SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Federal do ale do São Francisco
Colegiado de Ciências Farmacêuticas
Disciplinas de Farmacotécnica I

Operações
Farmacêuticas

Profª Talita Mota
Operações Farmacêuticas




A política Nacional de Medicamentos publicada em 1998 trata da
necessária segurança, eficácia e qualidade dos medicamentos, a
promoção do uso racional e o acesso da população àqueles
considerados essenciais.
Operações Farmacêuticas
O nome que se dá ao conjunto
de processos empregados na
preparação da matéria-prima que
será incorpora nas diversas
formas
farmacêuticas
para
constituição do medicamento.

Dividem-se em:

OPERAÇÕES
DE USO GERAL

OPERAÇÕES
PROPRIAMENTE
DITAS

OPERAÇÕES FARMACÊUTICAS
Aula 3 operações farmacêuticas
OPERAÇÕES DE USO GERAL
Para avaliar a importância destas operações, basta compreender que a
Servem para garantir garantir
segurança, qualidade e biodisponibilidade dos medicamentos dependem em
a correta dosagem do
grande parte delas. Assim, as operações farmacêuticas compõem, no
principio ativo bem como a
desenvolvimento do medicamento, a fase Farmacotécnica
uniformidade do
Medição de
medicamento.
Mistura
volumes
FASE FARMACOTÉCNICA
MEDICAMENTO

ORGANISMO
FASE BIOFARMACOTÉCNICA
Liberação do fármaco de sua forma farmacêutica

FASE FARMACOCINÉTICA
Absorção
Distribuição
Metabolismo
Excreção

FASE FARMACODINÂMICA
Interação do fármaco
com o receptor

EFEITO
FARMACOLÓGICO

Figura 1- Esquema representativo das fases biofarmacêuticas
OPERAÇÕES DE USO GERAL

Substâncias Baixo Índice Terapêutico

Cp

Conc.Max. Tolerada (CMT)

Cmax
Faixa
Terapêutica (FT)

Conc. Min. Eficaz (CME)

ASC
4

5

Tmax
T 1/2

TEMPO

Figura 2- Curva de concentração plasmática no
tempo, obtida após uma dose extra-vascular de um
fármaco.
OPERAÇÕES DE USO GERAL

Pesagem

Medida de volume

(A) Pesagem - sólidos

(B) Medição de volumes - líquidos

Balanças de precisão X balanças ordinárias
- quantidade
- Sensibilidade

Para escoar
- Pipeta
- Bureta

Verificação X Calibração
OBS 1: empresa certificada pelo IN METRO

OBS 2: calibração: balança + peso padrão

Para conter
- Balão
- Béquer
- Erlenmeyer
- Cálice graduado
OPERAÇÕES DE USO GERAL

Pesagem

Medida de volume
OPERAÇÕES DE USO GERAL

Mistura
Combinação de duas ou mais substâncias, respeitando suas
CUIDADO!!
características obtendo uma mistura homogênea.
INCOMPATIBILIDADES

Espatulação

Trituração

Tamisação

Homogeneização/ Diluição Geométrica

A diluição geométrica é uma técnica de homogeneização
empregada para garantir, durante a “mistura”, a distribuição
uniforme dos componentes da fórmula.
OPERAÇÕES DE USO GERAL

Homogeneização/
Diluição Geométrica

Tipos de Diluições Geométricas

Operação intermediária na
farmácia magistral, visando diluir
fármacos potentes, para serem
utilizadas em outras formas
farmacêuticas como as cápsulas

As diluições normalmente empregadas são de
1:10, 1:100 ou 1:1000, dependendo da faixa de
dosagem da substância.
• Até 0,1mg recomenda-se a diluição 1:1000
• De 0,11mg a 0,99 mg recomenda-se a diluição
1:100
• Acima de 1 mg recomenda-se a diluição 1:10

Tabela 1-Lista de Fármacos que devem ser diluídos









Farmaco

Diluição

T4
Acido fólico (0,5mg)
Mazindol
Alprazolam
Bromazepam (3mg)
Clonazepam

1:1000
1:100
1:100
1:10
1:10
1:10

Diluentes
Lactose, talco ou amido
Lactose, talco ou amido
Lactose, talco ou amido
Lactose, talco ou amido
Lactose, talco ou amido
Lactose, talco ou amido
Aula 3 operações farmacêuticas
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS

Transformação de uma matéria-prima em uma
forma farmacêutica.

Mecânicas

Físicas

Operações que promovem modificações no
aspecto exterior das drogas, mas não
alteram o seu estado físico ou constituição
química.

Operações que promovem alterações
físicas ou químicas no fármaco.
Triagem

OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS

Sólido-sólido

Tamisação

Levigação

Operações
de separação

Decantação

Filtração
Sólido-líquido
e/ou líquidolíquido
Centrifugação

Mecânicas
Clarificação
Divisão
grosseira/
Moagem

sólidos
Divisão fina/
pulverização

Operações
de divisão
Não-sólidos

Emulsificação
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Mecânica - Operações de Separação
Separação sólido-sólido:

a) Triagem ou monda
= Separação de partes inertes ou alteradas de drogas

i) Manual
= Separação de flores, frutos, caule, cascas
ii) Por crivo
= Retirada de terra aderida a raízes
– uso de crivo ou tamis de arame
iii) Por ventilação: eliminação de partes leves – ventiladores
iv) Por lavagem
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Mecânica - Operações de Separação
Separação sólido-sólido:
b) Tamisação
= Separação e calibração de partículas sólidas  estabelece a
tenuidade dos pós
i) Tamises

O fio tem um diâmetro definido que pode se afastar dentro dos
limites dmax e dmin definidos;

Não pode haver reação entre o tamis e o produto a tamisar;

O número do tamis indica a abertura das malhas em micrômetros;

Segundo a Farmacopéia Americana: número do tamis = número de
mesh.

mesh = número de orifícios por
polegada linear (2,54cm) de uma rede
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Mecânica - Operações de Separação
Separação sólido-sólido:





Tamisação: Operação que se pratica com a finalidade de obter pós cujas
partículas tenham um determinado tamanho médio. Constitui um elemento
indispensável para a calibração das partículas.

O instrumento utilizado para a tamisação é o tamis. Este é constituídos por
aro, em geral de metal, de diâmetro variável, tendo cerca de 8 cm de
altura, com uma das extremidades fechada por tecido bem tenso. Esse
tecido permite, em função da abertura padronizada de sua malha, a
separação das partículas conforme o diâmetro.

