SlideShare uma empresa Scribd logo
Proteínas totais e séricas
Proteínas totais e séricas Proteínas totais Albumina Globulinas
Proteínas totais Existem mais de 300 proteínas diferentes já identificadas no plasma sanguíneo. Apenas algumas são avaliadas rotineiramente Amostras mais usadas: sangue, urina, LCR, líquido amniótico, peritonial, pleural ou sinovial, saliva ou fezes.
Proteínas totais Funções: - estrutural – colágeno, elastina - reguladora - hormônios- transporte - albumina- manutenção da pressão osmótica - albumina- tamponamento de ΔpH - imunidade humoral – anticorpos, complemento- atividade enzimática - enzimas- coagulação – fatores - resposta da fase aguda 	- armazanamento – transferrina 	- contração – actina miosina
Proteínas totais A concentração das proteínas plasmáticas é determinada por três fatores:- Velocidade de síntese: A maioria produzida no fígado. Cerca de 25g/dia num indivíduo de 70kgs- Volume de líquido: Cerca de 250g de proteínas são encontradas no compartimento vascular de um homem de 70kgs, dando uma concentração ao redor de 7,0g/dl
Proteínas totais 	- Velocidade do catabolismo: As proteínas totais são degradadas, liberando aminoácidos para a síntese de proteínas celulares. 20 a 50% das ptns urinárias – albumina Outros – ptnstamm-horsfall
Proteínas totais Determinação das proteínas totais:- Método do Biureto: O cobre, em meio alcalino, reage com a ligação peptídica. O produto apresenta bandas de absorção.Interferentes: Substâncias que possam reagir com o íon cúprico. Ex: Bilirrubina aumentada, triglicerídeos acima de 500mg/dlVR soro: 6,0 – 8,0g/dl
Proteínas totais Outros métodos:- Método de Lowry- Método de Bradford- Método de Smith Paciente: Jejum de 8 horasAmostra: soro sem hemólise e não lipêmico
Proteínas totais Hiperproteinemia 	- Desidratação (vômito, diarréia ou acidose diabética)- Mieloma múltiplo- Cirrose hepática- Hepatite ativa crônica- Lupus eritematoso sistêmico- Infecções bacteriana crônica Hipoproteinemia  	- Hemodiluição- Perda renal de proteínas- Queimaduras severas-Desnutrição (Kwashiorkor) -Hipertireoidismo-Hemorragia grave
PROTEÍNAS MARCADORAS DE DISFUNÇÃO RENAL IgG – avançado comprometimento renal Albumina em grande qtd – possível defeito reversível do glomérulo Transferrina a1 -microglobulina, b2 –microglobulina– normalmente encontrada. Em gdqtde – defeito renal intersticial
PROTEÍNAS NA URINA IDIOPÁTICA ORTOSTÁTICA FUNCIONAL SOBRECARGA, REABSORÇÃO INSUFICIENTE, GLOMERULAR SÍNDROME NEFRÓTICA GLOMERULONEFRITE
Albumina Representa cerca de 60% das proteínas do plasma humano. Meia vida de 15-19 dias Velocidade de síntese depende da ingestão protéica e regulada por feedback negativo pelo teor de albumina circulante Produção de cerca de 15g/ dia
Albumina Funções- Regulação osmótica- Transporte e armazenamento : Ácidos graxos e esteróides; bilirrubina; fármacos Síntese : no fígado, na forma de pro-albumina. Degradação: mecanismo desconhecido, degradadas aleatoriamente (novas e velhas), provavelmente pelos endotélio dos capilares, medula óssea e sinusóides hepáticos.
Albumina Determinação da albumina- Métodos de corantes: Metilorange, HABA, verde de bromo cresol(VBC) e púrpura de bromocresolVR: 3,5 a 5,5g/dl - Eletroforese
Albumina Paciente : Não consumir dieta rica em gordura por 48hr antes da prova Amostra: soro,  observar postura dos pacientes, pois em pacientes ambulatoriais o teor de albumina é cerca de 0,3g/dL maior que em pacientes hospitalizados. Interferências: Elevação agentes citotóxicos. Redução  Paracetamol, aspirina, ampicilina
Albumina Hiperalbuminemia - É rara 	- Encontrada em casos de carcinomatose metastática, desidratação aguda, diarréia, estresse, febre reumática, meningite, osteomielites, traumatismo, tuberculose, hemoconcentração, entre outros.
Albumina Hipoalbuminemia- Redução da síntese: Cirrose- Ingestão inadequada de proteínas: A síntese é reduzida a um terço durante um jejum de 24hr- Perda protéica extravascular: Síndrome nefrótica (proteinúria massiva) e enteropatia perdedora de proteínas
Albumina 	- Queimaduras extensas : a pele é o maior local de armazenamento extravascular da albumina.- Hemodiluição: Ascites, ICC-Estresse- Analbuminemia- Bisalbuminemia
Albumina Conseqüências da hipoalbuminemia- Edema facial, macroglossia, icterícia conjuntival- Bradicardia, hipotensão, cardiomegalia- Hepato-esplenomegalia, ascites- Encefalopatias- Atrofia testicular- Ginecomastia, hipotermia
PRÉ - ALBUMINA transporta a tiroxina (T4 ) e a triiodotironina(T3)  - MEIA VIDA – 12 h diminuem na inflamação, doenças malignas, cirrose hepática e enfermidades renais perdedoras de proteínas. Na doença de Hodgkin os níveis aumentam.
proteína ligadora de retinol (RBP) Transporta a vitamina A (retinol).  Se eleva em enfermidades renais crônicas, especialmente em pacientes com proteinúria tubular.  Redução - enfermidade hepática e má nutrição protéica. Como o zinco é necessário para a síntese de RBP, os estados de deficiência deste metal são caracterizados por baixos níveis de RBP e vitamina A.
