdf
AULA 04 - MICOLOGIA e VIROLOGIA sem questões.pdf
KarineRibeiro57
 
AULA 01- HISTORIA E IMPORTANCIA DA MICROBIOLOGIA.pptx
AULA 01- HISTORIA E IMPORTANCIA DA MICROBIOLOGIA.pptxAULA 01- HISTORIA E IMPORTANCIA DA MICROBIOLOGIA.pptx
AULA 01- HISTORIA E IMPORTANCIA DA MICROBIOLOGIA.pptx
KarineRibeiro57
 
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptxAULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
KarineRibeiro57
 
AULA 1 FAENACIA FMC 08.pptx
AULA 1 FAENACIA FMC 08.pptxAULA 1 FAENACIA FMC 08.pptx
AULA 1 FAENACIA FMC 08.pptx
KarineRibeiro57
 

Mais de KarineRibeiro57 (20)

AULAS- Clínica Médica- HEPATITES,PANCREATITES,CIROSSE.pptx
AULAS- Clínica Médica- HEPATITES,PANCREATITES,CIROSSE.pptxAULAS- Clínica Médica- HEPATITES,PANCREATITES,CIROSSE.pptx
AULAS- Clínica Médica- HEPATITES,PANCREATITES,CIROSSE.pptx
 
CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM..........pptx
CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM..........pptxCURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM..........pptx
CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM..........pptx
 
violência e maus tratos contra o idoso karine Ribeiro.pptx
violência e maus tratos contra o idoso karine Ribeiro.pptxviolência e maus tratos contra o idoso karine Ribeiro.pptx
violência e maus tratos contra o idoso karine Ribeiro.pptx
 
SIMULADO enf 44N ENFERMAGEM clinica medica.pptx
SIMULADO enf 44N ENFERMAGEM clinica medica.pptxSIMULADO enf 44N ENFERMAGEM clinica medica.pptx
SIMULADO enf 44N ENFERMAGEM clinica medica.pptx
 
Características de transmissão das hepatites Virais.pptx
Características de transmissão das hepatites Virais.pptxCaracterísticas de transmissão das hepatites Virais.pptx
Características de transmissão das hepatites Virais.pptx
 
Sistema Renal PRINCIPAIS ESTRUTURAS.pptx
Sistema Renal PRINCIPAIS ESTRUTURAS.pptxSistema Renal PRINCIPAIS ESTRUTURAS.pptx
Sistema Renal PRINCIPAIS ESTRUTURAS.pptx
 
Exame Físico do tórax prof. Karine Ribeiro.pptx
Exame Físico do tórax prof. Karine Ribeiro.pptxExame Físico do tórax prof. Karine Ribeiro.pptx
Exame Físico do tórax prof. Karine Ribeiro.pptx
 
Avaliaçao abdominal prática atividade.pptx
Avaliaçao abdominal prática atividade.pptxAvaliaçao abdominal prática atividade.pptx
Avaliaçao abdominal prática atividade.pptx
 
DRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptx
DRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptxDRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptx
DRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptx
 
Aula sobre DIABETES MELLITUS complicações e tratamento pptx
Aula sobre DIABETES MELLITUS complicações e tratamento pptxAula sobre DIABETES MELLITUS complicações e tratamento pptx
Aula sobre DIABETES MELLITUS complicações e tratamento pptx
 
Aula de anatomia e Fisiologia Humana cardiologica
Aula de anatomia e Fisiologia Humana cardiologicaAula de anatomia e Fisiologia Humana cardiologica
Aula de anatomia e Fisiologia Humana cardiologica
 
AULA 03 - SISTEMA TEGUMENTAR.pptx
AULA 03 - SISTEMA TEGUMENTAR.pptxAULA 03 - SISTEMA TEGUMENTAR.pptx
AULA 03 - SISTEMA TEGUMENTAR.pptx
 
AULA 1 e 2 - ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA (1).pptx
AULA 1 e  2 - ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA (1).pptxAULA 1 e  2 - ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA (1).pptx
AULA 1 e 2 - ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA (1).pptx
 
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anosDoenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
 
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdfAULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
 
AULA ANTROPOMETRIA enf 27.pdf
AULA ANTROPOMETRIA enf 27.pdfAULA ANTROPOMETRIA enf 27.pdf
AULA ANTROPOMETRIA enf 27.pdf
 
