SlideShare uma empresa Scribd logo
Professora Vanessa Rodrigues
   O termo extração significa retirar, da forma
    mais seletiva e completa possível, as
    substâncias ou fração ativa contida na droga
    vegetal, utilizando, para isso, um líquido ou
    mistura de líquidos tecnologicamente
    apropriados e toxicologicamente seguros.
 Na escolha de um método extrativo, deve-se
  avaliar
 a eficiência,
 a estabilidade das substâncias extraídas,
 a disponibilidade dos meios
 o custo do processo escolhido,
 considerando a finalidade do extrato que se
  quer preparar.
   Recipiente fechado,
   Temperatura ambiente,
   Durante um período prolongado
    (horas ou dias),
   Sob agitação ocasional
   Sem renovação do líquido
    extrator
   Processo estático
   Desvantagens:

 Lentidão   no processo

 Não    é possível o esgotamento da droga
    (saturação do líquido extrator)
   ƒDiversas variações conhecidas desta
    operação objetivam, essencialmente, o
    aumento da eficiência de extração, entre elas:

 Maceração  dinâmica: maceração feita sob
  agitação mecânica constante;
 Remaceração: quando a operação é repetida
  utilizando o mesmo material vegetal,
  renovando-se apenas o líquido extrator. (4)
MACERAÇÃO
 Este processo fica restrito quando se trabalha
  com substâncias ativas pouco solúveis,
  plantas com elevado índice de
  intumescimento e possíveis proliferações
  microbianas.
 Apesar dos inconvenientes apresentados,
  ainda é uma das técnicas extrativas mais
  usuais devido à simplicidade e custos
  reduzidos.
   Processo dinâmico,
   Arrastamento do princípio ativo
    pela passagem contínua do
    líquido extrator,
   Esgotamento da planta através do
    gotejamento lento do material.
   Percolador pode ser de vidro ou
    metal.
   Compreende em uma etapa preliminar –
    Umedecimento da droga fora do percolador:

 Umedece    a droga uniformemente
 Facilita a passagem do solvente
 Evita formação de canais preferenciais
   SISTEMAS ABERTO

   Infusão
   Permanência, durante certo
    tempo, do material vegetal em
    água fervente, num recipiente
    tapado.
   As partes vegetais devem ser
    contundidas, cortadas ou
    pulverizadas, a fim de que
    possam ser mais facilmente
    penetradas e extraídas pela
    água.
   Uma infusão é a maneira adequada de
    preparar as partes aéreas das plantas,
    especialmente folhas e flores, para uso como
    medicamento ou como bebida revitalizante
    ou relaxante.
   Decocção
   Manter o material vegetal em
    contato, durante certo tempo,
    com um solvente (normalmente
    água) em ebulição.
   É uma técnica de emprego
    restrito, pois muitas substâncias
    ativas são alteradas por um
    aquecimento prolongado e
    costuma-se emprega-la com
    materiais vegetais duros e de
    natureza lenhosa.(4)
   Condições para decocção:

 Droga   seca
 Água com temperatura > 90ºC
 Manter na temperatura ambiente 15-30 min
 Filtrar
   Exemplo
   1- Coloque a erva em uma caçarola. Cubra
    com água e coloque para ferver durante 20a
    30 minutos até que o líquido seja reduzido
    em torno de 1/3.
   2- Force o líquido através de uma peneira em
    um recipiente. Cubra o recipiente e estoque
    em lugar fresco.
   É utilizado para a extração de óleos
    voláteis.

   Os óleos voláteis possuem tensão de vapor
    mais elevada que a da água, sendo, por
    isso, arrastados pelo vapor d água.