Oliveira A. Guia Prático da Farmácia Magistral, 4ª Ed, 2011
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Mecânica - Operações de Separação
Separação sólido-sólido:
iii) Técnica
 Por meio de agitação, manual ou mecânica, sem compressão –
geralmente são cobertos para evitar disseminação dos pós
 Distribuição granulométrica - histograma
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Mecânica - Operações de Separação
Separação sólido-sólido:
c) Levigação

A “levigação” é um processo que permite a
incorporação de um princípio ativo, de baixa
solubilidade e de difícil dispersão, em um veículo, e
é realizada através de um agente de solubilização
ou agente molhante, a fim de facilitar sua
incorporação em uma formulação. O princípio ativo
poderá ou não solubilizar, mas ficará na forma
“ideal” para a incorporação.
É comum utilizar óleo mineral, glicerina,
propilenoglicol, água ou álcool como agentes de
levigação
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Mecânica - Operações de Separação
Separação sólido-sólido: Levigação

Oliveira A. Guia Prático da Farmácia Magistral, 4ª Ed, 2011
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Mecânica - Operações de Separação
Separação sólido-líquido e/ou líquido-líquido

a) Decantação
= Consiste em deixar a mistura em repouso e o
componente mais denso, sob a ação da força da
gravidade, formará a fase inferior e o menos denso
ocupará a fase superior.

Pré-requisito:
 Separação sólido-líquido: deposição prévia do sólido.
 Separação de líquidos imiscíveis: formação de
interface.
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Mecânica - Operações de Separação
Separação sólido-líquido e/ou líquido-líquido
b) Centrifugação
= É usada para acelerar a decantação por meio de um movimento
de rotação intenso (força centrífuga) de tal forma que o componente
mais denso se deposite no fundo do recipiente.
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Mecânica - Operações de Separação
Separação sólido-líquido e/ou líquido-líquido
c) Filtração
= Separação de partículas sólidas em suspensão em um líquido por
efeito de pressão sobre superfície porosa.

i) Componentes da filtração
- sólido
- líquido
- unidade filtrante

Principais materiais:
- papel;
- tecidos;
- meios filtrantes rígidos (alumina, sílica,
carvão...
Características:
- Devem ser inertes;
- Devem sofrer o mínimo de alterações
quando em contato com líquidos;
- Devem passar o máximo de líquido e reter
os sólidos em suspensão.
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Mecânica - Operações de Separação
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Mecânica - Operações de Separação
Separação sólido-líquido e/ou líquido-líquido
ii) Teoria da filtração
 Δ P
 resistência da camada filtrante

V =

Δ P

resistência
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Mecânica - Operações de Separação
Separação sólido-líquido e/ou líquido-líquido
iii) Tipos de filtração
OSMOSE
REVERSA

ULTRAFILTRAÇÃO

MICROFILTRAÇÃO

FILTRAÇÃO

0,002-0,0003m

0,2-0,002m

10-0,2m

< 10m

iv) Adjuvantes de filtração
 Substância inerte que aumenta a velocidade de filtração ou o
grau de clarificação e evita a oclusão do filtro
 Diminuem a resistência do fluido sólido
 Formação de rede porosa, permeável e indeformável
 Adicionam-se à suspensão a filtrar ou revestem o septo
 Estrutura rígida
 Insolúvel no líquido da suspensão

 Compatibilidade com o líquido
 Puro
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Mecânica - Operações de Divisão
Divisão de sólidos

a) Divisão grosseira
= Operação mecânica de
partículas dos sólidos.
SECÇÃO

redução

CONTUSÃO

do

RASURAÇÃO

tamanho

das
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Mecânica - Operações de Divisão
Divisão de sólidos
b) Divisão fina: pulverização = operação principal

operações preliminares
i) Pulverização em almofariz

*contusão
*trituração

ii) Pulverização por intermédio (levigação)
Líquidos – água, álcool, éter
Sólidos – açúcar, cloreto de sódio e sulfato de sódio
Gasosos – para substâncias voláteis
iii) Pulverização por moinhos
iv) Por Porfirização (pastas – técnica em 8)
v) Por química (CaCl2 + Na2Co3 ----- Ca2Co3)
Exemplo de fármacos que exibem polimorfismo e, portanto, não devem
passar pelo processo de trituração.












Antibióticos: ampicilina, eritromicina, novobiocina,
roxitromicina;
Anti-fungicos: Miconazol e terbinafina;
Antiparasitários: Mebendazol;
Antiinflamatórios: Betametasona, valerato e acetato,
Dexamatasona, prednisolona e acetato, prednisona,
triancinolona, indometacina, nimesulide, piroxicam,
tenoxicam;
Antihipertensivos: captopril, enalapril, lisinopril,
clortalidona, espironolactona, dogoxina, metoprolol;
Antiulceroros: cimetidina, ranitidina;
Ansiolíticos e anticonvulsivantes: alprazolam,
clordiazepóxido, carbamazepina, fenobarbital.
Figura 3- Polimorfos
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Mecânica - Operações de Divisão
Divisão de não-sólidos

a) Emulsificação
= Divisão do líquido em pequenos glóbulos
conseqüente aumento de sua área superficial

MICELAS

com
Físicas

OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS

Frio ou calor

carbonização

Líquido

refrigeração

calcinação

evaporação

cristalização

secagem

fusão

exsicação

destilação

sublimação

liofilização

torrefação

dissolução
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Intervenção do frio ou do calor
Refrigeração

= Tem por fim baixar a temperatura de um corpo, podendo o grau de
arrefecimento conseguido ser mais ou menos acentuado e estando
dependente do processo utilizado.



agente refrigerante
- água, p. ex. – renovação!
- condensadores de refluxo
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Intervenção do frio ou do calor
Evaporação

= Consiste na formação de vapores à superfície de um líquido, os quais o
vão abandonando gradualmente, resultando disso uma diminuição
progressiva do volume inicial da fase líquida.
 concentração de uma solução

 recuperação de sólido não volátil dissolvido em um líquido X qualquer
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Intervenção do frio ou do calor
Evaporação
Fatores que afetam a velocidade de evaporação:

área da superfície evaporante (↑A ↑V)

temperatura (↑T ↑V)

pressão atmosférica (↓p ↑V)
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Intervenção do frio ou do calor
Secagem
= É a operação que tem por fim privar os corpos da umidade neles
existente, podendo ser um gás, um líquido ou um sólido. Em geral, a
secagem apenas retira dos corpos a água neles existente sob a
forma de umidade higroscópica, para a distinguirem da água de
cristalização dos corpos químicos, a qual só é eliminada totalmente
pela exsicação.
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Intervenção do frio ou do calor
Secagem
 Secagem de sólido
- exposição ao ar livre
- uso de dessecadores (ou exsicadores)
- ar quente - estufa
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Intervenção do frio ou do calor
Secagem ar seco à temperatua ambiente
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Intervenção do frio ou do calor
Liofilização
Criodessecação OU criosublimação OU freeze-drying

= Técnica especial que permite a secagem de um corpo após prévio
congelamento, removendo-se a água congelada por sublimação, de
modo a dar-se, diretamente, a passagem do estado sólido ao gasoso.

