SlideShare uma empresa Scribd logo
APOSTILA
TEÓRICA DE
FARMACOTÉCNICA I
Prof. Herbert Cristian de Souza
2012-02
Blog do curso de Farmácia da UNIPAC Araguari
www.farmaciaunipac.com.br
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO_______________________________________________________________ 3
2. A FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO _______________________________________________ 4
2.1 BENEFÍCIOS DO MEDICAMENTO MANIPULADO _______________________________________________________ 4
2.2 DIFERENÇAS ENTRE O MEDICAMENTO MANIPULADO E INDUSTRIALIZADO_____________________________________ 4
2.3 FARMACOTÉCNICA__________________________________________________________________________ 4
2.4 SÃO OBJETIVOS DA FARMACOTÉCNICA ____________________________________________________________ 4
3. CONCEITOS IMPORTANTES____________________________________________________ 5
4. CONSTITUINTES DAS FORMULAÇÕES____________________________________________ 8
4.1 PRINCÍPIO ATIVO (P.A) ____________________________________________________________________ 8
4.2 EXCIPIENTE _____________________________________________________________________________ 8
4.2.1 COADJUVANTE TERAPÊUTICO _________________________________________________________________ 8
4.2.2 COADJUVANTE TÉCNICO _____________________________________________________________________ 8
4.3 CLASSIFICAÇÃO DAS FORMULAÇÕES _________________________________________________________ 9
5. BIOFARMACOTÉCNICA ______________________________________________________ 10
5.1 DISSOLUÇÃO E ABSORÇÃO DE FÁRMACOS ___________________________________________________ 11
5.2 INDIVÍDUO MÉDIO PADRÃO_______________________________________________________________ 13
5.3 BIODISPONIBILIDADE ____________________________________________________________________ 13
5.4 ÍNDICE TERAPÊUTICO ____________________________________________________________________ 14
5.5 FATORES QUE AFETAM A BIODISPONIBILIDADE DOS FÁRMACOS _________________________________ 15
5.6 EXCIPIENTES E A ABSORÇÃO DE FÁRMACOS __________________________________________________ 17
6. FORMA FARMACÊUTICA EM PÓ _______________________________________________ 18
6.1 CLASSIFICAÇÃO DOS PÓS _________________________________________________________________ 18
6.2 GRANULOMETRIA DOS PÓS _______________________________________________________________ 18
6.3 ETAPAS DE OBTENÇÃO DE PÓS_____________________________________________________________ 19
6.4 MODIFICAÇÕES DEVIDO A REDUÇÃO DO TAMANHO DAS PARTÍCULAS _____________________________ 20
6.5 INCOMPATIBILIDADES ___________________________________________________________________ 20
6.6 ACONDICIONAMENTO ___________________________________________________________________ 21
6.7 PÓS-EFERVECENTES _____________________________________________________________________ 22
6.7.1 REGRAS GERAIS PARA A PREPARAÇÃO DE PÓS EFERVESCENTES __________________________________ 22
7. GRANULADO ______________________________________________________________ 23
7.1 GRANULAÇÃO __________________________________________________________________________ 23
7.2 MÉTODOS DE OBTENÇÃO DE GRANULADOS __________________________________________________ 24
7.3 FORMA FARMACÊUTICA EM CÁPSULAS______________________________________________________ 26
7.4 CLASSIFICAÇÃO (CATEGORIAS DE CÁPSULAS) _________________________________________________ 27
7.5 CÁPSULAS DURAS _______________________________________________________________________ 27
7.6 TAMANHO DAS CÁPSULAS ________________________________________________________________ 28
7.7 CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES ___________________________________________________________ 28
7.8 EXCIPIENTES ___________________________________________________________________________ 29
7.8.1 DILUENTES_____________________________________________________________________________ 29
7.8.2 LUBRIFICANTES __________________________________________________________________________ 29
7.8.3 AGENTES MOLHANTES_____________________________________________________________________ 30
7.9 MÉTODO DE ENCHIMENTO DAS CÁPSULAS ___________________________________________________ 30
7.10 PROCEDIMENTO PARA MANIPULAÇÃO _____________________________________________________ 31
7.11 EXERCÍCIOS SOBRE ENCHIMENTO DE CÁPSULAS ______________________________________________ 32
8. REVESTIMENTO DE FORMAS FARMACÊUTICAS SÓLIDAS ___________________________ 34
8.1 RAZÕES PARA REVESTIR AS CÁPSULAS_______________________________________________________ 35
8.2 SUBSTÂNCIAS USADAS PARA O REVESTIMENTO _______________________________________________ 35
8.3 SOLUÇÃO IDEAL PARA REVESTIMENTO ______________________________________________________ 35
9. COMPRIMIDOS ____________________________________________________________ 36
9.1 CLASSIFICAÇÃO _________________________________________________________________________ 36
9.2 ADJUVANTES OU EXCIPIENTES _____________________________________________________________ 37
9.2.1 DILUENTES ___________________________________________________________________________ 37
9.2.2 ABSORVENTES ________________________________________________________________________ 37
9.2.3 AGLUTINANTES________________________________________________________________________ 37
9.2.4 DESAGREGANTES ______________________________________________________________________ 37
9.2.5 LUBRIFICANTES________________________________________________________________________ 38
9.3 MÁQUINA DE COMPRESSÃO ______________________________________________________________ 38
9.3.1 FASES DA COMPRESSÃO_________________________________________________________________ 39
9.4 QUESTÕES DE REVISÃO___________________________________________________________________ 41
10. ESTABILIDADE DE MEDICAMENTOS ___________________________________________ 43
10.1 TEMPERATURA ________________________________________________________________________ 44
10.2 LUZ__________________________________________________________________________________ 45
10.3 OXIGÊNIO (O2) ________________________________________________________________________ 45
10.4 PH___________________________________________________________________________________ 46
10.5 UMIDADE (HIDRÓLISE) __________________________________________________________________ 46
10.6 TEMPO DE CONSERVAÇÃO _______________________________________________________________ 46
11. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS_______________________________________________ 48
3
1. INTRODUÇÃO
No rol das Ciências Farmacêuticas, a Farmacotécnica destaca-se por reunir subsídios teóricos e práticos para
aquele que, talvez, seja um dos maiores objetivos do profissional farmacêutico: produzir medicamentos. E, quando
se fala em medicamentos, fala-se de um produto que, por ser destinado à promoção da saúde, é atrelado a um
rígido controle de qualidade.
Desde os mais remotos tempos, a qualidade é embasada nas relações da Farmacotécnica com as demais Ciências
Farmacêuticas. O próprio Galeno, considerado o pai da Farmacotécnica (se não da profissão farmacêutica), em
seus escritos no início da Era Cristã, demonstrava uma enorme coerência científica, sendo que algumas de suas
fórmulas são utilizadas ainda hoje.
Quando se pensa na técnica e todas as implicações relacionadas à escolha da forma física do medicamento,
dependemos de pré-requisitos muito importantes, como a Química - em especial a Físico-Química e a Química
Orgânica. O conhecimento da primeira leva à otimização da técnica de preparo, e orienta quanto ao perfil
biofarmacêutico (velocidade de absorção) que se pretende atingir. Já a Química Orgânica, além de sua importância
nestes aspectos técnicos, também subsidia nas questões críticas, como a estabilidade dos componentes envolvidos
numa formulação e suas incompatibilidades.
Farmacotécnica é, enfim, a ciência responsável pelo desenvolvimento e produção de medicamentos, levando-se
em conta o efeito terapêutico e a estabilidade (prazo de validade) desejados, condições de acondicionamento,
transporte e armazenamento, bem como a forma ideal de administração e dispensação. Seus principais pré-
requisitos incluem outras Ciências Farmacêuticas, como Farmacologia, Farmacognosia e Química Farmacêutica,
além de ciências básicas como Físico-Química, Química Geral e Orgânica, Fisiologia, Patologia, Parasitologia e
Microbiologia.
A farmácia magistral brasileira passou nos últimos anos por profundas transformações, adequando a novos
parâmetros de qualidade mais exigentes e às novas legislações mais rigorosas. Contudo, o setor cresceu muito, e
esse crescimento trouxe novos desafios decorrentes do aumento da demanda por medicamentos manipulados,
tais como, o aumento da necessidade em atender a consumidores cada vez mais informados e exigentes, o
crescimento da competição comercial e a necessidade de adequação à legislação.
O principal desafio da farmácia magistral está na conquista da credibilidade que só será alcançada através do
crescimento sustentado, pautado na obtenção de excelência em serviços e em produtos e na capacidade técnica-
gerencial. A implantação de sistemas de garantia de qualidade, treinamentos contínuos, a informatização, o
emprego de novas tecnologias, o cumprimento das legislações sanitárias, a política adequada de formação de
preços e o marketing são alguns dos caminhos recomendáveis.
A principal mudança foi à substituição da RDC n° 33/2000 pela RDC n° 214/2006, a qual foi substituída pela RDC n°
67/2007, que fixa os requisitos mínimos exigidos para o exercício das atividades de manipulação de preparações
magistrais e oficinais das farmácias, como as instalações, os equipamentos, recursos humanos, aquisição,
armazenamento e controle da qualidade da matéria-prima, avaliação farmacêutica da prescrição, e principalmente
a manipulação, conservação, transporte, e dispensação de preparações.
Portanto, a disciplina de farmacotécnica tem como objetivo discutir as principais formas farmacêuticas produzidas
dentro das farmácias de manipulação, não se esquecendo de interagir este conhecimento com o dia-a-dia das
empresas, trazendo assim a realidade para dentro da sala de aula. Desejo a todos um bom semestre, repleto de
conhecimentos que possam ser utilizados para ajudar as pessoas.
Seja bem vindo a disciplina de Farmacotécnica I.
Importante: esta apostila destina-se apenas como apoio e não é um material didático, cabendo ao aluno consultar as
referências bibliográficas citadas na ementa.
4
2. A FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO
2.1 Benefícios do medicamento manipulado
a) Facilidade posológica
b) Possibilidade de escolha da forma farmacêutica
c) Possibilidade de resgate de medicamentos
d) Economia
e) Personalização terapêutica
f) União multiprofissional
2.2 Diferenças entre o medicamento manipulado e industrializado
2.3 Farmacotécnica
A farmacotécnica estuda a transformação dos produtos naturais ou de síntese em
medicamentos nas várias formas farmacêuticas, utilizadas na prevenção, diagnóstico e
cura das doenças. Esta transformação torna os fármacos susceptíveis de serem
administrados, assegurando uma perfeita eficácia terapêutica e conservação.
2.4 São objetivos da farmacotécnica
Preparar, conservar, acondicionar e dispensar medicamentos, dosados com exatidão e
apresentados sob uma forma que facilite a sua administração. Além disso, visa o
melhoramento das formas farmacêuticas existentes, através do estudo dos componentes
das fórmulas e de novos processos de fabricação. Compete à Farmacotécnica estudar a
forma farmacêutica mais adequada e o melhor meio de se conservar os medicamentos, de
modo a prolongar, na medida do possível, o seu período de utilização.
MEDICAMENTO INDUSTRIALIZADO MEDICAMENTO MANIPULADO
Formulação padronizada para atender
necessidades gerais de uma população.
Formulação personalizada para atender as
necessidades específicas de um paciente.
O prescritor precisa adequar o paciente à
apresentação comercial disponível.
O prescritor pode adequar a formulação (dose,
quantidade ou forma farmacêutica) a cada
paciente.
A comercialização em larga escala, inviabiliza
economicamente e às vezes tecnicamente por
questões de estabilidade, a possibilidade da
produção de diversas F.F em várias dosagens.
Permite a prescrição de F.F diferenciadas das
disponíveis comercialmente, bem como, o
emprego de dosagem especifica para um
determinado paciente.
5
3. CONCEITOS IMPORTANTES
FORMAS FARMACÊUTICAS (F.F).
É a forma na qual o medicamento é apresentado podendo ser líquida (ex.: gotas, xarope,
elixir), sólida (ex.: comprimidos, cápsulas), semi-sólida (ex.: creme, gel, pomada) ou gasosa
(spray, aerossol). É o estado final apresentado pelos medicamentos após operações
farmacotécnicas executadas sobre o fármaco e os adjuvantes apropriados.
FÓRMULA FARMACÊUTICA
É a composição do medicamento, considerando todas as substâncias ativas ou inativas
que são empregadas na produção de produtos farmacêuticos.
Ex:
Ácido salicílico.......................1,0%
Uréia.......................................3,0%
Lactato de amônio.................1,5%
Creme base.................q.s.p...100%
DROGAS
Matérias primas (ativa ou inativa) de várias origens, que tenha ou não finalidade
medicamentosa ou sanitária
FÁRMACOS
É uma substância ativa, droga, insumo farmacêutico ou matéria-prima empregada para
modificar ou explorar sistemas fisiológicos ou estados patológicos em benefício da pessoa
a qual se administra o medicamento.
REMÉDIOS
A palavra remédio é empregada num sentido amplo e geral, sendo aplicada a todos os
meios utilizados com o fim de prevenir ou de curar as doenças. Deste modo, são remédios
não só os medicamentos, mas também os agentes de natureza física ou psíquica a que se
recorre na terapêutica.
MEDICAMENTO
Produto farmacêutico tecnicamente obtido ou elaborado, que contém um ou mais
fármacos juntamente com outras substâncias, com a finalidade profilática, curativa,
paliativa ou para fins de diagnóstico.
MEDICAMENTO OFICINAL OU FARMACOPÉICO
É uma preparação realizada na farmácia, cuja fórmula esteja inscrita no Formulário
Nacional ou em Formulários Internacionais reconhecidos pela ANVISA.
6
MEDICAMENTO MAGISTRAL
Medicamento preparado na farmácia cuja prescrição estabelece a composição, a forma
farmacêutica e a posologia de acordo com a necessidade clínica de cada paciente. Não
está descrito nos códigos oficiais.
ESPECIALIDADE FARMACÊUTICA
Produto industrializado e comercializado em suas embalagens originais, podendo ser
classificados em genéricos, similares e de marca, sempre com registro no MS.
DCB
Denominação Comum Brasileira do fármaco ou princípio ativo aprovada pelo órgão
federal responsável
DCI
Denominação Comum Internacional do fármaco ou princípio ativo aprovada pela
organização Mundial de Saúde.
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
É a descrição de técnicas e operações a serem utilizadas na farmácia, visando proteger e
garantir a preservação da qualidade das preparações manipuladas e a segurança dos
manipuladores.
QUARENTENA
Retenção temporária de insumos, preparações básicas ou preparações manipuladas
isoladas fisicamente ou por meios que impeçam a sua utilização, enquanto esperam
decisão quanto à sua liberação rejeição.
TERMOS USADOS EM FARMACOTÉCNICA
q.s.p: quantidade suficiente para... (se preparar uma formulação). Pode-se dizer que o
q.s.p representa o peso ou volume total da formulação, e não necessariamente o peso ou
volume de um determinado item.
q.s: quantidade suficiente
fsa: faça segundo a arte
bm: banho-maria
caps: cápsulas
USP: United States Pharmacopeia – Farmacopéia Americana
Farm. Bras.: farmacopéia Brasileira
BASES GALÊNICAS
Preparações compostos de uma ou mais matérias-primas, com fórmula definida destinada
a serem utilizadas como veículos/excipiente de preparações farmacêuticas.
7
RDC 67/2007
Conjunto de normas e definições que dispõe sobre as Boas Práticas de Manipulação em
Farmácia, desde suas instalações, equipamentos e recursos humanos, aquisição e controle
da qualidade da matéria-prima. Além do armazenamento, avaliação farmacêutica da
prescrição, manipulação, fracionamento, conservação, transporte, dispensação das
preparações, incluindo a atenção farmacêutica aos usuários ou seus responsáveis, visando
à garantia de sua qualidade, segurança, efetividade e promoção do seu uso seguro e
racional.
INSUMO INERTE
Substância complementar, de natureza definida, desprovida de propriedades
farmacológicas ou terapêuticas, nas concentrações utilizadas, e empregada como veículo
ou excipiente, na composição do produto final.
PREPARAÇÃO
Procedimento farmacotécnico para obtenção do produto manipulado, compreendendo a
avaliação farmacêutica da prescrição, a manipulação, fracionamento de substâncias ou
produtos industrializados, envase, rotulagem e conservação das preparações.
8
4. CONSTITUINTES DAS FORMULAÇÕES
4.1 PRINCÍPIO ATIVO (P.A)
Os princípios ativos ou fármacos são os elementos-chave responsáveis pela ação
terapêutica de um medicamento alopático ou fitoterápico
4.2 EXCIPIENTE
Excipientes farmacêuticos são substâncias farmacologicamente ativas que não seja o
fármaco, que tem sua segurança avaliada e, que estão incluídos junto ao P.A com as
seguintes intenções1
:
a) Possibilitar a preparação do medicamento;
b) Proteger, fornecer ou melhorar a estabilidade e disponibilidade biológica;
c) Melhorar a aceitabilidade pelos pacientes;
d) Proporciona identificação dos medicamentos;
Também chamados de adjuvantes ou coadjuvantes, dependendo de suas aplicações
podem ser divididos em coadjuvantes terapêuticos ou coadjuvantes técnicos.
4.2.1 Coadjuvante terapêutico
Está diretamente relacionado às fases farmacodinâmicas e farmacocinéticas, e tem como
função auxiliar a ação do P.A, seja por sinergismo, redução de efeitos adversos ou ainda o
aumento do tempo de meia-vida dos fármacos.
Ex: carbidopa e ácido clavulânico, que associados à levodopa e penicilina aumentam a
meia-vida destes por inibição metabólica.
4.2.2 Coadjuvante técnico
São os excipientes mais comuns e estão relacionados ao melhoramento dos aspectos
químicos, físicos e físico-químicos, permitindo maior estabilidade das formulações. São
classificados de acordo com a sua funcionalidade nas formulações.
 Agente acidulante: usado em preparações liquidas para proporcionar meio ácido
para a estabilidade do produto.
 Agente alcalinizante: usado em preparações liquidas para proporcionar meio
alcalino para a estabilidade do produto.
 Adsorvente: agente capaz de prender outras moléculas em sua superfície por meios
físicos ou químicos.
1
Fonte: www.ipecamericas.org
9
 Conservante antifúngico: previne o crescimento de fungos em formulações liquidas
e semi-sólidas.
 Conservante antimicrobiano: previne o crescimento de bactérias em formulações
líquidas e semi-sólidas.
 Antioxidante: inibe a oxidação.
 Agente tampão: usado para resistir às mudanças de pH.
 Agente quelante: substância que forma complexos estáveis e hidrossolúveis
(quelatos) com metais.
 Corante: usado para fornecer cor.
 Emulsificante: usado para dispersar líquidos não missiveis.
 Flavorizante: fornecer cor e odor agradáveis.
 Umectante: evitar o ressecamento das preparações.
 Solvente: agente usado para dissolver uma substância em solução.
4.3 CLASSIFICAÇÃO DAS FORMULAÇÕES
1) Baseadas no número de P.A presentes nas formulações
2) Baseadas nas vias de administração
3) Baseadas das formas farmacêuticas (F.F)
4) Baseadas nas ações terapêuticas
5) Baseadas nos métodos de obtenção das formas:
a) Divisão mecânica: granulados, comprimidos, drágeas, cápsulas.
b) Dispersões mecânicas: suspensões, emulsão, aerossóis.
c) Dispersão molecular: soluções, xaropes, extratos, espíritos, águas aromáticas
10
5. BIOFARMACOTÉCNICA
A biofarmacotécnica estuda os processos que ocorrem no organismo, a partir da
administração da forma farmacêutica, considerando as fases de liberação e dissolução do
fármaco, que precedem sua absorção. Pode, também, ser definida como o estudo entre a
intensidade e o efeito biológico dos ativos e, os vários fatores relacionados ao próprio
fármaco, à formulação do medicamento, incluindo o processo produtivo e, à via de
administração.
• Estuda os processos que ocorrem no organismo deste o momento de sua
administração;
• Focado nos aspectos de liberação e dissolução da forma farmacêutica;
• Permite compreender a relação dos componentes da formulação com a absorção e
o efeito terapêutico;
• Melhora as F.F de acordo com a necessidade de administração e absorção dos
fármacos
11
5.1 DISSOLUÇÃO E ABSORÇÃO DE FÁRMACOS
• Para que seja absorvido precisa antes ser dissolvido (dissolução) no local de
absorção
• A dissolução depende do Ph do meio, podendo ser dissolvido no estômago ou
intestino
• A dissolução depende de inúmeros fatores, como a F.F, solvente, características
físico-químicas, etc
• Produtos mal formulados podem não ser completamente absorvidos
12
POSOLOGIA
Reflete a quantidade total de um medicamento, estimado de acordo com a idade e peso
do paciente que se deve administrar de uma vez, ou em doses parciais, sempre levando
em conta a dose, a via de administração e o tempo de meia-vida
DOSE
Quantidade de fármaco suficiente (mínima) para produzir efeito terapêutico ideal. A dose
usual segura e eficaz é definida por estudos clínicos e depende de fatores fisiológicos,
patológicos e genéticos.
DOSE USUAL
Existem grupos de indivíduos que respondem diferente às mesmas doses
13
5.2 INDIVÍDUO MÉDIO PADRÃO
5.3 BIODISPONIBILIDADE
Corresponde à quantidade de um fármaco que chega a circulação sanguínea, em
determinado tempo após a sua administração.
1. A libertação e dissolução dos fármacos constituem fatores limitantes na absorção,
quer do ponto de vista da quantidade absorvida, quer na velocidade que ela se
efetua.
2. Uma das medidas da absorção de um fármaco é a determinação de sua
concentração ( [ ] ) sérica em vários intervalos de tempo após a sua administração.
3. É possível determinar qual a [ ] mínima que produza os efeitos desejados. Essa [ ] é
denominada CME – Concentração Mínima Efetiva
14
5.4 ÍNDICE TERAPÊUTICO
Um fármaco deve ser julgado não apenas por suas propriedades úteis, mas também pelos
seus efeitos tóxicos. Desta forma, tem-se o índice terapêutico de um fármaco.
15
PICOS DE CONCENTRAÇÃO MÁXIMA, NÍVEL PLASMÁTICO EFETIVO E CONCENTRAÇÃO
MÁXIMA TOLERADA DE UM MESMO FÁRMACO, A MESMA DOSE EM DIFERENTES
FORMULAÇÕES DE USO ORAL
5.5 FATORES QUE AFETAM A BIODISPONIBILIDADE DOS FÁRMACOS
a. A forma farmacêutica
b. Os excipientes
c. Ligados ao próprio fármaco
d. Ligados aos indivíduos
e. A dose
16
EXEMPLO:
Mesmo fármaco, mesma dose e diferentes formas farmacêuticas
ERROS DE PESAGEM PODEM ELEVAR A [ ] PLASMÁTICA
17
5.6 EXCIPIENTES E A ABSORÇÃO DE FÁRMACOS
O gráfico abaixo representa diferentes concentrações do excipiente Estearato de
magnésio e sua influência na absorção de um fármaco.
FORMAS FARMACÊUTICAS SÓLIDAS
As formas farmacêuticas sólidas são resultantes da transformação de transformação de
fármacos em pós, os quais poderão ser dispensados diretamente nesta forma ou servirem
de intermediários para outras formas farmacêuticas, como comprimidos, granulados e
cápsulas.
VANTAGENS
1. Menor custo de acondicionamento e embalagem
2. Maior estabilidade química, física e microbiana
3. Boa aceitação e fácil administração
4. Possibilidade de controlar a biodisponibilidade
5. Menor sensação de gosto
18
6. FORMA FARMACÊUTICA EM PÓ
São formas farmacêuticas sólidas e secas constituídas por um ou mais componentes, que
passaram por processos de pulverização e que apresentam a mesma tenuidade.
VANTAGENS
Fácil deglutição, fácil dissolução e fácil absorção.
DESVANTAGENS
Baixa uniformidade de doses, sabor mais realçado que outras F.F, baixa estabilidade
química.
6.1 CLASSIFICAÇÃO DOS PÓS
1) QUANTO À APLICAÇÃO
Uso interno: podem constituir solução no momento da administração.
Uso externo: devem possuir boa espalhabilidade e tenuidade e não devem causar
irritação local.
2) QUANTO A CONSTITUIÇÃO
Pós simples:
Pós compostos:
3) QUANTO AO TAMANHO DA PARTÍCULA
Pó muito grosso:
Pó grosso:
Pó medianamente grosso:
Pó fino:
Pó muito fino:
6.2 GRANULOMETRIA DOS PÓS
A granulometria dos pós pode interferir em processos de mistura, dissolução e
biodisponibilidade. Ou seja, o tamanho das partículas interfere na biodisponibilidade
através da variabilidade dos seguintes fatores:
a) Velocidade de dissolução;
b) Suspensibilidade;
c) Uniformidade na distribuição;
19
d) Tecnologia de obtenção de comprimidos e cápsulas;
e) Penetrabilidade (partículas inaladas: 1 a 5 μm);
f) Espalhabilidade (não aspereza < 100 μm)
6.3 ETAPAS DE OBTENÇÃO DE PÓS
a) Operações preliminares
Operações mais utilizadas para material vegetal e separação de corpos sólidos.
Caracterizadas principalmente pela triagem ou monda, divisão grosseira e secagem
b) Operação principal – Mistura ou homogeneização
Pulverização (trituração) no gral
Levigação com líquidos
Espatulação
Fricção no tamis
20
O tamis é o instrumento utilizado para fazer a tamisação. É constituído por um aro de
diâmetro variável, apresentando uma das extremidades fechada com uma tela aplicada de
modo a ficar bem esticada, como uma peneira.
6.4 MODIFICAÇÕES DEVIDO A REDUÇÃO DO TAMANHO DAS PARTÍCULAS
a) Cor
b) Cheiro e sabor
c) Volume
d) Densidade
e) Higroscopia
f) Solubilidade
6.5 INCOMPATIBILIDADES
a) Misturas eutéticas
São misturas que se liquefazem a temperatura ambiente. O ponto de fusão da mistura é
menor do que a dos dois pós isoladamente, podendo liquefazer-se ou formar uma pasta.
Exemplos:
1. Acetanilida e cânfora;
2. Ácido acetilsalicílico e fenol;
3. Antipirina e mentol;
4. Cânfora e mentol;
Para minimizar esse efeito, deve-se usar um pó absorvente, como o óxido de magnésio, o
fosfato tricálcio, o gel de sílica, talco, amido ou a lactose.
21
Problemas relacionados à manipulação de pós.
Problema Medida corretiva
Formação de mistura eutética (pós se liquefazem
à temperatura ambiente após serem misturados
em determinada proporção).
Interpor entre os pós incompatíveis um pó absorvente de
elevada temperatura de fusão (exs: MgCO3, MgO, caulim,
amido, talco, etc.).
Formação de misturas explosivas (trituração de
agentes oxidantes e redutores fortes).
Evitar ou interpor pós inertes entre o agente oxidante e o
redutor.
Pós Higroscópicos (absorvem umidade do ar) e
Deliqüescentes (se liquefazem total ou
parcialmente).
Controlar a umidade relativa do ar, granular os pós, manipular
evitando a exposição à atmosfera úmida, adicionar um pó
absorvente à preparação.
Pós eflorescentes (aqueles que possuem água de
hidratação que é liberada tornando o pó pastoso
ou liquefeito).
Substituir o pó hidratado pelo anidro ou secar o pó antes de
manipula-lo.
Pós leves e “fofos”. Compactar com álcool ou óleo mineral.
Pós de difícil escoamento. Acrescentar estearato de magnésio em concentração inferior a
1%.
Pós com carga estática. Neutralizar as cargas com laurilsulfato de sódio em
concentração inferior a 1%.
Incorporar líquidos à pós. Além do líquido acrescentar um pó absorvente; concentrar o
líquido até uma consistência mais viscosa.
6.6 ACONDICIONAMENTO
O acondicionamento pode ser feito em potes de plástico ou de vidros, de boca larga, bem
cheios e fechados. As substancias que sofrem hidrolise podem ser acondicionadas em
embalagens com gel de sílica, por exemplo.
1. A GRANEL – O paciente deverá medir a quantidade a ser tomada em colheres ou outro
tipo de utensílio semelhante. Como a medida assim é imprecisa, apenas os pós
efervescentes, laxativos, pós para ducha higiênica, pós dentifrícios ou para limpeza de
dentadura.
2. PAPEIS MEDICAMENTOSOS OU SACHES – Os pós também
podem ser acondicionados em envelopes ou papéis
medicamentosos. Neste caso, a distribuição será feita por divisão