Fracionamento eletroforético A eletroforese de proteínas (EFP) no soro é uma técnica simples para separar as proteínas do soro. É o teste de triagem mais utilizado para investigação de anormalidades das proteínas séricas. Em condições normais, são separadas cinco bandas do soro: albumina, alfa-1, alfa-2, beta e gamaglobulinas. Eventualmente, pode ser observada a presença da pré-albumina.
Fracionamento eletroforético
Eletroforese
Globulinas Região α1-Alfa1-antitripsina (AAT)	Tem como função a inibição de várias proteases provenientes dos neutrófilos.Proteção contra destruição da parede alveolarVR: 20 - 60μmol/L
Globulinas - Alfa1-glicoproteína ácida(AAG)	Tem como função primária inativar a progesterona, alem de interagir com alguma drogas. Aumentada na artrite reumatóide, Lúpus, queimaduras e infarto. O papel exato da AAG não é conhecido-Alfa1-Fetoproteína (AFP)	Usada para detectar defeitos de tubo neural em fetos, examinado através do líquido amnióticoVR líquido amniótico: 5 a 25mg/dl-Alfa 1- Lipoproteína	Transportadora de lipídeos
Globulinas Região α2-Haptoglobina (HAP) Transportadora de Hb para o retículo endotelial para ser degradada. Aumentada durante os processos inflamatórios e diminuída em síndromes hemolíticas.  - Alfa2-macroglobulinainibidora de proteases. Aumentada durante a infância e na síndrome nefrótica e está diminuída em hepatopatias crônicas.  - Ceruplasmina (CER)é fixadora de cobre. Está diminuída nas anemias e aumentada em neoplasias malignas; proteína de fase aguda tardia.
Globulinas Região β1-Transferritina(TRF)Transporta o ferro do intestino até a medula óssea. Está aumentada na depleção de ferro e diminuída nas perdas protéicas e hepatopatias crônicas. -Hemopexina (HX) Transporta o grupamento Heme até o fígado-Beta-lipoproteína Transportadora de lipídeos-Complemento C4 Resposta humoral, participa da via clássica do complemento. A deficiência resulta redução da resposta a infecções.
Globulinas Região β2- Fibrinogênio Substrato da trombina, não encontrado em fracionamentos eletroforéticos pois a amostra usada é o soro -Complemento fração C3 Atua na resposta imunológica humoral- Beta2- microglobulina (BMG) Proteína usada para testar a função tubular renal. Elevada em IR
Globulinas Região γ-Proteína C reativa Marcador não-específico de lesão tecidual, infecção ou necrose celular associada com infarto ou malignidadeVR: 80-800μg/dl
Globulinas Região γ- ImunoglobulinasSintetizadas pelo sistema imune em resposta a uma partícula estranha. 	-Reconhecem,reagem,neutralizam bactérias, vírus e proteínas estranhas. 	-Constituídas por proteínas com estrutura em y.-4 cadeias: 2 leves(L) e 2 pesadas(H)- Antígeno se liga a região variável das cadeias.- IgG, IgM, IgA, IgD e IgE
Globulinas ImunoglobulinasIgG (1,2,3,4)85% das Ig totais, atravessa a barreira placentáriaVR:800-1800mg/dlIgM 5-10% das Ig totaisVR: 50-150mg/dlIgE importante papel na atopia e imunidade antiparasitáriaVR:0-0,2mg/dl
Globulinas Hipogamaglobulinemia-Imunodeficiências hereditárias-Imunodeficiência adquirida: neoplasias linfóides, IR, terapia imunossupressiva-Mieloma múltiplo, leucemia linfocítica crônica-Crianças prematuras-Fármacos: Fenitoína, carbamazepina, ác. Valpróico
Globulinas Gamopatias policlonais-Aumentos difusos das gamaglobulinemias-Causado por: lepra, tuberculose, cirrose biliar primária, cirrose portal, hepatite crônica ativa, doença de Crohn, lúpus eritematoso sistêmico Gamopatias monoclonais-Encontrada em: Mieloma múltiplo, macroglobulinemia de Waldenström, doença da cadeia pesada (doença de Franklin)
Globulinas Eletroforese de proteínas séricas em gel de agarose,  (1) hipergamaglo-bulinemia em processo inflamatório; (2) e (3): fracionamento normal; (4) gama monoclonal no mieloma múltiplo.
Globulinas Perfis eletroforéticos patológicos: 	-Mau fornecimento protéico: albumina , 1 e 2, ,  	-Perdas protéicas – Síndrome Nefrótica: albumina ,  1, 2, ,  (varia) 	-Hepatite crônica: albumina,  	-Hepatite aguda: albumina ou normal, 1, 2 normal  ou ,   e  	-Cirrose: albumina , 1,2 normal  ou , , fusão das frações  e 
Globulinas
DESORDENS NO METABOLISMO DOS AMINOÁCIDOS Excesso de precursores tóxicos. Excesso de metabólitos tóxicos. Deficiência de metabólitos essenciais.
FENILCETONÚRIA (PKU) erro inato do metabolismo causado pela ausência (PKU clássica, tipo I) ou Deficiência parcial (tipo II) da enzima fenilalaninahidroxilase, que converte a fenilalaninaem tirosina. NÃO TRATADA : retardo mental e redução na expectativa de vida.
Outras desordens de aa Tirosinemia Cistinúria Cistinose – síndrome de Fanconi Homocistinúria Albinismo – tirosinase (converte tirosina em melanina)
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Metabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fspMetabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fsp
Messias Miranda
 