AULA 04 - MICOLOGIA e VIROLOGIA sem questões.pdf
AULA 04 - MICOLOGIA e VIROLOGIA  sem questões.pdfAULA 04 - MICOLOGIA e VIROLOGIA  sem questões.pdf
AULA 04 - MICOLOGIA e VIROLOGIA sem questões.pdf
 
AULA 01- HISTORIA E IMPORTANCIA DA MICROBIOLOGIA.pptx
AULA 01- HISTORIA E IMPORTANCIA DA MICROBIOLOGIA.pptxAULA 01- HISTORIA E IMPORTANCIA DA MICROBIOLOGIA.pptx
AULA 01- HISTORIA E IMPORTANCIA DA MICROBIOLOGIA.pptx
 
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptxAULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
 
AULA 1 FAENACIA FMC 08.pptx
AULA 1 FAENACIA FMC 08.pptxAULA 1 FAENACIA FMC 08.pptx
AULA 1 FAENACIA FMC 08.pptx
 

Último

Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 

Último (20)

Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 

AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM E FARMÁCIA

  • 3. INTRODUÇÃO Este material foi elaborado com o objetivo de nortear as aulas de Biossegurança, disciplina integrante do curso Técnico de Farmácia, propiciando ao aluno um conhecimento generalizado ao perfil do profissional de Técnico em Farmácia, tornando- o competitivo no mercado de trabalho.
  • 4. Introdução à Biossegurança • A biossegurança diz respeito ao conjunto de ações voltadas para a prevenção, proteção do trabalhador, minimização de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e prestação de serviços, visando à saúde do homem, dos animais, a preservação do meio ambiente e a qualidade dos resultados, como preconizam Teixeira & Valle (1996).
  • 5. Introdução à Biossegurança O técnico em Farmácia é um profissional da saúde e por isso será necessário que tenha conhecimento sobre biossegurança, principalmente porque ele será responsável pela coleta e processamento de vários tipos de amostras biológicas,desde sangue, secreções, urina e fezes. Assim, o conhecimento de biossegurança auxiliará no trabalho do técnico e na prevenção de acidentes.
  • 6. Histórico de Acidentes Meyer e Eddie (1941) : 74 casos de brucelose associados a laboratório nos Estados Unidos. Causa: Falta de cuidado e Técnica de manuseio incorreto da bactéria Brucellas
  • 7. Histórico de Acidentes Vírus Marbug (1967): 37 pessoas infectadas nas cidades de Marbug e Frankfurt na Alemanha. Causa: macacos Cercopitheceus aethiops infectados, importados de Uganda para o desenvolvimento de vacinas.
  • 8. Histórico de Acidentes Febre Aftosa (2007): Surto de febre aftosa próxima a laboratório no Reino Unido. Causa: defeito em uma válvula de transferência de produtos deixou escapar o vírus
  • 9. Acidentes com Profissionais da Saúde INTERNACIONAL HEALTH CARE WORKER SAFETY CENTER: 236.000 injúrias com material perfuro cortante ocorrem anualmente em hospitais americanos. Probabilidade de Infecção HIV HEPATITE B HEPATITE C
  • 10. Acidentes com Profissionais da Saúde Um em cada 270 profissionais da área de saúde é contaminado pelo vírus HIV. Exemplo: De 46 profissionais que se acidentaram em um hospital em MG, 22 eram profissionais da área de enfermagem, e 8 profissionais eram da área de limpeza e lavanderia e o restante era acadêmicos e outros profissionais
  • 12. Biossegurança “Processo voltado para a segurança, o controle e a diminuição de riscos advindos da biotecnologia” (Comissão Técnica Nacional de Biossegurança - CTNBio)
  • 13. Biotecnologia “Qualquer aplicação tecnológica que utilize organismos vivos ou seus derivados, para fabricar ou modificar produtos ou processos para utilização específica” (ONU)
  • 14. Exemplos de aplicação da Biotecnologia • Industria Farmacêutica (cosmético, antivirais, moléculas biotivas) • Industria de Alimentos (bebidas, iogurte, transgênicos) • Agronegócio (Controle de pragas, Bioinseticida, Transgênicos) • Química (enzimas, biopolímeros, biomateriais) • Área Ambiental (aproveitamento e tratamento biológico de resíduos, bioenergia)
  • 15. Perigo X Risco ❖ Perigo: Situação que tenha o potencial de causar um dano, lesão, avaria ou doença ❖ Risco: Exposição ao perigo X gravidade do dano
  • 16. “O Perigo é a fonte geradora e o Risco é exposição a está fonte.”