geográfica ou com medidores de volume ou peso, principalmente
para fármacos potentes.
Uso: Para acondicionar pó em doses individuais.
Proteção dos pós após pesagem
Tipo: papel impermeável, papel vegetal.
Recomendado: para substâncias não higroscópicas.
Forma: retangular. Ex: 10 x 8 cm
22
EXIGÊNCIAS
 Estabilidade
 Homogeneidade:
1. Tamanho de partículas semelhantes
2. Técnica adequada – Misturador em V
3. Gral – Mistura geométrica
6.7 PÓS-EFERVECENTES
A efervescência destina-se a proporcionar um paladar agradável, corrigindo
eventualmente o gosto de certos fármacos utilizando as propriedades ácidas do CO2, o
qual vai ainda atuar secundáriamente como estabilizante da mucosa gástrica, podendo
aumentar a absorção do medicamento.
A efervescência é conseguida à custa da reação de um carbonato ou bicarbonato com um
ácido orgânico, como o cítrico ou o tartárico, na presença da água usada para a ingestão
do medicamento, produzindo-se a liberação de CO2. Geralmente usa-se uma quantidade
fixa e arbitrária de ácido tartárico, ácido cítrico ou NaH2PO4, podendo ainda associarem-
se estes três compostos. A quantidade de NaHCO3 que é necessária adicionar pode-se
calcular em função da acidez conferida pelos ácidos e o NaH2PO4, de tal modo que a
reação entre eles em presença de água, gera uma solução próximo da neutralidade.
Os pós efervescentes constituem uma fórmula dotada de má conservação, pois absorvem
facilmente umidade atmosférica dada a grande superfície que apresentam. É por isso que
eles são geralmente substituídos por granulados, menos sujeitos a esta alteração.
6.7.1 REGRAS GERAIS PARA A PREPARAÇÃO DE PÓS EFERVESCENTES
Além das regras utilizadas para a preparação de pós compostos, deve-se:
a - Logo após a pulverização e tamisação de cada um dos pós presentes na fórmula, secar
cada um desses pós em estufa à 50-60°C durante 20 minutos.
b - Pulverizar e tamisar isoladamente cada um dos pós secos, misturá-los em um gral.
Secar o pó composto obtido em estufa à 50°C durante 20 minutos aproximadamente.
c - Após o término da etapa anterior, caso necessário, tamisar a mistura final obtida.
embalar, rotular e registrar conforme as mesmas exigências dos pós compostos acima
descritas.
23
7. GRANULADO
Granular é uma operação farmacêutica de dar forma utilizada para aglomerar substâncias
pulverizadas através da aplicação de pressão e/ou adição de aglutinantes.
7.1 GRANULAÇÃO
Processo em que pequenas partículas são transformadas em partículas maiores –
aglomerados permanentes
É o processo através do quais partículas em pó são conduzidas a se aderirem umas às
outras para formar entidades multiparticuladas grandes denominadas grânulos.
OS GRÂNULOS SÃO OBTIDOS POR 3 MOTIVOS
1. Para se obter uma forma farmacêutica final em escala magistral e industrial
2. Para a produção de comprimidos em escala industrial
3. Para promover o revestimento
RAZÕES PARA A GRANULAÇÃO EM COMPRIMIDOS
1. Evitar a separação (segregação) de constituintes numa mistura de pós
2. Melhorar as propriedades de fluxo da mistura: facilidade de escoamento
3. Aumento da densidade: reduz o volume permitindo melhor compressibilidade
4. Melhorar as características de compactação da mistura: maior compressibilidade
5. Aumento da dissolução: devido a sua alta porosidade
RAZÕES PARA A GRANULAÇÃO COMO F.F FINAL
1. Mais estéticos
2. Não aderem entre si: evita a umidade
3. Mais agradáveis de ingerir
4. Posologia mantida x colheres
5. Efervescentes – melhor conservação – menor superfície de contato
24
7.2 MÉTODOS DE OBTENÇÃO DE GRANULADOS
1. Granulação por Fusão
a. Aquecer (90-105°C) substâncias medicamentosas
b. Pela ação da água e do calor ocorre a fusão superficialmente aglomerando-se
sob a forma de pasta – crivo
c. Ex: ácido cítrico, bicarbonato de sódio e sulfato de Mg
2. Granulação por via seca
Mistura dos pós → Compactação → Calibração (tamis)
25
3. Granulação por via úmida
Mistura dos pós → Umectação → Granulação (tamis) → Secagem → Calibração (tamis)
26
7.3 FORMA FARMACÊUTICA EM CÁPSULAS
São formas farmacêuticas sólidas, com invólucro duro ou mole, de diversos formatos e
tamanhos, normalmente contendo uma dose unitária de ingrediente ativo. Os invólucros
são normalmente formados de gelatina de origem animal, contudo podem ser de amido.
VANTAGENS
1. Mascaramento de odor e sabor;
2. Fácil liberação do principio ativo;
3. Possibilidade de revestimento;
4. Boa estabilidade: proteção contra luz, ar e umidade;
5. Ótima precisão e dosagem;
6. Fácil administração e boa aceitação pelos pacientes;
7. Rapidez na execução;
8. Possibilidade de obtenção de pequenas quantidades;
9. Melhora dos aspectos comerciais (ocupa pequenos
volumes);
10.Baixo risco de contaminação cruzada;
27
DESVANTAGENS
1. Não é fracionável;
2. Aderem com certa facilidade à parede de esôfago;
3. Dificuldade de uso em crianças e idosos;
4. Incompatibilidade com substâncias higroscópicas, deliqüescentes e eflorescentes;
7.4 CLASSIFICAÇÃO (CATEGORIAS DE CÁPSULAS)
1. Cápsulas duras;
2. Cápsulas moles;
3. Cápsulas gastro-resistentes (de liberação entérica);
4. Cápsulas de liberação modificada (liberação prolongada).
7.5 CÁPSULAS DURAS
As cápsulas duras têm forma cilíndrica, arredondada nos extremos e são formadas por
duas partes abertas numa extremidade, com diâmetros ligeiramente diferentes, devendo
seus extremos abertos encaixar um no outro.
As cápsulas duras são constituídas de gelatina*, corantes,
antioxidantes e agentes opacos. Apresentam cerca de 8 a
16% de água. Tem formato cilíndrico, arredondado nas
extremidades e são formadas de 2 partes: corpo e tampa.
O corpo é utilizado para acondicionar os pós, e já a
tampa com a finalidade de retê-lo.
* A gelatina NF, é um produto obtido pela hidrólise
parcial de colágeno obtido da pele do tecido conjuntivo
branco de ossos de animais. É comercializado na forma
de pó fino, pó grosso, tiras, flocos ou folhas.
28
7.6 TAMANHO DAS CÁPSULAS
N° CAPACIDADE MÉDIA (MG) VOLUME MÉDIO (ML)
5 Até 65mg 0,130ml
4 65mg a 100mg 0,210ml
3 130mg a 200mg 0,300ml
2 200mg a 350mg 0,370ml
1 350mg a 550mg 0,500ml
0 550mg a 750mg 0,680ml
00 750mg a 975mg 0,950ml
000 975mg a 1400mg 1,370ml
Obs.: existem diferenças de capacidade relacionadas com a reologia do pó, tenuidade,
densidade, pressão usada no enchimento, etc. Exemplo: uma cápsula n° 0 pode conter
520mg de Ácido AcetilSalicílico e 715mg de bicarbonato de sódio, ou ainda 325mg de
sulfato de quinina.
A dosificação correta das cápsulas duras depende de três fatores fundamentais:
a) Escolha do invólucro com capacidade adequada
b) Método de enchimento (manual ou automático)
c) Produto a encapsular (densidade/umidade).
7.7 CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES
As cápsulas devem ser completamente preenchidas, e a tampa não foi feita para
acondicionar os pós, e sim servir de barreira. Se a quantidade de fármaco for menor que a
capacidade total da cápsula, é necessário acrescentar um diluente para seu completo
29
enchimento, como a lactose, a celulose microcristalina, amido ou uma mistura chamada
de excipiente padrão:
Estearato de Magnésio....................... 0,5%
Aerosil............................................... 1,0%
Lauril Sulfato de Sódio................... 1% a 2%
Talco.................................................. 30%
Amido de milho............. qsp.............. 100%
7.8 EXCIPIENTES
7.8.1 Diluentes
a) Amido: Concentração Máxima: Não há.
Incompatibilidade: Não há
Contra Indicação: Não há
b) Lactose: Concentração Máxima: 90%.
Incompatibilidade: Grupo amino ( Reação de Maillard)
Contra Indicação: Pacientes com intolerância à Lactose
c) Manitol: Concentração Máxima: 90%.
Incompatibilidade: Fe, Al, Cu.
Contra Indicação: Crianças.
d) Fosfato de Cálcio Dibásico
Concentração Máxima: Não definida.
Incompatibilidade: Fármacos sensíveis a pH alcalino derivados da tetraciclina.
Outros: Celulose microcristalina, Carbonato de Cálcio.
7.8.2 Lubrificantes
a) Dióxido de Silício (Aerosil):
Concentração: 0,1 – 1,0 %
Incompatível: Dietilestilbestrol
b) Estearato de Magnésio:
Concentração: 0,2 – 2,0 %
Incompatível: substâncias ácidas
30
c) Talco:
Concentração: 1 – 10,0 %.
7.8.3 Agentes Molhantes
Recomendado para fármacos lipossolúveis.
a) Lauril Sulfato de Sódio: Concentração: 1 a 2%
b) Incompatível: Alcalóides, Substâncias ácidas, etc.
c) Docusato Sódico: Concentração: 0,5%. Incompatível: eletrólitos
7.9 MÉTODO DE ENCHIMENTO DAS CÁPSULAS
A cápsula é uma das formas farmacêuticas mais difundidas em
manipulação. No entanto, a prática envolvendo cápsulas é
muitas vezes imprecisa, pois os métodos geralmente utilizados
para o enchimento, se baseiam na capacidade em termos de
peso. Este parâmetro (peso) varia muito conforme a densidade
do pó a ser encapsulado, o que pode gerar alguns
inconvenientes no cálculo de excipiente e tamanho da cápsula a
ser empregada.
Este método consiste em encher as cápsulas pressionando o seu corpo contra o pó várias
vezes até o completo enchimento. Em seguida esta cápsula é pesada e seu peso
relacionado com a sua capacidade. Assim, seleciona-se o nº preciso de cápsulas vazias que
serão envasadas. Se ao final do processo, a capacidade de pó da ultima cápsula for
insuficiente, adiciona-se um diluente.
31
Por isso, o “método volumétrico” de enchimento de cápsulas é
muito mais preciso, já que as cápsulas têm a capacidade constante
em termos de volume.
7.10 PROCEDIMENTO PARA MANIPULAÇÃO
1. Passo: processo em que o manipulador deverá pesar os pós especificados na
ficha de pesagem, observando as respectivas quantidades;
2. Passo: a pesagem deverá ser precisa e muito cuidadosa;
3. Passo: ao iniciar a pesagem, tarar a balança com papel de pesagem sobre o
prato;
4. Passo: pesar os pós um a um com o auxilio de espátula. Para a pesagem de
Pellets deve utilizar sempre espátula de plástico ou chifre – não utilizar espátula
de aço inox;
5. Passo: os pós devidamente pesados deverão ser pulverizados em gral de
porcelana ou de vidro individualmente;
6. Passo: misturar os pós em um único gral seguindo a REGRA DO MISTÃO ou
REGRA GEOMÉTRICA (maior sobre o menor);
7. Passo: passar o conteúdo para uma provera graduada a verificar o volume obtido
por aquela quantidade de pó;
8. Passo: verificar a necessidade de diluente e escolher a cápsula ideal de acordo
com o volume obtido no passo 7 dividido pela quantidade de cápsulas da
formulação;
9. Passo: com o auxilio de um saco plástico, misturar bem os pós e o distribuir
sobre a placa encapsuladora;
10. Passo: encapsular;
11. Passo: lustrar as cápsulas;
12. Passo: acondicionar.
32
7.11 EXERCÍCIOS SOBRE ENCHIMENTO DE CÁPSULAS
1. O médico prescreveu a receita abaixo para ser manipulada:
Fluoxetina........................................................................25mg
Preparar 60 caps
Dados:
I. A matéria-prima disponível na farmácia está na forma de
sal (cloridrato de fluoxetina), e portanto seu fator de equivalência é 1,12
II. O volume ocupado pelo fármaco (na proveta) foi de 3,0 ml
III. O volume das cápsulas disponíveis é:
Perguntas:
1) Quanto será utilizado do fármaco (sal) para pesagem (em gramas)?
2) Quantos ml do fármaco caberão em cada cápsula?
3) Qual o tamanho das cápsulas utilizadas?
4) Quanto será usado de excipiente (em gramas)?
2. O médico prescreveu a receita abaixo para ser manipulada:
Cáscara sagrada.................................................................250mg
Preparar 60 caps
Dados:
I. A matéria-prima disponível na farmácia está com um teor e
umidade de 8%
II. O volume ocupado pelo fármaco (na proveta) foi de 10,0 ml
III. O volume das cápsulas disponíveis é:
Perguntas:
1) Quanto será utilizado do fármaco para pesagem (em gramas)?
2) Quantos ml do fármaco caberão em cada cápsula?
3) Qual o tamanho das cápsulas utilizadas?
4) Quanto será usado de excipiente (em gramas)?
N° Volume da
Cápsula (ml)
5 0,130ml
4 0,210ml
3 0,300ml
2 0,370ml
1 0,500ml
0 0,680ml
00 0,950ml
000 1,370ml
N° Volume da
Cápsula (ml)
5 0,130ml
4 0,210ml
3 0,300ml
2 0,370ml
1 0,500ml
0 0,680ml
00 0,950ml
000 1,370ml
33
3. O médico prescreveu a receita abaixo para ser manipulada:
Losartana ........................................................25mg
Hidroclorotiazida..........................................12,5mg
Preparar 60 caps
Dados:
IV. A matéria-prima disponível na farmácia está com teor de
umidade de 12%.
V. O volume ocupado pelo fármaco (na proveta) foi de 9,0 ml
VI. O volume das cápsulas disponíveis é:
Perguntas:
1) Qual o fator de correção da losartana?
2) Quanto será utilizado do fármaco para pesagem (em gramas)?
3) Quantos ml do fármaco caberão em cada cápsula?
4) Qual o tamanho das cápsulas utilizadas?
5) Quanto será usado de excipiente?
4. O médico prescreveu a receita abaixo para ser manipulada:
Cloridrato de Sertralina........................................................30mg
Preparar 60 caps
Dados:
IV. Cada 55,95mg de cloridrato de sertralina, são
aproximadamente equivalentes a 50mg de setralina base.
V. O volume ocupado pelo fármaco (na proveta) foi de 12,0 ml
VI. O volume das cápsulas disponíveis é:
Perguntas:
1) Qual o fator de equivalência da sertralina?
2) Quanto será utilizado do fármaco para pesagem (em gramas)?
3) Quantos ml do fármaco caberão em cada cápsula?
4) Qual o tamanho das cápsulas utilizadas?
5) Quanto será usado de excipiente?
N° Volume da
Cápsula (ml)
5 0,130ml
4 0,210ml
3 0,300ml
2 0,370ml
1 0,500ml
0 0,680ml
00 0,950ml
000 1,370ml
N° Volume da
Cápsula (ml)
5 0,130ml
4 0,210ml
3 0,300ml
2 0,370ml
1 0,500ml
0 0,680ml
00 0,950ml
000 1,370ml
34
8. REVESTIMENTO DE FORMAS FARMACÊUTICAS SÓLIDAS
Existem fármacos que por serem irritantes ao estômago ou sensíveis ao baixo valor do pH
do suco gástrico (entre 1,0 e 2,5) devem passar intactos pelo estômago para serem
absorvidos no intestino.
O intestino delgado é uma das principais vias de absorção
para os fármacos devido:
– pH adequado
– Grande área de superfície disponível para a
absorção no seu interior (aproximadamente 6
metros de comprimento)
O revestimento gastro-resistente é uma técnica utilizada na
preparação de formas farmacêuticas para que resistam,
sem alteração, à ação do suco gástrico devendo, porém,
desagregar-se rapidamente no suco intestinal.
O planejamento dos revestimentos entéricos baseia-se no
tempo de trânsito necessário para a passagem da forma farmacêutica do estômago até os
intestinos. Isso pode ser obtido com revestimentos de espessura suficiente para resistir à
dissolução no estômago
35
8.1 RAZÕES PARA REVESTIR AS CÁPSULAS
1) Proteger fármacos que se decomponham em meio ácido, tais como enzimas e
alguns antibióticos;
2) Prevenir mal-estar gástrico e náuseas devido à irritação provocada pelo fármaco,
como por exemplo, o AAS;
3) Administração de fármacos para a ação local nos intestinos, como os anti-
parasitários;
4) Quando for importante que o princípio ativo não sofra diluições antes de atingir o
intestino, como, por exemplo, mesalazina e sulfassalazina (anti-inflamatório
intestinal – colite).
8.2 SUBSTÂNCIAS USADAS PARA O REVESTIMENTO
1) Goma laca;
2) Ftalato de hidroxipropilmetilcelulose (HPMC);
3) Copolímero do ácido metacrílico/metacrilato de metila (Eudragit L-100);
4) Acetaftalato de polivinil e Acetoftalato de celulose;
5) Formaldeído e Acetona
8.3 SOLUÇÃO IDEAL PARA REVESTIMENTO
O método mais viável para uso magistral por ser simples e rápido é o proposto por
Lachman empregando:
Solução de acetoftalato de celulose adicionada manualmente ou diluída com solventes
apropriados para aspersão nas cápsulas, a qual é composta por:
• Acetoftalato de celulose............................ 5%
• Polietilenoglicol 8000.............................. 15%
• Monoleato de sorbitano......................... 0,3%
• Corante amarelo..................................... 0,05%
• Dióxido de titânio......................................0,5%
• Vanilina (0,1%), óleo de rícino............... .0,25%
• Álcool etílico............................................ 12%
• Acetona......................... Qsp................... 100%
36
9. COMPRIMIDOS
Comprimidos são formas farmacêuticas sólidas contendo princípios ativos, com vários
tamanhos, formas, peso, dureza, espessura, características de desintegração, etc. São
obtidos pela compressão de pós ou granulados, em que onde uma elevada pressão é
aplicada ao sistema até que este se rearranje e deforme, dando origem a uma massa
compacta, ou seja, um corpo rígido de forma bem definida. Sua grande maioria é
destinada à via oral, sofrendo desagregação na boca, estômago ou intestino.
VANTAGENS
1. Maior precisão de dosagem e menor variabilidade de conteúdo;
2. Facilidade de manuseio, administração e transporte pelo usuário;
3. Maior estabilidade física e microbiológica;
4. Melhor adequação à produção em escala industrial
5. Menor custo;
DESVANTAGENS
1. Não é uma forma farmacêutica emergencial;
2. Impossibilidade de adaptação de posologia individual;
3. Impossibilidade de obtenção econômica de quantidades reduzidas, dado ao custo
elevado do equipamento;
4. Permite e facilita em grandes proporções a automedicação;
5. Impossibilidade de administração a lactentes e idosos.
9.1 CLASSIFICAÇÃO
a) Quanto à forma
a. Circular
b. Alongado
c. Quadrado, etc.
b) Quanto ao perfil
a. Plano
b. Convexo
c. Côncavo
d. Chanfrados
c) Quanto à superfície
a. Revestimento por película
b. Revestimento por açúcar + verniz: drágeas
d) Quanto a cadencia e desagregação
a. Liberação imediata
b. Liberação modificada (retardada, prolongada, controlada e repetida)
37
9.2 ADJUVANTES OU EXCIPIENTES
Os adjuvantes em comprimidos são adicionados à formulação para melhorar certas
características, como a forma, tamanho, escoamento do pó, a desagregação, dissolução,
aceitabilidade pelo paciente, etc.
9.2.1 DILUENTES
São adicionados aos pós para obter comprimidos com peso conveniente. Podem ser:
a. Solúveis: lactose, sacarose, cloreto de sódio, manitol;
b. Insolúveis: amido, celulose microcristalina (Avicel);
c. Mistos: mistura dos solúveis com insolúveis.
9.2.2 ABSORVENTES
São incorporados para absorver a água da umidade atmosférica ou residual dos pós que
provoquem a alteração da forma farmacêutica. Retém ainda a água de extratos fluidos ou
tinturas. Exemplos:
a. Amido e lactose.
9.2.3 AGLUTINANTES
São substâncias que aumentam o contato entre as partículas, devido a sua alta capacidade
de agregação e compactação. São produtos de longa cadeia, como:
b. Açucares: lactose, glucose, manitol, sacarose;
c. Mucilagens: goma arábica, goma de amido, goma agraganta;
d. Polímeros: PVP
9.2.4 DESAGREGANTES
Acelera a dissolução ou a desagregação dos comprimidos na água ou nos líquidos do
organismo. Os desagregantes atuam geralmente por três processos:
a. Dissolvendo-se na água, abrindo canalículos que facilitam a desagregação dos
comprimidos: lactose, glicose e cloreto de sódio;
b. Reagindo com a água ou com ácido clorídrico do estômago e libertando gases,
como o oxigênio ou gás carbônico: carbonato, bicarbonato, misturas
efervecentes;
c. Inchando em contato com a água e abrindo assim canalículos que facilitam a
desagregação dos comprimidos: amido;
38
9.2.5 LUBRIFICANTES
Facilita o deslizamento do pó ou granulado para a máquina de compressão, e diminuem a
tendência do produto a se aderir as punções.
a. Talco, estearato de magnésio e amido
9.3 MÁQUINA DE COMPRESSÃO
As máquinas de compressão do tipo excêntricas são constituídas por punções, sendo um
inferior e um posterior, por uma câmara de compressão ou matriz, cujo fundo é formado
pela punção inferior e por uma peça móvel distribuidora de pó.
39
Formatos dos punções que determinam a forma dos comprimidos e sulcos.
1 – Face chata lisa; 2 – Côncavo raso; 3 - Côncavo padrão; 4 – Côncavo fundo
As punções e matrizes são de aço temperado especial e algumas vezes o punção superior
tem gravado o nome do laboratório, de um símbolo ou o do medicamento a se preparar.
9.3.1 FASES DA COMPRESSÃO
A. Formação da câmara de compressão. A punção superior dá brilho e a dureza ao
comprimido, e faz a compressão propriamente dita.
B. Nesta câmara de compressão é distribuído o pó a ser comprimido. É a punção
inferior que ajusta a altura da matriz (ou câmara), regulando a quantidade de pó a
ser comprimida.
C. Ocorre verdadeiramente a compressão. A punção superior se abaixa comprimindo o
pó.
D. Pela ação o alimentador (que irá adicionar mais pó para a compressão de um
segundo comprimido), o primeiro comprimido é expulso da máquina, e em seguida
inicia-se um novo ciclo de compressão.
A força de compressão define a forma e dureza do comprimido.
40
Já as máquinas de compressão automáticas chamadas de Máquinas rotativas, os punções
inferiores e superiores, assim como as matrizes, são montadas face a face sobre a mesma
coroa circular, animada de movimento contínuo sempre no mesmo sentido.
41
9.4 QUESTÕES DE REVISÃO
1. Defina a forma farmacêutica cápsulas
2. Porque as cápsulas mascaram odor e sabor?
3. Porque as cápsulas favorecem rapidamente a liberação do princípio ativo?
4. Porque o fracionamento é uma desvantagem das cápsulas?
5. O que uma substância higroscópica interfere na produção de uma cápsula?
6. Qual a origem de produção das cápsulas duras?
7. Quais as funções das partes de uma cápsula?
8. O que acontece quando existe ar dentro de uma cápsula?
9. Quais os tamanhos de cápsulas existentes no mercado? E quais as suas capacidades
em termo de volume?
10. Sabendo que a densidade dos pós interfere diretamente na produção de cápsulas,
por que o método de enchimento baseado em questões de massa (peso) não é o ideal na
produção de cápsulas na farmácia de manipulação?
11. Quais os três fatores fundamentais para uma produção ideal de cápsulas?
12. Qual a função dos diluentes nas cápsulas? Dê 2 exemplos.
13. Qual a função dos lubrificantes nas cápsulas? Dê 2 exemplos.
14. Resolva os seguintes cálculos para o enchimento de capsulas
O médico prescreveu a receita abaixo para ser manipulada:
Losartana ........................................................25mg
Hidroclorotiazida..........................................12,5mg
Preparar 60 caps
Dados:
A materia-prima disponível na farmácia está com teor de umidade de 12%.
O volume ocupado pelo fármaco (na proveta) foi de 9,0 ml
O volume das cápsulas disponíveis é:
Perguntas:
1) Qual o fator de correção da losartana?
2) Quanto será utilizado do fármaco para pesagem (em gramas)?
3) Quantos ml do fármaco caberão em cada cápsula?
4) Qual o tamanho das cápsulas utilizadas?
5) Quanto será usado de excipiente?
O médico prescreveu a receita abaixo para ser manipulada:
Cloridrato de Sertralina........................................................30mg
Preparar 60 caps
Dados:
Cada 55,95mg de cloridrato de sertralina, são aproximadamente equivalentes a
50mg de setralina base.
42
O volume ocupado pelo fármaco (na proveta) foi de 12,0 ml
O volume das cápsulas disponíveis é:
Perguntas:
1) Qual o fator de equivalência da sertralina?
2) Quanto será utilizado do fármaco para pesagem (em gramas)?
3) Quantos ml do fármaco caberão em cada cápsula?
4) Qual o tamanho das cápsulas utilizadas?
5) Quanto será usado de excipiente?
15. Defina “suco gástrico”
16. Diferencie absorção estomacal de absorção intestinal com relação a
biodisponibilidade
17. Qual a função do revestimento gastro-resistente?
18. Quais as faixas de pH existentes no intestino?
19. Justifique a seguinte afirmação: “O planejamento dos revestimentos entéricos
baseia-se no tempo de trânsito necessário para a passagem da forma farmacêutica do
estômago até os intestinos”
20. Cite 4 razões para revestir as cápsulas.
21. Quais os tipos de substâncias utilizadas para o revestimento de cápsulas?
23. Qual a solução ideal para o revestimento de cápsulas no ambiente magistral
(farmácia de manipulação)?
24. Defina a forma farmacêutica comprimidos.
25. Justifique porque os comprimidos possuem menor variabilidade de conteúdo e
maior precisão de dosagem.
26. Porque os comprimidos não é uma forma farmacêutica emergencial?
27. Qual a relação da automedicação com a produção em larga escala dos
comprimidos?
28. Quais são as classificações dos comprimidos?
29. Quais as funções dos diluentes nos comprimidos?
30. Qual a importância de uma substância absorvente nos comprimidos?
31. Qual a função dos lubrificantes nos comprimidos?
43
10.ESTABILIDADE DE MEDICAMENTOS
Todos os materiais sofrem alterações, com o tempo, sob a ação do ambiente, desde
materiais extraídos da natureza até materiais sintéticos. Os fatores ambientais que
degradam os medicamentos são inúmeros, como por exemplo, a luz (através da radiação
ultravioleta e infravermelha), a umidade, o calor, microorganismos, etc.
Com os fármacos ocorre o mesmo:
 Fármacos puros são mais estáveis do que em misturas: as chances de interação com
outros materiais aumentam muito.
 Lembre-se: medicamentos são misturas de fármacos e veículos ou excipientes.
 Fármacos em formas sólidas são mais estáveis que em formas líquidas: as reações
químicas ocorrem melhor e mais rápido em um meio líquido.
 Fármacos sujeitos a algum processamento são também mais facilmente decompostos:
Granulação úmida, secagem, aquecimento para facilitar a solubilização, etc.
 O processamento promove maior exposição da preparação aos agentes
ambientais: oxigênio, luz, aquecimento, microrganismos, etc.
A decomposição dos fármacos, puros ou nos medicamentos, obriga aos fabricantes
estipular a sua data de validade:
 A determinação do prazo de validade é baseada em experimentos que permitem
estimar o tempo em que os fármacos permanecem em condições de exercer seu
efeito sem alterar sua toxicidade.
No desenvolvimento de formulações são feitos exaustivos estudos para compreender o
mecanismo de degradação dos fármacos e a velocidade com que os processos ocorrem,
sob vários aspectos: químico, físico e microbiológico.
Por esse motivo há um tempo considerável entre a elaboração de uma nova formulação e
o seu aparecimento no mercado.
O estudo da estabilidade de medicamentos conduz a uma compreensão mais fácil sobre a
degradação que os medicamentos podem sofrer, principalmente em sua potência.
44
Portanto, a estabilidade é a extensão de tempo na qual o produto mantém, dentro de
limites especificados, através do período de armazenamento e uso, as mesmas
propriedades que possuía no momento da sua fabricação.
10.1 TEMPERATURA
a. Em geral, o aumento de 10 graus na Temperatura, acelera em 2 a 5 vezes a
velocidade de uma reação;
a. Importante lembrar que, em nosso país, a temperatura ambiente varia
muito, ultrapassando os 30º C
b. A temperatura é um importante catalisador das reações de hidrólise e
oxidação
MEDICAMENTOS
MEDICAMENTOS ESTÁVEIS ALTERAÇÕES NÃO PROGRAMADAS
FATORES EXTRÍNSECOS
(CAUSAS EXTERNAS)
FATORES INTRÍNSECOS
(CAUSAS INTERNAS)
INSTABILIDADES INCOMPATIBILIDADES
TEMPERATURA
LUZ
OXIGÊNIO (O²)
pH
UMIDADE
TEMPO
FÍSICAS
QUÍMICAS
FISICO-
QUIMICAS
TERAPÊUTIC
AS
45
10.2 LUZ
a. A luz solar (UV) afeta as ligações químicas fornecendo energia para a separação
dos elétrons compartilhados entre os dois átomos dessa ligação. Pode resultar
em:
a. Formação de radicais livres no processo de oxidação
b. Lise da molécula formando dois radicais
c. A quebra da molécula pode causar isomerização
b. Correções: armazenar os produtos em embalagens foto-resistentes (vidro,
plástico PET âmbar, plástico escuro, embalagens de alumínio, etc).
10.3 OXIGÊNIO (O2)
a. Reação que ocorre na presença de oxigênio, com o ganho ou perda de um ou
mais átomos eletropositivos, átomos aletronegativos, radiais ou elétrons.
b. É iniciada tanto pela luz como pela presença de metais
c. Formas de evitar a oxidação:
a. Usar agentes quelantes: EDTA
b. Usar agentes anti-oxidantes: bissulfito de sódio, metabissulfito
c. Evitar o contato com a luz e excesso de umidade
Em solução aquosa de Ácido Ascórbico (ε0 = +0,14v) e adrenalina (ε0 = +0,52v),
ocorre oxidação do ácido (menor potencial padrão de oxidação).