   O óleo volátil obtido, após separar-se da
    água deve ser seco com Na2SO4 anidro.
Aparelho de Clevenger
   Extração em aparelho de Soxhlet
   É utilizada, para extrair sólidos com solventes
    voláteis, exigindo o emprego do aparelho de
    Soxhlet.
   Em cada ciclo da operação, o material vegetal
    entra em contato com o solvente renovado;
    assim, o processamento possibilita uma
    extração altamente eficiente,
   Emprega uma quantidade reduzida de
    solvente, em comparação com as quantidades
    necessárias nos outros processos extrativos,
    para se obter os mesmos resultados
    qualitativos e quantitativos.(4)
   Resumo das condições dos distintos tipos de
    extrações contínuas e descontínuas.
EXTRAÇÕES    TEMPERATURA     TEMPO           SOLVENTES
DESCONTÍNUAS

Maceração    T ambiente      horas – dias    Água, misturas
                                             hidroalcoólicas,
                                             glicerina
Infusão      T próxima a     1 – 2 minutos   Água
             ebulição

             T menor         30 minutos



Decocção     T de ebulição   15-30           Água
                             minutos
Extrações        Temperatura       Tempo             Solventes
contínuas

Percolação       T ambiente        Variável          Variados

Soxhlet          T de ebulição     Variável          Solventes
                                                     orgânicos


Resumo das condições dos distintos tipos de extrações contínuas
(KUKLINSKI)
Métodos de extração
Métodos de extração

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Antraquinonas
AntraquinonasAntraquinonas
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
Herbert Cristian de Souza
 
Farmacotécnica
FarmacotécnicaFarmacotécnica
Farmacotécnica
Julia Martins Ulhoa
 
Farmacotecnica 03
Farmacotecnica 03Farmacotecnica 03
Farmacotecnica 03
Fernanda Luiza
 
Relatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasRelatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínas
Ilana Moura
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
Claudio Luis Venturini
 
Relatorio 5
Relatorio 5Relatorio 5
Emulsoes
Emulsoes Emulsoes
10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos
Lucas Stolfo Maculan
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Água para uso farmacêutico
Água para uso farmacêuticoÁgua para uso farmacêutico
Água para uso farmacêutico
Rodrigo Caixeta
 
Terpenóides (terpenos)
Terpenóides (terpenos)Terpenóides (terpenos)
Terpenóides (terpenos)
henriquetabosa
 
Flavonoides
FlavonoidesFlavonoides
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
Claudio Luis Venturini
 
8 aula óleos essenciais
8   aula óleos essenciais8   aula óleos essenciais
8 aula óleos essenciais
Jordi Antonio Balduino
 
Aula 6 pomadas 2020
Aula 6 pomadas 2020Aula 6 pomadas 2020
Aula 6 pomadas 2020
Nemesio Silva
 
Relatório de polarimetria
Relatório de polarimetria Relatório de polarimetria
Relatório de polarimetria
Railane Freitas
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
Marcelo Gomes
 
Diluição Simples e Seriada
Diluição Simples e Seriada Diluição Simples e Seriada
Diluição Simples e Seriada
José Vitor Alves
 

Mais procurados (20)

Antraquinonas
AntraquinonasAntraquinonas
Antraquinonas
 
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
 
Farmacotécnica
FarmacotécnicaFarmacotécnica
Farmacotécnica
 
Farmacotecnica 03
Farmacotecnica 03Farmacotecnica 03
Farmacotecnica 03
 
Relatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasRelatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínas
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
 
Relatorio 5
Relatorio 5Relatorio 5
Relatorio 5
 
Emulsoes
Emulsoes Emulsoes
Emulsoes
 
10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
 
Água para uso farmacêutico
Água para uso farmacêuticoÁgua para uso farmacêutico
Água para uso farmacêutico
 
Terpenóides (terpenos)
Terpenóides (terpenos)Terpenóides (terpenos)
Terpenóides (terpenos)
 
Flavonoides
FlavonoidesFlavonoides
Flavonoides
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 
8 aula óleos essenciais
8   aula óleos essenciais8   aula óleos essenciais
8 aula óleos essenciais
 
Aula 6 pomadas 2020
Aula 6 pomadas 2020Aula 6 pomadas 2020
Aula 6 pomadas 2020
 
Relatório de polarimetria
Relatório de polarimetria Relatório de polarimetria
Relatório de polarimetria
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
 
Diluição Simples e Seriada
Diluição Simples e Seriada Diluição Simples e Seriada
Diluição Simples e Seriada
 

Destaque

TM conforme fhb 3ed
TM conforme fhb 3edTM conforme fhb 3ed
TM conforme fhb 3ed
Rinaldo Ferreira
 