VANTAGENS:






Baixa temperatura  garante: inalterável a sua composição química original, a
sua atividade terapêutica e outras propriedades características; redução do
desenvolvimento de microrganismos; inibição de reações enzimáticas;
A perda de constituintes voláteis está reduzida ao mínimo;
Resultam em uma estrutura esponjosa  rápida dissolução;
Se acondicionados e armazenados convenientemente mantêm-se por longo
tempo.
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Intervenção do frio ou do calor
Liofilização
APLICAÇÕES:
 secagem e armazenamento de
substâncias instáveis em solução;
 termosensíveis ou oxidáveis;
 conservação de plasma humano,
enxertos de tecidos e materiais vivos.

 Condições de liofilização: -40 ºC a 0,1 mmHg
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Intervenção do frio ou do calor
Liofilização
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Intervenção do frio ou do calor
Sublimação
=

Esta operação consiste em fazer passar uma substância diretamente
de sólida a gasosa, sem passar pelo estado líquido, recolhendo-se a
substância primitiva novamente solidificada (PONTO TRIPLO).
Na prática laboratorial a sublimação representa um meio de purificar
substâncias sólidas que sejam voláteis, permitindo a sua fácil
separação das impurezas fixas que as acompanham.

Torrefação
=

Executa-se aquecendo os corpos em contato direto com o ar, para os
privar da sua água de constituição e de certas matérias voláteis, de
que resultam modificações na cor, aroma e composição química.
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Intervenção do frio ou do calor
Carbonização
= Operação na qual são provocadas decomposições profundas em
substâncias vegetais ou animais submetendo-as a temperaturas
elevadas. É feita em recipientes fechados e ao abrigo do ar, podendo
executar-se com o fim de aproveitar os vapores que se volatilizam ou
a matéria residual.

Calcinação
= Consiste em submeter um corpo a urna temperatura bastante elevada,
de modo a alterar profundamente a sua composição ou reduzi-lo a
cinzas - sem qualquer interesse na Técnica Farmacêutica, é
frequentemente usada na Análise Química e na preparação industrial
de certos produtos químicos minerais.
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Intervenção do frio ou do calor
Cristalização
Executa-se com o fim de purificar substâncias sólidas, sendo baseada
nas suas diferenças de solubilidade num determinado solvente.
i) dissolução da substância num solvente apropriado, aquecido à ebulição;
ii} filtração da solução quente (eliminar os sólidos insolúveis);
iii) arrefecimento da solução, de modo a permitir que a substância dissolvida cristalize;
iv) separação dos cristais formados por um processo adequado (filtração, centrifugação,
decantação).

Escolha do solvente adequado:
- alto poder dissolvente em temperaturas elevadas;
- baixo poder dissolvente a temperatura ambiente;
- facilmente eliminado da substância cristalizada.
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Intervenção do frio ou do calor
Fusão

= Consiste em fazer passar um corpo do estado sólido a líquido por ação do
calor.
Correntemente praticada nos laboratórios com fins analíticos para a
determinação do ponto de fusão, método de controle do estado de
pureza dos compostos sólidos de constituição química definida, a fusão
utiliza-se ainda no campo farmacêutico com vários fins, como: para
facilitar a incorporação de substâncias medicamentosas insolúveis num
excipiente sólido, p. ex.
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Intervenção do frio ou do calor
Destilação

= É um conjunto de operações que tem por fim separar as substâncias
voláteis das que não são ou separar os constituintes de uma mistura
líquida cujos componentes tenham pontos de ebulição diferentes.
i) evaporação das substâncias voláteis;
ii) condensação dos vapores formados;
iii) arrefecimento do destilado.

11.a) Destilação simples

11.b) Destilação a pressão reduzida
11.c) Destilação em corrente de vapor
11.d) Destilação fracionada
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Intervenção do frio ou do calor
Destilação
Destilação simples
 não permite uma separação completa dos componentes de uma mistura
binária, a não ser que estes tenham pontos de ebulição muito afastados.

DESTILAÇÃO DA ÁGUA
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Intervenção do frio ou do calor
Destilação
Destilação a pressão reduzida
Aplicadas a substâncias que, sob destilação à pressão normal, correm o
risco de se decomporem antes que o seu ponto de ebulição seja atingido.
Com a redução da pressão exercida sobre a superfície livre de um
líquido, a sua temperatura de ebulição é também reduzida.
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Intervenção do frio ou do calor
Destilação
Destilação em corrente de vapor
A principal aplicação desta técnica de destilação em Farmácia é na
preparação das águas destiladas ou hidrolalos, os quais se obtêm
destilando, em corrente de vapor de água, certas drogas contendo
essências.
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Intervenção do frio ou do calor
Destilação
Destilação fracionada
Aplicada quando da separação de dois líquidos miscíveis formando uma
solução ideal.
Esta difere da destilação simples porque entre o balão destilatório e o
condensador se intercala uma coluna de fracionamento ou de retificação.
Métodos de purificação de água

 Troca iônica (deionização ou desmineralização da
água)  todos os sais dissolvidos são teoricamente
eliminados
Principais Vantagens: médio custo de operação; baixo
custo de capital
Métodos de purificação de água



Filtração por membranas

OSMOSE

OSMOSE
REVERSA
 Drinking Water (água potável)
 Purified Water (água purificada)
 Sterile Purified Water (água purificada estéril)

 Water for Injection (água para injeção)
 Sterile Water for Injection (água para injeção
estéril)

 Bacteriostatic Water for Injection (água
bacteriostática para injeção)

 Sterile Water for Irrigation (água estéril para
injeção)
 Sterile Water for Inhalation (água estéril para
inalação)
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Exige um líquido
Dissolução

“Consiste em dividir uma substância até o estado
molecular dentro de um líquido”
(Le Hir)

DISSOLUÇÃO SIMPLES OU
COMPLETA

DISSOLUÇÃO EXTRATIVA
OU PARCIAL
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Exige um líquido
Dissolução


Solubilidade







Constituição química –
solubilidade por
ionização e
por polaridade.
Temperatura
pH
Polimorfismo
Substâncias aditivas