urinalise
urinaliseurinalise
urinalise
Rosimeire Areias
 
Exame quimico da urina
Exame quimico da urinaExame quimico da urina
Exame quimico da urina
Arley Melo
 
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
Julio Dutra
 
5. Função Renal.pptx
5. Função Renal.pptx5. Função Renal.pptx
5. Função Renal.pptx
Menandes Alves De Souza Neto
 
Sistema renal
Sistema renalSistema renal
Sistema renal
Rafaela Rodrigues
 
Proteínas aminoácidos
Proteínas  aminoácidosProteínas  aminoácidos
Proteínas aminoácidos
Fábio Santos
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaAula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Jaqueline Almeida
 
Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3
Ronaldo Reis Rêgo
 
Questões patologia geral 1º semestre
Questões patologia geral 1º semestreQuestões patologia geral 1º semestre
Questões patologia geral 1º semestre
Jumooca
 
38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina
Fernanda Assunção
 
Aminoacidos
AminoacidosAminoacidos
Aminoacidos
DANIELLE BORGES
 
Exames Bioquímicos
Exames BioquímicosExames Bioquímicos
Exames Bioquímicos
Camila Ferreira
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
Messias Miranda
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aminoácidos-peptídeos-e-proteínas.pptx
Aminoácidos-peptídeos-e-proteínas.pptxAminoácidos-peptídeos-e-proteínas.pptx
Aminoácidos-peptídeos-e-proteínas.pptx
ssuser1bac32
 
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema RenalFisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Herbert Santana
 
Dislipidemias
DislipidemiasDislipidemias
Dislipidemias
Cíntia Costa
 
Sangue (histologia)
Sangue (histologia)Sangue (histologia)
Sangue (histologia)
emanuel
 
Exames laboratoriais uma visão geral - maxwell castro.
Exames laboratoriais   uma visão geral - maxwell castro.Exames laboratoriais   uma visão geral - maxwell castro.
Exames laboratoriais uma visão geral - maxwell castro.
Maxwell Castro
 

Mais procurados (20)

Metabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fspMetabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fsp
 
urinalise
urinaliseurinalise
urinalise
 
Exame quimico da urina
Exame quimico da urinaExame quimico da urina
Exame quimico da urina
 
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
 
5. Função Renal.pptx
5. Função Renal.pptx5. Função Renal.pptx
5. Função Renal.pptx
 
Sistema renal
Sistema renalSistema renal
Sistema renal
 
Proteínas aminoácidos
Proteínas  aminoácidosProteínas  aminoácidos
Proteínas aminoácidos
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaAula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
 
Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3
 
Questões patologia geral 1º semestre
Questões patologia geral 1º semestreQuestões patologia geral 1º semestre
Questões patologia geral 1º semestre
 
38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina
 
Aminoacidos
AminoacidosAminoacidos
Aminoacidos
 
Exames Bioquímicos
Exames BioquímicosExames Bioquímicos
Exames Bioquímicos
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
 
Aminoácidos-peptídeos-e-proteínas.pptx
Aminoácidos-peptídeos-e-proteínas.pptxAminoácidos-peptídeos-e-proteínas.pptx
Aminoácidos-peptídeos-e-proteínas.pptx
 
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema RenalFisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
 
Dislipidemias
DislipidemiasDislipidemias
Dislipidemias
 
Sangue (histologia)
Sangue (histologia)Sangue (histologia)
Sangue (histologia)
 
Exames laboratoriais uma visão geral - maxwell castro.
Exames laboratoriais   uma visão geral - maxwell castro.Exames laboratoriais   uma visão geral - maxwell castro.
Exames laboratoriais uma visão geral - maxwell castro.
 