O
O
HO OH
OH
OH
ác. ascórbico
ox.
red.
O
O
O OH
OH
OH
HO
HO
NHMe
OH
red.
ox. O
O
NHMe
OH
v
v
46
10.4 pH
1. O pH é um importante catalisador da hidrólise
2. Em pH baixos ou altos: aumentam as chances de ocorrer alterações nas hidroxilas e
hidrogênios dos fármacos, podendo levar a oxidação e à hidrólise.
3. Para cada formulação existe um pH ótimo, no qual a tanto a hidrólise quanto a
oxidação é mínima, permitindo melhor atividade biológica e maior estabilidade da
preparação.
10.5 UMIDADE (HIDRÓLISE)
a. Ocorre quebra da molécula de fármaco pela adição de uma molécula de água.
b. Para diminuir este efeito controla-se a temperatura do laboratório
c. Há grupos funcionais que favorecem a hidrólise:
i. Lactonas (ésteres cíclicos)
ii. Lactamas (amidas cíclicas)
iii. Ésteres
iv. Amidas
10.6 TEMPO DE CONSERVAÇÃO
A conservação do medicamento determina diretamente a degradação do produto. O
estudo do prazo de validade da preparação é um dos fatores mais críticos na farmácia de
manipulação.
Pelo fato das preparações magistrais serem produzidas para a administração imediata ou
após curto período de armazenagem, seus prazos de validade podem ser estabelecidos,
utilizando critérios diferentes daqueles aplicados para determinar a validade do produto
industrializado.
a)
CO2H
O
O
CO2H
OHhidrólise
H
O
H
OH
O
ác. acetil salicílico ác. salicílico ác. acético
+
47
Embora se subtenda que o produto manipulado será utilizado logo após o aviamento da
prescrição e somente durante o tempo de tratamento, ele precisa se manter estável
durante todo este tempo.
A dificuldade de estabelecer o prazo de validade para preparações farmacêuticas
magistrais reside em alguns aspectos específicos inerentes à produção artesanal e unitária
na farmácia magistral, tais como:
a. Diversidade de formulações
b. Associações de ativos
c. Diversos excipientes e veículos
d. Equipamentos utilizados e a tecnologia aplicada
e. Fatores econômicos: doses unitárias e individuais
Contudo, existem meios racionais e científicos, embora não exatos, de se presumir de
maneira aproximada a validade de uma preparação farmacêutica magistral.
Os prazos de validade recomendados pela USP-23ed, para preparações magistrais
embaladas em recipientes hermeticamente fechados e protegidos da luz, na temperatura
ambiente controlada são:
a. Formulações sólidas e líquidas não-aquosas
 Se a fonte for industrializado a validade não deve exceder a 25% do tempo
remanescente para a data de expiração do produto original, ou 6 meses, o que for
mais precoce.
 Se a fonte da M.P não é industrializado (comprado direto do fabricante), o prazo de
validade não deverá exceder a 6 meses.
b. Formulações de antibióticos contendo grande quantidade de água
 Não deverá ultrapassar 14 dias quando estocado em temperaturas baixas.
c. Formulações semi-sólidas
 Não deverá ultrapassar 3 meses. Entende-se por preparações semi-sólidas as
formas farmacêuticas em gel, loções, cremes, pomadas, gel-creme, etc.
48
11. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS
1. ALLEN JR, Loyd V.; POPOVICH, Nicholas G; ANSEL, Howard C. Formas farmacêuticas e sistemas de
liberação de fármacos. Tradução Ana Lúcia Gomes dos Santos et al. 8. ed. Porto Alegre: Artmed,
2007. viii, 775 p. il. Tradução de: Ansel's pharmaceutical dosage form & drug delivery systems.
ISBN 978-85-363-076. (A biblioteca possui 16 ex. da 8.ed. de 2007)
2. FERREIRA, Anderson de Oliveira. Guia prático da Farmácia magistral. 4.ed. rev. ampl. São Paulo:
Pharmabooks, 2010. v.1. xxii, 736 p. il. ISBN 978-85-8973-145-4. (A biblioteca possui 7 ex. v.1 da
4.ed. de 2010)
3. FERREIRA, Anderson de Oliveira; BRANDÃO, Marcos. Guia prático da Farmácia magistral. 4.ed.
rev. ampl. São Paulo: Pharmabooks, 2011. v.2. xxiii, 673 p. il. ISBN 978-85-8973-145-4. (A
biblioteca possui 8 ex. v.2 da 4.ed. de 2011)
4. AULTON, Michael E. Delineamento de formas farmacêuticas. Tradução George González Ortega
et al. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005. 677 p. Tradução de: Pharmaceutics the science of dosage
form design. ISBN 978-85-363-0152-5. (A biblioteca possui 10 ex. da 2.ed. de 2005)
12. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
1. CRESPO, Marcelo Soares; CRESPO, Juliana Maria Rocha e Silva. Formularium: compêndio de
fórmulas magistrais. São Paulo: Crespo, 2002. v.1. xlvi, 586 p. ISBN 85-902747-1-3. (A biblioteca
possui 2 ex. v.1 de 2002)
2. VILLANOVA, Janaina Cecília Oliveira; SÁ, Vania Regina de. Excipientes: guia prático para
padronização. São Paulo: Pharmabooks, 2007. 115 p. ISBN 85-8973-114-6. (A biblioteca possui 1
ex. de 2007, 3 ex. da 2.ed. de 2009. Total 4 ex)
3. ANTUNES Jr., D. Farmácia de manipulação. São Paulo: Tecnopress, 2002.
4. GENNARO, Afonso R. (Ed.). Remington: a ciência e a prática da Farmácia. Tradução Adriana Ito
Azevedo at al. 20. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, c2004. xviii, 2208 p. il. Tradução de:
Ramington: the science and practice of pharmacy. ISBN 85-277-0873-6. (A biblioteca possui 5 ex.
da 20.ed. de c2004)
5. Farmacopéia brasileira parte II: sexto fascículo. 4. ed. São Paulo: Atheneu, 2005. Várias paginações
p. ISBN 85-7454-091-9. (A biblioteca possui 1 ex. da 4.ed. de 2005)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formas farmaceuticas
Formas farmaceuticasFormas farmaceuticas
Medicamentos
MedicamentosMedicamentos
Medicamentos
Leonardo Souza
 