Velocidade de
dissolução (fatores
que interferem):





Superfície de contato
sólido-líquido
Viscosidade
agitação
OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS
Física – Exige um líquido
Dissolução

Tipos de agitadores
Para facilitar a dissolução utiliza-se
agitadores ou misturadores:





Agitadores com hélices
Agitadores eletromagnéticos
Agitadores com pás
Turbinas variadas
Aula 3 operações farmacêuticas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
Venturini Cláudio Luís
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aulas práticas de tecnologia farmacêutica
Aulas práticas de tecnologia farmacêuticaAulas práticas de tecnologia farmacêutica
Aulas práticas de tecnologia farmacêutica
Karen Zanferrari
 
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativosFarmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
Maria Luiza
 
10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos
Lucas Stolfo Maculan
 
Introdução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnicaIntrodução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnica
kaiorochars
 
Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologia
Sheilla Sandes
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
Jaqueline Almeida
 
Farmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMEFarmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADME
Caio Maximino
 
Introdução a farmacognosia
Introdução a farmacognosiaIntrodução a farmacognosia
Introdução a farmacognosia
henriquetabosa
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
FARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oral
FARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oralFARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oral
FARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oral
Renata Medeiros
 
Farmacotécnica
FarmacotécnicaFarmacotécnica
Farmacotécnica
Safia Naser
 
Formas farmaceuticas
Formas farmaceuticasFormas farmaceuticas
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
Renata de O. Marinho Sampaio
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
Claudio Luis Venturini
 
Benzodiazepinicos
BenzodiazepinicosBenzodiazepinicos
Benzodiazepinicos
Alinebrauna Brauna
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
Claudio Luis Venturini
 
Doseamento microbiologico
Doseamento microbiologicoDoseamento microbiologico
Doseamento microbiologico
Click Farma
 

Mais procurados (20)

Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
 
Aulas práticas de tecnologia farmacêutica
Aulas práticas de tecnologia farmacêuticaAulas práticas de tecnologia farmacêutica
Aulas práticas de tecnologia farmacêutica
 
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativosFarmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
 
10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos
 
Introdução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnicaIntrodução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnica
 
Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologia
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
 
Farmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMEFarmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADME
 
Introdução a farmacognosia
Introdução a farmacognosiaIntrodução a farmacognosia
Introdução a farmacognosia
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
 
FARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oral
FARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oralFARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oral
FARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oral
 
Farmacotécnica
FarmacotécnicaFarmacotécnica
Farmacotécnica
 
Formas farmaceuticas
Formas farmaceuticasFormas farmaceuticas
Formas farmaceuticas
 
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
 
Benzodiazepinicos
BenzodiazepinicosBenzodiazepinicos
Benzodiazepinicos
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 
Doseamento microbiologico
Doseamento microbiologicoDoseamento microbiologico
Doseamento microbiologico
 

Destaque

Operações unitárias
Operações unitáriasOperações unitárias
Operações unitárias
Marcela Abreu
 
Apostila de operações unitárias
Apostila de operações unitáriasApostila de operações unitárias
Apostila de operações unitárias
IFMT - Pontes e Lacerda
 
operações unitárias-processos de refrigeração e congelamento
operações unitárias-processos de refrigeração e congelamentooperações unitárias-processos de refrigeração e congelamento
operações unitárias-processos de refrigeração e congelamento
Flavia Alencar
 
Operações unitárias
Operações unitárias Operações unitárias
Operações unitárias
Maria Teixiera
 
Apostila Farmacotécnica II - Teórica 2016
Apostila Farmacotécnica II - Teórica 2016Apostila Farmacotécnica II - Teórica 2016
Apostila Farmacotécnica II - Teórica 2016
Herbert Cristian de Souza
 
Apostila operações i
Apostila operações iApostila operações i
Apostila operações i
Silvânia Mendes Moreschi
 
98230944 farmacotecnica-apostila
98230944 farmacotecnica-apostila98230944 farmacotecnica-apostila
98230944 farmacotecnica-apostila
KEYTIANE JVA
 
36854375 apostila-pratica-farmacotecnica
36854375 apostila-pratica-farmacotecnica36854375 apostila-pratica-farmacotecnica
36854375 apostila-pratica-farmacotecnica
Marcia Cristina
 
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
Marcelo Gomes
 
4 operações físicas unitárias
4 operações físicas unitárias4 operações físicas unitárias
4 operações físicas unitárias
Gilson Adao
 
5.operacoes unitarias slides
5.operacoes unitarias slides5.operacoes unitarias slides
5.operacoes unitarias slides
Anne Carolina Vieira Sampaio
 
Excipientes 29.08
Excipientes 29.08Excipientes 29.08
Excipientes 29.08
ettidavi
 
Pop aditivação
Pop   aditivaçãoPop   aditivação
Pop aditivação
Juciê Vasconcelos
 
Operações unitárias
Operações unitáriasOperações unitárias
Operações unitárias
Nayara Olveira Lara
 
Apostila de-formação-operações-unitárias
Apostila de-formação-operações-unitáriasApostila de-formação-operações-unitárias
Apostila de-formação-operações-unitárias
tabVlae
 
Filtração
FiltraçãoFiltração
Filtração
Maria Teixiera
 
Filtração
FiltraçãoFiltração
Líquidos Semissólidos
Líquidos SemissólidosLíquidos Semissólidos
Líquidos Semissólidos
Janaina Villanova
 
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
Herbert Cristian de Souza
 
Emulsoes
Emulsoes Emulsoes

Destaque (20)

Operações unitárias
Operações unitáriasOperações unitárias
Operações unitárias
 
Apostila de operações unitárias
Apostila de operações unitáriasApostila de operações unitárias
Apostila de operações unitárias
 
operações unitárias-processos de refrigeração e congelamento
operações unitárias-processos de refrigeração e congelamentooperações unitárias-processos de refrigeração e congelamento
operações unitárias-processos de refrigeração e congelamento
 
Operações unitárias
Operações unitárias Operações unitárias
Operações unitárias
 
Apostila Farmacotécnica II - Teórica 2016
Apostila Farmacotécnica II - Teórica 2016Apostila Farmacotécnica II - Teórica 2016
Apostila Farmacotécnica II - Teórica 2016
 
Apostila operações i
Apostila operações iApostila operações i
Apostila operações i
 
98230944 farmacotecnica-apostila
98230944 farmacotecnica-apostila98230944 farmacotecnica-apostila
98230944 farmacotecnica-apostila
 