Destaque

IT-Shape 5. Newsletter
IT-Shape 5. NewsletterIT-Shape 5. Newsletter
IT-Shape 5. Newsletter
IT Shape
 
SessionThree_IntroductionToVersionControlSystems
SessionThree_IntroductionToVersionControlSystemsSessionThree_IntroductionToVersionControlSystems
SessionThree_IntroductionToVersionControlSystems
Hellen Gakuruh
 
CPD Newsletter, October-December 2015
CPD Newsletter, October-December 2015CPD Newsletter, October-December 2015
CPD Newsletter, October-December 2015
Sazzad Mahmud Shuvo
 
Green BIM
Green BIMGreen BIM
Green BIM
nagham ali hasan
 
褒揚國立臺灣師範大學故前校長簡茂發先生案
褒揚國立臺灣師範大學故前校長簡茂發先生案褒揚國立臺灣師範大學故前校長簡茂發先生案
褒揚國立臺灣師範大學故前校長簡茂發先生案
R.O.C.Executive Yuan
 
Reptiles22
Reptiles22Reptiles22
Reptiles22
confi cion
 
EU-Sustainable-Healthcare-White-paper
EU-Sustainable-Healthcare-White-paperEU-Sustainable-Healthcare-White-paper
EU-Sustainable-Healthcare-White-paper
Lise Charlebois-Ludot
 
Trabajo final lourdes pachas
Trabajo final lourdes   pachasTrabajo final lourdes   pachas
Trabajo final lourdes pachas
241216
 
Applying system thinking to model-based software engineering
Applying system thinking to model-based software engineeringApplying system thinking to model-based software engineering
Applying system thinking to model-based software engineering
Prof. Amir Tomer
 
Questões para estudar
Questões para estudarQuestões para estudar
Questões para estudar
Ana Claudia Rodrigues
 
Consolidating DNS with Amazon Toute 53 - Pop-up Loft Tel Aviv
Consolidating DNS with Amazon Toute 53 - Pop-up Loft Tel AvivConsolidating DNS with Amazon Toute 53 - Pop-up Loft Tel Aviv
Consolidating DNS with Amazon Toute 53 - Pop-up Loft Tel Aviv
Amazon Web Services
 

Destaque (12)

IT-Shape 5. Newsletter
IT-Shape 5. NewsletterIT-Shape 5. Newsletter
IT-Shape 5. Newsletter
 
SessionThree_IntroductionToVersionControlSystems
SessionThree_IntroductionToVersionControlSystemsSessionThree_IntroductionToVersionControlSystems
SessionThree_IntroductionToVersionControlSystems
 
CPD Newsletter, October-December 2015
CPD Newsletter, October-December 2015CPD Newsletter, October-December 2015
CPD Newsletter, October-December 2015
 
Green BIM
Green BIMGreen BIM
Green BIM
 
褒揚國立臺灣師範大學故前校長簡茂發先生案
褒揚國立臺灣師範大學故前校長簡茂發先生案褒揚國立臺灣師範大學故前校長簡茂發先生案
褒揚國立臺灣師範大學故前校長簡茂發先生案
 
Reptiles22
Reptiles22Reptiles22
Reptiles22
 
EU-Sustainable-Healthcare-White-paper
EU-Sustainable-Healthcare-White-paperEU-Sustainable-Healthcare-White-paper
EU-Sustainable-Healthcare-White-paper
 
Exceptional_Award-August-2013
Exceptional_Award-August-2013Exceptional_Award-August-2013
Exceptional_Award-August-2013
 
Trabajo final lourdes pachas
Trabajo final lourdes   pachasTrabajo final lourdes   pachas
Trabajo final lourdes pachas
 
Applying system thinking to model-based software engineering
Applying system thinking to model-based software engineeringApplying system thinking to model-based software engineering
Applying system thinking to model-based software engineering
 
Questões para estudar
Questões para estudarQuestões para estudar
Questões para estudar
 
Consolidating DNS with Amazon Toute 53 - Pop-up Loft Tel Aviv
Consolidating DNS with Amazon Toute 53 - Pop-up Loft Tel AvivConsolidating DNS with Amazon Toute 53 - Pop-up Loft Tel Aviv
Consolidating DNS with Amazon Toute 53 - Pop-up Loft Tel Aviv
 

Semelhante a Aula 4 - B

Bioquimica clinica roteiro
Bioquimica clinica   roteiroBioquimica clinica   roteiro
Bioquimica clinica roteiro
Carolvet88
 
As proteinas-na-pratica-medica dosagens
As proteinas-na-pratica-medica dosagensAs proteinas-na-pratica-medica dosagens
As proteinas-na-pratica-medica dosagens
André Milfont de Aguiar
 
Bioquimica clinica 2015
Bioquimica clinica 2015Bioquimica clinica 2015
Bioquimica clinica 2015
ReginaReiniger
 