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
Marcelo Gomes
 
Aula 3 operações farmacêuticas
Aula 3 operações farmacêuticasAula 3 operações farmacêuticas
Aula 3 operações farmacêuticas
Talita Gonçalves
 
Atendente de Farmácia - Formas farmacêuticas
Atendente de Farmácia - Formas farmacêuticasAtendente de Farmácia - Formas farmacêuticas
Atendente de Farmácia - Formas farmacêuticas
Luis Antonio Cezar Junior
 
Atribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoAtribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêutico
Cassyano Correr
 
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Vanessa Rodrigues
 
boas-praticas-farmaceuticas-em-farmacias-e-drogarias.pdf
boas-praticas-farmaceuticas-em-farmacias-e-drogarias.pdfboas-praticas-farmaceuticas-em-farmacias-e-drogarias.pdf
boas-praticas-farmaceuticas-em-farmacias-e-drogarias.pdf
AnieleLarice
 
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
Renata de O. Marinho Sampaio
 
Trabalho farmacia
Trabalho farmaciaTrabalho farmacia
Trabalho farmacia
Daniela Batista
 
Atendente de Farmácia - Origem e evolução da farmácia
Atendente de Farmácia - Origem e evolução da farmáciaAtendente de Farmácia - Origem e evolução da farmácia
Atendente de Farmácia - Origem e evolução da farmácia
Luis Antonio Cezar Junior
 
10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos
Lucas Stolfo Maculan
 
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
Elizeu Ferro
 
Atendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentos
Atendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentosAtendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentos
Atendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentos
Luis Antonio Cezar Junior
 
Introdução a Homeopatia
Introdução a HomeopatiaIntrodução a Homeopatia
Introdução a Homeopatia
Safia Naser
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
Jaqueline Almeida
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
Claudio Luis Venturini
 
Insumos Ativos e Inertes
Insumos Ativos e InertesInsumos Ativos e Inertes
Insumos Ativos e Inertes
Safia Naser
 
Aula 6 pomadas 2020
Aula 6 pomadas 2020Aula 6 pomadas 2020
Aula 6 pomadas 2020
Nemesio Silva
 
Pop manipulação de xaropes
Pop   manipulação de xaropesPop   manipulação de xaropes
Pop manipulação de xaropes
Juciê Vasconcelos
 

Mais procurados (20)

Formas farmaceuticas
Formas farmaceuticasFormas farmaceuticas
Formas farmaceuticas
 
Medicamentos
MedicamentosMedicamentos
Medicamentos
 
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
 
Aula 3 operações farmacêuticas
Aula 3 operações farmacêuticasAula 3 operações farmacêuticas
Aula 3 operações farmacêuticas
 
Atendente de Farmácia - Formas farmacêuticas
Atendente de Farmácia - Formas farmacêuticasAtendente de Farmácia - Formas farmacêuticas
Atendente de Farmácia - Formas farmacêuticas
 
Atribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoAtribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêutico
 
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
 
boas-praticas-farmaceuticas-em-farmacias-e-drogarias.pdf
boas-praticas-farmaceuticas-em-farmacias-e-drogarias.pdfboas-praticas-farmaceuticas-em-farmacias-e-drogarias.pdf
boas-praticas-farmaceuticas-em-farmacias-e-drogarias.pdf
 
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
 
Trabalho farmacia
Trabalho farmaciaTrabalho farmacia
Trabalho farmacia
 
Atendente de Farmácia - Origem e evolução da farmácia
Atendente de Farmácia - Origem e evolução da farmáciaAtendente de Farmácia - Origem e evolução da farmácia
Atendente de Farmácia - Origem e evolução da farmácia
 
10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos
 
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
 
Atendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentos
Atendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentosAtendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentos
Atendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentos
 
Introdução a Homeopatia
Introdução a HomeopatiaIntrodução a Homeopatia
Introdução a Homeopatia
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
 
Insumos Ativos e Inertes
Insumos Ativos e InertesInsumos Ativos e Inertes
Insumos Ativos e Inertes
 
Aula 6 pomadas 2020
Aula 6 pomadas 2020Aula 6 pomadas 2020
Aula 6 pomadas 2020
 
Pop manipulação de xaropes
Pop   manipulação de xaropesPop   manipulação de xaropes
Pop manipulação de xaropes
 

Semelhante a Apostila teorica de_farmacotecnica_i

“Assistência Farmacêutica No Sus”. Renata Macedo.
“Assistência Farmacêutica No Sus”. Renata Macedo.“Assistência Farmacêutica No Sus”. Renata Macedo.
“Assistência Farmacêutica No Sus”. Renata Macedo.
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Ciclo da Assistência Farmacêutica.pptx
Ciclo da Assistência Farmacêutica.pptxCiclo da Assistência Farmacêutica.pptx
Ciclo da Assistência Farmacêutica.pptx
RitaViviane
 
fracionamento.pdffqfqfqqvfavvdvaefefqefava
fracionamento.pdffqfqfqqvfavvdvaefefqefavafracionamento.pdffqfqfqqvfavvdvaefefqefava
fracionamento.pdffqfqfqqvfavvdvaefefqefava
Naidilene Aguilar
 
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
LanaMonteiro8
 
UFCD_10167_Manual Formandos.pdf
UFCD_10167_Manual Formandos.pdfUFCD_10167_Manual Formandos.pdf
UFCD_10167_Manual Formandos.pdf
AnaFilipaFidalgoLope
 
Estágio Supervisionado Campos de Atuação Profissional I.pdf
Estágio Supervisionado Campos de Atuação Profissional I.pdfEstágio Supervisionado Campos de Atuação Profissional I.pdf
Estágio Supervisionado Campos de Atuação Profissional I.pdf
HELENO FAVACHO
 
ATENÇÃO FARMACÊUTICA NA HIPERTENSÃO ARTERIAL
ATENÇÃO FARMACÊUTICA NA HIPERTENSÃO ARTERIALATENÇÃO FARMACÊUTICA NA HIPERTENSÃO ARTERIAL
ATENÇÃO FARMACÊUTICA NA HIPERTENSÃO ARTERIAL
Marcelo Sacavem
 
Aula 1 Introdução A IF (1).pdf
Aula 1 Introdução A IF  (1).pdfAula 1 Introdução A IF  (1).pdf
Aula 1 Introdução A IF (1).pdf
RoseSchneider9
 
Curso Rdc 44/09 CRF-SP (Dr. AdrianoFalvo)
Curso   Rdc 44/09 CRF-SP (Dr. AdrianoFalvo)Curso   Rdc 44/09 CRF-SP (Dr. AdrianoFalvo)
Curso Rdc 44/09 CRF-SP (Dr. AdrianoFalvo)
Marcelo Polacow Bisson
 
Boas práticas de faarmácia 2009
Boas práticas de faarmácia 2009Boas práticas de faarmácia 2009
Boas práticas de faarmácia 2009
Denise Carvalho
 
Gestores de uan
Gestores de uanGestores de uan
Apostila+asa
Apostila+asaApostila+asa
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
ARNON ANDRADE
 
Os desafios da profissão farmacêutica
Os desafios da profissão farmacêuticaOs desafios da profissão farmacêutica
Os desafios da profissão farmacêutica
Leonara Rezende
 
56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...
56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...
56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...
Renata Antunes
 
Assistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicas
Assistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicasAssistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicas
Assistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicas
Rodrigo Xavier
 
Coletânea farmácia hospitalar_CFF.pdf
Coletânea farmácia hospitalar_CFF.pdfColetânea farmácia hospitalar_CFF.pdf
Coletânea farmácia hospitalar_CFF.pdf
AlineSantosMonte
 
Sem Remédio
Sem RemédioSem Remédio
Sem Remédio
Davi Carvalho
 
CALCULOS_DE_MEDICAMENTOS_NA_ENFERMAGEM.pdf
CALCULOS_DE_MEDICAMENTOS_NA_ENFERMAGEM.pdfCALCULOS_DE_MEDICAMENTOS_NA_ENFERMAGEM.pdf
CALCULOS_DE_MEDICAMENTOS_NA_ENFERMAGEM.pdf
AnglicaFreitasFarmac
 
Manual de Boas Práticas De Dispensação
Manual de Boas Práticas  De Dispensação  Manual de Boas Práticas  De Dispensação
Manual de Boas Práticas De Dispensação
Railenne De Oliveira Celestino
 

Semelhante a Apostila teorica de_farmacotecnica_i (20)

“Assistência Farmacêutica No Sus”. Renata Macedo.
“Assistência Farmacêutica No Sus”. Renata Macedo.“Assistência Farmacêutica No Sus”. Renata Macedo.
“Assistência Farmacêutica No Sus”. Renata Macedo.
 