36854375 apostila-pratica-farmacotecnica
36854375 apostila-pratica-farmacotecnica36854375 apostila-pratica-farmacotecnica
36854375 apostila-pratica-farmacotecnica
 
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
 
4 operações físicas unitárias
4 operações físicas unitárias4 operações físicas unitárias
4 operações físicas unitárias
 
5.operacoes unitarias slides
5.operacoes unitarias slides5.operacoes unitarias slides
5.operacoes unitarias slides
 
Excipientes 29.08
Excipientes 29.08Excipientes 29.08
Excipientes 29.08
 
Pop aditivação
Pop   aditivaçãoPop   aditivação
Pop aditivação
 
Operações unitárias
Operações unitáriasOperações unitárias
Operações unitárias
 
Apostila de-formação-operações-unitárias
Apostila de-formação-operações-unitáriasApostila de-formação-operações-unitárias
Apostila de-formação-operações-unitárias
 
Filtração
FiltraçãoFiltração
Filtração
 
Filtração
FiltraçãoFiltração
Filtração
 
Líquidos Semissólidos
Líquidos SemissólidosLíquidos Semissólidos
Líquidos Semissólidos
 
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
 
Emulsoes
Emulsoes Emulsoes
Emulsoes
 

Semelhante a Aula 3 operações farmacêuticas

OPU
OPUOPU
CENTRIFUGAÇÃO biofísica para nutrição, nesta aula será
CENTRIFUGAÇÃO biofísica para nutrição, nesta aula seráCENTRIFUGAÇÃO biofísica para nutrição, nesta aula será
CENTRIFUGAÇÃO biofísica para nutrição, nesta aula será
CARLOSEDUARDOSALESDA
 
Fluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdf
Fluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdfFluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdf
Fluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdf
CarlosEduardoRambald1
 
Cromatografia
CromatografiaCromatografia
Cromatografia
Shaline Araújo
 
OPERAÇÕES UNITARIAS
OPERAÇÕES UNITARIASOPERAÇÕES UNITARIAS
OPERAÇÕES UNITARIAS
Cristyan Ribeiro
 
Relatorio - cromatografia liquida - Métodos Instrumentais
Relatorio -  cromatografia liquida -  Métodos Instrumentais Relatorio -  cromatografia liquida -  Métodos Instrumentais
Relatorio - cromatografia liquida - Métodos Instrumentais
Juliana Teófilo
 
Aula 1 ebserh
Aula 1 ebserhAula 1 ebserh
tcc yuri emulsoes
tcc yuri emulsoestcc yuri emulsoes
tcc yuri emulsoes
Yuri Loiola
 
Filtracao
FiltracaoFiltracao
Filtracao
Felipecutrim
 
Liberação modificada (2)
Liberação modificada (2)Liberação modificada (2)
Liberação modificada (2)
Marcia Rebelo
 
Liberação modificada (2)
Liberação modificada (2)Liberação modificada (2)
Liberação modificada (2)
Marcia Rebelo
 
Introducción a la Preformulacion
Introducción a la PreformulacionIntroducción a la Preformulacion
Introducción a la Preformulacion
Johnny Aguilar Diaz, Ph.D.
 
Comprimidos 2006
Comprimidos 2006Comprimidos 2006
Comprimidos 2006
Ranielha Lima
 
Filtração 2 qa-
Filtração 2 qa-Filtração 2 qa-
Filtração 2 qa-
Cristyan Ribeiro
 
Juliana Basile Nassin
Juliana Basile NassinJuliana Basile Nassin
Juliana Basile Nassin
Juliana Basile Nassin
 
Spe
SpeSpe
Filtracao1
Filtracao1Filtracao1
Filtracao1
Lincoln Araujo
 
Emulsões
EmulsõesEmulsões
Emulsões
Benedito da Paz
 
Aula Prática - Testes de controle de qualidade físico-químico de comprimidos.ppt
Aula Prática - Testes de controle de qualidade físico-químico de comprimidos.pptAula Prática - Testes de controle de qualidade físico-químico de comprimidos.ppt
Aula Prática - Testes de controle de qualidade físico-químico de comprimidos.ppt
Priscila Balista
 
Semana da tecnologia
Semana da tecnologiaSemana da tecnologia
Semana da tecnologia
Silenezé Souza
 

Semelhante a Aula 3 operações farmacêuticas (20)

OPU
OPUOPU
OPU
 
CENTRIFUGAÇÃO biofísica para nutrição, nesta aula será
CENTRIFUGAÇÃO biofísica para nutrição, nesta aula seráCENTRIFUGAÇÃO biofísica para nutrição, nesta aula será
CENTRIFUGAÇÃO biofísica para nutrição, nesta aula será
 
Fluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdf
Fluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdfFluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdf
Fluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdf
 
Cromatografia
CromatografiaCromatografia
Cromatografia
 
OPERAÇÕES UNITARIAS
OPERAÇÕES UNITARIASOPERAÇÕES UNITARIAS
OPERAÇÕES UNITARIAS
 
Relatorio - cromatografia liquida - Métodos Instrumentais
Relatorio -  cromatografia liquida -  Métodos Instrumentais Relatorio -  cromatografia liquida -  Métodos Instrumentais
Relatorio - cromatografia liquida - Métodos Instrumentais
 
Aula 1 ebserh
Aula 1 ebserhAula 1 ebserh
Aula 1 ebserh
 
tcc yuri emulsoes
tcc yuri emulsoestcc yuri emulsoes
tcc yuri emulsoes
 
Filtracao
FiltracaoFiltracao
Filtracao
 
Liberação modificada (2)
Liberação modificada (2)Liberação modificada (2)
Liberação modificada (2)
 
Liberação modificada (2)
Liberação modificada (2)Liberação modificada (2)
Liberação modificada (2)
 
Introducción a la Preformulacion
Introducción a la PreformulacionIntroducción a la Preformulacion
Introducción a la Preformulacion
 
Comprimidos 2006
Comprimidos 2006Comprimidos 2006
Comprimidos 2006
 
Filtração 2 qa-
Filtração 2 qa-Filtração 2 qa-
Filtração 2 qa-
 
Juliana Basile Nassin
Juliana Basile NassinJuliana Basile Nassin
Juliana Basile Nassin
 
Spe
SpeSpe
Spe
 
Filtracao1
Filtracao1Filtracao1
Filtracao1
 
Emulsões
EmulsõesEmulsões
Emulsões
 
Aula Prática - Testes de controle de qualidade físico-químico de comprimidos.ppt
Aula Prática - Testes de controle de qualidade físico-químico de comprimidos.pptAula Prática - Testes de controle de qualidade físico-químico de comprimidos.ppt
Aula Prática - Testes de controle de qualidade físico-químico de comprimidos.ppt
 