Enzimologia Hepática
Enzimologia HepáticaEnzimologia Hepática
Enzimologia Hepática
lira1234
 
Anemias na infância
Anemias na infânciaAnemias na infância
Anemias na infância
Maila Murad Balduino
 
Exames Laboratoriais
Exames LaboratoriaisExames Laboratoriais
Exames Laboratoriais
Biomedicina
 
Mieloma multiplo relato de caso clinico
Mieloma multiplo relato de caso clinicoMieloma multiplo relato de caso clinico
Mieloma multiplo relato de caso clinico
Hospital Samaritano Paulista
 
562665
562665562665
Anemia e sindrome nefrótica
Anemia e sindrome nefróticaAnemia e sindrome nefrótica
Anemia e sindrome nefrótica
LAURA EMANUELLA MARINHO
 
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
ReginaReiniger
 
Anemia Hidrolítica
Anemia Hidrolítica Anemia Hidrolítica
Anemia Hidrolítica
mylena mayra
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
Mariaheht
 
Malária- tudo sobre a doença
Malária- tudo sobre a doençaMalária- tudo sobre a doença
Malária- tudo sobre a doença
EWERTONLIMADASILVA
 
Anemias carenciais na infância
Anemias carenciais na infânciaAnemias carenciais na infância
Anemias carenciais na infância
Henrique Fiorillo
 
Exames laboratoriais
Exames laboratoriaisExames laboratoriais
Exames laboratoriais
Naiara Alves
 
Anemia%20 reduzida%20[modo%20de%20compatibilidade]
Anemia%20 reduzida%20[modo%20de%20compatibilidade]Anemia%20 reduzida%20[modo%20de%20compatibilidade]
Anemia%20 reduzida%20[modo%20de%20compatibilidade]
Raquel Silva
 
4. anemias anticoagulantes etc
4. anemias anticoagulantes etc4. anemias anticoagulantes etc
4. anemias anticoagulantes etc
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Anemias
AnemiasAnemias
Anemias
Marcos Vô
 
Manejo dos quadros hipertensivos na gestação pp
Manejo dos quadros hipertensivos na gestação ppManejo dos quadros hipertensivos na gestação pp
Manejo dos quadros hipertensivos na gestação pp
tvf
 
Manejo dos quadros hipertensivos na gestação pp
Manejo dos quadros hipertensivos na gestação ppManejo dos quadros hipertensivos na gestação pp
Manejo dos quadros hipertensivos na gestação pp
tvf
 

Semelhante a Aula 4 - B (20)

Bioquimica clinica roteiro
Bioquimica clinica   roteiroBioquimica clinica   roteiro
Bioquimica clinica roteiro
 
As proteinas-na-pratica-medica dosagens
As proteinas-na-pratica-medica dosagensAs proteinas-na-pratica-medica dosagens
As proteinas-na-pratica-medica dosagens
 
Bioquimica clinica 2015
Bioquimica clinica 2015Bioquimica clinica 2015
Bioquimica clinica 2015
 
Enzimologia Hepática
Enzimologia HepáticaEnzimologia Hepática
Enzimologia Hepática
 
Anemias na infância
Anemias na infânciaAnemias na infância
Anemias na infância
 
Exames Laboratoriais
Exames LaboratoriaisExames Laboratoriais
Exames Laboratoriais
 
Mieloma multiplo relato de caso clinico
Mieloma multiplo relato de caso clinicoMieloma multiplo relato de caso clinico
Mieloma multiplo relato de caso clinico
 
562665
562665562665
562665
 
Anemia e sindrome nefrótica
Anemia e sindrome nefróticaAnemia e sindrome nefrótica
Anemia e sindrome nefrótica
 
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
 
Anemia Hidrolítica
Anemia Hidrolítica Anemia Hidrolítica
Anemia Hidrolítica
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Malária- tudo sobre a doença
Malária- tudo sobre a doençaMalária- tudo sobre a doença
Malária- tudo sobre a doença
 
Anemias carenciais na infância
Anemias carenciais na infânciaAnemias carenciais na infância
Anemias carenciais na infância
 
Exames laboratoriais
Exames laboratoriaisExames laboratoriais
Exames laboratoriais
 
Anemia%20 reduzida%20[modo%20de%20compatibilidade]
Anemia%20 reduzida%20[modo%20de%20compatibilidade]Anemia%20 reduzida%20[modo%20de%20compatibilidade]
Anemia%20 reduzida%20[modo%20de%20compatibilidade]
 
4. anemias anticoagulantes etc
4. anemias anticoagulantes etc4. anemias anticoagulantes etc
4. anemias anticoagulantes etc
 
Anemias
AnemiasAnemias
Anemias
 
Manejo dos quadros hipertensivos na gestação pp
Manejo dos quadros hipertensivos na gestação ppManejo dos quadros hipertensivos na gestação pp
Manejo dos quadros hipertensivos na gestação pp
 