Ciclo da Assistência Farmacêutica.pptx
Ciclo da Assistência Farmacêutica.pptxCiclo da Assistência Farmacêutica.pptx
Ciclo da Assistência Farmacêutica.pptx
 
fracionamento.pdffqfqfqqvfavvdvaefefqefava
fracionamento.pdffqfqfqqvfavvdvaefefqefavafracionamento.pdffqfqfqqvfavvdvaefefqefava
fracionamento.pdffqfqfqqvfavvdvaefefqefava
 
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
 
UFCD_10167_Manual Formandos.pdf
UFCD_10167_Manual Formandos.pdfUFCD_10167_Manual Formandos.pdf
UFCD_10167_Manual Formandos.pdf
 
Estágio Supervisionado Campos de Atuação Profissional I.pdf
Estágio Supervisionado Campos de Atuação Profissional I.pdfEstágio Supervisionado Campos de Atuação Profissional I.pdf
Estágio Supervisionado Campos de Atuação Profissional I.pdf
 
ATENÇÃO FARMACÊUTICA NA HIPERTENSÃO ARTERIAL
ATENÇÃO FARMACÊUTICA NA HIPERTENSÃO ARTERIALATENÇÃO FARMACÊUTICA NA HIPERTENSÃO ARTERIAL
ATENÇÃO FARMACÊUTICA NA HIPERTENSÃO ARTERIAL
 
Aula 1 Introdução A IF (1).pdf
Aula 1 Introdução A IF  (1).pdfAula 1 Introdução A IF  (1).pdf
Aula 1 Introdução A IF (1).pdf
 
Curso Rdc 44/09 CRF-SP (Dr. AdrianoFalvo)
Curso   Rdc 44/09 CRF-SP (Dr. AdrianoFalvo)Curso   Rdc 44/09 CRF-SP (Dr. AdrianoFalvo)
Curso Rdc 44/09 CRF-SP (Dr. AdrianoFalvo)
 
Boas práticas de faarmácia 2009
Boas práticas de faarmácia 2009Boas práticas de faarmácia 2009
Boas práticas de faarmácia 2009
 
Gestores de uan
Gestores de uanGestores de uan
Gestores de uan
 
Apostila+asa
Apostila+asaApostila+asa
Apostila+asa
 
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
 
Os desafios da profissão farmacêutica
Os desafios da profissão farmacêuticaOs desafios da profissão farmacêutica
Os desafios da profissão farmacêutica
 
56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...
56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...
56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...
 
Assistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicas
Assistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicasAssistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicas
Assistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicas
 
Coletânea farmácia hospitalar_CFF.pdf
Coletânea farmácia hospitalar_CFF.pdfColetânea farmácia hospitalar_CFF.pdf
Coletânea farmácia hospitalar_CFF.pdf
 
Sem Remédio
Sem RemédioSem Remédio
Sem Remédio
 
CALCULOS_DE_MEDICAMENTOS_NA_ENFERMAGEM.pdf
CALCULOS_DE_MEDICAMENTOS_NA_ENFERMAGEM.pdfCALCULOS_DE_MEDICAMENTOS_NA_ENFERMAGEM.pdf
CALCULOS_DE_MEDICAMENTOS_NA_ENFERMAGEM.pdf
 
Manual de Boas Práticas De Dispensação
Manual de Boas Práticas  De Dispensação  Manual de Boas Práticas  De Dispensação
Manual de Boas Práticas De Dispensação
 

Mais de Nemésio Carlos Silva

Apresentação desodorantes e antitranspirantes 2016
Apresentação desodorantes e antitranspirantes 2016Apresentação desodorantes e antitranspirantes 2016
Apresentação desodorantes e antitranspirantes 2016
Nemésio Carlos Silva
 
Farmacot fitoterapicos
Farmacot fitoterapicosFarmacot fitoterapicos
Farmacot fitoterapicos
Nemésio Carlos Silva
 
Sharapin2010 machado
Sharapin2010 machadoSharapin2010 machado
Sharapin2010 machado
Nemésio Carlos Silva
 
Historia da homeopatia
Historia da homeopatiaHistoria da homeopatia
Historia da homeopatia
Nemésio Carlos Silva
 
Estabilidade produtos homeopáticos final
Estabilidade produtos homeopáticos   finalEstabilidade produtos homeopáticos   final
Estabilidade produtos homeopáticos final
Nemésio Carlos Silva
 
Dossie farmacotécnica homeopática
Dossie farmacotécnica homeopáticaDossie farmacotécnica homeopática
Dossie farmacotécnica homeopática
Nemésio Carlos Silva
 
Livro farmacognosia
Livro farmacognosiaLivro farmacognosia
Livro farmacognosia
Nemésio Carlos Silva
 
Livro ativos de plantas medicinais
Livro ativos de plantas medicinaisLivro ativos de plantas medicinais
Livro ativos de plantas medicinais
Nemésio Carlos Silva
 
Farmacotécnica de fitoterapicos
Farmacotécnica de fitoterapicosFarmacotécnica de fitoterapicos
Farmacotécnica de fitoterapicos
Nemésio Carlos Silva
 
Curso farmacotécnica de fitoterápicos
Curso farmacotécnica de fitoterápicosCurso farmacotécnica de fitoterápicos
Curso farmacotécnica de fitoterápicos
Nemésio Carlos Silva
 
Aula 4. glicosídeos heterosídeos
Aula 4. glicosídeos heterosídeosAula 4. glicosídeos heterosídeos
Aula 4. glicosídeos heterosídeos
Nemésio Carlos Silva
 
Aula 6 glicosídeos cardiotônicos
Aula 6 glicosídeos cardiotônicosAula 6 glicosídeos cardiotônicos
Aula 6 glicosídeos cardiotônicos
Nemésio Carlos Silva
 
Aula controle de qualidade 1 copia (1)
Aula controle de qualidade 1   copia (1)Aula controle de qualidade 1   copia (1)
Aula controle de qualidade 1 copia (1)
Nemésio Carlos Silva
 
Farmacia
FarmaciaFarmacia
Estudo de ocorrencias eticas do profissional farmaceutico no
Estudo de ocorrencias eticas do profissional farmaceutico noEstudo de ocorrencias eticas do profissional farmaceutico no
Estudo de ocorrencias eticas do profissional farmaceutico no
Nemésio Carlos Silva
 
Revista anfarmag
Revista anfarmagRevista anfarmag
Revista anfarmag
Nemésio Carlos Silva
 
Cartilha plantas web
Cartilha plantas webCartilha plantas web
Cartilha plantas web
Nemésio Carlos Silva
 
Cartilha projeto plantas medicinais
Cartilha projeto plantas medicinaisCartilha projeto plantas medicinais
Cartilha projeto plantas medicinais
Nemésio Carlos Silva
 
681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao
681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao
681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao
Nemésio Carlos Silva
 
657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas
657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas
657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas
Nemésio Carlos Silva
 

Mais de Nemésio Carlos Silva (20)

Apresentação desodorantes e antitranspirantes 2016
Apresentação desodorantes e antitranspirantes 2016Apresentação desodorantes e antitranspirantes 2016
Apresentação desodorantes e antitranspirantes 2016
 
Farmacot fitoterapicos
Farmacot fitoterapicosFarmacot fitoterapicos
Farmacot fitoterapicos
 
Sharapin2010 machado
Sharapin2010 machadoSharapin2010 machado
Sharapin2010 machado
 
Historia da homeopatia
Historia da homeopatiaHistoria da homeopatia
Historia da homeopatia
 
Estabilidade produtos homeopáticos final
Estabilidade produtos homeopáticos   finalEstabilidade produtos homeopáticos   final
Estabilidade produtos homeopáticos final
 
Dossie farmacotécnica homeopática
Dossie farmacotécnica homeopáticaDossie farmacotécnica homeopática
Dossie farmacotécnica homeopática
 
Livro farmacognosia
Livro farmacognosiaLivro farmacognosia
Livro farmacognosia
 
Livro ativos de plantas medicinais
Livro ativos de plantas medicinaisLivro ativos de plantas medicinais
Livro ativos de plantas medicinais
 
Farmacotécnica de fitoterapicos
Farmacotécnica de fitoterapicosFarmacotécnica de fitoterapicos
Farmacotécnica de fitoterapicos
 
Curso farmacotécnica de fitoterápicos
Curso farmacotécnica de fitoterápicosCurso farmacotécnica de fitoterápicos
Curso farmacotécnica de fitoterápicos
 
Aula 4. glicosídeos heterosídeos
Aula 4. glicosídeos heterosídeosAula 4. glicosídeos heterosídeos
Aula 4. glicosídeos heterosídeos
 
Aula 6 glicosídeos cardiotônicos
Aula 6 glicosídeos cardiotônicosAula 6 glicosídeos cardiotônicos
Aula 6 glicosídeos cardiotônicos
 
Aula controle de qualidade 1 copia (1)
Aula controle de qualidade 1   copia (1)Aula controle de qualidade 1   copia (1)
Aula controle de qualidade 1 copia (1)
 
Farmacia
FarmaciaFarmacia
Farmacia
 
Estudo de ocorrencias eticas do profissional farmaceutico no
Estudo de ocorrencias eticas do profissional farmaceutico noEstudo de ocorrencias eticas do profissional farmaceutico no
Estudo de ocorrencias eticas do profissional farmaceutico no
 
Revista anfarmag
Revista anfarmagRevista anfarmag
Revista anfarmag
 
Cartilha plantas web
Cartilha plantas webCartilha plantas web
Cartilha plantas web
 
Cartilha projeto plantas medicinais
Cartilha projeto plantas medicinaisCartilha projeto plantas medicinais
Cartilha projeto plantas medicinais
 
681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao
681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao
681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao
 
657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas
657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas
657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas
 