Principios da extracao por solvente
Principios da extracao por solventePrincipios da extracao por solvente
Principios da extracao por solvente
Antonio Leão
 
Extração por solvente
Extração por solventeExtração por solvente
Extração por solvente
Katia Souza
 
Bobinagem de motor trifasico meio imbricado
Bobinagem de motor trifasico meio imbricado Bobinagem de motor trifasico meio imbricado
Bobinagem de motor trifasico meio imbricado
Eurides Vicente Marcondes
 
Solventes org.
Solventes org.Solventes org.
Solventes org.
JulianaGimenes
 
Receitas produtos limpeza
Receitas produtos limpezaReceitas produtos limpeza
Receitas produtos limpeza
barbiebruxadoleste
 
extraçao por solventes
extraçao por solventesextraçao por solventes
extraçao por solventes
EEB Francisco Mazzola
 
Manual soluções, reagentes e solventes
Manual soluções, reagentes e solventesManual soluções, reagentes e solventes
Manual soluções, reagentes e solventes
matheusquimico
 
Rhodia - Coalescentes sustentáveis e removedores de cera de baixo odor - Dar...
Rhodia - Coalescentes sustentáveis e removedores de  cera de baixo odor - Dar...Rhodia - Coalescentes sustentáveis e removedores de  cera de baixo odor - Dar...
Rhodia - Coalescentes sustentáveis e removedores de cera de baixo odor - Dar...
Revista H&C
 

Destaque (9)

TM conforme fhb 3ed
TM conforme fhb 3edTM conforme fhb 3ed
TM conforme fhb 3ed
 
Principios da extracao por solvente
Principios da extracao por solventePrincipios da extracao por solvente
Principios da extracao por solvente
 
Extração por solvente
Extração por solventeExtração por solvente
Extração por solvente
 
Bobinagem de motor trifasico meio imbricado
Bobinagem de motor trifasico meio imbricado Bobinagem de motor trifasico meio imbricado
Bobinagem de motor trifasico meio imbricado
 
Solventes org.
Solventes org.Solventes org.
Solventes org.
 
Receitas produtos limpeza
Receitas produtos limpezaReceitas produtos limpeza
Receitas produtos limpeza
 
extraçao por solventes
extraçao por solventesextraçao por solventes
extraçao por solventes
 
Manual soluções, reagentes e solventes
Manual soluções, reagentes e solventesManual soluções, reagentes e solventes
Manual soluções, reagentes e solventes
 
Rhodia - Coalescentes sustentáveis e removedores de cera de baixo odor - Dar...
Rhodia - Coalescentes sustentáveis e removedores de  cera de baixo odor - Dar...Rhodia - Coalescentes sustentáveis e removedores de  cera de baixo odor - Dar...
Rhodia - Coalescentes sustentáveis e removedores de cera de baixo odor - Dar...
 

Semelhante a Métodos de extração

Tecnicasextrativas
TecnicasextrativasTecnicasextrativas
Tecnicasextrativas
RAFAEL LEAL MONTEIRO PARAISO
 
O laboratorio de_microbiologia
O laboratorio de_microbiologiaO laboratorio de_microbiologia
O laboratorio de_microbiologia
Erikamakely
 
Material auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdf
Material auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdfMaterial auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdf
Material auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdf
RosanaRocha49
 
Capitulo 02 processo de separação de misturas
Capitulo 02   processo de separação de misturasCapitulo 02   processo de separação de misturas
Capitulo 02 processo de separação de misturas
Marcos França
 
Química trabalho sobre separação de misturas
Química  trabalho sobre separação de misturasQuímica  trabalho sobre separação de misturas
Química trabalho sobre separação de misturas
ytamara_g22
 
Materiais de laboratório.ppt
Materiais de laboratório.pptMateriais de laboratório.ppt
Materiais de laboratório.ppt
AuriciaFariasBezerra1
 
Separação de materiais
Separação de materiaisSeparação de materiais
Separação de materiais
EEB Francisco Mazzola
 
Separação de materiais
Separação de materiaisSeparação de materiais
Separação de materiais
EEB Francisco Mazzola
 