Semana da tecnologia
Semana da tecnologiaSemana da tecnologia
Semana da tecnologia
 

Aula 3 operações farmacêuticas

  • 1. Universidade Federal do ale do São Francisco Colegiado de Ciências Farmacêuticas Disciplinas de Farmacotécnica I Operações Farmacêuticas Profª Talita Mota
  • 2. Operações Farmacêuticas   A política Nacional de Medicamentos publicada em 1998 trata da necessária segurança, eficácia e qualidade dos medicamentos, a promoção do uso racional e o acesso da população àqueles considerados essenciais.
  • 3. Operações Farmacêuticas O nome que se dá ao conjunto de processos empregados na preparação da matéria-prima que será incorpora nas diversas formas farmacêuticas para constituição do medicamento. Dividem-se em: OPERAÇÕES DE USO GERAL OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS OPERAÇÕES FARMACÊUTICAS
  • 5. OPERAÇÕES DE USO GERAL Para avaliar a importância destas operações, basta compreender que a Servem para garantir garantir segurança, qualidade e biodisponibilidade dos medicamentos dependem em a correta dosagem do grande parte delas. Assim, as operações farmacêuticas compõem, no principio ativo bem como a desenvolvimento do medicamento, a fase Farmacotécnica uniformidade do Medição de medicamento. Mistura volumes FASE FARMACOTÉCNICA MEDICAMENTO ORGANISMO FASE BIOFARMACOTÉCNICA Liberação do fármaco de sua forma farmacêutica FASE FARMACOCINÉTICA Absorção Distribuição Metabolismo Excreção FASE FARMACODINÂMICA Interação do fármaco com o receptor EFEITO FARMACOLÓGICO Figura 1- Esquema representativo das fases biofarmacêuticas
  • 6. OPERAÇÕES DE USO GERAL Substâncias Baixo Índice Terapêutico Cp Conc.Max. Tolerada (CMT) Cmax Faixa Terapêutica (FT) Conc. Min. Eficaz (CME) ASC 4 5 Tmax T 1/2 TEMPO Figura 2- Curva de concentração plasmática no tempo, obtida após uma dose extra-vascular de um fármaco.
  • 7. OPERAÇÕES DE USO GERAL Pesagem Medida de volume (A) Pesagem - sólidos (B) Medição de volumes - líquidos Balanças de precisão X balanças ordinárias - quantidade - Sensibilidade Para escoar - Pipeta - Bureta Verificação X Calibração OBS 1: empresa certificada pelo IN METRO OBS 2: calibração: balança + peso padrão Para conter - Balão - Béquer - Erlenmeyer - Cálice graduado
  • 8. OPERAÇÕES DE USO GERAL Pesagem Medida de volume
  • 9. OPERAÇÕES DE USO GERAL Mistura Combinação de duas ou mais substâncias, respeitando suas CUIDADO!! características obtendo uma mistura homogênea. INCOMPATIBILIDADES Espatulação Trituração Tamisação Homogeneização/ Diluição Geométrica A diluição geométrica é uma técnica de homogeneização empregada para garantir, durante a “mistura”, a distribuição uniforme dos componentes da fórmula.
  • 10. OPERAÇÕES DE USO GERAL Homogeneização/ Diluição Geométrica Tipos de Diluições Geométricas Operação intermediária na farmácia magistral, visando diluir fármacos potentes, para serem utilizadas em outras formas farmacêuticas como as cápsulas As diluições normalmente empregadas são de 1:10, 1:100 ou 1:1000, dependendo da faixa de dosagem da substância. • Até 0,1mg recomenda-se a diluição 1:1000 • De 0,11mg a 0,99 mg recomenda-se a diluição 1:100 • Acima de 1 mg recomenda-se a diluição 1:10 Tabela 1-Lista de Fármacos que devem ser diluídos         Farmaco Diluição T4 Acido fólico (0,5mg) Mazindol Alprazolam Bromazepam (3mg) Clonazepam 1:1000 1:100 1:100 1:10 1:10 1:10 Diluentes Lactose, talco ou amido Lactose, talco ou amido Lactose, talco ou amido Lactose, talco ou amido Lactose, talco ou amido Lactose, talco ou amido
  • 12. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Transformação de uma matéria-prima em uma forma farmacêutica. Mecânicas Físicas Operações que promovem modificações no aspecto exterior das drogas, mas não alteram o seu estado físico ou constituição química. Operações que promovem alterações físicas ou químicas no fármaco.
  • 13. Triagem OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Sólido-sólido Tamisação Levigação Operações de separação Decantação Filtração Sólido-líquido e/ou líquidolíquido Centrifugação Mecânicas Clarificação Divisão grosseira/ Moagem sólidos Divisão fina/ pulverização Operações de divisão Não-sólidos Emulsificação
  • 14. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Mecânica - Operações de Separação Separação sólido-sólido: a) Triagem ou monda = Separação de partes inertes ou alteradas de drogas i) Manual = Separação de flores, frutos, caule, cascas ii) Por crivo = Retirada de terra aderida a raízes – uso de crivo ou tamis de arame iii) Por ventilação: eliminação de partes leves – ventiladores iv) Por lavagem
  • 15. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Mecânica - Operações de Separação Separação sólido-sólido: b) Tamisação = Separação e calibração de partículas sólidas  estabelece a tenuidade dos pós i) Tamises  O fio tem um diâmetro definido que pode se afastar dentro dos limites dmax e dmin definidos;  Não pode haver reação entre o tamis e o produto a tamisar;  O número do tamis indica a abertura das malhas em micrômetros;  Segundo a Farmacopéia Americana: número do tamis = número de mesh. mesh = número de orifícios por polegada linear (2,54cm) de uma rede
  • 16. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Mecânica - Operações de Separação Separação sólido-sólido:   Tamisação: Operação que se pratica com a finalidade de obter pós cujas partículas tenham um determinado tamanho médio. Constitui um elemento indispensável para a calibração das partículas. O instrumento utilizado para a tamisação é o tamis. Este é constituídos por aro, em geral de metal, de diâmetro variável, tendo cerca de 8 cm de altura, com uma das extremidades fechada por tecido bem tenso. Esse tecido permite, em função da abertura padronizada de sua malha, a separação das partículas conforme o diâmetro. Oliveira A. Guia Prático da Farmácia Magistral, 4ª Ed, 2011
  • 17. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Mecânica - Operações de Separação Separação sólido-sólido: iii) Técnica  Por meio de agitação, manual ou mecânica, sem compressão – geralmente são cobertos para evitar disseminação dos pós  Distribuição granulométrica - histograma
  • 18. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Mecânica - Operações de Separação Separação sólido-sólido: c) Levigação A “levigação” é um processo que permite a incorporação de um princípio ativo, de baixa solubilidade e de difícil dispersão, em um veículo, e é realizada através de um agente de solubilização ou agente molhante, a fim de facilitar sua incorporação em uma formulação. O princípio ativo poderá ou não solubilizar, mas ficará na forma “ideal” para a incorporação. É comum utilizar óleo mineral, glicerina, propilenoglicol, água ou álcool como agentes de levigação