Último

Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 

Apostila teorica de_farmacotecnica_i

  • 1. APOSTILA TEÓRICA DE FARMACOTÉCNICA I Prof. Herbert Cristian de Souza 2012-02 Blog do curso de Farmácia da UNIPAC Araguari www.farmaciaunipac.com.br
  • 2. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO_______________________________________________________________ 3 2. A FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO _______________________________________________ 4 2.1 BENEFÍCIOS DO MEDICAMENTO MANIPULADO _______________________________________________________ 4 2.2 DIFERENÇAS ENTRE O MEDICAMENTO MANIPULADO E INDUSTRIALIZADO_____________________________________ 4 2.3 FARMACOTÉCNICA__________________________________________________________________________ 4 2.4 SÃO OBJETIVOS DA FARMACOTÉCNICA ____________________________________________________________ 4 3. CONCEITOS IMPORTANTES____________________________________________________ 5 4. CONSTITUINTES DAS FORMULAÇÕES____________________________________________ 8 4.1 PRINCÍPIO ATIVO (P.A) ____________________________________________________________________ 8 4.2 EXCIPIENTE _____________________________________________________________________________ 8 4.2.1 COADJUVANTE TERAPÊUTICO _________________________________________________________________ 8 4.2.2 COADJUVANTE TÉCNICO _____________________________________________________________________ 8 4.3 CLASSIFICAÇÃO DAS FORMULAÇÕES _________________________________________________________ 9 5. BIOFARMACOTÉCNICA ______________________________________________________ 10 5.1 DISSOLUÇÃO E ABSORÇÃO DE FÁRMACOS ___________________________________________________ 11 5.2 INDIVÍDUO MÉDIO PADRÃO_______________________________________________________________ 13 5.3 BIODISPONIBILIDADE ____________________________________________________________________ 13 5.4 ÍNDICE TERAPÊUTICO ____________________________________________________________________ 14 5.5 FATORES QUE AFETAM A BIODISPONIBILIDADE DOS FÁRMACOS _________________________________ 15 5.6 EXCIPIENTES E A ABSORÇÃO DE FÁRMACOS __________________________________________________ 17 6. FORMA FARMACÊUTICA EM PÓ _______________________________________________ 18 6.1 CLASSIFICAÇÃO DOS PÓS _________________________________________________________________ 18 6.2 GRANULOMETRIA DOS PÓS _______________________________________________________________ 18 6.3 ETAPAS DE OBTENÇÃO DE PÓS_____________________________________________________________ 19 6.4 MODIFICAÇÕES DEVIDO A REDUÇÃO DO TAMANHO DAS PARTÍCULAS _____________________________ 20 6.5 INCOMPATIBILIDADES ___________________________________________________________________ 20 6.6 ACONDICIONAMENTO ___________________________________________________________________ 21 6.7 PÓS-EFERVECENTES _____________________________________________________________________ 22 6.7.1 REGRAS GERAIS PARA A PREPARAÇÃO DE PÓS EFERVESCENTES __________________________________ 22 7. GRANULADO ______________________________________________________________ 23 7.1 GRANULAÇÃO __________________________________________________________________________ 23 7.2 MÉTODOS DE OBTENÇÃO DE GRANULADOS __________________________________________________ 24 7.3 FORMA FARMACÊUTICA EM CÁPSULAS______________________________________________________ 26 7.4 CLASSIFICAÇÃO (CATEGORIAS DE CÁPSULAS) _________________________________________________ 27 7.5 CÁPSULAS DURAS _______________________________________________________________________ 27
  • 3. 7.6 TAMANHO DAS CÁPSULAS ________________________________________________________________ 28 7.7 CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES ___________________________________________________________ 28 7.8 EXCIPIENTES ___________________________________________________________________________ 29 7.8.1 DILUENTES_____________________________________________________________________________ 29 7.8.2 LUBRIFICANTES __________________________________________________________________________ 29 7.8.3 AGENTES MOLHANTES_____________________________________________________________________ 30 7.9 MÉTODO DE ENCHIMENTO DAS CÁPSULAS ___________________________________________________ 30 7.10 PROCEDIMENTO PARA MANIPULAÇÃO _____________________________________________________ 31 7.11 EXERCÍCIOS SOBRE ENCHIMENTO DE CÁPSULAS ______________________________________________ 32 8. REVESTIMENTO DE FORMAS FARMACÊUTICAS SÓLIDAS ___________________________ 34 8.1 RAZÕES PARA REVESTIR AS CÁPSULAS_______________________________________________________ 35 8.2 SUBSTÂNCIAS USADAS PARA O REVESTIMENTO _______________________________________________ 35 8.3 SOLUÇÃO IDEAL PARA REVESTIMENTO ______________________________________________________ 35 9. COMPRIMIDOS ____________________________________________________________ 36 9.1 CLASSIFICAÇÃO _________________________________________________________________________ 36 9.2 ADJUVANTES OU EXCIPIENTES _____________________________________________________________ 37 9.2.1 DILUENTES ___________________________________________________________________________ 37 9.2.2 ABSORVENTES ________________________________________________________________________ 37 9.2.3 AGLUTINANTES________________________________________________________________________ 37 9.2.4 DESAGREGANTES ______________________________________________________________________ 37 9.2.5 LUBRIFICANTES________________________________________________________________________ 38 9.3 MÁQUINA DE COMPRESSÃO ______________________________________________________________ 38 9.3.1 FASES DA COMPRESSÃO_________________________________________________________________ 39 9.4 QUESTÕES DE REVISÃO___________________________________________________________________ 41 10. ESTABILIDADE DE MEDICAMENTOS ___________________________________________ 43 10.1 TEMPERATURA ________________________________________________________________________ 44 10.2 LUZ__________________________________________________________________________________ 45 10.3 OXIGÊNIO (O2) ________________________________________________________________________ 45 10.4 PH___________________________________________________________________________________ 46 10.5 UMIDADE (HIDRÓLISE) __________________________________________________________________ 46 10.6 TEMPO DE CONSERVAÇÃO _______________________________________________________________ 46 11. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS_______________________________________________ 48
  • 4. 3 1. INTRODUÇÃO No rol das Ciências Farmacêuticas, a Farmacotécnica destaca-se por reunir subsídios teóricos e práticos para aquele que, talvez, seja um dos maiores objetivos do profissional farmacêutico: produzir medicamentos. E, quando se fala em medicamentos, fala-se de um produto que, por ser destinado à promoção da saúde, é atrelado a um rígido controle de qualidade. Desde os mais remotos tempos, a qualidade é embasada nas relações da Farmacotécnica com as demais Ciências Farmacêuticas. O próprio Galeno, considerado o pai da Farmacotécnica (se não da profissão farmacêutica), em seus escritos no início da Era Cristã, demonstrava uma enorme coerência científica, sendo que algumas de suas fórmulas são utilizadas ainda hoje. Quando se pensa na técnica e todas as implicações relacionadas à escolha da forma física do medicamento, dependemos de pré-requisitos muito importantes, como a Química - em especial a Físico-Química e a Química Orgânica. O conhecimento da primeira leva à otimização da técnica de preparo, e orienta quanto ao perfil biofarmacêutico (velocidade de absorção) que se pretende atingir. Já a Química Orgânica, além de sua importância nestes aspectos técnicos, também subsidia nas questões críticas, como a estabilidade dos componentes envolvidos numa formulação e suas incompatibilidades. Farmacotécnica é, enfim, a ciência responsável pelo desenvolvimento e produção de medicamentos, levando-se em conta o efeito terapêutico e a estabilidade (prazo de validade) desejados, condições de acondicionamento, transporte e armazenamento, bem como a forma ideal de administração e dispensação. Seus principais pré- requisitos incluem outras Ciências Farmacêuticas, como Farmacologia, Farmacognosia e Química Farmacêutica, além de ciências básicas como Físico-Química, Química Geral e Orgânica, Fisiologia, Patologia, Parasitologia e Microbiologia. A farmácia magistral brasileira passou nos últimos anos por profundas transformações, adequando a novos parâmetros de qualidade mais exigentes e às novas legislações mais rigorosas. Contudo, o setor cresceu muito, e esse crescimento trouxe novos desafios decorrentes do aumento da demanda por medicamentos manipulados, tais como, o aumento da necessidade em atender a consumidores cada vez mais informados e exigentes, o crescimento da competição comercial e a necessidade de adequação à legislação. O principal desafio da farmácia magistral está na conquista da credibilidade que só será alcançada através do crescimento sustentado, pautado na obtenção de excelência em serviços e em produtos e na capacidade técnica- gerencial. A implantação de sistemas de garantia de qualidade, treinamentos contínuos, a informatização, o emprego de novas tecnologias, o cumprimento das legislações sanitárias, a política adequada de formação de preços e o marketing são alguns dos caminhos recomendáveis. A principal mudança foi à substituição da RDC n° 33/2000 pela RDC n° 214/2006, a qual foi substituída pela RDC n° 67/2007, que fixa os requisitos mínimos exigidos para o exercício das atividades de manipulação de preparações magistrais e oficinais das farmácias, como as instalações, os equipamentos, recursos humanos, aquisição, armazenamento e controle da qualidade da matéria-prima, avaliação farmacêutica da prescrição, e principalmente a manipulação, conservação, transporte, e dispensação de preparações. Portanto, a disciplina de farmacotécnica tem como objetivo discutir as principais formas farmacêuticas produzidas dentro das farmácias de manipulação, não se esquecendo de interagir este conhecimento com o dia-a-dia das empresas, trazendo assim a realidade para dentro da sala de aula. Desejo a todos um bom semestre, repleto de conhecimentos que possam ser utilizados para ajudar as pessoas. Seja bem vindo a disciplina de Farmacotécnica I. Importante: esta apostila destina-se apenas como apoio e não é um material didático, cabendo ao aluno consultar as referências bibliográficas citadas na ementa.
  • 5. 4 2. A FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO 2.1 Benefícios do medicamento manipulado a) Facilidade posológica b) Possibilidade de escolha da forma farmacêutica c) Possibilidade de resgate de medicamentos d) Economia e) Personalização terapêutica f) União multiprofissional 2.2 Diferenças entre o medicamento manipulado e industrializado 2.3 Farmacotécnica A farmacotécnica estuda a transformação dos produtos naturais ou de síntese em medicamentos nas várias formas farmacêuticas, utilizadas na prevenção, diagnóstico e cura das doenças. Esta transformação torna os fármacos susceptíveis de serem administrados, assegurando uma perfeita eficácia terapêutica e conservação. 2.4 São objetivos da farmacotécnica Preparar, conservar, acondicionar e dispensar medicamentos, dosados com exatidão e apresentados sob uma forma que facilite a sua administração. Além disso, visa o melhoramento das formas farmacêuticas existentes, através do estudo dos componentes das fórmulas e de novos processos de fabricação. Compete à Farmacotécnica estudar a forma farmacêutica mais adequada e o melhor meio de se conservar os medicamentos, de modo a prolongar, na medida do possível, o seu período de utilização. MEDICAMENTO INDUSTRIALIZADO MEDICAMENTO MANIPULADO Formulação padronizada para atender necessidades gerais de uma população. Formulação personalizada para atender as necessidades específicas de um paciente. O prescritor precisa adequar o paciente à apresentação comercial disponível. O prescritor pode adequar a formulação (dose, quantidade ou forma farmacêutica) a cada paciente. A comercialização em larga escala, inviabiliza economicamente e às vezes tecnicamente por questões de estabilidade, a possibilidade da produção de diversas F.F em várias dosagens. Permite a prescrição de F.F diferenciadas das disponíveis comercialmente, bem como, o emprego de dosagem especifica para um determinado paciente.
  • 6. 5 3. CONCEITOS IMPORTANTES FORMAS FARMACÊUTICAS (F.F). É a forma na qual o medicamento é apresentado podendo ser líquida (ex.: gotas, xarope, elixir), sólida (ex.: comprimidos, cápsulas), semi-sólida (ex.: creme, gel, pomada) ou gasosa (spray, aerossol). É o estado final apresentado pelos medicamentos após operações farmacotécnicas executadas sobre o fármaco e os adjuvantes apropriados. FÓRMULA FARMACÊUTICA É a composição do medicamento, considerando todas as substâncias ativas ou inativas que são empregadas na produção de produtos farmacêuticos. Ex: Ácido salicílico.......................1,0% Uréia.......................................3,0% Lactato de amônio.................1,5% Creme base.................q.s.p...100% DROGAS Matérias primas (ativa ou inativa) de várias origens, que tenha ou não finalidade medicamentosa ou sanitária FÁRMACOS É uma substância ativa, droga, insumo farmacêutico ou matéria-prima empregada para modificar ou explorar sistemas fisiológicos ou estados patológicos em benefício da pessoa a qual se administra o medicamento. REMÉDIOS A palavra remédio é empregada num sentido amplo e geral, sendo aplicada a todos os meios utilizados com o fim de prevenir ou de curar as doenças. Deste modo, são remédios não só os medicamentos, mas também os agentes de natureza física ou psíquica a que se recorre na terapêutica. MEDICAMENTO Produto farmacêutico tecnicamente obtido ou elaborado, que contém um ou mais fármacos juntamente com outras substâncias, com a finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico. MEDICAMENTO OFICINAL OU FARMACOPÉICO É uma preparação realizada na farmácia, cuja fórmula esteja inscrita no Formulário Nacional ou em Formulários Internacionais reconhecidos pela ANVISA.
  • 7. 6 MEDICAMENTO MAGISTRAL Medicamento preparado na farmácia cuja prescrição estabelece a composição, a forma farmacêutica e a posologia de acordo com a necessidade clínica de cada paciente. Não está descrito nos códigos oficiais. ESPECIALIDADE FARMACÊUTICA Produto industrializado e comercializado em suas embalagens originais, podendo ser classificados em genéricos, similares e de marca, sempre com registro no MS. DCB Denominação Comum Brasileira do fármaco ou princípio ativo aprovada pelo órgão federal responsável DCI Denominação Comum Internacional do fármaco ou princípio ativo aprovada pela organização Mundial de Saúde. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP É a descrição de técnicas e operações a serem utilizadas na farmácia, visando proteger e garantir a preservação da qualidade das preparações manipuladas e a segurança dos manipuladores. QUARENTENA Retenção temporária de insumos, preparações básicas ou preparações manipuladas isoladas fisicamente ou por meios que impeçam a sua utilização, enquanto esperam decisão quanto à sua liberação rejeição. TERMOS USADOS EM FARMACOTÉCNICA q.s.p: quantidade suficiente para... (se preparar uma formulação). Pode-se dizer que o q.s.p representa o peso ou volume total da formulação, e não necessariamente o peso ou volume de um determinado item. q.s: quantidade suficiente fsa: faça segundo a arte bm: banho-maria caps: cápsulas USP: United States Pharmacopeia – Farmacopéia Americana Farm. Bras.: farmacopéia Brasileira BASES GALÊNICAS Preparações compostos de uma ou mais matérias-primas, com fórmula definida destinada a serem utilizadas como veículos/excipiente de preparações farmacêuticas.
  • 8. 7 RDC 67/2007 Conjunto de normas e definições que dispõe sobre as Boas Práticas de Manipulação em Farmácia, desde suas instalações, equipamentos e recursos humanos, aquisição e controle da qualidade da matéria-prima. Além do armazenamento, avaliação farmacêutica da prescrição, manipulação, fracionamento, conservação, transporte, dispensação das preparações, incluindo a atenção farmacêutica aos usuários ou seus responsáveis, visando à garantia de sua qualidade, segurança, efetividade e promoção do seu uso seguro e racional. INSUMO INERTE Substância complementar, de natureza definida, desprovida de propriedades farmacológicas ou terapêuticas, nas concentrações utilizadas, e empregada como veículo ou excipiente, na composição do produto final. PREPARAÇÃO Procedimento farmacotécnico para obtenção do produto manipulado, compreendendo a avaliação farmacêutica da prescrição, a manipulação, fracionamento de substâncias ou produtos industrializados, envase, rotulagem e conservação das preparações.
  • 9. 8 4. CONSTITUINTES DAS FORMULAÇÕES 4.1 PRINCÍPIO ATIVO (P.A) Os princípios ativos ou fármacos são os elementos-chave responsáveis pela ação terapêutica de um medicamento alopático ou fitoterápico 4.2 EXCIPIENTE Excipientes farmacêuticos são substâncias farmacologicamente ativas que não seja o fármaco, que tem sua segurança avaliada e, que estão incluídos junto ao P.A com as seguintes intenções1 : a) Possibilitar a preparação do medicamento; b) Proteger, fornecer ou melhorar a estabilidade e disponibilidade biológica; c) Melhorar a aceitabilidade pelos pacientes; d) Proporciona identificação dos medicamentos; Também chamados de adjuvantes ou coadjuvantes, dependendo de suas aplicações podem ser divididos em coadjuvantes terapêuticos ou coadjuvantes técnicos. 4.2.1 Coadjuvante terapêutico Está diretamente relacionado às fases farmacodinâmicas e farmacocinéticas, e tem como função auxiliar a ação do P.A, seja por sinergismo, redução de efeitos adversos ou ainda o aumento do tempo de meia-vida dos fármacos. Ex: carbidopa e ácido clavulânico, que associados à levodopa e penicilina aumentam a meia-vida destes por inibição metabólica. 4.2.2 Coadjuvante técnico São os excipientes mais comuns e estão relacionados ao melhoramento dos aspectos químicos, físicos e físico-químicos, permitindo maior estabilidade das formulações. São classificados de acordo com a sua funcionalidade nas formulações.  Agente acidulante: usado em preparações liquidas para proporcionar meio ácido para a estabilidade do produto.  Agente alcalinizante: usado em preparações liquidas para proporcionar meio alcalino para a estabilidade do produto.  Adsorvente: agente capaz de prender outras moléculas em sua superfície por meios físicos ou químicos. 1 Fonte: www.ipecamericas.org
  • 10. 9  Conservante antifúngico: previne o crescimento de fungos em formulações liquidas e semi-sólidas.  Conservante antimicrobiano: previne o crescimento de bactérias em formulações líquidas e semi-sólidas.  Antioxidante: inibe a oxidação.  Agente tampão: usado para resistir às mudanças de pH.  Agente quelante: substância que forma complexos estáveis e hidrossolúveis (quelatos) com metais.  Corante: usado para fornecer cor.  Emulsificante: usado para dispersar líquidos não missiveis.  Flavorizante: fornecer cor e odor agradáveis.  Umectante: evitar o ressecamento das preparações.  Solvente: agente usado para dissolver uma substância em solução. 4.3 CLASSIFICAÇÃO DAS FORMULAÇÕES 1) Baseadas no número de P.A presentes nas formulações 2) Baseadas nas vias de administração 3) Baseadas das formas farmacêuticas (F.F) 4) Baseadas nas ações terapêuticas 5) Baseadas nos métodos de obtenção das formas: a) Divisão mecânica: granulados, comprimidos, drágeas, cápsulas. b) Dispersões mecânicas: suspensões, emulsão, aerossóis. c) Dispersão molecular: soluções, xaropes, extratos, espíritos, águas aromáticas
  • 11. 10 5. BIOFARMACOTÉCNICA A biofarmacotécnica estuda os processos que ocorrem no organismo, a partir da administração da forma farmacêutica, considerando as fases de liberação e dissolução do fármaco, que precedem sua absorção. Pode, também, ser definida como o estudo entre a intensidade e o efeito biológico dos ativos e, os vários fatores relacionados ao próprio fármaco, à formulação do medicamento, incluindo o processo produtivo e, à via de administração. • Estuda os processos que ocorrem no organismo deste o momento de sua administração; • Focado nos aspectos de liberação e dissolução da forma farmacêutica; • Permite compreender a relação dos componentes da formulação com a absorção e o efeito terapêutico; • Melhora as F.F de acordo com a necessidade de administração e absorção dos fármacos