  • 17. Medidas de Higienização Denomina-se higiene limpeza, asseio, a inter-relação entre o homem e o meio ambiente, no sentido da preservação da saúde, como preconiza Coringa (2012). Há várias formas de higienização, desde a individual (banho, cabelos, unhas e mãos, boca, dentes e vestuário), a coletiva (saneamento básico, água, esgoto, lixo, vetores), até a mental (equilíbrio, costumes morais e sociais), e a do trabalho (riscos físicos, químicos e biológicos), e ambiental (limpeza de moveis, utensílios e estrutura).
  • 18. Antissepsia Diz-se do conjunto de medidas propostas para inibir o crescimento de micro- organismos ou removê-los de um determinado ambiente, podendo ou não destruí- los, utilizando, para tanto, antissépticos ou desinfetantes. Uma das medidas mais comuns é a higienização das mãos, conforme se observa a seguir.
  • 19. Antissepsia  Higienização antisséptica das mãos: Esta medida objetiva promover a remoção de sujidades e de microrganismos, reduzindo a carga microbiana das mãos, com auxílio de um antisséptico, com uma duração total do procedimento de aproximadamente de 40 a 60 segundos. Conforme orienta o Ministério da Saúde (1997), a técnica de higienização antisséptica é a mesma utilizada para higienização simples das mãos, substituindo-se o sabão por um antisséptico. Exemplo: antisséptico degermante.
  • 20. : • Método de higienização antisséptica das mãos
  • 21. ANTISSÉPTICO “Um antisséptico adequado deve exercer a atividade germicida* sobre a flora cutâneo- mucosa em presença de sangue, soro, muco ou pus, sem irritar a pele ou as mucosas”. *Destroem: bactérias, fungos, vírus RDC ANVISA: Nº 199/ 2006
  • 22. Detergentes Enzimáticos e Soluções Desinfetantes
  • 24. CONSIDERAÇÕES Os agentes que melhor satisfazem as exigências para aplicação em tecidos vivos são os iodos, a clorexidina, o álcool e o hexaclorofeno
  • 25. CONSIDERAÇÕES Soluções antissépticas com detergentes (degermantes) e se destinam à degermação da pele, removendo detritos e impurezas e realizando antissepsia parcial: •-Solução detergente de PVPI a 10% (1% de iodo ativo) •Solução detergente de clorexidina a 4 %, com 4% de álcool etílico. •Solução antissépticas alcoólica para antissepsia das mãos: -Álcool etílico a 70%, com ou sem 2% de glicerina.
  • 26.
  • 27. Diz respeito ao conjunto de medidas utilizadas para impedir a penetração de micro-organismos no ambiente.  Descontaminação Diz-se do processo que visa destruir microrganismos patogênicos, utilizado em artigos contaminados ou em superfície ambiental, tornando-os, consequentemente, seguros ao manuseio. Pode ser realizada pelas formas descritas a seguir (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 1997):  Processo químico: no qual os artigos são imersos em solução desinfetante antes de se proceder a limpeza;  Por processo mecânico, utilizando-se máquina termo desinfectadora ou similar; ou,  Por processo físico, indicando-se a imersão do artigo em água fervente durante 30 minutos (método nem sempre indicado pois, há impregnação de matéria orgânica quando aplicado a artigos sujos. Assepsia
  • 29. Processos físicos de desinfecção  Pasteurização: é uma desinfecção realizada em lavadoras automáticas, com exposição do artigo em água a temperaturas de aproximadamente 60 a 90 graus centígrados por 10 a 30 minutos, conforme a instrução do fabricante. É indicada para a desinfecção de circuitos de respiradores.
  • 30. Processos físicos de desinfecção Água em ebulição ou fervura: utilizada para desinfecção de alto nível em artigos termorresistentes. Consiste em imergir totalmente o material em água fervente, com tempo de exposição de 30 minutos, após o que o material é retirado com o auxílio de pinça desinfetada e luvas de amianto de cano longo. Em seguida, deve ser seco e guardado em recipiente limpo ou desinfetado – ressalve-se que esse procedimento é indicado apenas nas situações em que não se disponha de outros métodos físicos ou químicos.