  • 19. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Mecânica - Operações de Separação Separação sólido-sólido: Levigação Oliveira A. Guia Prático da Farmácia Magistral, 4ª Ed, 2011
  • 20. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Mecânica - Operações de Separação Separação sólido-líquido e/ou líquido-líquido a) Decantação = Consiste em deixar a mistura em repouso e o componente mais denso, sob a ação da força da gravidade, formará a fase inferior e o menos denso ocupará a fase superior. Pré-requisito:  Separação sólido-líquido: deposição prévia do sólido.  Separação de líquidos imiscíveis: formação de interface.
  • 21. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Mecânica - Operações de Separação Separação sólido-líquido e/ou líquido-líquido b) Centrifugação = É usada para acelerar a decantação por meio de um movimento de rotação intenso (força centrífuga) de tal forma que o componente mais denso se deposite no fundo do recipiente.
  • 22. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Mecânica - Operações de Separação Separação sólido-líquido e/ou líquido-líquido c) Filtração = Separação de partículas sólidas em suspensão em um líquido por efeito de pressão sobre superfície porosa. i) Componentes da filtração - sólido - líquido - unidade filtrante Principais materiais: - papel; - tecidos; - meios filtrantes rígidos (alumina, sílica, carvão... Características: - Devem ser inertes; - Devem sofrer o mínimo de alterações quando em contato com líquidos; - Devem passar o máximo de líquido e reter os sólidos em suspensão.
  • 23. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Mecânica - Operações de Separação
  • 24. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Mecânica - Operações de Separação Separação sólido-líquido e/ou líquido-líquido ii) Teoria da filtração  Δ P  resistência da camada filtrante V = Δ P resistência
  • 25. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Mecânica - Operações de Separação Separação sólido-líquido e/ou líquido-líquido iii) Tipos de filtração OSMOSE REVERSA ULTRAFILTRAÇÃO MICROFILTRAÇÃO FILTRAÇÃO 0,002-0,0003m 0,2-0,002m 10-0,2m < 10m iv) Adjuvantes de filtração  Substância inerte que aumenta a velocidade de filtração ou o grau de clarificação e evita a oclusão do filtro  Diminuem a resistência do fluido sólido  Formação de rede porosa, permeável e indeformável  Adicionam-se à suspensão a filtrar ou revestem o septo  Estrutura rígida  Insolúvel no líquido da suspensão  Compatibilidade com o líquido  Puro
  • 26. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Mecânica - Operações de Divisão Divisão de sólidos a) Divisão grosseira = Operação mecânica de partículas dos sólidos. SECÇÃO redução CONTUSÃO do RASURAÇÃO tamanho das
  • 27. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Mecânica - Operações de Divisão Divisão de sólidos b) Divisão fina: pulverização = operação principal operações preliminares i) Pulverização em almofariz *contusão *trituração ii) Pulverização por intermédio (levigação) Líquidos – água, álcool, éter Sólidos – açúcar, cloreto de sódio e sulfato de sódio Gasosos – para substâncias voláteis iii) Pulverização por moinhos iv) Por Porfirização (pastas – técnica em 8) v) Por química (CaCl2 + Na2Co3 ----- Ca2Co3)
  • 28. Exemplo de fármacos que exibem polimorfismo e, portanto, não devem passar pelo processo de trituração.        Antibióticos: ampicilina, eritromicina, novobiocina, roxitromicina; Anti-fungicos: Miconazol e terbinafina; Antiparasitários: Mebendazol; Antiinflamatórios: Betametasona, valerato e acetato, Dexamatasona, prednisolona e acetato, prednisona, triancinolona, indometacina, nimesulide, piroxicam, tenoxicam; Antihipertensivos: captopril, enalapril, lisinopril, clortalidona, espironolactona, dogoxina, metoprolol; Antiulceroros: cimetidina, ranitidina; Ansiolíticos e anticonvulsivantes: alprazolam, clordiazepóxido, carbamazepina, fenobarbital. Figura 3- Polimorfos
  • 29. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Mecânica - Operações de Divisão Divisão de não-sólidos a) Emulsificação = Divisão do líquido em pequenos glóbulos conseqüente aumento de sua área superficial MICELAS com
  • 30. Físicas OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Frio ou calor carbonização Líquido refrigeração calcinação evaporação cristalização secagem fusão exsicação destilação sublimação liofilização torrefação dissolução
  • 31. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Intervenção do frio ou do calor Refrigeração = Tem por fim baixar a temperatura de um corpo, podendo o grau de arrefecimento conseguido ser mais ou menos acentuado e estando dependente do processo utilizado.  agente refrigerante - água, p. ex. – renovação! - condensadores de refluxo
  • 32. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Intervenção do frio ou do calor Evaporação = Consiste na formação de vapores à superfície de um líquido, os quais o vão abandonando gradualmente, resultando disso uma diminuição progressiva do volume inicial da fase líquida.  concentração de uma solução  recuperação de sólido não volátil dissolvido em um líquido X qualquer
  • 33. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Intervenção do frio ou do calor Evaporação Fatores que afetam a velocidade de evaporação:  área da superfície evaporante (↑A ↑V)  temperatura (↑T ↑V)  pressão atmosférica (↓p ↑V)
  • 34. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Intervenção do frio ou do calor Secagem = É a operação que tem por fim privar os corpos da umidade neles existente, podendo ser um gás, um líquido ou um sólido. Em geral, a secagem apenas retira dos corpos a água neles existente sob a forma de umidade higroscópica, para a distinguirem da água de cristalização dos corpos químicos, a qual só é eliminada totalmente pela exsicação.
  • 35. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Intervenção do frio ou do calor Secagem  Secagem de sólido - exposição ao ar livre - uso de dessecadores (ou exsicadores) - ar quente - estufa
  • 36. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Intervenção do frio ou do calor Secagem ar seco à temperatua ambiente
  • 37. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Intervenção do frio ou do calor Liofilização Criodessecação OU criosublimação OU freeze-drying = Técnica especial que permite a secagem de um corpo após prévio congelamento, removendo-se a água congelada por sublimação, de modo a dar-se, diretamente, a passagem do estado sólido ao gasoso. VANTAGENS:     Baixa temperatura  garante: inalterável a sua composição química original, a sua atividade terapêutica e outras propriedades características; redução do desenvolvimento de microrganismos; inibição de reações enzimáticas; A perda de constituintes voláteis está reduzida ao mínimo; Resultam em uma estrutura esponjosa  rápida dissolução; Se acondicionados e armazenados convenientemente mantêm-se por longo tempo.