Separação de materiais por solventes
Separação de materiais por solventesSeparação de materiais por solventes
Separação de materiais por solventes
EEB Francisco Mazzola
 
Separação de materiais
Separação de materiaisSeparação de materiais
Separação de materiais
EEB Francisco Mazzola
 
Separação de materiais2
Separação de materiais2Separação de materiais2
Separação de materiais2
EEB Francisco Mazzola
 
Separação de materiais2
Separação de materiais2Separação de materiais2
Separação de materiais2
EEB Francisco Mazzola
 
Apostila de análise orgânica e análise qualitativa
Apostila de análise orgânica e análise qualitativaApostila de análise orgânica e análise qualitativa
Apostila de análise orgânica e análise qualitativa
♥Mischelle Santos
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
matheusrl98
 
1_material_laborat.ppt
1_material_laborat.ppt1_material_laborat.ppt
1_material_laborat.ppt
AnaSofiaNeves8
 
Word farmaceutica
Word farmaceuticaWord farmaceutica
Word farmaceutica
Cristyan Ribeiro
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
Ezequias Guimaraes
 
Evaporação douglas e pedro augusto
Evaporação douglas e pedro augustoEvaporação douglas e pedro augusto
Evaporação douglas e pedro augusto
Douglas Pul
 
Métodos de separação fab
Métodos de separação fabMétodos de separação fab
Métodos de separação fab
EEB Francisco Mazzola
 
09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptx09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptx
BrunaSayuriSuzuki
 

Semelhante a Métodos de extração (20)

Tecnicasextrativas
TecnicasextrativasTecnicasextrativas
Tecnicasextrativas
 
O laboratorio de_microbiologia
O laboratorio de_microbiologiaO laboratorio de_microbiologia
O laboratorio de_microbiologia
 
Material auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdf
Material auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdfMaterial auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdf
Material auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdf
 
Capitulo 02 processo de separação de misturas
Capitulo 02   processo de separação de misturasCapitulo 02   processo de separação de misturas
Capitulo 02 processo de separação de misturas
 
Química trabalho sobre separação de misturas
Química  trabalho sobre separação de misturasQuímica  trabalho sobre separação de misturas
Química trabalho sobre separação de misturas
 
Materiais de laboratório.ppt
Materiais de laboratório.pptMateriais de laboratório.ppt
Materiais de laboratório.ppt
 
Separação de materiais
Separação de materiaisSeparação de materiais
Separação de materiais
 
Separação de materiais
Separação de materiaisSeparação de materiais
Separação de materiais
 
Separação de materiais por solventes
Separação de materiais por solventesSeparação de materiais por solventes
Separação de materiais por solventes
 
Separação de materiais
Separação de materiaisSeparação de materiais
Separação de materiais
 
Separação de materiais2
Separação de materiais2Separação de materiais2
Separação de materiais2
 
Separação de materiais2
Separação de materiais2Separação de materiais2
Separação de materiais2
 
Apostila de análise orgânica e análise qualitativa
Apostila de análise orgânica e análise qualitativaApostila de análise orgânica e análise qualitativa
Apostila de análise orgânica e análise qualitativa
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
1_material_laborat.ppt
1_material_laborat.ppt1_material_laborat.ppt
1_material_laborat.ppt
 
Word farmaceutica
Word farmaceuticaWord farmaceutica
Word farmaceutica
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
 
Evaporação douglas e pedro augusto
Evaporação douglas e pedro augustoEvaporação douglas e pedro augusto
Evaporação douglas e pedro augusto
 
Métodos de separação fab
Métodos de separação fabMétodos de separação fab
Métodos de separação fab
 
09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptx09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptx
 