  • 31. ESTERILIZAÇÃO Esterilização é a destruição de todos os organismos vivos, mesmo os esporos bacterianos, de um objeto. Para tanto, utilizam-se de agentes físicos e químicos. Os meios de esterilização podem ser físicos e químicos, e também por meio de óxido de etileno e por radiação, conforme descrito a seguir.  Físicos: A esterilização por físico compreende: calor seco (estufa, flambagem, fulguração); calor úmido (fervura, autoclave); e radiações (raios alfa, gama e raios-X).
  • 32. Descontaminação por limpeza mecânica Lavadoras termodesinfectora: limpam pela força de jatos d’água e utilizam água quente em uma das etapas, associada à ação de detergentes para a remoção de sujidades. Limpeza mecânica que descontamina.
  • 34. Descontaminação por limpeza mecânica Lavadora esterilizadora: opera com um ciclo de pré-limpeza, limpeza com detergente, enxágue e esterilização. Realiza um ciclo completo de lavagem e um ciclo de esterilização. É uma máquina que faz todos os processos.
  • 36. Tipos de Esterilização - Processos Físicos Vapor saturado sob pressão - É um processo utilizado para esterilização de artigos termo resistentes através de autoclaves gravitacional e pré-vácuo. É o mais seguro, econômico e o mais utilizado em hospitais além de apresentar facilidade de uso, ausência de toxidade e rapidez. Baseia-se na transformação das partículas em vapor sob a mesma temperatura. Não serve para esterilizar pós e líquido.
  • 37. Tipos de Esterilização - Processos Físicos  Vapor saturado sob pressão - Nas autoclaves são utilizados três parâmetros essenciais: tempo de vapor, temperatura e pressão. O ciclo de esterilização das autoclaves compreende a drenagem do ar, admissão do vapor, exposição do material ao agente esterilizante e exaustão do vapor com secagem da carga. As embalagens que podem ser utilizadas nesse processo são: campo de algodão, papel grau cirúrgico, papel crepado, filmes transparentes, contêineres, caixas metálicas, e não tecido.
  • 38. Tipos de Esterilização - Processos Físicos Vapor saturado sob pressão - O controle do processo é feita por registros dos parâmetros (tempo, temperatura e manovacuômetro), teste de Bowie & Dick, indicadores químicos e biológicos. Alguns cuidados devem ser realizados no processo: não apertar muito o pacote para ajudar na entrada do vapor, colocar os pacotes verticalmente, não colocar os pacotes sobre local frio após a esterilização para evitar condensação.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43. ESTERILIZAÇÃO  Químicos: A esterilização por meio químico compreende o uso desinfetantes. Observa-se também a esterilização por meio do óxido de etileno, autorizado pelo Ministério da Saúde, como agente químico para esterilização, por meio da portaria 930/1992. Este tipo de esterilização precisa de três unidades: aparelho de autoclave combinado, gás e vapor; aparelho de comando que vai misturar o gás, e o freon na concentração pré-estabelecida e o aparelho aerador.
  • 44. Desinfecção por processo químico A desinfecção por processo químico é feita por meio de imersão em soluções germicidas. Para garantir a eficácia da ação, faz-se necessário que: a) o artigo esteja bem limpo, pois a presença de matéria orgânica reduz ou inativa a ação do desinfetante; b) esteja seco, para não alterar a concentração do desinfetante; que esteja totalmente imerso na solução, sem a presença de bolhas de ar; c) o tempo de exposição recomendado seja respeitado; e, d) durante o processo o recipiente seja mantido tampado e o produto esteja dentro do prazo de validade (CIEP, 2015).
  • 45.
  • 46. DESINFECTANTES • Portaria nº 122, de 29 de Novembro 1993. - Determina a inclusão na portaria nº 15, de 23 de agosto de 1988, subanexo 1, alínea I, do princípio ativo do ácido peracético, para uso das formulações de desinfectantes/ esterilizantes.
  • 47. CARACTERÍSTICAS • Possuir amplo espectro antimicrobiano; • Ser capaz de obter uma desinfecção de alto nível rapidamente (em 20 minutos ou menos); • Ter ação diante da matéria orgânica e ser compatível com sabão, detergente, não ser afetado por luz, calor e diluição; • Ser atóxico para seres humanos e para o meio ambiente. • Não ser corrosivo em superfícies metálicas, e/ ou artigos de borracha, plásticos ou metais;