  • 38. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Intervenção do frio ou do calor Liofilização APLICAÇÕES:  secagem e armazenamento de substâncias instáveis em solução;  termosensíveis ou oxidáveis;  conservação de plasma humano, enxertos de tecidos e materiais vivos.  Condições de liofilização: -40 ºC a 0,1 mmHg
  • 39. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Intervenção do frio ou do calor Liofilização
  • 40. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Intervenção do frio ou do calor Sublimação = Esta operação consiste em fazer passar uma substância diretamente de sólida a gasosa, sem passar pelo estado líquido, recolhendo-se a substância primitiva novamente solidificada (PONTO TRIPLO). Na prática laboratorial a sublimação representa um meio de purificar substâncias sólidas que sejam voláteis, permitindo a sua fácil separação das impurezas fixas que as acompanham. Torrefação = Executa-se aquecendo os corpos em contato direto com o ar, para os privar da sua água de constituição e de certas matérias voláteis, de que resultam modificações na cor, aroma e composição química.
  • 41. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Intervenção do frio ou do calor Carbonização = Operação na qual são provocadas decomposições profundas em substâncias vegetais ou animais submetendo-as a temperaturas elevadas. É feita em recipientes fechados e ao abrigo do ar, podendo executar-se com o fim de aproveitar os vapores que se volatilizam ou a matéria residual. Calcinação = Consiste em submeter um corpo a urna temperatura bastante elevada, de modo a alterar profundamente a sua composição ou reduzi-lo a cinzas - sem qualquer interesse na Técnica Farmacêutica, é frequentemente usada na Análise Química e na preparação industrial de certos produtos químicos minerais.
  • 42. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Intervenção do frio ou do calor Cristalização Executa-se com o fim de purificar substâncias sólidas, sendo baseada nas suas diferenças de solubilidade num determinado solvente. i) dissolução da substância num solvente apropriado, aquecido à ebulição; ii} filtração da solução quente (eliminar os sólidos insolúveis); iii) arrefecimento da solução, de modo a permitir que a substância dissolvida cristalize; iv) separação dos cristais formados por um processo adequado (filtração, centrifugação, decantação). Escolha do solvente adequado: - alto poder dissolvente em temperaturas elevadas; - baixo poder dissolvente a temperatura ambiente; - facilmente eliminado da substância cristalizada.
  • 43. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Intervenção do frio ou do calor Fusão = Consiste em fazer passar um corpo do estado sólido a líquido por ação do calor. Correntemente praticada nos laboratórios com fins analíticos para a determinação do ponto de fusão, método de controle do estado de pureza dos compostos sólidos de constituição química definida, a fusão utiliza-se ainda no campo farmacêutico com vários fins, como: para facilitar a incorporação de substâncias medicamentosas insolúveis num excipiente sólido, p. ex.
  • 44. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Intervenção do frio ou do calor Destilação = É um conjunto de operações que tem por fim separar as substâncias voláteis das que não são ou separar os constituintes de uma mistura líquida cujos componentes tenham pontos de ebulição diferentes. i) evaporação das substâncias voláteis; ii) condensação dos vapores formados; iii) arrefecimento do destilado. 11.a) Destilação simples 11.b) Destilação a pressão reduzida 11.c) Destilação em corrente de vapor 11.d) Destilação fracionada
  • 45. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Intervenção do frio ou do calor Destilação Destilação simples  não permite uma separação completa dos componentes de uma mistura binária, a não ser que estes tenham pontos de ebulição muito afastados. DESTILAÇÃO DA ÁGUA
  • 46. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Intervenção do frio ou do calor Destilação Destilação a pressão reduzida Aplicadas a substâncias que, sob destilação à pressão normal, correm o risco de se decomporem antes que o seu ponto de ebulição seja atingido. Com a redução da pressão exercida sobre a superfície livre de um líquido, a sua temperatura de ebulição é também reduzida.
  • 47. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Intervenção do frio ou do calor Destilação Destilação em corrente de vapor A principal aplicação desta técnica de destilação em Farmácia é na preparação das águas destiladas ou hidrolalos, os quais se obtêm destilando, em corrente de vapor de água, certas drogas contendo essências.
  • 48. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Intervenção do frio ou do calor Destilação Destilação fracionada Aplicada quando da separação de dois líquidos miscíveis formando uma solução ideal. Esta difere da destilação simples porque entre o balão destilatório e o condensador se intercala uma coluna de fracionamento ou de retificação.
  • 49. Métodos de purificação de água  Troca iônica (deionização ou desmineralização da água)  todos os sais dissolvidos são teoricamente eliminados Principais Vantagens: médio custo de operação; baixo custo de capital
  • 50. Métodos de purificação de água  Filtração por membranas OSMOSE OSMOSE REVERSA
  • 51.  Drinking Water (água potável)  Purified Water (água purificada)  Sterile Purified Water (água purificada estéril)  Water for Injection (água para injeção)  Sterile Water for Injection (água para injeção estéril)  Bacteriostatic Water for Injection (água bacteriostática para injeção)  Sterile Water for Irrigation (água estéril para injeção)  Sterile Water for Inhalation (água estéril para inalação)
  • 52. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Exige um líquido Dissolução “Consiste em dividir uma substância até o estado molecular dentro de um líquido” (Le Hir) DISSOLUÇÃO SIMPLES OU COMPLETA DISSOLUÇÃO EXTRATIVA OU PARCIAL
  • 53. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Exige um líquido Dissolução  Solubilidade      Constituição química – solubilidade por ionização e por polaridade. Temperatura pH Polimorfismo Substâncias aditivas  Velocidade de dissolução (fatores que interferem):    Superfície de contato sólido-líquido Viscosidade agitação
  • 54. OPERAÇÕES PROPRIAMENTE DITAS Física – Exige um líquido Dissolução Tipos de agitadores Para facilitar a dissolução utiliza-se agitadores ou misturadores:     Agitadores com hélices Agitadores eletromagnéticos Agitadores com pás Turbinas variadas