Manejo dos quadros hipertensivos na gestação pp
Manejo dos quadros hipertensivos na gestação ppManejo dos quadros hipertensivos na gestação pp
Manejo dos quadros hipertensivos na gestação pp
 

Mais de Ana Claudia Rodrigues

Atb mecanismos de ação 2
Atb mecanismos de ação   2Atb mecanismos de ação   2
Atb mecanismos de ação 2
Ana Claudia Rodrigues
 
Aula introdução aos atb 1
Aula introdução aos atb   1Aula introdução aos atb   1
Aula introdução aos atb 1
Ana Claudia Rodrigues
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
Aula 2 prm
Aula 2   prmAula 2   prm
Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2
Ana Claudia Rodrigues
 
Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1
Ana Claudia Rodrigues
 
CQ
CQCQ
Aula equilíbrio ácido base
Aula equilíbrio ácido baseAula equilíbrio ácido base
Aula equilíbrio ácido base
Ana Claudia Rodrigues
 
fung
fungfung
Manual do antibiograma
Manual do antibiograma Manual do antibiograma
Manual do antibiograma
Ana Claudia Rodrigues
 
Espiroq
EspiroqEspiroq
TSA
TSATSA
TSA
TSATSA
Aula 5 - B
Aula 5 - BAula 5 - B
Antibiograma aula
Antibiograma aulaAntibiograma aula
Antibiograma aula
Ana Claudia Rodrigues
 
Aula 8
Aula 8 Aula 8
tsa
tsatsa
Função panc e hepat alunos
Função panc e hepat   alunosFunção panc e hepat   alunos
Função panc e hepat alunos
Ana Claudia Rodrigues
 
íOns alunos
íOns   alunosíOns   alunos
íOns alunos
Ana Claudia Rodrigues
 
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
Prova bioquímica a3 2011   gabaritoProva bioquímica a3 2011   gabarito
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
Ana Claudia Rodrigues
 

Mais de Ana Claudia Rodrigues (20)

Atb mecanismos de ação 2
Atb mecanismos de ação   2Atb mecanismos de ação   2
Atb mecanismos de ação 2
 
Aula introdução aos atb 1
Aula introdução aos atb   1Aula introdução aos atb   1
Aula introdução aos atb 1
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
INTERAÇ
 
Aula 2 prm
Aula 2   prmAula 2   prm
Aula 2 prm
 
Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2
 
Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1
 
CQ
CQCQ
CQ
 
Aula equilíbrio ácido base
Aula equilíbrio ácido baseAula equilíbrio ácido base
Aula equilíbrio ácido base
 
fung
fungfung
fung
 
Manual do antibiograma
Manual do antibiograma Manual do antibiograma
Manual do antibiograma
 
Espiroq
EspiroqEspiroq
Espiroq
 
TSA
TSATSA
TSA
 
TSA
TSATSA
TSA
 
Aula 5 - B
Aula 5 - BAula 5 - B
Aula 5 - B
 
Antibiograma aula
Antibiograma aulaAntibiograma aula
Antibiograma aula
 
Aula 8
Aula 8 Aula 8
Aula 8
 
tsa
tsatsa
tsa
 
Função panc e hepat alunos
Função panc e hepat   alunosFunção panc e hepat   alunos
Função panc e hepat alunos
 
íOns alunos
íOns   alunosíOns   alunos
íOns alunos
 
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
Prova bioquímica a3 2011   gabaritoProva bioquímica a3 2011   gabarito
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
 