  • 12. 11 5.1 DISSOLUÇÃO E ABSORÇÃO DE FÁRMACOS • Para que seja absorvido precisa antes ser dissolvido (dissolução) no local de absorção • A dissolução depende do Ph do meio, podendo ser dissolvido no estômago ou intestino • A dissolução depende de inúmeros fatores, como a F.F, solvente, características físico-químicas, etc • Produtos mal formulados podem não ser completamente absorvidos
  • 13. 12 POSOLOGIA Reflete a quantidade total de um medicamento, estimado de acordo com a idade e peso do paciente que se deve administrar de uma vez, ou em doses parciais, sempre levando em conta a dose, a via de administração e o tempo de meia-vida DOSE Quantidade de fármaco suficiente (mínima) para produzir efeito terapêutico ideal. A dose usual segura e eficaz é definida por estudos clínicos e depende de fatores fisiológicos, patológicos e genéticos. DOSE USUAL Existem grupos de indivíduos que respondem diferente às mesmas doses
  • 14. 13 5.2 INDIVÍDUO MÉDIO PADRÃO 5.3 BIODISPONIBILIDADE Corresponde à quantidade de um fármaco que chega a circulação sanguínea, em determinado tempo após a sua administração. 1. A libertação e dissolução dos fármacos constituem fatores limitantes na absorção, quer do ponto de vista da quantidade absorvida, quer na velocidade que ela se efetua. 2. Uma das medidas da absorção de um fármaco é a determinação de sua concentração ( [ ] ) sérica em vários intervalos de tempo após a sua administração. 3. É possível determinar qual a [ ] mínima que produza os efeitos desejados. Essa [ ] é denominada CME – Concentração Mínima Efetiva
  • 15. 14 5.4 ÍNDICE TERAPÊUTICO Um fármaco deve ser julgado não apenas por suas propriedades úteis, mas também pelos seus efeitos tóxicos. Desta forma, tem-se o índice terapêutico de um fármaco.
  • 16. 15 PICOS DE CONCENTRAÇÃO MÁXIMA, NÍVEL PLASMÁTICO EFETIVO E CONCENTRAÇÃO MÁXIMA TOLERADA DE UM MESMO FÁRMACO, A MESMA DOSE EM DIFERENTES FORMULAÇÕES DE USO ORAL 5.5 FATORES QUE AFETAM A BIODISPONIBILIDADE DOS FÁRMACOS a. A forma farmacêutica b. Os excipientes c. Ligados ao próprio fármaco d. Ligados aos indivíduos e. A dose
  • 17. 16 EXEMPLO: Mesmo fármaco, mesma dose e diferentes formas farmacêuticas ERROS DE PESAGEM PODEM ELEVAR A [ ] PLASMÁTICA
  • 18. 17 5.6 EXCIPIENTES E A ABSORÇÃO DE FÁRMACOS O gráfico abaixo representa diferentes concentrações do excipiente Estearato de magnésio e sua influência na absorção de um fármaco. FORMAS FARMACÊUTICAS SÓLIDAS As formas farmacêuticas sólidas são resultantes da transformação de transformação de fármacos em pós, os quais poderão ser dispensados diretamente nesta forma ou servirem de intermediários para outras formas farmacêuticas, como comprimidos, granulados e cápsulas. VANTAGENS 1. Menor custo de acondicionamento e embalagem 2. Maior estabilidade química, física e microbiana 3. Boa aceitação e fácil administração 4. Possibilidade de controlar a biodisponibilidade 5. Menor sensação de gosto
  • 19. 18 6. FORMA FARMACÊUTICA EM PÓ São formas farmacêuticas sólidas e secas constituídas por um ou mais componentes, que passaram por processos de pulverização e que apresentam a mesma tenuidade. VANTAGENS Fácil deglutição, fácil dissolução e fácil absorção. DESVANTAGENS Baixa uniformidade de doses, sabor mais realçado que outras F.F, baixa estabilidade química. 6.1 CLASSIFICAÇÃO DOS PÓS 1) QUANTO À APLICAÇÃO Uso interno: podem constituir solução no momento da administração. Uso externo: devem possuir boa espalhabilidade e tenuidade e não devem causar irritação local. 2) QUANTO A CONSTITUIÇÃO Pós simples: Pós compostos: 3) QUANTO AO TAMANHO DA PARTÍCULA Pó muito grosso: Pó grosso: Pó medianamente grosso: Pó fino: Pó muito fino: 6.2 GRANULOMETRIA DOS PÓS A granulometria dos pós pode interferir em processos de mistura, dissolução e biodisponibilidade. Ou seja, o tamanho das partículas interfere na biodisponibilidade através da variabilidade dos seguintes fatores: a) Velocidade de dissolução; b) Suspensibilidade; c) Uniformidade na distribuição;
  • 20. 19 d) Tecnologia de obtenção de comprimidos e cápsulas; e) Penetrabilidade (partículas inaladas: 1 a 5 μm); f) Espalhabilidade (não aspereza < 100 μm) 6.3 ETAPAS DE OBTENÇÃO DE PÓS a) Operações preliminares Operações mais utilizadas para material vegetal e separação de corpos sólidos. Caracterizadas principalmente pela triagem ou monda, divisão grosseira e secagem b) Operação principal – Mistura ou homogeneização Pulverização (trituração) no gral Levigação com líquidos Espatulação Fricção no tamis
  • 21. 20 O tamis é o instrumento utilizado para fazer a tamisação. É constituído por um aro de diâmetro variável, apresentando uma das extremidades fechada com uma tela aplicada de modo a ficar bem esticada, como uma peneira. 6.4 MODIFICAÇÕES DEVIDO A REDUÇÃO DO TAMANHO DAS PARTÍCULAS a) Cor b) Cheiro e sabor c) Volume d) Densidade e) Higroscopia f) Solubilidade 6.5 INCOMPATIBILIDADES a) Misturas eutéticas São misturas que se liquefazem a temperatura ambiente. O ponto de fusão da mistura é menor do que a dos dois pós isoladamente, podendo liquefazer-se ou formar uma pasta. Exemplos: 1. Acetanilida e cânfora; 2. Ácido acetilsalicílico e fenol; 3. Antipirina e mentol; 4. Cânfora e mentol; Para minimizar esse efeito, deve-se usar um pó absorvente, como o óxido de magnésio, o fosfato tricálcio, o gel de sílica, talco, amido ou a lactose.
  • 22. 21 Problemas relacionados à manipulação de pós. Problema Medida corretiva Formação de mistura eutética (pós se liquefazem à temperatura ambiente após serem misturados em determinada proporção). Interpor entre os pós incompatíveis um pó absorvente de elevada temperatura de fusão (exs: MgCO3, MgO, caulim, amido, talco, etc.). Formação de misturas explosivas (trituração de agentes oxidantes e redutores fortes). Evitar ou interpor pós inertes entre o agente oxidante e o redutor. Pós Higroscópicos (absorvem umidade do ar) e Deliqüescentes (se liquefazem total ou parcialmente). Controlar a umidade relativa do ar, granular os pós, manipular evitando a exposição à atmosfera úmida, adicionar um pó absorvente à preparação. Pós eflorescentes (aqueles que possuem água de hidratação que é liberada tornando o pó pastoso ou liquefeito). Substituir o pó hidratado pelo anidro ou secar o pó antes de manipula-lo. Pós leves e “fofos”. Compactar com álcool ou óleo mineral. Pós de difícil escoamento. Acrescentar estearato de magnésio em concentração inferior a 1%. Pós com carga estática. Neutralizar as cargas com laurilsulfato de sódio em concentração inferior a 1%. Incorporar líquidos à pós. Além do líquido acrescentar um pó absorvente; concentrar o líquido até uma consistência mais viscosa. 6.6 ACONDICIONAMENTO O acondicionamento pode ser feito em potes de plástico ou de vidros, de boca larga, bem cheios e fechados. As substancias que sofrem hidrolise podem ser acondicionadas em embalagens com gel de sílica, por exemplo. 1. A GRANEL – O paciente deverá medir a quantidade a ser tomada em colheres ou outro tipo de utensílio semelhante. Como a medida assim é imprecisa, apenas os pós efervescentes, laxativos, pós para ducha higiênica, pós dentifrícios ou para limpeza de dentadura. 2. PAPEIS MEDICAMENTOSOS OU SACHES – Os pós também podem ser acondicionados em envelopes ou papéis medicamentosos. Neste caso, a distribuição será feita por divisão geográfica ou com medidores de volume ou peso, principalmente para fármacos potentes. Uso: Para acondicionar pó em doses individuais. Proteção dos pós após pesagem Tipo: papel impermeável, papel vegetal. Recomendado: para substâncias não higroscópicas. Forma: retangular. Ex: 10 x 8 cm
  • 23. 22 EXIGÊNCIAS  Estabilidade  Homogeneidade: 1. Tamanho de partículas semelhantes 2. Técnica adequada – Misturador em V 3. Gral – Mistura geométrica 6.7 PÓS-EFERVECENTES A efervescência destina-se a proporcionar um paladar agradável, corrigindo eventualmente o gosto de certos fármacos utilizando as propriedades ácidas do CO2, o qual vai ainda atuar secundáriamente como estabilizante da mucosa gástrica, podendo aumentar a absorção do medicamento. A efervescência é conseguida à custa da reação de um carbonato ou bicarbonato com um ácido orgânico, como o cítrico ou o tartárico, na presença da água usada para a ingestão do medicamento, produzindo-se a liberação de CO2. Geralmente usa-se uma quantidade fixa e arbitrária de ácido tartárico, ácido cítrico ou NaH2PO4, podendo ainda associarem- se estes três compostos. A quantidade de NaHCO3 que é necessária adicionar pode-se calcular em função da acidez conferida pelos ácidos e o NaH2PO4, de tal modo que a reação entre eles em presença de água, gera uma solução próximo da neutralidade. Os pós efervescentes constituem uma fórmula dotada de má conservação, pois absorvem facilmente umidade atmosférica dada a grande superfície que apresentam. É por isso que eles são geralmente substituídos por granulados, menos sujeitos a esta alteração. 6.7.1 REGRAS GERAIS PARA A PREPARAÇÃO DE PÓS EFERVESCENTES Além das regras utilizadas para a preparação de pós compostos, deve-se: a - Logo após a pulverização e tamisação de cada um dos pós presentes na fórmula, secar cada um desses pós em estufa à 50-60°C durante 20 minutos. b - Pulverizar e tamisar isoladamente cada um dos pós secos, misturá-los em um gral. Secar o pó composto obtido em estufa à 50°C durante 20 minutos aproximadamente. c - Após o término da etapa anterior, caso necessário, tamisar a mistura final obtida. embalar, rotular e registrar conforme as mesmas exigências dos pós compostos acima descritas.
  • 24. 23 7. GRANULADO Granular é uma operação farmacêutica de dar forma utilizada para aglomerar substâncias pulverizadas através da aplicação de pressão e/ou adição de aglutinantes. 7.1 GRANULAÇÃO Processo em que pequenas partículas são transformadas em partículas maiores – aglomerados permanentes É o processo através do quais partículas em pó são conduzidas a se aderirem umas às outras para formar entidades multiparticuladas grandes denominadas grânulos. OS GRÂNULOS SÃO OBTIDOS POR 3 MOTIVOS 1. Para se obter uma forma farmacêutica final em escala magistral e industrial 2. Para a produção de comprimidos em escala industrial 3. Para promover o revestimento RAZÕES PARA A GRANULAÇÃO EM COMPRIMIDOS 1. Evitar a separação (segregação) de constituintes numa mistura de pós 2. Melhorar as propriedades de fluxo da mistura: facilidade de escoamento 3. Aumento da densidade: reduz o volume permitindo melhor compressibilidade 4. Melhorar as características de compactação da mistura: maior compressibilidade 5. Aumento da dissolução: devido a sua alta porosidade RAZÕES PARA A GRANULAÇÃO COMO F.F FINAL 1. Mais estéticos 2. Não aderem entre si: evita a umidade 3. Mais agradáveis de ingerir 4. Posologia mantida x colheres 5. Efervescentes – melhor conservação – menor superfície de contato
  • 25. 24 7.2 MÉTODOS DE OBTENÇÃO DE GRANULADOS 1. Granulação por Fusão a. Aquecer (90-105°C) substâncias medicamentosas b. Pela ação da água e do calor ocorre a fusão superficialmente aglomerando-se sob a forma de pasta – crivo c. Ex: ácido cítrico, bicarbonato de sódio e sulfato de Mg 2. Granulação por via seca Mistura dos pós → Compactação → Calibração (tamis)
  • 26. 25 3. Granulação por via úmida Mistura dos pós → Umectação → Granulação (tamis) → Secagem → Calibração (tamis)
  • 27. 26 7.3 FORMA FARMACÊUTICA EM CÁPSULAS São formas farmacêuticas sólidas, com invólucro duro ou mole, de diversos formatos e tamanhos, normalmente contendo uma dose unitária de ingrediente ativo. Os invólucros são normalmente formados de gelatina de origem animal, contudo podem ser de amido. VANTAGENS 1. Mascaramento de odor e sabor; 2. Fácil liberação do principio ativo; 3. Possibilidade de revestimento; 4. Boa estabilidade: proteção contra luz, ar e umidade; 5. Ótima precisão e dosagem; 6. Fácil administração e boa aceitação pelos pacientes; 7. Rapidez na execução; 8. Possibilidade de obtenção de pequenas quantidades; 9. Melhora dos aspectos comerciais (ocupa pequenos volumes); 10.Baixo risco de contaminação cruzada;
  • 28. 27 DESVANTAGENS 1. Não é fracionável; 2. Aderem com certa facilidade à parede de esôfago; 3. Dificuldade de uso em crianças e idosos; 4. Incompatibilidade com substâncias higroscópicas, deliqüescentes e eflorescentes; 7.4 CLASSIFICAÇÃO (CATEGORIAS DE CÁPSULAS) 1. Cápsulas duras; 2. Cápsulas moles; 3. Cápsulas gastro-resistentes (de liberação entérica); 4. Cápsulas de liberação modificada (liberação prolongada). 7.5 CÁPSULAS DURAS As cápsulas duras têm forma cilíndrica, arredondada nos extremos e são formadas por duas partes abertas numa extremidade, com diâmetros ligeiramente diferentes, devendo seus extremos abertos encaixar um no outro. As cápsulas duras são constituídas de gelatina*, corantes, antioxidantes e agentes opacos. Apresentam cerca de 8 a 16% de água. Tem formato cilíndrico, arredondado nas extremidades e são formadas de 2 partes: corpo e tampa. O corpo é utilizado para acondicionar os pós, e já a tampa com a finalidade de retê-lo. * A gelatina NF, é um produto obtido pela hidrólise parcial de colágeno obtido da pele do tecido conjuntivo branco de ossos de animais. É comercializado na forma de pó fino, pó grosso, tiras, flocos ou folhas.
  • 29. 28 7.6 TAMANHO DAS CÁPSULAS N° CAPACIDADE MÉDIA (MG) VOLUME MÉDIO (ML) 5 Até 65mg 0,130ml 4 65mg a 100mg 0,210ml 3 130mg a 200mg 0,300ml 2 200mg a 350mg 0,370ml 1 350mg a 550mg 0,500ml 0 550mg a 750mg 0,680ml 00 750mg a 975mg 0,950ml 000 975mg a 1400mg 1,370ml Obs.: existem diferenças de capacidade relacionadas com a reologia do pó, tenuidade, densidade, pressão usada no enchimento, etc. Exemplo: uma cápsula n° 0 pode conter 520mg de Ácido AcetilSalicílico e 715mg de bicarbonato de sódio, ou ainda 325mg de sulfato de quinina. A dosificação correta das cápsulas duras depende de três fatores fundamentais: a) Escolha do invólucro com capacidade adequada b) Método de enchimento (manual ou automático) c) Produto a encapsular (densidade/umidade). 7.7 CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES As cápsulas devem ser completamente preenchidas, e a tampa não foi feita para acondicionar os pós, e sim servir de barreira. Se a quantidade de fármaco for menor que a capacidade total da cápsula, é necessário acrescentar um diluente para seu completo
  • 30. 29 enchimento, como a lactose, a celulose microcristalina, amido ou uma mistura chamada de excipiente padrão: Estearato de Magnésio....................... 0,5% Aerosil............................................... 1,0% Lauril Sulfato de Sódio................... 1% a 2% Talco.................................................. 30% Amido de milho............. qsp.............. 100% 7.8 EXCIPIENTES 7.8.1 Diluentes a) Amido: Concentração Máxima: Não há. Incompatibilidade: Não há Contra Indicação: Não há b) Lactose: Concentração Máxima: 90%. Incompatibilidade: Grupo amino ( Reação de Maillard) Contra Indicação: Pacientes com intolerância à Lactose c) Manitol: Concentração Máxima: 90%. Incompatibilidade: Fe, Al, Cu. Contra Indicação: Crianças. d) Fosfato de Cálcio Dibásico Concentração Máxima: Não definida. Incompatibilidade: Fármacos sensíveis a pH alcalino derivados da tetraciclina. Outros: Celulose microcristalina, Carbonato de Cálcio. 7.8.2 Lubrificantes a) Dióxido de Silício (Aerosil): Concentração: 0,1 – 1,0 % Incompatível: Dietilestilbestrol b) Estearato de Magnésio: Concentração: 0,2 – 2,0 % Incompatível: substâncias ácidas
  • 31. 30 c) Talco: Concentração: 1 – 10,0 %. 7.8.3 Agentes Molhantes Recomendado para fármacos lipossolúveis. a) Lauril Sulfato de Sódio: Concentração: 1 a 2% b) Incompatível: Alcalóides, Substâncias ácidas, etc. c) Docusato Sódico: Concentração: 0,5%. Incompatível: eletrólitos 7.9 MÉTODO DE ENCHIMENTO DAS CÁPSULAS A cápsula é uma das formas farmacêuticas mais difundidas em manipulação. No entanto, a prática envolvendo cápsulas é muitas vezes imprecisa, pois os métodos geralmente utilizados para o enchimento, se baseiam na capacidade em termos de peso. Este parâmetro (peso) varia muito conforme a densidade do pó a ser encapsulado, o que pode gerar alguns inconvenientes no cálculo de excipiente e tamanho da cápsula a ser empregada. Este método consiste em encher as cápsulas pressionando o seu corpo contra o pó várias vezes até o completo enchimento. Em seguida esta cápsula é pesada e seu peso relacionado com a sua capacidade. Assim, seleciona-se o nº preciso de cápsulas vazias que serão envasadas. Se ao final do processo, a capacidade de pó da ultima cápsula for insuficiente, adiciona-se um diluente.
  • 32. 31 Por isso, o “método volumétrico” de enchimento de cápsulas é muito mais preciso, já que as cápsulas têm a capacidade constante em termos de volume. 7.10 PROCEDIMENTO PARA MANIPULAÇÃO 1. Passo: processo em que o manipulador deverá pesar os pós especificados na ficha de pesagem, observando as respectivas quantidades; 2. Passo: a pesagem deverá ser precisa e muito cuidadosa; 3. Passo: ao iniciar a pesagem, tarar a balança com papel de pesagem sobre o prato; 4. Passo: pesar os pós um a um com o auxilio de espátula. Para a pesagem de Pellets deve utilizar sempre espátula de plástico ou chifre – não utilizar espátula de aço inox; 5. Passo: os pós devidamente pesados deverão ser pulverizados em gral de porcelana ou de vidro individualmente; 6. Passo: misturar os pós em um único gral seguindo a REGRA DO MISTÃO ou REGRA GEOMÉTRICA (maior sobre o menor); 7. Passo: passar o conteúdo para uma provera graduada a verificar o volume obtido por aquela quantidade de pó; 8. Passo: verificar a necessidade de diluente e escolher a cápsula ideal de acordo com o volume obtido no passo 7 dividido pela quantidade de cápsulas da formulação; 9. Passo: com o auxilio de um saco plástico, misturar bem os pós e o distribuir sobre a placa encapsuladora; 10. Passo: encapsular; 11. Passo: lustrar as cápsulas; 12. Passo: acondicionar.
  • 33. 32 7.11 EXERCÍCIOS SOBRE ENCHIMENTO DE CÁPSULAS 1. O médico prescreveu a receita abaixo para ser manipulada: Fluoxetina........................................................................25mg Preparar 60 caps Dados: I. A matéria-prima disponível na farmácia está na forma de sal (cloridrato de fluoxetina), e portanto seu fator de equivalência é 1,12 II. O volume ocupado pelo fármaco (na proveta) foi de 3,0 ml III. O volume das cápsulas disponíveis é: Perguntas: 1) Quanto será utilizado do fármaco (sal) para pesagem (em gramas)? 2) Quantos ml do fármaco caberão em cada cápsula? 3) Qual o tamanho das cápsulas utilizadas? 4) Quanto será usado de excipiente (em gramas)? 2. O médico prescreveu a receita abaixo para ser manipulada: Cáscara sagrada.................................................................250mg Preparar 60 caps Dados: I. A matéria-prima disponível na farmácia está com um teor e umidade de 8% II. O volume ocupado pelo fármaco (na proveta) foi de 10,0 ml III. O volume das cápsulas disponíveis é: Perguntas: 1) Quanto será utilizado do fármaco para pesagem (em gramas)? 2) Quantos ml do fármaco caberão em cada cápsula? 3) Qual o tamanho das cápsulas utilizadas? 4) Quanto será usado de excipiente (em gramas)? N° Volume da Cápsula (ml) 5 0,130ml 4 0,210ml 3 0,300ml 2 0,370ml 1 0,500ml 0 0,680ml 00 0,950ml 000 1,370ml N° Volume da Cápsula (ml) 5 0,130ml 4 0,210ml 3 0,300ml 2 0,370ml 1 0,500ml 0 0,680ml 00 0,950ml 000 1,370ml
  • 34. 33 3. O médico prescreveu a receita abaixo para ser manipulada: Losartana ........................................................25mg Hidroclorotiazida..........................................12,5mg Preparar 60 caps Dados: IV. A matéria-prima disponível na farmácia está com teor de umidade de 12%. V. O volume ocupado pelo fármaco (na proveta) foi de 9,0 ml VI. O volume das cápsulas disponíveis é: Perguntas: 1) Qual o fator de correção da losartana? 2) Quanto será utilizado do fármaco para pesagem (em gramas)? 3) Quantos ml do fármaco caberão em cada cápsula? 4) Qual o tamanho das cápsulas utilizadas? 5) Quanto será usado de excipiente? 4. O médico prescreveu a receita abaixo para ser manipulada: Cloridrato de Sertralina........................................................30mg Preparar 60 caps Dados: IV. Cada 55,95mg de cloridrato de sertralina, são aproximadamente equivalentes a 50mg de setralina base. V. O volume ocupado pelo fármaco (na proveta) foi de 12,0 ml VI. O volume das cápsulas disponíveis é: Perguntas: 1) Qual o fator de equivalência da sertralina? 2) Quanto será utilizado do fármaco para pesagem (em gramas)? 3) Quantos ml do fármaco caberão em cada cápsula? 4) Qual o tamanho das cápsulas utilizadas? 5) Quanto será usado de excipiente? N° Volume da Cápsula (ml) 5 0,130ml 4 0,210ml 3 0,300ml 2 0,370ml 1 0,500ml 0 0,680ml 00 0,950ml 000 1,370ml N° Volume da Cápsula (ml) 5 0,130ml 4 0,210ml 3 0,300ml 2 0,370ml 1 0,500ml 0 0,680ml 00 0,950ml 000 1,370ml