Métodos de extração

  • 2. O termo extração significa retirar, da forma mais seletiva e completa possível, as substâncias ou fração ativa contida na droga vegetal, utilizando, para isso, um líquido ou mistura de líquidos tecnologicamente apropriados e toxicologicamente seguros.
  • 3.  Na escolha de um método extrativo, deve-se avaliar  a eficiência,  a estabilidade das substâncias extraídas,  a disponibilidade dos meios  o custo do processo escolhido,  considerando a finalidade do extrato que se quer preparar.
  • 4.
  • 5. Recipiente fechado,  Temperatura ambiente,  Durante um período prolongado (horas ou dias),  Sob agitação ocasional  Sem renovação do líquido extrator  Processo estático
  • 6. Desvantagens:  Lentidão no processo  Não é possível o esgotamento da droga (saturação do líquido extrator)
  • 7. ƒDiversas variações conhecidas desta operação objetivam, essencialmente, o aumento da eficiência de extração, entre elas:  Maceração dinâmica: maceração feita sob agitação mecânica constante;  Remaceração: quando a operação é repetida utilizando o mesmo material vegetal, renovando-se apenas o líquido extrator. (4)
  • 8. MACERAÇÃO  Este processo fica restrito quando se trabalha com substâncias ativas pouco solúveis, plantas com elevado índice de intumescimento e possíveis proliferações microbianas.  Apesar dos inconvenientes apresentados, ainda é uma das técnicas extrativas mais usuais devido à simplicidade e custos reduzidos.
  • 9. Processo dinâmico,  Arrastamento do princípio ativo pela passagem contínua do líquido extrator,  Esgotamento da planta através do gotejamento lento do material.  Percolador pode ser de vidro ou metal.
  • 10. Compreende em uma etapa preliminar – Umedecimento da droga fora do percolador:  Umedece a droga uniformemente  Facilita a passagem do solvente  Evita formação de canais preferenciais
  • 11.
  • 12. SISTEMAS ABERTO  Infusão  Permanência, durante certo tempo, do material vegetal em água fervente, num recipiente tapado.  As partes vegetais devem ser contundidas, cortadas ou pulverizadas, a fim de que possam ser mais facilmente penetradas e extraídas pela água.
  • 13. Uma infusão é a maneira adequada de preparar as partes aéreas das plantas, especialmente folhas e flores, para uso como medicamento ou como bebida revitalizante ou relaxante.
  • 14. Decocção  Manter o material vegetal em contato, durante certo tempo, com um solvente (normalmente água) em ebulição.  É uma técnica de emprego restrito, pois muitas substâncias ativas são alteradas por um aquecimento prolongado e costuma-se emprega-la com materiais vegetais duros e de natureza lenhosa.(4)
  • 15. Condições para decocção:  Droga seca  Água com temperatura > 90ºC  Manter na temperatura ambiente 15-30 min  Filtrar
  • 16. Exemplo  1- Coloque a erva em uma caçarola. Cubra com água e coloque para ferver durante 20a 30 minutos até que o líquido seja reduzido em torno de 1/3.  2- Force o líquido através de uma peneira em um recipiente. Cubra o recipiente e estoque em lugar fresco.
  • 17. É utilizado para a extração de óleos voláteis.  Os óleos voláteis possuem tensão de vapor mais elevada que a da água, sendo, por isso, arrastados pelo vapor d água.  O óleo volátil obtido, após separar-se da água deve ser seco com Na2SO4 anidro.
  • 19. Extração em aparelho de Soxhlet  É utilizada, para extrair sólidos com solventes voláteis, exigindo o emprego do aparelho de Soxhlet.  Em cada ciclo da operação, o material vegetal entra em contato com o solvente renovado; assim, o processamento possibilita uma extração altamente eficiente,  Emprega uma quantidade reduzida de solvente, em comparação com as quantidades necessárias nos outros processos extrativos, para se obter os mesmos resultados qualitativos e quantitativos.(4)
  • 20.
  • 21. Resumo das condições dos distintos tipos de extrações contínuas e descontínuas.
  • 22. EXTRAÇÕES TEMPERATURA TEMPO SOLVENTES DESCONTÍNUAS Maceração T ambiente horas – dias Água, misturas hidroalcoólicas, glicerina Infusão T próxima a 1 – 2 minutos Água ebulição T menor 30 minutos Decocção T de ebulição 15-30 Água minutos
  • 23. Extrações Temperatura Tempo Solventes contínuas Percolação T ambiente Variável Variados Soxhlet T de ebulição Variável Solventes orgânicos Resumo das condições dos distintos tipos de extrações contínuas (KUKLINSKI)