  • 48. CARACTERÍSTICAS • Não ser irritante quando em uso; • Manter estável no estado concentrado e diluído em uso; • Possuir meio de monitorização fácil e preciso da concentração e do princípio ativo; • Ser inodoro e solúvel em H2O • Não deve causar manchas na pele, roupas ou nas superfícies dos artigos; • Possuir custo/ benefício positivo.
  • 49. FATORES QUE INFLUENCIAM NA EFICÁCIA • Presença de matéria orgânica no artigo; • Tipo e nível de contaminação microbiana; • Lavagem, enxágue e secagem prévia do artigo; • Tipo de princípio ativo; Concentração; Tempo de exposição; • Configuração física do artigo (fissura, dobradiças, lumens); • Temperatura e Ph do germicida químico; • Dureza da água.
  • 50. PRECAUÇÕES NA UTILIZAÇÃO • Impedir contato com pele, mucosas e roupas; • Em contato com a pele lavar cuidadosamente e abundantemente com água corrente; • Não misturar com água na embalagem original; • Não misturar com outros produtos químicos; • Não reutilizar embalagem vazia; • Em caso de derramamento diluir com água em abundância.
  • 51.
  • 52.
  • 53. SE VOCÊ CONSEGUISSE VER TUDO DESSA FORMA VOCÊ COMERIA EM TODO LOCAL ?
  • 55.
  • 57. Antissepsia  Higienização antisséptica das mãos: Esta medida objetiva promover a remoção de sujidades e de microrganismos, reduzindo a carga microbiana das mãos, com auxílio de um antisséptico, com uma duração total do procedimento de aproximadamente de 40 a 60 segundos. Conforme orienta o Ministério da Saúde (1997), a técnica de higienização antisséptica é a mesma utilizada para higienização simples das mãos, substituindo-se o sabão por um antisséptico. Exemplo: antisséptico degermante.
  • 58. : • Método de higienização antisséptica das mãos
  • 59. BARREIRAS DE CONTENÇÃO Na área de saúde, constituem-se barreiras de contenção o uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC), acerca dos quais explanaremos a seguir. • Equipamento de Proteção Individual (EPI) No que diz respeito à área de saúde, utiliza-se o EPI proteger os profissionais do contato com agentes infecciosos, tóxicos ou corrosivos, calor excessivo, fogo e outros perigos. A roupa e o equipamento servem também para evitar a contaminação do material em experimento ou em produção (MASTROENI, 2006). Os EPIs mais utilizados pelos profissionais de saúde e a sua utilidade serão descritos nas subseções seguintes.
  • 60.
  • 61. Equipamento de proteção individual (EPI)
  • 62. Uso das luvas: Recomendações Sobre o uso das luvas, devem ser observadas as seguintes recomendações: • Usar luvas de látex sempre que houver chance de contato com sangue, fluídos do corpo, dejetos, trabalho com microrganismos e animais de laboratório; Usar luvas de PVC para manuseio de citostáticos (mais resistentes, porém menos sensibilidade); • Lavar instrumentos, roupas, superfícies de trabalho sempre usando luvas; • Não usar luvas fora da área de trabalho, não abrir portas, não atender telefone; • Luvas (de borracha) usadas para limpeza devem permanecer 12 horas em solução de Hipoclorito de Sódio a 0,1% (1g/l de cloro livre = 1000 ppm). Verificar a integridade das luvas após a desinfecção; • Nunca reutilizar as luvas nem descartá-las de forma segura.
  • 63. LUVAS
  • 64.
  • 65.
  • 66.
  • 67. JALECO Os jalecos, em seus variados tipos, são usados para fornecer uma barreira de proteção e reduzir a oportunidade de transmissão de microrganismos. Previnem a contaminação das roupas do pessoal, protegendo a pele da exposição a sangue e fluidos corpóreos, salpicos e derramamentos de material infectado (MASTROENI, 2006). São de uso constante nos laboratórios e constituem uma proteção para o profissional. Acerca dos jalecos observam-se as seguintes recomendações: a) Devem sempre ser de mangas longas, confeccionados em algodão ou fibra sintética (não inflamável); b) c) Os descartáveis devem ser resistentes e impermeáveis; Uso de jaleco é permitido somente nas áreas de trabalho. Nunca em refeitórios, escritórios, bibliotecas, ônibus, etc.; Jalecos nunca devem ser colocados no armário, onde são guardados objetos d) pessoais; e) Devem ser descontaminados antes de serem lavados.
  • 68.
  • 69.