Aula 4 - B

  • 2. Proteínas totais e séricas Proteínas totais Albumina Globulinas
  • 3. Proteínas totais Existem mais de 300 proteínas diferentes já identificadas no plasma sanguíneo. Apenas algumas são avaliadas rotineiramente Amostras mais usadas: sangue, urina, LCR, líquido amniótico, peritonial, pleural ou sinovial, saliva ou fezes.
  • 4. Proteínas totais Funções: - estrutural – colágeno, elastina - reguladora - hormônios- transporte - albumina- manutenção da pressão osmótica - albumina- tamponamento de ΔpH - imunidade humoral – anticorpos, complemento- atividade enzimática - enzimas- coagulação – fatores - resposta da fase aguda - armazanamento – transferrina - contração – actina miosina
  • 5. Proteínas totais A concentração das proteínas plasmáticas é determinada por três fatores:- Velocidade de síntese: A maioria produzida no fígado. Cerca de 25g/dia num indivíduo de 70kgs- Volume de líquido: Cerca de 250g de proteínas são encontradas no compartimento vascular de um homem de 70kgs, dando uma concentração ao redor de 7,0g/dl
  • 6. Proteínas totais - Velocidade do catabolismo: As proteínas totais são degradadas, liberando aminoácidos para a síntese de proteínas celulares. 20 a 50% das ptns urinárias – albumina Outros – ptnstamm-horsfall
  • 7. Proteínas totais Determinação das proteínas totais:- Método do Biureto: O cobre, em meio alcalino, reage com a ligação peptídica. O produto apresenta bandas de absorção.Interferentes: Substâncias que possam reagir com o íon cúprico. Ex: Bilirrubina aumentada, triglicerídeos acima de 500mg/dlVR soro: 6,0 – 8,0g/dl
  • 8. Proteínas totais Outros métodos:- Método de Lowry- Método de Bradford- Método de Smith Paciente: Jejum de 8 horasAmostra: soro sem hemólise e não lipêmico
  • 9. Proteínas totais Hiperproteinemia - Desidratação (vômito, diarréia ou acidose diabética)- Mieloma múltiplo- Cirrose hepática- Hepatite ativa crônica- Lupus eritematoso sistêmico- Infecções bacteriana crônica Hipoproteinemia - Hemodiluição- Perda renal de proteínas- Queimaduras severas-Desnutrição (Kwashiorkor) -Hipertireoidismo-Hemorragia grave
  • 10. PROTEÍNAS MARCADORAS DE DISFUNÇÃO RENAL IgG – avançado comprometimento renal Albumina em grande qtd – possível defeito reversível do glomérulo Transferrina a1 -microglobulina, b2 –microglobulina– normalmente encontrada. Em gdqtde – defeito renal intersticial
  • 11. PROTEÍNAS NA URINA IDIOPÁTICA ORTOSTÁTICA FUNCIONAL SOBRECARGA, REABSORÇÃO INSUFICIENTE, GLOMERULAR SÍNDROME NEFRÓTICA GLOMERULONEFRITE
  • 12. Albumina Representa cerca de 60% das proteínas do plasma humano. Meia vida de 15-19 dias Velocidade de síntese depende da ingestão protéica e regulada por feedback negativo pelo teor de albumina circulante Produção de cerca de 15g/ dia
  • 13. Albumina Funções- Regulação osmótica- Transporte e armazenamento : Ácidos graxos e esteróides; bilirrubina; fármacos Síntese : no fígado, na forma de pro-albumina. Degradação: mecanismo desconhecido, degradadas aleatoriamente (novas e velhas), provavelmente pelos endotélio dos capilares, medula óssea e sinusóides hepáticos.
  • 14. Albumina Determinação da albumina- Métodos de corantes: Metilorange, HABA, verde de bromo cresol(VBC) e púrpura de bromocresolVR: 3,5 a 5,5g/dl - Eletroforese
  • 15. Albumina Paciente : Não consumir dieta rica em gordura por 48hr antes da prova Amostra: soro, observar postura dos pacientes, pois em pacientes ambulatoriais o teor de albumina é cerca de 0,3g/dL maior que em pacientes hospitalizados. Interferências: Elevação agentes citotóxicos. Redução  Paracetamol, aspirina, ampicilina
  • 16. Albumina Hiperalbuminemia - É rara - Encontrada em casos de carcinomatose metastática, desidratação aguda, diarréia, estresse, febre reumática, meningite, osteomielites, traumatismo, tuberculose, hemoconcentração, entre outros.
  • 17. Albumina Hipoalbuminemia- Redução da síntese: Cirrose- Ingestão inadequada de proteínas: A síntese é reduzida a um terço durante um jejum de 24hr- Perda protéica extravascular: Síndrome nefrótica (proteinúria massiva) e enteropatia perdedora de proteínas
  • 18. Albumina - Queimaduras extensas : a pele é o maior local de armazenamento extravascular da albumina.- Hemodiluição: Ascites, ICC-Estresse- Analbuminemia- Bisalbuminemia
  • 19. Albumina Conseqüências da hipoalbuminemia- Edema facial, macroglossia, icterícia conjuntival- Bradicardia, hipotensão, cardiomegalia- Hepato-esplenomegalia, ascites- Encefalopatias- Atrofia testicular- Ginecomastia, hipotermia
  • 20. PRÉ - ALBUMINA transporta a tiroxina (T4 ) e a triiodotironina(T3) - MEIA VIDA – 12 h diminuem na inflamação, doenças malignas, cirrose hepática e enfermidades renais perdedoras de proteínas. Na doença de Hodgkin os níveis aumentam.