  • 35. 34 8. REVESTIMENTO DE FORMAS FARMACÊUTICAS SÓLIDAS Existem fármacos que por serem irritantes ao estômago ou sensíveis ao baixo valor do pH do suco gástrico (entre 1,0 e 2,5) devem passar intactos pelo estômago para serem absorvidos no intestino. O intestino delgado é uma das principais vias de absorção para os fármacos devido: – pH adequado – Grande área de superfície disponível para a absorção no seu interior (aproximadamente 6 metros de comprimento) O revestimento gastro-resistente é uma técnica utilizada na preparação de formas farmacêuticas para que resistam, sem alteração, à ação do suco gástrico devendo, porém, desagregar-se rapidamente no suco intestinal. O planejamento dos revestimentos entéricos baseia-se no tempo de trânsito necessário para a passagem da forma farmacêutica do estômago até os intestinos. Isso pode ser obtido com revestimentos de espessura suficiente para resistir à dissolução no estômago
  • 36. 35 8.1 RAZÕES PARA REVESTIR AS CÁPSULAS 1) Proteger fármacos que se decomponham em meio ácido, tais como enzimas e alguns antibióticos; 2) Prevenir mal-estar gástrico e náuseas devido à irritação provocada pelo fármaco, como por exemplo, o AAS; 3) Administração de fármacos para a ação local nos intestinos, como os anti- parasitários; 4) Quando for importante que o princípio ativo não sofra diluições antes de atingir o intestino, como, por exemplo, mesalazina e sulfassalazina (anti-inflamatório intestinal – colite). 8.2 SUBSTÂNCIAS USADAS PARA O REVESTIMENTO 1) Goma laca; 2) Ftalato de hidroxipropilmetilcelulose (HPMC); 3) Copolímero do ácido metacrílico/metacrilato de metila (Eudragit L-100); 4) Acetaftalato de polivinil e Acetoftalato de celulose; 5) Formaldeído e Acetona 8.3 SOLUÇÃO IDEAL PARA REVESTIMENTO O método mais viável para uso magistral por ser simples e rápido é o proposto por Lachman empregando: Solução de acetoftalato de celulose adicionada manualmente ou diluída com solventes apropriados para aspersão nas cápsulas, a qual é composta por: • Acetoftalato de celulose............................ 5% • Polietilenoglicol 8000.............................. 15% • Monoleato de sorbitano......................... 0,3% • Corante amarelo..................................... 0,05% • Dióxido de titânio......................................0,5% • Vanilina (0,1%), óleo de rícino............... .0,25% • Álcool etílico............................................ 12% • Acetona......................... Qsp................... 100%
  • 37. 36 9. COMPRIMIDOS Comprimidos são formas farmacêuticas sólidas contendo princípios ativos, com vários tamanhos, formas, peso, dureza, espessura, características de desintegração, etc. São obtidos pela compressão de pós ou granulados, em que onde uma elevada pressão é aplicada ao sistema até que este se rearranje e deforme, dando origem a uma massa compacta, ou seja, um corpo rígido de forma bem definida. Sua grande maioria é destinada à via oral, sofrendo desagregação na boca, estômago ou intestino. VANTAGENS 1. Maior precisão de dosagem e menor variabilidade de conteúdo; 2. Facilidade de manuseio, administração e transporte pelo usuário; 3. Maior estabilidade física e microbiológica; 4. Melhor adequação à produção em escala industrial 5. Menor custo; DESVANTAGENS 1. Não é uma forma farmacêutica emergencial; 2. Impossibilidade de adaptação de posologia individual; 3. Impossibilidade de obtenção econômica de quantidades reduzidas, dado ao custo elevado do equipamento; 4. Permite e facilita em grandes proporções a automedicação; 5. Impossibilidade de administração a lactentes e idosos. 9.1 CLASSIFICAÇÃO a) Quanto à forma a. Circular b. Alongado c. Quadrado, etc. b) Quanto ao perfil a. Plano b. Convexo c. Côncavo d. Chanfrados c) Quanto à superfície a. Revestimento por película b. Revestimento por açúcar + verniz: drágeas d) Quanto a cadencia e desagregação a. Liberação imediata b. Liberação modificada (retardada, prolongada, controlada e repetida)
  • 38. 37 9.2 ADJUVANTES OU EXCIPIENTES Os adjuvantes em comprimidos são adicionados à formulação para melhorar certas características, como a forma, tamanho, escoamento do pó, a desagregação, dissolução, aceitabilidade pelo paciente, etc. 9.2.1 DILUENTES São adicionados aos pós para obter comprimidos com peso conveniente. Podem ser: a. Solúveis: lactose, sacarose, cloreto de sódio, manitol; b. Insolúveis: amido, celulose microcristalina (Avicel); c. Mistos: mistura dos solúveis com insolúveis. 9.2.2 ABSORVENTES São incorporados para absorver a água da umidade atmosférica ou residual dos pós que provoquem a alteração da forma farmacêutica. Retém ainda a água de extratos fluidos ou tinturas. Exemplos: a. Amido e lactose. 9.2.3 AGLUTINANTES São substâncias que aumentam o contato entre as partículas, devido a sua alta capacidade de agregação e compactação. São produtos de longa cadeia, como: b. Açucares: lactose, glucose, manitol, sacarose; c. Mucilagens: goma arábica, goma de amido, goma agraganta; d. Polímeros: PVP 9.2.4 DESAGREGANTES Acelera a dissolução ou a desagregação dos comprimidos na água ou nos líquidos do organismo. Os desagregantes atuam geralmente por três processos: a. Dissolvendo-se na água, abrindo canalículos que facilitam a desagregação dos comprimidos: lactose, glicose e cloreto de sódio; b. Reagindo com a água ou com ácido clorídrico do estômago e libertando gases, como o oxigênio ou gás carbônico: carbonato, bicarbonato, misturas efervecentes; c. Inchando em contato com a água e abrindo assim canalículos que facilitam a desagregação dos comprimidos: amido;
  • 39. 38 9.2.5 LUBRIFICANTES Facilita o deslizamento do pó ou granulado para a máquina de compressão, e diminuem a tendência do produto a se aderir as punções. a. Talco, estearato de magnésio e amido 9.3 MÁQUINA DE COMPRESSÃO As máquinas de compressão do tipo excêntricas são constituídas por punções, sendo um inferior e um posterior, por uma câmara de compressão ou matriz, cujo fundo é formado pela punção inferior e por uma peça móvel distribuidora de pó.
  • 40. 39 Formatos dos punções que determinam a forma dos comprimidos e sulcos. 1 – Face chata lisa; 2 – Côncavo raso; 3 - Côncavo padrão; 4 – Côncavo fundo As punções e matrizes são de aço temperado especial e algumas vezes o punção superior tem gravado o nome do laboratório, de um símbolo ou o do medicamento a se preparar. 9.3.1 FASES DA COMPRESSÃO A. Formação da câmara de compressão. A punção superior dá brilho e a dureza ao comprimido, e faz a compressão propriamente dita. B. Nesta câmara de compressão é distribuído o pó a ser comprimido. É a punção inferior que ajusta a altura da matriz (ou câmara), regulando a quantidade de pó a ser comprimida. C. Ocorre verdadeiramente a compressão. A punção superior se abaixa comprimindo o pó. D. Pela ação o alimentador (que irá adicionar mais pó para a compressão de um segundo comprimido), o primeiro comprimido é expulso da máquina, e em seguida inicia-se um novo ciclo de compressão. A força de compressão define a forma e dureza do comprimido.
  • 41. 40 Já as máquinas de compressão automáticas chamadas de Máquinas rotativas, os punções inferiores e superiores, assim como as matrizes, são montadas face a face sobre a mesma coroa circular, animada de movimento contínuo sempre no mesmo sentido.
  • 42. 41 9.4 QUESTÕES DE REVISÃO 1. Defina a forma farmacêutica cápsulas 2. Porque as cápsulas mascaram odor e sabor? 3. Porque as cápsulas favorecem rapidamente a liberação do princípio ativo? 4. Porque o fracionamento é uma desvantagem das cápsulas? 5. O que uma substância higroscópica interfere na produção de uma cápsula? 6. Qual a origem de produção das cápsulas duras? 7. Quais as funções das partes de uma cápsula? 8. O que acontece quando existe ar dentro de uma cápsula? 9. Quais os tamanhos de cápsulas existentes no mercado? E quais as suas capacidades em termo de volume? 10. Sabendo que a densidade dos pós interfere diretamente na produção de cápsulas, por que o método de enchimento baseado em questões de massa (peso) não é o ideal na produção de cápsulas na farmácia de manipulação? 11. Quais os três fatores fundamentais para uma produção ideal de cápsulas? 12. Qual a função dos diluentes nas cápsulas? Dê 2 exemplos. 13. Qual a função dos lubrificantes nas cápsulas? Dê 2 exemplos. 14. Resolva os seguintes cálculos para o enchimento de capsulas O médico prescreveu a receita abaixo para ser manipulada: Losartana ........................................................25mg Hidroclorotiazida..........................................12,5mg Preparar 60 caps Dados: A materia-prima disponível na farmácia está com teor de umidade de 12%. O volume ocupado pelo fármaco (na proveta) foi de 9,0 ml O volume das cápsulas disponíveis é: Perguntas: 1) Qual o fator de correção da losartana? 2) Quanto será utilizado do fármaco para pesagem (em gramas)? 3) Quantos ml do fármaco caberão em cada cápsula? 4) Qual o tamanho das cápsulas utilizadas? 5) Quanto será usado de excipiente? O médico prescreveu a receita abaixo para ser manipulada: Cloridrato de Sertralina........................................................30mg Preparar 60 caps Dados: Cada 55,95mg de cloridrato de sertralina, são aproximadamente equivalentes a 50mg de setralina base.
  • 43. 42 O volume ocupado pelo fármaco (na proveta) foi de 12,0 ml O volume das cápsulas disponíveis é: Perguntas: 1) Qual o fator de equivalência da sertralina? 2) Quanto será utilizado do fármaco para pesagem (em gramas)? 3) Quantos ml do fármaco caberão em cada cápsula? 4) Qual o tamanho das cápsulas utilizadas? 5) Quanto será usado de excipiente? 15. Defina “suco gástrico” 16. Diferencie absorção estomacal de absorção intestinal com relação a biodisponibilidade 17. Qual a função do revestimento gastro-resistente? 18. Quais as faixas de pH existentes no intestino? 19. Justifique a seguinte afirmação: “O planejamento dos revestimentos entéricos baseia-se no tempo de trânsito necessário para a passagem da forma farmacêutica do estômago até os intestinos” 20. Cite 4 razões para revestir as cápsulas. 21. Quais os tipos de substâncias utilizadas para o revestimento de cápsulas? 23. Qual a solução ideal para o revestimento de cápsulas no ambiente magistral (farmácia de manipulação)? 24. Defina a forma farmacêutica comprimidos. 25. Justifique porque os comprimidos possuem menor variabilidade de conteúdo e maior precisão de dosagem. 26. Porque os comprimidos não é uma forma farmacêutica emergencial? 27. Qual a relação da automedicação com a produção em larga escala dos comprimidos? 28. Quais são as classificações dos comprimidos? 29. Quais as funções dos diluentes nos comprimidos? 30. Qual a importância de uma substância absorvente nos comprimidos? 31. Qual a função dos lubrificantes nos comprimidos?
  • 44. 43 10.ESTABILIDADE DE MEDICAMENTOS Todos os materiais sofrem alterações, com o tempo, sob a ação do ambiente, desde materiais extraídos da natureza até materiais sintéticos. Os fatores ambientais que degradam os medicamentos são inúmeros, como por exemplo, a luz (através da radiação ultravioleta e infravermelha), a umidade, o calor, microorganismos, etc. Com os fármacos ocorre o mesmo:  Fármacos puros são mais estáveis do que em misturas: as chances de interação com outros materiais aumentam muito.  Lembre-se: medicamentos são misturas de fármacos e veículos ou excipientes.  Fármacos em formas sólidas são mais estáveis que em formas líquidas: as reações químicas ocorrem melhor e mais rápido em um meio líquido.  Fármacos sujeitos a algum processamento são também mais facilmente decompostos: Granulação úmida, secagem, aquecimento para facilitar a solubilização, etc.  O processamento promove maior exposição da preparação aos agentes ambientais: oxigênio, luz, aquecimento, microrganismos, etc. A decomposição dos fármacos, puros ou nos medicamentos, obriga aos fabricantes estipular a sua data de validade:  A determinação do prazo de validade é baseada em experimentos que permitem estimar o tempo em que os fármacos permanecem em condições de exercer seu efeito sem alterar sua toxicidade. No desenvolvimento de formulações são feitos exaustivos estudos para compreender o mecanismo de degradação dos fármacos e a velocidade com que os processos ocorrem, sob vários aspectos: químico, físico e microbiológico. Por esse motivo há um tempo considerável entre a elaboração de uma nova formulação e o seu aparecimento no mercado. O estudo da estabilidade de medicamentos conduz a uma compreensão mais fácil sobre a degradação que os medicamentos podem sofrer, principalmente em sua potência.
  • 45. 44 Portanto, a estabilidade é a extensão de tempo na qual o produto mantém, dentro de limites especificados, através do período de armazenamento e uso, as mesmas propriedades que possuía no momento da sua fabricação. 10.1 TEMPERATURA a. Em geral, o aumento de 10 graus na Temperatura, acelera em 2 a 5 vezes a velocidade de uma reação; a. Importante lembrar que, em nosso país, a temperatura ambiente varia muito, ultrapassando os 30º C b. A temperatura é um importante catalisador das reações de hidrólise e oxidação MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS ESTÁVEIS ALTERAÇÕES NÃO PROGRAMADAS FATORES EXTRÍNSECOS (CAUSAS EXTERNAS) FATORES INTRÍNSECOS (CAUSAS INTERNAS) INSTABILIDADES INCOMPATIBILIDADES TEMPERATURA LUZ OXIGÊNIO (O²) pH UMIDADE TEMPO FÍSICAS QUÍMICAS FISICO- QUIMICAS TERAPÊUTIC AS
  • 46. 45 10.2 LUZ a. A luz solar (UV) afeta as ligações químicas fornecendo energia para a separação dos elétrons compartilhados entre os dois átomos dessa ligação. Pode resultar em: a. Formação de radicais livres no processo de oxidação b. Lise da molécula formando dois radicais c. A quebra da molécula pode causar isomerização b. Correções: armazenar os produtos em embalagens foto-resistentes (vidro, plástico PET âmbar, plástico escuro, embalagens de alumínio, etc). 10.3 OXIGÊNIO (O2) a. Reação que ocorre na presença de oxigênio, com o ganho ou perda de um ou mais átomos eletropositivos, átomos aletronegativos, radiais ou elétrons. b. É iniciada tanto pela luz como pela presença de metais c. Formas de evitar a oxidação: a. Usar agentes quelantes: EDTA b. Usar agentes anti-oxidantes: bissulfito de sódio, metabissulfito c. Evitar o contato com a luz e excesso de umidade Em solução aquosa de Ácido Ascórbico (ε0 = +0,14v) e adrenalina (ε0 = +0,52v), ocorre oxidação do ácido (menor potencial padrão de oxidação).             O O HO OH OH OH ác. ascórbico ox. red. O O O OH OH OH HO HO NHMe OH red. ox. O O NHMe OH v v
  • 47. 46 10.4 pH 1. O pH é um importante catalisador da hidrólise 2. Em pH baixos ou altos: aumentam as chances de ocorrer alterações nas hidroxilas e hidrogênios dos fármacos, podendo levar a oxidação e à hidrólise. 3. Para cada formulação existe um pH ótimo, no qual a tanto a hidrólise quanto a oxidação é mínima, permitindo melhor atividade biológica e maior estabilidade da preparação. 10.5 UMIDADE (HIDRÓLISE) a. Ocorre quebra da molécula de fármaco pela adição de uma molécula de água. b. Para diminuir este efeito controla-se a temperatura do laboratório c. Há grupos funcionais que favorecem a hidrólise: i. Lactonas (ésteres cíclicos) ii. Lactamas (amidas cíclicas) iii. Ésteres iv. Amidas 10.6 TEMPO DE CONSERVAÇÃO A conservação do medicamento determina diretamente a degradação do produto. O estudo do prazo de validade da preparação é um dos fatores mais críticos na farmácia de manipulação. Pelo fato das preparações magistrais serem produzidas para a administração imediata ou após curto período de armazenagem, seus prazos de validade podem ser estabelecidos, utilizando critérios diferentes daqueles aplicados para determinar a validade do produto industrializado. a) CO2H O O CO2H OHhidrólise H O H OH O ác. acetil salicílico ác. salicílico ác. acético +
  • 48. 47 Embora se subtenda que o produto manipulado será utilizado logo após o aviamento da prescrição e somente durante o tempo de tratamento, ele precisa se manter estável durante todo este tempo. A dificuldade de estabelecer o prazo de validade para preparações farmacêuticas magistrais reside em alguns aspectos específicos inerentes à produção artesanal e unitária na farmácia magistral, tais como: a. Diversidade de formulações b. Associações de ativos c. Diversos excipientes e veículos d. Equipamentos utilizados e a tecnologia aplicada e. Fatores econômicos: doses unitárias e individuais Contudo, existem meios racionais e científicos, embora não exatos, de se presumir de maneira aproximada a validade de uma preparação farmacêutica magistral. Os prazos de validade recomendados pela USP-23ed, para preparações magistrais embaladas em recipientes hermeticamente fechados e protegidos da luz, na temperatura ambiente controlada são: a. Formulações sólidas e líquidas não-aquosas  Se a fonte for industrializado a validade não deve exceder a 25% do tempo remanescente para a data de expiração do produto original, ou 6 meses, o que for mais precoce.  Se a fonte da M.P não é industrializado (comprado direto do fabricante), o prazo de validade não deverá exceder a 6 meses. b. Formulações de antibióticos contendo grande quantidade de água  Não deverá ultrapassar 14 dias quando estocado em temperaturas baixas. c. Formulações semi-sólidas  Não deverá ultrapassar 3 meses. Entende-se por preparações semi-sólidas as formas farmacêuticas em gel, loções, cremes, pomadas, gel-creme, etc.
  • 49. 48 11. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS 1. ALLEN JR, Loyd V.; POPOVICH, Nicholas G; ANSEL, Howard C. Formas farmacêuticas e sistemas de liberação de fármacos. Tradução Ana Lúcia Gomes dos Santos et al. 8. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007. viii, 775 p. il. Tradução de: Ansel's pharmaceutical dosage form & drug delivery systems. ISBN 978-85-363-076. (A biblioteca possui 16 ex. da 8.ed. de 2007) 2. FERREIRA, Anderson de Oliveira. Guia prático da Farmácia magistral. 4.ed. rev. ampl. São Paulo: Pharmabooks, 2010. v.1. xxii, 736 p. il. ISBN 978-85-8973-145-4. (A biblioteca possui 7 ex. v.1 da 4.ed. de 2010) 3. FERREIRA, Anderson de Oliveira; BRANDÃO, Marcos. Guia prático da Farmácia magistral. 4.ed. rev. ampl. São Paulo: Pharmabooks, 2011. v.2. xxiii, 673 p. il. ISBN 978-85-8973-145-4. (A biblioteca possui 8 ex. v.2 da 4.ed. de 2011) 4. AULTON, Michael E. Delineamento de formas farmacêuticas. Tradução George González Ortega et al. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005. 677 p. Tradução de: Pharmaceutics the science of dosage form design. ISBN 978-85-363-0152-5. (A biblioteca possui 10 ex. da 2.ed. de 2005) 12. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR 1. CRESPO, Marcelo Soares; CRESPO, Juliana Maria Rocha e Silva. Formularium: compêndio de fórmulas magistrais. São Paulo: Crespo, 2002. v.1. xlvi, 586 p. ISBN 85-902747-1-3. (A biblioteca possui 2 ex. v.1 de 2002) 2. VILLANOVA, Janaina Cecília Oliveira; SÁ, Vania Regina de. Excipientes: guia prático para padronização. São Paulo: Pharmabooks, 2007. 115 p. ISBN 85-8973-114-6. (A biblioteca possui 1 ex. de 2007, 3 ex. da 2.ed. de 2009. Total 4 ex) 3. ANTUNES Jr., D. Farmácia de manipulação. São Paulo: Tecnopress, 2002. 4. GENNARO, Afonso R. (Ed.). Remington: a ciência e a prática da Farmácia. Tradução Adriana Ito Azevedo at al. 20. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, c2004. xviii, 2208 p. il. Tradução de: Ramington: the science and practice of pharmacy. ISBN 85-277-0873-6. (A biblioteca possui 5 ex. da 20.ed. de c2004) 5. Farmacopéia brasileira parte II: sexto fascículo. 4. ed. São Paulo: Atheneu, 2005. Várias paginações p. ISBN 85-7454-091-9. (A biblioteca possui 1 ex. da 4.ed. de 2005)