  • 70. Observam-se, ainda, outros equipamentos utilizados como barreira de contenção, os quais são listados:  Óculos de proteção e protetor facial (protege contra salpicos, borrifos, gotas, impacto).  Máscara (fibra sintética descartável, com filtro HEPA, filtros para gases, pó, etc.).  Avental impermeável.  Uniforme de algodão, composto de calça e blusa.  Luvas de borracha, amianto, couro, algodão e descartáveis.  Dispositivos de pipetagem (borracha peras, pipetadores automáticos, etc.). OUTROS EQUIPAMENTOS
  • 71.
  • 72.
  • 73.
  • 74.
  • 75.
  • 76. Equipamento de Proteção Coletiva (EPC) Enquanto barreira de contenção também são utilizados os EPCs. São equipamentos que possibilitam a proteção do pessoal do laboratório, do meio ambiente e da pesquisa desenvolvida. São exemplos de EPC os equipamentos descritos a seguir (MASTROENI, 2006). • Cabines de segurança: As cabines de segurança biológica constituem o principal meio de contensão. Elas são usadas como barreiras primárias para evitar a fuga de aerossóis para o ambiente. Há três tipos de cabines de segurança biológica: Classe I; Classe II – A, B1, B2, B3; Classe III. • Fluxo laminar de ar: Massa de ar dentro de uma área confinada movendo-se com velocidade uniforme ao longo de linhas paralelas.
  • 78. SISTEMA DE BARREIRA COM FLUXO DE AR
  • 79. EPCs  Capela química NB: Cabine construída de forma aerodinâmica cujo fluxo de ar ambiental não causa turbulências e correntes, assim reduzindo o perigo de inalação e contaminação do operador e ambiente.  Chuveiro de emergência: Chuveiro de aproximadamente 30 cm de diâmetro, acionado por alavancas de mão, cotovelos ou joelhos. Deve estar localizado em local de fácil acesso.  Lava olhos: Dispositivo formado por dois pequenos chuveiros de média pressão, acoplados a uma bacia metálica, cujo ângulo permite direcionamento correto do jato de água. Pode fazer parte do chuveiro de emergência ou ser do tipo frasco de lavagem ocular.  Manta ou cobertor: Confeccionado em lã ou algodão grosso, não podendo ter fibras sintéticas. Utilizado para abafar ou envolver vítima de incêndio.  Vaso de areia: Também chamado de balde de areia, é utilizado sobre derramamento de álcalis para neutralizá-lo.
  • 80. EPCs  Capela química NB: Cabine construída de forma aerodinâmica cujo fluxo de ar ambiental não causa turbulências e correntes, assim reduzindo o perigo de inalação e contaminação do operador e ambiente.
  • 81. EPCs  Chuveiro de emergência: Chuveiro de aproximadamente 30 cm de diâmetro, acionado por alavancas de mão, cotovelos ou joelhos. Deve estar localizado em local de fácil acesso.  Lava olhos: Dispositivo formado por dois pequenos chuveiros de média pressão, acoplados a uma bacia metálica, cujo ângulo permite direcionamento correto do jato de água. Pode fazer parte do chuveiro de emergência ou ser do tipo frasco de lavagem ocular.
  • 82. EPCs  Manta ou cobertor: Confeccionado em lã ou algodão grosso, não podendo ter fibras sintéticas. Utilizado para abafar ou envolver vítima de incêndio.
  • 83. EPCs  Vaso de areia: Também chamado de balde de areia, é utilizado sobre derramamento de álcalis para neutralizá-lo.
  • 84.
  • 87. EPCs  Extintor de incêndio a base de água: Utiliza o CO2 como propulsor. É usado em papel, tecido e madeira. Não usar em eletricidade, líquidos inflamáveis, metais em ignição.  Extintor de incêndio de CO2 em pó: Utiliza o CO2 em pó como base. A força de seu jato é capaz de disseminar os materiais incendiados. É usado em líquidos e gases inflamáveis, fogo de origem elétrica. Não usar em metais alcalinos e papel.  Extintor de incêndio de pó seco: Usado em líquidos e gases inflamáveis, metais do grupo dos álcalis, fogo de origem elétrica.
  • 88. EPCs  Extintor de incêndio de espuma: Usado para líquidos inflamáveis. Não usar para fogo causado por eletricidade.  Extintor de incêndio de BCF: Utiliza o bromoclorodifluorometano. É usado em líquidos inflamáveis, incêndio de origem elétrica. O ambiente precisa ser cuidadosamente ventilado após seu uso.  Mangueira de incêndio: Modelo padrão, comprimento e localização são fornecidos pelo Corpo de Bombeiros (MASTROENI, 2006).
  • 90.
  • 91.
  • 92.
  • 93.
  • 94.
  • 95.
  • 96.