  • 21. proteína ligadora de retinol (RBP) Transporta a vitamina A (retinol). Se eleva em enfermidades renais crônicas, especialmente em pacientes com proteinúria tubular. Redução - enfermidade hepática e má nutrição protéica. Como o zinco é necessário para a síntese de RBP, os estados de deficiência deste metal são caracterizados por baixos níveis de RBP e vitamina A.
  • 22. Fracionamento eletroforético A eletroforese de proteínas (EFP) no soro é uma técnica simples para separar as proteínas do soro. É o teste de triagem mais utilizado para investigação de anormalidades das proteínas séricas. Em condições normais, são separadas cinco bandas do soro: albumina, alfa-1, alfa-2, beta e gamaglobulinas. Eventualmente, pode ser observada a presença da pré-albumina.
  • 25. Globulinas Região α1-Alfa1-antitripsina (AAT) Tem como função a inibição de várias proteases provenientes dos neutrófilos.Proteção contra destruição da parede alveolarVR: 20 - 60μmol/L
  • 26. Globulinas - Alfa1-glicoproteína ácida(AAG) Tem como função primária inativar a progesterona, alem de interagir com alguma drogas. Aumentada na artrite reumatóide, Lúpus, queimaduras e infarto. O papel exato da AAG não é conhecido-Alfa1-Fetoproteína (AFP) Usada para detectar defeitos de tubo neural em fetos, examinado através do líquido amnióticoVR líquido amniótico: 5 a 25mg/dl-Alfa 1- Lipoproteína Transportadora de lipídeos
  • 27. Globulinas Região α2-Haptoglobina (HAP) Transportadora de Hb para o retículo endotelial para ser degradada. Aumentada durante os processos inflamatórios e diminuída em síndromes hemolíticas. - Alfa2-macroglobulinainibidora de proteases. Aumentada durante a infância e na síndrome nefrótica e está diminuída em hepatopatias crônicas. - Ceruplasmina (CER)é fixadora de cobre. Está diminuída nas anemias e aumentada em neoplasias malignas; proteína de fase aguda tardia.
  • 28. Globulinas Região β1-Transferritina(TRF)Transporta o ferro do intestino até a medula óssea. Está aumentada na depleção de ferro e diminuída nas perdas protéicas e hepatopatias crônicas. -Hemopexina (HX) Transporta o grupamento Heme até o fígado-Beta-lipoproteína Transportadora de lipídeos-Complemento C4 Resposta humoral, participa da via clássica do complemento. A deficiência resulta redução da resposta a infecções.
  • 29. Globulinas Região β2- Fibrinogênio Substrato da trombina, não encontrado em fracionamentos eletroforéticos pois a amostra usada é o soro -Complemento fração C3 Atua na resposta imunológica humoral- Beta2- microglobulina (BMG) Proteína usada para testar a função tubular renal. Elevada em IR
  • 30. Globulinas Região γ-Proteína C reativa Marcador não-específico de lesão tecidual, infecção ou necrose celular associada com infarto ou malignidadeVR: 80-800μg/dl
  • 31. Globulinas Região γ- ImunoglobulinasSintetizadas pelo sistema imune em resposta a uma partícula estranha. -Reconhecem,reagem,neutralizam bactérias, vírus e proteínas estranhas. -Constituídas por proteínas com estrutura em y.-4 cadeias: 2 leves(L) e 2 pesadas(H)- Antígeno se liga a região variável das cadeias.- IgG, IgM, IgA, IgD e IgE
  • 32. Globulinas ImunoglobulinasIgG (1,2,3,4)85% das Ig totais, atravessa a barreira placentáriaVR:800-1800mg/dlIgM 5-10% das Ig totaisVR: 50-150mg/dlIgE importante papel na atopia e imunidade antiparasitáriaVR:0-0,2mg/dl
  • 33. Globulinas Hipogamaglobulinemia-Imunodeficiências hereditárias-Imunodeficiência adquirida: neoplasias linfóides, IR, terapia imunossupressiva-Mieloma múltiplo, leucemia linfocítica crônica-Crianças prematuras-Fármacos: Fenitoína, carbamazepina, ác. Valpróico
  • 34. Globulinas Gamopatias policlonais-Aumentos difusos das gamaglobulinemias-Causado por: lepra, tuberculose, cirrose biliar primária, cirrose portal, hepatite crônica ativa, doença de Crohn, lúpus eritematoso sistêmico Gamopatias monoclonais-Encontrada em: Mieloma múltiplo, macroglobulinemia de Waldenström, doença da cadeia pesada (doença de Franklin)
  • 35. Globulinas Eletroforese de proteínas séricas em gel de agarose, (1) hipergamaglo-bulinemia em processo inflamatório; (2) e (3): fracionamento normal; (4) gama monoclonal no mieloma múltiplo.
  • 36. Globulinas Perfis eletroforéticos patológicos: -Mau fornecimento protéico: albumina , 1 e 2, ,  -Perdas protéicas – Síndrome Nefrótica: albumina , 1, 2, ,  (varia) -Hepatite crônica: albumina,  -Hepatite aguda: albumina ou normal, 1, 2 normal ou ,  e  -Cirrose: albumina , 1,2 normal ou , , fusão das frações  e 
  • 38. DESORDENS NO METABOLISMO DOS AMINOÁCIDOS Excesso de precursores tóxicos. Excesso de metabólitos tóxicos. Deficiência de metabólitos essenciais.
  • 39. FENILCETONÚRIA (PKU) erro inato do metabolismo causado pela ausência (PKU clássica, tipo I) ou Deficiência parcial (tipo II) da enzima fenilalaninahidroxilase, que converte a fenilalaninaem tirosina. NÃO TRATADA : retardo mental e redução na expectativa de vida.
  • 40. Outras desordens de aa Tirosinemia Cistinúria Cistinose – síndrome de Fanconi Homocistinúria Albinismo – tirosinase (converte tirosina em melanina)
  • 41. FIM